SlideShare uma empresa Scribd logo
1
LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS
CAPÍTULO VII: RETORNO À VIDA CORPORAL
7.1 – PRELÚDIOS DO RETORNO
7.2 – UNIÃO DA ALMA E DO CORPO – ABORTO
7.3 – FACULDADES MORAIS E INTELECTUAIS DO HOMEM
7.4 – INFLUÊNCIA DO ORGANISMO
7.5 – IDIOTISMO E LOUCURA
7.6 – DA INFÂNCIA
7.7 – SIMPATIAS E ANTIPATIAS TERRESTRES
7.8 – ESQUECIMENTO DO PASSADO
SLIDES:
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/271-preludios-do-retorno
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/272-uniao-da-alma-e-do-corpo-
aborto
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/273-faculdades-morais-e-
intelectuais-do-homem
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/274-inflencia-do-organismo
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/275-idiotismo-e-loucura
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/276-da-infancia
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/277-simpatias-e-antipatias-
terrestres
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/278-esquecimento-do-passado
2
7.1 – PRELÚDIOS DO RETORNO
330 – Os Espíritos conhecem a época em que reencarnarão?
Eles a pressentem como um cego sente o fogo de que se aproxima. Sabem
que devem retomar um corpo, como sabeis que devereis morrer um dia, mas
sem saber quando isso se dará. (166.)
330.a) A reencarnaçãoé, então,uma necessidadeda vida espírita,como
a morte é uma necessidade da vida corporal?
Certamente, assim é.
COMENTÁRIOS:
A reencarnação é necessária até que sejamos Espíritos perfeitos.
Por mais que o Espírito passe muito tempo na erraticidade ele sabe que em
algum momento precisaráretornarà vida material para continuar seuprocesso
evolutivo.
Os Espíritos não podem permanecer a vida toda só no plano espiritual. É
necessário passar pela reencarnação para progredir.
Então eles pressentem essa necessidade de reencarnar para continuar seu
processo evolutivo, para ajudar algum ente querido. Ele começa a sentir no
seu íntimo essa necessidade.
Da mesma forma que nós sabemos que iremos desencarnar um dia, o
Espirito também sabe que um dia terá que reencarnar. Ele, assim como nós
desconhecemos quando iremos desencarnar, também desconhece quando
irá reencarnar. O Espírito sabe, portanto, que isso é uma necessidade do
espírito, assim como morrer é uma necessidade da matéria.
Reencarnar é uma necessidadeenquanto o Espírito não é purificado.Daí não
precisará evoluir na matéria, embora continue no plano espiritual.
331 – Todos os Espíritos se preocupam com sua reencarnação?
Existem os que nem pensam nisso e mesmo não a compreendem; isso
depende de sua natureza mais ou menos avançada. Para alguns, a incerteza
em que se encontram de seu futuro é uma punição.
3
COMENTÁRIOS:
Uns se preocupam mais, outros menos e outros nem sabem.
O grau de evolução entre um Espírito e outro faz diferença na compreensão
da vida espiritual, das Leis de Deus e, consequentemente, do retorno do
Espírito à vida corporal para continuar seu processo evolutivo.
Quantas pessoas (reencarnadas) não compreendem ou não sabem o que é
reencarnação. O fato de passarmos para o plano espiritual não significa
deixarmos a ignorância e passar compreender tudo.
Muitos Espíritos com menos experiências reencarnatórias, com menos
progresso que ainda não compreendem as leis de Deus, a justiça divina, a
necessidade de progresso, a destinação do homem como Espírito perfeito e
feliz, não se preocupam com sua reencarnação, pois não a compreende.
Só com o tempo e o adiantamento do Espírito é que ele vai compreendendo e
se preocupando com a necessidade de reencarnar para dar continuidade ao
processo evolutivo.
A incerteza é uma punição, pois muitos não sabem quando terão uma
oportunidade de reencarnar, de sair da condição de sofrimento e dor que
possam estar vivenciando na espiritualidade.
Isso ocorre não porque Deus desejaa punição de seus filhos, mas porque tal
condição se torna necessária ao Espírito para que ele desperte e valorize a
vida e as leis de Deus e deixe de pensarúnica e exclusivamente em simesmo.
Deus sempre aguarda a nossa evolução, conforme o nosso livre arbítrio, para
que tudo seja gradativamente esclarecido. Deus não força a nossa natureza.
Simplesmente nos aguarda.
A ignorância é punida na espiritualidade. É uma forma de punição.
Vamos aproveitaro tempo aquipara estudar, para instruir. Vamos nos informar
sobre essa realidade que é nossa.
Nem todos os Espíritos se preocupam com a reencarnação. Muitos deles não compreendemessa lei. Há
Espíritos que,mesmosendotrabalhadoresde certas colôniasespirituais,ignorammuitasleis.Elesnãotêm
tamanho espiritual para compreenderem os destinos da alma com maior extensão. Muitos deles são
afetuosos,de sorte a agradar aos que convivemcom eles;a bondade já faz parte dos seussentimentos,no
entanto, ignoram as leis que os dirigem e comandam.
A reencarnaçãoé comose fossemdegrausemtodaanossasubidaespiritual:cadatrocade corporepresenta
um degrau alcançado. São mudanças de aprendizado, onde a consciência cresce e o coração se ilumina.
- No Mundo Maior
4
332 – Pode o Espírito aproximar ou retardar o momento de sua
encarnação?
Pode-se apressá-lo solicitando-o por seus votos; pode também retardá-lo, se
recua diante das provas, pois, entre os Espíritos,existem também covardes e
indiferentes. Todavia, não o fazem impunemente, pois sofrem como aquele
que recua diante de um remédio salutar que o pode curar.
COMENTÁRIOS:
Os Espíritos podem estar nos dois extremos. Uns querendo apressar a
reencarnação e outros querendo retardar.
O livre-arbítrio funciona nos dois planos (físico e espiritual).
Todos nós passamos um tempo na erraticidade. Trabalhando, estudando,
adquirindo experiências,se preparando para os desafiose lutas que uma nova
vida corpórea trará. É necessário se preparar para correr menos riscos de
cometer grandes falhas em uma nova etapa da vida.
Não adianta apressar a reencarnação se não estivermos preparados para
enfrentar as lutas que teremos pelafrente. O que adianta vir, reencarnar e falir
novamente. Então é preferívelaguardar um pouco mais, ficar um pouco mais
na erraticidade se preparando melhor para vencer as provas. Mas tem alguns
que anseiam tanto por vir e se colocam em um risco maior.
Outros retardam a reencarnação porque sabem que aqui passarão por
dificuldades, pois as provas, as dificuldades fazem parte do processo. Então
por medo, por indiferença, por covardia preferem ficar no plano espiritual,
principalmente, se não estiverem em uma condição de tanto sofrimento e dor.
Mas não fica nessa condição impunemente.
Desencarnação:
- Adiar – Dependendo do valor das obras realizadas o Espírito adia o
desencarne. O valor do trabalho que vem sendo realizado.
- Antecipar – Os vícios, os excessos (alimentação, ócio, trabalho,
preocupação)
- Ninguém morre de véspera (antes do tempo) – Há o planejamento, mas a
execução pode alterá-lo. De acordo com as nossas ações a gente altera o
nosso planejamento o tempo todo.
Todadecisão acarretaum conjunto de consequências cujas responsabilidades
recai sobre aquele que decidiu.
Espírito preguiçoso (freio e espora) – ESE – Capítulo IX, item 8 – pág. 98.
5
333 – Se um Espírito se encontra bastante feliz,numa condiçãomediana
entre os Espíritos errantes, da qual não tem ambição de se elevar,
poderia prolongar esse estado indefinidamente?
Não indefinidamente; o progresso é uma necessidade que o Espírito
experimenta, cedo ou tarde. Todos devem elevar-se: é seu destino.
COMENTÁRIOS:
Quem está em sofrimento no plano espiritual quer sair daquela situação.
Espíritos em condição mediana (se considera relativamente feliz), (só o fato
de quererprolongar sua evolução mostra que não é um Espírito evoluído) não
tem como prolongar indefinidamente, pois estaria quebrando a lei do
progresso. Todos nós precisamos evoluir (crescer) para um dia sermos
perfeitos.
Não dá para ficar para sempre na zona de conforto.
Toda a criação divina caminha para a evolução. Nada está estático.
Então por mais que o Espírito queira postergare ele pode fazer isso,mas não
indefinidamente.Em algum momento sentirá a necessidade de progredir,pois
vai perceber que outros estão avançando e ele está estagnado. Chega uma
hora que naturalmente ele sente vontade de sair da condição em que se
encontra.
Ao espírito, não lhe é permitido jamais não reencarnar, mesmo que ele já
esteja num certo grau de evolução, pois a evolução é continua e esse é o
destino de todos: evoluir.
A criatura que nasce em família abastada pode, se quiser, não trabalhar, não estudar, somente gastar o
tempocom paixõesinferiorese,àsvezes,comasfamílias,apoiandoesse falsoproceder.Nãoobstante,essa
chamada "boa vida" também tem limites.A qualquer momento a morte do corpo chega de mansinho e
diz basta. O Espírito, então, irá para o lugar em que deseja ficar parado no tempo.
Assimtambémé o Espírito livre dasconjunçõeshumanas,que não desejareencarnarporreceiode voltar a
Terra. O seu temoro faz caminhardevagar,e nessasemi paralisação,mesmoque gaste milênios,algumdia
ouviráa vozda justiçao chamar à carne.Eis aí a imposiçãodalei para que retorne ao corpo,a um corpo de
carne com duras provações, no sentido de despertar suas qualidades que dormiram demais.
334 – A união da alma, com tal ou tal corpo,é predestinada ou é apenas
no último momento que se faz a escolha?
O Espírito é sempredesignado antes.O Espírito,escolhendoaprovaque deve
suportar, pede a encarnação. Ora, Deus que tudo sabe e tudo vê, sabe e vê
antecipadamente que tal alma se unirá a tal corpo.
6
COMENTÁRIOS:
Não cai um Espírito na criança ao nascer.
Muito antes da concepção, do encontro do espermatozóide com o óvulo no
ventre da futura mãe, o Espírito jáse encontra preparado para nascerde novo.
Para tudo há uma programação espiritual.
Quando se faz a escolha das provas automaticamente já escolherá o corpo
que animará. A escolha é realizada com antecedência. Não se deixa para
última hora.
Na obra divina as coisas são bem planejadas, muito bem organizadas. Na
Espiritualidade nada se faz de improviso.É tudo pensado e analisado de forma
minuciosa para não errar. Não há erros. É tudo muito bem planejado.
Numa reencarnação o corpo faz toda a diferença, interfere muito no
desenvolvimento do Espírito,das provas que se tem que passar. Dependendo
das suas necessidadesterá um corpo que irá facilitar ou dificultar a expressão
do seu Espírito.
Quando o Espírito pode escolher suas próprias provações, os benfeitores
espirituais ajudam em muitas particularidades, para que o renascimento seja
bem orientado. Entretanto, as reencarnações não são iguais; todas elas
diferem umas das outras, emboraa lei seja uma só para todas as criaturas de
Deus.
Não é apenas o corpo que precisa ser analisado, estudado pela
espiritualidade, mas os pais, a condição dos filhos, as condiçõesmateriais, as
circunstâncias que viverá aquele Espírito. Tudo é planejado.
A genética é um universo de possibilidades. Há um jogo entre o Espírito que
precisa da experiência e o código genético que permite um leque de
possibilidades.A genética é uma consequênciado planejamento espiritual. A
aparência é o resultado das necessidadesdo Espírito.A variável principal é o
Espírito. O conjunto imagem é em função do Espírito.
As equipes da espiritualidade começam a trabalhar nas escolhas do óvulo e
do espermatozoide que contenham os códigos genéticos que melhor atenda
as necessidades do Espírito reencarnante.
Não é porque o código genético indica a probabilidade de um determinado
problemade saúde não quer dizer que a pessoateráaquele problema.Dentre
às múltiplas possibilidades genéticas, dependendo da forma que a pessoa
conduz sua vida, o planejamento é revisto.
A Providência Divina tem um planejamento perfeito. Por ser perfeito é justo.
Por ser justo é flexível.
O acaso não existe. Admite-se como acaso as pessoas que desconhecem as
verdades ou quando não querem aceitar.
7
335 – O Espírito tem o direito de escolher o corpo no qual vai encarnar
ou somente o gênero de vida que lhe deve servir de prova?
Pode, também, escolher o corpo, porque as imperfeições desse corpo são
para ele provas que ajudam o seu progresso,se vence os obstáculos que nele
encontra, mas a escolha não depende sempre dele; ele pode pedir.
335.a)Poderiao Espírito,no último momento,recusar o corpo escolhido
por ele?
Se o recusasse,sofreriasempre mais do que aquele que não tentou nenhuma
prova.
COMENTÁRIOS:
Nem sempre é permitido ao Espírito reencarnante escolher o seu corpo, por
haver particularidades que o Espírito não deve saber, diante da sua evolução
espiritual. Cabe aos benfeitores espirituais examinar o que a alma suporta
saber, para que ela não venha a recuar diante da escolha.
O Espírito pode pedir. Quando já tem um pouco de consciência das suas
necessidades pode pedir aos benfeitores algum tipo de limitação ou não. O
fato de ser ou não atendido depende daespiritualidade que analisa o conjunto
das necessidades do Espírito reencarnante.
Quanto mais entendimento e evolução o Espírito tiver maior será sua
autonomia na escolha do corpo, do sexo e das condições de vida que ele vai
ter.
Conforme o conjunto de necessidades do Espírito, os geneticistas espirituais
vão formatar dentro das possibilidades que o pai e a mãe concedem (pois a
genéticados pais já está fixada) para formarum novo corpo que atenda essas
necessidades.
A ideaçãodo corpo físico foi feitapara a plenaharmonia,trabalharemperfeitasaúde,mesmoque sejapor
umséculode existência;noentanto,comoele é uminstrumentodaalma,emprovase essanãopodemanter
a plenaharmonianamente devidoasuainferioridade,ocorpode carne recebe pelospensamentoscargase
maiscargas de vibraçõespesadas,de ummagnetismoinferior,capazde tornar lerdasasvibraçõescelulares
e fazeras célulasentrarememdecadência,de modoafacilitar,mesmocomadefesanatural dosomafísico,
a ação de agentes que desequilibram a estabilidade de todos os órgãos.
O que é importante para todos os candidatos à reencarnação, e mesmo aos homensque se encontramno
mundo, é que tenham a humildade de pedir sempre opinião aos benfeitores espirituais, cheios de
experiênciasnesse campode vestir-se de carne nomundodas formas,que elessabemoque fazeremfavor
dos que sofrem e sentem a necessidade de voltarem à arena da carne para esquecer o passado vivo na
consciência.
8
Letra A:
O Espírito dentro do seu livre-arbítrio pode recusar antes do início da
reencarnação, como também depois,no decorrerda gravidez. Muitas vezes o
medo das provas que terá o faz abandonar o corpo (abortos espontâneos). De
qualquer forma tem consequências não muito boas. A pior decisão é fugir da
reencarnação.
O espírito pode fazer escolhas quanto ao corpo que terá e sabe com
antecedência as provas por quais terá que passar. Porém, Deus que tudo
antevê, faz Seus desígnios. Sabe que tal alma se unirá a tal corpo. Quando
o espírito reencarna, ele sabe das provas que terá por que passar, como dito
anteriormente, mas não sabe se conseguirá superar essas provas. Estar
encarnado não é fácil e o espírito necessita de coragem para enfrentar suas
provas.
Quanto ao espírito não saber se vencerá ou não os obstáculos, lembremos
de nós mesmos. Muitas vezes, quando os problemas se aproximam,
desejamos que eles não existissem.Sabemos que eles ocorrem como prova
para nossa evolução – aprendizado – ou como forma de resgate.
Vencer esses obstáculos, dependerá de como trabalharemos nosso dia a dia
dentro da fé e no amor em Cristo e em nosso Amado Pai. A todo momento
somos tocados pelas mãos dos bons amigos do plano maior que nos
orientam nas situações difíceis e eminentes. Mas, com as atribulações do dia
a dia, nos esquecemos de quão fortes somos, e que podemos vencer as
barreiras que a vida nos impõe. Sonhos e ilusões devem ser postas de lado.
Elevação de nossos pensamentos a Deus, no dia a dia de nossa vida, deve
ser a prática de fé e de amor ao qual no conduzirá ao caminho reto.
Serenar nosso coração é a melhor prática de vencer esses “medos”.
Sabemos que não adianta entrar em desespero. A calma nos permite
tranquilidade e paz para a correta tomada de decisão.
Não podemos mudar o mundo. Mas podemos estar mudados dentro dele.
Para isso, o orar e vigiar nos ajuda, e muito.
Uma parte do Evangelho de Mateus (26:36-41)quando Jesus está já prestes
a entrar em desespero por conta de uma força que lhe atormenta a alma:
36 Então Jesus foi com seus discípulos para um lugar chamado Getsêmani e lhes disse:
“Sentem-se aqui enquanto vou ali orar”. 37 Levando consigo Pedro e os dois filhos de
Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se. 38 Disse-lhes então: “A minha alma
está profundamente triste, numa tristeza mortal. Fiquem aqui e vigiem comigo”.
9
39 Indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto em terra e orou: “Meu Pai, se for
possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu
queres”.
40 Depois, voltou aos seus discípulos e os encontrou dormindo. “Vocês não puderam vigiar
comigo nem por uma hora? ”, perguntou ele a Pedro. 41 “Vigiem e orem para que não caiam
em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca. ”
Jesus também teve momentos de angustia. Mas as venceu orando e
confiando no Pai Maior.
Espírito preguiçoso (freio e espora) – ESE – Capítulo IX, item 8 – pág. 98.
Evolução em dois mundos – Capítulo 19.
336 – Poderia acontecer que uma criança que deveria nascer, não
encontrasse Espírito que quisesse se encarnar nela?
Deus aí proveria. A criança, desde que deva nascer viável, está sempre
predestinada a ter uma alma; nada é criado sem finalidade.
COMENTÁRIOS:
Na Providência Divina tudo é planejado.
Se uma determinada criança precisa nascer, isso faz parte do planejamento
reencarnatório dos pais, como da criança, vai ter um Espírito preparado para
aquele corpo. Mesmo porque o corpo é o molde do períspirito.
Seguramente há um Espírito vinculado naquele embrião, naquele corpo em
formação.
O Espírito se liga à família bem antes de acontecer a concepção.
Há a possibilidade de um corpo ser formado no ventre sem que tenha um
Espírito a ele conectado? Sim. Isso é possível, mas não sobrevive.
Reencarnação acidental.
Em caso de estupro.
Por reencarnações acidentais Adenáuer Novaes entende os casos em que a fecundação
não estava prevista e a união sexual foi fortuita. Um determinado Espírito que esteja
próximo ao casal será atraído pelo óvulo fecundado. Mecanismos automáticos encarregar-
se-ão de propiciar lições de aprendizagem de que o Espírito, nessa circunstância,
necessite. Nesses casos, estariam incluídas as reencarnações oriundas de estupros e
acidentes semelhantes.
Consultado por um de nossos colaboradores, Adenáuer Novaes escreveu-nos o seguinte:
10
“O questionamento da leitora é pertinente. O senso crítico é desejável em tudo que se refira
ao conhecimento. A análise a respeito das reencarnações ‘acidentais’ deve contemplar a
questão do livre-arbítrio. Os atos humanos nem sempre são programados com
antecedência, graças à liberdade de escolha que foi atingida a essa altura da evolução do
Espírito. É pouco provável que haja Espíritos à espera de cada possibilidade decisória.
Se considerarmos, por exemplo, o estupro como uma escolha do indivíduo doente que o
pratica, temos que considerar também que, do outro lado, sua vítima teria a probabilidade
de sofrê-lo, mas não o determinismo de que iria acontecer. Será que haveria,
antecipadamente, um Espírito desencarnado à espera de que o fato ocorresse? Não seria
considerar que há um determinismo? Prefiro considerar que, num plano menor, trata-se de
um ‘acidente’. Num plano maior, divino, não há acidentes.
É também possível considerar que um casal possa mudar seus planos, aceitando a
encarnação de um Espírito sem que tenha sido planejado recebê-lo anteriormente. Esse
novo filho seria fruto do livre-arbítrio de ambos, portanto, não planejado previamente. O
contrário, isto é, a redução do número de filhos, também poderia ocorrer. Vale considerar
que os casos de separação dos casais também promovem mudanças no planejamento
reencarnatório, provocando ‘acidentes’. Desconheço discussão sobre o assunto em outras
obras.”
De fato, não existe nenhuma obra espírita confiável que utilize a expressão “reencarnação
acidental”, que nos parece ter sido utilizada pelo confrade em face da pobreza do nosso
idioma. “Acidental” seria, de acordo com a explicação dada por ele mesmo, um termo
oposto a “planejado”. Além disso, Adenáuer reconhece, como estudioso que é, que num
plano maior “não há acidentes”. (O Espiritismo responde - Ano 6 - N° 292 - 23 de dezembro de 2012)
http://www.oconsolador.com.br/ano6/292/oespiritismoresponde.html
Nada é criado sem finalidade. Tudo tem um motivo de ser ou de acontecer.
A reencarnação não erra de endereço.
A formaçãode uma criança no campo uterinoé ummilagre da natureza,é prova da existênciade Deuse da
Sua corte angelical, nos imensuráveis mundos que povoam a criação.
337 – A união do Espírito com o corpo pode ser imposta por Deus?
Pode ser imposta, assim como as diferentes provas, sobretudo quando o
Espírito não está ainda apto para fazer uma escolha com conhecimento de
causa. Como expiação,o Espírito pode serconstrangido ase unir ao corpo de
tal criança que, pelo seu nascimento e a posição que terá no mundo, poderá
vir a ser para ele um instrumento de castigo.
COMENTÁRIOS:
O Espírito pode seunir a um corpo porimposição,desdequando ele não tenha
discernimento para a escolhacompatívelcom as suas necessidades. Quando
não está apto, não tem maturidade, conhecimento ou evolução para fazer a
escolha de forma sábia, de forma correta.
11
É natural que o Espírito ignorante seja guiado, qual o cego que nada enxerga
nas suas andanças e precisa de guia.
Mesmo o Espírito com certa evolução espiritual, no momento de tomar novas
vestes físicas, sempre carece da opinião de algum benfeitor que possa guiá-
lo na sua escolha.
Deus, a inteligência suprema, a causa primeira de todas as coisas,bondade e
sabedoria,sabe o que é melhor para nós, sabe das nossas necessidadespara
o nosso crescimento.
Deus através da Espiritualidade superior sabe das nossas necessidades,
daquilo que precisamos, qual o tipo de corpo, quais as dificuldades, quais as
situações pelas quais precisamos passar para evoluir mais rapidamente.
Determinado tipo de corpo e determinadas provas que não são bem aceitos
pelo Espírito são consideradas expiações.
Mesmo que tenhamos uma posição de destaque na vida, não desdenhemos os que se encontram na
retaguarda, pois no amanhã, quem sabe se as posições não estarão trocadas. Deixemos a imposição das
ideias e acontecimentos somente para Deus.
338 – Se acontecesse que vários Espíritos se apresentassem para um
mesmo corpo que deve nascer, o que decidiria entre eles?
Vários podem pedir; nesse caso é Deus que julga qual deles é o mais capaz
para desempenhar a missão à qual a criança está destinada. Mas eu disse:o
Espírito é designado antes do instante em que se deve unir ao corpo.
COMENTÁRIOS:
Muitos Espíritos podem pedir,pois muitos já têm consciênciada necessidade
do reencarne, muitos têm consciência de que está chegado o momento de
voltar à matéria para poder continuar o processo de crescimento e evolução
espiritual.
Há muitos querendo reencarnar, mas nem todos tem os meios disponíveis
(redução do índice de natalidade). Há muito mais Espíritos querendo
reencarnar do que corpos concebidos. A fila é grande.
A Espiritualidade superior sob a orientação de Deus é que vai avaliar qual é o
Espírito mais apropriado para aquele momento, qual a missão ou qual a
necessidade que aquele Espírito possui de mais urgente. São vários os
critérios analisados para definir quem vai ocupar aquele corpo.
12
Em regra, quando ocorre a concepção jáhouve a escolhade qual Espírito vai
habitar aquele corpo. Na Espiritualidade tudo é muito bem organizado,
planejado. Não há nada de improviso ou de forma aleatória.
O Espírito vai se ligando à família bem antes da ocorrência da concepção.
Bem antes da formação do corpo, o Espírito já se encontra em companhia dos
pais, e principalmente da sua futura mãe, procurando a força da sintonia, e é
no momento da concepção que os primeiros laços são atados de certa forma
que muitos ignoram.
339 – O momento da encarnação é acompanhado de uma perturbação
semelhante àquela que tem lugar na desencarnação?
Muito maior e sobretudo mais longa. Na morte, o Espírito sai da escravidão;
no nascimento, entra nela.
COMENTÁRIOS:
O processo de reencarnação é de certa forma sofrido para o Espírito.
No desencarne o Espírito passa por um período de perturbação que pode ser
mais curta ou mais longa conforme a evolução e a moralidade de cada um.
No momento do nascimento essa perturbação é maior e mais longa.
No momento do desencarne o Espírito se liberta do corpo físico que é para ele
uma prisão, diferente do nascimento, momento em que o Espírito entra para
um processode escravidão, ficando restrito ao cárcere do corpo físico.Isso é
algo sofrido, embora faça parte da Lei de Deus, sendo uma necessidade do
Espírito para a sua evolução.
Por isso a perturbação é maior que no desencarne.
Caso Segismundo: No momento que se liga ao óvulo (ovo) inicia seu estado
de perturbação.
É um período muito longo. No mínimo 9 meses.
Enquanto desencarnados, na erraticidade, sem nenhum planejamento
reencarnatório, ele vive a vida de Espírito normalmente. No momento em que
é convocado ou é voluntário à reencarnação, a partir do momento da
concepçãoele vaise desligando do mundo Espiritual,vai perdendo aliberdade
e se vinculando ao corpo em formação.Depois do nascimento continua ainda
em fase de perturbação durante a infância, pois não tem a total consciênciae
o total domínio sobre esseinstrumento que ele acaba de receber(corpo físico)
até que atinja a maioridade e possa ter um pouco mais de consciência sobre
a sua encarnação.
13
- Período turbulento (gestação)
- Período limitado para o Espírito (infância e adolescência),pois o corpo físico
e a reencarnação estão se consolidando.
340 – O instante em que o Espírito deve se encarnar é para ele um
momento solene? Realiza esse ato como uma coisa grave e importante?
É como um viajante que embarca para uma travessia perigosae não sabe se
encontrará a morte nas ondas que enfrenta.
Allan Kardec:
O viajante que embarca, sabe a que perigos se expõe, mas não sabe se
naufragará; é assim com o Espírito: ele conhece o gênero de provas às
quais se submete, mas não sabe se sucumbirá.
Da mesma forma que a morte do corpo é uma espécie de renascimento
para o Espírito, a reencarnação é uma espécie de morte, ou antes, uma
espécie de exílio e de clausura. Ele deixa o mundo dos Espíritos pelo
mundo corporal, como o homem deixa o mundo corporal pelo mundo
dos Espíritos.O Espírito sabe que reencarnará,como o homem sabeque
morrerá; mas, como este, ele não tem consciência senão no último
momento, quando a hora é chegada.
Então,nesse momento supremo,a perturbaçãose apoderadele,qualno
homem em agonia,e essa perturbação persiste até que a nova existência
esteja francamente formada. Os prelúdios da reencarnação são uma
espécie de agonia para o Espírito.
COMENTÁRIOS:
Por mais que tenha consciência da necessidade e que se prepare no mundo
espiritual, sempre há certo temore dúvidas quanto ao retorno na esferafísica.
Daí se prepara como se fosse uma viagem que enfrentará perigos, mas não
sabe se deles sairá vitorioso.
Ou seja, é como se fosse um grande empreendimento, sem a certeza do
sucesso.
Quanto mais elevado é o Espírito, maior conhecimento acerca dessa viagem
pelo mundo físico.
O Espírito mais grosseiro não tem noção da situação.
Cada caso é um caso.
14
Não há um padrão definido para os processos de reencarnação. Tudo vai
depender do nível de evolução do Espírito, da sua história, das suas
experiências, das necessidades que surgem a partir dessas experiências.
Ex: Reencarne de Segismundo (Capítulo 13 do livro Missionários da Luz)
341 – A incerteza em que se encontra o Espírito sobre os eventuais
sucessos nas provas que vai suportar na vida, é para ele uma causa de
ansiedade antes da encarnação?
Uma ansiedade bem grande, visto que as provas de sua existência retardarão
ou acelerarão seu progresso, conforme as suporte bem ou mal.
COMENTÁRIOS:
O fato de sabermos que precisamos reencarnar, mesmo apesar de ter
escolhido as provas e ter passando pelo período preparatório, temos ainda
uma incerteza no sentido de que realmente seremos capazes de vencer e
passar com sucesso pelas dificuldades da vida.
Quando reencarnamos por mais preparados e evoluídos que sejamos somos
suscetíveis de errar, a não ser quando já somos Espíritos puros (Crísticos)
onde não há chance de falhar nas provas escolhidas.
Por isso há uma espécie de ansiedade, de preocupação, de temor diante da
possibilidade de falhar diante das provas.
342 – No momento da reencarnação, o Espírito está acompanhado por
outros Espíritos, de seus amigos, que vêm assistir à sua partida do
mundo espírita, como o vêm receber quando para lá retorna?
Isso depende daesferaque o Espírito habita. Se está nas esferas onde reina
a afeição, os Espíritos que o amam o acompanham até o último momento,
encorajam-no e, frequentemente, o seguem durante a vida.
COMENTÁRIOS:
Os Espíritos que nos são amigos, familiares, que acompanham a nossa
jornada nos incentivam até o último momento ao retorno à vida material.
Depende da evolução do Espírito.
15
Espíritos muito imperfeitos ainda não compreende a importância da
reencarnação ou não aceita a reencarnação.Há também aqueles que não tem
a consciência desse fato em função do desequilíbrio emocional, espiritual.
Espíritos medianos que já tem consciência e responsabilidade no tocante à
reencarnação, que participa do seu planejamento reencarnatório, com certeza
são acompanhados por Espíritosamigos e familiares que os incentivam, e, se
puderem e tiverem permissão acompanham aquele ser durante a sua jornada
na vida material para que possa ter sucesso, sair da reencarnação vitorioso.
Os laços de afeição não se perdem, permanecem onde quer que estejamos,
encarnados ou desencarnados.
343 – Os Espíritos amigos quenos seguem durante a vida, são algumas
vezes aquelesque vemos em sonho,os quais nos testemunham afeição,
e que se nos apresentam sob aparências desconhecidas?
Muito frequentemente são eles; vêm vos visitar como ides visitar um
encarcerado.
COMENTÁRIOS:
Estar na vida material é estar nas limitações que a vida nos impõe,porisso se
relaciona a um cárcere.
Durante o desdobramento pelo o sono, “sonhamos” com pessoas, vimos
rostos que desconhecemos na vida material.
Muitas vezes são Espíritos amigos que caminham conosco, que nos
protegem.
Espíritos familiares não são apenas nossos familiares dessa atual
reencarnação. Quantas reencarnações já tivemos.Quantos Espíritos já foram
nossos familiares! Podem estar no plano espiritual velando por nós, nos
auxiliando em nossa jornada e durante o desdobramento nos encontramos
com esses entes queridos.
Muitas às vezes são pessoas encarnadas também, em outros lugares, mas
que não tivemos contato, não nos reencontramos fisicamente, mas em
desdobramento.
16
7.2 – UNIÃO DA ALMA E DO CORPO – ABORTO
344 – Em que momento a alma se une ao corpo?
A união começa na concepção, mas não se completa senão no momento do
nascimento. Desde o momento da concepção, o Espírito designado para
habitar tal corpo, a ele se liga por um laço fluídico que vai se apertando, cada
vez mais, até que a criança nasça; o grito que se escapa, então, da criança,
anuncia que ela se conta entre os vivos e servidores de Deus.
COMENTÁRIOS:
Essa questão nos esclarece da importância de preservarmos a vida desde o
primeiro momento.
A união do Espírito ao corpo material começa na concepção, embora se
complete na ocasião do nascimento.
Portanto, desde a concepção já há um Espírito ali designado, ligado por um
laço fluídico aquele corpo em formação,cuja união vai se tornando mais forte
no decorrer dos meses, se completando com o nascimento da criança.
Essaunião efetua-se por meio do períspirito,envoltório fluídico que servirá de
ligação entre o Espírito e a matéria.
Em processo extremamente variado e complexo, o períspirito é reduzido,
condensado assemelhando às moléculas materiais.
O períspirito torna-se um molde fluídico que age sobre o corpo em formação,
juntamente com as condicionantes hereditárias, a influência mental materna e
a atuação dos benfeitores que colaboram no processo reencarnatório.
Qualquer interrupção da vida durante o processo de gestação é considerado
um aborto porque já há um Espírito ligado aquele corpo.
O Espírito,uma das criações de Deus mais sutil (perfeita) precisa se unir a um
corpo denso (obra divinamente perfeita) não pode ocorrerde forma repentina.
Ocorre por um processo lento, contínuo, com início, meio e fim (até que o
processo se complete).
345 – A união entre o Espírito e o corpo é definitiva a partir do momento
da concepção? Durante esse primeiro período, o Espírito poderia
renunciar em habitar o corpo designado?
A união é definitiva no sentido que um outro Espírito não poderia substituir
aquele que está designado para esse corpo; porém, como os laços que o
prendem são muitos fracos, rompem-se facilmente, podem romper-se pela
17
vontade do Espírito, que recua diante da prova que escolheu. Nesse caso, a
criança não vive.
COMENTÁRIOS:
A união é definitiva porque nenhum outro Espírito pode habitar aquele corpo,
a partir do momento que um Espírito foia ele conectado e ligado. Mas se não
houver persistência do Espírito aqueles laços por serem ainda muito sutis
podem ser rompidos.
O Espírito pode desistir do processo.
O rompimento desse laço tem consequências mais ou menos deletérias
conforme a responsabilidade de cada um dos agentes no processo.
Uma das causas do aborto espontâneo é a desistênciado Espírito. Mas nem
todos os abortos espontâneos é ocasionado por esse fato.
Há outras situações, como, provas para os pais ou até mesmo uma
necessidade do Espírito que durante um certo período de gestação adquire
novamente a forma perispiritual do corpo humano. Há por exemplo,casos de
suicidas que destroem o seu corpo físico e corrompem o seu corpo
perispiritual, daí às vezes, necessitam retornar alguns meses no corpo
materno para reorganizar o seu corpo espiritual, modelando na forma
adequada. Há também o caso dos ovoides.
Assim, não é só a desistência do Espírito a ocasionar o aborto espontâneo.
346 – Que acontece para o Espírito se o corpo que escolheu morrer antes
de nascer?
Ele escolhe outro.
346.a) Qual pode ser a utilidade dessas mortes prematuras?
As imperfeições da matéria são as mais frequentes causas dessas mortes.
COMENTÁRIOS:
Outra razão para a ocorrência do aborto espontâneo.
O próprio corpo morre.A matéria físicanão encontra condições de sobreviver.
Às vezes por má formação do corpo físico ocorre a morte prematura. Ex: um
acidente com a mãe pode provocara morte do feto ou do embrião, a ingestão
de produtos inadequados, etc.
18
Algumas situações, o próprio Espírito devido às imperfeições morais, pela
força energética negativa muito densa imprime no corpo que está em
formação energias muito pesadas que acabam por deformaro corpo que está
em formação de modo que não consegue levar aquela gravidez adiante.
O Espírito se liga ao corpo através do períspirito que também é matéria. Tudo
o que não é Espírito é matéria. O períspirito é matéria quintessensiada
(rarefeita), é o envoltório do Espírito (interface do Espírito). Modelamos o
períspirito em função das nossas produçõesespirituais,das nossas ações.As
nossas decisões geram movimentos energéticos e moldam a matéria que
compõe o períspirito.
Quando o Espírito tomadecisões equivocadas em demasiaao longo das suas
existências impacta nessa matéria rarefeita(períspirito) que se deforma
podendo chegar a uma quase inexistência dele.
Vai deformar essa ferramenta que é o períspirito.
Para o Espírito reencarnar ele precisa dessa ferramenta o melhor possível
para que possageraro corpo que ele vai utilizar, porque o períspirito é o molde
do corpo. Dependendo da deformação do períspirito pode impossibilitar a
formação do corpo, a vida biológica.
Esse contato do Espírito com a mãe vai gerando um saldo de matéria positiva
que vai recompondo o períspirito. As trocas energéticas remodelam o
períspirito.Havendo abortos para que o Espírito possarecompormelhoro seu
períspirito para que não reencarne com uma deformação muito grande.
A modelagem fetal e o desenvolvimento do embrião obedecem a leis físicas
naturais, qual ocorre na organização das formas em outros reinos da natureza.
Nada ocorre sem a permissão de Deus.
Esse é um processo de depuração do próprio períspirito e das energias
deletérias que o Espírito ainda carrega. Então à medidaque ele vai imprimindo
naquele corpo vai gradativamente se despojando dessas energias para que
na próxima gravidez ele já tenha condições de nascer com vida entre os
encarnados. Isso não quer dizer que o Espírito tenha consciência de que
aquele corpo que ele escolheuchegue ao fim da gravidez. Nem tudo é dito ao
Espírito,principalmente,quanto mais imperfeito,menos entendimento ele tem,
portanto, menos condições de saber o que vai acontecer.
Pode ser uma experiênciadolorosapara os pais, principalmente, para a mãe,
mas ensina algo sobre humildade, sobre a necessidade de se preencher de
amor e fé.
Diante das dificuldades da vida faz-se necessário questionar: “O que essa
situação tem para me ensinar? ”
19
347 – De que utilidade pode ser para o Espírito sua encarnação num
corpo que morre poucos dias depois do nascimento?
O ser não tem consciência bastante desenvolvida de sua existência; a
importância da morte é quase nula. Como vos dissemos, é, frequentemente,
uma prova para os pais.
COMENTÁRIOS:
Não se refere ao aborto. A criança nasce e pouco tempo depois morre.
A Espiritualidade tem inúmeros mecanismos para que a justiça divina se faça
presente.
Essa pode ser uma prova para os pais. Pode ser também uma prova para o
próprio Espírito reencarnante, ou ainda, uma prova para ambos.
Quando a prova é para o Espírito reencarnante os pais se voluntariam para
passar por aquela situação.
Da mesmaforma,quando a prova é para os pais, o Espírito se voluntaria para
que eles possam passar por essa provação.
Quando a prova é de ambos, tanto os pais quanto o filho aprendem com a
situação de alguma forma crescem e evoluem.
Nada acontece sem utilidade najustiça divina. Há sempre aprendizado e razão
para que as coisas aconteçam.
O caso Júlio – Entre o Céu e a Terra.
348 – O Espírito sabe,de antemão,que o corpoque ele escolheu nãotem
chance de vida?
Sabe-o algumas vezes, porém, se escolheu por esse motivo, é porque está
recuando diante da prova.
COMENTÁRIOS:
Sabe algumas vezes – depende do grau de evolução do Espírito.
Quanto mais conhecimento, mais entendimento ele possui dos detalhes da
sua futura reencarnação, incluindo os detalhes do seu corpo físico.
Quanto menos entendimento, perturbado ou fragilizado emocionalmente está
o Espírito menos condições tem de perceberesses detalhes.Por isso muitas
coisas são adotadas e resolvidas pela Espiritualidade Superior. Daí não tem
ciência do que está sendo escolhido ou das necessidades ou provas pelas
20
quais tem a passar, inclusive um desencarne prematuro em função daquele
corpo não chegar a viver, ou nascer e morrer na sequência.
Por outro lado, o Espírito pode ter escolhido um corpo que ele sabia de
antemão que não teria vida com a intenção de não permanecer na
reencarnação. É um Espírito que está recuando da prova. Não quer assumir a
responsabilidade para uma reencarnação completa.
Na maioria das vezes quando precisa vivenciar essa experiência de
desencarne logo nos primeiros momentos, seja por um corpo com defeito
genético fortíssimo que não permite que avida prossigae o desencarne ocorra
em seguida, não sabe. Mas em algumas situações sabe sim. Depende da
evolução do Espírito.
349 – Quando uma encarnação falha para o Espírito, por uma causa
qualquer, ela é suprida imediatamente por outra?
Nem sempre imediatamente; o Espírito precisa de tempo para escolher de
novo, a menos que a reencarnação imediata provenha de uma determinação
anterior.
COMENTÁRIOS:
O planejamento reencarnatório é importante para que o Espírito ao vir ao
mundo material tenha condições de vencer as provas, os desafios da vida.
Deus não quer que estejamos aqui só por estar, sem que haja progresso,
aprimoramento do Espírito, evolução.
Nós ainda não conhecemos em profundidade a fisiologia da alma e a inter-
relação entre a matéria e o Espírito. Esse contato entre o corpo e o Espírito
tem profundas consequências na fisiologia do Espírito, na formação do
períspirito, no aspecto saudável do Espírito.
A matéria é uma experiência necessária para nossa evolução.
Se aquela encarnação inicialmente prevista não puderprosperar,nem sempre
é organizada outra reencarnação imediatamente porque há necessidade do
Espírito proceder uma nova escolha, um novo preparo e a Espiritualidade
também precisase prepararpara auxiliar esse Espírito que não tem condições
de realizar as suas escolhas sozinho.
É possíveltambém que uma determinada reencarnação já estivesse prevista
para não se concretizar, finalizar, devido a necessidade da evolução do
Espírito e outra reencarnação a seguir já estivesse preparada, porque a
Espiritualidade em situações como esta pode fazer um planejamento duplo,
considerando que seria algo na sequência. Para tudo há planejamento para
21
que tenha alta probabilidade de dar certo. Há Espíritos que necessitam de um
contato rápido com a matéria para se reestabelecer.
Não necessariamente automático. Se há necessidade, a providência divina
logo em seguidaprovidencia.Se não há necessidadevoltará à Espiritualidade,
revisar mais alguns pontos para retornar no futuro. Cada caso é um caso.
Tenhamos confiança nos planos de Deus. Nada acontece ao acaso. Tudo é
minuciosamente planejado. Nada é aleatório.
350 – O Espírito,uma vez unidoao corpoda criançae quandojá não pode
voltar atrás, lamenta, algumas vezes, a escolha que fez?
Queres dizer se, como homem, lastima a vida que tem? Se desejaria outra?
Sim; se lamenta a escolha que fez? Não, ele não sabe que a escolheu. O
Espírito,umavez encarnado,não pode lamentaruma escolhada qual não tem
consciência.Mas pode achar a carga muito pesada, e se a crê acima de suas
forças recorre, então, ao suicídio.
COMENTÁRIOS:
Uma vez encarnado o manto do esquecimento nos cobre e não conseguimos
lembrar das existências anteriores, do planejamento reencarnatório, das
escolhas que fizemos. É o abençoado esquecimento. Eu não posso me
arrependerde uma escolhaque fiz se eu não seio que escolhie nem o porquê
escolhi.
Muitas pessoas sentem acarga muito pesada,as dificuldades muito elevadas.
Muitos acreditam que não têm forças para suportar, para transpor as
dificuldades que se apresentam diante da vida. Daí recorrem ao suicídio,pois
não têm o conhecimento do planejamento reencarnatório, do livre arbítrio.
Muitos realmente não sabem que fez tal escolha. Mas nós que estamos
dialogando sobre isso, estudando o Livro dos Espíritos já sabemos, temos a
consciência que nós passamos por aquilo que necessitamos e muitas vezes
por aquilo que pedimos.
Nós já sabemos que fizemos um planejamento reencarnatório. Sabemos que
as dificuldades que enfrentamos hoje, algumas delas são resgates de vidas
passadas. Sabemos que os erros que comentemos voluntariamente nesta
existência física, precisaremos em um futuro próximo ou mais distante
resgatá-los e repensarmos as nossas atitudes para que possamos caminhar
em conformidade com as Leis de Deus.
Hoje nós temos uma responsabilidade maior,pois hoje temos o conhecimento
à luz do Evangelho de Jesus e da doutrina Espíritae não podemos dizer:“Eu
22
não sabia”. Recorrerao suicídio diante das dificuldades da vida não nos cabe
mais.
Isso representafalta de confiança no Pai que tudo pode,que tudo sabe e que
conhece cada um dos seus filhos.
Só aquele que desacreditade Deus pode por alguma razão optar por dar fim
ao corpo físico na ilusão de que colocará fim as suas lutas e provas.
Quem tem fé em Deus tem a defesa contra o suicídio.
Temos que ter a percepção de ser humano diante da eternidade. Fomos
criados simples e ignorantes e hoje já damos os primeiros passos.
Nós estamos aqui para aprendermos a serpessoas melhores,principalmente,
conosco mesmo.
Somos filhos de Deus, criador do Universo. Como filhos, somos herdeiros do
Universo, co-responsáveis pela manutenção da sua obra. O suicídio vem
como uma forma de repelir todo o planejamento.
O suicida não morre sozinho, mas abarca consigo outras consciências, os
sentimentos de dorda família e das pessoas que o cercam.Além disso,é uma
decepção para o Pai criador que espera de nós a execução de todo o
planejamento e vem a ideia e a irresponsabilidade da criatura de romper com
esse plano sem considerar as consequências de seu ato, envolvendo todos
que fazem parte do plano.
Para quem está passando por certa melancolia, lembre-se:
- Você não está só;
- Você é filho do Altíssimo, filho de Deus, te criou para coisas maravilhosas;
- Há muitas coisas deslumbrantes pela frente;
- Fazemos parte de um mundo, de um Universo perfeito, criado por um ser
perfeito.
- Deus está contigo, Deus quer a sua felicidade.
- Seja qual for o motivo de vazio na vida, maior é Deus. Se apegue a ele.
351 – No intervalo entre a concepção e o nascimento,o Espírito goza de
todas as suas faculdades?
Mais ou menos de acordo com a época,porque ele não está ainda encarnado,
mas vinculado. Desde o instante da concepção, a perturbação começa a se
assenhorear do Espírito, advertindo-o de que chegado o momento de tomar
uma nova existência; essa perturbação vai crescendo até o nascimento.
Nesse intervalo, seu estado é pouco próximo ao de um Espírito encarnado
durante o sono do corpo. À medida que o momento do nascimento se
23
aproxima, suas ideias se apagam, assim como a lembrança do passado da
qual não tem mais consciência,como homem,uma vez entrando na vida; mas
essalembrançalhe volta pouco a pouco à memória,no seuestado de Espírito.
COMENTÁRIOS:
Da fase da concepção até o nascimento, o Espírito encontra-se ligado ao
corpo físico, mas ainda não está plenamente encarnado, pois a encarnação
só se confirma com o nascimento. A partir daí está no mundo material.
Durante esse período, quanto mais recente a gravidez, mas o Espírito ainda
tem certa lucidez, certa consciência, ficando entre o plano espiritual e o
material. Isso depende do nível de evolução. Quanto mais evoluído, mais
perdura a lucidez até que entre no completo esquecimento.
Estando ligado o Espírito entra em um processode adormecimento que vai se
ampliando à medida que se aproxima do nascimento até ocorrer o completo
esquecimento da vida espiritual, perdendo a consciência de si mesmo de
modo que nunca é testemunha consciente de seu nascimento.
352 – Ao nascer, o Espírito recobra imediatamente a plenitude de suas
faculdades?
Não, elas se desenvolvem gradualmente com os órgãos.É para ele uma nova
existência e é necessário que aprenda a se servir dos seus instrumentos. As
ideias lhe tornam pouco a pouco, como a um homem que sai do sono e se
encontra em posição diferente da que tinha na véspera.
COMENTÁRIOS:
Ao nascer o Espírito está na fase infantil. Toda a sua personalidade e suas
experiências de vidas anteriores está relativamente adormecida.
Só com o gradual desenvolvimento dos órgãos é que a personalidade, as
tendências, os instintos vão pouco a pouco se mostrando.
Justamente na fase da adolescênciaquando os instintos voltam por completo,
normalmente, as pessoassentem que essafase é mais difícil.São momentos
mais delicados na condução da educação dos filhos, entrando às vezes em
conflito, pois as tendências e extintos retomam por completo nessa fase e às
vezes entram em choque com os novos valores que estão sendo
incorporados.
Nesse momento o Espírito escolhe o que vai prevalecer, se os novos
aprendizados, ou as velhas tendências (aquilo que ele trouxe de vidas
passadas).
24
A plenitude das suas faculdades só vai acontecercom o desenvolvimento dos
órgãos. No início, os órgãos sendo infantis, são limitados, não nos permite
desenvolvertodas as nossas potencialidades, tanto física, quanto intelectual.
Compete,porém,ao Espírito esperar,pois com o crescimento do corpo ele vai
recobrando paulatinamente suas faculdades espirituais,mas nunca se apossa
dos seus dons,envolvido na carne, como se estivesse em Espírito.A alma se
encontra abafada pelo amontoado de células que, mesmo vivas e em certa
plenitude de poderes energéticos,estámuito aquém dos canais que o Espírito
precisapara se manifestar como Espírito livre; no entanto, é capaz de realizar
grandes coisas.
No momento que a criança respira, o Espírito começa a recuperar suas
faculdades,as quais se desenvolvem à medida que se formam e consolidam
os órgãos que devem servir para sua manifestação.
Porém,ao mesmo tempo que o Espírito recupera a consciênciade si mesmo,
perde a recordação (lembrança) do seu passado, sem perder as faculdades,
as qualidades e aptidões adquiridas anteriormente. Aptidõesque estavam em
estado latente, e que, ao retornar sua atividade, vão ajudá-lo a fazer mais, ou
melhor, o que anteriormente não fez.
Renasce a partir do ponto em que deixou seu progresso anterior; isto é para
ele um novo ponto de partida, um novo degrau a subir.
353 – A união do Espírito e do corpo não estando completa e
definitivamente consumada senão depois do nascimento, pode-se
considerar o feto como tendo uma alma?
O Espírito que o deve animar existe, de alguma forma, fora dele. Ele não tem
propriamente falando, uma alma, pois a encarnação está somente em vias de
se operar; mas está ligado à alma que o deve possuir.
COMENTÁRIOS:
É uma fase de transição.
A ligação existe desde a concepção,mas a ligação definitiva do Espírito com
o corpo em formação só ocorre com o nascimento.
O fato dele estar ligado não significa dizer que aquele feto já tem
necessariamente uma alma.
Espírito e alma – Não há diferença. É a mesma coisa.
Espírito – Espírito desencarnado
25
Alma – Espírito encarnado (momentaneamente em uma experiência
reencarnatória)
Por isso Kardec questiona se aquele corpinho já possui um Espírito
definitivamente vinculado a ele.Óbvio que o Espírito existe foradaquele corpo,
em processo de ligação, com laços delicados (além do cordão prateado).
A alma propriamente dita, completa,ainda não, mas o Espírito ligado ao corpo,
sim.
É a alma, certamente, que está esperando o seu corpo, para o cumprimento
das suas atividades na Terra.
Questão 134:
Alma e Espírito são exatamente a mesma coisa. Somos nós na essência.
Apenas por técnicas didáticas, Kardec separou os termos:
- Espíritos – seres inteligentes desencarnados
- Alma – seres inteligentes encarnados (Espíritos)
Termos usados somente para compreensão,mas Espírito e alma é a mesma
coisa.
Ser criado por Deus, simples e ignorante, para conquistar a perfeição através
das várias vivências na carne, com o uso do seu livre arbítrio.
Eu sou o Espírito, eu sou a alma.
Nós somos Espírito, temos um corpo. Deus nos deu um corpo.
354 – Como explicar a vida intrauterina?
É aquela da planta que vegeta. A criança vive a vida animal. O homem possui
em si a vida animal e a vida vegetal que ele completa, no nascimento, pela
vida espiritual.
COMENTÁRIOS:
O Espírito vive, mas em um estado vegetativo, um estado de limitações de
todas as suas potencialidades.
Como o Espírito aindanão está definitivamente totalmente ligado aquele corpo
físico que está em formação, não está pleno das suas potencialidades.
O Espírito está vivendo uma vida vegetal por suas potencialidades estarem
limitadas. O Espírito tem todas as suas potencialidades,apenas não consegue
se manifestar porque o corpo é limitado.
26
Ao analisarmos os nossos cinco sentidos, sabemos que eles ainda são
pequenos, bem restritos, não permitindo que o Espírito quando encarnado
possa vivenciar todas as suas potencialidades de Espírito imortal.
Em mundos mais evoluídos as pessoas aí encarnadas possuem maiornúmero
de sentidos e bem mais sensíveis que os nossos. Nesses mundos o Espírito
tem mais liberdade,portanto,se manifestam de umaformamuito mais intensa.
Se nós adultos temos cinco sentidos aindalimitados, imagina o corpo que está
em formação tem uma limitação bem maior, motivo pelo qual a Espiritualidade
compara à vida do mundo vegetal.
É um ser em formação que não faz nenhum esforço, mas está recebendo os
nutrientes, os princípios necessários ao seu crescimento (rápido) – a partir de
uma célula microscópica em 40 semanas se torna um ser humano. É um
processo biológico. É um processo de vida animal.
O úteroda mulheré umacâmara sensível,naqualidadede ninho,ondetemtodasasqualidadesnecessárias
para a geração da criança, fenômeno humano, mas que tem feição divina. (Miramez)
Há as trocas de energia com a mãe.
No terceiro mês de gestação, o bebê já está formadinho dentro da barriga (só precisa
crescer, é claro) e seu aparelho auditivo é capaz de perceber sons. Além dos barulhos
internos do organismo da mãe, ele também consegue ouvir o que vem de fora.
O filhote também sente a frequência cardíaca e respiratória da mãe. Assim, quando seu
coração bate mais rápido ou a respiração fica mais forte (como durante a prática de
atividades físicas), ele sente.
Ainda dentro da barriga, a criança sonha (por isso também que é importante conversar com
ela para mantê-la relaxada, pois os sonhos refletem como foi “o dia” dela), boceja e chupa
o dedo. E, claro, ela também se mexe, em ritmo que irá aumentar gradualmente (os
famosos chutes são mexidas do pequeno, que, em geral, começam a ser sentidas por volta
da vigésima semana de gravidez e costumam ser mais intensas depois que a mãe come,
já que o filhote fica com mais energia após as refeições).
355 – Existe, como indica a Ciência, crianças que desde o seio materno
não são viáveis? Com que fim isso ocorre?
Isso ocorre com frequência; Deus o permite como prova, seja para os pais,
seja para o Espírito destinado a reencarnar.
COMENTÁRIOS:
O Livro dos Espíritos foi publicado em abril de 1857. Nesse período não
existiam os equipamentos e procedimentos que há hoje, como Raio X,
27
ultrassonografia, tomografia, ressonância, exames genéticos, etc. só sabia
que a criança era inviável ao nascer ou na ocorrência de aborto espontâneo.
Agora no século XXI, temos a possibilidade de saber da inviabilidade de um
embrião muito antes de efetivamente o fato acontecer (o nascimento ou o
aborto).
Determinadas situações os pais precisam passar por essa prova, mas pode
significartambém uma prova para o próprio espírito que porumarazão precisa
passarporesse processo delimpeza,de depuração,servindo de aprendizado.
Como também pode ser uma necessidade de ambos, tanto dos pais, quanto
do Espírito reencarnante.
Não é à toa que Deus permite essa situação, pois gera sofrimento tanto para
os pais, quanto ao reencarnante.
Esse fenômenodas crianças não vitais pode ocorrer com frequência; de qualquer modo, existe um Espírito
que fornece elementos para a formação do corpo em gestação. Nada se perde no universo de Deus; são
experiênciasnecessárias à evolução dos Espíritos envolvidos. Tudo é aproveitado como lições. (Miramez)
356 – Existem natimortosque não foramdestinados à encarnação de um
Espírito?
Sim, há os que jamais tiveram um Espírito designado para os seus corpos:
nada deviam realizar por eles.É, então, somente pelos pais que essa criança
veio.
356.a) Um ser dessa natureza pode chegar a termo?
Sim, algumas vezes, mas não vive.
356.b)Toda criança que sobrevive ao nascimento, necessariamente tem
um Espírito nela encarnado?
Que seria sem ele? Não seria um ser humano.
COMENTÁRIOS:
Há situações,não na mesmaproporção do normal,em que não há um Espírito
ligado, destinado ao corpo em formação no ventre materno.
Mesmo nessa condição é possível chegar ao nascimento e na sequência,
morrer.
Para que haja a permanência da vida necessariamente precisa haver ali um
Espírito encarnado.
28
O Espírito se conecta ao corpo físico no momento da concepção. Mas há
situações em que há o desenvolvimento da criança no ventre materno sem
haver um Espírito ligado. Nessas situações esses corpos não sobrevivem.
É uma experiência para os pais.
É um aprendizado: resignação, humildade, confiança na providência divina,
submissão à vontade de Deus, expiação, provação.
Questão 136 (b)
O corpo orgânico em simesmo não tem vida. Só há vida com a união do corpo
orgânico e o princípio vital.
Na matéria orgânica, a vida só se expressa com o princípio vital.
No caso dos seres humanos se expressa com o princípio vital e se manifesta
com o Espírito.
O Espírito não é matéria. Ele tem vida própria por si mesmo.
O princípio vital dá vida à matéria orgânica, sendo o princípio da vida na
matéria para que o espírito reencarnante possa se manifestar através da
matéria como instrumento de aprendizagem e de progresso que a Lei Divina
nos concede para a busca da nossa evolução.
Se não há um Espírito reencarnado, a matéria não se manifesta, o princípio
vital se esvai e o corpo morre.
Ex: O carro sem combustível. / O combustível sem o carro
A união dos dois é que proporciona o movimento.
Para movimentar o carro e realizar a viagem necessita do motorista.
Se não há motorista, o carro não movimenta, a viagem não é realizada.
357 – Quais são, para o Espírito, as consequências do aborto?
É uma existência nula a recomeçar.
COMENTÁRIOS:
Aborto espontâneo:
- Imperfeições da matéria (feto)
- Renúncia do Espírito - Em algumas situações é o Espírito que abandona o
corpo,pois diante das lutas a enfrentar ou do temor daquilo que ele precisará
enfrentar nos resgates, nos seus compromissos, às vezes o Espírito desiste
dos laços que o prendem aquele corpoem formação no ventre materno.Sendo
Carro – corpo físico
Combustível – princípio vital
Motorista – Espírito (períspirito)
29
laços tênues ele consegue romper e causa o aborto natural ou espontâneo.
Esse Espírito vai ter muito mais responsabilidade, com uma existência com
um pouco mais de dificuldade que essa anterior que foi interrompida. Houve
um ato voluntário em fugir do seu compromisso reencarnatório.
Aborto voluntário (provocado)
Se o aborto é provocado pelos pais, pela mãe, pela família, é diferente. O
compromisso maiorserádaquele que provocouo aborto e não do Espírito que
estava querendo reencarnar, que precisavareencarnar e teve a sua existência
interrompida, não por um ato seu. Nesse caso terá uma nova existência, mas
provavelmente não passará por sofrimentos ou dificuldades maiores que a
prevista anteriormente, na existência perdida.
A reencarnação não é um fenômeno apenas biológico. É um fenômeno
espiritual. Há uma harmonização entre os Espíritos.O Espírito damãe que vai
experenciar esses nove meses em conjunto. Se é cortado no meio do trajeto,
há um desequilíbrio energético espiritual para os dois, com consequências
biológicas. Em função de um aborto provocado, a mãe pode desencarnar,
pode ser que não consiga ter mais filhos nessa reencarnação e ainda
comprometerreencarnaçõesfuturas,o ódio que surge a partir desse ato (você
me matou), a revolta, a rebeldia, obsessão. Há muitas consequências.
Se o aborto foi provocado, as mãos que deram início a esse crime sofrerão as consequências do ato
criminoso. Por outro lado, esse fato busca educar o que se destinou a nascer e a sofrer a provação de não
nascer.É o escândaloanunciadopeloEvangelhoquandoJesusdisse que eranecessário,masai daquele que
for motivo das violências sobre a vida. (Miramez)
Em tudo o que violentamos esta operando um tipo de aborto, e isso é crime dos crimes. A violência não é
somente física; ela é gerada nos pensamentos e eles podem violentar as atitudes dos companheiros,
desfazendoideaise dandointuiçãonegativaàscriaturas fracas nos caminhosque se percorre.O Evangelho
surgiuno mundoemnossosocorro, para nos ensinarcomopensare transmitirideiasnabrandurado amor,
de modo que surja em nossos corações a caridade. (Miramez)
358 – O abortamento voluntário é um crime, qualquer que seja a época
da concepção?
Existe sempre crime quando transgredis a lei de Deus. A mãe, ou qualquer
pessoa, cometerá sempre crime tirando a vida à criança antes de nascer,
porque está impedindo, à alma, de suportar as provas das quais o corpo
deveria ser o instrumento.
COMENTÁRIOS:
Devemos valorizar a vida, sempre e em todos os momentos.
30
Só Deus tem condições, autonomia e permissão para tirar a vida se isso for
necessário para a aprendizagem.
Nunca deve partir de nós,Espíritos imperfeitosque precisamos valorizar a vida
que nos foi dada por Deus.
É uma transgressão da Lei de Deus.
A doutrina Espírita é terminantemente contra ao aborto.
Todas as pessoas que participaram e incentivaram o aborto têm a sua parcela
de responsabilidade. Não é só a mãe e o pai que irão responder, mas todos
os envolvidos, cada qual na medida da sua responsabilidade no ato.
Tirando daquele Espírito aoportunidade das experiências que ele precisapara
a sua evolução.
A mulher não toma a decisão de abortarsozinha, há a conivência ou a pressão
do parceiro, ou de outras pessoas. Há a co-participação. A responsabilidade
nunca é individual. Infelizmente as consequências mais graves fica com a
mulher.
Não há justificativas para se provocarum aborto, exceto o que serácomentado
na Q. 359. (Em risco a vida da mãe).
Não se justificasituações em que a mãe se dê ao direito de tirar a vida do filho.
Ex: Eu sou dona do meu corpo (mas não dona do corpo do filho que está no
ventre)
O corpo é usufruto nosso, empréstimo de Deus.
Ao ter o domínio desse corpo e se expor a uma relação para engravidar, tem
que se responsabilizar pelas consequências dos atos.
Hoje existem vários tipos de contraceptivos.
Estupro – mesmo que haja uma questão ética terrívelpor trás, pois não houve
o exercício do livre-arbítrio, ainda é necessário haver a percepção que apesar
da tragédia, há a vida da criança que está ali e que não é responsável pelo
ato.
Existe o direito daquele Espírito em processo reencarnatório à vida, mesmo
que seja através de uma tragédia terrível que é o estupro.
Na natureza nada acontece sem a permissão do Altíssimo. Por trás de uma
tragédia, como o estupro, não se sabe as causas que explicam a experiência
vivida pela vítima. Por trás da tragédia, há um Espírito que está aproveitando
a oportunidade para vir a vida. O aborto seria transferir ao Espírito
reencarnante a responsabilidade final do ato a pagar com a própria vida.
O estupradorresponderápelos seus atos, se não diante das leis dos homens
que é imperfeita como somos, mas diante da Lei Divina que é perfeita.
31
A estuprada diante das leis dos homens é considerada inocente, diante das
Leis Divinas não é. Não podemos julgar e nem condenar, já está sendo
condenada. Merece nossa compaixão, misericórdia e respeito.
O aborto é crime aos olhos das leis humanas (no Brasil) e perante Deus
sempre será crime, pois é um atentado às leis naturais.
A doutrina Espírita nos mostra que a vida na matéria é necessária e é uma
bênção.
Oabortoé umcrime de maiormonta,é matarquemnãotemmeiosde defenderaprópriavida,emumcorpo
que se encontra formação. (Miramez)
359 – No caso em que a vida da mãe estivesse em perigo com o
nascimento da criança, há crime em sacrificar a criança para salvar a
mãe?
É preferível sacrificar o ser que não existe ao ser que existe.
COMENTÁRIOS:
Quando a Espiritualidade coloca “o ser que não existe” está se referindo ao
ser que ainda não consumou a reencarnação, pois sabemos que existe o
corpo em formação e o Espírito ligado a ele, mesmo que através de laços
delicados que podem ser desfeitos.
Diante de uma gravidez que colocaem risco avida da mãe,é preferívelmanter
a vida da mãe e sacrificar a vida daquele ser em formação.
Ou seja, em uma gravidez em que corre o risco de se perder a mãe, entre a
mãe e o filho, é preferível preservar a vida da mãe (que já está consolidada).
É o único caso em que a doutrina espírita considera possível a prática do
aborto para manter a vida da mãe. Não é taxativa a resposta;atentemos para
a palavra “preferível”, portanto, é uma sugestão para situações concretas de
risco da vida da mãe.
É uma situação ética também.
O aborto em sua maioria estálonge de questões éticas.Em regra,não envolve
o risco de vida da mãe, não envolve inviabilidade do feto e nem estupro.
Porém, quem garante que aquela mãe que está com a vida em risco vai
sucumbir?
Muitas vezes a conexão com Deus, a união com a Espiritualidade Superior
que ampara, que fortalece, que vibra em benefício daquele coração, daquela
família, é provável e, não raro que aquela mãe sobreviva e tenha condições
32
de manter a gravidez até o fim.Tudo precisaserbem examinado, bem refletido
e ponderado com bom senso, jamais com precipitação.
360 – É racionalter pelo feto a mesma atençãoque se tem pelo corpo de
uma criança que tivesse vivido?
Em tudo isso vedes a vontade de Deus e sua obra; não trateis, pois,
levianamente as coisas que deveis respeitar. Por que não respeitar as obras
da Criação, que são incompletas às vezes pela vontade do Criador? Isso
pertence aos seus desígnios, que pessoa alguma é chamada a julgar.
COMENTÁRIOS:
Não devemos tratar levianamente as coisas vindas de Deus, mesmo as
incompletas. Tudo é obra e vontade de Deus.
Se tudo decorre da vontade de Deus, tudo merece o nosso respeito.
Então mesmo com o feto, com o corpinho de uma criança, devemos ter
cuidado, ter atenção como nós temos por uma criança que tivesse vivido.
Não devemos julgar o fato daquela criança ter retornado ao plano espiritual,
sem concluir a reencarnação e sem ter tido condições de viver esta vida na
matéria, pois tudo acontece conforme a vontade de Deus. Temos que ter
entendimento e respeito.
O amor deve ser indistinto a todas as formas de vida.
Em tudo daí graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. (I Tessalonicenses 5:18)
Tudo tem uma razão de ser, e nada acontece sem a permissão de Deus. (Questão 536)
33
7.3 – FACULDADES MORAIS E INTELECTUAIS DO HOMEM
361 – De onde vêm, para o homem,as qualidadesmorais,boas ou más?
São as do Espírito que está encarnado nele; quanto mais o Espírito é puro,
mais o homem é guiado para o bem.
361.a)Pareceresultardisso que o homem de bem é a encarnaçãode um
bom Espírito, e o homem viciado a de um mau Espírito?
Sim, mas dize antes que é um Espírito imperfeito,de outra forma poder-se-ia
crer em Espíritos sempre maus, os que chamais demônios.
COMENTÁRIOS:
O homem tem determinadas qualidades morais positivas e negativas que são
qualidades do Espírito.
O homem é um Espírito encarnado, possuído por uma alma porque está
encarnado. É um Espírito imortal.
A carne vem da carne, mas o Espírito não vem do Espírito.
A carne é genética. As qualidades físicas vêm da genética herdada dos pais.
As qualidades do Espírito encarnado vêm do Espírito que ele é. Não vem dos
pais. As virtudes estão no Espírito, podem ser aperfeiçoadas ou encobertas
conforme o ambiente em que a pessoa se encontra.
Os pais podem influenciar no estado de moralidade do Espírito.A infância é o
períodoem que o Espírito estáainda aberto às influências da família para que
vá melhorando as qualidades morais.Não pensemos que sendo as qualidades
morais do Espírito não há nada a fazer por ele. Não é bem assim, a família e
as pessoas do convívio sempre contribuem para o melhoramento das
faculdades morais do Espírito. É na infância que os pais ajudam a moldar o
caráter, a personalidade do Espírito para a fase adulta.
Diante das suas experiências, do aprendizado adquirido vai aos poucos
apresentando qualidades morais mais positivas.
A doutrina Espírita nos ensina que o aperfeiçoamento é permanente. Todas
as aquisições são permanentes e não se perdem. O Espírito não retroage.
Questão A:
A Espiritualidade faz uma correção utilizando a expressão “Espírito imperfeito”
porser mais correto.Quando se usa a expressão Espírito maudá a impressão
de que fora criado nessa condição. O mau é apenas a ausência do bem, do
amor. É uma imperfeição temporária do Espírito até que ele conheça e
vivencie as Leis de Deus e do amor.
34
Aquilo que ainda não foi melhorado, não foi aperfeiçoado, é uma situação
transitória, por isso não podemosfalarem Espíritos “maus” porque essaé uma
posição transitória. Nós estamos todos, desde o início da nossa existência
enquanto Espíritos eternos, matriculados num curso (elaborado pelo Pai
Eterno) de aperfeiçoamento contínuo. Quem ainda não é bom, será bom
futuramente. Quem já é bom, será ainda melhor e assim sucessivamente.
Então ao invés de chamar de Espíritos maus, o ideal é chamá-los de
imperfeitos.Se o Espírito é imperfeito vai se retratar no corpo material as suas
imperfeições, bem como, a sua elevação.
O mau vem da ausência do bem. São Espíritos imperfeitos que precisam
encarnar para aprender a serem bons.
Se um Espírito ignorante reencarna, certamente que ele,ao crescer, está predisposto às paixões inferiores
do mundo; contudo, a bondade de Deus é tão grande, que sempre deposita essa alma aos cuidados de
alguém, que passa a ensiná-lo a mudar seu modo de vida, por vezes com o exemplo. (Miramez)
A matéria é instrumento humano, mas também divino, nas mãos do ser encarnado, como o cavalo de
montaria o é do cavaleiro. As rédeas regulam seus passos e, no caso do Espírito, as rédeas são o
esclarecimento para refrear os instintos materiais, correspondentes à ignorância da alma. (Miramez)
362 – Qual o caráter dos indivíduos em que se encarnam Espíritos
travessos e levianos?
De indivíduos estouvados, espertalhões, e, algumas vezes, malfazejos.
COMENTÁRIOS:
Aqui vale a pena relembrarmos da Escala Espírita na Q.100 e subsequentes.
Vários graus evolutivos dos Espíritos.
Três ordens: Espíritos imperfeitos, Espíritos bons, Espíritos puros.
Dentro da ordem dos Espíritos imperfeitos há cinco classes e uma dessas
classes é de Espíritos levianos.
Nessas questões, a Espiritualidade nos mostra que o Espíritos travessos e
levianos não são Espíritos malévolos, que gostam de fazer o mal, de ver o
sofrimento e a maldade. Tem mais as características de serem brincalhões do
que ser cruéis e maldosos, como os Espíritos impuros.
Estão nesse grupo os espertalhões e aqueles que fazem o mal porbrincadeira
para ver o outro não se dar muito bem,mais irônicos,mas não essencialmente
malévolos.
35
AsclassesdosEspíritossão emgrande variedade e podemosobservá-laspelocomportamentodosEspíritos,
tanto encarnados quanto desencarnados.
Os Espíritoslevianosnemsempre sãomausEspíritos que se aproximamdoshomensinspirandomaldade,o
ódio e a vingança. Eles são mais brincalhões, iguais aos muitosque se pode ver dentre os encarnados.Eles
têm uma grande sutileza em usar o humorismo, introduzindo nas brincadeiras assuntos de gozação sem,
contudo,avaliarotempoque gastamemcoisasfúteis,mormente quandose encontrammuitosdelesjuntos.
Alguns são viciados contumazes.
É uma classe de Espíritos muito grande e eles não toleram os Espíritos sérios. Acham que são fanáticos,
somente porque resguardam os pensamentos das leviandades, que podem levar o desapreço às coisas
nobres.São realmente maliciosos;instigamasintrigas,e sempre desejamfugirquandoveema coisatomar
outro caráter, que por vezes não era a sua intenção.
363 – Os Espíritos têm paixões que não pertencem à Humanidade?
Não, de outro modo eles vo-las teriam comunicado.
COMENTÁRIOS:
Os Espíritos desencarnados tem as mesmas paixões, os mesmos interesse
que a humanidade até porque ao desencarnar ficam no mundo espiritual
(colônias espirituais, regiões umbralinas) tudo ainda muito próximo à Terra em
uma dimensão bem próximo ainda. Então aquilo que os desencarnados
buscam são as mesmas coisas e situações que os encarnados vivenciam.
Todos os Espíritos que encarnam têm emoções e paixões humanas.
Quanto mais evoluído é o Espírito menos apegado às paixões da matéria.
Espíritos desencarnados inferiores sentem falta do mundo material, sentem
falta das paixões humanas e é por isso que há os chamados Espíritos
vampirizadores, que sugam energias dos encarnados (sexo, bebidas,cigarro,
drogas, alimentos etc.), das paixões e más tendências humanas.
Onde quer que estejamos, seja no mundo material ou no mundo espiritual
levaremos conosco as nossas paixões, as nossas tendências inferiores, a
nossa imperfeição ou a nossa depuração espiritual. Os Espíritos são os
mesmos homens, e os homens são os mesmos Espíritos.
É necessário que estudemos mais as leis de Deus, que passemosa conhecer
na sua profundidade, os ensinamentos de Jesus Cristo, porque somente a
verdade e o amor nos liberta.
Enquanto deixarmos as paixões inferiores envenenar o nosso ser, envenenar
o nosso coração tudo ao nosso redor se envenena também. As paixões
inferiores envenenam a atmosfera, a água, os alimentos, nosso organismo,
tudo. Tudo é vibração, tudo é sintonia. Dependendo daquilo que emanamos
36
para dentro de nós e para o exterior estaremos envolvendo o nosso meio
positivamente ou negativamente.
É tempo de ter consciênciadisso.É hora de mudar, reformaro nosso coração,
se auto aperfeiçoar para ser luz para que possamos envolver a natureza e as
pessoas em vibração de luz, de amor e de paz.
Vamos combateras paixões que vibram em nossa alma. A Doutrina Espíritaé
um manancial de ensinamentos capazes de nos levar à vitória.
364 – É o mesmo Espírito que dá ao homem as qualidades morais e as
da inteligência?
Seguramente, é o mesmo,e isso em razão do grau que alcançou. Não tem o
homem em si dois Espíritos.
COMENTÁRIOS:
O homem não tem em si dois Espíritos.É o mesmo com habilidades diversas
(moral e intelectual) em função do grau alcançado em sua trajetória.
O Espírito possui a unicidade, a individualidade. → Questão 79
Embora o Espírito apresente qualidades diversas, não significa que estaria
dois Espíritos vinculados. É o mesmo Espírito que jáadquiriu várias qualidades
ou muitas vezes cresceumuito no campo intelectual e pouco no campo moral
ou vice-versa.
O fato de haver características,virtudes,qualidades distintas não significaque
há mais de um Espírito habitando aquele corpo.
365 – Por que homens muito inteligentes, que evidenciam em si um
Espírito superior,algumas vezes,ao mesmo tempo, são profundamente
viciados?
É que o Espírito encarnado não é tão puro, e o homem cede à influência de
outros Espíritos piores. O Espírito progride através de uma insensível
caminhada ascendente,mas o progressonão se realiza, simultaneamente, em
todos os sentidos; em uma etapa ele pode avançar em ciência, em outra, em
moralidade.
COMENTÁRIOS:
37
Temos várias facetas,mas há duas primordiais,extremamente importantes:a
facetada inteligência e a faceta da moralidade.A inteligência é uma dimensão
do Espírito, a moralidade é outra dimensão do Espírito.
O Espírito cresce em vários aspectos, mas não cresce em todos esses
aspectos de forma simultânea.
Em cada reencarnação, em cada experiência consegue adquirir evolução em
determinado ponto, às vezes a inteligência, às vezes a moralidade.
Precisamos crescer em inteligência, sabedoria e moralidade para sermos
perfeitos. Isso não significaque vamos agregar valor a todos esses pontosem
uma única existência.
Encontramos muitos homens de saber, de intelectualidade, mas repletos de
orgulho, de egoísmo,profundamente viciosos no aspecto moral.São Espíritos
com vastas experiencias, mas havendo muito a evoluir em função da
deficiência no campo moral.
Tela das asas:
É mais comum e mais fácil crescermos em intelectualidade. A moralidade
cresce mais lentamente.
Nós ainda temos qualidades morais defeituosas, por isso precisamos agir
sempre com o perdão porque assim como nós vemos o problema moral do
outro, em algum momento nós também vamos expressara nossaimperfeição
moral. Dessaforma, assim como vejo a imperfeição do outro e vou perdoá-lo,
em algum momento também precisareido perdão do outro, diante das minhas
imperfeições.
Ao percebermos que somos todos imperfeitos, que todos estamos em uma
jornada de aperfeiçoamento,nós somos os mesmos.Aquilo que me incomoda
no outro, provavelmente é aquilo que eu mais preciso aperfeiçoar.Aquilo que
mais incomoda, geralmente, é o que o meu subconsciente me aponta que eu
preciso melhorar.
Ex: A maledicência
A maledicência é o ato que consiste em falar mal das pessoas. Maldizer significa destruir. A
pessoa maledicente é maldosa. Se o coração do maledicente fosse puro, ele não teria
nenhum prazer em discutir, pelo lado pior, os atos do seu irmão. Ninguém ajuda
condenando. Além disso, essa atividade desrespeita o dever primordial da caridade, e ainda
demonstra que nosso tempo está sendo pessimamente empregado: afinal, ter tempo para
falar mal dos outros significa ter tempo livre em excesso, que poderia ser empregado em
atividades que edificassem o Bem.
Falar mal dos outros é atividade altamente prejudicial, que deve ser combatida
imediatamente ao constatarmos que ela faz parte de nosso cotidiano. Não importa se os
outros são nossos conhecidos ou não; se estão longe ou perto; se agiram correta ou
38
incorretamente: simplesmente não devemos alimentar nossas conversações com assuntos
que somente dizem respeito à vida alheia. Se não for o caso de prestar algum auxílio, para
nada de útil tal conversação servirá e ainda poderá ser fonte de muitos males.
Espalhar notícias falsas ou verdadeiras sobre a vida alheia, costume popularmente
conhecido por fofoca, para muitos é um divertimento sem importância. No entanto, esta
prática que parece inofensiva, quando seguida da maledicência, pode destruir a reputação
de alguém em segundos. A palavra nos foi dada para o crescimento, não para a destruição.
Devemos utilizá-la para o bem. Se o que ouvimos, não serve para a melhoria dos outros, ou
para instrução de alguém, para que passar adiante?
Sócrates dizia que toda e qualquer informação que nos chega deve passar criteriosamente
pelos filtros da VERDADE, BONDADE E UTILIDADE, para que possa posteriormente ser
divulgada.
Não julgueis para que não sejais julgados. (Mt 7:1)
E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão e não vês a
trave que está no teu olho? (Mt 7:3)
Não é o que entra pela boca o que torna uma pessoa impura, mas o que sai
da boca, isto sim, corrompe a pessoa. (Mt 15:11)
Três atitudes:
- Perceber – identificar os erros/vícios
- Assumir os erros/vícios
- Corrigir os erros/vícios (orai e vigiai – Mt 26:41)
* Em relação ao próximo:
- Benevolência para com todos
- Indulgência (compaixão/misericórdia) para com as imperfeições
- Perdão das ofensas
Inteligência não é sinônimo de pureza espiritual; é um dos dons para o alto. Ela serve, e muito, como
instrumentodaalmapara progredir,quandoé usado para a felicidade de todososseres.Podemosverificar
grandesinteligênciasservindode instrumentode Deusparaapaz do mundo,e outrastantasusando-aspara
a guerra, aumentando a peste e a fome no mundo.
A inteligência só entra na faixa da pureza quando em completa harmonia com o amor, como nos mostra o
exemplo de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ela, para o mal, é como que o combustível ou o inflamável que se
derrama próximo ao fogo. Grandes inteligências que manifestaram seus poderes intelectuais na Terra se
encontramemzonasinferiores,naerraticidade,porteremfeitomauusodessafaculdademaravilhosae,por
vezes,voltamà carne em corpo deformadooucomo um idiota,na certezade que com issopoderão sentir,
na profundidade doser,o erro que praticaram quandoem liberdade.De outra vezque retornaremà Terra,
pela lei das vidas múltiplas, aplicarão a sabedoria para o bem de todos.
39
366 – Que pensar da opinião segundo a qual as diferentes faculdades
intelectuais e morais do homem seriam o produto de diferentes Espíritos
encarnados nele, e tendo, cada um, uma aptidão especial?
Refletindo,reconhece-se que é absurda.O Espírito deve tertodas as aptidões;
para poderprogredir,lhe é necessáriauma vontade única. Se o homem fosse
um amálgama de Espíritos, essa vontade não existiria e ele não teria
individualidade, pois que,em suamorte,esses Espíritos seriam qualum bando
de pássaros escapados de uma gaiola. O homem lamenta, frequentemente,
não compreender certas coisas e é curioso vercomomultiplicaas dificuldades,
enquanto que tem sob a mão uma explicação muito simples e natural. Ainda
aqui, toma o efeito pelacausa; é fazer para o homem o que os pagãos fizeram
para Deus. Acreditavam em tantos deuses quantos são os fenômenos do
Universo, mas, entre eles,as pessoas sensatas não viam nesses fenômenos
senão efeitos tendo por causa um Deus único.
COMENTÁRIOS:
União da alma e do corpo – quando se liga um Espírito ao zigoto (embrião) é
um Espírito só. Um corpo, um Espírito. É uma relação unívoca1
.
É uma ideia absurda, pois é o Espírito é que tem que ter todas as aptidões
para que possa ser completo.
Perceberum serencarnado como um coletivo de Espíritos é um contrassenso.
O Espírito é um só, com dimensões infinitas.
Para que o Espírito possa ser perfeito, ele tem que ser detentor de todas as
qualidades, de todas as aptidões, de todas as inteligências, de toda a moral e
de toda sabedoria.
São duas asas: intelectual e moral. Cada uma dessas asas possui uma
infinidade de plumas que tornam essa asa num todo.
Da mesma forma, existem várias características que formam o todo da
inteligência e da moralidade.
Se nosso corpo fosse habitado por vários Espíritos, ao desencarnar não
teríamos individualidade. Isso é algo insensato.
Osque acreditamque cadafaculdade doserhumanotemumEspíritoquelhe correspondeestãoenganados,
como estavamiludidososque nopassadoacreditavamemváriosdeuses,apontandoemcadafenômenoda
natureza um Deus que seria a fonte do acontecimento.
1 - Matemática – Relação de correspondência entre conjuntos em que para cada elemento de um conjunto há
apenas outro correspondente.
40
Compreende-se portanto, que o homem somente tem um Espírito com variadas manifestaçõesdos seus
dons, como sendo talentos espirituais, oferta do Senhor ao seu coração.
Allan Kardec:
O mundo físico e o mundo moral nos oferecem, a esse respeito,
numerosas comparações.Acreditou-se na existênciamúltipla damatéria
enquanto se esteve apegado à aparência dos fenômenos; hoje,
compreende-se que esses fenômenos, conquanto variados, podem não
ser senão modificações da matéria elementar única. As diversas
faculdades são manifestações de uma mesma causa que é a alma, ou
Espírito encarnado, e não de muitas almas, da mesma forma que os
diferentes sons do órgão são o produto de uma mesma qualidade de ar
e não de outras tantas espécies quantas sejam as dos sons. Resultaria
desse sistemaque quandoum homem perde ou adquirecertasaptidões,
certas inclinações, isso seria pela ação de outros tantos Espíritos que
vieram ou que se foram, fazendo dele um ser múltiplo, sem
individualidade, e, por consequência, sem responsabilidades. É outra
contradição aos exemplos, tão numerosos, de manifestações através
das quais os Espíritos provam sua personalidade e sua identidade.
COMENTÁRIOS:
- Individualidade
- Responsabilidade
Tal teoria não condiz com o que temos aprendido e nem com o bom senso,
com a lógica.
41
7.4 – INFLUÊNCIA DO ORGANISMO
367 – O Espírito, unindo-se ao corpo, se identifica com a matéria?
A matéria não é senão um envoltório do Espírito, como o vestuário é o
envoltório do corpo. Unindo-se ao corpo, o Espírito conserva os atributos de
sua natureza espiritual.
COMENTÁRIOS:
O corpo físico reflete o que o Espírito é.
O perispírito é o corpo do Espírito e o modelo organizador biológico, ou seja,
o molde do corpo físico (carnal). O corpo físico reflete, demonstra o que o
Espírito é. E, consequentemente, o perispírito.
Há uma conexão entre o Espírito e o corpo porque estão ligados por laços
como o fio fluídico prateado.
Se for um Espírito mais evoluído, o seu corpo físico vai refletir as virtudes
desse Espírito, independentemente da aparência física.
O Espírito sempre conserva as suas aquisições espirituais, o seu atributo.
Se for um Espírito imperfeito,repleto de mazelas, por mais que o corpo físico
seja saudável, o Espírito mantém as suas imperfeições, a suas tendências
inferiores, mesmo estando em um corpo sadio.
Por isso precisamos trabalhar o nosso interior para que ocorra a modificação,
o crescimento, a evolução de nós mesmos enquanto Espíritos eternos que
somos.
O corpo físico é apenas uma veste do Espírito, assim como, o perispírito é
uma veste do Espírito. O ser, a individualidade é o Espírito.
368 – O Espírito exerce, com toda liberdade, suas faculdades depois da
sua união com o corpo?
O exercício das faculdades depende dos órgãos que lhes servem de
instrumento; elas são enfraquecidas pela grosseria da matéria.
368.a) Segundo isso, o envoltório material seria um obstáculo à livre
manifestação das faculdades do Espírito,como um vidro opaco se opõe
livre emissão da luz?
Sim, e muito opaco.
42
Allan Kardec:
Pode- se ainda comparar a ação da matéria grosseira do corpo sobre o
Espírito à da água lamacenta, que tira a liberdade dos movimentos aos
corpos nela mergulhados.
COMENTÁRIOS:
Temos dificuldade de perceberesse charco lodoso ou esse vidro opaco, uma
vez que nós sentimos através do nosso corpo físico, plena liberdade de
movimentos, de pensamentos.
Porém a Espiritualidade nos afirma que o corpo físico e seus respectivos
órgãos exercem certa barreira para o exercício pleno do Espírito.
Por isso aqui encarnados não conseguimos tertodas as potências de Espírito
em pleno desenvolvimento, porque a matéria obscurece dificultando a
liberdade de movimento, de potencialidade, de pensamento do Espírito.
Um exemplo que nos ajuda a compreender que o nosso corpo é uma prisão,
um cárcere, é a situação de determinadas pessoas que vem no corpo físico
com alguma limitação física ou mental, a gente percebe que aquela pessoa
tem consciência. ela está pensando,está refletindo com a sua capacidade de
raciocínio normal, mas não consegue se expressarporque os órgãos do corpo
físico estão parcialmente comprometidos e não dá a oportunidade para que o
Espírito manifeste a sua intelectualidade.
E assim representa o nosso corpo para o Espírito.
O Espírito tem outras inúmeras potencialidades que ficam limitadas em função
do corpo que é como se fosse um vidro muito opaco. Então limita bastante.
O Espírito se submete às limitações que a matéria impõe.
A prisão do Espírito também impede de fazer muitas besteiras.
369 – O livre exercício das faculdades da alma está subordinado ao
desenvolvimento dos órgãos?
Os órgãos são os instrumentos de manifestação das faculdades da alma.
Essas manifestações se encontram subordinadas ao desenvolvimento e ao
grau de perfeição desses mesmos órgãos, como a boa qualidade de um
trabalho, à boa qualidade da ferramenta.
COMENTÁRIOS:
O livre exercício das faculdades daalmadepende,de certo modo,daevolução
dos órgãos, pois eles são o instrumento desse exercício.
43
Os nossos órgãos,emboraperfeitos para a nossavida material é um limitador
para o Espírito.
Não conseguimos ter o exercício livre das nossas faculdades, de todas as
nossas potencialidades.
Por mais que a nossa mente (que é tudo) tenha intelectualidade, consegue
utilizar a capacidade máxima que o corpo permite, mas não tudo aquilo que
ela é capaz, porque os órgãos ainda são relativamente limitados. Vão evoluir
à medida que desenvolvemos o Espírito e à medida que os órgãos também
serão mais desenvolvidos,como acontece nos mundos mais evoluídos,onde
os Espíritos materializados têm condições de exercitar suas faculdades com
maior liberdade.
Ex: Fase da infância – Órgãos em desenvolvimento e o Espírito muito mais
limitado que na fase adulta.
O profissional com ferramentas de baixa qualidade.
370 – Pode-se deduzir, da influência dos órgãos, uma relação entre o
desenvolvimento dos órgãos cerebrais e o desenvolvimento das
faculdades morais e intelectuais?
Não confundais o efeito com a causa. O Espírito tem sempre as faculdades
que lhe são próprias; ora, não são os órgãos que dão as faculdades, mas as
faculdades que conduzem ao desenvolvimento dos órgãos.
370.a) Assim sendo, a diversidade das aptidões do homem provém
unicamente do estado do Espírito?
Unicamente não é toda a exatidão do fato; as qualidades do Espírito,que pode
ser mais ou menos avançado, são o princípio, mas é preciso ter em conta a
influência da matéria que entrava, mais ou menos, o exercício dessas
faculdades.
COMENTÁRIOS:
Todas as faculdades da alma fluem dela mesmo e, quando encarnada, ela se
serve dos órgãos para se mostrar ao mundo tal qual ela é, na soma de suas
qualidades espirituais.
A Espiritualidade reforça o que foi visto nas questões anteriores.
Todas as faculdades pertencem ao Espírito e não ao corpo físico. O Espírito
se manifesta suas faculdades no corpo em que estiver conforme a sua
evolução,sendo mais ou menos evoluído terádiversidadesde potencialidades
de faculdades que serão mais ou menos desenvolvidas.
44
Embora o Espírito possaser mais ou menos adiantado para que ele possase
expressarno corpo físico semprehaverá certa influência da matéria nas suas
manifestações.
A matéria conforme ela seja mais ou menos limitada, mesmo o Espírito tendo
aptidões diversas apresentaráalguma limitação. Não porque ele (Espírito)seja
limitado, mas porque o corpo físico lhe cerceia o exercício das suas
faculdades.
Todas as potencialidades, aptidões são do Espírito e não do corpo, mas
conforme seja esse corpo mais ou menos evoluído, mais ou menos
materializado o exercício dessas faculdades pelo Espírito fica relativamente
limitado.
Emborao corpo limite o Espírito não significaque o Espírito seja limitado, mas
apenas que ele não consegue demonstrar sua potencialidade em função
dessa limitação do corpo.
O Espírito traz suas aptidões, mas em cada reencarnação desenvolve novas
aptidões de acordo com a realidade, com a cultura da comunidade em que se
reencarnou. Dessa forma sempre está aprendendo e desenvolvendo novas
potencialidades. Nesse sentido a matéria proporciona oportunidades para o
crescimento. É o instrumento para o desenvolvimento dessas novas
potencialidades. Ex: cultura brasileira, cultura japonesa.
Os órgãos oferecem mais ou menos condições para o desenvolvimento
dessas aptidões,conforme determinado pelo próprio Espírito (juntamente com
os mentores) em seu planejamento reencarnatório. O Espírito não traz 100%
das suas potencialidades. Muitas potencialidades ficam reservadas em função
da missão a ser cumprida.
A verdade está no Espírito.
A forma do corpo é determinada pela fôrma do peripírito construída pelo
Espírito.
As faculdades do Espírito independem dos órgãos; a alma precisa deles para realizar as comunicações na
faixamaterial,e essa comunicaçãopode ser cerceadapelasdecadênciasdosórgãos em questão.O Espírito
encarnado,quandoemdurasprovas,temos seusórgãosdificultandoque ele expresse suasfaculdades,que
são interrompidas, no sentido de que os sentimentos se eduquem para novas tarefas no porvir. Nunca,
porém,damatérianasceramas faculdadesinteligentes;acausa de todaselasse encontrana alma,semente
divina de Deus, que se reveste de variados corpos, como se dá na própria natureza. (Miramez)
Allan Kardec:
O Espírito, se encarnando, traz certas predisposições, admitindo-se,
para cadauma,um órgãocorrespondenteno cérebro,o desenvolvimento
desses órgãos será um efeito e não uma causa. Se as faculdades se
originassem nesses órgãos,o homem seria máquina sem livre-arbítrioe
sem responsabilidade dos seus atos. Seria preciso admitir que os
45
maiores gênios,sábios,poetas,artistas,não são gênios senãoporqueo
acaso lhes deu órgãos especiais, do que se seguiria que, sem esses
órgãos, não poderiam ser gênios e que o último imbecil poderia ser um
Newton,um Virgílio ou um Rafael, se estivesseprovido de certosórgãos;
suposiçãomais absurda aindaquando se a aplica às qualidadesmorais.
Assim, segundo esse sistema, São Vicente de Paulo, dotado pela
Natureza de tal ou tal órgão,poderia ter sido um celerado,e não faltaria,
ao maior celerado, senão um órgão para ser São Vicente de Paulo.
Admiti, ao contrário, que os órgãos especiais, se é que existam, são
consequentes e se desenvolvem pelo exercício da faculdade, como os
músculos pelo movimento, e vós não tereis nada irracional. Façamos
uma comparação trivial por ser verdadeira: por certos sinais
fisionômicos,reconheceis o homem dado à bebida;são essessinaisque
o tornam um ébrio,ou a ebriedade que faz apareceressessinais? Pode-
se dizer que os órgãos recebem o cunho das faculdades.
COMENTÁRIOS:
Não podemos creditar aos órgãos toda a inteligência, todas as faculdades,
todo o saber, pois senão teríamos que admitir que os maiores gênios, como
os artistas, cientistas só foram porque o acaso lhes teria dado a essas pessoas
órgãos especiais oucorpofísicoque fariacom que eles desenvolvessemtodas
essas potencialidades.
Essa hipótese é absurda. Daria a entender que não apenas a intelectualidade
viria dos órgãos, mas até mesmo as qualidades morais. Seria supor que as
qualidades morais, como, a bondade, o amor, a caridade, a fraternidade
viessem dos órgãos. Como imaginar que um órgão mais ou menos perfeito,
mais ou menos potente daria as qualidades intelectuais e as qualidades
morais ao Espírito e não o inverso.
Tal hipótese é inconcebida. Deixa de ser lógica e passa a ser absurda.
46
7.5 – IDIOTISMO E LOUCURA
O conceito de idiotismo e cretinice usadoporKardec não é o conceito moderno
que temos atualmente, os quais são adjetivos pejorativos.
Esse é um contexto do século XIX. Esses eram conceitos da medicina da
época.
Organismos internacionais e associações de pessoas com deficiência, como
a APAE,UNICEF, têm recomendado a utilização de termos como "portadores
de necessidades especiais", "excepcionais", entre outros, no lugar de
expressões como cretino, idiota, imbecil que, apesar de termos científicos
oriundos do início da história da medicina, ao longo do tempo adquiriram um
sentido conotativo de ofensa que dificulta sua inclusão social.
Ex: síndrome de down – no século era tratada como um idiota a pessoa com
problemas psiquiconeuromotora (problemas psicológicos, neurológicos e
motores).
Todo o grande espectro de síndromes relacionadas àdeficiênciaintelectual e
física que temos hoje que são estudadas por vários nomes e com maior
profundidade, na época eram tratados como cretinos, idiotas e loucos.
371 – Tem fundamento a opinião segundo a qual os cretinose os idiotas
têm uma alma de natureza inferior?
Não, eles têm uma alma humana, muitas vezes mais inteligente do que
pensais, e que sofre a insuficiência dos meios de que dispõe para se
comunicar, do mesmo modo que o mudo sofre a de não poder falar.
COMENTÁRIOS:
O fato de um Espírito encarnar com a prova do idiotismo não quer dizer que
será ele um Espírito ignorante.Podemos dizer,aí sim, que ele fezmal uso das
suas faculdades em outras reencarnações,e nesta, como cretino,repara suas
faltas no corredor dos tempos.
Esses Espíritos que reencarnam com limitações mentais não significam que
eles são Espíritosde natureza inferior. Isso pode acontecer? Mas não é regra
geral.
Muitos Espíritos que vem nessa condição são Espíritos muito inteligentes. A
inteligência é sinal de uma certa evolução, pois evoluímos tanto
intelectualmente, quanto moralmente. Não são Espíritos tão imperfeitos e
primitivos. Mas são pessoas que muitas vezes utilizaram a sua inteligência de
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida Corporal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

080910 le–livro ii-cap.4–sorte das crianças depois da morte
080910 le–livro ii-cap.4–sorte das crianças depois da morte080910 le–livro ii-cap.4–sorte das crianças depois da morte
080910 le–livro ii-cap.4–sorte das crianças depois da morte
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Ponte de Luz ASEC
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 
Provas da existencia sobrevivencia do espirito
Provas da existencia sobrevivencia do  espiritoProvas da existencia sobrevivencia do  espirito
Provas da existencia sobrevivencia do espirito
Graça Maciel
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Ricardo Azevedo
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Denise Aguiar
 
Sócrates e platão prec. espiritismo
Sócrates e platão prec. espiritismoSócrates e platão prec. espiritismo
Sócrates e platão prec. espiritismo
Vera Apolinario
 
Das ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritosDas ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritos
Izabel Cristina Fonseca
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
Leonardo Pereira
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
Lisete B.
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
igmateus
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Antonino Silva
 
JustiçA da Reencarnação
JustiçA  da  ReencarnaçãoJustiçA  da  Reencarnação
JustiçA da Reencarnação
Jose Maria Magalhaes
 
Relações de além tumulo
Relações de além tumuloRelações de além tumulo
Relações de além tumulo
Marcos Antônio Alves
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
M.R.L
 
2.8.1 O sono e os sonhos
2.8.1   O sono e os sonhos2.8.1   O sono e os sonhos
2.8.1 O sono e os sonhos
Marta Gomes
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
meebpeixotinho
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 

Mais procurados (20)

080910 le–livro ii-cap.4–sorte das crianças depois da morte
080910 le–livro ii-cap.4–sorte das crianças depois da morte080910 le–livro ii-cap.4–sorte das crianças depois da morte
080910 le–livro ii-cap.4–sorte das crianças depois da morte
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 
Provas da existencia sobrevivencia do espirito
Provas da existencia sobrevivencia do  espiritoProvas da existencia sobrevivencia do  espirito
Provas da existencia sobrevivencia do espirito
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
Sócrates e platão prec. espiritismo
Sócrates e platão prec. espiritismoSócrates e platão prec. espiritismo
Sócrates e platão prec. espiritismo
 
Das ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritosDas ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritos
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
 
JustiçA da Reencarnação
JustiçA  da  ReencarnaçãoJustiçA  da  Reencarnação
JustiçA da Reencarnação
 
Relações de além tumulo
Relações de além tumuloRelações de além tumulo
Relações de além tumulo
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
 
2.8.1 O sono e os sonhos
2.8.1   O sono e os sonhos2.8.1   O sono e os sonhos
2.8.1 O sono e os sonhos
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 

Semelhante a Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal

2.7.1 Preludios do retorno
2.7.1   Preludios do retorno2.7.1   Preludios do retorno
2.7.1 Preludios do retorno
Marta Gomes
 
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Capitulo IV   Pluralidade das existenciasCapitulo IV   Pluralidade das existencias
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Marta Gomes
 
Capitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espiritaCapitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espirita
Marta Gomes
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
2.4.3 transmigracao progressiva
2.4.3   transmigracao progressiva2.4.3   transmigracao progressiva
2.4.3 transmigracao progressiva
Marta Gomes
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
Sergio Lima Dias Junior
 
A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.
MARILENEAPARECIDABEN
 
2.7.2 uniao da alma e do corpo - aborto
2.7.2   uniao da alma e do corpo - aborto2.7.2   uniao da alma e do corpo - aborto
2.7.2 uniao da alma e do corpo - aborto
Marta Gomes
 
Reencarnação instrumento pedagógico
Reencarnação instrumento pedagógicoReencarnação instrumento pedagógico
Reencarnação instrumento pedagógico
Helio Cruz
 
Emancipação da alma
Emancipação da almaEmancipação da alma
Emancipação da alma
Maria Salete da Cunha
 
Tema: A Encarnação, Desencarnação e Reencarnação
Tema:  A Encarnação, Desencarnação e ReencarnaçãoTema:  A Encarnação, Desencarnação e Reencarnação
Tema: A Encarnação, Desencarnação e Reencarnação
Fábio Constantino
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Reencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidadeReencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidade
Victor Passos
 
Capítulo VIII - Lei do Progresso.docx
Capítulo VIII - Lei do Progresso.docxCapítulo VIII - Lei do Progresso.docx
Capítulo VIII - Lei do Progresso.docx
Marta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Marta Gomes
 
Cinco alternativas da humanidade ( Leonardo Pereira).
Cinco alternativas da humanidade ( Leonardo Pereira). Cinco alternativas da humanidade ( Leonardo Pereira).
Cinco alternativas da humanidade ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Capítulo VI - Lei de Destruição.docx
Capítulo VI - Lei de Destruição.docxCapítulo VI - Lei de Destruição.docx
Capítulo VI - Lei de Destruição.docx
Marta Gomes
 
A escala espírita e o progresso dos espíritos
A escala espírita e o progresso dos espíritosA escala espírita e o progresso dos espíritos
A escala espírita e o progresso dos espíritos
Rodrigo Curado
 
Desenvolvendo o-poder-mental
Desenvolvendo o-poder-mentalDesenvolvendo o-poder-mental
Desenvolvendo o-poder-mental
Isabel Moraes
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
EdsonAguiar30
 

Semelhante a Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal (20)

2.7.1 Preludios do retorno
2.7.1   Preludios do retorno2.7.1   Preludios do retorno
2.7.1 Preludios do retorno
 
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Capitulo IV   Pluralidade das existenciasCapitulo IV   Pluralidade das existencias
Capitulo IV Pluralidade das existencias
 
Capitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espiritaCapitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espirita
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
2.4.3 transmigracao progressiva
2.4.3   transmigracao progressiva2.4.3   transmigracao progressiva
2.4.3 transmigracao progressiva
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
 
A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.
 
2.7.2 uniao da alma e do corpo - aborto
2.7.2   uniao da alma e do corpo - aborto2.7.2   uniao da alma e do corpo - aborto
2.7.2 uniao da alma e do corpo - aborto
 
Reencarnação instrumento pedagógico
Reencarnação instrumento pedagógicoReencarnação instrumento pedagógico
Reencarnação instrumento pedagógico
 
Emancipação da alma
Emancipação da almaEmancipação da alma
Emancipação da alma
 
Tema: A Encarnação, Desencarnação e Reencarnação
Tema:  A Encarnação, Desencarnação e ReencarnaçãoTema:  A Encarnação, Desencarnação e Reencarnação
Tema: A Encarnação, Desencarnação e Reencarnação
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
 
Reencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidadeReencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidade
 
Capítulo VIII - Lei do Progresso.docx
Capítulo VIII - Lei do Progresso.docxCapítulo VIII - Lei do Progresso.docx
Capítulo VIII - Lei do Progresso.docx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
Cinco alternativas da humanidade ( Leonardo Pereira).
Cinco alternativas da humanidade ( Leonardo Pereira). Cinco alternativas da humanidade ( Leonardo Pereira).
Cinco alternativas da humanidade ( Leonardo Pereira).
 
Capítulo VI - Lei de Destruição.docx
Capítulo VI - Lei de Destruição.docxCapítulo VI - Lei de Destruição.docx
Capítulo VI - Lei de Destruição.docx
 
A escala espírita e o progresso dos espíritos
A escala espírita e o progresso dos espíritosA escala espírita e o progresso dos espíritos
A escala espírita e o progresso dos espíritos
 
Desenvolvendo o-poder-mental
Desenvolvendo o-poder-mentalDesenvolvendo o-poder-mental
Desenvolvendo o-poder-mental
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Marta Gomes
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Marta Gomes
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
Marta Gomes
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Marta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Marta Gomes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
Marta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
Marta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Marta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
Marta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
Marta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
Marta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
Marta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
Marta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
Marta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
Marta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
Marta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
 

Último

16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 

Último (14)

16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 

Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal

  • 1. 1 LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO VII: RETORNO À VIDA CORPORAL 7.1 – PRELÚDIOS DO RETORNO 7.2 – UNIÃO DA ALMA E DO CORPO – ABORTO 7.3 – FACULDADES MORAIS E INTELECTUAIS DO HOMEM 7.4 – INFLUÊNCIA DO ORGANISMO 7.5 – IDIOTISMO E LOUCURA 7.6 – DA INFÂNCIA 7.7 – SIMPATIAS E ANTIPATIAS TERRESTRES 7.8 – ESQUECIMENTO DO PASSADO SLIDES: https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/271-preludios-do-retorno https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/272-uniao-da-alma-e-do-corpo- aborto https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/273-faculdades-morais-e- intelectuais-do-homem https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/274-inflencia-do-organismo https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/275-idiotismo-e-loucura https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/276-da-infancia https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/277-simpatias-e-antipatias- terrestres https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/278-esquecimento-do-passado
  • 2. 2 7.1 – PRELÚDIOS DO RETORNO 330 – Os Espíritos conhecem a época em que reencarnarão? Eles a pressentem como um cego sente o fogo de que se aproxima. Sabem que devem retomar um corpo, como sabeis que devereis morrer um dia, mas sem saber quando isso se dará. (166.) 330.a) A reencarnaçãoé, então,uma necessidadeda vida espírita,como a morte é uma necessidade da vida corporal? Certamente, assim é. COMENTÁRIOS: A reencarnação é necessária até que sejamos Espíritos perfeitos. Por mais que o Espírito passe muito tempo na erraticidade ele sabe que em algum momento precisaráretornarà vida material para continuar seuprocesso evolutivo. Os Espíritos não podem permanecer a vida toda só no plano espiritual. É necessário passar pela reencarnação para progredir. Então eles pressentem essa necessidade de reencarnar para continuar seu processo evolutivo, para ajudar algum ente querido. Ele começa a sentir no seu íntimo essa necessidade. Da mesma forma que nós sabemos que iremos desencarnar um dia, o Espirito também sabe que um dia terá que reencarnar. Ele, assim como nós desconhecemos quando iremos desencarnar, também desconhece quando irá reencarnar. O Espírito sabe, portanto, que isso é uma necessidade do espírito, assim como morrer é uma necessidade da matéria. Reencarnar é uma necessidadeenquanto o Espírito não é purificado.Daí não precisará evoluir na matéria, embora continue no plano espiritual. 331 – Todos os Espíritos se preocupam com sua reencarnação? Existem os que nem pensam nisso e mesmo não a compreendem; isso depende de sua natureza mais ou menos avançada. Para alguns, a incerteza em que se encontram de seu futuro é uma punição.
  • 3. 3 COMENTÁRIOS: Uns se preocupam mais, outros menos e outros nem sabem. O grau de evolução entre um Espírito e outro faz diferença na compreensão da vida espiritual, das Leis de Deus e, consequentemente, do retorno do Espírito à vida corporal para continuar seu processo evolutivo. Quantas pessoas (reencarnadas) não compreendem ou não sabem o que é reencarnação. O fato de passarmos para o plano espiritual não significa deixarmos a ignorância e passar compreender tudo. Muitos Espíritos com menos experiências reencarnatórias, com menos progresso que ainda não compreendem as leis de Deus, a justiça divina, a necessidade de progresso, a destinação do homem como Espírito perfeito e feliz, não se preocupam com sua reencarnação, pois não a compreende. Só com o tempo e o adiantamento do Espírito é que ele vai compreendendo e se preocupando com a necessidade de reencarnar para dar continuidade ao processo evolutivo. A incerteza é uma punição, pois muitos não sabem quando terão uma oportunidade de reencarnar, de sair da condição de sofrimento e dor que possam estar vivenciando na espiritualidade. Isso ocorre não porque Deus desejaa punição de seus filhos, mas porque tal condição se torna necessária ao Espírito para que ele desperte e valorize a vida e as leis de Deus e deixe de pensarúnica e exclusivamente em simesmo. Deus sempre aguarda a nossa evolução, conforme o nosso livre arbítrio, para que tudo seja gradativamente esclarecido. Deus não força a nossa natureza. Simplesmente nos aguarda. A ignorância é punida na espiritualidade. É uma forma de punição. Vamos aproveitaro tempo aquipara estudar, para instruir. Vamos nos informar sobre essa realidade que é nossa. Nem todos os Espíritos se preocupam com a reencarnação. Muitos deles não compreendemessa lei. Há Espíritos que,mesmosendotrabalhadoresde certas colôniasespirituais,ignorammuitasleis.Elesnãotêm tamanho espiritual para compreenderem os destinos da alma com maior extensão. Muitos deles são afetuosos,de sorte a agradar aos que convivemcom eles;a bondade já faz parte dos seussentimentos,no entanto, ignoram as leis que os dirigem e comandam. A reencarnaçãoé comose fossemdegrausemtodaanossasubidaespiritual:cadatrocade corporepresenta um degrau alcançado. São mudanças de aprendizado, onde a consciência cresce e o coração se ilumina. - No Mundo Maior
  • 4. 4 332 – Pode o Espírito aproximar ou retardar o momento de sua encarnação? Pode-se apressá-lo solicitando-o por seus votos; pode também retardá-lo, se recua diante das provas, pois, entre os Espíritos,existem também covardes e indiferentes. Todavia, não o fazem impunemente, pois sofrem como aquele que recua diante de um remédio salutar que o pode curar. COMENTÁRIOS: Os Espíritos podem estar nos dois extremos. Uns querendo apressar a reencarnação e outros querendo retardar. O livre-arbítrio funciona nos dois planos (físico e espiritual). Todos nós passamos um tempo na erraticidade. Trabalhando, estudando, adquirindo experiências,se preparando para os desafiose lutas que uma nova vida corpórea trará. É necessário se preparar para correr menos riscos de cometer grandes falhas em uma nova etapa da vida. Não adianta apressar a reencarnação se não estivermos preparados para enfrentar as lutas que teremos pelafrente. O que adianta vir, reencarnar e falir novamente. Então é preferívelaguardar um pouco mais, ficar um pouco mais na erraticidade se preparando melhor para vencer as provas. Mas tem alguns que anseiam tanto por vir e se colocam em um risco maior. Outros retardam a reencarnação porque sabem que aqui passarão por dificuldades, pois as provas, as dificuldades fazem parte do processo. Então por medo, por indiferença, por covardia preferem ficar no plano espiritual, principalmente, se não estiverem em uma condição de tanto sofrimento e dor. Mas não fica nessa condição impunemente. Desencarnação: - Adiar – Dependendo do valor das obras realizadas o Espírito adia o desencarne. O valor do trabalho que vem sendo realizado. - Antecipar – Os vícios, os excessos (alimentação, ócio, trabalho, preocupação) - Ninguém morre de véspera (antes do tempo) – Há o planejamento, mas a execução pode alterá-lo. De acordo com as nossas ações a gente altera o nosso planejamento o tempo todo. Todadecisão acarretaum conjunto de consequências cujas responsabilidades recai sobre aquele que decidiu. Espírito preguiçoso (freio e espora) – ESE – Capítulo IX, item 8 – pág. 98.
  • 5. 5 333 – Se um Espírito se encontra bastante feliz,numa condiçãomediana entre os Espíritos errantes, da qual não tem ambição de se elevar, poderia prolongar esse estado indefinidamente? Não indefinidamente; o progresso é uma necessidade que o Espírito experimenta, cedo ou tarde. Todos devem elevar-se: é seu destino. COMENTÁRIOS: Quem está em sofrimento no plano espiritual quer sair daquela situação. Espíritos em condição mediana (se considera relativamente feliz), (só o fato de quererprolongar sua evolução mostra que não é um Espírito evoluído) não tem como prolongar indefinidamente, pois estaria quebrando a lei do progresso. Todos nós precisamos evoluir (crescer) para um dia sermos perfeitos. Não dá para ficar para sempre na zona de conforto. Toda a criação divina caminha para a evolução. Nada está estático. Então por mais que o Espírito queira postergare ele pode fazer isso,mas não indefinidamente.Em algum momento sentirá a necessidade de progredir,pois vai perceber que outros estão avançando e ele está estagnado. Chega uma hora que naturalmente ele sente vontade de sair da condição em que se encontra. Ao espírito, não lhe é permitido jamais não reencarnar, mesmo que ele já esteja num certo grau de evolução, pois a evolução é continua e esse é o destino de todos: evoluir. A criatura que nasce em família abastada pode, se quiser, não trabalhar, não estudar, somente gastar o tempocom paixõesinferiorese,àsvezes,comasfamílias,apoiandoesse falsoproceder.Nãoobstante,essa chamada "boa vida" também tem limites.A qualquer momento a morte do corpo chega de mansinho e diz basta. O Espírito, então, irá para o lugar em que deseja ficar parado no tempo. Assimtambémé o Espírito livre dasconjunçõeshumanas,que não desejareencarnarporreceiode voltar a Terra. O seu temoro faz caminhardevagar,e nessasemi paralisação,mesmoque gaste milênios,algumdia ouviráa vozda justiçao chamar à carne.Eis aí a imposiçãodalei para que retorne ao corpo,a um corpo de carne com duras provações, no sentido de despertar suas qualidades que dormiram demais. 334 – A união da alma, com tal ou tal corpo,é predestinada ou é apenas no último momento que se faz a escolha? O Espírito é sempredesignado antes.O Espírito,escolhendoaprovaque deve suportar, pede a encarnação. Ora, Deus que tudo sabe e tudo vê, sabe e vê antecipadamente que tal alma se unirá a tal corpo.
  • 6. 6 COMENTÁRIOS: Não cai um Espírito na criança ao nascer. Muito antes da concepção, do encontro do espermatozóide com o óvulo no ventre da futura mãe, o Espírito jáse encontra preparado para nascerde novo. Para tudo há uma programação espiritual. Quando se faz a escolha das provas automaticamente já escolherá o corpo que animará. A escolha é realizada com antecedência. Não se deixa para última hora. Na obra divina as coisas são bem planejadas, muito bem organizadas. Na Espiritualidade nada se faz de improviso.É tudo pensado e analisado de forma minuciosa para não errar. Não há erros. É tudo muito bem planejado. Numa reencarnação o corpo faz toda a diferença, interfere muito no desenvolvimento do Espírito,das provas que se tem que passar. Dependendo das suas necessidadesterá um corpo que irá facilitar ou dificultar a expressão do seu Espírito. Quando o Espírito pode escolher suas próprias provações, os benfeitores espirituais ajudam em muitas particularidades, para que o renascimento seja bem orientado. Entretanto, as reencarnações não são iguais; todas elas diferem umas das outras, emboraa lei seja uma só para todas as criaturas de Deus. Não é apenas o corpo que precisa ser analisado, estudado pela espiritualidade, mas os pais, a condição dos filhos, as condiçõesmateriais, as circunstâncias que viverá aquele Espírito. Tudo é planejado. A genética é um universo de possibilidades. Há um jogo entre o Espírito que precisa da experiência e o código genético que permite um leque de possibilidades.A genética é uma consequênciado planejamento espiritual. A aparência é o resultado das necessidadesdo Espírito.A variável principal é o Espírito. O conjunto imagem é em função do Espírito. As equipes da espiritualidade começam a trabalhar nas escolhas do óvulo e do espermatozoide que contenham os códigos genéticos que melhor atenda as necessidades do Espírito reencarnante. Não é porque o código genético indica a probabilidade de um determinado problemade saúde não quer dizer que a pessoateráaquele problema.Dentre às múltiplas possibilidades genéticas, dependendo da forma que a pessoa conduz sua vida, o planejamento é revisto. A Providência Divina tem um planejamento perfeito. Por ser perfeito é justo. Por ser justo é flexível. O acaso não existe. Admite-se como acaso as pessoas que desconhecem as verdades ou quando não querem aceitar.
  • 7. 7 335 – O Espírito tem o direito de escolher o corpo no qual vai encarnar ou somente o gênero de vida que lhe deve servir de prova? Pode, também, escolher o corpo, porque as imperfeições desse corpo são para ele provas que ajudam o seu progresso,se vence os obstáculos que nele encontra, mas a escolha não depende sempre dele; ele pode pedir. 335.a)Poderiao Espírito,no último momento,recusar o corpo escolhido por ele? Se o recusasse,sofreriasempre mais do que aquele que não tentou nenhuma prova. COMENTÁRIOS: Nem sempre é permitido ao Espírito reencarnante escolher o seu corpo, por haver particularidades que o Espírito não deve saber, diante da sua evolução espiritual. Cabe aos benfeitores espirituais examinar o que a alma suporta saber, para que ela não venha a recuar diante da escolha. O Espírito pode pedir. Quando já tem um pouco de consciência das suas necessidades pode pedir aos benfeitores algum tipo de limitação ou não. O fato de ser ou não atendido depende daespiritualidade que analisa o conjunto das necessidades do Espírito reencarnante. Quanto mais entendimento e evolução o Espírito tiver maior será sua autonomia na escolha do corpo, do sexo e das condições de vida que ele vai ter. Conforme o conjunto de necessidades do Espírito, os geneticistas espirituais vão formatar dentro das possibilidades que o pai e a mãe concedem (pois a genéticados pais já está fixada) para formarum novo corpo que atenda essas necessidades. A ideaçãodo corpo físico foi feitapara a plenaharmonia,trabalharemperfeitasaúde,mesmoque sejapor umséculode existência;noentanto,comoele é uminstrumentodaalma,emprovase essanãopodemanter a plenaharmonianamente devidoasuainferioridade,ocorpode carne recebe pelospensamentoscargase maiscargas de vibraçõespesadas,de ummagnetismoinferior,capazde tornar lerdasasvibraçõescelulares e fazeras célulasentrarememdecadência,de modoafacilitar,mesmocomadefesanatural dosomafísico, a ação de agentes que desequilibram a estabilidade de todos os órgãos. O que é importante para todos os candidatos à reencarnação, e mesmo aos homensque se encontramno mundo, é que tenham a humildade de pedir sempre opinião aos benfeitores espirituais, cheios de experiênciasnesse campode vestir-se de carne nomundodas formas,que elessabemoque fazeremfavor dos que sofrem e sentem a necessidade de voltarem à arena da carne para esquecer o passado vivo na consciência.
  • 8. 8 Letra A: O Espírito dentro do seu livre-arbítrio pode recusar antes do início da reencarnação, como também depois,no decorrerda gravidez. Muitas vezes o medo das provas que terá o faz abandonar o corpo (abortos espontâneos). De qualquer forma tem consequências não muito boas. A pior decisão é fugir da reencarnação. O espírito pode fazer escolhas quanto ao corpo que terá e sabe com antecedência as provas por quais terá que passar. Porém, Deus que tudo antevê, faz Seus desígnios. Sabe que tal alma se unirá a tal corpo. Quando o espírito reencarna, ele sabe das provas que terá por que passar, como dito anteriormente, mas não sabe se conseguirá superar essas provas. Estar encarnado não é fácil e o espírito necessita de coragem para enfrentar suas provas. Quanto ao espírito não saber se vencerá ou não os obstáculos, lembremos de nós mesmos. Muitas vezes, quando os problemas se aproximam, desejamos que eles não existissem.Sabemos que eles ocorrem como prova para nossa evolução – aprendizado – ou como forma de resgate. Vencer esses obstáculos, dependerá de como trabalharemos nosso dia a dia dentro da fé e no amor em Cristo e em nosso Amado Pai. A todo momento somos tocados pelas mãos dos bons amigos do plano maior que nos orientam nas situações difíceis e eminentes. Mas, com as atribulações do dia a dia, nos esquecemos de quão fortes somos, e que podemos vencer as barreiras que a vida nos impõe. Sonhos e ilusões devem ser postas de lado. Elevação de nossos pensamentos a Deus, no dia a dia de nossa vida, deve ser a prática de fé e de amor ao qual no conduzirá ao caminho reto. Serenar nosso coração é a melhor prática de vencer esses “medos”. Sabemos que não adianta entrar em desespero. A calma nos permite tranquilidade e paz para a correta tomada de decisão. Não podemos mudar o mundo. Mas podemos estar mudados dentro dele. Para isso, o orar e vigiar nos ajuda, e muito. Uma parte do Evangelho de Mateus (26:36-41)quando Jesus está já prestes a entrar em desespero por conta de uma força que lhe atormenta a alma: 36 Então Jesus foi com seus discípulos para um lugar chamado Getsêmani e lhes disse: “Sentem-se aqui enquanto vou ali orar”. 37 Levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se. 38 Disse-lhes então: “A minha alma está profundamente triste, numa tristeza mortal. Fiquem aqui e vigiem comigo”.
  • 9. 9 39 Indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto em terra e orou: “Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres”. 40 Depois, voltou aos seus discípulos e os encontrou dormindo. “Vocês não puderam vigiar comigo nem por uma hora? ”, perguntou ele a Pedro. 41 “Vigiem e orem para que não caiam em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca. ” Jesus também teve momentos de angustia. Mas as venceu orando e confiando no Pai Maior. Espírito preguiçoso (freio e espora) – ESE – Capítulo IX, item 8 – pág. 98. Evolução em dois mundos – Capítulo 19. 336 – Poderia acontecer que uma criança que deveria nascer, não encontrasse Espírito que quisesse se encarnar nela? Deus aí proveria. A criança, desde que deva nascer viável, está sempre predestinada a ter uma alma; nada é criado sem finalidade. COMENTÁRIOS: Na Providência Divina tudo é planejado. Se uma determinada criança precisa nascer, isso faz parte do planejamento reencarnatório dos pais, como da criança, vai ter um Espírito preparado para aquele corpo. Mesmo porque o corpo é o molde do períspirito. Seguramente há um Espírito vinculado naquele embrião, naquele corpo em formação. O Espírito se liga à família bem antes de acontecer a concepção. Há a possibilidade de um corpo ser formado no ventre sem que tenha um Espírito a ele conectado? Sim. Isso é possível, mas não sobrevive. Reencarnação acidental. Em caso de estupro. Por reencarnações acidentais Adenáuer Novaes entende os casos em que a fecundação não estava prevista e a união sexual foi fortuita. Um determinado Espírito que esteja próximo ao casal será atraído pelo óvulo fecundado. Mecanismos automáticos encarregar- se-ão de propiciar lições de aprendizagem de que o Espírito, nessa circunstância, necessite. Nesses casos, estariam incluídas as reencarnações oriundas de estupros e acidentes semelhantes. Consultado por um de nossos colaboradores, Adenáuer Novaes escreveu-nos o seguinte:
  • 10. 10 “O questionamento da leitora é pertinente. O senso crítico é desejável em tudo que se refira ao conhecimento. A análise a respeito das reencarnações ‘acidentais’ deve contemplar a questão do livre-arbítrio. Os atos humanos nem sempre são programados com antecedência, graças à liberdade de escolha que foi atingida a essa altura da evolução do Espírito. É pouco provável que haja Espíritos à espera de cada possibilidade decisória. Se considerarmos, por exemplo, o estupro como uma escolha do indivíduo doente que o pratica, temos que considerar também que, do outro lado, sua vítima teria a probabilidade de sofrê-lo, mas não o determinismo de que iria acontecer. Será que haveria, antecipadamente, um Espírito desencarnado à espera de que o fato ocorresse? Não seria considerar que há um determinismo? Prefiro considerar que, num plano menor, trata-se de um ‘acidente’. Num plano maior, divino, não há acidentes. É também possível considerar que um casal possa mudar seus planos, aceitando a encarnação de um Espírito sem que tenha sido planejado recebê-lo anteriormente. Esse novo filho seria fruto do livre-arbítrio de ambos, portanto, não planejado previamente. O contrário, isto é, a redução do número de filhos, também poderia ocorrer. Vale considerar que os casos de separação dos casais também promovem mudanças no planejamento reencarnatório, provocando ‘acidentes’. Desconheço discussão sobre o assunto em outras obras.” De fato, não existe nenhuma obra espírita confiável que utilize a expressão “reencarnação acidental”, que nos parece ter sido utilizada pelo confrade em face da pobreza do nosso idioma. “Acidental” seria, de acordo com a explicação dada por ele mesmo, um termo oposto a “planejado”. Além disso, Adenáuer reconhece, como estudioso que é, que num plano maior “não há acidentes”. (O Espiritismo responde - Ano 6 - N° 292 - 23 de dezembro de 2012) http://www.oconsolador.com.br/ano6/292/oespiritismoresponde.html Nada é criado sem finalidade. Tudo tem um motivo de ser ou de acontecer. A reencarnação não erra de endereço. A formaçãode uma criança no campo uterinoé ummilagre da natureza,é prova da existênciade Deuse da Sua corte angelical, nos imensuráveis mundos que povoam a criação. 337 – A união do Espírito com o corpo pode ser imposta por Deus? Pode ser imposta, assim como as diferentes provas, sobretudo quando o Espírito não está ainda apto para fazer uma escolha com conhecimento de causa. Como expiação,o Espírito pode serconstrangido ase unir ao corpo de tal criança que, pelo seu nascimento e a posição que terá no mundo, poderá vir a ser para ele um instrumento de castigo. COMENTÁRIOS: O Espírito pode seunir a um corpo porimposição,desdequando ele não tenha discernimento para a escolhacompatívelcom as suas necessidades. Quando não está apto, não tem maturidade, conhecimento ou evolução para fazer a escolha de forma sábia, de forma correta.
  • 11. 11 É natural que o Espírito ignorante seja guiado, qual o cego que nada enxerga nas suas andanças e precisa de guia. Mesmo o Espírito com certa evolução espiritual, no momento de tomar novas vestes físicas, sempre carece da opinião de algum benfeitor que possa guiá- lo na sua escolha. Deus, a inteligência suprema, a causa primeira de todas as coisas,bondade e sabedoria,sabe o que é melhor para nós, sabe das nossas necessidadespara o nosso crescimento. Deus através da Espiritualidade superior sabe das nossas necessidades, daquilo que precisamos, qual o tipo de corpo, quais as dificuldades, quais as situações pelas quais precisamos passar para evoluir mais rapidamente. Determinado tipo de corpo e determinadas provas que não são bem aceitos pelo Espírito são consideradas expiações. Mesmo que tenhamos uma posição de destaque na vida, não desdenhemos os que se encontram na retaguarda, pois no amanhã, quem sabe se as posições não estarão trocadas. Deixemos a imposição das ideias e acontecimentos somente para Deus. 338 – Se acontecesse que vários Espíritos se apresentassem para um mesmo corpo que deve nascer, o que decidiria entre eles? Vários podem pedir; nesse caso é Deus que julga qual deles é o mais capaz para desempenhar a missão à qual a criança está destinada. Mas eu disse:o Espírito é designado antes do instante em que se deve unir ao corpo. COMENTÁRIOS: Muitos Espíritos podem pedir,pois muitos já têm consciênciada necessidade do reencarne, muitos têm consciência de que está chegado o momento de voltar à matéria para poder continuar o processo de crescimento e evolução espiritual. Há muitos querendo reencarnar, mas nem todos tem os meios disponíveis (redução do índice de natalidade). Há muito mais Espíritos querendo reencarnar do que corpos concebidos. A fila é grande. A Espiritualidade superior sob a orientação de Deus é que vai avaliar qual é o Espírito mais apropriado para aquele momento, qual a missão ou qual a necessidade que aquele Espírito possui de mais urgente. São vários os critérios analisados para definir quem vai ocupar aquele corpo.
  • 12. 12 Em regra, quando ocorre a concepção jáhouve a escolhade qual Espírito vai habitar aquele corpo. Na Espiritualidade tudo é muito bem organizado, planejado. Não há nada de improviso ou de forma aleatória. O Espírito vai se ligando à família bem antes da ocorrência da concepção. Bem antes da formação do corpo, o Espírito já se encontra em companhia dos pais, e principalmente da sua futura mãe, procurando a força da sintonia, e é no momento da concepção que os primeiros laços são atados de certa forma que muitos ignoram. 339 – O momento da encarnação é acompanhado de uma perturbação semelhante àquela que tem lugar na desencarnação? Muito maior e sobretudo mais longa. Na morte, o Espírito sai da escravidão; no nascimento, entra nela. COMENTÁRIOS: O processo de reencarnação é de certa forma sofrido para o Espírito. No desencarne o Espírito passa por um período de perturbação que pode ser mais curta ou mais longa conforme a evolução e a moralidade de cada um. No momento do nascimento essa perturbação é maior e mais longa. No momento do desencarne o Espírito se liberta do corpo físico que é para ele uma prisão, diferente do nascimento, momento em que o Espírito entra para um processode escravidão, ficando restrito ao cárcere do corpo físico.Isso é algo sofrido, embora faça parte da Lei de Deus, sendo uma necessidade do Espírito para a sua evolução. Por isso a perturbação é maior que no desencarne. Caso Segismundo: No momento que se liga ao óvulo (ovo) inicia seu estado de perturbação. É um período muito longo. No mínimo 9 meses. Enquanto desencarnados, na erraticidade, sem nenhum planejamento reencarnatório, ele vive a vida de Espírito normalmente. No momento em que é convocado ou é voluntário à reencarnação, a partir do momento da concepçãoele vaise desligando do mundo Espiritual,vai perdendo aliberdade e se vinculando ao corpo em formação.Depois do nascimento continua ainda em fase de perturbação durante a infância, pois não tem a total consciênciae o total domínio sobre esseinstrumento que ele acaba de receber(corpo físico) até que atinja a maioridade e possa ter um pouco mais de consciência sobre a sua encarnação.
  • 13. 13 - Período turbulento (gestação) - Período limitado para o Espírito (infância e adolescência),pois o corpo físico e a reencarnação estão se consolidando. 340 – O instante em que o Espírito deve se encarnar é para ele um momento solene? Realiza esse ato como uma coisa grave e importante? É como um viajante que embarca para uma travessia perigosae não sabe se encontrará a morte nas ondas que enfrenta. Allan Kardec: O viajante que embarca, sabe a que perigos se expõe, mas não sabe se naufragará; é assim com o Espírito: ele conhece o gênero de provas às quais se submete, mas não sabe se sucumbirá. Da mesma forma que a morte do corpo é uma espécie de renascimento para o Espírito, a reencarnação é uma espécie de morte, ou antes, uma espécie de exílio e de clausura. Ele deixa o mundo dos Espíritos pelo mundo corporal, como o homem deixa o mundo corporal pelo mundo dos Espíritos.O Espírito sabe que reencarnará,como o homem sabeque morrerá; mas, como este, ele não tem consciência senão no último momento, quando a hora é chegada. Então,nesse momento supremo,a perturbaçãose apoderadele,qualno homem em agonia,e essa perturbação persiste até que a nova existência esteja francamente formada. Os prelúdios da reencarnação são uma espécie de agonia para o Espírito. COMENTÁRIOS: Por mais que tenha consciência da necessidade e que se prepare no mundo espiritual, sempre há certo temore dúvidas quanto ao retorno na esferafísica. Daí se prepara como se fosse uma viagem que enfrentará perigos, mas não sabe se deles sairá vitorioso. Ou seja, é como se fosse um grande empreendimento, sem a certeza do sucesso. Quanto mais elevado é o Espírito, maior conhecimento acerca dessa viagem pelo mundo físico. O Espírito mais grosseiro não tem noção da situação. Cada caso é um caso.
  • 14. 14 Não há um padrão definido para os processos de reencarnação. Tudo vai depender do nível de evolução do Espírito, da sua história, das suas experiências, das necessidades que surgem a partir dessas experiências. Ex: Reencarne de Segismundo (Capítulo 13 do livro Missionários da Luz) 341 – A incerteza em que se encontra o Espírito sobre os eventuais sucessos nas provas que vai suportar na vida, é para ele uma causa de ansiedade antes da encarnação? Uma ansiedade bem grande, visto que as provas de sua existência retardarão ou acelerarão seu progresso, conforme as suporte bem ou mal. COMENTÁRIOS: O fato de sabermos que precisamos reencarnar, mesmo apesar de ter escolhido as provas e ter passando pelo período preparatório, temos ainda uma incerteza no sentido de que realmente seremos capazes de vencer e passar com sucesso pelas dificuldades da vida. Quando reencarnamos por mais preparados e evoluídos que sejamos somos suscetíveis de errar, a não ser quando já somos Espíritos puros (Crísticos) onde não há chance de falhar nas provas escolhidas. Por isso há uma espécie de ansiedade, de preocupação, de temor diante da possibilidade de falhar diante das provas. 342 – No momento da reencarnação, o Espírito está acompanhado por outros Espíritos, de seus amigos, que vêm assistir à sua partida do mundo espírita, como o vêm receber quando para lá retorna? Isso depende daesferaque o Espírito habita. Se está nas esferas onde reina a afeição, os Espíritos que o amam o acompanham até o último momento, encorajam-no e, frequentemente, o seguem durante a vida. COMENTÁRIOS: Os Espíritos que nos são amigos, familiares, que acompanham a nossa jornada nos incentivam até o último momento ao retorno à vida material. Depende da evolução do Espírito.
  • 15. 15 Espíritos muito imperfeitos ainda não compreende a importância da reencarnação ou não aceita a reencarnação.Há também aqueles que não tem a consciência desse fato em função do desequilíbrio emocional, espiritual. Espíritos medianos que já tem consciência e responsabilidade no tocante à reencarnação, que participa do seu planejamento reencarnatório, com certeza são acompanhados por Espíritosamigos e familiares que os incentivam, e, se puderem e tiverem permissão acompanham aquele ser durante a sua jornada na vida material para que possa ter sucesso, sair da reencarnação vitorioso. Os laços de afeição não se perdem, permanecem onde quer que estejamos, encarnados ou desencarnados. 343 – Os Espíritos amigos quenos seguem durante a vida, são algumas vezes aquelesque vemos em sonho,os quais nos testemunham afeição, e que se nos apresentam sob aparências desconhecidas? Muito frequentemente são eles; vêm vos visitar como ides visitar um encarcerado. COMENTÁRIOS: Estar na vida material é estar nas limitações que a vida nos impõe,porisso se relaciona a um cárcere. Durante o desdobramento pelo o sono, “sonhamos” com pessoas, vimos rostos que desconhecemos na vida material. Muitas vezes são Espíritos amigos que caminham conosco, que nos protegem. Espíritos familiares não são apenas nossos familiares dessa atual reencarnação. Quantas reencarnações já tivemos.Quantos Espíritos já foram nossos familiares! Podem estar no plano espiritual velando por nós, nos auxiliando em nossa jornada e durante o desdobramento nos encontramos com esses entes queridos. Muitas às vezes são pessoas encarnadas também, em outros lugares, mas que não tivemos contato, não nos reencontramos fisicamente, mas em desdobramento.
  • 16. 16 7.2 – UNIÃO DA ALMA E DO CORPO – ABORTO 344 – Em que momento a alma se une ao corpo? A união começa na concepção, mas não se completa senão no momento do nascimento. Desde o momento da concepção, o Espírito designado para habitar tal corpo, a ele se liga por um laço fluídico que vai se apertando, cada vez mais, até que a criança nasça; o grito que se escapa, então, da criança, anuncia que ela se conta entre os vivos e servidores de Deus. COMENTÁRIOS: Essa questão nos esclarece da importância de preservarmos a vida desde o primeiro momento. A união do Espírito ao corpo material começa na concepção, embora se complete na ocasião do nascimento. Portanto, desde a concepção já há um Espírito ali designado, ligado por um laço fluídico aquele corpo em formação,cuja união vai se tornando mais forte no decorrer dos meses, se completando com o nascimento da criança. Essaunião efetua-se por meio do períspirito,envoltório fluídico que servirá de ligação entre o Espírito e a matéria. Em processo extremamente variado e complexo, o períspirito é reduzido, condensado assemelhando às moléculas materiais. O períspirito torna-se um molde fluídico que age sobre o corpo em formação, juntamente com as condicionantes hereditárias, a influência mental materna e a atuação dos benfeitores que colaboram no processo reencarnatório. Qualquer interrupção da vida durante o processo de gestação é considerado um aborto porque já há um Espírito ligado aquele corpo. O Espírito,uma das criações de Deus mais sutil (perfeita) precisa se unir a um corpo denso (obra divinamente perfeita) não pode ocorrerde forma repentina. Ocorre por um processo lento, contínuo, com início, meio e fim (até que o processo se complete). 345 – A união entre o Espírito e o corpo é definitiva a partir do momento da concepção? Durante esse primeiro período, o Espírito poderia renunciar em habitar o corpo designado? A união é definitiva no sentido que um outro Espírito não poderia substituir aquele que está designado para esse corpo; porém, como os laços que o prendem são muitos fracos, rompem-se facilmente, podem romper-se pela
  • 17. 17 vontade do Espírito, que recua diante da prova que escolheu. Nesse caso, a criança não vive. COMENTÁRIOS: A união é definitiva porque nenhum outro Espírito pode habitar aquele corpo, a partir do momento que um Espírito foia ele conectado e ligado. Mas se não houver persistência do Espírito aqueles laços por serem ainda muito sutis podem ser rompidos. O Espírito pode desistir do processo. O rompimento desse laço tem consequências mais ou menos deletérias conforme a responsabilidade de cada um dos agentes no processo. Uma das causas do aborto espontâneo é a desistênciado Espírito. Mas nem todos os abortos espontâneos é ocasionado por esse fato. Há outras situações, como, provas para os pais ou até mesmo uma necessidade do Espírito que durante um certo período de gestação adquire novamente a forma perispiritual do corpo humano. Há por exemplo,casos de suicidas que destroem o seu corpo físico e corrompem o seu corpo perispiritual, daí às vezes, necessitam retornar alguns meses no corpo materno para reorganizar o seu corpo espiritual, modelando na forma adequada. Há também o caso dos ovoides. Assim, não é só a desistência do Espírito a ocasionar o aborto espontâneo. 346 – Que acontece para o Espírito se o corpo que escolheu morrer antes de nascer? Ele escolhe outro. 346.a) Qual pode ser a utilidade dessas mortes prematuras? As imperfeições da matéria são as mais frequentes causas dessas mortes. COMENTÁRIOS: Outra razão para a ocorrência do aborto espontâneo. O próprio corpo morre.A matéria físicanão encontra condições de sobreviver. Às vezes por má formação do corpo físico ocorre a morte prematura. Ex: um acidente com a mãe pode provocara morte do feto ou do embrião, a ingestão de produtos inadequados, etc.
  • 18. 18 Algumas situações, o próprio Espírito devido às imperfeições morais, pela força energética negativa muito densa imprime no corpo que está em formação energias muito pesadas que acabam por deformaro corpo que está em formação de modo que não consegue levar aquela gravidez adiante. O Espírito se liga ao corpo através do períspirito que também é matéria. Tudo o que não é Espírito é matéria. O períspirito é matéria quintessensiada (rarefeita), é o envoltório do Espírito (interface do Espírito). Modelamos o períspirito em função das nossas produçõesespirituais,das nossas ações.As nossas decisões geram movimentos energéticos e moldam a matéria que compõe o períspirito. Quando o Espírito tomadecisões equivocadas em demasiaao longo das suas existências impacta nessa matéria rarefeita(períspirito) que se deforma podendo chegar a uma quase inexistência dele. Vai deformar essa ferramenta que é o períspirito. Para o Espírito reencarnar ele precisa dessa ferramenta o melhor possível para que possageraro corpo que ele vai utilizar, porque o períspirito é o molde do corpo. Dependendo da deformação do períspirito pode impossibilitar a formação do corpo, a vida biológica. Esse contato do Espírito com a mãe vai gerando um saldo de matéria positiva que vai recompondo o períspirito. As trocas energéticas remodelam o períspirito.Havendo abortos para que o Espírito possarecompormelhoro seu períspirito para que não reencarne com uma deformação muito grande. A modelagem fetal e o desenvolvimento do embrião obedecem a leis físicas naturais, qual ocorre na organização das formas em outros reinos da natureza. Nada ocorre sem a permissão de Deus. Esse é um processo de depuração do próprio períspirito e das energias deletérias que o Espírito ainda carrega. Então à medidaque ele vai imprimindo naquele corpo vai gradativamente se despojando dessas energias para que na próxima gravidez ele já tenha condições de nascer com vida entre os encarnados. Isso não quer dizer que o Espírito tenha consciência de que aquele corpo que ele escolheuchegue ao fim da gravidez. Nem tudo é dito ao Espírito,principalmente,quanto mais imperfeito,menos entendimento ele tem, portanto, menos condições de saber o que vai acontecer. Pode ser uma experiênciadolorosapara os pais, principalmente, para a mãe, mas ensina algo sobre humildade, sobre a necessidade de se preencher de amor e fé. Diante das dificuldades da vida faz-se necessário questionar: “O que essa situação tem para me ensinar? ”
  • 19. 19 347 – De que utilidade pode ser para o Espírito sua encarnação num corpo que morre poucos dias depois do nascimento? O ser não tem consciência bastante desenvolvida de sua existência; a importância da morte é quase nula. Como vos dissemos, é, frequentemente, uma prova para os pais. COMENTÁRIOS: Não se refere ao aborto. A criança nasce e pouco tempo depois morre. A Espiritualidade tem inúmeros mecanismos para que a justiça divina se faça presente. Essa pode ser uma prova para os pais. Pode ser também uma prova para o próprio Espírito reencarnante, ou ainda, uma prova para ambos. Quando a prova é para o Espírito reencarnante os pais se voluntariam para passar por aquela situação. Da mesmaforma,quando a prova é para os pais, o Espírito se voluntaria para que eles possam passar por essa provação. Quando a prova é de ambos, tanto os pais quanto o filho aprendem com a situação de alguma forma crescem e evoluem. Nada acontece sem utilidade najustiça divina. Há sempre aprendizado e razão para que as coisas aconteçam. O caso Júlio – Entre o Céu e a Terra. 348 – O Espírito sabe,de antemão,que o corpoque ele escolheu nãotem chance de vida? Sabe-o algumas vezes, porém, se escolheu por esse motivo, é porque está recuando diante da prova. COMENTÁRIOS: Sabe algumas vezes – depende do grau de evolução do Espírito. Quanto mais conhecimento, mais entendimento ele possui dos detalhes da sua futura reencarnação, incluindo os detalhes do seu corpo físico. Quanto menos entendimento, perturbado ou fragilizado emocionalmente está o Espírito menos condições tem de perceberesses detalhes.Por isso muitas coisas são adotadas e resolvidas pela Espiritualidade Superior. Daí não tem ciência do que está sendo escolhido ou das necessidades ou provas pelas
  • 20. 20 quais tem a passar, inclusive um desencarne prematuro em função daquele corpo não chegar a viver, ou nascer e morrer na sequência. Por outro lado, o Espírito pode ter escolhido um corpo que ele sabia de antemão que não teria vida com a intenção de não permanecer na reencarnação. É um Espírito que está recuando da prova. Não quer assumir a responsabilidade para uma reencarnação completa. Na maioria das vezes quando precisa vivenciar essa experiência de desencarne logo nos primeiros momentos, seja por um corpo com defeito genético fortíssimo que não permite que avida prossigae o desencarne ocorra em seguida, não sabe. Mas em algumas situações sabe sim. Depende da evolução do Espírito. 349 – Quando uma encarnação falha para o Espírito, por uma causa qualquer, ela é suprida imediatamente por outra? Nem sempre imediatamente; o Espírito precisa de tempo para escolher de novo, a menos que a reencarnação imediata provenha de uma determinação anterior. COMENTÁRIOS: O planejamento reencarnatório é importante para que o Espírito ao vir ao mundo material tenha condições de vencer as provas, os desafios da vida. Deus não quer que estejamos aqui só por estar, sem que haja progresso, aprimoramento do Espírito, evolução. Nós ainda não conhecemos em profundidade a fisiologia da alma e a inter- relação entre a matéria e o Espírito. Esse contato entre o corpo e o Espírito tem profundas consequências na fisiologia do Espírito, na formação do períspirito, no aspecto saudável do Espírito. A matéria é uma experiência necessária para nossa evolução. Se aquela encarnação inicialmente prevista não puderprosperar,nem sempre é organizada outra reencarnação imediatamente porque há necessidade do Espírito proceder uma nova escolha, um novo preparo e a Espiritualidade também precisase prepararpara auxiliar esse Espírito que não tem condições de realizar as suas escolhas sozinho. É possíveltambém que uma determinada reencarnação já estivesse prevista para não se concretizar, finalizar, devido a necessidade da evolução do Espírito e outra reencarnação a seguir já estivesse preparada, porque a Espiritualidade em situações como esta pode fazer um planejamento duplo, considerando que seria algo na sequência. Para tudo há planejamento para
  • 21. 21 que tenha alta probabilidade de dar certo. Há Espíritos que necessitam de um contato rápido com a matéria para se reestabelecer. Não necessariamente automático. Se há necessidade, a providência divina logo em seguidaprovidencia.Se não há necessidadevoltará à Espiritualidade, revisar mais alguns pontos para retornar no futuro. Cada caso é um caso. Tenhamos confiança nos planos de Deus. Nada acontece ao acaso. Tudo é minuciosamente planejado. Nada é aleatório. 350 – O Espírito,uma vez unidoao corpoda criançae quandojá não pode voltar atrás, lamenta, algumas vezes, a escolha que fez? Queres dizer se, como homem, lastima a vida que tem? Se desejaria outra? Sim; se lamenta a escolha que fez? Não, ele não sabe que a escolheu. O Espírito,umavez encarnado,não pode lamentaruma escolhada qual não tem consciência.Mas pode achar a carga muito pesada, e se a crê acima de suas forças recorre, então, ao suicídio. COMENTÁRIOS: Uma vez encarnado o manto do esquecimento nos cobre e não conseguimos lembrar das existências anteriores, do planejamento reencarnatório, das escolhas que fizemos. É o abençoado esquecimento. Eu não posso me arrependerde uma escolhaque fiz se eu não seio que escolhie nem o porquê escolhi. Muitas pessoas sentem acarga muito pesada,as dificuldades muito elevadas. Muitos acreditam que não têm forças para suportar, para transpor as dificuldades que se apresentam diante da vida. Daí recorrem ao suicídio,pois não têm o conhecimento do planejamento reencarnatório, do livre arbítrio. Muitos realmente não sabem que fez tal escolha. Mas nós que estamos dialogando sobre isso, estudando o Livro dos Espíritos já sabemos, temos a consciência que nós passamos por aquilo que necessitamos e muitas vezes por aquilo que pedimos. Nós já sabemos que fizemos um planejamento reencarnatório. Sabemos que as dificuldades que enfrentamos hoje, algumas delas são resgates de vidas passadas. Sabemos que os erros que comentemos voluntariamente nesta existência física, precisaremos em um futuro próximo ou mais distante resgatá-los e repensarmos as nossas atitudes para que possamos caminhar em conformidade com as Leis de Deus. Hoje nós temos uma responsabilidade maior,pois hoje temos o conhecimento à luz do Evangelho de Jesus e da doutrina Espíritae não podemos dizer:“Eu
  • 22. 22 não sabia”. Recorrerao suicídio diante das dificuldades da vida não nos cabe mais. Isso representafalta de confiança no Pai que tudo pode,que tudo sabe e que conhece cada um dos seus filhos. Só aquele que desacreditade Deus pode por alguma razão optar por dar fim ao corpo físico na ilusão de que colocará fim as suas lutas e provas. Quem tem fé em Deus tem a defesa contra o suicídio. Temos que ter a percepção de ser humano diante da eternidade. Fomos criados simples e ignorantes e hoje já damos os primeiros passos. Nós estamos aqui para aprendermos a serpessoas melhores,principalmente, conosco mesmo. Somos filhos de Deus, criador do Universo. Como filhos, somos herdeiros do Universo, co-responsáveis pela manutenção da sua obra. O suicídio vem como uma forma de repelir todo o planejamento. O suicida não morre sozinho, mas abarca consigo outras consciências, os sentimentos de dorda família e das pessoas que o cercam.Além disso,é uma decepção para o Pai criador que espera de nós a execução de todo o planejamento e vem a ideia e a irresponsabilidade da criatura de romper com esse plano sem considerar as consequências de seu ato, envolvendo todos que fazem parte do plano. Para quem está passando por certa melancolia, lembre-se: - Você não está só; - Você é filho do Altíssimo, filho de Deus, te criou para coisas maravilhosas; - Há muitas coisas deslumbrantes pela frente; - Fazemos parte de um mundo, de um Universo perfeito, criado por um ser perfeito. - Deus está contigo, Deus quer a sua felicidade. - Seja qual for o motivo de vazio na vida, maior é Deus. Se apegue a ele. 351 – No intervalo entre a concepção e o nascimento,o Espírito goza de todas as suas faculdades? Mais ou menos de acordo com a época,porque ele não está ainda encarnado, mas vinculado. Desde o instante da concepção, a perturbação começa a se assenhorear do Espírito, advertindo-o de que chegado o momento de tomar uma nova existência; essa perturbação vai crescendo até o nascimento. Nesse intervalo, seu estado é pouco próximo ao de um Espírito encarnado durante o sono do corpo. À medida que o momento do nascimento se
  • 23. 23 aproxima, suas ideias se apagam, assim como a lembrança do passado da qual não tem mais consciência,como homem,uma vez entrando na vida; mas essalembrançalhe volta pouco a pouco à memória,no seuestado de Espírito. COMENTÁRIOS: Da fase da concepção até o nascimento, o Espírito encontra-se ligado ao corpo físico, mas ainda não está plenamente encarnado, pois a encarnação só se confirma com o nascimento. A partir daí está no mundo material. Durante esse período, quanto mais recente a gravidez, mas o Espírito ainda tem certa lucidez, certa consciência, ficando entre o plano espiritual e o material. Isso depende do nível de evolução. Quanto mais evoluído, mais perdura a lucidez até que entre no completo esquecimento. Estando ligado o Espírito entra em um processode adormecimento que vai se ampliando à medida que se aproxima do nascimento até ocorrer o completo esquecimento da vida espiritual, perdendo a consciência de si mesmo de modo que nunca é testemunha consciente de seu nascimento. 352 – Ao nascer, o Espírito recobra imediatamente a plenitude de suas faculdades? Não, elas se desenvolvem gradualmente com os órgãos.É para ele uma nova existência e é necessário que aprenda a se servir dos seus instrumentos. As ideias lhe tornam pouco a pouco, como a um homem que sai do sono e se encontra em posição diferente da que tinha na véspera. COMENTÁRIOS: Ao nascer o Espírito está na fase infantil. Toda a sua personalidade e suas experiências de vidas anteriores está relativamente adormecida. Só com o gradual desenvolvimento dos órgãos é que a personalidade, as tendências, os instintos vão pouco a pouco se mostrando. Justamente na fase da adolescênciaquando os instintos voltam por completo, normalmente, as pessoassentem que essafase é mais difícil.São momentos mais delicados na condução da educação dos filhos, entrando às vezes em conflito, pois as tendências e extintos retomam por completo nessa fase e às vezes entram em choque com os novos valores que estão sendo incorporados. Nesse momento o Espírito escolhe o que vai prevalecer, se os novos aprendizados, ou as velhas tendências (aquilo que ele trouxe de vidas passadas).
  • 24. 24 A plenitude das suas faculdades só vai acontecercom o desenvolvimento dos órgãos. No início, os órgãos sendo infantis, são limitados, não nos permite desenvolvertodas as nossas potencialidades, tanto física, quanto intelectual. Compete,porém,ao Espírito esperar,pois com o crescimento do corpo ele vai recobrando paulatinamente suas faculdades espirituais,mas nunca se apossa dos seus dons,envolvido na carne, como se estivesse em Espírito.A alma se encontra abafada pelo amontoado de células que, mesmo vivas e em certa plenitude de poderes energéticos,estámuito aquém dos canais que o Espírito precisapara se manifestar como Espírito livre; no entanto, é capaz de realizar grandes coisas. No momento que a criança respira, o Espírito começa a recuperar suas faculdades,as quais se desenvolvem à medida que se formam e consolidam os órgãos que devem servir para sua manifestação. Porém,ao mesmo tempo que o Espírito recupera a consciênciade si mesmo, perde a recordação (lembrança) do seu passado, sem perder as faculdades, as qualidades e aptidões adquiridas anteriormente. Aptidõesque estavam em estado latente, e que, ao retornar sua atividade, vão ajudá-lo a fazer mais, ou melhor, o que anteriormente não fez. Renasce a partir do ponto em que deixou seu progresso anterior; isto é para ele um novo ponto de partida, um novo degrau a subir. 353 – A união do Espírito e do corpo não estando completa e definitivamente consumada senão depois do nascimento, pode-se considerar o feto como tendo uma alma? O Espírito que o deve animar existe, de alguma forma, fora dele. Ele não tem propriamente falando, uma alma, pois a encarnação está somente em vias de se operar; mas está ligado à alma que o deve possuir. COMENTÁRIOS: É uma fase de transição. A ligação existe desde a concepção,mas a ligação definitiva do Espírito com o corpo em formação só ocorre com o nascimento. O fato dele estar ligado não significa dizer que aquele feto já tem necessariamente uma alma. Espírito e alma – Não há diferença. É a mesma coisa. Espírito – Espírito desencarnado
  • 25. 25 Alma – Espírito encarnado (momentaneamente em uma experiência reencarnatória) Por isso Kardec questiona se aquele corpinho já possui um Espírito definitivamente vinculado a ele.Óbvio que o Espírito existe foradaquele corpo, em processo de ligação, com laços delicados (além do cordão prateado). A alma propriamente dita, completa,ainda não, mas o Espírito ligado ao corpo, sim. É a alma, certamente, que está esperando o seu corpo, para o cumprimento das suas atividades na Terra. Questão 134: Alma e Espírito são exatamente a mesma coisa. Somos nós na essência. Apenas por técnicas didáticas, Kardec separou os termos: - Espíritos – seres inteligentes desencarnados - Alma – seres inteligentes encarnados (Espíritos) Termos usados somente para compreensão,mas Espírito e alma é a mesma coisa. Ser criado por Deus, simples e ignorante, para conquistar a perfeição através das várias vivências na carne, com o uso do seu livre arbítrio. Eu sou o Espírito, eu sou a alma. Nós somos Espírito, temos um corpo. Deus nos deu um corpo. 354 – Como explicar a vida intrauterina? É aquela da planta que vegeta. A criança vive a vida animal. O homem possui em si a vida animal e a vida vegetal que ele completa, no nascimento, pela vida espiritual. COMENTÁRIOS: O Espírito vive, mas em um estado vegetativo, um estado de limitações de todas as suas potencialidades. Como o Espírito aindanão está definitivamente totalmente ligado aquele corpo físico que está em formação, não está pleno das suas potencialidades. O Espírito está vivendo uma vida vegetal por suas potencialidades estarem limitadas. O Espírito tem todas as suas potencialidades,apenas não consegue se manifestar porque o corpo é limitado.
  • 26. 26 Ao analisarmos os nossos cinco sentidos, sabemos que eles ainda são pequenos, bem restritos, não permitindo que o Espírito quando encarnado possa vivenciar todas as suas potencialidades de Espírito imortal. Em mundos mais evoluídos as pessoas aí encarnadas possuem maiornúmero de sentidos e bem mais sensíveis que os nossos. Nesses mundos o Espírito tem mais liberdade,portanto,se manifestam de umaformamuito mais intensa. Se nós adultos temos cinco sentidos aindalimitados, imagina o corpo que está em formação tem uma limitação bem maior, motivo pelo qual a Espiritualidade compara à vida do mundo vegetal. É um ser em formação que não faz nenhum esforço, mas está recebendo os nutrientes, os princípios necessários ao seu crescimento (rápido) – a partir de uma célula microscópica em 40 semanas se torna um ser humano. É um processo biológico. É um processo de vida animal. O úteroda mulheré umacâmara sensível,naqualidadede ninho,ondetemtodasasqualidadesnecessárias para a geração da criança, fenômeno humano, mas que tem feição divina. (Miramez) Há as trocas de energia com a mãe. No terceiro mês de gestação, o bebê já está formadinho dentro da barriga (só precisa crescer, é claro) e seu aparelho auditivo é capaz de perceber sons. Além dos barulhos internos do organismo da mãe, ele também consegue ouvir o que vem de fora. O filhote também sente a frequência cardíaca e respiratória da mãe. Assim, quando seu coração bate mais rápido ou a respiração fica mais forte (como durante a prática de atividades físicas), ele sente. Ainda dentro da barriga, a criança sonha (por isso também que é importante conversar com ela para mantê-la relaxada, pois os sonhos refletem como foi “o dia” dela), boceja e chupa o dedo. E, claro, ela também se mexe, em ritmo que irá aumentar gradualmente (os famosos chutes são mexidas do pequeno, que, em geral, começam a ser sentidas por volta da vigésima semana de gravidez e costumam ser mais intensas depois que a mãe come, já que o filhote fica com mais energia após as refeições). 355 – Existe, como indica a Ciência, crianças que desde o seio materno não são viáveis? Com que fim isso ocorre? Isso ocorre com frequência; Deus o permite como prova, seja para os pais, seja para o Espírito destinado a reencarnar. COMENTÁRIOS: O Livro dos Espíritos foi publicado em abril de 1857. Nesse período não existiam os equipamentos e procedimentos que há hoje, como Raio X,
  • 27. 27 ultrassonografia, tomografia, ressonância, exames genéticos, etc. só sabia que a criança era inviável ao nascer ou na ocorrência de aborto espontâneo. Agora no século XXI, temos a possibilidade de saber da inviabilidade de um embrião muito antes de efetivamente o fato acontecer (o nascimento ou o aborto). Determinadas situações os pais precisam passar por essa prova, mas pode significartambém uma prova para o próprio espírito que porumarazão precisa passarporesse processo delimpeza,de depuração,servindo de aprendizado. Como também pode ser uma necessidade de ambos, tanto dos pais, quanto do Espírito reencarnante. Não é à toa que Deus permite essa situação, pois gera sofrimento tanto para os pais, quanto ao reencarnante. Esse fenômenodas crianças não vitais pode ocorrer com frequência; de qualquer modo, existe um Espírito que fornece elementos para a formação do corpo em gestação. Nada se perde no universo de Deus; são experiênciasnecessárias à evolução dos Espíritos envolvidos. Tudo é aproveitado como lições. (Miramez) 356 – Existem natimortosque não foramdestinados à encarnação de um Espírito? Sim, há os que jamais tiveram um Espírito designado para os seus corpos: nada deviam realizar por eles.É, então, somente pelos pais que essa criança veio. 356.a) Um ser dessa natureza pode chegar a termo? Sim, algumas vezes, mas não vive. 356.b)Toda criança que sobrevive ao nascimento, necessariamente tem um Espírito nela encarnado? Que seria sem ele? Não seria um ser humano. COMENTÁRIOS: Há situações,não na mesmaproporção do normal,em que não há um Espírito ligado, destinado ao corpo em formação no ventre materno. Mesmo nessa condição é possível chegar ao nascimento e na sequência, morrer. Para que haja a permanência da vida necessariamente precisa haver ali um Espírito encarnado.
  • 28. 28 O Espírito se conecta ao corpo físico no momento da concepção. Mas há situações em que há o desenvolvimento da criança no ventre materno sem haver um Espírito ligado. Nessas situações esses corpos não sobrevivem. É uma experiência para os pais. É um aprendizado: resignação, humildade, confiança na providência divina, submissão à vontade de Deus, expiação, provação. Questão 136 (b) O corpo orgânico em simesmo não tem vida. Só há vida com a união do corpo orgânico e o princípio vital. Na matéria orgânica, a vida só se expressa com o princípio vital. No caso dos seres humanos se expressa com o princípio vital e se manifesta com o Espírito. O Espírito não é matéria. Ele tem vida própria por si mesmo. O princípio vital dá vida à matéria orgânica, sendo o princípio da vida na matéria para que o espírito reencarnante possa se manifestar através da matéria como instrumento de aprendizagem e de progresso que a Lei Divina nos concede para a busca da nossa evolução. Se não há um Espírito reencarnado, a matéria não se manifesta, o princípio vital se esvai e o corpo morre. Ex: O carro sem combustível. / O combustível sem o carro A união dos dois é que proporciona o movimento. Para movimentar o carro e realizar a viagem necessita do motorista. Se não há motorista, o carro não movimenta, a viagem não é realizada. 357 – Quais são, para o Espírito, as consequências do aborto? É uma existência nula a recomeçar. COMENTÁRIOS: Aborto espontâneo: - Imperfeições da matéria (feto) - Renúncia do Espírito - Em algumas situações é o Espírito que abandona o corpo,pois diante das lutas a enfrentar ou do temor daquilo que ele precisará enfrentar nos resgates, nos seus compromissos, às vezes o Espírito desiste dos laços que o prendem aquele corpoem formação no ventre materno.Sendo Carro – corpo físico Combustível – princípio vital Motorista – Espírito (períspirito)
  • 29. 29 laços tênues ele consegue romper e causa o aborto natural ou espontâneo. Esse Espírito vai ter muito mais responsabilidade, com uma existência com um pouco mais de dificuldade que essa anterior que foi interrompida. Houve um ato voluntário em fugir do seu compromisso reencarnatório. Aborto voluntário (provocado) Se o aborto é provocado pelos pais, pela mãe, pela família, é diferente. O compromisso maiorserádaquele que provocouo aborto e não do Espírito que estava querendo reencarnar, que precisavareencarnar e teve a sua existência interrompida, não por um ato seu. Nesse caso terá uma nova existência, mas provavelmente não passará por sofrimentos ou dificuldades maiores que a prevista anteriormente, na existência perdida. A reencarnação não é um fenômeno apenas biológico. É um fenômeno espiritual. Há uma harmonização entre os Espíritos.O Espírito damãe que vai experenciar esses nove meses em conjunto. Se é cortado no meio do trajeto, há um desequilíbrio energético espiritual para os dois, com consequências biológicas. Em função de um aborto provocado, a mãe pode desencarnar, pode ser que não consiga ter mais filhos nessa reencarnação e ainda comprometerreencarnaçõesfuturas,o ódio que surge a partir desse ato (você me matou), a revolta, a rebeldia, obsessão. Há muitas consequências. Se o aborto foi provocado, as mãos que deram início a esse crime sofrerão as consequências do ato criminoso. Por outro lado, esse fato busca educar o que se destinou a nascer e a sofrer a provação de não nascer.É o escândaloanunciadopeloEvangelhoquandoJesusdisse que eranecessário,masai daquele que for motivo das violências sobre a vida. (Miramez) Em tudo o que violentamos esta operando um tipo de aborto, e isso é crime dos crimes. A violência não é somente física; ela é gerada nos pensamentos e eles podem violentar as atitudes dos companheiros, desfazendoideaise dandointuiçãonegativaàscriaturas fracas nos caminhosque se percorre.O Evangelho surgiuno mundoemnossosocorro, para nos ensinarcomopensare transmitirideiasnabrandurado amor, de modo que surja em nossos corações a caridade. (Miramez) 358 – O abortamento voluntário é um crime, qualquer que seja a época da concepção? Existe sempre crime quando transgredis a lei de Deus. A mãe, ou qualquer pessoa, cometerá sempre crime tirando a vida à criança antes de nascer, porque está impedindo, à alma, de suportar as provas das quais o corpo deveria ser o instrumento. COMENTÁRIOS: Devemos valorizar a vida, sempre e em todos os momentos.
  • 30. 30 Só Deus tem condições, autonomia e permissão para tirar a vida se isso for necessário para a aprendizagem. Nunca deve partir de nós,Espíritos imperfeitosque precisamos valorizar a vida que nos foi dada por Deus. É uma transgressão da Lei de Deus. A doutrina Espírita é terminantemente contra ao aborto. Todas as pessoas que participaram e incentivaram o aborto têm a sua parcela de responsabilidade. Não é só a mãe e o pai que irão responder, mas todos os envolvidos, cada qual na medida da sua responsabilidade no ato. Tirando daquele Espírito aoportunidade das experiências que ele precisapara a sua evolução. A mulher não toma a decisão de abortarsozinha, há a conivência ou a pressão do parceiro, ou de outras pessoas. Há a co-participação. A responsabilidade nunca é individual. Infelizmente as consequências mais graves fica com a mulher. Não há justificativas para se provocarum aborto, exceto o que serácomentado na Q. 359. (Em risco a vida da mãe). Não se justificasituações em que a mãe se dê ao direito de tirar a vida do filho. Ex: Eu sou dona do meu corpo (mas não dona do corpo do filho que está no ventre) O corpo é usufruto nosso, empréstimo de Deus. Ao ter o domínio desse corpo e se expor a uma relação para engravidar, tem que se responsabilizar pelas consequências dos atos. Hoje existem vários tipos de contraceptivos. Estupro – mesmo que haja uma questão ética terrívelpor trás, pois não houve o exercício do livre-arbítrio, ainda é necessário haver a percepção que apesar da tragédia, há a vida da criança que está ali e que não é responsável pelo ato. Existe o direito daquele Espírito em processo reencarnatório à vida, mesmo que seja através de uma tragédia terrível que é o estupro. Na natureza nada acontece sem a permissão do Altíssimo. Por trás de uma tragédia, como o estupro, não se sabe as causas que explicam a experiência vivida pela vítima. Por trás da tragédia, há um Espírito que está aproveitando a oportunidade para vir a vida. O aborto seria transferir ao Espírito reencarnante a responsabilidade final do ato a pagar com a própria vida. O estupradorresponderápelos seus atos, se não diante das leis dos homens que é imperfeita como somos, mas diante da Lei Divina que é perfeita.
  • 31. 31 A estuprada diante das leis dos homens é considerada inocente, diante das Leis Divinas não é. Não podemos julgar e nem condenar, já está sendo condenada. Merece nossa compaixão, misericórdia e respeito. O aborto é crime aos olhos das leis humanas (no Brasil) e perante Deus sempre será crime, pois é um atentado às leis naturais. A doutrina Espírita nos mostra que a vida na matéria é necessária e é uma bênção. Oabortoé umcrime de maiormonta,é matarquemnãotemmeiosde defenderaprópriavida,emumcorpo que se encontra formação. (Miramez) 359 – No caso em que a vida da mãe estivesse em perigo com o nascimento da criança, há crime em sacrificar a criança para salvar a mãe? É preferível sacrificar o ser que não existe ao ser que existe. COMENTÁRIOS: Quando a Espiritualidade coloca “o ser que não existe” está se referindo ao ser que ainda não consumou a reencarnação, pois sabemos que existe o corpo em formação e o Espírito ligado a ele, mesmo que através de laços delicados que podem ser desfeitos. Diante de uma gravidez que colocaem risco avida da mãe,é preferívelmanter a vida da mãe e sacrificar a vida daquele ser em formação. Ou seja, em uma gravidez em que corre o risco de se perder a mãe, entre a mãe e o filho, é preferível preservar a vida da mãe (que já está consolidada). É o único caso em que a doutrina espírita considera possível a prática do aborto para manter a vida da mãe. Não é taxativa a resposta;atentemos para a palavra “preferível”, portanto, é uma sugestão para situações concretas de risco da vida da mãe. É uma situação ética também. O aborto em sua maioria estálonge de questões éticas.Em regra,não envolve o risco de vida da mãe, não envolve inviabilidade do feto e nem estupro. Porém, quem garante que aquela mãe que está com a vida em risco vai sucumbir? Muitas vezes a conexão com Deus, a união com a Espiritualidade Superior que ampara, que fortalece, que vibra em benefício daquele coração, daquela família, é provável e, não raro que aquela mãe sobreviva e tenha condições
  • 32. 32 de manter a gravidez até o fim.Tudo precisaserbem examinado, bem refletido e ponderado com bom senso, jamais com precipitação. 360 – É racionalter pelo feto a mesma atençãoque se tem pelo corpo de uma criança que tivesse vivido? Em tudo isso vedes a vontade de Deus e sua obra; não trateis, pois, levianamente as coisas que deveis respeitar. Por que não respeitar as obras da Criação, que são incompletas às vezes pela vontade do Criador? Isso pertence aos seus desígnios, que pessoa alguma é chamada a julgar. COMENTÁRIOS: Não devemos tratar levianamente as coisas vindas de Deus, mesmo as incompletas. Tudo é obra e vontade de Deus. Se tudo decorre da vontade de Deus, tudo merece o nosso respeito. Então mesmo com o feto, com o corpinho de uma criança, devemos ter cuidado, ter atenção como nós temos por uma criança que tivesse vivido. Não devemos julgar o fato daquela criança ter retornado ao plano espiritual, sem concluir a reencarnação e sem ter tido condições de viver esta vida na matéria, pois tudo acontece conforme a vontade de Deus. Temos que ter entendimento e respeito. O amor deve ser indistinto a todas as formas de vida. Em tudo daí graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. (I Tessalonicenses 5:18) Tudo tem uma razão de ser, e nada acontece sem a permissão de Deus. (Questão 536)
  • 33. 33 7.3 – FACULDADES MORAIS E INTELECTUAIS DO HOMEM 361 – De onde vêm, para o homem,as qualidadesmorais,boas ou más? São as do Espírito que está encarnado nele; quanto mais o Espírito é puro, mais o homem é guiado para o bem. 361.a)Pareceresultardisso que o homem de bem é a encarnaçãode um bom Espírito, e o homem viciado a de um mau Espírito? Sim, mas dize antes que é um Espírito imperfeito,de outra forma poder-se-ia crer em Espíritos sempre maus, os que chamais demônios. COMENTÁRIOS: O homem tem determinadas qualidades morais positivas e negativas que são qualidades do Espírito. O homem é um Espírito encarnado, possuído por uma alma porque está encarnado. É um Espírito imortal. A carne vem da carne, mas o Espírito não vem do Espírito. A carne é genética. As qualidades físicas vêm da genética herdada dos pais. As qualidades do Espírito encarnado vêm do Espírito que ele é. Não vem dos pais. As virtudes estão no Espírito, podem ser aperfeiçoadas ou encobertas conforme o ambiente em que a pessoa se encontra. Os pais podem influenciar no estado de moralidade do Espírito.A infância é o períodoem que o Espírito estáainda aberto às influências da família para que vá melhorando as qualidades morais.Não pensemos que sendo as qualidades morais do Espírito não há nada a fazer por ele. Não é bem assim, a família e as pessoas do convívio sempre contribuem para o melhoramento das faculdades morais do Espírito. É na infância que os pais ajudam a moldar o caráter, a personalidade do Espírito para a fase adulta. Diante das suas experiências, do aprendizado adquirido vai aos poucos apresentando qualidades morais mais positivas. A doutrina Espírita nos ensina que o aperfeiçoamento é permanente. Todas as aquisições são permanentes e não se perdem. O Espírito não retroage. Questão A: A Espiritualidade faz uma correção utilizando a expressão “Espírito imperfeito” porser mais correto.Quando se usa a expressão Espírito maudá a impressão de que fora criado nessa condição. O mau é apenas a ausência do bem, do amor. É uma imperfeição temporária do Espírito até que ele conheça e vivencie as Leis de Deus e do amor.
  • 34. 34 Aquilo que ainda não foi melhorado, não foi aperfeiçoado, é uma situação transitória, por isso não podemosfalarem Espíritos “maus” porque essaé uma posição transitória. Nós estamos todos, desde o início da nossa existência enquanto Espíritos eternos, matriculados num curso (elaborado pelo Pai Eterno) de aperfeiçoamento contínuo. Quem ainda não é bom, será bom futuramente. Quem já é bom, será ainda melhor e assim sucessivamente. Então ao invés de chamar de Espíritos maus, o ideal é chamá-los de imperfeitos.Se o Espírito é imperfeito vai se retratar no corpo material as suas imperfeições, bem como, a sua elevação. O mau vem da ausência do bem. São Espíritos imperfeitos que precisam encarnar para aprender a serem bons. Se um Espírito ignorante reencarna, certamente que ele,ao crescer, está predisposto às paixões inferiores do mundo; contudo, a bondade de Deus é tão grande, que sempre deposita essa alma aos cuidados de alguém, que passa a ensiná-lo a mudar seu modo de vida, por vezes com o exemplo. (Miramez) A matéria é instrumento humano, mas também divino, nas mãos do ser encarnado, como o cavalo de montaria o é do cavaleiro. As rédeas regulam seus passos e, no caso do Espírito, as rédeas são o esclarecimento para refrear os instintos materiais, correspondentes à ignorância da alma. (Miramez) 362 – Qual o caráter dos indivíduos em que se encarnam Espíritos travessos e levianos? De indivíduos estouvados, espertalhões, e, algumas vezes, malfazejos. COMENTÁRIOS: Aqui vale a pena relembrarmos da Escala Espírita na Q.100 e subsequentes. Vários graus evolutivos dos Espíritos. Três ordens: Espíritos imperfeitos, Espíritos bons, Espíritos puros. Dentro da ordem dos Espíritos imperfeitos há cinco classes e uma dessas classes é de Espíritos levianos. Nessas questões, a Espiritualidade nos mostra que o Espíritos travessos e levianos não são Espíritos malévolos, que gostam de fazer o mal, de ver o sofrimento e a maldade. Tem mais as características de serem brincalhões do que ser cruéis e maldosos, como os Espíritos impuros. Estão nesse grupo os espertalhões e aqueles que fazem o mal porbrincadeira para ver o outro não se dar muito bem,mais irônicos,mas não essencialmente malévolos.
  • 35. 35 AsclassesdosEspíritossão emgrande variedade e podemosobservá-laspelocomportamentodosEspíritos, tanto encarnados quanto desencarnados. Os Espíritoslevianosnemsempre sãomausEspíritos que se aproximamdoshomensinspirandomaldade,o ódio e a vingança. Eles são mais brincalhões, iguais aos muitosque se pode ver dentre os encarnados.Eles têm uma grande sutileza em usar o humorismo, introduzindo nas brincadeiras assuntos de gozação sem, contudo,avaliarotempoque gastamemcoisasfúteis,mormente quandose encontrammuitosdelesjuntos. Alguns são viciados contumazes. É uma classe de Espíritos muito grande e eles não toleram os Espíritos sérios. Acham que são fanáticos, somente porque resguardam os pensamentos das leviandades, que podem levar o desapreço às coisas nobres.São realmente maliciosos;instigamasintrigas,e sempre desejamfugirquandoveema coisatomar outro caráter, que por vezes não era a sua intenção. 363 – Os Espíritos têm paixões que não pertencem à Humanidade? Não, de outro modo eles vo-las teriam comunicado. COMENTÁRIOS: Os Espíritos desencarnados tem as mesmas paixões, os mesmos interesse que a humanidade até porque ao desencarnar ficam no mundo espiritual (colônias espirituais, regiões umbralinas) tudo ainda muito próximo à Terra em uma dimensão bem próximo ainda. Então aquilo que os desencarnados buscam são as mesmas coisas e situações que os encarnados vivenciam. Todos os Espíritos que encarnam têm emoções e paixões humanas. Quanto mais evoluído é o Espírito menos apegado às paixões da matéria. Espíritos desencarnados inferiores sentem falta do mundo material, sentem falta das paixões humanas e é por isso que há os chamados Espíritos vampirizadores, que sugam energias dos encarnados (sexo, bebidas,cigarro, drogas, alimentos etc.), das paixões e más tendências humanas. Onde quer que estejamos, seja no mundo material ou no mundo espiritual levaremos conosco as nossas paixões, as nossas tendências inferiores, a nossa imperfeição ou a nossa depuração espiritual. Os Espíritos são os mesmos homens, e os homens são os mesmos Espíritos. É necessário que estudemos mais as leis de Deus, que passemosa conhecer na sua profundidade, os ensinamentos de Jesus Cristo, porque somente a verdade e o amor nos liberta. Enquanto deixarmos as paixões inferiores envenenar o nosso ser, envenenar o nosso coração tudo ao nosso redor se envenena também. As paixões inferiores envenenam a atmosfera, a água, os alimentos, nosso organismo, tudo. Tudo é vibração, tudo é sintonia. Dependendo daquilo que emanamos
  • 36. 36 para dentro de nós e para o exterior estaremos envolvendo o nosso meio positivamente ou negativamente. É tempo de ter consciênciadisso.É hora de mudar, reformaro nosso coração, se auto aperfeiçoar para ser luz para que possamos envolver a natureza e as pessoas em vibração de luz, de amor e de paz. Vamos combateras paixões que vibram em nossa alma. A Doutrina Espíritaé um manancial de ensinamentos capazes de nos levar à vitória. 364 – É o mesmo Espírito que dá ao homem as qualidades morais e as da inteligência? Seguramente, é o mesmo,e isso em razão do grau que alcançou. Não tem o homem em si dois Espíritos. COMENTÁRIOS: O homem não tem em si dois Espíritos.É o mesmo com habilidades diversas (moral e intelectual) em função do grau alcançado em sua trajetória. O Espírito possui a unicidade, a individualidade. → Questão 79 Embora o Espírito apresente qualidades diversas, não significa que estaria dois Espíritos vinculados. É o mesmo Espírito que jáadquiriu várias qualidades ou muitas vezes cresceumuito no campo intelectual e pouco no campo moral ou vice-versa. O fato de haver características,virtudes,qualidades distintas não significaque há mais de um Espírito habitando aquele corpo. 365 – Por que homens muito inteligentes, que evidenciam em si um Espírito superior,algumas vezes,ao mesmo tempo, são profundamente viciados? É que o Espírito encarnado não é tão puro, e o homem cede à influência de outros Espíritos piores. O Espírito progride através de uma insensível caminhada ascendente,mas o progressonão se realiza, simultaneamente, em todos os sentidos; em uma etapa ele pode avançar em ciência, em outra, em moralidade. COMENTÁRIOS:
  • 37. 37 Temos várias facetas,mas há duas primordiais,extremamente importantes:a facetada inteligência e a faceta da moralidade.A inteligência é uma dimensão do Espírito, a moralidade é outra dimensão do Espírito. O Espírito cresce em vários aspectos, mas não cresce em todos esses aspectos de forma simultânea. Em cada reencarnação, em cada experiência consegue adquirir evolução em determinado ponto, às vezes a inteligência, às vezes a moralidade. Precisamos crescer em inteligência, sabedoria e moralidade para sermos perfeitos. Isso não significaque vamos agregar valor a todos esses pontosem uma única existência. Encontramos muitos homens de saber, de intelectualidade, mas repletos de orgulho, de egoísmo,profundamente viciosos no aspecto moral.São Espíritos com vastas experiencias, mas havendo muito a evoluir em função da deficiência no campo moral. Tela das asas: É mais comum e mais fácil crescermos em intelectualidade. A moralidade cresce mais lentamente. Nós ainda temos qualidades morais defeituosas, por isso precisamos agir sempre com o perdão porque assim como nós vemos o problema moral do outro, em algum momento nós também vamos expressara nossaimperfeição moral. Dessaforma, assim como vejo a imperfeição do outro e vou perdoá-lo, em algum momento também precisareido perdão do outro, diante das minhas imperfeições. Ao percebermos que somos todos imperfeitos, que todos estamos em uma jornada de aperfeiçoamento,nós somos os mesmos.Aquilo que me incomoda no outro, provavelmente é aquilo que eu mais preciso aperfeiçoar.Aquilo que mais incomoda, geralmente, é o que o meu subconsciente me aponta que eu preciso melhorar. Ex: A maledicência A maledicência é o ato que consiste em falar mal das pessoas. Maldizer significa destruir. A pessoa maledicente é maldosa. Se o coração do maledicente fosse puro, ele não teria nenhum prazer em discutir, pelo lado pior, os atos do seu irmão. Ninguém ajuda condenando. Além disso, essa atividade desrespeita o dever primordial da caridade, e ainda demonstra que nosso tempo está sendo pessimamente empregado: afinal, ter tempo para falar mal dos outros significa ter tempo livre em excesso, que poderia ser empregado em atividades que edificassem o Bem. Falar mal dos outros é atividade altamente prejudicial, que deve ser combatida imediatamente ao constatarmos que ela faz parte de nosso cotidiano. Não importa se os outros são nossos conhecidos ou não; se estão longe ou perto; se agiram correta ou
  • 38. 38 incorretamente: simplesmente não devemos alimentar nossas conversações com assuntos que somente dizem respeito à vida alheia. Se não for o caso de prestar algum auxílio, para nada de útil tal conversação servirá e ainda poderá ser fonte de muitos males. Espalhar notícias falsas ou verdadeiras sobre a vida alheia, costume popularmente conhecido por fofoca, para muitos é um divertimento sem importância. No entanto, esta prática que parece inofensiva, quando seguida da maledicência, pode destruir a reputação de alguém em segundos. A palavra nos foi dada para o crescimento, não para a destruição. Devemos utilizá-la para o bem. Se o que ouvimos, não serve para a melhoria dos outros, ou para instrução de alguém, para que passar adiante? Sócrates dizia que toda e qualquer informação que nos chega deve passar criteriosamente pelos filtros da VERDADE, BONDADE E UTILIDADE, para que possa posteriormente ser divulgada. Não julgueis para que não sejais julgados. (Mt 7:1) E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão e não vês a trave que está no teu olho? (Mt 7:3) Não é o que entra pela boca o que torna uma pessoa impura, mas o que sai da boca, isto sim, corrompe a pessoa. (Mt 15:11) Três atitudes: - Perceber – identificar os erros/vícios - Assumir os erros/vícios - Corrigir os erros/vícios (orai e vigiai – Mt 26:41) * Em relação ao próximo: - Benevolência para com todos - Indulgência (compaixão/misericórdia) para com as imperfeições - Perdão das ofensas Inteligência não é sinônimo de pureza espiritual; é um dos dons para o alto. Ela serve, e muito, como instrumentodaalmapara progredir,quandoé usado para a felicidade de todososseres.Podemosverificar grandesinteligênciasservindode instrumentode Deusparaapaz do mundo,e outrastantasusando-aspara a guerra, aumentando a peste e a fome no mundo. A inteligência só entra na faixa da pureza quando em completa harmonia com o amor, como nos mostra o exemplo de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ela, para o mal, é como que o combustível ou o inflamável que se derrama próximo ao fogo. Grandes inteligências que manifestaram seus poderes intelectuais na Terra se encontramemzonasinferiores,naerraticidade,porteremfeitomauusodessafaculdademaravilhosae,por vezes,voltamà carne em corpo deformadooucomo um idiota,na certezade que com issopoderão sentir, na profundidade doser,o erro que praticaram quandoem liberdade.De outra vezque retornaremà Terra, pela lei das vidas múltiplas, aplicarão a sabedoria para o bem de todos.
  • 39. 39 366 – Que pensar da opinião segundo a qual as diferentes faculdades intelectuais e morais do homem seriam o produto de diferentes Espíritos encarnados nele, e tendo, cada um, uma aptidão especial? Refletindo,reconhece-se que é absurda.O Espírito deve tertodas as aptidões; para poderprogredir,lhe é necessáriauma vontade única. Se o homem fosse um amálgama de Espíritos, essa vontade não existiria e ele não teria individualidade, pois que,em suamorte,esses Espíritos seriam qualum bando de pássaros escapados de uma gaiola. O homem lamenta, frequentemente, não compreender certas coisas e é curioso vercomomultiplicaas dificuldades, enquanto que tem sob a mão uma explicação muito simples e natural. Ainda aqui, toma o efeito pelacausa; é fazer para o homem o que os pagãos fizeram para Deus. Acreditavam em tantos deuses quantos são os fenômenos do Universo, mas, entre eles,as pessoas sensatas não viam nesses fenômenos senão efeitos tendo por causa um Deus único. COMENTÁRIOS: União da alma e do corpo – quando se liga um Espírito ao zigoto (embrião) é um Espírito só. Um corpo, um Espírito. É uma relação unívoca1 . É uma ideia absurda, pois é o Espírito é que tem que ter todas as aptidões para que possa ser completo. Perceberum serencarnado como um coletivo de Espíritos é um contrassenso. O Espírito é um só, com dimensões infinitas. Para que o Espírito possa ser perfeito, ele tem que ser detentor de todas as qualidades, de todas as aptidões, de todas as inteligências, de toda a moral e de toda sabedoria. São duas asas: intelectual e moral. Cada uma dessas asas possui uma infinidade de plumas que tornam essa asa num todo. Da mesma forma, existem várias características que formam o todo da inteligência e da moralidade. Se nosso corpo fosse habitado por vários Espíritos, ao desencarnar não teríamos individualidade. Isso é algo insensato. Osque acreditamque cadafaculdade doserhumanotemumEspíritoquelhe correspondeestãoenganados, como estavamiludidososque nopassadoacreditavamemváriosdeuses,apontandoemcadafenômenoda natureza um Deus que seria a fonte do acontecimento. 1 - Matemática – Relação de correspondência entre conjuntos em que para cada elemento de um conjunto há apenas outro correspondente.
  • 40. 40 Compreende-se portanto, que o homem somente tem um Espírito com variadas manifestaçõesdos seus dons, como sendo talentos espirituais, oferta do Senhor ao seu coração. Allan Kardec: O mundo físico e o mundo moral nos oferecem, a esse respeito, numerosas comparações.Acreditou-se na existênciamúltipla damatéria enquanto se esteve apegado à aparência dos fenômenos; hoje, compreende-se que esses fenômenos, conquanto variados, podem não ser senão modificações da matéria elementar única. As diversas faculdades são manifestações de uma mesma causa que é a alma, ou Espírito encarnado, e não de muitas almas, da mesma forma que os diferentes sons do órgão são o produto de uma mesma qualidade de ar e não de outras tantas espécies quantas sejam as dos sons. Resultaria desse sistemaque quandoum homem perde ou adquirecertasaptidões, certas inclinações, isso seria pela ação de outros tantos Espíritos que vieram ou que se foram, fazendo dele um ser múltiplo, sem individualidade, e, por consequência, sem responsabilidades. É outra contradição aos exemplos, tão numerosos, de manifestações através das quais os Espíritos provam sua personalidade e sua identidade. COMENTÁRIOS: - Individualidade - Responsabilidade Tal teoria não condiz com o que temos aprendido e nem com o bom senso, com a lógica.
  • 41. 41 7.4 – INFLUÊNCIA DO ORGANISMO 367 – O Espírito, unindo-se ao corpo, se identifica com a matéria? A matéria não é senão um envoltório do Espírito, como o vestuário é o envoltório do corpo. Unindo-se ao corpo, o Espírito conserva os atributos de sua natureza espiritual. COMENTÁRIOS: O corpo físico reflete o que o Espírito é. O perispírito é o corpo do Espírito e o modelo organizador biológico, ou seja, o molde do corpo físico (carnal). O corpo físico reflete, demonstra o que o Espírito é. E, consequentemente, o perispírito. Há uma conexão entre o Espírito e o corpo porque estão ligados por laços como o fio fluídico prateado. Se for um Espírito mais evoluído, o seu corpo físico vai refletir as virtudes desse Espírito, independentemente da aparência física. O Espírito sempre conserva as suas aquisições espirituais, o seu atributo. Se for um Espírito imperfeito,repleto de mazelas, por mais que o corpo físico seja saudável, o Espírito mantém as suas imperfeições, a suas tendências inferiores, mesmo estando em um corpo sadio. Por isso precisamos trabalhar o nosso interior para que ocorra a modificação, o crescimento, a evolução de nós mesmos enquanto Espíritos eternos que somos. O corpo físico é apenas uma veste do Espírito, assim como, o perispírito é uma veste do Espírito. O ser, a individualidade é o Espírito. 368 – O Espírito exerce, com toda liberdade, suas faculdades depois da sua união com o corpo? O exercício das faculdades depende dos órgãos que lhes servem de instrumento; elas são enfraquecidas pela grosseria da matéria. 368.a) Segundo isso, o envoltório material seria um obstáculo à livre manifestação das faculdades do Espírito,como um vidro opaco se opõe livre emissão da luz? Sim, e muito opaco.
  • 42. 42 Allan Kardec: Pode- se ainda comparar a ação da matéria grosseira do corpo sobre o Espírito à da água lamacenta, que tira a liberdade dos movimentos aos corpos nela mergulhados. COMENTÁRIOS: Temos dificuldade de perceberesse charco lodoso ou esse vidro opaco, uma vez que nós sentimos através do nosso corpo físico, plena liberdade de movimentos, de pensamentos. Porém a Espiritualidade nos afirma que o corpo físico e seus respectivos órgãos exercem certa barreira para o exercício pleno do Espírito. Por isso aqui encarnados não conseguimos tertodas as potências de Espírito em pleno desenvolvimento, porque a matéria obscurece dificultando a liberdade de movimento, de potencialidade, de pensamento do Espírito. Um exemplo que nos ajuda a compreender que o nosso corpo é uma prisão, um cárcere, é a situação de determinadas pessoas que vem no corpo físico com alguma limitação física ou mental, a gente percebe que aquela pessoa tem consciência. ela está pensando,está refletindo com a sua capacidade de raciocínio normal, mas não consegue se expressarporque os órgãos do corpo físico estão parcialmente comprometidos e não dá a oportunidade para que o Espírito manifeste a sua intelectualidade. E assim representa o nosso corpo para o Espírito. O Espírito tem outras inúmeras potencialidades que ficam limitadas em função do corpo que é como se fosse um vidro muito opaco. Então limita bastante. O Espírito se submete às limitações que a matéria impõe. A prisão do Espírito também impede de fazer muitas besteiras. 369 – O livre exercício das faculdades da alma está subordinado ao desenvolvimento dos órgãos? Os órgãos são os instrumentos de manifestação das faculdades da alma. Essas manifestações se encontram subordinadas ao desenvolvimento e ao grau de perfeição desses mesmos órgãos, como a boa qualidade de um trabalho, à boa qualidade da ferramenta. COMENTÁRIOS: O livre exercício das faculdades daalmadepende,de certo modo,daevolução dos órgãos, pois eles são o instrumento desse exercício.
  • 43. 43 Os nossos órgãos,emboraperfeitos para a nossavida material é um limitador para o Espírito. Não conseguimos ter o exercício livre das nossas faculdades, de todas as nossas potencialidades. Por mais que a nossa mente (que é tudo) tenha intelectualidade, consegue utilizar a capacidade máxima que o corpo permite, mas não tudo aquilo que ela é capaz, porque os órgãos ainda são relativamente limitados. Vão evoluir à medida que desenvolvemos o Espírito e à medida que os órgãos também serão mais desenvolvidos,como acontece nos mundos mais evoluídos,onde os Espíritos materializados têm condições de exercitar suas faculdades com maior liberdade. Ex: Fase da infância – Órgãos em desenvolvimento e o Espírito muito mais limitado que na fase adulta. O profissional com ferramentas de baixa qualidade. 370 – Pode-se deduzir, da influência dos órgãos, uma relação entre o desenvolvimento dos órgãos cerebrais e o desenvolvimento das faculdades morais e intelectuais? Não confundais o efeito com a causa. O Espírito tem sempre as faculdades que lhe são próprias; ora, não são os órgãos que dão as faculdades, mas as faculdades que conduzem ao desenvolvimento dos órgãos. 370.a) Assim sendo, a diversidade das aptidões do homem provém unicamente do estado do Espírito? Unicamente não é toda a exatidão do fato; as qualidades do Espírito,que pode ser mais ou menos avançado, são o princípio, mas é preciso ter em conta a influência da matéria que entrava, mais ou menos, o exercício dessas faculdades. COMENTÁRIOS: Todas as faculdades da alma fluem dela mesmo e, quando encarnada, ela se serve dos órgãos para se mostrar ao mundo tal qual ela é, na soma de suas qualidades espirituais. A Espiritualidade reforça o que foi visto nas questões anteriores. Todas as faculdades pertencem ao Espírito e não ao corpo físico. O Espírito se manifesta suas faculdades no corpo em que estiver conforme a sua evolução,sendo mais ou menos evoluído terádiversidadesde potencialidades de faculdades que serão mais ou menos desenvolvidas.
  • 44. 44 Embora o Espírito possaser mais ou menos adiantado para que ele possase expressarno corpo físico semprehaverá certa influência da matéria nas suas manifestações. A matéria conforme ela seja mais ou menos limitada, mesmo o Espírito tendo aptidões diversas apresentaráalguma limitação. Não porque ele (Espírito)seja limitado, mas porque o corpo físico lhe cerceia o exercício das suas faculdades. Todas as potencialidades, aptidões são do Espírito e não do corpo, mas conforme seja esse corpo mais ou menos evoluído, mais ou menos materializado o exercício dessas faculdades pelo Espírito fica relativamente limitado. Emborao corpo limite o Espírito não significaque o Espírito seja limitado, mas apenas que ele não consegue demonstrar sua potencialidade em função dessa limitação do corpo. O Espírito traz suas aptidões, mas em cada reencarnação desenvolve novas aptidões de acordo com a realidade, com a cultura da comunidade em que se reencarnou. Dessa forma sempre está aprendendo e desenvolvendo novas potencialidades. Nesse sentido a matéria proporciona oportunidades para o crescimento. É o instrumento para o desenvolvimento dessas novas potencialidades. Ex: cultura brasileira, cultura japonesa. Os órgãos oferecem mais ou menos condições para o desenvolvimento dessas aptidões,conforme determinado pelo próprio Espírito (juntamente com os mentores) em seu planejamento reencarnatório. O Espírito não traz 100% das suas potencialidades. Muitas potencialidades ficam reservadas em função da missão a ser cumprida. A verdade está no Espírito. A forma do corpo é determinada pela fôrma do peripírito construída pelo Espírito. As faculdades do Espírito independem dos órgãos; a alma precisa deles para realizar as comunicações na faixamaterial,e essa comunicaçãopode ser cerceadapelasdecadênciasdosórgãos em questão.O Espírito encarnado,quandoemdurasprovas,temos seusórgãosdificultandoque ele expresse suasfaculdades,que são interrompidas, no sentido de que os sentimentos se eduquem para novas tarefas no porvir. Nunca, porém,damatérianasceramas faculdadesinteligentes;acausa de todaselasse encontrana alma,semente divina de Deus, que se reveste de variados corpos, como se dá na própria natureza. (Miramez) Allan Kardec: O Espírito, se encarnando, traz certas predisposições, admitindo-se, para cadauma,um órgãocorrespondenteno cérebro,o desenvolvimento desses órgãos será um efeito e não uma causa. Se as faculdades se originassem nesses órgãos,o homem seria máquina sem livre-arbítrioe sem responsabilidade dos seus atos. Seria preciso admitir que os
  • 45. 45 maiores gênios,sábios,poetas,artistas,não são gênios senãoporqueo acaso lhes deu órgãos especiais, do que se seguiria que, sem esses órgãos, não poderiam ser gênios e que o último imbecil poderia ser um Newton,um Virgílio ou um Rafael, se estivesseprovido de certosórgãos; suposiçãomais absurda aindaquando se a aplica às qualidadesmorais. Assim, segundo esse sistema, São Vicente de Paulo, dotado pela Natureza de tal ou tal órgão,poderia ter sido um celerado,e não faltaria, ao maior celerado, senão um órgão para ser São Vicente de Paulo. Admiti, ao contrário, que os órgãos especiais, se é que existam, são consequentes e se desenvolvem pelo exercício da faculdade, como os músculos pelo movimento, e vós não tereis nada irracional. Façamos uma comparação trivial por ser verdadeira: por certos sinais fisionômicos,reconheceis o homem dado à bebida;são essessinaisque o tornam um ébrio,ou a ebriedade que faz apareceressessinais? Pode- se dizer que os órgãos recebem o cunho das faculdades. COMENTÁRIOS: Não podemos creditar aos órgãos toda a inteligência, todas as faculdades, todo o saber, pois senão teríamos que admitir que os maiores gênios, como os artistas, cientistas só foram porque o acaso lhes teria dado a essas pessoas órgãos especiais oucorpofísicoque fariacom que eles desenvolvessemtodas essas potencialidades. Essa hipótese é absurda. Daria a entender que não apenas a intelectualidade viria dos órgãos, mas até mesmo as qualidades morais. Seria supor que as qualidades morais, como, a bondade, o amor, a caridade, a fraternidade viessem dos órgãos. Como imaginar que um órgão mais ou menos perfeito, mais ou menos potente daria as qualidades intelectuais e as qualidades morais ao Espírito e não o inverso. Tal hipótese é inconcebida. Deixa de ser lógica e passa a ser absurda.
  • 46. 46 7.5 – IDIOTISMO E LOUCURA O conceito de idiotismo e cretinice usadoporKardec não é o conceito moderno que temos atualmente, os quais são adjetivos pejorativos. Esse é um contexto do século XIX. Esses eram conceitos da medicina da época. Organismos internacionais e associações de pessoas com deficiência, como a APAE,UNICEF, têm recomendado a utilização de termos como "portadores de necessidades especiais", "excepcionais", entre outros, no lugar de expressões como cretino, idiota, imbecil que, apesar de termos científicos oriundos do início da história da medicina, ao longo do tempo adquiriram um sentido conotativo de ofensa que dificulta sua inclusão social. Ex: síndrome de down – no século era tratada como um idiota a pessoa com problemas psiquiconeuromotora (problemas psicológicos, neurológicos e motores). Todo o grande espectro de síndromes relacionadas àdeficiênciaintelectual e física que temos hoje que são estudadas por vários nomes e com maior profundidade, na época eram tratados como cretinos, idiotas e loucos. 371 – Tem fundamento a opinião segundo a qual os cretinose os idiotas têm uma alma de natureza inferior? Não, eles têm uma alma humana, muitas vezes mais inteligente do que pensais, e que sofre a insuficiência dos meios de que dispõe para se comunicar, do mesmo modo que o mudo sofre a de não poder falar. COMENTÁRIOS: O fato de um Espírito encarnar com a prova do idiotismo não quer dizer que será ele um Espírito ignorante.Podemos dizer,aí sim, que ele fezmal uso das suas faculdades em outras reencarnações,e nesta, como cretino,repara suas faltas no corredor dos tempos. Esses Espíritos que reencarnam com limitações mentais não significam que eles são Espíritosde natureza inferior. Isso pode acontecer? Mas não é regra geral. Muitos Espíritos que vem nessa condição são Espíritos muito inteligentes. A inteligência é sinal de uma certa evolução, pois evoluímos tanto intelectualmente, quanto moralmente. Não são Espíritos tão imperfeitos e primitivos. Mas são pessoas que muitas vezes utilizaram a sua inteligência de