SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 112
Baixar para ler offline
Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos
Grupo: Esgoto Fonte de Recursos
Grupo: Esgoto Fonte de Recursos
Grupo: Esgoto Fonte de Recursos
Grupo: Esgoto Fonte de Recursos
Marcio Andrade
Eng. Civil, Mestre e Doutor na área de Hidráulica e Saneamento | LAAm | GCN | CFH | UFSC
Ferrocimento Artesanal
O ferrocimento é um
material constituído
por uma armadura
subdividida e
distribuída, composta
por aços finos – de 2 a
5 mm – e telas,
inseridas em
argamassa rica de
cimento, resultando
em um compósito com
notáveis qualidades,
pequena espessura -
lâminas de 1 a 3 cm
de espessura
resultando em peças
com peso reduzido.
Definição
- Antecedentes
- Primeiro documento escrito por Louis Lambot (1814-1887)
“Ferciment-succedané Du Bois de Construction” (França - 1855)
- Pier Luigi Nervi (1891 – 1979)
Grandes estruturas em Ferrocimento (Itália)
- Ferrocimento no Brasil
•Grupo de São Carlos (EESC-USP) – Pré-Moldagem
•Obras do Arq. João Figueiras Lima (Rio de Janeiro, Salvador, Hospitais da Rede
Sara Kubitschek...)
•Projeto Ferrocimento (UFC) – Moldagem Artesanal
•COPASA - Estações de tratamento de água – Eng. Civil Sávio Nunes Bonifácio
•Diversas obras em Ferrocimento Artesanal – Eng. Agr. Edson Hiroshi Seo
•...
Origem: Um Breve Histórico do Ferrocimento
Barco em Ferrocimento
construído por Lambot em 1848
Desenhos do primeiro documento (1855)
Palacete dos Desportes, Roma - Itália
Obras de Nervi
Argamassa Armada
Centro de Reabilitação Sarah
Kubitschek Lago Norte, Lelé –
Brasília/DF, 2003 – Fotos: Nelson Kon
Beijódromo, Sede da Fundação Darcy
Ribeiro em Brasília em Brasília (2009)
– Fotos: Joana França
Proposta para o conjunto habitacional das Cajazeiras.
Fonte: http://piniweb.pini.com.br/construcao/arquitetura/lele-
projeta-duas-propostas-para-o-minha-casa-minha-vida-
220098-1.aspx
Obras do Arquiteto João Filgueiras Lima (Lelé) na Companhia de Renovação
Urbana de Salvador, Rede Sarah de hospitais, Fábrica Escola, ...
http://www.peu.poli.ufrj.br/arquivos/
Monografias/MICHEL_HOOG_CHAUI_D
O_VALE.pdf
• Hospitais da Rede SARAH
As obras do Lelé (Arq. João Figueira Lima)
ARMADURA
Armadura subdividida e distribuída,
constituída por:
•Malha de Sustentação;
Ferros de construção (Aço CA 50 ou 60)
Diâmetros comumente encontrados: de
3,4 a 6,3 mm (1/4”)
Telas soldadas
•Malha de Telas Finas;
Tela hexagonal (malha de ½”, fio 22 ou
24 (DWG)
Tela de Ráfia
Outras telas
•Arames.
Arame recozido nº 18 (BWG)
Peso de aramado por m2 para cada centímetro de espessura de lâmina de
Ferrocimento
Peso da Aramado por m2 Resistência APLICAÇÕES
De 1 a 2 Kg Baixa
Uso Artesanal
Obras de pequeno vulto
De 2 a 4 Kg Média
Uso da engenharia
Obras de porte médio
Mais de 4 Kg Alta
Uso da engenharia
Grandes estruturas
Peças de alta resistência
Obs.: O m2 da tela hexagonal com malha de ½” e fio nº 22 (BWG) pesa 0,540 Kg
Pontos de sustentação e de conformação
As pontas devem ser recolhidas para não causar ferimentos
nem dificultar o controle da espessura das peças
O Aramado é que
dá a forma da peça
10 mm
10 mm
12 mm
6 mm 6 mm
5 mm
Aramados Reprovados:
Aramados Aprovados:
A distribuição da armadura deve garantir
que nenhum ponto da argamassa fique
afastado mais de 3 mm da aramado
(“Regra dos 3 mm”)
A subdivisão da armadura aumenta
a superfície de contato com a
argamassa (superfície específica)
Superfície de
Aderência = S
Superfície de
Aderência = 1,5 S
Superfície de
Aderência = 2 S
a)
b)
c)
Subdivisão e Distribuição da Armadura
Semelhança construtiva com a taipa
Ferrocimento Artesanal
Argamassa:
Este material permite a confecção de peças em forma livre, sem uso de formas,
possibilitando a construção de estruturas, como cascas em dupla curvatura, resistentes pela
forma, apresentando-se como alternativa economicamente competitiva em relação a outros
materiais convencionais, com maior viabilidade, principalmente quando são exigidas,
simultaneamente, as principais características de desempenho do ferrocimento: resistência e
impermeabilidade.
IMPORTÂNCIA DA FORMA
Peças resistentes pela forma e não pela
força.
As tenções nas paredes são menores e
mais distribuídas nas formas curvas..
Reservatórios esféricos comportam
maior volume para uma mesma
superfície construída (área da esfera é
24% menor do que a do cubo para um
mesmo volume).
Deve-se utilizar “formas
otimizadas”.
Importância da Forma Deve-se, assim, vencer a força
pela forma e não pela força,
utilizar formas orgânicas,
otimizadas, que copiem as
formas da natureza e de
preferência as cascas em
dupla curvatura.
“Multirão 50” – GRET, Fortaleza- CE
Globo, diâmetro = 4 m e expessura = 2 cm
Cúpula casca semi-esférica, D = 6 m
Galpão para componentes habicionais
Ovo, altura = 6 m, expessura = 2 cm
Experimentos do Projeto Ferrocimento – Cascas com 2 cm de espessura
Casca em “saco-cimento”, Euzébio -CE
Box para carrinhos, Caucaia - CE
Cupula semi-esférica, com 6 m de diâmetro e dois
centímetros de espessura, construída com ferrocimento
artesanal,
Praia da Caponga – Cascavel - CE
Tecnologias e Custos
T1 T2 T3
Materiais
$ $ $
Mão de Obra
$ $ $
Equipamentos
$
$
$
∑1 ∑2 ∑3
Leveza
Caiaque em ferrocimento,
espessura da parede = 7
mm. Placas dobradas após
endurecidas.
Jangada construída em ferrocimento artesanal.
Barco construído em Ferrocimento, utilizando molde de madeira.
Barco em Ferrocimento com 13 pés
Embarcação pesqueira em
Ferrocimento Artesanal,
comprimento de 30 pés,
deslocamento de 7 t
Recuperação de Estruturas
Cisternas rurais no semiárido do nordeste brasileiro (reservatórios para sistemas de aproveitamento de água de chuva)
• Cisternas
construídas por
trabalhadores
rurais alunos do
“Curso de
Extensão de
Ferrocimento
Artesanal para
Operários”.
Construção de reservatórios
Construção de reservatórios
Construção de reservatórios
Construção de reservatórios
em Ferrocimento Artesanal
em Ferrocimento Artesanal
em Ferrocimento Artesanal
em Ferrocimento Artesanal
Pequenos
reservatórios
em
Ferrocimento
Reservatórios
para irrigação
https://docplayer.com.br/48662909-Copasa-divisao-de-saneamento-rural.html
Silos em Ferrocimento Artesanal construídos na Universidade Federal de Viçosa (UFV)
Obras de
saneamento
da Copasa em
Ferrocimento
Silos na
UFV
Tipos de Reservatórios
Abertos
Fechados
Sobre o solo
Semi-enterrados
Enterrados
Elevados
http://aquihablamosportunhol.blogspot.com/2007/11/id
olo-pra-mim-algum-que-eu-admiro-muito.html
Reservatórios domiciliares em Cuba
Dimensionamento de pequenos reservatórios circulares
(Capacidade em metros cúbicos em função do diâmetro e altura em centímetros)
Lagoa de um sistema de irrigação de uma residência
na Praia do Campeche – Florianópolis - SC
Piscinas em
Ferrocimento
Artesanal em um
parque aquático
em Fortaleza - CE
Desenvolvimento de lagoas de maturação aquecidas com
energia solar visando ao reuso de águas (Lisboa-PT)
MA4
Slide 33
MA4 Marcio Andrade; 04/05/2021
Wetland Construída, em
Ferrocimento Artesanal
em uma residência, em
Florianópolis – SC,
visando ao reuso de
águas
Wetland Construída
Tratamento de águas cinzas claras (água de banho, lavatório, de
tanque e máquina de lavar roupa) visando ao reuso de águas.
Componentes do sistema:
• Peneiramento de sólidos (cabelo, pelos, …);
• wetland de escoamento descendente sub-superficial;
• Wetland de escoamento horizontal sub-superficial;
• Lagoa de macrófitas flutluantes;
• Lagoa fótica com aeração em castaca, ornamental;
• Sistema de irrigação por gotejamento.
http://permaculturaceara.org.br/
2017/07/03/ipc-apoia-oficina-
de-cisterna-de-ferrocimento/
Cisterna adaptada para
subsistência no semi-árido
Cisternas de placas
de argamassa
Com esta cisterna de “salvação”,
para finalidades não potáveis, é
possível irrigar pequenas hortas
e suprir a demanda para
dessedentação de pequenos
animais.
https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/29532/1/Cartilha-vol-2-Cisterna-de-placas.pdf
Fonte: https://youtu.be/6HR-E55XJHM
V = 10 m3
H = 10 m
e = 2 cm
Reservatórios elevados executado em Ferrocimento
Artesanal, com método construtivo auto-portante,
dispensando o uso de formas e andaimes.
Reservatórios elevados
executado em Ferrocimento
Artesanal, com método
construtivo auto-portante,
dispensando o uso de formas
e andaimes.
V = 5 m3
H = 7 m
e = 2 cm
Torre Sustentável
Títulos
Torre Sustentável: aproveitamento de água de chuva,
aquecimento solar de água, reservatório de água potável, biodigestor para
resíduos sólidos orgânicos, funcionamento com energia solar fotovoltaica.
Contexto
•Sistema de abastecimento de água
descontinuo;
•Uso de chuveiro elétrico;
•Reservatórios internos com baixa
pressão
•Estruturas improvisadas e
reservatórios precários
•Não aproveita-se água de chuva
como recurso hídrico alternativo
complementar
•Reservatório sem proteção sanitária
Antes Depois
Sistemas de aquecimento solar alternativos
- comprometimento estético
Contexto
Versatilidade: Pode ser adaptada facilmente para
diferentes regiões, mudando a inclinação de acordo
com a latitude local. Além de poder ser o coletor
solar facilmente direcionado para o norte
verdadeiro.
Esquemas de funcionamento da Torre Sustentável
Componentes de
proteção
sanitária do
reservatório de
sistema de
aproveitamento
de água de chuva
Armadura
estrutural
Construção da “Torre Sustentável”
em Ferrocimento Artesanal
Componentes da Torre Sustentável
Projeto hidro-sanitário contendo fossa séptica,
filtro anaeróbio, wetland e uma torre
sustentável para uma edificação da Eletrosul
em Campos Novos – SC
Torre Sustentável – Edificação do Setor de
Manutenção da Subestação de Campos Novos –
Eletrosul Centrais Elétricas Brasileiras S. A.
Outros componentes da Torre Sustentável:
- Dispositivo de descarte de sólidos;
- Dispositivo de desvio de água dos
primeiros escoamentos (“água das
primeiras chuvas”).
MA3
Slide 60
MA3 Marcio Andrade; 02/05/2021
Placas de “Ardósia”
Rocha sedimentar formada pela intercalação de camadas compostas por sedimentos argilosos e sedimentos silte-arenosos, depositados em lagos sob a influência de ambiente glacial. As lâminas de
coloração clara formadas por sedimentos mais grossos são depositadas no fundo de lagos em períodos de verão, quando ocorre o degelo de geleiras que ocasiona um aumento de energia
permitindo o transporte de sedimentos com diâmetros maiores. No inverno, a superfície do lago congela e com isso cessa o aporte de sedimentos. Dessa forma, os sedimentos mais finos que
estavam em suspensão acabam sedimentando no fundo dos lagos, originando camadas escuras. O conjunto dessas camadas alternadas é chamada de varve e dá origem ao nome da rocha,
conhecida como varvito. Aqui em Santa Catarina é conhecida como “folhelho ardosiano”, embora não seja uma rocha metamórfica, e portanto, seja apenas parecida com a ardósia.
Assim, comercialmente denominamos de ardósia, pois poucos sabem que se trata de um varvito.
Biodigestor em Placas de Ardósia (Varvito)
Foram executados os seguintes ensaios: - Resistência Uniaxial;
- Módulo de Ruptura;
- Flexão em 4 Pontos;
- Absorção de Água;
- Densidade Aparente;
- Porosidade Aparente;
- Resistência ao Impacto de Corpo Duro.
Reservatório construído com placas de ardósia, V = 80 m3,
em uma escola pública,
Seara - SC
Reservatório construído com placas
de ardósia, V = 50 m3, Ipira – SC
Dispositivos de descarte de sólidos e
de desvio de água dos primeiros
escoamentos
https://www.scielo.br/pdf/esa/v22n3/1809-
4457-esa-s1413-41522017177829.pdf
Reservatório construído com placas de ardósia, V = 50 m3, Ipira – SC
Reservatório em ardósia, V = 50 m3
Reservatório em ardósia, V = 250 m3
Reservatório em ardósia, V = 80 m3
Reservatório domiciliar em ardósia, V = 2,5 m3
Reservatório
em placas de
ardósia
rejuntadas com
selante a base
de poliuretano
(PU) e com
anéis de
armadura em
cabos de aço.
Reservatório em ardósia, V = 30 m3
Reservatório em ardósia, V = 10 m3
Biodigesto construído com placas de ardósia (varvito).
Volume de Câmara de Digestão de 225 m3
Executado em 2 dias (4 trabalhadorxs e 8 horas de caminhão Munck)
Reservatórios em Madeira
Reservatório de
madeira
autoclavada,
V = 60 m3, em
uma escola,
Concórdia-SC
Resgate da
Memória
Tecnológica de
Construções de
Reservatórios com
Madeira
Tonel de vinho (em Urussanga-SC)
Silos verticais em madeira (USA)
Tonel no Museu da Cachaça (Ypióca) com
capacidade para 374 mil litros. Está no
Guinness Book (Maranguape-CE).
Fonte: https://www.6sqft.com/nyc-water-towers-history-use-and-infrastructure/
Biodigestores e Reservatórios construídos com
madeira (Nova Zelândia)
http://www.timbertanks.co.nz/
http://www.timbertanks.co.nz/
Fulões
Fonte: www.marcarinibrasil.ind.com
Esticadores em ferro fundido modular utilizados em
reservatórios de madeira e de placas de ardósia
Modelagem e Impressão 3D do Esticador para Usinagem
Reservatórios para indústria de curtume
Fonte:
https://www.michelon.ind.br
/
Biodigestor em Madeira
Câmara de digestão
apoiada
diretamente sobre
o solo e com
revestimento
interno com
membrana
geosintética.
Biodigestor e Reservatório de digestato cada um com capacidade para 425 m3
construídos com vigas de madeira (Cada um executado em 2 dias por 4 trabalhadorxs)
Reservatório de digestato com capacidade para 230 m3
Executado em 2 dias por 4 trabalhadorxs
Reservatórios Metálicos
Reservatório metálico sobre o
laje de concreto, V = 200 m3,
em uma suinocultura,
Piratuba-SC
Reservatório metálico
sobre o solo, V = 200
m3, em uma avicultura,
Peritiba - SC
Biodigestor em Chapas de Aço Inoxidável Aparafusadas
Outros Materiais
Concreto Armado, Alvenaria, Modelo
Australiano (com diversos materiais), ...
Concreto Armado
Biodigestor Modelo CSTR em Concreto Armado
Fonte: LACTEC
Armadura do reservatório em concreto
armado (trabalho artesanal).
Forma, juntas de dilatação, concretagem,
impermeabilização, controle tecnológico, ...
Reservatórios construídos com telas de aço e membranas geossintéticas
Foto cedida pelo pesquisador
Roberto Valencia Vásquez
(Instituto Tecnológico Durango- México)
Reservatório tipo tanque australiano
(Fonte: https://produto.mercadolivre.com.br
https://www.recolastambiental.com.br/blog/reservatorios/p
or-que-investir-em-uma-cisterna/
Reservatórios em PRFV (plástico, reforçado em fibra de vidro)
Fonte: https://cibiogas.org/en/file/ud-cibiog%C3%A1s-foto-marcos-labanca-8jpg
Produção de biogás a partir de restos de grama, esgoto e
resíduos orgânicos dos restaurantes do Complexo Itaipu
https://www.erbr.com.br/solucoes/13/tanques-prfv-
Reservatórios (Cisternas) em membranas geossintéticas
Coberturas infláveis
Fonte: https://br.archea-biogas.de/
https://www.embrapa.br/busca-de-projetos/-
/projeto/214374/processo-biotecnologico-em-sistemas-
de-tratamento-de-efluentes-na-suinocultura--sistrates
Fonte: http://biokohler.com/
“Biodigestor em forma tronco-cônico”
Sistemas confeccionado com geomembrana de
PEAD
Fonte: Metalúrgica
Cacupé, BellaCalha,
AcquaSave
https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/201476/1/Sisteminha-Embrapa-UFU-Fapemig-Baixa2019.pdf
Biodigestores
Biodigestores rurais para o Projeto PDCT – NE (Convénio CNPq/BID/UFC)
Projeto de 35 biodigestores rurais para o “Projeto Alto Uruguai: Cidadânia , Energia e Meio Ambiente“– Estados de Santa Catarina e
Rio Grande do Sul - Eletrobras/Eletrosul/MAB.
Biodigestor em ferrocimento artesanal
com capacidade para produão de 25 m3
de biogás/dia
Quanto ao volume da Câmara
de Digestão consideramos:
Pequenos V ≤ 50 m3
Médios 50  V ≤ 250 m3
Grandes V  250 m3
Modelo Indiano Modelo Chinês
Fonte: SASSE, L (1986)
Fonte:https://www.santafe.gob.ar/ms/academia/wp-
content/uploads/sites/27/2019/08/M%C3%B3dulo-3-
Biodigesti%C3%B3n-componentes-del-sistema.pdf
Modelos de Biodigestores Rurais
Biodigestores rurais executados pelo Projeto PDCT – NE (Convénio CNPq/BID/UFC)
Modelo Tubular (Plug Flow)
Modelo Chinês
Modelo Tubular (Plug Flow)
Cartilha do Biodigestor Rural
em Ferrocimento Artesanal
Autores:
Marcio Andrade
Francisco Diniz Bezerra
Paulo César Marques de Carvalho
Cleber Rosa de Oliveira
Marcondes Falcão (Desenhos do
arquiteto e cantor brega Falcão).
https://www.facebook.com/cantorfalcao/photos
Contato!
Marcio Andrade
marcioufsc@gmail.com
marcio.andrade@ufsc.br
WhatsApp: +55 48 991762496
Agradecimentos:
o
o
o
o BIO-ENERGIAo
o
o
o
ASSOCIAÇÃO DE DEFESA DA CIDADANIA, ENERGIA E MEIO AMBIENTE - BIO - ENERGIA.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6047 modulo 1 agua fria - introducao v04
6047 modulo 1   agua fria - introducao v046047 modulo 1   agua fria - introducao v04
6047 modulo 1 agua fria - introducao v04Sérgio Alves Dos Reis
 
Gb2013 paulo silva sobrinho_instituto de metais não ferrosos
Gb2013 paulo silva sobrinho_instituto de metais não ferrosos Gb2013 paulo silva sobrinho_instituto de metais não ferrosos
Gb2013 paulo silva sobrinho_instituto de metais não ferrosos Galvabrasil
 
Apostila hidraulica sanitaria
Apostila hidraulica sanitariaApostila hidraulica sanitaria
Apostila hidraulica sanitariamjmcreatore
 
Isadora Matos, Raquel Silva, Sarah Cunha - Estruturas em Gesso
Isadora Matos, Raquel Silva, Sarah Cunha - Estruturas em GessoIsadora Matos, Raquel Silva, Sarah Cunha - Estruturas em Gesso
Isadora Matos, Raquel Silva, Sarah Cunha - Estruturas em Gessodiogenesfm
 
VALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de PerdasVALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de Perdasslides-mci
 
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto ArmadoRita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armadoritacasarin
 
Manual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioManual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioRafael Zivickovict
 

Mais procurados (16)

6047 modulo 1 agua fria - introducao v04
6047 modulo 1   agua fria - introducao v046047 modulo 1   agua fria - introducao v04
6047 modulo 1 agua fria - introducao v04
 
Gb2013 paulo silva sobrinho_instituto de metais não ferrosos
Gb2013 paulo silva sobrinho_instituto de metais não ferrosos Gb2013 paulo silva sobrinho_instituto de metais não ferrosos
Gb2013 paulo silva sobrinho_instituto de metais não ferrosos
 
lajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradaslajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradas
 
Captação e Adutoras
Captação e AdutorasCaptação e Adutoras
Captação e Adutoras
 
Guia de instalação cisterna
Guia de instalação cisternaGuia de instalação cisterna
Guia de instalação cisterna
 
Apostila hidraulica sanitaria
Apostila hidraulica sanitariaApostila hidraulica sanitaria
Apostila hidraulica sanitaria
 
Isadora Matos, Raquel Silva, Sarah Cunha - Estruturas em Gesso
Isadora Matos, Raquel Silva, Sarah Cunha - Estruturas em GessoIsadora Matos, Raquel Silva, Sarah Cunha - Estruturas em Gesso
Isadora Matos, Raquel Silva, Sarah Cunha - Estruturas em Gesso
 
Cálculo das calhas
Cálculo das calhasCálculo das calhas
Cálculo das calhas
 
VALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de PerdasVALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de Perdas
 
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
 
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto ArmadoRita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
 
Manual instalacao hidraulica
Manual instalacao hidraulicaManual instalacao hidraulica
Manual instalacao hidraulica
 
Manual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioManual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitário
 
Concreto protendido
Concreto protendidoConcreto protendido
Concreto protendido
 
Pronatec aula 3
Pronatec aula 3Pronatec aula 3
Pronatec aula 3
 

Semelhante a Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio Andrade

Hote7 unid05 barragens-terra
Hote7 unid05 barragens-terraHote7 unid05 barragens-terra
Hote7 unid05 barragens-terraDiego Santos
 
classificaao-das-pontes-quanto-ao-material-da-superestrutura.pptx
classificaao-das-pontes-quanto-ao-material-da-superestrutura.pptxclassificaao-das-pontes-quanto-ao-material-da-superestrutura.pptx
classificaao-das-pontes-quanto-ao-material-da-superestrutura.pptxWescleyBritoRumoBrit
 
Artigo ibracon 2012 sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
Artigo ibracon 2012   sistema construtivo tridirecional para construcao de la...Artigo ibracon 2012   sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
Artigo ibracon 2012 sistema construtivo tridirecional para construcao de la...Willian Dias da Cruz
 
Aula 9 formas-escoras
Aula 9   formas-escorasAula 9   formas-escoras
Aula 9 formas-escorasAlex_123456
 
Estudo sobre as Alvenarias
Estudo sobre as  AlvenariasEstudo sobre as  Alvenarias
Estudo sobre as AlvenariasRennan Italiano
 
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittal
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittalGb2011 silvia scalzo_arcelormittal
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittalGalvabrasil
 
Trabalho grupo andromeda silos tanques reservatorios
Trabalho grupo andromeda silos tanques reservatoriosTrabalho grupo andromeda silos tanques reservatorios
Trabalho grupo andromeda silos tanques reservatoriosDjMxyzptlk Augusto
 
Vigas mistas em pontes rodoviárias
Vigas mistas em pontes rodoviáriasVigas mistas em pontes rodoviárias
Vigas mistas em pontes rodoviáriasTimóteo Rocha
 
Caixa água ferrocimento
Caixa água ferrocimentoCaixa água ferrocimento
Caixa água ferrocimentoZf Neves
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Lowrrayny Franchesca
 
01 Estruturas de Madeira 1 - INTRODUCAO.pdf
01 Estruturas de Madeira 1 - INTRODUCAO.pdf01 Estruturas de Madeira 1 - INTRODUCAO.pdf
01 Estruturas de Madeira 1 - INTRODUCAO.pdfAntonioBlanc
 
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civilAlvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civildebvieir
 
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia   aula 2 - construção civilIntrodução a engenharia   aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia aula 2 - construção civilRafael José Rorato
 
Patologia das Estruturas de Betão
Patologia das Estruturas de BetãoPatologia das Estruturas de Betão
Patologia das Estruturas de Betãoengenhariacivil91
 

Semelhante a Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio Andrade (20)

Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
 
Hote7 unid05 barragens-terra
Hote7 unid05 barragens-terraHote7 unid05 barragens-terra
Hote7 unid05 barragens-terra
 
classificaao-das-pontes-quanto-ao-material-da-superestrutura.pptx
classificaao-das-pontes-quanto-ao-material-da-superestrutura.pptxclassificaao-das-pontes-quanto-ao-material-da-superestrutura.pptx
classificaao-das-pontes-quanto-ao-material-da-superestrutura.pptx
 
Artigo ibracon 2012 sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
Artigo ibracon 2012   sistema construtivo tridirecional para construcao de la...Artigo ibracon 2012   sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
Artigo ibracon 2012 sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
 
Cerâmica
CerâmicaCerâmica
Cerâmica
 
Manual cbca galpones
Manual cbca   galponesManual cbca   galpones
Manual cbca galpones
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
 
Aula 9 formas-escoras
Aula 9   formas-escorasAula 9   formas-escoras
Aula 9 formas-escoras
 
O aço
O açoO aço
O aço
 
Estudo sobre as Alvenarias
Estudo sobre as  AlvenariasEstudo sobre as  Alvenarias
Estudo sobre as Alvenarias
 
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittal
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittalGb2011 silvia scalzo_arcelormittal
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittal
 
Trabalho grupo andromeda silos tanques reservatorios
Trabalho grupo andromeda silos tanques reservatoriosTrabalho grupo andromeda silos tanques reservatorios
Trabalho grupo andromeda silos tanques reservatorios
 
Vigas mistas em pontes rodoviárias
Vigas mistas em pontes rodoviáriasVigas mistas em pontes rodoviárias
Vigas mistas em pontes rodoviárias
 
Caixa água ferrocimento
Caixa água ferrocimentoCaixa água ferrocimento
Caixa água ferrocimento
 
curso 1 dia.ppt
curso 1 dia.pptcurso 1 dia.ppt
curso 1 dia.ppt
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
 
01 Estruturas de Madeira 1 - INTRODUCAO.pdf
01 Estruturas de Madeira 1 - INTRODUCAO.pdf01 Estruturas de Madeira 1 - INTRODUCAO.pdf
01 Estruturas de Madeira 1 - INTRODUCAO.pdf
 
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civilAlvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
 
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia   aula 2 - construção civilIntrodução a engenharia   aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
 
Patologia das Estruturas de Betão
Patologia das Estruturas de BetãoPatologia das Estruturas de Betão
Patologia das Estruturas de Betão
 

Mais de Fluxus Design Ecológico

Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance Fluxus Design Ecológico
 
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...Fluxus Design Ecológico
 
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliaresSaneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliaresFluxus Design Ecológico
 
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - FluxusO papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - FluxusFluxus Design Ecológico
 
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos PossíveisSão Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos PossíveisFluxus Design Ecológico
 
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...Fluxus Design Ecológico
 
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...Fluxus Design Ecológico
 
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...Fluxus Design Ecológico
 
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...Fluxus Design Ecológico
 
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...Fluxus Design Ecológico
 
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...Fluxus Design Ecológico
 
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuvaCASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuvaFluxus Design Ecológico
 
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbanaSeminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbanaFluxus Design Ecológico
 
Tratamento de efluentes ou reciclagem de nutrientes?
Tratamento de efluentes ou reciclagem de nutrientes?Tratamento de efluentes ou reciclagem de nutrientes?
Tratamento de efluentes ou reciclagem de nutrientes?Fluxus Design Ecológico
 

Mais de Fluxus Design Ecológico (20)

Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1
Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1
Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1
 
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
 
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
 
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliaresSaneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
 
Live com @Sustentarqui
Live com @SustentarquiLive com @Sustentarqui
Live com @Sustentarqui
 
WIL Brasil 2020
WIL Brasil 2020WIL Brasil 2020
WIL Brasil 2020
 
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - FluxusO papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
 
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos PossíveisSão Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
 
Manejo Integrado de Água
Manejo Integrado de ÁguaManejo Integrado de Água
Manejo Integrado de Água
 
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
 
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
 
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
 
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
 
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
 
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
 
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuvaCASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
 
Cartilha - Como cuidar de nossas Águas
Cartilha  - Como cuidar de nossas ÁguasCartilha  - Como cuidar de nossas Águas
Cartilha - Como cuidar de nossas Águas
 
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbanaSeminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
 
Tratamento de efluentes ou reciclagem de nutrientes?
Tratamento de efluentes ou reciclagem de nutrientes?Tratamento de efluentes ou reciclagem de nutrientes?
Tratamento de efluentes ou reciclagem de nutrientes?
 
Seguranca Hidrica em Debate
Seguranca Hidrica em Debate Seguranca Hidrica em Debate
Seguranca Hidrica em Debate
 

Último

425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...azulassessoria9
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...azulassessoria9
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Cabiamar
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...azulassessoria9
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaJulianeNassaralla1
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do séculoBiblioteca UCS
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 

Último (20)

425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemática
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 

Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio Andrade

  • 1. Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos Grupo: Esgoto Fonte de Recursos Grupo: Esgoto Fonte de Recursos Grupo: Esgoto Fonte de Recursos Grupo: Esgoto Fonte de Recursos Marcio Andrade Eng. Civil, Mestre e Doutor na área de Hidráulica e Saneamento | LAAm | GCN | CFH | UFSC
  • 2.
  • 3.
  • 5. O ferrocimento é um material constituído por uma armadura subdividida e distribuída, composta por aços finos – de 2 a 5 mm – e telas, inseridas em argamassa rica de cimento, resultando em um compósito com notáveis qualidades, pequena espessura - lâminas de 1 a 3 cm de espessura resultando em peças com peso reduzido. Definição
  • 6.
  • 7.
  • 8. - Antecedentes - Primeiro documento escrito por Louis Lambot (1814-1887) “Ferciment-succedané Du Bois de Construction” (França - 1855) - Pier Luigi Nervi (1891 – 1979) Grandes estruturas em Ferrocimento (Itália) - Ferrocimento no Brasil •Grupo de São Carlos (EESC-USP) – Pré-Moldagem •Obras do Arq. João Figueiras Lima (Rio de Janeiro, Salvador, Hospitais da Rede Sara Kubitschek...) •Projeto Ferrocimento (UFC) – Moldagem Artesanal •COPASA - Estações de tratamento de água – Eng. Civil Sávio Nunes Bonifácio •Diversas obras em Ferrocimento Artesanal – Eng. Agr. Edson Hiroshi Seo •... Origem: Um Breve Histórico do Ferrocimento
  • 9. Barco em Ferrocimento construído por Lambot em 1848 Desenhos do primeiro documento (1855) Palacete dos Desportes, Roma - Itália Obras de Nervi
  • 10. Argamassa Armada Centro de Reabilitação Sarah Kubitschek Lago Norte, Lelé – Brasília/DF, 2003 – Fotos: Nelson Kon Beijódromo, Sede da Fundação Darcy Ribeiro em Brasília em Brasília (2009) – Fotos: Joana França Proposta para o conjunto habitacional das Cajazeiras. Fonte: http://piniweb.pini.com.br/construcao/arquitetura/lele- projeta-duas-propostas-para-o-minha-casa-minha-vida- 220098-1.aspx Obras do Arquiteto João Filgueiras Lima (Lelé) na Companhia de Renovação Urbana de Salvador, Rede Sarah de hospitais, Fábrica Escola, ... http://www.peu.poli.ufrj.br/arquivos/ Monografias/MICHEL_HOOG_CHAUI_D O_VALE.pdf
  • 11. • Hospitais da Rede SARAH As obras do Lelé (Arq. João Figueira Lima)
  • 12. ARMADURA Armadura subdividida e distribuída, constituída por: •Malha de Sustentação; Ferros de construção (Aço CA 50 ou 60) Diâmetros comumente encontrados: de 3,4 a 6,3 mm (1/4”) Telas soldadas •Malha de Telas Finas; Tela hexagonal (malha de ½”, fio 22 ou 24 (DWG) Tela de Ráfia Outras telas •Arames. Arame recozido nº 18 (BWG) Peso de aramado por m2 para cada centímetro de espessura de lâmina de Ferrocimento Peso da Aramado por m2 Resistência APLICAÇÕES De 1 a 2 Kg Baixa Uso Artesanal Obras de pequeno vulto De 2 a 4 Kg Média Uso da engenharia Obras de porte médio Mais de 4 Kg Alta Uso da engenharia Grandes estruturas Peças de alta resistência Obs.: O m2 da tela hexagonal com malha de ½” e fio nº 22 (BWG) pesa 0,540 Kg
  • 13. Pontos de sustentação e de conformação As pontas devem ser recolhidas para não causar ferimentos nem dificultar o controle da espessura das peças O Aramado é que dá a forma da peça
  • 14. 10 mm 10 mm 12 mm 6 mm 6 mm 5 mm Aramados Reprovados: Aramados Aprovados: A distribuição da armadura deve garantir que nenhum ponto da argamassa fique afastado mais de 3 mm da aramado (“Regra dos 3 mm”) A subdivisão da armadura aumenta a superfície de contato com a argamassa (superfície específica) Superfície de Aderência = S Superfície de Aderência = 1,5 S Superfície de Aderência = 2 S a) b) c) Subdivisão e Distribuição da Armadura
  • 15. Semelhança construtiva com a taipa Ferrocimento Artesanal Argamassa:
  • 16. Este material permite a confecção de peças em forma livre, sem uso de formas, possibilitando a construção de estruturas, como cascas em dupla curvatura, resistentes pela forma, apresentando-se como alternativa economicamente competitiva em relação a outros materiais convencionais, com maior viabilidade, principalmente quando são exigidas, simultaneamente, as principais características de desempenho do ferrocimento: resistência e impermeabilidade. IMPORTÂNCIA DA FORMA Peças resistentes pela forma e não pela força. As tenções nas paredes são menores e mais distribuídas nas formas curvas.. Reservatórios esféricos comportam maior volume para uma mesma superfície construída (área da esfera é 24% menor do que a do cubo para um mesmo volume). Deve-se utilizar “formas otimizadas”.
  • 17. Importância da Forma Deve-se, assim, vencer a força pela forma e não pela força, utilizar formas orgânicas, otimizadas, que copiem as formas da natureza e de preferência as cascas em dupla curvatura.
  • 18. “Multirão 50” – GRET, Fortaleza- CE Globo, diâmetro = 4 m e expessura = 2 cm Cúpula casca semi-esférica, D = 6 m Galpão para componentes habicionais Ovo, altura = 6 m, expessura = 2 cm Experimentos do Projeto Ferrocimento – Cascas com 2 cm de espessura Casca em “saco-cimento”, Euzébio -CE Box para carrinhos, Caucaia - CE
  • 19. Cupula semi-esférica, com 6 m de diâmetro e dois centímetros de espessura, construída com ferrocimento artesanal, Praia da Caponga – Cascavel - CE
  • 20. Tecnologias e Custos T1 T2 T3 Materiais $ $ $ Mão de Obra $ $ $ Equipamentos $ $ $ ∑1 ∑2 ∑3
  • 22. Caiaque em ferrocimento, espessura da parede = 7 mm. Placas dobradas após endurecidas. Jangada construída em ferrocimento artesanal. Barco construído em Ferrocimento, utilizando molde de madeira. Barco em Ferrocimento com 13 pés
  • 23. Embarcação pesqueira em Ferrocimento Artesanal, comprimento de 30 pés, deslocamento de 7 t Recuperação de Estruturas
  • 24. Cisternas rurais no semiárido do nordeste brasileiro (reservatórios para sistemas de aproveitamento de água de chuva) • Cisternas construídas por trabalhadores rurais alunos do “Curso de Extensão de Ferrocimento Artesanal para Operários”.
  • 25. Construção de reservatórios Construção de reservatórios Construção de reservatórios Construção de reservatórios em Ferrocimento Artesanal em Ferrocimento Artesanal em Ferrocimento Artesanal em Ferrocimento Artesanal
  • 28. https://docplayer.com.br/48662909-Copasa-divisao-de-saneamento-rural.html Silos em Ferrocimento Artesanal construídos na Universidade Federal de Viçosa (UFV) Obras de saneamento da Copasa em Ferrocimento Silos na UFV
  • 29. Tipos de Reservatórios Abertos Fechados Sobre o solo Semi-enterrados Enterrados Elevados http://aquihablamosportunhol.blogspot.com/2007/11/id olo-pra-mim-algum-que-eu-admiro-muito.html Reservatórios domiciliares em Cuba
  • 30. Dimensionamento de pequenos reservatórios circulares (Capacidade em metros cúbicos em função do diâmetro e altura em centímetros)
  • 31. Lagoa de um sistema de irrigação de uma residência na Praia do Campeche – Florianópolis - SC
  • 32. Piscinas em Ferrocimento Artesanal em um parque aquático em Fortaleza - CE
  • 33. Desenvolvimento de lagoas de maturação aquecidas com energia solar visando ao reuso de águas (Lisboa-PT) MA4
  • 34. Slide 33 MA4 Marcio Andrade; 04/05/2021
  • 35. Wetland Construída, em Ferrocimento Artesanal em uma residência, em Florianópolis – SC, visando ao reuso de águas
  • 36. Wetland Construída Tratamento de águas cinzas claras (água de banho, lavatório, de tanque e máquina de lavar roupa) visando ao reuso de águas. Componentes do sistema: • Peneiramento de sólidos (cabelo, pelos, …); • wetland de escoamento descendente sub-superficial; • Wetland de escoamento horizontal sub-superficial; • Lagoa de macrófitas flutluantes; • Lagoa fótica com aeração em castaca, ornamental; • Sistema de irrigação por gotejamento.
  • 38. Cisterna adaptada para subsistência no semi-árido Cisternas de placas de argamassa Com esta cisterna de “salvação”, para finalidades não potáveis, é possível irrigar pequenas hortas e suprir a demanda para dessedentação de pequenos animais. https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/29532/1/Cartilha-vol-2-Cisterna-de-placas.pdf
  • 40. V = 10 m3 H = 10 m e = 2 cm Reservatórios elevados executado em Ferrocimento Artesanal, com método construtivo auto-portante, dispensando o uso de formas e andaimes.
  • 41. Reservatórios elevados executado em Ferrocimento Artesanal, com método construtivo auto-portante, dispensando o uso de formas e andaimes. V = 5 m3 H = 7 m e = 2 cm
  • 43. Títulos Torre Sustentável: aproveitamento de água de chuva, aquecimento solar de água, reservatório de água potável, biodigestor para resíduos sólidos orgânicos, funcionamento com energia solar fotovoltaica.
  • 44. Contexto •Sistema de abastecimento de água descontinuo; •Uso de chuveiro elétrico; •Reservatórios internos com baixa pressão •Estruturas improvisadas e reservatórios precários •Não aproveita-se água de chuva como recurso hídrico alternativo complementar •Reservatório sem proteção sanitária
  • 45. Antes Depois Sistemas de aquecimento solar alternativos - comprometimento estético Contexto
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49. Versatilidade: Pode ser adaptada facilmente para diferentes regiões, mudando a inclinação de acordo com a latitude local. Além de poder ser o coletor solar facilmente direcionado para o norte verdadeiro.
  • 50.
  • 51. Esquemas de funcionamento da Torre Sustentável
  • 52. Componentes de proteção sanitária do reservatório de sistema de aproveitamento de água de chuva
  • 54. Construção da “Torre Sustentável” em Ferrocimento Artesanal
  • 55.
  • 56. Componentes da Torre Sustentável
  • 57.
  • 58. Projeto hidro-sanitário contendo fossa séptica, filtro anaeróbio, wetland e uma torre sustentável para uma edificação da Eletrosul em Campos Novos – SC
  • 59. Torre Sustentável – Edificação do Setor de Manutenção da Subestação de Campos Novos – Eletrosul Centrais Elétricas Brasileiras S. A.
  • 60.
  • 61. Outros componentes da Torre Sustentável: - Dispositivo de descarte de sólidos; - Dispositivo de desvio de água dos primeiros escoamentos (“água das primeiras chuvas”). MA3
  • 62. Slide 60 MA3 Marcio Andrade; 02/05/2021
  • 63.
  • 65. Rocha sedimentar formada pela intercalação de camadas compostas por sedimentos argilosos e sedimentos silte-arenosos, depositados em lagos sob a influência de ambiente glacial. As lâminas de coloração clara formadas por sedimentos mais grossos são depositadas no fundo de lagos em períodos de verão, quando ocorre o degelo de geleiras que ocasiona um aumento de energia permitindo o transporte de sedimentos com diâmetros maiores. No inverno, a superfície do lago congela e com isso cessa o aporte de sedimentos. Dessa forma, os sedimentos mais finos que estavam em suspensão acabam sedimentando no fundo dos lagos, originando camadas escuras. O conjunto dessas camadas alternadas é chamada de varve e dá origem ao nome da rocha, conhecida como varvito. Aqui em Santa Catarina é conhecida como “folhelho ardosiano”, embora não seja uma rocha metamórfica, e portanto, seja apenas parecida com a ardósia. Assim, comercialmente denominamos de ardósia, pois poucos sabem que se trata de um varvito.
  • 66. Biodigestor em Placas de Ardósia (Varvito) Foram executados os seguintes ensaios: - Resistência Uniaxial; - Módulo de Ruptura; - Flexão em 4 Pontos; - Absorção de Água; - Densidade Aparente; - Porosidade Aparente; - Resistência ao Impacto de Corpo Duro.
  • 67. Reservatório construído com placas de ardósia, V = 80 m3, em uma escola pública, Seara - SC
  • 68. Reservatório construído com placas de ardósia, V = 50 m3, Ipira – SC Dispositivos de descarte de sólidos e de desvio de água dos primeiros escoamentos https://www.scielo.br/pdf/esa/v22n3/1809- 4457-esa-s1413-41522017177829.pdf
  • 69. Reservatório construído com placas de ardósia, V = 50 m3, Ipira – SC
  • 70. Reservatório em ardósia, V = 50 m3 Reservatório em ardósia, V = 250 m3 Reservatório em ardósia, V = 80 m3 Reservatório domiciliar em ardósia, V = 2,5 m3 Reservatório em placas de ardósia rejuntadas com selante a base de poliuretano (PU) e com anéis de armadura em cabos de aço. Reservatório em ardósia, V = 30 m3 Reservatório em ardósia, V = 10 m3
  • 71.
  • 72.
  • 73. Biodigesto construído com placas de ardósia (varvito). Volume de Câmara de Digestão de 225 m3 Executado em 2 dias (4 trabalhadorxs e 8 horas de caminhão Munck)
  • 75. Reservatório de madeira autoclavada, V = 60 m3, em uma escola, Concórdia-SC
  • 76. Resgate da Memória Tecnológica de Construções de Reservatórios com Madeira Tonel de vinho (em Urussanga-SC) Silos verticais em madeira (USA) Tonel no Museu da Cachaça (Ypióca) com capacidade para 374 mil litros. Está no Guinness Book (Maranguape-CE).
  • 78. Biodigestores e Reservatórios construídos com madeira (Nova Zelândia) http://www.timbertanks.co.nz/ http://www.timbertanks.co.nz/
  • 79. Fulões Fonte: www.marcarinibrasil.ind.com Esticadores em ferro fundido modular utilizados em reservatórios de madeira e de placas de ardósia Modelagem e Impressão 3D do Esticador para Usinagem Reservatórios para indústria de curtume Fonte: https://www.michelon.ind.br /
  • 80. Biodigestor em Madeira Câmara de digestão apoiada diretamente sobre o solo e com revestimento interno com membrana geosintética.
  • 81.
  • 82. Biodigestor e Reservatório de digestato cada um com capacidade para 425 m3 construídos com vigas de madeira (Cada um executado em 2 dias por 4 trabalhadorxs)
  • 83.
  • 84. Reservatório de digestato com capacidade para 230 m3 Executado em 2 dias por 4 trabalhadorxs
  • 86. Reservatório metálico sobre o laje de concreto, V = 200 m3, em uma suinocultura, Piratuba-SC
  • 87. Reservatório metálico sobre o solo, V = 200 m3, em uma avicultura, Peritiba - SC
  • 88. Biodigestor em Chapas de Aço Inoxidável Aparafusadas
  • 89.
  • 90. Outros Materiais Concreto Armado, Alvenaria, Modelo Australiano (com diversos materiais), ...
  • 91.
  • 93. Biodigestor Modelo CSTR em Concreto Armado Fonte: LACTEC Armadura do reservatório em concreto armado (trabalho artesanal). Forma, juntas de dilatação, concretagem, impermeabilização, controle tecnológico, ...
  • 94.
  • 95. Reservatórios construídos com telas de aço e membranas geossintéticas Foto cedida pelo pesquisador Roberto Valencia Vásquez (Instituto Tecnológico Durango- México) Reservatório tipo tanque australiano (Fonte: https://produto.mercadolivre.com.br https://www.recolastambiental.com.br/blog/reservatorios/p or-que-investir-em-uma-cisterna/
  • 96. Reservatórios em PRFV (plástico, reforçado em fibra de vidro) Fonte: https://cibiogas.org/en/file/ud-cibiog%C3%A1s-foto-marcos-labanca-8jpg Produção de biogás a partir de restos de grama, esgoto e resíduos orgânicos dos restaurantes do Complexo Itaipu https://www.erbr.com.br/solucoes/13/tanques-prfv-
  • 97. Reservatórios (Cisternas) em membranas geossintéticas Coberturas infláveis
  • 99. Fonte: http://biokohler.com/ “Biodigestor em forma tronco-cônico” Sistemas confeccionado com geomembrana de PEAD
  • 103. Biodigestores rurais para o Projeto PDCT – NE (Convénio CNPq/BID/UFC) Projeto de 35 biodigestores rurais para o “Projeto Alto Uruguai: Cidadânia , Energia e Meio Ambiente“– Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul - Eletrobras/Eletrosul/MAB. Biodigestor em ferrocimento artesanal com capacidade para produão de 25 m3 de biogás/dia
  • 104. Quanto ao volume da Câmara de Digestão consideramos: Pequenos V ≤ 50 m3 Médios 50 V ≤ 250 m3 Grandes V 250 m3 Modelo Indiano Modelo Chinês Fonte: SASSE, L (1986) Fonte:https://www.santafe.gob.ar/ms/academia/wp- content/uploads/sites/27/2019/08/M%C3%B3dulo-3- Biodigesti%C3%B3n-componentes-del-sistema.pdf Modelos de Biodigestores Rurais Biodigestores rurais executados pelo Projeto PDCT – NE (Convénio CNPq/BID/UFC) Modelo Tubular (Plug Flow) Modelo Chinês Modelo Tubular (Plug Flow)
  • 105. Cartilha do Biodigestor Rural em Ferrocimento Artesanal Autores: Marcio Andrade Francisco Diniz Bezerra Paulo César Marques de Carvalho Cleber Rosa de Oliveira Marcondes Falcão (Desenhos do arquiteto e cantor brega Falcão). https://www.facebook.com/cantorfalcao/photos
  • 106.
  • 107.
  • 108.
  • 109.
  • 110.
  • 111.
  • 112. Contato! Marcio Andrade marcioufsc@gmail.com marcio.andrade@ufsc.br WhatsApp: +55 48 991762496 Agradecimentos: o o o o BIO-ENERGIAo o o o ASSOCIAÇÃO DE DEFESA DA CIDADANIA, ENERGIA E MEIO AMBIENTE - BIO - ENERGIA.