SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTUDO DAS RELIGIÕES 
1. Finalidade e Relevância do Estudo 
2. Conceito e Origem das Religiões 
3. Classificação das Religiões 
4. Avaliando o Fenômeno Religioso
1. FINALIDADE E RELEVÂNCIA DO ESTUDO 
• O Estudo das Religiões propõe-se a uma análise do fenômeno religioso 
em seu caráter geral e em suas manifestações particulares, na tentativa 
de compreendê-las. 
• A religião esteve sempre presente na vida humana, afetando-a em seus 
mais diversos relacionamentos, por isso pode ser estudada sob 
diferentes aspectos ou enfoques (histórico, teológico, comparativo, etc.). 
• A importância deste estudo está em permitir um conhecimento mais 
apropriado das características de cada religião (evitando generalizações) 
e de como influenciaram os povos na formação de diferentes visões do 
mundo material e espiritual.
2. CONCEITO E ORIGEM DAS RELIGIÕES 
• Etimologicamente, religião (lat. religio) pode significar “fidelidade ao dever”, 
“o ato de retomar um compromisso”, “religar-se a uma obrigação”. 
• Em termos gerais, pode-se definir como uma relação estabelecida entre o 
homem e uma realidade superior, transcendente, suprema (Deus?) através 
de uma obrigação. 
“Conjunto de relações teóricas e práticas estabelecidas entre os 
homens e uma potência superior, à qual se rende culto, individual ou 
coletivo, por seu caráter divino e sagrado.” 
(Enciclopédia Britânica)
• Universalidade da Religião 
• O sentimento religioso é um fenômeno universal, sendo encontrado em 
todas as sociedades humanas de que há registro na história. 
• Trata-se de um elemento inerente à consciência humana, que “desperta” 
e se desenvolve ora pelo convívio com a comunidade, ora por uma 
experiência pessoal com o sagrado.
• Os Fatos Religiosos 
• Embora seja um fenômeno universal, a experiência religiosa manifesta-se 
de formas variadas e específicas, devendo ser estudada em seus 
próprios termos. 
• Contudo, podemos identificar certos elementos essenciais comuns a 
toda religião, chamados de fatos religiosos, os quais resumem a 
experiência religiosa: 
Ser Supremo A noção de uma realidade superior, 
absoluta, transcendente, sagrada, divina 
Conhecimento O corpo intelectual ou filosófico, constituído 
de mitos e símbolos 
Rito Cerimônias, devoções e código de ética, 
que proporcionam ao fiel, na vida em 
comunidade ou individual, a experiência ou 
o contato com o sagrado
• Origem das Religiões 
• Desde o século XIX, teorias evolucionistas afirmavam que, por meio de 
um processo longo e gradativo, o homem teria adquirido sua consciência 
religiosa, a princípio com ideias simples que evoluíram para sistemas 
religiosos mais complexos. 
Animismo Mitologia astral Culto ancestral 
Politeísmo 
Monoteísmo 
Animismo: atribui uma realidade espiritual à natureza (animais, plantas, etc.) 
Mitologia astral: atribui divindade aos astros (sol, lua, estrelas) 
Culto ancestral: presta homenagem e culto aos antepassados 
Politeísmo: crê na existência individual de vários deuses 
Monoteísmo: crê na existência de um único Deus
• Em oposição às teorias evolucionistas sobre a origem das religiões, 
formulou-se a teoria do monoteísmo primitivo. 
• Entre povos de cultura “primitiva”, existem traços da crença num ser supremo com 
atributos exclusivos de Criador, Pai, Juiz, Legislador e Soberano, que ouve orações 
e não pode ser representado visivelmente. 
• Essa crença convive lado a lado com formas religiosas supostamente mais antigas 
(animismo, etc.). 
• Os dados fornecidos pela antropologia, arqueologia e outras ciências que estudam 
as culturas primitivas se explicam melhor sob esta visão. 
Monoteísmo 
Animismo Monoteísmo 
Politeísmo
• Essa teoria se conforma com o testemunho bíblico, de que o homem recebeu 
um conhecimento original sobre o Deus único e verdadeiro, que após a 
queda se degenerou no animismo, politeísmo, etc. 
“...vos anunciamos que vos convertais dessas vaidades ao Deus vivo... O 
qual nos tempos passados deixou andar todas as gentes em seus próprios 
caminhos. E contudo, não se deixou a si mesmo sem testemunho...” 
(At 14.15-17) 
“...tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus ... antes em 
seus discursos se desvaneceram... e mudaram a glória do Deus incorruptível em 
semelhança de homem corruptível...Pois mudaram a verdade de Deus em 
mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador” 
(Rm 1.21-25)
3. CLASSIFICAÇÃO DAS RELIGIÕES 
• As religiões podem ser classificadas de acordo com a possibilidade de se 
comparar suas diferenças de interpretação em torno de um tema comum. 
• Para o nosso estudo, seguiremos uma classificação histórica (cronológica) e 
cultural, de acordo com a sua permanência e influência sobre a história 
humana (a civilização): 
Primitivas 
Antigas 
Vivas/Mundiais
• Religiões Primitivas: 
 Tradicionais de povos nativos da África, América, Ásia, ilhas da Oceania 
(algumas já extintas) 
 Restritas a tribos, famílias ou clãs. 
 Pré-letradas: dependem da tradição oral 
 Animistas: Totemismo, Xamanismo, Magia, etc.
• Religiões Antigas: 
• cresceram e se extinguiram com os povos em que surgiram: babilônios, egípcios, 
gregos, romanos, fenícios, cananeus, persas, árabes, etc. 
• assimilavam elementos de outras religiões e culturas (sincretismo), mas não faziam 
adeptos (proselitismo) exaltavam a nação e a prosperidade de seu povo conhecimento 
ritual e mitológico cultuavam vários deuses (politeísmo)
• Religiões Vivas ou Mundiais: 
• No contexto da história mundial, contribuíram para o desenvolvimento moral e 
intelectual da civilização. 
• Agrupam-se de acordo com uma continuidade histórica e identidade existente 
entre si: 
Abraâmicas 
Indianas 
Orientais 
Judaísmo Cristianismo Islamismo 
Iraniana 
Surgidas no Oriente Próximo, monoteístas 
Têm em comum os conceitos de darma e karma 
Hinduísmo Budismo Jainismo 
Sikhismo 
Nativas do Leste Asiático, fazem uso do conceito de Tao 
Confucionismo Taoísmo Xintoísmo 
Incluem elementos das religiões abraâmicas e indianas 
Zoroastrismo 
Bahaísmo
4. AVALIANDO O FENÔMENO RELIGIOSO 
• Ante a necessidade de atender ao propósito para o qual foi criado (Gn 1.26; At 
17.26), a busca religiosa do homem é legítima. 
• A diversidade (e até mesmo a incompatibilidade) das religiões se explica pelas 
circunstâncias históricas, geográficas e culturais específicas, além das limitações 
humanas naturais em que ocorre a experiência religiosa. 
• Pode-se dizer, então, que todas as religiões apresentam elementos de verdade, 
remanescentes de uma revelação original que, devido à condição decaída do 
homem, foi aos poucos distorcida (Rm 1.21-25). 
• Portanto, faz-se necessária uma revelação, por ato soberano de Deus, pelo qual 
Ele se revele e instrua o homem quanto ao modo correto de relacionar-se 
consigo (Gn 4.4-7; Hb 11.4).
• O Evangelho constitui a revelação de Deus suficiente e definitiva para 
atender às demandas religiosas de todo ser humano (Rm 1.16). 
• Contudo, o conhecimento imparcial das religiões possibilita a 
abordagem adequada e o levantamento dos problemas que permitirá 
uma apresentação convincente e compreensível da revelação de Deus 
em Cristo Jesus (At 17.22-23): 
“Varões atenienses, em tudo vos 
vejo um tanto supersticiosos; 
porque, passando eu e vendo os 
vossos santuários, achei também 
um altar em que estava escrito: 
AO DEUS DESCONHECIDO. Esse 
pois que vós honrais, não o 
conhecendo, é o que eu vos 
anuncio.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As Cartas de Paulo
As Cartas de PauloAs Cartas de Paulo
As Cartas de Paulo
Egmon Pereira
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Sincretismo religioso
Sincretismo religiosoSincretismo religioso
Sincretismo religioso
bragacrobel
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
luciano
 
Aula 2a parte patristica
Aula  2a parte patristicaAula  2a parte patristica
Aula 2a parte patristica
Gcom digital factory
 
Estudo das Religiões
Estudo das ReligiõesEstudo das Religiões
Estudo das Religiões
César Augusto Fernandes
 
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismodo Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
Larissa Barreis
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
josepinho
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
faculdadeteologica
 
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentidoA Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
iev.comunidade
 
Três campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritualTrês campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritual
Paulo Roberto
 
Quadro visualização de religião ampliada
Quadro visualização de religião ampliadaQuadro visualização de religião ampliada
Quadro visualização de religião ampliada
Isaias Christal
 
Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3
Salomao Lucio Dos Santos
 
Batalha espiritual
Batalha espiritualBatalha espiritual
Batalha espiritual
Carlos Cirleno Neves
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
Márcio Martins
 
Religião e Religiosidade
Religião e ReligiosidadeReligião e Religiosidade
Religião e Religiosidade
Edilson Borges
 
O nascimento de jesus e o Natal
O nascimento de jesus e o NatalO nascimento de jesus e o Natal
O nascimento de jesus e o Natal
Walter Rafael Bezerra
 
Judaísmo
JudaísmoJudaísmo
Judaísmo
Suelen Edinger
 
Curso de batismo
Curso de batismoCurso de batismo
Curso de batismo
Melonita
 

Mais procurados (20)

As Cartas de Paulo
As Cartas de PauloAs Cartas de Paulo
As Cartas de Paulo
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 
Sincretismo religioso
Sincretismo religiosoSincretismo religioso
Sincretismo religioso
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
 
Aula 2a parte patristica
Aula  2a parte patristicaAula  2a parte patristica
Aula 2a parte patristica
 
Estudo das Religiões
Estudo das ReligiõesEstudo das Religiões
Estudo das Religiões
 
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismodo Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
 
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentidoA Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
 
Três campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritualTrês campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritual
 
Quadro visualização de religião ampliada
Quadro visualização de religião ampliadaQuadro visualização de religião ampliada
Quadro visualização de religião ampliada
 
Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3
 
Batalha espiritual
Batalha espiritualBatalha espiritual
Batalha espiritual
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
 
Religião e Religiosidade
Religião e ReligiosidadeReligião e Religiosidade
Religião e Religiosidade
 
O nascimento de jesus e o Natal
O nascimento de jesus e o NatalO nascimento de jesus e o Natal
O nascimento de jesus e o Natal
 
Judaísmo
JudaísmoJudaísmo
Judaísmo
 
Curso de batismo
Curso de batismoCurso de batismo
Curso de batismo
 

Destaque

A Origem Das Religiões
A Origem Das ReligiõesA Origem Das Religiões
A Origem Das Religiões
Alexandre Ernest
 
Principais Religiões do Mundo
Principais Religiões do MundoPrincipais Religiões do Mundo
Principais Religiões do Mundo
Alex Ferreira dos Santos
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
Zaara Miranda
 
Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!
Leonardo Pereira
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
ioseph
 
Intolerãncia religiosa
Intolerãncia religiosaIntolerãncia religiosa
Intolerãncia religiosa
matheulopet
 
Eade i-ii-3-antecedentes-do-cristianismo-religiões-não-cristãs
Eade i-ii-3-antecedentes-do-cristianismo-religiões-não-cristãsEade i-ii-3-antecedentes-do-cristianismo-religiões-não-cristãs
Eade i-ii-3-antecedentes-do-cristianismo-religiões-não-cristãs
JoyAlbanez
 
Eade tomo-i-aula-3-roteiro-2-as-religiões-não-cristãs-aula-1
Eade tomo-i-aula-3-roteiro-2-as-religiões-não-cristãs-aula-1Eade tomo-i-aula-3-roteiro-2-as-religiões-não-cristãs-aula-1
Eade tomo-i-aula-3-roteiro-2-as-religiões-não-cristãs-aula-1
JoyAlbanez
 
O fenômeno religioso
O fenômeno religioso O fenômeno religioso
O fenômeno religioso
Maycon Paim
 
Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
Andreia Oliveira
 
Respeito a diversidade religiosa
Respeito a diversidade religiosaRespeito a diversidade religiosa
Respeito a diversidade religiosa
Paulo Gomes
 
6º-ano-avaliação ensino religioso
 6º-ano-avaliação ensino religioso 6º-ano-avaliação ensino religioso
6º-ano-avaliação ensino religioso
Dora Módolo
 
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação ReligiosaApostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
elias pereira
 
Religiao espirita aspectos interessantes
Religiao espirita   aspectos interessantesReligiao espirita   aspectos interessantes
Religiao espirita aspectos interessantes
Grupo Espírita Mensageiros
 
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
diego_juviniano
 
O Mundo e as religiões
O Mundo e as religiõesO Mundo e as religiões
O Mundo e as religiões
guest097c2ce
 
Anonimo la columna de hierro y la revolucion
Anonimo   la columna de hierro y la revolucionAnonimo   la columna de hierro y la revolucion
Anonimo la columna de hierro y la revolucion
partediversificada
 
Eade tomo-i-aula-inaugural-cristianismo-e-espiritismo
Eade tomo-i-aula-inaugural-cristianismo-e-espiritismoEade tomo-i-aula-inaugural-cristianismo-e-espiritismo
Eade tomo-i-aula-inaugural-cristianismo-e-espiritismo
JoyAlbanez
 
EADE - As Religiões não cristãs, Hinduísmo e Budismo
EADE - As Religiões não cristãs, Hinduísmo e BudismoEADE - As Religiões não cristãs, Hinduísmo e Budismo
EADE - As Religiões não cristãs, Hinduísmo e Budismo
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Mito da contemporaneidade
Mito da contemporaneidadeMito da contemporaneidade
Mito da contemporaneidade
laarizanini
 

Destaque (20)

A Origem Das Religiões
A Origem Das ReligiõesA Origem Das Religiões
A Origem Das Religiões
 
Principais Religiões do Mundo
Principais Religiões do MundoPrincipais Religiões do Mundo
Principais Religiões do Mundo
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
 
Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
 
Intolerãncia religiosa
Intolerãncia religiosaIntolerãncia religiosa
Intolerãncia religiosa
 
Eade i-ii-3-antecedentes-do-cristianismo-religiões-não-cristãs
Eade i-ii-3-antecedentes-do-cristianismo-religiões-não-cristãsEade i-ii-3-antecedentes-do-cristianismo-religiões-não-cristãs
Eade i-ii-3-antecedentes-do-cristianismo-religiões-não-cristãs
 
Eade tomo-i-aula-3-roteiro-2-as-religiões-não-cristãs-aula-1
Eade tomo-i-aula-3-roteiro-2-as-religiões-não-cristãs-aula-1Eade tomo-i-aula-3-roteiro-2-as-religiões-não-cristãs-aula-1
Eade tomo-i-aula-3-roteiro-2-as-religiões-não-cristãs-aula-1
 
O fenômeno religioso
O fenômeno religioso O fenômeno religioso
O fenômeno religioso
 
Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
 
Respeito a diversidade religiosa
Respeito a diversidade religiosaRespeito a diversidade religiosa
Respeito a diversidade religiosa
 
6º-ano-avaliação ensino religioso
 6º-ano-avaliação ensino religioso 6º-ano-avaliação ensino religioso
6º-ano-avaliação ensino religioso
 
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação ReligiosaApostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
 
Religiao espirita aspectos interessantes
Religiao espirita   aspectos interessantesReligiao espirita   aspectos interessantes
Religiao espirita aspectos interessantes
 
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
 
O Mundo e as religiões
O Mundo e as religiõesO Mundo e as religiões
O Mundo e as religiões
 
Anonimo la columna de hierro y la revolucion
Anonimo   la columna de hierro y la revolucionAnonimo   la columna de hierro y la revolucion
Anonimo la columna de hierro y la revolucion
 
Eade tomo-i-aula-inaugural-cristianismo-e-espiritismo
Eade tomo-i-aula-inaugural-cristianismo-e-espiritismoEade tomo-i-aula-inaugural-cristianismo-e-espiritismo
Eade tomo-i-aula-inaugural-cristianismo-e-espiritismo
 
EADE - As Religiões não cristãs, Hinduísmo e Budismo
EADE - As Religiões não cristãs, Hinduísmo e BudismoEADE - As Religiões não cristãs, Hinduísmo e Budismo
EADE - As Religiões não cristãs, Hinduísmo e Budismo
 
Mito da contemporaneidade
Mito da contemporaneidadeMito da contemporaneidade
Mito da contemporaneidade
 

Semelhante a O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.

Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
PIBJA
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
roberto mosca junior
 
O Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religiãoO Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religião
Silas Bruno Mps
 
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Werkson Azeredo
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
Antonio Filho
 
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
Pr. Luiz Carlos Lopes
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
ENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSOENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSO
Éder Oliveira
 
Ensino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivasEnsino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivas
Gilbraz Aragão
 
pcner-int.pdf
pcner-int.pdfpcner-int.pdf
Eae 74 - ciencia e religião 5a. parte
Eae   74 - ciencia e religião 5a. parteEae   74 - ciencia e religião 5a. parte
Eae 74 - ciencia e religião 5a. parte
Norberto Scavone Augusto
 
Missões lição 6 antropologia de missões
Missões lição 6   antropologia de missõesMissões lição 6   antropologia de missões
Missões lição 6 antropologia de missões
Natalino das Neves Neves
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
andrealvessobral
 
Redescoberta do Sagrado
Redescoberta do SagradoRedescoberta do Sagrado
Redescoberta do Sagrado
gilbraz
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
Jorge Miklos
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
Gilbraz Aragão
 
Apostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiososApostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiosos
Ederaldo Rodrigues
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
roberto mosca junior
 
Introdução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religiosoIntrodução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religioso
Jarley Fernandes
 
Os cinco grandes eixos do Ensino Religioso
Os cinco grandes eixos do Ensino ReligiosoOs cinco grandes eixos do Ensino Religioso
Os cinco grandes eixos do Ensino Religioso
acs8cre
 

Semelhante a O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas. (20)

Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
 
O Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religiãoO Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religião
 
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
 
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
ENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSOENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSO
 
Ensino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivasEnsino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivas
 
pcner-int.pdf
pcner-int.pdfpcner-int.pdf
pcner-int.pdf
 
Eae 74 - ciencia e religião 5a. parte
Eae   74 - ciencia e religião 5a. parteEae   74 - ciencia e religião 5a. parte
Eae 74 - ciencia e religião 5a. parte
 
Missões lição 6 antropologia de missões
Missões lição 6   antropologia de missõesMissões lição 6   antropologia de missões
Missões lição 6 antropologia de missões
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
 
Redescoberta do Sagrado
Redescoberta do SagradoRedescoberta do Sagrado
Redescoberta do Sagrado
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Apostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiososApostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiosos
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
 
Introdução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religiosoIntrodução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religioso
 
Os cinco grandes eixos do Ensino Religioso
Os cinco grandes eixos do Ensino ReligiosoOs cinco grandes eixos do Ensino Religioso
Os cinco grandes eixos do Ensino Religioso
 

Mais de Virna Salgado Barra

Uma breve reflexão sobre a Ressurreição de Cristo referenciada em publicação ...
Uma breve reflexão sobre a Ressurreição de Cristo referenciada em publicação ...Uma breve reflexão sobre a Ressurreição de Cristo referenciada em publicação ...
Uma breve reflexão sobre a Ressurreição de Cristo referenciada em publicação ...
Virna Salgado Barra
 
Profª.Esp. Virna Salgado Barra - Geografia Bíblica - Crescente Fértil
Profª.Esp. Virna Salgado Barra - Geografia Bíblica - Crescente FértilProfª.Esp. Virna Salgado Barra - Geografia Bíblica - Crescente Fértil
Profª.Esp. Virna Salgado Barra - Geografia Bíblica - Crescente Fértil
Virna Salgado Barra
 
Uma síntese sobre os princípios da Teologia e da Filosofia Agostiniana - Virn...
Uma síntese sobre os princípios da Teologia e da Filosofia Agostiniana - Virn...Uma síntese sobre os princípios da Teologia e da Filosofia Agostiniana - Virn...
Uma síntese sobre os princípios da Teologia e da Filosofia Agostiniana - Virn...
Virna Salgado Barra
 
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Virna Salgado Barra
 
Uma breve reflexão sobre as etapas de conversão de Agostinho - Virna Salgado ...
Uma breve reflexão sobre as etapas de conversão de Agostinho - Virna Salgado ...Uma breve reflexão sobre as etapas de conversão de Agostinho - Virna Salgado ...
Uma breve reflexão sobre as etapas de conversão de Agostinho - Virna Salgado ...
Virna Salgado Barra
 
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado BarraPrincípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Virna Salgado Barra
 
Resumo Expandido sobre a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amores Laetitia do ...
Resumo Expandido sobre a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amores Laetitia do ...Resumo Expandido sobre a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amores Laetitia do ...
Resumo Expandido sobre a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amores Laetitia do ...
Virna Salgado Barra
 
Resumo sobre os Anjos na Suma Teológica de São Tomás de Aquino (60-64q)
Resumo sobre os Anjos na Suma Teológica de São Tomás de Aquino (60-64q)Resumo sobre os Anjos na Suma Teológica de São Tomás de Aquino (60-64q)
Resumo sobre os Anjos na Suma Teológica de São Tomás de Aquino (60-64q)
Virna Salgado Barra
 
Uma breve análise das virtudes em São Tomás de Aquino
Uma breve análise das virtudes em São Tomás de AquinoUma breve análise das virtudes em São Tomás de Aquino
Uma breve análise das virtudes em São Tomás de Aquino
Virna Salgado Barra
 
Estados Pontifícios
Estados Pontifícios Estados Pontifícios
Estados Pontifícios
Virna Salgado Barra
 
Virna Salgado Barra - A ENCÍCLICA “VERITATIS SPLENDOR” (2017)
Virna Salgado Barra - A ENCÍCLICA “VERITATIS SPLENDOR” (2017)Virna Salgado Barra - A ENCÍCLICA “VERITATIS SPLENDOR” (2017)
Virna Salgado Barra - A ENCÍCLICA “VERITATIS SPLENDOR” (2017)
Virna Salgado Barra
 
Virna Salgado Barra - Artigo SINGA 2011
Virna Salgado Barra - Artigo SINGA 2011Virna Salgado Barra - Artigo SINGA 2011
Virna Salgado Barra - Artigo SINGA 2011
Virna Salgado Barra
 
Virna Salgado Barra - II NEAT 2010
Virna Salgado Barra - II NEAT 2010Virna Salgado Barra - II NEAT 2010
Virna Salgado Barra - II NEAT 2010
Virna Salgado Barra
 
Virna Salgado Barra - III NEAT 2011
Virna Salgado Barra - III NEAT 2011Virna Salgado Barra - III NEAT 2011
Virna Salgado Barra - III NEAT 2011
Virna Salgado Barra
 
1º Artigo - Semana da Geografia 2009 (UFU)
1º Artigo - Semana da Geografia 2009 (UFU)1º Artigo - Semana da Geografia 2009 (UFU)
1º Artigo - Semana da Geografia 2009 (UFU)
Virna Salgado Barra
 
Virna Salgado Barra - Artigo
Virna Salgado Barra - ArtigoVirna Salgado Barra - Artigo
Virna Salgado Barra - Artigo
Virna Salgado Barra
 
Virna Salgado Barra - Revista Científica "Em Extensão-UFU" de 2011.
Virna Salgado Barra -  Revista Científica "Em Extensão-UFU" de 2011.Virna Salgado Barra -  Revista Científica "Em Extensão-UFU" de 2011.
Virna Salgado Barra - Revista Científica "Em Extensão-UFU" de 2011.
Virna Salgado Barra
 
CAP. IV – A LEI NATURAL E A SOCIEDADE POLÍTICA
CAP. IV – A LEI NATURAL E A SOCIEDADE POLÍTICACAP. IV – A LEI NATURAL E A SOCIEDADE POLÍTICA
CAP. IV – A LEI NATURAL E A SOCIEDADE POLÍTICA
Virna Salgado Barra
 
Bioética - 3° ano médio
Bioética - 3° ano médioBioética - 3° ano médio
Bioética - 3° ano médio
Virna Salgado Barra
 
CFE 2016 - 9º C - Grupo 1 - ESGOTO
CFE 2016 - 9º C - Grupo 1 - ESGOTOCFE 2016 - 9º C - Grupo 1 - ESGOTO
CFE 2016 - 9º C - Grupo 1 - ESGOTO
Virna Salgado Barra
 

Mais de Virna Salgado Barra (20)

Uma breve reflexão sobre a Ressurreição de Cristo referenciada em publicação ...
Uma breve reflexão sobre a Ressurreição de Cristo referenciada em publicação ...Uma breve reflexão sobre a Ressurreição de Cristo referenciada em publicação ...
Uma breve reflexão sobre a Ressurreição de Cristo referenciada em publicação ...
 
Profª.Esp. Virna Salgado Barra - Geografia Bíblica - Crescente Fértil
Profª.Esp. Virna Salgado Barra - Geografia Bíblica - Crescente FértilProfª.Esp. Virna Salgado Barra - Geografia Bíblica - Crescente Fértil
Profª.Esp. Virna Salgado Barra - Geografia Bíblica - Crescente Fértil
 
Uma síntese sobre os princípios da Teologia e da Filosofia Agostiniana - Virn...
Uma síntese sobre os princípios da Teologia e da Filosofia Agostiniana - Virn...Uma síntese sobre os princípios da Teologia e da Filosofia Agostiniana - Virn...
Uma síntese sobre os princípios da Teologia e da Filosofia Agostiniana - Virn...
 
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
 
Uma breve reflexão sobre as etapas de conversão de Agostinho - Virna Salgado ...
Uma breve reflexão sobre as etapas de conversão de Agostinho - Virna Salgado ...Uma breve reflexão sobre as etapas de conversão de Agostinho - Virna Salgado ...
Uma breve reflexão sobre as etapas de conversão de Agostinho - Virna Salgado ...
 
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado BarraPrincípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
 
Resumo Expandido sobre a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amores Laetitia do ...
Resumo Expandido sobre a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amores Laetitia do ...Resumo Expandido sobre a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amores Laetitia do ...
Resumo Expandido sobre a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amores Laetitia do ...
 
Resumo sobre os Anjos na Suma Teológica de São Tomás de Aquino (60-64q)
Resumo sobre os Anjos na Suma Teológica de São Tomás de Aquino (60-64q)Resumo sobre os Anjos na Suma Teológica de São Tomás de Aquino (60-64q)
Resumo sobre os Anjos na Suma Teológica de São Tomás de Aquino (60-64q)
 
Uma breve análise das virtudes em São Tomás de Aquino
Uma breve análise das virtudes em São Tomás de AquinoUma breve análise das virtudes em São Tomás de Aquino
Uma breve análise das virtudes em São Tomás de Aquino
 
Estados Pontifícios
Estados Pontifícios Estados Pontifícios
Estados Pontifícios
 
Virna Salgado Barra - A ENCÍCLICA “VERITATIS SPLENDOR” (2017)
Virna Salgado Barra - A ENCÍCLICA “VERITATIS SPLENDOR” (2017)Virna Salgado Barra - A ENCÍCLICA “VERITATIS SPLENDOR” (2017)
Virna Salgado Barra - A ENCÍCLICA “VERITATIS SPLENDOR” (2017)
 
Virna Salgado Barra - Artigo SINGA 2011
Virna Salgado Barra - Artigo SINGA 2011Virna Salgado Barra - Artigo SINGA 2011
Virna Salgado Barra - Artigo SINGA 2011
 
Virna Salgado Barra - II NEAT 2010
Virna Salgado Barra - II NEAT 2010Virna Salgado Barra - II NEAT 2010
Virna Salgado Barra - II NEAT 2010
 
Virna Salgado Barra - III NEAT 2011
Virna Salgado Barra - III NEAT 2011Virna Salgado Barra - III NEAT 2011
Virna Salgado Barra - III NEAT 2011
 
1º Artigo - Semana da Geografia 2009 (UFU)
1º Artigo - Semana da Geografia 2009 (UFU)1º Artigo - Semana da Geografia 2009 (UFU)
1º Artigo - Semana da Geografia 2009 (UFU)
 
Virna Salgado Barra - Artigo
Virna Salgado Barra - ArtigoVirna Salgado Barra - Artigo
Virna Salgado Barra - Artigo
 
Virna Salgado Barra - Revista Científica "Em Extensão-UFU" de 2011.
Virna Salgado Barra -  Revista Científica "Em Extensão-UFU" de 2011.Virna Salgado Barra -  Revista Científica "Em Extensão-UFU" de 2011.
Virna Salgado Barra - Revista Científica "Em Extensão-UFU" de 2011.
 
CAP. IV – A LEI NATURAL E A SOCIEDADE POLÍTICA
CAP. IV – A LEI NATURAL E A SOCIEDADE POLÍTICACAP. IV – A LEI NATURAL E A SOCIEDADE POLÍTICA
CAP. IV – A LEI NATURAL E A SOCIEDADE POLÍTICA
 
Bioética - 3° ano médio
Bioética - 3° ano médioBioética - 3° ano médio
Bioética - 3° ano médio
 
CFE 2016 - 9º C - Grupo 1 - ESGOTO
CFE 2016 - 9º C - Grupo 1 - ESGOTOCFE 2016 - 9º C - Grupo 1 - ESGOTO
CFE 2016 - 9º C - Grupo 1 - ESGOTO
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.

  • 1. ESTUDO DAS RELIGIÕES 1. Finalidade e Relevância do Estudo 2. Conceito e Origem das Religiões 3. Classificação das Religiões 4. Avaliando o Fenômeno Religioso
  • 2. 1. FINALIDADE E RELEVÂNCIA DO ESTUDO • O Estudo das Religiões propõe-se a uma análise do fenômeno religioso em seu caráter geral e em suas manifestações particulares, na tentativa de compreendê-las. • A religião esteve sempre presente na vida humana, afetando-a em seus mais diversos relacionamentos, por isso pode ser estudada sob diferentes aspectos ou enfoques (histórico, teológico, comparativo, etc.). • A importância deste estudo está em permitir um conhecimento mais apropriado das características de cada religião (evitando generalizações) e de como influenciaram os povos na formação de diferentes visões do mundo material e espiritual.
  • 3. 2. CONCEITO E ORIGEM DAS RELIGIÕES • Etimologicamente, religião (lat. religio) pode significar “fidelidade ao dever”, “o ato de retomar um compromisso”, “religar-se a uma obrigação”. • Em termos gerais, pode-se definir como uma relação estabelecida entre o homem e uma realidade superior, transcendente, suprema (Deus?) através de uma obrigação. “Conjunto de relações teóricas e práticas estabelecidas entre os homens e uma potência superior, à qual se rende culto, individual ou coletivo, por seu caráter divino e sagrado.” (Enciclopédia Britânica)
  • 4. • Universalidade da Religião • O sentimento religioso é um fenômeno universal, sendo encontrado em todas as sociedades humanas de que há registro na história. • Trata-se de um elemento inerente à consciência humana, que “desperta” e se desenvolve ora pelo convívio com a comunidade, ora por uma experiência pessoal com o sagrado.
  • 5. • Os Fatos Religiosos • Embora seja um fenômeno universal, a experiência religiosa manifesta-se de formas variadas e específicas, devendo ser estudada em seus próprios termos. • Contudo, podemos identificar certos elementos essenciais comuns a toda religião, chamados de fatos religiosos, os quais resumem a experiência religiosa: Ser Supremo A noção de uma realidade superior, absoluta, transcendente, sagrada, divina Conhecimento O corpo intelectual ou filosófico, constituído de mitos e símbolos Rito Cerimônias, devoções e código de ética, que proporcionam ao fiel, na vida em comunidade ou individual, a experiência ou o contato com o sagrado
  • 6. • Origem das Religiões • Desde o século XIX, teorias evolucionistas afirmavam que, por meio de um processo longo e gradativo, o homem teria adquirido sua consciência religiosa, a princípio com ideias simples que evoluíram para sistemas religiosos mais complexos. Animismo Mitologia astral Culto ancestral Politeísmo Monoteísmo Animismo: atribui uma realidade espiritual à natureza (animais, plantas, etc.) Mitologia astral: atribui divindade aos astros (sol, lua, estrelas) Culto ancestral: presta homenagem e culto aos antepassados Politeísmo: crê na existência individual de vários deuses Monoteísmo: crê na existência de um único Deus
  • 7. • Em oposição às teorias evolucionistas sobre a origem das religiões, formulou-se a teoria do monoteísmo primitivo. • Entre povos de cultura “primitiva”, existem traços da crença num ser supremo com atributos exclusivos de Criador, Pai, Juiz, Legislador e Soberano, que ouve orações e não pode ser representado visivelmente. • Essa crença convive lado a lado com formas religiosas supostamente mais antigas (animismo, etc.). • Os dados fornecidos pela antropologia, arqueologia e outras ciências que estudam as culturas primitivas se explicam melhor sob esta visão. Monoteísmo Animismo Monoteísmo Politeísmo
  • 8. • Essa teoria se conforma com o testemunho bíblico, de que o homem recebeu um conhecimento original sobre o Deus único e verdadeiro, que após a queda se degenerou no animismo, politeísmo, etc. “...vos anunciamos que vos convertais dessas vaidades ao Deus vivo... O qual nos tempos passados deixou andar todas as gentes em seus próprios caminhos. E contudo, não se deixou a si mesmo sem testemunho...” (At 14.15-17) “...tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus ... antes em seus discursos se desvaneceram... e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança de homem corruptível...Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador” (Rm 1.21-25)
  • 9. 3. CLASSIFICAÇÃO DAS RELIGIÕES • As religiões podem ser classificadas de acordo com a possibilidade de se comparar suas diferenças de interpretação em torno de um tema comum. • Para o nosso estudo, seguiremos uma classificação histórica (cronológica) e cultural, de acordo com a sua permanência e influência sobre a história humana (a civilização): Primitivas Antigas Vivas/Mundiais
  • 10. • Religiões Primitivas:  Tradicionais de povos nativos da África, América, Ásia, ilhas da Oceania (algumas já extintas)  Restritas a tribos, famílias ou clãs.  Pré-letradas: dependem da tradição oral  Animistas: Totemismo, Xamanismo, Magia, etc.
  • 11. • Religiões Antigas: • cresceram e se extinguiram com os povos em que surgiram: babilônios, egípcios, gregos, romanos, fenícios, cananeus, persas, árabes, etc. • assimilavam elementos de outras religiões e culturas (sincretismo), mas não faziam adeptos (proselitismo) exaltavam a nação e a prosperidade de seu povo conhecimento ritual e mitológico cultuavam vários deuses (politeísmo)
  • 12.
  • 13.
  • 14. • Religiões Vivas ou Mundiais: • No contexto da história mundial, contribuíram para o desenvolvimento moral e intelectual da civilização. • Agrupam-se de acordo com uma continuidade histórica e identidade existente entre si: Abraâmicas Indianas Orientais Judaísmo Cristianismo Islamismo Iraniana Surgidas no Oriente Próximo, monoteístas Têm em comum os conceitos de darma e karma Hinduísmo Budismo Jainismo Sikhismo Nativas do Leste Asiático, fazem uso do conceito de Tao Confucionismo Taoísmo Xintoísmo Incluem elementos das religiões abraâmicas e indianas Zoroastrismo Bahaísmo
  • 15.
  • 16. 4. AVALIANDO O FENÔMENO RELIGIOSO • Ante a necessidade de atender ao propósito para o qual foi criado (Gn 1.26; At 17.26), a busca religiosa do homem é legítima. • A diversidade (e até mesmo a incompatibilidade) das religiões se explica pelas circunstâncias históricas, geográficas e culturais específicas, além das limitações humanas naturais em que ocorre a experiência religiosa. • Pode-se dizer, então, que todas as religiões apresentam elementos de verdade, remanescentes de uma revelação original que, devido à condição decaída do homem, foi aos poucos distorcida (Rm 1.21-25). • Portanto, faz-se necessária uma revelação, por ato soberano de Deus, pelo qual Ele se revele e instrua o homem quanto ao modo correto de relacionar-se consigo (Gn 4.4-7; Hb 11.4).
  • 17. • O Evangelho constitui a revelação de Deus suficiente e definitiva para atender às demandas religiosas de todo ser humano (Rm 1.16). • Contudo, o conhecimento imparcial das religiões possibilita a abordagem adequada e o levantamento dos problemas que permitirá uma apresentação convincente e compreensível da revelação de Deus em Cristo Jesus (At 17.22-23): “Varões atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos; porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse pois que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.”