Universidade Federal de Mato Grosso
Instituto de Ciências Exatas e da Terra
Departamento de Geologia Geral
Paleontologia

...
Caracterização Regional
•1,5 milhões de km².
•900 km de largura.
•1800 km de comprimento.
• 8000 m de profundidade máxima....
M
a
p
a
d
a
B
a
c
i
a

Quintas, Ma
ntovani &
Zalan, 1999.
Caracterização regional
• Idade.
• Rio:
 Nascente: Diamantino.
Fluxo.
 Vazão media: 16.620 m³.
 Percurso.

Quintas, Ma...
Caracterização Regional
• Relevo (ANATAQ, 2011).
• Clima: Quente e úmido, chuvoso (ANATAQ, 2011).
• Vegetação: Mata atlânt...
Supersequências:
Rio Ivai
Paraná
Gondwona I
Gondwona II
Gondwona III
 Bauru
Romanini (2000).
Milani (1997)
Supersequência Rio Ivaí
Supersequência Rio Ivaí
• Segundo Assine et al. (1994) o Grupo Rio Ivaí, é
caracterizado por três formações: Formação Alto...
Estratigrafia em Rio Verde-MT,
Assine (1996) apud Assine et al.
(1998).
• Aflora:
Assunção;
Chapada Dos G.;
Barra do Garça;
Coxim e Rio
Verde;
Curitiba;
Ocorrencias:
Assine (1996)
apud Assine et...
Ocorrência do Grupo Rio Ivaí na localidade de
Cipolândia, norte de Aquidauana (MS).Assine
(1996) apud Assine et al. (1998)...
Formação Alto Garça

• Segundo Assine et al. (1994), encontra-se em sua
base conglomerados avermelhados, com
predominância...
Paleontologia
• Assine et al. (1994), foram encontrados apenas a
presença de Icnogêneros do tipo Skolithos Lineares
nos ar...
Intercalação das camadas de sistema marinho
raso, Alto Garça. Moreira & Borghi (1999).
Formação Alto Garça em Campo Verde, Caverna Aroe
Jari.
Retirado: http://www.espacoturismo.com/atracoesturisticas/caverna-a...
Formação Iapó
• Diamictitos avermelhados com clastos polimíticos
(granitos, gnaisses, quartzitos, filitos) de variadas
dim...
Formação lapó, conforme definida por Maack em
1947 apud Assine et al. (1998).
A. Discordância
regional com
Furnas;
B. Faceis;
C. Faceis dos poços;
D. Faceis dos poços;
Assine, Alvarenga &
Perinotto (1...
Paleontologia
• Esporos de plantas terrestres, acritarcas e
prosinófitas. Assine, Alvarenga & Perinotto (1998).
Formação Vila Maria
• Folhelhos, siltitosfossiliferos e arenitos róseos finos.
Os folhelhos caracterizam-se pela coloração...
Marcas onduladas da Formação Vila
Maria. Moreira & Borghi (1999).
Paleontologia
• Braquiópodes, pelecípodes, gastrópodes e
ostracodes. (Popp 1981 apud Assine, Soares &
Milani 1994)
• Quiti...
Evolução da Terra
Ordoviciano
Siluriano
Supersequência Paraná
De idade devoniana é composta, ou subdividida
em duas formações, uma com aspecto arenoso e
outro com aspecto pelítico (Mil...
Formação Furnas
• Predominância de arenitos feldspáticos grossos imaturos,
com estratificações cruzadas e conglomerado bas...
Chapada dos Guimarães
Macro e micropaleontologia
• Rica em icnofosseis: Furnasichnus,
Planolites, Rusophycus e Cruziana
Borghi,1999).
• Nao há r...
Icnofósseis da
Formação Furnas.
A. variados tipos de
icno.
B. Rusophycus;
C. Rusophycus e
cruziana;
D e E. Rusophycus e
Cr...
Formação Ponta Grossa
• Membros: Jaguariaiva, Tibagi e Sao domingos (Assine
et. al. 1994).
• Folhelhos cinzentos marinhos ...
São Domingos.

Tigabi.

Jaguariaiva.

Wikipédia, 2014

.
Chapada dos Guimarães
Macro e micropaleontologia
• Braquiópodes, trilobitas, gastrópodes, pelecípodes, c
elenterados, cricoconarideos, caliptopt...
Milane et. al., 2007.
Milani et.
al., 2007.
Supersequência
Gondwana I
Composta por 3 grupos:
Grupo Itararé, Grupo Guatá e Grupo Passa Dois.
O Grupo Itararé é composto pelas formações, da base ...
O Grupo Passa Dois é composto pelas formações, da
base para o topo:











Formação Dourados
Formação Tatuí
F...
IDADE E ESTRATIGRAFIA DA
SUPERSEQUÊNCIA
GONDWANA I
Iniciou sua deposição no Paleozóico, com inicio no
Carbonífero e términ...
Grupo Itararé
Litologia Grupo Itararé:
conglomerados e pelitos.

Arenitos,

diamictitos,

Espessura: 1400m máxima total.
P...
Formação Lagoa Azul
Litologia:
Arenitos cinzentos, siltitos
e lamitos
seixosos, constitui-se principalmente por
diamictito...
Formação Lagoa Azul

Paleontologia da formação

Micropaleontologia:
Palinomorfos
do
Carbonífero
Superior.
(TRZASKOS, B.; V...
FORMAÇÃO AQUIDAUNA – GRUPO
ITARARÉ
Litologia
Dividida em 3 sequencias:
Sequência inferior: arenitos de vermelho a
róseo, d...
FORMAÇÃO AQUIDAUNA – GRUPO
ITARARÉ
Paleontologia da formação
Micropaleontologia:
Pequenas escamas de peixe Paleoniscídeos ...
FORMAÇÃO CAMPO MOURÃO GRUPO ITARARÉ
Litologia:
Predominantemente arenosa, partes com folhelhos, siltitos
e lamito seixoso,...
FORMAÇÃO CAMPO MOURÃO GRUPO ITARARÉ
Paleontologia da formação
Micropaleontologia:
É comum o retrabalhamentode palinomorfos...
FORMAÇÃO TACIBA- GRUPO
ITARARÉ
Litologia:
Lamito, seixos, arenito, folhelho e algum
siltito. Ainda segundo os referidos au...
Paleontologia da formação

Micropaleontologia:
Não foram encontrados dados.
Macropaleontologia:
Conteúdo fossilifero com b...
Grupo Guatá
Deposição: Transgressiva.
Espessura: Formações:
 Formação Rio Bonito
 Formação Palermo
FORMAÇÃO RIO BONITO – GRUPO
GUATÁ
Litologia:
A Formação Rio Bonito possui
3 membros:
Triunfo, Paraguaçu e Siderópolis (Tog...
FORMAÇÃO RIO BONITO –
GRUPO GUATÁ
Membro Paraguaçu:
Predominâncias de sedimentos pelíticos composto
por siltitos e folhelh...
FORMAÇÃO RIO BONITO –
GRUPO GUATÁ
Paleontologia da formação
Micropaleontologia:
megásporos e miósporos (MORI, A.L.O.; SOUZ...
FORMAÇÃO PALERMO – GRUPO
GUATÁ
Litologia:
Siltito e siltito arenoso intensamente bioturbado
(Milani, 1994) Ocorrem também ...
FORMAÇÃO PALERMO – GRUPO
GUATÁ
Paleontologia da formação
Micropaleontologia:
megásporos e miósporos (MORI, A.L.O.;
SOUZA, ...
FORMAÇÃO IRATI – GRUPO
PASSA DOIS
Litologia:
A formação Irati é subdividida em 2 membros
Taquaral (inferior) e Assistência...
FORMAÇÃO IRATI – GRUPO
PASSA DOIS
Membro Taquaral: consiste, predominantemente, de
uma sequência de siltitos de folhelhos ...
FORMAÇÃO IRATI – GRUPO
PASSA DOIS
Paleontologia da formação
Macropaleontologia:
A Formação Irati apresenta lenho fóssil,
m...
Figura 3: Fósseis da Formação Irati. A e B lenhos
permineralizados.
C.
e
D.
esqueletos
de
mesosaurideos, E. e F. crustáceo...
Micropaleontologia:
O conteúdo micropaleontológico da Formação Irati
encontra-se uma ampla diversidade Esporose, Grãos de
...
FORMAÇÃO DOURADOS - GRUPO
PASSA DOIS
Litologia:
arenito fino a muito fino, com coloração cinza a
esverdeado, bem como grão...
FORMAÇÃO TATUÍ – GRUPO
PASSA DOIS
Litologia:
A formação apresenta siltitos, siltitos arenosos finos
micáceos e piriosos, f...
Formação Tatuí – Grupo Passa Dois
Paleontologia da formação
Micropaleontologia:
Não foram encontrados artigos relacionados...
Formação Tatuí – Grupo Passa Dois
Paleontologia da formação
Macropaleontologia:
A Formação Tatuí tem em seu conteúdo fossi...
FORMAÇÃO TERESINA –
GRUPO PASSA DOIS

Litologia:
É formada por argilito e siltito cinza-claro e no topo
apresenta calcário...
FORMAÇÃO TERESINA –
GRUPO PASSA DOIS
Paleontologia da formação
Micropaleontologia:
Não foram encontrados artigos relaciona...
FORMAÇÃO CORUMBATAÍ –
GRUPO PASSA DOIS
Litologia:
A formação consiste, na sua seção inferior, de
argilitos, folhelhos e si...
FORMAÇÃO CORUMBATAÍ –
GRUPO PASSA DOIS
Micropaleontologia:
Na formação Corumbataí foram encontrados cinco
espécies
de
grão...
FORMAÇÃO RIO DO RASTRO
- GRUPO PASSA DOIS
Litologia:
Arenito, siltito e folhelho arroxeados,
esverdeados e avermelhados, s...
FORMAÇÃO RIO DO RASTRO
- GRUPO PASSA DOIS
Micropaleontologia:
Não foram encontrados artigos relacionados ou
com evidências...
FORMAÇÃO SANGA DO
CABRAL – GRUPO PASSA DOIS

Litologia:
Constituído
por arenitos
avermelhados,
quatzosos, de granulação bi...
FORMAÇÃO SANGA DO
CABRAL – GRUPO PASSA DOIS
Micropaleontologia:
Não foram encontrados artigos relacionados ou com
evidênci...
FORMAÇÃO PIRAMBÓIA –
GRUPO PASSA DOIS
Litologia:
Arenitos de granulometria fina de cor rosada,
esbranquiçado, e raramente ...
FORMAÇÃO PIRAMBÓIA –
GRUPO PASSA DOIS
Micropaleontologia:
Não foram encontrados artigos relacionados ou
com evidências mic...
Supersequência Gondwana II
Idade: Triássica (anisiano-noriano).
Originaria de ciclos sedimentares de caráter
continental, caracterizada por depósitos...
.
Compõe-se pelas formações Santa Maria e
Caturrita.

Restritas ao Estado do Rio Grande do Sul
(Milani et al. 1994, Schnei...
1 – Fm Serra Geral
2 – Fm Botucatu
3 – Fm Guará
4 – Fm Santa Maria e Caturrita
5 – Fm Sanga do Cabral
6 – Fm Piramboia
7 –...
KEMERICH
(2013)
KEMERICH
(2013)

KEMERICH
(2013)
MILANI et al.
(2006)
FORMAÇÃO SANTA MARIA (Passo das Tropas)
Paleofauna (Da Rosa et al. 2009)
SPHENOPHYTA – 3.3
PTERIDOPHYLLA – 3.1; 3. 2
FORMAÇÃO SANTA MARIA
(Passo das Tropas)
Paleofauna (Da Rosa et al. 2009)
PTERIDOSPERMOPHYTA – 4.1; 4. 2; 4.3; 5. 2
INCERTA...
FORMAÇÃO SANTA MARIA (Passo das Tropas)
Paleofauna (Da Rosa et al. 2009)
GINKGOPHYTA – 6.1; 6. 2
CYCADALES – 7.1
CONIFEROP...
CPRM (2009)
Cenozona de Therapsida (Triássico Médio –
Formação Santa Maria), dominada por
dicinodontes (Dinodontosaurus) e...
Cenozona de Rhynchosauria (Triássico
Superior – Formação Santa Maria),
apresentando uma total ausência de
dicinodontes e u...
FORMAÇÃO SANTA MARIA (Alemoa)
Rincossauros (Barberena 1977, apud Silva et
al 2008).
Vertebrados
répteis
(Dicynodontia,
Cyn...
FORMAÇÃO CATURRITA
Troncos silicificados.
Cinodontes, procolofonóides, e dinossauros
(DA ROSA, 2009).

Esfenodontes Lepido...
FORMAÇÃO CATURRITA
Dicynodontipus geinitzi (Hornstein 1876, apud Silva
et al. 2008).
Dicynodontipus isp.
Bittencourt
(2011)
Cenci
(2013)
Cenci
(2013)
http://www.scotese.com/earth.htm
http://www.scotese.com/earth.htm
http://www.scotese.com/earth.htm
Supersequência Gondwana
III
Estratigrafia
• Idade: Jurássico inferior ao Início do Cretáceo;
• Fragmentação de Gondwana: Rifteamento e
derrames basált...
Mapa Mundi no
período Jurássico
(152 Ma)
Fonte: www.scotese.com
Mapa Mundi no
Cretáceo
Fonte: www.scotese.com
Grupo São Bento
• Compreende as formações Serra Geral e Botucatu
(White, 1908), sendo esta a mais basal;
• Sedimentação em...
Formação Botucatu
• Arenitos eólicos finos a médios, de cor vermelha,
com paleodunas e estratificações cruzadas
acanaladas...
Botucatu: fósseis
• Icnofósseis e palinomorfos encontrados:
• Primeiros icnofósseis descritos nos anos 50
(ALMEIDA, 1954 a...
Urólito – Formação Botucatu
Fonte: Fernandes (2002)
Pegada de
Terópode
Fonte: Revista Paleontologia
– cenários de vida
(Fernandes, 2007).
Pegada de
ornithopoda
Fonte: www.colecionadoresdeossos.com
Pegadas de
pequeno Mamífero
Fonte: www.colecionadoresdeossos.com
Formação Serra Geral
• Derrames basálticos continentais, intercalados com
lentes de arenitos eólicos (SCHERER, 2002 apud
C...
Carta
Estratigráfica do
Grupo São Bento
Fonte: www.colecionadoresdeossos.com
Formação Tacuarembó
• Arenitos estratificados finos a médios intercalados
com pelitos e argilitos, com ocorrência de lente...
Tacuarembó: fósseis
• Conteúdo fossilífero variado, com destaque para
macrofósseis;
• Icnofósseiss: coprólitos de vertebra...
Tacuarembó: fósseis
• Macrofósseis encontrados:
• crânio de Meridiossaurus allisparadis (MONES,
1980 apud DIAS, 2010),;
• ...
Supersequência Bauru
Estratigrafia e Litologia
Grupo Caiuá – Eólico (Fernandes e
Coimbra, 1994)
Formação Rio Paraná
• Arenitos
marrom-avermelha...
Estratigrafia e Litologia
Grupo Caiuá (Fernandes e Coimbra, 1994)
Formação Goio Erê.
• Arenitos quartzosos, subarcosenos, ...
Estratigrafia e Litologia
Grupo Caiuá – Eólico (Fernandes e Coimbra,
1994)
Formação Santo Anastásio
• Arenitos fino a muit...
Estratigrafia e Litologia
Grupo Bauru – Semi-árido, fluvial lacustre (Candeiro et al. 2004);
Formação Adamantina
• Argilas...
Estratigrafia e Litologia
Grupo Bauru – Semi-árido, fluvial
lacustre - (Candeiro et al. 2004)
Formação Uberaba
• Arenitos,...
Estratigrafia e Litologia
Grupo Bauru (Milani et al. 2007;
Candeiro et al. 2004);
Formação Marília
Arenitos calcíferos, fi...
Fósseis
Grupo Caiuá
• Rio Paraná: Sem registro fóssil,
apenas pegadas de Coelurosauria
(Suarez. 2002; Leonardi, 1989);
• Goio Erê:...
Grupo Bauru
Formação Adamantina.
• Carófitas e Ostracodes;
• Peixes, Lagartos, Tartarugas, Crocodilos,
dinossauros;
• Poss...
Titanossaurídeos, ampla distribuição
paleogeográfica do Cretáceo.
Registro no Gondwana e Laurásia (Novas, 1997)
Predador - sedimentos do Cretácea inferior
Europa, África e Nordeste do Brasil
Grupo Bauru
Formação Uberaba.
• Menos representativas do Grupo
Bauru;
• Restou de dinossauros, tartarugas e
icnofósseis de...
Ovo de Terópode
Grupo Bauru
Formação Marília.
• Uma das mais importantes unidade
fossilíferas do Cretáceo Sup;
• Diversos
ostracodes,
caró...
Dentes de Terópodes - Tyrannosauridae
Possivelmente Global, mas restritos ao Gondwana no Cretáceo.
Diversos dentes na Formação Marília
Séries de vértebras Membro Serra da Galga
• ASSINE, M. L., PERINOTTO, J. A. J., ALVARENGA, C. J. S., PETRI, S. (1998) Arquitetura
Estratigráfica, Tratos Deposiciona...
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos

3.568 visualizações

Publicada em

Bacia do Parana - Aspectos geológicos, magro e micropaleontológicos, bem como paleogeografia.

Publicada em: Educação

Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos

  1. 1. Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Ciências Exatas e da Terra Departamento de Geologia Geral Paleontologia Bacia do Paraná Clara Bruna Pereira Souza Katy Nara Micaela de Souza Oliveira Marvim Francis Mota Alves Mauricio Brito de Sousa Sebastião Vinicius Neves Silva Wesley Pereira da Silva Mota Cuiabá – MT 2014
  2. 2. Caracterização Regional •1,5 milhões de km². •900 km de largura. •1800 km de comprimento. • 8000 m de profundidade máxima. • Pacote sedimentar: 7000 mil metros. Milani el. Al., 2007.
  3. 3. M a p a d a B a c i a Quintas, Ma ntovani & Zalan, 1999.
  4. 4. Caracterização regional • Idade. • Rio:  Nascente: Diamantino. Fluxo.  Vazão media: 16.620 m³.  Percurso. Quintas, Mantovani & Zalan, 1999.
  5. 5. Caracterização Regional • Relevo (ANATAQ, 2011). • Clima: Quente e úmido, chuvoso (ANATAQ, 2011). • Vegetação: Mata atlântica e Cerrado (ANATAQ, 2011). • Recursos Naturais: Águas subterrâneas, recursos minerais e energéticos (arenitos, asfaltamentos, carvão, folhelhos betuminosos, gás de carvão, gás natural, potencial hidroelétrico e petrolífero, urânio) (Campos, 2004).
  6. 6. Supersequências: Rio Ivai Paraná Gondwona I Gondwona II Gondwona III  Bauru Romanini (2000).
  7. 7. Milani (1997)
  8. 8. Supersequência Rio Ivaí
  9. 9. Supersequência Rio Ivaí • Segundo Assine et al. (1994) o Grupo Rio Ivaí, é caracterizado por três formações: Formação Alto Garças; Formação Iapó e Formação Vila Maria. • neo-ordoviciana a eosiluriana • No total alcança mais de 1.000 metros de espessura.
  10. 10. Estratigrafia em Rio Verde-MT, Assine (1996) apud Assine et al. (1998).
  11. 11. • Aflora: Assunção; Chapada Dos G.; Barra do Garça; Coxim e Rio Verde; Curitiba; Ocorrencias: Assine (1996) apud Assine et al. (1998).
  12. 12. Ocorrência do Grupo Rio Ivaí na localidade de Cipolândia, norte de Aquidauana (MS).Assine (1996) apud Assine et al. (1998).
  13. 13. Formação Alto Garça • Segundo Assine et al. (1994), encontra-se em sua base conglomerados avermelhados, com predominância de seixos de quartzo em matriz arenosa feldspática. • Em direção ao topo os arenitos Conglomerados decresce gradativamente até arenitos finos a médios, brancos ou róseos. • Estratificação Cruzada • Ambiente FluvialTransicionalMarinho • Sua espessura está entorno de 30,0 m apresenta espessura máxima em torno de 300 m. • Domo de Araguainha
  14. 14. Paleontologia • Assine et al. (1994), foram encontrados apenas a presença de Icnogêneros do tipo Skolithos Lineares nos arenitos finos.
  15. 15. Intercalação das camadas de sistema marinho raso, Alto Garça. Moreira & Borghi (1999).
  16. 16. Formação Alto Garça em Campo Verde, Caverna Aroe Jari. Retirado: http://www.espacoturismo.com/atracoesturisticas/caverna-aroe-jari
  17. 17. Formação Iapó • Diamictitos avermelhados com clastos polimíticos (granitos, gnaisses, quartzitos, filitos) de variadas dimensões, e sotoposto encontra-se siltitos cinza azulados com seixos de 2,0m. • Espessura aproximada em 20 m. • Ambiente Glacial • MT, PR, SC, GO, SP e MS. Segundo Mack (1947) apud Assine et al. (1994).
  18. 18. Formação lapó, conforme definida por Maack em 1947 apud Assine et al. (1998).
  19. 19. A. Discordância regional com Furnas; B. Faceis; C. Faceis dos poços; D. Faceis dos poços; Assine, Alvarenga & Perinotto (1998).
  20. 20. Paleontologia • Esporos de plantas terrestres, acritarcas e prosinófitas. Assine, Alvarenga & Perinotto (1998).
  21. 21. Formação Vila Maria • Folhelhos, siltitosfossiliferos e arenitos róseos finos. Os folhelhos caracterizam-se pela coloração cinzaesverdeado e na sessão areno-siltosa moscovíticos. • Estratificações cruzadas e laminações truncadas por ondas, com intercalações de siltitos róseos. • Ambiente Marinho-raso • 20 a 70m de espessura. • Datum fossilifero • Plano paralela
  22. 22. Marcas onduladas da Formação Vila Maria. Moreira & Borghi (1999).
  23. 23. Paleontologia • Braquiópodes, pelecípodes, gastrópodes e ostracodes. (Popp 1981 apud Assine, Soares & Milani 1994) • Quitinozoários, miósporos e acritarcos, Milani et al. (2007).
  24. 24. Evolução da Terra
  25. 25. Ordoviciano
  26. 26. Siluriano
  27. 27. Supersequência Paraná
  28. 28. De idade devoniana é composta, ou subdividida em duas formações, uma com aspecto arenoso e outro com aspecto pelítico (Milani et. al. 2007).
  29. 29. Formação Furnas • Predominância de arenitos feldspáticos grossos imaturos, com estratificações cruzadas e conglomerado basais. (Assine et. al. 1994). • Homogêneos litológica (Milani et . al., 1994). • Icnofosseis. • Arenitos de granulação fina com argilitos também finos e estratificações cruzadas truncadas por ondas (Assine, 1996).
  30. 30. Chapada dos Guimarães
  31. 31. Macro e micropaleontologia • Rica em icnofosseis: Furnasichnus, Planolites, Rusophycus e Cruziana Borghi,1999). • Nao há registros micropaleontologicos. Moreira e Borghi (1999). Paleophycus, (Moreira e
  32. 32. Icnofósseis da Formação Furnas. A. variados tipos de icno. B. Rusophycus; C. Rusophycus e cruziana; D e E. Rusophycus e Cruziana F. Cruziana Moreira e Borghi (1999).
  33. 33. Formação Ponta Grossa • Membros: Jaguariaiva, Tibagi e Sao domingos (Assine et. al. 1994). • Folhelhos cinzentos marinhos intercalado com arenitos finos(Assine et. al. 1994). • Apresenta folhelho, folhelho siltico, siltito e arenito (Milani et al. 1994). • Fosseis de invertebrados marinhos onde há intercalação de cores (RADAMBRASIL, 1882).
  34. 34. São Domingos. Tigabi. Jaguariaiva. Wikipédia, 2014 .
  35. 35. Chapada dos Guimarães
  36. 36. Macro e micropaleontologia • Braquiópodes, trilobitas, gastrópodes, pelecípodes, c elenterados, cricoconarideos, caliptoptomatideos e equinodermos (Bosettiet al.,2007). • Quitinozoários, acritarcas e esporos (SCHEFFLER,. et al, 2010).
  37. 37. Milane et. al., 2007.
  38. 38. Milani et. al., 2007.
  39. 39. Supersequência Gondwana I
  40. 40. Composta por 3 grupos: Grupo Itararé, Grupo Guatá e Grupo Passa Dois. O Grupo Itararé é composto pelas formações, da base para o topo:  Formação Lagoa Azul  Formação Campo Mourão  Formação Taciba  Formação Aquidauna O Grupo Guatá é composto pelas formações, da base para o topo:  Formação Rio Bonito  Formação Palermo
  41. 41. O Grupo Passa Dois é composto pelas formações, da base para o topo:          Formação Dourados Formação Tatuí Formação Irati Formação Serra Alta Formação Teresina Formação Corumbataí Formação Rio do Rastro Formação Sanga do Cabral Formação Pirambóia
  42. 42. IDADE E ESTRATIGRAFIA DA SUPERSEQUÊNCIA GONDWANA I Iniciou sua deposição no Paleozóico, com inicio no Carbonífero e término no Triássico Superior. Grupo Itararé: rochas de origem glacio-marinha. Grupo Guatá: rochas de origem deltaico costeiro e marinho. Grupo Passa Dois: ambiente marinho e transicional. No final dessa fase de posição a bacia passou á apresentar um clima desértico. (CPRM, 2003).
  43. 43. Grupo Itararé Litologia Grupo Itararé: conglomerados e pelitos. Arenitos, diamictitos, Espessura: 1400m máxima total. Palinologia: Depositada no Grupo Itararé no intervalo Westfaliano Skamariano. (Milani et. al., 2007)
  44. 44. Formação Lagoa Azul Litologia: Arenitos cinzentos, siltitos e lamitos seixosos, constitui-se principalmente por diamictitos e folhelhos rítmicos de cor marromavermelhada intercalações arenosas, depositadas em contexto subglacial marinho. (França & Potter, 1988).
  45. 45. Formação Lagoa Azul Paleontologia da formação Micropaleontologia: Palinomorfos do Carbonífero Superior. (TRZASKOS, B.; VESEY, F.F.; ROSTIROLLA, S.P.,2006). Macropaleontologia: Não foram encontrados dados.
  46. 46. FORMAÇÃO AQUIDAUNA – GRUPO ITARARÉ Litologia Dividida em 3 sequencias: Sequência inferior: arenitos de vermelho a róseo, de médio a grosso, apresenta também lamito seixoso, arenito esbranquiçado e conglomerados. A porção média: siltito de vermelho a róseo, laminado contendo lamito seixoso vermelho e raramente folhelho cinzaesverdeado. A sequência superior: predominantemente por arenito. (Schneider et al. ,1974, p. 46) apud (França & Potter ,1988).
  47. 47. FORMAÇÃO AQUIDAUNA – GRUPO ITARARÉ Paleontologia da formação Micropaleontologia: Pequenas escamas de peixe Paleoniscídeos e fragmentos de asa de inseto. Cutículas vegetais e de “esporaedispersae”. (SCHEFFLER, S.M. et al. SCHEFFLER, S.M. et al apud Corrêa et al. ,1979). Macropaleontologia: Não foram encontrados dados.
  48. 48. FORMAÇÃO CAMPO MOURÃO GRUPO ITARARÉ Litologia: Predominantemente arenosa, partes com folhelhos, siltitos e lamito seixoso,o arenito da formação tem coloração cinza e granulometria média a grossa composta de quartzo, feldspato e fragmentos de rochas, bem como clastos de folhelho e bolas de argila e arenitos conglomeráticos; os siltitos geralmente acinzentados, micásseos, comlaminações sub-horizontais; já os lamitosseixosos são acizentados, com seixos arredondados e subarredondados de granito, quartzito e rochas sedimentares. (França & Potter ,1988).
  49. 49. FORMAÇÃO CAMPO MOURÃO GRUPO ITARARÉ Paleontologia da formação Micropaleontologia: É comum o retrabalhamentode palinomorfos “strunianos” nos diamictitos. (MILANI, E.J. et al, 2007). Macropaleontologia: Não foram encontrados dados.
  50. 50. FORMAÇÃO TACIBA- GRUPO ITARARÉ Litologia: Lamito, seixos, arenito, folhelho e algum siltito. Ainda segundo os referidos autores, a formação subdivide-se em três membros: Rio Segredo; Chapéu do Sol e Rio do Sul. (França & Potter ,1988).
  51. 51. Paleontologia da formação Micropaleontologia: Não foram encontrados dados. Macropaleontologia: Conteúdo fossilifero com braquiópodes, algumas conchas de bivalves e gastrópodes. (Simões et al (2012). Dois tipos de bivalves Mynonia argentinensis (Hanrrington 1955 apud Simões et al 2012) e Aviculopectenmultiscalptus (Thomas 1928apud Simões et al. 2012). Encontrados apenas no membro Rio do Sul.
  52. 52. Grupo Guatá Deposição: Transgressiva. Espessura: Formações:  Formação Rio Bonito  Formação Palermo
  53. 53. FORMAÇÃO RIO BONITO – GRUPO GUATÁ Litologia: A Formação Rio Bonito possui 3 membros: Triunfo, Paraguaçu e Siderópolis (Tognoli ,2006) da base para o topo. Membro Triunfo: Essencialmente por arenitos finos a grossos com estratificações cruzadas de pequeno a grande porte, bem como conglomerados compostos de areia grossa, grânulos e seixos; ocorre também, em menor quantidade, pelitos cinza-escuros, carbonosos, maciços e pelitos com ondulações lenticular(Slonski , 2002).
  54. 54. FORMAÇÃO RIO BONITO – GRUPO GUATÁ Membro Paraguaçu: Predominâncias de sedimentos pelíticos composto por siltitos e folhelhos cinza, intercalados com camadas de arenitos muito finos (Slonski , 2002). Membro Siderópolis: Essencial arenitos finos a muito finos, quartzos, intercalados com camadas de siltitos arenosos cinza-claro e cinza-médio, bem como leitos e camadas de carvão e siltitos carbonos(Slonski , 2002).
  55. 55. FORMAÇÃO RIO BONITO – GRUPO GUATÁ Paleontologia da formação Micropaleontologia: megásporos e miósporos (MORI, A.L.O.; SOUZA, P.A. ,2010). Macropaleontologia: moluscos, gastrópodes e equinodermas e fóssil vegetal. (Campos-Rocha,1964 apud Boardman, Iannuzzi& Dutra 2007). O membro Siderópolis contém carvões da formação Rio Bonito (Milani et. al., 2007).
  56. 56. FORMAÇÃO PALERMO – GRUPO GUATÁ Litologia: Siltito e siltito arenoso intensamente bioturbado (Milani, 1994) Ocorrem também arenitos finos retrabalhado por ondas (Milani, 2007). Ocorrem predominantemente siltitos com bioturbações (Schneider et al. ,1974) apud (Bocardi, 2005).  Representa a inundação máxima sequencia.(Milani el. al., 2007). dessa
  57. 57. FORMAÇÃO PALERMO – GRUPO GUATÁ Paleontologia da formação Micropaleontologia: megásporos e miósporos (MORI, A.L.O.; SOUZA, P.A. ,2010). Macropaleontologia: A formação Palermo foi descrita por Gordon Jr (1947), lenhos fósseis e abundancia em esporomorfos e foi encontrado por Putzer (1954) Loxomma.
  58. 58. FORMAÇÃO IRATI – GRUPO PASSA DOIS Litologia: A formação Irati é subdividida em 2 membros Taquaral (inferior) e Assistência (superior) (Barbosa & Gomes , 1958) , cuja divisão é adotada por Schneider et al. (1974).  Ambiente deposicional marinho (Milani et. al., 2007). Assim suportando a hipótese da deriva continental.
  59. 59. FORMAÇÃO IRATI – GRUPO PASSA DOIS Membro Taquaral: consiste, predominantemente, de uma sequência de siltitos de folhelhos cinza-escuro a cinza-médio, ocorrendo, por vezes na base, um nível conglomerático com seixos de quartzo e sílex. Membro Assistência: constitui-se, litologicamente, de uma alternância rítmica de folhelhos pretos e calcários creme a cinza-escuro, dolomíticos. Esses calcários apresentam-se, às vezes, bastante silicificados, sendo comum a ocorrência de nódulos de sílex (Schobbenhaus et al. ,1984).
  60. 60. FORMAÇÃO IRATI – GRUPO PASSA DOIS Paleontologia da formação Macropaleontologia: A Formação Irati apresenta lenho fóssil, mesossaurideos, variedades de crustáceo e icnofósseis, Segundo Ricardi-Branco (2008) Figura 3 . Cazzulo-Klepzig et al. 1928 apud Chahud 2011, relata alguns grupos de pólen, acritarcos e algas.
  61. 61. Figura 3: Fósseis da Formação Irati. A e B lenhos permineralizados. C. e D. esqueletos de mesosaurideos, E. e F. crustáceo. Fonte: Ricardi-Brando
  62. 62. Micropaleontologia: O conteúdo micropaleontológico da Formação Irati encontra-se uma ampla diversidade Esporose, Grãos de Pólen Segundo PREMOAR, E.; FISHER, T.V.; SOUZA, P.A. (2006).
  63. 63. FORMAÇÃO DOURADOS - GRUPO PASSA DOIS Litologia: arenito fino a muito fino, com coloração cinza a esverdeado, bem como grãos médios a grossos, coalítico e levemente calcífero; constitui também níveis de siltito, folhelho e calcário (Milani, 1994). Micropaleontologia e Macropaleontologia: Não foram encontrados dados.
  64. 64. FORMAÇÃO TATUÍ – GRUPO PASSA DOIS Litologia: A formação apresenta siltitos, siltitos arenosos finos micáceos e piriosos, frequentemente calcíticos (Maurício, 2003). É constituída predominantemente por pelitos que formam espeças camadas de sltitos argilosos que intercalam camadas de arenitos, calcários, folhelhos e sílex (Gimenez, 2010).
  65. 65. Formação Tatuí – Grupo Passa Dois Paleontologia da formação Micropaleontologia: Não foram encontrados artigos relacionados ou com evidências micropaleontológicos.
  66. 66. Formação Tatuí – Grupo Passa Dois Paleontologia da formação Macropaleontologia: A Formação Tatuí tem em seu conteúdo fossilifero muitos icnofósseis como Conishinus, Cylindrichnus, ophimorpha, Skolitos, Are nicolites, Gardia, helminthopsis e Paleeophicus. Alguns vegetais ou troncos são descritos, Pteridófitas.(Fúlfaroet al. 1984 apud. Charud 2001). A formação ainda apresenta, Conchostráceos, Crustaceo (Mezzalira& Neto 1992 apudChahud 2001). Dentes e escamas de vertebrados também foram relatados (Rangonha,1978
  67. 67. FORMAÇÃO TERESINA – GRUPO PASSA DOIS Litologia: É formada por argilito e siltito cinza-claro e no topo apresenta calcário oolítico e bancos de coquinhas (Milani, 1994).
  68. 68. FORMAÇÃO TERESINA – GRUPO PASSA DOIS Paleontologia da formação Micropaleontologia: Não foram encontrados artigos relacionados ou com evidências micropaleontológicas. Macropaleontologia: O conteúdo fossilifero da Formação teresina é composto de bivalves, caules e folhas de licófilas segundo Ricardi-Branco (2006).
  69. 69. FORMAÇÃO CORUMBATAÍ – GRUPO PASSA DOIS Litologia: A formação consiste, na sua seção inferior, de argilitos, folhelhos e siltitos cinza-escuro a preto, com fratura conchoidal, apresentando lentes e concreções calcíferas. A seção superior constitui-se, essencialmente, de alternâncias de argilitos e folhelhos cinza-escuro com siltitos e arenitos muito finos, cinza-claro, bem como calcários Schobbenhaus (1984).
  70. 70. FORMAÇÃO CORUMBATAÍ – GRUPO PASSA DOIS Micropaleontologia: Na formação Corumbataí foram encontrados cinco espécies de grãos de polenbissacados e poliplacadosforam que foramdescritos nessa formação (NEREGATO, R; SOUZA, P.A.; ROHN, R.2008). Macropaleontologia: A formação Corumbataí, rica em pegadas, icnofosseis, possuem ainda em sua estrutura ostracodes e bivalves, de acordo com Andreis & Carvalho (2001).
  71. 71. FORMAÇÃO RIO DO RASTRO - GRUPO PASSA DOIS Litologia: Arenito, siltito e folhelho arroxeados, esverdeados e avermelhados, sendo que, na base da unidade apresenta corpos arenosos, bem como sedimentos areno-argiloso de cores cinza na porção basal e avermelhados em direção ao topo (Milani , 1994).
  72. 72. FORMAÇÃO RIO DO RASTRO - GRUPO PASSA DOIS Micropaleontologia: Não foram encontrados artigos relacionados ou com evidências micropaleontológicos. Macropaleontologia: A formação Rio do Rastro é designada por pelecípodes, conchostráceos, palinomorfos, rest os de plantas e pelo anfíbio Labirintodonte e impressões de caule, segundo Bortoluzzi (1975) apud Ordandi-Filho (2002).
  73. 73. FORMAÇÃO SANGA DO CABRAL – GRUPO PASSA DOIS Litologia: Constituído por arenitos avermelhados, quatzosos, de granulação bimodal fina a média e granulometricamente foscos e arredondados (Soares et al. 2008).
  74. 74. FORMAÇÃO SANGA DO CABRAL – GRUPO PASSA DOIS Micropaleontologia: Não foram encontrados artigos relacionados ou com evidências micropaleontológicas. Macropaleontologia: A formação Sanga Cabral é rica em fósseis de vertebrados como temnospondilos, procolofonóides, protossauros e sinápsidos de acordo com Lavina et al. (1983) apud Da Rosa et al. (2009). Relata-se ainda tetrápodes, invertebrados e plantas, de acordo com Da
  75. 75. FORMAÇÃO PIRAMBÓIA – GRUPO PASSA DOIS Litologia: Arenitos de granulometria fina de cor rosada, esbranquiçado, e raramente esverdeado. Os grãos predominantes de quartzos são angulosos a arredondados, moderadamente a pobremente selecionados (Massoli, 1981).
  76. 76. FORMAÇÃO PIRAMBÓIA – GRUPO PASSA DOIS Micropaleontologia: Não foram encontrados artigos relacionados ou com evidências micropaleontológicas. Macropaleontologia: A formação Pirambóia é composta por icnosósseis e impressões de vegetais descritos por Nowatzi & Kern (2000) apud Soares, Soares & Holz (2008).
  77. 77. Supersequência Gondwana II
  78. 78. Idade: Triássica (anisiano-noriano). Originaria de ciclos sedimentares de caráter continental, caracterizada por depósitos fluvio lacustre, possuindo influência considerável de processos ígneos, tendo em vista a dinâmica tectônica do planeta na época, conforme MILANI (1997) apud PETROBRÁS (2007).
  79. 79. . Compõe-se pelas formações Santa Maria e Caturrita. Restritas ao Estado do Rio Grande do Sul (Milani et al. 1994, Schneider et al. 1974 apud Silva et al., 2008).
  80. 80. 1 – Fm Serra Geral 2 – Fm Botucatu 3 – Fm Guará 4 – Fm Santa Maria e Caturrita 5 – Fm Sanga do Cabral 6 – Fm Piramboia 7 – Gr Itararé [[Imagem:Formações Geológicas Paleorrota.jpg|thumb|180px|Legenda]]
  81. 81. KEMERICH (2013)
  82. 82. KEMERICH (2013) KEMERICH (2013)
  83. 83. MILANI et al. (2006)
  84. 84. FORMAÇÃO SANTA MARIA (Passo das Tropas) Paleofauna (Da Rosa et al. 2009) SPHENOPHYTA – 3.3 PTERIDOPHYLLA – 3.1; 3. 2
  85. 85. FORMAÇÃO SANTA MARIA (Passo das Tropas) Paleofauna (Da Rosa et al. 2009) PTERIDOSPERMOPHYTA – 4.1; 4. 2; 4.3; 5. 2 INCERTAE SEDIS – 5.1
  86. 86. FORMAÇÃO SANTA MARIA (Passo das Tropas) Paleofauna (Da Rosa et al. 2009) GINKGOPHYTA – 6.1; 6. 2 CYCADALES – 7.1 CONIFEROPHYTA – 7. 2
  87. 87. CPRM (2009) Cenozona de Therapsida (Triássico Médio – Formação Santa Maria), dominada por dicinodontes (Dinodontosaurus) e cinodontes (Massetognathus). Biozona de Traversodontídeos (Triássico Médio – Formação Santa Maria) caracterizada pela presença quase exclusiva de cinodontes traversodontídeos. http://www.cprm.gov.br/geoecoturismo/geoparques/quartacolonia/caracterizacaogeologica.html
  88. 88. Cenozona de Rhynchosauria (Triássico Superior – Formação Santa Maria), apresentando uma total ausência de dicinodontes e uma expressiva dominância de rincossauros (Hyperodapedon), junto com as primeiras ocorrências de dinossauros basais. CPRM (2009) Cenozona de Mammaliamorpha (= Cenozona de Ictidosauria, Triássico Superior – Formação Santa Maria), marcada por uma fauna dominada por microvertebrados, especialmente cinodontes “ictidosáurios”, como Riograndia, Irajatherium, Brasilodon e Brasilitherium CPRM (2009) .
  89. 89. FORMAÇÃO SANTA MARIA (Alemoa) Rincossauros (Barberena 1977, apud Silva et al 2008). Vertebrados répteis (Dicynodontia, Cynodontia, Pseudosuchia, Rhynchocephalia e Saurischia) e plantas fósseis Huene (1928) apud Scherer (1994) e Huene (1942) apud Bortoluzzi e Barberena (1967)
  90. 90. FORMAÇÃO CATURRITA Troncos silicificados. Cinodontes, procolofonóides, e dinossauros (DA ROSA, 2009). Esfenodontes Lepidosauria, Rhynchocephalia (Ferigolo 2000, apud Arantes, 2011).
  91. 91. FORMAÇÃO CATURRITA Dicynodontipus geinitzi (Hornstein 1876, apud Silva et al. 2008). Dicynodontipus isp.
  92. 92. Bittencourt (2011)
  93. 93. Cenci (2013)
  94. 94. Cenci (2013)
  95. 95. http://www.scotese.com/earth.htm
  96. 96. http://www.scotese.com/earth.htm
  97. 97. http://www.scotese.com/earth.htm
  98. 98. Supersequência Gondwana III
  99. 99. Estratigrafia • Idade: Jurássico inferior ao Início do Cretáceo; • Fragmentação de Gondwana: Rifteamento e derrames basálticos; • Rebaixamento do interior da bacia devido a reativação das antéclises da borda (CPRM, 2003); • Clima árido predominante;
  100. 100. Mapa Mundi no período Jurássico (152 Ma) Fonte: www.scotese.com
  101. 101. Mapa Mundi no Cretáceo Fonte: www.scotese.com
  102. 102. Grupo São Bento • Compreende as formações Serra Geral e Botucatu (White, 1908), sendo esta a mais basal; • Sedimentação em ambiente fluvio-eólico (Fm. Botucatu) e eólico associado a um evento magmático (Fm. Serra Geral); • Sobreposto pelo grupo Rosário do Sul (Gondwana II) e sotoposto pelo Grupo Caiuá (Bauru); • Contatos por discordância erosiva;
  103. 103. Formação Botucatu • Arenitos eólicos finos a médios, de cor vermelha, com paleodunas e estratificações cruzadas acanaladas de pequeno a grande porte (FERNANDES & CARVALHO, 2007); • Camada com espessura média de 100 m; • Macrofósseis:são raros, sendo representados por troncos e conchostráceos (CAMPOS, 1889 apud ALMEIDA & MELO, 1981);
  104. 104. Botucatu: fósseis • Icnofósseis e palinomorfos encontrados: • Primeiros icnofósseis descritos nos anos 50 (ALMEIDA, 1954 apud FERNANDES, 1990 ); • Urólitos (FERNANDES, 2004) e pegadas de Dinossauros (FERNANDES, 2007); • Palinomorfos representados por esporos, pólens e cutículas vegetais. (SCHEFFLER et al., 2010);
  105. 105. Urólito – Formação Botucatu Fonte: Fernandes (2002)
  106. 106. Pegada de Terópode Fonte: Revista Paleontologia – cenários de vida (Fernandes, 2007).
  107. 107. Pegada de ornithopoda Fonte: www.colecionadoresdeossos.com
  108. 108. Pegadas de pequeno Mamífero Fonte: www.colecionadoresdeossos.com
  109. 109. Formação Serra Geral • Derrames basálticos continentais, intercalados com lentes de arenitos eólicos (SCHERER, 2002 apud CPRM, 2003 ); formando uma das maiores províncias ígneas do mundo (SAUNDERS et al., 1992). • 138 – 127 Ma. Datado por Ar – Ar (Turner et al., 1994) • Composição: basaltos, dacitos e riolitos (STRUGALE et al., 2004); • Conteúdo fossilífero improvável em razão da litologia;
  110. 110. Carta Estratigráfica do Grupo São Bento Fonte: www.colecionadoresdeossos.com
  111. 111. Formação Tacuarembó • Arenitos estratificados finos a médios intercalados com pelitos e argilitos, com ocorrência de lentes conglomeráticas arenosas entre este (ANA & VEROSLAVSKY, 2003 apud DIAS, 2007); • Ambiente Fluvio-eólico; • Correlacionada com a Formação Botucatu (CPRM, 2003 apud DIAS, 2007);
  112. 112. Tacuarembó: fósseis • Conteúdo fossilífero variado, com destaque para macrofósseis; • Icnofósseiss: coprólitos de vertebrados; • Microfósseis: sem dados (possivelmente devido ao bioma desértico ancestral);
  113. 113. Tacuarembó: fósseis • Macrofósseis encontrados: • crânio de Meridiossaurus allisparadis (MONES, 1980 apud DIAS, 2010),; • Um tubarão de água doce, Prihybodus farambourgui (MARTINEZ, 1993 apud DIAS, 2010); • Moluscos Tacuaremboia caorsii e ostracodes.
  114. 114. Supersequência Bauru
  115. 115. Estratigrafia e Litologia Grupo Caiuá – Eólico (Fernandes e Coimbra, 1994) Formação Rio Paraná • Arenitos marrom-avermelhado a arroxeado, finos a médios, quartzosos, secundariamente subarcoseanos, bem selecionados; • Dunas de grande porte, estratificação cruzada tabular de médio a grande porte (com seis de até 10 m); • Espessura entre 277 – 351m; • Contatos transicionais com Goio Erê e Stº Anastásio;
  116. 116. Estratigrafia e Litologia Grupo Caiuá (Fernandes e Coimbra, 1994) Formação Goio Erê. • Arenitos quartzosos, subarcosenos, fino a muito fino, marrom-avermelhado a cinzaarroxeado; • Estatificação cruzada, de médio a grande porte; • Depósitos periféricos, interdunas aquosas; • Espessura média 50m; • Não sustentou grandes construções eólicas, variações no nível freático (acumulação de água).
  117. 117. Estratigrafia e Litologia Grupo Caiuá – Eólico (Fernandes e Coimbra, 1994) Formação Santo Anastásio • Arenitos fino a muito finos, essencialmente quartzosos, maciços, as vezes presença de feldspato; • Estratificação plano-paralela ou cruzada de baixa inclinação, mal definidas; • Lençóis de areia, extensas planícies desérticas; • Espessura aproximada de 100 m.
  118. 118. Estratigrafia e Litologia Grupo Bauru – Semi-árido, fluvial lacustre (Candeiro et al. 2004); Formação Adamantina • Argilas e arenitos avermelhados de origem flúvio-lacustre; arenitos muito finos a conglomerados, cimentação carbonática; • Ambientes flúvio-lacustres • Depositados em clima quente e úmido; • Espessura entre 80 e 200 m.
  119. 119. Estratigrafia e Litologia Grupo Bauru – Semi-árido, fluvial lacustre - (Candeiro et al. 2004) Formação Uberaba • Arenitos, conglomerados basais, cimentados por carbonatos de cálcio, calcários; • Estratos tabulares, lenticulares, estrutura maciça, estratificação cruzada tabular/acanalada; • Depósito sistema fluvial entrelaçado e fluxos em lençol; • Espessura de 140 m;
  120. 120. Estratigrafia e Litologia Grupo Bauru (Milani et al. 2007; Candeiro et al. 2004); Formação Marília Arenitos calcíferos, finos a médios, intercalados por conglomerados, 180 m) • Serra da Galga: Estratificação cruzada tabular, base acanalada); • Ponte Alta: Transição gradual, mais cimentado); • Echaporã: Estatos tabulares, planaltos digitiformes).
  121. 121. Fósseis
  122. 122. Grupo Caiuá • Rio Paraná: Sem registro fóssil, apenas pegadas de Coelurosauria (Suarez. 2002; Leonardi, 1989); • Goio Erê: Poucas microfósseis e algumas pegadas de Coelurosauria (Leonardi, 1989); • Santo Anastácio: Microfósseis, vertebrados indeterminados e dinossauros (Caneiro et al. 2004)
  123. 123. Grupo Bauru Formação Adamantina. • Carófitas e Ostracodes; • Peixes, Lagartos, Tartarugas, Crocodilos, dinossauros; • Possivelmente mamíferos (Bertini et al. 1993); • Microflora rica, predominante Giospermas, Gimnospermas também presentes, presença de esporos é expressiva.
  124. 124. Titanossaurídeos, ampla distribuição paleogeográfica do Cretáceo. Registro no Gondwana e Laurásia (Novas, 1997)
  125. 125. Predador - sedimentos do Cretácea inferior Europa, África e Nordeste do Brasil
  126. 126. Grupo Bauru Formação Uberaba. • Menos representativas do Grupo Bauru; • Restou de dinossauros, tartarugas e icnofósseis de invertebrados;
  127. 127. Ovo de Terópode
  128. 128. Grupo Bauru Formação Marília. • Uma das mais importantes unidade fossilíferas do Cretáceo Sup; • Diversos ostracodes, carófitas, tartarugas, crocodilos e dinossauros
  129. 129. Dentes de Terópodes - Tyrannosauridae
  130. 130. Possivelmente Global, mas restritos ao Gondwana no Cretáceo. Diversos dentes na Formação Marília
  131. 131. Séries de vértebras Membro Serra da Galga
  132. 132. • ASSINE, M. L., PERINOTTO, J. A. J., ALVARENGA, C. J. S., PETRI, S. (1998) Arquitetura Estratigráfica, Tratos Deposicionais e Paleogeografia da Bacia do Paraná (Brasil) No NeoOrdoviciano/Eo-Siluriano. Revista Brasileira de Geociências, v.28, n.1, p.61 - 76,. 4. ASSINE, M. L., ALVARENGA, C. J. S., PERINOTTO, J. A. J. (1998) Formação Iapó: Glaciação Continental No Limite Ordoviciano/Siluriano da Bacia do Paraná. Revista Brasileira de Geociências, v.28, n.1, p.51 - 60. • Bittencourt, J. S., and M. C. Langer. 2011. Mesozoic dinosaurs from Brazil and their biogeographic implications. Anais da Academia Brasileira de Ciências 83:23–60. • Cenci, Rômulo. Registro de interações inseto-planta em níveis do Triássico, membro Passo das Tropas, formação Santa Maria, Bacia do Paraná, Rio Grande do Sul / Rômulo Cenci. – 73f. : il. color. – Monografia (Conclusão de curso). Ciências Biológicas. Universidade Federal de Pelotas. Instituto de Biologia. Pelotas, 2013. – Orientador Karen Adami Rodrigues. • Da Rosa,A.A.S.; Guerra-Sommer,M.; Cazzulo-Klepzig,M. 2009. Passo das Tropas, Santa Maria, RS Marco bioestratigráfico triássico na evolução paleoflorística do Gondwana na Bacia do Paraná. In: Winge,M.; Schobbenhaus,C.; Souza,C.R.G.; Fernandes,A.C.S.; Berbert-Born,M.; Sallun filho,W.; Queiroz,E.T.; (Edit.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Publicado na Internet em 4/10/2009 no endereço http://www.unb.br/ig/sigep/sitio084/sitio084.pdf [atualment http://sigep.cprm.gov.br/sitio084/sitio084.pdf ] • KEMERICH, Pedro Daniel da Cunha et al. Propriedades químicas do solo na bacia hidrográfica do rio Vacacaí-Mirim. Geol. USP, Sér. cient. [online]. 2013, vol.13, n.3, pp. 3 -15. ISSN 1519-874X. • MILANI, E. J.; FRANÇA, A. B.; MEDEIROS, R. A. Rochas geradoras e rochas-reservatório da Bacia do Paraná, faixa oriental de afloramentos, Estado do Paraná, Boletim de Geociências da Petrobras, Rio de Janeiro, v.15, n.1, p.135-162, nov. 2006/maio 2007. • SILVA, Rafael Costa da; CARVALHO, Ismar de Souza; FERNANDES, Antonio Carlos Sequeira e FERIGOLO, Jorge. Pegadas teromorfóides do Triássico Superior (Formação Santa Maria) do Sul do Brasil. Rev. bras. geociênc. [online]. 2008, vol.38, n.1, pp. 98-113. ISSN 0375-7536. • Sommer,M.G.; Scherer,C.M.S. 2002. Sítios Paleobotânicos do Arenito Mata (Mata e São Pedro do Sul), RS - Uma das mais importantes “florestas petrificadas” do planeta. In: Schobbenhaus,C.; Campos,D.A.

×