SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
CROMATOGRAFIA EM COLUNA, PAPEL E CAMADA DELGADA
Palmas
2007
Gilson Tavares: ____________________________________
Janaina Lima: _____________________________________
Edinamar Silva:____________________________________
Nathalie Adamoglu:_________________________________
CROMATOGRAFIA EM COLUNA, PAPEL E CAMADA DELGADA
Palmas
2007
INTRODUÇÃO
A cromatografia é uma técnica da química analítica utilizada para a separação de misturas e
substâncias. De maneira mais completa, a técnica baseia-se no princípio da adsorção
seletiva, um tipo de adesão. A técnica foi descoberta em 1906 pelo botânico italiano
Mikahail Tswett,Tswett separou pigmentos de plantas adicionando um extrato de folhas
verdes em éter de petróleo sobre uma coluna com carbonato de cálcio em pó em um tubo de
vidro vertical.
CROMATOGRAFIA EM PAPEL
Neste tipo de cromatografia, uma amostra líquida flui por uma tira de papel adsorvente
vertical, onde os componentes depositam-se em locais específicos. O papel é composto por
moléculas extremamente longas chamadas celulose. A celulose é um polímero, o que
significa é ela é composta por milhares de moléculas menores que se organizam juntas.
Esta organização molecular que compõe as cadeias de celulose é polar e, como resultado, a
celulose tem muitas regiões de altas e baixas densidades de elétrons. As regiões
"carregadas" em uma cadeia de celulose são atraídas para as regiões de cargas opostas de
outras cadeias adjacentes, e isto ajuda a unir as fibras de papel. O solvente utilizado tem
que ter ser polar para poder interagir com as áreas polares da celulose e subir através do
papel por capilaridade arrastando consigo o que for também polar.
CROMATOGRAFIA EM COLUNA
A cromatografia em coluna costuma ser citada como o mais antigo procedimento
cromatográfico. A cromatografia em coluna consiste em uma coluna de vidro, metal ou
plástico, preenchida com um adsorvente adequado. O adsorvente pode ser colocado na
coluna diretamente (seco) ou suspendido em um solvente adequado (geralmente o próprio
eluente a ser usado no processo de separação). Os principais adsorventes normalmente
utilizados são a sílica gel, a alumina, o carbonato de cálcio, o óxido de magnésio, o carvão
ativado, a sacarose e o amido, entre outros. A substância a ser separada ou analisada é
colocada na coluna pela parte superior e o eluente é vertido após, em quantidade suficiente
para promover a separação. A coluna pode ser um simples tubo de vidro, aberto em ambas
as extremidades, ou semelhante a uma bureta. Em alguns casos aplica-se vácuo pela parte
inferior da coluna ou uma ligeira sobrepressão pela parte superior da mesma.
Quando a amostra a ser cromatografada possui cor, pode-se visualizar as diferentes zonas
coloridas descendo pela coluna, que são recolhidas, separadamente, pela extremidade
inferior.
CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA
A cromatografia em camada delgada (CCD) é uma técnica de adsorção líquido–sólido.
Nesse caso, a separação se dá pela diferença de afinidade dos componentes de uma mistura
pelafase estacionária. Por ser um método simples, rápido, visual e econômico, a CCD é a
técnica predominantemente escolhida para o acompanhamento de reações orgânicas, sendo
também muito utilizada para a purificação de substâncias e para a identificação de frações
coletadas em cromatografia líquida clássica. O parâmetro mais importante a ser
considerado em CCD é o fator de retenção (Rf), o qual é a razão entre a distância percorrida
pela substância em questão e a distância percorrida pela fase móvel. Os valores ideais para
Rf estão entre 0,4 e 0,6. A CCD pode ser usada tanto na escala analítica quanto na
preparativa. Normalmente as placas utilizadas são de vidro, com espessura de 3 a 4 mm.
Placas analíticas usualmente têm 10 cm x 2,5 cm e preparativas 20 cm x 20 cm. A sílica gel
é a fase estacionária mais utilizada, sendo seguida pela alumina, pela terra diatomácea e
pela celulose. Para a preparação das placas, faz-se uma suspensão do adsorvente em água,
sendo a mesma depositada sobre a placa manualmente ou com o auxílio de um espalhador.
Após a deposição, deixa-se a placa secar ao ar. A etapa final da preparação da placa é sua
ativação. A sílica, por exemplo, é ativada a 105-110 °C por 30 a 60 minutos.
MATERIAIS E METODOS
VIDRARIAS/CROMATOGRÁFICA EM COLUNA
 Proveta de 100 ml;
 Bastão de vidro;
 Béquer de 40 ml;
 Coluna cromatográfica.
SOLUÇÕES
 Tetracloreto de carbono;
 Sílica gel 60 (~10g);
 50 ml de álcool etílico.
ACESSÓRIOS
 Algodão;
 Suporte universal com mufa;
 Conta gotas.
PROCEDIMENTO
 Dissolver 10 g de sílica gel 60 em aproximadamente 10 ml de Tetracloreto de
carbono;
 Colocar um chumaço de algodão no fundo da coluna cromatográfica;
 Colocar a sílica dissolvida na coluna cromatográfica;
 Dissolver 23 mg de azul de metileno e 23 mg de alaranjado de metila em 50 ml de
álcool etílico;
 Colocar a solução na coluna pela parede;
 Adicionar Tetracloreto de carbono devagar com o conta-gotas pela parede da coluna;
 Até ocorrer total separação dos corantes;
 Apara o corante separado em um Becker.
Obs.: é recomendado adicionar de 2 a 3 vezes o volume da coluna cromatográfica para uma
boa separação.
VIDRARIAS/CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA.
 Placa de vidro;
 Cuba cromatográfica;
 Capilar;
 Bastão de vidro
SOLUÇÕES
 Solução de Éter de petróleo e Acetona 9:1;
 Sílica gel 60 G;
 Água destilada;
 Extrato de Salsa em acetona;
 Alaranjado de metila;
 Azul de metileno.
PROCEDIMENTO
 Colocar 100 ml da fase móvel (éter de petróleo/ acetona 9:1) na cuba
cromatográfica;
 Tapar a cuba e deixar em repouso para saturar;
 Dissolver 10 g de sílica em 30 ml de água destilada;
 Usar o bastão para ajudar a dissolver;
 Aplicar uma camada uniforme de sílica dissolvida na placa de vidro;
 Colocar a placa de vidro na estufa para secar;
 Esperar de 10 a 20 minutos;
 Preparar um macerado de salsa em acetona e um macerado de salsa com água
destilada;
 Retirar a placa de vidro da estufa;
 Traçar a linha de chegada e a linha de partida;
 Pingar na linha de partida com o capilar um pouco da solução de azul de metileno e
alaranjado de metila;
 Pingar na linha de partida com o capilar o macerado de salsa com acetona;
 Pingar na linha de partida com o capilar o macerado de salsa com água destilada;
 Determinar o Rf.
VIDRARIAS/CROMATOGRAFIA EM PAPEL.
 Cuba cromatográfica;
SOLUÇÕES
 Solução de Éter de petróleo e Acetona 9:1;
ACESSÓRIOS
 Papel;
 Canetas azul, vermelha e preta.
PROCEDIMENTO
 Colocar 100 ml da fase móvel (éter de petróleo/ acetona 9:1) na cuba
cromatográfica;
 Tapar a cuba e deixar em repouso para saturar;
 Traçar no papel a linha de partida e de chegada;
 Fazer no papel uma marca de tinta com cada uma das canetas;
 Medir a distancia entre as linhas.
 Adicionar o papel dentro da cuba cromatográfica;
 Observar a corrida e observar as cores e anotar as distancias.
DETERMINAÇÃO DO RF
 Medir a distancia que a substancia correu e dividir pelo espaço entre a linha de
partida e a linha de chegada que é de 8 cm.
Cálculos
Rf da clorofila A = 1,8 / 8 = 0, 225
Rf da clorofila B = 1,2 / 8 = 0,15
Rf do B-caroteno = 7,5/8 = 0, 9375
Rf da xantofila = 0,9 / 8 = 0, 1125
RESULTADOS E DISCURSÃO
CROMATOGRAFIA EM COLUNA
No experimento de cromatografia em coluna observou-se a formação de duas
fazes no momento da adição da mistura de corantes azul de metileno e alaranjado de metila.
Os dois corantes juntos adquirem coloração verde. As bandas formadas aumentavam de
diâmetro a medida que se adicionava o eluente, no caso do experimento Tetracloreto de
carbono. A adição continuou ate total eluição do corante que interagia com a fase móvel no
experimento o alaranjado de metila. O eluido foi coletado em um Becker de 40 ml. A
quantidade de eluente adicionado tem que ser suficiente para retirar totalmente o eluido.
CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA
A confecção da lamina de cromatografia exige um pouco de atenção pois a lamina de sílica
tem que ficar uniforme por parte de quem o faz. A corrida das amostras na camada de sílica
ficou evidente pela formação de bandas totalmente distinguíveis entre si. Ficou claro
também que as substancias em comum nas amostras atingiam distancias iguais.
CROMATOGRAFIA EM PAPEL
A cromatografia em papel foi a de mais fácil realização, e economicamente é também a
mais viável e não apresentou dificuldades para sua realização as tintas das canetas
formaram as bandas mais claras para observação do que as outras duas cromatografias para
este experimento. As bandas formadas representam as cores constituintes da caneta e vão
sendo distribuídos ao longo da corrida cromatográfica.
CONCLUSOES
A cromatografia em coluna é um método eficaz e rápido de purificação, que exige apenas
bom manuseio dos reagentes e vidrarias utilizadas. A cromatografia em camada delgada
mostrou-se um pouco mais trabalhosa na etapa de confecção da camada, nas fases seguintes
o método mostrou-se pratico e demonstrou resultados não conflitantes com os da
cromatografia em coluna. A cromatografia em papel é de fácil realização e confirmou a
flexibilidade de realização do método cromatográfico.
ANEXOS
COLUNA CROMATOGRAFICA
Amostra mais eluente
Formação de bandas
Chumaço de algodão
Acondicionamento da
amostra separada e eluente
Cromatografia em papel
Parte que ficará emersa na
fase móvel
Placa de vidro
Espessura da camada de
sílica
Linha de chegada
Linha de partida
REFERENCIAS
http://br.geocities.com/chemicalnet/cromatografia.htm acesso em 18 de outubro de 07 às
18h e 23mim.
http://www.pucrs.br/quimica/professores/arigony/cromatografia_FINAL/COLUNA.htm
acesso em 20 de outubro de 07 às 22h e 55mim.
NETO, F.R.A.; CGAR em análise de resíduos. Química Nova, v. 18, n. 1, p. 65-67, 1995.
Disponível em <www.quimicanova.org.br> acessado no dia 9 de outubro de 2007.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃOEzequias Guimaraes
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHRodrigo Henrique
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreDhion Meyg Fernandes
 
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...AlaydeSimedo
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoDhion Meyg Fernandes
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaLuaneGS
 
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaLauryenne Oliveira
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoAna Morais Nascimento
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕESJessica Amaral
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidosLéo Morais
 
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água Fernanda Borges de Souza
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Dhion Meyg Fernandes
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Ivys Antônio
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaarceariane87
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Jenifer Rigo Almeida
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIOEzequias Guimaraes
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de químicaADSONTORREZANE
 

Mais procurados (20)

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
 
Cromatografia
CromatografiaCromatografia
Cromatografia
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOH
 
Relatorio ccd
Relatorio ccdRelatorio ccd
Relatorio ccd
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Medida de volume
Medida de volumeMedida de volume
Medida de volume
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
 
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 

Semelhante a Relatorio cromatografia

Semelhante a Relatorio cromatografia (20)

Aula turma b_ccd
Aula turma b_ccdAula turma b_ccd
Aula turma b_ccd
 
Atual
AtualAtual
Atual
 
Cromatografia - Fitoquímica.pptx
Cromatografia - Fitoquímica.pptxCromatografia - Fitoquímica.pptx
Cromatografia - Fitoquímica.pptx
 
Práticas cromatográficas
Práticas cromatográficasPráticas cromatográficas
Práticas cromatográficas
 
Cromatografia ccd
Cromatografia ccdCromatografia ccd
Cromatografia ccd
 
Auladecromatografiapapelecamadafina
AuladecromatografiapapelecamadafinaAuladecromatografiapapelecamadafina
Auladecromatografiapapelecamadafina
 
Q. Orgânica- Cromatografia.pptx
Q. Orgânica- Cromatografia.pptxQ. Orgânica- Cromatografia.pptx
Q. Orgânica- Cromatografia.pptx
 
Aula_Cromatografia1.ppt
Aula_Cromatografia1.pptAula_Cromatografia1.ppt
Aula_Cromatografia1.ppt
 
Aula _HPLC usar essa.ppt
Aula _HPLC usar essa.pptAula _HPLC usar essa.ppt
Aula _HPLC usar essa.ppt
 
Cromatografia noções
Cromatografia noçõesCromatografia noções
Cromatografia noções
 
MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...
MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...
MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
 
Quimica
QuimicaQuimica
Quimica
 
Práticas pepiii pet_n01
Práticas pepiii pet_n01Práticas pepiii pet_n01
Práticas pepiii pet_n01
 
Introdução a Cromatografia.ppt
Introdução a Cromatografia.pptIntrodução a Cromatografia.ppt
Introdução a Cromatografia.ppt
 
LAB_A Cópia_BrunaFlores
LAB_A Cópia_BrunaFloresLAB_A Cópia_BrunaFlores
LAB_A Cópia_BrunaFlores
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
 
Cromatografia gasosa
Cromatografia gasosaCromatografia gasosa
Cromatografia gasosa
 
Relatório qui b37 mod (1)
 Relatório qui b37 mod (1) Relatório qui b37 mod (1)
Relatório qui b37 mod (1)
 
Jaciara, leticia 1a 3
Jaciara, leticia   1a 3Jaciara, leticia   1a 3
Jaciara, leticia 1a 3
 

Relatorio cromatografia

  • 1. CROMATOGRAFIA EM COLUNA, PAPEL E CAMADA DELGADA Palmas 2007
  • 2. Gilson Tavares: ____________________________________ Janaina Lima: _____________________________________ Edinamar Silva:____________________________________ Nathalie Adamoglu:_________________________________ CROMATOGRAFIA EM COLUNA, PAPEL E CAMADA DELGADA Palmas 2007
  • 3. INTRODUÇÃO A cromatografia é uma técnica da química analítica utilizada para a separação de misturas e substâncias. De maneira mais completa, a técnica baseia-se no princípio da adsorção seletiva, um tipo de adesão. A técnica foi descoberta em 1906 pelo botânico italiano Mikahail Tswett,Tswett separou pigmentos de plantas adicionando um extrato de folhas verdes em éter de petróleo sobre uma coluna com carbonato de cálcio em pó em um tubo de vidro vertical. CROMATOGRAFIA EM PAPEL Neste tipo de cromatografia, uma amostra líquida flui por uma tira de papel adsorvente vertical, onde os componentes depositam-se em locais específicos. O papel é composto por moléculas extremamente longas chamadas celulose. A celulose é um polímero, o que significa é ela é composta por milhares de moléculas menores que se organizam juntas. Esta organização molecular que compõe as cadeias de celulose é polar e, como resultado, a celulose tem muitas regiões de altas e baixas densidades de elétrons. As regiões "carregadas" em uma cadeia de celulose são atraídas para as regiões de cargas opostas de outras cadeias adjacentes, e isto ajuda a unir as fibras de papel. O solvente utilizado tem que ter ser polar para poder interagir com as áreas polares da celulose e subir através do papel por capilaridade arrastando consigo o que for também polar. CROMATOGRAFIA EM COLUNA A cromatografia em coluna costuma ser citada como o mais antigo procedimento cromatográfico. A cromatografia em coluna consiste em uma coluna de vidro, metal ou plástico, preenchida com um adsorvente adequado. O adsorvente pode ser colocado na coluna diretamente (seco) ou suspendido em um solvente adequado (geralmente o próprio eluente a ser usado no processo de separação). Os principais adsorventes normalmente utilizados são a sílica gel, a alumina, o carbonato de cálcio, o óxido de magnésio, o carvão ativado, a sacarose e o amido, entre outros. A substância a ser separada ou analisada é colocada na coluna pela parte superior e o eluente é vertido após, em quantidade suficiente para promover a separação. A coluna pode ser um simples tubo de vidro, aberto em ambas as extremidades, ou semelhante a uma bureta. Em alguns casos aplica-se vácuo pela parte inferior da coluna ou uma ligeira sobrepressão pela parte superior da mesma. Quando a amostra a ser cromatografada possui cor, pode-se visualizar as diferentes zonas coloridas descendo pela coluna, que são recolhidas, separadamente, pela extremidade inferior. CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA A cromatografia em camada delgada (CCD) é uma técnica de adsorção líquido–sólido. Nesse caso, a separação se dá pela diferença de afinidade dos componentes de uma mistura pelafase estacionária. Por ser um método simples, rápido, visual e econômico, a CCD é a técnica predominantemente escolhida para o acompanhamento de reações orgânicas, sendo também muito utilizada para a purificação de substâncias e para a identificação de frações
  • 4. coletadas em cromatografia líquida clássica. O parâmetro mais importante a ser considerado em CCD é o fator de retenção (Rf), o qual é a razão entre a distância percorrida pela substância em questão e a distância percorrida pela fase móvel. Os valores ideais para Rf estão entre 0,4 e 0,6. A CCD pode ser usada tanto na escala analítica quanto na preparativa. Normalmente as placas utilizadas são de vidro, com espessura de 3 a 4 mm. Placas analíticas usualmente têm 10 cm x 2,5 cm e preparativas 20 cm x 20 cm. A sílica gel é a fase estacionária mais utilizada, sendo seguida pela alumina, pela terra diatomácea e pela celulose. Para a preparação das placas, faz-se uma suspensão do adsorvente em água, sendo a mesma depositada sobre a placa manualmente ou com o auxílio de um espalhador. Após a deposição, deixa-se a placa secar ao ar. A etapa final da preparação da placa é sua ativação. A sílica, por exemplo, é ativada a 105-110 °C por 30 a 60 minutos. MATERIAIS E METODOS VIDRARIAS/CROMATOGRÁFICA EM COLUNA  Proveta de 100 ml;  Bastão de vidro;  Béquer de 40 ml;  Coluna cromatográfica. SOLUÇÕES  Tetracloreto de carbono;  Sílica gel 60 (~10g);  50 ml de álcool etílico. ACESSÓRIOS  Algodão;  Suporte universal com mufa;  Conta gotas. PROCEDIMENTO  Dissolver 10 g de sílica gel 60 em aproximadamente 10 ml de Tetracloreto de carbono;  Colocar um chumaço de algodão no fundo da coluna cromatográfica;  Colocar a sílica dissolvida na coluna cromatográfica;  Dissolver 23 mg de azul de metileno e 23 mg de alaranjado de metila em 50 ml de álcool etílico;  Colocar a solução na coluna pela parede;  Adicionar Tetracloreto de carbono devagar com o conta-gotas pela parede da coluna;  Até ocorrer total separação dos corantes;  Apara o corante separado em um Becker.
  • 5. Obs.: é recomendado adicionar de 2 a 3 vezes o volume da coluna cromatográfica para uma boa separação. VIDRARIAS/CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA.  Placa de vidro;  Cuba cromatográfica;  Capilar;  Bastão de vidro SOLUÇÕES  Solução de Éter de petróleo e Acetona 9:1;  Sílica gel 60 G;  Água destilada;  Extrato de Salsa em acetona;  Alaranjado de metila;  Azul de metileno. PROCEDIMENTO  Colocar 100 ml da fase móvel (éter de petróleo/ acetona 9:1) na cuba cromatográfica;  Tapar a cuba e deixar em repouso para saturar;  Dissolver 10 g de sílica em 30 ml de água destilada;  Usar o bastão para ajudar a dissolver;  Aplicar uma camada uniforme de sílica dissolvida na placa de vidro;  Colocar a placa de vidro na estufa para secar;  Esperar de 10 a 20 minutos;  Preparar um macerado de salsa em acetona e um macerado de salsa com água destilada;  Retirar a placa de vidro da estufa;  Traçar a linha de chegada e a linha de partida;  Pingar na linha de partida com o capilar um pouco da solução de azul de metileno e alaranjado de metila;  Pingar na linha de partida com o capilar o macerado de salsa com acetona;  Pingar na linha de partida com o capilar o macerado de salsa com água destilada;  Determinar o Rf.
  • 6. VIDRARIAS/CROMATOGRAFIA EM PAPEL.  Cuba cromatográfica; SOLUÇÕES  Solução de Éter de petróleo e Acetona 9:1; ACESSÓRIOS  Papel;  Canetas azul, vermelha e preta. PROCEDIMENTO  Colocar 100 ml da fase móvel (éter de petróleo/ acetona 9:1) na cuba cromatográfica;  Tapar a cuba e deixar em repouso para saturar;  Traçar no papel a linha de partida e de chegada;  Fazer no papel uma marca de tinta com cada uma das canetas;  Medir a distancia entre as linhas.  Adicionar o papel dentro da cuba cromatográfica;  Observar a corrida e observar as cores e anotar as distancias. DETERMINAÇÃO DO RF  Medir a distancia que a substancia correu e dividir pelo espaço entre a linha de partida e a linha de chegada que é de 8 cm. Cálculos Rf da clorofila A = 1,8 / 8 = 0, 225 Rf da clorofila B = 1,2 / 8 = 0,15 Rf do B-caroteno = 7,5/8 = 0, 9375 Rf da xantofila = 0,9 / 8 = 0, 1125 RESULTADOS E DISCURSÃO CROMATOGRAFIA EM COLUNA No experimento de cromatografia em coluna observou-se a formação de duas fazes no momento da adição da mistura de corantes azul de metileno e alaranjado de metila. Os dois corantes juntos adquirem coloração verde. As bandas formadas aumentavam de
  • 7. diâmetro a medida que se adicionava o eluente, no caso do experimento Tetracloreto de carbono. A adição continuou ate total eluição do corante que interagia com a fase móvel no experimento o alaranjado de metila. O eluido foi coletado em um Becker de 40 ml. A quantidade de eluente adicionado tem que ser suficiente para retirar totalmente o eluido. CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA A confecção da lamina de cromatografia exige um pouco de atenção pois a lamina de sílica tem que ficar uniforme por parte de quem o faz. A corrida das amostras na camada de sílica ficou evidente pela formação de bandas totalmente distinguíveis entre si. Ficou claro também que as substancias em comum nas amostras atingiam distancias iguais. CROMATOGRAFIA EM PAPEL A cromatografia em papel foi a de mais fácil realização, e economicamente é também a mais viável e não apresentou dificuldades para sua realização as tintas das canetas formaram as bandas mais claras para observação do que as outras duas cromatografias para este experimento. As bandas formadas representam as cores constituintes da caneta e vão sendo distribuídos ao longo da corrida cromatográfica. CONCLUSOES A cromatografia em coluna é um método eficaz e rápido de purificação, que exige apenas bom manuseio dos reagentes e vidrarias utilizadas. A cromatografia em camada delgada mostrou-se um pouco mais trabalhosa na etapa de confecção da camada, nas fases seguintes o método mostrou-se pratico e demonstrou resultados não conflitantes com os da cromatografia em coluna. A cromatografia em papel é de fácil realização e confirmou a flexibilidade de realização do método cromatográfico.
  • 8. ANEXOS COLUNA CROMATOGRAFICA Amostra mais eluente Formação de bandas Chumaço de algodão Acondicionamento da amostra separada e eluente
  • 9. Cromatografia em papel Parte que ficará emersa na fase móvel Placa de vidro Espessura da camada de sílica Linha de chegada Linha de partida
  • 10. REFERENCIAS http://br.geocities.com/chemicalnet/cromatografia.htm acesso em 18 de outubro de 07 às 18h e 23mim. http://www.pucrs.br/quimica/professores/arigony/cromatografia_FINAL/COLUNA.htm acesso em 20 de outubro de 07 às 22h e 55mim. NETO, F.R.A.; CGAR em análise de resíduos. Química Nova, v. 18, n. 1, p. 65-67, 1995. Disponível em <www.quimicanova.org.br> acessado no dia 9 de outubro de 2007.