SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Organização como sistema
                     complexo
Conceito de administração e sua
                      evolução
   As organizações nascem para atender           às
    necessidades das pessoas e não o contrário.   As
    pessoas já existiam, quando surgiram          as
    organizações e são as pessoas que criam       as
    organizações.
   A necessidade de estabelecer padrões e por
    eles pautar o comportamento individual, faz com
    que as organizações sejam refractárias às
    condutas inesperadas, interna e externamente.
   Isso resulta em uma atitude reducionista, fazendo
    com que as organizações vejam as pessoas de
    forma unidimensional.
 Quanto aos colaboradores, as organizações
  em geral apenas os vêem através das
  actividades que lhes são designadas e
  desperdiçam a inquestionável riqueza dos
  outros conhecimentos e habilidades que
  possuem.
 Quanto    aos clientes, as organizações
  afastam-se da possibilidade de os atender
  melhor     nas   suas    necessidades    e
  expectativas, porque só os olham por um
  dos aspectos da sua complexidade: a
  procura por bens e serviços específicos.
O   ambiente fornece todos os recursos a
  serem utilizados pela organização e é o
  destinatário    dos      bens   e    serviços
  produzidos;
 A produção racional de resultados se
  significa a boa gestão dos recursos,
  atendendo os princípios de:
 – Eficiência – fazer da melhor forma
  possível, sem desperdiçar recursos;
 – Eficácia – concluir, cumprir prazos;
 – Efectividade – fazer o que o ambiente
  precisa e deseja.
 Pode–se, então, afirmar que os objectivos da
  Administração são:
- garantir o atendimento das necessidades e
  expectativas do ambiente, transformando
  recursos em bens e serviços, atendendo os
  aspectos de suficiência, oportunidade, maior
  qualidade e menores custos, para garantir a
  sobrevivência e crescimento das organizações.
• As consequências são:
- geração de riqueza, contribuição para o aumento
  dos níveis de bem–estar da sociedade e
  preservação    dos    recursos    naturais, em
  decorrência da racionalidade que reduz o
  desperdício.
• As organizações são espaços sociais,
  onde as pessoas interagem no sentido
  de gerir os recursos recebidos do
  ambiente para produzir bens e serviços.
 Por outro lado, as organizações também
  interagem com outras organizações e
  com pessoas em um espaço social mais
  amplo: o ambiente. Esses jogos podem–
  se dar com vários outros actores,
  simultaneamente.
  Comunismo primitivo
• Propriedade Colectiva
• A Terra como o factor de produção
 Descoberta   da Agricultura e da
  Pecuária
• Delimitação de território
• Surgimento do trabalho mais visível
• A Terra como o principal factor de
  produção
 Feudalismo / Esclavagismo
• O trabalho para outrem
• A Terra ainda é o principal factor de
  produção
  Revolução Industrial
• O trabalho mais formalizado
• O capital como o principal factor de
  produção
 Era do Conhecimento
•    Novas     relações   pessoas    X
  organizações
• O capital humano como principal
  factor de produção
ANTECEDENTES 1
4000 AC – egípcios: necessidade de planear, organizar e controlar
2600 AC – egípcios: descentralização administrativa;
1800 AC – Código de Hamurabi, na Babilónia: controle escrito e
  testemunhal,     pagamento mínimo, responsabilidade não se
  transfere;
1491 AC – hebreus: conceito de organização, princípio escalar e
  princípio da excepção;
600 AC, – Nabucodonosor, na Babilónia: controle de produção e
  incentivos salariais.
500 AC – Mencius, na China: necessidade de sistemas e padrões;
400 AC – Sócrates, na Grécia: universalidade da Administração;
 Platão: princípio da especialização; Ciro, na Pérsia: necessidade
  de relações humanas e estudo de movimentos, arranjo físico e
  manuseio de materiais;
175 AC – Cato, em Roma: uso de descrição de funções;
ANTECEDENTES 2
284 DC – Dioclécio, em Roma: delegação de
 autoridade;
1436 – Arsenal de Veneza: utilizava
 contabilidade de custos, verificações e
 balanços para controle, numeração de
 inventários, utilização da linha de
 montagem, uso da Administração de
 Pessoal e controle de inventário;
1525 – Maquiavel, na Itália: princípio do
 consenso da massa, reconhecimento da
 necessidade coesão na organização,
 enunciado das qualidades de liderança e
 descrição de tácticas políticas.
Antecedentes 3
1767 – Sir James Stuart, na Inglaterra: teoria
 da fonte de autoridade, impacto da
 automação e diferenciação entre gerentes e
 trabalhadores (especialização);
1776 – Adam Smith, na Inglaterra:
 necessidade     da    especialização     dos
 trabalhadores e conceito de controle;
1799 – Eli Whitney, nos EU: necessidade de
 utilização do método científico em gestão,
 contabilidade de custos, controle de
 qualidade e conceito de amplitude
 administrativa;
1767 – Sir James Stuart, na Inglaterra: teoria
 da fonte de autoridade, impacto da
 automação e diferenciação entre gerentes
 e trabalhadores (especialização);
1776 – Adam Smith, na Inglaterra:
 necessidade da especialização dos
 trabalhadores e conceito de controle;
1799 – Eli Whitney, nos EU: necessidade de
 utilização do método científico em gestão,
 contabilidade de custos, controle de
 qualidade e conceito de amplitude
 administrativa;
 Numa     fase posterior à Revolução
  Industrial, na segunda e terceira décadas
  do séc. XX, surgem novos conceitos: a
  produção em série e a linha de
  montagem.
 As   empresas, diversificadas e de
  dimensão cada vez maior, inseridas num
  mercado concorrencial, necessitam de
  produzir melhor, em quantidade e
  qualidade e a preços mais competitivos.
O desafio coloca-se, não só a nível da sua
 produção, como também da sua
 organização.

A  par do desenvolvimento de grandes
 estruturas industriais, assiste-se a fortes
 movimentos sociais, a uma exploração
 do trabalhador e à desumanização do
 trabalho.
 Criar regras ideais e exactas a aplicar
  pelos gestores.
 Procurar a máxima eficiência do sistema
  produtivo
 Considerar que o homem se deve
  adaptar à máquina
 O objectivo é optimizar o sistema técnico
  e aumentar a produtividade.
Origens (dois períodos)
– Primeiro período - identificado com a publicação do
  livro “Shop Management”, em 1903, focado na
  racionalização do trabalho dos operários e se
  fundamentava no estudo de tempos e movimentos.
– O segundo período – iniciado com a publicação do
  livro “The Principles of Scientific Management”, em
  1911. Embora        ainda    preocupado     com    a
  racionalização do trabalho operário, Taylor
  acrescentava a necessidade de uma re-estruturação
  das empresas, de forma a tornar possível a aplicação
  dos princípios que preconizava.
• Contribuições
– Estudo de tempo e padrões de produção;
– Supervisão funcional;
–     Padronização       de  ferramentas e
  instrumentos;
– Planeamento de tarefas e cargos;
– Princípio da excepção;
– Utilização da régua de cálculo e de
  instrumentos para economizar tempo;
– Fichas de instruções de serviço;
– Prémios de produção pela execução
  eficiente das tarefas;
– Definição da rotina de trabalho;
– Resumo do pensamento:
• Ciência, em lugar de empirismo.
• Harmonia, em vez de discórdia.
• Cooperação, não individualismo.
• Rendimento máximo, em lugar de
  produção reduzida.
• Desenvolvimento de cada homem no
  sentido de alcançar maior eficiência e
  prosperidade.
 Após a leitura e análise do texto (anexo)
 sobre os princípios da Gestão Científica
 e dos aspectos referidos sobre a teoria
 de Taylor, elabore uma pesquisa sobre as
 vantagens e as desvantagens da referida
 teoria, tecendo eventuais críticas e
 identificando empresas que ainda se
 baseiem nela.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
Teoria Burocrática
Teoria BurocráticaTeoria Burocrática
Teoria Burocrática
admetz01
 
Aula 02 história da administração e revolução industrial
Aula 02   história da administração e revolução industrialAula 02   história da administração e revolução industrial
Aula 02 história da administração e revolução industrial
alemartins10
 
ADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizações
Gabriel Faustino
 

Mais procurados (20)

AdministraçãO De Recursos Materiais E Patrimoniais Slidesaulas
AdministraçãO De Recursos Materiais E Patrimoniais SlidesaulasAdministraçãO De Recursos Materiais E Patrimoniais Slidesaulas
AdministraçãO De Recursos Materiais E Patrimoniais Slidesaulas
 
Planejamento Estratégico, Tático e Operacional
Planejamento Estratégico, Tático e OperacionalPlanejamento Estratégico, Tático e Operacional
Planejamento Estratégico, Tático e Operacional
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
 
Introdução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da AdministraçãoIntrodução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da Administração
 
Teoria neoclássica 2012_01
Teoria neoclássica 2012_01Teoria neoclássica 2012_01
Teoria neoclássica 2012_01
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Teoria Burocrática
Teoria BurocráticaTeoria Burocrática
Teoria Burocrática
 
Aula 1 planejamento estratégico
Aula 1   planejamento estratégicoAula 1   planejamento estratégico
Aula 1 planejamento estratégico
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
 
Aula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiaisAula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiais
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
Tecnicas de arquivamento
Tecnicas de arquivamentoTecnicas de arquivamento
Tecnicas de arquivamento
 
Aula 02 história da administração e revolução industrial
Aula 02   história da administração e revolução industrialAula 02   história da administração e revolução industrial
Aula 02 história da administração e revolução industrial
 
Gestão da Qualidade
Gestão da QualidadeGestão da Qualidade
Gestão da Qualidade
 
(4) administração evolução e conceitos
(4) administração evolução e conceitos(4) administração evolução e conceitos
(4) administração evolução e conceitos
 
Eras da qualidade
Eras da qualidadeEras da qualidade
Eras da qualidade
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Introdução Geral a Administração
Introdução Geral a AdministraçãoIntrodução Geral a Administração
Introdução Geral a Administração
 
ADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizações
 

Semelhante a Origem da administração

Questionário de quinta
Questionário de quintaQuestionário de quinta
Questionário de quinta
Moises Ribeiro
 
Questionário josé roberto
Questionário josé robertoQuestionário josé roberto
Questionário josé roberto
Moises Ribeiro
 
Apostila tecnologia industrial
Apostila tecnologia industrialApostila tecnologia industrial
Apostila tecnologia industrial
Marcelo Ricardo
 

Semelhante a Origem da administração (20)

Aula 1 - Introdução.pdf
Aula 1 - Introdução.pdfAula 1 - Introdução.pdf
Aula 1 - Introdução.pdf
 
Questionário de quinta
Questionário de quintaQuestionário de quinta
Questionário de quinta
 
Processos organizacionais 01
Processos organizacionais 01Processos organizacionais 01
Processos organizacionais 01
 
Novas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdf
Novas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdfNovas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdf
Novas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdf
 
1 introducao ao estudo da administracao
1   introducao ao estudo da administracao1   introducao ao estudo da administracao
1 introducao ao estudo da administracao
 
Teoria adm científica e clássica da administração
Teoria adm científica e clássica da administraçãoTeoria adm científica e clássica da administração
Teoria adm científica e clássica da administração
 
Aula a Aula (1).pptx
Aula  a Aula (1).pptxAula  a Aula (1).pptx
Aula a Aula (1).pptx
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
 
Taylor admcientifica
Taylor admcientificaTaylor admcientifica
Taylor admcientifica
 
Introdução a Administração.pptx
Introdução a Administração.pptxIntrodução a Administração.pptx
Introdução a Administração.pptx
 
aulasintrodtga2017-1-170531004946.pptx
aulasintrodtga2017-1-170531004946.pptxaulasintrodtga2017-1-170531004946.pptx
aulasintrodtga2017-1-170531004946.pptx
 
introdução A aDMINISTRAÇAÕ.pdf
introdução A aDMINISTRAÇAÕ.pdfintrodução A aDMINISTRAÇAÕ.pdf
introdução A aDMINISTRAÇAÕ.pdf
 
Questionário josé roberto
Questionário josé robertoQuestionário josé roberto
Questionário josé roberto
 
Noções de Administração UC1.ppt
Noções de Administração UC1.pptNoções de Administração UC1.ppt
Noções de Administração UC1.ppt
 
Gestão Empreendedora - Aula 1.pptx
Gestão Empreendedora - Aula 1.pptxGestão Empreendedora - Aula 1.pptx
Gestão Empreendedora - Aula 1.pptx
 
Rh corporativo Palestra
Rh corporativo   PalestraRh corporativo   Palestra
Rh corporativo Palestra
 
Apostila tecnologia industrial
Apostila tecnologia industrialApostila tecnologia industrial
Apostila tecnologia industrial
 
Teoria da Administração - contigencia.pdf
Teoria da Administração - contigencia.pdfTeoria da Administração - contigencia.pdf
Teoria da Administração - contigencia.pdf
 
Fundamentos Da Administração
Fundamentos Da AdministraçãoFundamentos Da Administração
Fundamentos Da Administração
 

Origem da administração

  • 1. Organização como sistema complexo Conceito de administração e sua evolução
  • 2. As organizações nascem para atender às necessidades das pessoas e não o contrário. As pessoas já existiam, quando surgiram as organizações e são as pessoas que criam as organizações.  A necessidade de estabelecer padrões e por eles pautar o comportamento individual, faz com que as organizações sejam refractárias às condutas inesperadas, interna e externamente.  Isso resulta em uma atitude reducionista, fazendo com que as organizações vejam as pessoas de forma unidimensional.
  • 3.  Quanto aos colaboradores, as organizações em geral apenas os vêem através das actividades que lhes são designadas e desperdiçam a inquestionável riqueza dos outros conhecimentos e habilidades que possuem.  Quanto aos clientes, as organizações afastam-se da possibilidade de os atender melhor nas suas necessidades e expectativas, porque só os olham por um dos aspectos da sua complexidade: a procura por bens e serviços específicos.
  • 4.
  • 5.
  • 6. O ambiente fornece todos os recursos a serem utilizados pela organização e é o destinatário dos bens e serviços produzidos;  A produção racional de resultados se significa a boa gestão dos recursos, atendendo os princípios de:  – Eficiência – fazer da melhor forma possível, sem desperdiçar recursos;  – Eficácia – concluir, cumprir prazos;  – Efectividade – fazer o que o ambiente precisa e deseja.
  • 7.  Pode–se, então, afirmar que os objectivos da Administração são: - garantir o atendimento das necessidades e expectativas do ambiente, transformando recursos em bens e serviços, atendendo os aspectos de suficiência, oportunidade, maior qualidade e menores custos, para garantir a sobrevivência e crescimento das organizações. • As consequências são: - geração de riqueza, contribuição para o aumento dos níveis de bem–estar da sociedade e preservação dos recursos naturais, em decorrência da racionalidade que reduz o desperdício.
  • 8. • As organizações são espaços sociais, onde as pessoas interagem no sentido de gerir os recursos recebidos do ambiente para produzir bens e serviços.  Por outro lado, as organizações também interagem com outras organizações e com pessoas em um espaço social mais amplo: o ambiente. Esses jogos podem– se dar com vários outros actores, simultaneamente.
  • 9.  Comunismo primitivo • Propriedade Colectiva • A Terra como o factor de produção  Descoberta da Agricultura e da Pecuária • Delimitação de território • Surgimento do trabalho mais visível • A Terra como o principal factor de produção
  • 10.  Feudalismo / Esclavagismo • O trabalho para outrem • A Terra ainda é o principal factor de produção
  • 11.  Revolução Industrial • O trabalho mais formalizado • O capital como o principal factor de produção  Era do Conhecimento • Novas relações pessoas X organizações • O capital humano como principal factor de produção
  • 12. ANTECEDENTES 1 4000 AC – egípcios: necessidade de planear, organizar e controlar 2600 AC – egípcios: descentralização administrativa; 1800 AC – Código de Hamurabi, na Babilónia: controle escrito e testemunhal, pagamento mínimo, responsabilidade não se transfere; 1491 AC – hebreus: conceito de organização, princípio escalar e princípio da excepção; 600 AC, – Nabucodonosor, na Babilónia: controle de produção e incentivos salariais. 500 AC – Mencius, na China: necessidade de sistemas e padrões; 400 AC – Sócrates, na Grécia: universalidade da Administração;  Platão: princípio da especialização; Ciro, na Pérsia: necessidade de relações humanas e estudo de movimentos, arranjo físico e manuseio de materiais; 175 AC – Cato, em Roma: uso de descrição de funções;
  • 13. ANTECEDENTES 2 284 DC – Dioclécio, em Roma: delegação de autoridade; 1436 – Arsenal de Veneza: utilizava contabilidade de custos, verificações e balanços para controle, numeração de inventários, utilização da linha de montagem, uso da Administração de Pessoal e controle de inventário; 1525 – Maquiavel, na Itália: princípio do consenso da massa, reconhecimento da necessidade coesão na organização, enunciado das qualidades de liderança e descrição de tácticas políticas.
  • 14. Antecedentes 3 1767 – Sir James Stuart, na Inglaterra: teoria da fonte de autoridade, impacto da automação e diferenciação entre gerentes e trabalhadores (especialização); 1776 – Adam Smith, na Inglaterra: necessidade da especialização dos trabalhadores e conceito de controle; 1799 – Eli Whitney, nos EU: necessidade de utilização do método científico em gestão, contabilidade de custos, controle de qualidade e conceito de amplitude administrativa;
  • 15. 1767 – Sir James Stuart, na Inglaterra: teoria da fonte de autoridade, impacto da automação e diferenciação entre gerentes e trabalhadores (especialização); 1776 – Adam Smith, na Inglaterra: necessidade da especialização dos trabalhadores e conceito de controle; 1799 – Eli Whitney, nos EU: necessidade de utilização do método científico em gestão, contabilidade de custos, controle de qualidade e conceito de amplitude administrativa;
  • 16.  Numa fase posterior à Revolução Industrial, na segunda e terceira décadas do séc. XX, surgem novos conceitos: a produção em série e a linha de montagem.  As empresas, diversificadas e de dimensão cada vez maior, inseridas num mercado concorrencial, necessitam de produzir melhor, em quantidade e qualidade e a preços mais competitivos.
  • 17. O desafio coloca-se, não só a nível da sua produção, como também da sua organização. A par do desenvolvimento de grandes estruturas industriais, assiste-se a fortes movimentos sociais, a uma exploração do trabalhador e à desumanização do trabalho.
  • 18.  Criar regras ideais e exactas a aplicar pelos gestores.  Procurar a máxima eficiência do sistema produtivo  Considerar que o homem se deve adaptar à máquina  O objectivo é optimizar o sistema técnico e aumentar a produtividade.
  • 19. Origens (dois períodos) – Primeiro período - identificado com a publicação do livro “Shop Management”, em 1903, focado na racionalização do trabalho dos operários e se fundamentava no estudo de tempos e movimentos. – O segundo período – iniciado com a publicação do livro “The Principles of Scientific Management”, em 1911. Embora ainda preocupado com a racionalização do trabalho operário, Taylor acrescentava a necessidade de uma re-estruturação das empresas, de forma a tornar possível a aplicação dos princípios que preconizava.
  • 20. • Contribuições – Estudo de tempo e padrões de produção; – Supervisão funcional; – Padronização de ferramentas e instrumentos; – Planeamento de tarefas e cargos; – Princípio da excepção; – Utilização da régua de cálculo e de instrumentos para economizar tempo; – Fichas de instruções de serviço; – Prémios de produção pela execução eficiente das tarefas; – Definição da rotina de trabalho;
  • 21. – Resumo do pensamento: • Ciência, em lugar de empirismo. • Harmonia, em vez de discórdia. • Cooperação, não individualismo. • Rendimento máximo, em lugar de produção reduzida. • Desenvolvimento de cada homem no sentido de alcançar maior eficiência e prosperidade.
  • 22.  Após a leitura e análise do texto (anexo) sobre os princípios da Gestão Científica e dos aspectos referidos sobre a teoria de Taylor, elabore uma pesquisa sobre as vantagens e as desvantagens da referida teoria, tecendo eventuais críticas e identificando empresas que ainda se baseiem nela.