SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
BIOLOGIA INTERATIVABIOLOGIA INTERATIVA
Criado e Desenvolvido por:
Ronnielle Cabral RolimRonnielle Cabral Rolim
Todos os direitos são reservados ©2016.
tioronni.com.br
Sistema ABOSistema ABO
SISTEMA ABOSISTEMA ABO
O Sistema ABO foi o primeiro dos grupos sanguíneos descobertos (1900, 1901) no início do
século XX em 1900), pelo cientista austríaco Karl Landsteiner. Fazendo reagir amostras de
sangue de diversas pessoas, ele isolou os glóbulos vermelhos (hemácias) e fez diferentes
combinações entre plasma e hemácias, tendo como resultado a presença de aglutinação dos
glóbulos em alguns casos, e sua ausência em outros. Assim, Landsteiner classificou os seres
humanos em três grupos sanguíneos: A, B e O, e explicou por que algumas pessoas morriam
depois de transfusões de sangue e outras não. Em 1902, seus colaboradores von Decastello e
Sturli encontraram e descreveram o grupo AB, mais raro. Em 1930 Landsteiner ganhou o Prêmio
Nobel por seu trabalho.
CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO
Tipo sanguíneo Genótipo Aglutinogêneo
ou Antígeno
(na membrana das
hemácias)
Aglutinina
ou Anticorpo
(no plasma das
hemácias)
A
B
AB
O
O Sistema ABO é tipicamente um caso de alelos múltiplos; o mesmo não ocorre com o Sistema
RH. No sistema ABO, distinguem-se quatro grupos sanguíneos: grupo A, grupo B, grupo AB e
grupo O.
IA
IA
ou IA
i A Anti-B
IB
IB
ou IB
i B Anti-A
IA
IB A e B ausência
ii ausência Anti-A e Anti-B
TRANSFUSÕES SANGUÍNEASTRANSFUSÕES SANGUÍNEAS
As transfusões sanguíneas exigem o prévio conhecimento ou “tipagem” do sangue do receptor
(aquele que vai receber a transfusão) e do sangue que nele vai ser transfundido (sangue do
doador).
ANÁLISE VISUALANÁLISE VISUAL
TIPO A TIPO B TIPO AB TIPO O
CURIOSIDADESCURIOSIDADES
O A B AB
NEGROS 51% 28% 19% 2%
BRANCOS 48% 42% 8% 2%
CHINESES 30,7% 25,1% 34,2% 10%
ÍNDIOS
BRASILEIROS
(MATO GROSSO)
100% 0% 0% 0%
Distribuição dos principais tipos
sanguíneos na população mundial.
FATO CURIOSOFATO CURIOSO
• Joana
Barry
IA
?
• Charles
Chaplin
ii
• Criança
IB
?
Em 1940, num rumoroso processo de paternidade não reconhecida, a atriz Joan Barry
incriminou o famoso Charles Chaplin, celebrizado como Carlitos, acusando-o de ser o pai de seu
filho. No julgamento, Chaplin foi considerado “culpado”. No entanto, o sangue da criança era B
(IB
IB
ou IB
i), do da mãe (acusadora de Chaplin) era A (IA
IA
ou IA
i), e o sangue do grande cineasta
era O (ii).
FENÓTIPO BOMBAIMFENÓTIPO BOMBAIM
O Fenótipo Bombaim, grupo sanguíneo hh, ou grupo sanguíneo de Bombaim (Bombay
phenotype, em inglês), é um fenômeno raro, primeiramente descoberto na cidade de Bombaim,
Índia, pelo qual indivíduos que possuem genótipo referente aos grupos sanguíneos "A", "B", ou
"AB" expressam o grupo sanguíneo "O". Essas pessoas não produzem a enzima ativa (H) que
transformaria uma substância precursora em antígeno H. Os antígenos A e B são produzidos a
partir desse antígeno. Desse modo, a sua ausência faz com que essas pessoas não apresentem
quer o antígeno A, quer o B, nos seus glóbulos vermelhos, mesmo que possuam alelos
referentes à síntese dessas substâncias.
Nome dado em consideração ao fato de ter
sido observado pela primeira vez em
habitantes de Bombaim, na Índia. Os distritos
de Bombaim: em amarelo, a cidade; em
verde, os subúrbios.
FATOR D ou RhFATOR D ou Rh
Landsteiner e Wiener (1940) descobriram o fator Rh a partir do estudo do sangue do macaco
Rhesus (Macaca mulatta). Verificaram que o sangue tinha um antígeno, que foi denominado
fator Rh (homenagem a Rhesus). Assim, os anticorpos produzidos pelo organismo foram
denominados aglutininas anti-Rh.
Quando o ser humano possui aglutininas anti-Rh são denominadas Rh+ e quando não tem a
aglutinina anti Rh são denominadas Rh-.
Quando um ser humano portador do sangue Rh- recebe sangue Rh+, passam a produzir
aglutininas em pequena quantidade e de forma lenta. Quando este ser humano(Rh-) recebe
uma segunda doação de sangue Rh+ poderá aglutinar as hemácias recebidas. Dependendo da
quantidade de anti aglutinina produzida desde a primeira transfusão e mais a produzida na
segunda transfusão o individuo pode morrer.
GENÓTIPOS FENÓTIPOS
DD, Dd Rh+
dd Rh-
REGRA DE DOAÇÃO:REGRA DE DOAÇÃO:
Rh- doa para Rh-
Rh+ doa para Rh+
Rh- doa para Rh+
Rh+ não doa para Rh-
SISTEMA MNSISTEMA MN
Dois outros antígenos forma encontrados na superfície das hemácias humanas, sendo
denominados M e N. Analisando o sangue de diversas pessoas, verificou-se que em algumas
existia apenas o antígeno M, em outras, somente o N e várias pessoas possuíam os dois
antígenos. Foi possível concluir então, que existiam três grupos nesse sistema: M, N e MN.
Os genes que condicionam a produção desses antígenos são apenas dois: L M e L N (a letra L é a
inicial do descobridor, Landsteiner). Trata-se de uma caso de herança medeliana simples. O
genótipo LM
LM
, condiciona a produção do antígeno M, e LN
LN
, a do antígeno N. Entre LM
e LN
há
codominância, de modo que pessoas com genótipo LM
LN
produzem os dois tipos de antígenos.
TIPO GENÓTIPO Anti-M Anti-N
M MM + -
N NN - +
MN MN + +
ERITROBLASTOSE FETALERITROBLASTOSE FETAL
A eritroblastose (do grego eritro, "vermelho" e blastos, "germe", "broto") fetal, doença de
Rhesus, doença hemolítica por incompatibilidade Rh ou doença hemolítica do recém-nascido
ocorre quando uma mãe de Rh- que já tenha tido uma criança com Rh+ (ou que tenha tido
contacto com sangue Rh+, numa transfusão de sangue que não tenha respeitado as regras
devidas) dá à luz uma criança com Rh positivo. Depois do primeiro parto, ou da transfusão
acidental, o sangue da mãe entra em contacto com o sangue do feto e cria anticorpos contra os
antígenos presentes nas hemácias caracterizadas pelo Rh+. Durante a segunda gravidez, esses
anticorpos podem atravessar a placenta e provocar a hemólise do sangue da segunda criança.
Esta reação nem sempre ocorre e é menos provável se a criança tiver os antigénios A ou B e a
mãe não os tiver. Os anticorpos anti-Rh não existem naturalmente no sangue das pessoas,
sendo fabricados apenas por indivíduos Rh-, quando estes recebem transfusões de sangue Rh+.
Pessoas Rh+ nunca produzem anticorpos anti-Rh, pois se o fizessem provocariam a destruição
de suas próprias hemácias.
Durante uma consulta pré-natal, o médico Marco Túlio Vaintraub, de Belo Horizonte,
perguntou à professora de educação física Soraia Magalhães qual era seu tipo de
sangue. Ela respondeu Rh positivo. O médico não se preocupou em checar a
informação mediante um exame de laboratório. O resultado foi desastroso. Quando
Henrique nasceu, na Maternidade Otaviano Neves, apresentou sinais de
eritroblastose fetal, uma doença que acomete recém-nascidos cujos pais têm
incompatibilidade sanguínea.
FONTE: http://veja.abril.com.br
ERITROBLASTOSE FETALERITROBLASTOSE FETAL
ERITROBLASTOSE FETALERITROBLASTOSE FETAL
Procedimento após o parto: administração de injeção intravenosa com
anticorpos anti-Rh que provocarão a destruição das hemácias fetais presentes na
circulação sanguínea materna.
Exercício 1
(FUVEST) Um homem do grupo sanguíneo AB é casado com uma mulher cujos avós paternos
e maternos pertencem ao grupo sanguíneo O. Esse casal poderá ter apenas descendente:
a) do grupo O;
b) do grupo AB;
c) dos grupos AB e O;
d) dos grupos A e B;
e) dos grupos A, B e AB.
IA
IB
ii
ii ii
ii ii
IA
i
IA
i
IB
i
IB
i
Exercício 2
(FUVEST) Um banco de sangue possui 5 litros de sangue tipo AB, 3 litros tipo A, 8 litros tipo B
e 2 litros tipo O. Para transfusões em indivíduos dos tipos O, A, B e AB estão disponíveis,
respectivamente:
a) 2, 5, 10 e 18 litros;
b) 2, 3, 5 e 8 litros;
c) 2, 3, 8 e 16 litros;
d) 18, 8, 13 e 5 litros;
e) 7, 5, 10 e 11 litros.
5 IA
IB
3 IA
?
8 IB
?
2 ii
O A B AB
2 5 10 18
Exercício 3
(UEL) Os tipos sanguíneos do sistema ABO de três casais e três crianças são mostrados a
seguir. Sabendo-se que cada criança é filha de um dos casais, a alternativa que associa
corretamente cada casal a seu filho é:
a) I-a; II-b; III-c.
b) I-a; II-c; III-b.
c) I-b; II-a; III-c.
d) I-c; II-a; III-b.
e) I-c; II-b; III-a.
CASAIS CRIANÇAS
I. AB X AB a. A
II. B x B b. O
III. A X O c. AB
IA
IB
x IA
IB
 IA
IA
, IA
IB
, IA
IB
, IB
IB
IB
i x IB
i IB
IB
, IB
i, IB
i, ii
IA
i x ii IA
i, IA
i , ii, ii
Exercício 4
(UFSM) Para os grupos sanguíneos do sistema ABO, existem três alelos comuns na
população humana. Dois (alelos A e B) são codominantes entre si e o outro (alelo O) é
recessivo em relação aos outros dois.
De acordo com essas informações, pode-se afirmar:
I. Se os pais são do grupo sanguíneo O, os filhos também serão do grupo sanguíneo O.
II. Se um dos pais é do grupo sanguíneo A e o outro é do grupo sanguíneo B, todos os filhos
serão do grupo sanguíneo AB.
III. Se os pais são do grupo sanguíneo A, os filhos poderão ser do grupo sanguíneo A ou O.
Está(ão) correta(s):
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas I e III.
e) I, II e III.
IA
i x IB
i→
IA
i, IB
i, IA
IB
, ii
ii x ii→
ii, ii, ii, ii
IA
i x IA
i→
IA
IA
, IA
i, IA
i, ii
Exercício 5
Assinale a afirmativa incorreta:
a) Pessoas pertencentes ao grupo sanguíneo B possuem aglutinogênios B em suas hemácias
e aglutinina anti-A em seu plasma sanguíneo.
b) Pessoas do grupo sanguíneo AB podem ser chamadas de receptores universais por não
apresentarem nenhum tipo de aglutininas em seu plasma sanguíneo.
c) Pessoas do grupo sanguíneo do tipo B podem doar sangue para pessoas com os tipos
sanguíneos do tipo B e AB e podem receber de B e O.
d) Pessoas do tipo sanguíneo do tipo O apresentam aglutininas do tipo anti-A e anti-B e por
isso são chamados de doadores universais.
e) Pessoas do grupo sanguíneo do tipo A podem doar sangue para pessoas com os tipos
sanguíneos do tipo A e AB e podem receber de B e O.
AGLUTINOGÊNIO AGLUTININA
A A Anti B
B B Anti A
AB A e B -
O - Anti A e Anti B
Exercício 6
(UDESC/2010) Assinale a alternativa incorreta em relação à possibilidade de doações e às
possíveis transfusões sanguíneas.
a) Pessoas do grupo sanguíneo O são as receptoras universais, enquanto as do grupo
sanguíneo AB são as doadoras universais.
b) Pessoas do grupo sanguíneo AB e fator Rh+ (positivo) são receptoras universais.
c) Pessoas do grupo sanguíneo O e fator Rh- (negativo) são doadoras universais.
d) Pessoas do grupo sanguíneo A podem doar para pessoas do grupo sanguíneo A e para as
do grupo sanguíneo AB.
e) Pessoas do grupo sanguíneo AB podem doar somente para as do grupo sanguíneo AB.
Exercício 7
(FEI) Para que haja possibilidade de ocorrência de eritroblastose fetal (doença hemolítica do
recém-nascido), é preciso que o pai, a mãe e o filho tenham, respectivamente, os tipos
sanguíneos:
a) Rh+, Rh-, Rh+.
b) Rh+, Rh-, Rh-.
c) Rh+, Rh+, Rh+.
d) Rh+, Rh+, Rh-.
e) Rh-, Rh+, Rh+.
Exercício 8
(FATEC) Um casal cujo filho é do grupo sanguíneo A, com fator Rh positivo, pode ter os
seguintes genótipos:
a) IA
IB
, Rr e IB
IB
, rr.
b) IA
IA
, rr e IB
IB
, RR.
c) IB
i, Rr e ii, rr.
d) IB
IB
, RR e IA
IB
, RR.
e) IA
IB
, rr e ii, Rr.
IA
?
R?
IA
IB
rr
ii
Rr
IA
IB
x ii→
IA
i, IA
i, IA
i, IA
i
rr x Rr→
Rr, Rr, rr, rr
Exercício 9
(F.C.Chagas-BA) O pai de uma criança do grupo sanguíneo A e Rh+, cuja mãe é B e Rh-,
poderia ser:
a) AB e Rh+
b) AB e Rh-
c) B e Rh+
d) A e Rh-
e) O e Rh+
IA
R
IB
rr
r
i
i
IA
R_
IB
IA
IB
x IB
i→
IA
IB
, IA
i, IB
IB
, IB
i
rr x Rr→
Rr, Rr, rr, rr
Exercício 10
Na presença de aglutinina correspondente, as hemácias
que contêm o aglutinogênio se aglutinam. Pode-se dessa
forma, determinar o grupo sanguíneo do sistema ABO a
que pertencem os indivíduos. Foi testado o sangue de dois
indivíduos (I e II) com os soros-padrão anti-A e anti-B,
obtendo-se os seguintes resultados:
A que grupos sanguíneos pertencem, respectivamente, os
indivíduos I e II?
Indivíduo I: anti-A não reagiu e anti-B reagiu. Logo, pertence ao grupo B.
Indivíduo II: anti-A não reagiu e anti-B não reagiu. Logo, pertence ao grupo O.
Exercício 11
A tipagem sanguínea é usada para determinar o grupo sanguíneo de uma pessoa e que
tipos de sangue ou derivados de sangue ela pode receber. Pessoas dos grupos A, B e O
produzem naturalmente anticorpos que causam reações graves se receberem por
transfusão sangue incompatível. Se uma pessoa Rh-negativa receber sangue (for
transfundida) Rh-positivo, ela começa a produzir anticorpos anti-Rh. Estes causarão
problemas se essa pessoa voltar a receber outra transfusão de sangue Rh-positivo. Sobre
este assunto, responda:
a) Calcule os genótipos dos filhos de um casal cujo homem é AB e a mulher é AB.
b) Calcule o fenótipo dos filhos de um casal O e AB.
IA
IB
x IA
IB
IA
IA
, IA
IB
, IA
IB
, IB
IB
Genótipos: IA
IA
, IA
IB
, IA
IB
, IB
IB
ii x IA
IB
IA
i, IB
i, IA
i, IB
i Fenótipos: IA
i, Ib
i, IA
i, IB
i
Exercício 12
Uma mulher que nunca recebeu transfusão sanguínea teve três filhos. O primeiro e o
terceiro nasceram normais e o segundo, com eritroblastose fetal. Determine os fenótipos e
os genótipos para o fator Rh dos indivíduos acima citados.
rrR_
Rr Rr rr
O 1º filho (Rh+)
sensibiliza a mãe
(Rh-). O 2º filho (Rh+)
desenvolve a
eritroblastose fetal.
O 3º filho (Rh-) não
desenvolve a
eritroblastose fetal.
r
Exercício 13
(UFMG) Observe a figura, que se refere à determinação do grupo sanguíneo ABO.
Com base nas informações contidas nessa figura e em seus conhecimentos sobre o
assunto, pode-se afirmar que:
a) crianças dos grupos A e O podem nascer da união de indivíduos dos tipos determinados
em 1 e 4.
b) indivíduos do tipo determinado em 2 formam os dois tipos de antígenos.
c) indivíduos do tipo determinado em 3 podem ter genótipos IB
IB
ou IB
i.
d) indivíduos do tipo determinado em 4 podem doar sangue para 1 e 3.
e) indivíduos do tipo determinado em 1 podem receber sangue de todos os outros tipos.
Exercício 14
(U. F. Lavras-MG) O sistema Rh em seres humanos é controlado por um gene com dois
alelos, dos quais o alelo
dominante R é responsável pela presença do fator Rh nas hemácias e, portanto, fenótipo
Rh+. O alelo recessivo r é responsável pela ausência do fator Rh e fenótipo Rh–.
Com base no heredograma, determine os genótipos dos indivíduos 1, 2, 3, 4, 5 e 6,
respectivamente:
a) DD, Dd, Dd, DD, Dd, DD.
b) Dd, Dd, dd, Dd, Dd, dd.
c) Dd, Dd, Dd, dd, DD, Dd.
d) Dd, Dd, dd, DD, Dd, dd.
e) Dd, Dd, dd, DD, DD, dd.
OBRIGADOOBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Grupos sanguíneos ABO e fator Rh
Grupos sanguíneos ABO e fator RhGrupos sanguíneos ABO e fator Rh
Grupos sanguíneos ABO e fator Rh
 
Sistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rhSistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rh
 
Sistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rhSistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rh
 
Aula Grupos Sangíneos
Aula Grupos SangíneosAula Grupos Sangíneos
Aula Grupos Sangíneos
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
 
Slide Genética
Slide GenéticaSlide Genética
Slide Genética
 
Sistema abo --
Sistema abo --Sistema abo --
Sistema abo --
 
Frente 1 aula 12 O Fator Rh
Frente 1 aula 12 O Fator RhFrente 1 aula 12 O Fator Rh
Frente 1 aula 12 O Fator Rh
 
Herança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexoHerança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexo
 
Grupos sanguíneos
Grupos sanguíneosGrupos sanguíneos
Grupos sanguíneos
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
 
Os alelos múltiplos
Os alelos múltiplosOs alelos múltiplos
Os alelos múltiplos
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
 
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeos
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeosHereditariedade dos Grupos SanguíNeos
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeos
 
2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
 
Apresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguineaApresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguinea
 
Sistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º anoSistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º ano
 

Semelhante a Sistema ABO

aula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxaula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxLinoReisLino
 
Exercícios de genética – sistema abo e 2ª lei de mendel
Exercícios de genética – sistema abo e 2ª lei de mendelExercícios de genética – sistema abo e 2ª lei de mendel
Exercícios de genética – sistema abo e 2ª lei de mendelHindria Guimarães
 
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKDIMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKDJiggly1
 
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptxPPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptxsuplementacaonutrica
 
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041Jhon Almeida
 
Sangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboSangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboaferna
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfCésar Milani
 
Lista de genética
Lista de genéticaLista de genética
Lista de genéticaCaio Augusto
 
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 2016
Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 2016Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 2016
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 2016James Martins
 
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e mariana 2017...
Lista de exercícios -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e mariana 2017...Lista de exercícios -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e mariana 2017...
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e mariana 2017...James Martins
 
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 201...
Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 201...Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 201...
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 201...James Martins
 

Semelhante a Sistema ABO (20)

Aula 14 sistema abo
Aula 14   sistema aboAula 14   sistema abo
Aula 14 sistema abo
 
Tipos sanguineos
Tipos sanguineosTipos sanguineos
Tipos sanguineos
 
aula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxaula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptx
 
Exercícios de genética – sistema abo e 2ª lei de mendel
Exercícios de genética – sistema abo e 2ª lei de mendelExercícios de genética – sistema abo e 2ª lei de mendel
Exercícios de genética – sistema abo e 2ª lei de mendel
 
Sistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdfSistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdf
 
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKDIMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
 
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptxPPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
 
Genetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RHGenetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RH
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
 
Sangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboSangue e Sistema abo
Sangue e Sistema abo
 
Genética 2 aula
Genética 2 aulaGenética 2 aula
Genética 2 aula
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
 
Lista de genética
Lista de genéticaLista de genética
Lista de genética
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 2016
Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 2016Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 2016
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 2016
 
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e mariana 2017...
Lista de exercícios -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e mariana 2017...Lista de exercícios -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e mariana 2017...
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e mariana 2017...
 
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 201...
Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 201...Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 201...
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 3º bim - profs james e giovana 201...
 
Codominancia
CodominanciaCodominancia
Codominancia
 
alelos multiplos.pptx
alelos multiplos.pptxalelos multiplos.pptx
alelos multiplos.pptx
 

Mais de URCA

Máquinas Simples
Máquinas SimplesMáquinas Simples
Máquinas SimplesURCA
 
Transformações Químicas
Transformações QuímicasTransformações Químicas
Transformações QuímicasURCA
 
Separação de Materiais
Separação de MateriaisSeparação de Materiais
Separação de MateriaisURCA
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasURCA
 
Folhas caules e raízes
Folhas caules e raízesFolhas caules e raízes
Folhas caules e raízesURCA
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
AngiospermasURCA
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
BriofitasURCA
 
Flores e frutos
Flores e frutosFlores e frutos
Flores e frutosURCA
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
GimnospermasURCA
 
Aborto
AbortoAborto
AbortoURCA
 
Dsts
DstsDsts
DstsURCA
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
PteridófitasURCA
 
Vírus
VírusVírus
VírusURCA
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
TaxonomiaURCA
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reproduçãoURCA
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivosURCA
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctistaURCA
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
AngiospermasURCA
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino MoneraURCA
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino FungiURCA
 

Mais de URCA (20)

Máquinas Simples
Máquinas SimplesMáquinas Simples
Máquinas Simples
 
Transformações Químicas
Transformações QuímicasTransformações Químicas
Transformações Químicas
 
Separação de Materiais
Separação de MateriaisSeparação de Materiais
Separação de Materiais
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e Heterogeneas
 
Folhas caules e raízes
Folhas caules e raízesFolhas caules e raízes
Folhas caules e raízes
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Flores e frutos
Flores e frutosFlores e frutos
Flores e frutos
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Dsts
DstsDsts
Dsts
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivos
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 

Último

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 

Último (20)

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 

Sistema ABO

  • 1. BIOLOGIA INTERATIVABIOLOGIA INTERATIVA Criado e Desenvolvido por: Ronnielle Cabral RolimRonnielle Cabral Rolim Todos os direitos são reservados ©2016. tioronni.com.br
  • 3. SISTEMA ABOSISTEMA ABO O Sistema ABO foi o primeiro dos grupos sanguíneos descobertos (1900, 1901) no início do século XX em 1900), pelo cientista austríaco Karl Landsteiner. Fazendo reagir amostras de sangue de diversas pessoas, ele isolou os glóbulos vermelhos (hemácias) e fez diferentes combinações entre plasma e hemácias, tendo como resultado a presença de aglutinação dos glóbulos em alguns casos, e sua ausência em outros. Assim, Landsteiner classificou os seres humanos em três grupos sanguíneos: A, B e O, e explicou por que algumas pessoas morriam depois de transfusões de sangue e outras não. Em 1902, seus colaboradores von Decastello e Sturli encontraram e descreveram o grupo AB, mais raro. Em 1930 Landsteiner ganhou o Prêmio Nobel por seu trabalho.
  • 4. CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO Tipo sanguíneo Genótipo Aglutinogêneo ou Antígeno (na membrana das hemácias) Aglutinina ou Anticorpo (no plasma das hemácias) A B AB O O Sistema ABO é tipicamente um caso de alelos múltiplos; o mesmo não ocorre com o Sistema RH. No sistema ABO, distinguem-se quatro grupos sanguíneos: grupo A, grupo B, grupo AB e grupo O. IA IA ou IA i A Anti-B IB IB ou IB i B Anti-A IA IB A e B ausência ii ausência Anti-A e Anti-B
  • 5. TRANSFUSÕES SANGUÍNEASTRANSFUSÕES SANGUÍNEAS As transfusões sanguíneas exigem o prévio conhecimento ou “tipagem” do sangue do receptor (aquele que vai receber a transfusão) e do sangue que nele vai ser transfundido (sangue do doador).
  • 6. ANÁLISE VISUALANÁLISE VISUAL TIPO A TIPO B TIPO AB TIPO O
  • 7. CURIOSIDADESCURIOSIDADES O A B AB NEGROS 51% 28% 19% 2% BRANCOS 48% 42% 8% 2% CHINESES 30,7% 25,1% 34,2% 10% ÍNDIOS BRASILEIROS (MATO GROSSO) 100% 0% 0% 0% Distribuição dos principais tipos sanguíneos na população mundial.
  • 8. FATO CURIOSOFATO CURIOSO • Joana Barry IA ? • Charles Chaplin ii • Criança IB ? Em 1940, num rumoroso processo de paternidade não reconhecida, a atriz Joan Barry incriminou o famoso Charles Chaplin, celebrizado como Carlitos, acusando-o de ser o pai de seu filho. No julgamento, Chaplin foi considerado “culpado”. No entanto, o sangue da criança era B (IB IB ou IB i), do da mãe (acusadora de Chaplin) era A (IA IA ou IA i), e o sangue do grande cineasta era O (ii).
  • 9. FENÓTIPO BOMBAIMFENÓTIPO BOMBAIM O Fenótipo Bombaim, grupo sanguíneo hh, ou grupo sanguíneo de Bombaim (Bombay phenotype, em inglês), é um fenômeno raro, primeiramente descoberto na cidade de Bombaim, Índia, pelo qual indivíduos que possuem genótipo referente aos grupos sanguíneos "A", "B", ou "AB" expressam o grupo sanguíneo "O". Essas pessoas não produzem a enzima ativa (H) que transformaria uma substância precursora em antígeno H. Os antígenos A e B são produzidos a partir desse antígeno. Desse modo, a sua ausência faz com que essas pessoas não apresentem quer o antígeno A, quer o B, nos seus glóbulos vermelhos, mesmo que possuam alelos referentes à síntese dessas substâncias. Nome dado em consideração ao fato de ter sido observado pela primeira vez em habitantes de Bombaim, na Índia. Os distritos de Bombaim: em amarelo, a cidade; em verde, os subúrbios.
  • 10. FATOR D ou RhFATOR D ou Rh Landsteiner e Wiener (1940) descobriram o fator Rh a partir do estudo do sangue do macaco Rhesus (Macaca mulatta). Verificaram que o sangue tinha um antígeno, que foi denominado fator Rh (homenagem a Rhesus). Assim, os anticorpos produzidos pelo organismo foram denominados aglutininas anti-Rh. Quando o ser humano possui aglutininas anti-Rh são denominadas Rh+ e quando não tem a aglutinina anti Rh são denominadas Rh-. Quando um ser humano portador do sangue Rh- recebe sangue Rh+, passam a produzir aglutininas em pequena quantidade e de forma lenta. Quando este ser humano(Rh-) recebe uma segunda doação de sangue Rh+ poderá aglutinar as hemácias recebidas. Dependendo da quantidade de anti aglutinina produzida desde a primeira transfusão e mais a produzida na segunda transfusão o individuo pode morrer. GENÓTIPOS FENÓTIPOS DD, Dd Rh+ dd Rh- REGRA DE DOAÇÃO:REGRA DE DOAÇÃO: Rh- doa para Rh- Rh+ doa para Rh+ Rh- doa para Rh+ Rh+ não doa para Rh-
  • 11. SISTEMA MNSISTEMA MN Dois outros antígenos forma encontrados na superfície das hemácias humanas, sendo denominados M e N. Analisando o sangue de diversas pessoas, verificou-se que em algumas existia apenas o antígeno M, em outras, somente o N e várias pessoas possuíam os dois antígenos. Foi possível concluir então, que existiam três grupos nesse sistema: M, N e MN. Os genes que condicionam a produção desses antígenos são apenas dois: L M e L N (a letra L é a inicial do descobridor, Landsteiner). Trata-se de uma caso de herança medeliana simples. O genótipo LM LM , condiciona a produção do antígeno M, e LN LN , a do antígeno N. Entre LM e LN há codominância, de modo que pessoas com genótipo LM LN produzem os dois tipos de antígenos. TIPO GENÓTIPO Anti-M Anti-N M MM + - N NN - + MN MN + +
  • 12. ERITROBLASTOSE FETALERITROBLASTOSE FETAL A eritroblastose (do grego eritro, "vermelho" e blastos, "germe", "broto") fetal, doença de Rhesus, doença hemolítica por incompatibilidade Rh ou doença hemolítica do recém-nascido ocorre quando uma mãe de Rh- que já tenha tido uma criança com Rh+ (ou que tenha tido contacto com sangue Rh+, numa transfusão de sangue que não tenha respeitado as regras devidas) dá à luz uma criança com Rh positivo. Depois do primeiro parto, ou da transfusão acidental, o sangue da mãe entra em contacto com o sangue do feto e cria anticorpos contra os antígenos presentes nas hemácias caracterizadas pelo Rh+. Durante a segunda gravidez, esses anticorpos podem atravessar a placenta e provocar a hemólise do sangue da segunda criança. Esta reação nem sempre ocorre e é menos provável se a criança tiver os antigénios A ou B e a mãe não os tiver. Os anticorpos anti-Rh não existem naturalmente no sangue das pessoas, sendo fabricados apenas por indivíduos Rh-, quando estes recebem transfusões de sangue Rh+. Pessoas Rh+ nunca produzem anticorpos anti-Rh, pois se o fizessem provocariam a destruição de suas próprias hemácias. Durante uma consulta pré-natal, o médico Marco Túlio Vaintraub, de Belo Horizonte, perguntou à professora de educação física Soraia Magalhães qual era seu tipo de sangue. Ela respondeu Rh positivo. O médico não se preocupou em checar a informação mediante um exame de laboratório. O resultado foi desastroso. Quando Henrique nasceu, na Maternidade Otaviano Neves, apresentou sinais de eritroblastose fetal, uma doença que acomete recém-nascidos cujos pais têm incompatibilidade sanguínea. FONTE: http://veja.abril.com.br
  • 14. ERITROBLASTOSE FETALERITROBLASTOSE FETAL Procedimento após o parto: administração de injeção intravenosa com anticorpos anti-Rh que provocarão a destruição das hemácias fetais presentes na circulação sanguínea materna.
  • 15.
  • 16. Exercício 1 (FUVEST) Um homem do grupo sanguíneo AB é casado com uma mulher cujos avós paternos e maternos pertencem ao grupo sanguíneo O. Esse casal poderá ter apenas descendente: a) do grupo O; b) do grupo AB; c) dos grupos AB e O; d) dos grupos A e B; e) dos grupos A, B e AB. IA IB ii ii ii ii ii IA i IA i IB i IB i
  • 17. Exercício 2 (FUVEST) Um banco de sangue possui 5 litros de sangue tipo AB, 3 litros tipo A, 8 litros tipo B e 2 litros tipo O. Para transfusões em indivíduos dos tipos O, A, B e AB estão disponíveis, respectivamente: a) 2, 5, 10 e 18 litros; b) 2, 3, 5 e 8 litros; c) 2, 3, 8 e 16 litros; d) 18, 8, 13 e 5 litros; e) 7, 5, 10 e 11 litros. 5 IA IB 3 IA ? 8 IB ? 2 ii O A B AB 2 5 10 18
  • 18. Exercício 3 (UEL) Os tipos sanguíneos do sistema ABO de três casais e três crianças são mostrados a seguir. Sabendo-se que cada criança é filha de um dos casais, a alternativa que associa corretamente cada casal a seu filho é: a) I-a; II-b; III-c. b) I-a; II-c; III-b. c) I-b; II-a; III-c. d) I-c; II-a; III-b. e) I-c; II-b; III-a. CASAIS CRIANÇAS I. AB X AB a. A II. B x B b. O III. A X O c. AB IA IB x IA IB  IA IA , IA IB , IA IB , IB IB IB i x IB i IB IB , IB i, IB i, ii IA i x ii IA i, IA i , ii, ii
  • 19. Exercício 4 (UFSM) Para os grupos sanguíneos do sistema ABO, existem três alelos comuns na população humana. Dois (alelos A e B) são codominantes entre si e o outro (alelo O) é recessivo em relação aos outros dois. De acordo com essas informações, pode-se afirmar: I. Se os pais são do grupo sanguíneo O, os filhos também serão do grupo sanguíneo O. II. Se um dos pais é do grupo sanguíneo A e o outro é do grupo sanguíneo B, todos os filhos serão do grupo sanguíneo AB. III. Se os pais são do grupo sanguíneo A, os filhos poderão ser do grupo sanguíneo A ou O. Está(ão) correta(s): a) Apenas I. b) Apenas II. c) Apenas III. d) Apenas I e III. e) I, II e III. IA i x IB i→ IA i, IB i, IA IB , ii ii x ii→ ii, ii, ii, ii IA i x IA i→ IA IA , IA i, IA i, ii
  • 20. Exercício 5 Assinale a afirmativa incorreta: a) Pessoas pertencentes ao grupo sanguíneo B possuem aglutinogênios B em suas hemácias e aglutinina anti-A em seu plasma sanguíneo. b) Pessoas do grupo sanguíneo AB podem ser chamadas de receptores universais por não apresentarem nenhum tipo de aglutininas em seu plasma sanguíneo. c) Pessoas do grupo sanguíneo do tipo B podem doar sangue para pessoas com os tipos sanguíneos do tipo B e AB e podem receber de B e O. d) Pessoas do tipo sanguíneo do tipo O apresentam aglutininas do tipo anti-A e anti-B e por isso são chamados de doadores universais. e) Pessoas do grupo sanguíneo do tipo A podem doar sangue para pessoas com os tipos sanguíneos do tipo A e AB e podem receber de B e O. AGLUTINOGÊNIO AGLUTININA A A Anti B B B Anti A AB A e B - O - Anti A e Anti B
  • 21. Exercício 6 (UDESC/2010) Assinale a alternativa incorreta em relação à possibilidade de doações e às possíveis transfusões sanguíneas. a) Pessoas do grupo sanguíneo O são as receptoras universais, enquanto as do grupo sanguíneo AB são as doadoras universais. b) Pessoas do grupo sanguíneo AB e fator Rh+ (positivo) são receptoras universais. c) Pessoas do grupo sanguíneo O e fator Rh- (negativo) são doadoras universais. d) Pessoas do grupo sanguíneo A podem doar para pessoas do grupo sanguíneo A e para as do grupo sanguíneo AB. e) Pessoas do grupo sanguíneo AB podem doar somente para as do grupo sanguíneo AB.
  • 22. Exercício 7 (FEI) Para que haja possibilidade de ocorrência de eritroblastose fetal (doença hemolítica do recém-nascido), é preciso que o pai, a mãe e o filho tenham, respectivamente, os tipos sanguíneos: a) Rh+, Rh-, Rh+. b) Rh+, Rh-, Rh-. c) Rh+, Rh+, Rh+. d) Rh+, Rh+, Rh-. e) Rh-, Rh+, Rh+.
  • 23. Exercício 8 (FATEC) Um casal cujo filho é do grupo sanguíneo A, com fator Rh positivo, pode ter os seguintes genótipos: a) IA IB , Rr e IB IB , rr. b) IA IA , rr e IB IB , RR. c) IB i, Rr e ii, rr. d) IB IB , RR e IA IB , RR. e) IA IB , rr e ii, Rr. IA ? R? IA IB rr ii Rr IA IB x ii→ IA i, IA i, IA i, IA i rr x Rr→ Rr, Rr, rr, rr
  • 24. Exercício 9 (F.C.Chagas-BA) O pai de uma criança do grupo sanguíneo A e Rh+, cuja mãe é B e Rh-, poderia ser: a) AB e Rh+ b) AB e Rh- c) B e Rh+ d) A e Rh- e) O e Rh+ IA R IB rr r i i IA R_ IB IA IB x IB i→ IA IB , IA i, IB IB , IB i rr x Rr→ Rr, Rr, rr, rr
  • 25. Exercício 10 Na presença de aglutinina correspondente, as hemácias que contêm o aglutinogênio se aglutinam. Pode-se dessa forma, determinar o grupo sanguíneo do sistema ABO a que pertencem os indivíduos. Foi testado o sangue de dois indivíduos (I e II) com os soros-padrão anti-A e anti-B, obtendo-se os seguintes resultados: A que grupos sanguíneos pertencem, respectivamente, os indivíduos I e II? Indivíduo I: anti-A não reagiu e anti-B reagiu. Logo, pertence ao grupo B. Indivíduo II: anti-A não reagiu e anti-B não reagiu. Logo, pertence ao grupo O.
  • 26. Exercício 11 A tipagem sanguínea é usada para determinar o grupo sanguíneo de uma pessoa e que tipos de sangue ou derivados de sangue ela pode receber. Pessoas dos grupos A, B e O produzem naturalmente anticorpos que causam reações graves se receberem por transfusão sangue incompatível. Se uma pessoa Rh-negativa receber sangue (for transfundida) Rh-positivo, ela começa a produzir anticorpos anti-Rh. Estes causarão problemas se essa pessoa voltar a receber outra transfusão de sangue Rh-positivo. Sobre este assunto, responda: a) Calcule os genótipos dos filhos de um casal cujo homem é AB e a mulher é AB. b) Calcule o fenótipo dos filhos de um casal O e AB. IA IB x IA IB IA IA , IA IB , IA IB , IB IB Genótipos: IA IA , IA IB , IA IB , IB IB ii x IA IB IA i, IB i, IA i, IB i Fenótipos: IA i, Ib i, IA i, IB i
  • 27. Exercício 12 Uma mulher que nunca recebeu transfusão sanguínea teve três filhos. O primeiro e o terceiro nasceram normais e o segundo, com eritroblastose fetal. Determine os fenótipos e os genótipos para o fator Rh dos indivíduos acima citados. rrR_ Rr Rr rr O 1º filho (Rh+) sensibiliza a mãe (Rh-). O 2º filho (Rh+) desenvolve a eritroblastose fetal. O 3º filho (Rh-) não desenvolve a eritroblastose fetal. r
  • 28. Exercício 13 (UFMG) Observe a figura, que se refere à determinação do grupo sanguíneo ABO. Com base nas informações contidas nessa figura e em seus conhecimentos sobre o assunto, pode-se afirmar que: a) crianças dos grupos A e O podem nascer da união de indivíduos dos tipos determinados em 1 e 4. b) indivíduos do tipo determinado em 2 formam os dois tipos de antígenos. c) indivíduos do tipo determinado em 3 podem ter genótipos IB IB ou IB i. d) indivíduos do tipo determinado em 4 podem doar sangue para 1 e 3. e) indivíduos do tipo determinado em 1 podem receber sangue de todos os outros tipos.
  • 29. Exercício 14 (U. F. Lavras-MG) O sistema Rh em seres humanos é controlado por um gene com dois alelos, dos quais o alelo dominante R é responsável pela presença do fator Rh nas hemácias e, portanto, fenótipo Rh+. O alelo recessivo r é responsável pela ausência do fator Rh e fenótipo Rh–. Com base no heredograma, determine os genótipos dos indivíduos 1, 2, 3, 4, 5 e 6, respectivamente: a) DD, Dd, Dd, DD, Dd, DD. b) Dd, Dd, dd, Dd, Dd, dd. c) Dd, Dd, Dd, dd, DD, Dd. d) Dd, Dd, dd, DD, Dd, dd. e) Dd, Dd, dd, DD, DD, dd.

Notas do Editor

  1. <número>
  2. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  3. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  4. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  5. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  6. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  7. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  8. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  9. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  10. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  11. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  12. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  13. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  14. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  15. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>
  16. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456 <número>