SlideShare uma empresa Scribd logo
Seminário de Avaliação do
Mercado de Combustíveis 2015
(Ano-Base 2014)
Superintendência de Abastecimento
Planejamento
Estratégico da ANP e o
Abastecimento
A Gestão do
Abastecimento
Mercado Nacional de
Combustíveis
Mercado Nacional de
Combustíveis
Bloco 1
Visão Geral e Análise do Mercado
Bloco 2
Descrição do Mercado dos Combustíveis
Mercado Nacional de
Combustíveis
Dados dos
Combustíveis
Mercado Nacional de
Combustíveis
Quantitativo de Agentes
Quantitativo de Agentes
Fornecedores
- 17 Refinarias de
Petróleo
- 384 Usinas de
Etanol
- 333 Importadores
e Exportadores de
Petróleo e
Derivados
- 125 Produtores
de Lubrificantes
- 184 Importadores
de Lubrificantes
- 15 Rerrefinadores
de Lubrificantes
- 58 Produtores de
Biodiesel (com AO)
Distribuidores
- 205
Distribuidoras de
Combustíveis
Líquidos
- 30 Distribuidoras
de Solventes
- 22 Distribuidoras
de GLP
- 27 Distribuidoras
de Asfaltos
- 4 Distribuidoras
de Combustíveis
de Aviação
Revendedores
- 382 TRR
- 39.993
Revendedores
Varejistas de
Combustíveis
Líquidos (16.092
Bandeira Branca)
- 58.463
Revendedores de
GLP
- 225
Revendedores de
Aviação
- 30 Coletores de
Lubrificantes
Consumidores
- 13.469 Pontos de
Abastecimento
(instalações)
- 39 Consumidores
Solventes
114.005
Agentes
* Fonte: Sistema SIMP/ANP.
Quantitativo de Agentes
Aumento de 5,46%
Fornecedores + 15 Revendedores + 3400
Refinarias de Petróleo + 1 TRR - 4
Usinas de Etanol + 3
Revendedores Varejistas Combustíveis Líquidos
(em parênteses os revendedores Bandeira Branca)
+ 699 (- 142)
Importadores/Exportadores Petróleo e Derivados + 21 Revendedores de GLP + 2692
Produtores Lubrificantes - 9 Revendedoras de Aviação + 16
Importadores Lubrificantes + 9 Coletores de Lubrificantes - 3
Rerrefinadores Lubrificantes - 4
Produtores de Biodiesel - 6 Consumidores + 2366
Pontos de Abastecimento (instalações) + 2364
Distribuidores - 7 Consumidores de Solventes + 2
Distribuidoras de Combustíveis Líquidos - 9
Distribuidoras de Solventes + 2
Distribuidoras de GLP =
Distribuidoras de Asfaltos =
Distribuidoras de Combustíveis Aviação =
Variação do Quantitativo de Agentes - 2014/2013
Δ AGENTES 2014/2013
+ 5907
Agentes 2013
108.098
Agentes 2014
114.005
* Fonte: Sistema SIMP/ANP.
Vendas Internas
2011 2012 2013 2014
14/13
%
2013 2014
Diesel B 52.264 55.900 58.571 60.032 2,49% 42,7% 41,5% ▼
Biodiesel (B100) 2.580 2.762 2.929 3.410 16,45% 2,1% 2,4% ▲
Gasolina C 35.491 39.698 41.428 44.364 7,09% 30,4% 30,7% ▲
Gasolina A 27.100 31.758 31.679 33.273 5,03% 23,3% 23,0% ▼
Etanol Anidro 8.391 7.940 9.686 11.091 14,51% 7,1% 7,7% ▲
Etanol Hidratado 10.899 9.850 11.755 12.994 10,54% 7,9% 9,0% ▲
Etanol Total 19.290 17.790 21.441 24.085 12,33% 15,0% 16,7% ▲
Ciclo Otto Total 46.390 49.548 53.183 57.358 7,85% 38,3% 39,7% ▲
GLP 12.868 12.926 13.276 13.444 1,26% 9,7% 9,3% ▼
Óleo Combustível 3.672 3.934 4.990 6.195 24,14% 3,7% 4,3% ▲
QAV 6.955 7.292 7.225 7.470 3,40% 5,3% 5,2% ▼
GAV 70 76 77 76 -0,90% 0,1% 0,1% ►
TOTAL 122.219 129.677 137.323 144.575 5,28%
GNV (mil m³/dia) 5.390 5.320 5.125 4.960 -3,23%
Participação do
Combustível no
Mercado
Variação do
Volume de
Venda
mil m3
Combustível
Vendas Internas de Combustíveis
< 0%
Entre 0% e 3%
> 3%
Legenda
* Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP pelo Sistema SIMP | ** Dados de 2013 diferem do apresentado no Seminário 2013 – reprocessamento em jun/14.
2011 2012 2013 2014
14/13
%
2013 2014
Diesel B 52.264 55.900 58.571 60.032 2,49% 42,7% 41,5% ▼
Biodiesel (B100) 2.580 2.762 2.929 3.410 16,45% 2,1% 2,4% ▲
Gasolina C 35.491 39.698 41.428 44.364 7,09% 30,4% 30,7% ▲
Gasolina A 27.100 31.758 31.679 33.273 5,03% 23,3% 23,0% ▼
Etanol Anidro 8.391 7.940 9.686 11.091 14,51% 7,1% 7,7% ▲
Etanol Hidratado 10.899 9.850 11.755 12.994 10,54% 7,9% 9,0% ▲
Etanol Total 19.290 17.790 21.441 24.085 12,33% 15,0% 16,7% ▲
Ciclo Otto Total 46.390 49.548 53.183 57.358 7,85% 38,3% 39,7% ▲
GLP 12.868 12.926 13.276 13.444 1,26% 9,7% 9,3% ▼
Óleo Combustível 3.672 3.934 4.990 6.195 24,14% 3,7% 4,3% ▲
QAV 6.955 7.292 7.225 7.470 3,40% 5,3% 5,2% ▼
GAV 70 76 77 76 -0,90% 0,1% 0,1% ►
TOTAL 122.219 129.677 137.323 144.575 5,28%
GNV (mil m³/dia) 5.390 5.320 5.125 4.960 -3,23%
Participação do
Combustível no
Mercado
Variação do
Volume de
Venda
mil m3
Combustível
Vendas Internas de Combustíveis
< 0%
Entre 0% e 3%
> 3%
Legenda
* Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP pelo Sistema SIMP | ** Dados de 2013 diferem do apresentado no Seminário 2013 – reprocessamento em jun/14.
Matriz Veicular Nacional
Matriz Veicular Nacional
2013
ÓleoDiesel A
46,2%
Biodiesel
2,3%
Etanol
Anidro
7,2%
Etanol
Hidratado
8,3%
GNV
2,3%
GasolinaA
33,7%
Etanol
Total
15,5%
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP. | ** Valores expressos em TEP (equivalência calorífica).
Matriz Veicular Nacional
ÓleoDiesel A
46,3%
Biodiesel
2,3%
Etanol
Anidro
7,7%
Etanol
Hidratado
8,6%
GNV
2,1%
GasolinaA
33,1%
Etanol
Total
16,3%
2014 Combustível Variação %
Óleo Diesel A 0,02
Biodiesel 0,00
Etanol Anidro 0,51
Etanol Hidratado 0,28
GNV (0,22)
Gasolina A (0,59)
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP. | ** Valores expressos em TEP (equivalência calorífica).
Preços
Preços dos Combustíveis
R$1,30
R$1,50
R$1,70
R$1,90
R$2,10
R$2,30
R$2,50
R$2,70
R$2,90
R$3,10
jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 jan/14 jul/14
GNV (R$/m³) Etanol Hidratado (R$/l)- Revenda Gasolina C (R$/l) - Revenda Diesel (R$/l) - Revenda
Aumentos de Gasolina e
Diesel (Nov/2014)
Aumentos de Etanol
(1º Sem/2014)
* Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
Comércio Exterior
Dados Quantitativos 2012 2013 2014
Empresas importadoras 1641 1642 1.664
Licenças de Importação anuídas 65.373 61.794 60.424
Licenças de Importação efetivadas 32.994 34.102 29.170
Importação Líquida 2012 2013 2014
Diesel ( mil m³) -7.649 -9.919 -10.885
Gasolina (mil m³) -3.658 -2.546 -1.829
Nafta (mil m³) -6.098 -7.008 -6.872
Etanol (mil m³) 2.496 2.907 946
GLP (mil tons) -1.374 -1.785 -2.122
QAV (mil m³) -1.632 -1.872 -1.486
Comércio Exterior
Aumento Déficit
Redução Déficit
Redução Déficit
Redução Superávit
Aumento Déficit
Evolução do Saldo do Comex
9,73%
28,16%
21,84%
67,46%
18,88%
* Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC. Valores arredondados na casa da unidade.
Redução Déficit 1,9%
Comércio Exterior
Diesel 52,4% 1°
Gasolina 77,6% 1°
SÃO LUIS
Diesel 16,1% 3°
Gasolina 22,2% 2°
SUAPE
Diesel
Gasolina
3 portos – 94,3%
da importação
2 portos – 99,8%
da importação
Diesel 25,8% 2°
Gasolina - -
SÃO SEBASTIÃO
Planejamento
Estratégico da ANP e o
Abastecimento
O Abastecimento no Planejamento
Estratégico da ANP
VISÃO
Até 2018, ser reconhecida pela
sociedade e agentes regulados
por sua solidez técnica,
transparência e efetividade na
promoção do interesse
público, tornando-se uma
referência internacional em
regulação.
MISSÃO
Regular as atividades
econômicas das indústrias do
petróleo, gás natural e
biocombustíveis de forma
transparente e efetiva,
promovendo o interesse
público e atraindo
investimentos para o
desenvolvimento destas
indústrias no Brasil.
O Abastecimento no Planejamento
Estratégico da ANP
Superintendência do Abastecimento
A Gestão do
Abastecimento
Grupo de Fluxos Logísticos
Grupo de Fluxos Logísticos (GFL)
GFL
- Avaliar infraestrutura logística de
combustíveis
- Propor e implementar ações de garantia de
abastecimento
- Subsidiar tecnicamente a formulação de
diretrizes energéticas
Grupo de Fluxos Logísticos (GFL)
Nov
2012
1
Jun
2
Set
3
Jun
4
2013 2014 2015
Conclusão GFL Gasolina e Diesel2
Lançamento do GFL1
Ações
Conclusão GFL Biocombustíveis3
Conclusão GFL QAV e GLP4
Registro Diário de Ocorrências
(01/13)
Criação Área de Análise de Mercados (12/13)
Mudanças na Gestão Interna
Análise ocorrências desabastecimento aliada ao
fluxo logístico e penalização de erros
Construção Modelos de Previsão de Demanda
Coordenação dos agentes preventiva e
corretivamente em eventos
Grupo de Fluxos Logísticos (GFL)
Resultados
Estudos Demanda Ciclo Otto Biocombustíveis
Quase Inexistência de Ocorrências de
Desabastecimento
Res. 05/2015
Res. 06/2015
Exigências de
Estoques
Mínimos
GLP
QAV
Res. 45/2013
Res. 58/2014
Gasolina e
Diesel
Estoques
Mínimos
Novo Marco
Regulatório
NT Portos
Regulamentações
Regulamentações
9
Resoluções
Publicadas
em 2014
2014 e 2015 (Jan) 2015 (Fev-Dez)
Resoluções: 3 Novas + 10 Revistas
8 Audiências + 8 Consultas
Gestão das Regras das Resoluções
Resoluções Previstas
4
Resoluções
Publicadas
em 2015
5 Audiências +
5 Consultas
Públicas
3 Audiências +
3 Consultas
Públicas
* Realizadas em 2014
58/14 Novo Marco Regulatório
Distribuição
DESTAQUES
05/15 Estoques Mínimos GLP
06/15 Estoques Mínimos QAV
Regulamentações
Resoluções: 3 Novas + 10 Revistas
8 Audiências + 8 Consultas
Gestão das Regras das Resoluções
Resoluções Previstas
2014 e 2015 (Jan) 2015 (Fev-Dez)
Tema Principais Pontos
Comércio
Exterior
Novo Marco Regulatório
GLP Novo Marco Regulatório
Geral Alterações pontuais
Aviação Instalações em Aeródromos
TRRNI Novo Marco Regulatório
Regulamentações
PREVISIBILIDADE FORNECIMENTO ANIDRO
ESTOQUES DE PRODUTOR E DISTRIBUIDOR
Res.
67/11
5,65%
acima meta
Safra 2014/2015
Meta de Contratação* 9.319.741 m³
Volume Contratado 9.846.041 m³
*90% da comercialização de gasolina C realizada no ano civil 2013
2013/2014 2014/2015
Distribuidoras em Regime de Contrato 73 77
Distribuidoras em Compra Direta 59 72
Safra (maio a dezembro)
Metas de Contratação de Anidro
Regulamentações
Formação de Estoques para Entressafra – PRODUTOR
AUTUAÇÕES E
NOTIFICAÇÕES
PREVISIBILIDADE FORNECIMENTO ANIDRO
ESTOQUES DE PRODUTOR E DISTRIBUIDOR
Res.
67/11
Safra 2013/2014
Produtores com meta de contratação anidro 162
Produtores que contrataram ABAIXO META (90% de 2013)
73
Representam
25,2% do
volume
contratado
Regulamentações
Formação de Estoques para Entressafra – DISTRIBUIDOR
AUTUAÇÕES E
NOTIFICAÇÕES
PREVISIBILIDADE FORNECIMENTO ANIDRO
ESTOQUES DE PRODUTOR E DISTRIBUIDOR
Res.
67/11
Safra 2013/2014
Distribuidores com meta de estoque de anidro
(Obrigatoriedade de estocar anidro equivalente a 15 dias da comercialização de Gasolina C de março/13) 112
Distribuidores que ficaram ABAIXO META 31
Representam
16% do
estoque
realizado
Regulamentações
Resultados
Obrigatoriedade de Estoques Mínimos – Gasolina A e
Diesel A
Res.
45/13
Mês Resultado
ABR 100%
MAI 100%
JUN 100%
JUL 100%
AGO 100%
SET 100%
OUT 100%
NOV 100%
DEZ 100%
2014
Gasolina A
Mês Resultado
ABR 100%
MAI 100%
JUN 100%
JUL 100%
AGO 100%
SET 100%
OUT 100%
NOV 100%
DEZ 100%
2014
Diesel S10
Mês Resultado
ABR Região 2
MAI Região 2
JUN 100%
JUL 100%
AGO Região 2
SET 100%
OUT 100%
NOV 100%
DEZ 100%
2014
Diesel S500
41
Notificações
3 Processos
Adm.
Não envio
de relatórios
de estoque
Não cumprimento de
meta, com ocorrência
posterior de
desabastecimento
Programa de Auditorias
Programa de Auditorias sobre Dados
Programa de Auditorias
Diagnóstico:
- Necessidade Auditorias Regulares
- Necessidade de conhecimento pelo
mercado que as regras das
regulamentações seriam averiguadas
Comunicação ao Mercado:
Lançamento do Programa de
Auditorias
Divulgação Prévia do Cronograma
Anual de Auditorias
Fiscalização:
152 Notificações/Autuações
Mês de Auditoria Tema da Auditoria
Outubro (2014) Declaração com Notas Fiscais Eletrônicas
Novembro (2014) Diferença entre Compra e Venda de Etanol
Dezembro (2014) Diferença entre Compra e Venda de Derivados de Petróleo
Janeiro (2015) Adimplência ao SIMP
Fevereiro (2015) -
Março (2015) Venda entre Congêneres
Abril (2015)
Estoque dos Produtores e dos Distribuidores conforme Res. ANP
67/2011
Estoques Semanais Médios conforme Res. ANP 45/2013
Maio (2015) Estoque de Etanol Anidro dos Distribuidores em 31/03
Junho (2015) Mistura Diesel/Biodiesel
Julho (2015) Adimplência ao SIMP
Agosto (2015) Verificação da Adequação da Comercialização à Regulamentação
Setembro (2015) Atualização Cadastral
Melhoria da Qualidade de
Dados sobre Etanol
8,68%
7,94%
3,85%
5,85%
1,86%
3,29%
0,24%
2,41%
2,14%
1,61%
1,29% 1,39%
0%
1%
2%
3%
4%
5%
6%
7%
8%
9%
10%
JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
Melhoria de Qualidade dos Dados EHC
Mudança de
Patamar!
MELHORIA DO INDICADOR: Divergência Compra x Venda EHC
Reprocessamento de Dados Divergentes
Ações de Fiscalização: 21 Notificações e 9
Autuações
Melhoria do Indicador
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Prevenção de Riscos de
Desabastecimento
Prevenção de Riscos de Desabastecimento
Cheia do Rio Madeira
Bases
Líquidos
Rodovia
Bases GLP
Reuniões com Distribuidores:
levantamento de necessidades
Acionamento de órgãos públicos:
governo AC/RO + Marinha
Escritório ANP no Norte:
deslocamento chefia para Porto Velho
Comunicação e Acompanhamento:
Clipping Diário Notícias e Contatos com Agentes
Isenção Temporária Obrigatoriedade
Mistura Biodiesel (até 09/10/14)
CF 88 (§ 2º, Art. 177) e Lei 9,478 (Art. 8º)
Prevenção de Riscos de Desabastecimento
Copa do Mundo FIFA
Aumento demanda vôos:
Foco cidades-sede + Necessidade abastecimento QAV
Plano de Contingência:
Procedimentos a serem executados pelos Agentes
Reuniões com Distribuidores: Ações Preventivas
Análise Diária Estoques nas Cidades-Sede2
Estruturação opções suprimento em regiões adjacentes (polos alternativos)3
Exigências de justificativa das variações mais relevantes em estoque4
Fornecimento informações estoques diários em instalações definidas pela ANP1
Gasolina
Gasolina
Vendas Internas
jan13 fev13 mar13 abr13 mai13 jun13 jul13 ago13 set13 out13 nov13 dez13 jan14 fev14 mar14 abr14 mai14 jun14 jul14 ago14 set14 out14 nov14 dez14
25%Teor de 20%
2010 2011 2012 2013 2014
EtanolAnidro 7.088 8.391 7.940 9.686 11.091
Gasolina A 22.756 27.100 31.758 31.679 33.273
-
5.000
10.000
15.000
20.000
25.000
30.000
35.000
40.000
45.000
50.000
milm³
+ 5,03%
+ 14,51%
Etanol ANIDRO
Gasolina A
+ 7,09%
Gasolina C
+
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Gasolina
Vendas Internas
N
6,5%
NE
19,5%S
20,3%
SE
44,3%
CO
9,5%
N
6,4%
NE
18,9%S
20,3%
SE
44,9%
CO
9,4%
20142013
SE (-0,6 pp)
CO (+0,1 pp)
N (+0,1 pp)
NE (+0,6 pp)
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
-1.877
-3.658
-2.546 -1.829
-4.000
-3.000
-2.000
-1.000
0
2011 2012 2013 2014
milm³
ComércioExterior- GasolinaA
Exportações - Importações (Volume)
Jan-Dez
Gasolina
Comércio Exterior
ReduçãoDéficit 28,16%
* Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
2,10
2,20
2,30
2,40
2,50
2,60
2,70
2,80
2,90
3,00
3,10
J F M A M J J A S O N D
R$/l
Distribuição2013 Revenda 2013 Distribuição2014 Revenda 2014
Gasolina
Preços do Combustível
+ 4,9%
+ 4,2%
Revenda
Distribuidor
Preço Médio 2013 2014
Distribuidor 2,45 2,57
Revendedor 2,86 2,98
* Sem ICMS
* Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
Gasolina
Participação de Mercado
Distribuidora 2013 2014 Evolução
BR 28,54% 28,54% ►
IPIRANGA 20,74% 20,74% ►
RAÍZEN 18,83% 19,51% ▲
ALESAT 5,89% 5,76% ▼
TOTAL 2,21% 1,99% ▼
CIAPETRO 1,46% 1,38% ▼
SP 1,16% 1,11% ▼
ASTER 1,05% 0,93% ▼
ROYAL FIC 0,91% 0,90% ▼
TOBRAS 0,89% 0,82% ▼
OUTRAS 18,32% 18,31% ▼
Market Share no Ano (Distribuidora)
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Etanol
Etanol
Vendas Internas
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Venda 4,67 6,19 9,34 13,29 16,47 15,07 10,72 9,85 11,76 12,99
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
Vendas EHC (milhõesde m³)
+ 10,54%
Etanol HIDRATADO
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Etanol
Vendas Internas
CO ▼
12,9%
N ▼
1,1%
NE ▼
5,9%
S ▲
11,2%
SE ▲
68,9%
VendasporRegião no Ano
Região 2013 2014 Evolução
CO 14,27% 12,85% ▼
N 1,34% 1,11% ▼
NE 6,47% 5,88% ▼
S 11,04% 11,22% ▲
SE 66,86% 68,94% ▲
Market Share no Ano (Regiões)
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Etanol
Comércio Exterior
3.533
5.124
3.296
1.900 1.964
3.050 3.039
1.398
(4) (0) (4) (76)
(1.137)
(554)
(132)
(452)
-4.000
-3.000
-2.000
-1.000
0
1.000
2.000
3.000
4.000
5.000
6.000
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
milm³
IMPORTAÇÕESDE ETANOL
EXPORTAÇÕESDE ETANOL
SALDO EXTERNO
Redução Superávit 67,46%
* Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
1,40
1,60
1,80
2,00
2,20
2,40
J F M A M J J A S O N D
R$/l
Distribuição2013 Revenda 2013 Distribuição2014 Revenda 2014
Preços do Combustível
Etanol
+ 4,8%
+ 4,9%
Revenda
Distribuidor
Preço Médio 2013 2014
Distribuidor 1,68 1,76
Revendedor 1,97 2,07
* Sem ICMS
* Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
Etanol
Distribuidora 2013 2014 Evolução
BR 20,47% 20,38% ▼
IPIRANGA 18,66% 19,07% ▲
RAÍZEN 18,47% 18,97% ▲
PETROMAIS 5,58% 6,29% ▲
GRAN PETRO 1,37% 5,14% ▲
MONTE CABRAL 4,55% 3,82% ▼
ALESAT 2,65% 2,93% ▲
PETROZARA 1,15% 2,78% ▲
ORCA 1,68% 1,68% ►
RODOPETRO 1,16% 1,60% ►
OUTRAS 24,26% 17,34% ▼
Market Share no Ano (Distribuidora)
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Óleo Diesel
Óleo Diesel
Vendas Internas
2010 2011 2012 2013 2014
Diesel B 49.239 52.264 55.900 58.571 60.032
-
10.000
20.000
30.000
40.000
50.000
60.000
70.000
milm³
+ 2,49%
Diesel B
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Óleo Diesel de Baixo Teor de Enxofre
Ano
Municipios
Cobertos
Municípios
Brasil (%)
Evolução
2012 2.399 43,1% -
2013 3.174 57,1% 32,3%
2014 4.295 77,2% 35,3%
2,42
3,01
4,66
9,97
14,94
5,3%
6,1%
8,9%
19,0%
24,9%
0%
5%
10%
15%
20%
25%
30%
35%
40%
45%
50%
0
2
4
6
8
10
12
14
16
2010 2011 2012 2013 2014
Milharesm³
Volume de ODBTE Fornecido (mil m³) Participação no Mercado Diesel
Ano Obrigatória Voluntária
2012 3934 4715
2013 4362 8854
2014 4740 16840
Δ 13/14 8,7% 90,2%
Comercialização S10 por Revendas
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Óleo Diesel
Comércio Exterior
-8.736 -7.649
-9.919 -10.885
-12.000
-10.000
-8.000
-6.000
-4.000
-2.000
0
2011 2012 2013 2014
milm³
ComércioExterior- ÓleoDiesel
Exportações - Importações (Volume)
Jan-Dez
AumentoDéficit 9,73%
* Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
1,80
1,90
2,00
2,10
2,20
2,30
2,40
2,50
2,60
2,70
J F M A M J J A S O N D
R$/l
Distribuição2013 Revenda 2013 Distribuição2014 Revenda 2014
Óleo Diesel
Preços do Combustível
Preço Médio 2013 2014
Distribuidor 2,04 2,21
Revendedor 2,32 2,51
* Sem ICMS
+ 8,3%
+ 8,3%
Revenda
Distribuidor
* Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
Óleo Diesel
Participação de Mercado
Distribuidora 2013 2014 Evolução
BR 38,61% 38,52% ▼
IPIRANGA 22,80% 22,15% ▼
RAÍZEN 17,37% 18,36% ▲
ALESAT 3,08% 3,21% ▲
CIAPETRO 1,52% 1,51% ►
TOTAL 1,37% 1,22% ▼
TOBRAS 0,86% 0,80% ▼
ROYAL FIC 0,68% 0,64% ▼
SP 0,70% 0,60% ▼
LARCO 0,65% 0,56% ▼
OUTRAS 12,35% 12,43% ▲
Market Share no Ano (Distribuidora)
Região 2013 2014 Evolução
CO 12,64% 12,88% ▲
N 10,00% 10,11% ▲
NE 16,44% 16,99% ▲
S 18,97% 18,94% ▼
SE 41,94% 41,08% ▼
Market Share no Ano (Regiões)
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Óleo Diesel
Vendas por Segmento (mil m³) 2012 2013 2014 Variação
Consumidor Final 17.172 17.626 17.899 1,5%
Revenda Varejista 31.670 33.673 34.391 2,1%
TRR 7.058 7.272 7.742 6,5%
Total 55.900 58.571 60.032 2,5%
Market Share por Segmento 2012 2013 2014 Variação
Consumidor final 30,7% 30,1% 29,8% -0,9%
Revenda Varejista 56,7% 57,5% 57,3% -0,4%
TRR 12,6% 12,4% 12,9% 3,9%
Consumi
dor final
30,1%
Revenda
Varejista
57,5%
TRR
12,4%
Consumi
dor final
29,8%
Revenda
Varejista
57,3%
TRR
12,9%
2013 2014
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Óleo Diesel
Mercado dos TRRs
Distribuidora 2013 2014 Evolução (p.p.)
COMBUSTRAN 4,93% 4,90% -0,03%
UNIPETRO 4,20% 4,34% 0,14%
MASUT 2,76% 4,11% 1,35%
RISEL 4,32% 3,31% -1,01%
FANAL 2,32% 2,34% 0,02%
CAV.MARINHO COMB 2,02% 1,94% -0,08%
QUERODIESEL 2,15% 1,83% -0,32%
RUDIPEL RUDNICK 1,74% 1,72% -0,02%
PETROVILA COMBUSTIVEIS LTDA 1,52% 1,51% -0,02%
AGRICOPEL 1,22% 1,46% 0,24%
PASTORELLO 1,46% 1,46% 0,00%
IPEOLEO COMERCIO DE COMBUSTIVEIS LTDA 1,30% 1,43% 0,13%
COESA 1,06% 1,21% 0,14%
REPELUB REVENDEDORA DE PETRÓLEO E LUBRIFICANTES LTDA. 1,05% 1,18% 0,12%
ANA GILDA 1,02% 1,14% 0,13%
PETROLUX COMERCIAL LTDA 1,35% 0,99% -0,36%
TRR ZANFORLIN COMÉRCIO DE COMBUSTÍVEIS LTDA. 0,72% 0,88% 0,16%
CENZE 1,02% 0,88% -0,14%
CARBOROIL COMERCIO DE DERIVADOS DE PETROLEO LTDA 0,93% 0,86% -0,06%
RIO BRANCO DERIV 0,75% 0,85% 0,10%
TRANS RETA TRANSPORTADORA REVENDEDORA E RETALHISTA LTDA 0,77% 0,85% 0,08%
TRANSPORTADORA VALE DA SERRA LTDA 1,23% 0,83% -0,39%
OUTRAS 60,16% 59,98% -0,18%
Market Share TRRs (Brasil)
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Biodiesel
Biodiesel
Volume Negociado
40
90
140
190
240
290
340
390
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro
Volume de Entregas de B100 em Leilão ANP
2012 2013 2014
Jul Nov
2014
1 2
Mistura a 6% (B6)1
Mistura a 7% (B7)2
3
Out
4
Nov
L39 – quantidade insuficiente3
L39 Complementar4
2.929
mil m³
2013
3.410
mil m³
2014
1
2
Biodiesel
Participação de Mercado
Produtor 2012 2013 2014 Evolução
Granol 11,80% 12,50% 13,70% ▲
Bsbios* 8,90% 7,80% 8,70% ▲
Caramuru 9,90% 8,70% 8,00% ▼
Oleoplan RS 8,80% 8,00% 8,00% ►
Petrobras Bioc. 11,30% 11,30% 7,90% ▼
ADM 5,80% 4,40% 6,80% ▲
Bianchini - 6,70% 6,20% ▼
Cargill 1,10% 4,60% 4,50% ▼
Potencial - 2,30% 4,30% ▲
Fiagril 4,50% 3,00% 3,90% ▲
Olfar 4,70% 3,70% 3,70% ►
Bunge - 2,90% 3,40% ▲
Outras 33,2% 24,1% 20,9% ▼
GLP
GLP
Vendas Internas
2010 2011 2012 2013 2014
Outros 1.905 1.972 2.010 2.156 2.188
P13 5.027 5.131 5.126 5.173 5.233
-
1.000
2.000
3.000
4.000
5.000
6.000
7.000
8.000
miltoneladas
+ 1,26%
GLP
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
GLP
Comércio Exterior
-1.847
-1.374
-1.785
-2.122
-2.500
-2.000
-1.500
-1.000
-500
0
2011 2012 2013 2014
milt
Exportações - Importações (Volume)
AumentoDéficit 18,88%
* Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
GLP
Preços do Combustível
0,50
1,00
1,50
2,00
2,50
3,00
3,50
R$/kg
Revendedor P13
Distribuidor P13
Produtor P13
Preço Médio (R$/kg) 2013 2014
Distribuidor (P13) 2,31 2,36
Revendedor (P13) 3,17 3,32
* Sem ICMS
+ 2,1%
+ 5,0%
Revenda
Distribuidor
* Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
GLP
Requalificação
1.365
1.666
1.448 1.460
534
1.031
810
1.017
843
1.034
1.427
1.541
1.925
1.171
1.193
840
662
794
-
500
1.000
1.500
2.000
2.500
1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Botijões GLP Inutilizados (mil)
CO ▲
8,2%
N ▲
6,2%
NE ▲
23,8%
S ▼
17,2%
SE ▼
44,6%
VendasporRegião no Ano
GLP
Participação de Mercado
Distribuidora 2013 2014 Evolução
ULTRA 23,04% 23,05% ►
LIQUIGÁS 22,67% 22,53% ▼
SUPERGASBRAS 21,13% 21,19% ▲
NACIONAL 18,86% 18,87% ►
COPAGAZ 7,97% 8,10% ▲
CONSIGAZ 2,88% 2,79% ▼
FOGAS 1,85% 1,83% ▼
AMAZONGAS 0,68% 0,72% ▲
SERVGAS 0,67% 0,66% ►
PEDIGÁS 0,12% 0,12% ►
OUTRAS 0,11% 0,13% ▲
Market Share no Ano (Distribuidora)
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Região 2013 2014 Evolução
CO 8,09% 8,16% ▲
N 6,03% 6,24% ▲
NE 22,88% 23,78% ▲
S 17,47% 17,20% ▼
SE 45,52% 44,63% ▼
Market Share no Ano (Regiões)
Combustível de Aviação
2010 2011 2012 2013 2014
GAV 70 70 76 77 76
-
20
40
60
80
100
milm³
2010 2011 2012 2013 2014
QAV 6.250 6.955 7.292 7.225 7.470
-
2.000
4.000
6.000
8.000
milm³
Aviação
Vendas Internas
+ 3,4%
QAV
- 0,9%
GAV
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Aviação
Comércio Exterior (QAV)
-1.779 -1.635
-1.898
-1.484
-2.000
-1.800
-1.600
-1.400
-1.200
-1.000
-800
-600
-400
-200
0
2011 2012 2013 2014
milt
Exportações - Importações (Volume)
ReduçãoDéficit 21,84%
* Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
Aviação
Preços do Combustível (QAV)
Preço Médio QAV por Região
1,50
1,60
1,70
1,80
1,90
2,00
2,10
2,20
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
2013 2014
Evolução do Preço Médio QAV 2013/2014 (R$/litro)
Ano BRASIL SE SUL NE N CO
2013 1,85 1,85 1,89 1,84 1,85 1,90
2014 1,94 1,94 1,98 1,91 1,93 ND
Δ Preço 4,88% 5,07% 4,78% 4,06% 4,59% ND
+ 4,88%
* Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
Aviação
Participação de Mercado
Distribuidora 2013 2014 Evolução
BR 59,57% 58,50% ▼
RAÍZEN 33,79% 32,39% ▼
AIR BP 6,64% 9,11% ▲
Market Share no Ano (Distribuidora)
Região 2013 2014 Evolução
CO 9,33% 10,16% ▲
N 5,46% 5,31% ▼
NE 14,88% 14,40% ▼
S 7,31% 7,39% ▲
SE 63,02% 62,74% ▼
Market Share no Ano (Regiões)
Distribuidora 2013 2014 Evolução
BR 54,90% 52,60% ▼
RAÍZEN 29,90% 32,56% ▲
AIR BP 8,40% 8,66% ▲
GRAN PETRO 6,80% 6,18% ▼
Market Share no Ano (Distribuidora)
Região 2013 2014 Evolução
CO 22,49% 22,68% ▲
N 15,68% 15,89% ▲
NE 8,64% 9,41% ▲
S 23,50% 23,03% ▼
SE 29,68% 28,99% ▼
Market Share no Ano (Regiões)
QAV
GAV
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
GNV
836
1.001
1.208
1.319 1.316
1.282
1.239
1.207 1.169 1.130 1.088
4,41%
5,11%
5,92% 6,09%
5,67%5,11%
4,57%4,11%
3,68% 3,48% 3,13%
0,0%
1,0%
2,0%
3,0%
4,0%
5,0%
6,0%
7,0%
-
400
800
1.200
1.600
2.000
2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
FrotaGNV(milhares)
FrotaGNV▼- 3,78%
Frota GNV % GNV na Frota NacionalFontes: IBP/ Anfavea
GNV
Frota de GNV
Dados 2012 2013 2014
Número Veículos GNV 1.169.454 1.130.303 1.087.535
Número Veículos Leves 31.776.861 32.443.928 34.721.160
% GNV sobre Total Veículos 3,7% 3,5% 3,1%
- 3,78%
Frota GNV
GNV
6.308
7.007
6.633
5.770 5.499 5.390 5.320 5.125 5.085
-
1.000
2.000
3.000
4.000
5.000
6.000
7.000
8.000
2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Vendas Internas de GNV(mil m³/dia)
Vendas Internas
- 3,23%
GNV
* Fonte: Abegás.
Óleo Combustível
CO ▼
6,6%
N ▼
18,3%
NE ▲
51,0%
S ▼
5,0%
SE ▼
19,1%
VendasporRegião no Ano
Óleo Combustível
Vendas Internas
442
491 500
525
504
439
470
597
592
552
533
550
200
250
300
350
400
450
500
550
600
650
J F M A M J J A S O N D
milm³
Vendasde OC pelasDistribuidoras ▲24,14%
2012 2013 2014
+ 24,14%
Óleo Combustível
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
4.620
7.067
5.830
4.951
-
1.000
2.000
3.000
4.000
5.000
6.000
7.000
8.000
2011 2012 2013 2014
milm³
Exportações- Importações(Volume)
Óleo Combustível
Comércio Exterior
ReduçãoSuperávit 15,93%
* Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
Participação de Mercado
Óleo Combustível
Distribuidora 2013 2014 Evolução
BR 90,48% 92,57% ▲
RAÍZEN 6,29% 4,71% ▼
IPIRANGA 2,90% 2,31% ▼
OUTRAS 0,33% 0,42% ▲
Market Share no Ano (Distribuidora)
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Asfaltos
Asfaltos
Vendas Internas
+ 23,4%
Vendas (t) Vendas (t)
Total 27 2.471.431 3.049.027
2013 2014
Região
Nº de
Distribuidores
Autorizados
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Asfaltos
Participação de Mercado
* Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Distribuidora 2013 2014 Evolução
PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A 21,20% 17,69% ▼
GRECA 16,70% 13,83% ▼
BRASQUÍMICA 12,31% 9,87% ▼
BETUNEL 11,18% 9,82% ▼
CENTRO OESTE ASFALTOS LTDA. 3,91% 7,21% ▲
STRATURA ASFALTOS S/A 10,69% 6,90% ▼
NTA - NOVAS TÉCNICAS DE ASFALTOS S/A 3,45% 5,34% ▲
DISBRAL 7,03% 8,44% ▲
EMAM - EMULSÕES E TRANSPORTES LTDA. 4,08% 4,21% ▲
ASFALTOS NORDESTE LTDA. 3,14% 3,78% ▲
CBB 2,60% 3,62% ▲
CASA DO ASFALTO 1,54% 3,21% ▲
IPIRANGA 0,00% 1,68% ▲
PROBITEC 0,59% 1,36% ▲
INDÚSTRIA NACIONAL DE ASFALTOS LTDA. 0,47% 1,34% ▲
COMPASA DO BRASIL 0,84% 0,99% ▲
ARAPETRO 0,00% 0,43% ▲
ALESAT 0,00% 0,14% ▲
CALIFORNIA 0,00% 0,08% ▲
WBL/NKN 0,16% 0,05% ▼
SIKA QUÍMICA LTDA 0,11% 0,00% ▼
COMPANHIA BRASILEIRA DE ASFALTOS DA AMAZÔNIA 0,00% 0,00% ►
ALBERTO MARQUES DOS SANTOS JÚNIOR 0,00% 0,00% ►
* LWART adquirida pela SIKA
Market Share (Distribuidora)
Solventes
Solventes
Vendas Internas
91 93
80
86
93
79
95
86
96
108
102
85
50
70
90
110
130
J F M A M J J A S O N D
milm³
VendasTotaisInternas de Solventes▲ 0,75%
2012 2013 2014
Tipo 2013 2014 Evolução
Benzeno 46,57% 51,55% ▲
Aguarrás Mineral 13,28% 11,69% ▼
Tolueno 10,51% 9,96% ▼
Xileno 10,35% 9,56% ▼
Hexanos 7,75% 7,86% ▲
Solventes Alifáticos 5,85% 3,91% ▼
Solvente C9 3,21% 3,03% ▼
Outros 2,49% 2,43% ▼
Market Share no Ano (Tipos)
+ 0,75%
Solventes
* Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Solventes
Participação de Mercado
Distribuidora 2013 2014 Evolução
BR 42,87% 49,57% ▲
IQ 20,01% 14,64% ▼
BANDEIRANTE 10,17% 13,04% ▲
CARBONO 6,17% 7,97% ▲
HOENKA 2,70% 2,96% ▲
COREMAL 1,59% 2,55% ▲
BRENNTAG 3,14% 1,56% ▼
DOVAC 1,06% 1,33% ▲
PRÓ QUÍMICA 1,53% 1,24% ▼
FGAFOR 1,12% 1,10% ▼
OUTRAS 7,21% 4,04% ▼
Market Share (Distribuidora) - Cotas Retiradas
* Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Lubrificantes
Lubrificantes
Lubrificante Comercializado
Distribuidora 2014
PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A. 22,11%
COSAN LUBRIFICANTES E ESPECIALIDADES S.A. 17,09%
COMPANHIA BRASILEIRA DE PETROLEO IPIRANGA 12,94%
SHELL BRASIL S.A. 10,07%
CHEVRON BRASIL IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. 9,21%
FL BRASIL SA 8,86%
CASTROL BRASIL LTDA 2,63%
TotalFinaElf Lubrificantes do Brasil Ltda 2,00%
Repsol YPF Importadora de Produtos Ltda. 1,69%
INGRAX INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE GRAXAS LTDA 1,34%
OUTRAS 12,05%
Market Share (Comercializado)
1369
1383
1520 1518
1250
1300
1350
1400
1450
1500
1550
2011 2012 2013 2014
Óleo Comercializado (mil m³)
- 0,001%
Óleo Comercializado
* Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Lubrificantes
Lubrificante Coletado
Região
Meta de
Coleta (L)
Volume
Coletado (L)
%
COLETADO
% LEGAL
Região
Situação
CO 43.066.180 40.999.740 32,4% 34%
N 28.685.503 29.381.344 30,7% 30%
NE 58.162.887 54.745.522 28,2% 30%
S 83.111.161 88.702.312 39,5% 37%
SE 237.335.684 238.108.372 42,1% 42%
BRASIL 459.436.227 451.937.290 37,5% 38,1%
Coleta OLUC para Produtor/Importador Autorizados
Distribuidora 2014
LWART LUBRIFICANTES LTDA. 31,15%
LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA 12,66%
PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIF LTDA 10,15%
LUBRIFICANTES FÊNIX LTDA 10,03%
PROLUMINAS LUBRIFICANTES LTDA. 9,42%
TASA LUBRIFICANTES LTDA. 7,40%
INDÚSTRIA PETROQUÍMICA DO SUL LTDA 6,85%
BRASQUÍMICA LUBRIFICANTES LTDA 3,87%
PROLUB RERREFINO DE LUBRIFICANTES LTDA 3,48%
ETERNAL 1,86%
OUTROS 3,13%
Market Share (Coleta)
* Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Lubrificantes
Lubrificante Rerrefinado
UF
Comercialização de
Básico Rerrefinado (L)
AM 1.603.148
BA 10.991.696
MG 54.463.687
RJ 14.113.984
RS 17.013.692
SP 178.675.796
BRASIL 276.862.003
Distribuidora 2014
LWART LUBRIFICANTES LTDA. 42,32%
LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA 13,72%
PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIF LTDA 10,68%
PROLUMINAS LUBRIFICANTES LTDA. 8,99%
INDÚSTRIA PETROQUÍMICA DO SUL LTDA 6,15%
TASA LUBRIFICANTES LTDA. 5,10%
LUBRIFICANTES FÊNIX LTDA 4,45%
BRASQUÍMICA LUBRIFICANTES LTDA 3,97%
PROLUB RERREFINO DE LUBRIFICANTES LTDA 1,66%
BRAZÃO LUBRIFICANTES LTDA 0,86%
QUIMICA INDUSTRIAL SUPPLY LTDA 0,10%
OUTRAS 1,99%
Market Share (Rerrefinador)
* Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
Avisos
Dia 04/03/2015
10:00 – 17:00
Auditório 13º Andar da ANP
GFLSul
Perspectivas de abastecimento de
combustíveis na Região Sul 2015-2025
Anote em sua agenda:
Avisos
Adesivo obrigatório para as bombas (a partir de 21/04)
Resolução ANP nº 57/2014
Avisos
Os postos revendedores de combustíveis têm
até o dia 21 de abril de 2015 para se
adequarem à Resolução ANP nº 57/2014, que
torna obrigatória a aplicação de adesivo com
identificação do posto e o telefone do Fale
Conosco da ANP, conforme as instruções
estabelecidas pela Resolução.
Avisos
Pagamento de multas até 27/02
Resolução ANP nº 64/2014
As multas de agentes econômicos que estiverem pendentes e forem
pagas ou parceladas até 27 de fevereiro de 2015 deixarão de ser
consideradas para a caracterização de reincidência, segundo as novas
regras estabelecidas pela Resolução ANP nº 64/2014.
OBRIGADO
Florival Carvalho
Aurélio Amaral
Rubens Freitas
e equipe da Superintendência de Abastecimento - SAB

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Bacia da Foz do Amazonas - Oportunidades para o Estado do Amapá
A Bacia da Foz do Amazonas - Oportunidades para o Estado do AmapáA Bacia da Foz do Amazonas - Oportunidades para o Estado do Amapá
A Bacia da Foz do Amazonas - Oportunidades para o Estado do Amapá
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
09h10 mr elaine petersohn 22 08 pedra da gavea
09h10 mr elaine petersohn 22 08 pedra da gavea09h10 mr elaine petersohn 22 08 pedra da gavea
09h10 mr elaine petersohn 22 08 pedra da gavea
slides-mci
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Petrobras
 
Panorama 2013
Panorama 2013Panorama 2013
Panorama 2013
Petrobras
 
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - AtivaEstrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Ativa Corretora
 
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-salO Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Webcast 3T09
Webcast 3T09Webcast 3T09
Webcast 3T09
Petrobras
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Petrobras
 
Webcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizadaWebcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizada
Petrobras
 
Webcast 4T14
Webcast 4T14Webcast 4T14
Webcast 4T14
Petrobras
 
Analise economica de instalacoes de ESGN
Analise economica de instalacoes de ESGNAnalise economica de instalacoes de ESGN
Analise economica de instalacoes de ESGN
Gabriel Costa
 
Fato relevante-informacoes-3 t14-condensadas-portugues
Fato relevante-informacoes-3 t14-condensadas-portuguesFato relevante-informacoes-3 t14-condensadas-portugues
Fato relevante-informacoes-3 t14-condensadas-portugues
Miguel Rosario
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
Petrobras
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Petrobras
 
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
slides-mci
 
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Petrobras
 
Os desafios do Brasil na próxima década
Os desafios do Brasil na próxima década Os desafios do Brasil na próxima década
O novo marco regulatório da indústria brasileira de gás natural: oportunidade...
O novo marco regulatório da indústria brasileira de gás natural: oportunidade...O novo marco regulatório da indústria brasileira de gás natural: oportunidade...
O novo marco regulatório da indústria brasileira de gás natural: oportunidade...
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Óleo e Gás
Óleo e GásÓleo e Gás
Metodologia de calculo de capex de upgns
Metodologia de calculo de capex de upgnsMetodologia de calculo de capex de upgns
Metodologia de calculo de capex de upgns
Gabriel Costa
 

Mais procurados (20)

A Bacia da Foz do Amazonas - Oportunidades para o Estado do Amapá
A Bacia da Foz do Amazonas - Oportunidades para o Estado do AmapáA Bacia da Foz do Amazonas - Oportunidades para o Estado do Amapá
A Bacia da Foz do Amazonas - Oportunidades para o Estado do Amapá
 
09h10 mr elaine petersohn 22 08 pedra da gavea
09h10 mr elaine petersohn 22 08 pedra da gavea09h10 mr elaine petersohn 22 08 pedra da gavea
09h10 mr elaine petersohn 22 08 pedra da gavea
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
 
Panorama 2013
Panorama 2013Panorama 2013
Panorama 2013
 
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - AtivaEstrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
 
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-salO Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
 
Webcast 3T09
Webcast 3T09Webcast 3T09
Webcast 3T09
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
 
Webcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizadaWebcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizada
 
Webcast 4T14
Webcast 4T14Webcast 4T14
Webcast 4T14
 
Analise economica de instalacoes de ESGN
Analise economica de instalacoes de ESGNAnalise economica de instalacoes de ESGN
Analise economica de instalacoes de ESGN
 
Fato relevante-informacoes-3 t14-condensadas-portugues
Fato relevante-informacoes-3 t14-condensadas-portuguesFato relevante-informacoes-3 t14-condensadas-portugues
Fato relevante-informacoes-3 t14-condensadas-portugues
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
 
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
 
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
 
Os desafios do Brasil na próxima década
Os desafios do Brasil na próxima década Os desafios do Brasil na próxima década
Os desafios do Brasil na próxima década
 
O novo marco regulatório da indústria brasileira de gás natural: oportunidade...
O novo marco regulatório da indústria brasileira de gás natural: oportunidade...O novo marco regulatório da indústria brasileira de gás natural: oportunidade...
O novo marco regulatório da indústria brasileira de gás natural: oportunidade...
 
Óleo e Gás
Óleo e GásÓleo e Gás
Óleo e Gás
 
Metodologia de calculo de capex de upgns
Metodologia de calculo de capex de upgnsMetodologia de calculo de capex de upgns
Metodologia de calculo de capex de upgns
 

Destaque

Gás Natural – Cenários de Oferta e Demanda
Gás Natural – Cenários de Oferta e DemandaGás Natural – Cenários de Oferta e Demanda
Gás Natural – Cenários de Oferta e Demanda
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
VI Seminário de Avaliação do Mercado de Derivados de Petróleo e Biocombustíve...
VI Seminário de Avaliação do Mercado de Derivados de Petróleo e Biocombustíve...VI Seminário de Avaliação do Mercado de Derivados de Petróleo e Biocombustíve...
VI Seminário de Avaliação do Mercado de Derivados de Petróleo e Biocombustíve...
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Seminário Jurídico-Fiscal do pré-sal - A base legal para as licitações de par...
Seminário Jurídico-Fiscal do pré-sal - A base legal para as licitações de par...Seminário Jurídico-Fiscal do pré-sal - A base legal para as licitações de par...
Seminário Jurídico-Fiscal do pré-sal - A base legal para as licitações de par...
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Desafios regulatórios e legais
Desafios regulatórios e legaisDesafios regulatórios e legais
APRESENTAÇÃO SINERGIAS
APRESENTAÇÃO SINERGIASAPRESENTAÇÃO SINERGIAS
APRESENTAÇÃO SINERGIAS
sinergias
 
Postos de gasolina-_marketing_cultural-_certificados
Postos de gasolina-_marketing_cultural-_certificadosPostos de gasolina-_marketing_cultural-_certificados
Postos de gasolina-_marketing_cultural-_certificados
José Salomão
 
USO DO SMS NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS
USO DO SMS NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEISUSO DO SMS NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS
USO DO SMS NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS
SMS Digital
 
Shortbrief Mobilidade
Shortbrief MobilidadeShortbrief Mobilidade
Shortbrief Mobilidade
Advank
 
Combustiveis e gasolineiras_web
Combustiveis e  gasolineiras_webCombustiveis e  gasolineiras_web
Combustiveis e gasolineiras_web
Eduardo Luis
 
Rio oil & gas 2010
Rio oil & gas 2010Rio oil & gas 2010
Rio oil & gas 2010
Ulises Peredo
 
Boas praticas ibp
Boas praticas ibpBoas praticas ibp
Boas praticas ibp
RIOVOLUNTÁRIO
 
Oil & gas downstream
Oil & gas downstreamOil & gas downstream
Oil & gas downstream
Alison Martins
 
Slideinfopostos
SlideinfopostosSlideinfopostos
Slideinfopostos
infopostos
 
Data is the new oil
Data is the new oilData is the new oil
Data is the new oil
Gustavo Santade
 
Cotações e propostas rfi rfq
Cotações e propostas rfi rfqCotações e propostas rfi rfq
Cotações e propostas rfi rfq
Raimundo Bastos
 
Pronae aula 11 2
Pronae aula 11 2Pronae aula 11 2
Pronae aula 11 2
Thiago Amorim
 
Estudo sobre o tema Gasolina nas redes sociais
Estudo sobre o tema Gasolina nas redes sociaisEstudo sobre o tema Gasolina nas redes sociais
Estudo sobre o tema Gasolina nas redes sociais
Le Fil
 
18 09-2008 Francisco Nepomuceno Filho na Rio Oil and gas Expo Conference no R...
18 09-2008 Francisco Nepomuceno Filho na Rio Oil and gas Expo Conference no R...18 09-2008 Francisco Nepomuceno Filho na Rio Oil and gas Expo Conference no R...
18 09-2008 Francisco Nepomuceno Filho na Rio Oil and gas Expo Conference no R...
Petrobras
 
Cartilha ANP 2011
Cartilha ANP  2011Cartilha ANP  2011
Cartilha ANP 2011
Portal Brasil Postos
 
Melhores Práticas na Gestão de Postos de Combustíveis e Lojas de Conveniência
Melhores Práticas na Gestão de Postos de Combustíveis e Lojas de ConveniênciaMelhores Práticas na Gestão de Postos de Combustíveis e Lojas de Conveniência
Melhores Práticas na Gestão de Postos de Combustíveis e Lojas de Conveniência
Cardinalis Consultoria
 

Destaque (20)

Gás Natural – Cenários de Oferta e Demanda
Gás Natural – Cenários de Oferta e DemandaGás Natural – Cenários de Oferta e Demanda
Gás Natural – Cenários de Oferta e Demanda
 
VI Seminário de Avaliação do Mercado de Derivados de Petróleo e Biocombustíve...
VI Seminário de Avaliação do Mercado de Derivados de Petróleo e Biocombustíve...VI Seminário de Avaliação do Mercado de Derivados de Petróleo e Biocombustíve...
VI Seminário de Avaliação do Mercado de Derivados de Petróleo e Biocombustíve...
 
Seminário Jurídico-Fiscal do pré-sal - A base legal para as licitações de par...
Seminário Jurídico-Fiscal do pré-sal - A base legal para as licitações de par...Seminário Jurídico-Fiscal do pré-sal - A base legal para as licitações de par...
Seminário Jurídico-Fiscal do pré-sal - A base legal para as licitações de par...
 
Desafios regulatórios e legais
Desafios regulatórios e legaisDesafios regulatórios e legais
Desafios regulatórios e legais
 
APRESENTAÇÃO SINERGIAS
APRESENTAÇÃO SINERGIASAPRESENTAÇÃO SINERGIAS
APRESENTAÇÃO SINERGIAS
 
Postos de gasolina-_marketing_cultural-_certificados
Postos de gasolina-_marketing_cultural-_certificadosPostos de gasolina-_marketing_cultural-_certificados
Postos de gasolina-_marketing_cultural-_certificados
 
USO DO SMS NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS
USO DO SMS NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEISUSO DO SMS NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS
USO DO SMS NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS
 
Shortbrief Mobilidade
Shortbrief MobilidadeShortbrief Mobilidade
Shortbrief Mobilidade
 
Combustiveis e gasolineiras_web
Combustiveis e  gasolineiras_webCombustiveis e  gasolineiras_web
Combustiveis e gasolineiras_web
 
Rio oil & gas 2010
Rio oil & gas 2010Rio oil & gas 2010
Rio oil & gas 2010
 
Boas praticas ibp
Boas praticas ibpBoas praticas ibp
Boas praticas ibp
 
Oil & gas downstream
Oil & gas downstreamOil & gas downstream
Oil & gas downstream
 
Slideinfopostos
SlideinfopostosSlideinfopostos
Slideinfopostos
 
Data is the new oil
Data is the new oilData is the new oil
Data is the new oil
 
Cotações e propostas rfi rfq
Cotações e propostas rfi rfqCotações e propostas rfi rfq
Cotações e propostas rfi rfq
 
Pronae aula 11 2
Pronae aula 11 2Pronae aula 11 2
Pronae aula 11 2
 
Estudo sobre o tema Gasolina nas redes sociais
Estudo sobre o tema Gasolina nas redes sociaisEstudo sobre o tema Gasolina nas redes sociais
Estudo sobre o tema Gasolina nas redes sociais
 
18 09-2008 Francisco Nepomuceno Filho na Rio Oil and gas Expo Conference no R...
18 09-2008 Francisco Nepomuceno Filho na Rio Oil and gas Expo Conference no R...18 09-2008 Francisco Nepomuceno Filho na Rio Oil and gas Expo Conference no R...
18 09-2008 Francisco Nepomuceno Filho na Rio Oil and gas Expo Conference no R...
 
Cartilha ANP 2011
Cartilha ANP  2011Cartilha ANP  2011
Cartilha ANP 2011
 
Melhores Práticas na Gestão de Postos de Combustíveis e Lojas de Conveniência
Melhores Práticas na Gestão de Postos de Combustíveis e Lojas de ConveniênciaMelhores Práticas na Gestão de Postos de Combustíveis e Lojas de Conveniência
Melhores Práticas na Gestão de Postos de Combustíveis e Lojas de Conveniência
 

Semelhante a Seminário de Avaliação do Mercado de Combustíveis 2015 (Ano-Base 2014)

Apresentação dos resultados 4 t10
Apresentação dos resultados 4 t10Apresentação dos resultados 4 t10
Apresentação dos resultados 4 t10
comgasri
 
009512000101011 (50).pdf
009512000101011 (50).pdf009512000101011 (50).pdf
009512000101011 (50).pdf
Renandantas16
 
Apresentação dos Resultados do 1T12
Apresentação dos Resultados do 1T12Apresentação dos Resultados do 1T12
Apresentação dos Resultados do 1T12
Celesc
 
Apresentação de Resultados do 2T13
Apresentação de Resultados do 2T13Apresentação de Resultados do 2T13
Apresentação de Resultados do 2T13
AluparRI
 
Apresentação dos resultados 2 t12
Apresentação dos resultados 2 t12Apresentação dos resultados 2 t12
Apresentação dos resultados 2 t12
TriunfoRi
 
Apresentação dos resultados do 1 t10
Apresentação dos resultados do 1 t10Apresentação dos resultados do 1 t10
Apresentação dos resultados do 1 t10
EucatexRI
 
Apresentação dos Resultados do 2T12
 Apresentação dos Resultados do 2T12 Apresentação dos Resultados do 2T12
Apresentação dos Resultados do 2T12
Celesc
 
Apresentação de Resultados do 2T14
Apresentação de Resultados do 2T14Apresentação de Resultados do 2T14
Apresentação de Resultados do 2T14
AluparRI
 
Apresentação dos resultados 4 t11
Apresentação dos resultados 4 t11Apresentação dos resultados 4 t11
Apresentação dos resultados 4 t11
comgasri
 
Liquid Fuel Quality Monitoring Program.pdf
Liquid Fuel Quality Monitoring Program.pdfLiquid Fuel Quality Monitoring Program.pdf
Liquid Fuel Quality Monitoring Program.pdf
UFSC
 
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
STAB Setentrional
 
Apresentação 3T15
Apresentação 3T15Apresentação 3T15
Apresentação 3T15
Celesc
 
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
Arezzori
 
Webcast - 1T18
Webcast - 1T18Webcast - 1T18
Webcast - 1T18
Localiza
 
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de anSituacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
Geraldo Sebastian
 
Financial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream Product
Financial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream ProductFinancial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream Product
Financial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream Product
Beatriz de Almeida
 
Webcast 2T15
Webcast 2T15Webcast 2T15
Webcast 2T15
Petrobras
 
Apresentação dos resultados 4 t12
Apresentação dos resultados 4 t12Apresentação dos resultados 4 t12
Apresentação dos resultados 4 t12
comgasri
 
Perfil das emissões de GEE no Brasil por Tasso Azevedo- Treinamento GCF/Amapá
Perfil das emissões de GEE no Brasil por Tasso Azevedo- Treinamento GCF/AmapáPerfil das emissões de GEE no Brasil por Tasso Azevedo- Treinamento GCF/Amapá
Perfil das emissões de GEE no Brasil por Tasso Azevedo- Treinamento GCF/Amapá
Idesam
 
Segmento Veicular -Projeto GASBUS-AOG2005
Segmento Veicular -Projeto GASBUS-AOG2005Segmento Veicular -Projeto GASBUS-AOG2005
Segmento Veicular -Projeto GASBUS-AOG2005
Antonio Luiz Fernandes dos Santos, DSc, MBA
 

Semelhante a Seminário de Avaliação do Mercado de Combustíveis 2015 (Ano-Base 2014) (20)

Apresentação dos resultados 4 t10
Apresentação dos resultados 4 t10Apresentação dos resultados 4 t10
Apresentação dos resultados 4 t10
 
009512000101011 (50).pdf
009512000101011 (50).pdf009512000101011 (50).pdf
009512000101011 (50).pdf
 
Apresentação dos Resultados do 1T12
Apresentação dos Resultados do 1T12Apresentação dos Resultados do 1T12
Apresentação dos Resultados do 1T12
 
Apresentação de Resultados do 2T13
Apresentação de Resultados do 2T13Apresentação de Resultados do 2T13
Apresentação de Resultados do 2T13
 
Apresentação dos resultados 2 t12
Apresentação dos resultados 2 t12Apresentação dos resultados 2 t12
Apresentação dos resultados 2 t12
 
Apresentação dos resultados do 1 t10
Apresentação dos resultados do 1 t10Apresentação dos resultados do 1 t10
Apresentação dos resultados do 1 t10
 
Apresentação dos Resultados do 2T12
 Apresentação dos Resultados do 2T12 Apresentação dos Resultados do 2T12
Apresentação dos Resultados do 2T12
 
Apresentação de Resultados do 2T14
Apresentação de Resultados do 2T14Apresentação de Resultados do 2T14
Apresentação de Resultados do 2T14
 
Apresentação dos resultados 4 t11
Apresentação dos resultados 4 t11Apresentação dos resultados 4 t11
Apresentação dos resultados 4 t11
 
Liquid Fuel Quality Monitoring Program.pdf
Liquid Fuel Quality Monitoring Program.pdfLiquid Fuel Quality Monitoring Program.pdf
Liquid Fuel Quality Monitoring Program.pdf
 
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
 
Apresentação 3T15
Apresentação 3T15Apresentação 3T15
Apresentação 3T15
 
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
 
Webcast - 1T18
Webcast - 1T18Webcast - 1T18
Webcast - 1T18
 
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de anSituacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
 
Financial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream Product
Financial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream ProductFinancial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream Product
Financial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream Product
 
Webcast 2T15
Webcast 2T15Webcast 2T15
Webcast 2T15
 
Apresentação dos resultados 4 t12
Apresentação dos resultados 4 t12Apresentação dos resultados 4 t12
Apresentação dos resultados 4 t12
 
Perfil das emissões de GEE no Brasil por Tasso Azevedo- Treinamento GCF/Amapá
Perfil das emissões de GEE no Brasil por Tasso Azevedo- Treinamento GCF/AmapáPerfil das emissões de GEE no Brasil por Tasso Azevedo- Treinamento GCF/Amapá
Perfil das emissões de GEE no Brasil por Tasso Azevedo- Treinamento GCF/Amapá
 
Segmento Veicular -Projeto GASBUS-AOG2005
Segmento Veicular -Projeto GASBUS-AOG2005Segmento Veicular -Projeto GASBUS-AOG2005
Segmento Veicular -Projeto GASBUS-AOG2005
 

Mais de ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Regulação da indústria do gás natural
Regulação da indústria do gás naturalRegulação da indústria do gás natural
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Apresentação da ANP na OTC - maio 2016
Apresentação da ANP na OTC - maio 2016Apresentação da ANP na OTC - maio 2016
Bacia do Amazonas
Bacia do AmazonasBacia do Amazonas
Áreas em oferta na 13ª Rodada de Licitações
Áreas em oferta na 13ª Rodada de LicitaçõesÁreas em oferta na 13ª Rodada de Licitações
Áreas em oferta na 13ª Rodada de Licitações
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Diretrizes ambientais bacias terrestres
Diretrizes ambientais bacias terrestresDiretrizes ambientais bacias terrestres
Diretrizes ambientais - Bacias Marítimas
Diretrizes ambientais - Bacias MarítimasDiretrizes ambientais - Bacias Marítimas
A Renewed View on the Petroleum Potential of the Eastern Margin of Brazil
A Renewed View on the Petroleum Potential of the Eastern Margin of BrazilA Renewed View on the Petroleum Potential of the Eastern Margin of Brazil
A Renewed View on the Petroleum Potential of the Eastern Margin of Brazil
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Brazilian Carbonate Oil Fields: A Perspective
Brazilian Carbonate Oil Fields: A PerspectiveBrazilian Carbonate Oil Fields: A Perspective
Brazilian Carbonate Oil Fields: A Perspective
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Brazilian O&G sector Current scenario and perspectives: The 13th Bidding Round
Brazilian O&G sector Current scenario and perspectives: The 13th Bidding RoundBrazilian O&G sector Current scenario and perspectives: The 13th Bidding Round
Brazilian O&G sector Current scenario and perspectives: The 13th Bidding Round
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Exploration Diversity in Brazi
Exploration Diversity in BraziExploration Diversity in Brazi
As Licitações de Petróleo e Gás Natural da ANP e as Perspectivas Exploratória...
As Licitações de Petróleo e Gás Natural da ANP e as Perspectivas Exploratória...As Licitações de Petróleo e Gás Natural da ANP e as Perspectivas Exploratória...
As Licitações de Petróleo e Gás Natural da ANP e as Perspectivas Exploratória...
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Consulta Consulta Pública ANP 10/2014: As novas regras para investimentos em ...
Consulta Consulta Pública ANP 10/2014: As novas regras para investimentos em ...Consulta Consulta Pública ANP 10/2014: As novas regras para investimentos em ...
Consulta Consulta Pública ANP 10/2014: As novas regras para investimentos em ...
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Potencial Petrolífero e Perspectivas Exploratórias no Brasil
Potencial Petrolífero e Perspectivas Exploratórias no BrasilPotencial Petrolífero e Perspectivas Exploratórias no Brasil
Potencial Petrolífero e Perspectivas Exploratórias no Brasil
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Bacia de Sergipe Alagoas
Bacia de Sergipe AlagoasBacia de Sergipe Alagoas
Bacia do Recôncavo
Bacia do RecôncavoBacia do Recôncavo
Bacia Potiguar
Bacia PotiguarBacia Potiguar
Bacia de Pelotas
Bacia de PelotasBacia de Pelotas
Bacia do Parnaíba
Bacia do ParnaíbaBacia do Parnaíba
Bacia de Jacuípe
Bacia de JacuípeBacia de Jacuípe

Mais de ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (20)

Regulação da indústria do gás natural
Regulação da indústria do gás naturalRegulação da indústria do gás natural
Regulação da indústria do gás natural
 
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
 
Apresentação da ANP na OTC - maio 2016
Apresentação da ANP na OTC - maio 2016Apresentação da ANP na OTC - maio 2016
Apresentação da ANP na OTC - maio 2016
 
Bacia do Amazonas
Bacia do AmazonasBacia do Amazonas
Bacia do Amazonas
 
Áreas em oferta na 13ª Rodada de Licitações
Áreas em oferta na 13ª Rodada de LicitaçõesÁreas em oferta na 13ª Rodada de Licitações
Áreas em oferta na 13ª Rodada de Licitações
 
Diretrizes ambientais bacias terrestres
Diretrizes ambientais bacias terrestresDiretrizes ambientais bacias terrestres
Diretrizes ambientais bacias terrestres
 
Diretrizes ambientais - Bacias Marítimas
Diretrizes ambientais - Bacias MarítimasDiretrizes ambientais - Bacias Marítimas
Diretrizes ambientais - Bacias Marítimas
 
A Renewed View on the Petroleum Potential of the Eastern Margin of Brazil
A Renewed View on the Petroleum Potential of the Eastern Margin of BrazilA Renewed View on the Petroleum Potential of the Eastern Margin of Brazil
A Renewed View on the Petroleum Potential of the Eastern Margin of Brazil
 
Brazilian Carbonate Oil Fields: A Perspective
Brazilian Carbonate Oil Fields: A PerspectiveBrazilian Carbonate Oil Fields: A Perspective
Brazilian Carbonate Oil Fields: A Perspective
 
Brazilian O&G sector Current scenario and perspectives: The 13th Bidding Round
Brazilian O&G sector Current scenario and perspectives: The 13th Bidding RoundBrazilian O&G sector Current scenario and perspectives: The 13th Bidding Round
Brazilian O&G sector Current scenario and perspectives: The 13th Bidding Round
 
Exploration Diversity in Brazi
Exploration Diversity in BraziExploration Diversity in Brazi
Exploration Diversity in Brazi
 
As Licitações de Petróleo e Gás Natural da ANP e as Perspectivas Exploratória...
As Licitações de Petróleo e Gás Natural da ANP e as Perspectivas Exploratória...As Licitações de Petróleo e Gás Natural da ANP e as Perspectivas Exploratória...
As Licitações de Petróleo e Gás Natural da ANP e as Perspectivas Exploratória...
 
Consulta Consulta Pública ANP 10/2014: As novas regras para investimentos em ...
Consulta Consulta Pública ANP 10/2014: As novas regras para investimentos em ...Consulta Consulta Pública ANP 10/2014: As novas regras para investimentos em ...
Consulta Consulta Pública ANP 10/2014: As novas regras para investimentos em ...
 
Potencial Petrolífero e Perspectivas Exploratórias no Brasil
Potencial Petrolífero e Perspectivas Exploratórias no BrasilPotencial Petrolífero e Perspectivas Exploratórias no Brasil
Potencial Petrolífero e Perspectivas Exploratórias no Brasil
 
Bacia de Sergipe Alagoas
Bacia de Sergipe AlagoasBacia de Sergipe Alagoas
Bacia de Sergipe Alagoas
 
Bacia do Recôncavo
Bacia do RecôncavoBacia do Recôncavo
Bacia do Recôncavo
 
Bacia Potiguar
Bacia PotiguarBacia Potiguar
Bacia Potiguar
 
Bacia de Pelotas
Bacia de PelotasBacia de Pelotas
Bacia de Pelotas
 
Bacia do Parnaíba
Bacia do ParnaíbaBacia do Parnaíba
Bacia do Parnaíba
 
Bacia de Jacuípe
Bacia de JacuípeBacia de Jacuípe
Bacia de Jacuípe
 

Seminário de Avaliação do Mercado de Combustíveis 2015 (Ano-Base 2014)

  • 1. Seminário de Avaliação do Mercado de Combustíveis 2015 (Ano-Base 2014) Superintendência de Abastecimento
  • 2. Planejamento Estratégico da ANP e o Abastecimento A Gestão do Abastecimento Mercado Nacional de Combustíveis Mercado Nacional de Combustíveis Bloco 1 Visão Geral e Análise do Mercado Bloco 2 Descrição do Mercado dos Combustíveis Mercado Nacional de Combustíveis Dados dos Combustíveis
  • 5. Quantitativo de Agentes Fornecedores - 17 Refinarias de Petróleo - 384 Usinas de Etanol - 333 Importadores e Exportadores de Petróleo e Derivados - 125 Produtores de Lubrificantes - 184 Importadores de Lubrificantes - 15 Rerrefinadores de Lubrificantes - 58 Produtores de Biodiesel (com AO) Distribuidores - 205 Distribuidoras de Combustíveis Líquidos - 30 Distribuidoras de Solventes - 22 Distribuidoras de GLP - 27 Distribuidoras de Asfaltos - 4 Distribuidoras de Combustíveis de Aviação Revendedores - 382 TRR - 39.993 Revendedores Varejistas de Combustíveis Líquidos (16.092 Bandeira Branca) - 58.463 Revendedores de GLP - 225 Revendedores de Aviação - 30 Coletores de Lubrificantes Consumidores - 13.469 Pontos de Abastecimento (instalações) - 39 Consumidores Solventes 114.005 Agentes * Fonte: Sistema SIMP/ANP.
  • 6. Quantitativo de Agentes Aumento de 5,46% Fornecedores + 15 Revendedores + 3400 Refinarias de Petróleo + 1 TRR - 4 Usinas de Etanol + 3 Revendedores Varejistas Combustíveis Líquidos (em parênteses os revendedores Bandeira Branca) + 699 (- 142) Importadores/Exportadores Petróleo e Derivados + 21 Revendedores de GLP + 2692 Produtores Lubrificantes - 9 Revendedoras de Aviação + 16 Importadores Lubrificantes + 9 Coletores de Lubrificantes - 3 Rerrefinadores Lubrificantes - 4 Produtores de Biodiesel - 6 Consumidores + 2366 Pontos de Abastecimento (instalações) + 2364 Distribuidores - 7 Consumidores de Solventes + 2 Distribuidoras de Combustíveis Líquidos - 9 Distribuidoras de Solventes + 2 Distribuidoras de GLP = Distribuidoras de Asfaltos = Distribuidoras de Combustíveis Aviação = Variação do Quantitativo de Agentes - 2014/2013 Δ AGENTES 2014/2013 + 5907 Agentes 2013 108.098 Agentes 2014 114.005 * Fonte: Sistema SIMP/ANP.
  • 8. 2011 2012 2013 2014 14/13 % 2013 2014 Diesel B 52.264 55.900 58.571 60.032 2,49% 42,7% 41,5% ▼ Biodiesel (B100) 2.580 2.762 2.929 3.410 16,45% 2,1% 2,4% ▲ Gasolina C 35.491 39.698 41.428 44.364 7,09% 30,4% 30,7% ▲ Gasolina A 27.100 31.758 31.679 33.273 5,03% 23,3% 23,0% ▼ Etanol Anidro 8.391 7.940 9.686 11.091 14,51% 7,1% 7,7% ▲ Etanol Hidratado 10.899 9.850 11.755 12.994 10,54% 7,9% 9,0% ▲ Etanol Total 19.290 17.790 21.441 24.085 12,33% 15,0% 16,7% ▲ Ciclo Otto Total 46.390 49.548 53.183 57.358 7,85% 38,3% 39,7% ▲ GLP 12.868 12.926 13.276 13.444 1,26% 9,7% 9,3% ▼ Óleo Combustível 3.672 3.934 4.990 6.195 24,14% 3,7% 4,3% ▲ QAV 6.955 7.292 7.225 7.470 3,40% 5,3% 5,2% ▼ GAV 70 76 77 76 -0,90% 0,1% 0,1% ► TOTAL 122.219 129.677 137.323 144.575 5,28% GNV (mil m³/dia) 5.390 5.320 5.125 4.960 -3,23% Participação do Combustível no Mercado Variação do Volume de Venda mil m3 Combustível Vendas Internas de Combustíveis < 0% Entre 0% e 3% > 3% Legenda * Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP pelo Sistema SIMP | ** Dados de 2013 diferem do apresentado no Seminário 2013 – reprocessamento em jun/14.
  • 9. 2011 2012 2013 2014 14/13 % 2013 2014 Diesel B 52.264 55.900 58.571 60.032 2,49% 42,7% 41,5% ▼ Biodiesel (B100) 2.580 2.762 2.929 3.410 16,45% 2,1% 2,4% ▲ Gasolina C 35.491 39.698 41.428 44.364 7,09% 30,4% 30,7% ▲ Gasolina A 27.100 31.758 31.679 33.273 5,03% 23,3% 23,0% ▼ Etanol Anidro 8.391 7.940 9.686 11.091 14,51% 7,1% 7,7% ▲ Etanol Hidratado 10.899 9.850 11.755 12.994 10,54% 7,9% 9,0% ▲ Etanol Total 19.290 17.790 21.441 24.085 12,33% 15,0% 16,7% ▲ Ciclo Otto Total 46.390 49.548 53.183 57.358 7,85% 38,3% 39,7% ▲ GLP 12.868 12.926 13.276 13.444 1,26% 9,7% 9,3% ▼ Óleo Combustível 3.672 3.934 4.990 6.195 24,14% 3,7% 4,3% ▲ QAV 6.955 7.292 7.225 7.470 3,40% 5,3% 5,2% ▼ GAV 70 76 77 76 -0,90% 0,1% 0,1% ► TOTAL 122.219 129.677 137.323 144.575 5,28% GNV (mil m³/dia) 5.390 5.320 5.125 4.960 -3,23% Participação do Combustível no Mercado Variação do Volume de Venda mil m3 Combustível Vendas Internas de Combustíveis < 0% Entre 0% e 3% > 3% Legenda * Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP pelo Sistema SIMP | ** Dados de 2013 diferem do apresentado no Seminário 2013 – reprocessamento em jun/14.
  • 11. Matriz Veicular Nacional 2013 ÓleoDiesel A 46,2% Biodiesel 2,3% Etanol Anidro 7,2% Etanol Hidratado 8,3% GNV 2,3% GasolinaA 33,7% Etanol Total 15,5% * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP. | ** Valores expressos em TEP (equivalência calorífica).
  • 12. Matriz Veicular Nacional ÓleoDiesel A 46,3% Biodiesel 2,3% Etanol Anidro 7,7% Etanol Hidratado 8,6% GNV 2,1% GasolinaA 33,1% Etanol Total 16,3% 2014 Combustível Variação % Óleo Diesel A 0,02 Biodiesel 0,00 Etanol Anidro 0,51 Etanol Hidratado 0,28 GNV (0,22) Gasolina A (0,59) * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP. | ** Valores expressos em TEP (equivalência calorífica).
  • 14. Preços dos Combustíveis R$1,30 R$1,50 R$1,70 R$1,90 R$2,10 R$2,30 R$2,50 R$2,70 R$2,90 R$3,10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 jan/14 jul/14 GNV (R$/m³) Etanol Hidratado (R$/l)- Revenda Gasolina C (R$/l) - Revenda Diesel (R$/l) - Revenda Aumentos de Gasolina e Diesel (Nov/2014) Aumentos de Etanol (1º Sem/2014) * Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
  • 16. Dados Quantitativos 2012 2013 2014 Empresas importadoras 1641 1642 1.664 Licenças de Importação anuídas 65.373 61.794 60.424 Licenças de Importação efetivadas 32.994 34.102 29.170 Importação Líquida 2012 2013 2014 Diesel ( mil m³) -7.649 -9.919 -10.885 Gasolina (mil m³) -3.658 -2.546 -1.829 Nafta (mil m³) -6.098 -7.008 -6.872 Etanol (mil m³) 2.496 2.907 946 GLP (mil tons) -1.374 -1.785 -2.122 QAV (mil m³) -1.632 -1.872 -1.486 Comércio Exterior Aumento Déficit Redução Déficit Redução Déficit Redução Superávit Aumento Déficit Evolução do Saldo do Comex 9,73% 28,16% 21,84% 67,46% 18,88% * Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC. Valores arredondados na casa da unidade. Redução Déficit 1,9%
  • 17. Comércio Exterior Diesel 52,4% 1° Gasolina 77,6% 1° SÃO LUIS Diesel 16,1% 3° Gasolina 22,2% 2° SUAPE Diesel Gasolina 3 portos – 94,3% da importação 2 portos – 99,8% da importação Diesel 25,8% 2° Gasolina - - SÃO SEBASTIÃO
  • 18. Planejamento Estratégico da ANP e o Abastecimento
  • 19. O Abastecimento no Planejamento Estratégico da ANP VISÃO Até 2018, ser reconhecida pela sociedade e agentes regulados por sua solidez técnica, transparência e efetividade na promoção do interesse público, tornando-se uma referência internacional em regulação. MISSÃO Regular as atividades econômicas das indústrias do petróleo, gás natural e biocombustíveis de forma transparente e efetiva, promovendo o interesse público e atraindo investimentos para o desenvolvimento destas indústrias no Brasil.
  • 20. O Abastecimento no Planejamento Estratégico da ANP Superintendência do Abastecimento
  • 22. Grupo de Fluxos Logísticos
  • 23. Grupo de Fluxos Logísticos (GFL) GFL - Avaliar infraestrutura logística de combustíveis - Propor e implementar ações de garantia de abastecimento - Subsidiar tecnicamente a formulação de diretrizes energéticas
  • 24. Grupo de Fluxos Logísticos (GFL) Nov 2012 1 Jun 2 Set 3 Jun 4 2013 2014 2015 Conclusão GFL Gasolina e Diesel2 Lançamento do GFL1 Ações Conclusão GFL Biocombustíveis3 Conclusão GFL QAV e GLP4 Registro Diário de Ocorrências (01/13) Criação Área de Análise de Mercados (12/13) Mudanças na Gestão Interna Análise ocorrências desabastecimento aliada ao fluxo logístico e penalização de erros Construção Modelos de Previsão de Demanda Coordenação dos agentes preventiva e corretivamente em eventos
  • 25. Grupo de Fluxos Logísticos (GFL) Resultados Estudos Demanda Ciclo Otto Biocombustíveis Quase Inexistência de Ocorrências de Desabastecimento Res. 05/2015 Res. 06/2015 Exigências de Estoques Mínimos GLP QAV Res. 45/2013 Res. 58/2014 Gasolina e Diesel Estoques Mínimos Novo Marco Regulatório NT Portos
  • 27. Regulamentações 9 Resoluções Publicadas em 2014 2014 e 2015 (Jan) 2015 (Fev-Dez) Resoluções: 3 Novas + 10 Revistas 8 Audiências + 8 Consultas Gestão das Regras das Resoluções Resoluções Previstas 4 Resoluções Publicadas em 2015 5 Audiências + 5 Consultas Públicas 3 Audiências + 3 Consultas Públicas * Realizadas em 2014 58/14 Novo Marco Regulatório Distribuição DESTAQUES 05/15 Estoques Mínimos GLP 06/15 Estoques Mínimos QAV
  • 28. Regulamentações Resoluções: 3 Novas + 10 Revistas 8 Audiências + 8 Consultas Gestão das Regras das Resoluções Resoluções Previstas 2014 e 2015 (Jan) 2015 (Fev-Dez) Tema Principais Pontos Comércio Exterior Novo Marco Regulatório GLP Novo Marco Regulatório Geral Alterações pontuais Aviação Instalações em Aeródromos TRRNI Novo Marco Regulatório
  • 29. Regulamentações PREVISIBILIDADE FORNECIMENTO ANIDRO ESTOQUES DE PRODUTOR E DISTRIBUIDOR Res. 67/11 5,65% acima meta Safra 2014/2015 Meta de Contratação* 9.319.741 m³ Volume Contratado 9.846.041 m³ *90% da comercialização de gasolina C realizada no ano civil 2013 2013/2014 2014/2015 Distribuidoras em Regime de Contrato 73 77 Distribuidoras em Compra Direta 59 72 Safra (maio a dezembro) Metas de Contratação de Anidro
  • 30. Regulamentações Formação de Estoques para Entressafra – PRODUTOR AUTUAÇÕES E NOTIFICAÇÕES PREVISIBILIDADE FORNECIMENTO ANIDRO ESTOQUES DE PRODUTOR E DISTRIBUIDOR Res. 67/11 Safra 2013/2014 Produtores com meta de contratação anidro 162 Produtores que contrataram ABAIXO META (90% de 2013) 73 Representam 25,2% do volume contratado
  • 31. Regulamentações Formação de Estoques para Entressafra – DISTRIBUIDOR AUTUAÇÕES E NOTIFICAÇÕES PREVISIBILIDADE FORNECIMENTO ANIDRO ESTOQUES DE PRODUTOR E DISTRIBUIDOR Res. 67/11 Safra 2013/2014 Distribuidores com meta de estoque de anidro (Obrigatoriedade de estocar anidro equivalente a 15 dias da comercialização de Gasolina C de março/13) 112 Distribuidores que ficaram ABAIXO META 31 Representam 16% do estoque realizado
  • 32. Regulamentações Resultados Obrigatoriedade de Estoques Mínimos – Gasolina A e Diesel A Res. 45/13 Mês Resultado ABR 100% MAI 100% JUN 100% JUL 100% AGO 100% SET 100% OUT 100% NOV 100% DEZ 100% 2014 Gasolina A Mês Resultado ABR 100% MAI 100% JUN 100% JUL 100% AGO 100% SET 100% OUT 100% NOV 100% DEZ 100% 2014 Diesel S10 Mês Resultado ABR Região 2 MAI Região 2 JUN 100% JUL 100% AGO Região 2 SET 100% OUT 100% NOV 100% DEZ 100% 2014 Diesel S500 41 Notificações 3 Processos Adm. Não envio de relatórios de estoque Não cumprimento de meta, com ocorrência posterior de desabastecimento
  • 34. Programa de Auditorias sobre Dados Programa de Auditorias Diagnóstico: - Necessidade Auditorias Regulares - Necessidade de conhecimento pelo mercado que as regras das regulamentações seriam averiguadas Comunicação ao Mercado: Lançamento do Programa de Auditorias Divulgação Prévia do Cronograma Anual de Auditorias Fiscalização: 152 Notificações/Autuações Mês de Auditoria Tema da Auditoria Outubro (2014) Declaração com Notas Fiscais Eletrônicas Novembro (2014) Diferença entre Compra e Venda de Etanol Dezembro (2014) Diferença entre Compra e Venda de Derivados de Petróleo Janeiro (2015) Adimplência ao SIMP Fevereiro (2015) - Março (2015) Venda entre Congêneres Abril (2015) Estoque dos Produtores e dos Distribuidores conforme Res. ANP 67/2011 Estoques Semanais Médios conforme Res. ANP 45/2013 Maio (2015) Estoque de Etanol Anidro dos Distribuidores em 31/03 Junho (2015) Mistura Diesel/Biodiesel Julho (2015) Adimplência ao SIMP Agosto (2015) Verificação da Adequação da Comercialização à Regulamentação Setembro (2015) Atualização Cadastral
  • 35. Melhoria da Qualidade de Dados sobre Etanol
  • 36. 8,68% 7,94% 3,85% 5,85% 1,86% 3,29% 0,24% 2,41% 2,14% 1,61% 1,29% 1,39% 0% 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% 9% 10% JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Melhoria de Qualidade dos Dados EHC Mudança de Patamar! MELHORIA DO INDICADOR: Divergência Compra x Venda EHC Reprocessamento de Dados Divergentes Ações de Fiscalização: 21 Notificações e 9 Autuações Melhoria do Indicador * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 37. Prevenção de Riscos de Desabastecimento
  • 38. Prevenção de Riscos de Desabastecimento Cheia do Rio Madeira Bases Líquidos Rodovia Bases GLP Reuniões com Distribuidores: levantamento de necessidades Acionamento de órgãos públicos: governo AC/RO + Marinha Escritório ANP no Norte: deslocamento chefia para Porto Velho Comunicação e Acompanhamento: Clipping Diário Notícias e Contatos com Agentes Isenção Temporária Obrigatoriedade Mistura Biodiesel (até 09/10/14) CF 88 (§ 2º, Art. 177) e Lei 9,478 (Art. 8º)
  • 39. Prevenção de Riscos de Desabastecimento Copa do Mundo FIFA Aumento demanda vôos: Foco cidades-sede + Necessidade abastecimento QAV Plano de Contingência: Procedimentos a serem executados pelos Agentes Reuniões com Distribuidores: Ações Preventivas Análise Diária Estoques nas Cidades-Sede2 Estruturação opções suprimento em regiões adjacentes (polos alternativos)3 Exigências de justificativa das variações mais relevantes em estoque4 Fornecimento informações estoques diários em instalações definidas pela ANP1
  • 41. Gasolina Vendas Internas jan13 fev13 mar13 abr13 mai13 jun13 jul13 ago13 set13 out13 nov13 dez13 jan14 fev14 mar14 abr14 mai14 jun14 jul14 ago14 set14 out14 nov14 dez14 25%Teor de 20% 2010 2011 2012 2013 2014 EtanolAnidro 7.088 8.391 7.940 9.686 11.091 Gasolina A 22.756 27.100 31.758 31.679 33.273 - 5.000 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000 35.000 40.000 45.000 50.000 milm³ + 5,03% + 14,51% Etanol ANIDRO Gasolina A + 7,09% Gasolina C + * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 42. Gasolina Vendas Internas N 6,5% NE 19,5%S 20,3% SE 44,3% CO 9,5% N 6,4% NE 18,9%S 20,3% SE 44,9% CO 9,4% 20142013 SE (-0,6 pp) CO (+0,1 pp) N (+0,1 pp) NE (+0,6 pp) * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 43. -1.877 -3.658 -2.546 -1.829 -4.000 -3.000 -2.000 -1.000 0 2011 2012 2013 2014 milm³ ComércioExterior- GasolinaA Exportações - Importações (Volume) Jan-Dez Gasolina Comércio Exterior ReduçãoDéficit 28,16% * Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
  • 44. 2,10 2,20 2,30 2,40 2,50 2,60 2,70 2,80 2,90 3,00 3,10 J F M A M J J A S O N D R$/l Distribuição2013 Revenda 2013 Distribuição2014 Revenda 2014 Gasolina Preços do Combustível + 4,9% + 4,2% Revenda Distribuidor Preço Médio 2013 2014 Distribuidor 2,45 2,57 Revendedor 2,86 2,98 * Sem ICMS * Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
  • 45. Gasolina Participação de Mercado Distribuidora 2013 2014 Evolução BR 28,54% 28,54% ► IPIRANGA 20,74% 20,74% ► RAÍZEN 18,83% 19,51% ▲ ALESAT 5,89% 5,76% ▼ TOTAL 2,21% 1,99% ▼ CIAPETRO 1,46% 1,38% ▼ SP 1,16% 1,11% ▼ ASTER 1,05% 0,93% ▼ ROYAL FIC 0,91% 0,90% ▼ TOBRAS 0,89% 0,82% ▼ OUTRAS 18,32% 18,31% ▼ Market Share no Ano (Distribuidora) * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 47. Etanol Vendas Internas 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Venda 4,67 6,19 9,34 13,29 16,47 15,07 10,72 9,85 11,76 12,99 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 Vendas EHC (milhõesde m³) + 10,54% Etanol HIDRATADO * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 48. Etanol Vendas Internas CO ▼ 12,9% N ▼ 1,1% NE ▼ 5,9% S ▲ 11,2% SE ▲ 68,9% VendasporRegião no Ano Região 2013 2014 Evolução CO 14,27% 12,85% ▼ N 1,34% 1,11% ▼ NE 6,47% 5,88% ▼ S 11,04% 11,22% ▲ SE 66,86% 68,94% ▲ Market Share no Ano (Regiões) * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 49. Etanol Comércio Exterior 3.533 5.124 3.296 1.900 1.964 3.050 3.039 1.398 (4) (0) (4) (76) (1.137) (554) (132) (452) -4.000 -3.000 -2.000 -1.000 0 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 milm³ IMPORTAÇÕESDE ETANOL EXPORTAÇÕESDE ETANOL SALDO EXTERNO Redução Superávit 67,46% * Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
  • 50. 1,40 1,60 1,80 2,00 2,20 2,40 J F M A M J J A S O N D R$/l Distribuição2013 Revenda 2013 Distribuição2014 Revenda 2014 Preços do Combustível Etanol + 4,8% + 4,9% Revenda Distribuidor Preço Médio 2013 2014 Distribuidor 1,68 1,76 Revendedor 1,97 2,07 * Sem ICMS * Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
  • 51. Etanol Distribuidora 2013 2014 Evolução BR 20,47% 20,38% ▼ IPIRANGA 18,66% 19,07% ▲ RAÍZEN 18,47% 18,97% ▲ PETROMAIS 5,58% 6,29% ▲ GRAN PETRO 1,37% 5,14% ▲ MONTE CABRAL 4,55% 3,82% ▼ ALESAT 2,65% 2,93% ▲ PETROZARA 1,15% 2,78% ▲ ORCA 1,68% 1,68% ► RODOPETRO 1,16% 1,60% ► OUTRAS 24,26% 17,34% ▼ Market Share no Ano (Distribuidora) * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 53. Óleo Diesel Vendas Internas 2010 2011 2012 2013 2014 Diesel B 49.239 52.264 55.900 58.571 60.032 - 10.000 20.000 30.000 40.000 50.000 60.000 70.000 milm³ + 2,49% Diesel B * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 54. Óleo Diesel de Baixo Teor de Enxofre Ano Municipios Cobertos Municípios Brasil (%) Evolução 2012 2.399 43,1% - 2013 3.174 57,1% 32,3% 2014 4.295 77,2% 35,3% 2,42 3,01 4,66 9,97 14,94 5,3% 6,1% 8,9% 19,0% 24,9% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% 45% 50% 0 2 4 6 8 10 12 14 16 2010 2011 2012 2013 2014 Milharesm³ Volume de ODBTE Fornecido (mil m³) Participação no Mercado Diesel Ano Obrigatória Voluntária 2012 3934 4715 2013 4362 8854 2014 4740 16840 Δ 13/14 8,7% 90,2% Comercialização S10 por Revendas * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 55. Óleo Diesel Comércio Exterior -8.736 -7.649 -9.919 -10.885 -12.000 -10.000 -8.000 -6.000 -4.000 -2.000 0 2011 2012 2013 2014 milm³ ComércioExterior- ÓleoDiesel Exportações - Importações (Volume) Jan-Dez AumentoDéficit 9,73% * Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
  • 56. 1,80 1,90 2,00 2,10 2,20 2,30 2,40 2,50 2,60 2,70 J F M A M J J A S O N D R$/l Distribuição2013 Revenda 2013 Distribuição2014 Revenda 2014 Óleo Diesel Preços do Combustível Preço Médio 2013 2014 Distribuidor 2,04 2,21 Revendedor 2,32 2,51 * Sem ICMS + 8,3% + 8,3% Revenda Distribuidor * Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
  • 57. Óleo Diesel Participação de Mercado Distribuidora 2013 2014 Evolução BR 38,61% 38,52% ▼ IPIRANGA 22,80% 22,15% ▼ RAÍZEN 17,37% 18,36% ▲ ALESAT 3,08% 3,21% ▲ CIAPETRO 1,52% 1,51% ► TOTAL 1,37% 1,22% ▼ TOBRAS 0,86% 0,80% ▼ ROYAL FIC 0,68% 0,64% ▼ SP 0,70% 0,60% ▼ LARCO 0,65% 0,56% ▼ OUTRAS 12,35% 12,43% ▲ Market Share no Ano (Distribuidora) Região 2013 2014 Evolução CO 12,64% 12,88% ▲ N 10,00% 10,11% ▲ NE 16,44% 16,99% ▲ S 18,97% 18,94% ▼ SE 41,94% 41,08% ▼ Market Share no Ano (Regiões) * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 58. Óleo Diesel Vendas por Segmento (mil m³) 2012 2013 2014 Variação Consumidor Final 17.172 17.626 17.899 1,5% Revenda Varejista 31.670 33.673 34.391 2,1% TRR 7.058 7.272 7.742 6,5% Total 55.900 58.571 60.032 2,5% Market Share por Segmento 2012 2013 2014 Variação Consumidor final 30,7% 30,1% 29,8% -0,9% Revenda Varejista 56,7% 57,5% 57,3% -0,4% TRR 12,6% 12,4% 12,9% 3,9% Consumi dor final 30,1% Revenda Varejista 57,5% TRR 12,4% Consumi dor final 29,8% Revenda Varejista 57,3% TRR 12,9% 2013 2014 * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 59. Óleo Diesel Mercado dos TRRs Distribuidora 2013 2014 Evolução (p.p.) COMBUSTRAN 4,93% 4,90% -0,03% UNIPETRO 4,20% 4,34% 0,14% MASUT 2,76% 4,11% 1,35% RISEL 4,32% 3,31% -1,01% FANAL 2,32% 2,34% 0,02% CAV.MARINHO COMB 2,02% 1,94% -0,08% QUERODIESEL 2,15% 1,83% -0,32% RUDIPEL RUDNICK 1,74% 1,72% -0,02% PETROVILA COMBUSTIVEIS LTDA 1,52% 1,51% -0,02% AGRICOPEL 1,22% 1,46% 0,24% PASTORELLO 1,46% 1,46% 0,00% IPEOLEO COMERCIO DE COMBUSTIVEIS LTDA 1,30% 1,43% 0,13% COESA 1,06% 1,21% 0,14% REPELUB REVENDEDORA DE PETRÓLEO E LUBRIFICANTES LTDA. 1,05% 1,18% 0,12% ANA GILDA 1,02% 1,14% 0,13% PETROLUX COMERCIAL LTDA 1,35% 0,99% -0,36% TRR ZANFORLIN COMÉRCIO DE COMBUSTÍVEIS LTDA. 0,72% 0,88% 0,16% CENZE 1,02% 0,88% -0,14% CARBOROIL COMERCIO DE DERIVADOS DE PETROLEO LTDA 0,93% 0,86% -0,06% RIO BRANCO DERIV 0,75% 0,85% 0,10% TRANS RETA TRANSPORTADORA REVENDEDORA E RETALHISTA LTDA 0,77% 0,85% 0,08% TRANSPORTADORA VALE DA SERRA LTDA 1,23% 0,83% -0,39% OUTRAS 60,16% 59,98% -0,18% Market Share TRRs (Brasil) * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 61. Biodiesel Volume Negociado 40 90 140 190 240 290 340 390 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Volume de Entregas de B100 em Leilão ANP 2012 2013 2014 Jul Nov 2014 1 2 Mistura a 6% (B6)1 Mistura a 7% (B7)2 3 Out 4 Nov L39 – quantidade insuficiente3 L39 Complementar4 2.929 mil m³ 2013 3.410 mil m³ 2014 1 2
  • 62. Biodiesel Participação de Mercado Produtor 2012 2013 2014 Evolução Granol 11,80% 12,50% 13,70% ▲ Bsbios* 8,90% 7,80% 8,70% ▲ Caramuru 9,90% 8,70% 8,00% ▼ Oleoplan RS 8,80% 8,00% 8,00% ► Petrobras Bioc. 11,30% 11,30% 7,90% ▼ ADM 5,80% 4,40% 6,80% ▲ Bianchini - 6,70% 6,20% ▼ Cargill 1,10% 4,60% 4,50% ▼ Potencial - 2,30% 4,30% ▲ Fiagril 4,50% 3,00% 3,90% ▲ Olfar 4,70% 3,70% 3,70% ► Bunge - 2,90% 3,40% ▲ Outras 33,2% 24,1% 20,9% ▼
  • 63. GLP
  • 64. GLP Vendas Internas 2010 2011 2012 2013 2014 Outros 1.905 1.972 2.010 2.156 2.188 P13 5.027 5.131 5.126 5.173 5.233 - 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 7.000 8.000 miltoneladas + 1,26% GLP * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 65. GLP Comércio Exterior -1.847 -1.374 -1.785 -2.122 -2.500 -2.000 -1.500 -1.000 -500 0 2011 2012 2013 2014 milt Exportações - Importações (Volume) AumentoDéficit 18,88% * Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
  • 66. GLP Preços do Combustível 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 3,50 R$/kg Revendedor P13 Distribuidor P13 Produtor P13 Preço Médio (R$/kg) 2013 2014 Distribuidor (P13) 2,31 2,36 Revendedor (P13) 3,17 3,32 * Sem ICMS + 2,1% + 5,0% Revenda Distribuidor * Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
  • 67. GLP Requalificação 1.365 1.666 1.448 1.460 534 1.031 810 1.017 843 1.034 1.427 1.541 1.925 1.171 1.193 840 662 794 - 500 1.000 1.500 2.000 2.500 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Botijões GLP Inutilizados (mil)
  • 68. CO ▲ 8,2% N ▲ 6,2% NE ▲ 23,8% S ▼ 17,2% SE ▼ 44,6% VendasporRegião no Ano GLP Participação de Mercado Distribuidora 2013 2014 Evolução ULTRA 23,04% 23,05% ► LIQUIGÁS 22,67% 22,53% ▼ SUPERGASBRAS 21,13% 21,19% ▲ NACIONAL 18,86% 18,87% ► COPAGAZ 7,97% 8,10% ▲ CONSIGAZ 2,88% 2,79% ▼ FOGAS 1,85% 1,83% ▼ AMAZONGAS 0,68% 0,72% ▲ SERVGAS 0,67% 0,66% ► PEDIGÁS 0,12% 0,12% ► OUTRAS 0,11% 0,13% ▲ Market Share no Ano (Distribuidora) * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP. Região 2013 2014 Evolução CO 8,09% 8,16% ▲ N 6,03% 6,24% ▲ NE 22,88% 23,78% ▲ S 17,47% 17,20% ▼ SE 45,52% 44,63% ▼ Market Share no Ano (Regiões)
  • 70. 2010 2011 2012 2013 2014 GAV 70 70 76 77 76 - 20 40 60 80 100 milm³ 2010 2011 2012 2013 2014 QAV 6.250 6.955 7.292 7.225 7.470 - 2.000 4.000 6.000 8.000 milm³ Aviação Vendas Internas + 3,4% QAV - 0,9% GAV * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 71. Aviação Comércio Exterior (QAV) -1.779 -1.635 -1.898 -1.484 -2.000 -1.800 -1.600 -1.400 -1.200 -1.000 -800 -600 -400 -200 0 2011 2012 2013 2014 milt Exportações - Importações (Volume) ReduçãoDéficit 21,84% * Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
  • 72. Aviação Preços do Combustível (QAV) Preço Médio QAV por Região 1,50 1,60 1,70 1,80 1,90 2,00 2,10 2,20 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 2013 2014 Evolução do Preço Médio QAV 2013/2014 (R$/litro) Ano BRASIL SE SUL NE N CO 2013 1,85 1,85 1,89 1,84 1,85 1,90 2014 1,94 1,94 1,98 1,91 1,93 ND Δ Preço 4,88% 5,07% 4,78% 4,06% 4,59% ND + 4,88% * Fonte: Pesquisa Mensal de Preços/ANP..
  • 73. Aviação Participação de Mercado Distribuidora 2013 2014 Evolução BR 59,57% 58,50% ▼ RAÍZEN 33,79% 32,39% ▼ AIR BP 6,64% 9,11% ▲ Market Share no Ano (Distribuidora) Região 2013 2014 Evolução CO 9,33% 10,16% ▲ N 5,46% 5,31% ▼ NE 14,88% 14,40% ▼ S 7,31% 7,39% ▲ SE 63,02% 62,74% ▼ Market Share no Ano (Regiões) Distribuidora 2013 2014 Evolução BR 54,90% 52,60% ▼ RAÍZEN 29,90% 32,56% ▲ AIR BP 8,40% 8,66% ▲ GRAN PETRO 6,80% 6,18% ▼ Market Share no Ano (Distribuidora) Região 2013 2014 Evolução CO 22,49% 22,68% ▲ N 15,68% 15,89% ▲ NE 8,64% 9,41% ▲ S 23,50% 23,03% ▼ SE 29,68% 28,99% ▼ Market Share no Ano (Regiões) QAV GAV * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 74. GNV
  • 75. 836 1.001 1.208 1.319 1.316 1.282 1.239 1.207 1.169 1.130 1.088 4,41% 5,11% 5,92% 6,09% 5,67%5,11% 4,57%4,11% 3,68% 3,48% 3,13% 0,0% 1,0% 2,0% 3,0% 4,0% 5,0% 6,0% 7,0% - 400 800 1.200 1.600 2.000 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FrotaGNV(milhares) FrotaGNV▼- 3,78% Frota GNV % GNV na Frota NacionalFontes: IBP/ Anfavea GNV Frota de GNV Dados 2012 2013 2014 Número Veículos GNV 1.169.454 1.130.303 1.087.535 Número Veículos Leves 31.776.861 32.443.928 34.721.160 % GNV sobre Total Veículos 3,7% 3,5% 3,1% - 3,78% Frota GNV
  • 76. GNV 6.308 7.007 6.633 5.770 5.499 5.390 5.320 5.125 5.085 - 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 7.000 8.000 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Vendas Internas de GNV(mil m³/dia) Vendas Internas - 3,23% GNV * Fonte: Abegás.
  • 78. CO ▼ 6,6% N ▼ 18,3% NE ▲ 51,0% S ▼ 5,0% SE ▼ 19,1% VendasporRegião no Ano Óleo Combustível Vendas Internas 442 491 500 525 504 439 470 597 592 552 533 550 200 250 300 350 400 450 500 550 600 650 J F M A M J J A S O N D milm³ Vendasde OC pelasDistribuidoras ▲24,14% 2012 2013 2014 + 24,14% Óleo Combustível * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 79. 4.620 7.067 5.830 4.951 - 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 7.000 8.000 2011 2012 2013 2014 milm³ Exportações- Importações(Volume) Óleo Combustível Comércio Exterior ReduçãoSuperávit 15,93% * Fonte: Sistema SIMP/ANP e AliceWeb/MDIC.
  • 80. Participação de Mercado Óleo Combustível Distribuidora 2013 2014 Evolução BR 90,48% 92,57% ▲ RAÍZEN 6,29% 4,71% ▼ IPIRANGA 2,90% 2,31% ▼ OUTRAS 0,33% 0,42% ▲ Market Share no Ano (Distribuidora) * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 82. Asfaltos Vendas Internas + 23,4% Vendas (t) Vendas (t) Total 27 2.471.431 3.049.027 2013 2014 Região Nº de Distribuidores Autorizados * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 83. Asfaltos Participação de Mercado * Fonte: Sistema SIMP/ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP. Distribuidora 2013 2014 Evolução PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A 21,20% 17,69% ▼ GRECA 16,70% 13,83% ▼ BRASQUÍMICA 12,31% 9,87% ▼ BETUNEL 11,18% 9,82% ▼ CENTRO OESTE ASFALTOS LTDA. 3,91% 7,21% ▲ STRATURA ASFALTOS S/A 10,69% 6,90% ▼ NTA - NOVAS TÉCNICAS DE ASFALTOS S/A 3,45% 5,34% ▲ DISBRAL 7,03% 8,44% ▲ EMAM - EMULSÕES E TRANSPORTES LTDA. 4,08% 4,21% ▲ ASFALTOS NORDESTE LTDA. 3,14% 3,78% ▲ CBB 2,60% 3,62% ▲ CASA DO ASFALTO 1,54% 3,21% ▲ IPIRANGA 0,00% 1,68% ▲ PROBITEC 0,59% 1,36% ▲ INDÚSTRIA NACIONAL DE ASFALTOS LTDA. 0,47% 1,34% ▲ COMPASA DO BRASIL 0,84% 0,99% ▲ ARAPETRO 0,00% 0,43% ▲ ALESAT 0,00% 0,14% ▲ CALIFORNIA 0,00% 0,08% ▲ WBL/NKN 0,16% 0,05% ▼ SIKA QUÍMICA LTDA 0,11% 0,00% ▼ COMPANHIA BRASILEIRA DE ASFALTOS DA AMAZÔNIA 0,00% 0,00% ► ALBERTO MARQUES DOS SANTOS JÚNIOR 0,00% 0,00% ► * LWART adquirida pela SIKA Market Share (Distribuidora)
  • 85. Solventes Vendas Internas 91 93 80 86 93 79 95 86 96 108 102 85 50 70 90 110 130 J F M A M J J A S O N D milm³ VendasTotaisInternas de Solventes▲ 0,75% 2012 2013 2014 Tipo 2013 2014 Evolução Benzeno 46,57% 51,55% ▲ Aguarrás Mineral 13,28% 11,69% ▼ Tolueno 10,51% 9,96% ▼ Xileno 10,35% 9,56% ▼ Hexanos 7,75% 7,86% ▲ Solventes Alifáticos 5,85% 3,91% ▼ Solvente C9 3,21% 3,03% ▼ Outros 2,49% 2,43% ▼ Market Share no Ano (Tipos) + 0,75% Solventes * Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 86. Solventes Participação de Mercado Distribuidora 2013 2014 Evolução BR 42,87% 49,57% ▲ IQ 20,01% 14,64% ▼ BANDEIRANTE 10,17% 13,04% ▲ CARBONO 6,17% 7,97% ▲ HOENKA 2,70% 2,96% ▲ COREMAL 1,59% 2,55% ▲ BRENNTAG 3,14% 1,56% ▼ DOVAC 1,06% 1,33% ▲ PRÓ QUÍMICA 1,53% 1,24% ▼ FGAFOR 1,12% 1,10% ▼ OUTRAS 7,21% 4,04% ▼ Market Share (Distribuidora) - Cotas Retiradas * Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 88. Lubrificantes Lubrificante Comercializado Distribuidora 2014 PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A. 22,11% COSAN LUBRIFICANTES E ESPECIALIDADES S.A. 17,09% COMPANHIA BRASILEIRA DE PETROLEO IPIRANGA 12,94% SHELL BRASIL S.A. 10,07% CHEVRON BRASIL IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. 9,21% FL BRASIL SA 8,86% CASTROL BRASIL LTDA 2,63% TotalFinaElf Lubrificantes do Brasil Ltda 2,00% Repsol YPF Importadora de Produtos Ltda. 1,69% INGRAX INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE GRAXAS LTDA 1,34% OUTRAS 12,05% Market Share (Comercializado) 1369 1383 1520 1518 1250 1300 1350 1400 1450 1500 1550 2011 2012 2013 2014 Óleo Comercializado (mil m³) - 0,001% Óleo Comercializado * Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 89. Lubrificantes Lubrificante Coletado Região Meta de Coleta (L) Volume Coletado (L) % COLETADO % LEGAL Região Situação CO 43.066.180 40.999.740 32,4% 34% N 28.685.503 29.381.344 30,7% 30% NE 58.162.887 54.745.522 28,2% 30% S 83.111.161 88.702.312 39,5% 37% SE 237.335.684 238.108.372 42,1% 42% BRASIL 459.436.227 451.937.290 37,5% 38,1% Coleta OLUC para Produtor/Importador Autorizados Distribuidora 2014 LWART LUBRIFICANTES LTDA. 31,15% LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA 12,66% PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIF LTDA 10,15% LUBRIFICANTES FÊNIX LTDA 10,03% PROLUMINAS LUBRIFICANTES LTDA. 9,42% TASA LUBRIFICANTES LTDA. 7,40% INDÚSTRIA PETROQUÍMICA DO SUL LTDA 6,85% BRASQUÍMICA LUBRIFICANTES LTDA 3,87% PROLUB RERREFINO DE LUBRIFICANTES LTDA 3,48% ETERNAL 1,86% OUTROS 3,13% Market Share (Coleta) * Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 90. Lubrificantes Lubrificante Rerrefinado UF Comercialização de Básico Rerrefinado (L) AM 1.603.148 BA 10.991.696 MG 54.463.687 RJ 14.113.984 RS 17.013.692 SP 178.675.796 BRASIL 276.862.003 Distribuidora 2014 LWART LUBRIFICANTES LTDA. 42,32% LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA 13,72% PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIF LTDA 10,68% PROLUMINAS LUBRIFICANTES LTDA. 8,99% INDÚSTRIA PETROQUÍMICA DO SUL LTDA 6,15% TASA LUBRIFICANTES LTDA. 5,10% LUBRIFICANTES FÊNIX LTDA 4,45% BRASQUÍMICA LUBRIFICANTES LTDA 3,97% PROLUB RERREFINO DE LUBRIFICANTES LTDA 1,66% BRAZÃO LUBRIFICANTES LTDA 0,86% QUIMICA INDUSTRIAL SUPPLY LTDA 0,10% OUTRAS 1,99% Market Share (Rerrefinador) * Fonte: ANP. Dados declaratórios informados pelos agentes à ANP.
  • 91. Avisos Dia 04/03/2015 10:00 – 17:00 Auditório 13º Andar da ANP GFLSul Perspectivas de abastecimento de combustíveis na Região Sul 2015-2025 Anote em sua agenda:
  • 93. Adesivo obrigatório para as bombas (a partir de 21/04) Resolução ANP nº 57/2014 Avisos Os postos revendedores de combustíveis têm até o dia 21 de abril de 2015 para se adequarem à Resolução ANP nº 57/2014, que torna obrigatória a aplicação de adesivo com identificação do posto e o telefone do Fale Conosco da ANP, conforme as instruções estabelecidas pela Resolução.
  • 94. Avisos Pagamento de multas até 27/02 Resolução ANP nº 64/2014 As multas de agentes econômicos que estiverem pendentes e forem pagas ou parceladas até 27 de fevereiro de 2015 deixarão de ser consideradas para a caracterização de reincidência, segundo as novas regras estabelecidas pela Resolução ANP nº 64/2014.
  • 95. OBRIGADO Florival Carvalho Aurélio Amaral Rubens Freitas e equipe da Superintendência de Abastecimento - SAB

Notas do Editor

  1. Destaques: Entrada RNEST Força dos importadores
  2. Comentários: Biodiesel: não incluída suspensão mistura região Norte Etanol: esse aumento de 10% pode não representar um aumento real, dada a possível existência de subnotificação
  3. Comentários: Biodiesel: não incluída suspensão mistura região Norte Etanol: esse aumento de 10% pode não representar um aumento real, dada a possível existência de subnotificação
  4. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  5. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  6. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  7. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  8. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  9. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  10. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  11. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  12. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  13. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  14. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  15. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  16. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  17. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  18. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  19. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  20. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  21. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  22. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  23. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  24. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  25. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  26. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  27. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  28. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  29. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  30. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  31. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  32. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  33. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  34. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  35. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  36. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  37. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  38. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  39. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  40. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  41. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  42. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.
  43. O ODBTE apresentou, entre 2012 e 2013, expansão considerável da participação no mercado de diesel, passando de 8,9% do mercado para 19% do mercado. Esse incremento foi devido, em grande parte, pela adesão voluntária de postos revendedores à venda do combustível.