SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
Aula 14
Sistema ABO
A transfusão de sangue incompatível pode provocar queda de
pressão, escurecimento da visão, desmaio e até a morte.
Esses efeitos são devidos a uma reação de aglutinação, ou seja
reunião de hemácias em massa, seguida de destruição, que podem
obstruir capilares, provocando embolias; isso ocorre porque há certa
incompatibilidade entre as hemácias de determinados indivíduos e o
plasma de outros.
Em 1901 Karl Landsteiner observou que, ao misturar sangue de um
indivíduo com o plasma do outro, surgiam em determinados casos, a
reação de aglutinação. Sabemos hoje que é causada por uma reação
antígeno - anticorpo.
No corpo dos seres vivos, uma substância estranha pode
desencadear a produção de anticorpo (proteínas de defesa), que é
sempre uma proteína denominada imunoglobulina.
Antígenos são as substâncias que estimulam a produção de um
anticorpo. A reação entre o antígeno e o anticorpo é específica.
Os antígenos do sistema ABO são denominados por aglutinogênio A
e aglutinogênio B; são encontrados nas hemácias; os anticorpos
correspondentes são a aglutinina anti – A e aglutinina anti – B; são
encontrados no plasma do sangue. Esses anticorpos são naturais, isto é,
não necessitam da presença do antígeno para ser produzido.
Conforme os aglutinogênios, que estão presentes nas hemácias, as
pessoas são classificados em quatro grupos: A, B, AB e O.
Grupo sangüíneo
(fenótipo)
Aglutinogênio
(hemácias)
Aglutinina
(soro)
A
B
AB
O
A
B
A e B
-
Anti - B
Anti - A
-
Anti – B
Anti - A
A determinação do grupo sangüíneo pode ser feita através da
tipagem sangüínea. Misturando uma gota de sangue a ser identificada
com uma gota de soro anti–A e anti–B, observa-se o resultado abaixo:
Determinação dos grupo sangüíneos ABO por
aglutinação em lâmina.
Possibilidades de transfusão
Para ocorrer a transfusão de sangue, deve haver compatibilidade
entre as hemácias do doador e o plasma do receptor, isto é, o receptor
não tem aglutinina contra os aglutinogênios do sangue que está
recebendo.
Tipo O ‡ d o a d o r
universal, não apresenta
aglutinogênio.
Tipo AB ‡ receptor
universal, não apresenta
aglutinina no plasma.
A herança do grupo ABO
Os grupos sangüíneos ABO são determinados pelos alelos: IA
, IB
, i.
• IA
‡ determina a produção do aglutinogênio A.
• IB
‡ determina a produção do aglutinogênio B.
• i ‡ não determina a produção de aglutinogênios.
Sistema Rh
Em 1940, Landsteiner e Winer publicaram a descoberta de um
antígeno, denominado fator Rhesus (fator Rh). Tais autores verificaram
que o sangue do macaco Rhesus, quando injetado em coelhos estimula
a formação de anticorpos (anti – Rh). Eles perceberam que o anti-Rh
produzido pelos coelhos provocava a aglutinação das hemácias de 85%
das pessoas de uma população, enquanto que 15% não apresentavam a
aglutinação.
Grupo sangüíneo Genótipos
Tipo A
Tipo B
Tipo AB
Tipo O
IA
IA
ou IA
i
IB
IB
ou IB
i
IA
IB
ii
Os indivíduos que apresentam em seu sangue o fator Rh são Rh
positivos (Rh+
); aqueles em que o fator Rh está ausente são Rh
negativos (Rh-
).
Herança do sistema Rh
O fator Rh é produzido pelo alelo dominante D e a ausência de fator
Rh, pelo alélo recessivo d.
Possíveis transfusões no sistema Rh
Fenótipos Genótipos
Rh+
RhRh ou DD
Rhrh ou Dd
Rh-
Rhrh ou dd
Rh positivo Rh negativo
Rh positivo Rh negativo
A pessoas Rh positivas podem receber o sangue Rh positivo como
Rh negativo anti – Rh no plasma sangüíneo, enquanto as pessoas Rh
negativo só podem receber o sangue Rh negativo.
Se uma pessoa Rh negativo receber o sangue Rh positivo, formará
o anti – Rh e na segunda transfusão, o anti – Rh formado provocará a
aglutinação das hemácias.
Doença hemolítica do recém – nascido
A doença hemolítica do recém nascido (DHRN), ou eritroblastose
fetal, ocorre quando existe incompatibilidade entre o sangue da mãe (Rh
negativo) e o sangue do filho (Rh positivo). A mãe, sendo Rh - negativo
poderá formar o anti Rh (anticorpo) se entra em contato com o sangue
Rh positivo do filho, durante o parto. Hemácias fetais podem passar
para a circulação materna e serem reconhecidas como antígeno e
induzirem a produção de anticorpo; podem circular através da placenta
e destruir as hemácias do feto, se ocorrer uma segunda gravidez, e o
filho for Rh positivo.
Com a destruição de hemácias, o feto torna-se anêmico e libera
grande número de hemácias imaturas nucleadas na circulação. Após o
nascimento, a hemólise produz uma grande quantidade de bilirrubina,
causando a icterícia (coloração amarela da pele e das mucosas). A
presença de bilirrubina pode provocar lesões cerebrais, que causam
surdez e retardo mental.
A mulher Rh negativo que receber, até 72 horas, após o parto, a
vacina anti – Rh, evitará a sensibilização, depois do nascimento de um
bebê Rh positivo. Os anticorpos recebidos pela mãe destroem as
hemácias Rh positivas do feto que passaram para o corpo da mãe.
Sistema MN
No sangue humano, são encontrados os antígenos M e N –
presentes nas hemácias, porém não existem problemas de transfusão,
devido à ausência de anticorpos (anti – M e anti – N).
Grupo Genótipo
Antígenos
Na Hemácias
M
N
MN
LM
LM
ou MM M
LN
LN
ou NN
LM
LN
ou MN
N
M e N
Exercícios
1) (Mack) – O heredograma abaixo apresenta os tipos dos sistemas
ABO e Rh em uma família.
A respeito desse heredograma, é correto afirmar que:
a) O casal 7 X 8 poderá ter uma criança com eritrobastose fetal.
b) Em caso de acidente, a mulher 7 poderá doar sangue para seu
marido que é receptor universal.
c) O genótipo do indivíduo 8 é iiRR.
d) A mulher 2 certamente apresenta Rh-
.
e) O indivíduo 3 pode ter genótipo IB
IB
rr.
2) (Vunesp) – A transfusão de sangue do tipo B para uma pessoa
do grupo A resultaria em:
a) reação de anticorpos anti – B do receptor com os glóbulos
vermelhos do doador.
b) reação dos antígenos B do receptor com os anticorpos anti – B
do doador.
c) formação de anticorpos anti – A e anti – B pelo receptor,
d) nenhuma reação, porque A é receptor universal.
e) reação de anticorpo anti – B do doador com antígenos A do
receptor.
3) (PUC) – Os tipos sangüíneos do sistema ABO de três casais e
três crianças são mostrados a seguir.
I. AB x AB a. A
II. B x B b. O
III. A x O c. AB
Sabendo – se que cada criança é filha de um dos casais, a
alternativa que associa corretamente cada casal a seu filho é.
a) I – a; II – b; III – c.
b) I – a; II – c; III – b.
c) I – b; II – a; III – c.
d) I – b; II – c; III – a.
e) I – c; II – b; III - a.
4) (Vunesp) – Uma mulher do tipo sangüíneo A, MN, Rh+
teve
quatro filhos cujos tipos sangüíneos são:
(1º
) AB, N, Rh-
;
(2º
) A, MN, Rh-
;
(3º
) B, M, Rh+
;
(4º
) O, MN, Rh+
;
Pergunta-se: um homem cujo tipo sangüíneo é AB, M, Rh-
poderá
ser considerado como pai dos filhos?
a) Sim, de todos.
b) Sim, mas apenas do primeiro.
c) Sim, mas apenas do terceiro.
d) Sim, mas apenas do segundo e do terceiro.
e) Não, de nenhum deles.
5) (Mack) – Assinale a alternativa que apresenta o resultado do
exame de tipagem sangüínea ABO e Rh para um indivíduo com genótipo
IA
iRr.
Gabarito dos exercícios
Resposta do exercício 1: A
Resposta do exercício 2: A
Resposta do exercício 3: E
Resposta do exercício 4: D
Resposta do exercício 5: A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Hereditariedade dos Grupos SanguíNeos
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeosHereditariedade dos Grupos SanguíNeos
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeos
 
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
 
Sistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator RhSistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator Rh
 
Imunologia i completa - arlindo
Imunologia i   completa - arlindoImunologia i   completa - arlindo
Imunologia i completa - arlindo
 
Sistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rhSistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rh
 
Sistema ABO
Sistema ABOSistema ABO
Sistema ABO
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
 
Tipagem sanguinea
Tipagem sanguineaTipagem sanguinea
Tipagem sanguinea
 
Amostra...
Amostra... Amostra...
Amostra...
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Manual do antibiograma
Manual do antibiograma Manual do antibiograma
Manual do antibiograma
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
 
Sistema Abo
Sistema AboSistema Abo
Sistema Abo
 
Doação de sangue
Doação de sangueDoação de sangue
Doação de sangue
 
Apresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguineaApresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguinea
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e FibrinóliseCoagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
 
Sistema abo --
Sistema abo --Sistema abo --
Sistema abo --
 
Anticorpos monoclonais e policlonais pdf
Anticorpos monoclonais e policlonais pdfAnticorpos monoclonais e policlonais pdf
Anticorpos monoclonais e policlonais pdf
 
Introdução a análises clínicas
Introdução a análises clínicasIntrodução a análises clínicas
Introdução a análises clínicas
 

Semelhante a Aula 14 sistema abo

Sangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboSangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboaferna
 
Sistema abo
Sistema aboSistema abo
Sistema aboletyap
 
aula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxaula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxLinoReisLino
 
Polialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneosPolialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneosIsaque Marques Pascoal
 
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKDIMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKDJiggly1
 
prof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercício
prof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercícioprof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercício
prof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercícioHebert Pecorelli
 
Aula de genética tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
Aula de genética   tipos sanguíneos e eritroblastose fetalAula de genética   tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
Aula de genética tipos sanguíneos e eritroblastose fetalMarcionedes De Souza
 
Genetica ENEM Completa.ppt
Genetica ENEM Completa.pptGenetica ENEM Completa.ppt
Genetica ENEM Completa.pptAlciaBfica1
 
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneoIncompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneoAna Karoline
 
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneoIncompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneoAna Karoline
 
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptxPPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptxsuplementacaonutrica
 
Sistema ABO e Co Dominância
Sistema ABO e Co DominânciaSistema ABO e Co Dominância
Sistema ABO e Co DominânciaAndrea Barreto
 
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes VisuaisAdaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes VisuaisGlauber Eduardo Aragon Pereira
 

Semelhante a Aula 14 sistema abo (20)

Sistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdfSistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdf
 
Tipos sanguineos
Tipos sanguineosTipos sanguineos
Tipos sanguineos
 
Sangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboSangue e Sistema abo
Sangue e Sistema abo
 
Sistema abo
Sistema aboSistema abo
Sistema abo
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Os alelos múltiplos
Os alelos múltiplosOs alelos múltiplos
Os alelos múltiplos
 
aula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxaula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptx
 
Polialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneosPolialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneos
 
Genetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RHGenetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RH
 
Grupos sanguíneos
Grupos sanguíneosGrupos sanguíneos
Grupos sanguíneos
 
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKDIMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
IMUNOGENÉTICA GTETAURIRAHBDJDKSKAJDHFHRRRKKD
 
prof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercício
prof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercícioprof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercício
prof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercício
 
Aula de genética tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
Aula de genética   tipos sanguíneos e eritroblastose fetalAula de genética   tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
Aula de genética tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
 
Genetica ENEM Completa.ppt
Genetica ENEM Completa.pptGenetica ENEM Completa.ppt
Genetica ENEM Completa.ppt
 
4. sangue humano
4. sangue humano4. sangue humano
4. sangue humano
 
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneoIncompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneo
 
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneoIncompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneo
 
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptxPPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
 
Sistema ABO e Co Dominância
Sistema ABO e Co DominânciaSistema ABO e Co Dominância
Sistema ABO e Co Dominância
 
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes VisuaisAdaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª faseJonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª faseJonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasilJonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européiaJonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assisJonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasilJonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismoJonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosaJonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasilJonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugalJonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasilJonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 

Último (20)

EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 

Aula 14 sistema abo

  • 1. Aula 14 Sistema ABO A transfusão de sangue incompatível pode provocar queda de pressão, escurecimento da visão, desmaio e até a morte. Esses efeitos são devidos a uma reação de aglutinação, ou seja reunião de hemácias em massa, seguida de destruição, que podem obstruir capilares, provocando embolias; isso ocorre porque há certa incompatibilidade entre as hemácias de determinados indivíduos e o plasma de outros. Em 1901 Karl Landsteiner observou que, ao misturar sangue de um indivíduo com o plasma do outro, surgiam em determinados casos, a reação de aglutinação. Sabemos hoje que é causada por uma reação antígeno - anticorpo. No corpo dos seres vivos, uma substância estranha pode desencadear a produção de anticorpo (proteínas de defesa), que é sempre uma proteína denominada imunoglobulina. Antígenos são as substâncias que estimulam a produção de um anticorpo. A reação entre o antígeno e o anticorpo é específica. Os antígenos do sistema ABO são denominados por aglutinogênio A e aglutinogênio B; são encontrados nas hemácias; os anticorpos correspondentes são a aglutinina anti – A e aglutinina anti – B; são encontrados no plasma do sangue. Esses anticorpos são naturais, isto é, não necessitam da presença do antígeno para ser produzido. Conforme os aglutinogênios, que estão presentes nas hemácias, as pessoas são classificados em quatro grupos: A, B, AB e O. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) A B AB O A B A e B - Anti - B Anti - A - Anti – B Anti - A
  • 2. A determinação do grupo sangüíneo pode ser feita através da tipagem sangüínea. Misturando uma gota de sangue a ser identificada com uma gota de soro anti–A e anti–B, observa-se o resultado abaixo: Determinação dos grupo sangüíneos ABO por aglutinação em lâmina. Possibilidades de transfusão Para ocorrer a transfusão de sangue, deve haver compatibilidade entre as hemácias do doador e o plasma do receptor, isto é, o receptor não tem aglutinina contra os aglutinogênios do sangue que está recebendo. Tipo O ‡ d o a d o r universal, não apresenta aglutinogênio. Tipo AB ‡ receptor universal, não apresenta aglutinina no plasma.
  • 3. A herança do grupo ABO Os grupos sangüíneos ABO são determinados pelos alelos: IA , IB , i. • IA ‡ determina a produção do aglutinogênio A. • IB ‡ determina a produção do aglutinogênio B. • i ‡ não determina a produção de aglutinogênios. Sistema Rh Em 1940, Landsteiner e Winer publicaram a descoberta de um antígeno, denominado fator Rhesus (fator Rh). Tais autores verificaram que o sangue do macaco Rhesus, quando injetado em coelhos estimula a formação de anticorpos (anti – Rh). Eles perceberam que o anti-Rh produzido pelos coelhos provocava a aglutinação das hemácias de 85% das pessoas de uma população, enquanto que 15% não apresentavam a aglutinação. Grupo sangüíneo Genótipos Tipo A Tipo B Tipo AB Tipo O IA IA ou IA i IB IB ou IB i IA IB ii
  • 4. Os indivíduos que apresentam em seu sangue o fator Rh são Rh positivos (Rh+ ); aqueles em que o fator Rh está ausente são Rh negativos (Rh- ). Herança do sistema Rh O fator Rh é produzido pelo alelo dominante D e a ausência de fator Rh, pelo alélo recessivo d. Possíveis transfusões no sistema Rh Fenótipos Genótipos Rh+ RhRh ou DD Rhrh ou Dd Rh- Rhrh ou dd
  • 5. Rh positivo Rh negativo Rh positivo Rh negativo A pessoas Rh positivas podem receber o sangue Rh positivo como Rh negativo anti – Rh no plasma sangüíneo, enquanto as pessoas Rh negativo só podem receber o sangue Rh negativo. Se uma pessoa Rh negativo receber o sangue Rh positivo, formará o anti – Rh e na segunda transfusão, o anti – Rh formado provocará a aglutinação das hemácias. Doença hemolítica do recém – nascido A doença hemolítica do recém nascido (DHRN), ou eritroblastose fetal, ocorre quando existe incompatibilidade entre o sangue da mãe (Rh negativo) e o sangue do filho (Rh positivo). A mãe, sendo Rh - negativo poderá formar o anti Rh (anticorpo) se entra em contato com o sangue Rh positivo do filho, durante o parto. Hemácias fetais podem passar para a circulação materna e serem reconhecidas como antígeno e induzirem a produção de anticorpo; podem circular através da placenta e destruir as hemácias do feto, se ocorrer uma segunda gravidez, e o filho for Rh positivo. Com a destruição de hemácias, o feto torna-se anêmico e libera grande número de hemácias imaturas nucleadas na circulação. Após o nascimento, a hemólise produz uma grande quantidade de bilirrubina, causando a icterícia (coloração amarela da pele e das mucosas). A presença de bilirrubina pode provocar lesões cerebrais, que causam surdez e retardo mental. A mulher Rh negativo que receber, até 72 horas, após o parto, a vacina anti – Rh, evitará a sensibilização, depois do nascimento de um bebê Rh positivo. Os anticorpos recebidos pela mãe destroem as hemácias Rh positivas do feto que passaram para o corpo da mãe.
  • 6. Sistema MN No sangue humano, são encontrados os antígenos M e N – presentes nas hemácias, porém não existem problemas de transfusão, devido à ausência de anticorpos (anti – M e anti – N). Grupo Genótipo Antígenos Na Hemácias M N MN LM LM ou MM M LN LN ou NN LM LN ou MN N M e N
  • 7. Exercícios 1) (Mack) – O heredograma abaixo apresenta os tipos dos sistemas ABO e Rh em uma família. A respeito desse heredograma, é correto afirmar que: a) O casal 7 X 8 poderá ter uma criança com eritrobastose fetal. b) Em caso de acidente, a mulher 7 poderá doar sangue para seu marido que é receptor universal. c) O genótipo do indivíduo 8 é iiRR. d) A mulher 2 certamente apresenta Rh- . e) O indivíduo 3 pode ter genótipo IB IB rr. 2) (Vunesp) – A transfusão de sangue do tipo B para uma pessoa do grupo A resultaria em: a) reação de anticorpos anti – B do receptor com os glóbulos vermelhos do doador.
  • 8. b) reação dos antígenos B do receptor com os anticorpos anti – B do doador. c) formação de anticorpos anti – A e anti – B pelo receptor, d) nenhuma reação, porque A é receptor universal. e) reação de anticorpo anti – B do doador com antígenos A do receptor. 3) (PUC) – Os tipos sangüíneos do sistema ABO de três casais e três crianças são mostrados a seguir. I. AB x AB a. A II. B x B b. O III. A x O c. AB Sabendo – se que cada criança é filha de um dos casais, a alternativa que associa corretamente cada casal a seu filho é. a) I – a; II – b; III – c. b) I – a; II – c; III – b. c) I – b; II – a; III – c. d) I – b; II – c; III – a. e) I – c; II – b; III - a. 4) (Vunesp) – Uma mulher do tipo sangüíneo A, MN, Rh+ teve quatro filhos cujos tipos sangüíneos são: (1º ) AB, N, Rh- ; (2º ) A, MN, Rh- ; (3º ) B, M, Rh+ ; (4º ) O, MN, Rh+ ; Pergunta-se: um homem cujo tipo sangüíneo é AB, M, Rh- poderá ser considerado como pai dos filhos? a) Sim, de todos. b) Sim, mas apenas do primeiro. c) Sim, mas apenas do terceiro. d) Sim, mas apenas do segundo e do terceiro. e) Não, de nenhum deles.
  • 9. 5) (Mack) – Assinale a alternativa que apresenta o resultado do exame de tipagem sangüínea ABO e Rh para um indivíduo com genótipo IA iRr. Gabarito dos exercícios Resposta do exercício 1: A Resposta do exercício 2: A Resposta do exercício 3: E Resposta do exercício 4: D Resposta do exercício 5: A