SlideShare uma empresa Scribd logo
SUICÍDIO


              CEFA
Barueri, 7 de dezembro de 2012.
CONCEITO
 SUI = próprio
 CAEDERE = matar
 Ato intencional de matar a si próprio.

 Dar a morte a si próprio.
CASOS BÍBLICOS DE SUICÍDIO

SAUL
JUDAS
PILATOS
CAUSAS
 Sua causa mais comum é um transtorno mental.
  Pode incluir depressão, transtorno bipolar,
  esquizofrenia, alcoolismo e abuso de drogas.
 Dificuldades financeiras e/ou emocionais também
  desempenham um fator significativo.
 Além da consideração nefasta do suicídio, há
  também avaliações positivas, sendo visto como uma
  vontade legítima ou um dever moral .
INTERPRETAÇÕES
 Religião
 Filosofia
 Psicologia
 Honra - Japão
 Ética - eutanásia
 Sentido da Vida


 O suicídio é a grande questão filosófica de nosso
  tempo, decidir se a vida merece ou não ser vivida é
  responder a uma pergunta fundamental da filosofia.
                      ALBERT CAMUS
MOTIVAÇÃO PARA O SUICÍDIO
 O problema está na pessoa?
 Na sociedade?
 Na combinação do indivíduo e do ambiente?
  No que concerne ao indivíduo, o problema freqüente
  é o desejo de atingir um alvo elevado e o fracasso
  em atingi-lo.
 No coração da personalidade de um suicida há um
  traço de perfeccionismo agravado pela crítica,
  depreciação, achar defeito e um masoquismo
  impiedoso em relação a questões maiores, menores
  e até minúsculas de comportamento.
 O perfeccionista não perde a oportunidade de obter
  um boletim desfavorável a seu respeito.
 Pouca investigação tem sido feita sobre o rancor e
  sua relação com o suicídio, mas parece ser um fator
  significativo.
 “A pessoa com tendência suicida guarda
  sentimentos rancorosos.
 Por não brigarem com outros (ou ao menos esperam
  até poucos dias antes da tentativa), acabam
  geralmente brigando consigo mesmas”.
SINAIS DE ALERTA
 Desfazer de objetos de estimação.
 Abuso de drogas e/ou álcool;
 Depressão por longo período
 Dramatizar comportamentos
 Mudar subitamente hábitos de comer ou dormir;
 Não mostrar esperança no futuro;
 Assumir riscos fora do comum;
 Comentários indiretos sobre sua inexistência no
  futuro e a felicidade dos outros sem ela;
 Falar constantemente da morte.



                 Laurence e Ureda
MITOS - SOTIM
 Os jovens que falam não agem.
 Suicídios ocorrem sem aviso.
 Melhora depois de tentativa significa que o risco
    passou.
   Uma vez tentado, continua com o objetivo sempre.
   Quem tenta suícidio quer morrer.
   Quem comete suicídio está sob depressão.
   Perguntar faz com que se cometa o suicídio.
   Propensos raramente buscam auxílio.
   Deixam sempre explicações.
   Causas e motivos são detectados facilmente.
VALE A PENA SABER
 A maioria das pessoas que cometem suicídio dá dicas
    verbais ou de comportamento.
   Elas sentem uma ambivalência entre a vida e a morte. Não
    é tanto que queiram morrer mas não querem continuar
    vivendo na presente situação.
   A maioria das pessoas com propensão ao suicídio o são só
    por um período breve.
   Suicídio ocorre em todas as classes sociais.
   Pessoas inclinadas ao suicídio podem ser muito infelizes,
    mas não necessariamente doentes mentalmente.
   Mulheres tentam o suicídio três ou cinco vezes mais, os
    homens o concretizam três ou cinco vezes mais.
   Embora as tendências ao suicídio não sejam de origem
    genética, o suicídio aparece em certas famílias mais que
    em outras.

                     Margaret T. Lawrence e John R. Ureda, “S
VALE A PENA SABER
 Embora a depressão seja geralmente associada
    com o suicídio, há muitas outras emoções que
    podem ser ligadas ao suicídio, como vingança e
    raiva.
   O suicídio e o uso de álcool estão fortemente
    ligados.
   Pedir a alguém que discuta sobre seus
    pensamentos de suicídio é evidência de
    preocupação e pode ser o meio de evitá-lo.
   O número de suicídios aumenta com a idade e é
    muito elevado entre idosos.
   É mais provável que mulheres usem arma e não
    drogas para se matarem
VISÃO DO ESPIRITISMO
 DESGOSTO DA VIDA – SUICÍDIO
 LE 943 a 957
 CASOS DE SUICIDAS – O CEU E O
  INFERNO - Cap V (2ª parte).
 PRECES – EVANGELHO
  SEGUNDO O ESPIRITISMO – Cap
  XXXIII – nº 71
DESGOSTO DA VIDA
 De onde vem? LE 943
 OCIOSIDADE
 FALTA DE FÉ
 SACIEDADE
 Que pensam os espíritos
  superiores. LE 945
 Insensatos! Por que não
  TRABALHAVAM? A existencia não
  lhes seria UMA CARGA.
MISÉRIAS E DECEPÇÕES LE 946
 O suicídio NÃO APAGA a FALTA.
  Ao contrário, haverá DUAS em
  lugar de uma.
 Quando se tem a CORAGEM de
  fazer o MAL, é preciso ter a de
  SUPORTAR as CONSEQUENCIAS.
 A indução é um crime.
CONSEQUENCIAS PARA O
ESPÍRITO – LE 957
 Não há penas fixadas. São sempre
  relativas às causas que o
  provocaram. Depende das
  circunstancias.
 Não pode fugir a do
  DESAPONTAMENTO.
MOTIVAÇÃO PARA O SUCESSO
 ESPERANÇA
 FORÇA DE VONTADE
 ALEGRIA DE VIVER

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Luciana França Cescon
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloComo o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Natália Ribeiro
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Washington Costa
 
Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Slides suicício (2)
Slides suicício (2)
Catiane HENZ
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidio
Denise Pacheco
 
Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amarelo
Helio Cruz
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
Psicologia Conexão
 
Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
Abel Sidney Souza
 
O suicidio
O suicidioO suicidio
O suicidio
Leisiane Jesus
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
MariaClaraFernandes25
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Kelly Pereira
 
Valorização da vida - Wilma Badan CG
Valorização da vida - Wilma Badan CGValorização da vida - Wilma Badan CG
Valorização da vida - Wilma Badan CG
Mima Badan
 
Palestra sobre medo
Palestra sobre medo Palestra sobre medo
Palestra sobre medo
Sandra Cecília Rocha
 
Setembro Amarelo
Setembro AmareloSetembro Amarelo
Setembro Amarelo
Alfredo Lopes
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superação
Rafael Almeida
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
Daniel de Melo
 
Valorização da vida
Valorização da vidaValorização da vida
Valorização da vida
Wilma Badan C.G.
 
Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção   Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção
Luciana França Cescon
 

Mais procurados (20)

Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloComo o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
 
Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Slides suicício (2)
Slides suicício (2)
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidio
 
Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amarelo
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
 
Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
 
O suicidio
O suicidioO suicidio
O suicidio
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
 
Valorização da vida - Wilma Badan CG
Valorização da vida - Wilma Badan CGValorização da vida - Wilma Badan CG
Valorização da vida - Wilma Badan CG
 
Palestra sobre medo
Palestra sobre medo Palestra sobre medo
Palestra sobre medo
 
Setembro Amarelo
Setembro AmareloSetembro Amarelo
Setembro Amarelo
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superação
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
 
Valorização da vida
Valorização da vidaValorização da vida
Valorização da vida
 
Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção   Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção
 

Semelhante a Suicídio palestra cefa 7 dez 12

Você não esta sozinho
Você não esta sozinhoVocê não esta sozinho
Você não esta sozinho
ThiagoPereiraSantos2
 
Crise e Suicídio
Crise e SuicídioCrise e Suicídio
Crise e Suicídio
Espaço da Mente
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
Graça Martins
 
Prevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptxPrevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptx
IradvyGonalves
 
1265454
12654541265454
1265454
Fabio Couto
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Telma Lima
 
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIASUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
Rafael Almeida
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
Cristina Tristacci
 
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene BeatrizPRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
joselene beatriz
 
Suicídio.pptx
Suicídio.pptxSuicídio.pptx
Suicídio.pptx
MarisaMoreiraCampos
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
GabriellaDias35
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
Laís Maria da Cruz
 
setembro amarelo meire.pptx
setembro amarelo meire.pptxsetembro amarelo meire.pptx
setembro amarelo meire.pptx
JosimeiredeOliveiraG
 
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxAula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
IaraFarias10
 
SUICÍDIO.pptx
SUICÍDIO.pptxSUICÍDIO.pptx
SUICÍDIO.pptx
GislaineRaposo
 
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
LourdesGomes14
 
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirTema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Doroteia Múrcia Souza
 
1 a dimensao
1 a dimensao1 a dimensao
1 a dimensao
ventofrio
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
Rafael Almeida
 

Semelhante a Suicídio palestra cefa 7 dez 12 (20)

Você não esta sozinho
Você não esta sozinhoVocê não esta sozinho
Você não esta sozinho
 
Crise e Suicídio
Crise e SuicídioCrise e Suicídio
Crise e Suicídio
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
 
Prevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptxPrevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptx
 
1265454
12654541265454
1265454
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIASUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
 
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene BeatrizPRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
 
Suicídio.pptx
Suicídio.pptxSuicídio.pptx
Suicídio.pptx
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
 
setembro amarelo meire.pptx
setembro amarelo meire.pptxsetembro amarelo meire.pptx
setembro amarelo meire.pptx
 
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxAula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
 
SUICÍDIO.pptx
SUICÍDIO.pptxSUICÍDIO.pptx
SUICÍDIO.pptx
 
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirTema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
 
1 a dimensao
1 a dimensao1 a dimensao
1 a dimensao
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 

Mais de balsense

Digitação trombone
Digitação tromboneDigitação trombone
Digitação trombone
balsense
 
Harmonicos no trombone de vara
Harmonicos no trombone de varaHarmonicos no trombone de vara
Harmonicos no trombone de vara
balsense
 
Reconciliar se com os adversários cefa
Reconciliar se com os adversários cefaReconciliar se com os adversários cefa
Reconciliar se com os adversários cefa
balsense
 
Fumo causas e consequencias
Fumo causas e consequenciasFumo causas e consequencias
Fumo causas e consequencias
balsense
 
Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
balsense
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
balsense
 

Mais de balsense (6)

Digitação trombone
Digitação tromboneDigitação trombone
Digitação trombone
 
Harmonicos no trombone de vara
Harmonicos no trombone de varaHarmonicos no trombone de vara
Harmonicos no trombone de vara
 
Reconciliar se com os adversários cefa
Reconciliar se com os adversários cefaReconciliar se com os adversários cefa
Reconciliar se com os adversários cefa
 
Fumo causas e consequencias
Fumo causas e consequenciasFumo causas e consequencias
Fumo causas e consequencias
 
Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
 

Último

Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 

Suicídio palestra cefa 7 dez 12

  • 1. SUICÍDIO CEFA Barueri, 7 de dezembro de 2012.
  • 2. CONCEITO  SUI = próprio  CAEDERE = matar  Ato intencional de matar a si próprio.  Dar a morte a si próprio.
  • 3. CASOS BÍBLICOS DE SUICÍDIO SAUL JUDAS PILATOS
  • 4. CAUSAS  Sua causa mais comum é um transtorno mental. Pode incluir depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, alcoolismo e abuso de drogas.  Dificuldades financeiras e/ou emocionais também desempenham um fator significativo.  Além da consideração nefasta do suicídio, há também avaliações positivas, sendo visto como uma vontade legítima ou um dever moral .
  • 5. INTERPRETAÇÕES  Religião  Filosofia  Psicologia  Honra - Japão  Ética - eutanásia  Sentido da Vida  O suicídio é a grande questão filosófica de nosso tempo, decidir se a vida merece ou não ser vivida é responder a uma pergunta fundamental da filosofia.  ALBERT CAMUS
  • 6. MOTIVAÇÃO PARA O SUICÍDIO  O problema está na pessoa?  Na sociedade?  Na combinação do indivíduo e do ambiente?  No que concerne ao indivíduo, o problema freqüente é o desejo de atingir um alvo elevado e o fracasso em atingi-lo.  No coração da personalidade de um suicida há um traço de perfeccionismo agravado pela crítica, depreciação, achar defeito e um masoquismo impiedoso em relação a questões maiores, menores e até minúsculas de comportamento.  O perfeccionista não perde a oportunidade de obter um boletim desfavorável a seu respeito.
  • 7.  Pouca investigação tem sido feita sobre o rancor e sua relação com o suicídio, mas parece ser um fator significativo.  “A pessoa com tendência suicida guarda sentimentos rancorosos.  Por não brigarem com outros (ou ao menos esperam até poucos dias antes da tentativa), acabam geralmente brigando consigo mesmas”.
  • 8. SINAIS DE ALERTA  Desfazer de objetos de estimação.  Abuso de drogas e/ou álcool;  Depressão por longo período  Dramatizar comportamentos  Mudar subitamente hábitos de comer ou dormir;  Não mostrar esperança no futuro;  Assumir riscos fora do comum;  Comentários indiretos sobre sua inexistência no futuro e a felicidade dos outros sem ela;  Falar constantemente da morte. Laurence e Ureda
  • 9. MITOS - SOTIM  Os jovens que falam não agem.  Suicídios ocorrem sem aviso.  Melhora depois de tentativa significa que o risco passou.  Uma vez tentado, continua com o objetivo sempre.  Quem tenta suícidio quer morrer.  Quem comete suicídio está sob depressão.  Perguntar faz com que se cometa o suicídio.  Propensos raramente buscam auxílio.  Deixam sempre explicações.  Causas e motivos são detectados facilmente.
  • 10. VALE A PENA SABER  A maioria das pessoas que cometem suicídio dá dicas verbais ou de comportamento.  Elas sentem uma ambivalência entre a vida e a morte. Não é tanto que queiram morrer mas não querem continuar vivendo na presente situação.  A maioria das pessoas com propensão ao suicídio o são só por um período breve.  Suicídio ocorre em todas as classes sociais.  Pessoas inclinadas ao suicídio podem ser muito infelizes, mas não necessariamente doentes mentalmente.  Mulheres tentam o suicídio três ou cinco vezes mais, os homens o concretizam três ou cinco vezes mais.  Embora as tendências ao suicídio não sejam de origem genética, o suicídio aparece em certas famílias mais que em outras. Margaret T. Lawrence e John R. Ureda, “S
  • 11. VALE A PENA SABER  Embora a depressão seja geralmente associada com o suicídio, há muitas outras emoções que podem ser ligadas ao suicídio, como vingança e raiva.  O suicídio e o uso de álcool estão fortemente ligados.  Pedir a alguém que discuta sobre seus pensamentos de suicídio é evidência de preocupação e pode ser o meio de evitá-lo.  O número de suicídios aumenta com a idade e é muito elevado entre idosos.  É mais provável que mulheres usem arma e não drogas para se matarem
  • 12. VISÃO DO ESPIRITISMO  DESGOSTO DA VIDA – SUICÍDIO  LE 943 a 957  CASOS DE SUICIDAS – O CEU E O INFERNO - Cap V (2ª parte).  PRECES – EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO – Cap XXXIII – nº 71
  • 13. DESGOSTO DA VIDA  De onde vem? LE 943  OCIOSIDADE  FALTA DE FÉ  SACIEDADE  Que pensam os espíritos superiores. LE 945  Insensatos! Por que não TRABALHAVAM? A existencia não lhes seria UMA CARGA.
  • 14. MISÉRIAS E DECEPÇÕES LE 946  O suicídio NÃO APAGA a FALTA. Ao contrário, haverá DUAS em lugar de uma.  Quando se tem a CORAGEM de fazer o MAL, é preciso ter a de SUPORTAR as CONSEQUENCIAS.  A indução é um crime.
  • 15. CONSEQUENCIAS PARA O ESPÍRITO – LE 957  Não há penas fixadas. São sempre relativas às causas que o provocaram. Depende das circunstancias.  Não pode fugir a do DESAPONTAMENTO.
  • 16. MOTIVAÇÃO PARA O SUCESSO  ESPERANÇA  FORÇA DE VONTADE  ALEGRIA DE VIVER