SlideShare uma empresa Scribd logo
Itapitanga/BA 09/04/2015
Segunda geraçao romantica—Ariely
A segunda geração romântica portuguesa é marcada por uma postura de exagero inconfundível.
Inspirados pela Literatura Inglesa, os novos autores admiravam poetas como Lord Byron, que
exaltava os sentimentos arrebatadores e, simultaneamente, apresentava o poeta completamente
isolado da sociedade, incompreendido por defender valores morais e éticos. A imagem do herói
romântico que luta por valores incorruptíveis como a honestidade, o amor, o direito a liberdade
povoa a imaginação de muitos poetas.
Características—Lucas Adryel
Entre as características gerais do Romantismo, aquela que mais se faz presente na segunda
geração do movimento no Brasil é a evasão da realidade. Só que essa evasão não acontece no
tempo ou no espaço, como na primeira geração. Agora, a fuga da realidade ganha contornos
trágicos. Os heróis românticos encontram na morte uma solução para seus problemas existenciais,
podendo chegar, inclusive, ao suicídio. Isso acontece porque, de acordo com o pensamento
romântico, o indivíduo vive em constante conflito com a sociedade, tornando-se uma espécie de
“desajustado”. Essa sensação de constante desajuste tem como consequência alguns
comportamentos tipicamente românticos:
— Pessimismo
—Dor existencial
—Sofrimento
—Isolamento
Essas atitudes caracterizam aquilo que ficou conhecido como “mal-do-século”. Assim sendo, por
levar o subjetivismo romântico às últimas consequências, a segunda fase do Romantismo no Brasil
também é conhecida como geração ultrarromântica. A tela abaixo representa a atração que os
artistas românticos têm pela morte também na pintura.
Principais Autores
» Álvares de Azevedo: A antítese personificada. —Jenifer
Álvares de Azevedo (São Paulo, Província de São Paulo, Império do Brasil, 12 de setembro de
1831 — Rio de Janeiro, Império do Brasil, 25 de abril de 1852). Álvares é a principal expressão da
geração ultrarromântica de nossa poesia. Fez os estudos básicos no Rio de Janeiro e cursava o
quinto ano de direito em São Paulo quando sofreu um acidente (queda de cavalo) cujas
complicações o levaram à morte, antes de completar 21 anos de idade. O escritor cultivou a poesia,
a prosa e o teatro. Toda a sua produção—sete livros, discursos e cartas— foi escrita em apenas
quatro anos, período em que era estudante universitário. Por isso, deixou uma obra de qualidade
irregular, se considerada no conjunto, mas de grande significado na evolução da poesia nacional.
 Profundo subjetivismo
 Sentimentalismo exacerbado
 Pessimismo e melancolia
 Egocentrismo e individualismo
 Fuga da realidade
 Escapismo
 Saudosismo
Itapitanga/BA 09/04/2015
A característica intrigante da obra de Álvares de Azevedo reside na articulação consciente de um
projeto literário baseado na contradição, talvez a contradição que ele próprio sentisse como
adolescente.
Principais Obras: Lira dos Vinte Anos, Poesia Diversas, O Poema do Frade, O Conde Lopo, Noite na
Taverna, Macário.
» Casimiro de Abreu. —Ariely
Casimiro José Marques de Abreu (Barra de São João, 4 de janeiro de 1839 — Nova Friburgo, 18
de outubro de 1860) Com apenas 13 anos, enviado pelo pai, vai para a cidade do Rio de Janeiro, trabalhar
no comércio. Em novembro de 1853 vai para Portugal, para completar a prática comercial e nesse período
inicia sua carreira literária. No dia 18 de janeiro de 1856 sua peça Camões e o Jaú são encenados em Lisboa.
Casimiro de Abreu volta ao Brasil, em julho de 1857 e continua trabalhando no comércio.
Conhece vários intelectuais e faz amizade com Machado de Assis, ambos com 18 anos de idade. Em
1859 publica seu único livro de poemas “As Primaveras”. No início de 1860, Casimiro de Abreu fica
noivo de Joaquina Alvarenga Silva Peixoto. Com vida boêmia, contrai tuberculose. Vai para Nova
Friburgo tentar a cura da doença, mas no dia 18 de outubro de 1860, não resiste e morre aos 21
anos de idade.
Principais Obras: Meus oito anos, Saudades, Minh'alma é triste, Amor e Medo, Desejo, Dores,
Berço e Túmulo, Infância, A Valsa, Perdão, Poesia e Amor, Segredos, Última Folha, entre outras.
» Luís Varela —Debora Hapuque
Luís Nicolau Fagundes Varela (São João Marcos, 17 de agosto de 1841 — Niterói, 18 de fevereiro
de 1875). Poeta romântico e boêmio inveterado, Fagundes Varela foi um dos maiores expoentes da
poesia brasileira, em seu tempo. Tendo ingressado no curso de Direito (e frequentado a Faculdade
de Direito de São Paulo e a Faculdade de Direito do Recife), abandonou o curso no quarto ano. Foi a
transição entre a segunda e a terceira geração romântica.
Casando-se muito novo (aos vinte e um anos) com Alice Guilhermina Luande, filha de dono de um
circo, teve um filho que veio a morrer aos três meses. Este fato inspirou-lhe o poema "Cântico do
Calvário", expressão máxima de seus versos, tão jovem ainda.
Mudou-se para Paris aos 20 anos e voltou aos 27. Casou-se novamente com uma prima - Maria
Belisária de Brito Lambert, sendo novamente pai de duas meninas e um menino, também falecido
prematuramente. Embriagando-se e escrevendo, faleceu ainda jovem, vivendo à custa do pai,
passando boa parte do tempo no campo, seu ambiente predileto. Fagundes Varela morreu com 33
anos de idade.
Principais Obras: Noturnas, Cântico do Calvário, Pendão Auri-verde, Vozes da América, Cantos e
Fantasias, Cantos Meridionais, Cantos do Ermo e da Cidade, Anchieta ou Evangelho na Selva,Cantos
Religiosos, Diário de Lázaro.
Itapitanga/BA 09/04/2015
» Junqueira Freire—Bruno Souza
Luís José Junqueira Freire (Salvador, 31 de dezembro de 1832 — Salvador, 24 de junho de 1855)
patrono da cadeira nº 25 da Academia Brasileira de Letras, alguns de seus versos expressam um
grande conflito existencial que lhe atormentava. O curto período que ficou no Mosteiro, lhe
inspirou os temas religiosos.
Levado por forte desejo de se dedicar a vida religiosa, ingressa no Mosteiro de São Bento, em
1850, com apenas 18 anos e em 1852 já lecionava. Em 1853 abandona o mosteiro e recolhe-se em
casa onde escreve sua autobiografia "Inspirações do Claustro" (1855). Com séria doença cardíaca,
que lhe debilitava, morreu cedo, como muitos poetas de sua geração. Doente, não se recupera e
morre.
Principais Obras: Desespero na solidão, O remorso do inocente, Teus olhos, O arranco da morte,
Martírio, Tratado de eloquência nacional, Ambrósio, Louco, Morte.
» Pedro de Calasans—Mª Helena
Pedro Luziense de Bittencourt Calasans (Santa Luzia, 29 de janeiro de 1837 — Portugal, 24 de
fevereiro de 1874) Foi um poeta, crítico e jornalista. Estudou no Liceu de São Cristóvão, indo à Recife no
ano de 1853 para concluir o curso preparatório. Posteriormente, estudou o Curso de Direito na Faculdade de
Direito do Recife ao lado de Tobias Barreto e de Castro Alves, sendo o primeiro autor sergipano a estudar no
Recife. Foi promotor no município de Estância, deputado no Rio de Janeiro, juiz municipal e deputado no Rio
Grande do Sul, além de ter participação jornalística no Recife, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Fez viagens
a Alemanha e Bélgica, onde publicou alguns livros, ultrapassando os limites de Sergipe e do Brasil.
Ao contrair tuberculose, Pedro de Calasans fora à procura de um clima que ajudasse na cura
para sua doença em várias partes do país. Mas, infelizmente, houve um naufrágio em que a
tripulação conseguiu se salvar e, somente, ele morrera naufragado no dia 24 de fevereiro de 1874.
Pedro de Calasans escreveu livros de poesias, peças de teatro, crítica literária, e direito. Tem
também outros autores que foram importantes na segunda geração do Romantismo como Camilo
Castelo Branco (1825-1890) e Soares Passos (1826-1860).
Principais Obras: Poesia , Adeus! , Páginas Soltas , Últimas Páginas , Ofenísia , Wiesbade , A
Morte de Uma Virgem , A Rosa e o Sol , Qual Delas? , Brazilina , Camerino: episódio da guerra do
Paraguai...
Lord Byron—Bruno Souza
George Gordon Byron, 6º Barão Byron (Londres, 22 de janeiro de 1788 — Missolonghi, 19 de
abril de 1824).Conhecido como Lorde Byron, foi um destacado poeta britânico e uma das figuras
mais influentes do romantismo.
Célebre por suas obras-primas, como A Peregrinação de Childe Harold e Don Juan (o último
permaneceu inacabado devido à sua morte iminente). Toda a obra de Byron, que exprime o
pessimismo romântico, com a tendência a se voltar contra os outros e contra a sociedade, pode ser
vista como um grande painel autobiográfico. Byron é considerado como um dos maiores poetas
europeus, é muito lido até os dias de hoje. A fama de Byron não se deve somente aos seus escritos,
Itapitanga/BA 09/04/2015
mas também a sua vida – amplamente considerada extravagante – que inclui numerosas amantes,
dívidas, separações, alegações de incesto, homossexualismo, sendo também um dos primeiros
escritores a descrever os efeitos da maconha.
Principais Obras
» Álvares da Azevedo ”Lira dos Vinte Anos”—Iuri Marques
O trecho é de um dos mais conhecidos poemas de Álvares de Azevedo. Nele, estão sintetizados os
temas do escapismo da vida, do amor febril pela virgem angelical e das angústias que consomem a
existência do poeta ultrarromântico. Há um tom melancólico e de profunda tristeza. O poeta, num
momento de possível passagem à morte, recapitula a vida e todos os infortúnios por que passou. São
lembrados a mãe, o pai, os amigos e a virgem nunca atingida, que funcionam como consolo
emocional do eu-lírico por uma vida de sofrimentos.
» Casimiro de Abreu As primaveras—Laiza Esteves
Em Primaveras, de Casimiro de Abreu, acham-se os temas prediletos do poeta e que o identificam
como lírico-romântico: a nostalgia da infância, a saudade da terra natal, o gosto da natureza, a
religiosidade ingênua, o pressentimento da morte, a exaltação da juventude, a devoção pela pátria e a
idealização da mulher amada. A sua visão do mundo externo está condicionada estreitamente pelo
universo do burguês brasileiro da época imperial, das chácaras e jardins. Trata de uma natureza onde
se caça passarinho quando criança, onde se arma a rede para o devaneio ou se vai namorar quando
rapaz.
o poeta atrai o leitor com o ritmo fácil, a singeleza do pensamento, a ausência de abstrações, o
caráter recitativo e o tratamento sentimental que empresta ao tema, garantindo a eternidade de pelo
menos um poema, "Meus oito anos":
Itapitanga/BA 09/04/2015
» Junqueira Freire Contradições poéticas—Victor
Durante sua vida esteve dividido entre a vida religiosa, espiritual e a sua falta de fé e vocação para a vida
celibatária. Suas experiências foram retratadas em suas duas obras poéticas:Inspirações do
claustro e Contradições poéticas.
A decisão do autor por uma vida monástica foi em razão dos problemas de convívio familiar sofridos e suas
poesias são marcadas por uma autobiografia reveladora.
Além disso, nos poemas de Junqueira Freire constam a crise moral da igreja do século XIX e os conflitos
do escritor entre a profissão de frei e os fatos que presenciou dentro da igreja. O poeta ainda expressou em
suas obras seu pessimismo em relação à vida, seu interesse pelo mundanismo, sua sexualidade reprimida,
seu desejo pelo pecado e seu sentimento de culpa. Evocava ardentemente por cura de suas mazelas ao
mesmo passo que desejava a morte, encarando-a como uma amiga que vinha para lhe trazer paz eterna,
como podemos perceber no poema “Morte”:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Julia Maldonado Garcia
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Cláudia Heloísa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Walace Cestari
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Luciene Gomes
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
Maiara Giordani
 
O que é simbolismo
O que é simbolismoO que é simbolismo
O que é simbolismo
William Barcellos
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
Isabel Muniz
 
Língua portuguesa Ficha Literaria Noites na Taverna
Língua portuguesa Ficha Literaria Noites na TavernaLíngua portuguesa Ficha Literaria Noites na Taverna
Língua portuguesa Ficha Literaria Noites na Taverna
Wesley Germano Otávio
 
Senhora - José de Alencar
Senhora - José de AlencarSenhora - José de Alencar
Senhora - José de Alencar
Regina Gabriela
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Adriana Masson
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
Senhora
SenhoraSenhora
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
clemildapetrolina
 
Trovadorismo, Novelas de Cavalaria e Humanismo
Trovadorismo,  Novelas de Cavalaria e HumanismoTrovadorismo,  Novelas de Cavalaria e Humanismo
Trovadorismo, Novelas de Cavalaria e Humanismo
CrisBiagio
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Andrea Dressler
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Vicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiroVicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiro
Mariaprofessora
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
NAPNE
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
martinsramon
 

Mais procurados (20)

Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
O que é simbolismo
O que é simbolismoO que é simbolismo
O que é simbolismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Língua portuguesa Ficha Literaria Noites na Taverna
Língua portuguesa Ficha Literaria Noites na TavernaLíngua portuguesa Ficha Literaria Noites na Taverna
Língua portuguesa Ficha Literaria Noites na Taverna
 
Senhora - José de Alencar
Senhora - José de AlencarSenhora - José de Alencar
Senhora - José de Alencar
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
 
Trovadorismo, Novelas de Cavalaria e Humanismo
Trovadorismo,  Novelas de Cavalaria e HumanismoTrovadorismo,  Novelas de Cavalaria e Humanismo
Trovadorismo, Novelas de Cavalaria e Humanismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Vicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiroVicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiro
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 

Destaque

Romantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geraçãoRomantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geração
Denise
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
xipolito
 
Romantismo seminario 2
Romantismo  seminario 2Romantismo  seminario 2
Romantismo seminario 2
Matheus Italo Nascimento
 
Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
Vilmar Vilaça
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Vívian mourett
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
sfotoinpoc
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
Jéssica Moresi
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
jojopaiva
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Marcos Souza
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
guest5e4f04
 

Destaque (10)

Romantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geraçãoRomantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geração
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
 
Romantismo seminario 2
Romantismo  seminario 2Romantismo  seminario 2
Romantismo seminario 2
 
Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
 

Semelhante a Segunda geração romântica

O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasil
strawhiit
 
Resumos das obras derek e isabella 2º b
Resumos das obras   derek e isabella 2º bResumos das obras   derek e isabella 2º b
Resumos das obras derek e isabella 2º b
teresakashino
 
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
Escola Estadual Antônio Valadares
 
Biografia 4º A
Biografia 4º ABiografia 4º A
Biografia 4º A
informaticapd
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
Kauan_ts
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
GANHADODINHEIRO
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
alinesantana1422
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
teresakashino
 
Segunda tarefa do Face-grupo
Segunda tarefa do Face-grupo Segunda tarefa do Face-grupo
Segunda tarefa do Face-grupo
Vitória Raphaella
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
lucasmota251
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
juliannecarvalho
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
juliannecarvalho
 
Biografia 4º B
Biografia 4º BBiografia 4º B
Biografia 4º B
informaticapd
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
John Joseph
 
Movimento Literário Romantismo - " O Romantismo olha o mundo de forma apaixon...
Movimento Literário Romantismo - " O Romantismo olha o mundo de forma apaixon...Movimento Literário Romantismo - " O Romantismo olha o mundo de forma apaixon...
Movimento Literário Romantismo - " O Romantismo olha o mundo de forma apaixon...
SrtGalaxy
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
Antonio Marcos
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Dilmara Faria
 
Naturalismo- No Brasil
Naturalismo- No BrasilNaturalismo- No Brasil
Alvares de azevedo
Alvares de azevedoAlvares de azevedo
Alvares de azevedo
030577
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Andriane Cursino
 

Semelhante a Segunda geração romântica (20)

O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasil
 
Resumos das obras derek e isabella 2º b
Resumos das obras   derek e isabella 2º bResumos das obras   derek e isabella 2º b
Resumos das obras derek e isabella 2º b
 
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
 
Biografia 4º A
Biografia 4º ABiografia 4º A
Biografia 4º A
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
 
Segunda tarefa do Face-grupo
Segunda tarefa do Face-grupo Segunda tarefa do Face-grupo
Segunda tarefa do Face-grupo
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
 
Biografia 4º B
Biografia 4º BBiografia 4º B
Biografia 4º B
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Movimento Literário Romantismo - " O Romantismo olha o mundo de forma apaixon...
Movimento Literário Romantismo - " O Romantismo olha o mundo de forma apaixon...Movimento Literário Romantismo - " O Romantismo olha o mundo de forma apaixon...
Movimento Literário Romantismo - " O Romantismo olha o mundo de forma apaixon...
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
 
Naturalismo- No Brasil
Naturalismo- No BrasilNaturalismo- No Brasil
Naturalismo- No Brasil
 
Alvares de azevedo
Alvares de azevedoAlvares de azevedo
Alvares de azevedo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 

Último

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 

Segunda geração romântica

  • 1. Itapitanga/BA 09/04/2015 Segunda geraçao romantica—Ariely A segunda geração romântica portuguesa é marcada por uma postura de exagero inconfundível. Inspirados pela Literatura Inglesa, os novos autores admiravam poetas como Lord Byron, que exaltava os sentimentos arrebatadores e, simultaneamente, apresentava o poeta completamente isolado da sociedade, incompreendido por defender valores morais e éticos. A imagem do herói romântico que luta por valores incorruptíveis como a honestidade, o amor, o direito a liberdade povoa a imaginação de muitos poetas. Características—Lucas Adryel Entre as características gerais do Romantismo, aquela que mais se faz presente na segunda geração do movimento no Brasil é a evasão da realidade. Só que essa evasão não acontece no tempo ou no espaço, como na primeira geração. Agora, a fuga da realidade ganha contornos trágicos. Os heróis românticos encontram na morte uma solução para seus problemas existenciais, podendo chegar, inclusive, ao suicídio. Isso acontece porque, de acordo com o pensamento romântico, o indivíduo vive em constante conflito com a sociedade, tornando-se uma espécie de “desajustado”. Essa sensação de constante desajuste tem como consequência alguns comportamentos tipicamente românticos: — Pessimismo —Dor existencial —Sofrimento —Isolamento Essas atitudes caracterizam aquilo que ficou conhecido como “mal-do-século”. Assim sendo, por levar o subjetivismo romântico às últimas consequências, a segunda fase do Romantismo no Brasil também é conhecida como geração ultrarromântica. A tela abaixo representa a atração que os artistas românticos têm pela morte também na pintura. Principais Autores » Álvares de Azevedo: A antítese personificada. —Jenifer Álvares de Azevedo (São Paulo, Província de São Paulo, Império do Brasil, 12 de setembro de 1831 — Rio de Janeiro, Império do Brasil, 25 de abril de 1852). Álvares é a principal expressão da geração ultrarromântica de nossa poesia. Fez os estudos básicos no Rio de Janeiro e cursava o quinto ano de direito em São Paulo quando sofreu um acidente (queda de cavalo) cujas complicações o levaram à morte, antes de completar 21 anos de idade. O escritor cultivou a poesia, a prosa e o teatro. Toda a sua produção—sete livros, discursos e cartas— foi escrita em apenas quatro anos, período em que era estudante universitário. Por isso, deixou uma obra de qualidade irregular, se considerada no conjunto, mas de grande significado na evolução da poesia nacional.  Profundo subjetivismo  Sentimentalismo exacerbado  Pessimismo e melancolia  Egocentrismo e individualismo  Fuga da realidade  Escapismo  Saudosismo
  • 2. Itapitanga/BA 09/04/2015 A característica intrigante da obra de Álvares de Azevedo reside na articulação consciente de um projeto literário baseado na contradição, talvez a contradição que ele próprio sentisse como adolescente. Principais Obras: Lira dos Vinte Anos, Poesia Diversas, O Poema do Frade, O Conde Lopo, Noite na Taverna, Macário. » Casimiro de Abreu. —Ariely Casimiro José Marques de Abreu (Barra de São João, 4 de janeiro de 1839 — Nova Friburgo, 18 de outubro de 1860) Com apenas 13 anos, enviado pelo pai, vai para a cidade do Rio de Janeiro, trabalhar no comércio. Em novembro de 1853 vai para Portugal, para completar a prática comercial e nesse período inicia sua carreira literária. No dia 18 de janeiro de 1856 sua peça Camões e o Jaú são encenados em Lisboa. Casimiro de Abreu volta ao Brasil, em julho de 1857 e continua trabalhando no comércio. Conhece vários intelectuais e faz amizade com Machado de Assis, ambos com 18 anos de idade. Em 1859 publica seu único livro de poemas “As Primaveras”. No início de 1860, Casimiro de Abreu fica noivo de Joaquina Alvarenga Silva Peixoto. Com vida boêmia, contrai tuberculose. Vai para Nova Friburgo tentar a cura da doença, mas no dia 18 de outubro de 1860, não resiste e morre aos 21 anos de idade. Principais Obras: Meus oito anos, Saudades, Minh'alma é triste, Amor e Medo, Desejo, Dores, Berço e Túmulo, Infância, A Valsa, Perdão, Poesia e Amor, Segredos, Última Folha, entre outras. » Luís Varela —Debora Hapuque Luís Nicolau Fagundes Varela (São João Marcos, 17 de agosto de 1841 — Niterói, 18 de fevereiro de 1875). Poeta romântico e boêmio inveterado, Fagundes Varela foi um dos maiores expoentes da poesia brasileira, em seu tempo. Tendo ingressado no curso de Direito (e frequentado a Faculdade de Direito de São Paulo e a Faculdade de Direito do Recife), abandonou o curso no quarto ano. Foi a transição entre a segunda e a terceira geração romântica. Casando-se muito novo (aos vinte e um anos) com Alice Guilhermina Luande, filha de dono de um circo, teve um filho que veio a morrer aos três meses. Este fato inspirou-lhe o poema "Cântico do Calvário", expressão máxima de seus versos, tão jovem ainda. Mudou-se para Paris aos 20 anos e voltou aos 27. Casou-se novamente com uma prima - Maria Belisária de Brito Lambert, sendo novamente pai de duas meninas e um menino, também falecido prematuramente. Embriagando-se e escrevendo, faleceu ainda jovem, vivendo à custa do pai, passando boa parte do tempo no campo, seu ambiente predileto. Fagundes Varela morreu com 33 anos de idade. Principais Obras: Noturnas, Cântico do Calvário, Pendão Auri-verde, Vozes da América, Cantos e Fantasias, Cantos Meridionais, Cantos do Ermo e da Cidade, Anchieta ou Evangelho na Selva,Cantos Religiosos, Diário de Lázaro.
  • 3. Itapitanga/BA 09/04/2015 » Junqueira Freire—Bruno Souza Luís José Junqueira Freire (Salvador, 31 de dezembro de 1832 — Salvador, 24 de junho de 1855) patrono da cadeira nº 25 da Academia Brasileira de Letras, alguns de seus versos expressam um grande conflito existencial que lhe atormentava. O curto período que ficou no Mosteiro, lhe inspirou os temas religiosos. Levado por forte desejo de se dedicar a vida religiosa, ingressa no Mosteiro de São Bento, em 1850, com apenas 18 anos e em 1852 já lecionava. Em 1853 abandona o mosteiro e recolhe-se em casa onde escreve sua autobiografia "Inspirações do Claustro" (1855). Com séria doença cardíaca, que lhe debilitava, morreu cedo, como muitos poetas de sua geração. Doente, não se recupera e morre. Principais Obras: Desespero na solidão, O remorso do inocente, Teus olhos, O arranco da morte, Martírio, Tratado de eloquência nacional, Ambrósio, Louco, Morte. » Pedro de Calasans—Mª Helena Pedro Luziense de Bittencourt Calasans (Santa Luzia, 29 de janeiro de 1837 — Portugal, 24 de fevereiro de 1874) Foi um poeta, crítico e jornalista. Estudou no Liceu de São Cristóvão, indo à Recife no ano de 1853 para concluir o curso preparatório. Posteriormente, estudou o Curso de Direito na Faculdade de Direito do Recife ao lado de Tobias Barreto e de Castro Alves, sendo o primeiro autor sergipano a estudar no Recife. Foi promotor no município de Estância, deputado no Rio de Janeiro, juiz municipal e deputado no Rio Grande do Sul, além de ter participação jornalística no Recife, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Fez viagens a Alemanha e Bélgica, onde publicou alguns livros, ultrapassando os limites de Sergipe e do Brasil. Ao contrair tuberculose, Pedro de Calasans fora à procura de um clima que ajudasse na cura para sua doença em várias partes do país. Mas, infelizmente, houve um naufrágio em que a tripulação conseguiu se salvar e, somente, ele morrera naufragado no dia 24 de fevereiro de 1874. Pedro de Calasans escreveu livros de poesias, peças de teatro, crítica literária, e direito. Tem também outros autores que foram importantes na segunda geração do Romantismo como Camilo Castelo Branco (1825-1890) e Soares Passos (1826-1860). Principais Obras: Poesia , Adeus! , Páginas Soltas , Últimas Páginas , Ofenísia , Wiesbade , A Morte de Uma Virgem , A Rosa e o Sol , Qual Delas? , Brazilina , Camerino: episódio da guerra do Paraguai... Lord Byron—Bruno Souza George Gordon Byron, 6º Barão Byron (Londres, 22 de janeiro de 1788 — Missolonghi, 19 de abril de 1824).Conhecido como Lorde Byron, foi um destacado poeta britânico e uma das figuras mais influentes do romantismo. Célebre por suas obras-primas, como A Peregrinação de Childe Harold e Don Juan (o último permaneceu inacabado devido à sua morte iminente). Toda a obra de Byron, que exprime o pessimismo romântico, com a tendência a se voltar contra os outros e contra a sociedade, pode ser vista como um grande painel autobiográfico. Byron é considerado como um dos maiores poetas europeus, é muito lido até os dias de hoje. A fama de Byron não se deve somente aos seus escritos,
  • 4. Itapitanga/BA 09/04/2015 mas também a sua vida – amplamente considerada extravagante – que inclui numerosas amantes, dívidas, separações, alegações de incesto, homossexualismo, sendo também um dos primeiros escritores a descrever os efeitos da maconha. Principais Obras » Álvares da Azevedo ”Lira dos Vinte Anos”—Iuri Marques O trecho é de um dos mais conhecidos poemas de Álvares de Azevedo. Nele, estão sintetizados os temas do escapismo da vida, do amor febril pela virgem angelical e das angústias que consomem a existência do poeta ultrarromântico. Há um tom melancólico e de profunda tristeza. O poeta, num momento de possível passagem à morte, recapitula a vida e todos os infortúnios por que passou. São lembrados a mãe, o pai, os amigos e a virgem nunca atingida, que funcionam como consolo emocional do eu-lírico por uma vida de sofrimentos. » Casimiro de Abreu As primaveras—Laiza Esteves Em Primaveras, de Casimiro de Abreu, acham-se os temas prediletos do poeta e que o identificam como lírico-romântico: a nostalgia da infância, a saudade da terra natal, o gosto da natureza, a religiosidade ingênua, o pressentimento da morte, a exaltação da juventude, a devoção pela pátria e a idealização da mulher amada. A sua visão do mundo externo está condicionada estreitamente pelo universo do burguês brasileiro da época imperial, das chácaras e jardins. Trata de uma natureza onde se caça passarinho quando criança, onde se arma a rede para o devaneio ou se vai namorar quando rapaz. o poeta atrai o leitor com o ritmo fácil, a singeleza do pensamento, a ausência de abstrações, o caráter recitativo e o tratamento sentimental que empresta ao tema, garantindo a eternidade de pelo menos um poema, "Meus oito anos":
  • 5. Itapitanga/BA 09/04/2015 » Junqueira Freire Contradições poéticas—Victor Durante sua vida esteve dividido entre a vida religiosa, espiritual e a sua falta de fé e vocação para a vida celibatária. Suas experiências foram retratadas em suas duas obras poéticas:Inspirações do claustro e Contradições poéticas. A decisão do autor por uma vida monástica foi em razão dos problemas de convívio familiar sofridos e suas poesias são marcadas por uma autobiografia reveladora. Além disso, nos poemas de Junqueira Freire constam a crise moral da igreja do século XIX e os conflitos do escritor entre a profissão de frei e os fatos que presenciou dentro da igreja. O poeta ainda expressou em suas obras seu pessimismo em relação à vida, seu interesse pelo mundanismo, sua sexualidade reprimida, seu desejo pelo pecado e seu sentimento de culpa. Evocava ardentemente por cura de suas mazelas ao mesmo passo que desejava a morte, encarando-a como uma amiga que vinha para lhe trazer paz eterna, como podemos perceber no poema “Morte”: