SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Grupos Sanguíneos
Grupo sanguíneo ABO

Karl Landsteiner (1900): O sangue pode ser classificado em tipos sanguíneos – A, B, e
O, segundo a presença ou não de tipos de glicoproteínas na superfície das hemácias.
Essas glicoproteínas funcionam como antígenos se introduzidas em indivíduos de
grupos diferentes e foram denominadas como aglutinogênios. As aglutininas são
substâncias presentes no plasma sanguíneo e que funcionam como anticorpos que
reagem com antígenos estranhos. Existem dois tipos de aglutininas: anti-A e anti-B.
Dessa forma, indivíduos de fenótipo A têm nas hemácias aglutinogênio A e no plasma
aglutinina anti-B. Os do grupo B têm nas hemácias aglutinogênio B e no plasma
aglutinina anti-A. Pessoas do fenótipo AB possuem dois aglutinogênios e nenhuma
das aglutininas. Finalmente, os indivíduos do grupo O não têm nenhum dos
aglutinogênios nas hemácias, porém, têm as duas aglutininas no plasma.

O contato entre um aglutinogênio e sua aglutinina correspondente provoca a
aglutinação do sangue. Assim, indivíduos com sangue Tipo A não podem doar sangue
para indivíduos do Tipo B, e vice-versa. Indivíduos do Tipo AB podem receber sangue
de qualquer grupo. Já os do Tipo O podem doar para qualquer grupo.




Os três genes alelos comuns para o lócus do grupo sanguíneo ABO são: o gene IA que
codifica o antígeno (aglutinogênio) A; o gene IB que codifica o antígeno (aglutinogênio)
B; e o gene i que não codifica nenhum antígeno.

Os genes IA e IB são co-dominantes e o i é recessivo.



Identificação: provas de aglutinação em lâminas com anti-soros (anti-B e anti-B)
contendo anticorpos de especificidade conhecida.

           –   Aglutinação com soro anti-A – grupo A

           –   Aglutinação com soro anti-B – grupo B

           –   Aglutinação com ambos os soros – grupo AB

           –   Sem aglutinação com ambos os soros – grupo O
Transfusão sanguínea

Pessoas com o sangue tipo A podem receber sangue de pessoas do tipo A e do tipo O,
pois o grupo O não possui aglutinogênios.

Pessoas com o sangue tipo B podem receber sangue de pessoas do tipo B e do tipo O,
pois o grupo O não possui aglutinogênios.

Pessoas do grupo AB podem receber sangue dos grupos A, B, AB e O, pois não
possuem aglutininas no plasma.

Pessoas do grupo O só podem receber sangue de pessoas do grupo O, pois possuem
aglutininas anti-A e anti-B.




Substância H

Precursora dos antígenos A e B.
Por exemplo, indivíduos com sangue tipo A produzem uma enzima que converte a
substância H em aglutinogênio A e indivíduos com sangue do tipo B produzem uma
enzima que convertem a substância H em aglutinogênio B.

È formada por uma cadeia de açúcares (N-acetilgalactosamina, D-galactose, N-
acetilgalactosamina e D-galactose) que se liga às hemácias.



Produção da substância H

Gene H (genótipo HH ou Hh) codifica uma enzima chamada alfa-1,2-fucosiltransferase
que catalisa uma reação a qual formará a substância H (liga molécula de L-fucose à D-
galactose terminal)

   •   Indivíduo do grupo A (genótipo IA IA ou IAi)


        gene H + gene A


       Produção de enzima que liga N-acetilgalactosamina à D-galactose terminal do
       antígeno H

   •   Indivíduo do grupo B (genótipo IB IB ou IBi)


       gene H + gene B


       Produção de enzima que liga D-galactose à D-galactose terminal do antígeno H

   •   Indivíduo do grupo AB (genótipo IA IB )

          gene H+ gene A + gene B



        Produção de enzima que liga N-acetilgalactosamina à D-galactose terminal do
       antígeno H e produção de enzima que liga D-galactose à D-galactose terminal do
       antígeno H
Efeito Bombaim

Indivíduos com genótipo hh não produzem a substância H, e como a
substância H não é produzida, não há produção dos antígenos A e/ou B.
Assim, a expressão dos alelos no lócus ABO depende do genótipo no lócus H.
Indivíduo do grupo O verdadeiro produz substância H.

Indivíduos “falsos O” não produzem a substância H e podem transmitir os
genes A e/ou B para seus descendentes, os quais poderão expressar-se na
presença de pelo menos um alelo H.




Secreção dos antígenos A, B e H em líquidos humanos

Antígenos A, B e H também podem ser produzidos em líquidos orgânicos
(saliva, leite materno, sêmen, urina, sucos gástricos) devido à presença de um
gene secretor (Se) com caráter autossômico dominante.

SeSe ou Sese são secretores; sese são não-secretores (suscetibilidade várias
doenças infecciosas).

80% dos caucasianos são secretores.



Frequência

A distribuição dos grupos sanguíneos na população humana não é uniforme. O
mais comum é 0+, enquanto que o mais raro é o AB-.

Além disso, há variações na distribuição nos diferentes grupos étnicos:

Nos aborígenes da Austrália, 68 % são 0 e 32 % são A
Nos esquimós, 86 % são 0
Nos asiáticos, a grande maioria da população é do grupo B.
Percentual de Ocorrência




Tipo Sanguíneo Rhesus (Landsteiner & Wiener, 1940)

Um terceiro sistema de grupos sanguíneos foi descoberto a partir dos experimentos
desenvolvidos por Landsteiner e Wiener, em 1940, com sangue de macaco do gênero
Rhesus. Esses pesquisadores verificaram que ao se injetar o sangue desse macaco
em cobaias, havia produção de anticorpos para combater as hemácias introduzidas.
Ao centrifugar o sangue das cobaias obteve-se o soro que continha anticorpos anti-Rh
e que poderia aglutinar as hemácias do macaco Rhesus. As Conclusões daí obtidas
levariam a descoberta de um antígeno de membrana que foi denominado Rh
(Rhesus), que existia nesta espécie e não em outras como as de cobaia e, portanto,
estimulavam a produção anticorpos, denominados anti-Rh.

Analisando o sangue de muitos indivíduos da espécie humana, Landsteiner verificou
que, ao misturar gotas de sangue dos indivíduos com o soro contendo anti-Rh, cerca
de 85% dos indivíduos apresentavam aglutinação e 15% não apresentavam. Definiu-
se, assim, “o grupo sanguíneo Rh+” (apresentavam o antígeno Rh), e “o grupo Rh-“ (
não apresentavam o antígeno Rh).

No plasma não ocorre naturalmente o anticorpo anti-Rh. O anticorpo, no entanto, pode
ser formado se uma pessoa do grupo Rh-, recebe sangue de uma pessoa do grupo
Rh+.

A presença do antígeno Rh é determinada por genes no cromossomo 1p.
As proteínas que carregam os antígenos Rhesus são proteínas transmembrana, cuja
estrutura sugere que sejam canais de íons.

Os principais antígenos são: C, D, E, c, e. Codificados por dois loci adjacentes, os
genes RHD e RHCE. Os indivíduos que tem em suas hemácias um ou mais dos
antígenos C, D ou E, será considerado portador do antígeno Rh; este indivíduo é Rh
positivo (+).




Grupo sanguíneo MNSs (Landsteiner & Levine, 1927)

Definido por genes no cromossomo 4, com mais de 40 antígenos já detectados.

Os cinco mais importantes são: M, N, S, s, U, associados com reações de transfusão.

Pode ser dividido em dois grupos: antígenos MN e antígenos S, s, U.

Os dois grupos são muito próximos e herdados juntos (ligação gênica). Grande
importância como marcador genético

O Sistema Duffy

O sistema Duffy tem também um único locus com dois antígenos, Fya e Fyb e quatro
fenótipos: Fy(a+b+), Fy(a+b-), Fy(a-b+) e Fy(a-b-). O único fenótipo raro é Fy (a-b-),
que tem uma grande frequência em países onde há alta incidência de plasmodium
falciparium, malária. Esse fenótipo é responsável por uma queda na imunidade da
pessoa em relação à doença porque o parasita da malária requer antígenos Duffy para
entrar nas hemácias. Anticorpos Duffy são quase exclusivamente IgG. Esse sistema é
nomeado depois da família do produtor de anticorpos, Duffy.

O Sistema KIDD (JK)

Outro sistema de locus único, dois grupos de antígenos (Jka e Jkb). Existem quatro
fenótipos possíveis: Jk (a-b-); Jk (a+b-); Jk (a-b+); Jk (a+b+). Jk (a-b-) é um fenótipo
raro. Anticorpos do antígeno Kidd são quase exclusivamente IgG.

Incompatibilidade na transfusão ou na gravidez pode levar a formação de anticorpos
para todos esses grupos sanguíneos, se o receptor/mãe não possui o antígeno
relevante. É possível detectar todos os anticorpos das hemácias usando um painel de
detecção de anticorpos e outras diferentes técnicas. (Alguns anticorpos,
frequentemente a classe IgG, reagem melhor em temperatura ambiente ou um pouco
mais frio, e alguns a 37graus centígrados). Se um anticorpo é detectado em um soro,
as hemácias desse paciente são testadas pela presença de antígenos. Técnicas de
detecção de antígenos também variam com a natureza da interação anticorpo-
antígeno. A presença de um anticorpo particular exclui o paciente de carregar esse
antígeno.

Sistema Kell

Os antígenos do sistema Kell são expressos na glicoproteína transmembrana N-
glicosilada Kell, produto do gene KEL localizado no cromossomo 7. É uma enzima
conversora da endotelina, que cliva a endotelina-3 para produzir uma forma ativa que
e um potente vasoconstritor. Está associado ao sistema XK (cromossomo X) o qual
apresenta apenas um antígeno, o Kx. A gligoproteína que contém os antígenos Kell se
liga ao antígeno Kx por meio de pontes dissulfídricas.. Função pode estar relacionada
a transporte transmembrana. A glicoproteína Kell e expressa principalmente na
linhagem eritroide, testículos e menor expressão no cérebro, tecidos linfoides e tecido
muscular.

Os anticorpos anti-Kell são geralmente da classe IgG. Mais imunogênicos do que
ABO e Rh. Podem causar reações transfusionais e DHRN.

Grupo sanguíneo Lewis

Um grupo sanguíneo baseado em genes no cromossomo 19, ambos com atividade
fucosiltranferase.

Dois principais tipos: Lewis a e Lewis b.

Não são produzidos pelas hemácias, sendo componentes das secreções exócrinas
epiteliais, e normalmente adsorvidos na superfície das hemáceas.

Qualquer combinação dos tipos é possível, sendo Le a+, Le b- a mais comum.

A ligação entre o grupo Lewis e antígenos do ABO foi talvez o primeiro exemplo de
efeitos múltiplos de um gene humano.

A presença de fucosiltransferase converte o antígeno Lewis a em Lewis b.

Pessoas com antígenos Lewis a normalmente são não-secretoras de ABH, e a
presença de antígenos Lewis b faz com que sejam secretoras.

Lewis negativos (Le a-, Le b-) podem ser tanto secretores ou não-secretores.



Eritroblastose fetal

Incompatibilidade entre os grupos sanguíneos da mãe e do feto.

Pode ocorrer por meio de vários tipos sanguíneos: ABO, Rhesus, Kell, Kidd, Lewis,
Duffy, MN, P e outros).

Exemplo com Rhesus:

           –   Filho Rh+ com mãe Rh- estimulando produção de anti-Rh pela mãe
               uma vez que seus glóbulos vermelhos venham a escapar da circulação
               fetal.
           –   1º filho geralmente não sofre a ação dos anticorpos maternos
–   2º filho pode ser prejudicado – destruição das hemácias, anemia,
    liberação de hemácias imaturas no sangue, acúmulo de bilirrubina
    causando icterícia.
–   Monitoramento e tratamento
        • Dosagem periódica de anticorpos no soro materno durante a
            gestação
        • Transfusão de sangue Rh- à criança no útero ou logo após
            nascimento
        • Uso de anticorpos anti-Rh na mãe antes ou até três dias depois
            do parto – destruição das hemácias Rh+ do feto presentes na
            circulação materna, evitando produção de anticorpos pela mãe,
            e posterior memória imunológica.
Grupos Sanguíneos: Classificação, Antígenos, Sistemas e Importância

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Sistema ABO
Sistema ABOSistema ABO
Sistema ABO
 
Frente 1 aula 12 O Fator Rh
Frente 1 aula 12 O Fator RhFrente 1 aula 12 O Fator Rh
Frente 1 aula 12 O Fator Rh
 
Sistema abo
Sistema aboSistema abo
Sistema abo
 
Aula Grupos Sangíneos
Aula Grupos SangíneosAula Grupos Sangíneos
Aula Grupos Sangíneos
 
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeos
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeosHereditariedade dos Grupos SanguíNeos
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeos
 
Sangue (genetica)
Sangue (genetica)Sangue (genetica)
Sangue (genetica)
 
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
 
Ap6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de PrecipitaçãoAp6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de Precipitação
 
Apresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguineaApresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguinea
 
Aula 14 sistema abo
Aula 14   sistema aboAula 14   sistema abo
Aula 14 sistema abo
 
Sistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdfSistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdf
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
Apresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalApresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetal
 
Métodos
MétodosMétodos
Métodos
 
Ap7 - Reação de Aglutinação
Ap7 - Reação de AglutinaçãoAp7 - Reação de Aglutinação
Ap7 - Reação de Aglutinação
 
Lista exercicios genética maio_2012
Lista  exercicios  genética maio_2012Lista  exercicios  genética maio_2012
Lista exercicios genética maio_2012
 
Aula Proteinas
Aula ProteinasAula Proteinas
Aula Proteinas
 
Alteracoes cromossomicas
Alteracoes cromossomicasAlteracoes cromossomicas
Alteracoes cromossomicas
 
Tipagem sanguinea
Tipagem sanguineaTipagem sanguinea
Tipagem sanguinea
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 

Destaque

Destaque (6)

Imuno-hematologia
Imuno-hematologiaImuno-hematologia
Imuno-hematologia
 
Eritroblastose fetal - DOENÇA
Eritroblastose fetal - DOENÇAEritroblastose fetal - DOENÇA
Eritroblastose fetal - DOENÇA
 
mamíferos
mamíferos mamíferos
mamíferos
 
IV.5 mamíferos
IV.5 mamíferosIV.5 mamíferos
IV.5 mamíferos
 
Apresentação sobre mamíferos.
Apresentação sobre  mamíferos.Apresentação sobre  mamíferos.
Apresentação sobre mamíferos.
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 

Semelhante a Grupos Sanguíneos: Classificação, Antígenos, Sistemas e Importância

Sangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboSangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboaferna
 
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptxSLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptxcristinanatasha
 
3S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos abril 2015
3S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos  abril 20153S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos  abril 2015
3S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos abril 2015Ionara Urrutia Moura
 
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013Ionara Urrutia Moura
 
Polialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneosPolialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneosIsaque Marques Pascoal
 
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_20133 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013CotucaAmbiental
 
aula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxaula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxLinoReisLino
 
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKDIMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKDJiggly1
 

Semelhante a Grupos Sanguíneos: Classificação, Antígenos, Sistemas e Importância (20)

Os alelos múltiplos
Os alelos múltiplosOs alelos múltiplos
Os alelos múltiplos
 
Sangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboSangue e Sistema abo
Sangue e Sistema abo
 
Codominancia
CodominanciaCodominancia
Codominancia
 
Polialelia
PolialeliaPolialelia
Polialelia
 
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptxSLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
 
sistema.pptx
sistema.pptxsistema.pptx
sistema.pptx
 
4. sangue humano
4. sangue humano4. sangue humano
4. sangue humano
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Tipos sanguineos
Tipos sanguineosTipos sanguineos
Tipos sanguineos
 
3S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos abril 2015
3S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos  abril 20153S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos  abril 2015
3S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos abril 2015
 
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Genetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RHGenetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RH
 
Polialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneosPolialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneos
 
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_20133 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013
 
aula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxaula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptx
 
10 - genética II
10 - genética II10 - genética II
10 - genética II
 
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKDIMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
 
Hemoterapia no Ensino de Ciências
Hemoterapia no Ensino de CiênciasHemoterapia no Ensino de Ciências
Hemoterapia no Ensino de Ciências
 
Hemoterapia no Ensino de Ciências
Hemoterapia no Ensino de CiênciasHemoterapia no Ensino de Ciências
Hemoterapia no Ensino de Ciências
 

Mais de Priscila Rodrigues

Mutações e sistema de reparo do DNA
Mutações e sistema de reparo do DNAMutações e sistema de reparo do DNA
Mutações e sistema de reparo do DNAPriscila Rodrigues
 
Divisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomosDivisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomosPriscila Rodrigues
 
Regulação da expressão gênica em procariotos e eucariotos
Regulação da expressão gênica em procariotos e  eucariotosRegulação da expressão gênica em procariotos e  eucariotos
Regulação da expressão gênica em procariotos e eucariotosPriscila Rodrigues
 
Transcrição e processamento do pré-mRNA
Transcrição e processamento do  pré-mRNATranscrição e processamento do  pré-mRNA
Transcrição e processamento do pré-mRNAPriscila Rodrigues
 

Mais de Priscila Rodrigues (9)

Hereditariedade
HereditariedadeHereditariedade
Hereditariedade
 
Mutações e sistema de reparo do DNA
Mutações e sistema de reparo do DNAMutações e sistema de reparo do DNA
Mutações e sistema de reparo do DNA
 
Replicação do DNA
Replicação do DNAReplicação do DNA
Replicação do DNA
 
Processamento do pré-mRNA
Processamento do pré-mRNA Processamento do pré-mRNA
Processamento do pré-mRNA
 
Divisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomosDivisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomos
 
Regulação da expressão gênica em procariotos e eucariotos
Regulação da expressão gênica em procariotos e  eucariotosRegulação da expressão gênica em procariotos e  eucariotos
Regulação da expressão gênica em procariotos e eucariotos
 
Transcrição e processamento do pré-mRNA
Transcrição e processamento do  pré-mRNATranscrição e processamento do  pré-mRNA
Transcrição e processamento do pré-mRNA
 
Estrutura do dna
Estrutura do dnaEstrutura do dna
Estrutura do dna
 
Epigenética e câncer
Epigenética e câncerEpigenética e câncer
Epigenética e câncer
 

Grupos Sanguíneos: Classificação, Antígenos, Sistemas e Importância

  • 2. Grupo sanguíneo ABO Karl Landsteiner (1900): O sangue pode ser classificado em tipos sanguíneos – A, B, e O, segundo a presença ou não de tipos de glicoproteínas na superfície das hemácias. Essas glicoproteínas funcionam como antígenos se introduzidas em indivíduos de grupos diferentes e foram denominadas como aglutinogênios. As aglutininas são substâncias presentes no plasma sanguíneo e que funcionam como anticorpos que reagem com antígenos estranhos. Existem dois tipos de aglutininas: anti-A e anti-B. Dessa forma, indivíduos de fenótipo A têm nas hemácias aglutinogênio A e no plasma aglutinina anti-B. Os do grupo B têm nas hemácias aglutinogênio B e no plasma aglutinina anti-A. Pessoas do fenótipo AB possuem dois aglutinogênios e nenhuma das aglutininas. Finalmente, os indivíduos do grupo O não têm nenhum dos aglutinogênios nas hemácias, porém, têm as duas aglutininas no plasma. O contato entre um aglutinogênio e sua aglutinina correspondente provoca a aglutinação do sangue. Assim, indivíduos com sangue Tipo A não podem doar sangue para indivíduos do Tipo B, e vice-versa. Indivíduos do Tipo AB podem receber sangue de qualquer grupo. Já os do Tipo O podem doar para qualquer grupo. Os três genes alelos comuns para o lócus do grupo sanguíneo ABO são: o gene IA que codifica o antígeno (aglutinogênio) A; o gene IB que codifica o antígeno (aglutinogênio) B; e o gene i que não codifica nenhum antígeno. Os genes IA e IB são co-dominantes e o i é recessivo. Identificação: provas de aglutinação em lâminas com anti-soros (anti-B e anti-B) contendo anticorpos de especificidade conhecida. – Aglutinação com soro anti-A – grupo A – Aglutinação com soro anti-B – grupo B – Aglutinação com ambos os soros – grupo AB – Sem aglutinação com ambos os soros – grupo O
  • 3. Transfusão sanguínea Pessoas com o sangue tipo A podem receber sangue de pessoas do tipo A e do tipo O, pois o grupo O não possui aglutinogênios. Pessoas com o sangue tipo B podem receber sangue de pessoas do tipo B e do tipo O, pois o grupo O não possui aglutinogênios. Pessoas do grupo AB podem receber sangue dos grupos A, B, AB e O, pois não possuem aglutininas no plasma. Pessoas do grupo O só podem receber sangue de pessoas do grupo O, pois possuem aglutininas anti-A e anti-B. Substância H Precursora dos antígenos A e B.
  • 4. Por exemplo, indivíduos com sangue tipo A produzem uma enzima que converte a substância H em aglutinogênio A e indivíduos com sangue do tipo B produzem uma enzima que convertem a substância H em aglutinogênio B. È formada por uma cadeia de açúcares (N-acetilgalactosamina, D-galactose, N- acetilgalactosamina e D-galactose) que se liga às hemácias. Produção da substância H Gene H (genótipo HH ou Hh) codifica uma enzima chamada alfa-1,2-fucosiltransferase que catalisa uma reação a qual formará a substância H (liga molécula de L-fucose à D- galactose terminal) • Indivíduo do grupo A (genótipo IA IA ou IAi) gene H + gene A Produção de enzima que liga N-acetilgalactosamina à D-galactose terminal do antígeno H • Indivíduo do grupo B (genótipo IB IB ou IBi) gene H + gene B Produção de enzima que liga D-galactose à D-galactose terminal do antígeno H • Indivíduo do grupo AB (genótipo IA IB ) gene H+ gene A + gene B Produção de enzima que liga N-acetilgalactosamina à D-galactose terminal do antígeno H e produção de enzima que liga D-galactose à D-galactose terminal do antígeno H
  • 5. Efeito Bombaim Indivíduos com genótipo hh não produzem a substância H, e como a substância H não é produzida, não há produção dos antígenos A e/ou B. Assim, a expressão dos alelos no lócus ABO depende do genótipo no lócus H.
  • 6. Indivíduo do grupo O verdadeiro produz substância H. Indivíduos “falsos O” não produzem a substância H e podem transmitir os genes A e/ou B para seus descendentes, os quais poderão expressar-se na presença de pelo menos um alelo H. Secreção dos antígenos A, B e H em líquidos humanos Antígenos A, B e H também podem ser produzidos em líquidos orgânicos (saliva, leite materno, sêmen, urina, sucos gástricos) devido à presença de um gene secretor (Se) com caráter autossômico dominante. SeSe ou Sese são secretores; sese são não-secretores (suscetibilidade várias doenças infecciosas). 80% dos caucasianos são secretores. Frequência A distribuição dos grupos sanguíneos na população humana não é uniforme. O mais comum é 0+, enquanto que o mais raro é o AB-. Além disso, há variações na distribuição nos diferentes grupos étnicos: Nos aborígenes da Austrália, 68 % são 0 e 32 % são A Nos esquimós, 86 % são 0 Nos asiáticos, a grande maioria da população é do grupo B.
  • 7. Percentual de Ocorrência Tipo Sanguíneo Rhesus (Landsteiner & Wiener, 1940) Um terceiro sistema de grupos sanguíneos foi descoberto a partir dos experimentos desenvolvidos por Landsteiner e Wiener, em 1940, com sangue de macaco do gênero Rhesus. Esses pesquisadores verificaram que ao se injetar o sangue desse macaco em cobaias, havia produção de anticorpos para combater as hemácias introduzidas. Ao centrifugar o sangue das cobaias obteve-se o soro que continha anticorpos anti-Rh e que poderia aglutinar as hemácias do macaco Rhesus. As Conclusões daí obtidas levariam a descoberta de um antígeno de membrana que foi denominado Rh (Rhesus), que existia nesta espécie e não em outras como as de cobaia e, portanto, estimulavam a produção anticorpos, denominados anti-Rh. Analisando o sangue de muitos indivíduos da espécie humana, Landsteiner verificou que, ao misturar gotas de sangue dos indivíduos com o soro contendo anti-Rh, cerca de 85% dos indivíduos apresentavam aglutinação e 15% não apresentavam. Definiu- se, assim, “o grupo sanguíneo Rh+” (apresentavam o antígeno Rh), e “o grupo Rh-“ ( não apresentavam o antígeno Rh). No plasma não ocorre naturalmente o anticorpo anti-Rh. O anticorpo, no entanto, pode ser formado se uma pessoa do grupo Rh-, recebe sangue de uma pessoa do grupo Rh+. A presença do antígeno Rh é determinada por genes no cromossomo 1p.
  • 8. As proteínas que carregam os antígenos Rhesus são proteínas transmembrana, cuja estrutura sugere que sejam canais de íons. Os principais antígenos são: C, D, E, c, e. Codificados por dois loci adjacentes, os genes RHD e RHCE. Os indivíduos que tem em suas hemácias um ou mais dos antígenos C, D ou E, será considerado portador do antígeno Rh; este indivíduo é Rh positivo (+). Grupo sanguíneo MNSs (Landsteiner & Levine, 1927) Definido por genes no cromossomo 4, com mais de 40 antígenos já detectados. Os cinco mais importantes são: M, N, S, s, U, associados com reações de transfusão. Pode ser dividido em dois grupos: antígenos MN e antígenos S, s, U. Os dois grupos são muito próximos e herdados juntos (ligação gênica). Grande importância como marcador genético O Sistema Duffy O sistema Duffy tem também um único locus com dois antígenos, Fya e Fyb e quatro fenótipos: Fy(a+b+), Fy(a+b-), Fy(a-b+) e Fy(a-b-). O único fenótipo raro é Fy (a-b-), que tem uma grande frequência em países onde há alta incidência de plasmodium falciparium, malária. Esse fenótipo é responsável por uma queda na imunidade da pessoa em relação à doença porque o parasita da malária requer antígenos Duffy para entrar nas hemácias. Anticorpos Duffy são quase exclusivamente IgG. Esse sistema é nomeado depois da família do produtor de anticorpos, Duffy. O Sistema KIDD (JK) Outro sistema de locus único, dois grupos de antígenos (Jka e Jkb). Existem quatro fenótipos possíveis: Jk (a-b-); Jk (a+b-); Jk (a-b+); Jk (a+b+). Jk (a-b-) é um fenótipo raro. Anticorpos do antígeno Kidd são quase exclusivamente IgG. Incompatibilidade na transfusão ou na gravidez pode levar a formação de anticorpos para todos esses grupos sanguíneos, se o receptor/mãe não possui o antígeno relevante. É possível detectar todos os anticorpos das hemácias usando um painel de detecção de anticorpos e outras diferentes técnicas. (Alguns anticorpos, frequentemente a classe IgG, reagem melhor em temperatura ambiente ou um pouco mais frio, e alguns a 37graus centígrados). Se um anticorpo é detectado em um soro, as hemácias desse paciente são testadas pela presença de antígenos. Técnicas de detecção de antígenos também variam com a natureza da interação anticorpo-
  • 9. antígeno. A presença de um anticorpo particular exclui o paciente de carregar esse antígeno. Sistema Kell Os antígenos do sistema Kell são expressos na glicoproteína transmembrana N- glicosilada Kell, produto do gene KEL localizado no cromossomo 7. É uma enzima conversora da endotelina, que cliva a endotelina-3 para produzir uma forma ativa que e um potente vasoconstritor. Está associado ao sistema XK (cromossomo X) o qual apresenta apenas um antígeno, o Kx. A gligoproteína que contém os antígenos Kell se liga ao antígeno Kx por meio de pontes dissulfídricas.. Função pode estar relacionada a transporte transmembrana. A glicoproteína Kell e expressa principalmente na linhagem eritroide, testículos e menor expressão no cérebro, tecidos linfoides e tecido muscular. Os anticorpos anti-Kell são geralmente da classe IgG. Mais imunogênicos do que ABO e Rh. Podem causar reações transfusionais e DHRN. Grupo sanguíneo Lewis Um grupo sanguíneo baseado em genes no cromossomo 19, ambos com atividade fucosiltranferase. Dois principais tipos: Lewis a e Lewis b. Não são produzidos pelas hemácias, sendo componentes das secreções exócrinas epiteliais, e normalmente adsorvidos na superfície das hemáceas. Qualquer combinação dos tipos é possível, sendo Le a+, Le b- a mais comum. A ligação entre o grupo Lewis e antígenos do ABO foi talvez o primeiro exemplo de efeitos múltiplos de um gene humano. A presença de fucosiltransferase converte o antígeno Lewis a em Lewis b. Pessoas com antígenos Lewis a normalmente são não-secretoras de ABH, e a presença de antígenos Lewis b faz com que sejam secretoras. Lewis negativos (Le a-, Le b-) podem ser tanto secretores ou não-secretores. Eritroblastose fetal Incompatibilidade entre os grupos sanguíneos da mãe e do feto. Pode ocorrer por meio de vários tipos sanguíneos: ABO, Rhesus, Kell, Kidd, Lewis, Duffy, MN, P e outros). Exemplo com Rhesus: – Filho Rh+ com mãe Rh- estimulando produção de anti-Rh pela mãe uma vez que seus glóbulos vermelhos venham a escapar da circulação fetal. – 1º filho geralmente não sofre a ação dos anticorpos maternos
  • 10. 2º filho pode ser prejudicado – destruição das hemácias, anemia, liberação de hemácias imaturas no sangue, acúmulo de bilirrubina causando icterícia. – Monitoramento e tratamento • Dosagem periódica de anticorpos no soro materno durante a gestação • Transfusão de sangue Rh- à criança no útero ou logo após nascimento • Uso de anticorpos anti-Rh na mãe antes ou até três dias depois do parto – destruição das hemácias Rh+ do feto presentes na circulação materna, evitando produção de anticorpos pela mãe, e posterior memória imunológica.