SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO LUTERANO DE ENSINO SUPERIOR DE ITUMBIARA –
GOIÁS
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
ALVENARIA
Andresa Martins Souza
Debora Vieira Souza Silva
Guilherme Henrique dos Santos Ramos
Hudson Silva Marques
João Gabriel Simão Baliano
Turma: 4º período “A”
Prof: Mohammed Adel Arif
2017/2
OBJETIVOS
O decorrente trabalho objetiva à pesquisa e aquisição de
novos conhecimentos para melhor capacitação no ramo da
engenharia civil, tendo como tema de estudo os materiais e
tecnologias empregadas na alvenaria de uma obra e suas
generalidades.
JUSTIFICATIVA
“Alvenaria” é o termo comumente utilizado para se referir a
paredes e muros, tais como os materiais que os constituem. É de
suma importância em uma edificação, podendo ter função estrutural
ou de vedação, consequentemente influenciando no conforto
térmico ou acústico em ambientes, seja de forma positiva ou
negativa de acordo com o seu método de fabricação.
Neste trabalho será apresentado alguns dos materiais,
ferramentas, paredes, cortes de blocos e métodos utilizados.
Vale ressaltar que soluções construtivas para a alvenaria são
foco de pesquisas por profissionais de todo o mundo, por trazer
benefícios econômicos, melhor conforto e inovação.
ALVENARIA
• Constitui-se por paredes, muros e similares,
composto de pedras naturais e blocos ou tijolos
artificiais, ligados ou não por argamassa,
• Gesso: aglomerante aéreo obtido usualmente pela
calcinação moderada da gipsita, resultando em
sulfatos de cálcio hemidratos.
• Cal: aglomerante cujo constituinte principal é o óxido
de cálcio ou então o óxido de cálcio em presença
natural do óxido de magnésio, hidratados ou não.
• Cal Virgem: resultante de processos de calcinação,
com constituinte principal o óxido de cálcio ou em
associação natural com o óxido de magnésio, capaz
de reagir com a água.
• Cal Extinta: resultante da exposição da cal virgem ao
ar ou água, apresentando sinais de hidratação e,
eventualmente, de recarbonatação.
• Cal Hidratada, na forma de pó seco: obtida pela
hidratação adequada da cal virgem, constituída
essencialmente de hidróxido de cálcio ou de mistura
de hidróxido de cálcio e hidróxido de magnésio.
Imagem ilustrativa 1 – Obras
aplicando alvenaria
CAL
 Usos e propriedades da cal
Cal é um produto é extremamente variável na
construção civil. Pode ser empregado de
diversas formas, em argamassas de
assentamento e revestimento, reboco, pintura,
misturas asfálticas, materiais isolantes,
misturas solo-cal, produtos de silicato cálcico,
bloco silicato calcário, estuques e entre
outros. A cal possui várias propriedades
importantes, e seu preço é inferior ao cimento,
o que gera redução de custos.
Imagem ilustrativa 2 – Emprego
de cal para argamassa.
 As principais propriedades da cal nas
argamassas são:
• Maior capacidade de incorporação de areia;
• Maior plasticidade;
• Maior capacidade de retenção de água;
• Possibilita grau de isolação térmica devido á maior
refletibilidade;
• Como aglomerante, desenvolve capacidade de
resistência a tração e compressão;
• Melhora a resistência ao aparecimento de fissuras e
trincas;
• Ausência de eflorescências;
• Capacidade de reconstituição autógena das fissuras;
• Maior resistência a penetração de água;
• Propriedades assépticas por desenvolver um meio
alcalino;
• É compatível com os diversos sistemas de pintura;
• Permite efeito estético e de acabamento muito bons;
• Proporciona durabilidade.
Imagem ilustrativa 3
CAL
PROCESSO DE FABRICAÇÃO DA CAL E SEU
CONTROLE
O controle da cal tem início na jazida
fazendo a escolha certa da matéria prima a
ser utilizada, e mediante a isso faz-se a
granulometria adequada, essencial a
uniformidade dos grãos para se obter uma
cal de boa qualidade. É considerado ruim
grãos muitos finos, devido a serem
supercalcinados, e pedras pois podem não
ser completamente calcinadas.
Também é possível fazer cal através de
resíduos de ossos de animais ou conchas
marinhas. A cal se divide em três tipos,
podendo ser descrita como:
O tipo I (CH-I) é cal hidratada especial, tipo II
é cal hidratada comum;
tipo III (CH-II) é cal hidrata comum com
carbonatos; Estes possuem desempenho
superior comparado ao tipo III (CH-III).
Imagem ilustrativa 4 – Tipos de Cal
EXECUÇÃO DE ALVENARIA DE TIJOLOS E
BLOCOS SEM FUNÇÃO ESTRUTURAL
 O assentamento dos componentes deve
ser executado com juntas de amarração.
 Na execução de alvenaria com juntas a
prumo, é obrigatória a utilização de
armaduras longitudinais, situadas na
argamassa de assentamento, distanciadas
de cerca de 60 cm na altura. A ligação
com pilares de concreto armado pode ser
efetuada com o emprego de barras de aço
de Ø 5 mm a Ø 10 mm, distanciadas, na
altura, de cerca de 60 cm e com
comprimento da ordem de 60 cm.
Engastadas no pilar e na alvenaria.
 Recomenda-se chapiscar a face da
estrutura (lajes, vigas e pilares) que fica
cm contato com a alvenaria.
Imagem ilustrativa 5 – Obra
DEMARCAÇÃO DAS PAREDES DE
VEDAÇÃO
É feita assentando sobre a laje a
primeira fiada de tijolos ou blocos,
cuidadosamente nivelada, e
obedecendo rigorosamente às
espessuras, medidas e alinhamentos
indicados no projeto, deixando livres os
vãos de porta, de janelas que se
apoiam no piso, de prumadas de
tubulação etc.
Imagem ilustrativa 6 – Demarcação da
parede
ALVENARIA EM BLOCOS SILICOCALCARIOS EM GERAL
Trata-se de blocos de forma
prismática, fabricados por prensagem a
partir de uma mistura de cal virgem em
pó e areia silicosa, submetida a um
processo de autoclavagem à alta
pressão. O bloco sílicocalcário é
produzido em duas linhas: de vedação e
estrutura.
Imagem ilustrativa 7 – Tipos de blocos
CORTE DE BLOCOS
A necessidade do corte será para
execução de meios-blocos, blocos-
canaleta e blocos para passagem de
conduítes e caixas elétricas de
derivações, com uma talhadeira bem
afiada, o bloco poderá ser cortado, com
várias batidas em toda a volta do local
onde ele será cortado e depois, com uma
batida mais forte sobre uma cantoneira, o
bloco se partirá.
O melhor sistema será usar o disco
de corte de náilon (espessura de 1/8")
adaptado ao eixo da serra de bancada de
carpinteiro, com motor de 2 cv. Para
facilitar o corte, será melhor manter o
bloco molhado, o que também evitará
poeira.
Imagem ilustrativa 8 – Corte de
bloco
FERRAMENTAS PARA CORTE DE BLOCOS
 Para corte de blocos em
bancada:
 Tipo de motor: 2 HP e 6500
RPM
 Tipo de disco de corte: de
carbureto de silício, com uma
tela central reforçada de náilon,
de 0 14", espessura de l/8" e
furo de 0 1".
Imagem ilustrativa 9 – Corte de
bloco de bancada
FERRAMENTAS PARA CORTE DE BLOCOS
 Para corte de blocos em parede:
• Tipo de máquina: esmerilhadeira
profissional 7", tipo portátil, 8500
RPM, motor 2,2 HP, 220 V.
• Tipo de disco de corte: idêntico ao
de bancada, porem com diâmetro
de 7" e furo de 0 7/8“.
Imagem ilustrativa 10 – Corte
de bloco em parede
ALVENARIA AUTOPORTANTE (ESTRUTURAL) EM BLOCOS
SIUCOCALCÁRIOS - PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇO
 Documentos de referências:
Projetos de arquitetura,
fundação vigas-baldrame,
estrutura alvenaria e laje,
instalações hidráulicas e
elétricas, impermeabilização
quando houver e em áreas
molhadas e esquadrias.
Imagem ilustrativa 11 – Documentos de
referências
MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
• EPCs e EPIs (capacete, botas de couro,
luvas de borracha e capacete acoplado a
protetor facial)
• Água limpa
• Cimento portland CP-11
• Areia média lavada
• Brita n°1
• Tábuas de 1" x 12" de primeira qualidade
(sem nós)
• Colher de pedreiro
• Broxa
• Martelo
• Talhadeira
• Pá
Imagem ilustrativa 12 – Materiais e
Equipamentos
MÉTODO EXECUTIVO
 Condições para o início
As vigas-baldrame têm de estar
impermeabilizadas e o terreno, no
seu entorno, nivelado 10 cm abaixo
do respaldo dos baldrames, ou
então, a laje sobre a qual será
executada a alvenaria deve estar
livre, desimpedida e apta para
receber carga.
Imagem ilustrativa 13 – Condições do inicio
da obra
MÉTODO EXECUTIVO
Os eixos principais devem ser locados nos
baldrames, bem como definido o nível de referência
do seu respaldo com a argamassa de assentamento
dos blocos, com espessura nunca superior a 2 cm.
Durante o levantamento das paredes, a
tubulação elétrica tem de ser executada
simultaneamente, embutida nos furos dos blocos, de
maneira que, terminada a alvenaria, não haja
necessidade de nela serem feitos rasgos.
Também, o quadro de distribuição de luz (sem
o miolo) precisa ser colocado durante o
assentamento dos blocos.
As juntas de argamassa de assentamento dos
blocos, nas áreas onde não receberão revestimento,
têm de ser frisadas. Inicialmente, procede-se ao
assentamento dos blocos-chave que se situam nos
cantos externos e em cada encontro das paredes
internas.
Imagem ilustrativa 14 – Execução
do serviço
MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DA
ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO
 Preparo dos moldes
Garantir a estanqueidade das
formas (cilíndricas, de 50 mm de
diâmetro e 100 mm de altura), se
necessário utilizando externamente
material de vedação na fenda lateral. No
caso de molde não roscado na base, ai
também garantira estanqueidade da
forma.
Imagem ilustrativa 15 – preparo dos
moldes e ensaio
MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DA
ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO
 Preenchimentos dos moldes
A moldagem dos corpos-de-prova
deve ser feita imediatamente após o
preparo da argamassa e com a maior
rapidez possível. A colocação da
argamassa na forma de 0 5 cm x 10 cm é
feita com auxílio de uma espátula, em
quatro camadas de alturas
aproximadamente iguais, recebendo cada
camada 30 golpes uniformes com soquete
metálico padrão, homogeneamente
distribuídos. Durante a moldagem,
recomendam-se leves pancadas laterais
na forma.
Imagem ilustrativa 16 –
Preenchimentos dos moldes
MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DA
ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO
 Cura dos corpos-de-prova
Apôs a moldagem, os corpos-de-
prova precisam ser cobertos com uma
placa de vidro plano ou de plástico
rígido liso e mantidos em local
sombreado. Após 72 horas, deformá-
los. identificá-los e enterrá-los em
serragem bastante umedecida,
aguardando o seu recolhimento pelo
laboratório que irá proceder aos testes
de resistência à compressão.
Imagem ilustrativa 17 – Cura dos
corpos de prova
ALVENARIA EM BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO
SIMPLES
Bloco vazado: elemento cuja seção transversal
média útil é inferior a 75% da seção transversal bruta.
Dimensões nominais: medidas do bloco, indicadas
pelo fabricante.
Blocos modulares: blocos com dimensões
coordenadas, para a execução de alvenaria modular, isto
é. alvenaria com dimensões múltiplas do módulo M = 10
cm.
Dimensões coordenadas: dimensões dos blocos
destinados à execução de alvenaria modular. As
dimensões coordenadas são dimensões múltiplas do
módulo M = 10 cm ou de submódulos M/2 e M''4.
diminuídas de 1 cm, que corresponde a espessura média
da junta de argamassa de assentamento.
Seção transversal bruta: área total da seção
transversal do bloco.
Seção transversal útil: área da seção transversal
do bloco, descontadas as áreas vazadas.
Imagem ilustrativa 18 –
Alvenaria de blocos de
concreto simples
ESPECIFICAÇÃO
As dimensões reais que os blocos
modulares e submodulares devem
atender. Essas dimensões serão
verificadas com precisão de 0.5 mm. As
tolerâncias permitidas nas dimensões dos
blocos, indicadas na tabela, serão de + 3
mm e - 2 min. A espessura mínima de
qualquer parede de bloco precisa ser de
15 mm. Os blocos têm de ser fabricados e
curados por processos que assegurem a
obtenção de concreto suficientemente
homogêneo e compacto, de modo a
atender a todas as exigências das normas
técnicas, e ser manipulados com as
devidas precauções para não terem as
suas qualidades prejudicadas. Imagem ilustrativa 19 – dimensões dos
blocos
MATERIAIS
O concreto é constituído de cimento
portland, agregados e água. Será permitido
o uso de aditivos, desde que não acarretem
efeitos prejudiciais devidamente
comprovados por ensaios. Somente cimento
que obedeça às especificações brasileiras
para cimentos destinados á preparação de
concretos e argamassas são considerados,
Os agregados podem ser areia e pedra ou
escória de alto-forno, cinzas volantes, argila
expandida ou outros agregados leves que
satisfaçam a especificações próprias a cada
um desses materiais. Os blocos deverão ser
armazenados cobertos, protegidos de chuva,
em pilhas não superiores a 1,5 m de altura.
No caso de armazenamento em laje,
verificar sua capacidade de resistência para
evitar a concentração de carga em áreas
localizadas.
Imagem ilustrativa 20 – Material de
alvenaria
ALVENARIA EM TIJOLOS MACIÇOS CERÂMICOS
O tijolo maciço de barro cozido,
também chamado tijolo comum, é
fabricado com argila, conformado por
prensagem, sendo a seguir, submetido
à secagem e à queima. São utilizados
basicamente em paredes de vedação
ou como paredes portantes em
pequenas estruturas. Antes de serem
usados, os tijolos têm de ser molhados
com a finalidade de evitar que
absorvam água da argamassa. Não
podem, no entanto, ser encharcados,
pois isso acarretará aparecimento de
eflorescências. Os tijolos maciços
precisam ser assentados com juntas
de amarração
Imagem ilustrativa 21 –
Alvenaria de tijolos maciços
cerâmicos
ALVENARIA EM BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS
O bloco cerâmico é fabricado basicamente
com argila, moldado por extrusão e queimado
a uma temperatura (em torno de 800°C) que
permita ao produto final atender ás condições
determinadas nas normas técnicas. O bloco
deve trazer a identificação do fabricante, sem
que prejudique seu tipo. Ele será fornecido em
lotes constituídos de blocos de mesmo tipo e
qualidade, essencialmente fabricados nas
mesmas condições. A unidade de compra é o
milheiro. Os blocos são classificados como de
vedação ou estruturais. Eles não podem
apresentar defeitos sistemáticos, como trincas,
quebras, superfícies irregulares, deformações
e não uniformidade de cor.
Imagem ilustrativa 22 –
Alvenaria de blocos
cerâmicos vazados
LIGAÇÃO DA ESTRUTURA COM ALVENARIA
 Fixação da Tela na Estrutura
As telas deverão ser fixadas na
estrutura utilizando finca-pinos.
Cravar os pinos de aço zincado com
arruela.
Imagem ilustrativa 23– Fixação da tela
na estrutura
ASSENTAMENTO DA ALVENARIA
Após o posicionamento da tela
sobre o bloco, aplicar argamassa de
assentamento sobre a tela e o bloco,
envolvendo-a o máximo possível.
Imagem ilustrativa 24 – Assentamento da
alvenaria
EXECUÇÃO DE DESENHO DE ARQUITETURA
 Formatos do papel
São empregados o formato
A4 (21,0 cm x 29,7 cm) e outros
consecutivos obtidos pela conjugação
do A4. Os diversos formatos são
indicados pelos símbolos constantes
da tabela seguinte, em que o primeiro
número se refere á largura e o
segando á altura, mostrando quantas
vezes a dimensão respectiva do
formato básico participa do
considerado.
Imagem ilustrativa 25 – Formatos de
papel
CORTES E SUPERFICIES CORTADAS
O sentido de observação do corte pode
ser dado por duas letras: a primeira colocada no
início e a segunda no término da linha. Assim são
observados em sentidos opostos. Quando o corte
é determinado por plano único, é indicado fora da
planta. Quando é determinado por mais de um
plano, são marcadas dentro da planta as
mudanças de piano. As superfícies cortadas, de
um mesmo material, são sempre indicadas de
maneira idêntica. Quando hachuradas, os traços
têm a mesma inclinação, afastamento e
espessura. Quando há várias superfícies
contíguas da mesma natureza, varia a direção das
hachuras, a fim de destacar cada elemento e a
ligação entre eles. Nas superfícies pequenas e
outras para as quais se quer chamar
particularmente a atenção, as hachuras podem ser
substituídas por uma cor única. Nesse caso, a
separação das peças é feita por uma linha de luz.
Imagem ilustrativa 26 – Planta
CONVENÇÕES, ABREVIAÇÕES E INDICAÇÕES
São adotadas as seguintes convenções para a representação
dos elementos de um projeto:
Imagem ilustrativa 27 – Abreviações
VANTAGENS
• Leveza: Permite redução no dimensionamento das fundações e da
estrutura nas construções. A parede de 14 cm pesa em torno de 42 kg/m2;
• Ganho de área útil: Com espessura menor que a das paredes
convencionais, as de gesso a cartonado trazem ganho considerável de
área útil;
• Estética: Com superfícies lisas e sem juntas aparentes, as paredes
podem ser planas ou curvas e ainda receber qualquer tipo de acabamento:
pintura, papel de parede, azulejo, mármore ou laminado melamínico;
• Resistência mecânica: As paredes de gesso a cartonado são adaptáveis
a qualquer tipo de estrutura. Suportam a fixação de qualquer tipo de
objeto;
• Isolação térmica: O espaço interno das paredes de gesso a cartonado
permite a colocação de lã mineral;
• Isolação acústica: O desempenho acústico das paredes de gesso a
cartonado atende ás mais exigente;
INSTALAÇÃO DE PAREDE COMUM
• Demarcação e aplicação das guias: Demarcar
no piso a espessura da parede, destacando a
localização dos vãos de porta. Fixar as guias no
piso e no teto a cada 60 cm. no máximo, deixar
entre as guias um intervalo para a passagem das
placas de fechamento de uma das paredes.
• Colocação dos montantes: Fixar os montantes
de partida nas paredes laterais, a cada 60 cm, no
máximo. O espaçamento entre os montantes deve
ser 60 cm ou 40 cm, respeitados os valores- limites
indicados pelo fabricante. Quando eles são duplos,
têm de ser solidarizados entre si a cada 40 cm com
parafusos especiais.
• Instalações elétricas, hidráulicas e reforços:
Havendo necessidade da passagem de instalações
elétricas e hidráulicas, ela será executada antes do
fechamento com as placas. A fim de eliminar os
fenómenos de vibração e corrosão da tubulação de
cobre, precisam ser aplicadas forrações nessa
tubulação, evitando seu contato com os montantes.
Imagem ilustrativa 28 –
Instalação de paredes
comuns
INSTALAÇÕES DE PAREDES TECNICAS
Constituídas de placas normais ou especiais,
parafusadas sobre uma dupla estrutura em chapa
dobrada de aço galvanizado. Os procedimentos de
demarcação e fixação das guias são semelhantes à
paredes normais.
Os montantes são encaixados nas guias, dois a
dois, espaçados a cada 60 cm ou 40 cm, conforme
exigência quanto á resistência mecânica, e solidarizada
entre si por tiras de placas parafusadas. Devido à
estrutura dupla, essas paredes podem assumir larguras
variadas, permitindo o embutimento de tubulações de
qualquer diâmetro ou especiais.
Seu desempenho acústico pode ser excepcional
com o seu preenchimento com mantas isolantes de lã
mineral. Suportes especiais ou reforços na estrutura
permitem a fixação de peças sanitárias e bancadas
pesadas. Bancada técnica com instalações sanitárias:
geralmente associada a uma parede existente, permite a
passagem de tubulações de grande diâmetro e fixação
de caixas de descarga de embutir.
Imagem ilustrativa 29 –
Instalação de paredes
técnicas
TRABALHO COM PLACAS
• Manuseio: As placas são transportadas sempre na
posição vertical
• Estocagem: As pilhas de placas devem ser
estocadas em lugar abrigado, seco e em base plana.
Colocar as placas sempre sobre apoios, com largura
mínima de 10 cm e espaçados de 40 cm.
• Corte com estilete e régua: corte o cartão com um
estilete com a ajuda de uma régua; vire a placa e
corte o outro cartão (do lado oposto da placa); dê um
golpe seco sobre a tira da placa.
• Corte com serrote: Marque e corte com serrote
próprio para gesso.
• Corte circular para passagem de tubulação: Para
cortes circulares de pequeno diâmetro, utilizar
serras-copo.
• Corte de perfis: Os perfis de chapa dobrada de aço
galvanizado são cortados com tesoura própria para
chapa metálica,
• Fixação das placas: Utilizar máquina elétrica portátil
de parafusar e parafusos auto-atarrachantes
apropriados. O tamanho do parafuso tem de
corresponder a espessura da placa.
Imagem ilustrativa 30 – Placas
TRATAMENTO DE JUNTAS
As juntas entre placas são partes
integrantes da obra. As juntas tratadas
com fita e massa apropriadas são
consistentes para assegurar, durante o
tempo, a continuidade mecânica entre
as placas, como uma superfície única,
sem fissuras. Elas contribuem também
para o bom desempenho da obra:
proteção ao fogo. Isolação acústica,
resistência mecânica etc. Para obter
uma junta perfeita, verificar o bom
estado da superfície a tratar,
assegurando principalmente que a
cabeça dos parafusos esteja
corretamente faceando a placa. Todo
elemento que possa trazer má
aderência da massa precisa ser
eliminado.
Imagem ilustrativa 31 – Juntas
FIXAÇÕES E REFORÇOS
Para ter segurança nos sistemas
de parede de gesso a cartonado, é
necessário utilizar buchas
específicas que distribuam as
cargas, melhorando o seu
desempenho. Os parafusos são 04
mm x 40 mm ou 0 4 mm x 53 mm de
comprimento.
Imagem ilustrativa 32 – Fixação e reforços
FERRAMENTAS
 As principais ferramentas básicas
para montagem dos sistemas de
parede de gesso a cartonado são:
• Trena ou metro de madeira
• Cordão para demarcação
• Prumo de face
• Faca retrátil (para corte da placa)
• Cordão de náilon (para alinhamento)
• Serrote de ponta (para corte da
placa)
• Serrote comum (para corte da placa)
• Dispositivo para tirar nível (dois
tubos em material transparente,
graduado para tirar nível)
• E entre outras ferramentas.
Imagem ilustrativa 33 – Ferramentas da
alvenaria
LIGAÇÃO ENTRE ESTRUTURA E PAREDE DE
VEDAÇÃO
 Generalidades:
 Um dos problemas mais sérios para paredes
de vedação é a deflexão de vigas e lajes,
para que as deflexões de andares superiores
não sejam transmitidos aos andares
inferiores, a elevação das paredes deverá ser
feita do topo para a base do prédio.
 Um problema que se tem verificado crítico é o
destacamento entre paredes e pilares, o qual
pode ser recuperado através da inserção de
material flexível (massa plástica ou outro) no
encontro pilar/parede.
 A platibanda em função da forma geralmente
alongada, tende a comportar-se como muro
de divisa, normalmente, surgirão fissuras
espaçadas, caso não tenham sido
convenientemente projetadas juntas ao longo
da platibanda. A diferenciação térmica entre
esta e o corpo do edifício poderá resultar no
destacamento da platibanda e na formação
de fissuras inclinadas.
Imagem ilustrativa 34 – Fissura em
platibanda.
LIGAÇÃO DA ESTRUTURA COM ALVENARIA
 Tela soldada galvanizada para alvenaria
 Aplicações:
Ligação da estrutura com a alvenaria;
Amarração entre alvenarias.
 Principais características:
Evitar fissuras que podem ocorrer nas ligações entre estrutura e alvenaria;
Facilitar o trabalho de amarração na alvenaria;
Sua utilização dispensa a tradicional amarração entre blocos, aumentando a
produtividade e qualidade dos serviços.
LIGAÇÃO DA ESTRUTURA COM ALVENARIA
 Preparação da estrutura:
 Deve estar limpa, sem materiais ou
desmoldantes; A superfície da estrutura deve ser
chapiscada com argamassa de cimento e areia,
ou realizada aplicação de argamassa de
assentamento.
 Fixação da tela na estrutura:
 As telas devem ser fixadas utilizando-se finca-
pinos, os pinos de aço zincado devem ser
cravados com arruela. Para evitar acidentes, as
telas devem ser deixadas paralelas à estrutura
até o assentamento da fiada da alvenaria.
 Assentamento da alvenaria:
 Após posicionamento da tela sobre o bloco,
aplica-se argamassa de assentamento sobre a
tela e o bloco.
 Observação:
 É importante promover a máxima aderência entre
a estrutura, a tela e os blocos.
Imagem ilustrativa 35 – Tela
de amarração de alvenaria.
LIGAÇÃO ENTRE DUAS PAREDES COM TELA
 Aplica-se argamassa em todas as bordas de
forma a promover boa aderência entre a tela e a
alvenaria.
 Posiciona-se a tela de modo que ela fique
ancorada ao máximo em ambas as paredes.
Imagem ilustrativa 36 – Tela
de amarração de alvenaria.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
Daniela Fajer
 
4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas
Ricardo Akerman
 
Vedaes verticais ap
Vedaes verticais apVedaes verticais ap
Vedaes verticais ap
gapski
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Pedra artificial ceramica
Pedra artificial ceramicaPedra artificial ceramica
Pedra artificial ceramica
Elizabeth Lambrecht
 
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto ArmadoRita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
ritacasarin
 
Caixa água ferrocimento
Caixa água ferrocimentoCaixa água ferrocimento
Caixa água ferrocimento
Zf Neves
 
Estudo sobre as Alvenarias
Estudo sobre as  AlvenariasEstudo sobre as  Alvenarias
Estudo sobre as Alvenarias
Rennan Italiano
 
Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016
UNAERP
 
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoesApostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Edson D. Vizentin
 
Alicerce corrido
Alicerce corridoAlicerce corrido
Alicerce corrido
Feon Oliveira
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
Ligidanor Ávila
 
Construções em alvenaria
Construções em alvenariaConstruções em alvenaria
Construções em alvenaria
Mayara Virgulino de Oliveira
 
Nbr 15696
Nbr 15696Nbr 15696
Nbr 15696
Dandara Santos
 
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciçoConstrução de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Dalber Faria
 

Mais procurados (15)

Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
 
4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas
 
Vedaes verticais ap
Vedaes verticais apVedaes verticais ap
Vedaes verticais ap
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
 
Pedra artificial ceramica
Pedra artificial ceramicaPedra artificial ceramica
Pedra artificial ceramica
 
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto ArmadoRita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
 
Caixa água ferrocimento
Caixa água ferrocimentoCaixa água ferrocimento
Caixa água ferrocimento
 
Estudo sobre as Alvenarias
Estudo sobre as  AlvenariasEstudo sobre as  Alvenarias
Estudo sobre as Alvenarias
 
Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016
 
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoesApostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
 
Alicerce corrido
Alicerce corridoAlicerce corrido
Alicerce corrido
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
 
Construções em alvenaria
Construções em alvenariaConstruções em alvenaria
Construções em alvenaria
 
Nbr 15696
Nbr 15696Nbr 15696
Nbr 15696
 
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciçoConstrução de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
 

Semelhante a Alvenaria - Curso de Engenharia civil

Grupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civilGrupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civil
Felipeforest
 
Paineis de aço pré-pintado
Paineis de aço pré-pintadoPaineis de aço pré-pintado
Paineis de aço pré-pintado
Tiago Junior
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
Daniela Fajer
 
Cartilla de cómo hacer bloques ecológica
Cartilla de cómo hacer bloques ecológicaCartilla de cómo hacer bloques ecológica
Cartilla de cómo hacer bloques ecológica
danius2009
 
ACM
ACMACM
Obra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro LuxemburgoObra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro Luxemburgo
Ludmila Souza
 
Tijolo ceramico
Tijolo ceramicoTijolo ceramico
Tijolo ceramico
Carlos Elson Cunha
 
Captulo6a coberturas
Captulo6a coberturasCaptulo6a coberturas
Captulo6a coberturas
Dandara Santos
 
2 apostila reparador
2 apostila reparador2 apostila reparador
2 apostila reparador
Ricardo Akerman
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
LukasSeize
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
LukasSeize
 
Alvenaria estrutural jc campos
Alvenaria estrutural   jc camposAlvenaria estrutural   jc campos
Alvenaria estrutural jc campos
Lorena Carvalho
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
Ariela
 
Aula3_Alvenaria Estrutural.pdf
Aula3_Alvenaria Estrutural.pdfAula3_Alvenaria Estrutural.pdf
Aula3_Alvenaria Estrutural.pdf
NUCLEODEGESTAOSETOR3
 
Palestra Drywall
Palestra DrywallPalestra Drywall
Palestra Drywall
Ludmila Souza
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
Henriqued
 
lajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradaslajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradas
George Átila Moreira
 
Ceramica e betuminoso
Ceramica e betuminosoCeramica e betuminoso
Ceramica e betuminoso
Simone Reis
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
Henriqued
 
Bloco intertravado de concreto
Bloco intertravado de concretoBloco intertravado de concreto
Bloco intertravado de concreto
Ipora Blocos
 

Semelhante a Alvenaria - Curso de Engenharia civil (20)

Grupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civilGrupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civil
 
Paineis de aço pré-pintado
Paineis de aço pré-pintadoPaineis de aço pré-pintado
Paineis de aço pré-pintado
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
 
Cartilla de cómo hacer bloques ecológica
Cartilla de cómo hacer bloques ecológicaCartilla de cómo hacer bloques ecológica
Cartilla de cómo hacer bloques ecológica
 
ACM
ACMACM
ACM
 
Obra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro LuxemburgoObra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro Luxemburgo
 
Tijolo ceramico
Tijolo ceramicoTijolo ceramico
Tijolo ceramico
 
Captulo6a coberturas
Captulo6a coberturasCaptulo6a coberturas
Captulo6a coberturas
 
2 apostila reparador
2 apostila reparador2 apostila reparador
2 apostila reparador
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
 
Alvenaria estrutural jc campos
Alvenaria estrutural   jc camposAlvenaria estrutural   jc campos
Alvenaria estrutural jc campos
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Aula3_Alvenaria Estrutural.pdf
Aula3_Alvenaria Estrutural.pdfAula3_Alvenaria Estrutural.pdf
Aula3_Alvenaria Estrutural.pdf
 
Palestra Drywall
Palestra DrywallPalestra Drywall
Palestra Drywall
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
 
lajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradaslajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradas
 
Ceramica e betuminoso
Ceramica e betuminosoCeramica e betuminoso
Ceramica e betuminoso
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
 
Bloco intertravado de concreto
Bloco intertravado de concretoBloco intertravado de concreto
Bloco intertravado de concreto
 

Mais de debvieir

PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANASPAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
debvieir
 
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia CivilEnsaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
debvieir
 
O uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civilO uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civil
debvieir
 
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmicaAula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
debvieir
 
Esquadrias - Construção civil
Esquadrias - Construção civilEsquadrias - Construção civil
Esquadrias - Construção civil
debvieir
 
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solosEstruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
debvieir
 
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
debvieir
 
Pena de morte - Cultura Religiosa
Pena de morte - Cultura ReligiosaPena de morte - Cultura Religiosa
Pena de morte - Cultura Religiosa
debvieir
 
Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3
debvieir
 
Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil
Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civilAula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil
Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil
debvieir
 
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civilAula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
debvieir
 
Casas ecológicas e estudo de caso
Casas ecológicas e estudo de casoCasas ecológicas e estudo de caso
Casas ecológicas e estudo de caso
debvieir
 
Ácidos nucleicos - DNA e RNA
 Ácidos nucleicos - DNA e RNA Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Ácidos nucleicos - DNA e RNA
debvieir
 
Composição dos seres vivos e elementos químicos
Composição dos seres vivos e elementos químicosComposição dos seres vivos e elementos químicos
Composição dos seres vivos e elementos químicos
debvieir
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
debvieir
 

Mais de debvieir (15)

PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANASPAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
 
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia CivilEnsaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
 
O uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civilO uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civil
 
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmicaAula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
 
Esquadrias - Construção civil
Esquadrias - Construção civilEsquadrias - Construção civil
Esquadrias - Construção civil
 
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solosEstruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
 
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
 
Pena de morte - Cultura Religiosa
Pena de morte - Cultura ReligiosaPena de morte - Cultura Religiosa
Pena de morte - Cultura Religiosa
 
Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3
 
Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil
Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civilAula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil
Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil
 
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civilAula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
 
Casas ecológicas e estudo de caso
Casas ecológicas e estudo de casoCasas ecológicas e estudo de caso
Casas ecológicas e estudo de caso
 
Ácidos nucleicos - DNA e RNA
 Ácidos nucleicos - DNA e RNA Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Ácidos nucleicos - DNA e RNA
 
Composição dos seres vivos e elementos químicos
Composição dos seres vivos e elementos químicosComposição dos seres vivos e elementos químicos
Composição dos seres vivos e elementos químicos
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 

Último

AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
JosAtila
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Tronicline Automatismos
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 

Último (7)

AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 

Alvenaria - Curso de Engenharia civil

  • 1. INSTITUTO LUTERANO DE ENSINO SUPERIOR DE ITUMBIARA – GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALVENARIA Andresa Martins Souza Debora Vieira Souza Silva Guilherme Henrique dos Santos Ramos Hudson Silva Marques João Gabriel Simão Baliano Turma: 4º período “A” Prof: Mohammed Adel Arif 2017/2
  • 2. OBJETIVOS O decorrente trabalho objetiva à pesquisa e aquisição de novos conhecimentos para melhor capacitação no ramo da engenharia civil, tendo como tema de estudo os materiais e tecnologias empregadas na alvenaria de uma obra e suas generalidades.
  • 3. JUSTIFICATIVA “Alvenaria” é o termo comumente utilizado para se referir a paredes e muros, tais como os materiais que os constituem. É de suma importância em uma edificação, podendo ter função estrutural ou de vedação, consequentemente influenciando no conforto térmico ou acústico em ambientes, seja de forma positiva ou negativa de acordo com o seu método de fabricação. Neste trabalho será apresentado alguns dos materiais, ferramentas, paredes, cortes de blocos e métodos utilizados. Vale ressaltar que soluções construtivas para a alvenaria são foco de pesquisas por profissionais de todo o mundo, por trazer benefícios econômicos, melhor conforto e inovação.
  • 4. ALVENARIA • Constitui-se por paredes, muros e similares, composto de pedras naturais e blocos ou tijolos artificiais, ligados ou não por argamassa, • Gesso: aglomerante aéreo obtido usualmente pela calcinação moderada da gipsita, resultando em sulfatos de cálcio hemidratos. • Cal: aglomerante cujo constituinte principal é o óxido de cálcio ou então o óxido de cálcio em presença natural do óxido de magnésio, hidratados ou não. • Cal Virgem: resultante de processos de calcinação, com constituinte principal o óxido de cálcio ou em associação natural com o óxido de magnésio, capaz de reagir com a água. • Cal Extinta: resultante da exposição da cal virgem ao ar ou água, apresentando sinais de hidratação e, eventualmente, de recarbonatação. • Cal Hidratada, na forma de pó seco: obtida pela hidratação adequada da cal virgem, constituída essencialmente de hidróxido de cálcio ou de mistura de hidróxido de cálcio e hidróxido de magnésio. Imagem ilustrativa 1 – Obras aplicando alvenaria
  • 5. CAL  Usos e propriedades da cal Cal é um produto é extremamente variável na construção civil. Pode ser empregado de diversas formas, em argamassas de assentamento e revestimento, reboco, pintura, misturas asfálticas, materiais isolantes, misturas solo-cal, produtos de silicato cálcico, bloco silicato calcário, estuques e entre outros. A cal possui várias propriedades importantes, e seu preço é inferior ao cimento, o que gera redução de custos. Imagem ilustrativa 2 – Emprego de cal para argamassa.
  • 6.  As principais propriedades da cal nas argamassas são: • Maior capacidade de incorporação de areia; • Maior plasticidade; • Maior capacidade de retenção de água; • Possibilita grau de isolação térmica devido á maior refletibilidade; • Como aglomerante, desenvolve capacidade de resistência a tração e compressão; • Melhora a resistência ao aparecimento de fissuras e trincas; • Ausência de eflorescências; • Capacidade de reconstituição autógena das fissuras; • Maior resistência a penetração de água; • Propriedades assépticas por desenvolver um meio alcalino; • É compatível com os diversos sistemas de pintura; • Permite efeito estético e de acabamento muito bons; • Proporciona durabilidade. Imagem ilustrativa 3 CAL
  • 7. PROCESSO DE FABRICAÇÃO DA CAL E SEU CONTROLE O controle da cal tem início na jazida fazendo a escolha certa da matéria prima a ser utilizada, e mediante a isso faz-se a granulometria adequada, essencial a uniformidade dos grãos para se obter uma cal de boa qualidade. É considerado ruim grãos muitos finos, devido a serem supercalcinados, e pedras pois podem não ser completamente calcinadas. Também é possível fazer cal através de resíduos de ossos de animais ou conchas marinhas. A cal se divide em três tipos, podendo ser descrita como: O tipo I (CH-I) é cal hidratada especial, tipo II é cal hidratada comum; tipo III (CH-II) é cal hidrata comum com carbonatos; Estes possuem desempenho superior comparado ao tipo III (CH-III). Imagem ilustrativa 4 – Tipos de Cal
  • 8. EXECUÇÃO DE ALVENARIA DE TIJOLOS E BLOCOS SEM FUNÇÃO ESTRUTURAL  O assentamento dos componentes deve ser executado com juntas de amarração.  Na execução de alvenaria com juntas a prumo, é obrigatória a utilização de armaduras longitudinais, situadas na argamassa de assentamento, distanciadas de cerca de 60 cm na altura. A ligação com pilares de concreto armado pode ser efetuada com o emprego de barras de aço de Ø 5 mm a Ø 10 mm, distanciadas, na altura, de cerca de 60 cm e com comprimento da ordem de 60 cm. Engastadas no pilar e na alvenaria.  Recomenda-se chapiscar a face da estrutura (lajes, vigas e pilares) que fica cm contato com a alvenaria. Imagem ilustrativa 5 – Obra
  • 9. DEMARCAÇÃO DAS PAREDES DE VEDAÇÃO É feita assentando sobre a laje a primeira fiada de tijolos ou blocos, cuidadosamente nivelada, e obedecendo rigorosamente às espessuras, medidas e alinhamentos indicados no projeto, deixando livres os vãos de porta, de janelas que se apoiam no piso, de prumadas de tubulação etc. Imagem ilustrativa 6 – Demarcação da parede
  • 10. ALVENARIA EM BLOCOS SILICOCALCARIOS EM GERAL Trata-se de blocos de forma prismática, fabricados por prensagem a partir de uma mistura de cal virgem em pó e areia silicosa, submetida a um processo de autoclavagem à alta pressão. O bloco sílicocalcário é produzido em duas linhas: de vedação e estrutura. Imagem ilustrativa 7 – Tipos de blocos
  • 11. CORTE DE BLOCOS A necessidade do corte será para execução de meios-blocos, blocos- canaleta e blocos para passagem de conduítes e caixas elétricas de derivações, com uma talhadeira bem afiada, o bloco poderá ser cortado, com várias batidas em toda a volta do local onde ele será cortado e depois, com uma batida mais forte sobre uma cantoneira, o bloco se partirá. O melhor sistema será usar o disco de corte de náilon (espessura de 1/8") adaptado ao eixo da serra de bancada de carpinteiro, com motor de 2 cv. Para facilitar o corte, será melhor manter o bloco molhado, o que também evitará poeira. Imagem ilustrativa 8 – Corte de bloco
  • 12. FERRAMENTAS PARA CORTE DE BLOCOS  Para corte de blocos em bancada:  Tipo de motor: 2 HP e 6500 RPM  Tipo de disco de corte: de carbureto de silício, com uma tela central reforçada de náilon, de 0 14", espessura de l/8" e furo de 0 1". Imagem ilustrativa 9 – Corte de bloco de bancada
  • 13. FERRAMENTAS PARA CORTE DE BLOCOS  Para corte de blocos em parede: • Tipo de máquina: esmerilhadeira profissional 7", tipo portátil, 8500 RPM, motor 2,2 HP, 220 V. • Tipo de disco de corte: idêntico ao de bancada, porem com diâmetro de 7" e furo de 0 7/8“. Imagem ilustrativa 10 – Corte de bloco em parede
  • 14. ALVENARIA AUTOPORTANTE (ESTRUTURAL) EM BLOCOS SIUCOCALCÁRIOS - PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇO  Documentos de referências: Projetos de arquitetura, fundação vigas-baldrame, estrutura alvenaria e laje, instalações hidráulicas e elétricas, impermeabilização quando houver e em áreas molhadas e esquadrias. Imagem ilustrativa 11 – Documentos de referências
  • 15. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS • EPCs e EPIs (capacete, botas de couro, luvas de borracha e capacete acoplado a protetor facial) • Água limpa • Cimento portland CP-11 • Areia média lavada • Brita n°1 • Tábuas de 1" x 12" de primeira qualidade (sem nós) • Colher de pedreiro • Broxa • Martelo • Talhadeira • Pá Imagem ilustrativa 12 – Materiais e Equipamentos
  • 16. MÉTODO EXECUTIVO  Condições para o início As vigas-baldrame têm de estar impermeabilizadas e o terreno, no seu entorno, nivelado 10 cm abaixo do respaldo dos baldrames, ou então, a laje sobre a qual será executada a alvenaria deve estar livre, desimpedida e apta para receber carga. Imagem ilustrativa 13 – Condições do inicio da obra
  • 17. MÉTODO EXECUTIVO Os eixos principais devem ser locados nos baldrames, bem como definido o nível de referência do seu respaldo com a argamassa de assentamento dos blocos, com espessura nunca superior a 2 cm. Durante o levantamento das paredes, a tubulação elétrica tem de ser executada simultaneamente, embutida nos furos dos blocos, de maneira que, terminada a alvenaria, não haja necessidade de nela serem feitos rasgos. Também, o quadro de distribuição de luz (sem o miolo) precisa ser colocado durante o assentamento dos blocos. As juntas de argamassa de assentamento dos blocos, nas áreas onde não receberão revestimento, têm de ser frisadas. Inicialmente, procede-se ao assentamento dos blocos-chave que se situam nos cantos externos e em cada encontro das paredes internas. Imagem ilustrativa 14 – Execução do serviço
  • 18. MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DA ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO  Preparo dos moldes Garantir a estanqueidade das formas (cilíndricas, de 50 mm de diâmetro e 100 mm de altura), se necessário utilizando externamente material de vedação na fenda lateral. No caso de molde não roscado na base, ai também garantira estanqueidade da forma. Imagem ilustrativa 15 – preparo dos moldes e ensaio
  • 19. MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DA ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO  Preenchimentos dos moldes A moldagem dos corpos-de-prova deve ser feita imediatamente após o preparo da argamassa e com a maior rapidez possível. A colocação da argamassa na forma de 0 5 cm x 10 cm é feita com auxílio de uma espátula, em quatro camadas de alturas aproximadamente iguais, recebendo cada camada 30 golpes uniformes com soquete metálico padrão, homogeneamente distribuídos. Durante a moldagem, recomendam-se leves pancadas laterais na forma. Imagem ilustrativa 16 – Preenchimentos dos moldes
  • 20. MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DA ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO  Cura dos corpos-de-prova Apôs a moldagem, os corpos-de- prova precisam ser cobertos com uma placa de vidro plano ou de plástico rígido liso e mantidos em local sombreado. Após 72 horas, deformá- los. identificá-los e enterrá-los em serragem bastante umedecida, aguardando o seu recolhimento pelo laboratório que irá proceder aos testes de resistência à compressão. Imagem ilustrativa 17 – Cura dos corpos de prova
  • 21. ALVENARIA EM BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES Bloco vazado: elemento cuja seção transversal média útil é inferior a 75% da seção transversal bruta. Dimensões nominais: medidas do bloco, indicadas pelo fabricante. Blocos modulares: blocos com dimensões coordenadas, para a execução de alvenaria modular, isto é. alvenaria com dimensões múltiplas do módulo M = 10 cm. Dimensões coordenadas: dimensões dos blocos destinados à execução de alvenaria modular. As dimensões coordenadas são dimensões múltiplas do módulo M = 10 cm ou de submódulos M/2 e M''4. diminuídas de 1 cm, que corresponde a espessura média da junta de argamassa de assentamento. Seção transversal bruta: área total da seção transversal do bloco. Seção transversal útil: área da seção transversal do bloco, descontadas as áreas vazadas. Imagem ilustrativa 18 – Alvenaria de blocos de concreto simples
  • 22. ESPECIFICAÇÃO As dimensões reais que os blocos modulares e submodulares devem atender. Essas dimensões serão verificadas com precisão de 0.5 mm. As tolerâncias permitidas nas dimensões dos blocos, indicadas na tabela, serão de + 3 mm e - 2 min. A espessura mínima de qualquer parede de bloco precisa ser de 15 mm. Os blocos têm de ser fabricados e curados por processos que assegurem a obtenção de concreto suficientemente homogêneo e compacto, de modo a atender a todas as exigências das normas técnicas, e ser manipulados com as devidas precauções para não terem as suas qualidades prejudicadas. Imagem ilustrativa 19 – dimensões dos blocos
  • 23. MATERIAIS O concreto é constituído de cimento portland, agregados e água. Será permitido o uso de aditivos, desde que não acarretem efeitos prejudiciais devidamente comprovados por ensaios. Somente cimento que obedeça às especificações brasileiras para cimentos destinados á preparação de concretos e argamassas são considerados, Os agregados podem ser areia e pedra ou escória de alto-forno, cinzas volantes, argila expandida ou outros agregados leves que satisfaçam a especificações próprias a cada um desses materiais. Os blocos deverão ser armazenados cobertos, protegidos de chuva, em pilhas não superiores a 1,5 m de altura. No caso de armazenamento em laje, verificar sua capacidade de resistência para evitar a concentração de carga em áreas localizadas. Imagem ilustrativa 20 – Material de alvenaria
  • 24. ALVENARIA EM TIJOLOS MACIÇOS CERÂMICOS O tijolo maciço de barro cozido, também chamado tijolo comum, é fabricado com argila, conformado por prensagem, sendo a seguir, submetido à secagem e à queima. São utilizados basicamente em paredes de vedação ou como paredes portantes em pequenas estruturas. Antes de serem usados, os tijolos têm de ser molhados com a finalidade de evitar que absorvam água da argamassa. Não podem, no entanto, ser encharcados, pois isso acarretará aparecimento de eflorescências. Os tijolos maciços precisam ser assentados com juntas de amarração Imagem ilustrativa 21 – Alvenaria de tijolos maciços cerâmicos
  • 25. ALVENARIA EM BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS O bloco cerâmico é fabricado basicamente com argila, moldado por extrusão e queimado a uma temperatura (em torno de 800°C) que permita ao produto final atender ás condições determinadas nas normas técnicas. O bloco deve trazer a identificação do fabricante, sem que prejudique seu tipo. Ele será fornecido em lotes constituídos de blocos de mesmo tipo e qualidade, essencialmente fabricados nas mesmas condições. A unidade de compra é o milheiro. Os blocos são classificados como de vedação ou estruturais. Eles não podem apresentar defeitos sistemáticos, como trincas, quebras, superfícies irregulares, deformações e não uniformidade de cor. Imagem ilustrativa 22 – Alvenaria de blocos cerâmicos vazados
  • 26. LIGAÇÃO DA ESTRUTURA COM ALVENARIA  Fixação da Tela na Estrutura As telas deverão ser fixadas na estrutura utilizando finca-pinos. Cravar os pinos de aço zincado com arruela. Imagem ilustrativa 23– Fixação da tela na estrutura
  • 27. ASSENTAMENTO DA ALVENARIA Após o posicionamento da tela sobre o bloco, aplicar argamassa de assentamento sobre a tela e o bloco, envolvendo-a o máximo possível. Imagem ilustrativa 24 – Assentamento da alvenaria
  • 28. EXECUÇÃO DE DESENHO DE ARQUITETURA  Formatos do papel São empregados o formato A4 (21,0 cm x 29,7 cm) e outros consecutivos obtidos pela conjugação do A4. Os diversos formatos são indicados pelos símbolos constantes da tabela seguinte, em que o primeiro número se refere á largura e o segando á altura, mostrando quantas vezes a dimensão respectiva do formato básico participa do considerado. Imagem ilustrativa 25 – Formatos de papel
  • 29. CORTES E SUPERFICIES CORTADAS O sentido de observação do corte pode ser dado por duas letras: a primeira colocada no início e a segunda no término da linha. Assim são observados em sentidos opostos. Quando o corte é determinado por plano único, é indicado fora da planta. Quando é determinado por mais de um plano, são marcadas dentro da planta as mudanças de piano. As superfícies cortadas, de um mesmo material, são sempre indicadas de maneira idêntica. Quando hachuradas, os traços têm a mesma inclinação, afastamento e espessura. Quando há várias superfícies contíguas da mesma natureza, varia a direção das hachuras, a fim de destacar cada elemento e a ligação entre eles. Nas superfícies pequenas e outras para as quais se quer chamar particularmente a atenção, as hachuras podem ser substituídas por uma cor única. Nesse caso, a separação das peças é feita por uma linha de luz. Imagem ilustrativa 26 – Planta
  • 30. CONVENÇÕES, ABREVIAÇÕES E INDICAÇÕES São adotadas as seguintes convenções para a representação dos elementos de um projeto: Imagem ilustrativa 27 – Abreviações
  • 31. VANTAGENS • Leveza: Permite redução no dimensionamento das fundações e da estrutura nas construções. A parede de 14 cm pesa em torno de 42 kg/m2; • Ganho de área útil: Com espessura menor que a das paredes convencionais, as de gesso a cartonado trazem ganho considerável de área útil; • Estética: Com superfícies lisas e sem juntas aparentes, as paredes podem ser planas ou curvas e ainda receber qualquer tipo de acabamento: pintura, papel de parede, azulejo, mármore ou laminado melamínico; • Resistência mecânica: As paredes de gesso a cartonado são adaptáveis a qualquer tipo de estrutura. Suportam a fixação de qualquer tipo de objeto; • Isolação térmica: O espaço interno das paredes de gesso a cartonado permite a colocação de lã mineral; • Isolação acústica: O desempenho acústico das paredes de gesso a cartonado atende ás mais exigente;
  • 32. INSTALAÇÃO DE PAREDE COMUM • Demarcação e aplicação das guias: Demarcar no piso a espessura da parede, destacando a localização dos vãos de porta. Fixar as guias no piso e no teto a cada 60 cm. no máximo, deixar entre as guias um intervalo para a passagem das placas de fechamento de uma das paredes. • Colocação dos montantes: Fixar os montantes de partida nas paredes laterais, a cada 60 cm, no máximo. O espaçamento entre os montantes deve ser 60 cm ou 40 cm, respeitados os valores- limites indicados pelo fabricante. Quando eles são duplos, têm de ser solidarizados entre si a cada 40 cm com parafusos especiais. • Instalações elétricas, hidráulicas e reforços: Havendo necessidade da passagem de instalações elétricas e hidráulicas, ela será executada antes do fechamento com as placas. A fim de eliminar os fenómenos de vibração e corrosão da tubulação de cobre, precisam ser aplicadas forrações nessa tubulação, evitando seu contato com os montantes. Imagem ilustrativa 28 – Instalação de paredes comuns
  • 33. INSTALAÇÕES DE PAREDES TECNICAS Constituídas de placas normais ou especiais, parafusadas sobre uma dupla estrutura em chapa dobrada de aço galvanizado. Os procedimentos de demarcação e fixação das guias são semelhantes à paredes normais. Os montantes são encaixados nas guias, dois a dois, espaçados a cada 60 cm ou 40 cm, conforme exigência quanto á resistência mecânica, e solidarizada entre si por tiras de placas parafusadas. Devido à estrutura dupla, essas paredes podem assumir larguras variadas, permitindo o embutimento de tubulações de qualquer diâmetro ou especiais. Seu desempenho acústico pode ser excepcional com o seu preenchimento com mantas isolantes de lã mineral. Suportes especiais ou reforços na estrutura permitem a fixação de peças sanitárias e bancadas pesadas. Bancada técnica com instalações sanitárias: geralmente associada a uma parede existente, permite a passagem de tubulações de grande diâmetro e fixação de caixas de descarga de embutir. Imagem ilustrativa 29 – Instalação de paredes técnicas
  • 34. TRABALHO COM PLACAS • Manuseio: As placas são transportadas sempre na posição vertical • Estocagem: As pilhas de placas devem ser estocadas em lugar abrigado, seco e em base plana. Colocar as placas sempre sobre apoios, com largura mínima de 10 cm e espaçados de 40 cm. • Corte com estilete e régua: corte o cartão com um estilete com a ajuda de uma régua; vire a placa e corte o outro cartão (do lado oposto da placa); dê um golpe seco sobre a tira da placa. • Corte com serrote: Marque e corte com serrote próprio para gesso. • Corte circular para passagem de tubulação: Para cortes circulares de pequeno diâmetro, utilizar serras-copo. • Corte de perfis: Os perfis de chapa dobrada de aço galvanizado são cortados com tesoura própria para chapa metálica, • Fixação das placas: Utilizar máquina elétrica portátil de parafusar e parafusos auto-atarrachantes apropriados. O tamanho do parafuso tem de corresponder a espessura da placa. Imagem ilustrativa 30 – Placas
  • 35. TRATAMENTO DE JUNTAS As juntas entre placas são partes integrantes da obra. As juntas tratadas com fita e massa apropriadas são consistentes para assegurar, durante o tempo, a continuidade mecânica entre as placas, como uma superfície única, sem fissuras. Elas contribuem também para o bom desempenho da obra: proteção ao fogo. Isolação acústica, resistência mecânica etc. Para obter uma junta perfeita, verificar o bom estado da superfície a tratar, assegurando principalmente que a cabeça dos parafusos esteja corretamente faceando a placa. Todo elemento que possa trazer má aderência da massa precisa ser eliminado. Imagem ilustrativa 31 – Juntas
  • 36. FIXAÇÕES E REFORÇOS Para ter segurança nos sistemas de parede de gesso a cartonado, é necessário utilizar buchas específicas que distribuam as cargas, melhorando o seu desempenho. Os parafusos são 04 mm x 40 mm ou 0 4 mm x 53 mm de comprimento. Imagem ilustrativa 32 – Fixação e reforços
  • 37. FERRAMENTAS  As principais ferramentas básicas para montagem dos sistemas de parede de gesso a cartonado são: • Trena ou metro de madeira • Cordão para demarcação • Prumo de face • Faca retrátil (para corte da placa) • Cordão de náilon (para alinhamento) • Serrote de ponta (para corte da placa) • Serrote comum (para corte da placa) • Dispositivo para tirar nível (dois tubos em material transparente, graduado para tirar nível) • E entre outras ferramentas. Imagem ilustrativa 33 – Ferramentas da alvenaria
  • 38. LIGAÇÃO ENTRE ESTRUTURA E PAREDE DE VEDAÇÃO  Generalidades:  Um dos problemas mais sérios para paredes de vedação é a deflexão de vigas e lajes, para que as deflexões de andares superiores não sejam transmitidos aos andares inferiores, a elevação das paredes deverá ser feita do topo para a base do prédio.  Um problema que se tem verificado crítico é o destacamento entre paredes e pilares, o qual pode ser recuperado através da inserção de material flexível (massa plástica ou outro) no encontro pilar/parede.  A platibanda em função da forma geralmente alongada, tende a comportar-se como muro de divisa, normalmente, surgirão fissuras espaçadas, caso não tenham sido convenientemente projetadas juntas ao longo da platibanda. A diferenciação térmica entre esta e o corpo do edifício poderá resultar no destacamento da platibanda e na formação de fissuras inclinadas. Imagem ilustrativa 34 – Fissura em platibanda.
  • 39. LIGAÇÃO DA ESTRUTURA COM ALVENARIA  Tela soldada galvanizada para alvenaria  Aplicações: Ligação da estrutura com a alvenaria; Amarração entre alvenarias.  Principais características: Evitar fissuras que podem ocorrer nas ligações entre estrutura e alvenaria; Facilitar o trabalho de amarração na alvenaria; Sua utilização dispensa a tradicional amarração entre blocos, aumentando a produtividade e qualidade dos serviços.
  • 40. LIGAÇÃO DA ESTRUTURA COM ALVENARIA  Preparação da estrutura:  Deve estar limpa, sem materiais ou desmoldantes; A superfície da estrutura deve ser chapiscada com argamassa de cimento e areia, ou realizada aplicação de argamassa de assentamento.  Fixação da tela na estrutura:  As telas devem ser fixadas utilizando-se finca- pinos, os pinos de aço zincado devem ser cravados com arruela. Para evitar acidentes, as telas devem ser deixadas paralelas à estrutura até o assentamento da fiada da alvenaria.  Assentamento da alvenaria:  Após posicionamento da tela sobre o bloco, aplica-se argamassa de assentamento sobre a tela e o bloco.  Observação:  É importante promover a máxima aderência entre a estrutura, a tela e os blocos. Imagem ilustrativa 35 – Tela de amarração de alvenaria.
  • 41. LIGAÇÃO ENTRE DUAS PAREDES COM TELA  Aplica-se argamassa em todas as bordas de forma a promover boa aderência entre a tela e a alvenaria.  Posiciona-se a tela de modo que ela fique ancorada ao máximo em ambas as paredes. Imagem ilustrativa 36 – Tela de amarração de alvenaria.