SlideShare uma empresa Scribd logo
História
do Paraná
Prof. Arnaldo
Pré-História
Os primeiros habitantes do
território paranaense datam de
10.000 anos atrás.
• Eram povos caçadores-
coletores
1.  Há cerca de 10.000anos
• Tradição Umbu
Ocupava regiões a céu aberto
• Tradição Humaitá
Ocupava as matas
2. Há cerca de 7 à 5 mil anos
• Homem do Sambaqui
Ação no litoral paranaense
	
!
Outro	Sambaqui	catarinense	na	região	de	Laguna	
visto	de	longe.	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Povos	Pré-cerâmicos	no	Paraná	–	de	12.000	
á	3.000	a.C.	
Humaitá	
Vegetação	fechado	
Mata	AtlânIca	e	
Florestas		
Umbu	
Locais	de	céu	aberto	e	
pouca	vegetação	–	
Campos	Gerais.	
Sambaqui	
Ocupavam	o	litoral,	
grande	quanIdade	de	
resquícios	arqueológicos.
!
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Havia dois grupos
indígenas no território do
Paraná:
•  No litoral e Noroeste, os
índios pertenciam ao
tronco Tupi-Guarani
(Carijó, Tingüi, Cayuas).
•  Nas regiões centrais
encontravam-se índios
do tronco Gê
(Kaingang).
Indígenas no Paraná
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Troncos	LingúisIcos	e	organização	tribal	no	
Paraná	
Povos	Pré-
cerâmicos:	
Assimilados	pelos	
outros	povos.	
Tronco	Gê	 Tronco	Tupi	
Kaigangue,	Co-
roados,	Caiapó,	
Timbira	
	
Cayuas	,	Xetá,	
Biturunas,Tupi-
nambás
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Paraná	do	tupi	guarani:	pará	+	nã	=	semelhante	ao	mar.	
Significado nome Paraná
Exploradores -	Principais	exploradores	
•  	Binot	Palmier	Gonneville–1504		
Chegou	ao	litoral	vindo	do	sul	ao	
Norte.	
•  	Juan	Dias	Solis–1516		
Mapeamento	do	Cone	sul	das	
Américas,	descobridor	do	rio	da	
Prata.		
-		Naufragados	
•  	Aleixo	Garcia		
Descobriu	o	caminho	do	Peabiru	o	
nomeando	como	caminho	de	São	
Tomé	Aleixo	Garcia,	se	transformou	por	
sobreviver	como	naufrago	e	
descobriu	o	caminho	de	Peabiru.		
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Caminho	do	
Peabiru,	
descoberto	por	
Aleixo	Garcia,	
percorrido	
pelos	indígenas	
até	a	costa	do	
Pacífico.	
Alguns	
Historiadores	
acreditam	que	
era	uma	das	
redes	de	
estradas	Incas.	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Exploradores
• D. Sebastião Alvar
Nuñes Cabeza de Vaca
-1541
Partindo da Ilha de
Santa Catarina,
percorreu o caminho do
Peabiru sendo um dos
primeiros a adentrarem
no interior paranaense e
descobriu as Cataratas
do Iguaçu.
	
!D.	SebasIão	Alvar	Nuñes	Cabeza	de	Vaca	
cruzou	de	Santa	Catarina,	passou	pelo	
Paraná	chegando	até	o	Paraguai		por	terra.	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Capitanias Hereditárias
Sistema de Capitanias Hereditárias
(1534)
-  Paraná fazia parte de 2
capitanias Heriditárias:
-  São Vicente: Pertencia ao capitão
donatário Martim Afonso de
Souza
-  Sant’ana: Pertencia ao capitão
donatário Pero Lopes de Souza;
Irmão de Martim Afonso de
Souza
	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Atuação Vicentina
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Destruição das reduções jesuítas
(apresamento indígena)
Prospecção de Ouro :
•  Fundação de Paranaguá (1648)
por Gabriel de Lara
•  Antonina e Morretes
•  No alto da serra do Mar foi
fundada a Vila de Nossa Senhora
da Luz / Bom Jesus dos Pinhais
com o objetivo de buscar ouro
em 1668. A fundação da cidade
se deu oficialmente em 1693.
Estatua	de	Gabriel	de	Lara,	como	o	
povoador	do	Paraná
!
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Divisões das capitanias
Os	primeiros	habitantes	de	Paranaguá	seriam	da	região	de	São	Vicente:	VicenIstas
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
As Reduções Jesuíticas
No	lado	Oeste	do	estado,	o	
governo	espanhol	do	Vice-
reino	do	Prata	fundou	as	vilas	
de	Ciudad	Real	del	Guayrá	e	
Vila	Rica	del	Espiritu	Santu.
(séc.XVI)	
Fundação	de	reduções	
jesuítas,	contrapondo-se	aos	
espanhóis	que	apresavam	
índios.	(séc.	XVI)	Jesuítas	em	Pintura	do	século	XVIII
!
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
As Reduções Jesuíticas no Paraná
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Bandeirantes de Debret
!
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Ouro no Paraná
•  A ocupação no Paraná se
intensifica com a descoberta
de Ouro em Paranaguá.
•  A primeira casa de fundição e
organização do sistema de
cobrança do quinto.
•  Elevado a vila em 1648.
•  Com a escassez das minas
Paranaguá volta a tradiação
agrícola.
Tropeirismo
!
•	Abertura	de	vias	de	acesso	de	
São	Paulo	ate	Rio	Grande	do	Sul,	
por	Bartolomeu	Paes	de	Abreu.	
-  Tropas	que	levavam	muares	e	
gado	para	a	região	de	
Sorocaba.	
-  A	cidade	de	Lages	surge	como	
um	entre	posto	para	esses	
homens.	
-  -	Os	tropeiros	serviam	como	
canais	de	comunicação	entre	
as	regiões.	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Povoamento do Paraná
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Esse	mapa,	realizado	pela	
famosa	historiadora	
paranaense	Cecília	Maria	
Westphalen,	retrata	os	
modelos	de	colonização	do	
Paraná.	Percebe-se	que	
CM	está	muito	próximo	da	
região	do	modelo	do	
Norte,	mas	ainda	faz	parte	
do	modelo	Sudoeste
A erva Mate
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
•  Erva Mate, produto nativo da
região sul do Brasil com grandes
quantidades no Paraná.
•  O mate era interessante já que
os caudilhos dos países vizinhos
apreciavam o chá preto da índia,
mas que possuía um valor muito
alto e deveria ser comprada da
Cia das índias ocidentais da
Inglaterra.
•  Enriquecimento de produtores
•  Destaque ao Barão de Cerro
Azul.
A emancipação Politica
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
•  Desde 1811 havia pedidos para
que se criação da província do
Paraná.
•  Os acontecimentos como a
G u e r r a d o s F a r r a p o s
(1835-1845) como as Revoltas
Liberais (1842) passaram a ser
e n c a r a d o s c o m o f a t o r
importante para o Paraná.
•  Curitiba é elavada a cidade por
São Paulo em 1842.
•  Dom Pedro II, querendo apoio
das classes paranaenses cria a
província em 1853.
Ata	da	criação	da	Província	do	Paraná	de	
29	de	Agosto	de	1853,	mas	a	emancipação	
só	ocorreu	de	fato	em	19	de	dezembro
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
!Quadro	da	Primeira	Sessão	da	Assembléia	LegislaIva	da	Província	do	Paraná.	1854
Presidentes de Província
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
João José Pedrosa foi responsável por organizar e construir uma sede para a
câmara legislativa do Paraná, incentivou a imigração com tratados firmados
junto a Europa e cuidou do abastecimento de água e luz para a recente
capital.
Carlos Augusto de carvalho organizou um plano econômico para melhorar
as finanças colocando o “imposto do vintém”, Criou escolas noturnas em
Curitiba e introduziu a disciplina de educação física no colégio do Paraná.
Alfredo d´Esragnolle Taunay importante figura do império naquele
momento, de família nobre seu avó era Nicolas-Antoine Taunay, pintor que
chegou junto com missão artística Francesa em 1816. Sua função era
“civilizar” a capital do estado cuidando de um projeto de urbanização e
Saneamento de Curitiba, Reorganiza a Biblioteca pública e inicia as
construções do passeio público e inicia as construções das primeiras estradas
de Ferro.
As	estradas	de	ferro	iniciadas	no	governo	de	Alfredo	Taunay	foram	
fundamentais	para	um	desenvolvimento	posterior	do	estado.	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
•  Desde 1829 – Primeira colônia em
Rio Negro – Alemães.
•  1859 - Assungui (Cerro Azul) –
Mista.
•  Incentivo á partir de 1866.
•  Inicialmente colônias rurais de
subsistência.
•  A partir de 1877, Russos nos
Campos Gerais.
•  Japoneses no XX.
•  Repressão na II Guerra.
Imigração no Paraná
Cartaz	de	propaganda	do	
Paraná	para	imigrantes	
europeu	–	Década	de	1930.
•  Alguns clubes.
•  Dois jornais republicanos, Livre Paraná, em
Paranaguá e a A República, em Curitiba.
•  Movimento em favor das ideias republicanas
foi muito fraco.
•  Na Assembleia Provincial existia apenas um
republicano, Vicente Machado da Silva Lima,
que se destacaria na política paranaense nos
primeiros anos da República.	
Paraná República
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Primeira	bandeira	do	Paraná	de	1892	a	1905.
Colônia Cecília, uma experiência
Anarquista no Paraná
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
•  Localizada na atual colônia
Santa Bárbara, distrito de
Palmeiras, a 40 Km de Ponta
Grossa.
•  Fundada por Giovani Rossi,
veterinário, filósofo e
sociólogo.
•  Preso na Itália em 1878 por
defender o anarquismo.
•  Pregavam a autonomia da
comunidade e o amor livre.
(Nem todos colonos eram
adeptos do anarquismo).
•  Durou de 1890 á 1894.	 Giovanni	Rossi	idoso	na	Itália
Revolução Federalista (1894)
Em 15 de novembro de 1889
Proclamação da República.
- O presidente Marechal
Deodoro da Fonseca
renuncia em novembro de
1891.
- O vice Marechal Floriano
Peixoto assume a
presidência em 1891 Governou	de	1891	a	1894	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Revolução Federalista (1894)
- Havia forte oposição
contra Floriano Peixoto,
pois em 1893 ele indicou um
governador para o RS, Júlio
de Castilhos.
- Os gaúchos queriam
liberdade de escolha de seus
governantes.
- Surge os MaragatosGaspar	Silveira	MarIns,	um	dos	Líderes	Rebeldes	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Revolução Federalista (1894)
-Os pica-paus ou
castilhistas: eram aliados de
Julio de Castilhos e do
presidente Peixoto.
- Usavam um uniforme Azul
com capacete amarelo,
talvez ai surgirá a
nomenclatura de Picapaus
Julio	Prates	de	CasIlho,	nome	de	Floarino	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Revolução Federalista (1894)
-  Os Maragatos descontes
com a politica
republicana possuiam
um plano de atacar o Rio
de Janeiro.
-  - O Conflito não se
restringe ao Rio Grande
do Sul chegando ao
Paraná e Santa Catarina
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
•  Questão de Palmas (+ de 30 mil km)
•  Argenina questiona atos do Tratado
de Sto Idelfonso (1777).
•  Faixa de terra de Chopim, Chapecó e
Palmas
•  Grover Clevelad, E.U.A. (1895)do Sul
chegan.
•  Barão de Rio Branco em atuação
diplomática.
•  Uti Possedetis como principal
argumento.
Questão territorial com a
Argentina – Questão de Palmas
1895
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Guerra do Contestado (1912 –
1916)
O	Cena	do	Curta	Metragem	Contestado,	exibido	
pela	Rede	Globo.	
O Brasil vivia o momento da
República Velha 1894 a 1930
O voto era de cabresto e controlado
pelos coronéis.
Coronéis grandes proprietários
rurais.
A política do momento no Brasil não
se importava com as classes mais
baixas.
Nas cidades os operários sofriam
com pesadas cargas de trabalho.
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Guerra do Contestado (1912 –
1916) - Contrução da Estrada de Ferro
São Paulo Rio Grande do Sul.
- Obra iniciado pela Cia Brazil
Rayway Company; Fazer a Estrada
de Ferro e explorar madeira
(Southern Brazil Lamber).
- Nessa região contestada pelo
estado do Paraná e Santa Catarina
Viviam 60 mil pessoas.
Curitiba
N
Paraná
Santa
Catarina
Porto Alegre
Vacara
Florianópolis
Palmares do Sul
Região do Contestado
Estrada de Ferro São Paulo-
Rio Grande do Sul
Divisão Política atual
São Paulo
Uruguaiana
São Paulo
Santa Maria
!
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Guerra do Contestado (1912 –
1916)
- A população dessas regiões foram
expulsas de suas terras
- As que trabalharam na construção
da estrada de ferro ficaram a partir
de 1910 desempregados.
Monge João Maria
-  Organizou povoados que
chamava de Monarquia Celeste.
-  -Era contrário a república.
Fundou povoados em Taquaruçu
(Município de Curitibanos em SC)
Suposta	foto	de	José	Maria	e	seus	fieis.	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Guerra do Contestado (1912 –
1916)
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Charge	que	simboliza	o	quesIonamento	de	Santa	Catarina	
em	ralação	ao	território	pertence	ao	Paraná
Guerra do Contestado (1912 –
1916)
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Apólice	de	seguro	de	viagens	das	ferrovias	da	Brazil	
Railaway	Company,	1914
Brazil Railway e
Lumber
750	mi	de	Pinheiros	
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Guerra do Contestado (1912 –
1916)
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
- Com um grupo de seguidores vem
para a região do Irani (Palmas(.
- A polícia do Paraná foi
Acionada para expulsar os caboclos
da região
- Neste conflito João Maria morreu.
- Neste conflito o exército republicano
utilizou, canhões, metralhadores e
aviões para acabar com a revolta.
- O conflito terminou com a derrota
dos revoltosos.
Com 20 mil mortos
Guerra do Contestado (1912 –
1916)
Crianças	sertanejas	órfãs,	após	as	mortes	do	conflito		
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Colonização do Norte
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
•  Londrina e Maringá
•  O loteamento da terra e a
estrada de ferro
•  A Companhia de Terras Norte
do Paraná (1925)
•  O cultivo do café / terra roxa
•  A década de 1950 (Era de Ouro
do Café)
Peroba,	um	dos	grandes	símbolos	de	
Londrina
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Propaganda	das	terras	de	Londrina		
no	início	da	década	de	1950.	
Sede	da	cia	de	terras	Norte	do	Paraná	em	Londrina
•  Chegam em 1924 com a
campanha Paraná.
•  Passa por Barracão, Pto
Britânia e Guaíra.
•  Treinamentos de tenentes
em catanduvas.
•  Lider João Cabanas.
•  Presos por Marechal
Cândido Rondon.
Coluna Prestes no Paraná
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Mapa	do	percurso	da	coluna	
Prestes	no	Paraná.
•  05/10/1930 coma poio de forças
militares, apossaram-se do
governo estadual paranaense
•  Instaurado o governo provisório
•  As finanças públicas estavam em
completo desequilíbrio
•  . Havia ainda a grave questão das
terras devolutas do estado.
•  O general Mário Tourinho,
primeiro interventor.
•  Manuel Ribas. Este, eleito em
1935, foi confirmado como
interventor pelo Estado Novo, em
1937, e permaneceu no cargo até
1945.
Paraná na revolução de 1930
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Interventor	Manoel	Ribas
Estado Novo – 1937-1945
Brasil declara guerra ao eixo – 1942
Vargas instaura uma política de
nacionalização
Proibição do uso do idioma
Fechamento de instituições
identificada com o eixo e
nacionalização forçada
Política estatal de repressão e
manifestações isoladas de
xenofobia
SC/RS/PR são os grandes focos
da política
Politica de Nacionalização de
Vargas
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
•  Manoel Ribas repassa terras
devolutas para criação de
municípios.
•  Conflitos com posseiros.
•  Comunistas se unem aos
posseiros
•  Muitos mortos pela disputa de
terras.
•  Hoje	seriam	os	municípios	
de	Centenário	do	Sul,	
Miraselva,	Florestópolis,	
Jaguapitã	e	Guaraci.		
Guerra de Porecatu - 1940
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Na	imprensa,	a	“Guerra	de	Porecatu”:	único	
movimento		popular	armado	vitorioso	na	
história	do	Brasil
•  Área criada por Getúlio
Vargas para preservar as
fronteiras brasileiras.
•  sobreviveu por quase mil
dias em terras do Paraná e
Santa Catarina.
•  Foi de 1943 á 1946.
•  Iguaçu era capital (Atual
Laranjeiras do Sul)
•  Major Frederico Trotta
como interventor.
	
Território Federal do Iguaçu
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
•  Área de litígio próximo a
Francisco Beltrão. (Sudoeste)
•  Disputatas desde o período
imperail .
•  Governo federal cria a CANGO
(Colônio Agrícola Nacional
General Osório) em 1943.
•  Incentivo a vinda de gauchos e
catarinenses.
•  Conflitos entre os posseiros das
região.
•  Gov. Federal e Estadual criam a
GETSOP (Grupo Executivo para
as terras do Sudoeste do Paraná)
– Dimunuir tensõe.	
Revolta dos posseiros 1957
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
•  18 de Julho de 1975.
•  Dizimou as plantações de Café.
•  Acelerou o exôdo rural.
•  Cidades como Maringá e
L o n d r i n a a u m e n t a r a m
p o p u l a ç ã o . ( I n c h a ç o
demográfico)
•  Proliferação de bairros
periféricos.
•  Dimunui as propriedades
familiares e aumenta o
latifúndio.
	
Geada Negra 1975
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Noncia	no	Diário	em	19/07/1975
Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
Obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
dmflores21
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
Aulas de História
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 

Mais procurados (20)

Os bandeirantes
Os bandeirantesOs bandeirantes
Os bandeirantes
 
Conjuração Baiana
Conjuração BaianaConjuração Baiana
Conjuração Baiana
 
Colonizacao inglesa
Colonizacao inglesaColonizacao inglesa
Colonizacao inglesa
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
Indígenas no Brasil
Indígenas no BrasilIndígenas no Brasil
Indígenas no Brasil
 
Abolição da escravatura no Brasil.pptx
Abolição da escravatura no Brasil.pptxAbolição da escravatura no Brasil.pptx
Abolição da escravatura no Brasil.pptx
 
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 

Destaque (20)

As lutas rurais e urbanas
As lutas rurais e urbanasAs lutas rurais e urbanas
As lutas rurais e urbanas
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Arte na Pré História
Arte na Pré HistóriaArte na Pré História
Arte na Pré História
 
Rev russa
Rev russaRev russa
Rev russa
 
Inflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancerInflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancer
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
 
Condições Pós Secessão (EUA)
Condições Pós Secessão (EUA)Condições Pós Secessão (EUA)
Condições Pós Secessão (EUA)
 
Resolução prova ph p4
Resolução prova ph   p4Resolução prova ph   p4
Resolução prova ph p4
 
Enem 2011
Enem 2011Enem 2011
Enem 2011
 
Gabarito 1o. bim matemática ii
Gabarito 1o. bim   matemática iiGabarito 1o. bim   matemática ii
Gabarito 1o. bim matemática ii
 
Arabia
ArabiaArabia
Arabia
 
Reginaldo enem geo 2011
Reginaldo   enem geo 2011Reginaldo   enem geo 2011
Reginaldo enem geo 2011
 
enem
enem enem
enem
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Getulio vargas
Getulio vargasGetulio vargas
Getulio vargas
 
Reginaldo enem geo 2013 (2)
Reginaldo   enem geo 2013 (2)Reginaldo   enem geo 2013 (2)
Reginaldo enem geo 2013 (2)
 
A alternância no poder entre as oligarquias agrárias
A alternância no poder entre as oligarquias agráriasA alternância no poder entre as oligarquias agrárias
A alternância no poder entre as oligarquias agrárias
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português ii
 
Reginaldo enem geo 2012
Reginaldo   enem geo 2012Reginaldo   enem geo 2012
Reginaldo enem geo 2012
 

Semelhante a Slides História do Paraná

Historia de santa catarina
Historia de santa catarinaHistoria de santa catarina
Historia de santa catarina
Carlos Glufke
 
Missões jesuíticas
Missões jesuíticasMissões jesuíticas
Missões jesuíticas
Felipe Franco
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
Fernando Fagundes
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
Fernando Fagundes
 
3 ano história de santa catarina -parte 01
3 ano   história de santa catarina -parte 013 ano   história de santa catarina -parte 01
3 ano história de santa catarina -parte 01
Daniel Alves Bronstrup
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
Rafael Noronha
 

Semelhante a Slides História do Paraná (20)

2015-História-do-Paraná-pm-pr-pdf-alxilio
2015-História-do-Paraná-pm-pr-pdf-alxilio2015-História-do-Paraná-pm-pr-pdf-alxilio
2015-História-do-Paraná-pm-pr-pdf-alxilio
 
Historia de santa catarina
Historia de santa catarinaHistoria de santa catarina
Historia de santa catarina
 
Missões jesuíticas
Missões jesuíticasMissões jesuíticas
Missões jesuíticas
 
A literatura gaucha
A literatura gauchaA literatura gaucha
A literatura gaucha
 
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptxHist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
 
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
 
HP
HPHP
HP
 
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
 
História do paraná
História do paranáHistória do paraná
História do paraná
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
 
História do Espírito Santo
História do Espírito SantoHistória do Espírito Santo
História do Espírito Santo
 
3 ano história de santa catarina -parte 01
3 ano   história de santa catarina -parte 013 ano   história de santa catarina -parte 01
3 ano história de santa catarina -parte 01
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 

Último

O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
LisaneWerlang
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Slides História do Paraná

  • 2. Pré-História Os primeiros habitantes do território paranaense datam de 10.000 anos atrás. • Eram povos caçadores- coletores 1.  Há cerca de 10.000anos • Tradição Umbu Ocupava regiões a céu aberto • Tradição Humaitá Ocupava as matas 2. Há cerca de 7 à 5 mil anos • Homem do Sambaqui Ação no litoral paranaense ! Outro Sambaqui catarinense na região de Laguna visto de longe. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 3. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Povos Pré-cerâmicos no Paraná – de 12.000 á 3.000 a.C. Humaitá Vegetação fechado Mata AtlânIca e Florestas Umbu Locais de céu aberto e pouca vegetação – Campos Gerais. Sambaqui Ocupavam o litoral, grande quanIdade de resquícios arqueológicos.
  • 4. ! Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Havia dois grupos indígenas no território do Paraná: •  No litoral e Noroeste, os índios pertenciam ao tronco Tupi-Guarani (Carijó, Tingüi, Cayuas). •  Nas regiões centrais encontravam-se índios do tronco Gê (Kaingang). Indígenas no Paraná
  • 5. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Troncos LingúisIcos e organização tribal no Paraná Povos Pré- cerâmicos: Assimilados pelos outros povos. Tronco Gê Tronco Tupi Kaigangue, Co- roados, Caiapó, Timbira Cayuas , Xetá, Biturunas,Tupi- nambás
  • 6. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Paraná do tupi guarani: pará + nã = semelhante ao mar. Significado nome Paraná
  • 7. Exploradores - Principais exploradores •  Binot Palmier Gonneville–1504 Chegou ao litoral vindo do sul ao Norte. •  Juan Dias Solis–1516 Mapeamento do Cone sul das Américas, descobridor do rio da Prata. - Naufragados •  Aleixo Garcia Descobriu o caminho do Peabiru o nomeando como caminho de São Tomé Aleixo Garcia, se transformou por sobreviver como naufrago e descobriu o caminho de Peabiru. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 9. Exploradores • D. Sebastião Alvar Nuñes Cabeza de Vaca -1541 Partindo da Ilha de Santa Catarina, percorreu o caminho do Peabiru sendo um dos primeiros a adentrarem no interior paranaense e descobriu as Cataratas do Iguaçu. !D. SebasIão Alvar Nuñes Cabeza de Vaca cruzou de Santa Catarina, passou pelo Paraná chegando até o Paraguai por terra. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 10. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 11. Capitanias Hereditárias Sistema de Capitanias Hereditárias (1534) -  Paraná fazia parte de 2 capitanias Heriditárias: -  São Vicente: Pertencia ao capitão donatário Martim Afonso de Souza -  Sant’ana: Pertencia ao capitão donatário Pero Lopes de Souza; Irmão de Martim Afonso de Souza Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 12. Atuação Vicentina Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Destruição das reduções jesuítas (apresamento indígena) Prospecção de Ouro : •  Fundação de Paranaguá (1648) por Gabriel de Lara •  Antonina e Morretes •  No alto da serra do Mar foi fundada a Vila de Nossa Senhora da Luz / Bom Jesus dos Pinhais com o objetivo de buscar ouro em 1668. A fundação da cidade se deu oficialmente em 1693. Estatua de Gabriel de Lara, como o povoador do Paraná
  • 13. ! Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Divisões das capitanias Os primeiros habitantes de Paranaguá seriam da região de São Vicente: VicenIstas
  • 14. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior As Reduções Jesuíticas No lado Oeste do estado, o governo espanhol do Vice- reino do Prata fundou as vilas de Ciudad Real del Guayrá e Vila Rica del Espiritu Santu. (séc.XVI) Fundação de reduções jesuítas, contrapondo-se aos espanhóis que apresavam índios. (séc. XVI) Jesuítas em Pintura do século XVIII
  • 15. ! Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior As Reduções Jesuíticas no Paraná
  • 16. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Bandeirantes de Debret
  • 17. ! Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Ouro no Paraná •  A ocupação no Paraná se intensifica com a descoberta de Ouro em Paranaguá. •  A primeira casa de fundição e organização do sistema de cobrança do quinto. •  Elevado a vila em 1648. •  Com a escassez das minas Paranaguá volta a tradiação agrícola.
  • 19.
  • 20. Povoamento do Paraná Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Esse mapa, realizado pela famosa historiadora paranaense Cecília Maria Westphalen, retrata os modelos de colonização do Paraná. Percebe-se que CM está muito próximo da região do modelo do Norte, mas ainda faz parte do modelo Sudoeste
  • 21. A erva Mate Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior •  Erva Mate, produto nativo da região sul do Brasil com grandes quantidades no Paraná. •  O mate era interessante já que os caudilhos dos países vizinhos apreciavam o chá preto da índia, mas que possuía um valor muito alto e deveria ser comprada da Cia das índias ocidentais da Inglaterra. •  Enriquecimento de produtores •  Destaque ao Barão de Cerro Azul.
  • 22. A emancipação Politica Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior •  Desde 1811 havia pedidos para que se criação da província do Paraná. •  Os acontecimentos como a G u e r r a d o s F a r r a p o s (1835-1845) como as Revoltas Liberais (1842) passaram a ser e n c a r a d o s c o m o f a t o r importante para o Paraná. •  Curitiba é elavada a cidade por São Paulo em 1842. •  Dom Pedro II, querendo apoio das classes paranaenses cria a província em 1853. Ata da criação da Província do Paraná de 29 de Agosto de 1853, mas a emancipação só ocorreu de fato em 19 de dezembro
  • 23. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior !Quadro da Primeira Sessão da Assembléia LegislaIva da Província do Paraná. 1854
  • 24.
  • 25. Presidentes de Província Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior João José Pedrosa foi responsável por organizar e construir uma sede para a câmara legislativa do Paraná, incentivou a imigração com tratados firmados junto a Europa e cuidou do abastecimento de água e luz para a recente capital. Carlos Augusto de carvalho organizou um plano econômico para melhorar as finanças colocando o “imposto do vintém”, Criou escolas noturnas em Curitiba e introduziu a disciplina de educação física no colégio do Paraná. Alfredo d´Esragnolle Taunay importante figura do império naquele momento, de família nobre seu avó era Nicolas-Antoine Taunay, pintor que chegou junto com missão artística Francesa em 1816. Sua função era “civilizar” a capital do estado cuidando de um projeto de urbanização e Saneamento de Curitiba, Reorganiza a Biblioteca pública e inicia as construções do passeio público e inicia as construções das primeiras estradas de Ferro.
  • 27. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior •  Desde 1829 – Primeira colônia em Rio Negro – Alemães. •  1859 - Assungui (Cerro Azul) – Mista. •  Incentivo á partir de 1866. •  Inicialmente colônias rurais de subsistência. •  A partir de 1877, Russos nos Campos Gerais. •  Japoneses no XX. •  Repressão na II Guerra. Imigração no Paraná Cartaz de propaganda do Paraná para imigrantes europeu – Década de 1930.
  • 28.
  • 29. •  Alguns clubes. •  Dois jornais republicanos, Livre Paraná, em Paranaguá e a A República, em Curitiba. •  Movimento em favor das ideias republicanas foi muito fraco. •  Na Assembleia Provincial existia apenas um republicano, Vicente Machado da Silva Lima, que se destacaria na política paranaense nos primeiros anos da República. Paraná República Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 30. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Primeira bandeira do Paraná de 1892 a 1905.
  • 31. Colônia Cecília, uma experiência Anarquista no Paraná Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior •  Localizada na atual colônia Santa Bárbara, distrito de Palmeiras, a 40 Km de Ponta Grossa. •  Fundada por Giovani Rossi, veterinário, filósofo e sociólogo. •  Preso na Itália em 1878 por defender o anarquismo. •  Pregavam a autonomia da comunidade e o amor livre. (Nem todos colonos eram adeptos do anarquismo). •  Durou de 1890 á 1894. Giovanni Rossi idoso na Itália
  • 32. Revolução Federalista (1894) Em 15 de novembro de 1889 Proclamação da República. - O presidente Marechal Deodoro da Fonseca renuncia em novembro de 1891. - O vice Marechal Floriano Peixoto assume a presidência em 1891 Governou de 1891 a 1894 Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 33. Revolução Federalista (1894) - Havia forte oposição contra Floriano Peixoto, pois em 1893 ele indicou um governador para o RS, Júlio de Castilhos. - Os gaúchos queriam liberdade de escolha de seus governantes. - Surge os MaragatosGaspar Silveira MarIns, um dos Líderes Rebeldes Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 34. Revolução Federalista (1894) -Os pica-paus ou castilhistas: eram aliados de Julio de Castilhos e do presidente Peixoto. - Usavam um uniforme Azul com capacete amarelo, talvez ai surgirá a nomenclatura de Picapaus Julio Prates de CasIlho, nome de Floarino Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 35. Revolução Federalista (1894) -  Os Maragatos descontes com a politica republicana possuiam um plano de atacar o Rio de Janeiro. -  - O Conflito não se restringe ao Rio Grande do Sul chegando ao Paraná e Santa Catarina Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 36. •  Questão de Palmas (+ de 30 mil km) •  Argenina questiona atos do Tratado de Sto Idelfonso (1777). •  Faixa de terra de Chopim, Chapecó e Palmas •  Grover Clevelad, E.U.A. (1895)do Sul chegan. •  Barão de Rio Branco em atuação diplomática. •  Uti Possedetis como principal argumento. Questão territorial com a Argentina – Questão de Palmas 1895 Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 37. Guerra do Contestado (1912 – 1916) O Cena do Curta Metragem Contestado, exibido pela Rede Globo. O Brasil vivia o momento da República Velha 1894 a 1930 O voto era de cabresto e controlado pelos coronéis. Coronéis grandes proprietários rurais. A política do momento no Brasil não se importava com as classes mais baixas. Nas cidades os operários sofriam com pesadas cargas de trabalho. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 38. Guerra do Contestado (1912 – 1916) - Contrução da Estrada de Ferro São Paulo Rio Grande do Sul. - Obra iniciado pela Cia Brazil Rayway Company; Fazer a Estrada de Ferro e explorar madeira (Southern Brazil Lamber). - Nessa região contestada pelo estado do Paraná e Santa Catarina Viviam 60 mil pessoas. Curitiba N Paraná Santa Catarina Porto Alegre Vacara Florianópolis Palmares do Sul Região do Contestado Estrada de Ferro São Paulo- Rio Grande do Sul Divisão Política atual São Paulo Uruguaiana São Paulo Santa Maria ! Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 39.
  • 40. Guerra do Contestado (1912 – 1916) - A população dessas regiões foram expulsas de suas terras - As que trabalharam na construção da estrada de ferro ficaram a partir de 1910 desempregados. Monge João Maria -  Organizou povoados que chamava de Monarquia Celeste. -  -Era contrário a república. Fundou povoados em Taquaruçu (Município de Curitibanos em SC) Suposta foto de José Maria e seus fieis. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 41. Guerra do Contestado (1912 – 1916) Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Charge que simboliza o quesIonamento de Santa Catarina em ralação ao território pertence ao Paraná
  • 42. Guerra do Contestado (1912 – 1916) Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Apólice de seguro de viagens das ferrovias da Brazil Railaway Company, 1914
  • 44. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 45. Guerra do Contestado (1912 – 1916) Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 46. - Com um grupo de seguidores vem para a região do Irani (Palmas(. - A polícia do Paraná foi Acionada para expulsar os caboclos da região - Neste conflito João Maria morreu. - Neste conflito o exército republicano utilizou, canhões, metralhadores e aviões para acabar com a revolta. - O conflito terminou com a derrota dos revoltosos. Com 20 mil mortos Guerra do Contestado (1912 – 1916) Crianças sertanejas órfãs, após as mortes do conflito Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 47. Colonização do Norte Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior •  Londrina e Maringá •  O loteamento da terra e a estrada de ferro •  A Companhia de Terras Norte do Paraná (1925) •  O cultivo do café / terra roxa •  A década de 1950 (Era de Ouro do Café) Peroba, um dos grandes símbolos de Londrina
  • 48. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Propaganda das terras de Londrina no início da década de 1950. Sede da cia de terras Norte do Paraná em Londrina
  • 49. •  Chegam em 1924 com a campanha Paraná. •  Passa por Barracão, Pto Britânia e Guaíra. •  Treinamentos de tenentes em catanduvas. •  Lider João Cabanas. •  Presos por Marechal Cândido Rondon. Coluna Prestes no Paraná Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Mapa do percurso da coluna Prestes no Paraná.
  • 50. •  05/10/1930 coma poio de forças militares, apossaram-se do governo estadual paranaense •  Instaurado o governo provisório •  As finanças públicas estavam em completo desequilíbrio •  . Havia ainda a grave questão das terras devolutas do estado. •  O general Mário Tourinho, primeiro interventor. •  Manuel Ribas. Este, eleito em 1935, foi confirmado como interventor pelo Estado Novo, em 1937, e permaneceu no cargo até 1945. Paraná na revolução de 1930 Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Interventor Manoel Ribas
  • 51. Estado Novo – 1937-1945 Brasil declara guerra ao eixo – 1942 Vargas instaura uma política de nacionalização Proibição do uso do idioma Fechamento de instituições identificada com o eixo e nacionalização forçada Política estatal de repressão e manifestações isoladas de xenofobia SC/RS/PR são os grandes focos da política Politica de Nacionalização de Vargas Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 52. •  Manoel Ribas repassa terras devolutas para criação de municípios. •  Conflitos com posseiros. •  Comunistas se unem aos posseiros •  Muitos mortos pela disputa de terras. •  Hoje seriam os municípios de Centenário do Sul, Miraselva, Florestópolis, Jaguapitã e Guaraci. Guerra de Porecatu - 1940 Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Na imprensa, a “Guerra de Porecatu”: único movimento popular armado vitorioso na história do Brasil
  • 53. •  Área criada por Getúlio Vargas para preservar as fronteiras brasileiras. •  sobreviveu por quase mil dias em terras do Paraná e Santa Catarina. •  Foi de 1943 á 1946. •  Iguaçu era capital (Atual Laranjeiras do Sul) •  Major Frederico Trotta como interventor. Território Federal do Iguaçu Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 54. •  Área de litígio próximo a Francisco Beltrão. (Sudoeste) •  Disputatas desde o período imperail . •  Governo federal cria a CANGO (Colônio Agrícola Nacional General Osório) em 1943. •  Incentivo a vinda de gauchos e catarinenses. •  Conflitos entre os posseiros das região. •  Gov. Federal e Estadual criam a GETSOP (Grupo Executivo para as terras do Sudoeste do Paraná) – Dimunuir tensõe. Revolta dos posseiros 1957 Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior
  • 55. •  18 de Julho de 1975. •  Dizimou as plantações de Café. •  Acelerou o exôdo rural. •  Cidades como Maringá e L o n d r i n a a u m e n t a r a m p o p u l a ç ã o . ( I n c h a ç o demográfico) •  Proliferação de bairros periféricos. •  Dimunui as propriedades familiares e aumenta o latifúndio. Geada Negra 1975 Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Noncia no Diário em 19/07/1975
  • 56. Prof. Arnaldo M. Szlachta Junior Obrigado