SlideShare uma empresa Scribd logo
TRANSTORNOS
SEXUAIS
Discentes:
Jorge Gabriel Mendes
Leonardo Andrade
Letícia Adrielle
Lucas Teixeira Graia
Lúcia Yasmim Santos
Maria Rafaella Carvalho
Universidade Federal de Sergipe
Centro de Ciências Biológicas e da Saúde
Departamento de Medicina
Introdução
● O que são transtornos da sexualidade?
○ “Distúrbios qualitativos ou quantitativos do instinto sexual,
fantasias ou comportamento recorrente e intenso que ocorrem de
forma inabitual, também chamados de parafilias, podendo existir
como sintoma em uma perturbação psíquica, como intervenção de
fatores orgânicos glandulares e simplesmente como questão da
preferência sexual.”
Introdução
● Associação Americana de Psiquiatria em seu Manual diagnóstico e estatístico dos
transtornos mentais, os “Transtornos sexuais e da identidade sexual” podem ser
equacionados em três tipos:
○ Transtornos sexuais. Encerram as disfunções sexuais, como as alterações do desejo,
mudança na resposta sexual convencional, mal-estar ou conflitos interpessoais.
○ Parafilias. São impulsos sexuais, fantasias ou comportamentos recorrentes e intensos
que implicam condutas pouco habituais.
○ Transtornos da identidade sexual. A identidade sexual é a consciência imutável que
alguém tem de pertencer a um ou outro sexo. Seu transtorno, portanto, consiste na
identificação persistente com o outro sexo e um mal-estar com o seu próprio, querendo
ser do sexo oposto.
Anafrodisia
● É a diminuição ou deteriorização do instinto
sexual no homem devido, geralmente, a uma
doença nervosa ou glandular
● Não se pode admitir a normalidade em uma
pessoa inteiramente incapaz ao coito
● Sua importância médico-legal está nos casos
de anulação de casamento, por defeito físico
irremediável, anterior e desconhecido na
época do matrimônio.
Frigidez ● Distúrbio do instinto sexual que se caracteriza
pela diminuição do apetite sexual na mulher,
devido a vaginismo ou doenças psíquicas ou
glandulares.
● É o mais comum dos distúrbios sexuais,
chegando-se até a acreditar não se tratar de
casos de anomalia.
● As causas mais comuns são: religiosas
(identificação com o pecado), culturais (pudor
e decência), dispareunia (desconforto),
traumas emocionais (lembranças), falta de
identificação sexual (homossexualidade),
transtornos mentais (fobias sexuais) e causas
circunstanciais (causas de tempo e lugar).
Anorgasmia
● É uma disfunção sexual rara e se constitui,
como o próprio nome sugere, na condição de
o homem não alcançar o orgasmo.
● O indivíduo se instrumentaliza para o coito
mas não atinge o clímax da relação sexual,
não lhe faltando, inclusive, as manifestações
eróticas e o desejo sexual.
● O mais comum nestes casos é o homem
perder pouco a pouco o interesse pela relação
sexual.
Erotismo
● Tendência abusiva dos atos sexuais. No homem,
chama-se satiríase e, na mulher, ninfomania.
● Na satiríase, existem a ereção, o ardor sexual e a
consumação do ato com ejaculação. Tem sempre
uma causa patológica.
○ É manifestada por ereção quase
permanente, repetidas ejaculações e
excessivo ardor genésico, podendo estar ou
não acompanhada de delírios e alucinações.
● A ninfomania ou uteromania pode levar a doente
ao crime, ao escândalo e à prostituição. A doente
não se satisfaz do desejo sexual, procurando
saciar seus apetites de qualquer maneira, sejam
quais forem as consequências. Há duas formas:
○ Crônica, menos perigosa, que se caracteriza
por grande exaltação sexual
○ Aguda, de prognóstico sombrio, levando à
loucura ou à morte.
Autoerotismo ● É o transtorno no qual o gozo sexual
prescinde da presença do sexo oposto.
● É o coito sem parceiro, apenas na
contemplação de um retrato, de uma
escultura ou na presença de uma pessoa
amada.
● Erotismo e o orgasmo surgem
independentemente de manobras ou da
presença de alguém.
● É chamado de coito psíquico de Hammond
Erotomania
● O indivíduo é levado por uma ideia fixa de amor e
tudo nele gira em torno desta paixão, que domina e
avassala todos os seus instantes.
● É a hipérbole do amor platônico.
● Ball define como um amor etéreo, ideal, puríssimo,
absolutamente isento de qualquer desejo carnal
● Duas formas de erotômanos
○ Discretos, tímidos, ingênuos, guardando em
silêncio sua paixão, podendo chegar até a
matar-se, sem uma queixa, sem uma
reclamação
○ Inoportunos, intransigentes, exasperados,
perseguidores e insolentes, chegando às vezes
às últimas consequências contra o ente
amado.
● A paixão surge apenas de um olhar, de um aceno, de
um simples trejeito. Daí em diante ele sonha e vive
tímido e discretamente, guardando somente para si
o segredo e a grandeza desse amor.
Frotteurismo
● A forma como certos indivíduos
aproveitam-se das aglomerações em
transportes públicos ou em outros locais de
ajuntamento humano, com o objetivo de
“esfregar ou encostar seus órgãos genitais,
principalmente em mulheres, ou tocar seus
seios e genitais, sem que a outra pessoa
perceba ou identifique suas intenções”.
Exibicionismo
● O portador tem uma obsessão impulsiva de
mostrar seus órgãos genitais, sem convite para a
cópula, apenas por um estranho prazer
incontrolável.
● Kraepelin afirmava que os portadores dessa
forma de parafilia sempre manifestam sua
preferência sexual em locais de grande
aglomeração humana, como estádios, praças,
portas de colégios, chamando a atenção das
pessoas através de gestos ou sinais, ou mesmo
mostrando seus genitais, ocultos em capas ou
capotes, que são abertos ao cruzar com as
pessoas.
● Lasègue dá como suas características essenciais
o seguinte: exibição a distância dos genitais, sem
insinuações lúbricas, sem violência e sem
manifestação de desejo da posse carnal.
● São quase sempre do sexo masculino.
Narcisismo O termo deriva-se de Narciso, personagem
mitológica.
Conceito :
É a admiração pelo próprio corpo ou o culto
exagerado de sua própria personalidade e
cuja excitação sexual tem como referência
o próprio corpo.
O narcisismo revela pouco interesse
médico-legal.
Mixoscopia Transtorno da preferência sexual, também
conhecido como escoptofilia, caracteriza-se
pelo prazer erótico despertado em certos
indivíduos em presenciar o coito de
terceiros.
Não tem maiores conotações de ordem
médico-legal, porque elas servem muito
mais de mecanismo de excitação.
Fetichismo Transtorno que se apresenta como uma
fixação sexual por uma determinada parte
do corpo ou por objetos pertencentes à
pessoa amada.
Objeto deixa de ser uma lembrança para
personificar-se e tornar-se elemento
primordial na excitação do sexo.
O fetichismo pode ser: por certas partes do
corpo ; por algumas funções ou emanações
orgânicas ; e por objetos que se relacionem
com o corpo.
Fetichismo Até defeitos físicos podem-se tornar
fetiches, como amputações, cicatrizes,
surdo-mudez e cegueira.
Há autores que classificam este transtorno
em fetichismo propriamente dito (objetos
inanimados) e parcialismo (certa parte do
corpo).
Ele começa na maioria das vezes na
adolescência e com raízes desde a infância.
Depois de instalado, cronifica-se e não
desaparece nunca.
Travestismo
Fetichista
Também conhecido como eonismo
fetichista ou autoginefília é uma forma de
parafilia. É muito mais comum em
indivíduos do sexo masculino, adultos e
heterossexuais.
Em geral, trata-se de situações em que o
portador utiliza diversos tipos de roupas
femininas na ocasião da relação sexual.
Fora essas manifestações da
sexualidade,ele se apresenta e se comporta
como heterossexual.
Travestismo
Fetichista
Existem, também, aqueles que usam
apenas as roupas femininas mais íntimas
como calcinhas, meias e sutiãs sob a roupa
masculina para obter excitação sexual
apenas com o ato de despir-se.
Há, ainda, o inverso disso, que é a fantasia
sexual ou fantasia erótica.
Para alguns especialistas isso não se
constitui um transtorno da identidade
sexual,mas uma forma de expressão da
sexualidade.
Lubricidade
Senil
É a manifestação sexual exagerada, em
idades mais avançadas, sempre sinal de
perturbações patológicas, como demência
senil ou paralisia geral progressiva.
Em geral, a idade da vítima é bem inversa
da idade do delinquente.
Alguns deles podem ser até impotentes,
satisfazendo-se apenas em ver e apalpar as
partes sexuais, principalmente de crianças.
Ou na satisfação de relatar em detalhes as
cenas eróticas.
Lubricidade
Senil
Essas perversões de sexualidade retiram
completamente o senso normal, ensejando
a prática de atos verdadeiramente
obscenos em lugares públicos e abertos.
Resumem-se em toques obscenos, exibição
dos órgãos genitais e práticas luxuriosas
improdutivas.
Têm grande valor médico-legal devido aos
crescentes atentados.Tais depravações
esporadicamente chegam aos delitos de
sangue.
Pluralismo Também chamado de troilismo.
Manifesta-se pela prática sexual em que
participam três ou mais pessoas.
Os franceses chamam-no de ménage à trois
e, no Brasil, é conhecido como “suruba”.
Os participantes podem ser em número
variado de pessoas, predominando homens
ou mulheres, e as ações se manifestam
desde a prática de cópula vaginal até as
útimas das perversõs sexuais
Swapping
É uma prática heterossexual que se realiza
entre integrantes de dois ou mais casais,
em que se verifica a troca de parceiros de
forma consentida.
Gerontofilia Conhecida também por cronoinversão, ou
presbiofilia, a gerontofilia é a atração de
certos indivíduos ainda jovens por pessoas
de excessiva idade.
Na maioria das vezes, são do sexo
masculino e procuram, em ambientes
reservados, mulheres velhas para a prática
sexual.
O que torna aberração é a procura
obsessiva de um jovem ou de uma jovem
sistematicamente por pessoas velhas.
CROMOINVERSÃO
&
ETNOINVERSÃO
CROMOINVERSÃO
É a propensão erótica de certos indivíduos por
outros de cor diferente. Isto, dentro de um certo
limite, não há o que se considerar anormal. O fato
constitui gravidade quando se torna obsessivo e
compulsivo.
ETNOINVERSÃO
É a manifestação erótica por pessoas de raças
diferentes. Além de constituir um tipo raro de
distúrbio sexual, não se mostra como problema
médico-legal relevante. Não se considera apenas a
cor da pele, mas um conjunto de caracteres
somatopsicoculturais que integram determinadas
etnias e que se fazem chamativos e atrativos da
etnoinversão.
Coprofilia
Também chamada escatofilia, é a perversão
em que o ato sexual se prende ao ato da
defecação ou ao contato das próprias
fezes.
Clismafilia
Parafilia onde a excitação é causada por
enemas, que é a aplicação de um tubo com
líquidos no reto.O termo foi criado pelo Dr.
Joanne Denko, em 1973.
Coprolalia
Consiste na necessidade de alguns
indivíduos em proferir ou ouvir de alguém
palavras obscenas a fim de excitá-los.
Edipismo
É a atração sexual por pessoas da família
ou parentes. Provoca o que chamamos de
incesto, que não é criminoso em nosso
ordenamento jurídico.
Bestialismo
É o prazer por meio do sexo com animais
domésticos (galinha, porco, cachorro, égua,
cabra, cavalo, etc). O que está mais para
uma aberração, costuma acometer homens
impotentes com mulheres – mas pode
também se passar com mulheres
pervertidas.
Onanismo
É o impulso obsessivo à excitação dos
órgãos genitais, comum na puberdade.
Atingindo essa obsessão na idade adulta,
tem a conotação de psicopatia.
Vampirismo
O indivíduo acometido terá satisfação
sexual na presença de uma certa
quantidade de sangue ou com mordeduras
nas laterais do pescoço da(o) parceira(o);
Necrofilia
Caracterizada pela excitação decorrente da
visão ou da violação sexual do cadáver.
Poderá caracterizar “vilipêndio de cadáver”
quando é realizado com o morto atos
sexuais.
Prescrito no artigo 212 do Código Penal
Sadismo
É o desejo e satisfação sexual em sentir
prazer com o sofrimento do outrem, seja
físico ou mental, que o leva muitas vezes
até a morte;
O nome sadismo se refere ao Marquês de
Sade, que praticou e fez apologia desta
aberração em Justine et Juliette;
Há três grandes degradações da
perturbação sexual desta natureza:
pequeno, médio e o grande sadismo;
Masoquismo
Caracterizada em obter o prazer sexual a
partir do sofrimento que o próprio indivíduo
infringe a si mesmo ou a que se submete, a
partir do outro;
O nome é devido a um escritor polonês,
Leopold Vor Sacher- Masoch;
Algofilia;
Ele pode ser moral, utilizados por pessoas
que se possui o desejo de realizar
dificuldades ou causá-las a si própria.
Autoestrangulamen
to erótico Se constitui pelo prazer obtido por meio da
privação do oxigênio;
É também conhecido como autoasfixia ou
hipoxifilia;
São utilizados objetos como ataduras,
garrotes, sacos de plásticos, compressão
torácica e até substâncias químicas á base
de nitritos voláteis.
Pigmalianismo
É uma inversão também conhecida como
agalmatofilia que possui um amor
desvairado por estátuas;
A palavra agalmatofilia vem do grego e é a
união entre agalma/estátua e philia/amor;
Esta parafilia tem referência com um mito
da antiguidade Grega, o mito de Pigmalião.
Pedofilia
É um transtorno da sexualidade que se caracteriza por
uma preferência sexual por crianças ou menores
pré-púberes;
Acomete atos obscenos, atentados violentos ao pudor
e ao estrupo denotando comprometimentos psíquicos
e morais de seu autores;
características : personalidade tímida;portadoras de
transtornos emocionais; podem ter sofrido abuso
sexual na infância; nos que possuem baixa renda
podem estar associados a bebidas álcoolicas;
É mais frequentes em indivíduos do sexo masculino
que apresentam grandes problemas de
relacionamento sexual;
Essa relação pode ser hetero ou homossexual.
Homossexualidade
Masculina
Historicamente deixou de ser um transtorno da
identidade sexual para se constituir em mais uma
forma de manifestação sexual;
O termo correto para designar é orientação sexual
Esta orientação sexual é inata, determinada
biologicamente;
Em 1990 a Organização Mundial de Saúde retirou
a homossexualidade da lista de doenças;
No artigo 5° da Constituição Federativa da
República do Brasil de 1988 afima: “Todos são
iguais perante a lei, sem distinção de qualquer
natureza”
Homossexualidade
Feminina Pode ser chamado de safismo, lesbianismo
ou tribadismo;
Fatores que influenciam como elementos
da gênese dessa preferência como: receio
de gravidez, decepções com os homens e o
comportamento desse na sociedade;
Aos poucos essas mulheres vem adquirindo
respeito e acatamento da sociedade.
Transexualidade
Síndrome de disforia sexual
Chama a atenção pela sua complexidade e
por seus desafios ás questões sociais e
jurídicas
Tenta-se explicar sua etiologia através de
algumas teorias:
Teoria genética;
Teoria fenotípica;
Teoria psicogênica;
Teoria neuroendócrina;
Teoria eclética.
Transexualidade
Classificação:
transexual pseudotravestido
transexual travestido-fetichista
transexual travestido verdadeiro
Aspectos
Médicos-Legais
As condutas sexuais atentatórias á
dignidade sexual, em sua maioria, taduzem
sobre o ângulo médico-legal, por crimes
contra a liberdade sexual, como estrupo,
violação sexual, assédio sexual e corrupção
de menores, com os agravantes dos crimes
sexuais contra vulnerávei;.
Em geral, toda perversão sexual depende de
uma degeneração psíquica mais ou menos
grave;
Todo delito grave de ocorrência sexual deve
merecer cuidadosamente atenção por
perito e do julgador.
Riparofilia Atração por pessoas desasseadas e de
baixa condição higiênica.
Também inclui a manutenção de relações
sexuais com mulheres durante a época de
menstruação.
Mais comum no sexo masculino.
Dolismo Atração por bonecas e manequins, seja
observando-os ou exibindo-os, seja
relacionando-se sexualmente com eles.
Donjuanismo Personalidade compulsiva em relação às
conquistas amorosas, sempre de maneira
ruidosa.
Andromimetofilia e
Ginemimetofilia
Atração por indivíduos do sexo feminino
apenas quando estes encontram-se
vestidos com indumentária
tradicionalmente masculina
(andromimetofilia).
Atração por indivíduos do sexo masculino
apenas quando estes encontram-se
vestidos com indumentária
tradicionalmente feminina
(ginemimetofilia).
Urolagnia Prazer sexual ao ver ou ouvir alguém no ato
de micção, bem como ao urinar em alguém
ou ser urinado.
Omorashi Movimento cultural japonês baseado no
fetiche por outrem estar com a bexiga
cheia.
REFERÊNCIAS
FRANÇA, G. V. Medicina Legal. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.
FOGEL, Katie Fritz et al. “We’re Automatically Sex in Men’s Eyes, We’re Nothing But
Sex…”: Homeless Young Adult Perceptions of Sexual Exploitation. Journal of Child &
Adolescent Trauma, v. 10, n. 2, p. 151-160,

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Laércio Góes
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Marcela Montalvão Teti
 
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Lorena Albuquerque Vieira
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
Nilson Dias Castelano
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
Eliane Santos
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
CENAT Cursos
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Aroldo Gavioli
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Alexandre Simoes
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
Saúde do Idoso - Transtornos psiquicos
Saúde do Idoso - Transtornos psiquicosSaúde do Idoso - Transtornos psiquicos
Saúde do Idoso - Transtornos psiquicos
Júnior Maidana
 
saude mental
saude mental saude mental
saude mental
IsabeldaCosta5
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Introdução à Psicologia Jurídica
Introdução à Psicologia JurídicaIntrodução à Psicologia Jurídica
Introdução à Psicologia Jurídica
Sergio Luis dos Santos Lima
 
Avaliação do estado mental
Avaliação  do estado mentalAvaliação  do estado mental
Avaliação do estado mental
Elaine Bedin
 
Testes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para DemênciaTestes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para Demência
Andrea Dircksen
 
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.pptEMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.ppt
Rafaela Amanso
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
Bruno Carrasco
 

Mais procurados (20)

Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Saúde do Idoso - Transtornos psiquicos
Saúde do Idoso - Transtornos psiquicosSaúde do Idoso - Transtornos psiquicos
Saúde do Idoso - Transtornos psiquicos
 
saude mental
saude mental saude mental
saude mental
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
Introdução à Psicologia Jurídica
Introdução à Psicologia JurídicaIntrodução à Psicologia Jurídica
Introdução à Psicologia Jurídica
 
Avaliação do estado mental
Avaliação  do estado mentalAvaliação  do estado mental
Avaliação do estado mental
 
Testes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para DemênciaTestes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para Demência
 
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.pptEMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.ppt
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 

Semelhante a Transtornos Sexuais.pdf

Sexualidade, direitos sexuais e homofobia
Sexualidade, direitos sexuais e homofobiaSexualidade, direitos sexuais e homofobia
Sexualidade, direitos sexuais e homofobia
Paulo Alexandre
 
Disfunções Sexuais e Parafilias - uma abordagem psicanalítica
Disfunções Sexuais e Parafilias - uma abordagem psicanalíticaDisfunções Sexuais e Parafilias - uma abordagem psicanalítica
Disfunções Sexuais e Parafilias - uma abordagem psicanalítica
Wania Andrade
 
Parafilia - Fetichismo travestido
Parafilia - Fetichismo travestidoParafilia - Fetichismo travestido
Parafilia - Fetichismo travestido
Wania Andrade
 
Leis gênero
Leis gêneroLeis gênero
Leis gênero
Flávia Cunha Lima
 
Leis gênero
Leis gêneroLeis gênero
Leis gênero
Flávia Cunha Lima
 
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com AConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
Thiago de Almeida
 
Identidade Sexual e Pervercões
Identidade Sexual e PervercõesIdentidade Sexual e Pervercões
Identidade Sexual e Pervercões
Roque Ronald Jr.
 
Orientação sexual
Orientação sexualOrientação sexual
Orientação sexual
Rayane Souza
 
233 693-1-pb
233 693-1-pb233 693-1-pb
233 693-1-pb
Ketley Bicalho
 
Dignidade E Diversidade Sexual Humana
Dignidade E Diversidade Sexual HumanaDignidade E Diversidade Sexual Humana
Dignidade E Diversidade Sexual Humana
Tarcio Oliveira
 
Diferentes Orientações Sexuais
Diferentes Orientações SexuaisDiferentes Orientações Sexuais
Diferentes Orientações Sexuais
Michele Pó
 
Exploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso SexualExploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso Sexual
Michele Pó
 
Exploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso SexualExploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso Sexual
Michele Pó
 
Considerações sobre o transtorno.pdf
Considerações sobre o transtorno.pdfConsiderações sobre o transtorno.pdf
Considerações sobre o transtorno.pdf
Eraldo Carlos
 
Orientaçã..
Orientaçã..Orientaçã..
Orientaçã..
Ana Teixeira
 
Orientaçã..
Orientaçã..Orientaçã..
Orientaçã..
Ana Teixeira
 
Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade
Ilana Fernandes
 
Sintomas comuns da existência de maldição parte viii 16
Sintomas comuns da existência de maldição parte viii 16Sintomas comuns da existência de maldição parte viii 16
Sintomas comuns da existência de maldição parte viii 16
mredil
 
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Thiago de Almeida
 
A sexualidade do idoso.pptx
A sexualidade do idoso.pptxA sexualidade do idoso.pptx
A sexualidade do idoso.pptx
anasoares14061
 

Semelhante a Transtornos Sexuais.pdf (20)

Sexualidade, direitos sexuais e homofobia
Sexualidade, direitos sexuais e homofobiaSexualidade, direitos sexuais e homofobia
Sexualidade, direitos sexuais e homofobia
 
Disfunções Sexuais e Parafilias - uma abordagem psicanalítica
Disfunções Sexuais e Parafilias - uma abordagem psicanalíticaDisfunções Sexuais e Parafilias - uma abordagem psicanalítica
Disfunções Sexuais e Parafilias - uma abordagem psicanalítica
 
Parafilia - Fetichismo travestido
Parafilia - Fetichismo travestidoParafilia - Fetichismo travestido
Parafilia - Fetichismo travestido
 
Leis gênero
Leis gêneroLeis gênero
Leis gênero
 
Leis gênero
Leis gêneroLeis gênero
Leis gênero
 
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com AConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
 
Identidade Sexual e Pervercões
Identidade Sexual e PervercõesIdentidade Sexual e Pervercões
Identidade Sexual e Pervercões
 
Orientação sexual
Orientação sexualOrientação sexual
Orientação sexual
 
233 693-1-pb
233 693-1-pb233 693-1-pb
233 693-1-pb
 
Dignidade E Diversidade Sexual Humana
Dignidade E Diversidade Sexual HumanaDignidade E Diversidade Sexual Humana
Dignidade E Diversidade Sexual Humana
 
Diferentes Orientações Sexuais
Diferentes Orientações SexuaisDiferentes Orientações Sexuais
Diferentes Orientações Sexuais
 
Exploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso SexualExploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso Sexual
 
Exploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso SexualExploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso Sexual
 
Considerações sobre o transtorno.pdf
Considerações sobre o transtorno.pdfConsiderações sobre o transtorno.pdf
Considerações sobre o transtorno.pdf
 
Orientaçã..
Orientaçã..Orientaçã..
Orientaçã..
 
Orientaçã..
Orientaçã..Orientaçã..
Orientaçã..
 
Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade
 
Sintomas comuns da existência de maldição parte viii 16
Sintomas comuns da existência de maldição parte viii 16Sintomas comuns da existência de maldição parte viii 16
Sintomas comuns da existência de maldição parte viii 16
 
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
 
A sexualidade do idoso.pptx
A sexualidade do idoso.pptxA sexualidade do idoso.pptx
A sexualidade do idoso.pptx
 

Último

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (7)

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 

Transtornos Sexuais.pdf

  • 1. TRANSTORNOS SEXUAIS Discentes: Jorge Gabriel Mendes Leonardo Andrade Letícia Adrielle Lucas Teixeira Graia Lúcia Yasmim Santos Maria Rafaella Carvalho Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Medicina
  • 2. Introdução ● O que são transtornos da sexualidade? ○ “Distúrbios qualitativos ou quantitativos do instinto sexual, fantasias ou comportamento recorrente e intenso que ocorrem de forma inabitual, também chamados de parafilias, podendo existir como sintoma em uma perturbação psíquica, como intervenção de fatores orgânicos glandulares e simplesmente como questão da preferência sexual.”
  • 3. Introdução ● Associação Americana de Psiquiatria em seu Manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais, os “Transtornos sexuais e da identidade sexual” podem ser equacionados em três tipos: ○ Transtornos sexuais. Encerram as disfunções sexuais, como as alterações do desejo, mudança na resposta sexual convencional, mal-estar ou conflitos interpessoais. ○ Parafilias. São impulsos sexuais, fantasias ou comportamentos recorrentes e intensos que implicam condutas pouco habituais. ○ Transtornos da identidade sexual. A identidade sexual é a consciência imutável que alguém tem de pertencer a um ou outro sexo. Seu transtorno, portanto, consiste na identificação persistente com o outro sexo e um mal-estar com o seu próprio, querendo ser do sexo oposto.
  • 4. Anafrodisia ● É a diminuição ou deteriorização do instinto sexual no homem devido, geralmente, a uma doença nervosa ou glandular ● Não se pode admitir a normalidade em uma pessoa inteiramente incapaz ao coito ● Sua importância médico-legal está nos casos de anulação de casamento, por defeito físico irremediável, anterior e desconhecido na época do matrimônio.
  • 5. Frigidez ● Distúrbio do instinto sexual que se caracteriza pela diminuição do apetite sexual na mulher, devido a vaginismo ou doenças psíquicas ou glandulares. ● É o mais comum dos distúrbios sexuais, chegando-se até a acreditar não se tratar de casos de anomalia. ● As causas mais comuns são: religiosas (identificação com o pecado), culturais (pudor e decência), dispareunia (desconforto), traumas emocionais (lembranças), falta de identificação sexual (homossexualidade), transtornos mentais (fobias sexuais) e causas circunstanciais (causas de tempo e lugar).
  • 6. Anorgasmia ● É uma disfunção sexual rara e se constitui, como o próprio nome sugere, na condição de o homem não alcançar o orgasmo. ● O indivíduo se instrumentaliza para o coito mas não atinge o clímax da relação sexual, não lhe faltando, inclusive, as manifestações eróticas e o desejo sexual. ● O mais comum nestes casos é o homem perder pouco a pouco o interesse pela relação sexual.
  • 7. Erotismo ● Tendência abusiva dos atos sexuais. No homem, chama-se satiríase e, na mulher, ninfomania. ● Na satiríase, existem a ereção, o ardor sexual e a consumação do ato com ejaculação. Tem sempre uma causa patológica. ○ É manifestada por ereção quase permanente, repetidas ejaculações e excessivo ardor genésico, podendo estar ou não acompanhada de delírios e alucinações. ● A ninfomania ou uteromania pode levar a doente ao crime, ao escândalo e à prostituição. A doente não se satisfaz do desejo sexual, procurando saciar seus apetites de qualquer maneira, sejam quais forem as consequências. Há duas formas: ○ Crônica, menos perigosa, que se caracteriza por grande exaltação sexual ○ Aguda, de prognóstico sombrio, levando à loucura ou à morte.
  • 8. Autoerotismo ● É o transtorno no qual o gozo sexual prescinde da presença do sexo oposto. ● É o coito sem parceiro, apenas na contemplação de um retrato, de uma escultura ou na presença de uma pessoa amada. ● Erotismo e o orgasmo surgem independentemente de manobras ou da presença de alguém. ● É chamado de coito psíquico de Hammond
  • 9. Erotomania ● O indivíduo é levado por uma ideia fixa de amor e tudo nele gira em torno desta paixão, que domina e avassala todos os seus instantes. ● É a hipérbole do amor platônico. ● Ball define como um amor etéreo, ideal, puríssimo, absolutamente isento de qualquer desejo carnal ● Duas formas de erotômanos ○ Discretos, tímidos, ingênuos, guardando em silêncio sua paixão, podendo chegar até a matar-se, sem uma queixa, sem uma reclamação ○ Inoportunos, intransigentes, exasperados, perseguidores e insolentes, chegando às vezes às últimas consequências contra o ente amado. ● A paixão surge apenas de um olhar, de um aceno, de um simples trejeito. Daí em diante ele sonha e vive tímido e discretamente, guardando somente para si o segredo e a grandeza desse amor.
  • 10. Frotteurismo ● A forma como certos indivíduos aproveitam-se das aglomerações em transportes públicos ou em outros locais de ajuntamento humano, com o objetivo de “esfregar ou encostar seus órgãos genitais, principalmente em mulheres, ou tocar seus seios e genitais, sem que a outra pessoa perceba ou identifique suas intenções”.
  • 11. Exibicionismo ● O portador tem uma obsessão impulsiva de mostrar seus órgãos genitais, sem convite para a cópula, apenas por um estranho prazer incontrolável. ● Kraepelin afirmava que os portadores dessa forma de parafilia sempre manifestam sua preferência sexual em locais de grande aglomeração humana, como estádios, praças, portas de colégios, chamando a atenção das pessoas através de gestos ou sinais, ou mesmo mostrando seus genitais, ocultos em capas ou capotes, que são abertos ao cruzar com as pessoas. ● Lasègue dá como suas características essenciais o seguinte: exibição a distância dos genitais, sem insinuações lúbricas, sem violência e sem manifestação de desejo da posse carnal. ● São quase sempre do sexo masculino.
  • 12. Narcisismo O termo deriva-se de Narciso, personagem mitológica. Conceito : É a admiração pelo próprio corpo ou o culto exagerado de sua própria personalidade e cuja excitação sexual tem como referência o próprio corpo. O narcisismo revela pouco interesse médico-legal.
  • 13. Mixoscopia Transtorno da preferência sexual, também conhecido como escoptofilia, caracteriza-se pelo prazer erótico despertado em certos indivíduos em presenciar o coito de terceiros. Não tem maiores conotações de ordem médico-legal, porque elas servem muito mais de mecanismo de excitação.
  • 14. Fetichismo Transtorno que se apresenta como uma fixação sexual por uma determinada parte do corpo ou por objetos pertencentes à pessoa amada. Objeto deixa de ser uma lembrança para personificar-se e tornar-se elemento primordial na excitação do sexo. O fetichismo pode ser: por certas partes do corpo ; por algumas funções ou emanações orgânicas ; e por objetos que se relacionem com o corpo.
  • 15. Fetichismo Até defeitos físicos podem-se tornar fetiches, como amputações, cicatrizes, surdo-mudez e cegueira. Há autores que classificam este transtorno em fetichismo propriamente dito (objetos inanimados) e parcialismo (certa parte do corpo). Ele começa na maioria das vezes na adolescência e com raízes desde a infância. Depois de instalado, cronifica-se e não desaparece nunca.
  • 16. Travestismo Fetichista Também conhecido como eonismo fetichista ou autoginefília é uma forma de parafilia. É muito mais comum em indivíduos do sexo masculino, adultos e heterossexuais. Em geral, trata-se de situações em que o portador utiliza diversos tipos de roupas femininas na ocasião da relação sexual. Fora essas manifestações da sexualidade,ele se apresenta e se comporta como heterossexual.
  • 17. Travestismo Fetichista Existem, também, aqueles que usam apenas as roupas femininas mais íntimas como calcinhas, meias e sutiãs sob a roupa masculina para obter excitação sexual apenas com o ato de despir-se. Há, ainda, o inverso disso, que é a fantasia sexual ou fantasia erótica. Para alguns especialistas isso não se constitui um transtorno da identidade sexual,mas uma forma de expressão da sexualidade.
  • 18. Lubricidade Senil É a manifestação sexual exagerada, em idades mais avançadas, sempre sinal de perturbações patológicas, como demência senil ou paralisia geral progressiva. Em geral, a idade da vítima é bem inversa da idade do delinquente. Alguns deles podem ser até impotentes, satisfazendo-se apenas em ver e apalpar as partes sexuais, principalmente de crianças. Ou na satisfação de relatar em detalhes as cenas eróticas.
  • 19. Lubricidade Senil Essas perversões de sexualidade retiram completamente o senso normal, ensejando a prática de atos verdadeiramente obscenos em lugares públicos e abertos. Resumem-se em toques obscenos, exibição dos órgãos genitais e práticas luxuriosas improdutivas. Têm grande valor médico-legal devido aos crescentes atentados.Tais depravações esporadicamente chegam aos delitos de sangue.
  • 20. Pluralismo Também chamado de troilismo. Manifesta-se pela prática sexual em que participam três ou mais pessoas. Os franceses chamam-no de ménage à trois e, no Brasil, é conhecido como “suruba”. Os participantes podem ser em número variado de pessoas, predominando homens ou mulheres, e as ações se manifestam desde a prática de cópula vaginal até as útimas das perversõs sexuais
  • 21. Swapping É uma prática heterossexual que se realiza entre integrantes de dois ou mais casais, em que se verifica a troca de parceiros de forma consentida.
  • 22. Gerontofilia Conhecida também por cronoinversão, ou presbiofilia, a gerontofilia é a atração de certos indivíduos ainda jovens por pessoas de excessiva idade. Na maioria das vezes, são do sexo masculino e procuram, em ambientes reservados, mulheres velhas para a prática sexual. O que torna aberração é a procura obsessiva de um jovem ou de uma jovem sistematicamente por pessoas velhas.
  • 23. CROMOINVERSÃO & ETNOINVERSÃO CROMOINVERSÃO É a propensão erótica de certos indivíduos por outros de cor diferente. Isto, dentro de um certo limite, não há o que se considerar anormal. O fato constitui gravidade quando se torna obsessivo e compulsivo. ETNOINVERSÃO É a manifestação erótica por pessoas de raças diferentes. Além de constituir um tipo raro de distúrbio sexual, não se mostra como problema médico-legal relevante. Não se considera apenas a cor da pele, mas um conjunto de caracteres somatopsicoculturais que integram determinadas etnias e que se fazem chamativos e atrativos da etnoinversão.
  • 24. Coprofilia Também chamada escatofilia, é a perversão em que o ato sexual se prende ao ato da defecação ou ao contato das próprias fezes.
  • 25. Clismafilia Parafilia onde a excitação é causada por enemas, que é a aplicação de um tubo com líquidos no reto.O termo foi criado pelo Dr. Joanne Denko, em 1973.
  • 26. Coprolalia Consiste na necessidade de alguns indivíduos em proferir ou ouvir de alguém palavras obscenas a fim de excitá-los.
  • 27. Edipismo É a atração sexual por pessoas da família ou parentes. Provoca o que chamamos de incesto, que não é criminoso em nosso ordenamento jurídico.
  • 28. Bestialismo É o prazer por meio do sexo com animais domésticos (galinha, porco, cachorro, égua, cabra, cavalo, etc). O que está mais para uma aberração, costuma acometer homens impotentes com mulheres – mas pode também se passar com mulheres pervertidas.
  • 29. Onanismo É o impulso obsessivo à excitação dos órgãos genitais, comum na puberdade. Atingindo essa obsessão na idade adulta, tem a conotação de psicopatia.
  • 30. Vampirismo O indivíduo acometido terá satisfação sexual na presença de uma certa quantidade de sangue ou com mordeduras nas laterais do pescoço da(o) parceira(o);
  • 31. Necrofilia Caracterizada pela excitação decorrente da visão ou da violação sexual do cadáver. Poderá caracterizar “vilipêndio de cadáver” quando é realizado com o morto atos sexuais. Prescrito no artigo 212 do Código Penal
  • 32. Sadismo É o desejo e satisfação sexual em sentir prazer com o sofrimento do outrem, seja físico ou mental, que o leva muitas vezes até a morte; O nome sadismo se refere ao Marquês de Sade, que praticou e fez apologia desta aberração em Justine et Juliette; Há três grandes degradações da perturbação sexual desta natureza: pequeno, médio e o grande sadismo;
  • 33. Masoquismo Caracterizada em obter o prazer sexual a partir do sofrimento que o próprio indivíduo infringe a si mesmo ou a que se submete, a partir do outro; O nome é devido a um escritor polonês, Leopold Vor Sacher- Masoch; Algofilia; Ele pode ser moral, utilizados por pessoas que se possui o desejo de realizar dificuldades ou causá-las a si própria.
  • 34. Autoestrangulamen to erótico Se constitui pelo prazer obtido por meio da privação do oxigênio; É também conhecido como autoasfixia ou hipoxifilia; São utilizados objetos como ataduras, garrotes, sacos de plásticos, compressão torácica e até substâncias químicas á base de nitritos voláteis.
  • 35. Pigmalianismo É uma inversão também conhecida como agalmatofilia que possui um amor desvairado por estátuas; A palavra agalmatofilia vem do grego e é a união entre agalma/estátua e philia/amor; Esta parafilia tem referência com um mito da antiguidade Grega, o mito de Pigmalião.
  • 36. Pedofilia É um transtorno da sexualidade que se caracteriza por uma preferência sexual por crianças ou menores pré-púberes; Acomete atos obscenos, atentados violentos ao pudor e ao estrupo denotando comprometimentos psíquicos e morais de seu autores; características : personalidade tímida;portadoras de transtornos emocionais; podem ter sofrido abuso sexual na infância; nos que possuem baixa renda podem estar associados a bebidas álcoolicas; É mais frequentes em indivíduos do sexo masculino que apresentam grandes problemas de relacionamento sexual; Essa relação pode ser hetero ou homossexual.
  • 37. Homossexualidade Masculina Historicamente deixou de ser um transtorno da identidade sexual para se constituir em mais uma forma de manifestação sexual; O termo correto para designar é orientação sexual Esta orientação sexual é inata, determinada biologicamente; Em 1990 a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade da lista de doenças; No artigo 5° da Constituição Federativa da República do Brasil de 1988 afima: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”
  • 38. Homossexualidade Feminina Pode ser chamado de safismo, lesbianismo ou tribadismo; Fatores que influenciam como elementos da gênese dessa preferência como: receio de gravidez, decepções com os homens e o comportamento desse na sociedade; Aos poucos essas mulheres vem adquirindo respeito e acatamento da sociedade.
  • 39. Transexualidade Síndrome de disforia sexual Chama a atenção pela sua complexidade e por seus desafios ás questões sociais e jurídicas Tenta-se explicar sua etiologia através de algumas teorias: Teoria genética; Teoria fenotípica; Teoria psicogênica; Teoria neuroendócrina; Teoria eclética.
  • 41. Aspectos Médicos-Legais As condutas sexuais atentatórias á dignidade sexual, em sua maioria, taduzem sobre o ângulo médico-legal, por crimes contra a liberdade sexual, como estrupo, violação sexual, assédio sexual e corrupção de menores, com os agravantes dos crimes sexuais contra vulnerávei;. Em geral, toda perversão sexual depende de uma degeneração psíquica mais ou menos grave; Todo delito grave de ocorrência sexual deve merecer cuidadosamente atenção por perito e do julgador.
  • 42. Riparofilia Atração por pessoas desasseadas e de baixa condição higiênica. Também inclui a manutenção de relações sexuais com mulheres durante a época de menstruação. Mais comum no sexo masculino.
  • 43.
  • 44.
  • 45. Dolismo Atração por bonecas e manequins, seja observando-os ou exibindo-os, seja relacionando-se sexualmente com eles.
  • 46.
  • 47. Donjuanismo Personalidade compulsiva em relação às conquistas amorosas, sempre de maneira ruidosa.
  • 48.
  • 49. Andromimetofilia e Ginemimetofilia Atração por indivíduos do sexo feminino apenas quando estes encontram-se vestidos com indumentária tradicionalmente masculina (andromimetofilia). Atração por indivíduos do sexo masculino apenas quando estes encontram-se vestidos com indumentária tradicionalmente feminina (ginemimetofilia).
  • 50. Urolagnia Prazer sexual ao ver ou ouvir alguém no ato de micção, bem como ao urinar em alguém ou ser urinado.
  • 51.
  • 52. Omorashi Movimento cultural japonês baseado no fetiche por outrem estar com a bexiga cheia.
  • 53. REFERÊNCIAS FRANÇA, G. V. Medicina Legal. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. FOGEL, Katie Fritz et al. “We’re Automatically Sex in Men’s Eyes, We’re Nothing But Sex…”: Homeless Young Adult Perceptions of Sexual Exploitation. Journal of Child & Adolescent Trauma, v. 10, n. 2, p. 151-160,