SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
As imagens a seguir foram feitas com o intuito de ajudar os alunos a entenderem os princípios gerais das leis de Mendel, ou seja, os fundamentos da genética moderna. Alguns esquemas são muito sintéticos, portanto devem ser compreendidos com o auxílio de outras fontes, como o livro didático de biologia, ou de outras pessoas, como seu professor(a). (para os mais afeitos à biologia, talvez este material seja auto-explicável, não sei ao certo) As Leis de Mendel
Quem foi Mendel? ,[object Object]
Monge  agostiniano, botânico  e meteorologista austríaco.
Considerado o ”pai” da genética
O que ele fez? Mendel cruzou plantas de ervilha entre si e observou como eram os filhos de cada cruzamento. Fez isso muitas vezes, de muitas formas diferentes.
Cruzando ervilhas Para quem nunca viu a ervilha fora da latinha...
Cruzando ervilhas Nome científico:  Pisum sativum Familia das Leguminosas (plantas com vagem, que possuem Rizóbios nas raízes, ajudando a fixação de nitrogênio)
As flores A ervilha é uma planta  monóica  (uma única forma com dois sexos, ou seja, hermafrodita). Por isso suas flores têm estruturas masculinas e femininas. Nas anteras está o pólen, que vai gerar o gameta masculino. O óvulo gera o gameta feminino (em plantas).
Para onde vão as flores? Você sabe o que acontece com as flores que não morrem? Não as flores de plástico. As flores que são polinizadas. O que acontece quando uma flor é polinizada? Reflita antes de prosseguir.
As flores viram frutos
Os frutos O fruto da ervilha é a vagem, dentro da qual estão as sementes.  As sementes em uma vagem são indivíduos geneticamente diferentes, e portanto podem apresentar variação de cor. Isto facilitou o trabalho de Mendel.
Cruzando ervilhas Veja ao lado como Mendel impedia a auto-fecundação (tesoura) e promovia a fecundação cruzada entre as ervilhas (pincel).
1a lei de Mendel Pois bem. Agora que você já conhece as ervilhas e os procedimentos, podemos começar. Vejamos como a criatividade deste monge, com tecnologia disponível desde o nascimento dos números (alguns milênios atrás), abriu caminhos para uma nova ciência. A ciência da herança.
1a lei de Mendel
1a lei de Mendel ,[object Object]
1a lei de Mendel ,[object Object]
1a lei de mendel
1a lei de Mendel
1a lei de Mendel Pois bem. A 1a lei diz que temos 2 alelos para cada característica (um recebido da mãe outro do pai) e que só passamos um deles para cada um de nossos filhos (ou seja, eles se separam na produção dos gametas). Mendel descobriu isso apenas cruzando ervilhas e contando o número de filhos em cada cruzamento. Por isso dizemos que o conceito de gene, sua ideia, nasceu antes da descoberta de sua base física, os cromossomos.
1a lei de Mendel Vamos fazer um esforço para entender melhor a base física da 1a lei de Mendel. Lembrando: os alelos se separam na produção dos gametas. Qual é mesmo o nome do processo que produz gametas?  (Pensando em animais. Nas plantas é um pouco diferente, mas isto não importa agora)
1a lei de Mendel ,[object Object]
Agora a pergunta que não quer calar.
Em que momento da meiose ocorre a separação dos dois alelos?
Reflita antes de ir adiante...
1a lei de Mendel
1a lei de Mendel Pois bem. Esta é a famosa 1a lei de Mendel, a origem de toda a genética moderna. Embora ela não seja universal (não vale para todos os casos de herança em todos os seres vivos conhecidos), seus princípios básicos se tornaram o fundamento matemático e conceitual de tudo que se faz hoje na área.
1a lei de Mendel A proporção de 3 para 1 prevista pela 1a lei depende da existência de um fenótipo determinado por um gene que possui duas variações na população, dois alelos, sendo um dominante (A) e o outro recessivo (a). É o que chamamos de  dominância  entre os alelos. Vejamos agora outros tipos de herança que seguem os mesmos princípios.
Relações entre alelos de um gene
Tipos Sanguíneos Como vimos, para analisar a herança dos tipos sanguíneos precisamos incluir dois genes, um que determina os tipos A, B, AB ou O (Sistema ABO), e outro que determina se é positivo ou negativo (Sistema Rh). Há também o sistema MN, menos utilizado. Com a 1a lei só podemos tratar de um gene, portanto precisamos de mais alguma coisa.
2a lei de Mendel Agora observaremos duas características ao mesmo tempo (cor e textura das sementes de ervilha). Cada característica é determinada por um gene com dois alelos em relação de dominância. Temos, portanto, 2 genes, 4 alelos e 4 fenótipos. Com a segunda lei de Mendel podemos analisar não apenas dois, mas  n  genes ao mesmo tempo.
2a lei de Mendel
2a lei de Mendel Nas palavras do próprio Mendel: “Em um cruzamento em que estejam envolvidos dois ou mais caracteres, os fatores que determinam cada um se separam (se segregam) de forma independente durante a formação dos gametas, se recombinam ao acaso e formam todas as combinações possíveis.”
As duas leis de Mendel
2a lei de Mendel Antes de ir adiante, tente prever as proporções fenotípicas de F2 utilizando o quadro de Punnet.
2a lei de Mendel ,[object Object]
2a lei de Mendel 9:3:3:1 Esta é a proporção fenotípica. Se quiser descobrir qual é a proporção genotípica, volte ao slide anterior e observe com atenção. Ou então dê uma olhada no próximo slide, porque a tarefa não é das mais fáceis mesmo...
2a lei de Mendel Proporção genotípica de F2: 4:2:2:1:2:1:2:1:1 Bem complicado, dá um certo trabalho verificar. Vejamos agora um desafio mais produtivo, que além de estimular os neurônios, vai ajudar você nos estudos mais avançados de genética. Além disso, ao tentar entender o problema proposto a seguir, você entenderá melhor o significado da 2a lei de Mendel.
2a lei de Mendel
2a lei de Mendel Calma! Não busque a resposta tão cedo. Pense um pouco mais...
2a lei de Mendel Tudo bem, apenas uma dica. Lembre-se de que as leis de Mendel se referem a um evento biológico específico, que é a produção de células reprodutivas, os gametas. Você já estudou este processo, a meiose, e já sabe qual é a base física dos genes (os cromossomos). Mendel não sabia nada disso. Agora volte alguns slides e pense mais um pouco...
2a lei de Mendel Pois bem. A resposta é simples. A 2a lei de Mendel não funciona quando estamos tratando de dois genes que estão no mesmo cromossomo. Isso não acontece no caso dos genes para cor e textura de ervilhas, eles estão em cromossomos diferentes. Mas acontece em muitos outros casos. É o que chamamos de genes ligados.
Genes Ligados São genes que estão no mesmo cromossomo. Eles costumam caminhar juntos através das gerações, porque fazem parte do mesmo corpo físico, estão literalmente grudados. Podemos perceber, com isso, que os cromossomos são conjuntos de genes que tendem a não se separar ao longo da evolução. Mas, como de costume na biologia, esta regra também tem exceções...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
Conceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de GenéticaConceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de Genética
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
 
Introdução à genética
Introdução à genética Introdução à genética
Introdução à genética
 
Codominancia e letalidade
Codominancia e letalidadeCodominancia e letalidade
Codominancia e letalidade
 
1 Leis De Mendel
1  Leis De Mendel1  Leis De Mendel
1 Leis De Mendel
 
Slide Genética
Slide GenéticaSlide Genética
Slide Genética
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Biotecnologia
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Heredogramas genetica
Heredogramas genetica Heredogramas genetica
Heredogramas genetica
 
Heredograma aula tqa
Heredograma aula tqaHeredograma aula tqa
Heredograma aula tqa
 
Interaçao genica
Interaçao genica Interaçao genica
Interaçao genica
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Leis de mendel
Leis de mendelLeis de mendel
Leis de mendel
 
Clonagem
ClonagemClonagem
Clonagem
 
Aula lei de mendel mendelismo sandra
Aula lei de mendel  mendelismo sandraAula lei de mendel  mendelismo sandra
Aula lei de mendel mendelismo sandra
 

Destaque (20)

Hereditariedade
HereditariedadeHereditariedade
Hereditariedade
 
Classificação das raízes, quanto à forma
Classificação das raízes, quanto à formaClassificação das raízes, quanto à forma
Classificação das raízes, quanto à forma
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
4hereditariedade
4hereditariedade4hereditariedade
4hereditariedade
 
Característias hereditárias
Característias hereditáriasCaracterístias hereditárias
Característias hereditárias
 
Transmissão das características hereditárias
Transmissão das características hereditáriasTransmissão das características hereditárias
Transmissão das características hereditárias
 
Noçoes de hereditariedade
Noçoes de hereditariedadeNoçoes de hereditariedade
Noçoes de hereditariedade
 
Heterocromia
HeterocromiaHeterocromia
Heterocromia
 
Caracteristicas Hereditárias
Caracteristicas HereditáriasCaracteristicas Hereditárias
Caracteristicas Hereditárias
 
Hereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhosHereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhos
 
As descobertas de Mendel 8°ano
As descobertas de Mendel 8°anoAs descobertas de Mendel 8°ano
As descobertas de Mendel 8°ano
 
Introdução à genética mendeliana
Introdução à genética mendelianaIntrodução à genética mendeliana
Introdução à genética mendeliana
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
04 - Mendel
04 - Mendel04 - Mendel
04 - Mendel
 
Gregor mendel
Gregor mendelGregor mendel
Gregor mendel
 
Hereditariedade
HereditariedadeHereditariedade
Hereditariedade
 
Introdução genética 2013
Introdução   genética  2013Introdução   genética  2013
Introdução genética 2013
 
Introduçao a genetica
Introduçao a geneticaIntroduçao a genetica
Introduçao a genetica
 
Noções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedadeNoções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedade
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 

Semelhante a As Leis de Mendel

II_Os primórdios de uma nova disciplina - Genética Mendeliana - UCB
II_Os primórdios de uma nova disciplina - Genética Mendeliana - UCBII_Os primórdios de uma nova disciplina - Genética Mendeliana - UCB
II_Os primórdios de uma nova disciplina - Genética Mendeliana - UCBRinaldo Pereira
 
Conceitos estruturantes da genética
Conceitos estruturantes da genéticaConceitos estruturantes da genética
Conceitos estruturantes da genéticaAndrea Cortelazzi
 
Biologia juciene
Biologia jucieneBiologia juciene
Biologia jucieneNTE
 
conceitosestruturantesdagentica-210910205452 (1).pptx
conceitosestruturantesdagentica-210910205452 (1).pptxconceitosestruturantesdagentica-210910205452 (1).pptx
conceitosestruturantesdagentica-210910205452 (1).pptxVictorGomes173122
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genéticoHugo Martins
 
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...Jose Carlos Machado Cunha
 
1 Lei de Mendel
1 Lei de Mendel1 Lei de Mendel
1 Lei de Mendelleupaty
 
A teoria sintética da evolução
A teoria sintética da evoluçãoA teoria sintética da evolução
A teoria sintética da evoluçãoMikael Oliveira
 
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendelvaniele17
 
II_A genética antes e depois de Mendel
II_A genética antes e depois de MendelII_A genética antes e depois de Mendel
II_A genética antes e depois de MendelRinaldo Pereira
 
9_ano_atividade_de_ciencias_007.pdf
9_ano_atividade_de_ciencias_007.pdf9_ano_atividade_de_ciencias_007.pdf
9_ano_atividade_de_ciencias_007.pdfssuserfae471
 

Semelhante a As Leis de Mendel (20)

II_Os primórdios de uma nova disciplina - Genética Mendeliana - UCB
II_Os primórdios de uma nova disciplina - Genética Mendeliana - UCBII_Os primórdios de uma nova disciplina - Genética Mendeliana - UCB
II_Os primórdios de uma nova disciplina - Genética Mendeliana - UCB
 
Resumo de biologia
Resumo de biologiaResumo de biologia
Resumo de biologia
 
Conceitos estruturantes da genética
Conceitos estruturantes da genéticaConceitos estruturantes da genética
Conceitos estruturantes da genética
 
Biologia juciene
Biologia jucieneBiologia juciene
Biologia juciene
 
GENÉTICA.pptx
GENÉTICA.pptxGENÉTICA.pptx
GENÉTICA.pptx
 
conceitosestruturantesdagentica-210910205452 (1).pptx
conceitosestruturantesdagentica-210910205452 (1).pptxconceitosestruturantesdagentica-210910205452 (1).pptx
conceitosestruturantesdagentica-210910205452 (1).pptx
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genético
 
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
 
1 Lei de Mendel
1 Lei de Mendel1 Lei de Mendel
1 Lei de Mendel
 
A teoria sintética da evolução
A teoria sintética da evoluçãoA teoria sintética da evolução
A teoria sintética da evolução
 
Mendel
MendelMendel
Mendel
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Biologia 3ano
Biologia 3anoBiologia 3ano
Biologia 3ano
 
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
 
Leis de Mendel.ppt
Leis de Mendel.pptLeis de Mendel.ppt
Leis de Mendel.ppt
 
2- GENÉTICA.pptx
2- GENÉTICA.pptx2- GENÉTICA.pptx
2- GENÉTICA.pptx
 
II_A genética antes e depois de Mendel
II_A genética antes e depois de MendelII_A genética antes e depois de Mendel
II_A genética antes e depois de Mendel
 
LEIS DE MENDEL.pptx
LEIS DE MENDEL.pptxLEIS DE MENDEL.pptx
LEIS DE MENDEL.pptx
 
9_ano_atividade_de_ciencias_007.pdf
9_ano_atividade_de_ciencias_007.pdf9_ano_atividade_de_ciencias_007.pdf
9_ano_atividade_de_ciencias_007.pdf
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 

Último

CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 

Último (20)

“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 

As Leis de Mendel

  • 1. As imagens a seguir foram feitas com o intuito de ajudar os alunos a entenderem os princípios gerais das leis de Mendel, ou seja, os fundamentos da genética moderna. Alguns esquemas são muito sintéticos, portanto devem ser compreendidos com o auxílio de outras fontes, como o livro didático de biologia, ou de outras pessoas, como seu professor(a). (para os mais afeitos à biologia, talvez este material seja auto-explicável, não sei ao certo) As Leis de Mendel
  • 2.
  • 3. Monge agostiniano, botânico e meteorologista austríaco.
  • 4. Considerado o ”pai” da genética
  • 5. O que ele fez? Mendel cruzou plantas de ervilha entre si e observou como eram os filhos de cada cruzamento. Fez isso muitas vezes, de muitas formas diferentes.
  • 6. Cruzando ervilhas Para quem nunca viu a ervilha fora da latinha...
  • 7. Cruzando ervilhas Nome científico: Pisum sativum Familia das Leguminosas (plantas com vagem, que possuem Rizóbios nas raízes, ajudando a fixação de nitrogênio)
  • 8. As flores A ervilha é uma planta monóica (uma única forma com dois sexos, ou seja, hermafrodita). Por isso suas flores têm estruturas masculinas e femininas. Nas anteras está o pólen, que vai gerar o gameta masculino. O óvulo gera o gameta feminino (em plantas).
  • 9. Para onde vão as flores? Você sabe o que acontece com as flores que não morrem? Não as flores de plástico. As flores que são polinizadas. O que acontece quando uma flor é polinizada? Reflita antes de prosseguir.
  • 10. As flores viram frutos
  • 11. Os frutos O fruto da ervilha é a vagem, dentro da qual estão as sementes. As sementes em uma vagem são indivíduos geneticamente diferentes, e portanto podem apresentar variação de cor. Isto facilitou o trabalho de Mendel.
  • 12. Cruzando ervilhas Veja ao lado como Mendel impedia a auto-fecundação (tesoura) e promovia a fecundação cruzada entre as ervilhas (pincel).
  • 13. 1a lei de Mendel Pois bem. Agora que você já conhece as ervilhas e os procedimentos, podemos começar. Vejamos como a criatividade deste monge, com tecnologia disponível desde o nascimento dos números (alguns milênios atrás), abriu caminhos para uma nova ciência. A ciência da herança.
  • 14. 1a lei de Mendel
  • 15.
  • 16.
  • 17. 1a lei de mendel
  • 18. 1a lei de Mendel
  • 19. 1a lei de Mendel Pois bem. A 1a lei diz que temos 2 alelos para cada característica (um recebido da mãe outro do pai) e que só passamos um deles para cada um de nossos filhos (ou seja, eles se separam na produção dos gametas). Mendel descobriu isso apenas cruzando ervilhas e contando o número de filhos em cada cruzamento. Por isso dizemos que o conceito de gene, sua ideia, nasceu antes da descoberta de sua base física, os cromossomos.
  • 20. 1a lei de Mendel Vamos fazer um esforço para entender melhor a base física da 1a lei de Mendel. Lembrando: os alelos se separam na produção dos gametas. Qual é mesmo o nome do processo que produz gametas? (Pensando em animais. Nas plantas é um pouco diferente, mas isto não importa agora)
  • 21.
  • 22. Agora a pergunta que não quer calar.
  • 23. Em que momento da meiose ocorre a separação dos dois alelos?
  • 24. Reflita antes de ir adiante...
  • 25. 1a lei de Mendel
  • 26. 1a lei de Mendel Pois bem. Esta é a famosa 1a lei de Mendel, a origem de toda a genética moderna. Embora ela não seja universal (não vale para todos os casos de herança em todos os seres vivos conhecidos), seus princípios básicos se tornaram o fundamento matemático e conceitual de tudo que se faz hoje na área.
  • 27. 1a lei de Mendel A proporção de 3 para 1 prevista pela 1a lei depende da existência de um fenótipo determinado por um gene que possui duas variações na população, dois alelos, sendo um dominante (A) e o outro recessivo (a). É o que chamamos de dominância entre os alelos. Vejamos agora outros tipos de herança que seguem os mesmos princípios.
  • 29. Tipos Sanguíneos Como vimos, para analisar a herança dos tipos sanguíneos precisamos incluir dois genes, um que determina os tipos A, B, AB ou O (Sistema ABO), e outro que determina se é positivo ou negativo (Sistema Rh). Há também o sistema MN, menos utilizado. Com a 1a lei só podemos tratar de um gene, portanto precisamos de mais alguma coisa.
  • 30. 2a lei de Mendel Agora observaremos duas características ao mesmo tempo (cor e textura das sementes de ervilha). Cada característica é determinada por um gene com dois alelos em relação de dominância. Temos, portanto, 2 genes, 4 alelos e 4 fenótipos. Com a segunda lei de Mendel podemos analisar não apenas dois, mas n genes ao mesmo tempo.
  • 31. 2a lei de Mendel
  • 32. 2a lei de Mendel Nas palavras do próprio Mendel: “Em um cruzamento em que estejam envolvidos dois ou mais caracteres, os fatores que determinam cada um se separam (se segregam) de forma independente durante a formação dos gametas, se recombinam ao acaso e formam todas as combinações possíveis.”
  • 33. As duas leis de Mendel
  • 34. 2a lei de Mendel Antes de ir adiante, tente prever as proporções fenotípicas de F2 utilizando o quadro de Punnet.
  • 35.
  • 36. 2a lei de Mendel 9:3:3:1 Esta é a proporção fenotípica. Se quiser descobrir qual é a proporção genotípica, volte ao slide anterior e observe com atenção. Ou então dê uma olhada no próximo slide, porque a tarefa não é das mais fáceis mesmo...
  • 37. 2a lei de Mendel Proporção genotípica de F2: 4:2:2:1:2:1:2:1:1 Bem complicado, dá um certo trabalho verificar. Vejamos agora um desafio mais produtivo, que além de estimular os neurônios, vai ajudar você nos estudos mais avançados de genética. Além disso, ao tentar entender o problema proposto a seguir, você entenderá melhor o significado da 2a lei de Mendel.
  • 38. 2a lei de Mendel
  • 39. 2a lei de Mendel Calma! Não busque a resposta tão cedo. Pense um pouco mais...
  • 40. 2a lei de Mendel Tudo bem, apenas uma dica. Lembre-se de que as leis de Mendel se referem a um evento biológico específico, que é a produção de células reprodutivas, os gametas. Você já estudou este processo, a meiose, e já sabe qual é a base física dos genes (os cromossomos). Mendel não sabia nada disso. Agora volte alguns slides e pense mais um pouco...
  • 41. 2a lei de Mendel Pois bem. A resposta é simples. A 2a lei de Mendel não funciona quando estamos tratando de dois genes que estão no mesmo cromossomo. Isso não acontece no caso dos genes para cor e textura de ervilhas, eles estão em cromossomos diferentes. Mas acontece em muitos outros casos. É o que chamamos de genes ligados.
  • 42. Genes Ligados São genes que estão no mesmo cromossomo. Eles costumam caminhar juntos através das gerações, porque fazem parte do mesmo corpo físico, estão literalmente grudados. Podemos perceber, com isso, que os cromossomos são conjuntos de genes que tendem a não se separar ao longo da evolução. Mas, como de costume na biologia, esta regra também tem exceções...
  • 43. Genes Ligados Se os genes ligados são uma exceção da 2a lei de Mendel, qual poderia ser a exceção dos genes ligados? Mais uma pergunta difícil. Para respondê-la, precisaremos novamente nos lembrar do que estamos falando. As leis de Mendel se referem à meiose. O que pode acontecer durante a meiose que faria dois alelos ligados se desligarem? Como uma única meiose pode separar dois alelos que caminhavam juntos há milhares de anos?
  • 44. Genes Ligados Um tempinho para reflexão...
  • 45. Desligando Genes ligados A resposta: Crossing-over Também conhecido como Recombinação genética
  • 46. Concluindo Bem, se você chegou até aqui, meus parabéns! Agora já conhece o começo do início da genética, coisa antiga, do século XIX, mas nem por isso ultrapassada. Como um bom filósofo grego. Daí aos trangênicos há um bocado de chão, e o caminho vai ficando tanto mais difícil quanto mais fascinante. Porque você vai descobrindo como a natureza faz as coisas de maneira bela, sendo ao mesmo tempo simples e complexa, múltipla e una.
  • 47. Créditos Este slideshow foi feito por Rodrigo Travitzki, professor de Biologia do Colégio Equipe (SP). Ele pode ser utilizado livremente com finalidades didáticas não comerciais. Boa parte das imagens utilizadas estão disponíveis em melhor resolução no site: Rizomas* portal de educação e cultura www.rizomas.net