SlideShare uma empresa Scribd logo
História do Maranhão
Império
Instrutor : Fernando
Série: 3º “A”
História do Maranhão – A
Descoberta
Entretanto, em 1534, o rei de
Portugal D. João III dividiu o Brasil-
colônia.
Tratado de
Tordesilhas
A inexistência de uma colonização
efetiva no norte do Maranhão levou os
franceses, em 1612, a empreenderem a
formação de uma colônia, que passaria
a ser conhecida como França
História do Maranhão – A
Descoberta
Fourt de Saint-
Louis
Em 1615 os franceses foram expulsos
do Maranhão pelas tropas luso-
espanholas na batalha de
Guaxenduba.
História do Maranhão – A
Descoberta
Batalha de Guaxenduba. Os portugueses decidiram
reivindicar o território ocupado e expulsaram os franceses em
1615, sob comando de Jerônimo de Albuquerque Maranhão.
Parque Industrial Maranhense no
Império
Até 1755, quando se implantou a
Companhia de Comércio do Grão-Pará
e Maranhão, a economia maranhense
era bastante combalida.
Alvará de Proibição Industrial
D. Maria I
O Alvará determina a
extinção de todas as
manufaturas têxteis
na colônia.
Parque Industrial Maranhense
no Império.
Produção Industrial Maranhão cresce
nos ramos industriais de:
Sabão Velas Arroz
Algodão
Tipografia
Açúcar Pães
Parque Industrial Maranhense
no Império.
A primeira fabrica de tecidos do
Maranhão de 1883 e localiza-se na
Cidade de Caxias, região do Itapecuru.
De todos os empreendimentos, o
que mais se destacou foi o ramo
têxtil, que operava na fabricação de
fios, punhos e tecidos.
Parque Industrial Maranhense
no Império.
Além desses, outros fatores
impulsionaram a Indústria Têxtil do
Maranhão:
 Mão de Obra barata
 Disponibilidade de Matéria Prima
barata
A Única forma de sobrevivência do
capital mercantil  superação da crise
da agro exportação.
A companhia de tecidos
do Rio Anil
A Companhia De Fiação e Tecido
Parque Industrial Maranhense
no Império.
 A Fabrica de Santa Amélia.
 Companhia de Lanifícios Maranhenses.
 Companhia Manufatureira e Agrícola do
Maranhão. (Em Codó)
 União Caxiense
 Industrial Caxiense
 Fabrica Sanharó
 Companhia Manufatora (todas
localizadas em Caxias.
Parque Industrial Maranhense
no Império.
Eram empresas de sociedade anônima, usavam tecnologia e máquinas
importadas da Inglaterra.
Considerada a
“Manchester Brasileira”
devido à imponência de
seu parque têxtil.
São Luís Aspectos também explicam o colapso da
Indústria Têxtil Maranhense.
 Falta de Elasticidade do Mercado em
relação a capacidade produtiva.
 O Baixo Nível Tecnológico.
 Custo elevado da Mão de Obra.
 Retração do Crédito.
A Cultura Maranhense e no
Império
ATENAS
BRASILEIRA
“Expiravam conhecimentos”  O Conceito da
cultura agregasse a produção da classe dominante
e as classes subalternas.
Negros Escravos Índios Mestiços Camponeses
A Cultura Maranhense e no
Império
 A partir de 1830, proibiu-se os
batuques no âmbito das
cidades depois do toque de
recolher.
Bumba
Meu Boi
Cultura Elitista
O Mito da Atenas Brasileira foi
incorporado pela elite do Século
XIX.
Casarões do século XIX:
Patrimônio da Elite Maranhense
Maranhão: “Terra de
Intelectuais”.
Historia do Maranhão
C.E.D.D.C
Componentes:
 Ana
 Cairo
 Lyssa
 Magda
 Maicon
 Thaís

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis JohnIORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Conjuração Baiana
Conjuração BaianaConjuração Baiana
Conjuração Baiana
Flávio Silva
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileira
martinsramon
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
Portal do Vestibulando
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
Jacqueline Matilde
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
Janaína Tavares
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
Prof. Francesco Torres
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história

Mais procurados (20)

IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis JohnIORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
 
Conjuração Baiana
Conjuração BaianaConjuração Baiana
Conjuração Baiana
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileira
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Tempo e história
 

Semelhante a História do maranhão

Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
UFES
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
mvmachado
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
Rose Vital
 
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
Elizeu filho
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
Portal do Vestibulando
 
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez OliveiraCiclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ernandez Oliveira
 
História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesa
Ócio do Ofício
 
3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo
Kerol Brombal
 
História do brasil - Aula 03
História do brasil  - Aula 03História do brasil  - Aula 03
História do brasil - Aula 03
Fernanda Stang
 
A montagem da colonização cap.21
A montagem da colonização   cap.21A montagem da colonização   cap.21
A montagem da colonização cap.21
Auxiliadora
 
o brasil flamenguista
o brasil flamenguistao brasil flamenguista
o brasil flamenguista
RegisdeSouzaMaxtarc
 
trabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppttrabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppt
Cleodon Cardoso da Silva
 
História de Rondônia.pptx
História de Rondônia.pptxHistória de Rondônia.pptx
História de Rondônia.pptx
SavioSormanyRath
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
cursinhoembu
 
Historia do brasil
Historia do brasilHistoria do brasil
Historia do brasil
Angelo Alves Amorim Amorim
 
Brasiil: invasões estrangeiras (francesas e holandesas) 2020
Brasiil: invasões estrangeiras (francesas e holandesas) 2020Brasiil: invasões estrangeiras (francesas e holandesas) 2020
Brasiil: invasões estrangeiras (francesas e holandesas) 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Colonização da américa
Colonização da américaColonização da américa
Colonização da américa
Geovane da Silva Pessoa
 
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Gabriel Resende
 
Brasil pré-colonial e colonial: 2020
Brasil pré-colonial e colonial: 2020Brasil pré-colonial e colonial: 2020
Brasil pré-colonial e colonial: 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 

Semelhante a História do maranhão (20)

Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
 
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez OliveiraCiclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
 
História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesa
 
3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo
 
História do brasil - Aula 03
História do brasil  - Aula 03História do brasil  - Aula 03
História do brasil - Aula 03
 
A montagem da colonização cap.21
A montagem da colonização   cap.21A montagem da colonização   cap.21
A montagem da colonização cap.21
 
o brasil flamenguista
o brasil flamenguistao brasil flamenguista
o brasil flamenguista
 
trabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppttrabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppt
 
História de Rondônia.pptx
História de Rondônia.pptxHistória de Rondônia.pptx
História de Rondônia.pptx
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
 
Historia do brasil
Historia do brasilHistoria do brasil
Historia do brasil
 
Brasiil: invasões estrangeiras (francesas e holandesas) 2020
Brasiil: invasões estrangeiras (francesas e holandesas) 2020Brasiil: invasões estrangeiras (francesas e holandesas) 2020
Brasiil: invasões estrangeiras (francesas e holandesas) 2020
 
Colonização da américa
Colonização da américaColonização da américa
Colonização da américa
 
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
 
Brasil pré-colonial e colonial: 2020
Brasil pré-colonial e colonial: 2020Brasil pré-colonial e colonial: 2020
Brasil pré-colonial e colonial: 2020
 

Mais de Lyssa Martins

Direito na Mesopotâmia
Direito na MesopotâmiaDireito na Mesopotâmia
Direito na Mesopotâmia
Lyssa Martins
 
Legalização das Drogas no Brasil
Legalização das Drogas no BrasilLegalização das Drogas no Brasil
Legalização das Drogas no Brasil
Lyssa Martins
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
Lyssa Martins
 
A Urbanização de Balsas/MA
A Urbanização de Balsas/MAA Urbanização de Balsas/MA
A Urbanização de Balsas/MA
Lyssa Martins
 
Energia Geotérmica
Energia Geotérmica Energia Geotérmica
Energia Geotérmica
Lyssa Martins
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
Lyssa Martins
 
Aconselhamento Genético
Aconselhamento GenéticoAconselhamento Genético
Aconselhamento Genético
Lyssa Martins
 
Maranhão - Império
Maranhão - ImpérioMaranhão - Império
Maranhão - Império
Lyssa Martins
 
Futurismoo
FuturismooFuturismoo
Futurismoo
Lyssa Martins
 
Indústria Contemporanea no Brasil
Indústria Contemporanea no BrasilIndústria Contemporanea no Brasil
Indústria Contemporanea no Brasil
Lyssa Martins
 
Manifesto Antropófagico
Manifesto AntropófagicoManifesto Antropófagico
Manifesto Antropófagico
Lyssa Martins
 
Pl 122
Pl 122Pl 122
Biologia molucos
Biologia   molucosBiologia   molucos
Biologia molucos
Lyssa Martins
 
Revolta da vacina
Revolta da vacinaRevolta da vacina
Revolta da vacina
Lyssa Martins
 
Movimento Estudantil
Movimento EstudantilMovimento Estudantil
Movimento Estudantil
Lyssa Martins
 
Um Mundo Sem as Armas Nucleares
Um Mundo Sem as Armas NuclearesUm Mundo Sem as Armas Nucleares
Um Mundo Sem as Armas Nucleares
Lyssa Martins
 

Mais de Lyssa Martins (16)

Direito na Mesopotâmia
Direito na MesopotâmiaDireito na Mesopotâmia
Direito na Mesopotâmia
 
Legalização das Drogas no Brasil
Legalização das Drogas no BrasilLegalização das Drogas no Brasil
Legalização das Drogas no Brasil
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
 
A Urbanização de Balsas/MA
A Urbanização de Balsas/MAA Urbanização de Balsas/MA
A Urbanização de Balsas/MA
 
Energia Geotérmica
Energia Geotérmica Energia Geotérmica
Energia Geotérmica
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
 
Aconselhamento Genético
Aconselhamento GenéticoAconselhamento Genético
Aconselhamento Genético
 
Maranhão - Império
Maranhão - ImpérioMaranhão - Império
Maranhão - Império
 
Futurismoo
FuturismooFuturismoo
Futurismoo
 
Indústria Contemporanea no Brasil
Indústria Contemporanea no BrasilIndústria Contemporanea no Brasil
Indústria Contemporanea no Brasil
 
Manifesto Antropófagico
Manifesto AntropófagicoManifesto Antropófagico
Manifesto Antropófagico
 
Pl 122
Pl 122Pl 122
Pl 122
 
Biologia molucos
Biologia   molucosBiologia   molucos
Biologia molucos
 
Revolta da vacina
Revolta da vacinaRevolta da vacina
Revolta da vacina
 
Movimento Estudantil
Movimento EstudantilMovimento Estudantil
Movimento Estudantil
 
Um Mundo Sem as Armas Nucleares
Um Mundo Sem as Armas NuclearesUm Mundo Sem as Armas Nucleares
Um Mundo Sem as Armas Nucleares
 

História do maranhão

  • 1. História do Maranhão Império Instrutor : Fernando Série: 3º “A”
  • 2. História do Maranhão – A Descoberta Entretanto, em 1534, o rei de Portugal D. João III dividiu o Brasil- colônia. Tratado de Tordesilhas A inexistência de uma colonização efetiva no norte do Maranhão levou os franceses, em 1612, a empreenderem a formação de uma colônia, que passaria a ser conhecida como França
  • 3. História do Maranhão – A Descoberta Fourt de Saint- Louis Em 1615 os franceses foram expulsos do Maranhão pelas tropas luso- espanholas na batalha de Guaxenduba.
  • 4. História do Maranhão – A Descoberta Batalha de Guaxenduba. Os portugueses decidiram reivindicar o território ocupado e expulsaram os franceses em 1615, sob comando de Jerônimo de Albuquerque Maranhão.
  • 5. Parque Industrial Maranhense no Império Até 1755, quando se implantou a Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão, a economia maranhense era bastante combalida. Alvará de Proibição Industrial D. Maria I O Alvará determina a extinção de todas as manufaturas têxteis na colônia.
  • 6. Parque Industrial Maranhense no Império. Produção Industrial Maranhão cresce nos ramos industriais de: Sabão Velas Arroz Algodão Tipografia Açúcar Pães
  • 7. Parque Industrial Maranhense no Império. A primeira fabrica de tecidos do Maranhão de 1883 e localiza-se na Cidade de Caxias, região do Itapecuru. De todos os empreendimentos, o que mais se destacou foi o ramo têxtil, que operava na fabricação de fios, punhos e tecidos.
  • 8. Parque Industrial Maranhense no Império. Além desses, outros fatores impulsionaram a Indústria Têxtil do Maranhão:  Mão de Obra barata  Disponibilidade de Matéria Prima barata A Única forma de sobrevivência do capital mercantil  superação da crise da agro exportação. A companhia de tecidos do Rio Anil A Companhia De Fiação e Tecido
  • 9. Parque Industrial Maranhense no Império.  A Fabrica de Santa Amélia.  Companhia de Lanifícios Maranhenses.  Companhia Manufatureira e Agrícola do Maranhão. (Em Codó)  União Caxiense  Industrial Caxiense  Fabrica Sanharó  Companhia Manufatora (todas localizadas em Caxias.
  • 10. Parque Industrial Maranhense no Império. Eram empresas de sociedade anônima, usavam tecnologia e máquinas importadas da Inglaterra. Considerada a “Manchester Brasileira” devido à imponência de seu parque têxtil. São Luís Aspectos também explicam o colapso da Indústria Têxtil Maranhense.  Falta de Elasticidade do Mercado em relação a capacidade produtiva.  O Baixo Nível Tecnológico.  Custo elevado da Mão de Obra.  Retração do Crédito.
  • 11. A Cultura Maranhense e no Império ATENAS BRASILEIRA “Expiravam conhecimentos”  O Conceito da cultura agregasse a produção da classe dominante e as classes subalternas. Negros Escravos Índios Mestiços Camponeses
  • 12. A Cultura Maranhense e no Império  A partir de 1830, proibiu-se os batuques no âmbito das cidades depois do toque de recolher. Bumba Meu Boi
  • 13. Cultura Elitista O Mito da Atenas Brasileira foi incorporado pela elite do Século XIX. Casarões do século XIX: Patrimônio da Elite Maranhense Maranhão: “Terra de Intelectuais”.
  • 14. Historia do Maranhão C.E.D.D.C Componentes:  Ana  Cairo  Lyssa  Magda  Maicon  Thaís

Notas do Editor

  1. Uma lista de procedimentos e etapas, ou um slide da palestra com mídia.