SlideShare uma empresa Scribd logo
ENEM 2013 - QUESTÕES RELACIONADAS À GEOGRAFIA
1.
Disponível em: www.filosofia.com.br. Acesso em: 30 abr. 2010.
Pelas características da linguagem visual e pelas escolhas vocabulares, pode-se entender que o
texto possibilita a reflexão sobre uma problemática contemporânea ao
a) criticar o transporte rodoviário brasileiro, em razão da grande quantidade de caminhões nas
estradas.
b) ironizar a dificuldade de locomoção no trânsito urbano, devida ao grande fluxo de veículos.
c) expor a questão do movimento como um problema existente desde tempos antigos, conforme
frase citada.
d) restringir os problemas de tráfego a veículos particulares, defendendo, como solução, o
transporte público.
e) propor a ampliação de vias nas estradas, detalhando o espaço exíguo ocupado pelos veículos
nas ruas.
2.
Então, a travessia das veredas sertanejas é mais exaustiva que a de uma estepe nua. Nesta, ao
menos, o viajante tem o desafogo de um horizonte largo e a perspectiva das planuras francas.
Ao passo que a outra o afoga; abrevia-lhe o olhar; agride-o e estonteia-o; enlaça-o na trama
espinescente e não o atrai; repulsa-o com as folhas urticantes, com o espinho, com os gravetos
estalados em lanças, e
desdobra-se-lhe na frente léguas e léguas, imutável no aspecto desolado; árvore sem folhas, de
galhos estorcidos e secos, revoltos, entrecruzados, apontando rijamente no espaço ou estirando-
se flexuosos pelo solo, lembrando um bracejar imenso, de tortura, da flora agonizante…
CUNHA, E. Os sertões. Disponível em: http://pt.scribd.com. Acesso em: 2 jun. 2012.
Os elementos da paisagem descritos no texto correspondem a aspectos biogeográficos presentes
na
a) composição de vegetação xerófila.
b) formação de florestas latifoliadas.
c) transição para mata de grande porte.
d) adaptação à elevada salinidade.
e) homogeneização da cobertura perenifólia.
3.
De todas as transformações impostas pelo meio técnico-científico-informacional à logística de
transportes, interessa-nos mais de perto a intermodalidade. E por uma razão muito simples: o
potencial que tal “ferramenta logística” ostenta permite que haja, de fato, um sistema de
transportes condizente com a escala geográfica do Brasil.
HUERTAS, D. M. O papel dos transportes na expansão recente da fronteira agrícola
brasileira. Revista Transporte y Territorio, Universidade de Buenos Aires, n. 3, 2010
(adaptado).
A necessidade de modais de transporte interligados, no território brasileiro, justifica-se pela(s)
a) variações climáticas no território, associadas à interiorização da produção.
b) grandes distâncias e a busca da redução dos custos de transporte.
c) formação geológica do país, que impede o uso de um único modal.
d) proximidade entre a área de produção agrícola intensiva e os portos.
e) diminuição dos fluxos materiais em detrimento de fluxos imateriais.
4.
Os mapas representam distintos padrões de distribuição de processos socioespaciais. Nesse
sentido, a menor incidência de disputas territoriais envolvendo povos indígenas se explica pela
a) fertilização natural dos solos.
b) expansão da fronteira agrícola.
c) intensificação da migração de retorno.
d) homologação de reservas extrativistas.
e) concentração histórica da urbanização.
5.
O processo registrado no gráfico gerou a seguinte consequência demográfica:
a) Decréscimo da população absoluta.
b) Redução do crescimento vegetativo.
c) Diminuição da proporção de adultos.
d) Expansão de políticas de controle da natalidade.
e) Aumento da renovação da população economicamente ativa.
6.
Trata-se de um gigantesco movimento de construção de cidades, necessário para o assentamento
residencial dessa população, bem como de suas necessidades de trabalho, abastecimento,
transportes, saúde, energia, água etc. Ainda que o rumo tomado pelo crescimento urbano não
tenha respondido satisfatoriamente a todas essas necessidades, o território foi ocupado e foram
construídas as condições para viver nesse espaço.
MARICATO, E. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis, Vozes, 2001.
A dinâmica de transformação das cidades tende a apresentar como consequência a expansão das
áreas periféricas pelo(a)
a) crescimento da população urbana e aumento da especulação imobiliária.
b) direcionamento maior do fluxo de pessoas, devido à existência de um grande número de
serviços.
c) delimitação de áreas para uma ocupação organizada do espaço físico, melhorando a qualidade
de vida.
d) implantação de políticas públicas que promovem a moradia e o direito à cidade aos seus
moradores.
e) reurbanização de moradias nas áreas centrais, mantendo o trabalhador próximo ao seu
emprego, diminuindo os deslocamentos para a periferia.
7.
Texto I
A nossa luta é pela democratização da propriedade da terra, cada vez mais concentrada em
nosso país. Cerca de 1% de todos os proprietários controla 46% das terras. Fazemos pressão por
meio da ocupação de latifúndios improdutivos e grandes propriedades, que não cumprem a
função social, como determina a Constituição de 1988. Também ocupamos as fazendas que têm
origem na grilagem de terras públicas.
Disponível em: www.mst.org.br. Acesso em: 25 ago. 2011 (adaptado).
Texto II
O pequeno proprietário rural é igual a um pequeno proprietário de loja: quanto menor o negócio
mais difícil de manter, pois tem de ser produtivo e os encargos são difíceis de arcar. Sou a favor
de propriedades produtivas e sustentáveis e que gerem empregos. Apoiar uma empresa
produtiva que gere emprego é muito mais barato e gera muito mais do que apoiar a reforma
agrária.
LESSA, C. Disponível em: www.observadorpolítico.org.br. Acesso em: 25 ago. 2011
(adaptado).
Nos fragmentos dos textos, os posicionamentos em relação à reforma agrária se opõem. Isso
acontece porque os autores associam a reforma agrária, respectivamente, à
a) redução do inchaço urbano e à crítica ao minifúndio camponês.
b) ampliação da renda nacional e à prioridade ao mercado externo.
c) contenção da mecanização agrícola e ao combate ao êxodo rural.
d) privatização de empresas estatais e ao estímulo ao crescimento econômico.
e) correção de distorções históricas e ao prejuízo ao agronegócio.
8.
Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à base de ventos, no
sudeste da Bahia. O Complexo Eólico Alto Sertão, em 2014, terá capacidade para gerar 375MW
(megawatts), total suficiente para abastecer uma cidade de 3 milhões de habitantes.
MATOS, C. “GE busca bons ventos e fecha contrato de R$820mi na Bahia”. Folha de S. Paulo,
2 dez. 2012.
A opção tecnológica retratada na notícia proporciona a seguinte consequência para o sistema
energético brasileiro:
a) Redução da utilização elétrica.
b) Ampliação do uso bioenergético.
c) Expansão de fontes renováveis.
d) Contenção da demanda urbano-industrial.
e) Intensificação da dependência geotérmica.
9.
Nos últimos decênios, o território conhece grandes mudanças em função de acréscimos técnicos
que renovam a sua materialidade, como resultado e condição, ao mesmo tempo, dos processos
econômicos e sociais em curso.
SANTOS, M.; SILVEIRA; M. L. O Brasil: território e sociedade do século XXI. Rio de
Janeiro: Record, 2004 (adaptado).
A partir da última década, verifica-se a ocorrência no Brasil de alterações significativas no
território, ocasionando impactos sociais, culturais e econômicos sobre comunidades locais, e
com maior intensidade, na Amazônia Legal, com a
a) reforma e ampliação de aeroportos nas capitais dos estados.
b) ampliação de estádios de futebol para a realização de eventos esportivos.
c) construção de usinas hidrelétricas sobre os rios Tocantins, Xingu e Madeira.
d) instalação de cabos para a formação de uma rede informatizada de comunicação.
e) formação de uma infraestrutura de torres que permitem a comunicação móvel na região.
10.
Embora haja dados comuns que dão unidade ao fenômeno da urbanização na África, na Ásia e
na América Latina, os impactos são distintos em cada continente e mesmo dentro de cada país,
ainda que as modernizações se deem com o mesmo conjunto de inovações.
ELIAS, D. Fim do século e urbanização no Brasil. Revista Ciência Geográfica, ano IV, n. 11,
set./dez. 1988.
O texto aponta para a complexidade da urbanização nos diferentes contextos socioespaciais.
Comparando a organização socioeconômica das regiões citadas, a unidade desse fenômeno é
perceptível no aspecto
a) espacial, em função do sistema integrado que envolve as cidades locais e globais.
b) cultural, em função da semelhança histórica e da condição de modernização econômica e
política.
c) demográfico, em função da localização das maiores aglomerações urbanas e continuidade do
fluxo campo-cidade.
d) territorial, em função da estrutura de organização e planejamento das cidades que atravessam
as fronteiras nacionais.
e) econômico, em função da revolução agrícola que transformou o campo e a cidade e contribui
para a fixação do homem ao lugar.
11.
Disneylândia
Multinacionais japonesas instalam empresas em Hong-Kong
E produzem com matéria-prima brasileira
Para competir no mercado americano
[...]
Pilhas americanas alimentam eletrodomésticos ingleses na Nova Guiné
Gasolina árabe alimenta automóveis americanos na África do Sul
[...]
Crianças iraquianas fugidas da guerra
Não obtêm visto no consulado americano do Egito
Para entrarem na Disneylândia
ANTUNES, A. Disponível em: www.radio.uol.com.br. Acesso em: 3 fev. 2013 (fragmento).
Na canção, ressalta-se a coexistência, no contexto internacional atual, das seguintes situações:
a) Acirramento do controle alfandegário e estímulo ao capital especulativo.
b) Ampliação das trocas econômicas e seletividade dos fluxos populacionais.
c) Intensificação do controle informacional e adoção de barreiras fitossanitárias.
d) Aumento da circulação mercantil e desregulamentação do sistema financeiro.
e) Expansão do protecionismo comercial e descaracterização de identidades nacionais.
12.
Disponível em <hhtp://ig.com.br>. Acesso em: 23 ago. 2011 (adaptado)
No esquema, o problema atmosférico relacionado ao ciclo da água acentuou-se após as
revoluções industriais. Uma consequência direta desse problema está na
a) redução da flora.
b) elevação das marés.
c) erosão das encostas.
d) laterização dos solos.
e) fragmentação das rochas.
13.
Na imagem, visualiza-se um método de cultivo e as transformações provocadas no espaço
geográfico. O objetivo imediato da técnica agrícola utilizada é
a) controlar a erosão laminar.
b) preservar as nascentes fluviais.
c) diminuir a contaminação química.
d) incentivar a produção transgênica.
e) implantar a mecanização intensiva.
14.
Um gigante da indústria da internet, em gesto simbólico, mudou o tratamento que conferia à sua
página palestina. O site de buscas alterou sua página quando acessada da Cisjordânia. Em vez
de “territórios palestinos”, a empresa escreve agora “Palestina” logo abaixo do logotipo.
BERCITO, D. “Google muda tratamento de territórios palestinos”. Folha de S. Paulo, 4 maio
2013 (adaptado).
O gesto simbólico sinalizado pela mudança no status dos territórios palestinos significa o
a) surgimento de um país binacional.
b) fortalecimento de movimentos antissemitas.
c) esvaziamento de assentamentos judaicos.
d) reconhecimento de uma autoridade jurídica.
e) estabelecimento de fronteiras nacionais.
15.
Ninguém desconhece a necessidade que todos os fazendeiros têm de aumentar o número de seus
trabalhadores. E como até há pouco supriam-se os fazendeiros dos braços necessários? As
fazendas eram alimentadas pela aquisição de escravos, sem o menor auxílio pecuniário do
governo. Ora, se os fazendeiros se supriam de braços à sua custa, e se é possível obtê-los ainda,
posto que de outra qualidade, por que motivo não hão de procurar alcançá-los pela mesma
maneira, isto é, à sua custa?
Resposta de Manuel Felizardo de Sousa e Mello, diretor geral das Terras Públicas, ao Senador
Vergueiro. In: ALENCASTRO, L. F. (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo:
Cia. das Letras, 1988 (adaptado).
O fragmento do discurso dirigido ao parlamentar do Império refere-se às mudanças então em
curso no campo brasileiro, que confrontam o Estado e a elite agrária em torno do objetivo de
a) fomentar ações públicas para ocupação das terras do interior.
b) adotar o regime assalariado para proteção da mão de obra estrangeira.
c) definir uma política de subsídio governamental para o fomento da imigração.
d) regulamentar o tráfico interprovincial de cativos para a sobrevivência das fazendas.
e) financiar afixação de famílias camponesas para estímulo da agricultura de subsistência.
16.
O artista gráfico polonês Pawla Kuczynskiego nasceu em 1976 e recebeu diversos prêmios por
suas ilustrações.
Nessa obra, ao abordar o trabalho infantil, Kuczynskiego usa sua arte para
a) difundir a origem de marcantes diferenças sociais.
b) estabelecer uma postura proativa da sociedade.
c) provocar a reflexão sobre essa realidade.
d) propor alternativas para solucionar esse problema.
e) retratar como a questão é enfrentada em vários países do mundo.
17.
A charge revela uma crítica aos meios de comunicação, em especial à internet, porque
a) questiona a integração das pessoas nas redes virtuais de relacionamento.
b) considera as relações sociais como menos importantes que as virtuais.
c) enaltece a pretensão do homem de estar em todos os lugares ao mesmo tempo.
d) descreve com precisão as sociedades humanas no mundo globalizado.
e) concebe a rede de computadores como o espaço mais eficaz para a construção de relações
sociais.
18.
Na imagem, estão representados dois modelos de produção. A possibilidade de uma crise de
superprodução é distinta entre eles em função do seguinte fator:
a) Origem da matéria-prima.
b) Qualificação da mão de obra.
c) Velocidade de processamento.
d) Necessidade de armazenamento.
e) Amplitude do mercado consumidor.
ENEM 2013 – COM GABARITO
1.
Disponível em: www.filosofia.com.br. Acesso em: 30 abr. 2010.
Pelas características da linguagem visual e pelas escolhas vocabulares, pode-se entender que o
texto possibilita a reflexão sobre uma problemática contemporânea ao
a) criticar o transporte rodoviário brasileiro, em razão da grande quantidade de caminhões nas
estradas.
b) ironizar a dificuldade de locomoção no trânsito urbano, devida ao grande fluxo de veículos.
c) expor a questão do movimento como um problema existente desde tempos antigos, conforme
frase citada.
d) restringir os problemas de tráfego a veículos particulares, defendendo, como solução, o
transporte público.
e) propor a ampliação de vias nas estradas, detalhando o espaço exíguo ocupado pelos veículos
nas ruas.
2.
Então, a travessia das veredas sertanejas é mais exaustiva que a de uma estepe nua. Nesta, ao
menos, o viajante tem o desafogo de um horizonte largo e a perspectiva das planuras francas.
Ao passo que a outra o afoga; abrevia-lhe o olhar; agride-o e estonteia-o; enlaça-o na trama
espinescente e não o atrai; repulsa-o com as folhas urticantes, com o espinho, com os gravetos
estalados em lanças, e
desdobra-se-lhe na frente léguas e léguas, imutável no aspecto desolado; árvore sem folhas, de
galhos estorcidos e secos, revoltos, entrecruzados, apontando rijamente no espaço ou estirando-
se flexuosos pelo solo, lembrando um bracejar imenso, de tortura, da flora agonizante…
CUNHA, E. Os sertões. Disponível em: http://pt.scribd.com. Acesso em: 2 jun. 2012.
Os elementos da paisagem descritos no texto correspondem a aspectos biogeográficos presentes
na
a) composição de vegetação xerófila.
b) formação de florestas latifoliadas.
c) transição para mata de grande porte.
d) adaptação à elevada salinidade.
e) homogeneização da cobertura perenifólia.
3.
De todas as transformações impostas pelo meio técnico-científico-informacional à logística de
transportes, interessa-nos mais de perto a intermodalidade. E por uma razão muito simples: o
potencial que tal “ferramenta logística” ostenta permite que haja, de fato, um sistema de
transportes condizente com a escala geográfica do Brasil.
HUERTAS, D. M. O papel dos transportes na expansão recente da fronteira agrícola
brasileira. Revista Transporte y Territorio, Universidade de Buenos Aires, n. 3, 2010
(adaptado).
A necessidade de modais de transporte interligados, no território brasileiro, justifica-se pela(s)
a) variações climáticas no território, associadas à interiorização da produção.
b) grandes distâncias e a busca da redução dos custos de transporte.
c) formação geológica do país, que impede o uso de um único modal.
d) proximidade entre a área de produção agrícola intensiva e os portos.
e) diminuição dos fluxos materiais em detrimento de fluxos imateriais.
4.
Os mapas representam distintos padrões de distribuição de processos socioespaciais. Nesse
sentido, a menor incidência de disputas territoriais envolvendo povos indígenas se explica pela
a) fertilização natural dos solos.
b) expansão da fronteira agrícola.
c) intensificação da migração de retorno.
d) homologação de reservas extrativistas.
e) concentração histórica da urbanização.
5.
O processo registrado no gráfico gerou a seguinte consequência demográfica:
a) Decréscimo da população absoluta.
b) Redução do crescimento vegetativo.
c) Diminuição da proporção de adultos.
d) Expansão de políticas de controle da natalidade.
e) Aumento da renovação da população economicamente ativa.
6.
Trata-se de um gigantesco movimento de construção de cidades, necessário para o assentamento
residencial dessa população, bem como de suas necessidades de trabalho, abastecimento,
transportes, saúde, energia, água etc. Ainda que o rumo tomado pelo crescimento urbano não
tenha respondido satisfatoriamente a todas essas necessidades, o território foi ocupado e foram
construídas as condições para viver nesse espaço.
MARICATO, E. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis, Vozes, 2001.
A dinâmica de transformação das cidades tende a apresentar como consequência a expansão das
áreas periféricas pelo(a)
a) crescimento da população urbana e aumento da especulação imobiliária.
b) direcionamento maior do fluxo de pessoas, devido à existência de um grande número de
serviços.
c) delimitação de áreas para uma ocupação organizada do espaço físico, melhorando a qualidade
de vida.
d) implantação de políticas públicas que promovem a moradia e o direito à cidade aos seus
moradores.
e) reurbanização de moradias nas áreas centrais, mantendo o trabalhador próximo ao seu
emprego, diminuindo os deslocamentos para a periferia.
7.
Texto I
A nossa luta é pela democratização da propriedade da terra, cada vez mais concentrada em
nosso país. Cerca de 1% de todos os proprietários controla 46% das terras. Fazemos pressão por
meio da ocupação de latifúndios improdutivos e grandes propriedades, que não cumprem a
função social, como determina a Constituição de 1988. Também ocupamos as fazendas que têm
origem na grilagem de terras públicas.
Disponível em: www.mst.org.br. Acesso em: 25 ago. 2011 (adaptado).
Texto II
O pequeno proprietário rural é igual a um pequeno proprietário de loja: quanto menor o negócio
mais difícil de manter, pois tem de ser produtivo e os encargos são difíceis de arcar. Sou a favor
de propriedades produtivas e sustentáveis e que gerem empregos. Apoiar uma empresa
produtiva que gere emprego é muito mais barato e gera muito mais do que apoiar a reforma
agrária.
LESSA, C. Disponível em: www.observadorpolítico.org.br. Acesso em: 25 ago. 2011
(adaptado).
Nos fragmentos dos textos, os posicionamentos em relação à reforma agrária se opõem. Isso
acontece porque os autores associam a reforma agrária, respectivamente, à
a) redução do inchaço urbano e à crítica ao minifúndio camponês.
b) ampliação da renda nacional e à prioridade ao mercado externo.
c) contenção da mecanização agrícola e ao combate ao êxodo rural.
d) privatização de empresas estatais e ao estímulo ao crescimento econômico.
e) correção de distorções históricas e ao prejuízo ao agronegócio.
8.
Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à base de ventos, no
sudeste da Bahia. O Complexo Eólico Alto Sertão, em 2014, terá capacidade para gerar 375MW
(megawatts), total suficiente para abastecer uma cidade de 3 milhões de habitantes.
MATOS, C. “GE busca bons ventos e fecha contrato de R$820mi na Bahia”. Folha de S. Paulo,
2 dez. 2012.
A opção tecnológica retratada na notícia proporciona a seguinte consequência para o sistema
energético brasileiro:
a) Redução da utilização elétrica.
b) Ampliação do uso bioenergético.
c) Expansão de fontes renováveis.
d) Contenção da demanda urbano-industrial.
e) Intensificação da dependência geotérmica.
9.
Nos últimos decênios, o território conhece grandes mudanças em função de acréscimos técnicos
que renovam a sua materialidade, como resultado e condição, ao mesmo tempo, dos processos
econômicos e sociais em curso.
SANTOS, M.; SILVEIRA; M. L. O Brasil: território e sociedade do século XXI. Rio de
Janeiro: Record, 2004 (adaptado).
A partir da última década, verifica-se a ocorrência no Brasil de alterações significativas no
território, ocasionando impactos sociais, culturais e econômicos sobre comunidades locais, e
com maior intensidade, na Amazônia Legal, com a
a) reforma e ampliação de aeroportos nas capitais dos estados.
b) ampliação de estádios de futebol para a realização de eventos esportivos.
c) construção de usinas hidrelétricas sobre os rios Tocantins, Xingu e Madeira.
d) instalação de cabos para a formação de uma rede informatizada de comunicação.
e) formação de uma infraestrutura de torres que permitem a comunicação móvel na região.
10.
Embora haja dados comuns que dão unidade ao fenômeno da urbanização na África, na Ásia e
na América Latina, os impactos são distintos em cada continente e mesmo dentro de cada país,
ainda que as modernizações se deem com o mesmo conjunto de inovações.
ELIAS, D. Fim do século e urbanização no Brasil. Revista Ciência Geográfica, ano IV, n. 11,
set./dez. 1988.
O texto aponta para a complexidade da urbanização nos diferentes contextos socioespaciais.
Comparando a organização socioeconômica das regiões citadas, a unidade desse fenômeno é
perceptível no aspecto
a) espacial, em função do sistema integrado que envolve as cidades locais e globais.
b) cultural, em função da semelhança histórica e da condição de modernização econômica e
política.
c) demográfico, em função da localização das maiores aglomerações urbanas e continuidade do
fluxo campo-cidade.
d) territorial, em função da estrutura de organização e planejamento das cidades que atravessam
as fronteiras nacionais.
e) econômico, em função da revolução agrícola que transformou o campo e a cidade e contribui
para a fixação do homem ao lugar.
11.
Disneylândia
Multinacionais japonesas instalam empresas em Hong-Kong
E produzem com matéria-prima brasileira
Para competir no mercado americano
[...]
Pilhas americanas alimentam eletrodomésticos ingleses na Nova Guiné
Gasolina árabe alimenta automóveis americanos na África do Sul
[...]
Crianças iraquianas fugidas da guerra
Não obtêm visto no consulado americano do Egito
Para entrarem na Disneylândia
ANTUNES, A. Disponível em: www.radio.uol.com.br. Acesso em: 3 fev. 2013 (fragmento).
Na canção, ressalta-se a coexistência, no contexto internacional atual, das seguintes situações:
a) Acirramento do controle alfandegário e estímulo ao capital especulativo.
b) Ampliação das trocas econômicas e seletividade dos fluxos populacionais.
c) Intensificação do controle informacional e adoção de barreiras fitossanitárias.
d) Aumento da circulação mercantil e desregulamentação do sistema financeiro.
e) Expansão do protecionismo comercial e descaracterização de identidades nacionais.
12.
Disponível em <hhtp://ig.com.br>. Acesso em: 23 ago. 2011 (adaptado)
No esquema, o problema atmosférico relacionado ao ciclo da água acentuou-se após as
revoluções industriais. Uma consequência direta desse problema está na
a) redução da flora.
b) elevação das marés.
c) erosão das encostas.
d) laterização dos solos.
e) fragmentação das rochas.
13.
Na imagem, visualiza-se um método de cultivo e as transformações provocadas no espaço
geográfico. O objetivo imediato da técnica agrícola utilizada é
a) controlar a erosão laminar.
b) preservar as nascentes fluviais.
c) diminuir a contaminação química.
d) incentivar a produção transgênica.
e) implantar a mecanização intensiva.
14.
Um gigante da indústria da internet, em gesto simbólico, mudou o tratamento que conferia à sua
página palestina. O site de buscas alterou sua página quando acessada da Cisjordânia. Em vez
de “territórios palestinos”, a empresa escreve agora “Palestina” logo abaixo do logotipo.
BERCITO, D. “Google muda tratamento de territórios palestinos”. Folha de S. Paulo, 4 maio
2013 (adaptado).
O gesto simbólico sinalizado pela mudança no status dos territórios palestinos significa o
a) surgimento de um país binacional.
b) fortalecimento de movimentos antissemitas.
c) esvaziamento de assentamentos judaicos.
d) reconhecimento de uma autoridade jurídica.
e) estabelecimento de fronteiras nacionais.
15.
Ninguém desconhece a necessidade que todos os fazendeiros têm de aumentar o número de seus
trabalhadores. E como até há pouco supriam-se os fazendeiros dos braços necessários? As
fazendas eram alimentadas pela aquisição de escravos, sem o menor auxílio pecuniário do
governo. Ora, se os fazendeiros se supriam de braços à sua custa, e se é possível obtê-los ainda,
posto que de outra qualidade, por que motivo não hão de procurar alcançá-los pela mesma
maneira, isto é, à sua custa?
Resposta de Manuel Felizardo de Sousa e Mello, diretor geral das Terras Públicas, ao Senador
Vergueiro. In: ALENCASTRO, L. F. (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo:
Cia. das Letras, 1988 (adaptado).
O fragmento do discurso dirigido ao parlamentar do Império refere-se às mudanças então em
curso no campo brasileiro, que confrontam o Estado e a elite agrária em torno do objetivo de
a) fomentar ações públicas para ocupação das terras do interior.
b) adotar o regime assalariado para proteção da mão de obra estrangeira.
c) definir uma política de subsídio governamental para o fomento da imigração.
d) regulamentar o tráfico interprovincial de cativos para a sobrevivência das fazendas.
e) financiar afixação de famílias camponesas para estímulo da agricultura de subsistência.
16.
O artista gráfico polonês Pawla Kuczynskiego nasceu em 1976 e recebeu diversos prêmios por
suas ilustrações.
Nessa obra, ao abordar o trabalho infantil, Kuczynskiego usa sua arte para
a) difundir a origem de marcantes diferenças sociais.
b) estabelecer uma postura proativa da sociedade.
c) provocar a reflexão sobre essa realidade.
d) propor alternativas para solucionar esse problema.
e) retratar como a questão é enfrentada em vários países do mundo.
17.
A charge revela uma crítica aos meios de comunicação, em especial à internet, porque
a) questiona a integração das pessoas nas redes virtuais de relacionamento.
b) considera as relações sociais como menos importantes que as virtuais.
c) enaltece a pretensão do homem de estar em todos os lugares ao mesmo tempo.
d) descreve com precisão as sociedades humanas no mundo globalizado.
e) concebe a rede de computadores como o espaço mais eficaz para a construção de relações
sociais.
18.
Na imagem, estão representados dois modelos de produção. A possibilidade de uma crise de
superprodução é distinta entre eles em função do seguinte fator:
a) Origem da matéria-prima.
b) Qualificação da mão de obra.
c) Velocidade de processamento.
d) Necessidade de armazenamento.
e) Amplitude do mercado consumidor.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lista Enem comentada_2017
Lista Enem comentada_2017Lista Enem comentada_2017
Lista Enem comentada_2017
caduatualidades
 
Ava geo 9ano
Ava geo 9anoAva geo 9ano
Reginaldo enem geo 2012
Reginaldo   enem geo 2012Reginaldo   enem geo 2012
Reginaldo enem geo 2012
Ligia Amaral
 
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabaritoGeo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
CBM
 
Geo 7º ano M 3ª prova B 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova B 2ª etapa 2014 gabaritoGeo 7º ano M 3ª prova B 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova B 2ª etapa 2014 gabarito
CBM
 
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMAGEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
Pré-Enem Seduc
 
645
645645
Gabarito Revisão
Gabarito Revisão Gabarito Revisão
Gabarito Revisão
CBM
 
Ava geo 7ano
Ava geo 7anoAva geo 7ano
Itens de geografia relacionados à matriz de referência língua portuguesa
Itens de geografia relacionados à matriz de referência língua portuguesaItens de geografia relacionados à matriz de referência língua portuguesa
Itens de geografia relacionados à matriz de referência língua portuguesa
Atividades Diversas Cláudia
 
atividade de geografia
atividade de geografiaatividade de geografia
atividade de geografia
Broma Spazi
 
Avaliação bimestral 7º ano
Avaliação bimestral 7º anoAvaliação bimestral 7º ano
Avaliação bimestral 7º ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Wendel Vasconcelos
 
Diagnostica 01. Enem
Diagnostica 01. EnemDiagnostica 01. Enem
Diagnostica 01. Enem
Camila Brito
 
Avaliação 1º ano 2 estudos orientados
Avaliação 1º ano 2 estudos orientadosAvaliação 1º ano 2 estudos orientados
Avaliação 1º ano 2 estudos orientados
Atividades Diversas Cláudia
 
Ava geo 8ano
Ava geo 8anoAva geo 8ano
Geografia urbanizacao
Geografia urbanizacaoGeografia urbanizacao
Geografia urbanizacao
Alessandro Ribeiro
 
Prova geografia estudos orientados 2 ano.doc
Prova geografia estudos orientados 2 ano.docProva geografia estudos orientados 2 ano.doc
Prova geografia estudos orientados 2 ano.doc
Atividades Diversas Cláudia
 
Cadernos 6 e 7 gabaritos frente 2 - geografia
Cadernos 6 e 7   gabaritos frente 2 - geografiaCadernos 6 e 7   gabaritos frente 2 - geografia
Cadernos 6 e 7 gabaritos frente 2 - geografia
ristf
 

Mais procurados (19)

Lista Enem comentada_2017
Lista Enem comentada_2017Lista Enem comentada_2017
Lista Enem comentada_2017
 
Ava geo 9ano
Ava geo 9anoAva geo 9ano
Ava geo 9ano
 
Reginaldo enem geo 2012
Reginaldo   enem geo 2012Reginaldo   enem geo 2012
Reginaldo enem geo 2012
 
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabaritoGeo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
 
Geo 7º ano M 3ª prova B 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova B 2ª etapa 2014 gabaritoGeo 7º ano M 3ª prova B 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova B 2ª etapa 2014 gabarito
 
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMAGEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
 
645
645645
645
 
Gabarito Revisão
Gabarito Revisão Gabarito Revisão
Gabarito Revisão
 
Ava geo 7ano
Ava geo 7anoAva geo 7ano
Ava geo 7ano
 
Itens de geografia relacionados à matriz de referência língua portuguesa
Itens de geografia relacionados à matriz de referência língua portuguesaItens de geografia relacionados à matriz de referência língua portuguesa
Itens de geografia relacionados à matriz de referência língua portuguesa
 
atividade de geografia
atividade de geografiaatividade de geografia
atividade de geografia
 
Avaliação bimestral 7º ano
Avaliação bimestral 7º anoAvaliação bimestral 7º ano
Avaliação bimestral 7º ano
 
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
 
Diagnostica 01. Enem
Diagnostica 01. EnemDiagnostica 01. Enem
Diagnostica 01. Enem
 
Avaliação 1º ano 2 estudos orientados
Avaliação 1º ano 2 estudos orientadosAvaliação 1º ano 2 estudos orientados
Avaliação 1º ano 2 estudos orientados
 
Ava geo 8ano
Ava geo 8anoAva geo 8ano
Ava geo 8ano
 
Geografia urbanizacao
Geografia urbanizacaoGeografia urbanizacao
Geografia urbanizacao
 
Prova geografia estudos orientados 2 ano.doc
Prova geografia estudos orientados 2 ano.docProva geografia estudos orientados 2 ano.doc
Prova geografia estudos orientados 2 ano.doc
 
Cadernos 6 e 7 gabaritos frente 2 - geografia
Cadernos 6 e 7   gabaritos frente 2 - geografiaCadernos 6 e 7   gabaritos frente 2 - geografia
Cadernos 6 e 7 gabaritos frente 2 - geografia
 

Semelhante a Reginaldo enem geo 2013 (2)

Lista.módulo21
Lista.módulo21Lista.módulo21
Lista.módulo21
Camila Brito
 
Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016
joao paulo
 
GEOGRAFIA TURBO ENEM 1.pptx
GEOGRAFIA TURBO ENEM 1.pptxGEOGRAFIA TURBO ENEM 1.pptx
GEOGRAFIA TURBO ENEM 1.pptx
RogrioLimaRoger
 
Prova.diagnostica.2 em.geografia
Prova.diagnostica.2 em.geografiaProva.diagnostica.2 em.geografia
Prova.diagnostica.2 em.geografia
Camila Brito
 
Geografia - Professor Adriano Ramalho
Geografia - Professor Adriano Ramalho Geografia - Professor Adriano Ramalho
Geografia - Professor Adriano Ramalho
Pré-Enem Seduc
 
SLIDES 8º ANO 2024.pptx, avaliação diagnóstica
SLIDES 8º ANO 2024.pptx, avaliação diagnósticaSLIDES 8º ANO 2024.pptx, avaliação diagnóstica
SLIDES 8º ANO 2024.pptx, avaliação diagnóstica
Gentil Eronides
 
Prova estado cs geo tanto
Prova estado cs geo tantoProva estado cs geo tanto
Prova estado cs geo tanto
Atividades Diversas Cláudia
 
Lista enem 2017_geografia
Lista enem 2017_geografiaLista enem 2017_geografia
Lista enem 2017_geografia
CADUCOC
 
GEOGRAFIA | SEMANA 35 | 1ª Série | RELAÇÃO HUMANIDADE NATUREZA
GEOGRAFIA | SEMANA 35 | 1ª Série | RELAÇÃO HUMANIDADE NATUREZAGEOGRAFIA | SEMANA 35 | 1ª Série | RELAÇÃO HUMANIDADE NATUREZA
GEOGRAFIA | SEMANA 35 | 1ª Série | RELAÇÃO HUMANIDADE NATUREZA
GoisBemnoEnem
 
O EspaçO Urbano E O Processo De UrbanizaçãO
O EspaçO Urbano E O Processo De UrbanizaçãOO EspaçO Urbano E O Processo De UrbanizaçãO
O EspaçO Urbano E O Processo De UrbanizaçãO
Maria Olandina Machado
 
Radix geo 7ano_42a44_respostas
Radix geo 7ano_42a44_respostasRadix geo 7ano_42a44_respostas
Radix geo 7ano_42a44_respostas
Giselda morais rodrigues do
 
Lista Revisão UNEB_2014_2015
Lista Revisão UNEB_2014_2015Lista Revisão UNEB_2014_2015
Lista Revisão UNEB_2014_2015
Carlos Eduardo Oliveira
 
Prova geografia estudos orientados 2 ano.doc
Prova geografia estudos orientados 2 ano.docProva geografia estudos orientados 2 ano.doc
Prova geografia estudos orientados 2 ano.doc
Atividades Diversas Cláudia
 
Revisao ifba geografia
Revisao ifba geografiaRevisao ifba geografia
Revisao ifba geografia
Ademir Aquino
 
Testando conhecimentos de geografia
Testando conhecimentos de geografiaTestando conhecimentos de geografia
Testando conhecimentos de geografia
sherlanio
 
Testando conhecimentos de geografia
Testando conhecimentos de geografiaTestando conhecimentos de geografia
Testando conhecimentos de geografia
sherlanio
 
LISTÃO ENEM COMENTADO
LISTÃO ENEM COMENTADOLISTÃO ENEM COMENTADO
LISTÃO ENEM COMENTADO
CADUCOC1
 
Listao Enem Sartre_Comentada
Listao Enem Sartre_ComentadaListao Enem Sartre_Comentada
Listao Enem Sartre_Comentada
CADUCOC
 
Geografia – meio urbano 01 – 2013
Geografia – meio urbano 01 – 2013 Geografia – meio urbano 01 – 2013
Geografia – meio urbano 01 – 2013
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Enem2010 1dia
Enem2010 1diaEnem2010 1dia
Enem2010 1dia
Keite Mello
 

Semelhante a Reginaldo enem geo 2013 (2) (20)

Lista.módulo21
Lista.módulo21Lista.módulo21
Lista.módulo21
 
Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016
 
GEOGRAFIA TURBO ENEM 1.pptx
GEOGRAFIA TURBO ENEM 1.pptxGEOGRAFIA TURBO ENEM 1.pptx
GEOGRAFIA TURBO ENEM 1.pptx
 
Prova.diagnostica.2 em.geografia
Prova.diagnostica.2 em.geografiaProva.diagnostica.2 em.geografia
Prova.diagnostica.2 em.geografia
 
Geografia - Professor Adriano Ramalho
Geografia - Professor Adriano Ramalho Geografia - Professor Adriano Ramalho
Geografia - Professor Adriano Ramalho
 
SLIDES 8º ANO 2024.pptx, avaliação diagnóstica
SLIDES 8º ANO 2024.pptx, avaliação diagnósticaSLIDES 8º ANO 2024.pptx, avaliação diagnóstica
SLIDES 8º ANO 2024.pptx, avaliação diagnóstica
 
Prova estado cs geo tanto
Prova estado cs geo tantoProva estado cs geo tanto
Prova estado cs geo tanto
 
Lista enem 2017_geografia
Lista enem 2017_geografiaLista enem 2017_geografia
Lista enem 2017_geografia
 
GEOGRAFIA | SEMANA 35 | 1ª Série | RELAÇÃO HUMANIDADE NATUREZA
GEOGRAFIA | SEMANA 35 | 1ª Série | RELAÇÃO HUMANIDADE NATUREZAGEOGRAFIA | SEMANA 35 | 1ª Série | RELAÇÃO HUMANIDADE NATUREZA
GEOGRAFIA | SEMANA 35 | 1ª Série | RELAÇÃO HUMANIDADE NATUREZA
 
O EspaçO Urbano E O Processo De UrbanizaçãO
O EspaçO Urbano E O Processo De UrbanizaçãOO EspaçO Urbano E O Processo De UrbanizaçãO
O EspaçO Urbano E O Processo De UrbanizaçãO
 
Radix geo 7ano_42a44_respostas
Radix geo 7ano_42a44_respostasRadix geo 7ano_42a44_respostas
Radix geo 7ano_42a44_respostas
 
Lista Revisão UNEB_2014_2015
Lista Revisão UNEB_2014_2015Lista Revisão UNEB_2014_2015
Lista Revisão UNEB_2014_2015
 
Prova geografia estudos orientados 2 ano.doc
Prova geografia estudos orientados 2 ano.docProva geografia estudos orientados 2 ano.doc
Prova geografia estudos orientados 2 ano.doc
 
Revisao ifba geografia
Revisao ifba geografiaRevisao ifba geografia
Revisao ifba geografia
 
Testando conhecimentos de geografia
Testando conhecimentos de geografiaTestando conhecimentos de geografia
Testando conhecimentos de geografia
 
Testando conhecimentos de geografia
Testando conhecimentos de geografiaTestando conhecimentos de geografia
Testando conhecimentos de geografia
 
LISTÃO ENEM COMENTADO
LISTÃO ENEM COMENTADOLISTÃO ENEM COMENTADO
LISTÃO ENEM COMENTADO
 
Listao Enem Sartre_Comentada
Listao Enem Sartre_ComentadaListao Enem Sartre_Comentada
Listao Enem Sartre_Comentada
 
Geografia – meio urbano 01 – 2013
Geografia – meio urbano 01 – 2013 Geografia – meio urbano 01 – 2013
Geografia – meio urbano 01 – 2013
 
Enem2010 1dia
Enem2010 1diaEnem2010 1dia
Enem2010 1dia
 

Mais de Ligia Amaral

Reginaldo enem geo 2011
Reginaldo   enem geo 2011Reginaldo   enem geo 2011
Reginaldo enem geo 2011
Ligia Amaral
 
Resolução prova ph p4
Resolução prova ph   p4Resolução prova ph   p4
Resolução prova ph p4
Ligia Amaral
 
Resolução prova ph p3
Resolução prova ph   p3Resolução prova ph   p3
Resolução prova ph p3
Ligia Amaral
 
Uem historia geral (1)
Uem   historia geral (1)Uem   historia geral (1)
Uem historia geral (1)
Ligia Amaral
 
Uem historia do brasil
Uem   historia do brasilUem   historia do brasil
Uem historia do brasil
Ligia Amaral
 
enem
enem enem
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Ligia Amaral
 
Alotropia
AlotropiaAlotropia
Alotropia
Ligia Amaral
 
Inflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancerInflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancer
Ligia Amaral
 
modelos - folhas de redação
modelos - folhas de redaçãomodelos - folhas de redação
modelos - folhas de redação
Ligia Amaral
 
Dinâmica climática enviada por reginaldo
Dinâmica climática  enviada por reginaldoDinâmica climática  enviada por reginaldo
Dinâmica climática enviada por reginaldo
Ligia Amaral
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim química
Gabarito 1o. bim   químicaGabarito 1o. bim   química
Gabarito 1o. bim química
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português ii
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim português i
Gabarito 1o. bim   português iGabarito 1o. bim   português i
Gabarito 1o. bim português i
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim matemática ii
Gabarito 1o. bim   matemática iiGabarito 1o. bim   matemática ii
Gabarito 1o. bim matemática ii
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim matemática i
Gabarito 1o. bim   matemática iGabarito 1o. bim   matemática i
Gabarito 1o. bim matemática i
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim inglês
Gabarito 1o. bim   inglêsGabarito 1o. bim   inglês
Gabarito 1o. bim inglês
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim história
Gabarito 1o. bim   históriaGabarito 1o. bim   história
Gabarito 1o. bim história
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim geografia
Gabarito 1o. bim   geografiaGabarito 1o. bim   geografia
Gabarito 1o. bim geografia
Ligia Amaral
 

Mais de Ligia Amaral (20)

Reginaldo enem geo 2011
Reginaldo   enem geo 2011Reginaldo   enem geo 2011
Reginaldo enem geo 2011
 
Resolução prova ph p4
Resolução prova ph   p4Resolução prova ph   p4
Resolução prova ph p4
 
Resolução prova ph p3
Resolução prova ph   p3Resolução prova ph   p3
Resolução prova ph p3
 
Uem historia geral (1)
Uem   historia geral (1)Uem   historia geral (1)
Uem historia geral (1)
 
Uem historia do brasil
Uem   historia do brasilUem   historia do brasil
Uem historia do brasil
 
enem
enem enem
enem
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Alotropia
AlotropiaAlotropia
Alotropia
 
Inflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancerInflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancer
 
modelos - folhas de redação
modelos - folhas de redaçãomodelos - folhas de redação
modelos - folhas de redação
 
Dinâmica climática enviada por reginaldo
Dinâmica climática  enviada por reginaldoDinâmica climática  enviada por reginaldo
Dinâmica climática enviada por reginaldo
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Gabarito 1o. bim química
Gabarito 1o. bim   químicaGabarito 1o. bim   química
Gabarito 1o. bim química
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português ii
 
Gabarito 1o. bim português i
Gabarito 1o. bim   português iGabarito 1o. bim   português i
Gabarito 1o. bim português i
 
Gabarito 1o. bim matemática ii
Gabarito 1o. bim   matemática iiGabarito 1o. bim   matemática ii
Gabarito 1o. bim matemática ii
 
Gabarito 1o. bim matemática i
Gabarito 1o. bim   matemática iGabarito 1o. bim   matemática i
Gabarito 1o. bim matemática i
 
Gabarito 1o. bim inglês
Gabarito 1o. bim   inglêsGabarito 1o. bim   inglês
Gabarito 1o. bim inglês
 
Gabarito 1o. bim história
Gabarito 1o. bim   históriaGabarito 1o. bim   história
Gabarito 1o. bim história
 
Gabarito 1o. bim geografia
Gabarito 1o. bim   geografiaGabarito 1o. bim   geografia
Gabarito 1o. bim geografia
 

Reginaldo enem geo 2013 (2)

  • 1. ENEM 2013 - QUESTÕES RELACIONADAS À GEOGRAFIA 1. Disponível em: www.filosofia.com.br. Acesso em: 30 abr. 2010. Pelas características da linguagem visual e pelas escolhas vocabulares, pode-se entender que o texto possibilita a reflexão sobre uma problemática contemporânea ao a) criticar o transporte rodoviário brasileiro, em razão da grande quantidade de caminhões nas estradas. b) ironizar a dificuldade de locomoção no trânsito urbano, devida ao grande fluxo de veículos. c) expor a questão do movimento como um problema existente desde tempos antigos, conforme frase citada. d) restringir os problemas de tráfego a veículos particulares, defendendo, como solução, o transporte público. e) propor a ampliação de vias nas estradas, detalhando o espaço exíguo ocupado pelos veículos nas ruas. 2. Então, a travessia das veredas sertanejas é mais exaustiva que a de uma estepe nua. Nesta, ao menos, o viajante tem o desafogo de um horizonte largo e a perspectiva das planuras francas. Ao passo que a outra o afoga; abrevia-lhe o olhar; agride-o e estonteia-o; enlaça-o na trama espinescente e não o atrai; repulsa-o com as folhas urticantes, com o espinho, com os gravetos estalados em lanças, e desdobra-se-lhe na frente léguas e léguas, imutável no aspecto desolado; árvore sem folhas, de galhos estorcidos e secos, revoltos, entrecruzados, apontando rijamente no espaço ou estirando- se flexuosos pelo solo, lembrando um bracejar imenso, de tortura, da flora agonizante… CUNHA, E. Os sertões. Disponível em: http://pt.scribd.com. Acesso em: 2 jun. 2012.
  • 2. Os elementos da paisagem descritos no texto correspondem a aspectos biogeográficos presentes na a) composição de vegetação xerófila. b) formação de florestas latifoliadas. c) transição para mata de grande porte. d) adaptação à elevada salinidade. e) homogeneização da cobertura perenifólia. 3. De todas as transformações impostas pelo meio técnico-científico-informacional à logística de transportes, interessa-nos mais de perto a intermodalidade. E por uma razão muito simples: o potencial que tal “ferramenta logística” ostenta permite que haja, de fato, um sistema de transportes condizente com a escala geográfica do Brasil. HUERTAS, D. M. O papel dos transportes na expansão recente da fronteira agrícola brasileira. Revista Transporte y Territorio, Universidade de Buenos Aires, n. 3, 2010 (adaptado). A necessidade de modais de transporte interligados, no território brasileiro, justifica-se pela(s) a) variações climáticas no território, associadas à interiorização da produção. b) grandes distâncias e a busca da redução dos custos de transporte. c) formação geológica do país, que impede o uso de um único modal. d) proximidade entre a área de produção agrícola intensiva e os portos. e) diminuição dos fluxos materiais em detrimento de fluxos imateriais. 4. Os mapas representam distintos padrões de distribuição de processos socioespaciais. Nesse sentido, a menor incidência de disputas territoriais envolvendo povos indígenas se explica pela a) fertilização natural dos solos.
  • 3. b) expansão da fronteira agrícola. c) intensificação da migração de retorno. d) homologação de reservas extrativistas. e) concentração histórica da urbanização. 5. O processo registrado no gráfico gerou a seguinte consequência demográfica: a) Decréscimo da população absoluta. b) Redução do crescimento vegetativo. c) Diminuição da proporção de adultos. d) Expansão de políticas de controle da natalidade. e) Aumento da renovação da população economicamente ativa. 6. Trata-se de um gigantesco movimento de construção de cidades, necessário para o assentamento residencial dessa população, bem como de suas necessidades de trabalho, abastecimento, transportes, saúde, energia, água etc. Ainda que o rumo tomado pelo crescimento urbano não tenha respondido satisfatoriamente a todas essas necessidades, o território foi ocupado e foram construídas as condições para viver nesse espaço. MARICATO, E. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis, Vozes, 2001. A dinâmica de transformação das cidades tende a apresentar como consequência a expansão das áreas periféricas pelo(a) a) crescimento da população urbana e aumento da especulação imobiliária. b) direcionamento maior do fluxo de pessoas, devido à existência de um grande número de serviços. c) delimitação de áreas para uma ocupação organizada do espaço físico, melhorando a qualidade de vida. d) implantação de políticas públicas que promovem a moradia e o direito à cidade aos seus moradores. e) reurbanização de moradias nas áreas centrais, mantendo o trabalhador próximo ao seu emprego, diminuindo os deslocamentos para a periferia.
  • 4. 7. Texto I A nossa luta é pela democratização da propriedade da terra, cada vez mais concentrada em nosso país. Cerca de 1% de todos os proprietários controla 46% das terras. Fazemos pressão por meio da ocupação de latifúndios improdutivos e grandes propriedades, que não cumprem a função social, como determina a Constituição de 1988. Também ocupamos as fazendas que têm origem na grilagem de terras públicas. Disponível em: www.mst.org.br. Acesso em: 25 ago. 2011 (adaptado). Texto II O pequeno proprietário rural é igual a um pequeno proprietário de loja: quanto menor o negócio mais difícil de manter, pois tem de ser produtivo e os encargos são difíceis de arcar. Sou a favor de propriedades produtivas e sustentáveis e que gerem empregos. Apoiar uma empresa produtiva que gere emprego é muito mais barato e gera muito mais do que apoiar a reforma agrária. LESSA, C. Disponível em: www.observadorpolítico.org.br. Acesso em: 25 ago. 2011 (adaptado). Nos fragmentos dos textos, os posicionamentos em relação à reforma agrária se opõem. Isso acontece porque os autores associam a reforma agrária, respectivamente, à a) redução do inchaço urbano e à crítica ao minifúndio camponês. b) ampliação da renda nacional e à prioridade ao mercado externo. c) contenção da mecanização agrícola e ao combate ao êxodo rural. d) privatização de empresas estatais e ao estímulo ao crescimento econômico. e) correção de distorções históricas e ao prejuízo ao agronegócio. 8. Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à base de ventos, no sudeste da Bahia. O Complexo Eólico Alto Sertão, em 2014, terá capacidade para gerar 375MW (megawatts), total suficiente para abastecer uma cidade de 3 milhões de habitantes. MATOS, C. “GE busca bons ventos e fecha contrato de R$820mi na Bahia”. Folha de S. Paulo, 2 dez. 2012. A opção tecnológica retratada na notícia proporciona a seguinte consequência para o sistema energético brasileiro: a) Redução da utilização elétrica. b) Ampliação do uso bioenergético. c) Expansão de fontes renováveis. d) Contenção da demanda urbano-industrial. e) Intensificação da dependência geotérmica. 9. Nos últimos decênios, o território conhece grandes mudanças em função de acréscimos técnicos que renovam a sua materialidade, como resultado e condição, ao mesmo tempo, dos processos econômicos e sociais em curso. SANTOS, M.; SILVEIRA; M. L. O Brasil: território e sociedade do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2004 (adaptado).
  • 5. A partir da última década, verifica-se a ocorrência no Brasil de alterações significativas no território, ocasionando impactos sociais, culturais e econômicos sobre comunidades locais, e com maior intensidade, na Amazônia Legal, com a a) reforma e ampliação de aeroportos nas capitais dos estados. b) ampliação de estádios de futebol para a realização de eventos esportivos. c) construção de usinas hidrelétricas sobre os rios Tocantins, Xingu e Madeira. d) instalação de cabos para a formação de uma rede informatizada de comunicação. e) formação de uma infraestrutura de torres que permitem a comunicação móvel na região. 10. Embora haja dados comuns que dão unidade ao fenômeno da urbanização na África, na Ásia e na América Latina, os impactos são distintos em cada continente e mesmo dentro de cada país, ainda que as modernizações se deem com o mesmo conjunto de inovações. ELIAS, D. Fim do século e urbanização no Brasil. Revista Ciência Geográfica, ano IV, n. 11, set./dez. 1988. O texto aponta para a complexidade da urbanização nos diferentes contextos socioespaciais. Comparando a organização socioeconômica das regiões citadas, a unidade desse fenômeno é perceptível no aspecto a) espacial, em função do sistema integrado que envolve as cidades locais e globais. b) cultural, em função da semelhança histórica e da condição de modernização econômica e política. c) demográfico, em função da localização das maiores aglomerações urbanas e continuidade do fluxo campo-cidade. d) territorial, em função da estrutura de organização e planejamento das cidades que atravessam as fronteiras nacionais. e) econômico, em função da revolução agrícola que transformou o campo e a cidade e contribui para a fixação do homem ao lugar. 11. Disneylândia Multinacionais japonesas instalam empresas em Hong-Kong E produzem com matéria-prima brasileira Para competir no mercado americano [...] Pilhas americanas alimentam eletrodomésticos ingleses na Nova Guiné Gasolina árabe alimenta automóveis americanos na África do Sul [...] Crianças iraquianas fugidas da guerra Não obtêm visto no consulado americano do Egito Para entrarem na Disneylândia ANTUNES, A. Disponível em: www.radio.uol.com.br. Acesso em: 3 fev. 2013 (fragmento). Na canção, ressalta-se a coexistência, no contexto internacional atual, das seguintes situações: a) Acirramento do controle alfandegário e estímulo ao capital especulativo. b) Ampliação das trocas econômicas e seletividade dos fluxos populacionais. c) Intensificação do controle informacional e adoção de barreiras fitossanitárias. d) Aumento da circulação mercantil e desregulamentação do sistema financeiro. e) Expansão do protecionismo comercial e descaracterização de identidades nacionais.
  • 6. 12. Disponível em <hhtp://ig.com.br>. Acesso em: 23 ago. 2011 (adaptado) No esquema, o problema atmosférico relacionado ao ciclo da água acentuou-se após as revoluções industriais. Uma consequência direta desse problema está na a) redução da flora. b) elevação das marés. c) erosão das encostas. d) laterização dos solos. e) fragmentação das rochas. 13. Na imagem, visualiza-se um método de cultivo e as transformações provocadas no espaço geográfico. O objetivo imediato da técnica agrícola utilizada é
  • 7. a) controlar a erosão laminar. b) preservar as nascentes fluviais. c) diminuir a contaminação química. d) incentivar a produção transgênica. e) implantar a mecanização intensiva. 14. Um gigante da indústria da internet, em gesto simbólico, mudou o tratamento que conferia à sua página palestina. O site de buscas alterou sua página quando acessada da Cisjordânia. Em vez de “territórios palestinos”, a empresa escreve agora “Palestina” logo abaixo do logotipo. BERCITO, D. “Google muda tratamento de territórios palestinos”. Folha de S. Paulo, 4 maio 2013 (adaptado). O gesto simbólico sinalizado pela mudança no status dos territórios palestinos significa o a) surgimento de um país binacional. b) fortalecimento de movimentos antissemitas. c) esvaziamento de assentamentos judaicos. d) reconhecimento de uma autoridade jurídica. e) estabelecimento de fronteiras nacionais. 15. Ninguém desconhece a necessidade que todos os fazendeiros têm de aumentar o número de seus trabalhadores. E como até há pouco supriam-se os fazendeiros dos braços necessários? As fazendas eram alimentadas pela aquisição de escravos, sem o menor auxílio pecuniário do governo. Ora, se os fazendeiros se supriam de braços à sua custa, e se é possível obtê-los ainda, posto que de outra qualidade, por que motivo não hão de procurar alcançá-los pela mesma maneira, isto é, à sua custa? Resposta de Manuel Felizardo de Sousa e Mello, diretor geral das Terras Públicas, ao Senador Vergueiro. In: ALENCASTRO, L. F. (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1988 (adaptado). O fragmento do discurso dirigido ao parlamentar do Império refere-se às mudanças então em curso no campo brasileiro, que confrontam o Estado e a elite agrária em torno do objetivo de a) fomentar ações públicas para ocupação das terras do interior. b) adotar o regime assalariado para proteção da mão de obra estrangeira. c) definir uma política de subsídio governamental para o fomento da imigração. d) regulamentar o tráfico interprovincial de cativos para a sobrevivência das fazendas. e) financiar afixação de famílias camponesas para estímulo da agricultura de subsistência. 16.
  • 8. O artista gráfico polonês Pawla Kuczynskiego nasceu em 1976 e recebeu diversos prêmios por suas ilustrações. Nessa obra, ao abordar o trabalho infantil, Kuczynskiego usa sua arte para a) difundir a origem de marcantes diferenças sociais. b) estabelecer uma postura proativa da sociedade. c) provocar a reflexão sobre essa realidade. d) propor alternativas para solucionar esse problema. e) retratar como a questão é enfrentada em vários países do mundo. 17. A charge revela uma crítica aos meios de comunicação, em especial à internet, porque a) questiona a integração das pessoas nas redes virtuais de relacionamento. b) considera as relações sociais como menos importantes que as virtuais.
  • 9. c) enaltece a pretensão do homem de estar em todos os lugares ao mesmo tempo. d) descreve com precisão as sociedades humanas no mundo globalizado. e) concebe a rede de computadores como o espaço mais eficaz para a construção de relações sociais. 18. Na imagem, estão representados dois modelos de produção. A possibilidade de uma crise de superprodução é distinta entre eles em função do seguinte fator: a) Origem da matéria-prima. b) Qualificação da mão de obra. c) Velocidade de processamento. d) Necessidade de armazenamento. e) Amplitude do mercado consumidor.
  • 10. ENEM 2013 – COM GABARITO 1. Disponível em: www.filosofia.com.br. Acesso em: 30 abr. 2010. Pelas características da linguagem visual e pelas escolhas vocabulares, pode-se entender que o texto possibilita a reflexão sobre uma problemática contemporânea ao a) criticar o transporte rodoviário brasileiro, em razão da grande quantidade de caminhões nas estradas. b) ironizar a dificuldade de locomoção no trânsito urbano, devida ao grande fluxo de veículos. c) expor a questão do movimento como um problema existente desde tempos antigos, conforme frase citada. d) restringir os problemas de tráfego a veículos particulares, defendendo, como solução, o transporte público. e) propor a ampliação de vias nas estradas, detalhando o espaço exíguo ocupado pelos veículos nas ruas. 2. Então, a travessia das veredas sertanejas é mais exaustiva que a de uma estepe nua. Nesta, ao menos, o viajante tem o desafogo de um horizonte largo e a perspectiva das planuras francas. Ao passo que a outra o afoga; abrevia-lhe o olhar; agride-o e estonteia-o; enlaça-o na trama espinescente e não o atrai; repulsa-o com as folhas urticantes, com o espinho, com os gravetos estalados em lanças, e desdobra-se-lhe na frente léguas e léguas, imutável no aspecto desolado; árvore sem folhas, de galhos estorcidos e secos, revoltos, entrecruzados, apontando rijamente no espaço ou estirando- se flexuosos pelo solo, lembrando um bracejar imenso, de tortura, da flora agonizante… CUNHA, E. Os sertões. Disponível em: http://pt.scribd.com. Acesso em: 2 jun. 2012. Os elementos da paisagem descritos no texto correspondem a aspectos biogeográficos presentes na
  • 11. a) composição de vegetação xerófila. b) formação de florestas latifoliadas. c) transição para mata de grande porte. d) adaptação à elevada salinidade. e) homogeneização da cobertura perenifólia. 3. De todas as transformações impostas pelo meio técnico-científico-informacional à logística de transportes, interessa-nos mais de perto a intermodalidade. E por uma razão muito simples: o potencial que tal “ferramenta logística” ostenta permite que haja, de fato, um sistema de transportes condizente com a escala geográfica do Brasil. HUERTAS, D. M. O papel dos transportes na expansão recente da fronteira agrícola brasileira. Revista Transporte y Territorio, Universidade de Buenos Aires, n. 3, 2010 (adaptado). A necessidade de modais de transporte interligados, no território brasileiro, justifica-se pela(s) a) variações climáticas no território, associadas à interiorização da produção. b) grandes distâncias e a busca da redução dos custos de transporte. c) formação geológica do país, que impede o uso de um único modal. d) proximidade entre a área de produção agrícola intensiva e os portos. e) diminuição dos fluxos materiais em detrimento de fluxos imateriais. 4. Os mapas representam distintos padrões de distribuição de processos socioespaciais. Nesse sentido, a menor incidência de disputas territoriais envolvendo povos indígenas se explica pela a) fertilização natural dos solos. b) expansão da fronteira agrícola. c) intensificação da migração de retorno.
  • 12. d) homologação de reservas extrativistas. e) concentração histórica da urbanização. 5. O processo registrado no gráfico gerou a seguinte consequência demográfica: a) Decréscimo da população absoluta. b) Redução do crescimento vegetativo. c) Diminuição da proporção de adultos. d) Expansão de políticas de controle da natalidade. e) Aumento da renovação da população economicamente ativa. 6. Trata-se de um gigantesco movimento de construção de cidades, necessário para o assentamento residencial dessa população, bem como de suas necessidades de trabalho, abastecimento, transportes, saúde, energia, água etc. Ainda que o rumo tomado pelo crescimento urbano não tenha respondido satisfatoriamente a todas essas necessidades, o território foi ocupado e foram construídas as condições para viver nesse espaço. MARICATO, E. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis, Vozes, 2001. A dinâmica de transformação das cidades tende a apresentar como consequência a expansão das áreas periféricas pelo(a) a) crescimento da população urbana e aumento da especulação imobiliária. b) direcionamento maior do fluxo de pessoas, devido à existência de um grande número de serviços. c) delimitação de áreas para uma ocupação organizada do espaço físico, melhorando a qualidade de vida. d) implantação de políticas públicas que promovem a moradia e o direito à cidade aos seus moradores. e) reurbanização de moradias nas áreas centrais, mantendo o trabalhador próximo ao seu emprego, diminuindo os deslocamentos para a periferia. 7.
  • 13. Texto I A nossa luta é pela democratização da propriedade da terra, cada vez mais concentrada em nosso país. Cerca de 1% de todos os proprietários controla 46% das terras. Fazemos pressão por meio da ocupação de latifúndios improdutivos e grandes propriedades, que não cumprem a função social, como determina a Constituição de 1988. Também ocupamos as fazendas que têm origem na grilagem de terras públicas. Disponível em: www.mst.org.br. Acesso em: 25 ago. 2011 (adaptado). Texto II O pequeno proprietário rural é igual a um pequeno proprietário de loja: quanto menor o negócio mais difícil de manter, pois tem de ser produtivo e os encargos são difíceis de arcar. Sou a favor de propriedades produtivas e sustentáveis e que gerem empregos. Apoiar uma empresa produtiva que gere emprego é muito mais barato e gera muito mais do que apoiar a reforma agrária. LESSA, C. Disponível em: www.observadorpolítico.org.br. Acesso em: 25 ago. 2011 (adaptado). Nos fragmentos dos textos, os posicionamentos em relação à reforma agrária se opõem. Isso acontece porque os autores associam a reforma agrária, respectivamente, à a) redução do inchaço urbano e à crítica ao minifúndio camponês. b) ampliação da renda nacional e à prioridade ao mercado externo. c) contenção da mecanização agrícola e ao combate ao êxodo rural. d) privatização de empresas estatais e ao estímulo ao crescimento econômico. e) correção de distorções históricas e ao prejuízo ao agronegócio. 8. Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à base de ventos, no sudeste da Bahia. O Complexo Eólico Alto Sertão, em 2014, terá capacidade para gerar 375MW (megawatts), total suficiente para abastecer uma cidade de 3 milhões de habitantes. MATOS, C. “GE busca bons ventos e fecha contrato de R$820mi na Bahia”. Folha de S. Paulo, 2 dez. 2012. A opção tecnológica retratada na notícia proporciona a seguinte consequência para o sistema energético brasileiro: a) Redução da utilização elétrica. b) Ampliação do uso bioenergético. c) Expansão de fontes renováveis. d) Contenção da demanda urbano-industrial. e) Intensificação da dependência geotérmica. 9. Nos últimos decênios, o território conhece grandes mudanças em função de acréscimos técnicos que renovam a sua materialidade, como resultado e condição, ao mesmo tempo, dos processos econômicos e sociais em curso. SANTOS, M.; SILVEIRA; M. L. O Brasil: território e sociedade do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2004 (adaptado).
  • 14. A partir da última década, verifica-se a ocorrência no Brasil de alterações significativas no território, ocasionando impactos sociais, culturais e econômicos sobre comunidades locais, e com maior intensidade, na Amazônia Legal, com a a) reforma e ampliação de aeroportos nas capitais dos estados. b) ampliação de estádios de futebol para a realização de eventos esportivos. c) construção de usinas hidrelétricas sobre os rios Tocantins, Xingu e Madeira. d) instalação de cabos para a formação de uma rede informatizada de comunicação. e) formação de uma infraestrutura de torres que permitem a comunicação móvel na região. 10. Embora haja dados comuns que dão unidade ao fenômeno da urbanização na África, na Ásia e na América Latina, os impactos são distintos em cada continente e mesmo dentro de cada país, ainda que as modernizações se deem com o mesmo conjunto de inovações. ELIAS, D. Fim do século e urbanização no Brasil. Revista Ciência Geográfica, ano IV, n. 11, set./dez. 1988. O texto aponta para a complexidade da urbanização nos diferentes contextos socioespaciais. Comparando a organização socioeconômica das regiões citadas, a unidade desse fenômeno é perceptível no aspecto a) espacial, em função do sistema integrado que envolve as cidades locais e globais. b) cultural, em função da semelhança histórica e da condição de modernização econômica e política. c) demográfico, em função da localização das maiores aglomerações urbanas e continuidade do fluxo campo-cidade. d) territorial, em função da estrutura de organização e planejamento das cidades que atravessam as fronteiras nacionais. e) econômico, em função da revolução agrícola que transformou o campo e a cidade e contribui para a fixação do homem ao lugar. 11. Disneylândia Multinacionais japonesas instalam empresas em Hong-Kong E produzem com matéria-prima brasileira Para competir no mercado americano [...] Pilhas americanas alimentam eletrodomésticos ingleses na Nova Guiné Gasolina árabe alimenta automóveis americanos na África do Sul [...] Crianças iraquianas fugidas da guerra Não obtêm visto no consulado americano do Egito Para entrarem na Disneylândia ANTUNES, A. Disponível em: www.radio.uol.com.br. Acesso em: 3 fev. 2013 (fragmento). Na canção, ressalta-se a coexistência, no contexto internacional atual, das seguintes situações: a) Acirramento do controle alfandegário e estímulo ao capital especulativo. b) Ampliação das trocas econômicas e seletividade dos fluxos populacionais. c) Intensificação do controle informacional e adoção de barreiras fitossanitárias. d) Aumento da circulação mercantil e desregulamentação do sistema financeiro. e) Expansão do protecionismo comercial e descaracterização de identidades nacionais.
  • 15. 12. Disponível em <hhtp://ig.com.br>. Acesso em: 23 ago. 2011 (adaptado) No esquema, o problema atmosférico relacionado ao ciclo da água acentuou-se após as revoluções industriais. Uma consequência direta desse problema está na a) redução da flora. b) elevação das marés. c) erosão das encostas. d) laterização dos solos. e) fragmentação das rochas. 13. Na imagem, visualiza-se um método de cultivo e as transformações provocadas no espaço geográfico. O objetivo imediato da técnica agrícola utilizada é
  • 16. a) controlar a erosão laminar. b) preservar as nascentes fluviais. c) diminuir a contaminação química. d) incentivar a produção transgênica. e) implantar a mecanização intensiva. 14. Um gigante da indústria da internet, em gesto simbólico, mudou o tratamento que conferia à sua página palestina. O site de buscas alterou sua página quando acessada da Cisjordânia. Em vez de “territórios palestinos”, a empresa escreve agora “Palestina” logo abaixo do logotipo. BERCITO, D. “Google muda tratamento de territórios palestinos”. Folha de S. Paulo, 4 maio 2013 (adaptado). O gesto simbólico sinalizado pela mudança no status dos territórios palestinos significa o a) surgimento de um país binacional. b) fortalecimento de movimentos antissemitas. c) esvaziamento de assentamentos judaicos. d) reconhecimento de uma autoridade jurídica. e) estabelecimento de fronteiras nacionais. 15. Ninguém desconhece a necessidade que todos os fazendeiros têm de aumentar o número de seus trabalhadores. E como até há pouco supriam-se os fazendeiros dos braços necessários? As fazendas eram alimentadas pela aquisição de escravos, sem o menor auxílio pecuniário do governo. Ora, se os fazendeiros se supriam de braços à sua custa, e se é possível obtê-los ainda, posto que de outra qualidade, por que motivo não hão de procurar alcançá-los pela mesma maneira, isto é, à sua custa? Resposta de Manuel Felizardo de Sousa e Mello, diretor geral das Terras Públicas, ao Senador Vergueiro. In: ALENCASTRO, L. F. (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1988 (adaptado). O fragmento do discurso dirigido ao parlamentar do Império refere-se às mudanças então em curso no campo brasileiro, que confrontam o Estado e a elite agrária em torno do objetivo de a) fomentar ações públicas para ocupação das terras do interior. b) adotar o regime assalariado para proteção da mão de obra estrangeira. c) definir uma política de subsídio governamental para o fomento da imigração. d) regulamentar o tráfico interprovincial de cativos para a sobrevivência das fazendas. e) financiar afixação de famílias camponesas para estímulo da agricultura de subsistência. 16.
  • 17. O artista gráfico polonês Pawla Kuczynskiego nasceu em 1976 e recebeu diversos prêmios por suas ilustrações. Nessa obra, ao abordar o trabalho infantil, Kuczynskiego usa sua arte para a) difundir a origem de marcantes diferenças sociais. b) estabelecer uma postura proativa da sociedade. c) provocar a reflexão sobre essa realidade. d) propor alternativas para solucionar esse problema. e) retratar como a questão é enfrentada em vários países do mundo. 17. A charge revela uma crítica aos meios de comunicação, em especial à internet, porque a) questiona a integração das pessoas nas redes virtuais de relacionamento. b) considera as relações sociais como menos importantes que as virtuais.
  • 18. c) enaltece a pretensão do homem de estar em todos os lugares ao mesmo tempo. d) descreve com precisão as sociedades humanas no mundo globalizado. e) concebe a rede de computadores como o espaço mais eficaz para a construção de relações sociais. 18. Na imagem, estão representados dois modelos de produção. A possibilidade de uma crise de superprodução é distinta entre eles em função do seguinte fator: a) Origem da matéria-prima. b) Qualificação da mão de obra. c) Velocidade de processamento. d) Necessidade de armazenamento. e) Amplitude do mercado consumidor.