O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Avaliação do dia 1704 gisele

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 35 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Quem viu também gostou (20)

Anúncio

Semelhante a Avaliação do dia 1704 gisele (20)

Mais de Rosemary Batista (20)

Anúncio

Avaliação do dia 1704 gisele

  1. 1. Avaliação no Ciclo de Alfabetização: Reflexões e Sugestões Gisele Gelmi Pólo de Marília – SP Ano: 2013
  2. 2. O que é AVALIAR ? verificar estimar representar julgar situar dar uma opinião determinar
  3. 3. 1. PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO: Fundamentos e Reflexões  De 1920 a 1930 (avaliação com enfoque técnico): Mensuração, utilização de testes e exames.  De 1930 a 1940 (avaliação com papel descritivo): “Avaliação Educacional”, com foco em descrever padrões e critérios.  Dos finais dos anos 60 até final dos 80 (avaliação centrada no julgamento): Com enfoque psicossocial, o mérito e a relevância como essenciais ao juízo de valor.
  4. 4. 1. PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO: Fundamentos e Reflexões  Dos finais dos anos 80 e início dos anos 90 (negociação): Enfoque construtivista. Processo interativo e dialógico entre avaliador e avaliado. Aspectos qualitativos. Não é vista mais como TRADICIONALISTA SOMATIVA, ou seja, com interesses voltados à análise de resultados do tipo sim / não, passa / não passa. Mas, com enfoque... PROGRESSISTA FORMATIVA, pois permite intervir nas ações de ensino e aprendizagem com o curso desse PROCESSO ainda em desenvolvimento. Intenção: Coletar dados que permitam a revisão do programa. Ação que... Inclui vários sujeitos / intencional / multidirecional
  5. 5. 1. PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO: Fundamentos e Reflexões  AVALIAÇÃO: INTERNA: da Aprendizagem (formativa / do estudante). Ponto de partida para se avaliar a própria escola. EXTERNA: de controle. • Provinha Brasil: - Nível de conhecimento da leitura e da apropriação do sistema de escrita. Oralidade e a produção textual não são contempladas; - Realizar outras atividades para coletar informações sobre os diferentes eixos de ensino; Qual o grande problema da Avaliação hoje??? • Avaliação do Sistema de Ensino (Estados e Municípios)
  6. 6. 1. PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO: Fundamentos e Reflexões AVALIAÇÃO: Compreensão do processo de construção das aprendizagens pelos estudantes e de reflexão sobre as estratégias de ensino do professor(a). E não para reprovar ou excluir os estudantes. INSTRUMENTOS VARIADOS: Que permitam analisar a progressão dos estudantes e suas relações com as estratégias didáticas adotadas. CLAREZA DOS OBJETIVOS: “Quem sabe onde quer chegar, escolhe o caminho certo e o jeito de caminhar." Delimitar o que as crianças precisam aprender... O que se pretende dos(as) estudantes???
  7. 7. Exemplo: Avaliação Administrativa de Professores(as) Grelha de Realidade Itens de avaliação leitura observável  pontualidade e assiduidade retrato indivíduo robô concreto  atividade e ideal captado eficiência por meio de  autoridade e alguns sinais prestígio
  8. 8. Avaliação é o ato pelo qual se formula um juízo de “valor” incidindo num objeto determinado (indivíduo, situação, ação, projeto, etc) por meio de um confronto entre duas séries de dados: do fato em si e do ideal. (Hadji, 1994)
  9. 9. 2. AVALIAÇÃO ESCOLAR: Envolvimento em Rede  Avaliação do currículo: Realizada por diferentes participantes do processo educativo: equipes pedagógicas das secretarias e das escolas, professores, comunidade.  Projeto Político Pedagógico: • Definir coletivamente as prioridades de ensino, as estratégias didáticas e os projetos a serem elaborados; • Construir opções variadas para atender aos estudantes / considerar diferentes necessidades; • Construção e a avaliação permanente do PPP da escola. Monitoramento e a avaliação contínua das ações; • Prever modos de avaliação coletiva da própria escola; • A avaliação do(a) professor(a); • Autoavaliação: reflexão de própria ação; • A avaliação feita pelos pais e pelos estudantes auxilia o(a) professor(a) a pensar seus “pontos fortes” e onde ele pode melhorar.
  10. 10. 2. DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO: Sugestões  Atividade diagnóstica: Antes do processo de ensino, com a intenção de programar adequadamente. Orientada pelos objetivos.  Avaliação Contínua: Redefinições das estratégias de ensino no processo.  Atenção: aos Direitos de aprendizagem inseridos nos cadernos da Unidade 1. O que se espera ensinar na etapa escolar? Apropriação do Sistema de Escrita Alfabética (SEA):  Importância dos registros de acompanhamento: elucidam formas de sistematização de informações sobre os(as) estudantes. (Ano 1, 2 e 3 – Unidade 1. Habilidades / competências e conhecimentos, p. 38 - 40)
  11. 11. 2. DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO: Sugestões  AVALIAÇÃO DA LEITURA: • Localizar informação explícita no texto; • Inferir: é importante verificar a capacidade da criança em utilizar conhecimentos prévios ou resgatar partes de um texto para inferir alguma informação; • Compreender a finalidade do texto; • Apreender assuntos / temas tratados em textos; • Estabelecer relação de intertextualidade.
  12. 12. 2. DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO: Sugestões  AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO TEXTUAL: Esforço da criança em manter a unidade de sentido, em estabelecer relações coesivas, em atentar para a sequência do texto; Pode-se analisar diferentes aspectos: Linguísticos: utilização de mecanismos coesivos; organização sequencial do texto, a progressão temática; organização de texto em partes/ parágrafo; pontuação; escrita com correção ortográfica; escrita com correção quanto à acentuação; Sociocomunicativos: reflexões sobre o gênero / finalidades da escrita / contexto de produção;
  13. 13. 2. DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO: Sugestões  Oralidade (Competências Discursivas): • Não se reduz à fala cotidiana, mas aos usos em instâncias mais públicas de interação / espaços diversos / atividades de escuta e produção de textos orais; • Ler em voz alta, conversar e discutir. Suporte para o desenvolvimento de outras competências; • Avaliar algumas habilidades voltadas para oralidade é traçar roteiros de observação considerando as expectativas de aprendizagem da etapa correspondente e as peculiaridades da comunidade na qual a escola está inserida.
  14. 14. 2.1 ROTEIRO DE ATIVIDADES: Sugestões  Contação de histórias: 1. Pesquisar na biblioteca ou no cantinho de leitura da sala quais as obras que registram lendas. 2. Listar os títulos de algumas lendas para a turma. 3. Fazer uma votação para eleger qual lenda a professora contará. 4. Organizar uma roda para contação da lenda escolhida. 5. Após, organizar a turma em duplas ou grupos e pedir para que elas escolham uma lenda para apresentar para a outra turma. 6. Solicitar às duplas que leiam a lenda e ensaiem a melhor forma de contar para os alunos de outra turma.
  15. 15. 2.1 ROTEIRO DE ATIVIDADES: Sugestões  Entrevista: 1. Apresentar à turma a proposta de entrevistar funcionários da escola para conhecer as atividades realizadas por esses profissionais e as razões pelas quais estão trabalhando na função. 2. Elaborar coletivamente um roteiro de perguntas para conhecer as pessoas que trabalham na escola, as atividades realizadas por elas, os motivos pelos quais trabalham na escola e as razões pelas quais escolheram a profissão. 3. Organizar a turma, em duplas ou trios, para entrevistar os funcionários da escola. 4. Orientar que, no momento da entrevista, prestem atenção nas respostas, anotando tudo em uma folha de papel. 5. Gravar a entrevista e analisá-la (Roteiro).
  16. 16. 2.1 ROTEIRO DE ATIVIDADES: Sugestões  Debate (Resolução de problemas): 1. Sugerir para a turma que seja realizado um debate para resolver um problema que tem solução, mas ele não é conhecido e é preciso elaborá-lo coletivamente, explorando as contribuições de cada um. 2. Organizar a turma em dois grupos, solicitando que elenquem quais pontos de vista serão defendidos (mesmo se tratando de um gênero oral, essa atividade pode ser realizada por escrito). 3. Após a leitura de textos, cada grupo deverá elaborar seu discurso para apresentar para o grupo oponente. 4. Definir as regras que serão utilizadas durante o debate. 5. Durante o debate fazer com que os alunos percebam a capacidade de retomada do discurso do outro, capacidade crítica dos grupos, capacidade de escuta e respeito pelo outro, capacidade de tomar posição.
  17. 17. 2.1 ROTEIRO DE ATIVIDADES: Sugestões  Seminário escolar: 1. Apresentar à turma sugestões de temáticas para a elaboração do seminário escolar. (temáticas que tenham relação às vivências dos alunos no período da realização das atividades); 2. Organizar a turma em pequenos grupos para a apresentação dos seminários; 3. Solicitar que as crianças realizem pesquisas na internet e na biblioteca da escola sobre as temáticas que foram selecionadas para os seminários; 4. Seleção e sistematização das informações colhidas durante a pesquisa para elaboração de cartazes que serão utilizados nas apresentações dos seminários; 5. Realização de ensaios para a apresentação dos seminários e posteriormente, apresentação.
  18. 18. 3. AVALIAÇÃO NA ALFABETIZAÇÃO : Sugestões e Considerações  Importante: • Ler e compreender textos de gêneros diversos para atender a diferentes finalidades. Buscar neles a construção de sentidos; • Leitor: alguém que INTERAGE (ASSOCIA, POSICIONA-SE, FAZ INFERÊNCIAS) com textos escritos, muito antes de conseguir apropriar-se do SEA; • Introduzir / Aprofundar / Consolidar; • Interação: mediada por outras pessoas / intencionalidade pedagógica; • Envolve: sala de aula, biblioteca escolar, laboratório de informática, pátio (nas festividades e culminâncias de projetos) e os corredores; • Ter clareza que o gênero textual escolhido pode ser mais ou menos indicado para avaliar algumas dessas habilidades; • Priorizados textos completos. A leitura de palavras também pode ser utilizada nas avaliações diagnósticas, mas sem deixar de lado as atividades de compreensão textual;
  19. 19. 3. AVALIAÇÃO NA ALFABETIZAÇÃO : Sugestões e Considerações • “Indiferença às diferenças”, (tratar todos(as) como iguais, ao passo que os aprendizes são desiguais. O ciclo de alfabetização propõe, ao contrário, uma pedagogia diferenciada, na qual a criança deve progredir a cada ano no ciclo, porém com efetiva aprendizagem (Bourdieu, 1998); • Diferentes atividades: bingo de letras e palavras, formação de palavras com alfabeto móvel, escrita espontânea de palavras, identificação de palavras que rimam ou que começam com o mesmo som, completar palavras com letras ou sílabas, cruzadinhas, dentre outras; • Ditado, não precisamos artificializar a pronúncia; • Conhecimentos sobre as convenções do sistema de escrita: escreve da esquerda pra direita? Lê letra cursiva? Escreve com qual letra?; • Aspectos ortográficos também podem ser avaliados;
  20. 20. 3. AVALIAÇÃO NA ALFABETIZAÇÃO : Sugestões e Considerações • Nem sempre é possível avaliar ao mesmo tempo todas as habilidades, planeje e garanta momentos para diagnosticar / redimensione sua prática, buscando a progressão; • Clareza quanto aos conhecimento a cada ano: que ações devem ser desenvolvidas em cada etapa? O que se vai avaliar em cada uma dessas atividades e para que se está avaliando.
  21. 21. 4. DIFERENTES ASPECTOS A SEREM AVALIADOS: Sugestões
  22. 22. 5. ATIVIDADES: Sugestões
  23. 23. “A atividade que faz sentido para a criança é, então a chave com a qual a criança entra em contato com o mundo, aprende a usar os objetos que os homens foram criando ao longo da história – os instrumentos, a linguagem, os costumes, as técnicas, os objetos materiais e não-materiais, tais como a filosofia, a dança, o teatro – é isso que garante o nascimento de aptidões, capacidades, habilidades, em cada um de nós.” (MELLO, 1999, p. 21) Todas as imagens exibidas nesta apresentação foram autorizadas pelos pais ou responsáveis.
  24. 24. A escola pode ser avaliada em diferentes perspectivas Rubem Alves Há a história daquele genro, recém-casado, em viagem de núpcias por deliciosos países exóticos... Tudo seria perfeito não fossem as imagens de uma sogra feroz e voraz que o perseguiam...Ah! Preço caro tivera de pagar pelas delícias do leito conjugal: a sogra, que não abandonava a filha, já se comportava como governanta da casa. E ele pensava no que poderia fazer para conquistar aquele rosto terrível. Foi quando se lembrou de que ela dissera, certa vez, que gostava muito de pássaros. Estava passando em frente de uma casa de aves exóticas e logo pensou que ali haveria de encontrar o presente perfeito. Lá estava ele: multicolorido, brilhante, aquele canto maravilhoso... Comprou-o a peso de ouro e enviou, via aérea, como oferenda de paz. Presente digno de uma rainha que amaciaria qualquer sogra.
  25. 25. Terminada a viagem, voltam os recém-casados a casa e ao encontro da sogra dona Ferocidade. - E o pássaro, que tal achou? Ele foi logo perguntando. Ao que ela respondeu transfigurada: - Absolutamente delicioso... O homem ignorava que há muitas formas de avaliar um pássaro. Para ele, a ave era objeto estético, para deleite dos olhos e dos ouvidos. Mas a sogra era movida por sensibilidades outras e, segundo seus cânones, um pássaro não se avalia com os olhos, nem com os ouvidos, mas sim com a boca e o estômago. Ele gostava muito de pássaros. E a sogra também. Mas os pássaros que ele amava nada tinham a ver com os pássaros que a sogra devorava. Ambos trabalhavam com critérios de avaliação rigorosos e distintos.
  26. 26. Digo isto a propósito do ensino. Pobres pássaros. Todos dizem que gostam dele. Só que uns buscam ouvir o seu canto e ver suas cores. Outros, ao contrário, falam sobre isto enquanto palitam os dentes... O ensino é para ser avaliado de que jeito? Que é que se avalia nele? Em qual das suas partes se enfia o avaliador? É na chegada ou na travessia? O que vale é o que acontece no fim ou o que acontece enquanto se está indo? Coisa para ser usada – ferramenta – ou coisa para ser fruída – experiência de prazer?
  27. 27. Leio, nos prospectos das escolas, as descrições do que elas fazem. Formam profissionais. O interessante, mesmo, é a forma como o profissional, esta coisa que aparece no fim da linha de montagem chamada escola, é definido. Do jeitinho como se define ferramenta. Chave: instrumento que, metido nas fechaduras, serve para abrir ou fechar portas ou janelas... Serrote: lâmina de aço dentada que serve para cortar madeira... E, assim por diante, para qualquer tipo de ferramenta. É sempre necessário dizer para que serve, qual a utilidade, como deve ser usada. É apenas um meio para outra coisa. E assim são definidos os engenheiros, os advogados, os médicos, os dentistas, os agrônomos: como o conjunto de operações que eles são capazes de executar, do mesmo jeito como se definem as ferramentas. Com uma única diferença: ferramentas são feitas de metal e materiais parecidos, mas os profissionais são feitos de carne e sangue...
  28. 28. Ora, de uma ferramenta pouco importa como ela foi feita. Se foi produzida com técnica capitalista ou comunista, se caiu do céu ou se foi produto de feitiçaria. O que interessa é o produto final, o objetivo pronto, o que está lá, além da travessia, a coisa pronta para ser usada. O que aconteceu no processo de produção é irrelevante. E este processo irrelevante é justamente aquilo que acontece durante os anos de escola: currículos, aulas, laboratórios, provas... Por que é que ele é irrelevante? A resposta é muito simples: se o seu único objetivo é produzir o profissional/ferramenta, o bom mesmo seria que este produto fosse obtido num abrir e fechar de olhos, por um passe de mágica. O forno de microondas é melhor do que os velhos fornos a lenha...Se o importante é chegar, então ir de carro é melhor do que ir a pé...
  29. 29. Se o que se deseja é lenha para queimar, então o negócio é plantar eucaliptos e não jequitibá. O tempo que se gasta, até que a coisa fique pronta, é pura perda de tempo. Vazio. Sem sentido. Só vale porque, no fim, a ferramenta vai aparecer. Mas não seria muito melhor se ela aparecesse sem tanto tempo perdido? A escola: um grande tempo perdido. O importante só irá acontecer, quando os profissionais/ferramentas aparecerem. Acontece que há coisas que só são belas enquanto vão indo, enquanto não chegaram: uma sonata de Mozart, uma partida de xadrez, um poema, Guimarães Rosa, os abraços de amor, a própria vida... E a educação: é ferramenta ou sonata? É produto final ou abraço sem fim?

×