SlideShare uma empresa Scribd logo
REGULAMENTO 1 / 1
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
CAPITULO 1
Da Integração no Contrato Individual de Trabalho.
Art. 1º – O presente Regulamento faz parte integrante do contrato individual de trabalho. As normas e
preceitos nele contidos aplicam-se a todos os empregados, complementando os princípios gerais de direitos e
deveres contidos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).
Parágrafo único – sua obrigatoriedade estende-se ao tempo de duração do contrato de trabalho, não
podendo, o empregado que assinar o seu termo de ciência, alegar seu desconhecimento.
CAPÍTULO 2
Da Admissão.
Art. 2º – A admissão de empregado está condicionada aos termos do processo de seleção e recrutamento,
dependendo ainda da avaliação médica e apresentação dos documentos exigidos, no prazo fixado pelo
empregador.
CAPÍTULO 3
Dos Deveres, Obrigações e Responsabilidades do Empregado.
Art. 3º – Todo empregado deve:
a) cumprir os compromissos assumidos no contrato de trabalho, com zelo, atenção e competência;
b) obedecer às ordens e instruções emanadas de seus superiores hierárquicos;
c) sugerir medidas para maior eficiência do serviço;
d) agir com disciplina no local de trabalho;
e) zelar pela ordem e asseio no local de trabalho;
f) zelar pela boa conservação das instalações, equipamentos e máquinas, comunicando as anormalidades
notadas;
g) manter na vida privada e profissional conduta compatível com a dignidade do cargo ocupado e com a
reputação da empresa;
h) usar os equipamentos de segurança do trabalho, bem como os que forem determinados em virtude da
legislação que regulamente sua atividade;
REGULAMENTO 2 / 2
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
i) usar os meios de identificação pessoal estabelecidos;
j) manter um espírito colaborativo com a empresa e com seus colegas;
k) informar à área administrativa sobre qualquer modificação em seus dados pessoais, tais como estado civil,
militar, aumento ou redução de pessoas na família, eventual mudança de residência, telefone, etc.;
l) permitir, sempre que solicitado, a verificação de pacotes, maletas, sacolas, bolsas, mochila ou outros;
m) respeitar a honra, boa fama e integridade física de todas as pessoas com quem mantiver contato por
motivo de emprego;
n) responder por prejuízos causados à empresa quer por dolo ou culpa (negligência, imperícia ou
imprudência), caracterizando-se a responsabilidade por:
- sonegação de valores e objetos confiados;
- danos e avarias em materiais sob sua guarda ou sujeitos à sua fiscalização;
- erro doloso de cálculo contra a empresa.
o) usar o Rio Card somente para: residência-trabalho e vice e versa. O uso do cartão para fins pessoais é
passível de advertência;
p) os empregados contratados ou que venham a exercer cargos que exijam formação técnica (conforme
Manual de Descrição de Cargos), no ato da contratação ou em futura mudança de cargo, deverão possuir
cadastro no Conselho de Classe relacionado à sua formação e arcar com as despesas e custas referentes à
regularização do mesmo, sendo esta uma das exigências do Órgão Ambiental Competente, conforme Item
6.4.1 do NOP-INEA-03, documento Operacional Padrão do INEA, que estabelece as responsabilidades, os
procedimentos e os critérios técnicos para o credenciamento de laboratórios: “As amostragens e os ensaios
devem ser executados por técnicos legais e profissionalmente habilitados, constando o número do
registro do Conselho de Classe ao qual pertencem e cujos nomes constem do CADASTRO DE
LABORATÓRIO.
§ 1º – A responsabilidade administrativa não exime o empregado da responsabilidade civil ou criminal cabível.
§ 2º – As indenizações e reposições por prejuízos causados são descontados dos salários.
§ 3º – Os empregados que conduzem os veículos da empresa em sua atividade diária deverão vistoriá-los
previamente de modo a ter certeza das condições dos mesmos. As normas para utilização destes meios
encontram-se no “TERMO DE RESPONSABILIDADE PARA UTILIZAÇÃO DE VEÍCULO DA EMPRESA”,
sendo que a má utilização ou não cumprimento dessas normas são passivos de advertências, suspensões e
até dispensa do empregado.
§ 4º – No que abrange a “vistoria prévia” que trata o caput deste artigo, deverão, propriamente, ser
vistoriados/verificados os seguintes aspectos:
REGULAMENTO 3 / 3
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
I. Verificar e Completar, quando necessário:
- Água de refrigeração;
- Óleo lubrificante do motor;
- Combustível;
- Pressão dos pneus, inclusive o estepe.
II. Verificar e Corrigir, quando necessário:
- Funcionamento dos comandos do veículo;
- Funcionamento das luzes internas e externas;
- Funcionamento dos limpadores de pára-brisa;
- Estado dos pneus.
- Itens de segurança.
CAPÍTULO 4
Do Horário de Trabalho.
Art. 4º – O horário de trabalho estabelecido deve ser cumprido rigorosamente por todos os empregados,
podendo, entretanto, ser alterado conforme necessidade de serviço.
§ 1º – O horário básico da empresa é de 44 horas semanais (de acordo com a CLT).
§ 2º – Durante a jornada diária haverá intervalo de 1 (uma) hora para almoço, respeitando o horário entre
12h00 e 14h00, salvo exceções autorizadas pela gerência administrativa, desde que não sejam rotineiras.
Art. 5º – Os empregados deverão estar nos respectivos lugares à hora inicial do trabalho, não sendo
permitidos atrasos, exceto se as justificativas apresentadas estiverem em consonância com as normas
internas da empresa.
§ 1º - A marcação do ponto deverá ser feita quando o empregado estiver apto para o inicio do trabalho
(uniformizado e com seus pertences guardados no armário). Ao final do expediente, a marcação deverá ser
antes da troca de roupas e de recolhimento de seus pertences.
§ 2º - Não é obrigatória a troca de roupa ou uniforme na empresa, ficando à escolha do empregado utilizá-lo
no percurso casa-trabalho ou não.
Art. 6º – Os trabalhos extraordinários deverão ser previamente comunicados e autorizados por escrito pela
chefia, sendo pagos de acordo com o estabelecido por lei, ou as horas extras compensadas, conforme
firmado no Acordo Coletivo de Trabalho.
REGULAMENTO 4 / 4
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
§ 1º – Qualquer ação, mutirão, instrução, treinamento, pesquisa, estudo, conversa, chat on line, e-mail ou
estudo praticado fora do horário de expediente, não tendo sido instruído por escrito pela Diretoria, será
considerado como ação espontânea do empregado, não caracterizando qualquer tipo de vínculo para
cálculos de horas extras ou para futura reivindicação de tal.
CAPÍTULO 5
Do Cartão ou Livro de Ponto.
Art. 7º – A entrada e saída observam o horário designado.
Art. 8º – Cabe ao próprio empregado marcar o cartão ou livro de ponto, no início e término da jornada, bem
assim os intervalos para refeição e repouso.
§ 1º – É expressamente proibido marcar cartão de outrem.
§ 2º – Os eventuais enganos na marcação de ponto são comunicados imediatamente à gerência
administrativa da empresa.
Art. 9º – Todos os empregados, obrigatoriamente, marcam o cartão ou assinam o livro de ponto, conforme o
caso, excetuados os gerentes.
CAPÍTULO 6
Das Ausências e Atrasos.
Art. 10º – O empregado que se atrasar ao serviço, sair antes do término da jornada ou faltar por qualquer
motivo, justifica o fato à gerência administrativa verbalmente, ou por escrito quando solicitado.
§ 1º – Cabe à empresa descontar os períodos relativos a atrasos, saídas mais cedo, faltas ao serviço e o
consequente repouso semanal, excetuadas as faltas e ausências legais.
§ 2º – As faltas ilegais, não justificadas perante a gerência administrativa, acarretam a aplicação das
penalidades previstas no Capítulo 17.
§ 3º – Será tolerado pela empresa um atraso de até 15 (quinze) minutos cumulativos, divididos em no máximo
03 (três) ocorrências. Quando o empregado exceder esse limite, poderá perder o dia de trabalho e ser
descontado de seu salário.
Art. 11º – O empregado que necessitar ausentar-se por motivo de doença, deverá obter autorização de saída
da gerência administrativa, e apresentar quando do retorno o Atestado Médico, justificando sua ausência.
REGULAMENTO 5 / 5
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
§ 1º – Cabe neste caso ressaltar que, para o comparecimento a uma consulta médica, deverá ter autorização
prévia da gerência administrativa e, quando do seu retorno, deverá apresentar um Atestado de consulta
médica e/ou odontológica.
§ 2º – O empregado que necessitar acompanhar o(s) filho(s) menor(es) de idade, deverá também ter
autorização prévia a sua saída e, quando do seu retorno, deverá apresentar um Atestado Médico de
acompanhante.
§ 3º – Serão aceitos Atestados Médicos da rede particular, porém estarão sujeitos à avaliação da gerência
administrativa, em casos de abusos ou dúvida de sua legitimidade.
Art. 12º – O empregado se obriga a avisar à empresa, ou mandar avisar, através de contato telefônico, uma
vez que a empresa aceita ligações a cobrar, de forma a ficarem devidamente consignados os dias em que,
por doença ou por motivo de força maior, não puder comparecer ao serviço, no dia anterior à sua falta, se
esta for previsível e, quando não for, no início do dia em que ela se verificar. No caso de doença, para que a
falta se comprove legalmente, o empregado deverá apresentar no dia posterior a sua falta, o Atestado
Médico, informando o(s) dias de afastamento que por ventura será(ão) necessário(s) para o retorno ao
trabalho.
§ 1º – Entende-se por força maior o fato independente da vontade da pessoa, que não pode ser previsto nem
impedido por ela, colocando-a na impossibilidade absoluta de cumprir suas obrigações. Neste caso, caberá à
gerência avaliar o abono desse(s) dia(s).
CAPÍTULO 7
Do Pagamento.
Art. 13º – A empresa paga os salários no último dia útil de cada mês, ou até o quinto dia útil do mês
subsequente, conforme sua disponibilidade.
Art. 14º – O salário é depositado em conta corrente ou conta salário de um dos bancos onde a empresa
possui movimentação.
Art. 15º – Eventuais erros ou diferenças são comunicados à área administrativa, no primeiro dia útil após o
correspondente pagamento.
Art. 16º – Os adiantamentos de salários não são permitidos.
Art. 17º – Os saques de rendimento e abono dos empregados cadastrados no PIS são efetuados conforme
estipulado pelo Governo.
Art. 18º - O contracheque será encaminhado mensalmente para o e-mail fornecido pelo empregado no ato da
admissão, ficando sob sua responsabilidade manter a conta ativa e informar qualquer mudança.
REGULAMENTO 6 / 6
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
§ 1º – Em eventual impossibilidade de acesso ao contracheque, o empregado deverá comunicar
imediatamente por escrito ao RH.
CAPÍTULO 8
Das Férias.
Art. 19º – Cabe à empresa fixar anualmente o período que seus empregados poderão gozar suas férias,
ressalvadas as exceções previstas em lei.
CAPÍTULO 9
Das Licenças.
Art. 20º – A empresa concede ao empregado licença de 5 dias corridos e consecutivos, por motivo de:
- casamento;
- falecimento de conjugue, ascendente, descendente ou dependente declarado na CTPS; e
- nascimento de filho.
§ 1º – O empregado deverá comunicar, por escrito à gerência administrativa da empresa, seu casamento,
com antecedência mínima de 8 dias.
§ 2º – Em caso de morte e nascimento de filho, salvo absoluta impossibilidade, o empregado comunica o
evento à gerência da empresa no respectivo dia.
§ 3º – Em qualquer caso, exige-se comprovação mediante prova documental.
CAPÍTULO 10
Das Transferências.
Art. 21º – Os empregados que exerçam cargos de confiança e aqueles cujos contratos de trabalho contenham
cláusulas de transferência implícita ou explícita, podem ser transferidos para qualquer localidade do Estado.
Art. 22º – As despesas de transferência, por iniciativas da empresa, ficam por sua conta.
Art. 23º – As despesas decorrentes de transferência a pedido do empregado correrão por sua própria conta.
CAPITULO 11
REGULAMENTO 7 / 7
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
Dos Benefícios.
Art. 24º – A empresa oferece as seguintes vantagens, conforme firmadas em Acordo Coletivo de Trabalho:
a) seguro de vida em grupo;
b) cesta básica;
c) vale refeição;
d) auxílio transporte;
e) auxílio funeral;
f) insalubridade (de acordo com a Lei).
g) periculosidade (de acordo com a Lei).
CAPÍTULO 12
Das Proibições.
Art. 25º – É expressamente proibido:
a) ingressar ou permanecer em setores estranhos aos serviços, salvo por ordem expressa;
b) ocupar-se de qualquer atividade que possa prejudicar os interesses de serviço, bem como a utilização para
uso particular, sem autorização superior, de máquinas, computadores, telefones, etc. disponíveis no ambiente
de trabalho.
c) promover algazarra, brincadeiras e discussões durante a jornada de trabalho;
d) usar palavras ou gestos impróprios à moralidade e respeito, nas dependências da empresa, seja
verbalmente ou por escrito;
e) fumar nas instalações da empresa;
f) retirar do local de trabalho, sem prévia autorização, qualquer equipamento, objeto ou documento;
g) fazer parte de empresa ou iniciativas que concorram com quaisquer atividades da empresa empregadora,
sem prévia autorização da gerência administrativa;
h) propagar ou incitar a insubordinação ao trabalho;
i) usar cartão de visita profissional não autorizado pela empresa;
REGULAMENTO 8 / 8
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
j) utilizar equipamentos eletrônicos de entretenimento durante o expediente, como jogos, TV´s, uso de fones
de ouvido para ouvir músicas em rádio, MP3, MP4, etc.;
k) fazer serviço para si ou para terceiros utilizando tempo, máquinas, ferramentas ou materiais da empresa,
sem a devida autorização da gerência administrativa;
l) introduzir pessoas estranhas ao serviço, em qualquer dependência da empresa, sem prévia autorização;
m) divulgar, por qualquer meio, assunto ou fato de natureza privada da empresa;
n) promover vendas ou permutas durante o expediente, salvo em horário de almoço;
o) utilizar aparelhos celulares, smartphones, tablets ou qualquer outro aparelho eletrônico pessoal. Estes
deverão permanecer guardados nos respectivos armários pessoais durante todo o expediente. Caso
necessário, faz-se uso dos telefones disponíveis na empresa;
p) realizar lanches durante o expediente e/ou consumir qualquer tipo de snack e frutas na mesa de trabalho
(biscoitos, torradas, doces, salgados, balas e etc.);
q) manter guardado em geladeiras, armários ou gavetas, de um dia para o outro, qualquer tipo de alimento,
perecível ou não, assim como manter durante o expediente qualquer alimento em embalagens abertas e/ou
sem embalagens adequadas;
r) usar os seguintes EPI’S fora do setor de trabalho (conforme o PPRA e o PCMSO): guarda pó, óculos de
segurança, luvas de proteção, avental de segurança, touca, mascara e pantufa de proteção.
CAPÍTULO 13
Do Relacionamento Interpessoal.
Art. 26º – Todos os empregados, sem distinção, devem colaborar, de forma eficaz à realização dos fins da
empresa.
Art. 27º – Harmonia, cordialidade, respeito e espírito de compreensão devem predominar nos contatos
estabelecidos independentemente de posição hierárquica.
Art. 28º – O sentido de equipe deve predominar na execução de tarefas à realização dos objetivos da
empresa, independentemente do setor a que pertença.
CAPÍTULO 14
Da Segurança e Medicina do Trabalho.
Art. 29º – Cabe ao empregador cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre
segurança e medicina do trabalho. (Art.157, inciso I da CLT)
REGULAMENTO 9 / 9
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
Art. 30º – Cabe aos empregados observar as Normas de segurança e medicina do trabalho e colaborar com a
empresa na aplicação dos dispositivos deste Capítulo.
Parágrafo único – Constitui ato faltoso do empregado a recusa injustificada ao atendimento destas
exigências.
Art. 31º – É vedado o uso de adornos de qualquer natureza em partes do corpo que entrem em contato direto
ou acidental com material analítico, bem como superfícies tocadas, utensílios, e equipamentos de coleta, bem
como o uso de gravatas soltas e crachás presos por cordão nos postos de trabalho.
a) são considerados adornos: pulseiras, relógios de uso pessoal, anéis, alianças, brincos, piercing, colar,
cordões;
b) são consideradas como partes expostas do corpo: mãos, antebraços, pescoço e cabeça;
c) os postos de trabalho compreendem: postos de coleta e área de produção do laboratório, e locais de
guarda de resíduos, além de setores destinados à manutenção predial;
d) o uso de óculos de correção é permitido desde que periodicamente higienizados e monitorados.
Art. 32º – É vedado o consumo de quaisquer alimentos e bebidas em qualquer posto de trabalho no
estabelecimento. Excetuam-se: a área administrativa (para o consumo de lanche rápido – café, biscoito ou
torradas) e áreas destinadas a este fim: refeitório e cantina.
Art. 33º – É vedado o uso de qualquer calçado aberto, inclusive os fechados que exponha o dorso do pé e/ou
as pontas dos pododáctilos em qualquer posto de trabalho do estabelecimento, inclusive na área
administrativa e recepção.
Art. 34º – É vedada a saída do profissional da área crítica portando equipamentos de proteção, aparelhos de
utilização de procedimento, da área física do estabelecimento. Aplica-se, inclusive, para ida ao refeitório,
mesmo que este esteja dentro do estabelecimento. Já as vestimentas utilizadas nas atividades laborais
deverão ser retiradas e guardadas em armário ou cabide próprio ao se retirar do estabelecimento.
Art. 35º – A vacinação de todos os profissionais técnicos é obrigatória pelo menos para Hepatite B, Difteria e
Tétano, em esquema estabelecido pelo Ministério da Saúde, Constituindo falta grave a recusa a este
procedimento sanitário.
CAPÍTULO 15
Do Uso dos Recursos de Informática.
Art. 36º – A empresa fornecerá condições de acesso à Internet e de e-mail (quando e se julgar necessário),
visando ao desenvolvimento de suas atribuições na empresa, sendo, portanto, de uso exclusivo para este fim.
REGULAMENTO 10 / 10
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
§ 1º – As normas para utilização destes meios encontram-se na “POLÍTICA DA SEGURANÇA DA
INFORMAÇÃO”.
§ 2º – O uso indevido destas ferramentas, acessos a sites indevidos e recebimento ou envio de e-mail´s
pornográficos, ilegais ou pessoais, poderá acarretar em advertências, suspensões e até mesmo dispensa do
empregado.
CAPÍTULO 16
Do Uso de Câmeras de Filmagem e Fotografia.
Art. 37º – A empresa fará uso de câmeras de segurança instaladas em suas dependências, ficando
resguardada a dignidade humana dos usuários, sendo vedada a instalação de câmeras de filmagem nos
banheiros e lavabos.
Art. 38º – A filmagem descrita neste Regulamento tem por objetivo verificar o respeito dos usuários às regras
estabelecidas no presente instrumento, bem como assegurar segurança física aos mesmos, não constituindo
qualquer violação à intimidade, vida privada, honra ou imagem da pessoa filmada, com o que os usuários
declaram, expressamente, neste ato, concordar.
Art. 39º – As imagens captadas dentro das dependências da empresa serão arquivadas pelo prazo de 06
(seis) meses e mantidas em caráter estritamente confidencial, somente podendo ser divulgadas em caso de
infração às regras constantes do presente Regulamento e/ou infração de legislação vigente.
Art. 40º – A empresa fica autorizada a utilizar imagens do funcionário e a executar a edição e montagem das
fotos e filmagens, conduzindo as reproduções que entender necessárias, bem como a produzir os respectivos
materiais de comunicação, respeitando sempre os fins estipulados no “TERMO DE AUTORIZAÇÃO DE USO
DE IMAGEM”.
CAPÍTULO 17
Do Uso de Gravadores Telefônicos.
Art. 41º – A empresa fará uso de escutas/gravadores telefônicos instalados em suas linhas telefônicas,
ficando resguardada a intimidade, a honra e a dignidade dos usuários.
Art. 42º – As gravações descritas neste Regulamento tem por objetivo de monitorar e fiscalizar a qualidade do
atendimento telefônico, comprovar acordos verbais, resguardar a empresa sobre informações não verídicas e
garantia da segurança dos empregados e da própria empresa, com o que os usuários declaram,
expressamente, neste ato, concordar.
CAPITULO 18
Do Uso de Rastreadores de Veículos.
REGULAMENTO 11 / 11
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
Art. 43º – A empresa fará uso de equipamentos de rastreamento e monitoramento de veículos.
Art. 44º – O empregado será informado dos procedimentos necessários em caso de sinistro ou pânico, bem
como de senha para acesso à Central de Monitoramento.
Art. 45º – Os dados captados pelo sistema de monitoramento, poderão ser utilizados pela empresa a qualquer
momento ou em caso de infração às regras constantes do presente Regulamento e/ou infração de legislação
vigente.
CAPÍTULO 19
Das Penalidades.
Art. 46º – Aos empregados transgressores das normas deste Regulamento, aplicam-se as penalidades
seguintes:
- advertência verbal;
- advertência escrita;
- suspensão; e
- demissão.
Art. 47º – As penalidades são aplicadas segundo a gravidade da transgressão, pela gerência da empresa.
Art. 48º – Os respectivos supervisores elaboram relatório escrito e circunstanciado aos casos de demissão
por justa causa.
CAPÍTULO 20
Das Disposições Gerais.
Art. 49º – Ao empregado é garantido o direito de formular sugestões ou reclamação acerca de qualquer
assunto pertinente ao serviço e às atividades da empresa.
Art. 50º – Os empregados devem observar o presente Regulamento, circulares, ordem de serviço, avisos,
comunicados e outras instruções expedidas pela direção da empresa.
Art. 51º – Cada empregado recebe um exemplar do presente Regulamento. Declara, por escrito, tê-lo
recebido, lido e estar de acordo com todo seu conteúdo e condições.
Art. 52º – Os casos omissos ou não previstos são resolvidos pela gerência administrativa, à luz da CLT e
legislação complementar pertinente.
REGULAMENTO 12 / 12
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO
Data: 09/10/2017
Revisão: 04
Art. 53º – O presente Regulamento pode ser substituído por outro, sempre que a empresa julgar conveniente,
em consequência de alteração na legislação social.
Fazem parte deste Regulamento, o Código de Ética, a Política da Segurança da Informação e o Termo de
Autorização de Uso de Imagem.
O(A) empregado(a) DECLARA QUE LEU E COMPREENDEU TODAS AS NORMAS estabelecidas acima
pelo GRUPO QUALITY.
Motivo da revisão: Inclusão do § 2º no Art.5º do Capítulo 4; Alteração do item q no Art.25º do Capítulo 12.
Elaborado por: Ana Cláudia das Neves Aprovado por: Claudio Moises Ferreira Gomes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TRT BA - questões comentadas de Direito do Trabalho
TRT BA - questões comentadas de Direito do TrabalhoTRT BA - questões comentadas de Direito do Trabalho
TRT BA - questões comentadas de Direito do TrabalhoProf. Antonio Daud Jr
 
Modelo de um Contrato Social
Modelo de um Contrato SocialModelo de um Contrato Social
Modelo de um Contrato Socialkellinyy
 
MANUAL DE SINALIZAÇÃO BR-040_Versão2_1.pdf
MANUAL DE SINALIZAÇÃO BR-040_Versão2_1.pdfMANUAL DE SINALIZAÇÃO BR-040_Versão2_1.pdf
MANUAL DE SINALIZAÇÃO BR-040_Versão2_1.pdfLucianaSalles11
 
Edital de Palestras Orientadas Janp X
Edital de Palestras Orientadas Janp XEdital de Palestras Orientadas Janp X
Edital de Palestras Orientadas Janp Xfelipevallt
 
TST - Direito do Trabalho - cargo Taquigrafia
TST - Direito do Trabalho - cargo TaquigrafiaTST - Direito do Trabalho - cargo Taquigrafia
TST - Direito do Trabalho - cargo TaquigrafiaProf. Antonio Daud Jr
 
╝÷┴ñ Apt calandra
╝÷┴ñ Apt calandra ╝÷┴ñ Apt calandra
╝÷┴ñ Apt calandra José Santos
 
Lei485 EM 03 DE SETEMBRO DE 1962 DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚB...
Lei485 EM 03 DE SETEMBRO DE 1962 DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚB...Lei485 EM 03 DE SETEMBRO DE 1962 DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚB...
Lei485 EM 03 DE SETEMBRO DE 1962 DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚB...Alessandro Veloso
 
PTS - módulo 1.pptx
PTS - módulo 1.pptxPTS - módulo 1.pptx
PTS - módulo 1.pptxssuserfd0691
 
Modelo Contrato de Aluguel
Modelo Contrato de AluguelModelo Contrato de Aluguel
Modelo Contrato de AluguelSANTOS CMI
 
Questões Direito do trabalho - TRT RS
Questões Direito do trabalho - TRT RSQuestões Direito do trabalho - TRT RS
Questões Direito do trabalho - TRT RSProf. Antonio Daud Jr
 
Ficha para inspeção em cintas de poliéster aricabos
Ficha para inspeção em cintas de poliéster aricabosFicha para inspeção em cintas de poliéster aricabos
Ficha para inspeção em cintas de poliéster aricabosGustavo Cassiolato
 
Análise ergonômica do trabalho AET
Análise ergonômica do trabalho   AETAnálise ergonômica do trabalho   AET
Análise ergonômica do trabalho AETLuis Araujo
 
TRT-RS - Prova comentada de Técnico
TRT-RS - Prova comentada de TécnicoTRT-RS - Prova comentada de Técnico
TRT-RS - Prova comentada de TécnicoProf. Antonio Daud Jr
 

Mais procurados (20)

TRT BA - questões comentadas de Direito do Trabalho
TRT BA - questões comentadas de Direito do TrabalhoTRT BA - questões comentadas de Direito do Trabalho
TRT BA - questões comentadas de Direito do Trabalho
 
Modelo de um Contrato Social
Modelo de um Contrato SocialModelo de um Contrato Social
Modelo de um Contrato Social
 
MANUAL DE SINALIZAÇÃO BR-040_Versão2_1.pdf
MANUAL DE SINALIZAÇÃO BR-040_Versão2_1.pdfMANUAL DE SINALIZAÇÃO BR-040_Versão2_1.pdf
MANUAL DE SINALIZAÇÃO BR-040_Versão2_1.pdf
 
Edital de Palestras Orientadas Janp X
Edital de Palestras Orientadas Janp XEdital de Palestras Orientadas Janp X
Edital de Palestras Orientadas Janp X
 
TST - Direito do Trabalho - cargo Taquigrafia
TST - Direito do Trabalho - cargo TaquigrafiaTST - Direito do Trabalho - cargo Taquigrafia
TST - Direito do Trabalho - cargo Taquigrafia
 
Suresi belirli kismi sureli is sozlesmesi ornegi
Suresi belirli kismi sureli is sozlesmesi ornegiSuresi belirli kismi sureli is sozlesmesi ornegi
Suresi belirli kismi sureli is sozlesmesi ornegi
 
╝÷┴ñ Apt calandra
╝÷┴ñ Apt calandra ╝÷┴ñ Apt calandra
╝÷┴ñ Apt calandra
 
Is sozlesmesi ornegi beyaz yaka
Is sozlesmesi ornegi   beyaz yakaIs sozlesmesi ornegi   beyaz yaka
Is sozlesmesi ornegi beyaz yaka
 
Ficha de epi
Ficha de epiFicha de epi
Ficha de epi
 
Modelo contrato terrenos
Modelo contrato terrenosModelo contrato terrenos
Modelo contrato terrenos
 
Lei485 EM 03 DE SETEMBRO DE 1962 DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚB...
Lei485 EM 03 DE SETEMBRO DE 1962 DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚB...Lei485 EM 03 DE SETEMBRO DE 1962 DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚB...
Lei485 EM 03 DE SETEMBRO DE 1962 DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚB...
 
PTS - módulo 1.pptx
PTS - módulo 1.pptxPTS - módulo 1.pptx
PTS - módulo 1.pptx
 
Ficha de epi
Ficha de epi Ficha de epi
Ficha de epi
 
Modelo Contrato de Aluguel
Modelo Contrato de AluguelModelo Contrato de Aluguel
Modelo Contrato de Aluguel
 
Questões Direito do trabalho - TRT RS
Questões Direito do trabalho - TRT RSQuestões Direito do trabalho - TRT RS
Questões Direito do trabalho - TRT RS
 
ORDEM DE SERVIÇO TST
ORDEM DE SERVIÇO TST ORDEM DE SERVIÇO TST
ORDEM DE SERVIÇO TST
 
Letra de Câmbio
Letra de CâmbioLetra de Câmbio
Letra de Câmbio
 
Ficha para inspeção em cintas de poliéster aricabos
Ficha para inspeção em cintas de poliéster aricabosFicha para inspeção em cintas de poliéster aricabos
Ficha para inspeção em cintas de poliéster aricabos
 
Análise ergonômica do trabalho AET
Análise ergonômica do trabalho   AETAnálise ergonômica do trabalho   AET
Análise ergonômica do trabalho AET
 
TRT-RS - Prova comentada de Técnico
TRT-RS - Prova comentada de TécnicoTRT-RS - Prova comentada de Técnico
TRT-RS - Prova comentada de Técnico
 

Semelhante a Regulamento interno de trabalho grupo quality rev04

REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV10.pdf
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV10.pdfREGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV10.pdf
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV10.pdftigrupoquality
 
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev07
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev07Regulamento interno de trabalho grupo quality rev07
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev07tigrupoquality
 
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV09 (1).pdf
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV09 (1).pdfREGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV09 (1).pdf
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV09 (1).pdftigrupoquality
 
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev05
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev05Regulamento interno de trabalho grupo quality rev05
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev05tigrupoquality
 
Direito do Trabalho.ppt aula interina um
Direito do Trabalho.ppt aula interina umDireito do Trabalho.ppt aula interina um
Direito do Trabalho.ppt aula interina umJulianoLeal13
 
Os 7 erros rotineiros cometidos no departamento pessoal
Os 7 erros rotineiros cometidos no departamento pessoalOs 7 erros rotineiros cometidos no departamento pessoal
Os 7 erros rotineiros cometidos no departamento pessoalmetacursos
 
APOSTILA_ESTUDOS_DAS_NORMAS_DE_SEGURANCA.pdf
APOSTILA_ESTUDOS_DAS_NORMAS_DE_SEGURANCA.pdfAPOSTILA_ESTUDOS_DAS_NORMAS_DE_SEGURANCA.pdf
APOSTILA_ESTUDOS_DAS_NORMAS_DE_SEGURANCA.pdflucimaraambrosio1
 
40 horas semanais - RESOLUÇÃO 1188/11
40 horas semanais - RESOLUÇÃO 1188/1140 horas semanais - RESOLUÇÃO 1188/11
40 horas semanais - RESOLUÇÃO 1188/11Cláudio Chasmil
 
Da segurança e da medicina do trabalho
Da segurança e da medicina do trabalhoDa segurança e da medicina do trabalho
Da segurança e da medicina do trabalhoDam Teixeira
 
RESOLUÇÃO SEDS Nº 1187, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre as condições ...
 RESOLUÇÃO SEDS Nº 1187, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.  Dispõe sobre as condições ... RESOLUÇÃO SEDS Nº 1187, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.  Dispõe sobre as condições ...
RESOLUÇÃO SEDS Nº 1187, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre as condições ...Cláudio Chasmil
 
Clt lei nº 6.514 de 22 dez 1977
Clt   lei nº 6.514 de 22 dez 1977Clt   lei nº 6.514 de 22 dez 1977
Clt lei nº 6.514 de 22 dez 1977Josué Santos
 
Aula UC 8 ADM 19 SALÁRIO.pptx
Aula UC 8 ADM 19 SALÁRIO.pptxAula UC 8 ADM 19 SALÁRIO.pptx
Aula UC 8 ADM 19 SALÁRIO.pptxTaniaSantos764494
 
PORTARIA DIRBEN_INSS Nº 999, DE 28 DE MARÇO DE 2022 - PORTARIA DIRBEN_INSS Nº...
PORTARIA DIRBEN_INSS Nº 999, DE 28 DE MARÇO DE 2022 - PORTARIA DIRBEN_INSS Nº...PORTARIA DIRBEN_INSS Nº 999, DE 28 DE MARÇO DE 2022 - PORTARIA DIRBEN_INSS Nº...
PORTARIA DIRBEN_INSS Nº 999, DE 28 DE MARÇO DE 2022 - PORTARIA DIRBEN_INSS Nº...MadahRolim
 
Lei contra o Assédio Moral no Serviço Público
Lei contra o Assédio Moral no Serviço PúblicoLei contra o Assédio Moral no Serviço Público
Lei contra o Assédio Moral no Serviço PúblicoIEE Wilcam
 
Estatuto dos Funcionários Públicos e do Magistério do Município de Ribeirão P...
Estatuto dos Funcionários Públicos e do Magistério do Município de Ribeirão P...Estatuto dos Funcionários Públicos e do Magistério do Município de Ribeirão P...
Estatuto dos Funcionários Públicos e do Magistério do Município de Ribeirão P...Luís Carlos Nunes
 

Semelhante a Regulamento interno de trabalho grupo quality rev04 (20)

REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV10.pdf
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV10.pdfREGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV10.pdf
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV10.pdf
 
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev07
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev07Regulamento interno de trabalho grupo quality rev07
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev07
 
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV09 (1).pdf
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV09 (1).pdfREGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV09 (1).pdf
REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO-GRUPO QUALITY_REV09 (1).pdf
 
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev05
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev05Regulamento interno de trabalho grupo quality rev05
Regulamento interno de trabalho grupo quality rev05
 
Direito do Trabalho.ppt aula interina um
Direito do Trabalho.ppt aula interina umDireito do Trabalho.ppt aula interina um
Direito do Trabalho.ppt aula interina um
 
LEI Nº 6514.docx
LEI Nº 6514.docxLEI Nº 6514.docx
LEI Nº 6514.docx
 
Os 7 erros rotineiros cometidos no departamento pessoal
Os 7 erros rotineiros cometidos no departamento pessoalOs 7 erros rotineiros cometidos no departamento pessoal
Os 7 erros rotineiros cometidos no departamento pessoal
 
APOSTILA_ESTUDOS_DAS_NORMAS_DE_SEGURANCA.pdf
APOSTILA_ESTUDOS_DAS_NORMAS_DE_SEGURANCA.pdfAPOSTILA_ESTUDOS_DAS_NORMAS_DE_SEGURANCA.pdf
APOSTILA_ESTUDOS_DAS_NORMAS_DE_SEGURANCA.pdf
 
Lei 6.514
Lei 6.514Lei 6.514
Lei 6.514
 
40 horas semanais - RESOLUÇÃO 1188/11
40 horas semanais - RESOLUÇÃO 1188/1140 horas semanais - RESOLUÇÃO 1188/11
40 horas semanais - RESOLUÇÃO 1188/11
 
1148ist riotinto
1148ist riotinto1148ist riotinto
1148ist riotinto
 
Da segurança e da medicina do trabalho
Da segurança e da medicina do trabalhoDa segurança e da medicina do trabalho
Da segurança e da medicina do trabalho
 
RESOLUÇÃO SEDS Nº 1187, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre as condições ...
 RESOLUÇÃO SEDS Nº 1187, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.  Dispõe sobre as condições ... RESOLUÇÃO SEDS Nº 1187, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.  Dispõe sobre as condições ...
RESOLUÇÃO SEDS Nº 1187, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre as condições ...
 
Clt lei nº 6.514 de 22 dez 1977
Clt   lei nº 6.514 de 22 dez 1977Clt   lei nº 6.514 de 22 dez 1977
Clt lei nº 6.514 de 22 dez 1977
 
INFORMA 51
INFORMA 51INFORMA 51
INFORMA 51
 
Aula UC 8 ADM 19 SALÁRIO.pptx
Aula UC 8 ADM 19 SALÁRIO.pptxAula UC 8 ADM 19 SALÁRIO.pptx
Aula UC 8 ADM 19 SALÁRIO.pptx
 
PORTARIA DIRBEN_INSS Nº 999, DE 28 DE MARÇO DE 2022 - PORTARIA DIRBEN_INSS Nº...
PORTARIA DIRBEN_INSS Nº 999, DE 28 DE MARÇO DE 2022 - PORTARIA DIRBEN_INSS Nº...PORTARIA DIRBEN_INSS Nº 999, DE 28 DE MARÇO DE 2022 - PORTARIA DIRBEN_INSS Nº...
PORTARIA DIRBEN_INSS Nº 999, DE 28 DE MARÇO DE 2022 - PORTARIA DIRBEN_INSS Nº...
 
Lei contra o Assédio Moral no Serviço Público
Lei contra o Assédio Moral no Serviço PúblicoLei contra o Assédio Moral no Serviço Público
Lei contra o Assédio Moral no Serviço Público
 
Aula 23.08
Aula 23.08Aula 23.08
Aula 23.08
 
Estatuto dos Funcionários Públicos e do Magistério do Município de Ribeirão P...
Estatuto dos Funcionários Públicos e do Magistério do Município de Ribeirão P...Estatuto dos Funcionários Públicos e do Magistério do Município de Ribeirão P...
Estatuto dos Funcionários Públicos e do Magistério do Município de Ribeirão P...
 

Regulamento interno de trabalho grupo quality rev04

  • 1. REGULAMENTO 1 / 1 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 CAPITULO 1 Da Integração no Contrato Individual de Trabalho. Art. 1º – O presente Regulamento faz parte integrante do contrato individual de trabalho. As normas e preceitos nele contidos aplicam-se a todos os empregados, complementando os princípios gerais de direitos e deveres contidos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Parágrafo único – sua obrigatoriedade estende-se ao tempo de duração do contrato de trabalho, não podendo, o empregado que assinar o seu termo de ciência, alegar seu desconhecimento. CAPÍTULO 2 Da Admissão. Art. 2º – A admissão de empregado está condicionada aos termos do processo de seleção e recrutamento, dependendo ainda da avaliação médica e apresentação dos documentos exigidos, no prazo fixado pelo empregador. CAPÍTULO 3 Dos Deveres, Obrigações e Responsabilidades do Empregado. Art. 3º – Todo empregado deve: a) cumprir os compromissos assumidos no contrato de trabalho, com zelo, atenção e competência; b) obedecer às ordens e instruções emanadas de seus superiores hierárquicos; c) sugerir medidas para maior eficiência do serviço; d) agir com disciplina no local de trabalho; e) zelar pela ordem e asseio no local de trabalho; f) zelar pela boa conservação das instalações, equipamentos e máquinas, comunicando as anormalidades notadas; g) manter na vida privada e profissional conduta compatível com a dignidade do cargo ocupado e com a reputação da empresa; h) usar os equipamentos de segurança do trabalho, bem como os que forem determinados em virtude da legislação que regulamente sua atividade;
  • 2. REGULAMENTO 2 / 2 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 i) usar os meios de identificação pessoal estabelecidos; j) manter um espírito colaborativo com a empresa e com seus colegas; k) informar à área administrativa sobre qualquer modificação em seus dados pessoais, tais como estado civil, militar, aumento ou redução de pessoas na família, eventual mudança de residência, telefone, etc.; l) permitir, sempre que solicitado, a verificação de pacotes, maletas, sacolas, bolsas, mochila ou outros; m) respeitar a honra, boa fama e integridade física de todas as pessoas com quem mantiver contato por motivo de emprego; n) responder por prejuízos causados à empresa quer por dolo ou culpa (negligência, imperícia ou imprudência), caracterizando-se a responsabilidade por: - sonegação de valores e objetos confiados; - danos e avarias em materiais sob sua guarda ou sujeitos à sua fiscalização; - erro doloso de cálculo contra a empresa. o) usar o Rio Card somente para: residência-trabalho e vice e versa. O uso do cartão para fins pessoais é passível de advertência; p) os empregados contratados ou que venham a exercer cargos que exijam formação técnica (conforme Manual de Descrição de Cargos), no ato da contratação ou em futura mudança de cargo, deverão possuir cadastro no Conselho de Classe relacionado à sua formação e arcar com as despesas e custas referentes à regularização do mesmo, sendo esta uma das exigências do Órgão Ambiental Competente, conforme Item 6.4.1 do NOP-INEA-03, documento Operacional Padrão do INEA, que estabelece as responsabilidades, os procedimentos e os critérios técnicos para o credenciamento de laboratórios: “As amostragens e os ensaios devem ser executados por técnicos legais e profissionalmente habilitados, constando o número do registro do Conselho de Classe ao qual pertencem e cujos nomes constem do CADASTRO DE LABORATÓRIO. § 1º – A responsabilidade administrativa não exime o empregado da responsabilidade civil ou criminal cabível. § 2º – As indenizações e reposições por prejuízos causados são descontados dos salários. § 3º – Os empregados que conduzem os veículos da empresa em sua atividade diária deverão vistoriá-los previamente de modo a ter certeza das condições dos mesmos. As normas para utilização destes meios encontram-se no “TERMO DE RESPONSABILIDADE PARA UTILIZAÇÃO DE VEÍCULO DA EMPRESA”, sendo que a má utilização ou não cumprimento dessas normas são passivos de advertências, suspensões e até dispensa do empregado. § 4º – No que abrange a “vistoria prévia” que trata o caput deste artigo, deverão, propriamente, ser vistoriados/verificados os seguintes aspectos:
  • 3. REGULAMENTO 3 / 3 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 I. Verificar e Completar, quando necessário: - Água de refrigeração; - Óleo lubrificante do motor; - Combustível; - Pressão dos pneus, inclusive o estepe. II. Verificar e Corrigir, quando necessário: - Funcionamento dos comandos do veículo; - Funcionamento das luzes internas e externas; - Funcionamento dos limpadores de pára-brisa; - Estado dos pneus. - Itens de segurança. CAPÍTULO 4 Do Horário de Trabalho. Art. 4º – O horário de trabalho estabelecido deve ser cumprido rigorosamente por todos os empregados, podendo, entretanto, ser alterado conforme necessidade de serviço. § 1º – O horário básico da empresa é de 44 horas semanais (de acordo com a CLT). § 2º – Durante a jornada diária haverá intervalo de 1 (uma) hora para almoço, respeitando o horário entre 12h00 e 14h00, salvo exceções autorizadas pela gerência administrativa, desde que não sejam rotineiras. Art. 5º – Os empregados deverão estar nos respectivos lugares à hora inicial do trabalho, não sendo permitidos atrasos, exceto se as justificativas apresentadas estiverem em consonância com as normas internas da empresa. § 1º - A marcação do ponto deverá ser feita quando o empregado estiver apto para o inicio do trabalho (uniformizado e com seus pertences guardados no armário). Ao final do expediente, a marcação deverá ser antes da troca de roupas e de recolhimento de seus pertences. § 2º - Não é obrigatória a troca de roupa ou uniforme na empresa, ficando à escolha do empregado utilizá-lo no percurso casa-trabalho ou não. Art. 6º – Os trabalhos extraordinários deverão ser previamente comunicados e autorizados por escrito pela chefia, sendo pagos de acordo com o estabelecido por lei, ou as horas extras compensadas, conforme firmado no Acordo Coletivo de Trabalho.
  • 4. REGULAMENTO 4 / 4 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 § 1º – Qualquer ação, mutirão, instrução, treinamento, pesquisa, estudo, conversa, chat on line, e-mail ou estudo praticado fora do horário de expediente, não tendo sido instruído por escrito pela Diretoria, será considerado como ação espontânea do empregado, não caracterizando qualquer tipo de vínculo para cálculos de horas extras ou para futura reivindicação de tal. CAPÍTULO 5 Do Cartão ou Livro de Ponto. Art. 7º – A entrada e saída observam o horário designado. Art. 8º – Cabe ao próprio empregado marcar o cartão ou livro de ponto, no início e término da jornada, bem assim os intervalos para refeição e repouso. § 1º – É expressamente proibido marcar cartão de outrem. § 2º – Os eventuais enganos na marcação de ponto são comunicados imediatamente à gerência administrativa da empresa. Art. 9º – Todos os empregados, obrigatoriamente, marcam o cartão ou assinam o livro de ponto, conforme o caso, excetuados os gerentes. CAPÍTULO 6 Das Ausências e Atrasos. Art. 10º – O empregado que se atrasar ao serviço, sair antes do término da jornada ou faltar por qualquer motivo, justifica o fato à gerência administrativa verbalmente, ou por escrito quando solicitado. § 1º – Cabe à empresa descontar os períodos relativos a atrasos, saídas mais cedo, faltas ao serviço e o consequente repouso semanal, excetuadas as faltas e ausências legais. § 2º – As faltas ilegais, não justificadas perante a gerência administrativa, acarretam a aplicação das penalidades previstas no Capítulo 17. § 3º – Será tolerado pela empresa um atraso de até 15 (quinze) minutos cumulativos, divididos em no máximo 03 (três) ocorrências. Quando o empregado exceder esse limite, poderá perder o dia de trabalho e ser descontado de seu salário. Art. 11º – O empregado que necessitar ausentar-se por motivo de doença, deverá obter autorização de saída da gerência administrativa, e apresentar quando do retorno o Atestado Médico, justificando sua ausência.
  • 5. REGULAMENTO 5 / 5 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 § 1º – Cabe neste caso ressaltar que, para o comparecimento a uma consulta médica, deverá ter autorização prévia da gerência administrativa e, quando do seu retorno, deverá apresentar um Atestado de consulta médica e/ou odontológica. § 2º – O empregado que necessitar acompanhar o(s) filho(s) menor(es) de idade, deverá também ter autorização prévia a sua saída e, quando do seu retorno, deverá apresentar um Atestado Médico de acompanhante. § 3º – Serão aceitos Atestados Médicos da rede particular, porém estarão sujeitos à avaliação da gerência administrativa, em casos de abusos ou dúvida de sua legitimidade. Art. 12º – O empregado se obriga a avisar à empresa, ou mandar avisar, através de contato telefônico, uma vez que a empresa aceita ligações a cobrar, de forma a ficarem devidamente consignados os dias em que, por doença ou por motivo de força maior, não puder comparecer ao serviço, no dia anterior à sua falta, se esta for previsível e, quando não for, no início do dia em que ela se verificar. No caso de doença, para que a falta se comprove legalmente, o empregado deverá apresentar no dia posterior a sua falta, o Atestado Médico, informando o(s) dias de afastamento que por ventura será(ão) necessário(s) para o retorno ao trabalho. § 1º – Entende-se por força maior o fato independente da vontade da pessoa, que não pode ser previsto nem impedido por ela, colocando-a na impossibilidade absoluta de cumprir suas obrigações. Neste caso, caberá à gerência avaliar o abono desse(s) dia(s). CAPÍTULO 7 Do Pagamento. Art. 13º – A empresa paga os salários no último dia útil de cada mês, ou até o quinto dia útil do mês subsequente, conforme sua disponibilidade. Art. 14º – O salário é depositado em conta corrente ou conta salário de um dos bancos onde a empresa possui movimentação. Art. 15º – Eventuais erros ou diferenças são comunicados à área administrativa, no primeiro dia útil após o correspondente pagamento. Art. 16º – Os adiantamentos de salários não são permitidos. Art. 17º – Os saques de rendimento e abono dos empregados cadastrados no PIS são efetuados conforme estipulado pelo Governo. Art. 18º - O contracheque será encaminhado mensalmente para o e-mail fornecido pelo empregado no ato da admissão, ficando sob sua responsabilidade manter a conta ativa e informar qualquer mudança.
  • 6. REGULAMENTO 6 / 6 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 § 1º – Em eventual impossibilidade de acesso ao contracheque, o empregado deverá comunicar imediatamente por escrito ao RH. CAPÍTULO 8 Das Férias. Art. 19º – Cabe à empresa fixar anualmente o período que seus empregados poderão gozar suas férias, ressalvadas as exceções previstas em lei. CAPÍTULO 9 Das Licenças. Art. 20º – A empresa concede ao empregado licença de 5 dias corridos e consecutivos, por motivo de: - casamento; - falecimento de conjugue, ascendente, descendente ou dependente declarado na CTPS; e - nascimento de filho. § 1º – O empregado deverá comunicar, por escrito à gerência administrativa da empresa, seu casamento, com antecedência mínima de 8 dias. § 2º – Em caso de morte e nascimento de filho, salvo absoluta impossibilidade, o empregado comunica o evento à gerência da empresa no respectivo dia. § 3º – Em qualquer caso, exige-se comprovação mediante prova documental. CAPÍTULO 10 Das Transferências. Art. 21º – Os empregados que exerçam cargos de confiança e aqueles cujos contratos de trabalho contenham cláusulas de transferência implícita ou explícita, podem ser transferidos para qualquer localidade do Estado. Art. 22º – As despesas de transferência, por iniciativas da empresa, ficam por sua conta. Art. 23º – As despesas decorrentes de transferência a pedido do empregado correrão por sua própria conta. CAPITULO 11
  • 7. REGULAMENTO 7 / 7 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 Dos Benefícios. Art. 24º – A empresa oferece as seguintes vantagens, conforme firmadas em Acordo Coletivo de Trabalho: a) seguro de vida em grupo; b) cesta básica; c) vale refeição; d) auxílio transporte; e) auxílio funeral; f) insalubridade (de acordo com a Lei). g) periculosidade (de acordo com a Lei). CAPÍTULO 12 Das Proibições. Art. 25º – É expressamente proibido: a) ingressar ou permanecer em setores estranhos aos serviços, salvo por ordem expressa; b) ocupar-se de qualquer atividade que possa prejudicar os interesses de serviço, bem como a utilização para uso particular, sem autorização superior, de máquinas, computadores, telefones, etc. disponíveis no ambiente de trabalho. c) promover algazarra, brincadeiras e discussões durante a jornada de trabalho; d) usar palavras ou gestos impróprios à moralidade e respeito, nas dependências da empresa, seja verbalmente ou por escrito; e) fumar nas instalações da empresa; f) retirar do local de trabalho, sem prévia autorização, qualquer equipamento, objeto ou documento; g) fazer parte de empresa ou iniciativas que concorram com quaisquer atividades da empresa empregadora, sem prévia autorização da gerência administrativa; h) propagar ou incitar a insubordinação ao trabalho; i) usar cartão de visita profissional não autorizado pela empresa;
  • 8. REGULAMENTO 8 / 8 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 j) utilizar equipamentos eletrônicos de entretenimento durante o expediente, como jogos, TV´s, uso de fones de ouvido para ouvir músicas em rádio, MP3, MP4, etc.; k) fazer serviço para si ou para terceiros utilizando tempo, máquinas, ferramentas ou materiais da empresa, sem a devida autorização da gerência administrativa; l) introduzir pessoas estranhas ao serviço, em qualquer dependência da empresa, sem prévia autorização; m) divulgar, por qualquer meio, assunto ou fato de natureza privada da empresa; n) promover vendas ou permutas durante o expediente, salvo em horário de almoço; o) utilizar aparelhos celulares, smartphones, tablets ou qualquer outro aparelho eletrônico pessoal. Estes deverão permanecer guardados nos respectivos armários pessoais durante todo o expediente. Caso necessário, faz-se uso dos telefones disponíveis na empresa; p) realizar lanches durante o expediente e/ou consumir qualquer tipo de snack e frutas na mesa de trabalho (biscoitos, torradas, doces, salgados, balas e etc.); q) manter guardado em geladeiras, armários ou gavetas, de um dia para o outro, qualquer tipo de alimento, perecível ou não, assim como manter durante o expediente qualquer alimento em embalagens abertas e/ou sem embalagens adequadas; r) usar os seguintes EPI’S fora do setor de trabalho (conforme o PPRA e o PCMSO): guarda pó, óculos de segurança, luvas de proteção, avental de segurança, touca, mascara e pantufa de proteção. CAPÍTULO 13 Do Relacionamento Interpessoal. Art. 26º – Todos os empregados, sem distinção, devem colaborar, de forma eficaz à realização dos fins da empresa. Art. 27º – Harmonia, cordialidade, respeito e espírito de compreensão devem predominar nos contatos estabelecidos independentemente de posição hierárquica. Art. 28º – O sentido de equipe deve predominar na execução de tarefas à realização dos objetivos da empresa, independentemente do setor a que pertença. CAPÍTULO 14 Da Segurança e Medicina do Trabalho. Art. 29º – Cabe ao empregador cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho. (Art.157, inciso I da CLT)
  • 9. REGULAMENTO 9 / 9 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 Art. 30º – Cabe aos empregados observar as Normas de segurança e medicina do trabalho e colaborar com a empresa na aplicação dos dispositivos deste Capítulo. Parágrafo único – Constitui ato faltoso do empregado a recusa injustificada ao atendimento destas exigências. Art. 31º – É vedado o uso de adornos de qualquer natureza em partes do corpo que entrem em contato direto ou acidental com material analítico, bem como superfícies tocadas, utensílios, e equipamentos de coleta, bem como o uso de gravatas soltas e crachás presos por cordão nos postos de trabalho. a) são considerados adornos: pulseiras, relógios de uso pessoal, anéis, alianças, brincos, piercing, colar, cordões; b) são consideradas como partes expostas do corpo: mãos, antebraços, pescoço e cabeça; c) os postos de trabalho compreendem: postos de coleta e área de produção do laboratório, e locais de guarda de resíduos, além de setores destinados à manutenção predial; d) o uso de óculos de correção é permitido desde que periodicamente higienizados e monitorados. Art. 32º – É vedado o consumo de quaisquer alimentos e bebidas em qualquer posto de trabalho no estabelecimento. Excetuam-se: a área administrativa (para o consumo de lanche rápido – café, biscoito ou torradas) e áreas destinadas a este fim: refeitório e cantina. Art. 33º – É vedado o uso de qualquer calçado aberto, inclusive os fechados que exponha o dorso do pé e/ou as pontas dos pododáctilos em qualquer posto de trabalho do estabelecimento, inclusive na área administrativa e recepção. Art. 34º – É vedada a saída do profissional da área crítica portando equipamentos de proteção, aparelhos de utilização de procedimento, da área física do estabelecimento. Aplica-se, inclusive, para ida ao refeitório, mesmo que este esteja dentro do estabelecimento. Já as vestimentas utilizadas nas atividades laborais deverão ser retiradas e guardadas em armário ou cabide próprio ao se retirar do estabelecimento. Art. 35º – A vacinação de todos os profissionais técnicos é obrigatória pelo menos para Hepatite B, Difteria e Tétano, em esquema estabelecido pelo Ministério da Saúde, Constituindo falta grave a recusa a este procedimento sanitário. CAPÍTULO 15 Do Uso dos Recursos de Informática. Art. 36º – A empresa fornecerá condições de acesso à Internet e de e-mail (quando e se julgar necessário), visando ao desenvolvimento de suas atribuições na empresa, sendo, portanto, de uso exclusivo para este fim.
  • 10. REGULAMENTO 10 / 10 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 § 1º – As normas para utilização destes meios encontram-se na “POLÍTICA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO”. § 2º – O uso indevido destas ferramentas, acessos a sites indevidos e recebimento ou envio de e-mail´s pornográficos, ilegais ou pessoais, poderá acarretar em advertências, suspensões e até mesmo dispensa do empregado. CAPÍTULO 16 Do Uso de Câmeras de Filmagem e Fotografia. Art. 37º – A empresa fará uso de câmeras de segurança instaladas em suas dependências, ficando resguardada a dignidade humana dos usuários, sendo vedada a instalação de câmeras de filmagem nos banheiros e lavabos. Art. 38º – A filmagem descrita neste Regulamento tem por objetivo verificar o respeito dos usuários às regras estabelecidas no presente instrumento, bem como assegurar segurança física aos mesmos, não constituindo qualquer violação à intimidade, vida privada, honra ou imagem da pessoa filmada, com o que os usuários declaram, expressamente, neste ato, concordar. Art. 39º – As imagens captadas dentro das dependências da empresa serão arquivadas pelo prazo de 06 (seis) meses e mantidas em caráter estritamente confidencial, somente podendo ser divulgadas em caso de infração às regras constantes do presente Regulamento e/ou infração de legislação vigente. Art. 40º – A empresa fica autorizada a utilizar imagens do funcionário e a executar a edição e montagem das fotos e filmagens, conduzindo as reproduções que entender necessárias, bem como a produzir os respectivos materiais de comunicação, respeitando sempre os fins estipulados no “TERMO DE AUTORIZAÇÃO DE USO DE IMAGEM”. CAPÍTULO 17 Do Uso de Gravadores Telefônicos. Art. 41º – A empresa fará uso de escutas/gravadores telefônicos instalados em suas linhas telefônicas, ficando resguardada a intimidade, a honra e a dignidade dos usuários. Art. 42º – As gravações descritas neste Regulamento tem por objetivo de monitorar e fiscalizar a qualidade do atendimento telefônico, comprovar acordos verbais, resguardar a empresa sobre informações não verídicas e garantia da segurança dos empregados e da própria empresa, com o que os usuários declaram, expressamente, neste ato, concordar. CAPITULO 18 Do Uso de Rastreadores de Veículos.
  • 11. REGULAMENTO 11 / 11 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 Art. 43º – A empresa fará uso de equipamentos de rastreamento e monitoramento de veículos. Art. 44º – O empregado será informado dos procedimentos necessários em caso de sinistro ou pânico, bem como de senha para acesso à Central de Monitoramento. Art. 45º – Os dados captados pelo sistema de monitoramento, poderão ser utilizados pela empresa a qualquer momento ou em caso de infração às regras constantes do presente Regulamento e/ou infração de legislação vigente. CAPÍTULO 19 Das Penalidades. Art. 46º – Aos empregados transgressores das normas deste Regulamento, aplicam-se as penalidades seguintes: - advertência verbal; - advertência escrita; - suspensão; e - demissão. Art. 47º – As penalidades são aplicadas segundo a gravidade da transgressão, pela gerência da empresa. Art. 48º – Os respectivos supervisores elaboram relatório escrito e circunstanciado aos casos de demissão por justa causa. CAPÍTULO 20 Das Disposições Gerais. Art. 49º – Ao empregado é garantido o direito de formular sugestões ou reclamação acerca de qualquer assunto pertinente ao serviço e às atividades da empresa. Art. 50º – Os empregados devem observar o presente Regulamento, circulares, ordem de serviço, avisos, comunicados e outras instruções expedidas pela direção da empresa. Art. 51º – Cada empregado recebe um exemplar do presente Regulamento. Declara, por escrito, tê-lo recebido, lido e estar de acordo com todo seu conteúdo e condições. Art. 52º – Os casos omissos ou não previstos são resolvidos pela gerência administrativa, à luz da CLT e legislação complementar pertinente.
  • 12. REGULAMENTO 12 / 12 REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO Data: 09/10/2017 Revisão: 04 Art. 53º – O presente Regulamento pode ser substituído por outro, sempre que a empresa julgar conveniente, em consequência de alteração na legislação social. Fazem parte deste Regulamento, o Código de Ética, a Política da Segurança da Informação e o Termo de Autorização de Uso de Imagem. O(A) empregado(a) DECLARA QUE LEU E COMPREENDEU TODAS AS NORMAS estabelecidas acima pelo GRUPO QUALITY. Motivo da revisão: Inclusão do § 2º no Art.5º do Capítulo 4; Alteração do item q no Art.25º do Capítulo 12. Elaborado por: Ana Cláudia das Neves Aprovado por: Claudio Moises Ferreira Gomes