SlideShare uma empresa Scribd logo
Ciências Naturais e Suas Tecnologias
Revisão #02
Ecologia
ONU revisa para 10,9 bilhões a população
mundial em 2100
A população mundial chegará a 10,9 bilhões de pessoas em 2100 contra os 7,2 bilhões
atuais, sobretudo pela alta taxa de natalidade nos países mais pobres da África, informou
a ONU esta quinta-feira ao divulgar novas projeções.
Na América Latina e no Caribe, a população alcançaria algo mais que 737,26
milhões de pessoas até 2100, em comparação com os 613,21 milhões atuais,
destacou à AFP François Pelletier, chefe da seção de projeções e estimativas de
população da ONU.
A região chegaria a 780,68 milhões de habitantes em 2050, ano a partir do qual
começaria a experimentar uma queda, puxada principalmente pelo declínio da
população do Brasil.
Os fatores limitantes de uma população
impedem que ela cresça de maneira
descontrolada. São os principais:
• Alimento;
• Espaço;
• Território;
• Predadores;
• Parasitas;
• Competição;
• Fêmeas disponíveis;
• ...
ᔥ G1
Crescimento populacional:
Linear Exponencial Estabilizado
Resolva
(Enem 2012) Não é de hoje que o homem cria, artificialmente, variedades de peixes por meio da hibridação.
Esta é uma técnica muito usada pelos cientistas e pelos piscicultores porque os híbridos resultantes, em geral,
apresentam maior valor comercial do que a média de ambas as espécies parentais, além de reduzir a
sobrepesca no ambiente natural.
Terra da Gente, ano 4, n.º 47, mar, 2008 (adaptado).
Sem controle, esses animais podem invadir rios e lagos naturais, se reproduzir e
a) originar uma nova espécie poliploide.
b) substituir geneticamente a espécie natural.
c) ocupar o primeiro nível trófico no hábitat aquático.
d) impedir a interação biológica entre as espécies parentais.
e) produzir descendentes com o código genético modificado.
Ecologia
Argentina sofre o maior incêndio
florestal de sua história
Na província sulista de Chubut 30.000 hectares já arderam
A Argentina está sofrendo o maior incêndio florestal desde
que esses sinistros passaram a ser registrados, segundo
afirmou o ex-chefe do Plano Nacional de Manejo de Fogo
Jorge Barrionuevo, que deixou o cargo no sábado. Depois de
duas semanas de chamas que queimaram quase 30.000
hectares de bosques na província sulista de Chubut,
Barrionuevo foi demitido pelo novo chefe do Gabinete de
Ministros e um dos sete candidatos presidenciais para as
primárias kirchneristas, Aníbal Fernández, que o qualificou de
“ineficaz”.
Ambientes devastados
por queimadas sofrem
processos de sucessão
secundária: mais
rápidas.
A sucessão primária
ocorre em locais nunca
antes ocupados, como
uma ilha que surge no
oceano.
ᔥ El País
Sucessão Ecológica:
Ao longo da sucessão...
Aumenta
• Biodiversidade
• Biomassa
• Interações ecológicas
• Taxa de respiração
• Taxa de fotossíntese
• Produtividade bruta
Diminui • Produtividade líquida
PL = Txfot – Txresp
Espécies pioneiras germinam melhor a pleno sol, crescem
rapidamente e são dispersas pelo vento.
Espécies do clímax germinam melhor a sombra, crescem
devagar e são dispersas geralmente por animais.
Resolva
(Enem 2009) Uma pesquisadora deseja reflorestar uma área de mata ciliar quase que totalmente desmatada. Essa formação vegetal
é um tipo de floresta muito comum nas margens de rios dos cerrados no Brasil central e, em seu clímax, possui vegetação arbórea
perene e apresenta dossel fechado, com pouca incidência luminosa no solo e nas plântulas. Sabe-se que a incidência de luz, a
disponibilidade de nutrientes e a umidade do solo são os principais fatores do meio ambiente físico que influenciam no
desenvolvimento da planta. Para testar unicamente os efeitos da variação de luz, a pesquisadora analisou, em casas de vegetação
com condições controladas, o desenvolvimento de plantas de 10 espécies nativas da região desmatada sob quatro condições de
luminosidade: uma sob sol pleno e as demais em diferentes níveis de sombreamento. Para cada tratamento experimental, a
pesquisadora relatou se o desenvolvimento da planta foi bom, razoável ou ruim, de acordo com critérios específicos. Os resultados
obtidos foram os seguintes:
Para o reflorestamento da região desmatada,
a) a espécie 8 é mais indicada que a 1, uma vez que aquela possui
melhor adaptação a regiões com maior incidência de luz.
b) recomenda-se a utilização de espécies pioneiras, isto é, aquelas que
suportam alta incidência de luz, como as espécies 2, 3 e 5.
c) sugere-se o uso de espécies exóticas, pois somente essas podem
suportar a alta incidência luminosa característica de regiões desmatadas.
d) espécies de comunidade clímax, como as 4 e 7, são as mais indicadas,
uma vez que possuem boa capacidade de aclimatação a diferentes
ambientes.
e) é recomendado o uso de espécies com melhor desenvolvimento à
sombra, como as plantas das espécies 4, 6, 7, 9 e 10, pois essa floresta,
mesmo no estágio de degradação referido, possui dossel fechado, o que
impede a entrada de luz.
Espécie
Condição de Luminosidade
Sol pleno
Sombreamento
30% 50% 90%
1 Razoável Bom Razoável Ruim
2 Bom Razoável Ruim Ruim
3 Bom Bom Razoável Ruim
4 Bom Bom Bom Bom
5 Bom Razoável Ruim Ruim
6 Ruim Razoável Bom Bom
7 Ruim Ruim Ruim Razoável
8 Ruim Ruim Razoável Ruim
9 Ruim Razoável Bom Bom
10 Razoável Razoável Razoável Bom
Ecologia
Petróleo disperso no oceano afeta
severamente base da cadeia
alimentar marinha, diz oceanógrafo
Uma fração do óleo que se impregna na coluna d'água transferindo
grande parte das substâncias tóxicas, causando malefício para a
vida marinha.
“Nas primeiras 48 horas, 30% do petróleo que vaza se
evapora, poluindo a atmosfera, e em 72 horas o restante se
espalha rapidamente. Por isso, o primeiro procedimento é não
deixar espalhar o óleo, para retirá-lo, mas como, infelizmente,
não utilizaram barreiras flutuantes de contenção, o próprio
clima, as ondas e o vento trataram de espalhar esse óleo”,
explicou o oceanógrafo.
Além da intoxicação de
seres marinhos, o
petróleo bloqueia a
passagem de luz
essencial aos
produtores do
ambiente aquático: o
fitoplâncton (algas
unicelulares e
cianobactérias)
ᔥ UOL Notícias
Cadeias Alimentares:
4º Nível Trófico
• Carnívoros
3º Nível Trófico
• Carnívoros
2º Nível Trófico
• Herbívoros
1º Nível Trófico
• Plantas
• Algas
• Cianobactérias
• Quimiossintetizantes
Devolvem nutrientes aos
produtores. Reciclam a matéria
orgânica.
Ecologia
Teias alimentares: Pirâmides alimentares:
• As pirâmides de biomassa só se invertem em ecossistemas aquáticos, em
que a taxa de reprodução do fitoplânton mantém sua população estável
mesmo sendo menor que a população de zooplâncton (consumidores).
• Pirâmides de energia nunca são invertidas.
Os seres em uma teia assumem mais de um nível
trófico ao mesmo tempo.
Resolva
(Enem 2011) Moradores sobreviventes da tragédia que
destruiu aproximadamente 60 casas no Morro do Bumba, na
Zona Norte de Niterói (RJ), ainda defendem a hipótese de o
deslizamento ter sido causado por uma explosão provocada
por gás metano, visto que esse local foi um lixão entre os
anos 1960 e 1980.
Jornal Web. Disponível em: http://www.ojornalweb.com.
Acesso em: 12 abr. 2010 (adaptado).
O gás mencionado no texto é produzido
a) como subproduto da respiração aeróbia bacteriana.
b) pela degradação anaeróbia de matéria orgânica por
bactérias.
c) como produto da fotossíntese de organismos pluricelulares
autotróficos.
d) pela transformação química do gás carbônico em
condições anaeróbias.
e) pela conversão, por oxidação química, do gás carbônico
sob condições aeróbias.
(Enem 2013) Estudos de fluxo de energia em
ecossistemas demonstram que a alta produtividade nos
manguezais está diretamente relacionada às taxas de
produção primária líquida e à rápida reciclagem dos
nutrientes. Como exemplo de seres vivos encontrados
nesse ambiente, temos: aves, caranguejos, insetos,
peixes e algas.
Dos grupos de seres vivos citados, os que contribuem
diretamente para a manutenção dessa produtividade
no referido ecossistema são
a) aves.
b) algas.
c) peixes.
d) insetos.
e) caranguejos.
Resolva
(Enem 2013) Plantas terrestres que ainda estão em fase de
crescimento fixam grandes quantidades de CO2, utilizando-o
para formar novas moléculas orgânicas, e liberam grande
quantidade de O2. No entanto, em florestas maduras, cujas
árvores já atingiram o equilíbrio, o consumo de O2 pela
respiração tende a igualar sua produção pela fotossíntese. A
morte natural de árvores nessas florestas afeta
temporariamente a concentração de O2 e de CO2 próximo à
superfície do solo onde elas caíram.
A concentração de O2 próximo ao solo, no local da queda, será
a) menor, pois haverá consumo de O2 durante a decomposição
dessas árvores.
b) maior, pois haverá economia de O2 pela ausência das
árvores mortas.
c) maior, pois haverá liberação de O2 durante a fotossíntese
das árvores jovens.
d) igual, pois haverá consumo e produção de O2 pelas árvores
maduras restantes.
e) menor, pois haverá redução de O2 pela falta da fotossíntese
realizada pelas árvores mortas.
(Enem 2011) Os personagens da figura estão representando uma
situação hipotética de cadeia alimentar.
Suponha que, em cena anterior à apresentada, o homem tenha
se alimentado de frutas e grãos que conseguiu coletar. Na
hipótese de, nas próximas cenas, o tigre ser bem-sucedido e,
posteriormente, servir de alimento aos abutres, tigre e abutres
ocuparão, respectivamente, os níveis tróficos de
a) produtor e consumidor primário.
b) consumidor primário e consumidor secundário.
c) consumidor secundário e consumidor terciário.
d) consumidor terciário e produtor.
e) consumidor secundário e consumidor primário.
Ecologia
Água: a escassez na abundância
Hoje, 40% da população do planeta já sofre as consequências da
falta de água. Além do aumento da sede no mundo, a falta de
recursos hídricos tem graves implicações econômicas e políticas
para as nações
A diminuição da água no mundo é constante e, muitas vezes,
silenciosa. Seus ruídos tendem a ser percebidos apenas quando é
tarde para agir. Das dez bacias hidrográficas mais densa- mente
povoadas do mundo, grupo que compreende os arredores de rios
como o indiano Ganges e o chinês Yang-tsé, cinco já são exploradas
acima dos níveis considerados sustentáveis. Se nada mudar nas
próximas décadas, cerca de 45% de toda a riqueza global será
produzida em regiões sujeitas ao estresse hídrico. "Esse cenário
terá impacto nas decisões de investimento e nos custos
operacionais das empresas, afetando a competitividade das
regiões", afirma um estudo da Veolia, empresa francesa de
soluções ambientais.
A falta de água
em São Paulo
está diretamente
relacionada
também com o
consumo.
Consumir menos
é economizar
água.
ᔥ Planeta Sustentável
• Calça jeans: 1800 litros
• Sapatos: 8000 litros
• Camiseta: 2700 litros
Água Virtual:
Ecologia
Ciclos biogeoquímicos:
Ciclo da água
A manutenção de florestas além de auxiliar no equilíbrio térmico
do planeta, ajuda a reestabelecer o regime de chuva em regiões
com escassez.
A falta de água em São Paulo, por exemplo tem relação com o
desmatamento amazônico.
A evapotranspiração da vegetação aumenta a formação massas de
ar úmidas. Os “rios voadores”.
• O pequeno ciclo envolve evaporação e precipitação
• O grande ciclo é aquele que envolve seres vivos.
Ecologia
Emissões de CO2 ficam estáveis em 2014
É a primeira vez em 44 anos que as taxas de emissões permaneceram
estáveis sem uma recessão econômica mundial.
De acordo com o relatório, em 2014 foram emitidos 32,3 bilhões de
toneladas de dióxido de carbono (CO2) no planeta, exatamente a mesma
quantidade registrada em 2013. A AIE atribui a estagnação aos esforços
mundiais de mitigação de emissões, especialmente na China e em países
como Estados Unidos, Canadá e da Europa Ocidental, onde houve
mudanças nos padrões de consumo de energia.
“Isso me dá ainda mais esperança de que a humanidade será capaz de
trabalhar unida para combater as mudanças climáticas, que são a mais
importante ameaça que enfrentamos atualmente", disse o economista-
chefe da AIE, Fatih Birol, recentemente indicado para ser o próximo diretor
executivo da agência com sede em Paris.
O gás carbônico (CO2) e o
metano (CH4) são os
principais gases
causadores do efeito-
estufa, que é fundamental
à manutenção da
temperatura da Terra, mas
em condições exageradas
provoca aquecimento
excessivo.
ᔥ Estadão
Causadores do efeito estufa:
• Combustão, principalmente de derivados do petróleo (CO2)
• Fertilizantes utilizados na agricultura que liberam óxido nitroso (N2O),
• A produção e transporte de gás e petróleo, arrozais, lixões e os
processos digestivos de ruminantes que emitem metano (CH4)
• Os condicionadores de ar e refrigeradores que emitem os
clorofluorcarbonos (CFCs)
Resolva
(Enem 2014) O potencial brasileiro para transformar lixo
em energia permanece subutilizado — apenas pequena
parte dos resíduos brasileiros é utilizada para gerar
energia. Contudo, bons exemplos são os aterros
sanitários, que utilizam a principal fonte de energia ali
produzida. Alguns aterros vendem créditos de carbono
com base no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo
(MDL), do Protocolo de Kyoto.
Essa fonte de energia subutilizada, citada no texto, é o
a) etanol, obtido a partir da decomposição da matéria
orgânica por bactérias.
b) gás natural, formado pela ação de fungos
decompositores da matéria orgânica.
c) óleo de xisto, obtido pela decomposição da matéria
orgânica pelas bactérias anaeróbias.
d) gás metano, obtido pela atividade de bactérias
anaeróbias na decomposição da matéria orgânica.
e) gás liquefeito de petróleo, obtido pela decomposição
de vegetais presentes nos restos de comida.
(Enem 2013) Sabe-se que o aumento da concentração de
gases como CO2, CH4 e N2O na atmosfera é um dos fatores
responsáveis pelo agravamento do efeito estufa. A agricultura
é uma das atividades humanas que pode contribuir tanto
para a emissão quanto para o sequestro desses gases,
dependendo do manejo da matéria orgânica do solo.
ROSA, A. H.; COELHO, J. C. R. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola.
São Paulo, n. 5, nov. 2003 (adaptado).
De que maneira as práticas agrícolas podem ajudar a
minimizar o agravamento do efeito estufa?
a) Evitando a rotação de culturas.
b) Liberando o CO2 presente no solo.
c) Aumentando a quantidade de matéria orgânica do solo.
d) Queimando a matéria orgânica que se deposita no solo.
e) Atenuando a concentração de resíduos vegetais do solo.
Resolva
(Enem 2011) De acordo com o relatório “A grande
sombra da pecuária” (Livestock’s Long Shadow), feito
pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e
a Alimentação, o gado é responsável por cerca de 18%
do aquecimento global, uma contribuição maior que a
do setor de transportes.
Disponível em: www.conpet.gov.br. Acesso em: 22 jun. 2010.
A criação de gado em larga escala contribui para o
aquecimento global por meio da emissão de
a) metano durante o processo de digestão.
b) óxido nitroso durante o processo de ruminação.
c) clorofluorcarbono durante o transporte de carne.
d) óxido nitroso durante o processo respiratório.
e) dióxido de enxofre durante o consumo de pastagens.
Resolva
(Enem 2013) Segundo dados do Balanço Energético Nacional
de 2008, do Ministério das Minas e Energia, a matriz
energética brasileira é composta por hidrelétrica (80%),
termelétrica (19,9%) e eólica (0,1%). Nas termelétricas, esse
percentual é dividido conforme o combustível usado, sendo:
gás natural (6,6%), biomassa (5,3%), derivados de petróleo
(3,3%), energia nuclear (3,1%) e carvão mineral (1,6%). Com a
geração de eletricidade da biomassa, pode-se considerar que
ocorre uma compensação do carbono liberado na queima do
material vegetal pela absorção desse elemento no
crescimento das plantas. Entretanto, estudos indicam que as
emissões de metano das hidrelétricas podem ser
comparáveis às emissões de das termelétricas.
MORET, A. S.; FERREIRA, I. A. As hidrelétricas do Rio Madeira e os impactos
socioambientais da eletrificação no Brasil. Revista Ciência Hoje. V. 45, n° 265,
2009 (adaptado).
No Brasil, em termos do impacto das fontes de energia no
crescimento do efeito estufa, quanto à emissão de gases,
as hidrelétricas seriam consideradas como uma fonte
a) limpa de energia, contribuindo para minimizar os
efeitos deste fenômeno.
b) eficaz de energia, tornando-se o percentual de oferta e
os benefícios verificados.
c) limpa de energia, não afetando ou alterando os níveis
dos gases do efeito estufa.
d) poluidora, colaborando com níveis altos de gases de
efeito estufa em função de seu potencial de oferta.
e) alternativa, tomando-se por referência a grande
emissão de gases de efeito estufa das demais fontes
geradoras.
Leguminosas são
todas as plantas que
produzem frutos do
tipo vagem. Ex. soja,
feijão, amendoim,
lentilha, grão-de-bico.
Ecologia
Curiosity encontra nitrogênio fixado
em sedimentos em Marte
Nitrogênio é elemento imprescindível para a vida.
Instrumento coletou amostras de três regiões diferentes do planeta.
A presença do elemento no planeta foi verificada a partir do
instrumento Sample Analysis at Mars (SAM, sigla em inglês), que
coletou amostras de três lugares diferentes, informou o CSIC em
uma nota de imprensa.
Duas dessas amostras foram conseguidas com perfurações feitas
em rochas batizadas como "Sheepbed", durante uma missão na
"Yellowknife Bay", local onde, acredita-se, existiram lagos e rios em
algum momento da história geológica do planeta. A terceira
amostra provém de um depósito de areia, que representa a poeira
de Marte.
O nitrogênio é
fundamental à vida como
conhecemos pois é com
ele que formamos as
famosas bases
nitrogenadas do DNA e
do RNA. Também os
aminoácidos,
componentes das
proteínas.
ᔥ G1
Ciclo do nitrogênio:
Existem duas vias de
incorporação de
nitrogênio nos seres:
• Fixação de N2
atmosférico;
• Decomposição
de matéria
orgânica
IMPORTANTE: A rotação de culturas é uma técnica que consiste em alternar o
plantio de uma gramínea (milho, aveia, trigo, azevém...) que produz muita matéria
orgânica e realiza boa cobertura com uma leguminosa, que incorpora nitrogênio
ao solo.
Resolva
(Enem 2014) A aplicação excessiva de fertilizantes nitrogenados na agricultura pode acarretar alterações no solo e na
água pelo acúmulo de compostos nitrogenados, principalmente a forma mais oxidada, favorecendo a proliferação de
algas e plantas aquáticas e alterando o ciclo do nitrogênio, representado no esquema. A espécie nitrogenada mais
oxidada tem sua quantidade controlada por ação de microrganismos que promovem a reação de redução dessa espécie,
no processo denominado desnitrificação.
O processo citado está representado na etapa
a) I.
b) II.
c) III.
d) IV.
e) V.
Harmônicas
Intraespecíficas
Sociedade (ex. abelhas, formigas, cupins, lobos)
Colônia (ex. corais, caravelas, esponjas, bactérias)
Interespecíficas
Mutualismo (ex. líquens, micorrizas, cupins e
protozoários)
Protocooperação (ex. jacaré e pássaro-palito)
Comensalismo (ex. seres que se aproveitam dos
restos alimentares de outros)
Desarmônicas
Intraespecíficas
Canibalismo (ex. louva-a-deus, viúva-negra)
Competição (ex. machos disputando fêmeas)
Interespecíficas
Competição (ex. disputa por espaço e sol entre
duas árvores)
Amensalismo (ex. eucalipto derruba folhas que
inibem o desenvolvimento de outras plantas)
Predatismo (ex. predador x presa)
Parasitismo (ex. piolhos, pulgas, doenças)
As abelhas estão desaparecendo. E isso é
preocupante
Nos últimos anos, a quantidade de abelhas tem diminuído no mundo. Pragas e uso de
pesticidas estão entre as principais causas desse fenômeno, que já afeta o Brasil
Dois terços dos alimentos que nós ingerimos são cultivados com a ajuda das abelhas. Na
busca de pólen, sua refeição, esses insetos polinizam plantações de frutas, legumes e grãos.
Em tempos em que a escassez mundial de comida é pauta das autoridades no assunto -
como a recomendação da ONU para consumir mais insetos - a perspectiva de ficar sem a
ajuda desses seres no abastecimento alimentar seria alarmante. E é o que está
acontecendo.
Em 2006, apicultores nos Estados Unidos começaram a notar que suas colônias de abelhas
estavam desaparecendo. Cientistas investigaram e comprovaram o fenômeno, que foi
batizado de colony collapse disorder (síndrome do colapso da colônia, CCD). Sete anos
depois, o sumiço continua: no inverno de 2012 para 2013, dado mais recente, 31% das
abelhas americanas deixaram de existir.
Muitas plantas dependem
exclusivamente de
abelhas para a sua
polinização, configurando
uma relação harmônica de
mutualismo.
Em outros casos, em que
não há dependência,
ocorre a chamada
protocooperação.
ᔥ Veja
Ecologia
Relações ecológicas:
Resolva
(Enem 2014) Os parasitoides (misto de parasitas e predadores) são insetos diminutos que têm hábitos muito peculiares:
suas larvas podem se desenvolver dentro do corpo de outros organismos, como mostra a figura. A forma adulta se
alimenta de pólen e açúcares. Em geral, cada parasitoide ataca hospedeiros de determinada espécie e, por isso, esses
organismos vêm sendo amplamente usados para o controle biológico de pragas agrícolas.
A forma larval do parasitoide assume qual papel nessa cadeia
alimentar?
a) Consumidor primário, pois ataca diretamente uma espécie
herbívora.
b) Consumidor secundário, pois se alimenta diretamente dos tecidos
da lagarta.
c) Organismo heterótrofo de primeira ordem, pois se alimenta de
pólen na fase adulta.
d) Organismo heterótrofo de segunda ordem, pois apresenta o maior
nível energético na cadeia.
e) Decompositor, pois se alimenta de tecidos do interior do corpo da
lagarta e a leva à morte.
Resolva
(Enem 2014) Existem bactérias que inibem o
crescimento de um fungo causador de doenças no
tomateiro, por consumirem o ferro disponível no meio.
As bactérias também fazem fixação de nitrogênio,
disponibilizam cálcio e produzem auxinas, substâncias
que estimulam diretamente o crescimento do tomateiro.
PELZER, G. Q. et al. “Mecanismos de controle da murcha-de-esclerócio e
promoção de crescimento em tomateiro mediados por rizobactérias”.
Tropical PIant Pathology, v. 36, n. 2, mar. abr. 2011 (adaptado).
Qual dos processos biológicos mencionados indica uma
relação ecológica de competição?
a) Fixação de nitrogênio para o tomateiro.
b) Disponibilização de cálcio para o tomateiro.
c) Diminuição da quantidade de ferro disponível para o
fungo.
d) Liberação de substâncias que inibem o crescimento do
fungo.
e) Liberação de auxinas que estimulam o crescimento do
tomateiro.
(Enem 2013) No Brasil, cerca de 80% da energia elétrica
advém de hidrelétricas, cuja construção implica o
represamento de rios. A formação de um reservatório para
esse fim, por sua vez, pode modificar a ictiofauna local. Um
exemplo é o represamento do Rio Paraná, onde se observou
o desaparecimento de peixes cascudos quase que
simultaneamente ao aumento do número de peixes de
espécies exóticas introduzidas, como o mapará e a corvina, as
três espécies com nichos ecológicos semelhantes.
PETESSE, M. L.; PETRERE JR., M. Ciência Hoje, São Paulo, n. 293, v. 49, jun. 2012
(adaptado).
Nessa modificação da ictiofauna, o desaparecimento de
cascudos é explicado pelo(a)
a) redução do fluxo gênico da espécie nativa.
b) diminuição da competição intraespecífica.
c) aumento da competição interespecífica.
d) isolamento geográfico dos peixes.
e) extinção de nichos ecológicos.
Resolva
(Enem 2011) O controle biológico, técnica empregada no combate a espécies que causam
danos e prejuízos aos seres humanos, é utilizado no combate à lagarta que se alimenta de
folhas de algodoeiro. Algumas espécies de borboleta depositam seus ovos nessa cultura. A
microvespa Trichogramma sp. introduz seus ovos nos ovos de outros insetos, incluindo os
das borboletas em questão. Os embriões da vespa se alimentam do conteúdo desses ovos
e impedem que as larvas de borboleta se desenvolvam. Assim, é possível reduzir a
densidade populacional das borboletas até níveis que não prejudiquem a cultura. A
técnica de controle biológico realizado pela microvespa Trichogramma sp. consiste na
a) introdução de um parasita no ambiente da espécie que se deseja combater.
b) introdução de um gene letal nas borboletas para diminuir o número de indivíduos.
c) competição entre a borboleta e a microvespa para a obtenção de recursos.
d) modificação do ambiente para selecionar indivíduos melhor adaptados.
e) aplicação de inseticidas a fim de diminuir o número de indivíduos que se deseja
combater.
Resolva
(Enem 2012) A figura representa um dos modelos de um sistema de interações entre seres vivos. Ela apresenta duas
propriedades, P1 e P2, que interagem em I, para afetar uma terceira propriedade, P3, quando o sistema é alimentado por
uma fonte de energia, E. Essa figura pode simular um sistema de campo em que P1 representa as plantas verdes; P2 um
animal herbívoro e P3, um animal onívoro.
A função interativa I representa a proporção de
a) herbivoria entre P1 e P2.
b) polinização entre P1 e P2.
c) P3 utilizada na alimentação de P1 e P2.
d) P1 ou P2 utilizada na alimentação de P3.
e) energia de P1 e de P2 que saem do sistema.
Ecologia
Poluição de Nova Déli provoca danos
pulmonares permanentes em crianças
Quando me tornei correspondente do jornal "The New York Times" no sul da Ásia,
três anos atrás, minha mulher e eu ficamos entusiasmados. Nós estávamos
preparados para enfrentar dificuldades: pedintes insistentes, dengue endêmica e o
calor que pode chegar a 50°C no verão. Não fazíamos ideia, porém, de como Nova
Déli poderia ser perigosa para nossos dois meninos.
Pouco a pouco descobrimos que o verdadeiro perigo de Déli vem do ar, da água, dos
alimentos e das moscas. Esses perigos adoecem, incapacitam e matam milhões de
pessoas por ano na Índia, gerando um dos piores desastres mundiais de saúde
pública.
Descobrimos que Déli enfrenta uma gravíssima crise respiratória pediátrica. Um
estudo mostrou que quase metade das 4,4 milhões de crianças do ensino primário e
secundário da cidade já sofreram danos pulmonares irreversíveis devido ao ar.
A poluição atmosférica, em
função da matéria particulada
lançada no ar, causa problemas
respiratórios e , em função da
liberação de gases, provoca
danos aos ecossistemas:
• Efeito estufa;
• Inversão térmica;
• Destruição da camada de
ozônio.
ᔥ Folha Online
Inversão térmica:
A inversão térmica ocorre em dias frios quando o material
particulado da poluição não se dissipa. Sendo assim, uma
cortina de fuligem impede a passagem dos raios solares
mantendo ainda mais fria a superfície da cidade
"Por que há tantos peixes mortos na Lagoa?, perguntou à reportagem do G1 o
canadense Pam Nelson, que mora no Brasil há poucos meses. "Eu já tinha ouvido
falar que estava assim, mas é horrível. Nunca imaginei que pudesse haver algo
assim. O cheiro é medonho. Eu achei que eles limpassem a lagoa com mais
frequência", afirmou o estrangeiro, logo após cair da bicicleta devido a um buraco
na Ciclovia da Lagoa. Até esta sexta-feira, já haviam sido recolhidas 40 toneladas de
peixes mortos.
'E vão disputar provas olímpicas aqui? Que horror!'. A exclamação é de Jay
Neubauer, de 49 anos, que também veio do Canadá, sobre o cheiro e as condições
de insalubridade da Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul do Rio. Cariocas e
trabalhadores também reclamaram dos problemas no local.
Os peixes recolhidos são
totalmente impróprios para
consumo pela alta
concentração de bactérias na
água e no corpo do animal.
Não recolher os animais
agrava ainda mais a
eutrofização, liberação de
gases mau-cheirosos e
causadores de efeito-estufa.
ᔥ G1
Ecologia
Mortandade de peixes na Lagoa Rodrigo de
Freitas incomoda turistas
Cheiro forte e mortandade de peixes incomodam. Comlurb já recolheu 40t.
Local receberá provas de remo e canoagem nas Olimpíadas de 2016.
Eutrofização da água:
1) Excesso de nutrientes (principalmente fosfatos e nitratos) vai parar na água
por esgoto doméstico ou lixiviação de lavouras;
2) Fitoplâncton se prolifera absurdamente rápido e formam uma “cortina” na
superfície da água;
3) A cortina impede a passagem de luz provocando a morte das algas
pluricelulares;
4) A decomposição das algas provoca a proliferação de bactérias aeróbicas;
5) Bactérias consomem o O2 causando a morte de animais e protozoários
(peixes e zooplâncton);
6) A morte dos animais aumenta a população de bactérias anaeróbicas.
Resolva
(Enem 2010) No ano de 2000, um vazamento em dutos
de óleo na baía de Guanabara (RJ) causou um dos
maiores acidentes ambientais do Brasil. Além de afetar a
fauna e a flora, o acidente abalou o equilíbrio da cadeia
alimentar de toda a baía. O petróleo forma uma película
na superfície da água, o que prejudica as trocas gasosas
da atmosfera com a água e desfavorece a realização de
fotossíntese pelas algas, que estão na base da cadeia
alimentar hídrica. Além disso, o derramamento de óleo
contribuiu para o envenenamento das árvores e,
consequentemente, para a intoxicação da fauna e flora
aquáticas, bem como conduziu à morte diversas espécies
de animais, entre outras formas de vida, afetando
também a atividade pesqueira.
LAUBIER, L. Diversidade da Maré Negra. In: Scientific American Brasil
4(39), ago. 2005 (adaptado).
A situação exposta no texto e suas implicações
a) indicam a independência da espécie humana com relação
ao ambiente marinho.
b) alertam para a necessidade do controle da poluição
ambiental para redução do efeito estufa.
c) ilustram a interdependência das diversas formas de vida
(animal, vegetal e outras) e o seu habitat.
d) indicam a alta resistência do meio ambiente à ação do
homem, além de evidenciar a sua sustentabilidade mesmo
em condições extremas de poluição.
e) evidenciam a grande capacidade animal de se adaptar às
mudanças ambientais, em contraste com a baixa capacidade
das espécies vegetais, que estão na base da cadeia alimentar
hídrica.
Resolva
(Enem 2010) O despejo de dejetos de esgotos domésticos e industriais vem causando sérios
problemas aos rios brasileiros. Esses poluentes são ricos em substâncias que contribuem para a
eutrofização de ecossistemas, que é um enriquecimento da água por nutrientes, o que provoca
um grande crescimento bacteriano e, por fim, pode promover escassez de oxigênio.
Uma maneira de evitar a diminuição da concentração de oxigênio no ambiente é:
a) Aquecer as águas dos rios para aumentar a velocidade de decomposição dos dejetos.
b) Retirar do esgoto os materiais ricos em nutrientes para diminuir a sua concentração nos rios.
c) Adicionar bactérias anaeróbicas às águas dos rios para que elas sobrevivam mesmo sem o
oxigênio.
d) Substituir produtos não degradáveis por biodegradáveis para que as bactérias possam
utilizar os nutrientes.
e) Aumentar a solubilidade dos dejetos no esgoto para que os nutrientes fiquem mais
acessíveis às bactérias.
Ecologia
Solo de 16 municípios do Acre está contaminado
por DDT, diz pesquisa
Resíduos do pesticida foram encontrados em casas ainda habitadas.
Ao todo, foram coletadas 320 amostras de solo durante dois anos de projeto.
Apontado como o responsável pela morte de pelo menos 240 ex-guardas da extinta
Superintendência de Campanhas de Saúde Pública (Sucam), o pesticida
Diclorodifeniltricloroetano (DDT), usado na década de 70 a 90 para o controle mosquito da
malária na região amazônica, foi encontrado no solo de 16 municípios do Acre. É o que
revela uma pesquisa feita pelo professor do Instituto Federal do Acre (IFAC), Luis Pedro de
Melo Plese. O estudo avaliou o solo de 17 municípios do estado e durou dois anos.
Segundo o professor, o objetivo da pesquisa era identificar essas áreas para que fossem
realizadas ações de descontaminação. O DDT era aplicado por ex-servidores da Sucam, que
atualmente lutam na Justiça para serem reconhecidos e terem atendimento prioritário na
saúde pública. A Associação DDT e Luta Pela Vida estima ao menos 247 mortes de ex-
agentes pela contaminação do pesticida.
O DDT está intimamente
relacionado com o surgimento
de câncer, má formação fetal e
desenvolvimento parcial de
ovos em aves.
O diclorodifeniltricloroetano é
um bioacumulador e demora
cerca de 30 anos para ser
eliminado do ambiente.
ᔥ G1
Magnificação trófica:
Lembre-se, os bioacumuladores tais como o DDT, chumbo e
elementos radioativos ficam acumulados em maior quantidade
sempre no final da cadeia alimentar.
CAATINGA
• Solo fértil;
• Vegetação xeromórfica;
• Árvores caducas nas
estação seca.
Ecologia
AMAZÔNIA
• Maior biodiversidade e
bacia hidrográfica do
mundo;
• Solo pobre e arenoso;
• Alta pluviosidade;
• Plantas perenes e
latifoliadas.
CERRADO
• Solo muitas vezes tóxico (alumínio)
e ácido;
• Vegetação adaptada às queimadas.
Com raízes profundas, cascas
grossas, folhas coriáceas, caules
tortuosos, gemas pilosas;
• Savana brasileira: árvores esparsas
e campos.
MATA ATLÂNTICA
• Bioma mais degradado;
• Vegetação densa e perene (baixa
latitude);
• Vegetação mista e semi-decídua
(mais ao sul). Com ou sem Araucaria.
PANTANAL
• Planície alagadiça;
• Plantas tolerantes ao solo
encharcado;
• Alta diversidade de aves,
répteis e anfíbios.
CAMPOS (PAMPAS) SULINOS
• Vegetação de gramíneas
(herbácea);
• Bioma propenso à
desertificação (intensificado
pela latitude, desmatamento
amazônico e gado extensivo)
• Solo salino.
Ecótones são regiões de transição
ecossistêmica, normalmente com muita
biodiversidade.
Resolva
(Enem 2014) Uma região de Cerrado possui lençol freático profundo, estação seca bem marcada, grande insolação e
recorrência de incêndios naturais. Cinco espécies de árvores nativas, com as características apresentadas no quadro, foram
avaliadas quanto ao seu potencial para uso em projetos de reflorestamento nessa região.
Qual é a árvore adequada para o reflorestamento dessa região?
a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5
Característica Árvore 1 Árvore 2 Árvore 3 Árvore 4 Árvore 5
Superfície foliar
Coberta por
tricomas
Coberta por cera Coberta por cera
Coberta por
espinhos
Coberta por
espinhos
Profundidade das
raízes
Baixa Alta Baixa Baixa Alta
Resolva
A imagem retrata a araucária, árvore que faz parte de um
importante bioma brasileiro que, no entanto, já foi bastante
degradado pela ocupação humana. Uma das formas de
intervenção humana relacionada à degradação desse bioma foi
a) o avanço do extrativismo de minerais metálicos voltados para
a exportação na região Sudeste.
b) a contínua ocupação agrícola intensiva de grãos na região
Centro-Oeste do Brasil.
c) o processo de desmatamento motivado pela expansão da
atividade canavieira no Nordeste brasileiro.
d) o avanço da indústria de papel e celulose a partir da
exploração da madeira, extraída principalmente no Sul do Brasil.
e) o adensamento do processo de favelização sobre áreas da
Serra do Mar na região Sudeste.
(Enem 2011)
Resolva
(Enem 2010) Dois pesquisadores percorreram os trajetos
marcados no mapa. A tarefa deles foi analisar os ecossistemas
e, encontrando problemas, relatar e propor medidas de
recuperação. A seguir, são reproduzidos trechos aleatórios
extraídos dos relatórios desses dois pesquisadores.
Trechos aleatórios extraídos do relatório do pesquisador P1:
I. "Por causa da diminuição drástica das espécies vegetais deste
ecossistema, como os pinheiros, a gralha azul também está em
processo de extinção".
II. "As árvores de troncos tortuosos e cascas grossas que
predominam nesse ecossistema estão sendo utilizadas em
carvoarias".
Trechos aleatórios extraídos do relatório do pesquisador P2:
III. "Das palmeiras que predominam nesta região podem ser
extraídas substâncias importantes para a economia regional",
IV. "Apesar da aridez desta região, em que encontramos muitas
plantas espinhosas, não se pode desprezar a sua
biodiversidade". Ecossistemas brasileiros: mapa de distribuição
de ecossistemas.
Os trechos I, II, III e IV referem-se, pela ordem, aos seguintes
ecossistemas:
a) Caatinga, Cerrado, Zona dos Cocais e Floresta Amazônica.
b) Mata de Araucárias, Cerrado, Zona dos Cocais e Caatinga.
c) Manguezais, Zona dos Cocais, Cerrado e Mata Atlântica.
d) Floresta Amazônica, Cerrado, Mata Atlântica e Pampas.
e) Mata Atlântica, Cerrado, Zona dos Cocais e Pantanal.
https://www.facebook.com/biologiaprofgui
Curta a página do professor Guilherme
no Facebook

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
Gabriela de Lima
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
emanuel
 
Reino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aulaReino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aula
Professora Raquel
 
2 - Teorias evolucionistas
2 - Teorias evolucionistas2 - Teorias evolucionistas
2 - Teorias evolucionistas
Ana Castro
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
César Milani
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
Isadora Girio
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
Alessandra Vieira da Silva
 
Ecossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileirosEcossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileiros
Edna Uliana
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Nelson Costa
 
IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espécies
Rebeca Vale
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
URCA
 
Ciclo do carbono
Ciclo do carbonoCiclo do carbono
Ciclo do carbono
Gabriela de Lima
 
Teorias evolutivas
Teorias evolutivasTeorias evolutivas
Teorias evolutivas
Raphaell Garcia
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
fefemrc
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
Gov. Estado do Paraná
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
César Milani
 
Aula impacto ambiental em biomas brasileiros
Aula   impacto ambiental em biomas brasileiros Aula   impacto ambiental em biomas brasileiros
Aula impacto ambiental em biomas brasileiros
Omar Fürst
 
Briófitas e Pteridófitas
Briófitas e PteridófitasBriófitas e Pteridófitas
Briófitas e Pteridófitas
Elisa Margarita Orlandi
 
Fotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celularFotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celular
gil junior
 

Mais procurados (20)

Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Reino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aulaReino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aula
 
2 - Teorias evolucionistas
2 - Teorias evolucionistas2 - Teorias evolucionistas
2 - Teorias evolucionistas
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
 
Ecossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileirosEcossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileiros
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espécies
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Biotecnologia
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
Ciclo do carbono
Ciclo do carbonoCiclo do carbono
Ciclo do carbono
 
Teorias evolutivas
Teorias evolutivasTeorias evolutivas
Teorias evolutivas
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Aula impacto ambiental em biomas brasileiros
Aula   impacto ambiental em biomas brasileiros Aula   impacto ambiental em biomas brasileiros
Aula impacto ambiental em biomas brasileiros
 
Briófitas e Pteridófitas
Briófitas e PteridófitasBriófitas e Pteridófitas
Briófitas e Pteridófitas
 
Fotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celularFotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celular
 

Semelhante a Revisão de Biologia #02 - Enem 2015

Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
Adriana Paulon
 
Dinâmica populacional
Dinâmica populacionalDinâmica populacional
Dinâmica populacional
Adriana Paulon
 
Dinâmica populacional
Dinâmica populacionalDinâmica populacional
Dinâmica populacional
Adriana Paulon
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enem
Estude Mais
 
Biomas e sucessão
Biomas e sucessãoBiomas e sucessão
Biomas e sucessão
Edu Rabelo
 
Quizz da biologia – 3ª série (ecologia, genética e evolução0
Quizz da biologia – 3ª série (ecologia, genética e evolução0Quizz da biologia – 3ª série (ecologia, genética e evolução0
Quizz da biologia – 3ª série (ecologia, genética e evolução0
Colégio Estadual Padre Fernando Gomes de Melo
 
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-anoQuestc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Rondiney Rodrigues
 
Guerra fria aquecimento_global_agb_revista
Guerra fria aquecimento_global_agb_revistaGuerra fria aquecimento_global_agb_revista
Guerra fria aquecimento_global_agb_revista
leia silva
 
Guerra fria aquecimento_global_agb_revista
Guerra fria aquecimento_global_agb_revistaGuerra fria aquecimento_global_agb_revista
Guerra fria aquecimento_global_agb_revista
leia silva
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
elisamello
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 RevisadoAulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
elisamello
 
Simuladoenem1 dia
Simuladoenem1 diaSimuladoenem1 dia
Simuladoenem1 dia
RobertoFilho72
 
Aula 1. ecologia
Aula 1. ecologiaAula 1. ecologia
Aula 1. ecologia
Aula 1. ecologiaAula 1. ecologia
Atividade 9º Ano - Geografia Camões
Atividade 9º Ano - Geografia CamõesAtividade 9º Ano - Geografia Camões
Atividade 9º Ano - Geografia Camões
Patricia Oliviera Batista
 
Atividades do 9º Ano Geografia - Camões
Atividades do 9º Ano Geografia - CamõesAtividades do 9º Ano Geografia - Camões
Atividades do 9º Ano Geografia - Camões
Patricia Oliviera Batista
 
Ficha.Bio.10º.Leya.docx
Ficha.Bio.10º.Leya.docxFicha.Bio.10º.Leya.docx
Ficha.Bio.10º.Leya.docx
DinaBrtolo
 
Ficha.Bio.10º.Leya.docx
Ficha.Bio.10º.Leya.docxFicha.Bio.10º.Leya.docx
Ficha.Bio.10º.Leya.docx
DinaBrtolo
 
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sinteseA Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
João Soares
 
SIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdfSIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdf
Valdimiro Cardoso
 

Semelhante a Revisão de Biologia #02 - Enem 2015 (20)

Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 
Dinâmica populacional
Dinâmica populacionalDinâmica populacional
Dinâmica populacional
 
Dinâmica populacional
Dinâmica populacionalDinâmica populacional
Dinâmica populacional
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enem
 
Biomas e sucessão
Biomas e sucessãoBiomas e sucessão
Biomas e sucessão
 
Quizz da biologia – 3ª série (ecologia, genética e evolução0
Quizz da biologia – 3ª série (ecologia, genética e evolução0Quizz da biologia – 3ª série (ecologia, genética e evolução0
Quizz da biologia – 3ª série (ecologia, genética e evolução0
 
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-anoQuestc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
 
Guerra fria aquecimento_global_agb_revista
Guerra fria aquecimento_global_agb_revistaGuerra fria aquecimento_global_agb_revista
Guerra fria aquecimento_global_agb_revista
 
Guerra fria aquecimento_global_agb_revista
Guerra fria aquecimento_global_agb_revistaGuerra fria aquecimento_global_agb_revista
Guerra fria aquecimento_global_agb_revista
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 RevisadoAulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
 
Simuladoenem1 dia
Simuladoenem1 diaSimuladoenem1 dia
Simuladoenem1 dia
 
Aula 1. ecologia
Aula 1. ecologiaAula 1. ecologia
Aula 1. ecologia
 
Aula 1. ecologia
Aula 1. ecologiaAula 1. ecologia
Aula 1. ecologia
 
Atividade 9º Ano - Geografia Camões
Atividade 9º Ano - Geografia CamõesAtividade 9º Ano - Geografia Camões
Atividade 9º Ano - Geografia Camões
 
Atividades do 9º Ano Geografia - Camões
Atividades do 9º Ano Geografia - CamõesAtividades do 9º Ano Geografia - Camões
Atividades do 9º Ano Geografia - Camões
 
Ficha.Bio.10º.Leya.docx
Ficha.Bio.10º.Leya.docxFicha.Bio.10º.Leya.docx
Ficha.Bio.10º.Leya.docx
 
Ficha.Bio.10º.Leya.docx
Ficha.Bio.10º.Leya.docxFicha.Bio.10º.Leya.docx
Ficha.Bio.10º.Leya.docx
 
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sinteseA Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
 
SIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdfSIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdf
 

Mais de Guilherme Orlandi Goulart

Revisão de Biologia #03 - Enem 2015
 Revisão de Biologia #03 - Enem 2015 Revisão de Biologia #03 - Enem 2015
Revisão de Biologia #03 - Enem 2015
Guilherme Orlandi Goulart
 
Revisão de Biologia #01 - Enem 2015
Revisão de Biologia #01 - Enem 2015Revisão de Biologia #01 - Enem 2015
Revisão de Biologia #01 - Enem 2015
Guilherme Orlandi Goulart
 
Aulão ACAFE 2013 - Biologia
Aulão ACAFE 2013 - BiologiaAulão ACAFE 2013 - Biologia
Aulão ACAFE 2013 - Biologia
Guilherme Orlandi Goulart
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
Guilherme Orlandi Goulart
 
Composição química dos seres II
Composição química dos seres IIComposição química dos seres II
Composição química dos seres II
Guilherme Orlandi Goulart
 
Zoologia: Anelídeos
Zoologia: AnelídeosZoologia: Anelídeos
Zoologia: Anelídeos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Zoologia: Nematelmintos
Zoologia: NematelmintosZoologia: Nematelmintos
Zoologia: Nematelmintos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Zoologia: Cnidários
Zoologia: CnidáriosZoologia: Cnidários
Zoologia: Cnidários
Guilherme Orlandi Goulart
 
Zoologia: Poríferos
Zoologia: PoríferosZoologia: Poríferos
Zoologia: Poríferos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Composição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte IComposição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte I
Guilherme Orlandi Goulart
 
Sistema Digestório
Sistema DigestórioSistema Digestório
Sistema Digestório
Guilherme Orlandi Goulart
 

Mais de Guilherme Orlandi Goulart (12)

Revisão de Biologia #03 - Enem 2015
 Revisão de Biologia #03 - Enem 2015 Revisão de Biologia #03 - Enem 2015
Revisão de Biologia #03 - Enem 2015
 
Revisão de Biologia #01 - Enem 2015
Revisão de Biologia #01 - Enem 2015Revisão de Biologia #01 - Enem 2015
Revisão de Biologia #01 - Enem 2015
 
Aulão ACAFE 2013 - Biologia
Aulão ACAFE 2013 - BiologiaAulão ACAFE 2013 - Biologia
Aulão ACAFE 2013 - Biologia
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 
Composição química dos seres II
Composição química dos seres IIComposição química dos seres II
Composição química dos seres II
 
Zoologia: Anelídeos
Zoologia: AnelídeosZoologia: Anelídeos
Zoologia: Anelídeos
 
Zoologia: Nematelmintos
Zoologia: NematelmintosZoologia: Nematelmintos
Zoologia: Nematelmintos
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
 
Zoologia: Cnidários
Zoologia: CnidáriosZoologia: Cnidários
Zoologia: Cnidários
 
Zoologia: Poríferos
Zoologia: PoríferosZoologia: Poríferos
Zoologia: Poríferos
 
Composição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte IComposição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte I
 
Sistema Digestório
Sistema DigestórioSistema Digestório
Sistema Digestório
 

Último

APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 

Revisão de Biologia #02 - Enem 2015

  • 1. Ciências Naturais e Suas Tecnologias Revisão #02
  • 2. Ecologia ONU revisa para 10,9 bilhões a população mundial em 2100 A população mundial chegará a 10,9 bilhões de pessoas em 2100 contra os 7,2 bilhões atuais, sobretudo pela alta taxa de natalidade nos países mais pobres da África, informou a ONU esta quinta-feira ao divulgar novas projeções. Na América Latina e no Caribe, a população alcançaria algo mais que 737,26 milhões de pessoas até 2100, em comparação com os 613,21 milhões atuais, destacou à AFP François Pelletier, chefe da seção de projeções e estimativas de população da ONU. A região chegaria a 780,68 milhões de habitantes em 2050, ano a partir do qual começaria a experimentar uma queda, puxada principalmente pelo declínio da população do Brasil. Os fatores limitantes de uma população impedem que ela cresça de maneira descontrolada. São os principais: • Alimento; • Espaço; • Território; • Predadores; • Parasitas; • Competição; • Fêmeas disponíveis; • ... ᔥ G1 Crescimento populacional: Linear Exponencial Estabilizado
  • 3. Resolva (Enem 2012) Não é de hoje que o homem cria, artificialmente, variedades de peixes por meio da hibridação. Esta é uma técnica muito usada pelos cientistas e pelos piscicultores porque os híbridos resultantes, em geral, apresentam maior valor comercial do que a média de ambas as espécies parentais, além de reduzir a sobrepesca no ambiente natural. Terra da Gente, ano 4, n.º 47, mar, 2008 (adaptado). Sem controle, esses animais podem invadir rios e lagos naturais, se reproduzir e a) originar uma nova espécie poliploide. b) substituir geneticamente a espécie natural. c) ocupar o primeiro nível trófico no hábitat aquático. d) impedir a interação biológica entre as espécies parentais. e) produzir descendentes com o código genético modificado.
  • 4. Ecologia Argentina sofre o maior incêndio florestal de sua história Na província sulista de Chubut 30.000 hectares já arderam A Argentina está sofrendo o maior incêndio florestal desde que esses sinistros passaram a ser registrados, segundo afirmou o ex-chefe do Plano Nacional de Manejo de Fogo Jorge Barrionuevo, que deixou o cargo no sábado. Depois de duas semanas de chamas que queimaram quase 30.000 hectares de bosques na província sulista de Chubut, Barrionuevo foi demitido pelo novo chefe do Gabinete de Ministros e um dos sete candidatos presidenciais para as primárias kirchneristas, Aníbal Fernández, que o qualificou de “ineficaz”. Ambientes devastados por queimadas sofrem processos de sucessão secundária: mais rápidas. A sucessão primária ocorre em locais nunca antes ocupados, como uma ilha que surge no oceano. ᔥ El País Sucessão Ecológica: Ao longo da sucessão... Aumenta • Biodiversidade • Biomassa • Interações ecológicas • Taxa de respiração • Taxa de fotossíntese • Produtividade bruta Diminui • Produtividade líquida PL = Txfot – Txresp Espécies pioneiras germinam melhor a pleno sol, crescem rapidamente e são dispersas pelo vento. Espécies do clímax germinam melhor a sombra, crescem devagar e são dispersas geralmente por animais.
  • 5. Resolva (Enem 2009) Uma pesquisadora deseja reflorestar uma área de mata ciliar quase que totalmente desmatada. Essa formação vegetal é um tipo de floresta muito comum nas margens de rios dos cerrados no Brasil central e, em seu clímax, possui vegetação arbórea perene e apresenta dossel fechado, com pouca incidência luminosa no solo e nas plântulas. Sabe-se que a incidência de luz, a disponibilidade de nutrientes e a umidade do solo são os principais fatores do meio ambiente físico que influenciam no desenvolvimento da planta. Para testar unicamente os efeitos da variação de luz, a pesquisadora analisou, em casas de vegetação com condições controladas, o desenvolvimento de plantas de 10 espécies nativas da região desmatada sob quatro condições de luminosidade: uma sob sol pleno e as demais em diferentes níveis de sombreamento. Para cada tratamento experimental, a pesquisadora relatou se o desenvolvimento da planta foi bom, razoável ou ruim, de acordo com critérios específicos. Os resultados obtidos foram os seguintes: Para o reflorestamento da região desmatada, a) a espécie 8 é mais indicada que a 1, uma vez que aquela possui melhor adaptação a regiões com maior incidência de luz. b) recomenda-se a utilização de espécies pioneiras, isto é, aquelas que suportam alta incidência de luz, como as espécies 2, 3 e 5. c) sugere-se o uso de espécies exóticas, pois somente essas podem suportar a alta incidência luminosa característica de regiões desmatadas. d) espécies de comunidade clímax, como as 4 e 7, são as mais indicadas, uma vez que possuem boa capacidade de aclimatação a diferentes ambientes. e) é recomendado o uso de espécies com melhor desenvolvimento à sombra, como as plantas das espécies 4, 6, 7, 9 e 10, pois essa floresta, mesmo no estágio de degradação referido, possui dossel fechado, o que impede a entrada de luz. Espécie Condição de Luminosidade Sol pleno Sombreamento 30% 50% 90% 1 Razoável Bom Razoável Ruim 2 Bom Razoável Ruim Ruim 3 Bom Bom Razoável Ruim 4 Bom Bom Bom Bom 5 Bom Razoável Ruim Ruim 6 Ruim Razoável Bom Bom 7 Ruim Ruim Ruim Razoável 8 Ruim Ruim Razoável Ruim 9 Ruim Razoável Bom Bom 10 Razoável Razoável Razoável Bom
  • 6. Ecologia Petróleo disperso no oceano afeta severamente base da cadeia alimentar marinha, diz oceanógrafo Uma fração do óleo que se impregna na coluna d'água transferindo grande parte das substâncias tóxicas, causando malefício para a vida marinha. “Nas primeiras 48 horas, 30% do petróleo que vaza se evapora, poluindo a atmosfera, e em 72 horas o restante se espalha rapidamente. Por isso, o primeiro procedimento é não deixar espalhar o óleo, para retirá-lo, mas como, infelizmente, não utilizaram barreiras flutuantes de contenção, o próprio clima, as ondas e o vento trataram de espalhar esse óleo”, explicou o oceanógrafo. Além da intoxicação de seres marinhos, o petróleo bloqueia a passagem de luz essencial aos produtores do ambiente aquático: o fitoplâncton (algas unicelulares e cianobactérias) ᔥ UOL Notícias Cadeias Alimentares: 4º Nível Trófico • Carnívoros 3º Nível Trófico • Carnívoros 2º Nível Trófico • Herbívoros 1º Nível Trófico • Plantas • Algas • Cianobactérias • Quimiossintetizantes Devolvem nutrientes aos produtores. Reciclam a matéria orgânica.
  • 7. Ecologia Teias alimentares: Pirâmides alimentares: • As pirâmides de biomassa só se invertem em ecossistemas aquáticos, em que a taxa de reprodução do fitoplânton mantém sua população estável mesmo sendo menor que a população de zooplâncton (consumidores). • Pirâmides de energia nunca são invertidas. Os seres em uma teia assumem mais de um nível trófico ao mesmo tempo.
  • 8. Resolva (Enem 2011) Moradores sobreviventes da tragédia que destruiu aproximadamente 60 casas no Morro do Bumba, na Zona Norte de Niterói (RJ), ainda defendem a hipótese de o deslizamento ter sido causado por uma explosão provocada por gás metano, visto que esse local foi um lixão entre os anos 1960 e 1980. Jornal Web. Disponível em: http://www.ojornalweb.com. Acesso em: 12 abr. 2010 (adaptado). O gás mencionado no texto é produzido a) como subproduto da respiração aeróbia bacteriana. b) pela degradação anaeróbia de matéria orgânica por bactérias. c) como produto da fotossíntese de organismos pluricelulares autotróficos. d) pela transformação química do gás carbônico em condições anaeróbias. e) pela conversão, por oxidação química, do gás carbônico sob condições aeróbias. (Enem 2013) Estudos de fluxo de energia em ecossistemas demonstram que a alta produtividade nos manguezais está diretamente relacionada às taxas de produção primária líquida e à rápida reciclagem dos nutrientes. Como exemplo de seres vivos encontrados nesse ambiente, temos: aves, caranguejos, insetos, peixes e algas. Dos grupos de seres vivos citados, os que contribuem diretamente para a manutenção dessa produtividade no referido ecossistema são a) aves. b) algas. c) peixes. d) insetos. e) caranguejos.
  • 9. Resolva (Enem 2013) Plantas terrestres que ainda estão em fase de crescimento fixam grandes quantidades de CO2, utilizando-o para formar novas moléculas orgânicas, e liberam grande quantidade de O2. No entanto, em florestas maduras, cujas árvores já atingiram o equilíbrio, o consumo de O2 pela respiração tende a igualar sua produção pela fotossíntese. A morte natural de árvores nessas florestas afeta temporariamente a concentração de O2 e de CO2 próximo à superfície do solo onde elas caíram. A concentração de O2 próximo ao solo, no local da queda, será a) menor, pois haverá consumo de O2 durante a decomposição dessas árvores. b) maior, pois haverá economia de O2 pela ausência das árvores mortas. c) maior, pois haverá liberação de O2 durante a fotossíntese das árvores jovens. d) igual, pois haverá consumo e produção de O2 pelas árvores maduras restantes. e) menor, pois haverá redução de O2 pela falta da fotossíntese realizada pelas árvores mortas. (Enem 2011) Os personagens da figura estão representando uma situação hipotética de cadeia alimentar. Suponha que, em cena anterior à apresentada, o homem tenha se alimentado de frutas e grãos que conseguiu coletar. Na hipótese de, nas próximas cenas, o tigre ser bem-sucedido e, posteriormente, servir de alimento aos abutres, tigre e abutres ocuparão, respectivamente, os níveis tróficos de a) produtor e consumidor primário. b) consumidor primário e consumidor secundário. c) consumidor secundário e consumidor terciário. d) consumidor terciário e produtor. e) consumidor secundário e consumidor primário.
  • 10. Ecologia Água: a escassez na abundância Hoje, 40% da população do planeta já sofre as consequências da falta de água. Além do aumento da sede no mundo, a falta de recursos hídricos tem graves implicações econômicas e políticas para as nações A diminuição da água no mundo é constante e, muitas vezes, silenciosa. Seus ruídos tendem a ser percebidos apenas quando é tarde para agir. Das dez bacias hidrográficas mais densa- mente povoadas do mundo, grupo que compreende os arredores de rios como o indiano Ganges e o chinês Yang-tsé, cinco já são exploradas acima dos níveis considerados sustentáveis. Se nada mudar nas próximas décadas, cerca de 45% de toda a riqueza global será produzida em regiões sujeitas ao estresse hídrico. "Esse cenário terá impacto nas decisões de investimento e nos custos operacionais das empresas, afetando a competitividade das regiões", afirma um estudo da Veolia, empresa francesa de soluções ambientais. A falta de água em São Paulo está diretamente relacionada também com o consumo. Consumir menos é economizar água. ᔥ Planeta Sustentável • Calça jeans: 1800 litros • Sapatos: 8000 litros • Camiseta: 2700 litros Água Virtual:
  • 11. Ecologia Ciclos biogeoquímicos: Ciclo da água A manutenção de florestas além de auxiliar no equilíbrio térmico do planeta, ajuda a reestabelecer o regime de chuva em regiões com escassez. A falta de água em São Paulo, por exemplo tem relação com o desmatamento amazônico. A evapotranspiração da vegetação aumenta a formação massas de ar úmidas. Os “rios voadores”. • O pequeno ciclo envolve evaporação e precipitação • O grande ciclo é aquele que envolve seres vivos.
  • 12. Ecologia Emissões de CO2 ficam estáveis em 2014 É a primeira vez em 44 anos que as taxas de emissões permaneceram estáveis sem uma recessão econômica mundial. De acordo com o relatório, em 2014 foram emitidos 32,3 bilhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) no planeta, exatamente a mesma quantidade registrada em 2013. A AIE atribui a estagnação aos esforços mundiais de mitigação de emissões, especialmente na China e em países como Estados Unidos, Canadá e da Europa Ocidental, onde houve mudanças nos padrões de consumo de energia. “Isso me dá ainda mais esperança de que a humanidade será capaz de trabalhar unida para combater as mudanças climáticas, que são a mais importante ameaça que enfrentamos atualmente", disse o economista- chefe da AIE, Fatih Birol, recentemente indicado para ser o próximo diretor executivo da agência com sede em Paris. O gás carbônico (CO2) e o metano (CH4) são os principais gases causadores do efeito- estufa, que é fundamental à manutenção da temperatura da Terra, mas em condições exageradas provoca aquecimento excessivo. ᔥ Estadão Causadores do efeito estufa: • Combustão, principalmente de derivados do petróleo (CO2) • Fertilizantes utilizados na agricultura que liberam óxido nitroso (N2O), • A produção e transporte de gás e petróleo, arrozais, lixões e os processos digestivos de ruminantes que emitem metano (CH4) • Os condicionadores de ar e refrigeradores que emitem os clorofluorcarbonos (CFCs)
  • 13. Resolva (Enem 2014) O potencial brasileiro para transformar lixo em energia permanece subutilizado — apenas pequena parte dos resíduos brasileiros é utilizada para gerar energia. Contudo, bons exemplos são os aterros sanitários, que utilizam a principal fonte de energia ali produzida. Alguns aterros vendem créditos de carbono com base no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), do Protocolo de Kyoto. Essa fonte de energia subutilizada, citada no texto, é o a) etanol, obtido a partir da decomposição da matéria orgânica por bactérias. b) gás natural, formado pela ação de fungos decompositores da matéria orgânica. c) óleo de xisto, obtido pela decomposição da matéria orgânica pelas bactérias anaeróbias. d) gás metano, obtido pela atividade de bactérias anaeróbias na decomposição da matéria orgânica. e) gás liquefeito de petróleo, obtido pela decomposição de vegetais presentes nos restos de comida. (Enem 2013) Sabe-se que o aumento da concentração de gases como CO2, CH4 e N2O na atmosfera é um dos fatores responsáveis pelo agravamento do efeito estufa. A agricultura é uma das atividades humanas que pode contribuir tanto para a emissão quanto para o sequestro desses gases, dependendo do manejo da matéria orgânica do solo. ROSA, A. H.; COELHO, J. C. R. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola. São Paulo, n. 5, nov. 2003 (adaptado). De que maneira as práticas agrícolas podem ajudar a minimizar o agravamento do efeito estufa? a) Evitando a rotação de culturas. b) Liberando o CO2 presente no solo. c) Aumentando a quantidade de matéria orgânica do solo. d) Queimando a matéria orgânica que se deposita no solo. e) Atenuando a concentração de resíduos vegetais do solo.
  • 14. Resolva (Enem 2011) De acordo com o relatório “A grande sombra da pecuária” (Livestock’s Long Shadow), feito pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação, o gado é responsável por cerca de 18% do aquecimento global, uma contribuição maior que a do setor de transportes. Disponível em: www.conpet.gov.br. Acesso em: 22 jun. 2010. A criação de gado em larga escala contribui para o aquecimento global por meio da emissão de a) metano durante o processo de digestão. b) óxido nitroso durante o processo de ruminação. c) clorofluorcarbono durante o transporte de carne. d) óxido nitroso durante o processo respiratório. e) dióxido de enxofre durante o consumo de pastagens.
  • 15. Resolva (Enem 2013) Segundo dados do Balanço Energético Nacional de 2008, do Ministério das Minas e Energia, a matriz energética brasileira é composta por hidrelétrica (80%), termelétrica (19,9%) e eólica (0,1%). Nas termelétricas, esse percentual é dividido conforme o combustível usado, sendo: gás natural (6,6%), biomassa (5,3%), derivados de petróleo (3,3%), energia nuclear (3,1%) e carvão mineral (1,6%). Com a geração de eletricidade da biomassa, pode-se considerar que ocorre uma compensação do carbono liberado na queima do material vegetal pela absorção desse elemento no crescimento das plantas. Entretanto, estudos indicam que as emissões de metano das hidrelétricas podem ser comparáveis às emissões de das termelétricas. MORET, A. S.; FERREIRA, I. A. As hidrelétricas do Rio Madeira e os impactos socioambientais da eletrificação no Brasil. Revista Ciência Hoje. V. 45, n° 265, 2009 (adaptado). No Brasil, em termos do impacto das fontes de energia no crescimento do efeito estufa, quanto à emissão de gases, as hidrelétricas seriam consideradas como uma fonte a) limpa de energia, contribuindo para minimizar os efeitos deste fenômeno. b) eficaz de energia, tornando-se o percentual de oferta e os benefícios verificados. c) limpa de energia, não afetando ou alterando os níveis dos gases do efeito estufa. d) poluidora, colaborando com níveis altos de gases de efeito estufa em função de seu potencial de oferta. e) alternativa, tomando-se por referência a grande emissão de gases de efeito estufa das demais fontes geradoras.
  • 16. Leguminosas são todas as plantas que produzem frutos do tipo vagem. Ex. soja, feijão, amendoim, lentilha, grão-de-bico. Ecologia Curiosity encontra nitrogênio fixado em sedimentos em Marte Nitrogênio é elemento imprescindível para a vida. Instrumento coletou amostras de três regiões diferentes do planeta. A presença do elemento no planeta foi verificada a partir do instrumento Sample Analysis at Mars (SAM, sigla em inglês), que coletou amostras de três lugares diferentes, informou o CSIC em uma nota de imprensa. Duas dessas amostras foram conseguidas com perfurações feitas em rochas batizadas como "Sheepbed", durante uma missão na "Yellowknife Bay", local onde, acredita-se, existiram lagos e rios em algum momento da história geológica do planeta. A terceira amostra provém de um depósito de areia, que representa a poeira de Marte. O nitrogênio é fundamental à vida como conhecemos pois é com ele que formamos as famosas bases nitrogenadas do DNA e do RNA. Também os aminoácidos, componentes das proteínas. ᔥ G1 Ciclo do nitrogênio: Existem duas vias de incorporação de nitrogênio nos seres: • Fixação de N2 atmosférico; • Decomposição de matéria orgânica IMPORTANTE: A rotação de culturas é uma técnica que consiste em alternar o plantio de uma gramínea (milho, aveia, trigo, azevém...) que produz muita matéria orgânica e realiza boa cobertura com uma leguminosa, que incorpora nitrogênio ao solo.
  • 17. Resolva (Enem 2014) A aplicação excessiva de fertilizantes nitrogenados na agricultura pode acarretar alterações no solo e na água pelo acúmulo de compostos nitrogenados, principalmente a forma mais oxidada, favorecendo a proliferação de algas e plantas aquáticas e alterando o ciclo do nitrogênio, representado no esquema. A espécie nitrogenada mais oxidada tem sua quantidade controlada por ação de microrganismos que promovem a reação de redução dessa espécie, no processo denominado desnitrificação. O processo citado está representado na etapa a) I. b) II. c) III. d) IV. e) V.
  • 18. Harmônicas Intraespecíficas Sociedade (ex. abelhas, formigas, cupins, lobos) Colônia (ex. corais, caravelas, esponjas, bactérias) Interespecíficas Mutualismo (ex. líquens, micorrizas, cupins e protozoários) Protocooperação (ex. jacaré e pássaro-palito) Comensalismo (ex. seres que se aproveitam dos restos alimentares de outros) Desarmônicas Intraespecíficas Canibalismo (ex. louva-a-deus, viúva-negra) Competição (ex. machos disputando fêmeas) Interespecíficas Competição (ex. disputa por espaço e sol entre duas árvores) Amensalismo (ex. eucalipto derruba folhas que inibem o desenvolvimento de outras plantas) Predatismo (ex. predador x presa) Parasitismo (ex. piolhos, pulgas, doenças) As abelhas estão desaparecendo. E isso é preocupante Nos últimos anos, a quantidade de abelhas tem diminuído no mundo. Pragas e uso de pesticidas estão entre as principais causas desse fenômeno, que já afeta o Brasil Dois terços dos alimentos que nós ingerimos são cultivados com a ajuda das abelhas. Na busca de pólen, sua refeição, esses insetos polinizam plantações de frutas, legumes e grãos. Em tempos em que a escassez mundial de comida é pauta das autoridades no assunto - como a recomendação da ONU para consumir mais insetos - a perspectiva de ficar sem a ajuda desses seres no abastecimento alimentar seria alarmante. E é o que está acontecendo. Em 2006, apicultores nos Estados Unidos começaram a notar que suas colônias de abelhas estavam desaparecendo. Cientistas investigaram e comprovaram o fenômeno, que foi batizado de colony collapse disorder (síndrome do colapso da colônia, CCD). Sete anos depois, o sumiço continua: no inverno de 2012 para 2013, dado mais recente, 31% das abelhas americanas deixaram de existir. Muitas plantas dependem exclusivamente de abelhas para a sua polinização, configurando uma relação harmônica de mutualismo. Em outros casos, em que não há dependência, ocorre a chamada protocooperação. ᔥ Veja Ecologia Relações ecológicas:
  • 19. Resolva (Enem 2014) Os parasitoides (misto de parasitas e predadores) são insetos diminutos que têm hábitos muito peculiares: suas larvas podem se desenvolver dentro do corpo de outros organismos, como mostra a figura. A forma adulta se alimenta de pólen e açúcares. Em geral, cada parasitoide ataca hospedeiros de determinada espécie e, por isso, esses organismos vêm sendo amplamente usados para o controle biológico de pragas agrícolas. A forma larval do parasitoide assume qual papel nessa cadeia alimentar? a) Consumidor primário, pois ataca diretamente uma espécie herbívora. b) Consumidor secundário, pois se alimenta diretamente dos tecidos da lagarta. c) Organismo heterótrofo de primeira ordem, pois se alimenta de pólen na fase adulta. d) Organismo heterótrofo de segunda ordem, pois apresenta o maior nível energético na cadeia. e) Decompositor, pois se alimenta de tecidos do interior do corpo da lagarta e a leva à morte.
  • 20. Resolva (Enem 2014) Existem bactérias que inibem o crescimento de um fungo causador de doenças no tomateiro, por consumirem o ferro disponível no meio. As bactérias também fazem fixação de nitrogênio, disponibilizam cálcio e produzem auxinas, substâncias que estimulam diretamente o crescimento do tomateiro. PELZER, G. Q. et al. “Mecanismos de controle da murcha-de-esclerócio e promoção de crescimento em tomateiro mediados por rizobactérias”. Tropical PIant Pathology, v. 36, n. 2, mar. abr. 2011 (adaptado). Qual dos processos biológicos mencionados indica uma relação ecológica de competição? a) Fixação de nitrogênio para o tomateiro. b) Disponibilização de cálcio para o tomateiro. c) Diminuição da quantidade de ferro disponível para o fungo. d) Liberação de substâncias que inibem o crescimento do fungo. e) Liberação de auxinas que estimulam o crescimento do tomateiro. (Enem 2013) No Brasil, cerca de 80% da energia elétrica advém de hidrelétricas, cuja construção implica o represamento de rios. A formação de um reservatório para esse fim, por sua vez, pode modificar a ictiofauna local. Um exemplo é o represamento do Rio Paraná, onde se observou o desaparecimento de peixes cascudos quase que simultaneamente ao aumento do número de peixes de espécies exóticas introduzidas, como o mapará e a corvina, as três espécies com nichos ecológicos semelhantes. PETESSE, M. L.; PETRERE JR., M. Ciência Hoje, São Paulo, n. 293, v. 49, jun. 2012 (adaptado). Nessa modificação da ictiofauna, o desaparecimento de cascudos é explicado pelo(a) a) redução do fluxo gênico da espécie nativa. b) diminuição da competição intraespecífica. c) aumento da competição interespecífica. d) isolamento geográfico dos peixes. e) extinção de nichos ecológicos.
  • 21. Resolva (Enem 2011) O controle biológico, técnica empregada no combate a espécies que causam danos e prejuízos aos seres humanos, é utilizado no combate à lagarta que se alimenta de folhas de algodoeiro. Algumas espécies de borboleta depositam seus ovos nessa cultura. A microvespa Trichogramma sp. introduz seus ovos nos ovos de outros insetos, incluindo os das borboletas em questão. Os embriões da vespa se alimentam do conteúdo desses ovos e impedem que as larvas de borboleta se desenvolvam. Assim, é possível reduzir a densidade populacional das borboletas até níveis que não prejudiquem a cultura. A técnica de controle biológico realizado pela microvespa Trichogramma sp. consiste na a) introdução de um parasita no ambiente da espécie que se deseja combater. b) introdução de um gene letal nas borboletas para diminuir o número de indivíduos. c) competição entre a borboleta e a microvespa para a obtenção de recursos. d) modificação do ambiente para selecionar indivíduos melhor adaptados. e) aplicação de inseticidas a fim de diminuir o número de indivíduos que se deseja combater.
  • 22. Resolva (Enem 2012) A figura representa um dos modelos de um sistema de interações entre seres vivos. Ela apresenta duas propriedades, P1 e P2, que interagem em I, para afetar uma terceira propriedade, P3, quando o sistema é alimentado por uma fonte de energia, E. Essa figura pode simular um sistema de campo em que P1 representa as plantas verdes; P2 um animal herbívoro e P3, um animal onívoro. A função interativa I representa a proporção de a) herbivoria entre P1 e P2. b) polinização entre P1 e P2. c) P3 utilizada na alimentação de P1 e P2. d) P1 ou P2 utilizada na alimentação de P3. e) energia de P1 e de P2 que saem do sistema.
  • 23. Ecologia Poluição de Nova Déli provoca danos pulmonares permanentes em crianças Quando me tornei correspondente do jornal "The New York Times" no sul da Ásia, três anos atrás, minha mulher e eu ficamos entusiasmados. Nós estávamos preparados para enfrentar dificuldades: pedintes insistentes, dengue endêmica e o calor que pode chegar a 50°C no verão. Não fazíamos ideia, porém, de como Nova Déli poderia ser perigosa para nossos dois meninos. Pouco a pouco descobrimos que o verdadeiro perigo de Déli vem do ar, da água, dos alimentos e das moscas. Esses perigos adoecem, incapacitam e matam milhões de pessoas por ano na Índia, gerando um dos piores desastres mundiais de saúde pública. Descobrimos que Déli enfrenta uma gravíssima crise respiratória pediátrica. Um estudo mostrou que quase metade das 4,4 milhões de crianças do ensino primário e secundário da cidade já sofreram danos pulmonares irreversíveis devido ao ar. A poluição atmosférica, em função da matéria particulada lançada no ar, causa problemas respiratórios e , em função da liberação de gases, provoca danos aos ecossistemas: • Efeito estufa; • Inversão térmica; • Destruição da camada de ozônio. ᔥ Folha Online Inversão térmica: A inversão térmica ocorre em dias frios quando o material particulado da poluição não se dissipa. Sendo assim, uma cortina de fuligem impede a passagem dos raios solares mantendo ainda mais fria a superfície da cidade
  • 24. "Por que há tantos peixes mortos na Lagoa?, perguntou à reportagem do G1 o canadense Pam Nelson, que mora no Brasil há poucos meses. "Eu já tinha ouvido falar que estava assim, mas é horrível. Nunca imaginei que pudesse haver algo assim. O cheiro é medonho. Eu achei que eles limpassem a lagoa com mais frequência", afirmou o estrangeiro, logo após cair da bicicleta devido a um buraco na Ciclovia da Lagoa. Até esta sexta-feira, já haviam sido recolhidas 40 toneladas de peixes mortos. 'E vão disputar provas olímpicas aqui? Que horror!'. A exclamação é de Jay Neubauer, de 49 anos, que também veio do Canadá, sobre o cheiro e as condições de insalubridade da Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul do Rio. Cariocas e trabalhadores também reclamaram dos problemas no local. Os peixes recolhidos são totalmente impróprios para consumo pela alta concentração de bactérias na água e no corpo do animal. Não recolher os animais agrava ainda mais a eutrofização, liberação de gases mau-cheirosos e causadores de efeito-estufa. ᔥ G1 Ecologia Mortandade de peixes na Lagoa Rodrigo de Freitas incomoda turistas Cheiro forte e mortandade de peixes incomodam. Comlurb já recolheu 40t. Local receberá provas de remo e canoagem nas Olimpíadas de 2016. Eutrofização da água: 1) Excesso de nutrientes (principalmente fosfatos e nitratos) vai parar na água por esgoto doméstico ou lixiviação de lavouras; 2) Fitoplâncton se prolifera absurdamente rápido e formam uma “cortina” na superfície da água; 3) A cortina impede a passagem de luz provocando a morte das algas pluricelulares; 4) A decomposição das algas provoca a proliferação de bactérias aeróbicas; 5) Bactérias consomem o O2 causando a morte de animais e protozoários (peixes e zooplâncton); 6) A morte dos animais aumenta a população de bactérias anaeróbicas.
  • 25. Resolva (Enem 2010) No ano de 2000, um vazamento em dutos de óleo na baía de Guanabara (RJ) causou um dos maiores acidentes ambientais do Brasil. Além de afetar a fauna e a flora, o acidente abalou o equilíbrio da cadeia alimentar de toda a baía. O petróleo forma uma película na superfície da água, o que prejudica as trocas gasosas da atmosfera com a água e desfavorece a realização de fotossíntese pelas algas, que estão na base da cadeia alimentar hídrica. Além disso, o derramamento de óleo contribuiu para o envenenamento das árvores e, consequentemente, para a intoxicação da fauna e flora aquáticas, bem como conduziu à morte diversas espécies de animais, entre outras formas de vida, afetando também a atividade pesqueira. LAUBIER, L. Diversidade da Maré Negra. In: Scientific American Brasil 4(39), ago. 2005 (adaptado). A situação exposta no texto e suas implicações a) indicam a independência da espécie humana com relação ao ambiente marinho. b) alertam para a necessidade do controle da poluição ambiental para redução do efeito estufa. c) ilustram a interdependência das diversas formas de vida (animal, vegetal e outras) e o seu habitat. d) indicam a alta resistência do meio ambiente à ação do homem, além de evidenciar a sua sustentabilidade mesmo em condições extremas de poluição. e) evidenciam a grande capacidade animal de se adaptar às mudanças ambientais, em contraste com a baixa capacidade das espécies vegetais, que estão na base da cadeia alimentar hídrica.
  • 26. Resolva (Enem 2010) O despejo de dejetos de esgotos domésticos e industriais vem causando sérios problemas aos rios brasileiros. Esses poluentes são ricos em substâncias que contribuem para a eutrofização de ecossistemas, que é um enriquecimento da água por nutrientes, o que provoca um grande crescimento bacteriano e, por fim, pode promover escassez de oxigênio. Uma maneira de evitar a diminuição da concentração de oxigênio no ambiente é: a) Aquecer as águas dos rios para aumentar a velocidade de decomposição dos dejetos. b) Retirar do esgoto os materiais ricos em nutrientes para diminuir a sua concentração nos rios. c) Adicionar bactérias anaeróbicas às águas dos rios para que elas sobrevivam mesmo sem o oxigênio. d) Substituir produtos não degradáveis por biodegradáveis para que as bactérias possam utilizar os nutrientes. e) Aumentar a solubilidade dos dejetos no esgoto para que os nutrientes fiquem mais acessíveis às bactérias.
  • 27. Ecologia Solo de 16 municípios do Acre está contaminado por DDT, diz pesquisa Resíduos do pesticida foram encontrados em casas ainda habitadas. Ao todo, foram coletadas 320 amostras de solo durante dois anos de projeto. Apontado como o responsável pela morte de pelo menos 240 ex-guardas da extinta Superintendência de Campanhas de Saúde Pública (Sucam), o pesticida Diclorodifeniltricloroetano (DDT), usado na década de 70 a 90 para o controle mosquito da malária na região amazônica, foi encontrado no solo de 16 municípios do Acre. É o que revela uma pesquisa feita pelo professor do Instituto Federal do Acre (IFAC), Luis Pedro de Melo Plese. O estudo avaliou o solo de 17 municípios do estado e durou dois anos. Segundo o professor, o objetivo da pesquisa era identificar essas áreas para que fossem realizadas ações de descontaminação. O DDT era aplicado por ex-servidores da Sucam, que atualmente lutam na Justiça para serem reconhecidos e terem atendimento prioritário na saúde pública. A Associação DDT e Luta Pela Vida estima ao menos 247 mortes de ex- agentes pela contaminação do pesticida. O DDT está intimamente relacionado com o surgimento de câncer, má formação fetal e desenvolvimento parcial de ovos em aves. O diclorodifeniltricloroetano é um bioacumulador e demora cerca de 30 anos para ser eliminado do ambiente. ᔥ G1 Magnificação trófica: Lembre-se, os bioacumuladores tais como o DDT, chumbo e elementos radioativos ficam acumulados em maior quantidade sempre no final da cadeia alimentar.
  • 28. CAATINGA • Solo fértil; • Vegetação xeromórfica; • Árvores caducas nas estação seca. Ecologia AMAZÔNIA • Maior biodiversidade e bacia hidrográfica do mundo; • Solo pobre e arenoso; • Alta pluviosidade; • Plantas perenes e latifoliadas. CERRADO • Solo muitas vezes tóxico (alumínio) e ácido; • Vegetação adaptada às queimadas. Com raízes profundas, cascas grossas, folhas coriáceas, caules tortuosos, gemas pilosas; • Savana brasileira: árvores esparsas e campos. MATA ATLÂNTICA • Bioma mais degradado; • Vegetação densa e perene (baixa latitude); • Vegetação mista e semi-decídua (mais ao sul). Com ou sem Araucaria. PANTANAL • Planície alagadiça; • Plantas tolerantes ao solo encharcado; • Alta diversidade de aves, répteis e anfíbios. CAMPOS (PAMPAS) SULINOS • Vegetação de gramíneas (herbácea); • Bioma propenso à desertificação (intensificado pela latitude, desmatamento amazônico e gado extensivo) • Solo salino. Ecótones são regiões de transição ecossistêmica, normalmente com muita biodiversidade.
  • 29. Resolva (Enem 2014) Uma região de Cerrado possui lençol freático profundo, estação seca bem marcada, grande insolação e recorrência de incêndios naturais. Cinco espécies de árvores nativas, com as características apresentadas no quadro, foram avaliadas quanto ao seu potencial para uso em projetos de reflorestamento nessa região. Qual é a árvore adequada para o reflorestamento dessa região? a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5 Característica Árvore 1 Árvore 2 Árvore 3 Árvore 4 Árvore 5 Superfície foliar Coberta por tricomas Coberta por cera Coberta por cera Coberta por espinhos Coberta por espinhos Profundidade das raízes Baixa Alta Baixa Baixa Alta
  • 30. Resolva A imagem retrata a araucária, árvore que faz parte de um importante bioma brasileiro que, no entanto, já foi bastante degradado pela ocupação humana. Uma das formas de intervenção humana relacionada à degradação desse bioma foi a) o avanço do extrativismo de minerais metálicos voltados para a exportação na região Sudeste. b) a contínua ocupação agrícola intensiva de grãos na região Centro-Oeste do Brasil. c) o processo de desmatamento motivado pela expansão da atividade canavieira no Nordeste brasileiro. d) o avanço da indústria de papel e celulose a partir da exploração da madeira, extraída principalmente no Sul do Brasil. e) o adensamento do processo de favelização sobre áreas da Serra do Mar na região Sudeste. (Enem 2011)
  • 31. Resolva (Enem 2010) Dois pesquisadores percorreram os trajetos marcados no mapa. A tarefa deles foi analisar os ecossistemas e, encontrando problemas, relatar e propor medidas de recuperação. A seguir, são reproduzidos trechos aleatórios extraídos dos relatórios desses dois pesquisadores. Trechos aleatórios extraídos do relatório do pesquisador P1: I. "Por causa da diminuição drástica das espécies vegetais deste ecossistema, como os pinheiros, a gralha azul também está em processo de extinção". II. "As árvores de troncos tortuosos e cascas grossas que predominam nesse ecossistema estão sendo utilizadas em carvoarias". Trechos aleatórios extraídos do relatório do pesquisador P2: III. "Das palmeiras que predominam nesta região podem ser extraídas substâncias importantes para a economia regional", IV. "Apesar da aridez desta região, em que encontramos muitas plantas espinhosas, não se pode desprezar a sua biodiversidade". Ecossistemas brasileiros: mapa de distribuição de ecossistemas. Os trechos I, II, III e IV referem-se, pela ordem, aos seguintes ecossistemas: a) Caatinga, Cerrado, Zona dos Cocais e Floresta Amazônica. b) Mata de Araucárias, Cerrado, Zona dos Cocais e Caatinga. c) Manguezais, Zona dos Cocais, Cerrado e Mata Atlântica. d) Floresta Amazônica, Cerrado, Mata Atlântica e Pampas. e) Mata Atlântica, Cerrado, Zona dos Cocais e Pantanal.
  • 32. https://www.facebook.com/biologiaprofgui Curta a página do professor Guilherme no Facebook