SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Uma observação desconcertante... Os departamentos de responsabilidade social das empresas estão tentando juntar ações setoriais que não têm muita relação entre si, como se combinando 800 miligramas de operação econômica, com 150 miligramas de preocupação ambiental e 50 miligramas de ação social, pudéssemos desencadear algum tipo de reação química capaz de catalisar um processo sustentável.
Por que? Porque, infelizmente, ao que tudo indica, fórmulas como essa não poderão produzir 1 grama de sustentabilidade...
Os desafios da sustentabilidade Vamos ver aqui os principais desafios colocados para as empresas que quiserem se manter na busca da sustentabilidade neste início do século 21 a partir de uma única constatação básica: a de que  tudo que é sustentável tem o padrão de rede .
Tudo que é sustentável... ... Tem o padrão de rede! Todas as evidências disponíveis corroboram essa afirmativa. Ecossistemas, organismos vivos e partes de organismos são os melhores exemplos de entidades sustentáveis.
E... Todos esses tipos de sistema têm o padrão de organização de rede: estruturam-se e funcionam como redes.  Essa constatação nos leva a duas conclusões...
Primeira conclusão Abandonar agora nossas velhas maneiras de tratar a questão, desvencilhando-nos daquelas idéias e tentativas de formular teorias sobre a sustentabilidade que não tenham como foco a organização, a estrutura e a dinâmica de rede.
O que não devemos fazer? 10 idéias (ou crenças) e práticas (ou comportamentos) sobre sustentabilidade empresarial que devemos abandonar.
Primeira idéia para jogar no lixo Reduzir a sustentabilidade à sua dimensão ambiental. Sustentabilidade não é propriedade do ambientalismo
Segunda idéia para jogar no lixo Dirigir todas as nossas preocupações com a sustentabilidade para “salvar o planeta”. É mais provável que o planeta se canse de nos salvar...
Terceira idéia para jogar no lixo Avaliar que o que está em risco é apenas a vida como realidade biológica. A vida é um valor principal, mas não o único!
Quarta idéia para jogar no lixo Encarar a sustentabilidade como resultado da soma artificial de ações setoriais (econômicas, ambientais e sociais) que têm como objetivo garantir que a empresa continue dando lucro.
Tríplice Resultado Quando Elkington propôs, em 1998, o conceito de “Tríplice Resultado”, ele estava sugerindo que as empresas avaliassem o sucesso não só com base no desempenho financeiro (lucro, retorno sobre o investimento ― ROI ou valor para os acionistas), mas também sob o ponto de vista de seu impacto sobre a economia mais ampla, o meio ambiente e a sociedade em que atuam.
 
Uma definição insustentável “ Empresa sustentável é aquela que gera lucro para os acionistas, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a vida das pessoas com que mantém interações”. Andrew Savitz e Karl Weber (2006)
Uma definição sustentável Empresa insustentável é aquela em que o empresário (ou os acionistas e seus representantes) age apenas visando o lucro e seus empregados trabalham apenas para receber um salário ou uma vantagem material qualquer.
Quinta idéia para jogar no lixo Tomar a sustentabilidade como uma espécie de programa (ou conjunto de idéias) que possa ser aplicado independentemente de ação política.
Sexta idéia para jogar no lixo Imaginar que a sustentabilidade pode ser obtida por meio do exercício tradicional da responsabilidade social. Responsabilidade social como  marketing  não adianta muito!
Sétima idéia para jogar no lixo Pensar que a sustentabilidade é um objetivo a ser alcançado no futuro. O modelo da empresa que “funciona bem” não serve!
Oitava idéia para jogar no lixo Definir sustentabilidade como durabilidade. Nada pode durar para sempre: sustentável é o que muda, não o que permanece como está!
Nona idéia para jogar no lixo Tentar encontrar uma fórmula ou um caminho para que a sustentabilidade seja alcançada. Não existe um caminho para sustentabilidade: ela é o caminho .
Décima idéia para jogar no lixo Acreditar que a sustentabilidade será alcançada se fizermos alguma coisa a mais sem mudar realmente nosso modo de ser. Não é um  know-how , não é um “saber-fazer”...
Segunda conclusão Se  tudo que é sustentável tem o padrão de rede,  então, temos que parar de ficar contornando o problema e ir direto ao ponto. Vamos falar a verdade: nossas empresas não estão organizadas como redes. Elas não têm um funcionamento compatível com a estrutura de rede.  Logo... elas não são sustentáveis.   Ponto.
O que devemos fazer? Não é viável desmontar os modelos de gestão hierárquicos atuais ― predominantemente baseados em comando e controle, mas que mal ou bem estão funcionando ― sem ter o que colocar no lugar.
O que devemos fazer? A mudança para uma empresa-rede não poderá ser feita abruptamente ou de uma vez. O que significa que um novo padrão (em rede) terá de surgir convivendo com o velho padrão (hierárquico) e que, portanto,  deverá haver uma transição .
A primeira coisa que devemos fazer... ... para iniciar a transição da organização- mainframe  para a organização- network : Em primeiro lugar, procurar saber o que é uma rede, como ela se organiza, estrutura-se e funciona e procurar conhecer as relações entre seu funcionamento (fenomenologia da rede) e sua estrutura (topologia).
A segunda coisa que devemos fazer... ... para iniciar a transição da organização- mainframe  para a organização- network : Em segundo lugar, procurar saber o que é uma rede social (pois as empresas são organizações sociais) e aprender a fazer  netweaving  em redes sociais, quer dizer, aprender como articular e animar essas redes.
A terceira coisa que devemos fazer... ... para iniciar a transição da organização- mainframe  para a organização- network : Em terceiro lugar, tentar, então, aplicar esses conhecimentos para iniciar a transição da empresa-pirâmide para a empresa-rede.
Netweaving Netweaving  é: articulação e animação de redes sociais! Mas o que são redes? E o que são redes sociais? Como as redes sociais se estruturam e funcionam? E como articulá-las e animá-las?
O que são redes? Redes são sistemas de nodos e conexões Existem muitos tipos de redes: Redes biológicas (a teia da vida nos ecossistemas, as redes neurais) Redes de máquinas Redes sociais
Rede Neural
Rede Urbana
Rede de uma turma de escola
Rede Social
O que são redes sociais? Seres humanos vivendo em coletividades estabelecem relações entre si. Tais relações podem ser vistas como conexões, caminhos ou dutos pelos quais trafegam mensagens. Os nodos são pessoas e as conexões são relações entre as pessoas.
Qualquer coletivo de três ou mais seres humanos pode conformar uma rede social, que nada mais é do que um conjunto de relações, conexões ou caminhos. Há rede quando são múltiplos os caminhos entre dois nodos.
 
 
Redes distribuídas Redes propriamente ditas são apenas as redes distribuídas Em geral (> 90% dos casos) denominamos indevidamente de rede estruturas descentralizadas que tentam conectar horizontalmente organizações verticais (hierárquicas)
Topologias de Rede Diagramas de Paul Baran
 
 
Colocando os   “óculos de ver rede” As conexões existem em outro espaço-tempo: no espaço-tempo dos fluxos (que não é visível para os olhos). É necessário colocar “os óculos de ver rede”...
Fluxos luminosos
Os grafos são meras representações
Fenomenologia da rede A partir de certo número de conexões em relação ao número de nodos começam a ocorrer na rede fenômenos surpreendentes. Tais fenômenos não dependem do conteúdo das mensagens que trafegam por essas conexões.
Quanto mais distribuída (ou menos centralizada) for a topologia da rede, maiores são as chances de tais fenômenos ocorrerem: C lustering   (aglomeramento) Swarming  (enxameamento) Crunch  = Redução do tamanho (social) do mundo (amassamento) Autoregulação sistêmica Produção de ordem emergente   bottom up  (a partir da cooperação)
Clustering A tendência que têm dois conhecidos comuns a um terceiro de conhecer-se entre si.  Tudo “ clusteriza ”: idéias (que “dão em cachos, como as uvas”), grupos criativos, doenças...
Aglomeramento
Clusters  centralizados e descentralizados
Swarming Distintos grupos e tendências, não coordenados explicitamente entre si, vão aumentando o alcance e a virulências de suas ações... Exemplo: 11 a 13 de março de 2004 na Espanha (papel do SMS = celular).
Insetos enxameando
Nuvem de insetos
Cupins enxameando
Crunch   Redução do tamanho (social) do mundo Small-World Networks Experimento de Milgram-Travers (1967): 5,5 graus de separação. Experimento de Duncan Watts  et all.  (2002): seis graus de separação.
Rede “amassando”
Milgram: 160 pessoas que moravam em Omaha tentaram enviar cartas  para um corretor de valores que trabalhava em Boston utilizando apenas intermediários que se conhecessem pelo nome de batismo.  Watts: 60 mil usuários de e-mail tentaram se comunicar com uma de dezoito pessoas-alvo em 13 países, encaminhando mensagens a alguém conhecido.
  Autoregulação sistêmica Capacidade de mudar o próprio programa de adaptação conservando seu padrão de organização. Exemplos: organismos, partes de organismos, ecossistemas, redes sociais com alto grau de distribuição.
Emergência Produção de ordem emergente  bottom up  (a partir da cooperação) Capital Social Jane Jacobs (1961)
A “rede-mãe” Diferença entre a rede que existe e as redes que articulamos voluntariamente As redes que articulamos são interfaces para “conversar” com a “rede-mãe” A “rede-mãe” é o ‘social’: uma rede distribuída  nisi quatenos  não está rodando programas verticalizadores...
As redes sociais  sempre existiram Não é agora que a sociedade está se constituindo como uma sociedade-rede  Toda vez que sociedades humanas não são invadidas por padrões de organização hierárquicos ou piramidais e por modos de regulação autocráticos, elas se estruturam como redes (distribuídas)
A Sociedade-Rede A convergência de fatores sociais, econômicos, culturais, políticos e tecnológicos está possibilitando a conexão em tempo-real (= sem-distância) entre o local e o global E está acelerando e potencializando os seus efeitos e tornando visível sua fenomenologia!
Redes sociais não são redes digitais Não são Bebo, hi5 e Orkut Não é Internet ( interconected network ) Não estão no mundo digital Como o nome está dizendo: estão na sociedade...
Redes sociais não são “clubes de anjos” Não são associações de pessoas cooperativas As pessoas não tem que ficar “menos competitivas” para se conectar às redes É a dinâmica da rede (distribuída) que converte competição em cooperação
Para fazer  netweaving Condição 1  - Conectar pessoas (ou redes distribuídas de pessoas) e não instituições hierárquicas. Condição 2  - Conectar pessoas entre si e não apenas com um centro articulador .
As 4 tentações... 1  – Fazer redes de instituições (em vez de pessoas) 2  – Fazer reunião para discutir e decidir o que os outros devem fazer (em vez de fazer) 3  – Tratar os outros como “massa” a ser mobilizada (em vez de amigos a serem conquistados) 4  – Monopolizar a liderança (em vez de estimular a multiliderança)
As redes não duram para sempre Redes voluntariamente articuladas são eventos limitados no espaço e no tempo Cada rede tem um tempo de vida Elas são móveis: se fazem e se refazem Somem e reaparecem, muitas vezes como outras redes
As redes não crescem indefinidamente As redes são móveis: crescem até certo ponto e depois param de crescer Depois de certo tempo, tendem a diminuir ou até a desaparecer Por que elas deveriam crescer indefinidamente?
A rede não é um instrumento A rede não é um instrumento para fazer qualquer coisa Nem mesmo para fazer a mudança social A rede já é a mudança Essa mudança não é uma transformação do que existe em uma coisa que não existe e sim a liberdade para o que o que já existe possa regular a si mesmo!
Uma rede só funciona quando existe Quando se configura segundo a morfologia de rede (distribuída) e manifesta a dinâmica de rede Nenhuma tecnologia pode construir uma rede (celular, Internet, blogs etc.) se as pessoas não constituírem uma comunidade
Uma rede começa sempre com uma rede Uma hierarquia não pode construir uma rede Se uma organização hierárquica quiser articular uma rede, deve dar autonomia a um grupo inicial estruturado segundo um padrão de rede
Animando a rede A rede é o ambiente. Seu papel é amplificar e processar em paralelo miríades de estímulos provenientes de seus nodos, transformá-los e recombiná-los em inúmeras variações, reverberando, pulsando, para estabelecer uma regulação emergente...
Animando a rede A  – Ter sempre campanhas e metas B  – Ter sempre devolução ou retorno C  – Disponibilizar amplamente todas as informações D  – Estimular sempre a conexão P2P
A rede “acontecendo” A animação é um esforço permanente mas sempre inicial E como empurrar um carro sem partida A rede só vai “acontecer” se o carro “pegar no tranco” Só se as pessoas gerarem uma nova identidade no mundo... Ou só se a rede conseguir “conversar” com a “rede-mãe”
Como aplicar tudo isso em uma empresa?  Não é muito fácil...  A empresa-pirâmide é quase monárquica, regida por modos de regulação autocráticos, próprios das estruturas verticais de poder baseadas em comando-execução, ordem, hierarquia, disciplina, obediência, vigilância e sanção.
É um salto no escuro A empresa-rede é regida por modos de regulação democráticos, mais compatíveis com a estrutura de rede distribuída. Mas não existem muitos exemplos concretos de empresa-rede...
Resistir às tentações... ... de querer usar as redes para crescer, para aumentar a produtividade ou a lucratividade.   As redes só devem ser “usadas” para a empresa se desenvolver, quer dizer, para aumentar as suas condições de sustentabilidade.
Abandonar a ilusão... ... de urdir um marketing de rede – como o chamado marketing viral – para suplantar os concorrentes comerciais. Não podemos conhecer de antemão como desencadear um processo de contaminação viral capaz de atingir um  tipping point !
Começando a conversa Afastadas as tentações de usar a rede instrumentalmente para crescer e bater a concorrência ou para descobrir uma “fórmula” milagrosa de marketing capaz de provocar uma explosão nas vendas, podemos começar a conversar seriamente.
 
Não será sustentável nenhuma empresa: enquanto unidade administrativo-produtiva isolada; exclusivamente por razões de mercado; em que seus empregados trabalhem apenas em troca de salário ou de outras recompensas materiais;
Não será sustentável nenhuma empresa: sem uma causa capaz de mobilizar seus  stakeholders; que não invista no capital social; que não promova o desenvolvimento (humano, social e sustentável); e que não tenha um padrão de rede.
Sintetizando... Como  tudo que é sustentável tem o padrão de rede , o último requisito da lista deve sintetizar os anteriores. Portanto, é na transição para a empresa-rede que tais requisitos devem ser abordados.
Um roteiro para a transição 1  - Tomar a decisão de iniciar a transição. 2  - Constituir um grupo inicial de voluntários (embrião da rede). 3  - Formular o propósito (“finalidade inicial”).
Um roteiro para a transição 4  - Dar autonomia ao embrião da rede para começar a articular e animar a rede ( netweaving ) com outros voluntários de dentro e de fora da organização atual (envolvendo a diversidade dos  stakeholders ). 5  - Executar ações concretas de promoção do desenvolvimento como exercício de responsabilidade corporativa.
Um roteiro para a transição 6  - Definir uma causa para a nova empresa (“finalidade final”). 7  - Redefinir a identidade da empresa (incluindo  branding- em-rede). 8  - Começar a ensaiar novos modelos de gestão e de governança da empresa-rede.
E depois? Se quisermos ir direto ao ponto, não há o que fazer depois. Por quê? Porque, na verdade, não sabemos, e, provavelmente, nem possamos fazer mais nada, além disso.
O objetivo é a própria rede O objetivo não é usar a rede para obter um resultado esperado ou para atingir um fim planejado (que não seja a própria rede).
O objetivo é mudar o padrão O objetivo é mudar o padrão de organização: de hierarquia (rede centralizada ou descentralizada) para rede (distribuída).
O objetivo é a sustentabilidade Não há mais nada o que fazer depois. Não há nenhum “depois”.  Por que haveria? Você acha pouco se manter no caminho da busca da sustentabilidade?
Muito obrigado Augusto de Franco  www.augustodefranco.com.br Escola-de-Redes www.escoladeredes.org.br www.redes.org. br
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Empreendimentos em rede
Empreendimentos em redeEmpreendimentos em rede
Empreendimentos em rede
augustodefranco .
 
Série FLUZZ Volume 4 NÃO-ESCOLAS
Série FLUZZ Volume 4 NÃO-ESCOLAS Série FLUZZ Volume 4 NÃO-ESCOLAS
Série FLUZZ Volume 4 NÃO-ESCOLAS
augustodefranco .
 
O futuro e a rede miemis
O futuro e a rede miemisO futuro e a rede miemis
O futuro e a rede miemis
augustodefranco .
 
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=RROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
augustodefranco .
 
Para configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaPara configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativa
augustodefranco .
 
Redes & Inovação
Redes & InovaçãoRedes & Inovação
Redes & Inovação
augustodefranco .
 
Como se tornar um netweaver
Como se tornar um netweaverComo se tornar um netweaver
Como se tornar um netweaver
augustodefranco .
 
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo MaceA Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
SCALE
 
Resista à tentação de pertencer a um grupo
Resista à tentação de pertencer a um grupoResista à tentação de pertencer a um grupo
Resista à tentação de pertencer a um grupo
augustodefranco .
 
DESOBEDEÇA
DESOBEDEÇADESOBEDEÇA
DESOBEDEÇA
augustodefranco .
 
FLUZZ SÉRIE COMPLETA
FLUZZ SÉRIE COMPLETAFLUZZ SÉRIE COMPLETA
FLUZZ SÉRIE COMPLETA
augustodefranco .
 
Fluzz pilulas 59
Fluzz pilulas 59Fluzz pilulas 59
Fluzz pilulas 59
augustodefranco .
 
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 DTexto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Erick Caniso
 
Sistemas Cooperativos Aula 02 - Fundamentos (Sistemas Colaborativos)
Sistemas Cooperativos Aula 02 - Fundamentos (Sistemas Colaborativos)Sistemas Cooperativos Aula 02 - Fundamentos (Sistemas Colaborativos)
Sistemas Cooperativos Aula 02 - Fundamentos (Sistemas Colaborativos)
Leinylson Fontinele
 
A LÓGICA DA ABUNDÂNCIA
A LÓGICA DA ABUNDÂNCIAA LÓGICA DA ABUNDÂNCIA
A LÓGICA DA ABUNDÂNCIA
augustodefranco .
 
Uma breve historia da aprendizagem em rede
Uma breve historia da aprendizagem em redeUma breve historia da aprendizagem em rede
Uma breve historia da aprendizagem em rede
augustodefranco .
 
Fluzz Book + e-Book
Fluzz Book + e-BookFluzz Book + e-Book
Fluzz Book + e-Book
augustodefranco .
 
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
CICI2011
 
Mini curso cirs 2010
Mini curso cirs 2010Mini curso cirs 2010
Mini curso cirs 2010
guest8ce686
 

Mais procurados (19)

Empreendimentos em rede
Empreendimentos em redeEmpreendimentos em rede
Empreendimentos em rede
 
Série FLUZZ Volume 4 NÃO-ESCOLAS
Série FLUZZ Volume 4 NÃO-ESCOLAS Série FLUZZ Volume 4 NÃO-ESCOLAS
Série FLUZZ Volume 4 NÃO-ESCOLAS
 
O futuro e a rede miemis
O futuro e a rede miemisO futuro e a rede miemis
O futuro e a rede miemis
 
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=RROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
 
Para configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaPara configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativa
 
Redes & Inovação
Redes & InovaçãoRedes & Inovação
Redes & Inovação
 
Como se tornar um netweaver
Como se tornar um netweaverComo se tornar um netweaver
Como se tornar um netweaver
 
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo MaceA Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
 
Resista à tentação de pertencer a um grupo
Resista à tentação de pertencer a um grupoResista à tentação de pertencer a um grupo
Resista à tentação de pertencer a um grupo
 
DESOBEDEÇA
DESOBEDEÇADESOBEDEÇA
DESOBEDEÇA
 
FLUZZ SÉRIE COMPLETA
FLUZZ SÉRIE COMPLETAFLUZZ SÉRIE COMPLETA
FLUZZ SÉRIE COMPLETA
 
Fluzz pilulas 59
Fluzz pilulas 59Fluzz pilulas 59
Fluzz pilulas 59
 
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 DTexto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
 
Sistemas Cooperativos Aula 02 - Fundamentos (Sistemas Colaborativos)
Sistemas Cooperativos Aula 02 - Fundamentos (Sistemas Colaborativos)Sistemas Cooperativos Aula 02 - Fundamentos (Sistemas Colaborativos)
Sistemas Cooperativos Aula 02 - Fundamentos (Sistemas Colaborativos)
 
A LÓGICA DA ABUNDÂNCIA
A LÓGICA DA ABUNDÂNCIAA LÓGICA DA ABUNDÂNCIA
A LÓGICA DA ABUNDÂNCIA
 
Uma breve historia da aprendizagem em rede
Uma breve historia da aprendizagem em redeUma breve historia da aprendizagem em rede
Uma breve historia da aprendizagem em rede
 
Fluzz Book + e-Book
Fluzz Book + e-BookFluzz Book + e-Book
Fluzz Book + e-Book
 
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
 
Mini curso cirs 2010
Mini curso cirs 2010Mini curso cirs 2010
Mini curso cirs 2010
 

Destaque

Sustentabilidade dimensão e evolução- agora sustentabilidade
Sustentabilidade dimensão e evolução- agora sustentabilidadeSustentabilidade dimensão e evolução- agora sustentabilidade
Sustentabilidade dimensão e evolução- agora sustentabilidade
Rafael Art
 
Noções de Sustentabilidade
Noções de SustentabilidadeNoções de Sustentabilidade
Noções de Sustentabilidade
railuz07
 
A importância das redes sociais para as campanhas eleitorais de 2014.
A importância das redes sociais para as campanhas eleitorais de 2014.A importância das redes sociais para as campanhas eleitorais de 2014.
A importância das redes sociais para as campanhas eleitorais de 2014.
Alvaro Lins
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
institutoduartelemos
 
Curso online gratuito Práticas de Sustentabilidade
Curso online gratuito Práticas de SustentabilidadeCurso online gratuito Práticas de Sustentabilidade
Curso online gratuito Práticas de Sustentabilidade
Unichristus Centro Universitário
 
Apostila de Sustentabilidade
Apostila de SustentabilidadeApostila de Sustentabilidade
Apostila de Sustentabilidade
Isabella Silva
 
POR UM MÉTODO PERSPECTIVISTA DE ANÁLISE DE REDES
POR UM MÉTODO PERSPECTIVISTA DE ANÁLISE DE REDESPOR UM MÉTODO PERSPECTIVISTA DE ANÁLISE DE REDES
POR UM MÉTODO PERSPECTIVISTA DE ANÁLISE DE REDES
fabiomalini
 
Cartilha de Sustentabilidade
Cartilha de SustentabilidadeCartilha de Sustentabilidade
Cartilha de Sustentabilidade
chubb_seguros
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
-
 
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
Paulo Roberto
 
Responsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidadeResponsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidade
ALVARO RAMOS
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
-
 
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e DefiniçõesSustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
andreresende22051997
 

Destaque (14)

Sustentabilidade dimensão e evolução- agora sustentabilidade
Sustentabilidade dimensão e evolução- agora sustentabilidadeSustentabilidade dimensão e evolução- agora sustentabilidade
Sustentabilidade dimensão e evolução- agora sustentabilidade
 
Noções de Sustentabilidade
Noções de SustentabilidadeNoções de Sustentabilidade
Noções de Sustentabilidade
 
A importância das redes sociais para as campanhas eleitorais de 2014.
A importância das redes sociais para as campanhas eleitorais de 2014.A importância das redes sociais para as campanhas eleitorais de 2014.
A importância das redes sociais para as campanhas eleitorais de 2014.
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Curso online gratuito Práticas de Sustentabilidade
Curso online gratuito Práticas de SustentabilidadeCurso online gratuito Práticas de Sustentabilidade
Curso online gratuito Práticas de Sustentabilidade
 
Apostila de Sustentabilidade
Apostila de SustentabilidadeApostila de Sustentabilidade
Apostila de Sustentabilidade
 
POR UM MÉTODO PERSPECTIVISTA DE ANÁLISE DE REDES
POR UM MÉTODO PERSPECTIVISTA DE ANÁLISE DE REDESPOR UM MÉTODO PERSPECTIVISTA DE ANÁLISE DE REDES
POR UM MÉTODO PERSPECTIVISTA DE ANÁLISE DE REDES
 
Cartilha de Sustentabilidade
Cartilha de SustentabilidadeCartilha de Sustentabilidade
Cartilha de Sustentabilidade
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
 
Responsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidadeResponsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidade
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e DefiniçõesSustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 

Semelhante a REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE

Empreendimentos em rede
Empreendimentos em redeEmpreendimentos em rede
Empreendimentos em rede
Fabio Pedrazzi
 
Fluzz pilulas 83
Fluzz pilulas 83Fluzz pilulas 83
Fluzz pilulas 83
augustodefranco .
 
A transição
A transiçãoA transição
A transição
augustodefranco .
 
8 Iniciativas
8 Iniciativas8 Iniciativas
8 Iniciativas
augustodefranco .
 
CADA UM NO SEU QUADRADO
CADA UM NO SEU QUADRADOCADA UM NO SEU QUADRADO
CADA UM NO SEU QUADRADO
augustodefranco .
 
Netweaving 17set08
Netweaving 17set08Netweaving 17set08
Netweaving 17set08
augustodefranco .
 
Fluzz pilulas 82
Fluzz pilulas 82Fluzz pilulas 82
Fluzz pilulas 82
augustodefranco .
 
BetaCodex 13 Especial - Organizar para a Complexidade
BetaCodex  13 Especial - Organizar para a ComplexidadeBetaCodex  13 Especial - Organizar para a Complexidade
BetaCodex 13 Especial - Organizar para a Complexidade
BetaCodex Brasil
 
Beta Codex - Organizar para a complexidade
Beta Codex - Organizar para a complexidadeBeta Codex - Organizar para a complexidade
Beta Codex - Organizar para a complexidade
Luigui Moterani
 
Organização como um sistema aberto
Organização como um sistema abertoOrganização como um sistema aberto
Organização como um sistema aberto
Universidade Pedagogica
 
A organização como um sistema aberto
A organização como um sistema abertoA organização como um sistema aberto
A organização como um sistema aberto
Universidade Pedagogica
 
Organizar para a Complexidade, parte I+II. Como fazer o trabalho funcionar d...
Organizar para a Complexidade, parte I+II. Como fazer o trabalho funcionar d...Organizar para a Complexidade, parte I+II. Como fazer o trabalho funcionar d...
Organizar para a Complexidade, parte I+II. Como fazer o trabalho funcionar d...
Niels Pflaeging
 
Para entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativaPara entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativa
augustodefranco .
 
A empresa na sociedade em rede
A empresa na sociedade em redeA empresa na sociedade em rede
A empresa na sociedade em rede
augustodefranco .
 
FRANCO, Augusto - Vida e Mortes das Empresas em uma Sociedade em Rede
FRANCO, Augusto - Vida e Mortes das Empresas em uma Sociedade em RedeFRANCO, Augusto - Vida e Mortes das Empresas em uma Sociedade em Rede
FRANCO, Augusto - Vida e Mortes das Empresas em uma Sociedade em Rede
Fabio Pedrazzi
 
Artigo09 alberto augusto perazzo
Artigo09   alberto augusto perazzo Artigo09   alberto augusto perazzo
Artigo09 alberto augusto perazzo
Denise Antunes
 
Redes Sociais e Aprendizagem
Redes Sociais e AprendizagemRedes Sociais e Aprendizagem
Redes Sociais e Aprendizagem
augustodefranco .
 
Administração de sistemas de informação completo
Administração de sistemas de informação   completoAdministração de sistemas de informação   completo
Administração de sistemas de informação completo
Tarciso Ferreira
 
Vida e morte das empresas na sociedade em rede
Vida e morte das empresas na sociedade em redeVida e morte das empresas na sociedade em rede
Vida e morte das empresas na sociedade em rede
augustodefranco .
 
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
augustodefranco .
 

Semelhante a REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE (20)

Empreendimentos em rede
Empreendimentos em redeEmpreendimentos em rede
Empreendimentos em rede
 
Fluzz pilulas 83
Fluzz pilulas 83Fluzz pilulas 83
Fluzz pilulas 83
 
A transição
A transiçãoA transição
A transição
 
8 Iniciativas
8 Iniciativas8 Iniciativas
8 Iniciativas
 
CADA UM NO SEU QUADRADO
CADA UM NO SEU QUADRADOCADA UM NO SEU QUADRADO
CADA UM NO SEU QUADRADO
 
Netweaving 17set08
Netweaving 17set08Netweaving 17set08
Netweaving 17set08
 
Fluzz pilulas 82
Fluzz pilulas 82Fluzz pilulas 82
Fluzz pilulas 82
 
BetaCodex 13 Especial - Organizar para a Complexidade
BetaCodex  13 Especial - Organizar para a ComplexidadeBetaCodex  13 Especial - Organizar para a Complexidade
BetaCodex 13 Especial - Organizar para a Complexidade
 
Beta Codex - Organizar para a complexidade
Beta Codex - Organizar para a complexidadeBeta Codex - Organizar para a complexidade
Beta Codex - Organizar para a complexidade
 
Organização como um sistema aberto
Organização como um sistema abertoOrganização como um sistema aberto
Organização como um sistema aberto
 
A organização como um sistema aberto
A organização como um sistema abertoA organização como um sistema aberto
A organização como um sistema aberto
 
Organizar para a Complexidade, parte I+II. Como fazer o trabalho funcionar d...
Organizar para a Complexidade, parte I+II. Como fazer o trabalho funcionar d...Organizar para a Complexidade, parte I+II. Como fazer o trabalho funcionar d...
Organizar para a Complexidade, parte I+II. Como fazer o trabalho funcionar d...
 
Para entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativaPara entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativa
 
A empresa na sociedade em rede
A empresa na sociedade em redeA empresa na sociedade em rede
A empresa na sociedade em rede
 
FRANCO, Augusto - Vida e Mortes das Empresas em uma Sociedade em Rede
FRANCO, Augusto - Vida e Mortes das Empresas em uma Sociedade em RedeFRANCO, Augusto - Vida e Mortes das Empresas em uma Sociedade em Rede
FRANCO, Augusto - Vida e Mortes das Empresas em uma Sociedade em Rede
 
Artigo09 alberto augusto perazzo
Artigo09   alberto augusto perazzo Artigo09   alberto augusto perazzo
Artigo09 alberto augusto perazzo
 
Redes Sociais e Aprendizagem
Redes Sociais e AprendizagemRedes Sociais e Aprendizagem
Redes Sociais e Aprendizagem
 
Administração de sistemas de informação completo
Administração de sistemas de informação   completoAdministração de sistemas de informação   completo
Administração de sistemas de informação completo
 
Vida e morte das empresas na sociedade em rede
Vida e morte das empresas na sociedade em redeVida e morte das empresas na sociedade em rede
Vida e morte das empresas na sociedade em rede
 
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
 

Mais de augustodefranco .

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
augustodefranco .
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
augustodefranco .
 
Hiérarchie
Hiérarchie Hiérarchie
Hiérarchie
augustodefranco .
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
augustodefranco .
 
JERARQUIA
JERARQUIAJERARQUIA
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISEAS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
augustodefranco .
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
augustodefranco .
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
augustodefranco .
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
augustodefranco .
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
augustodefranco .
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
augustodefranco .
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?
augustodefranco .
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democracia
augustodefranco .
 
100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO
augustodefranco .
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
augustodefranco .
 
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLAMULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
augustodefranco .
 
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAISDEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
augustodefranco .
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
augustodefranco .
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantes
augustodefranco .
 
TEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de FrancoTEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de Franco
augustodefranco .
 

Mais de augustodefranco . (20)

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
 
Hiérarchie
Hiérarchie Hiérarchie
Hiérarchie
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
 
JERARQUIA
JERARQUIAJERARQUIA
JERARQUIA
 
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISEAS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democracia
 
100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
 
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLAMULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
 
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAISDEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantes
 
TEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de FrancoTEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de Franco
 

REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE

  • 1.  
  • 2. Uma observação desconcertante... Os departamentos de responsabilidade social das empresas estão tentando juntar ações setoriais que não têm muita relação entre si, como se combinando 800 miligramas de operação econômica, com 150 miligramas de preocupação ambiental e 50 miligramas de ação social, pudéssemos desencadear algum tipo de reação química capaz de catalisar um processo sustentável.
  • 3. Por que? Porque, infelizmente, ao que tudo indica, fórmulas como essa não poderão produzir 1 grama de sustentabilidade...
  • 4. Os desafios da sustentabilidade Vamos ver aqui os principais desafios colocados para as empresas que quiserem se manter na busca da sustentabilidade neste início do século 21 a partir de uma única constatação básica: a de que tudo que é sustentável tem o padrão de rede .
  • 5. Tudo que é sustentável... ... Tem o padrão de rede! Todas as evidências disponíveis corroboram essa afirmativa. Ecossistemas, organismos vivos e partes de organismos são os melhores exemplos de entidades sustentáveis.
  • 6. E... Todos esses tipos de sistema têm o padrão de organização de rede: estruturam-se e funcionam como redes. Essa constatação nos leva a duas conclusões...
  • 7. Primeira conclusão Abandonar agora nossas velhas maneiras de tratar a questão, desvencilhando-nos daquelas idéias e tentativas de formular teorias sobre a sustentabilidade que não tenham como foco a organização, a estrutura e a dinâmica de rede.
  • 8. O que não devemos fazer? 10 idéias (ou crenças) e práticas (ou comportamentos) sobre sustentabilidade empresarial que devemos abandonar.
  • 9. Primeira idéia para jogar no lixo Reduzir a sustentabilidade à sua dimensão ambiental. Sustentabilidade não é propriedade do ambientalismo
  • 10. Segunda idéia para jogar no lixo Dirigir todas as nossas preocupações com a sustentabilidade para “salvar o planeta”. É mais provável que o planeta se canse de nos salvar...
  • 11. Terceira idéia para jogar no lixo Avaliar que o que está em risco é apenas a vida como realidade biológica. A vida é um valor principal, mas não o único!
  • 12. Quarta idéia para jogar no lixo Encarar a sustentabilidade como resultado da soma artificial de ações setoriais (econômicas, ambientais e sociais) que têm como objetivo garantir que a empresa continue dando lucro.
  • 13. Tríplice Resultado Quando Elkington propôs, em 1998, o conceito de “Tríplice Resultado”, ele estava sugerindo que as empresas avaliassem o sucesso não só com base no desempenho financeiro (lucro, retorno sobre o investimento ― ROI ou valor para os acionistas), mas também sob o ponto de vista de seu impacto sobre a economia mais ampla, o meio ambiente e a sociedade em que atuam.
  • 14.  
  • 15. Uma definição insustentável “ Empresa sustentável é aquela que gera lucro para os acionistas, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a vida das pessoas com que mantém interações”. Andrew Savitz e Karl Weber (2006)
  • 16. Uma definição sustentável Empresa insustentável é aquela em que o empresário (ou os acionistas e seus representantes) age apenas visando o lucro e seus empregados trabalham apenas para receber um salário ou uma vantagem material qualquer.
  • 17. Quinta idéia para jogar no lixo Tomar a sustentabilidade como uma espécie de programa (ou conjunto de idéias) que possa ser aplicado independentemente de ação política.
  • 18. Sexta idéia para jogar no lixo Imaginar que a sustentabilidade pode ser obtida por meio do exercício tradicional da responsabilidade social. Responsabilidade social como marketing não adianta muito!
  • 19. Sétima idéia para jogar no lixo Pensar que a sustentabilidade é um objetivo a ser alcançado no futuro. O modelo da empresa que “funciona bem” não serve!
  • 20. Oitava idéia para jogar no lixo Definir sustentabilidade como durabilidade. Nada pode durar para sempre: sustentável é o que muda, não o que permanece como está!
  • 21. Nona idéia para jogar no lixo Tentar encontrar uma fórmula ou um caminho para que a sustentabilidade seja alcançada. Não existe um caminho para sustentabilidade: ela é o caminho .
  • 22. Décima idéia para jogar no lixo Acreditar que a sustentabilidade será alcançada se fizermos alguma coisa a mais sem mudar realmente nosso modo de ser. Não é um know-how , não é um “saber-fazer”...
  • 23. Segunda conclusão Se tudo que é sustentável tem o padrão de rede, então, temos que parar de ficar contornando o problema e ir direto ao ponto. Vamos falar a verdade: nossas empresas não estão organizadas como redes. Elas não têm um funcionamento compatível com a estrutura de rede. Logo... elas não são sustentáveis. Ponto.
  • 24. O que devemos fazer? Não é viável desmontar os modelos de gestão hierárquicos atuais ― predominantemente baseados em comando e controle, mas que mal ou bem estão funcionando ― sem ter o que colocar no lugar.
  • 25. O que devemos fazer? A mudança para uma empresa-rede não poderá ser feita abruptamente ou de uma vez. O que significa que um novo padrão (em rede) terá de surgir convivendo com o velho padrão (hierárquico) e que, portanto, deverá haver uma transição .
  • 26. A primeira coisa que devemos fazer... ... para iniciar a transição da organização- mainframe para a organização- network : Em primeiro lugar, procurar saber o que é uma rede, como ela se organiza, estrutura-se e funciona e procurar conhecer as relações entre seu funcionamento (fenomenologia da rede) e sua estrutura (topologia).
  • 27. A segunda coisa que devemos fazer... ... para iniciar a transição da organização- mainframe para a organização- network : Em segundo lugar, procurar saber o que é uma rede social (pois as empresas são organizações sociais) e aprender a fazer netweaving em redes sociais, quer dizer, aprender como articular e animar essas redes.
  • 28. A terceira coisa que devemos fazer... ... para iniciar a transição da organização- mainframe para a organização- network : Em terceiro lugar, tentar, então, aplicar esses conhecimentos para iniciar a transição da empresa-pirâmide para a empresa-rede.
  • 29. Netweaving Netweaving é: articulação e animação de redes sociais! Mas o que são redes? E o que são redes sociais? Como as redes sociais se estruturam e funcionam? E como articulá-las e animá-las?
  • 30. O que são redes? Redes são sistemas de nodos e conexões Existem muitos tipos de redes: Redes biológicas (a teia da vida nos ecossistemas, as redes neurais) Redes de máquinas Redes sociais
  • 33. Rede de uma turma de escola
  • 35. O que são redes sociais? Seres humanos vivendo em coletividades estabelecem relações entre si. Tais relações podem ser vistas como conexões, caminhos ou dutos pelos quais trafegam mensagens. Os nodos são pessoas e as conexões são relações entre as pessoas.
  • 36. Qualquer coletivo de três ou mais seres humanos pode conformar uma rede social, que nada mais é do que um conjunto de relações, conexões ou caminhos. Há rede quando são múltiplos os caminhos entre dois nodos.
  • 37.  
  • 38.  
  • 39. Redes distribuídas Redes propriamente ditas são apenas as redes distribuídas Em geral (> 90% dos casos) denominamos indevidamente de rede estruturas descentralizadas que tentam conectar horizontalmente organizações verticais (hierárquicas)
  • 40. Topologias de Rede Diagramas de Paul Baran
  • 41.  
  • 42.  
  • 43. Colocando os “óculos de ver rede” As conexões existem em outro espaço-tempo: no espaço-tempo dos fluxos (que não é visível para os olhos). É necessário colocar “os óculos de ver rede”...
  • 45. Os grafos são meras representações
  • 46. Fenomenologia da rede A partir de certo número de conexões em relação ao número de nodos começam a ocorrer na rede fenômenos surpreendentes. Tais fenômenos não dependem do conteúdo das mensagens que trafegam por essas conexões.
  • 47. Quanto mais distribuída (ou menos centralizada) for a topologia da rede, maiores são as chances de tais fenômenos ocorrerem: C lustering (aglomeramento) Swarming (enxameamento) Crunch = Redução do tamanho (social) do mundo (amassamento) Autoregulação sistêmica Produção de ordem emergente bottom up (a partir da cooperação)
  • 48. Clustering A tendência que têm dois conhecidos comuns a um terceiro de conhecer-se entre si. Tudo “ clusteriza ”: idéias (que “dão em cachos, como as uvas”), grupos criativos, doenças...
  • 50. Clusters centralizados e descentralizados
  • 51. Swarming Distintos grupos e tendências, não coordenados explicitamente entre si, vão aumentando o alcance e a virulências de suas ações... Exemplo: 11 a 13 de março de 2004 na Espanha (papel do SMS = celular).
  • 55. Crunch Redução do tamanho (social) do mundo Small-World Networks Experimento de Milgram-Travers (1967): 5,5 graus de separação. Experimento de Duncan Watts et all. (2002): seis graus de separação.
  • 57. Milgram: 160 pessoas que moravam em Omaha tentaram enviar cartas para um corretor de valores que trabalhava em Boston utilizando apenas intermediários que se conhecessem pelo nome de batismo. Watts: 60 mil usuários de e-mail tentaram se comunicar com uma de dezoito pessoas-alvo em 13 países, encaminhando mensagens a alguém conhecido.
  • 58. Autoregulação sistêmica Capacidade de mudar o próprio programa de adaptação conservando seu padrão de organização. Exemplos: organismos, partes de organismos, ecossistemas, redes sociais com alto grau de distribuição.
  • 59. Emergência Produção de ordem emergente bottom up (a partir da cooperação) Capital Social Jane Jacobs (1961)
  • 60. A “rede-mãe” Diferença entre a rede que existe e as redes que articulamos voluntariamente As redes que articulamos são interfaces para “conversar” com a “rede-mãe” A “rede-mãe” é o ‘social’: uma rede distribuída nisi quatenos não está rodando programas verticalizadores...
  • 61. As redes sociais sempre existiram Não é agora que a sociedade está se constituindo como uma sociedade-rede Toda vez que sociedades humanas não são invadidas por padrões de organização hierárquicos ou piramidais e por modos de regulação autocráticos, elas se estruturam como redes (distribuídas)
  • 62. A Sociedade-Rede A convergência de fatores sociais, econômicos, culturais, políticos e tecnológicos está possibilitando a conexão em tempo-real (= sem-distância) entre o local e o global E está acelerando e potencializando os seus efeitos e tornando visível sua fenomenologia!
  • 63. Redes sociais não são redes digitais Não são Bebo, hi5 e Orkut Não é Internet ( interconected network ) Não estão no mundo digital Como o nome está dizendo: estão na sociedade...
  • 64. Redes sociais não são “clubes de anjos” Não são associações de pessoas cooperativas As pessoas não tem que ficar “menos competitivas” para se conectar às redes É a dinâmica da rede (distribuída) que converte competição em cooperação
  • 65. Para fazer netweaving Condição 1 - Conectar pessoas (ou redes distribuídas de pessoas) e não instituições hierárquicas. Condição 2 - Conectar pessoas entre si e não apenas com um centro articulador .
  • 66. As 4 tentações... 1 – Fazer redes de instituições (em vez de pessoas) 2 – Fazer reunião para discutir e decidir o que os outros devem fazer (em vez de fazer) 3 – Tratar os outros como “massa” a ser mobilizada (em vez de amigos a serem conquistados) 4 – Monopolizar a liderança (em vez de estimular a multiliderança)
  • 67. As redes não duram para sempre Redes voluntariamente articuladas são eventos limitados no espaço e no tempo Cada rede tem um tempo de vida Elas são móveis: se fazem e se refazem Somem e reaparecem, muitas vezes como outras redes
  • 68. As redes não crescem indefinidamente As redes são móveis: crescem até certo ponto e depois param de crescer Depois de certo tempo, tendem a diminuir ou até a desaparecer Por que elas deveriam crescer indefinidamente?
  • 69. A rede não é um instrumento A rede não é um instrumento para fazer qualquer coisa Nem mesmo para fazer a mudança social A rede já é a mudança Essa mudança não é uma transformação do que existe em uma coisa que não existe e sim a liberdade para o que o que já existe possa regular a si mesmo!
  • 70. Uma rede só funciona quando existe Quando se configura segundo a morfologia de rede (distribuída) e manifesta a dinâmica de rede Nenhuma tecnologia pode construir uma rede (celular, Internet, blogs etc.) se as pessoas não constituírem uma comunidade
  • 71. Uma rede começa sempre com uma rede Uma hierarquia não pode construir uma rede Se uma organização hierárquica quiser articular uma rede, deve dar autonomia a um grupo inicial estruturado segundo um padrão de rede
  • 72. Animando a rede A rede é o ambiente. Seu papel é amplificar e processar em paralelo miríades de estímulos provenientes de seus nodos, transformá-los e recombiná-los em inúmeras variações, reverberando, pulsando, para estabelecer uma regulação emergente...
  • 73. Animando a rede A – Ter sempre campanhas e metas B – Ter sempre devolução ou retorno C – Disponibilizar amplamente todas as informações D – Estimular sempre a conexão P2P
  • 74. A rede “acontecendo” A animação é um esforço permanente mas sempre inicial E como empurrar um carro sem partida A rede só vai “acontecer” se o carro “pegar no tranco” Só se as pessoas gerarem uma nova identidade no mundo... Ou só se a rede conseguir “conversar” com a “rede-mãe”
  • 75. Como aplicar tudo isso em uma empresa? Não é muito fácil... A empresa-pirâmide é quase monárquica, regida por modos de regulação autocráticos, próprios das estruturas verticais de poder baseadas em comando-execução, ordem, hierarquia, disciplina, obediência, vigilância e sanção.
  • 76. É um salto no escuro A empresa-rede é regida por modos de regulação democráticos, mais compatíveis com a estrutura de rede distribuída. Mas não existem muitos exemplos concretos de empresa-rede...
  • 77. Resistir às tentações... ... de querer usar as redes para crescer, para aumentar a produtividade ou a lucratividade. As redes só devem ser “usadas” para a empresa se desenvolver, quer dizer, para aumentar as suas condições de sustentabilidade.
  • 78. Abandonar a ilusão... ... de urdir um marketing de rede – como o chamado marketing viral – para suplantar os concorrentes comerciais. Não podemos conhecer de antemão como desencadear um processo de contaminação viral capaz de atingir um tipping point !
  • 79. Começando a conversa Afastadas as tentações de usar a rede instrumentalmente para crescer e bater a concorrência ou para descobrir uma “fórmula” milagrosa de marketing capaz de provocar uma explosão nas vendas, podemos começar a conversar seriamente.
  • 80.  
  • 81. Não será sustentável nenhuma empresa: enquanto unidade administrativo-produtiva isolada; exclusivamente por razões de mercado; em que seus empregados trabalhem apenas em troca de salário ou de outras recompensas materiais;
  • 82. Não será sustentável nenhuma empresa: sem uma causa capaz de mobilizar seus stakeholders; que não invista no capital social; que não promova o desenvolvimento (humano, social e sustentável); e que não tenha um padrão de rede.
  • 83. Sintetizando... Como tudo que é sustentável tem o padrão de rede , o último requisito da lista deve sintetizar os anteriores. Portanto, é na transição para a empresa-rede que tais requisitos devem ser abordados.
  • 84. Um roteiro para a transição 1 - Tomar a decisão de iniciar a transição. 2 - Constituir um grupo inicial de voluntários (embrião da rede). 3 - Formular o propósito (“finalidade inicial”).
  • 85. Um roteiro para a transição 4 - Dar autonomia ao embrião da rede para começar a articular e animar a rede ( netweaving ) com outros voluntários de dentro e de fora da organização atual (envolvendo a diversidade dos stakeholders ). 5 - Executar ações concretas de promoção do desenvolvimento como exercício de responsabilidade corporativa.
  • 86. Um roteiro para a transição 6 - Definir uma causa para a nova empresa (“finalidade final”). 7 - Redefinir a identidade da empresa (incluindo branding- em-rede). 8 - Começar a ensaiar novos modelos de gestão e de governança da empresa-rede.
  • 87. E depois? Se quisermos ir direto ao ponto, não há o que fazer depois. Por quê? Porque, na verdade, não sabemos, e, provavelmente, nem possamos fazer mais nada, além disso.
  • 88. O objetivo é a própria rede O objetivo não é usar a rede para obter um resultado esperado ou para atingir um fim planejado (que não seja a própria rede).
  • 89. O objetivo é mudar o padrão O objetivo é mudar o padrão de organização: de hierarquia (rede centralizada ou descentralizada) para rede (distribuída).
  • 90. O objetivo é a sustentabilidade Não há mais nada o que fazer depois. Não há nenhum “depois”. Por que haveria? Você acha pouco se manter no caminho da busca da sustentabilidade?
  • 91. Muito obrigado Augusto de Franco www.augustodefranco.com.br Escola-de-Redes www.escoladeredes.org.br www.redes.org. br
  • 92.