SlideShare uma empresa Scribd logo
Norma Regulamentadora NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Professor Francisco Robson da Costa Lima
 
 
 
Norma Regulamentadora NR 32 32.2.3  Do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO
32.2.3.1  O PCMSO deve contemplar: o reconhecimento e a avaliação dos riscos biológicos, químicos, físicos, ergonômicos, mecânicos ou de acidentes; a localização das áreas de risco (Mapa de Riscos) PPRA P rograma de  P revenção de  R iscos A mbientais
O OBJETIVO DO  PPRA  É LEVANTAR OS RISCOS EXISTENTES E PROPOR MECANISMOS DE CONTROLE OS RISCOS NÃO ELIMINADOS SÃO OBJETO DE CONTROLE PELO  PCMSO PPRA  E  PCMSO  SÃO PROGRAMAS QUE VISAM À PRESERVAÇÃO DA SAÚDE E INTEGRIDADE FÍSICA DOS TRABALHADORES. ESTÃO INTERLIGADOS E OBJETIVAM ATUAÇÃO PREVENTIVA.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
a relação contendo a identificação nominal dos trabalhadores, sua função, o local em que desempenham suas atividades e o risco a que estão expostos; Tabela com os seguintes dados Nome do Colaborador Função Setor Risco 32.2.3.1  O PCMSO deve contemplar:
a vigilância médica dos trabalhadores potencialmente expostos; Exames Médicos Periódicos Riscos Biológicos Enfermeiros Técnico de Enfermagem Auxiliar de Limpeza Médico Riscos Químicos Enfermeiros Farmacêuticos Médico 32.2.3.1  O PCMSO deve contemplar:
O Programa de Vacinação. Carteira de Vacinação Preenchimento de Censo de Doenças Infecto Contagiosas e Situação Vacinal  32.2.3.1  O PCMSO deve contemplar:
CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL  IDENTIFICAÇÃO Nome:  __________________________________________________  Data de preenchimento:__ _/___/____ Cargo:______________ Data de nasc:  ___/___/____ Trabalha diretamente com o paciente?  Sim   ( )  Não ( )  Às vezes ( ) Local de trabalho:  _________________ Ramal:  ________________
CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL  1.  Dentre as doenças abaixo, quais você já teve?   Doença Tive  (c/certeza) Não tive  (c/ certeza) Tive (s/ certeza) Não tive (s/ certeza) C/ que idade? Caxumba Rubéola Sarampo Varicela Hepatite A Hepatite B Hepatite C Tuberculose
CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL  2. Você já fez sorologia (exame de sangue laboratorial) para quais destas doenças ?   Resultado Doença Sim Não Com que idade Positivo Negativo Caxumba Rubéola Sarampo Varicela Hepatite A Hepatite B Hepatite C
CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL  3. Situação Vacinal   Tem Carteira / Comprovante de vacinação Sim Não Não sei Fez PPD Sim Quando? Não Não sei Resultado
CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL  3.1  Você já recebeu as seguintes vacinas? Sim  Não Não Sei Data 1ª dose Data 2ª dose Data 3ª dose Dupla adulto (contra difteria e tétano)  Tríplice viral (sarampo, rubéola caxumba) BCG Caxumba Rubéola  Sarampo  Varicela Hepatite A Hepatite B
CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL  3.2  Fez sorologia após 3ª dose da vacina c/ Hepatite B? Não (  ) Não sei  (  ) Sim (  ) Data:___/___/___ Qual resultado? Positivo Negativo
CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL  4. . Já teve algum acidente pérfuro cortante  (picada com agulha, contato com material biológico)? Adaptado do questionário do HCFMUSP – Instituto da criança Sim Não Quando? Informou a  CCIH/ CIPA? Fez profilaxia? Qual medicação? Vacina/HBIG
 
Termo de Responsabilidade – Recusa de Vacinação Informações Descrição dos efeitos colaterais dT... Hepatite B... Esquema de Vacinação: Eu  (nome do colaborador) ,  (RG) ,  (Função) ,  estou sendo informado das vantagens e dos efeitos colaterais da aplicação das vacinas recomendadas pelo Ministério da Saúde, e  não  estou de acordo com a aplicação da mesma. Estou ciente das desvantagens e das conseqüências que poderão acarretar. Nome: Assinatura: Data: ___/___/___. 1ª dose 2ª dose 3ª dose dT 1º dia 60 dias 120 dias Hepatite B 1º dia 30 dias 180 dias
32.2.3.2  Sempre que houver transferência permanente ou ocasional de um trabalhador para um outro posto de trabalho, que implique em  mudança de risco , esta deve ser comunicada de imediato ao médico coordenador ou responsável pelo PCMSO. Informação do RH da Empresa Exame Mudança de Função 32.2.3  Do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO
32.2.3.3  Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO: a) os procedimentos a serem adotados para diagnóstico, acompanhamento e prevenção da soroconversão e das doenças; Atendimento inicial Rede de Referência Medicina do Trabalho Após 2 semanas 6 semanas 3 meses 6 meses
c) o tratamento médico de emergência para os trabalhadores; Atendimento pelo Médico que atua na empresa Entrar em contato com médico do Trabalho 32.2.3.3   Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
d) a identificação dos responsáveis pela aplicação das medidas pertinentes; Enfermeira Médico RH Nome 32.2.3.3   Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
e) a relação dos estabelecimentos de saúde que podem prestar assistência aos trabalhadores; 32.2.3.3  Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
Referência para Atendimento Inicial em Acidentes Biológicos Instituição Endereço Fone Hora  Atendimento Hospital  Giselda Trigueiro (HGT) Rua Cônego Monte,110 – Quintas  CEP: 59.035-000  (84) 3232-7903 24 horas
f) as formas de remoção para atendimento dos trabalhadores; 32.2.3.3  Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
CONTATO COM MATERIAL BIOLÓGICO COMUNICA A  ENFERMEIRA RESPONSÁVEL PREENCHE  FICHA DE ACIDENTE ACIONA LOCOMOÇÃO ENCAMINHA PARA REFERÊNCIA ACOMPANHAMENTO PELO MÉDICO DO TRABALHO FICHA DE ACIDENTE EXAMES LABORATORIAIS
g) a relação dos estabelecimentos de assistência à saúde depositários de imunoglobulinas, vacinas, medicamentos necessários, materiais e insumos especiais. Centro de Referência em Imunobiológicos Especiais CRIE-RN Hospital Giselda Trigueiro Rua Cônego Monte, nº 110, Quintas – Natal / RN.  Fone: (84) 3232 – 7907 32.2.3.3  Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
32.2.3.5  Em toda ocorrência de acidente envolvendo riscos biológicos, com ou sem afastamento do trabalhador, deve ser emitida a  Comunicação de Acidente de Trabalho  – CAT. Dados para Abertura da CAT RH  32.2.3  Do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO
32.2.4.4  Os trabalhadores com  feridas ou lesões  nos membros superiores só podem iniciar suas atividades  após avaliação médica  obrigatória com emissão de documento de liberação para o trabalho. Avaliação com médico do Trabalho Envolvidos: Enfermeira Responsável Técnica RH 32.2.3  Do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO
32.2.4.9  O empregador deve assegurar  capacitação  aos trabalhadores, antes do início das atividades e de forma continuada, devendo ser ministrada: a) sempre que ocorra uma mudança das condições de exposição dos trabalhadores aos agentes biológicos; b) durante a jornada de trabalho; Capacitação: Enfermeira responsável Farmacêutica responsável
32.3.9.4  Dos Quimioterápicos Antineoplásicos Em casos de Acidentes com Drogas Antineoplásicas: Ficha de Acidentes com Drogas Perigosas “ Kit” de derramamento* Atendimento: Enfermeira e Médico do Serviço de Oncologia, Médico do Trabalho Acompanhamento (*)  Avental impermeável, duas luvas de procedimento, máscara facial com filtros, óculos com proteção lateral, 2 compressas, 2 plásticos absorventes com capacidade de 250ml cada um, um saco identificado como lixo tóxico. frasco de bicarbonato de sódio 8,4% e álcool a 70% e a norma e rotina de intervenções frente ao derramamento acidental do QTA.
Agora que você conhece  a NR 32, responda:
Obrigado! Professor Francisco Robson da Costa Lima E-mail:  [email_address] Web site:  www.professorrobsoncosta.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NR 32
NR 32 NR 32
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06
Fabio Sousa
 
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúdeNr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
Rogério Eustáquio Dos Santos
 
Nr32
Nr32Nr32
riscos ambientais
 riscos ambientais riscos ambientais
riscos ambientais
Day Vasconcellos
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Janaína Lassala
 
Aula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de RiscoAula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de Risco
Ghiordanno Bruno
 
Introdução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do TrabalhoIntrodução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do Trabalho
Instituto Consciência GO
 
Sesmt
SesmtSesmt
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
clinicansl
 
Acidentes de trabalho
Acidentes de trabalhoAcidentes de trabalho
Acidentes de trabalho
Alex Costa Triers
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
Carlos Moreira
 
Acidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesAcidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantes
Ricardo Alanís
 
Treinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.pptTreinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.ppt
FredericoOzanam1
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
Bianca Mota Machado Araújo
 
Mapa de risco 120410
Mapa de risco 120410Mapa de risco 120410
Mapa de risco 120410
Hobedes Albuquerque
 
Folder adorno zero com portaria
Folder adorno zero   com portariaFolder adorno zero   com portaria
Folder adorno zero com portaria
AllanMorais14
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 

Mais procurados (20)

NR 32
NR 32 NR 32
NR 32
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06
 
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúdeNr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
 
Nr32
Nr32Nr32
Nr32
 
riscos ambientais
 riscos ambientais riscos ambientais
riscos ambientais
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Aula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de RiscoAula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de Risco
 
Introdução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do TrabalhoIntrodução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do Trabalho
 
Sesmt
SesmtSesmt
Sesmt
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Acidentes de trabalho
Acidentes de trabalhoAcidentes de trabalho
Acidentes de trabalho
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
 
Acidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesAcidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantes
 
Treinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.pptTreinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.ppt
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
 
Mapa de risco 120410
Mapa de risco 120410Mapa de risco 120410
Mapa de risco 120410
 
Folder adorno zero com portaria
Folder adorno zero   com portariaFolder adorno zero   com portaria
Folder adorno zero com portaria
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 

Destaque

Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
 Higiene seguranca_trabalho - 2 aula Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
Marcio Guilherme Bispo
 
Seguranca no trabalho slade
Seguranca no trabalho sladeSeguranca no trabalho slade
Seguranca no trabalho slade
Rosângela Mello
 
Trabalho com NR10
Trabalho com NR10Trabalho com NR10
Trabalho com NR10
Edgar Arana
 
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento ResumoNr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Mariana Lima
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Washington Costa
 
Higiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no TrabalhoHigiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no Trabalho
Camila Falcão
 

Destaque (6)

Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
 Higiene seguranca_trabalho - 2 aula Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
 
Seguranca no trabalho slade
Seguranca no trabalho sladeSeguranca no trabalho slade
Seguranca no trabalho slade
 
Trabalho com NR10
Trabalho com NR10Trabalho com NR10
Trabalho com NR10
 
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento ResumoNr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
 
Higiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no TrabalhoHigiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no Trabalho
 

Semelhante a Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde

Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSegurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
José Carlos Nascimento
 
segurancanotrabalhoemservicosdesaude-110925132513-phpapp01.pdf
segurancanotrabalhoemservicosdesaude-110925132513-phpapp01.pdfsegurancanotrabalhoemservicosdesaude-110925132513-phpapp01.pdf
segurancanotrabalhoemservicosdesaude-110925132513-phpapp01.pdf
enfermagemCncercente
 
Treinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.pptTreinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.ppt
ELTONARAUJORAMOS2
 
Treinamento de NR 32 SEGURANÇA NOS sERVIÇOS DE sAUDE.pptx
Treinamento de NR 32 SEGURANÇA NOS sERVIÇOS DE sAUDE.pptxTreinamento de NR 32 SEGURANÇA NOS sERVIÇOS DE sAUDE.pptx
Treinamento de NR 32 SEGURANÇA NOS sERVIÇOS DE sAUDE.pptx
Everaldo Santos de Oliveira
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxCOMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
Sandraoliveira116913
 
Política nacional de atenção a saúde do trabalhador
Política nacional de atenção a saúde do trabalhadorPolítica nacional de atenção a saúde do trabalhador
Política nacional de atenção a saúde do trabalhador
Carlos Eduardo dos Santos
 
PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO
PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSOPROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO
PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO
Renata Araújo
 
NR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdfNR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdf
Andrea491870
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdfAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
Antonio Elielton
 
Aids trabalhadores-saude
Aids trabalhadores-saudeAids trabalhadores-saude
Aids trabalhadores-saude
Mara Soares
 
Aula 7 - normas de regulamentaçãoNR-32.pdf
Aula 7 - normas de regulamentaçãoNR-32.pdfAula 7 - normas de regulamentaçãoNR-32.pdf
Aula 7 - normas de regulamentaçãoNR-32.pdf
marrudo64
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
evandroFREITAS
 
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
saulo montenegro
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptxAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
Antonio Elielton
 
St12
St12St12
697
697697
TCC Plano de consultoria Hospitalar
TCC Plano de consultoria HospitalarTCC Plano de consultoria Hospitalar
TCC Plano de consultoria Hospitalar
Fabio Gouveia
 
Hospital - TCC Conclusão de curso segurança do trabalho
Hospital  - TCC Conclusão de curso segurança do trabalho Hospital  - TCC Conclusão de curso segurança do trabalho
Hospital - TCC Conclusão de curso segurança do trabalho
Fabio Gouveia
 
14
1414

Semelhante a Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde (20)

Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSegurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
 
segurancanotrabalhoemservicosdesaude-110925132513-phpapp01.pdf
segurancanotrabalhoemservicosdesaude-110925132513-phpapp01.pdfsegurancanotrabalhoemservicosdesaude-110925132513-phpapp01.pdf
segurancanotrabalhoemservicosdesaude-110925132513-phpapp01.pdf
 
Treinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.pptTreinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.ppt
 
Treinamento de NR 32 SEGURANÇA NOS sERVIÇOS DE sAUDE.pptx
Treinamento de NR 32 SEGURANÇA NOS sERVIÇOS DE sAUDE.pptxTreinamento de NR 32 SEGURANÇA NOS sERVIÇOS DE sAUDE.pptx
Treinamento de NR 32 SEGURANÇA NOS sERVIÇOS DE sAUDE.pptx
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxCOMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
 
Política nacional de atenção a saúde do trabalhador
Política nacional de atenção a saúde do trabalhadorPolítica nacional de atenção a saúde do trabalhador
Política nacional de atenção a saúde do trabalhador
 
PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO
PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSOPROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO
PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO
 
NR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdfNR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdf
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdfAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
 
Aids trabalhadores-saude
Aids trabalhadores-saudeAids trabalhadores-saude
Aids trabalhadores-saude
 
Aula 7 - normas de regulamentaçãoNR-32.pdf
Aula 7 - normas de regulamentaçãoNR-32.pdfAula 7 - normas de regulamentaçãoNR-32.pdf
Aula 7 - normas de regulamentaçãoNR-32.pdf
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
 
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptxAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
 
St12
St12St12
St12
 
697
697697
697
 
TCC Plano de consultoria Hospitalar
TCC Plano de consultoria HospitalarTCC Plano de consultoria Hospitalar
TCC Plano de consultoria Hospitalar
 
Hospital - TCC Conclusão de curso segurança do trabalho
Hospital  - TCC Conclusão de curso segurança do trabalho Hospital  - TCC Conclusão de curso segurança do trabalho
Hospital - TCC Conclusão de curso segurança do trabalho
 
14
1414
14
 

Mais de Professor Robson

Como cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculoseComo cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculose
Professor Robson
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica
Professor Robson
 
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIVTópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênitaFluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpiãoFluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Professor Robson
 
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Professor Robson
 

Mais de Professor Robson (20)

Como cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculoseComo cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculose
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica
 
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIVTópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
 
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
 
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênitaFluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
 
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpiãoFluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
 
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 

Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde

  • 1. Norma Regulamentadora NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Professor Francisco Robson da Costa Lima
  • 2.  
  • 3.  
  • 4.  
  • 5. Norma Regulamentadora NR 32 32.2.3 Do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO
  • 6. 32.2.3.1 O PCMSO deve contemplar: o reconhecimento e a avaliação dos riscos biológicos, químicos, físicos, ergonômicos, mecânicos ou de acidentes; a localização das áreas de risco (Mapa de Riscos) PPRA P rograma de P revenção de R iscos A mbientais
  • 7. O OBJETIVO DO PPRA É LEVANTAR OS RISCOS EXISTENTES E PROPOR MECANISMOS DE CONTROLE OS RISCOS NÃO ELIMINADOS SÃO OBJETO DE CONTROLE PELO PCMSO PPRA E PCMSO SÃO PROGRAMAS QUE VISAM À PRESERVAÇÃO DA SAÚDE E INTEGRIDADE FÍSICA DOS TRABALHADORES. ESTÃO INTERLIGADOS E OBJETIVAM ATUAÇÃO PREVENTIVA.
  • 8.  
  • 9.  
  • 10.  
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15.  
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.  
  • 20.  
  • 21.  
  • 22.  
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27. a relação contendo a identificação nominal dos trabalhadores, sua função, o local em que desempenham suas atividades e o risco a que estão expostos; Tabela com os seguintes dados Nome do Colaborador Função Setor Risco 32.2.3.1 O PCMSO deve contemplar:
  • 28. a vigilância médica dos trabalhadores potencialmente expostos; Exames Médicos Periódicos Riscos Biológicos Enfermeiros Técnico de Enfermagem Auxiliar de Limpeza Médico Riscos Químicos Enfermeiros Farmacêuticos Médico 32.2.3.1 O PCMSO deve contemplar:
  • 29. O Programa de Vacinação. Carteira de Vacinação Preenchimento de Censo de Doenças Infecto Contagiosas e Situação Vacinal 32.2.3.1 O PCMSO deve contemplar:
  • 30. CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL IDENTIFICAÇÃO Nome: __________________________________________________ Data de preenchimento:__ _/___/____ Cargo:______________ Data de nasc: ___/___/____ Trabalha diretamente com o paciente? Sim ( ) Não ( ) Às vezes ( ) Local de trabalho: _________________ Ramal: ________________
  • 31. CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL 1. Dentre as doenças abaixo, quais você já teve? Doença Tive (c/certeza) Não tive (c/ certeza) Tive (s/ certeza) Não tive (s/ certeza) C/ que idade? Caxumba Rubéola Sarampo Varicela Hepatite A Hepatite B Hepatite C Tuberculose
  • 32. CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL 2. Você já fez sorologia (exame de sangue laboratorial) para quais destas doenças ? Resultado Doença Sim Não Com que idade Positivo Negativo Caxumba Rubéola Sarampo Varicela Hepatite A Hepatite B Hepatite C
  • 33. CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL 3. Situação Vacinal Tem Carteira / Comprovante de vacinação Sim Não Não sei Fez PPD Sim Quando? Não Não sei Resultado
  • 34. CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL 3.1 Você já recebeu as seguintes vacinas? Sim Não Não Sei Data 1ª dose Data 2ª dose Data 3ª dose Dupla adulto (contra difteria e tétano) Tríplice viral (sarampo, rubéola caxumba) BCG Caxumba Rubéola Sarampo Varicela Hepatite A Hepatite B
  • 35. CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL 3.2 Fez sorologia após 3ª dose da vacina c/ Hepatite B? Não ( ) Não sei ( ) Sim ( ) Data:___/___/___ Qual resultado? Positivo Negativo
  • 36. CENSO DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS E SITUAÇÃO VACINAL 4. . Já teve algum acidente pérfuro cortante (picada com agulha, contato com material biológico)? Adaptado do questionário do HCFMUSP – Instituto da criança Sim Não Quando? Informou a CCIH/ CIPA? Fez profilaxia? Qual medicação? Vacina/HBIG
  • 37.  
  • 38. Termo de Responsabilidade – Recusa de Vacinação Informações Descrição dos efeitos colaterais dT... Hepatite B... Esquema de Vacinação: Eu (nome do colaborador) , (RG) , (Função) , estou sendo informado das vantagens e dos efeitos colaterais da aplicação das vacinas recomendadas pelo Ministério da Saúde, e não estou de acordo com a aplicação da mesma. Estou ciente das desvantagens e das conseqüências que poderão acarretar. Nome: Assinatura: Data: ___/___/___. 1ª dose 2ª dose 3ª dose dT 1º dia 60 dias 120 dias Hepatite B 1º dia 30 dias 180 dias
  • 39. 32.2.3.2 Sempre que houver transferência permanente ou ocasional de um trabalhador para um outro posto de trabalho, que implique em mudança de risco , esta deve ser comunicada de imediato ao médico coordenador ou responsável pelo PCMSO. Informação do RH da Empresa Exame Mudança de Função 32.2.3 Do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO
  • 40. 32.2.3.3 Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO: a) os procedimentos a serem adotados para diagnóstico, acompanhamento e prevenção da soroconversão e das doenças; Atendimento inicial Rede de Referência Medicina do Trabalho Após 2 semanas 6 semanas 3 meses 6 meses
  • 41. c) o tratamento médico de emergência para os trabalhadores; Atendimento pelo Médico que atua na empresa Entrar em contato com médico do Trabalho 32.2.3.3 Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
  • 42. d) a identificação dos responsáveis pela aplicação das medidas pertinentes; Enfermeira Médico RH Nome 32.2.3.3 Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
  • 43. e) a relação dos estabelecimentos de saúde que podem prestar assistência aos trabalhadores; 32.2.3.3 Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
  • 44. Referência para Atendimento Inicial em Acidentes Biológicos Instituição Endereço Fone Hora Atendimento Hospital Giselda Trigueiro (HGT) Rua Cônego Monte,110 – Quintas CEP: 59.035-000 (84) 3232-7903 24 horas
  • 45. f) as formas de remoção para atendimento dos trabalhadores; 32.2.3.3 Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
  • 46. CONTATO COM MATERIAL BIOLÓGICO COMUNICA A ENFERMEIRA RESPONSÁVEL PREENCHE FICHA DE ACIDENTE ACIONA LOCOMOÇÃO ENCAMINHA PARA REFERÊNCIA ACOMPANHAMENTO PELO MÉDICO DO TRABALHO FICHA DE ACIDENTE EXAMES LABORATORIAIS
  • 47. g) a relação dos estabelecimentos de assistência à saúde depositários de imunoglobulinas, vacinas, medicamentos necessários, materiais e insumos especiais. Centro de Referência em Imunobiológicos Especiais CRIE-RN Hospital Giselda Trigueiro Rua Cônego Monte, nº 110, Quintas – Natal / RN. Fone: (84) 3232 – 7907 32.2.3.3 Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes biológicos, deve constar do PCMSO:
  • 48. 32.2.3.5 Em toda ocorrência de acidente envolvendo riscos biológicos, com ou sem afastamento do trabalhador, deve ser emitida a Comunicação de Acidente de Trabalho – CAT. Dados para Abertura da CAT RH 32.2.3 Do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO
  • 49. 32.2.4.4 Os trabalhadores com feridas ou lesões nos membros superiores só podem iniciar suas atividades após avaliação médica obrigatória com emissão de documento de liberação para o trabalho. Avaliação com médico do Trabalho Envolvidos: Enfermeira Responsável Técnica RH 32.2.3 Do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO
  • 50. 32.2.4.9 O empregador deve assegurar capacitação aos trabalhadores, antes do início das atividades e de forma continuada, devendo ser ministrada: a) sempre que ocorra uma mudança das condições de exposição dos trabalhadores aos agentes biológicos; b) durante a jornada de trabalho; Capacitação: Enfermeira responsável Farmacêutica responsável
  • 51. 32.3.9.4 Dos Quimioterápicos Antineoplásicos Em casos de Acidentes com Drogas Antineoplásicas: Ficha de Acidentes com Drogas Perigosas “ Kit” de derramamento* Atendimento: Enfermeira e Médico do Serviço de Oncologia, Médico do Trabalho Acompanhamento (*) Avental impermeável, duas luvas de procedimento, máscara facial com filtros, óculos com proteção lateral, 2 compressas, 2 plásticos absorventes com capacidade de 250ml cada um, um saco identificado como lixo tóxico. frasco de bicarbonato de sódio 8,4% e álcool a 70% e a norma e rotina de intervenções frente ao derramamento acidental do QTA.
  • 52. Agora que você conhece a NR 32, responda:
  • 53. Obrigado! Professor Francisco Robson da Costa Lima E-mail: [email_address] Web site: www.professorrobsoncosta.blogspot.com