SlideShare uma empresa Scribd logo
SINTAXE
PROF. ADRIANA CHRISTINNE
GRAMÁTICA
SINTAXE
 Sintaxe é a parte da gramática que estuda a disposição das
palavras na frase e no discurso, bem como a relação lógica das
orações e frases entre si.
 Bia comprou canetas. (FS) FUNÇÃO SINTÁTICA
Substantivo verbo adjetivo substantivo (FM)
FUNÇÃO MORFOLÓGICA
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
MARIA AMA SORVETE
MARIA GOSTA DE SORVETE
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
FRASE
 Frase é todo enunciado de sentido completo, podendo ser formada por uma só
palavra ou por várias, podendo ter verbos ou não. A frase exprime, através da fala
ou da escrita:
 IDEIAS EMOÇÕES ORDENS APELOS
Exemplos:
O Brasil possui um grande potencial turístico.
Espantoso!
Não vá embora.
Silêncio!
O telefone está tocando.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 Existem alguns tipos de frases cuja entoação é mais ou
menos previsível, de acordo com o sentido que
transmitem. São elas:
a) Frases Interrogativas: ocorrem quando uma pergunta é
feita pelo emissor da mensagem. São empregadas quando
se deseja obter alguma informação. A interrogação pode
ser direta ou indireta.
 Você aceita um copo de suco? (Interrogação direta)
Desejo saber se você aceita um copo de suco.
(Interrogação indireta)
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
b) Frases Imperativas: ocorrem quando o emissor da
mensagem dá uma ordem, um conselho ou faz um
pedido, utilizando o verbo no modo imperativo. Podem
ser afirmativas ou negativas.
 Faça-o entrar no carro! (Afirmativa)
Não faça isso. (Negativa)
Dê-me uma ajudinha com isso! (Afirmativa)
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
c) Frases Exclamativas: nesse tipo de frase o emissor
exterioriza um estado afetivo. Apresentam entoação
ligeiramente prolongada.
 Que prova difícil!
 É uma delícia esse bolo!
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
d) Frases Declarativas: ocorrem quando o emissor constata
um fato. Esse tipo de frase informa ou declara alguma coisa.
Podem ser afirmativas ou negativas.
 Obrigaram o rapaz a sair. (Afirmativa)
Ela não está em casa. (Negativa)
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
De acordo com a construção, as frases classificam-se em:
 Frase Nominal: é a frase construída sem verbos.
Exemplos:
Fogo!
Cuidado!
Belo serviço o seu!
Trabalho digno desse feirante.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 Frase Verbal: é a frase construída
com verbo.
Por Exemplo:
O sol ilumina a cidade e aquece os
dias.
Os casais saíram para jantar.
A bola rolou escada abaixo.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
É o conjunto de palavras que giram em torno de um verbo.
Uma frase verbal pode ser também uma oração. Para isso é necessário:
- que o enunciado tenha sentido completo;
- que o enunciado tenha verbo (ou locução verbal).
Por Exemplo:
Camila terminou a leitura do livro.
Uma frase nominal nunca será uma oração por possuir verbo.
ORAÇÃO
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
PERÍODO
Período é a frase constituída de uma ou mais orações, formando um todo,
com sentido completo. O período pode ser simples ou composto.
 Período Simples
É aquele constituído por apenas uma oração, que recebe o nome de oração
absoluta.
Exemplos:
 O amor é eterno.
 As plantas necessitam de cuidados especiais.
 Quero aquelas rosas.
 O tempo é o melhor remédio.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 Período Composto
É aquele constituído por duas ou mais orações.
Exemplos:
 Quando você partiu minha vida ficou sem alegrias.
 Quero aquelas flores para presentear minha mãe.
 Vou gritar para todos ouvirem que estou sabendo o que acontece ao
anoitecer.
 Cheguei, jantei e fui dormir.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
TERMOS DA ORAÇÃO
Segundo a Nomenclatura Gramatical Brasileira, os termos da oração podem ser:
1) Essenciais
2) Integrantes
3) Acessórios
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
1) ESSENCIAIS
Também conhecidos como termos "fundamentais",
são representados pelo:
 Sujeito;
 Predicado.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 concorda com o verbo;
 constitui seu assunto central;
 apresenta como núcleo um substantivo, um
pronome ou uma palavra substantivada.
SUJEITO
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
TIPOS DE SUJEITO
 simples => Apresenta um único núcleo.
 Meu avô brigou com os outros fazendeiros.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 composto => Apresenta mais de um núcleo.
 Os quadros, os livros e os móveis antigos não serão vendidos.
oculto (desinencial ou implícito) => Encontra-
se implícito na forma verbal ou no contexto.
Sinto muito a falta de meus livros.
Os agricultores participaram da reunião.
Decidiram comprar novos equipamentos.
 indeterminado => Quando não se quer ou não se
pode identificar claramente a quem o predicado da
oração se refere. Há duas maneiras de se
indeterminar o sujeito:
 verbo na 3ª pessoa do plural, sem referência a
nenhum termo identificado anteriormente:
Procuraram você ontem à noite.
Estão pedindo sua presença lá fora.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
verbo acompanhado do pronome SE.
Atuando como índice de indeterminação do
sujeito:
Vive-se melhor fora das cidades grandes.
Precisa-se de novos vendedores.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
oração sem sujeito (inexistente) =>
Formada apenas por predicados, nos
aparecem verbos impessoais. Ocorre
verbos que exprimem fenômenos da
natureza:
Choveu pouco no último mês de
março.
Anoiteceu rapidamente.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
os verbos estar, fazer, haver e ser,
quando indicam tempo ou fenômeno
natural.
Está cedo.
Faz muito frio na Europa.
Há meses não vejo sua prima.
São duas horas da tarde.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
verbo haver, expressando
existência ou acontecimento.
Há boas razões para suspeitarmos
dele.
Houve vários bate-bocas durante
a assembleia.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
PREDICADO
 É tudo aquilo que se diz a respeito do sujeito.
São três tipos de predicado: verbal, nominal e predicado verbo-nominal.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
Predicado verbal: Aquele que tem como
núcleo (palavra mais importante) um verbo
significativo.

Ex.: As crianças descobriram o esconderijo
gato.
Núcleo: descobriram (verbo significativo)
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
Predicado nominal
Aquele cujo núcleo é um nome
Nesse tipo de predicado, o verbo não é
significativo e sim de ligação. Serve de elo
entre o sujeito e o predicativo.
Ex.: Todos estavam apressados.
Núcleo: apressados (predicativo)
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 Predicado verbo-nominal
 Aquele que possui dois núcleos: um verbo
significativo e um predicativo do sujeito ou do
objeto.
Ex.: O juiz julgou o réu culpado.
Núcleos:
julgou- verbo significativo
culpado- predicativo do objeto (o réu)
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
2) INTEGRANTES
Completam o sentido dos verbos e dos nomes, são representados por:
 Complemento verbal - objeto direto e indireto;
 Complemento nominal;
 Agente da passiva;
 Predicativo do Objeto.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
PREDICAÇÃO VERBAL
 A predicação é o tipo de relação que o verbo
mantém com o sujeito da oração. De acordo com
essa relação, há dois grupos:
 verbos de ligação ( ou de estado);
 verbos de ação (significativos ou nocionais).
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
VERBO DE LIGAÇÃO (ESTADO OU NÃO
NOCIONAL)
 Não expressam ações do sujeito;
 Ligam o sujeito a seu atributo, estado ou característica;
 Eu sou o poeta solitário.
 Minha namorada está atrasada.
 Pedro parecia feliz em sua nova casa.
 Todos permaneceram calados.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 A novela continua enfadonha.
 O rapaz tornou-se um grande político.
 Joana anda preocupada com as dívidas.
 Nós ficamos alegres por sua nomeação.
 Nós viramos fãs do novo candidato
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
VERBOS SIGNIFICATIVOS (AÇÃO OU NOCIONAIS)
 Indicam ação, acontecimento, fenômeno natural, desejo, atividade
mental.
 Apresentam transitividade ou não.
A transitividade verbal é a necessidade que alguns verbos apresentam
de ter outras palavras como complemento. A esses verbos que
exigem complemento chamamos de transitivos e aos que não exigem
complemento chamamos de intransitivos.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
VERBOS TRANSITIVOS
 São verbos que necessitam de complementação, pois têm sentido
incompleto. Observe as orações:
Rebeca ama seus amigos
A mãe reclama do preço das frutas.
Ana promete melhores resultados aos pais.
Perceba que os três verbos utilizados nos exemplos necessitam de
complementação, pois quem ama, ama alguém, quem reclama, reclama de
algo e quem promete, promete algo a alguém.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 TRANSITIVO DIRETO
 Exige complemento sem preposição obrigatória. O complemento é
denominado objeto direto.
 A mãe ama flores vermelhas.
 Compramos novos livros.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
OBJETO
DIRETO
OBJETO
DIRETO
 TRANSITIVO INDIRETO
 Exige complemento com preposição obrigatória. O complemento é
denominado objeto indireto.
 ELEONORA GOSTA DE SORVETE.
 A POPULAÇÃO ACREDITA EM MUDANÇAS DO CLIMA.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
OBJETO
INDIRETO
TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO
 Possuem dois complementos; o objeto direto e o
objeto indireto.
 Os alunos trouxeram chocolate para a professora.
 Os amigos doaram seus livros para crianças carentes.
OBJETO
DIRETO
OBJETO
INDIRETO
VTDI
VL
VTI
VT
VTD
VI O QUÊ? QUEM? OD
QUÊ? QUEM?
DE DE OI
VTDI
QUÊ? QUEM?
DE DE
O QUÊ? QUEM? OD
OI
VL
VTI
VT
VTD
VI
Verbo de
ligação
OD
OI
Verbo
intransitivo
Verbo transitivo
Verbo transitivo direto
Verbo transitivo
indireto
Verbo transitivo direto e indireto
Objeto direto
VTDI
Objeto indireto
Liga o sujeito ao predicado e
predicativo.
Não precisa de complemento,
pois tem sentido completo.
Precisa de complemento e
divide-se em 3 tipos.
Precisa de complemento sem
preposição.
Precisa de complemento com
preposição.
Precisa de dois complementos (OD e OI).
Complemento do verbo
transitivo direto.
Complemento do verbo
transitivo indireto..
COMPLEMENTOS VERBAIS
 OBJETO DIRETO
 É o complemento de um verbo transitivo direto, ou seja, o complemento
que normalmente vem ligado ao verbo sem preposição e indica o ser
para o qual se dirige a ação verbal.
Pode ser representado por:
a) substantivo:
Passageiros e motoristas atiram moedas.
b) pronome (substantivo):
Os jornais nada publicaram.
c) numeral:
A moça da repartição ganha 450 reais.
d) palavra substantivada:
Tem um quê de inexplicável.
e) oração:
Meu pai dizia que os amigos são para as ocasiões.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 OBJETO INDIRETO
 É o complemento de um verbo transitivo indireto, isto é, o complemento
que se liga ao verbo por meio de preposição.
Pode ser representado por:
a) substantivo:
Falamos de vários assuntos inconfessáveis.
b) pronome (substantivo):
Também dialogava com elas.
c) numeral:
É preciso optar por um
d) oração:
Esquecia-se de que não havia piano em casa.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
COMPLEMENTO NOMINAL
 É o termo sintático que complementa nomes, isto é, substantivos,
adjetivos e advérbios. Normalmente o complemento nominal é
regido de preposição.
 Declare seu amor pelo Ceará.
 A oposição votou favoravelmente ao governo.
 O torcedor tinha fé em seu time.
 Fiquei indiferente a sua desculpa.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
3) ACESSÓRIOS
Desempenham função secundária (especificam o substantivo ou expressam
circunstância). São representados por:
 Adjunto adnominal;
 Adjunto adverbial;
 Aposto.
 Vocativo.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
ADJUNTO ADNOMINAL
 É o termo da oração que modifica um substantivo, qualquer que seja
sua função sintática, qualificando-o, especificando-o, determinando-o
ou indeterminando-o.
 Adjetivo
 As casas antigas eram mais trabalhadas.
 As rosas vermelhas murcharam.
 Artigo
 As estrelas iluminavam a noite.
 Os motoristas estavam descontrolados.
 Numeral
 Três árvores caíram.
 Dois carros chocaram-se violentamente.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
PROF. ADRIANA CHRISTINNE
GRAMÁTICA
Pronome adjetivo
• Aqueles computadores estão
quebrados.
• Essas garotas estão impossíveis hoje.
Locução adjetiva
• O suco de laranja estava gostoso.
• O período de férias foi proveitoso.
OUTROS EXEMPLOS
• No desfile, duas garotas vestiam calças
e camisetas brancas.
• Pode levar também este jornal; meu
filho caçula já leu o caderno de
esportes.
• O espetáculo de dança foi suspenso até
segunda ordem.
• O espetáculo coreográfico foi suspenso
até segunda ordem.
ADJUNTO ADNOMINAL X
COMPLEMENTO NOMINAL
 O complemento nominal é o termo que completa o sentido de
substantivos, adjetivos e advérbios, ligando-se a esses nomes por meio de
preposição.
 Tenho a certeza de sua culpa.
 Ela está longe da verdade.
 A árvore está cheia de frutos.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 Para determinar o complemento nominal basta seguir o seguinte esquema:
 Nome (SUBSTANTIVO, ADJETIVO,ADVÉRBIO) + preposição + QUEM ou
QUE?
 Ele é perito em computação.
 O adjunto adnominal indica tipo, matéria, substância ou possuidor
 A porta de madeira foi arrombada.
 A casa de João foi assaltada.
 Ele tem amor de mãe por sua professora.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
DIFERENÇA ENTRE COMPLEMENTO NOMINAL
E OBJETO INDIRETO
 Para diferenciar o complemento nominal do objeto indireto é só analisar
que o complemento nominal complementa o sentido dos nomes –
substantivo, adjetivo e advérbio – e o objeto indireto completa o sentido de
um verbo transitivo indireto.
 Lembrei-me de minha terra natal.
 Ela manteve seu gosto pelo luxo.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
ADJUNTO ADVERBIAL
É a função sintática da palavra ou expressão
que serve para modificar ou intensificar o
sentido do verbo, do predicativo ou de outro
adjunto adverbial atribuindo-lhes uma
circunstância.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 01) Adjunto Adverbial de Tempo:

O avião chegará à tarde.
De vez em quando, vou ao teatro
 02) Adjunto Adverbial de Lugar:

O namorado olhava a namorada a distância.
Viveremos aqui para sempre.
 03) Adjunto Adverbial de Modo:

A s crianças falavam com medo.
Caminhei à toa pela cidade.

 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 04) Adjunto Adverbial de Negação:
Não terás mais a minha confiança.
De modo algum, farei o que você quer.
 05) Adjunto Adverbial de Afirmação:
Denise é uma excelente amiga, efetivamente.
Sem dúvida alguma, faremos prova amanhã.
 06) Adjunto Adverbial de Dúvida:
Quem sabe, faremos uma boa
Talvez encontremos a solução.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 07) Adjunto Adverbial de Intensidade:
Ela estava chorando à beça.
Não sabíamos quão longe era a casa.
 08) Adjunto Adverbial de Meio:
Ela viajou de avião.
Prefiro ir de automóvel.
 09) Adjunto Adverbial de Causa:
O homem trabalha por necessidade.
O filho partiu por conselho da mãe.
 10) Adjunto Adverbial de Companhia:
Iremos à cidade com o professor.
Voltarei a praça contigo.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 11) Adjunto Adverbial de Finalidade:

Estudemos para vida.
Vestiam-se para o casamento
 12) Adjunto Adverbial de Oposição:

O Flamengo jogará contra o Fluminense.
 13) Adjunto Adverbial de Assunto:

Conversamos sobre a fome.
Discutiremos acerca de seu problema.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática
 14) Adjunto Adverbial de Preço:
Comprei esta camisa por dez reais.
 15) Adjunto Adverbial de Matéria:
Fiz de ouro, as alianças.
 16) Adjunto Adverbial de Concessão:
Apesar de você, amanhã há de ser outro dia. (Chico Buarque).
 17) Adjunto Adverbial de Condição:
Sem disciplina, não há educação.
 Prof. Adriana Christinne
 Gramática

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeitoIedaSantana
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoJoyce de Oliveira
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbalSadrak Silva
 
Artigos definidos e indefinidos teoria
Artigos definidos e indefinidos   teoriaArtigos definidos e indefinidos   teoria
Artigos definidos e indefinidos teoriaJaqueline Moura
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoNAPNE
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerenciasilnog
 
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1Alice Silva
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoPéricles Penuel
 

Mais procurados (20)

Preposições
PreposiçõesPreposições
Preposições
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Pronomes Relativos.
Pronomes Relativos.Pronomes Relativos.
Pronomes Relativos.
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Hifen
HifenHifen
Hifen
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
 
TIPOS DE VERBOS
TIPOS DE VERBOSTIPOS DE VERBOS
TIPOS DE VERBOS
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Artigos definidos e indefinidos teoria
Artigos definidos e indefinidos   teoriaArtigos definidos e indefinidos   teoria
Artigos definidos e indefinidos teoria
 
Flexão do Substantivo
Flexão do SubstantivoFlexão do Substantivo
Flexão do Substantivo
 
Mas, mais e más
Mas, mais e másMas, mais e más
Mas, mais e más
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 

Semelhante a Sintaxe sintaxe

fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxBruna Dantas
 
PORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃOPORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃOvxctorwa
 
14ª lista de exercícios português
14ª lista de exercícios   português14ª lista de exercícios   português
14ª lista de exercícios portuguêsJosé M Lourenço
 
Adjunto nominal e complemento nominal (PROF. Elaine)
Adjunto nominal e complemento nominal (PROF. Elaine)Adjunto nominal e complemento nominal (PROF. Elaine)
Adjunto nominal e complemento nominal (PROF. Elaine)Elaine Lima
 
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10  Termos da OraçãoCefet/Coltec Aula 10  Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da OraçãoProfFernandaBraga
 
Análise sintática - TERMO ACESSÓRIO.pptx
Análise sintática - TERMO ACESSÓRIO.pptxAnálise sintática - TERMO ACESSÓRIO.pptx
Análise sintática - TERMO ACESSÓRIO.pptxBerlaPaiva
 
1 SLIDESClasses-de-palavras - importantes.pptx
1 SLIDESClasses-de-palavras - importantes.pptx1 SLIDESClasses-de-palavras - importantes.pptx
1 SLIDESClasses-de-palavras - importantes.pptxLauraYouTuber
 
Materia global exame portugues
Materia global exame portuguesMateria global exame portugues
Materia global exame portuguesCarla Fernandes
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSandra Paula
 
Cefet/Coltec Aula 4 Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4   MorfologiaCefet/Coltec Aula 4   Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4 MorfologiaProfFernandaBraga
 
Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadasSinara Lustosa
 

Semelhante a Sintaxe sintaxe (20)

fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
 
AULA 1
AULA 1 AULA 1
AULA 1
 
PORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃOPORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃO
 
Sujeito indeterminado
Sujeito indeterminadoSujeito indeterminado
Sujeito indeterminado
 
Aula 3 lp em
Aula 3   lp emAula 3   lp em
Aula 3 lp em
 
Classes-de-palavras.pptx
Classes-de-palavras.pptxClasses-de-palavras.pptx
Classes-de-palavras.pptx
 
Português 1
Português 1Português 1
Português 1
 
14ª lista de exercícios português
14ª lista de exercícios   português14ª lista de exercícios   português
14ª lista de exercícios português
 
ANÁLISE SINTÁTICA.ppt
ANÁLISE SINTÁTICA.pptANÁLISE SINTÁTICA.ppt
ANÁLISE SINTÁTICA.ppt
 
Portugues 2015
Portugues 2015Portugues 2015
Portugues 2015
 
Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2
 
Adjunto nominal e complemento nominal (PROF. Elaine)
Adjunto nominal e complemento nominal (PROF. Elaine)Adjunto nominal e complemento nominal (PROF. Elaine)
Adjunto nominal e complemento nominal (PROF. Elaine)
 
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10  Termos da OraçãoCefet/Coltec Aula 10  Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da Oração
 
Análise sintática - TERMO ACESSÓRIO.pptx
Análise sintática - TERMO ACESSÓRIO.pptxAnálise sintática - TERMO ACESSÓRIO.pptx
Análise sintática - TERMO ACESSÓRIO.pptx
 
1 SLIDESClasses-de-palavras - importantes.pptx
1 SLIDESClasses-de-palavras - importantes.pptx1 SLIDESClasses-de-palavras - importantes.pptx
1 SLIDESClasses-de-palavras - importantes.pptx
 
Sintaxe Volume 1
Sintaxe Volume 1Sintaxe Volume 1
Sintaxe Volume 1
 
Materia global exame portugues
Materia global exame portuguesMateria global exame portugues
Materia global exame portugues
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividades
 
Cefet/Coltec Aula 4 Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4   MorfologiaCefet/Coltec Aula 4   Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4 Morfologia
 
Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadas
 

Mais de Colégio Santa Luzia

Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Colégio Santa Luzia
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoColégio Santa Luzia
 
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Colégio Santa Luzia
 
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Colégio Santa Luzia
 
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Colégio Santa Luzia
 
Modernismo no brasil – segunda fase poesia
Modernismo no brasil – segunda fase   poesiaModernismo no brasil – segunda fase   poesia
Modernismo no brasil – segunda fase poesiaColégio Santa Luzia
 
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiroSemana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiroColégio Santa Luzia
 

Mais de Colégio Santa Luzia (20)

ORAÇÕES REDUZIDAS.pptx
ORAÇÕES REDUZIDAS.pptxORAÇÕES REDUZIDAS.pptx
ORAÇÕES REDUZIDAS.pptx
 
NUMERAL - GRAMÁTICA - MORFOLOGIA
NUMERAL - GRAMÁTICA - MORFOLOGIA NUMERAL - GRAMÁTICA - MORFOLOGIA
NUMERAL - GRAMÁTICA - MORFOLOGIA
 
Funcões da linguagem -
Funcões da linguagem - Funcões da linguagem -
Funcões da linguagem -
 
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de Informação
 
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
 
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
 
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
 
Modernismo no brasil – segunda fase poesia
Modernismo no brasil – segunda fase   poesiaModernismo no brasil – segunda fase   poesia
Modernismo no brasil – segunda fase poesia
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiroSemana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 

Último

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

Sintaxe sintaxe

  • 2.
  • 3. SINTAXE  Sintaxe é a parte da gramática que estuda a disposição das palavras na frase e no discurso, bem como a relação lógica das orações e frases entre si.  Bia comprou canetas. (FS) FUNÇÃO SINTÁTICA Substantivo verbo adjetivo substantivo (FM) FUNÇÃO MORFOLÓGICA  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 4. MARIA AMA SORVETE MARIA GOSTA DE SORVETE
  • 5.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 6. FRASE  Frase é todo enunciado de sentido completo, podendo ser formada por uma só palavra ou por várias, podendo ter verbos ou não. A frase exprime, através da fala ou da escrita:  IDEIAS EMOÇÕES ORDENS APELOS Exemplos: O Brasil possui um grande potencial turístico. Espantoso! Não vá embora. Silêncio! O telefone está tocando.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 7.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 8.  Existem alguns tipos de frases cuja entoação é mais ou menos previsível, de acordo com o sentido que transmitem. São elas: a) Frases Interrogativas: ocorrem quando uma pergunta é feita pelo emissor da mensagem. São empregadas quando se deseja obter alguma informação. A interrogação pode ser direta ou indireta.  Você aceita um copo de suco? (Interrogação direta) Desejo saber se você aceita um copo de suco. (Interrogação indireta)  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 9. b) Frases Imperativas: ocorrem quando o emissor da mensagem dá uma ordem, um conselho ou faz um pedido, utilizando o verbo no modo imperativo. Podem ser afirmativas ou negativas.  Faça-o entrar no carro! (Afirmativa) Não faça isso. (Negativa) Dê-me uma ajudinha com isso! (Afirmativa)  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 10. c) Frases Exclamativas: nesse tipo de frase o emissor exterioriza um estado afetivo. Apresentam entoação ligeiramente prolongada.  Que prova difícil!  É uma delícia esse bolo!  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 11. d) Frases Declarativas: ocorrem quando o emissor constata um fato. Esse tipo de frase informa ou declara alguma coisa. Podem ser afirmativas ou negativas.  Obrigaram o rapaz a sair. (Afirmativa) Ela não está em casa. (Negativa)  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 12.
  • 13. De acordo com a construção, as frases classificam-se em:  Frase Nominal: é a frase construída sem verbos. Exemplos: Fogo! Cuidado! Belo serviço o seu! Trabalho digno desse feirante.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 14.
  • 15.  Frase Verbal: é a frase construída com verbo. Por Exemplo: O sol ilumina a cidade e aquece os dias. Os casais saíram para jantar. A bola rolou escada abaixo.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 16. É o conjunto de palavras que giram em torno de um verbo. Uma frase verbal pode ser também uma oração. Para isso é necessário: - que o enunciado tenha sentido completo; - que o enunciado tenha verbo (ou locução verbal). Por Exemplo: Camila terminou a leitura do livro. Uma frase nominal nunca será uma oração por possuir verbo. ORAÇÃO  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 17. PERÍODO Período é a frase constituída de uma ou mais orações, formando um todo, com sentido completo. O período pode ser simples ou composto.  Período Simples É aquele constituído por apenas uma oração, que recebe o nome de oração absoluta. Exemplos:  O amor é eterno.  As plantas necessitam de cuidados especiais.  Quero aquelas rosas.  O tempo é o melhor remédio.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 18.  Período Composto É aquele constituído por duas ou mais orações. Exemplos:  Quando você partiu minha vida ficou sem alegrias.  Quero aquelas flores para presentear minha mãe.  Vou gritar para todos ouvirem que estou sabendo o que acontece ao anoitecer.  Cheguei, jantei e fui dormir.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 19. TERMOS DA ORAÇÃO Segundo a Nomenclatura Gramatical Brasileira, os termos da oração podem ser: 1) Essenciais 2) Integrantes 3) Acessórios  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 20. 1) ESSENCIAIS Também conhecidos como termos "fundamentais", são representados pelo:  Sujeito;  Predicado.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 21.  concorda com o verbo;  constitui seu assunto central;  apresenta como núcleo um substantivo, um pronome ou uma palavra substantivada. SUJEITO  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 22. TIPOS DE SUJEITO  simples => Apresenta um único núcleo.  Meu avô brigou com os outros fazendeiros.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 23.  composto => Apresenta mais de um núcleo.  Os quadros, os livros e os móveis antigos não serão vendidos.
  • 24. oculto (desinencial ou implícito) => Encontra- se implícito na forma verbal ou no contexto. Sinto muito a falta de meus livros. Os agricultores participaram da reunião. Decidiram comprar novos equipamentos.
  • 25.  indeterminado => Quando não se quer ou não se pode identificar claramente a quem o predicado da oração se refere. Há duas maneiras de se indeterminar o sujeito:  verbo na 3ª pessoa do plural, sem referência a nenhum termo identificado anteriormente: Procuraram você ontem à noite. Estão pedindo sua presença lá fora.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 26.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 27. verbo acompanhado do pronome SE. Atuando como índice de indeterminação do sujeito: Vive-se melhor fora das cidades grandes. Precisa-se de novos vendedores.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 28. oração sem sujeito (inexistente) => Formada apenas por predicados, nos aparecem verbos impessoais. Ocorre verbos que exprimem fenômenos da natureza: Choveu pouco no último mês de março. Anoiteceu rapidamente.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 29. os verbos estar, fazer, haver e ser, quando indicam tempo ou fenômeno natural. Está cedo. Faz muito frio na Europa. Há meses não vejo sua prima. São duas horas da tarde.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 30. verbo haver, expressando existência ou acontecimento. Há boas razões para suspeitarmos dele. Houve vários bate-bocas durante a assembleia.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 31. PREDICADO  É tudo aquilo que se diz a respeito do sujeito. São três tipos de predicado: verbal, nominal e predicado verbo-nominal.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 32. Predicado verbal: Aquele que tem como núcleo (palavra mais importante) um verbo significativo.  Ex.: As crianças descobriram o esconderijo gato. Núcleo: descobriram (verbo significativo)  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 33. Predicado nominal Aquele cujo núcleo é um nome Nesse tipo de predicado, o verbo não é significativo e sim de ligação. Serve de elo entre o sujeito e o predicativo. Ex.: Todos estavam apressados. Núcleo: apressados (predicativo)  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 34.  Predicado verbo-nominal  Aquele que possui dois núcleos: um verbo significativo e um predicativo do sujeito ou do objeto. Ex.: O juiz julgou o réu culpado. Núcleos: julgou- verbo significativo culpado- predicativo do objeto (o réu)  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 35. 2) INTEGRANTES Completam o sentido dos verbos e dos nomes, são representados por:  Complemento verbal - objeto direto e indireto;  Complemento nominal;  Agente da passiva;  Predicativo do Objeto.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 36. PREDICAÇÃO VERBAL  A predicação é o tipo de relação que o verbo mantém com o sujeito da oração. De acordo com essa relação, há dois grupos:  verbos de ligação ( ou de estado);  verbos de ação (significativos ou nocionais).  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 37. VERBO DE LIGAÇÃO (ESTADO OU NÃO NOCIONAL)  Não expressam ações do sujeito;  Ligam o sujeito a seu atributo, estado ou característica;  Eu sou o poeta solitário.  Minha namorada está atrasada.  Pedro parecia feliz em sua nova casa.  Todos permaneceram calados.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 38.  A novela continua enfadonha.  O rapaz tornou-se um grande político.  Joana anda preocupada com as dívidas.  Nós ficamos alegres por sua nomeação.  Nós viramos fãs do novo candidato  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 39. VERBOS SIGNIFICATIVOS (AÇÃO OU NOCIONAIS)  Indicam ação, acontecimento, fenômeno natural, desejo, atividade mental.  Apresentam transitividade ou não. A transitividade verbal é a necessidade que alguns verbos apresentam de ter outras palavras como complemento. A esses verbos que exigem complemento chamamos de transitivos e aos que não exigem complemento chamamos de intransitivos.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 40. VERBOS TRANSITIVOS  São verbos que necessitam de complementação, pois têm sentido incompleto. Observe as orações: Rebeca ama seus amigos A mãe reclama do preço das frutas. Ana promete melhores resultados aos pais. Perceba que os três verbos utilizados nos exemplos necessitam de complementação, pois quem ama, ama alguém, quem reclama, reclama de algo e quem promete, promete algo a alguém.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 41.  TRANSITIVO DIRETO  Exige complemento sem preposição obrigatória. O complemento é denominado objeto direto.  A mãe ama flores vermelhas.  Compramos novos livros.  Prof. Adriana Christinne  Gramática OBJETO DIRETO OBJETO DIRETO
  • 42.  TRANSITIVO INDIRETO  Exige complemento com preposição obrigatória. O complemento é denominado objeto indireto.  ELEONORA GOSTA DE SORVETE.  A POPULAÇÃO ACREDITA EM MUDANÇAS DO CLIMA.  Prof. Adriana Christinne  Gramática OBJETO INDIRETO
  • 43. TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO  Possuem dois complementos; o objeto direto e o objeto indireto.  Os alunos trouxeram chocolate para a professora.  Os amigos doaram seus livros para crianças carentes. OBJETO DIRETO OBJETO INDIRETO VTDI
  • 44. VL VTI VT VTD VI O QUÊ? QUEM? OD QUÊ? QUEM? DE DE OI VTDI QUÊ? QUEM? DE DE O QUÊ? QUEM? OD OI
  • 45. VL VTI VT VTD VI Verbo de ligação OD OI Verbo intransitivo Verbo transitivo Verbo transitivo direto Verbo transitivo indireto Verbo transitivo direto e indireto Objeto direto VTDI Objeto indireto Liga o sujeito ao predicado e predicativo. Não precisa de complemento, pois tem sentido completo. Precisa de complemento e divide-se em 3 tipos. Precisa de complemento sem preposição. Precisa de complemento com preposição. Precisa de dois complementos (OD e OI). Complemento do verbo transitivo direto. Complemento do verbo transitivo indireto..
  • 46. COMPLEMENTOS VERBAIS  OBJETO DIRETO  É o complemento de um verbo transitivo direto, ou seja, o complemento que normalmente vem ligado ao verbo sem preposição e indica o ser para o qual se dirige a ação verbal. Pode ser representado por: a) substantivo: Passageiros e motoristas atiram moedas. b) pronome (substantivo): Os jornais nada publicaram. c) numeral: A moça da repartição ganha 450 reais. d) palavra substantivada: Tem um quê de inexplicável. e) oração: Meu pai dizia que os amigos são para as ocasiões.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 47.  OBJETO INDIRETO  É o complemento de um verbo transitivo indireto, isto é, o complemento que se liga ao verbo por meio de preposição. Pode ser representado por: a) substantivo: Falamos de vários assuntos inconfessáveis. b) pronome (substantivo): Também dialogava com elas. c) numeral: É preciso optar por um d) oração: Esquecia-se de que não havia piano em casa.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 48. COMPLEMENTO NOMINAL  É o termo sintático que complementa nomes, isto é, substantivos, adjetivos e advérbios. Normalmente o complemento nominal é regido de preposição.  Declare seu amor pelo Ceará.  A oposição votou favoravelmente ao governo.  O torcedor tinha fé em seu time.  Fiquei indiferente a sua desculpa.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 49. 3) ACESSÓRIOS Desempenham função secundária (especificam o substantivo ou expressam circunstância). São representados por:  Adjunto adnominal;  Adjunto adverbial;  Aposto.  Vocativo.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 50. ADJUNTO ADNOMINAL  É o termo da oração que modifica um substantivo, qualquer que seja sua função sintática, qualificando-o, especificando-o, determinando-o ou indeterminando-o.  Adjetivo  As casas antigas eram mais trabalhadas.  As rosas vermelhas murcharam.  Artigo  As estrelas iluminavam a noite.  Os motoristas estavam descontrolados.  Numeral  Três árvores caíram.  Dois carros chocaram-se violentamente.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 51. PROF. ADRIANA CHRISTINNE GRAMÁTICA Pronome adjetivo • Aqueles computadores estão quebrados. • Essas garotas estão impossíveis hoje. Locução adjetiva • O suco de laranja estava gostoso. • O período de férias foi proveitoso. OUTROS EXEMPLOS • No desfile, duas garotas vestiam calças e camisetas brancas. • Pode levar também este jornal; meu filho caçula já leu o caderno de esportes. • O espetáculo de dança foi suspenso até segunda ordem. • O espetáculo coreográfico foi suspenso até segunda ordem.
  • 52. ADJUNTO ADNOMINAL X COMPLEMENTO NOMINAL  O complemento nominal é o termo que completa o sentido de substantivos, adjetivos e advérbios, ligando-se a esses nomes por meio de preposição.  Tenho a certeza de sua culpa.  Ela está longe da verdade.  A árvore está cheia de frutos.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 53.  Para determinar o complemento nominal basta seguir o seguinte esquema:  Nome (SUBSTANTIVO, ADJETIVO,ADVÉRBIO) + preposição + QUEM ou QUE?  Ele é perito em computação.  O adjunto adnominal indica tipo, matéria, substância ou possuidor  A porta de madeira foi arrombada.  A casa de João foi assaltada.  Ele tem amor de mãe por sua professora.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 54. DIFERENÇA ENTRE COMPLEMENTO NOMINAL E OBJETO INDIRETO  Para diferenciar o complemento nominal do objeto indireto é só analisar que o complemento nominal complementa o sentido dos nomes – substantivo, adjetivo e advérbio – e o objeto indireto completa o sentido de um verbo transitivo indireto.  Lembrei-me de minha terra natal.  Ela manteve seu gosto pelo luxo.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 55. ADJUNTO ADVERBIAL É a função sintática da palavra ou expressão que serve para modificar ou intensificar o sentido do verbo, do predicativo ou de outro adjunto adverbial atribuindo-lhes uma circunstância.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 56.  01) Adjunto Adverbial de Tempo:  O avião chegará à tarde. De vez em quando, vou ao teatro  02) Adjunto Adverbial de Lugar:  O namorado olhava a namorada a distância. Viveremos aqui para sempre.  03) Adjunto Adverbial de Modo:  A s crianças falavam com medo. Caminhei à toa pela cidade.   Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 57.  04) Adjunto Adverbial de Negação: Não terás mais a minha confiança. De modo algum, farei o que você quer.  05) Adjunto Adverbial de Afirmação: Denise é uma excelente amiga, efetivamente. Sem dúvida alguma, faremos prova amanhã.  06) Adjunto Adverbial de Dúvida: Quem sabe, faremos uma boa Talvez encontremos a solução.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 58.  07) Adjunto Adverbial de Intensidade: Ela estava chorando à beça. Não sabíamos quão longe era a casa.  08) Adjunto Adverbial de Meio: Ela viajou de avião. Prefiro ir de automóvel.  09) Adjunto Adverbial de Causa: O homem trabalha por necessidade. O filho partiu por conselho da mãe.  10) Adjunto Adverbial de Companhia: Iremos à cidade com o professor. Voltarei a praça contigo.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 59.  11) Adjunto Adverbial de Finalidade:  Estudemos para vida. Vestiam-se para o casamento  12) Adjunto Adverbial de Oposição:  O Flamengo jogará contra o Fluminense.  13) Adjunto Adverbial de Assunto:  Conversamos sobre a fome. Discutiremos acerca de seu problema.  Prof. Adriana Christinne  Gramática
  • 60.  14) Adjunto Adverbial de Preço: Comprei esta camisa por dez reais.  15) Adjunto Adverbial de Matéria: Fiz de ouro, as alianças.  16) Adjunto Adverbial de Concessão: Apesar de você, amanhã há de ser outro dia. (Chico Buarque).  17) Adjunto Adverbial de Condição: Sem disciplina, não há educação.  Prof. Adriana Christinne  Gramática