OS SABERES DE JOVENS DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO  Carvalho, A.G.L., Lima, C.O.F., Almeida, M.S, Quei...
INTRODUÇÃO <ul><li>O leite materno é o alimento ideal para o crescimento e desenvolvimento adequado das crianças, ao propo...
MATERIAL E MÉTODO <ul><li>Trata-se de um estudo exploratório de natureza qualitativa. Tomamos como espaço/momento empírico...
RESULTADOS <ul><li>Foram entrevistados no total oito adolescentes do Ensino Fundamental, moradores da comunidade do Alto d...
DISCUSSÃO <ul><li>A análise das entrevistas evidenciou que a maioria dos jovens sabe alguns efeitos benéficos e a importân...
CONSIDERAÇÕES FINAIS <ul><li>Através deste estudo foi constatado que os (as) jovens entrevistados (as) apresentam conhecim...
REFERÊNCIAS <ul><li>- Projeto de Iniciação Científica do PIBIC-UFBA (2010-2011), financiado pela FAPESB e CNPQ . </li></ul...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento materno

902 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
902
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento materno

  1. 1. OS SABERES DE JOVENS DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO Carvalho, A.G.L., Lima, C.O.F., Almeida, M.S, Queiroz, J.M., Nunes, P.S. Iniciativa: Escola de Enfermagem
  2. 2. INTRODUÇÃO <ul><li>O leite materno é o alimento ideal para o crescimento e desenvolvimento adequado das crianças, ao proporcionar proteção imunológica contra doenças infecciosas, estimula a relação afetiva entre esta e sua genitora. Além dos seus inquestionáveis benefícios, a amamentação é um direito que deve ser garantido à mulher e à criança. Embora a amamentação tenha sua importância reconhecida pela comunidade científica, verifica-se a nível mundial que a prática da amamentação está muito longe de corresponder ao preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). </li></ul><ul><li>Posições, atitudes e conhecimentos em relação à alimentação infantil podem ser formadas previamente à gestação e à adolescência, o que respalda que, a aceitação e promoção da amamentação por indivíduos em diferentes períodos de desenvolvimento humano, pode ser potencialmente eficaz. Trabalhos que avaliaram conhecimentos de estudantes sobre a amamentação demonstraram que há necessidade de medidas que venham a promover uma postura mais favorável a essa temática nas escolas com vista a abordagem de conceitos ainda não assimilados pelos (as) alunos(as) e a desmistificação de mitos e preconceitos comuns entre as pessoas. </li></ul>
  3. 3. MATERIAL E MÉTODO <ul><li>Trata-se de um estudo exploratório de natureza qualitativa. Tomamos como espaço/momento empírico para realização da atividade de pesquisa uma área que compõe o Distrito Sanitário da Boca do Rio, Salvador- BA, onde se localiza a comunidade do Alto do São João. Tivemos como participantes desse estudo, 08 jovens na faixa etária de 12 aos 16 anos moradores (as) na comunidade do Alto do São João. Toda(o) jovem que aceitou participar do estudo recebeu uma carta com informações pertinentes e após devidamente esclarecido assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido – TCLE, junto com a autorização do pai, mãe ou responsável. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista semi-dirigida com o/a jovem que estava cursando o ensino fundamental e que aceitou participar da pesquisa. Para operacionalizar a técnica e tratar praticamente os dados coletados, optamos por utilizar a análise de conteúdo, modalidade temática norteada por Bardin. </li></ul>Analisar os saberes de jovens do ensino fundamental sobre aleitamento materno. OBJETIVO
  4. 4. RESULTADOS <ul><li>Foram entrevistados no total oito adolescentes do Ensino Fundamental, moradores da comunidade do Alto do São João situada no bairro Boca do Rio da cidade de Salvador/BA. Dentre os entrevistados as idades variaram de 13 a 16 anos, ambos os sexos, escolaridade do 4º ano ao 8º ano, e religiões: evangélica, católica, e sem religião. Sendo que 02 eram do sexo masculino e 06 do sexo feminino; 01 com 13 anos; 03 com 14 anos; 03 com 15 anos e 01 com 16 anos. Quanto a escolaridade 01 se encontrava no 4º ano; 03 no 5º ano; 02 no 6º ano e 02 no 8º ano do ensino fundamental. Dentre esses, 05 diziam não ter religião definida, 01 freqüenta Ágape; 01 dizia ser Católico e 01 Evangélico. </li></ul>
  5. 5. DISCUSSÃO <ul><li>A análise das entrevistas evidenciou que a maioria dos jovens sabe alguns efeitos benéficos e a importância do aleitamento materno para a criança. Ficou evidente que a maioria dos (as) jovens acredita que amamentar traz benefícios para saúde da genitora e do lactente, embora não soube informar quais são as vantagens para a mãe. De todas as entrevistas apenas duas (dois) alunos (as) afirmaram ter obtido algum conhecimento/informação sobre o aleitamento materno na escola, embora este aprendizado se mostrou insignificante, de acordo com algumas falas. Levando em consideração a possibilidade de hábitos, conceitos e práticas desfavoráveis a prática do aleitamento materno, a maioria dos (as) jovens entrevistados (as) demonstraram a incorporação de práticas incorretas relacionadas a adoção de outros alimentos além do leite materno, no período anterior a seis meses de vida da criança. A maioria dos(as) jovens ignora tanto o tempo exigido e necessário para nutrir adequadamente um recém-nascido quanto a composição do leite materno, mesmo de modo superficial compatível com o grau de escolaridade. </li></ul>
  6. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS <ul><li>Através deste estudo foi constatado que os (as) jovens entrevistados (as) apresentam conhecimento bastante deficiente em relação ao aleitamento materno, confirmando o já exposto em estudos anteriormente citados. Apesar do resultado da pesquisa anterior da mesma autoria deste projeto confirmar a ampla adoção do tema aleitamento materno na maioria dos livros didáticos de biologia recomendados pelo Programa Nacional do Livro do Ensino Médio – PNLEM, e da mesma recomendação do MEC para o Ensino Fundamental através do Programa Nacional do Livro Didático – PNLD voltado para a educação básica, foi verificado que o aprendizado escolar dos jovens é pouco eficaz, o que sugere que esses carecem de informações sobre essa temática. O resultado dessa pesquisa deixa claro e evidente a necessidade de se criar estratégias de intervenção junto a essas crianças “meninos e meninas do ensino fundamental de uma Escola Pública”. </li></ul>
  7. 7. REFERÊNCIAS <ul><li>- Projeto de Iniciação Científica do PIBIC-UFBA (2010-2011), financiado pela FAPESB e CNPQ . </li></ul><ul><li>1. ALMEIDA JAG. Amamentação: Um híbrido natureza-cultura. Jornal de Pediatria. 2004; 80(5):119-25. 2. BARDIN, L. Análise de conteúdo . Lisboa: Edições 70, 2009. 3. BOTTARO SM. Avaliação de estratégia para promoção aleitamento materno em escolas do ensino fundamental [dissertação].Porto Alegre,RS:Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2006. 4. DESLANDES, S. F.; ASSIS, S. G. de. Abordagens qualitativas em saúde: o diálogo das diferenças . In: MINAYO M.C. S. DESLANDES, S. F. (Orgs.). Caminhos do pensamento: epistemologia e método. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2002. p. 195-223. 5. GALVÃO, D. M. P. G.; SILVA, D. M. L.; VICENTE, F. F.; SOEIRO, G. S. F.; RODRIGUES, I.B; COSTA, M. J. Q.; NUNES, P. R. C.; FERNANDES, P. A. T.; Conhecimentos e atitudes dos adolescentes face à amamentação , 2007. 6. GREENE J, STEWART-KNOX B, WRIGHT M. Feeding preferences and attitudes to breastfeeding and its promotion among teenagers in Nothern Ireland . J Hum Lact. 2003;19:57-65. 7. NAKAMURA, S.S.; VEIGA, K.; FERRARESE, S.R.B.; MARTINEZ, F.E. Percepção e conhecimento de meninas escolares sobre o aleitamento materno . Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro. Vol. 79, Nº2, p. 181-188. 2003. 8. TAKUSHI SAM . Alimentação complementar na opinião de gestantes [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2003. </li></ul>

×