Pnaic sintese unidade 2 from juliana arruda

13.074 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.074
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
85
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
153
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pnaic sintese unidade 2 from juliana arruda

  1. 1. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Orientadora de Estudos: Juliana M. A. Vieira Unidade 2 - Planejamento e Rotina Ano 1- Planejamento Escolar: Alfabetização e Ensino Da Língua Portuguesa Por que planejar o ensino? Precisamos planejar para fazermos escolhas coerentes, organizar nossas rotinas, ter nossos objetivos delimitados, saber aonde queremos chegar e o que precisamos ensinar aos nossos alunos. Para tanto, é necessário termos uma visão do processo mais amplo de aprendizado que será desenvolvido durante todo o ano letivo, mas também do processo micro, revelado por meio de um planejamento mais pontual, marcado por intervalos de tempo. Para planejar o processo de alfabetização e ensino/aprendizagem da Língua Portuguesa tomamos quatro eixos direcionadores: leitura, produção de texto escrito, oralidade e análise linguística, incluindo a apropriação do Sistema de Escrita Alfabética - SEA. A leitura A leitura envolve a aprendizagem de diferentes habilidades, tais como: (i) o domínio da mecânica que implica na transformação dos signos escritos em informações, (ii) a compreensão das informações explícitas e implícitas do texto lido e (iii) a construção de sentidos. As referidas habilidades inter-relacionam-se e não podem ser pensadas hierarquicamente. Quanto maior for a experiência de ouvir e ler textos, mais elaborada será a produção de sentidos por parte do leitor. No processo inicial de apropriação do Sistema de Escrita Alfabética, cabe ao professor ser o mediador da turma, auxiliando os alunos na elaboração de objetivos e expectativas de leitura, na criação de hipóteses antes e durante o ato de ler, correlacionando os conhecimentos prévios dos aprendizes com aqueles que se pode reconhecer no texto, sejam explícitos ou implícitos. Em nosso dia a dia, utilizamos a leitura com diferentes objetivos (lemos para obter informações sobre um assunto específico, para localizarmos uma rua, para seguirmos prescrições médicas, para nos distrairmos), os quais direcionam nossas atitudes diante do texto. São essas estratégias, práticas sociais que vivenciamos em nossas ações de leitores competentes, que devem ser tomadas como base para o ensino e o trabalho na sala de aula com a leitura, diminuindo cada vez mais as atividades artificiais e proporcionando, com mais intensidade, atividades próximas às práticas sociais de letramento.
  2. 2. A produção de textos Entendemos que o texto a ser escrito pelas crianças pode ser longo ou curto, conhecido ou não. A letra de uma cantiga, uma quadrinha, um poema, um provérbio, um dito popular, uma história, um bilhete, um cartaz, um aviso são alguns exemplos de textos a serem escritos em sala de aula. A escolha do que a criança irá escrever irá depender da situação comunicativa proposta pelo professor. Partindo desta concepção, defendemos a ideia de que a criança pode e deve escrever espontaneamente desde as primeiras semanas de aula. É necessário, entretanto, que o docente compreenda que copiar não é sinônimo de escrever, embora seja uma habilidade necessária a ser desenvolvida durante a alfabetização. O papel do professor de revisor do texto para que possa ser exibido em mural é importante porque, interagindo neste tipo de situação, a criança pode aprender que existe uma convenção social que dita as regras da escrita, as quais serão aprendidas no decorrer dos anos. A produção de textos, na escola, pode se dar de diferentes formas: coletivamente, por meio de um escriba que geralmente é o professor; em dupla; ou individualmente. Quando o professor atua como escriba, ensina às crianças as diferenças entre linguagem oral e escrita, a organização das ideias, a importância de sempre revisar o que foi produzido, a desenvolverem suas próprias estratégias de registro e a se assumirem como autores. O trabalho em dupla é um recurso metodológico interessante porque permite às crianças interagirem, trocarem informações e resolverem conflitos, o que favorece a participação mais efetiva. Ao produzirem o texto, as crianças confrontam suas hipóteses, negociam a escrita e auxiliam umas às outras em suas reflexões, tanto a respeito do sistema de escrita, quanto à organização do texto. Tal tipo de atividade é, sem dúvida, muito importante, no entanto, para que as crianças aprendam a escrever textos é preciso variar as situações de produção quanto às dimensões da escrita a serem contempladas: (i) registro de um texto que se sabe de cor; (ii) a reescrita de textos, em que as crianças sabem o conteúdo do texto, mas precisam recuperá-lo e escrever de outro modo, pensando em “como dizer”; (iii) escrita autoral de textos, em que os estudantes precisam definir o que vão dizer e como vão dizer. A oralidade Ser competente em diferentes situações discursivas orais engloba, em primeira instância, saber adequar sua linguagem ao contexto ou ao evento em que estamos inseridos. Demanda, também, saber as regras de convivência e de comportamento segundo as quais os espaços sociais estão organizados e, ainda, saber monitorar a fala e a escuta em situações formais. O trabalho com a linguagem oral também deve ser planejado e organizado assim como os demais eixos do ensino e aprendizagem do Ciclo de Alfabetização (e outros, ao longo da escolaridade). O professor precisa levar em conta os usos que fazemos da oralidade na sociedade, promovendo atividades sistemáticas que envolvam os gêneros orais como, por exemplo, apresentação de trabalhos, participação em entrevistas, contação de histórias.
  3. 3. O alargamento das práticas de oralidade significa o direito de apreensão de um instrumento necessário não só para a vida escolar, mas também para a vida em sociedade. Esta é uma formação que visa o exercício da cidadania. A análise linguística - apropriação do Sistema de Escrita Alfabética A apropriação do sistema de escrita está diretamente relacionada com a capacidade de se pensar sobre a língua. O processo de análise linguística nos anos iniciais precisa estar voltado para as reflexões acerca da língua e de seu funcionamento e é necessário que seja desenvolvido concomitantemente com a apropriação dos usos e funções sociais dos gêneros textuais, da leitura, da produção de textos e da linguagem oral. Os conhecimentos envolvidos no eixo de apropriação do Sistema de Escrita Alfabética vão desde a capacidade da criança de reproduzir seu nome próprio, mesmo antes de poder escrever outras palavras, diferenciar os tipos de letras e outros recursos gráficos, até aspectos relativos ao domínio das correspondências entre letras ou grupos de letras e fonemas. Assim, a criança precisa conhecer todas as letras do alfabeto, seus respectivos nomes e diferentes formas de grafá-las; perceber as relações que existem entre som- letra, por meio do desenvolvimento da consciência fonológica. E, por fim, precisa aprender sobre a ortografia. Na prática, a apropriação do sistema alfabético pode se dar por meio de jogos, atividades lúdicas, atividades de composição e decomposição de palavras, favorecendo a reflexão acerca de segmentos linguísticos menores, como as sílabas e os fonemas. Todo o trabalho com a alfabetização na perspectiva do letramento está pautado na busca da realização de atividades que levem em consideração os usos sociais da língua escrita, não somente os escolares, mas também os relativos a outras esferas sociais. Como bem destaca Kleiman (2005, p.33): As práticas de letramento fora da escola têm objetivos sociais relevantes para os participantes da situação. As práticas de letramento escolares visam ao desenvolvimento de habilidades e competências no aluno e isso pode, ou não, ser relevante para o estudante. Essa diferença afeta a relação com a língua escrita e é uma das razões pelas quais a língua escrita é uma das barreiras mais difíceis de serem transpostas por pessoas que vêm de comunidades em que a escrita é pouco ou nada usada. Importância da organização de planos anuais Como planejar o que vou ensinar durante um ano inteiro se nem conheço minha turma ainda? Por que elaborar um plano anual se todo dia eu faço um roteiro para as minhas aulas? Questões como essas podem vir à mente quando pensamos na organização do plano anual. Fazer uma avaliação diagnóstica no início do ano é fundamental. Conhecer a turma com a qual vamos trabalhar é essencial para delimitarmos nossos objetivos, e termos um ponto de partida (leia-se um plano anual) que sirva de referência para nosso trabalho é imprescindível. Ao organizarmos planos anuais, visualizamos aspectos mais amplos do trabalho de alfabetização e letramento e tomamos decisões gerais concernentes ao processo ensino/aprendizagem como, por exemplo, decidir os critérios a serem usados para escolher textos a serem utilizados; selecionar
  4. 4. quais gêneros textuais usar e com que frequência; definir quando nossos alunos vão começar a produzir textos – se antes de saberem escrever convencionalmente ou só depois de terem memorizado um conjunto de palavras; decidir que tipo de atividade será utilizada para desenvolver a linguagem oral; eleger qual unidade linguística será o ponto de partida para ensinarmos o sistema de escrita e com base em qual contexto. Como podemos ver, o plano anual, além de organizar os conhecimentos a serem desenvolvidos durante um ano letivo, revela nossas escolhas com relação ao que vamos ensinar aos nossos alunos, antes mesmo de conhecê- los. Destaque-se, entretanto, que além de se ter como foco os direitos de aprendizagem e as experiências acumuladas, a ênfase a ser dada a cada tipo de atividade será dirigida pelo resultado da avaliação diagnóstica e pelo que foi decidido (pela escola, pela Secretaria de Educação, e pela professora) sobre o que será ensinado naquele ano, tanto em relação aos eixos de ensino do componente curricular Língua Portuguesa, quanto no que se refere às outras áreas de conhecimento. Ano 2- A Organização do Planejamento e da Rotina no Ciclo De Alfabetização na Perspectiva do Letramento Por meio do planejamento o professor pode organizar, didática e pedagogicamente, o trabalho a ser desenvolvido e o tempo a ser destinado para cada ação. Segundo Libâneo (1994), o planejamento é um processo de racionalização, organização e coordenação da ação docente, articulando a atividade escolar e a problemática do contexto social. Esses planos de ação podem se configurar como educacional, escolar, curricular e de ensino. Para cada um deles existem conteúdos procedimentais, atitudinais e conceituais, bem como ações e estratégias específicas para a sua efetivação. Cabe a cada escola elaborar um plano escolar sobre a organização, o funcionamento e a proposta pedagógica da instituição. Nesse contexto, a proposta curricular deve orientar quanto às experiências de aprendizagem a serem oferecidas à criança na escola. Com base nos planos elencados, o coletivo de professores deve elaborar um planejamento de ensino para o ciclo de alfabetização que vise à definição das ações concretas para as situações do trabalho pedagógico, com o objetivo de possibilitar a apropriação e a consolidação da alfabetização. A rotina escolar, nessa dimensão, passa a ser um momento de escolhas e decisões didáticas e pedagógicas baseadas na reflexão sobre como agir e sobre as suas possibilidades. Para planejar é importante ter consciência dos direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetização, estabelecendo uma progressão no ensino que proporciona a progressão nas aprendizagens a cada ano. Ou seja, é necessário organizar nossa ação em relação a: Quais nossas prioridades no ensino a cada ano? O que as crianças já sabem? O que esperamos que os alunos aprendam? Como planejamos os eixos do ensino do componente curricular Língua Portuguesa e como os distribuímos ao longo da semana? Em quais critérios nos baseamos para fazer a escolha da frequência de cada um deles? Como buscamos explorá-los?
  5. 5. Em relação à presença dos eixos do componente curricular Língua Portuguesa, nas dezenove obras aprovadas no PNLD 2010, a análise das coleções evidenciou alguns avanços e limites em relação a cada eixo de ensino: • Leitura: crescente exploração da diversidade textual (circulação, gênero, tamanho, autores), presença de textos curtos, exploração das estratégias de leitura, do vocabulário e do contexto de produção; • Produção de textos: exploração do contexto de produção, destinatários e objetivos específicos de cada gênero a ser trabalhado e pouca ênfase em atividades de planejamento e revisão dos textos; • Oralidade: menor avanço quanto à exploração do gênero e suas características, presença de atividades que exploram cantorias e conversas; • Análise linguística: crescente exploração de várias habilidades que possibilitam o domínio efetivo da escrita alfabética. A rotina de sala de aula deve contemplar os vários eixos como objetos de ensino, pois é primordial diversificar as atividades para melhor atender aos alunos em todos os anos do ciclo de alfabetização. Sendo assim, discutiremos alguns objetivos e estratégias que podem orientar o planejamento nos eixos da análise linguística, leitura, produção de textos escritos e oralidade. No eixo da análise linguística, é preciso considerar as atividades voltadas para o que queremos ensinar sobre o Sistema de Escrita Alfabética (como se organiza esse sistema), considerando quais conhecimentos foram construídos pelos estudantes e como eles se apropriam desses conhecimentos. Ao atingir a hipótese alfabética é preciso que a criança reflita sobre a norma ortográfica, compreendendo as regularidades e memorizando as irregularidades ortográficas, a fim de escrever convencionalmente as palavras (MORAIS, 1999). Para isso, deve-se planejar as atividades de reflexão sobre as dificuldades ortográficas despertando-as para o princípio gerativo subjacente à escrita das palavras, ou seja, para o princípio de que quando conhecemos uma regra podemos aplicá-la a todas as palavras cuja escrita dependa dessa regra. Por exemplo, a regra de que o som /k/ antes de A, O e U pode ser representado por C ou K e antes de E e I, por QU ou K, quando aprendida, pode ser aplicada em muitas palavras. A preocupação do professor não deve ser com a memorização das regras, mas com a compreensão. O eixo da leitura tem, dentre outras, a finalidade de proporcionar às crianças a capacidade de ler para: aprender a fazer algo, aprender assuntos do seu interesse, informar-se sobre algum tema e ter prazer na leitura. Para o planejamento dessas atividades concebemos a leitura como uma relação dialética entre interlocutores, que pressupõe a interação entre texto e leitor e não um simples ato mecânico de decifração de signos gráficos. O ensino da compreensão de texto é, portanto, um processo em espiral no qual o leitor realiza um trabalho ativo de construção do sentido do texto pela ativação de diferentes esquemas. No segundo ano, espera-se que a criança já possua domínio da apropriação do sistema de escrita e alguma fluência mínima de leitura para que desenvolva autonomia na compreensão dos textos. após a atividade de leitura, ocorram conversas sobre o texto lido. As autoras propõem que sejam explorados alguns tipos de perguntas durante esta atividade: Perguntas antes da leitura Antecipar sentidos do texto;
  6. 6. Ativar conhecimentos prévios; Estabelecer finalidades para a leitura Perguntas durante e/ou depois da leitura Localizar informação explícita de um texto; Elaborar inferências; Estabelecer relações lógicas entre partes do texto; Identificar tema ou apreender o sentido geral do texto; Interpretar frases e expressões; Distinguir ponto de vista do “autor” de opiniões do leitor; Estabelecer relações de intertextualidade; Explorar vocabulário e recursos coesivos; Explorar características do gênero textual; Explorar recursos estéticos e expressivos do texto; Explorar imagens como elemento constitutivo das possibilidades de sentido; Explorar dialetos e registros; Identificar ideia central a partir do texto; Emitir opinião sobre o texto; Responder aos textos (extrapolação). Levantar e confirmar hipóteses (previsões sobre o texto). Nessas situações de leitura é importante considerar o papel do professor como um modelo de ações, atitudes e expressões Qual é meu objetivo ao escolher este texto para esta turma? • O que espero de meus alunos com a leitura deste texto? • Qual seria um bom texto para desenvolver determinada habilidade de leitura que meus alunos ainda não dominam bem? • Qual é o lugar deste texto no conjunto dos textos a serem lidos ao longo do bimestre, do semestre ou do ano? • Qual a relação deste texto com o projeto pedagógico da escola, ou com meu próprio projeto para esta turma? • Minhas escolhas levam em consideração os interesses de meus alunos? • Quais foram as dificuldades encontradas por meus alunos para a compreensão do texto lido? • Se eu planejei alguma atividade para desenvolver a partir do texto lido, essa atividade contribuiu para a melhor compreensão do texto? Quanto ao eixo da produção de textos, consideramos que, ao entrarmos no mundo da escrita, operamos com a língua de modo diferente, fazendo-a objeto de atenção e manipulação. Portanto, quando o acesso à escrita é autônomo possibilita uma maior consciência acerca das unidades linguísticas e uma maior reflexão sobre as formas textuais, autorizando o aluno a decidir sobre as maneiras de organizar o conteúdo textual. Nesse sentido, a apropriação do Sistema de Escrita Alfabética possibilita maior autonomia na reflexão sobre a organização textual e sobre o próprio conteúdo. Leal e Albuquerque (2005) apontam alguns tipos de situações de uso da escrita na alfabetização: Em relação ao planejamento das atividades voltadas para o eixo da produção de textos, é importante que estas busquem contemplar as reflexões acerca do contexto de produção. O contexto de produção, tal como propõem vários autores, determina não apenas o que dizemos sobre o “mundo”, mas também a forma que escolhemos para “dizer”. É necessário na escrita de um texto que se tenha não somente “o que escrever”, mas também “para que” e “para quem”
  7. 7. escrever; ou seja, quem escreve um texto elabora representações sobre a situação de interação, sobre os interlocutores e sobre as representações do interlocutor. Por fim, em relação ao eixo da oralidade, não é certo afirmar que a fala é informal e a escrita formal. Ambas têm graus de formalidade variáveis de acordo com as situações comunicativas, pois os usos da língua são situados, sociais e históricos, e possuem certo grau de implícito e envolvimento. Portanto, a fala e a escrita são atividades discursivas e essa relação entre fala e escrita se dá em forma de um contínuo, sendo as duas ações planejadas. Reiteramos, portanto, que todas as formas de organização do trabalho de sala de aula favorecem múltiplas aprendizagens desde que tenham sido elaborados planos de ação. Nesse sentido, é importante adotarmos quadros de rotinas considerando os objetivos didáticos, os diversos tipos de organização do trabalho, as características do grupo e as formas de interação. No próximo texto, estaremos aprofundando as discussões sobre possibilidades de organização da rotina em turmas de alfabetização. Ano 3- Planejamento e Organização da Rotina na Alfabetização “O currículo é construído na prática diária de professores e, portanto, nem sempre reflete exatamente o que os documentos oficiais orientam, mas também não pode ser entendido como decisão de cada um”. Isto é: Do ponto de vista de sua realização, o currículo escolar pode assumir a forma do concebido e do vivido. No âmbito do currículo concebido, temos o currículo formal. [...] No âmbito do currículo vivido é que efetivamente se manifesta, ou não, a concretização do concebido. O currículo praticado envolve as relações entre poder, cultura e escolarização, representando, mesmo que de forma nem sempre explícita, o jogo de interações e/ou as relações presentes no cotidiano escolar (CARVALHO, 2008, p. 96-97). A prática docente, na realidade, resulta das concepções acerca do que se deve ensinar, que se baseia tanto em documentos curriculares, quanto dos textos de estudo, participação em situações de formação, quanto das próprias experiências vivenciadas pelo professor; dos conhecimentos sobre os conteúdos escolares; dos resultados da avaliação acerca do que os estudantes sabem; das concepções sobre quais são as melhores estratégias de ensino, dentre outras. Acreditamos que, quanto mais consciência o professor tiver acerca dos princípios que regem sua prática, maior autonomia terá no processo de planejamento e realização da ação didática. Em um estudo sobre os princípios didáticos que regiam as práticas de duas professoras do quinto ano do Ensino Fundamental de escolas municipais de ensino de Recife e Jaboatão dos Guararapes, Lima (2011) identificou princípios fundamentais que levaram a autora a considerar que as professoras analisadas tinham uma dinâmica centrada em uma perspectiva sociointeracionista de ensino. Por meio das análises de relatórios de aula, elaborados com base nas anotações, gravações e filmagens, a autora identificou dez princípios subjacentes à maior parte das aulas das professoras:
  8. 8. (1) ensino reflexivo – as professoras estimulavam as crianças a refletir sobre os conhecimentos, evitando situações em que os conhecimentos eram simplesmente transmitidos por elas; (2) ensino centrado na problematização – as professoras planejavam atividades em que as crianças eram desafiadas a resolver problemas diversos; havia desafios que motivavam as crianças a querer aprender; (3) ensino centrado na interação em pares – as professoras priorizavam situações em que a aprendizagem se dava por meio da interação em grandes grupos, em pequenos grupos, em duplas; as atividades individuais sempre culminavam em momentos de socialização e discussão; (4) ensino centrado na explicitação verbal – as crianças eram estimuladas a falar sobre o que pensavam, a responder perguntas; elas não tinham medo de errar porque sabiam que podiam dizer o que pensavam sem passar por constrangimentos; entendiam que todos estavam aprendendo; (5) favorecimento da argumentação – as crianças eram estimuladas a expor e justificar suas opiniões; os diferentes pontos de vista na sala de aula eram confrontados; as professoras valorizavam as posturas de respeito, mas com explicitação das diferentes possibilidades de pensar sobre os conhecimentos; (6) sistematização dos saberes – as professoras realizavam atividades de sistematização dos conhecimentos ensinados; havia momentos de sínteses em relação aos conhecimentos acumulados, seja por meio de exposições breves, seja por meio de registro coletivo das aprendizagens realizadas; (7) valorização dos conhecimentos dos alunos – as docentes frequentemente realizavam atividades para saber o que as crianças pensavam sobre os conteúdos que estavam sendo ensinados; utilizavam tais conhecimentos para planejar as atividades e como ponto de partida nos momentos de resolução de problemas; as professoras estimulavam as crianças a expor seus conhecimentos, valorizando o que elas diziam; investiam também no aumento da autoestima das crianças; (8) incentivo à participação dos alunos – as professoras se dirigiam às crianças quando percebiam que elas estavam apáticas, sobretudo as crianças mais tímidas ou que não tinham iniciativa de participação nas atividades; (9) diversificação de estratégias didáticas – as professoras realizavam vários tipos de atividades para contemplar um determinado conteúdo; elas diversificavam tanto os recursos didáticos quanto as atividades; (10) ensino centrado na progressão – as docentes contemplavam um mesmo conteúdo em aulas diferentes, aumentando o grau de dificuldade. Enfim, esse estudo mostra que quando as aulas são bem planejadas, os estudantes se envolvem mais. No entanto, é interessante observar que alguns desses princípios dizem respeito não necessariamente ao tipo de atividade planejada, e sim às posturas, aos modos de mediação, à capacidade de explicar e dialogar com as crianças. Desse modo, a melhoria da prática pedagógica envolve, por um lado, a ampliação contínua dos conhecimentos, mas também o desenvolvimento de modos de interagir com os alunos. AS ROTINAS DA ESCOLA E DA SALA DE AULA: REFERÊNCIAS PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR
  9. 9. O que é rotina? Ela é um mal ou um bem necessário? Por que tantas vezes ela é temida, criticada e/ou desejada? Rotina em sentido negativo = realização diária de atividades repetitivas, cansativas, que fazemos sem refletir, sem saber o que, como e para que a fazemos. Nas décadas de 1960/70, as escolas adotavam modelos baseados na psicologia comportamentalista e no tecnicismo para organizar a rotina da sala de aula. O dia a dia da sala de aula era transformado em uma sucessão de atividades repetitivas guiadas, no geral, por manuais que garantiam a absorção máxima do que era proposto. Na década de 1980, houve a difusão das teorias construtivistas e sócio- interacionista de ensino aprendizagem, porém por meio de uma interpretação equivocada da teoria construtivista, passou-se a criticar tudo o que se relacionava com planejamento e organização do trabalho pedagógico com a justificativa de que era “tradicional”, velho e ultrapassado. Nessa perspectiva o professor não precisaria se programar para realizar as atividades, pois estas iriam surgir na própria prática cotidiana. Rotina num sentido positivo = concordamos, portanto, com Leal (2004. p.02) quando a autora defende a importância do planejamento para a vida escolar ao afirmar que, as rotinas escolares asseguram que alguns “procedimentos” básicos sejam “acordados” entre professor e alunos e que os mesmos já se disponibilizem dentro do espaço temporal e espacial para as tarefas pedagógicas. Como desenvolver práticas de alfabetização em tal perspectiva e no que elas efetivamente se diferenciam das outras? A construção de uma rotina escolar que contemple os diferentes eixos de ensino da língua, por meio de um planejamento elaborado com base na realidade de cada aluno e da escola, pode favorecer a realização de atividades que ajudem a promover a autonomia e a criatividade dos alunos no mundo da leitura e da escrita. Uma Rotina deve possuir: • ATIVIDADES PERMANENTES • SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS • PROJETOS DIDÁTICOS • JOGOS (POR EXEMPLO, AQUELES ENVIADOS PELO MEC)
  10. 10. Em síntese:
  11. 11. ANOS 1960/70  HERANÇA DO POSITIVISMO  ROTINAS REPETITIVAS E CANSATIVAS ANOS 1980  CONSTRUTIVISMO = INTERPRETAÇÃO EQUIVOCADA  IMPROVISOS CONSTRUTIVISMO E SÓCIO-INTERACIONISTA PROCEDIMENTOS INTENCIONALMENTE PLANEJADOS CONHECIMENTO DAS PRÁTICAS SOCIAIS/CULTURAIS DOS SUJEITOS ENVOLVIDOS REFLEXÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ROTINAS PLANEJADAS E ORGANIZADAS CRIANÇAS APRENDEM A PREVER O QUE FARÁ NA ESCOLA E A ORGANIZAR-SE PROFESSOR DISTRIBUI MELHOR AS ATIVIDADES FACILITANDO O PLANEJAMENTO DIÁRIO
  12. 12. ROTINAS DE ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DO LETRAMENTO: A ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Como organizar propostas de ensino que contribuam, efetivamente, para a apropriação da alfabetização na perspectiva do letramento? TEMPO PEDAGÓGICO REFLETIR O QUE ENSINAR POR QUE ENSINAR QUE TEMPO PRECISA PARA ENSINAR
  13. 13. ATIVIDADES PERMANENTES SEQUÊNCIA DIDÁTICA PROJETO DIDÁTICO JOGOS São as que acontecem ao longo de um determinado período de tempo na rotina e são importantes para o desenvolvimento de conceitos, procedimentos e atitudes. PERIODICIDADE: semanal, quinzenal, diária. - as atividades se repetem de forma sistemática e previsível. Atividades planejadas de forma sequenciada, de modo que a ordem interfere na sua realização: as respostas dos alunos a uma atividade direcionam e são mobilizadas na atividade seguinte. São situações didáticas articuladas em torno de um conhecimento específico. Possuem uma sequência crescente de desafios e não tem um produto final. PERIODICIDADE: variável Obs.: Podem ocorrer também atividades ocasionais. As ações propostas têm relação entre si e fazem sentido em função do produto final. Pressupõe um problema a ser resolvido. Articulam-se em função de uma finalidade e de um produto final compartilhado. Contextualizam as atividades. Podem ser interdisciplinares. PERIODICIDADE: depende dos objetivos propostos. - um projeto pode ser de dias ou meses. Na alfabetização como atividades diárias que proporcionam reflexão sobre o Sistema de Escrita Alfabética, contemplando diferentes unidades linguísticas.
  14. 14. A organização dos diferentes tipos de atividades depende das aprendizagens esperadas para a turma e devem ser distribuídas de forma equilibrada e progressiva na rotina semanal, bem como estas devem contemplar ações como reflexão, sistematização e consolidação dos direitos de aprendizagem. ROTINA NA ALFABETIZAÇÃO: INTEGRANDO DIFERENTES COMPONENTES CURRICULARES É fundamental, não perder de vista que diferentes dimensões do ensino são interligadas, mas há especificidades a serem contempladas. No componente Língua Portuguesa, os direitos de aprendizagem são organizados em quatro eixos centrais: 1. Leitura. 2. Produção de textos escritos. 3. Linguagem oral. 4. Análise linguística. No eixo da leitura, três dimensões interligadas precisam ser enfatizadas: • Sociodiscursiva – propósitos para os quais os textos foram escritos. • Estratégias de leitura – saber antecipar sentidos, elaborar inferências, estabelecer relações entre partes do texto, entre outras estratégias. • Conhecimentos linguísticos – englobam o funcionamento do sistema alfabético, o domínio da correspondência entre letras e algumas convenções ortográficas e pontuação e paragrafação. No eixo da produção de textos escritos também podem ser destacadas três dimensões: • Sociodiscursiva – propósitos e destinatários para os quais os textos estão sendo escritos. • Estratégias de produção de textos - planejamento global dos textos, planejamento em processo, revisão, avaliação e revisão posterior do texto. • Conhecimentos linguísticos – conhecimentos sobre o sistema alfabético e convenções ortográficas, coesão textual, pontuação paragrafação e concordância. No eixo da linguagem oral quatro eixos podem ser contemplados: • Valorização dos textos de tradição oral • Oralização dos textos escritos – recitais de poesias, obras teatrais, leitura de contos em saraus, dentre outros. • Relação entre fala e escrita – ex: receitas culinárias e instruções de jogos socializadas por meio da oralidade e da escrita. • Produção e compreensão de gêneros orais – situações em que é preciso participar de interações falando e ouvindo com atenção, ex: notícias radiofônicas, debates e exposições orais em público. Por fim, no que se refere a analise linguística, as dimensões são: • Caracterização e reflexão sobre os gêneros e suportes textuais: reflexões sobre onde circulam os gêneros em foco, com que finalidade, para quais tipos de destinatários. • Reflexão sobre o uso de recursos linguísticos para constituição de efeitos de sentido em textos orais e escritos: convenções gramaticais, o texto é objeto de análise quanto às pistas linguísticas dadas para sua compreensão.
  15. 15. • Domínio do sistema alfabético e da norma ortográfica – conhecimentos necessários para que o texto seja legível, por atender aos princípios de funcionamento da escrita alfabética e às convenções da ortografia. • OS GÊNEROS TEXTUAIS COMO OBJETOS DE ENSINO E COMO INSTRUMENTOS DE INTERAÇÃO Toda sociedade detém um conjunto de gêneros que são usados para os diversos fins, por diferentes grupos sociais, e a familiaridade com tais gêneros facilita a apreensão das intenções comunicativas, pois cria expectativas sobre o que será lido e facilita o processo de produção. Atividades Permanentes Elas devem envolver os eixos da alfabetização: (i) Leitura; (ii) Produção de Textos; (iii) Análise linguística; (iv) Oralidade. Exemplos de Atividades Permanentes: Produção de Textos Escritos (individualmente, coletivo, em duplas): • Produção de textos de gêneros variados (bilhete, convite, regras, lista com nomes de colegas etc); • Reescrita; • Texto oral com destino escrito (entrevista). Leitura: • Leitura realizada pelo professor (deleite, preferencialmente com textos literários); • Leitura realizada pelos alunos (silenciosa, compartilhada de gêneros diversos); • Leitura na biblioteca (A Hora do Conto). Análise linguística: • Atividades para compreender as diferenças entre escrita e outras formas gráficas (outros sistemas de representação) • Atividades para conhecer o alfabeto; • Atividades para reconhecer unidades fonológicas como sílabas, rimas terminações de palavras; • Atividades para dominar as relações entre grafemas e fonemas (regularidades e irregularidades ortográficas). Oralidade: • Jornal falado; • Seminários; • Reconto de textos; • Assembleia;
  16. 16. • Debates sobre temas estudados. No que se refere as atividades de: Sequência Didática; Projeto Didático e Jogos, estas serão abordadas nas próximas Unidades.

×