SlideShare uma empresa Scribd logo
 Data de fundação - 1695;
 Antiga capital do Piauí, trocada por Teresina;
 Riqueza histórica e religiosa;
 Influência portuguesa;

  “[...]      é     uma       cidade
  antiga, cheia de tradições
  seculares,               tradições
  religiosas,      tradições      no
  linguajar, tradições também na
  sociologia    da    cidade,     na
  aparência da cidade. Oeiras se
•   LOCALIZAÇÃO;
•   ATIVIDADE INDUSTRIAL;
•   COMÉRCIO;
•   TURISMO;
•   PONTOS TURíSTICOS;      OEIRAS
Vista Aérea da Cidade de Oeiras
 Principal influência: Portuguesa;


 Notáveis traços definitivos e a semelhança
com casarões de grandes cidades brasileiras,
          núcleos de colonização;


     Exemplo arquitetônico: as praças
   arborizadas, construídas com base nos
   modelos trazidos do Velho Continente.
 A cultura manteve alguma
  resistência em relação as influências
   estrangeiras, exceto a portuguesa;


  Aspecto cultural e social marcante:
Religiosidade, trazida pelos colonizadores
    portugueses, presente até hoje;
 Autor: O. G. Rego de Carvalho;
 Contexto: Oeiras – início do
século XX (década 20);
 Publicação em 1971;
Temas: amor
proibido, rivalidades
políticas, adolescência, característ
icas da sociedade
provinciana, aborto, preconceito,
prostituição, violência e
discriminação;
A Cidade Fictícia
Oeiras no início do Século XX
“ Seu avô, Raimundo Barbosa, era intendente e decidira,
não obstante a seca se ’15, ajardinar o passeio público [...]”
Preservação de valores e costumes do século XIX
  “_Patrão - disse-lhe a preta Filomena, ao encontrá-lo de bruços
  sobre a mesa - trouxe o cafezinho. ”
 “ O filho de um vaqueiro que se aproximara para pedir-lhe a benção [...]”



 Agricultura e Pecuária
 Latifúndios                                    Festa no Sobrado
                                                Passear na praça
                                                Visitas de cortesia
                                                Estudos na capital
 Coronelismo
                                                Religiosidade
 Disputa pelo poder
A Cidade Fictícia

1. Estratificação social;
2. Desigualdade e Discriminação social;
3. Relacionamentos por interesse;
4. Heranças de família: Conflito Ribeiros x Barbosas;
5. Valorização do casamento (alianças familiares,
  virgindade feminina);
6. Profissões de destaque: Doutores;
7. O papel da mulher;
Dulce encontra
Chegada        Morte de   Missa de     Raul com
De Raul   Baile José       7º dia       Pedrina
Gravidez                                          Raul
                      Raul     Chegada
 vem à Dulce fala   volta do   Pedro de
                                                termina
                                                  com
  tona com Amparo    Junco      Helena Aborto   Amparo Fim


                                     Venda da
                                      Varjota

              Duração da Trama: Em torno de UM ano.
“ Dulce recordou para a amiga o desentendimento que, há anos, separava as
 duas famílias. Seu avô, Raimundo Barbosa, era intendente e decidira, não
 obstante a seca de ’15, ajardinar o passeio público [...]”  O Baile - Página 13


“Crianças ainda, encontraram-se um dia perto da igreja e, simpatizando-se
de chofre, logo vieram a conversar. [...] Raul recordava-se daquele momento
e, pela maneira como Dulce o fitou, sentiu que ela também não se
esquecera...”                                                   O Baile – Página 18



“Pedro lembrava-se bem daquele instante: D. Nini em frente ao Sobrado, de
vestido escuro, com um punhal no cinto. Seu semblante exprimia
ódio, decisão de lutar [...]”                                   Pão e Vinho –
Página 114
- Dulce no Baile.
- Período de Luto para Dulce
- Viagem de Raul ao Junco na visão de Amparinho
 - Angústia de Pedrina durante a gravidez
Somos todos Inocentes - OG Rego

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Oficina de texto - Intertextualidades
Oficina de texto - IntertextualidadesOficina de texto - Intertextualidades
Oficina de texto - Intertextualidades
Vera Lucia Paganini
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
Lygia Souza
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Modo subjuntivo
Modo subjuntivoModo subjuntivo
Modo subjuntivo
Daniele Bertollo
 
Literatura Piauiense
Literatura PiauienseLiteratura Piauiense
Literatura Piauiense
Hildalene Pinheiro
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
IFMA
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
Tissiane Gomes
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
guest4f8ac9b
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
aulasdejornalismo
 
Acentuação
AcentuaçãoAcentuação
Acentuação
António Pires
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
Cicero Luciano
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
caurysilva
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
Andriane Cursino
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
Flavio Maia Custodio
 
Semântica
Semântica Semântica
Semântica
7 de Setembro
 
Coesão e operadores argumentativos
Coesão e operadores argumentativosCoesão e operadores argumentativos
Coesão e operadores argumentativos
Cynthia Funchal
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
PROFESSORACLEIA
 

Mais procurados (20)

Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Oficina de texto - Intertextualidades
Oficina de texto - IntertextualidadesOficina de texto - Intertextualidades
Oficina de texto - Intertextualidades
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Modo subjuntivo
Modo subjuntivoModo subjuntivo
Modo subjuntivo
 
Literatura Piauiense
Literatura PiauienseLiteratura Piauiense
Literatura Piauiense
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Acentuação
AcentuaçãoAcentuação
Acentuação
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Semântica
Semântica Semântica
Semântica
 
Coesão e operadores argumentativos
Coesão e operadores argumentativosCoesão e operadores argumentativos
Coesão e operadores argumentativos
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 

Semelhante a Somos todos Inocentes - OG Rego

Na colônia historia de mario sette.
Na colônia historia de mario sette.Na colônia historia de mario sette.
Na colônia historia de mario sette.
Joaz Silva
 
Na colônia historia de mario sette.
Na colônia historia de mario sette.Na colônia historia de mario sette.
Na colônia historia de mario sette.
Joaz Silva
 
Livro nisiafloresta
Livro nisiaflorestaLivro nisiafloresta
Livro nisiafloresta
BBianca SSantos
 
A crônica como escrita autobiográfica
A crônica como escrita autobiográficaA crônica como escrita autobiográfica
A crônica como escrita autobiográfica
Jordan Bruno
 
Pre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclidesPre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclides
sandrahelenalmeida
 
Revistapzz
RevistapzzRevistapzz
Revistapzz
REVISTAPZZ
 
sintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptsintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.ppt
cnlx
 
Tenório Cavalcante, O Homem da Capa Preta
Tenório Cavalcante, O Homem da Capa PretaTenório Cavalcante, O Homem da Capa Preta
Tenório Cavalcante, O Homem da Capa Preta
Quebrangulo
 
Sobre a rachel
Sobre a rachel Sobre a rachel
Sobre a rachel
José Tavares Junior
 
Coriolano de medeiros um historiador na maçonaria
Coriolano de medeiros   um historiador na maçonariaCoriolano de medeiros   um historiador na maçonaria
Coriolano de medeiros um historiador na maçonaria
OZILDO1
 
Abel Botelho - Visões do Douro
Abel Botelho - Visões do DouroAbel Botelho - Visões do Douro
Abel Botelho - Visões do Douro
Fátima Rodrigues
 
Visões do douro
Visões do douroVisões do douro
Visões do douro
Fátima Rodrigues
 
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordemFuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Yuri Augustus
 
Cultura brasileira - 1º Bimestre - UNIVESP
Cultura brasileira - 1º Bimestre - UNIVESPCultura brasileira - 1º Bimestre - UNIVESP
Cultura brasileira - 1º Bimestre - UNIVESP
dicasdubr
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileira
Gabriel Martins
 
Movimento Hip Hop em Parauapebas
Movimento Hip Hop em ParauapebasMovimento Hip Hop em Parauapebas
Movimento Hip Hop em Parauapebas
Adilson P Motta Motta
 
Adm 2012 cultura
Adm 2012 culturaAdm 2012 cultura
Adm 2012 cultura
Moises Antunes
 
Cb oqe. folc
Cb oqe. folcCb oqe. folc
Cb oqe. folc
Flávia Oliveira
 
2a fase modernista - Capitães da Areia
2a fase modernista  - Capitães da Areia2a fase modernista  - Capitães da Areia
2a fase modernista - Capitães da Areia
Octávio Da Matta
 
O Indígena na história social da arte braisleira.pdf
O Indígena na história social da arte braisleira.pdfO Indígena na história social da arte braisleira.pdf
O Indígena na história social da arte braisleira.pdf
IrenildaGusmao
 

Semelhante a Somos todos Inocentes - OG Rego (20)

Na colônia historia de mario sette.
Na colônia historia de mario sette.Na colônia historia de mario sette.
Na colônia historia de mario sette.
 
Na colônia historia de mario sette.
Na colônia historia de mario sette.Na colônia historia de mario sette.
Na colônia historia de mario sette.
 
Livro nisiafloresta
Livro nisiaflorestaLivro nisiafloresta
Livro nisiafloresta
 
A crônica como escrita autobiográfica
A crônica como escrita autobiográficaA crônica como escrita autobiográfica
A crônica como escrita autobiográfica
 
Pre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclidesPre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclides
 
Revistapzz
RevistapzzRevistapzz
Revistapzz
 
sintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptsintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.ppt
 
Tenório Cavalcante, O Homem da Capa Preta
Tenório Cavalcante, O Homem da Capa PretaTenório Cavalcante, O Homem da Capa Preta
Tenório Cavalcante, O Homem da Capa Preta
 
Sobre a rachel
Sobre a rachel Sobre a rachel
Sobre a rachel
 
Coriolano de medeiros um historiador na maçonaria
Coriolano de medeiros   um historiador na maçonariaCoriolano de medeiros   um historiador na maçonaria
Coriolano de medeiros um historiador na maçonaria
 
Abel Botelho - Visões do Douro
Abel Botelho - Visões do DouroAbel Botelho - Visões do Douro
Abel Botelho - Visões do Douro
 
Visões do douro
Visões do douroVisões do douro
Visões do douro
 
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordemFuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
 
Cultura brasileira - 1º Bimestre - UNIVESP
Cultura brasileira - 1º Bimestre - UNIVESPCultura brasileira - 1º Bimestre - UNIVESP
Cultura brasileira - 1º Bimestre - UNIVESP
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileira
 
Movimento Hip Hop em Parauapebas
Movimento Hip Hop em ParauapebasMovimento Hip Hop em Parauapebas
Movimento Hip Hop em Parauapebas
 
Adm 2012 cultura
Adm 2012 culturaAdm 2012 cultura
Adm 2012 cultura
 
Cb oqe. folc
Cb oqe. folcCb oqe. folc
Cb oqe. folc
 
2a fase modernista - Capitães da Areia
2a fase modernista  - Capitães da Areia2a fase modernista  - Capitães da Areia
2a fase modernista - Capitães da Areia
 
O Indígena na história social da arte braisleira.pdf
O Indígena na história social da arte braisleira.pdfO Indígena na história social da arte braisleira.pdf
O Indígena na história social da arte braisleira.pdf
 

Mais de Monica Alves

Arquitetura e clima - SEMINARIO CIENCIA DO AMBIENTE
Arquitetura e clima  - SEMINARIO CIENCIA DO AMBIENTEArquitetura e clima  - SEMINARIO CIENCIA DO AMBIENTE
Arquitetura e clima - SEMINARIO CIENCIA DO AMBIENTE
Monica Alves
 
Fichamento ELLEN WOORTMANN complementaridade e dependência. espaço, tempo e g...
Fichamento ELLEN WOORTMANN complementaridade e dependência. espaço, tempo e g...Fichamento ELLEN WOORTMANN complementaridade e dependência. espaço, tempo e g...
Fichamento ELLEN WOORTMANN complementaridade e dependência. espaço, tempo e g...
Monica Alves
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
Monica Alves
 
Slide historia ii
Slide historia iiSlide historia ii
Slide historia ii
Monica Alves
 
Slide filosofia
Slide filosofiaSlide filosofia
Slide filosofia
Monica Alves
 
Puberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;dPuberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;d
Monica Alves
 
Civilização Persa
Civilização PersaCivilização Persa
Civilização Persa
Monica Alves
 
O conde de monte cristo
O conde de monte cristoO conde de monte cristo
O conde de monte cristo
Monica Alves
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
Monica Alves
 
Economia x vida ameaçada
Economia x vida ameaçadaEconomia x vida ameaçada
Economia x vida ameaçada
Monica Alves
 
Afeganistão
AfeganistãoAfeganistão
Afeganistão
Monica Alves
 
A ciencia através dos tempos
A ciencia através dos temposA ciencia através dos tempos
A ciencia através dos tempos
Monica Alves
 

Mais de Monica Alves (12)

Arquitetura e clima - SEMINARIO CIENCIA DO AMBIENTE
Arquitetura e clima  - SEMINARIO CIENCIA DO AMBIENTEArquitetura e clima  - SEMINARIO CIENCIA DO AMBIENTE
Arquitetura e clima - SEMINARIO CIENCIA DO AMBIENTE
 
Fichamento ELLEN WOORTMANN complementaridade e dependência. espaço, tempo e g...
Fichamento ELLEN WOORTMANN complementaridade e dependência. espaço, tempo e g...Fichamento ELLEN WOORTMANN complementaridade e dependência. espaço, tempo e g...
Fichamento ELLEN WOORTMANN complementaridade e dependência. espaço, tempo e g...
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
 
Slide historia ii
Slide historia iiSlide historia ii
Slide historia ii
 
Slide filosofia
Slide filosofiaSlide filosofia
Slide filosofia
 
Puberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;dPuberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;d
 
Civilização Persa
Civilização PersaCivilização Persa
Civilização Persa
 
O conde de monte cristo
O conde de monte cristoO conde de monte cristo
O conde de monte cristo
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
 
Economia x vida ameaçada
Economia x vida ameaçadaEconomia x vida ameaçada
Economia x vida ameaçada
 
Afeganistão
AfeganistãoAfeganistão
Afeganistão
 
A ciencia através dos tempos
A ciencia através dos temposA ciencia através dos tempos
A ciencia através dos tempos
 

Último

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

Somos todos Inocentes - OG Rego

  • 1.
  • 2.  Data de fundação - 1695;  Antiga capital do Piauí, trocada por Teresina;  Riqueza histórica e religiosa;  Influência portuguesa; “[...] é uma cidade antiga, cheia de tradições seculares, tradições religiosas, tradições no linguajar, tradições também na sociologia da cidade, na aparência da cidade. Oeiras se
  • 3. LOCALIZAÇÃO; • ATIVIDADE INDUSTRIAL; • COMÉRCIO; • TURISMO; • PONTOS TURíSTICOS; OEIRAS
  • 4. Vista Aérea da Cidade de Oeiras
  • 5.  Principal influência: Portuguesa;  Notáveis traços definitivos e a semelhança com casarões de grandes cidades brasileiras, núcleos de colonização;  Exemplo arquitetônico: as praças arborizadas, construídas com base nos modelos trazidos do Velho Continente.
  • 6.  A cultura manteve alguma resistência em relação as influências estrangeiras, exceto a portuguesa;  Aspecto cultural e social marcante: Religiosidade, trazida pelos colonizadores portugueses, presente até hoje;
  • 7.  Autor: O. G. Rego de Carvalho;  Contexto: Oeiras – início do século XX (década 20);  Publicação em 1971; Temas: amor proibido, rivalidades políticas, adolescência, característ icas da sociedade provinciana, aborto, preconceito, prostituição, violência e discriminação;
  • 8. A Cidade Fictícia Oeiras no início do Século XX “ Seu avô, Raimundo Barbosa, era intendente e decidira, não obstante a seca se ’15, ajardinar o passeio público [...]” Preservação de valores e costumes do século XIX “_Patrão - disse-lhe a preta Filomena, ao encontrá-lo de bruços sobre a mesa - trouxe o cafezinho. ” “ O filho de um vaqueiro que se aproximara para pedir-lhe a benção [...]” Agricultura e Pecuária Latifúndios Festa no Sobrado Passear na praça Visitas de cortesia Estudos na capital Coronelismo Religiosidade Disputa pelo poder
  • 9. A Cidade Fictícia 1. Estratificação social; 2. Desigualdade e Discriminação social; 3. Relacionamentos por interesse; 4. Heranças de família: Conflito Ribeiros x Barbosas; 5. Valorização do casamento (alianças familiares, virgindade feminina); 6. Profissões de destaque: Doutores; 7. O papel da mulher;
  • 10. Dulce encontra Chegada Morte de Missa de Raul com De Raul Baile José 7º dia Pedrina
  • 11. Gravidez Raul Raul Chegada vem à Dulce fala volta do Pedro de termina com tona com Amparo Junco Helena Aborto Amparo Fim Venda da Varjota Duração da Trama: Em torno de UM ano.
  • 12. “ Dulce recordou para a amiga o desentendimento que, há anos, separava as duas famílias. Seu avô, Raimundo Barbosa, era intendente e decidira, não obstante a seca de ’15, ajardinar o passeio público [...]” O Baile - Página 13 “Crianças ainda, encontraram-se um dia perto da igreja e, simpatizando-se de chofre, logo vieram a conversar. [...] Raul recordava-se daquele momento e, pela maneira como Dulce o fitou, sentiu que ela também não se esquecera...” O Baile – Página 18 “Pedro lembrava-se bem daquele instante: D. Nini em frente ao Sobrado, de vestido escuro, com um punhal no cinto. Seu semblante exprimia ódio, decisão de lutar [...]” Pão e Vinho – Página 114
  • 13. - Dulce no Baile. - Período de Luto para Dulce - Viagem de Raul ao Junco na visão de Amparinho - Angústia de Pedrina durante a gravidez