SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
AGENDA
 Acolhimento;
 Aconchego literário: Bichos Autor: Francisco Gilson
 Blitz dos resultados;
 Retomada das Aprendizagens;
 Conversando sobre avaliação;
 Construção de novas práticas e evidências de aprendizagens;
 Planejamento da formação municipal;
 Encerramento.
Blitz dos Resultados
Painel interativo (momento de escuta de
forma dinâmica).
Retomada do Percurso Formativo
1. Priorização Curricular
1. Como surgiu o Plano Curricular Prioritário (PCP)?
2. Qual intenção/objetivo da criação do PCP?
3. De onde são retiradas as habilidades basilares?
4. Como se estrutura o PCP?
5. No que resultou o PCP?
Retomada do Percurso Formativo
2. Acompanhamento Pedagógico
1. Qual importância de ser um professor que observa?
2. O que entende-se por acompanhamento pedagógico?
3. Quando inicia-se o ato de acompanhar?
4. Qual importância do uso de rotinas pedagógicas para o
acompanhamento?
5. Qual importância, na prática de acompanhamento dos
instrumentais?
6. Qual importância do feedback, tanto para os alunos como para
quem está sendo acompanhado?
2.3 Sequência de atividades: Uma proposta para
acompanhar a aprendizagem
O piloto levanta vôo sem saber para onde
irá ou quais recursos utilizará?
Rota – Direção, trajeto, um caminho a seguir de um ponto a outro,
no caso aéreo, rota do sol.
 Leitura e discussão do tópico;
 Apresentação de uma Sequência de atividade (Noticia e Baladão)
Para Refletir…
Como a avaliação pode auxiliar o professor na
verificação da aprendizagem do aluno?
A avaliação pode ser:
 Diagnóstica: Entrada – inicial;
 Formativa: contínua – processual – qualitativa;
 Somativa: Final – produto – quantitativa.
A avaliação sem a devida fundamentação teórica e
metodológica constitui-se apenas um ato mecânico.
PARA LUCKESI
Provas e exames, são apenas instrumentos de
classificação e seleção, que não contribuem para a
qualidade do aprendizado nem para o acesso de
todos ao sistema de ensino.
Cipriano Carlos Luckesi é um dos nomes de referência
em avaliação da aprendizagem escolar, assunto no
qual se especializou ao longo de quatro décadas.
Nessa trajetória, que começou pelo conhecimento
técnico dos instrumentos de medição de
aproveitamento, o educador avançou para o
aprofundamento das questões teóricas, chegando à
seguinte definição de avaliação escolar: "Um juízo de
qualidade sobre dados relevantes para uma tomada
de decisão".
Portanto, segundo essa concepção, não há avaliação
se ela não trouxer um diagnóstico que contribua para
melhorar a aprendizagem. Atingido esse ponto,
Luckesi passou a estudar as implicações políticas da
avaliação, suas relações com o planejamento e a
prática de ensino e, finalmente, seus aspectos
psicológicos.
As conclusões de Luckesi, apontam para a superação
de toda uma cultura escolar que ainda relaciona
avaliação com exames e reprovação.
PARADA ESTRATÉGICA!
VAMOS ANALISAR UM CAPÍTULO DO NOVO
MATERIAL ESTRUTURADO E A SUA
PRODUÇÃO DE EVIDÊNCIAS DE
APRENDIZAGEM
Negociação de sentidos
Material estruturado 5º Ano 4º bimestre página 76 à 79.
 A turma será dividida em grupos para analisar um capítulo do
Material Estruturado.
 A partir da leitura do Cartão de Atividade e da análise do capítulo,
o grupo deverá identificar a habilidade trabalhada, os objetivos de
aprendizagem e como as atividades auxiliam na coleta de
evidências de aprendizagem.
 O tempo para a análise em grupo será de 30 minutos;
 Os grupos farão a socialização das suas propostas de forma
integrada e terão 2 minutos para expor suas respostas.
Em quais ações realizadas pelos estudantes,
eles podem evidenciar que estão atingindo
os objetivos de aprendizagem propostos?
Para Refletir…
8,0 - Parabéns, seu
trabalho está
muito bom.
C - Precisa
melhorar.
B - Está
maravilhoso!
9,0 - Show de
bola.
6,0 - Bom
trabalho.
A - Parabéns,
arrasou!
Para Refletir…
 Como as devolutivas mostradas no slide
apoiam a aprendizagem?
 Quais as características de uma avaliação que
apoia a aprendizagem?
Construção de Novas Práticas
Trabalho em grupos
1ª parte
 Vamos analisar os próximos capítulos da unidade que iniciamos o
estudo.
 Vocês devem identificar os objetivos de aprendizagem das aulas
presentes no capítulo e elencar as evidências de aprendizagem
esperadas para cada um dos capítulos.
 Tempo: 30 minutos para a discussão e registro e 10 minutos para a
socialização.
RETOMANDO O VOO
Na maioria das vezes, esquecemos que os
alunos precisam saber como estão sendo
avaliados, quais são as habilidades,
conhecimentos e/ou atitudes que você espera
que eles desenvolvam a partir de determinada
situação didática.
A estrutura dos objetivos e a escolha da avaliação
deve estar de acordo com a forma que você
Por exemplo, se você está enviando materiais para
aprendam conceitos (vídeo aulas e textos),
que assistam a um vídeo; sem propor pesquisas,
aprofundamentos ou fóruns de discussão, faria
como objetivos “Trabalhar em grupo e colaborar
“Elaborar argumentos bem construídos e
Como a metodologia que você usou permitiu que os
estudantes exercitassem essas habilidades? Em que
momento os alunos puderam desenvolver o trabalho em
grupo ou a construção de argumentos? Da mesma
forma…. se você aplicar uma prova individual com
questões de múltipla escolha, como vai conseguir “medir”
se os alunos trabalharam em grupo?
Conteúdo Objetivos Metodologia Recursos Formas de avaliação
Qual o tema da sua aula?
conceitos/habilidades ou
vai trabalhar?
O que você gostaria que o
aprendesse? O que você
ele fizesse após a situação
aprendizagem que você
aplicou?
O que você fará para que o
alcance os objetivos? Como
conduzir a aula para que ele
desenvolva o que você
objetivo?
O que você usará como
trabalhar a metodologia? Um
Um vídeo? Uma lousa?
Como você poderá
evidências de aprendizagem?
identificar se o objetivo foi
não? (pode ter sido, também,
parcialmente atingido).
Esse planejamento pode ser apresentado aos alunos para que,
durante o processo de aprendizagem e ao final dele, ele possa
saber, de maneira muito clara, como foi avaliado, o que conseguiu
desenvolver, onde errou e definir novos caminhos de
aprofundamento ou de reforço, por exemplo.
Partindo disso, para ajudá-lo a elaborar instrumentos de avaliação
objetivos, esse material descreve o uso da rubrica e como ela
poderá ajudar ao professor em sua prática pedagógica.
O queé Rubrica?
No dicionário Houaiss, encontramos as seguintes definições:
1) Pequena anotação ou comentário acerca do que se observou, leu
ou deve ser memorizado; apontamento, lembrete, nota;
2) Indicação geral do assunto e/ou da categoria de algo;
3) Nos antigos códices, letra ou linha inicial e capítulo escrita em
vermelho (em rubro, daí “rubrica’);
4) Conjunto de prescrições e normas que regulam a celebração
dos atos litúrgicos;
5) Assinatura abreviada, geralmente reduzida às iniciais.
A rubrica é um instrumento de avaliação apresentado na forma de
tabela, construída e modificada com base nos critérios específicos
(relacionados a uma atividade ou qualquer outra tarefa) que se deseja
avaliar.
Para elaborar uma rubrica, é importante saber claramente quais
critérios são importantes para você avaliar o estudante e, caso haja,
qual a ordem de importância de cada um desses critérios (você poderá
atribuir pesos diferentes a eles).
Uma das principais características desse instrumento é tornar os
critérios de avaliação objetivos e explícitos. Se possível, é
importante escrever uma pequena descrição para que o aluno
entenda quais são os níveis intermediários em relação ao objetivo
esperado. Além disso, ela deve ser apresentada e discutida com os
alunos antes de ser aplicada a um determinado contexto para que
eles saibam quais serão os critérios de avaliação e possam
direcionar sua aprendizagem para cumpri-los.
As rubricas precisam descrever níveis de desempenho ou
competências, deixando claro o “nível” intermediário e não apenas os
dois extremos. Além disso, se você usar palavras subjetivas na rubrica,
ela perderá a sua especificidade. Por exemplo: criatividade. É preciso
deixar explícito quais os critérios para avaliar criatividade.
A rubrica prepara o caminho para um feedback ágil e de fácil
compreensão, especialmente se foi discutida com os estudantes antes
da realização da tarefa. A agilidade e a clareza do feedback são um dos
fatores que permite aos estudantes a superação de suas dificuldades.
 Comodeveserumarubrica?
Segundo Porto (2005)
1) Rubricas necessitam ser feita sob medida para as tarefas ou produtos que se
pretende avaliar;
2) Rubricas precisam descrever níveis de desempenho, de competência, na
realização de tarefas específicas, ou de um produto específico.
3) No seu conjunto, esses níveis de competência, descrevem qualquer resultado
possível sobre o desempenho de um aluno;
4) Rubricas determinam expectativas de desempenho.
Rubricas são ferramentas.
As rubricas de avaliação são inúteis e improdutivas se
a avaliação que se pretende por trás for limitada e
pobre.
Características desejadas:
FACILIDADE: tornar fácil avaliar problemas complexos;
OBJETIVIDADE: conseguir avaliar de uma forma objetiva;
GRANULARIDADE: possuir granularidade (níveis)
adequada.
GRADATIVA: explicar gradualmente o desempenho que se espera de um aluno com
relação a uma tarefa individual, em grupo, ou em relação a um curso como um todo.
TRANSPARÊNCIA: tornar o processo de avaliação transparente, de modo que os
alunos saibam os critérios de avaliação e tenham controle do seu aprendizado.
HERANÇA: a rubrica deve herdar as características da avaliação escolhida.
“ O sentido da avaliação é compreender o que se passa na interação entre o
ensino e a aprendizagem para uma intervenção consciente e melhorada do
professor, refazendo o seu planejamento e o seu ensino e para que o
aprendente tome consciência também de sua trajetória de aprendizagem e
possa criar suas próprias estratégias de aprendizagem.
Nesse ponto de vista, a produção do aluno, inclusive o erro, é compreendido
como uma fonte riquíssima de conhecimento da dinâmica da qualidade e do
trabalho pedagógico e do caminho de aprendizagem discente. Mapear a
reação do aprendente à intervenção docente é a razão de ser do processo
avaliativo em sala de aula. Esse mapeamento tem como fim possibilitar uma
diversificação didática sintonizada e proximal das necessidades do
educando”. (Silva, 2004, p. 60)
Objetivos e evidências de aprendizagem
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM EVIDÊNCIAS DE APRENDIZAGEM
Descobrir pela leitura de textos selecionados
as regularidades dos verbos terminados em
-AM ou -ÃO
Identifica que verbos no passado terminam
com -AM, partindo do texto.
Identifica que verbos no futuro terminam com
-ÃO, partindo do texto.
Reconhece regularidades no uso do -AM ou -
ÃO na escrita de verbos.
Exercitar as descobertas das regularidades na
escrita dos verbos terminados em -AM ou -
ÃO
Reconhece os diferentes tempos verbais
identificando as terminações -AM e -ÃO
relacionadas a esses tempos.
Reescreve o texto alterando o tempo verbal
utilizando a terminação correta.
Revisar as descobertas das regularidades na
escrita dos verbos terminados em -AM ou -
ÃO
Localiza e reescreve verbos terminados em
-AM e -ÃO.
Analisa e revisa verbos terminados em -AM e
-ÃO.
Para Refletir…
Como as evidências de aprendizagem apoiam o
professor a perceber o desenvolvimento da
habilidade até o final da unidade?
Rubrica
Esquemas explícitos para classificar produtos
ou comportamentos, em categorias que variam
ao longo de um contínuo e que seu uso permite
que a avaliação seja feita pelos próprios
estudantes, por pares ou pelos professores,
mantendo a coerência com o que se pretende
avaliar.
Construção de rubrica
CRITÉRIO SIM EM PARTE NÃO
Reconhece
regularidades no uso
do -AM ou -ÃO na
escrita de verbos.
Identificou o verbos
dentro dos tempos
verbais, relacionou os
verbos com as
terminações e
justificou suas
escolhas.
Identificou o verbos
dentro dos tempos
verbais, relacionou os
verbos com as
terminações ainda
sem consistência e
justificou em parte
suas escolhas.
Não distinguiu os
verbos dentro dos
tempos verbais e não
relacionou os verbos
com as terminações.
Trabalho em grupos
2ª parte
 Analisem as evidências de aprendizagem. Elas representam
critérios que mostram se os estudantes alcançaram ou não a
habilidade ao final da unidade.
 Partindo desses critérios, construa uma gradação para verificar o
nível de alcance da habilidade de cada estudante.
 Tempo: 20 minutos para a discussão e registro e 10 minutos para a
 socialização.
Construção de rubrica
CRITÉRIO SIM EM PARTE NÃO
Para finalizar…
Ǫuais as características de um professor
avaliador?
Pensar como um avaliador antes de planejar as aulas não acontece
tão naturalmente ou facilmente para muitos professores. Estamos
muito acostumados a pensar como um planejador de atividades ou
como professor depois que temos um objetivo. Ou seja, fácil e
inconscientemente, nós pulamos para o planejamento das aulas,
atividades e tarefas, sem primeiro nos perguntarmos de quais
desempenhos e produtos precisamos para seguir ensinando.
Planejamento para a compreensão. Wiggins e McTighe. pág. 147.
Critérios para a produção da tarefa de
desempenho
 Segue as etapas do Material, mesmo que seja necessário adaptações;
 Promove a reflexão-ação-reflexão no ato de planejar;
 Considera os níveis de aprendizagem dos alunos;
 Adapta alguns elementos conforme a realidade dos alunos;
 Desenvolve as habilidades propostas;
 Promove o protagonismo dos alunos no processo de aprendizagem
Mais algum?
Planejamento da Formação Municipal
Avaliação do Encontro
O encontro de hoje me possibilitou ...
https://www.youtube.com/watch?v=wFfeolX-Rrg
Amyr Klink: Um Homem Precisa Viajar (Mar Sem Fim).
“Voar não é só pra quem tem asas, mas
principalmente para quem tem sonhos
para realizar”
Jonatan Felipe
Slide módulo 4.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Slide módulo 4.pptx

Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Ana Rita S de Souza
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
aline totti
 
Projeto avaliação extensão final
Projeto avaliação  extensão finalProjeto avaliação  extensão final
Projeto avaliação extensão final
Gabriel Gnaccarini
 
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Karlla Costa
 
Caderno avaliacao pnaic
Caderno avaliacao pnaicCaderno avaliacao pnaic
Caderno avaliacao pnaic
Keila Arruda
 
Apresentação para slideshare
Apresentação para slideshareApresentação para slideshare
Apresentação para slideshare
neiva valadares
 
Planejamento Educacao Física
Planejamento Educacao FísicaPlanejamento Educacao Física
Planejamento Educacao Física
Danilo Pires
 

Semelhante a Slide módulo 4.pptx (20)

Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
 
Projeto avaliação extensão final
Projeto avaliação  extensão finalProjeto avaliação  extensão final
Projeto avaliação extensão final
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Avaliação do dia 1704 gisele
Avaliação do dia 1704   giseleAvaliação do dia 1704   gisele
Avaliação do dia 1704 gisele
 
Planejamento e trabalho docente
Planejamento e  trabalho docentePlanejamento e  trabalho docente
Planejamento e trabalho docente
 
Caderno avaliacao pnaic
Caderno avaliacao pnaicCaderno avaliacao pnaic
Caderno avaliacao pnaic
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
oficina-avaliacao-dani-e-selena-final.pptx
oficina-avaliacao-dani-e-selena-final.pptxoficina-avaliacao-dani-e-selena-final.pptx
oficina-avaliacao-dani-e-selena-final.pptx
 
2ª formação AAP 2015
2ª formação   AAP 20152ª formação   AAP 2015
2ª formação AAP 2015
 
Apresentação para slideshare
Apresentação para slideshareApresentação para slideshare
Apresentação para slideshare
 
ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS - CICLO II - 2016
ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS - CICLO II - 2016ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS - CICLO II - 2016
ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS - CICLO II - 2016
 
avaliação da aprendizagem . Educação, ppt
avaliação da aprendizagem . Educação, pptavaliação da aprendizagem . Educação, ppt
avaliação da aprendizagem . Educação, ppt
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Planejamento Educacao Física
Planejamento Educacao FísicaPlanejamento Educacao Física
Planejamento Educacao Física
 

Mais de Antônia marta Silvestre da Silva

Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdfPlanejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Antônia marta Silvestre da Silva
 
DOCUMENTO CURRICULAR REFERENCIAL DO CEARÁ.pdf
DOCUMENTO CURRICULAR REFERENCIAL DO CEARÁ.pdfDOCUMENTO CURRICULAR REFERENCIAL DO CEARÁ.pdf
DOCUMENTO CURRICULAR REFERENCIAL DO CEARÁ.pdf
Antônia marta Silvestre da Silva
 

Mais de Antônia marta Silvestre da Silva (20)

2° ano_PLANO_DE_CURSO em PDF referente ao 2° ano do Ensino fundamental
2° ano_PLANO_DE_CURSO em PDF referente ao 2° ano do Ensino fundamental2° ano_PLANO_DE_CURSO em PDF referente ao 2° ano do Ensino fundamental
2° ano_PLANO_DE_CURSO em PDF referente ao 2° ano do Ensino fundamental
 
TRILHA DOS DESCRITORES - 5º ano Língua Portuguesa
TRILHA DOS DESCRITORES - 5º ano Língua PortuguesaTRILHA DOS DESCRITORES - 5º ano Língua Portuguesa
TRILHA DOS DESCRITORES - 5º ano Língua Portuguesa
 
♡Planejamento Anual 5º ano -Língua guesa
♡Planejamento Anual 5º ano -Língua guesa♡Planejamento Anual 5º ano -Língua guesa
♡Planejamento Anual 5º ano -Língua guesa
 
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdfPlanejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
 
PLANO DECURSO ED. FÍSICA 3º AO 5° ANOS ~~ALCIONE.pdf
PLANO DECURSO ED. FÍSICA 3º AO 5° ANOS ~~ALCIONE.pdfPLANO DECURSO ED. FÍSICA 3º AO 5° ANOS ~~ALCIONE.pdf
PLANO DECURSO ED. FÍSICA 3º AO 5° ANOS ~~ALCIONE.pdf
 
CORRELAÇÃO DE MATRIZES 1º AO 5ºº ANO.pdf
CORRELAÇÃO DE MATRIZES 1º AO 5ºº ANO.pdfCORRELAÇÃO DE MATRIZES 1º AO 5ºº ANO.pdf
CORRELAÇÃO DE MATRIZES 1º AO 5ºº ANO.pdf
 
Planejamento bimestral 5º ano de todas as disciplinas
Planejamento bimestral 5º ano de todas as disciplinasPlanejamento bimestral 5º ano de todas as disciplinas
Planejamento bimestral 5º ano de todas as disciplinas
 
DOCUMENTO CURRICULAR REFERENCIAL DO CEARÁ.pdf
DOCUMENTO CURRICULAR REFERENCIAL DO CEARÁ.pdfDOCUMENTO CURRICULAR REFERENCIAL DO CEARÁ.pdf
DOCUMENTO CURRICULAR REFERENCIAL DO CEARÁ.pdf
 
Plano de Aula Português 4º ano - com o gênero textual conto de fadas e questõ...
Plano de Aula Português 4º ano - com o gênero textual conto de fadas e questõ...Plano de Aula Português 4º ano - com o gênero textual conto de fadas e questõ...
Plano de Aula Português 4º ano - com o gênero textual conto de fadas e questõ...
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA.pdf
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA.pdfCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA.pdf
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA.pdf
 
EXERC_1-PROVA-BRASIL-DESCR-15-5o-Ano-L.P.docx
EXERC_1-PROVA-BRASIL-DESCR-15-5o-Ano-L.P.docxEXERC_1-PROVA-BRASIL-DESCR-15-5o-Ano-L.P.docx
EXERC_1-PROVA-BRASIL-DESCR-15-5o-Ano-L.P.docx
 
3ª FORMAÇÃO REGIONAL - PAIC INTEGRAL CEARÁ
3ª FORMAÇÃO REGIONAL - PAIC INTEGRAL CEARÁ3ª FORMAÇÃO REGIONAL - PAIC INTEGRAL CEARÁ
3ª FORMAÇÃO REGIONAL - PAIC INTEGRAL CEARÁ
 
BALADÃO TIK TOK 2º ano COM OS DESCRITORES DO SAEB\SPAECE
BALADÃO TIK TOK  2º ano COM OS DESCRITORES DO SAEB\SPAECEBALADÃO TIK TOK  2º ano COM OS DESCRITORES DO SAEB\SPAECE
BALADÃO TIK TOK 2º ano COM OS DESCRITORES DO SAEB\SPAECE
 
fORMAÇÃO CONTINUADA AVALIAÇÕES EXTERNAS.pptx
fORMAÇÃO CONTINUADA AVALIAÇÕES EXTERNAS.pptxfORMAÇÃO CONTINUADA AVALIAÇÕES EXTERNAS.pptx
fORMAÇÃO CONTINUADA AVALIAÇÕES EXTERNAS.pptx
 
AULAO_DE_LINGUA_PORTUGUESA.pptx
AULAO_DE_LINGUA_PORTUGUESA.pptxAULAO_DE_LINGUA_PORTUGUESA.pptx
AULAO_DE_LINGUA_PORTUGUESA.pptx
 
Eixo+de+Literatura_Anos+Iniciais_Módulo+1_2023+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
Eixo+de+Literatura_Anos+Iniciais_Módulo+1_2023+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptxEixo+de+Literatura_Anos+Iniciais_Módulo+1_2023+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
Eixo+de+Literatura_Anos+Iniciais_Módulo+1_2023+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
 
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptxvariaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
 
descritor 26 .1.3.pptx
descritor 26 .1.3.pptxdescritor 26 .1.3.pptx
descritor 26 .1.3.pptx
 
BALADINHA VOANDO MAIS ALTO .pptx
BALADINHA VOANDO MAIS ALTO .pptxBALADINHA VOANDO MAIS ALTO .pptx
BALADINHA VOANDO MAIS ALTO .pptx
 
AÇÕES DE DEZEMBRO.pptx
AÇÕES DE DEZEMBRO.pptxAÇÕES DE DEZEMBRO.pptx
AÇÕES DE DEZEMBRO.pptx
 

Último

ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 

Slide módulo 4.pptx

  • 1.
  • 2. AGENDA  Acolhimento;  Aconchego literário: Bichos Autor: Francisco Gilson  Blitz dos resultados;  Retomada das Aprendizagens;  Conversando sobre avaliação;  Construção de novas práticas e evidências de aprendizagens;  Planejamento da formação municipal;  Encerramento.
  • 3. Blitz dos Resultados Painel interativo (momento de escuta de forma dinâmica).
  • 4. Retomada do Percurso Formativo 1. Priorização Curricular 1. Como surgiu o Plano Curricular Prioritário (PCP)? 2. Qual intenção/objetivo da criação do PCP? 3. De onde são retiradas as habilidades basilares? 4. Como se estrutura o PCP? 5. No que resultou o PCP?
  • 5. Retomada do Percurso Formativo 2. Acompanhamento Pedagógico 1. Qual importância de ser um professor que observa? 2. O que entende-se por acompanhamento pedagógico? 3. Quando inicia-se o ato de acompanhar? 4. Qual importância do uso de rotinas pedagógicas para o acompanhamento? 5. Qual importância, na prática de acompanhamento dos instrumentais? 6. Qual importância do feedback, tanto para os alunos como para quem está sendo acompanhado?
  • 6. 2.3 Sequência de atividades: Uma proposta para acompanhar a aprendizagem O piloto levanta vôo sem saber para onde irá ou quais recursos utilizará? Rota – Direção, trajeto, um caminho a seguir de um ponto a outro, no caso aéreo, rota do sol.  Leitura e discussão do tópico;  Apresentação de uma Sequência de atividade (Noticia e Baladão)
  • 7. Para Refletir… Como a avaliação pode auxiliar o professor na verificação da aprendizagem do aluno?
  • 8. A avaliação pode ser:  Diagnóstica: Entrada – inicial;  Formativa: contínua – processual – qualitativa;  Somativa: Final – produto – quantitativa.
  • 9. A avaliação sem a devida fundamentação teórica e metodológica constitui-se apenas um ato mecânico. PARA LUCKESI Provas e exames, são apenas instrumentos de classificação e seleção, que não contribuem para a qualidade do aprendizado nem para o acesso de todos ao sistema de ensino.
  • 10. Cipriano Carlos Luckesi é um dos nomes de referência em avaliação da aprendizagem escolar, assunto no qual se especializou ao longo de quatro décadas. Nessa trajetória, que começou pelo conhecimento técnico dos instrumentos de medição de aproveitamento, o educador avançou para o aprofundamento das questões teóricas, chegando à seguinte definição de avaliação escolar: "Um juízo de qualidade sobre dados relevantes para uma tomada de decisão".
  • 11. Portanto, segundo essa concepção, não há avaliação se ela não trouxer um diagnóstico que contribua para melhorar a aprendizagem. Atingido esse ponto, Luckesi passou a estudar as implicações políticas da avaliação, suas relações com o planejamento e a prática de ensino e, finalmente, seus aspectos psicológicos.
  • 12. As conclusões de Luckesi, apontam para a superação de toda uma cultura escolar que ainda relaciona avaliação com exames e reprovação.
  • 13. PARADA ESTRATÉGICA! VAMOS ANALISAR UM CAPÍTULO DO NOVO MATERIAL ESTRUTURADO E A SUA PRODUÇÃO DE EVIDÊNCIAS DE APRENDIZAGEM
  • 14. Negociação de sentidos Material estruturado 5º Ano 4º bimestre página 76 à 79.  A turma será dividida em grupos para analisar um capítulo do Material Estruturado.  A partir da leitura do Cartão de Atividade e da análise do capítulo, o grupo deverá identificar a habilidade trabalhada, os objetivos de aprendizagem e como as atividades auxiliam na coleta de evidências de aprendizagem.  O tempo para a análise em grupo será de 30 minutos;  Os grupos farão a socialização das suas propostas de forma integrada e terão 2 minutos para expor suas respostas.
  • 15. Em quais ações realizadas pelos estudantes, eles podem evidenciar que estão atingindo os objetivos de aprendizagem propostos?
  • 16. Para Refletir… 8,0 - Parabéns, seu trabalho está muito bom. C - Precisa melhorar. B - Está maravilhoso! 9,0 - Show de bola. 6,0 - Bom trabalho. A - Parabéns, arrasou!
  • 17. Para Refletir…  Como as devolutivas mostradas no slide apoiam a aprendizagem?  Quais as características de uma avaliação que apoia a aprendizagem?
  • 18. Construção de Novas Práticas Trabalho em grupos 1ª parte  Vamos analisar os próximos capítulos da unidade que iniciamos o estudo.  Vocês devem identificar os objetivos de aprendizagem das aulas presentes no capítulo e elencar as evidências de aprendizagem esperadas para cada um dos capítulos.  Tempo: 30 minutos para a discussão e registro e 10 minutos para a socialização.
  • 20. Na maioria das vezes, esquecemos que os alunos precisam saber como estão sendo avaliados, quais são as habilidades, conhecimentos e/ou atitudes que você espera que eles desenvolvam a partir de determinada situação didática.
  • 21. A estrutura dos objetivos e a escolha da avaliação deve estar de acordo com a forma que você Por exemplo, se você está enviando materiais para aprendam conceitos (vídeo aulas e textos), que assistam a um vídeo; sem propor pesquisas, aprofundamentos ou fóruns de discussão, faria como objetivos “Trabalhar em grupo e colaborar “Elaborar argumentos bem construídos e
  • 22. Como a metodologia que você usou permitiu que os estudantes exercitassem essas habilidades? Em que momento os alunos puderam desenvolver o trabalho em grupo ou a construção de argumentos? Da mesma forma…. se você aplicar uma prova individual com questões de múltipla escolha, como vai conseguir “medir” se os alunos trabalharam em grupo?
  • 23. Conteúdo Objetivos Metodologia Recursos Formas de avaliação Qual o tema da sua aula? conceitos/habilidades ou vai trabalhar? O que você gostaria que o aprendesse? O que você ele fizesse após a situação aprendizagem que você aplicou? O que você fará para que o alcance os objetivos? Como conduzir a aula para que ele desenvolva o que você objetivo? O que você usará como trabalhar a metodologia? Um Um vídeo? Uma lousa? Como você poderá evidências de aprendizagem? identificar se o objetivo foi não? (pode ter sido, também, parcialmente atingido).
  • 24. Esse planejamento pode ser apresentado aos alunos para que, durante o processo de aprendizagem e ao final dele, ele possa saber, de maneira muito clara, como foi avaliado, o que conseguiu desenvolver, onde errou e definir novos caminhos de aprofundamento ou de reforço, por exemplo. Partindo disso, para ajudá-lo a elaborar instrumentos de avaliação objetivos, esse material descreve o uso da rubrica e como ela poderá ajudar ao professor em sua prática pedagógica.
  • 25. O queé Rubrica? No dicionário Houaiss, encontramos as seguintes definições: 1) Pequena anotação ou comentário acerca do que se observou, leu ou deve ser memorizado; apontamento, lembrete, nota; 2) Indicação geral do assunto e/ou da categoria de algo; 3) Nos antigos códices, letra ou linha inicial e capítulo escrita em vermelho (em rubro, daí “rubrica’); 4) Conjunto de prescrições e normas que regulam a celebração dos atos litúrgicos; 5) Assinatura abreviada, geralmente reduzida às iniciais.
  • 26. A rubrica é um instrumento de avaliação apresentado na forma de tabela, construída e modificada com base nos critérios específicos (relacionados a uma atividade ou qualquer outra tarefa) que se deseja avaliar. Para elaborar uma rubrica, é importante saber claramente quais critérios são importantes para você avaliar o estudante e, caso haja, qual a ordem de importância de cada um desses critérios (você poderá atribuir pesos diferentes a eles).
  • 27. Uma das principais características desse instrumento é tornar os critérios de avaliação objetivos e explícitos. Se possível, é importante escrever uma pequena descrição para que o aluno entenda quais são os níveis intermediários em relação ao objetivo esperado. Além disso, ela deve ser apresentada e discutida com os alunos antes de ser aplicada a um determinado contexto para que eles saibam quais serão os critérios de avaliação e possam direcionar sua aprendizagem para cumpri-los.
  • 28. As rubricas precisam descrever níveis de desempenho ou competências, deixando claro o “nível” intermediário e não apenas os dois extremos. Além disso, se você usar palavras subjetivas na rubrica, ela perderá a sua especificidade. Por exemplo: criatividade. É preciso deixar explícito quais os critérios para avaliar criatividade. A rubrica prepara o caminho para um feedback ágil e de fácil compreensão, especialmente se foi discutida com os estudantes antes da realização da tarefa. A agilidade e a clareza do feedback são um dos fatores que permite aos estudantes a superação de suas dificuldades.
  • 29.  Comodeveserumarubrica? Segundo Porto (2005) 1) Rubricas necessitam ser feita sob medida para as tarefas ou produtos que se pretende avaliar; 2) Rubricas precisam descrever níveis de desempenho, de competência, na realização de tarefas específicas, ou de um produto específico. 3) No seu conjunto, esses níveis de competência, descrevem qualquer resultado possível sobre o desempenho de um aluno; 4) Rubricas determinam expectativas de desempenho.
  • 30. Rubricas são ferramentas. As rubricas de avaliação são inúteis e improdutivas se a avaliação que se pretende por trás for limitada e pobre.
  • 31. Características desejadas: FACILIDADE: tornar fácil avaliar problemas complexos; OBJETIVIDADE: conseguir avaliar de uma forma objetiva; GRANULARIDADE: possuir granularidade (níveis) adequada. GRADATIVA: explicar gradualmente o desempenho que se espera de um aluno com relação a uma tarefa individual, em grupo, ou em relação a um curso como um todo. TRANSPARÊNCIA: tornar o processo de avaliação transparente, de modo que os alunos saibam os critérios de avaliação e tenham controle do seu aprendizado. HERANÇA: a rubrica deve herdar as características da avaliação escolhida.
  • 32. “ O sentido da avaliação é compreender o que se passa na interação entre o ensino e a aprendizagem para uma intervenção consciente e melhorada do professor, refazendo o seu planejamento e o seu ensino e para que o aprendente tome consciência também de sua trajetória de aprendizagem e possa criar suas próprias estratégias de aprendizagem. Nesse ponto de vista, a produção do aluno, inclusive o erro, é compreendido como uma fonte riquíssima de conhecimento da dinâmica da qualidade e do trabalho pedagógico e do caminho de aprendizagem discente. Mapear a reação do aprendente à intervenção docente é a razão de ser do processo avaliativo em sala de aula. Esse mapeamento tem como fim possibilitar uma diversificação didática sintonizada e proximal das necessidades do educando”. (Silva, 2004, p. 60)
  • 33. Objetivos e evidências de aprendizagem OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM EVIDÊNCIAS DE APRENDIZAGEM Descobrir pela leitura de textos selecionados as regularidades dos verbos terminados em -AM ou -ÃO Identifica que verbos no passado terminam com -AM, partindo do texto. Identifica que verbos no futuro terminam com -ÃO, partindo do texto. Reconhece regularidades no uso do -AM ou - ÃO na escrita de verbos. Exercitar as descobertas das regularidades na escrita dos verbos terminados em -AM ou - ÃO Reconhece os diferentes tempos verbais identificando as terminações -AM e -ÃO relacionadas a esses tempos. Reescreve o texto alterando o tempo verbal utilizando a terminação correta. Revisar as descobertas das regularidades na escrita dos verbos terminados em -AM ou - ÃO Localiza e reescreve verbos terminados em -AM e -ÃO. Analisa e revisa verbos terminados em -AM e -ÃO.
  • 34. Para Refletir… Como as evidências de aprendizagem apoiam o professor a perceber o desenvolvimento da habilidade até o final da unidade?
  • 35. Rubrica Esquemas explícitos para classificar produtos ou comportamentos, em categorias que variam ao longo de um contínuo e que seu uso permite que a avaliação seja feita pelos próprios estudantes, por pares ou pelos professores, mantendo a coerência com o que se pretende avaliar.
  • 36. Construção de rubrica CRITÉRIO SIM EM PARTE NÃO Reconhece regularidades no uso do -AM ou -ÃO na escrita de verbos. Identificou o verbos dentro dos tempos verbais, relacionou os verbos com as terminações e justificou suas escolhas. Identificou o verbos dentro dos tempos verbais, relacionou os verbos com as terminações ainda sem consistência e justificou em parte suas escolhas. Não distinguiu os verbos dentro dos tempos verbais e não relacionou os verbos com as terminações.
  • 37. Trabalho em grupos 2ª parte  Analisem as evidências de aprendizagem. Elas representam critérios que mostram se os estudantes alcançaram ou não a habilidade ao final da unidade.  Partindo desses critérios, construa uma gradação para verificar o nível de alcance da habilidade de cada estudante.  Tempo: 20 minutos para a discussão e registro e 10 minutos para a  socialização.
  • 39. Para finalizar… Ǫuais as características de um professor avaliador?
  • 40. Pensar como um avaliador antes de planejar as aulas não acontece tão naturalmente ou facilmente para muitos professores. Estamos muito acostumados a pensar como um planejador de atividades ou como professor depois que temos um objetivo. Ou seja, fácil e inconscientemente, nós pulamos para o planejamento das aulas, atividades e tarefas, sem primeiro nos perguntarmos de quais desempenhos e produtos precisamos para seguir ensinando. Planejamento para a compreensão. Wiggins e McTighe. pág. 147.
  • 41. Critérios para a produção da tarefa de desempenho  Segue as etapas do Material, mesmo que seja necessário adaptações;  Promove a reflexão-ação-reflexão no ato de planejar;  Considera os níveis de aprendizagem dos alunos;  Adapta alguns elementos conforme a realidade dos alunos;  Desenvolve as habilidades propostas;  Promove o protagonismo dos alunos no processo de aprendizagem Mais algum?
  • 43. Avaliação do Encontro O encontro de hoje me possibilitou ...
  • 44. https://www.youtube.com/watch?v=wFfeolX-Rrg Amyr Klink: Um Homem Precisa Viajar (Mar Sem Fim).
  • 45. “Voar não é só pra quem tem asas, mas principalmente para quem tem sonhos para realizar” Jonatan Felipe