SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
O PROBLEMA RELIGIOSO
FENOMENOLOGIA RELIGIOSA
A Religião:
• Manifestação da espiritualidade
humana;
• Fenômeno comum na historia da
humanidade;
• Toma aspectos diversos e apresenta
conteúdos diferentes , conforme os
povos, as regiões e os tempos.
• Não se pode falar de Religião como se houvesse uma só Religião;
• O correto é falar de Religião no plural;
• Não se pode negar que as religiões apresentam entre si alguns
traços comuns bem definidos, sendo possível um estudo especial
sob o ponto de vista de sua tipologia ou fenomenologia.
QUE É
FENOMENOLOGIA
RELIGIOSA?
Entendemos por Fenomenologia Religiosa o estudo sistemático do
fato religioso nas suas manifestações e expressões sensíveis, coma
finalidade de apreender o seu significado profundo.
Desta forma nos situamos:
• No campo da investigação histórica e cientifica;
• No campo da interpretação existencial;
• No campo da observação objetiva.
Contudo a Fenomenologia Religiosa se distingue:
 Sociologia Religiosa;
 Filosofia Religiosa;
 Psicologia Religiosa.
Não deve ser considerada uma ciência que se baste a si mesma, ela
depende de outras ciências, tanto sob o ponto de vista do conteúdo, como
o do método.
Possui fisionomia própria, e pode apresentar-se como uma verdadeira
ciência, cuja finalidade não é “classificar” os vários fenômenos religiosos,
mas apreender o seu significado próprio, como expressão da mais altas
espiritualidades do homem.
Exemplos:
Ele deriva do menorá, um candelabro com sete braços
representando os sete dias da criação do mundo, e surgiu
para celebrar uma importante vitória do povo judeu, além de
um suposto milagre. Essa história começa no século 2 a.C.,
quando os selêucidas uma dinastia de origem grega que
dominava parte da Ásia na época —tomaram e pilharam um
templo sagrado para os judeus em Jerusalém durante três
anos. No ano 165 a.C., os judeus finalmente conseguiram
expulsar os selêucidas. "Quando o templo sagrado foi
reconquistado, encontraram um único cântaro (vaso) de
óleo puro inviolado, que seria suficiente para manter aceso
o menorá durante apenas um dia. Milagrosamente, o óleo
durou oito dias", afirma o rabino Henry Sobel. Para
comemorar esse suposto milagre, os judeus criaram um
feriado chamado Chanuká, ou "Festa das Luzes", que
acontece no fim de novembro ou durante o mês de
dezembro. Oito dos nove braços do candelabro usado
durante esse período de celebração correspondem aos oito
dias do feriado. No nono braço, coloca-se o shamash, uma
vela auxiliar com a qual se acendem as outras.
• A Armadilha do Diabo é um
símbolo místico usado para
controlar demônios e/ou evitar
que eles entrem no local onde
o símbolo foi desenhado e
nem ter acesso ao que está
sobre proteção da armadilha.
O Grande Pentagrama serve
para convocar espíritos
• Esse símbolo aparece
no grimório A Chave Menor de
Salomão
QUE É
RELIGIÃO?
O fenômeno religioso não se encontra isolado, mas integrando
determinadas formas religiosas, nas quais pode adquirir significados
diferentes.
• Etimologicamente: verbo latino religare que quer dizer “ligar
novamente”. Segundo esta explicação, religião quer dizer “prender
o individuo a determinada fé e moral”.
Cicero, no entanto afirma que, Religião vem do verbo re-ligare (reler),
sendo uma atitude de reflexão frente à divindade, que determina um
comportamento respeitoso e submisso.
No grego usa-se eusébia, que quer dizer “respeito”.
• Filosoficamente: a Religião recebe as mais diversas definições, a
ponto de ser tachada de alienação;
• Psicologicamente: a Religião é uma atitude de reação frente à
contingência e a relatividade do mundo, o homem se refugia em
um Absoluto;
• Sociologicamente: a Religião se identifica com as estruturas
criadas pela sociedade humana;
• Teologicamente: a Religião pode ser identificada com a Fé, nela se
vê uma atitude de reverente submissão a Deus, ou um esforço
magico para manipular as forças divinas;
• Fenomenologicamente: a Religião identifica-se com o culto
religioso, engloba e estrutura todas as ações que se dirigem ao
Sagrado.
FENOMENOLOGIA
DA RELIGIÃO E FÉ
RELIGIOSA
• Em fenomenologia só se trata do sentido daquilo que aparece
diretamente no fenômeno (sentido husserliano);
• Será de ordem da “posição” (fé), de natureza “dóxica” (doutrinal),
mas não da ordem da significação.
• Todo o sentido da Religião aparece, torna-se manifesto, enquanto
que os seus princípios doutrinários, as suas próprias afirmações se
refugiam na “dóxica” (teologia).
• Dai a possibilidade do estudo do sentido nele mesmo, sem jamais
recorrer à “dóxica”.
• Não se compromete o ponto de vista da Fé, que fica integralmente
resguardado.
• Basta a descrição das essências.
• Será a Religião uma salvação concedida por Deus? Será talvez um
produto da civilização?
• Ele percebe um sentido, e o confirma. Mas persiste em ignorar se
isto corresponde a alguma coisa real.
• Percebe-se que este sentido é aquele que nós chamamos de pré-
telogico.
• A Fenomenologia refuta os que pensam que a Religião
sobrenatural não pode existir fenomenologicamente sob forma
alguma e em nenhum plano.
• O fenomenólogo se atém ao sentido do fenômeno, deixando de
lado o sentido oculto da Fé, ou seja, aquilo que ilumina a graça,
que indica uma ordem superior.
• O fenômeno religioso tem seu sentido especifico, que é de uma
reação espontânea, não racionalizada, perante o sagrado, mas em
si mesmo ainda não traz uma doutrina e, por isso pode fazer parte
de tanto de um sistema religioso como de outro.
QUE É “FATO
RRELIGIOSO”?
• A Religião é algo profundamente humano;
• Só o homem manifesta o sentimento religioso;
• Porém isto não significa que todos os homens sejam
profundamente religiosos, pois a Religião não afeta a todos os
homens da mesma forma e da mesma intensidade.
• Quanto a “Universalidade” da Religião “não há povo, por mais
primitivo que seja, sem Religião” (ciência e religião, 1948).
• Sempre encontramos algum indicio de culto religioso.
• A “Universalidade” não é de tal ordem que tire á Religião a sua
singularidade: ela apresenta sempre características próprias.
• A Religião não deixa de apresentar diferentes formas exteriores
segundo as culturas que integra, mas não se identifica com
nenhuma delas.
• “A Religião aparece profundamente radicada no individuo e
desenvolvida no grupo social” (Zunini, 1966).
• Se a Religião apresenta uma função social, é porque o individuo
mesmo é um ser social.
• “A Religião é a mais audaciosa tentativa de conceber o universo
inteiro como algo humanamente significante” (The Sacred Canopy,
1969).
• A Religião radica na própria natureza do individuo humano, mas
não se identifica simplesmente com a sua psicologia; pede um
esforço de compreensão a partir de sua fenomenologia, a única
que pode fornecer, fora da teologia, uma “interpretação” valida para
o seu significado mais profundo.
O “fato religioso”:
• É um verdadeiro fenômeno humano;
• Radica-se na própria natureza humana, sendo possível neste
principio de unidade chegar à sua essência;
• O “fato religioso” é decisivo para o comportamento e para a
estruturação da sociedade.
FENOMENOLOGIA E
REALIDADE
• A realidade, para muitos, é o que se pode verificar empiricamente,
e fenômeno é apenas o que aparece exteriormente.
• A experiência fenomenológica abriu novas perspectivas para o
conhecimento do mundo e da vida.
• Só depois que o homem percebe o significado próprio de certos
fatos da realidade pode construir um corpo de doutrinas que se
chamará ciência natural.
• Somente a fenomenologia pode dar a conhecer certas realidades
existências.
• Fenômeno, portanto, é a realidade que captamos nas coisas por
meio de nossa consciência.
• Não se nega a percepção sensorial, mas dá-se ênfase à percepção
intencional, que tornas as coisas interessantes para o homem.
• O fenômeno tem algo de “transcendente”, no sentido de que apela
para a compreensão de um significado que se situa na consciência
humana e não propriamente no objeto: é o que se chama
“intencionalidade” do fenômeno.
• A Fenomenologia Religiosa não pode ser considerada apenas
como uma “chave hermenêutica”, mas como um método de estudo.
FENOMENOLOGIA
RELIGIOSA E
RELIGIOSIDADE
POPULAR
• A experiência religiosa inclui dois elementos distintos, mas
complementares: a emoção e a curiosidade.
• Todo o fenômeno (husserliano) comporta uma impressão exterior e
um significado interior.
• O homem religioso procurar interpretar culturalmente a “eidêitas”
de sua experiência religiosa, ele cria o Mito ou a Teologia.
• Procura repetir experiências religiosas, cria-se o Rito.
• Nas religiões naturais predomina o Rito que a teologia pode ficar
completamente obscurecida.
• O mesmo acontece na chamada “religiosidade popular”.
• O povo não tem tempo e nem condições culturais para o
aprofundamento de sua fé.
• As formas populares de devoção não passam de tentativas de
comunicação com o Sagrado condicionados ao meio cultural.
ORIGEM DA RELIGIÃO
• Segundo a mentalidade reinante (evolucionista), foi adota o
principio de que o fenômeno religioso acompanhava passo a passo
a evolução cultural do e social da humanidade.
• Os etnólogos relutam em aplicar ao “fenômeno religioso” um
evolucionismo.
TEORIAS
EVOLUTIVAS
• Os primeiros que traçaram um esquema evolutivo para o problema
religioso foram os gregos.
• Evêmero (séc. III a.C.); Hecateu de Mileto.
• Darwin, fornece aos filósofos de sue tempo, com sua teoria da
evolução das espécies, a ideia de uma evolução cultural.
• A. comte, lança uma teoria apriorística com base evolucionista do
tipo cultural; a humanidade teria conhecido três grandes períodos
culturais: o religioso, o filosófico e o cientifico.
• Spencer afirma que todas as coisas evoluem da forma mais
simples para as mais complexas, inclusive a Religião, e propõe o
“manismo” como origem da Religião.
• Lubbock ensina que o primeiro estagio de Comte apresenta a
seguinte evolução: ateísmo inicial, xamanismo, antropomofismo e
monoteísmo.
• Tylor propõe um novo esquema: animismo inicial, manismo,
fetichismo, politeísmo, monoteísmo. O homem primitivo nos seu
sonhos entrou em contato com um mundo diferente daquele em
que vivia desperto, passando a vogar pelos ares e comunicando-se
com seres fantásticos.
• Frazer considera a magia a forma originaria de Religião. Seu
esquema de evolucionista é o seguinte: magia, religião, ciência.... A
magia não é, propriamente, uma forma de religião, mas uma pré-
ciência.
• Marret critica Tylor e propõe sua própria teoria evolucionista: pré-
animismo ou animatismo. A Religião primitiva não é algo elaborado
mentalmente, mas que se dança e deve ser compreendida nos ritos
e não nos seus mitos e que a forma primitiva da Religião é a crença
no Sagrado.
• King amplia a transcendência da magia, convertendo-a em fonte da
Religião. Ele conclui que a Religião não passa de uma “ilusão”,
criada pela comunidade antiga.
• Robertson Smith propõe o totemismo como fonte original da
Religião, tomando como exemplo a Religião Hebraica.
• Zapletal demonstrou que os animais não eram cultuados como
totens, e que o cordeiro pascal não representava Iahweh: era uma
ceia em “comunhão com Deus”, e não uma “comunhão de Deus”.
• Durkheim afirma que quando os homens vivem separados, não
possuem o sentido do Sagrado, mas só quando estão reunidos em
grupos sociais. A Religião é produto do espirito associativo do
homem.
• Müller põe a origem da Religião em problema de linguagem. À
medida em que o homem dava nome as coisas, também as
personificava criando assim entidades abstratas, que se
transformaram em deuses.
• Wundt põe a origem da Religião no medo que assaltava o homem
primitivo sempre que não conseguia uma explicação natural para
os fenômenos. Do medo nasceu os mitos e deste a Religião.
TEORIAS
DEVOLUTIVAS
Contra a onda evolutiva levantou-se uma reação violenta, em parte
suscitada pelos espiritualistas, mas em grande parte funda em uma
pesquisa mais objetiva da parte dos próprios etnólogos e
antropólogos.
• Lang foi o primeiro a contestar as teorias evolutivas e, propôs uma
teoria devolutiva na qual, a forma mais simples de Religião é o
monoteísmo.
• Schmidt afirma que houve três estagio (ciclos culturais) na cultura
humana: a cultura primordial; cultura superior; as grandes
civilizações.
Propostas para explicar como se originou a Religião:
• Em todas as fases da historia da humanidade sempre encontramos
uma ou outra forma de Religião;
• Não podemos determinar com precisão qual a forma originaria da
Religião em toda a humanidade;
• O principio invocado de “forma mais simples” não explicaria o
significado do fenômeno religioso como tal.
A SOLUÇÃO
FENOMENOLOGICA
O problema da origem da Religião está mal formulado, pois parte do
principio apriorístico de que a vida espiritual do homem depende de
sua evolução biológica.
Psicologicamente falando, parece que a resposta é favorável ao
monoteísmo.
Sociologicamente, parece igualmente que o monoteísmo é a forma
mais simples de Religião, pois corresponde à idealização do chefe
de tribo dos povos primitivos.
Historicamente não há meio de se verificar como aconteceram as
coisas.
Resta a pesquisa fenomenológica, que estuda a Religião a partir do
seu elemento básico, o fenômeno religioso tal como se manifesta no
comportamento humano.
O fenômeno religioso se funda em uma “experiência do Sagrado”.
Esta experiência pode ser mais ou menos clara, segundo as
disposições intelectuais, psicológicas e de liderança do respectivo
individuo.
O monoteísmo não é privilegio de determinadas estruturas sociais ou
culturais, mas aparece ali onde há um homem carismático capaz de
lhe dar condições par se impor ao grupo humano.
Não se pode dizer que todas as teorias sobre a origem da Religião
tenham sido inteiramente inúteis sob o ponto de vista cientifico, pois
deram um ensejo para que se pesquisasse mais a fundo o fenômeno
religioso como tal.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaLeandro Nazareth Souto
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismofaculdadeteologica
 
São tomás de aquino
São tomás de aquinoSão tomás de aquino
São tomás de aquinomasalas
 
Relativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igrejaRelativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igrejaFulvio Leite
 
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismodo Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao AntropocentrismoLarissa Barreis
 
Conhecimento filosófico
Conhecimento filosóficoConhecimento filosófico
Conhecimento filosóficoSandro Lôbo
 
A presença das categorias de imanência e transcendência nos discursos explica...
A presença das categorias de imanência e transcendência nos discursos explica...A presença das categorias de imanência e transcendência nos discursos explica...
A presença das categorias de imanência e transcendência nos discursos explica...Felipe de Luca
 
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiõesCap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiõesJoao Balbi
 
Sincretismo religioso
Sincretismo religiosoSincretismo religioso
Sincretismo religiosobragacrobel
 

Mais procurados (20)

O politeísmo
O politeísmoO politeísmo
O politeísmo
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
 
São tomás de aquino
São tomás de aquinoSão tomás de aquino
São tomás de aquino
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
aconselhamento.ppt
aconselhamento.pptaconselhamento.ppt
aconselhamento.ppt
 
RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.
 
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
 
Hedonismo
HedonismoHedonismo
Hedonismo
 
RELIGIÃO 1ª AULA
RELIGIÃO 1ª AULARELIGIÃO 1ª AULA
RELIGIÃO 1ª AULA
 
Razao
RazaoRazao
Razao
 
Relativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igrejaRelativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igreja
 
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismodo Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
 
Conhecimento filosófico
Conhecimento filosóficoConhecimento filosófico
Conhecimento filosófico
 
Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!
 
A presença das categorias de imanência e transcendência nos discursos explica...
A presença das categorias de imanência e transcendência nos discursos explica...A presença das categorias de imanência e transcendência nos discursos explica...
A presença das categorias de imanência e transcendência nos discursos explica...
 
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiõesCap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Sincretismo religioso
Sincretismo religiosoSincretismo religioso
Sincretismo religioso
 

Destaque

A Relação entre o Homem e a Religião
A Relação entre o Homem e a ReligiãoA Relação entre o Homem e a Religião
A Relação entre o Homem e a Religiãocomplementoindirecto
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiõesioseph
 
O fenômeno religioso
O fenômeno religioso O fenômeno religioso
O fenômeno religioso Maycon Paim
 
A religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antigaA religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antigaputomiguel
 
Psicologia da religião
Psicologia da religião  Psicologia da religião
Psicologia da religião Filipe Rhuan
 
Intolerãncia religiosa
Intolerãncia religiosaIntolerãncia religiosa
Intolerãncia religiosamatheulopet
 
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOAULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOelianecamera
 
Aula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
Aula de Ensino Religioso - Resgatando ValoresAula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
Aula de Ensino Religioso - Resgatando Valoreshartmanneli
 
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação ReligiosaApostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosaelias pereira
 
Guest Experience Index Achievement 2014, Cleanliness
Guest Experience Index  Achievement 2014, CleanlinessGuest Experience Index  Achievement 2014, Cleanliness
Guest Experience Index Achievement 2014, CleanlinessTahalele, Edward
 
Quem não reflete não se transforma! - Parte 1
Quem não reflete não se transforma! - Parte 1Quem não reflete não se transforma! - Parte 1
Quem não reflete não se transforma! - Parte 1bredaja
 

Destaque (20)

A Origem Das Religiões
A Origem Das ReligiõesA Origem Das Religiões
A Origem Das Religiões
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
 
A Relação entre o Homem e a Religião
A Relação entre o Homem e a ReligiãoA Relação entre o Homem e a Religião
A Relação entre o Homem e a Religião
 
Religião
ReligiãoReligião
Religião
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
 
O fenômeno religioso
O fenômeno religioso O fenômeno religioso
O fenômeno religioso
 
A religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antigaA religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antiga
 
Fenomeno religioso
Fenomeno religiosoFenomeno religioso
Fenomeno religioso
 
Psicologia da religião
Psicologia da religião  Psicologia da religião
Psicologia da religião
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
 
Intolerãncia religiosa
Intolerãncia religiosaIntolerãncia religiosa
Intolerãncia religiosa
 
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOAULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Aula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
Aula de Ensino Religioso - Resgatando ValoresAula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
Aula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
 
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação ReligiosaApostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
 
7 ano ul2_judaismo
7 ano ul2_judaismo7 ano ul2_judaismo
7 ano ul2_judaismo
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Guest Experience Index Achievement 2014, Cleanliness
Guest Experience Index  Achievement 2014, CleanlinessGuest Experience Index  Achievement 2014, Cleanliness
Guest Experience Index Achievement 2014, Cleanliness
 
Quem não reflete não se transforma! - Parte 1
Quem não reflete não se transforma! - Parte 1Quem não reflete não se transforma! - Parte 1
Quem não reflete não se transforma! - Parte 1
 

Semelhante a O Problema Religioso e a Origem da religião

Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...sosreligiao
 
Introdução à Filosofia da Religião
Introdução à Filosofia da ReligiãoIntrodução à Filosofia da Religião
Introdução à Filosofia da ReligiãoCursoDeFerias
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religiãoAntonio Filho
 
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoWerkson Azeredo
 
Aprendizes 1 ano aula 1 parte a aula pdf
Aprendizes 1 ano aula 1 parte a aula pdfAprendizes 1 ano aula 1 parte a aula pdf
Aprendizes 1 ano aula 1 parte a aula pdffree
 
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IVAula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IVssuser54efaa
 
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abntMicrosoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abntHerick Braga
 
Teologia Contemporanea
Teologia ContemporaneaTeologia Contemporanea
Teologia ContemporaneaCarlos Alves
 
durkheim-asformaspensadores-220511142311-6ca1577c.pdf
durkheim-asformaspensadores-220511142311-6ca1577c.pdfdurkheim-asformaspensadores-220511142311-6ca1577c.pdf
durkheim-asformaspensadores-220511142311-6ca1577c.pdfJeffersondeAlbuquerq1
 
DURKHEIM- As Formas Elementares da Vida Religiosa
DURKHEIM- As Formas Elementares da Vida ReligiosaDURKHEIM- As Formas Elementares da Vida Religiosa
DURKHEIM- As Formas Elementares da Vida Religiosavania morales sierra
 
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus Pr. Luiz Carlos Lopes
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1PIBJA
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religiãoandrealvessobral
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismoliliancostadias
 

Semelhante a O Problema Religioso e a Origem da religião (20)

Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
 
Introdução à Filosofia da Religião
Introdução à Filosofia da ReligiãoIntrodução à Filosofia da Religião
Introdução à Filosofia da Religião
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
 
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
 
Aprendizes 1 ano aula 1 parte a aula pdf
Aprendizes 1 ano aula 1 parte a aula pdfAprendizes 1 ano aula 1 parte a aula pdf
Aprendizes 1 ano aula 1 parte a aula pdf
 
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IVAula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
 
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abntMicrosoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
 
FILOSOFIA DA RELIGIAO
FILOSOFIA DA RELIGIAOFILOSOFIA DA RELIGIAO
FILOSOFIA DA RELIGIAO
 
Curso superior de teologia à distância 3
Curso superior de teologia à distância 3Curso superior de teologia à distância 3
Curso superior de teologia à distância 3
 
Teologia Contemporanea
Teologia ContemporaneaTeologia Contemporanea
Teologia Contemporanea
 
durkheim-asformaspensadores-220511142311-6ca1577c.pdf
durkheim-asformaspensadores-220511142311-6ca1577c.pdfdurkheim-asformaspensadores-220511142311-6ca1577c.pdf
durkheim-asformaspensadores-220511142311-6ca1577c.pdf
 
DURKHEIM- As Formas Elementares da Vida Religiosa
DURKHEIM- As Formas Elementares da Vida ReligiosaDURKHEIM- As Formas Elementares da Vida Religiosa
DURKHEIM- As Formas Elementares da Vida Religiosa
 
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
Aula 4 - Estudo histórico comparativo sobre a revelação de Deus
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
Fenômeno Amoroso e Religioso
Fenômeno Amoroso e ReligiosoFenômeno Amoroso e Religioso
Fenômeno Amoroso e Religioso
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
 

Último

Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxCelso Napoleon
 
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024thandreola
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2emprego2
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...M.R.L
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfFrancisco Baptista
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...edsonjsmarques
 

Último (11)

Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 

O Problema Religioso e a Origem da religião

  • 2. A Religião: • Manifestação da espiritualidade humana; • Fenômeno comum na historia da humanidade; • Toma aspectos diversos e apresenta conteúdos diferentes , conforme os povos, as regiões e os tempos.
  • 3. • Não se pode falar de Religião como se houvesse uma só Religião; • O correto é falar de Religião no plural; • Não se pode negar que as religiões apresentam entre si alguns traços comuns bem definidos, sendo possível um estudo especial sob o ponto de vista de sua tipologia ou fenomenologia.
  • 5. Entendemos por Fenomenologia Religiosa o estudo sistemático do fato religioso nas suas manifestações e expressões sensíveis, coma finalidade de apreender o seu significado profundo. Desta forma nos situamos: • No campo da investigação histórica e cientifica; • No campo da interpretação existencial; • No campo da observação objetiva.
  • 6. Contudo a Fenomenologia Religiosa se distingue:  Sociologia Religiosa;  Filosofia Religiosa;  Psicologia Religiosa. Não deve ser considerada uma ciência que se baste a si mesma, ela depende de outras ciências, tanto sob o ponto de vista do conteúdo, como o do método. Possui fisionomia própria, e pode apresentar-se como uma verdadeira ciência, cuja finalidade não é “classificar” os vários fenômenos religiosos, mas apreender o seu significado próprio, como expressão da mais altas espiritualidades do homem.
  • 7. Exemplos: Ele deriva do menorá, um candelabro com sete braços representando os sete dias da criação do mundo, e surgiu para celebrar uma importante vitória do povo judeu, além de um suposto milagre. Essa história começa no século 2 a.C., quando os selêucidas uma dinastia de origem grega que dominava parte da Ásia na época —tomaram e pilharam um templo sagrado para os judeus em Jerusalém durante três anos. No ano 165 a.C., os judeus finalmente conseguiram expulsar os selêucidas. "Quando o templo sagrado foi reconquistado, encontraram um único cântaro (vaso) de óleo puro inviolado, que seria suficiente para manter aceso o menorá durante apenas um dia. Milagrosamente, o óleo durou oito dias", afirma o rabino Henry Sobel. Para comemorar esse suposto milagre, os judeus criaram um feriado chamado Chanuká, ou "Festa das Luzes", que acontece no fim de novembro ou durante o mês de dezembro. Oito dos nove braços do candelabro usado durante esse período de celebração correspondem aos oito dias do feriado. No nono braço, coloca-se o shamash, uma vela auxiliar com a qual se acendem as outras.
  • 8. • A Armadilha do Diabo é um símbolo místico usado para controlar demônios e/ou evitar que eles entrem no local onde o símbolo foi desenhado e nem ter acesso ao que está sobre proteção da armadilha. O Grande Pentagrama serve para convocar espíritos • Esse símbolo aparece no grimório A Chave Menor de Salomão
  • 10. O fenômeno religioso não se encontra isolado, mas integrando determinadas formas religiosas, nas quais pode adquirir significados diferentes. • Etimologicamente: verbo latino religare que quer dizer “ligar novamente”. Segundo esta explicação, religião quer dizer “prender o individuo a determinada fé e moral”. Cicero, no entanto afirma que, Religião vem do verbo re-ligare (reler), sendo uma atitude de reflexão frente à divindade, que determina um comportamento respeitoso e submisso. No grego usa-se eusébia, que quer dizer “respeito”.
  • 11. • Filosoficamente: a Religião recebe as mais diversas definições, a ponto de ser tachada de alienação; • Psicologicamente: a Religião é uma atitude de reação frente à contingência e a relatividade do mundo, o homem se refugia em um Absoluto; • Sociologicamente: a Religião se identifica com as estruturas criadas pela sociedade humana;
  • 12. • Teologicamente: a Religião pode ser identificada com a Fé, nela se vê uma atitude de reverente submissão a Deus, ou um esforço magico para manipular as forças divinas; • Fenomenologicamente: a Religião identifica-se com o culto religioso, engloba e estrutura todas as ações que se dirigem ao Sagrado.
  • 14. • Em fenomenologia só se trata do sentido daquilo que aparece diretamente no fenômeno (sentido husserliano); • Será de ordem da “posição” (fé), de natureza “dóxica” (doutrinal), mas não da ordem da significação. • Todo o sentido da Religião aparece, torna-se manifesto, enquanto que os seus princípios doutrinários, as suas próprias afirmações se refugiam na “dóxica” (teologia). • Dai a possibilidade do estudo do sentido nele mesmo, sem jamais recorrer à “dóxica”.
  • 15. • Não se compromete o ponto de vista da Fé, que fica integralmente resguardado. • Basta a descrição das essências. • Será a Religião uma salvação concedida por Deus? Será talvez um produto da civilização? • Ele percebe um sentido, e o confirma. Mas persiste em ignorar se isto corresponde a alguma coisa real. • Percebe-se que este sentido é aquele que nós chamamos de pré- telogico.
  • 16. • A Fenomenologia refuta os que pensam que a Religião sobrenatural não pode existir fenomenologicamente sob forma alguma e em nenhum plano. • O fenomenólogo se atém ao sentido do fenômeno, deixando de lado o sentido oculto da Fé, ou seja, aquilo que ilumina a graça, que indica uma ordem superior. • O fenômeno religioso tem seu sentido especifico, que é de uma reação espontânea, não racionalizada, perante o sagrado, mas em si mesmo ainda não traz uma doutrina e, por isso pode fazer parte de tanto de um sistema religioso como de outro.
  • 18. • A Religião é algo profundamente humano; • Só o homem manifesta o sentimento religioso; • Porém isto não significa que todos os homens sejam profundamente religiosos, pois a Religião não afeta a todos os homens da mesma forma e da mesma intensidade. • Quanto a “Universalidade” da Religião “não há povo, por mais primitivo que seja, sem Religião” (ciência e religião, 1948). • Sempre encontramos algum indicio de culto religioso.
  • 19. • A “Universalidade” não é de tal ordem que tire á Religião a sua singularidade: ela apresenta sempre características próprias. • A Religião não deixa de apresentar diferentes formas exteriores segundo as culturas que integra, mas não se identifica com nenhuma delas. • “A Religião aparece profundamente radicada no individuo e desenvolvida no grupo social” (Zunini, 1966). • Se a Religião apresenta uma função social, é porque o individuo mesmo é um ser social.
  • 20. • “A Religião é a mais audaciosa tentativa de conceber o universo inteiro como algo humanamente significante” (The Sacred Canopy, 1969). • A Religião radica na própria natureza do individuo humano, mas não se identifica simplesmente com a sua psicologia; pede um esforço de compreensão a partir de sua fenomenologia, a única que pode fornecer, fora da teologia, uma “interpretação” valida para o seu significado mais profundo.
  • 21. O “fato religioso”: • É um verdadeiro fenômeno humano; • Radica-se na própria natureza humana, sendo possível neste principio de unidade chegar à sua essência; • O “fato religioso” é decisivo para o comportamento e para a estruturação da sociedade.
  • 23. • A realidade, para muitos, é o que se pode verificar empiricamente, e fenômeno é apenas o que aparece exteriormente. • A experiência fenomenológica abriu novas perspectivas para o conhecimento do mundo e da vida. • Só depois que o homem percebe o significado próprio de certos fatos da realidade pode construir um corpo de doutrinas que se chamará ciência natural. • Somente a fenomenologia pode dar a conhecer certas realidades existências.
  • 24. • Fenômeno, portanto, é a realidade que captamos nas coisas por meio de nossa consciência. • Não se nega a percepção sensorial, mas dá-se ênfase à percepção intencional, que tornas as coisas interessantes para o homem. • O fenômeno tem algo de “transcendente”, no sentido de que apela para a compreensão de um significado que se situa na consciência humana e não propriamente no objeto: é o que se chama “intencionalidade” do fenômeno. • A Fenomenologia Religiosa não pode ser considerada apenas como uma “chave hermenêutica”, mas como um método de estudo.
  • 26. • A experiência religiosa inclui dois elementos distintos, mas complementares: a emoção e a curiosidade. • Todo o fenômeno (husserliano) comporta uma impressão exterior e um significado interior. • O homem religioso procurar interpretar culturalmente a “eidêitas” de sua experiência religiosa, ele cria o Mito ou a Teologia. • Procura repetir experiências religiosas, cria-se o Rito. • Nas religiões naturais predomina o Rito que a teologia pode ficar completamente obscurecida.
  • 27. • O mesmo acontece na chamada “religiosidade popular”. • O povo não tem tempo e nem condições culturais para o aprofundamento de sua fé. • As formas populares de devoção não passam de tentativas de comunicação com o Sagrado condicionados ao meio cultural.
  • 29. • Segundo a mentalidade reinante (evolucionista), foi adota o principio de que o fenômeno religioso acompanhava passo a passo a evolução cultural do e social da humanidade. • Os etnólogos relutam em aplicar ao “fenômeno religioso” um evolucionismo.
  • 31. • Os primeiros que traçaram um esquema evolutivo para o problema religioso foram os gregos. • Evêmero (séc. III a.C.); Hecateu de Mileto. • Darwin, fornece aos filósofos de sue tempo, com sua teoria da evolução das espécies, a ideia de uma evolução cultural. • A. comte, lança uma teoria apriorística com base evolucionista do tipo cultural; a humanidade teria conhecido três grandes períodos culturais: o religioso, o filosófico e o cientifico.
  • 32. • Spencer afirma que todas as coisas evoluem da forma mais simples para as mais complexas, inclusive a Religião, e propõe o “manismo” como origem da Religião. • Lubbock ensina que o primeiro estagio de Comte apresenta a seguinte evolução: ateísmo inicial, xamanismo, antropomofismo e monoteísmo. • Tylor propõe um novo esquema: animismo inicial, manismo, fetichismo, politeísmo, monoteísmo. O homem primitivo nos seu sonhos entrou em contato com um mundo diferente daquele em que vivia desperto, passando a vogar pelos ares e comunicando-se com seres fantásticos.
  • 33. • Frazer considera a magia a forma originaria de Religião. Seu esquema de evolucionista é o seguinte: magia, religião, ciência.... A magia não é, propriamente, uma forma de religião, mas uma pré- ciência. • Marret critica Tylor e propõe sua própria teoria evolucionista: pré- animismo ou animatismo. A Religião primitiva não é algo elaborado mentalmente, mas que se dança e deve ser compreendida nos ritos e não nos seus mitos e que a forma primitiva da Religião é a crença no Sagrado.
  • 34. • King amplia a transcendência da magia, convertendo-a em fonte da Religião. Ele conclui que a Religião não passa de uma “ilusão”, criada pela comunidade antiga. • Robertson Smith propõe o totemismo como fonte original da Religião, tomando como exemplo a Religião Hebraica. • Zapletal demonstrou que os animais não eram cultuados como totens, e que o cordeiro pascal não representava Iahweh: era uma ceia em “comunhão com Deus”, e não uma “comunhão de Deus”.
  • 35. • Durkheim afirma que quando os homens vivem separados, não possuem o sentido do Sagrado, mas só quando estão reunidos em grupos sociais. A Religião é produto do espirito associativo do homem. • Müller põe a origem da Religião em problema de linguagem. À medida em que o homem dava nome as coisas, também as personificava criando assim entidades abstratas, que se transformaram em deuses. • Wundt põe a origem da Religião no medo que assaltava o homem primitivo sempre que não conseguia uma explicação natural para os fenômenos. Do medo nasceu os mitos e deste a Religião.
  • 37. Contra a onda evolutiva levantou-se uma reação violenta, em parte suscitada pelos espiritualistas, mas em grande parte funda em uma pesquisa mais objetiva da parte dos próprios etnólogos e antropólogos. • Lang foi o primeiro a contestar as teorias evolutivas e, propôs uma teoria devolutiva na qual, a forma mais simples de Religião é o monoteísmo. • Schmidt afirma que houve três estagio (ciclos culturais) na cultura humana: a cultura primordial; cultura superior; as grandes civilizações.
  • 38. Propostas para explicar como se originou a Religião: • Em todas as fases da historia da humanidade sempre encontramos uma ou outra forma de Religião; • Não podemos determinar com precisão qual a forma originaria da Religião em toda a humanidade; • O principio invocado de “forma mais simples” não explicaria o significado do fenômeno religioso como tal.
  • 40. O problema da origem da Religião está mal formulado, pois parte do principio apriorístico de que a vida espiritual do homem depende de sua evolução biológica. Psicologicamente falando, parece que a resposta é favorável ao monoteísmo. Sociologicamente, parece igualmente que o monoteísmo é a forma mais simples de Religião, pois corresponde à idealização do chefe de tribo dos povos primitivos. Historicamente não há meio de se verificar como aconteceram as coisas.
  • 41. Resta a pesquisa fenomenológica, que estuda a Religião a partir do seu elemento básico, o fenômeno religioso tal como se manifesta no comportamento humano. O fenômeno religioso se funda em uma “experiência do Sagrado”. Esta experiência pode ser mais ou menos clara, segundo as disposições intelectuais, psicológicas e de liderança do respectivo individuo. O monoteísmo não é privilegio de determinadas estruturas sociais ou culturais, mas aparece ali onde há um homem carismático capaz de lhe dar condições par se impor ao grupo humano.
  • 42. Não se pode dizer que todas as teorias sobre a origem da Religião tenham sido inteiramente inúteis sob o ponto de vista cientifico, pois deram um ensejo para que se pesquisasse mais a fundo o fenômeno religioso como tal.

Notas do Editor

  1. Ler paragrafo pag. 28