SlideShare uma empresa Scribd logo
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
ROTEIRO
PARA ELABORAÇÃO
DE
MANUAIS DE BOAS PRÁTICAS
E DE
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS
PADRONIZADOS ( POP)
Em conformidade com a Resolução RDC n º 216/04
Elaborado pelos
Fiscal de Vigilância Sanitária
1
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
Resolução - RDC n° 216, de 15 de setembro de 2004.
Dispõe sobre regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação.
Objetivo​
Estabelecer procedimentos de boas práticas para serviços de alimentação a fim de garantir
as condições higiênico-sanitárias do alimento preparado.
Âmbito de aplicação​
Aplica-se aos serviços de alimentação que realizam algumas das seguintes atividades:
➢ Manipulação, preparação, fracionamento, armazenamento, distribuição, transporte,
exposição à venda e entrega de alimentos preparados ao consumo, tais como cantinas,
bufês, comissarias, confeitarias, cozinhas industriais, cozinhas institucionais,
delicatéssens, lanchonetes, padarias, pastelarias, restaurantes, rotisserias e congêneres.
➢ As comissarias instaladas em portos, aeroportos, fronteiras e terminais alfandegados
devem, ainda, obedecer aos regulamentos técnicos específicos.
Excluem-se ​deste regulamento os estabelecimentos industriais abrangidos no âmbito do
regulamento técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de
fabricação para estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos ( portaria SVS
n º 326/97)
Responsabilidade
➢ O responsável pelas atividades de manipulação dos alimentos deve ser o proprietário
ou funcionário designado, devidamente capacitado, sem prejuízo dos casos onde há
previsão legal para responsabilidade técnica.
➢ O responsável pelas atividades de manipulação dos alimentos deve ser
comprovadamente submetido a curso de capacitação, abordando, no mínimo, os
seguintes temas:
A) contaminantes alimentares;
B) doenças transmitidas por alimentos;
C) manipulação higiênica dos alimentos;
D) boas práticas.
Os treinamentos aplicados por empresas credenciadas junto á vigilância sanitária ,atendem
aos temas exigidos ( módulos básico + módulo específico, preconizados pelo decreto
municipal n º 2064/03)
2
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
Definições
Para efeito deste regulamento, considera-se:
1 alimentos preparados: são alimentos manipulados e preparados em serviços de
alimentação, expostos à venda embalados ou não, subdividindo-se em três categorias:
A) alimentos cozidos, mantidos quentes e expostos ao consumo;
B) alimentos cozidos, mantidos refrigerados, congelados ou à temperatura ambiente, que
necessitam ou não de aquecimento antes do consumo;
C) alimentos crus, mantidos refrigerados ou à temperatura ambiente, expostos ao consumo.
2 anti-sepsia​: operação que visa a redução de microrganismos presentes na pele em níveis
seguros, durante a lavagem das mãos com sabonete anti-séptico ou por uso de agente
anti-séptico após a lavagem e secagem das mãos.
3 boas práticas: procedimentos que devem ser adotados por serviços de alimentação a fim
de garantir a qualidade higiênico-sanitária e a conformidade dos alimentos com a legislação
sanitária.
4 contaminantes​: substâncias ou agentes de origem biológica, química ou física, estranhos
ao alimento, que sejam considerados nocivos à saúde humana ou que comprometam a sua
integridade.
5 controle integrado de vetores e pragas urbanas: sistema que incorpora ações
preventivas e corretivas destinadas a impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou a
proliferação de vetores e pragas urbanas que comprometam a qualidade higiênico-sanitária
do alimento.
6 desinfecção: operação de redução, por método físico e ou agente químico, do número de
microrganismos em nível que não comprometa a qualidade higiênico-sanitária do alimento.
7 higienização:​ operação que compreende duas etapas, a limpeza e a desinfecção.
8 limpeza: ​operação de remoção de substâncias minerais e ou orgânicas indesejáveis, tais
como terra, poeira, gordura e outras sujidades.
9 manipulação de alimentos: operações efetuadas sobre a matéria-prima para obtenção e
entrega ao consumo do alimento preparado, envolvendo as etapas de preparação,
embalagem, armazenamento, transporte, distribuição e exposição à venda.
10 manipuladores de alimentos: qualquer pessoa do serviço de alimentação que entra em
contato direto ou indireto com o alimento.
11 manuais de boas práticas: documento que descreve as operações realizadas pelo
estabelecimento, incluindo, no mínimo, os requisitos higiênico-sanitários dos edifícios, a
manutenção e higienização das instalações, dos equipamentos e dos utensílios, o controle
da água de abastecimento, o controle integrado de vetores e pragas urbanas, a capacitação
profissional, o controle da higiene e saúde dos manipuladores, o manejo de resíduos e o
controle e garantia de qualidade do alimento preparado.
12 medidas de controle: ​procedimento adotado com o objetivo de prevenir, reduzir a um
nível aceitável ou eliminar um agente físico, químico ou biológico que comprometa a
qualidade higiênico-sanitária do alimento.
13 produtos perecíveis: produtos alimentícios, alimentos “in natura”, produtos
semi-preparados ou produtos preparados para o consumo que, pela sua natureza ou
composição, necessitam de condições especiais de temperatura para sua conservação.
14 registros: consiste de anotação em planilha e ou documento, apresentando data e
identificação do funcionário responsável pelo seu preenchimento.
3
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
15 resíduos: materiais a serem descartados, oriundos da área de preparação e das demais
áreas do serviço de alimentação.
16 saneantes: substâncias ou preparações destinadas à higienização, desinfecção ou
desinfestação domiciliar, em ambientes coletivos e/ou públicos, em lugares de uso comum
e no tratamento de água.
17 serviço de alimentação: estabelecimento onde o alimento é manipulado, preparado,
armazenado e ou exposto à venda, podendo ou não ser consumido no local.
18 procedimento operacional padronizado - pop: procedimento escrito de forma objetiva
que estabelece instruções seqüenciais para a realização de operações rotineiras e específicas
na manipulação de alimentos.
4
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
O manual de boas práticas e de procedimentos operacionais padronizados (POP) para
serviços de alimentação deve ser elaborado, contendo, pelo menos os seguintes itens,os
quais devem ser descritos no tempo presente ( como é a realidade da empresa) :
➢ A legislação sanitária municipal, estadual e federal aplicável em cada situação deve ser
observada, não se restringindo exclusivamente à resolução rdc n º 216/04
➢ O manual de procedimentos operacionais padronizados (POP) poderá ser feito em
separado do manual de boas práticas ou fazendo parte deste, pois um é complemento do
outro.
Identificação da empresa:
➢ Razão social
➢ CNPJ
➢ Endereço completo
➢ Nome de fantasia
➢ Número do alvará sanitário
➢ Responsável legal ( nome e CPF)
➢ Telefone e e-mail
➢ Número de pessoas que trabalham no local e suas funções
➢ Horário de funcionamento
➢ Tipo de alimentos comercializados/ produzidos
➢ Número de refeições servidas diariamente
Lay out da empresa
1 edificação, instalações, equipamentos, móveis e utensílios
➢ O acesso às instalações ( como são as ruas em volta, se existe foco de insalubridade )
➢ Se existe separação entre as atividades
➢ Descrever o material usado para revestir pisos, paredes, teto, bancadas de trabalho,
mesas de manipulação.
➢ Descrever portas, janelas e outras aberturas ( se possuem sistema automático de
fechamento, se possuem tela, se estão íntegros)
➢ O abastecimento de água ( se é água potável, se é da casan, se tem controle de
qualidade- análises laboratoriais,se possui caixa de água e com que capacidade)
➢ Como é o destino do esgoto sanitário ( se é casa, se é fossa séptica ou outro sistema)
➢ Possuem-se ralos sifonados, com fechamento.
➢ Caixa de gordura deve estar fora da cozinha, descrever onde se localiza e como é o seu
estado de conservação e limpeza.
➢ Como são as áreas internas e externas ( se estão livres de materiais em desuso e
entulhos, se estão livres de animais)
5
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
➢ Como é a iluminação da área de manipulação de alimentos, se possui lâmpadas
protegidas contra quedas e explosões.
➢ Se as instalações elétricas ( fiação elétrica) estão fixas e protegidas.
➢ Como é feita a ventilação da área de manipulação e depósitos de alimentos ( lembre que
não é permitido o uso de ventiladores nas áreas de manipulação de alimentos)
➢ Como são os vestiários e os banheiros de uso dos manipuladores de alimentos e onde
se localizam
➢ Como são os banheiros de clientes e onde se localizam
➢ Se os lixeiros possuem tampa acionadas não manualmente
➢ Se existem lavatórios exclusivos para higiene das mãos, localizados dentro das áreas de
manipulação de alimentos, e se possuem sabonete líquido inodoro, toalha de papel não
reciclado e antisséptico.
➢ Se é feito manutenção programada e periódica de equipamentos e utensílios
➢ Se é feito calibração de instrumentos e equipamentos
➢ Se é feito registro escrito de manutenção e calibração
2 higienização de instalações, equipamentos, móveis e utensílios
➢ Como são realizadas as operações de higienização de móveis, instalações,
equipamentos e utensílios ( descrever cada operação em separado,colocando os
produtos e equipamentos usados, quem executa o procedimento e com que frequência)
➢ Como é feita a limpeza da caixa de gordura
➢ Como é feito o descarte do lixo
➢ Como são feitas as operações de limpeza e santificação de ambientes e equipamentos, e
qual sua periodicidade.
➢ Como são armazenados os utensílios ( vassouras, pás, baldes, etc) e os produtos de
limpeza e higiene
➢ Quem executa os procedimentos de higiene e limpeza, e que uniforme utiliza durante as
operações.
3 controle integrado de vetores e pragas urbanas
➢ Como é feito o controle de pragas e vetores ( ratos, baratas, formigas, moscas e outros)
➢ Quem faz esse controle ( se for empresa terceirizada informar o nome da empresa , o
seu CNPJ e endereço, e o número de seu alvará sanitário)
➢ Quais os produtos usados?
➢ Como é o procedimento realizado pela empresa que executa o serviço?
➢ Se há registro escrito da operação?
➢ Com que frequência é realizado o procedimento?
➢ Quais são os procedimentos de controle (uso de telas, cuidados na retirada do lixo,
cuidados com frestas, cuidados no recebimento de algum produto que possa estar
infestado, como por exemplo as caixas de madeira usadas para hortifrutigranjeiros)
6
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
4 abastecimento de água​
➢ Como é o abastecimento de água ( se é da casa ou outra fonte)
➢ Se a água não for da casa é realizado controle da potabilidade dessa água com análises
laboratoriais semestrais?
➢ Existe registro escrito desse controle?
➢ Existe caixa de água, de que material ela é, qual a capacidade?
➢ Quem faz a limpeza da caixa e com que frequência?
➢ Existe registro escrito deste controle (limpeza de caixa d’água)?
➢ O gelo utilizado é feito com água potável?
➢ O gelo utilizado possui registro no ministério da saúde ?
5 manejo dos resíduos
➢ Os lixeiros possuem tampa acionadas sem contato manual?
➢ Onde o lixo fica armazenado até o horário da coleta?
➢ A coleta é feita por quem? Pela empresa responsável pela coletas ? Quantas vezes por
semana? Em que horário?
6 manipuladores​
➢ Com que frequência é feito o exame médico dos manipuladores de alimentos?
➢ Existe uma planilha de registro destes exames?
➢ Os exames são feitos onde? Qual médico realiza os exames?
➢ Qual procedimento a empresa adota no caso de os manipuladores que apresentarem
lesões e ou sintomas de enfermidades que possam comprometer a qualidade
higiênico-sanitária dos alimentos?
➢ Como é o um informe dos manipuladores de alimentos?
➢ Quantas mudas de uniforme cada um tem?
➢ Há alguma orientação quanto á higienização destes uniformes por parte dos
manipuladores? Qual é esta orientação?
➢ A troca de uniformes é diária? Existe a determinação por escrito aos manipuladores de
alimentos?
➢ O uniforme é trocado onde? Existe armário pra guarda de roupas e pertences pessoais
dos manipuladores? Onde ficam estes armários?
➢ Quais são as recomendações dadas aos manipuladores em relação á higienização de
mãos, durante as atividades?
➢ Os manipuladores passam por algum treinamento específico?
➢ Existe comprovação destes treinamentos? Onde ficam guardados os documentos que
comprovam estes treinamentos?
➢ Qual a periodicidade destes treinamentos?
7
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
➢ Quais são as regras para visitantes, fornecedores e outras pessoas terem acesso á área de
manipulação de alimentos?
7 matérias-primas, ingredientes e embalagens​
➢ Como é feita a avaliação e seleção dos fornecedores de matérias-primas, ingredientes e
embalagens?
➢ Como é feito o transporte desses insumos ?
➢ Como é feita a recepção das matérias-primas, dos ingredientes e das embalagens ?
Quais os critérios avaliados para aceitar ereceber estes insumos?
➢ O que é feito com os lotes das matérias-primas, dos ingredientes ou das embalagens
reprovados ou com prazos de validade? Qual o destino final dos mesmos?
➢ Onde são armazenados as matérias-primas, os ingredientes e as embalagens? Como
estão acondicionados e identificados?
8 preparação do alimento
➢ Durante a preparação dos alimentos, quais medidas são adotadas a fim de minimizar o
risco de contaminação cruzada?
➢ Existem procedimentos específicos para a manipulação de alimentos crus ?
➢ Como são armaze nados as matérias-primas e os ingredientes que não forem utilizados
em sua totalidade? São rotulados/ etiquetados? Quais são os dizeres da
etiqueta/rotulagem?
➢ É feito controle de tempo x temperatura dos alimentos antes durante ee após o preparo?
➢ Existe planilha específica para anotação dos controles das temperaturas?
➢ Que tipo de termômetro é usado?
Existe controle da troca de óleo da fritadeira? Qual a periodicidade da troca? Existe planilha
para anotação das trocas? Qual destino final do óleo usado?
➢ Como é feito o descongelamento de alimentos e insumos?
➢ Como são conservados os alimentos quentes, após o preparo até a hora de servir?
➢ Como são conservados os alimentos frios até a hora de servir?
➢ Como é feita a higienização de alimentos a serem consumidos crus? Quais os produtos
usados para esta higienização?
9 armazenamento e transporte do alimento preparado
➢ Os alimentos preparados mantidos na área de armazenamento ou aguardando o
transporte são identificados e protegidos contra contaminantes?
➢ Como é feita sua identificação?
➢ É monitorada a temperatura do alimento preparado durante o armazenamento e o
transporte, distribuição e a entrega ao consumo?
➢ Os veículos de transporte de alimentos preparados e/ou insumos possui alvará sanitário?
➢ Como é realizada a higienização dos veículos de transporte de alimentos?
8
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
10 exposições ao consumo do alimento preparado
➢ Quais são os procedimentos adotados pelos manipuladores de forma que minimizem o
risco de contaminação dos alimentos preparados ?
➢ Quais os equipamentos disponíveis para exposição ou distribuição de alimentos
preparados sob temperaturas controladas? É realizado controle de temperaturas destes
equipamentos?
➢ A área onde se realiza a atividade de recebimento de dinheiro, cartões e outros meios
utilizados para o pagamento de despesas é reservada? Existe funcionário específico para
esta tarefa?
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS
➢ Os pop devem conter as instruções seqüenciais das operações e a freqüência de
execução, especificando o nome, o cargo e ou a função dos responsáveis pelas
atividades. Devem ser aprovados, datados e assinados pelo responsável do
estabelecimento.
➢ Os registros devem ser mantidos por período mínimo de 30 (trinta) dias contados a
partir da data de preparação dos alimentos.
CONCEITO:
Os Procedimentos Operacionais Padronizados (POPS) são documentos onde se registram
procedimentos para o controle dos itens de maior criticidade para a segurança
alimentar.
São peças fundamentais para a organização, efetivação e eficácia dos procedimentos
adotados pela empresa, já que devem estar ao alcance dos colaboradores, dirigentes,
fiscalização e da sociedade com um todo.
Devem servir como instrumento para a padronização de processos e procedimentos.
Numa definição mais sucinta, é a padronização de procedimentos de maior criticidade para
a segurança alimentar.
Lembramos que estes devem ser específicos para cada empresa e deverão descrever a
freqüência dos procedimentos, o responsável pela realização, o tipo de monitorização e
a ação corretiva.
9
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
ESTRUTURA GERAL DOS POPS:
Da mesma maneira que o Manual de BP, os POPS devem estar escritos de forma clara
e objetiva, evitando-se, ao máximo, que tenham grande volume. A intenção deve
ser a de evidenciar facilmente, a maneira que a empresa executa o procedimento.
​Os itens a serem descritos devem ser os seguintes:
a) OBJETIVO: Descrever neste item os objetivos do documento, por exemplo:
“ Estabelecer procedimentos a serem adotados para manter a segurança da água que entra
em contato direto ou indireto com os alimentos ou que é usada na fabricação de gelo.”
(PPHO 1- potabilidade da água ).
b) DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA: Citar normas técnicas e legais que servem
como base para o documento.
c) CAMPO DE APLICAÇÃO: Descrever para que setores/ áreas da empresa o
procedimento se aplica
d) DEFINIÇÕES: Definir termos usados. Citar conceitos.
e) RESPONSABILIDADES: Citar quem serão os responsáveis pela execução do
procedimento, pela sua monitorização, verificação e pelas ações corretivas.
f) DESCRIÇÃO: Nesta etapa devem ser descritos os procedimentos, passo a passo.
g) MONITORIZAÇÃO: Citar como será feita a monitorização do procedimento. Se o
uso de tabelas e planilhas se fizer necessários, devem ser anexados os modelos.
h) AÇÃO CORRETIVA: Descrever quais serão a ações corretivas para cada situação
de não – conformidade possível .
i) VERIFICAÇÃO: Descrever de forma clara e objetiva O QUE, COMO, QUANDO
E QUEM executará os procedimentos.
j) ANEXOS
➢ Os POPS devem conter as seguintes informações
Pop 1- higienização de instalações, equipamentos e móveis:
Natureza da superfície a ser higienizado, método de higienização, princípio ativo
selecionado e sua concentração, tempo de contato dos agentes químicos e ou físicos
utilizados na operação de higienização, temperatura e outras informações que se fizerem
necessárias. Quando aplicável, os pop devem contemplar a operação de desmonte dos
equipamentos.
Pop 2- controle integrado de vetores e pragas urbanas:
Devem contemplar as medidas preventivas e corretivas destinadas a impedir a atração, o
abrigo, o acesso e ou a proliferação de vetores e pragas urbanas. No caso da adoção de
controle químico, o estabelecimento deve apresentar comprovante de execução de serviço
fornecido pela empresa especializada contratada, contendo as informações estabelecidas em
legislação sanitária específica.
Pop 3- higienização do reservatório;
Natureza da superfície a ser higienizado, método de higienização, princípio ativo
selecionado e sua concentração, tempo de contato dos agentes químicos e ou físicos
utilizados na operação de higienização, temperatura e outras informações que se fizerem
10
CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID
necessárias. Quando realizada por empresa terceirizada e, neste caso, deve ser apresentado
o certificado de execução do serviço.
Pop 4- higiene e saúde dos manipuladores:
Devem contemplar as etapas, a freqüência e os princípios ativos usados na lavagem e
anti-sepsia das mãos dos manipuladores, assim como as medidas adotadas nos casos em
que os manipuladores apresentem lesão nas mãos, sintomas de enfermidade ou suspeita de
problema de saúde que possa comprometer a qualidade higiênico-sanitária dos alimentos.
Devem-se especificar os exames aos quais os manipuladores de alimentos são submetidos,
bem como a periodicidade de sua execução. O programa de capacitação dos manipuladores
em higiene deve ser descrito, sendo determinada a carga horária, o conteúdo programático e
a freqüência de sua realização, mantendo-se em arquivo os registros da participação
nominal dos funcionários.
11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueCurso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougue
Fábio Baía
 
Treinamento para manipuladores de alimentos
Treinamento para manipuladores de alimentosTreinamento para manipuladores de alimentos
Treinamento para manipuladores de alimentos
Maria Fernanda Tenório Campana
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
( UFS ) Universidade Federal de Sergipe
 
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORESTreinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
cagsiqueira
 
Apresentação.açougue
Apresentação.açougueApresentação.açougue
Apresentação.açougue
Katia Cristina
 
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICASMANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Manual de boas práticas de fabricação i
Manual de boas práticas de fabricação iManual de boas práticas de fabricação i
Manual de boas práticas de fabricação i
Qualikadi Assessoria Técnica
 
Pop
PopPop
Slide higienização e manipulação dos alimentos
Slide higienização e manipulação dos alimentosSlide higienização e manipulação dos alimentos
Slide higienização e manipulação dos alimentos
Mírian de Moura
 
Procedimento Operacional Padronizado
Procedimento Operacional PadronizadoProcedimento Operacional Padronizado
Procedimento Operacional Padronizado
Geraldo Neves
 
Treinamento Manipuladores de Alimentos
Treinamento Manipuladores de AlimentosTreinamento Manipuladores de Alimentos
Treinamento Manipuladores de Alimentos
Letícia Gonzaga
 
Controle integrado de pragas e manejo de resíduos
Controle integrado de pragas e manejo de resíduosControle integrado de pragas e manejo de resíduos
Controle integrado de pragas e manejo de resíduos
KetlenBatista
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
Bruno Andrade
 
Noções+do..
Noções+do..Noções+do..
Noções+do..
darmia lemos
 
Treinamento imprimir (1)
Treinamento imprimir (1)Treinamento imprimir (1)
Treinamento imprimir (1)
Bull Marketing
 
Rdc 216 e 275
Rdc 216 e 275Rdc 216 e 275
Rdc 216 e 275
Rherysonn Pantoja
 
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumoBoas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Luis Antonio Cezar Junior
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
Dennis Moliterno
 
Boas práticas de fabricação PSE
Boas práticas de fabricação PSEBoas práticas de fabricação PSE
Boas práticas de fabricação PSE
SMEdeItabaianinha
 
Check list higiene e manipulação de alimentos
Check list higiene e manipulação de alimentosCheck list higiene e manipulação de alimentos
Check list higiene e manipulação de alimentos
Edson Goncalves
 

Mais procurados (20)

Curso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueCurso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougue
 
Treinamento para manipuladores de alimentos
Treinamento para manipuladores de alimentosTreinamento para manipuladores de alimentos
Treinamento para manipuladores de alimentos
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORESTreinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
 
Apresentação.açougue
Apresentação.açougueApresentação.açougue
Apresentação.açougue
 
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICASMANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
 
Manual de boas práticas de fabricação i
Manual de boas práticas de fabricação iManual de boas práticas de fabricação i
Manual de boas práticas de fabricação i
 
Pop
PopPop
Pop
 
Slide higienização e manipulação dos alimentos
Slide higienização e manipulação dos alimentosSlide higienização e manipulação dos alimentos
Slide higienização e manipulação dos alimentos
 
Procedimento Operacional Padronizado
Procedimento Operacional PadronizadoProcedimento Operacional Padronizado
Procedimento Operacional Padronizado
 
Treinamento Manipuladores de Alimentos
Treinamento Manipuladores de AlimentosTreinamento Manipuladores de Alimentos
Treinamento Manipuladores de Alimentos
 
Controle integrado de pragas e manejo de resíduos
Controle integrado de pragas e manejo de resíduosControle integrado de pragas e manejo de resíduos
Controle integrado de pragas e manejo de resíduos
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
 
Noções+do..
Noções+do..Noções+do..
Noções+do..
 
Treinamento imprimir (1)
Treinamento imprimir (1)Treinamento imprimir (1)
Treinamento imprimir (1)
 
Rdc 216 e 275
Rdc 216 e 275Rdc 216 e 275
Rdc 216 e 275
 
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumoBoas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
 
Boas práticas de fabricação PSE
Boas práticas de fabricação PSEBoas práticas de fabricação PSE
Boas práticas de fabricação PSE
 
Check list higiene e manipulação de alimentos
Check list higiene e manipulação de alimentosCheck list higiene e manipulação de alimentos
Check list higiene e manipulação de alimentos
 

Semelhante a roteiro para manual de boas práticas e POPs.pdf

FORMULARIO PADRAO-MBF.doc
FORMULARIO PADRAO-MBF.docFORMULARIO PADRAO-MBF.doc
FORMULARIO PADRAO-MBF.doc
CarolDuarteFicagna
 
Boas praticas
Boas praticasBoas praticas
Boas praticas
Nara Godinho
 
2619/11
2619/112619/11
2619/11
Renonso
 
Rdc 275 normas cozinha da anvisa [2002]
Rdc 275   normas cozinha da anvisa [2002]Rdc 275   normas cozinha da anvisa [2002]
Rdc 275 normas cozinha da anvisa [2002]
Gabriel Stach
 
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOSMANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
VMG CONSULTORIA E ASSESSORIA EM VIGILANCIA SANITARIA
 
Boas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentosBoas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentos
Cleber Lima
 
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.ppt
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptAULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.ppt
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.ppt
CarolLopes88
 
Apresentação.açougue
Apresentação.açougueApresentação.açougue
Apresentação.açougue
Katia Cristina
 
Boas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentosBoas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentos
LuaraGarcia3
 
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptx
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptxAULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptx
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptx
JoelAlves50
 
ManualBoasPraticas_TicianaWerner.pdf
ManualBoasPraticas_TicianaWerner.pdfManualBoasPraticas_TicianaWerner.pdf
ManualBoasPraticas_TicianaWerner.pdf
CarolDuarteFicagna
 
Portaria 2619 1323696514
Portaria 2619 1323696514Portaria 2619 1323696514
Portaria 2619 1323696514
halemas
 
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(3).pdf
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(3).pdfProcedimentos_Operacionais_Padronizados(3).pdf
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(3).pdf
MargareteArioza1
 
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(1).pdf
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(1).pdfProcedimentos_Operacionais_Padronizados(1).pdf
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(1).pdf
MargareteArioza1
 
Cvs 06-99
Cvs 06-99Cvs 06-99
Cvs 06-99
Flavia
 
boa práticas alimentacao-saudavel_cantina.ppt
boa práticas alimentacao-saudavel_cantina.pptboa práticas alimentacao-saudavel_cantina.ppt
boa práticas alimentacao-saudavel_cantina.ppt
HilmaBorges
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
436
436436
AULA_5_CARTILHA BFA.ppt
AULA_5_CARTILHA BFA.pptAULA_5_CARTILHA BFA.ppt
AULA_5_CARTILHA BFA.ppt
MariaNeide16
 
pops_2016.pdf
pops_2016.pdfpops_2016.pdf
pops_2016.pdf
AmandaRayana
 

Semelhante a roteiro para manual de boas práticas e POPs.pdf (20)

FORMULARIO PADRAO-MBF.doc
FORMULARIO PADRAO-MBF.docFORMULARIO PADRAO-MBF.doc
FORMULARIO PADRAO-MBF.doc
 
Boas praticas
Boas praticasBoas praticas
Boas praticas
 
2619/11
2619/112619/11
2619/11
 
Rdc 275 normas cozinha da anvisa [2002]
Rdc 275   normas cozinha da anvisa [2002]Rdc 275   normas cozinha da anvisa [2002]
Rdc 275 normas cozinha da anvisa [2002]
 
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOSMANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
 
Boas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentosBoas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentos
 
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.ppt
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptAULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.ppt
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.ppt
 
Apresentação.açougue
Apresentação.açougueApresentação.açougue
Apresentação.açougue
 
Boas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentosBoas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentos
 
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptx
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptxAULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptx
AULA_10_BOAS_PRÁTICAS_SERV_ALIMENTAÇÃO_03.02.2021_MARTA.pptx
 
ManualBoasPraticas_TicianaWerner.pdf
ManualBoasPraticas_TicianaWerner.pdfManualBoasPraticas_TicianaWerner.pdf
ManualBoasPraticas_TicianaWerner.pdf
 
Portaria 2619 1323696514
Portaria 2619 1323696514Portaria 2619 1323696514
Portaria 2619 1323696514
 
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(3).pdf
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(3).pdfProcedimentos_Operacionais_Padronizados(3).pdf
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(3).pdf
 
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(1).pdf
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(1).pdfProcedimentos_Operacionais_Padronizados(1).pdf
Procedimentos_Operacionais_Padronizados(1).pdf
 
Cvs 06-99
Cvs 06-99Cvs 06-99
Cvs 06-99
 
boa práticas alimentacao-saudavel_cantina.ppt
boa práticas alimentacao-saudavel_cantina.pptboa práticas alimentacao-saudavel_cantina.ppt
boa práticas alimentacao-saudavel_cantina.ppt
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
436
436436
436
 
AULA_5_CARTILHA BFA.ppt
AULA_5_CARTILHA BFA.pptAULA_5_CARTILHA BFA.ppt
AULA_5_CARTILHA BFA.ppt
 
pops_2016.pdf
pops_2016.pdfpops_2016.pdf
pops_2016.pdf
 

roteiro para manual de boas práticas e POPs.pdf

  • 1. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE MANUAIS DE BOAS PRÁTICAS E DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS ( POP) Em conformidade com a Resolução RDC n º 216/04 Elaborado pelos Fiscal de Vigilância Sanitária 1
  • 2. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID Resolução - RDC n° 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação. Objetivo​ Estabelecer procedimentos de boas práticas para serviços de alimentação a fim de garantir as condições higiênico-sanitárias do alimento preparado. Âmbito de aplicação​ Aplica-se aos serviços de alimentação que realizam algumas das seguintes atividades: ➢ Manipulação, preparação, fracionamento, armazenamento, distribuição, transporte, exposição à venda e entrega de alimentos preparados ao consumo, tais como cantinas, bufês, comissarias, confeitarias, cozinhas industriais, cozinhas institucionais, delicatéssens, lanchonetes, padarias, pastelarias, restaurantes, rotisserias e congêneres. ➢ As comissarias instaladas em portos, aeroportos, fronteiras e terminais alfandegados devem, ainda, obedecer aos regulamentos técnicos específicos. Excluem-se ​deste regulamento os estabelecimentos industriais abrangidos no âmbito do regulamento técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos ( portaria SVS n º 326/97) Responsabilidade ➢ O responsável pelas atividades de manipulação dos alimentos deve ser o proprietário ou funcionário designado, devidamente capacitado, sem prejuízo dos casos onde há previsão legal para responsabilidade técnica. ➢ O responsável pelas atividades de manipulação dos alimentos deve ser comprovadamente submetido a curso de capacitação, abordando, no mínimo, os seguintes temas: A) contaminantes alimentares; B) doenças transmitidas por alimentos; C) manipulação higiênica dos alimentos; D) boas práticas. Os treinamentos aplicados por empresas credenciadas junto á vigilância sanitária ,atendem aos temas exigidos ( módulos básico + módulo específico, preconizados pelo decreto municipal n º 2064/03) 2
  • 3. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID Definições Para efeito deste regulamento, considera-se: 1 alimentos preparados: são alimentos manipulados e preparados em serviços de alimentação, expostos à venda embalados ou não, subdividindo-se em três categorias: A) alimentos cozidos, mantidos quentes e expostos ao consumo; B) alimentos cozidos, mantidos refrigerados, congelados ou à temperatura ambiente, que necessitam ou não de aquecimento antes do consumo; C) alimentos crus, mantidos refrigerados ou à temperatura ambiente, expostos ao consumo. 2 anti-sepsia​: operação que visa a redução de microrganismos presentes na pele em níveis seguros, durante a lavagem das mãos com sabonete anti-séptico ou por uso de agente anti-séptico após a lavagem e secagem das mãos. 3 boas práticas: procedimentos que devem ser adotados por serviços de alimentação a fim de garantir a qualidade higiênico-sanitária e a conformidade dos alimentos com a legislação sanitária. 4 contaminantes​: substâncias ou agentes de origem biológica, química ou física, estranhos ao alimento, que sejam considerados nocivos à saúde humana ou que comprometam a sua integridade. 5 controle integrado de vetores e pragas urbanas: sistema que incorpora ações preventivas e corretivas destinadas a impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou a proliferação de vetores e pragas urbanas que comprometam a qualidade higiênico-sanitária do alimento. 6 desinfecção: operação de redução, por método físico e ou agente químico, do número de microrganismos em nível que não comprometa a qualidade higiênico-sanitária do alimento. 7 higienização:​ operação que compreende duas etapas, a limpeza e a desinfecção. 8 limpeza: ​operação de remoção de substâncias minerais e ou orgânicas indesejáveis, tais como terra, poeira, gordura e outras sujidades. 9 manipulação de alimentos: operações efetuadas sobre a matéria-prima para obtenção e entrega ao consumo do alimento preparado, envolvendo as etapas de preparação, embalagem, armazenamento, transporte, distribuição e exposição à venda. 10 manipuladores de alimentos: qualquer pessoa do serviço de alimentação que entra em contato direto ou indireto com o alimento. 11 manuais de boas práticas: documento que descreve as operações realizadas pelo estabelecimento, incluindo, no mínimo, os requisitos higiênico-sanitários dos edifícios, a manutenção e higienização das instalações, dos equipamentos e dos utensílios, o controle da água de abastecimento, o controle integrado de vetores e pragas urbanas, a capacitação profissional, o controle da higiene e saúde dos manipuladores, o manejo de resíduos e o controle e garantia de qualidade do alimento preparado. 12 medidas de controle: ​procedimento adotado com o objetivo de prevenir, reduzir a um nível aceitável ou eliminar um agente físico, químico ou biológico que comprometa a qualidade higiênico-sanitária do alimento. 13 produtos perecíveis: produtos alimentícios, alimentos “in natura”, produtos semi-preparados ou produtos preparados para o consumo que, pela sua natureza ou composição, necessitam de condições especiais de temperatura para sua conservação. 14 registros: consiste de anotação em planilha e ou documento, apresentando data e identificação do funcionário responsável pelo seu preenchimento. 3
  • 4. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID 15 resíduos: materiais a serem descartados, oriundos da área de preparação e das demais áreas do serviço de alimentação. 16 saneantes: substâncias ou preparações destinadas à higienização, desinfecção ou desinfestação domiciliar, em ambientes coletivos e/ou públicos, em lugares de uso comum e no tratamento de água. 17 serviço de alimentação: estabelecimento onde o alimento é manipulado, preparado, armazenado e ou exposto à venda, podendo ou não ser consumido no local. 18 procedimento operacional padronizado - pop: procedimento escrito de forma objetiva que estabelece instruções seqüenciais para a realização de operações rotineiras e específicas na manipulação de alimentos. 4
  • 5. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID O manual de boas práticas e de procedimentos operacionais padronizados (POP) para serviços de alimentação deve ser elaborado, contendo, pelo menos os seguintes itens,os quais devem ser descritos no tempo presente ( como é a realidade da empresa) : ➢ A legislação sanitária municipal, estadual e federal aplicável em cada situação deve ser observada, não se restringindo exclusivamente à resolução rdc n º 216/04 ➢ O manual de procedimentos operacionais padronizados (POP) poderá ser feito em separado do manual de boas práticas ou fazendo parte deste, pois um é complemento do outro. Identificação da empresa: ➢ Razão social ➢ CNPJ ➢ Endereço completo ➢ Nome de fantasia ➢ Número do alvará sanitário ➢ Responsável legal ( nome e CPF) ➢ Telefone e e-mail ➢ Número de pessoas que trabalham no local e suas funções ➢ Horário de funcionamento ➢ Tipo de alimentos comercializados/ produzidos ➢ Número de refeições servidas diariamente Lay out da empresa 1 edificação, instalações, equipamentos, móveis e utensílios ➢ O acesso às instalações ( como são as ruas em volta, se existe foco de insalubridade ) ➢ Se existe separação entre as atividades ➢ Descrever o material usado para revestir pisos, paredes, teto, bancadas de trabalho, mesas de manipulação. ➢ Descrever portas, janelas e outras aberturas ( se possuem sistema automático de fechamento, se possuem tela, se estão íntegros) ➢ O abastecimento de água ( se é água potável, se é da casan, se tem controle de qualidade- análises laboratoriais,se possui caixa de água e com que capacidade) ➢ Como é o destino do esgoto sanitário ( se é casa, se é fossa séptica ou outro sistema) ➢ Possuem-se ralos sifonados, com fechamento. ➢ Caixa de gordura deve estar fora da cozinha, descrever onde se localiza e como é o seu estado de conservação e limpeza. ➢ Como são as áreas internas e externas ( se estão livres de materiais em desuso e entulhos, se estão livres de animais) 5
  • 6. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID ➢ Como é a iluminação da área de manipulação de alimentos, se possui lâmpadas protegidas contra quedas e explosões. ➢ Se as instalações elétricas ( fiação elétrica) estão fixas e protegidas. ➢ Como é feita a ventilação da área de manipulação e depósitos de alimentos ( lembre que não é permitido o uso de ventiladores nas áreas de manipulação de alimentos) ➢ Como são os vestiários e os banheiros de uso dos manipuladores de alimentos e onde se localizam ➢ Como são os banheiros de clientes e onde se localizam ➢ Se os lixeiros possuem tampa acionadas não manualmente ➢ Se existem lavatórios exclusivos para higiene das mãos, localizados dentro das áreas de manipulação de alimentos, e se possuem sabonete líquido inodoro, toalha de papel não reciclado e antisséptico. ➢ Se é feito manutenção programada e periódica de equipamentos e utensílios ➢ Se é feito calibração de instrumentos e equipamentos ➢ Se é feito registro escrito de manutenção e calibração 2 higienização de instalações, equipamentos, móveis e utensílios ➢ Como são realizadas as operações de higienização de móveis, instalações, equipamentos e utensílios ( descrever cada operação em separado,colocando os produtos e equipamentos usados, quem executa o procedimento e com que frequência) ➢ Como é feita a limpeza da caixa de gordura ➢ Como é feito o descarte do lixo ➢ Como são feitas as operações de limpeza e santificação de ambientes e equipamentos, e qual sua periodicidade. ➢ Como são armazenados os utensílios ( vassouras, pás, baldes, etc) e os produtos de limpeza e higiene ➢ Quem executa os procedimentos de higiene e limpeza, e que uniforme utiliza durante as operações. 3 controle integrado de vetores e pragas urbanas ➢ Como é feito o controle de pragas e vetores ( ratos, baratas, formigas, moscas e outros) ➢ Quem faz esse controle ( se for empresa terceirizada informar o nome da empresa , o seu CNPJ e endereço, e o número de seu alvará sanitário) ➢ Quais os produtos usados? ➢ Como é o procedimento realizado pela empresa que executa o serviço? ➢ Se há registro escrito da operação? ➢ Com que frequência é realizado o procedimento? ➢ Quais são os procedimentos de controle (uso de telas, cuidados na retirada do lixo, cuidados com frestas, cuidados no recebimento de algum produto que possa estar infestado, como por exemplo as caixas de madeira usadas para hortifrutigranjeiros) 6
  • 7. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID 4 abastecimento de água​ ➢ Como é o abastecimento de água ( se é da casa ou outra fonte) ➢ Se a água não for da casa é realizado controle da potabilidade dessa água com análises laboratoriais semestrais? ➢ Existe registro escrito desse controle? ➢ Existe caixa de água, de que material ela é, qual a capacidade? ➢ Quem faz a limpeza da caixa e com que frequência? ➢ Existe registro escrito deste controle (limpeza de caixa d’água)? ➢ O gelo utilizado é feito com água potável? ➢ O gelo utilizado possui registro no ministério da saúde ? 5 manejo dos resíduos ➢ Os lixeiros possuem tampa acionadas sem contato manual? ➢ Onde o lixo fica armazenado até o horário da coleta? ➢ A coleta é feita por quem? Pela empresa responsável pela coletas ? Quantas vezes por semana? Em que horário? 6 manipuladores​ ➢ Com que frequência é feito o exame médico dos manipuladores de alimentos? ➢ Existe uma planilha de registro destes exames? ➢ Os exames são feitos onde? Qual médico realiza os exames? ➢ Qual procedimento a empresa adota no caso de os manipuladores que apresentarem lesões e ou sintomas de enfermidades que possam comprometer a qualidade higiênico-sanitária dos alimentos? ➢ Como é o um informe dos manipuladores de alimentos? ➢ Quantas mudas de uniforme cada um tem? ➢ Há alguma orientação quanto á higienização destes uniformes por parte dos manipuladores? Qual é esta orientação? ➢ A troca de uniformes é diária? Existe a determinação por escrito aos manipuladores de alimentos? ➢ O uniforme é trocado onde? Existe armário pra guarda de roupas e pertences pessoais dos manipuladores? Onde ficam estes armários? ➢ Quais são as recomendações dadas aos manipuladores em relação á higienização de mãos, durante as atividades? ➢ Os manipuladores passam por algum treinamento específico? ➢ Existe comprovação destes treinamentos? Onde ficam guardados os documentos que comprovam estes treinamentos? ➢ Qual a periodicidade destes treinamentos? 7
  • 8. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID ➢ Quais são as regras para visitantes, fornecedores e outras pessoas terem acesso á área de manipulação de alimentos? 7 matérias-primas, ingredientes e embalagens​ ➢ Como é feita a avaliação e seleção dos fornecedores de matérias-primas, ingredientes e embalagens? ➢ Como é feito o transporte desses insumos ? ➢ Como é feita a recepção das matérias-primas, dos ingredientes e das embalagens ? Quais os critérios avaliados para aceitar ereceber estes insumos? ➢ O que é feito com os lotes das matérias-primas, dos ingredientes ou das embalagens reprovados ou com prazos de validade? Qual o destino final dos mesmos? ➢ Onde são armazenados as matérias-primas, os ingredientes e as embalagens? Como estão acondicionados e identificados? 8 preparação do alimento ➢ Durante a preparação dos alimentos, quais medidas são adotadas a fim de minimizar o risco de contaminação cruzada? ➢ Existem procedimentos específicos para a manipulação de alimentos crus ? ➢ Como são armaze nados as matérias-primas e os ingredientes que não forem utilizados em sua totalidade? São rotulados/ etiquetados? Quais são os dizeres da etiqueta/rotulagem? ➢ É feito controle de tempo x temperatura dos alimentos antes durante ee após o preparo? ➢ Existe planilha específica para anotação dos controles das temperaturas? ➢ Que tipo de termômetro é usado? Existe controle da troca de óleo da fritadeira? Qual a periodicidade da troca? Existe planilha para anotação das trocas? Qual destino final do óleo usado? ➢ Como é feito o descongelamento de alimentos e insumos? ➢ Como são conservados os alimentos quentes, após o preparo até a hora de servir? ➢ Como são conservados os alimentos frios até a hora de servir? ➢ Como é feita a higienização de alimentos a serem consumidos crus? Quais os produtos usados para esta higienização? 9 armazenamento e transporte do alimento preparado ➢ Os alimentos preparados mantidos na área de armazenamento ou aguardando o transporte são identificados e protegidos contra contaminantes? ➢ Como é feita sua identificação? ➢ É monitorada a temperatura do alimento preparado durante o armazenamento e o transporte, distribuição e a entrega ao consumo? ➢ Os veículos de transporte de alimentos preparados e/ou insumos possui alvará sanitário? ➢ Como é realizada a higienização dos veículos de transporte de alimentos? 8
  • 9. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID 10 exposições ao consumo do alimento preparado ➢ Quais são os procedimentos adotados pelos manipuladores de forma que minimizem o risco de contaminação dos alimentos preparados ? ➢ Quais os equipamentos disponíveis para exposição ou distribuição de alimentos preparados sob temperaturas controladas? É realizado controle de temperaturas destes equipamentos? ➢ A área onde se realiza a atividade de recebimento de dinheiro, cartões e outros meios utilizados para o pagamento de despesas é reservada? Existe funcionário específico para esta tarefa? PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS ➢ Os pop devem conter as instruções seqüenciais das operações e a freqüência de execução, especificando o nome, o cargo e ou a função dos responsáveis pelas atividades. Devem ser aprovados, datados e assinados pelo responsável do estabelecimento. ➢ Os registros devem ser mantidos por período mínimo de 30 (trinta) dias contados a partir da data de preparação dos alimentos. CONCEITO: Os Procedimentos Operacionais Padronizados (POPS) são documentos onde se registram procedimentos para o controle dos itens de maior criticidade para a segurança alimentar. São peças fundamentais para a organização, efetivação e eficácia dos procedimentos adotados pela empresa, já que devem estar ao alcance dos colaboradores, dirigentes, fiscalização e da sociedade com um todo. Devem servir como instrumento para a padronização de processos e procedimentos. Numa definição mais sucinta, é a padronização de procedimentos de maior criticidade para a segurança alimentar. Lembramos que estes devem ser específicos para cada empresa e deverão descrever a freqüência dos procedimentos, o responsável pela realização, o tipo de monitorização e a ação corretiva. 9
  • 10. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID ESTRUTURA GERAL DOS POPS: Da mesma maneira que o Manual de BP, os POPS devem estar escritos de forma clara e objetiva, evitando-se, ao máximo, que tenham grande volume. A intenção deve ser a de evidenciar facilmente, a maneira que a empresa executa o procedimento. ​Os itens a serem descritos devem ser os seguintes: a) OBJETIVO: Descrever neste item os objetivos do documento, por exemplo: “ Estabelecer procedimentos a serem adotados para manter a segurança da água que entra em contato direto ou indireto com os alimentos ou que é usada na fabricação de gelo.” (PPHO 1- potabilidade da água ). b) DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA: Citar normas técnicas e legais que servem como base para o documento. c) CAMPO DE APLICAÇÃO: Descrever para que setores/ áreas da empresa o procedimento se aplica d) DEFINIÇÕES: Definir termos usados. Citar conceitos. e) RESPONSABILIDADES: Citar quem serão os responsáveis pela execução do procedimento, pela sua monitorização, verificação e pelas ações corretivas. f) DESCRIÇÃO: Nesta etapa devem ser descritos os procedimentos, passo a passo. g) MONITORIZAÇÃO: Citar como será feita a monitorização do procedimento. Se o uso de tabelas e planilhas se fizer necessários, devem ser anexados os modelos. h) AÇÃO CORRETIVA: Descrever quais serão a ações corretivas para cada situação de não – conformidade possível . i) VERIFICAÇÃO: Descrever de forma clara e objetiva O QUE, COMO, QUANDO E QUEM executará os procedimentos. j) ANEXOS ➢ Os POPS devem conter as seguintes informações Pop 1- higienização de instalações, equipamentos e móveis: Natureza da superfície a ser higienizado, método de higienização, princípio ativo selecionado e sua concentração, tempo de contato dos agentes químicos e ou físicos utilizados na operação de higienização, temperatura e outras informações que se fizerem necessárias. Quando aplicável, os pop devem contemplar a operação de desmonte dos equipamentos. Pop 2- controle integrado de vetores e pragas urbanas: Devem contemplar as medidas preventivas e corretivas destinadas a impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou a proliferação de vetores e pragas urbanas. No caso da adoção de controle químico, o estabelecimento deve apresentar comprovante de execução de serviço fornecido pela empresa especializada contratada, contendo as informações estabelecidas em legislação sanitária específica. Pop 3- higienização do reservatório; Natureza da superfície a ser higienizado, método de higienização, princípio ativo selecionado e sua concentração, tempo de contato dos agentes químicos e ou físicos utilizados na operação de higienização, temperatura e outras informações que se fizerem 10
  • 11. CONSULTORIA E BUFFET DO DAVID necessárias. Quando realizada por empresa terceirizada e, neste caso, deve ser apresentado o certificado de execução do serviço. Pop 4- higiene e saúde dos manipuladores: Devem contemplar as etapas, a freqüência e os princípios ativos usados na lavagem e anti-sepsia das mãos dos manipuladores, assim como as medidas adotadas nos casos em que os manipuladores apresentem lesão nas mãos, sintomas de enfermidade ou suspeita de problema de saúde que possa comprometer a qualidade higiênico-sanitária dos alimentos. Devem-se especificar os exames aos quais os manipuladores de alimentos são submetidos, bem como a periodicidade de sua execução. O programa de capacitação dos manipuladores em higiene deve ser descrito, sendo determinada a carga horária, o conteúdo programático e a freqüência de sua realização, mantendo-se em arquivo os registros da participação nominal dos funcionários. 11