Desenvolvimento do ciclo brasiliano

1.607 visualizações

Publicada em

estudo

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.607
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desenvolvimento do ciclo brasiliano

  1. 1. Desenvolvimento do Ciclo Brasiliano
  2. 2. CONTEXTO GEOLÓGICO REGIONAL • A Plataforma Sul-Americana forma o núcleo do continente da América do Sul, recobrindo uma área de aproximadamente 15 milhões de km2, dos quais 40% estão expostos em três escudos précambrianos: • Guiana, Brasil-Central (ou Guaporé) e Atlântico. • Parte da crosta continental exposta nestes escudos remonta a uma longa história de evolução crustal, com registros que vão do Arqueano ao Paleoproterozóico, consolidando-se como núcleos crustais estáveis ao final do ciclo orogenético Transamazônico
  3. 3. CONTEXTO GEOLÓGICO REGIONAL • A conformação final dos escudos pré-cambrianos delimitados por Almeida et al. (1976) ocorreu através da amalgamação de unidades supracrustais adjacentes aos blocos litosféricos durante a orogênese Brasiliana (750- 530Ma). Figura: Compartimentação geotectônica da Plataforma Sul- Americana segundo Almeida et al. (1976). Retirado e modificado de Dardenne & Schobbenhaus
  4. 4. CONTEXTO GEOLÓGICO REGIONAL • Materiais oceânicos permitem individualizar quatro placas. • A megaplaca da borda ocidental do Gondwana agrupa os Crátons da África do Oeste, Amazônico e do Rio de Ia Plata. Este será separado do Cráton Amazônico apenas no Cambriano Médio, no final do Ciclo Brasiliano, curto e jovem. • A Placa do Congo-São Francisco, que trabalho recente a subdivide em dois (Trompette et al. 1992), é a unidade chave do Gondwana Ocidental.
  5. 5. A CONSTITUIÇÃO REGIONAL • Na constituição da região reconhecem-se basicamente três grandes conjuntos lito-estruturais. • 1 - Unidades do Arqueano e Paleoproterozóico (>1,8 Ga) geradas nos ciclos tectônicos Transamazônico, Jequié e possíveis outros mais antigos. • 2 - Unidades do Paleoproterozóico (<1,8 Ga) e Mesoproterozóico relacionadas com processos de fragmentação continental, os quais não chegaram ao estágio de franca abertura oceânica. • 3 - Unidades que começaram a se formar a partir de 1,0 Ga, no Neoproterozóico, com a fragmentação do Rodínia, abertura de oceanos e convergências de continentes e microcontinentes ou maciços. • Ga = [giga=billhões; a=anni=anos]

×