SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 64
RECONHECENDO O RISCO
Lídia Keiko Tominaga
Instituto Geológico – SMA/SP
Seminário Construindo Cidades Resilientes
10out2013
Diagnóstico
Planejamento e
Ordenamento
Territorial
Monitoramento
e Fiscalização
Redução, Mitiga
ção e
Erradicação
Capacitação, Trei
namento e
Disseminação
CLASSIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO BRASILEIRA DE DESASTRES (COBRADE)
Categoria Natural
2012 - Furacão Sandy
noticias.uol.com.br
2013 - Moore, USA
domtotal.com.br
2013 - Furacão Bárbara, México
noticias.uol.com.br
fontefm.redefonte.com
Sichuam, 2013
Info.abril.com.br
Terremoto/Tsunami, Japan 2011
Tsunami, Iwanuma, 2011
blog.estadão.com.br
2008 - Santa Catarina
Angra dos Reis/Ilha Grande - 2010
Niterói, RJ - 2010
RedeRecord
SLParaitinga, jan/2010
Branquinha, Rio Largo, União dos
Palmares/Alagoas, jun/2010
Região Serrana, RJ - 2011
notícias uol
zerohora.clicrbs.com.br
Tornado Taquarituba, set 2013
São o resultado de eventos físicos adversos (fenômenos
naturais) que causam grandes impactos na sociedade, gerando
uma situação de perigo a pessoas e bens (Tobin e Montz 1997).
O que são Desastres Naturais ?
Em áreas onde não há nenhum interesse humano, os fenômenos
naturais não resultam em desastres naturais.
“Os desastres naturais ocorrem quando os perigos se
encontram com a vulnerabilidade" (Blaikie 1994).
Áreas UrbanasSistema Social
Risco
é a possibilidade de se ter consequências
prejudiciais ou danosas em função de perigos
naturais ou induzidos pelo homem
O que são Riscos Geológicos ?
R = P.V.D
R = Risco;
P = Perigo;
V = Vulnerabilidade;
D = Dano (social e/ou econômico).
Vulnerabilidade
(padrão moradia)
- alvenaria, madeira
misto.
Perigo
(características
da
encosta/talude)
Grupo Geológico
Movimento de Massa
 Escorregamentos ou Deslizamentos
 Corridas de massa
 Quedas e rolamentos de blocos de rochas
 Rastejos
Perigo!!
COBRADE
GRUPO HIDROLÓGICO
 Inundações
 Enxurradas
 Alagamentos
COBRADE
Inundações em Teresópolis (RJ)
Fonte:Folha de São Paulo, 2011
ESCORREGAMENTOS PLANARES
Fonte: Acervo IG
Nova Friburgo, 2011
Deslizamentos em Teresópolis, jan 2011. Fonte: Follha de São Paulo, 2011
ESCORREGAMENTOS PLANARES
Mauá - SP, 2011
ESCORREGAMENTOS CIRCULARES/ROTACIONAIS
Fonte: Acervo IG e USGS
Jaraguá do Sul – SC - 2008
RASTEJOS: TRINCAS E ABATIMENTOS
Fonte: www.cprm.gov.br www.usgs.gov
Rastejo – Nova Friburgo RJ
Jaraguá do Sul, SC 2008
Jaraguá do Sul, SC 2008
Jaraguá do Sul, SC 2008
QUEDA DE ROCHAS
Fonte: Acervo IG
Santos, 2011
ROLAMENTO DE MATACÃO
Fonte: Acervo IG
Nova Friburgo, 2011
DESPLACAMENTO/TOMBAMENTO
Morro Boa Vista – Santos SP.
Fonte: Acervo IG e USGS
CORRIDAS
Fonte: Acervo IG , ABMS e USGS
Santa Catarina – 2008
Nova Friburgo, 2011
Desastres e Acidentes Históricos
Fotos: Arquivo Agência Estado - AE
Caraguatatuba 1967
Fonte: Saulo Gil – Imprensa Livre
- chuvas contínuas - 900 mm total mensal
- 535 mm de total deflagrador.
- 760 escorregamentos.
- 400 casas desapareceram;
- 120 mortes *;
PROCESSOS DE MOVIMENTOS DE MASSA MAIS COMUNS E
QUE CAUSAM MAIOR NÚMERO DE VÍTIMAS
ESCORREGAMENTOS PLANARES EM SOLO
ENVOLVENDO: CORTES E ATERROS
Fonte: Ministério das Cidades
Fonte: Mineropar , 1998 e Acervo IG
São Sebastião, SP – 2009
ESCORREGAMENTOS PLANARES EM ENCOSTAS URBANAS
Pereque-Mirim
Ubatuba, dez/2009
Camburi, São Sebastião (IG, 2012)
Gerenciamento de Risco:
Questões Básicas
1. O QUE E COMO OCORRE: Processos
2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS :
Mapeamento
3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS:
Correlação, monitoramento
4. QUE FAZER: medidas estruturais e não-
estruturais
MODELO DE ABORDAGEM DA ONU
• 1. Identificação dos riscos (processos)
• 2. Análise dos riscos (graus de risco -
mapeamento)
• 3. Medidas de prevenção (estruturais e
não estruturais)
• 4. Planejamento para situações de
emergência (gestão)
• 5. Informações públicas e treinamento
(capacitação; percepção do risco)
Diagnóstico
Planejamento e
Ordenamento
Territorial
Monitoramento e
Fiscalização
Redução, Mitigação
e Erradicação
Capacitação, Treina
mento e
Disseminação
- Conhecer o problema e avaliar seu
controle e evolução
- Evitar que o
problema
apareça ou
aumente
- Capacitar e treinar
agentes e
técnicos, e
disseminar
informação
-Evitar que as áreas
de risco se ampliem
e que ocorram
acidentes,
- minimizar danos
- Promover medidas
corretivas para
eliminar as
situações de risco e
reduzir as perdas
Diretrizes do PDN
Mapeamento de
Áreas de Risco: 2 abordagens
• 1. Escala Regional (planejamento) – 1:50.000 e
1:10.000. Fornece a suscetibilidade e
classificação do perigo (Metodologia IG)
• 2. Escala Local (gerenciamento) – geralmente
1:3.000. Fornece os setores com a classificação
do risco (Ministério das Cidades)
1- Identificação do perigo; 2 - análise do risco
Declividade Classes de Perigo
Maior que 25° Perigo Muito Alto
maior que 17° e menor que 25° Perigo Alto
Menor que 3° Perigo Muito Baixo a Nulo
Maior que 3°e menor que 17°
IPEsc = 0,1(AM) + 0,3(DE) + 0,1(DD)+
0,1(DL) + 0,1 (EH) + 0,3(PI)
Perigo Baixo
Perigo Moderado
Perigo Alto
Perigo Muito Alto
Perigo
Amplitude (AM), Declividade (DE)
Densidade de Drenagem (DD)
Densidade de Lineamentos (DL)
Excedente Hídrico (EH)
Uso e Cobertura da Terra
Modelagem do Perigo de Escorregamento
Perigo de Escorregamentos
Fatores naturais: relevo, pluviometria
Mauá (IG, 2011)
Perigo de Escorregamentos
Fatores sócio-econômicos: uso do solo
Mapeamento de Perigo
de Escorregamento
de Aparecida (IG, 2011)
Método de Mapeamento de Risco - escala local
Gerenciamento
Inventário de eventos
INVESTIGAÇÃO DE CAMPO
SETORES DE RISCO
Caracterização e Registro em fichas padronizadas
Delimitação em mapa/imagens/fotos de
sobrevoo
Qualificação do risco (grau de risco)
Estimativa das conseqüências com o
levantamento de moradias ameaçadas
Recomendações de medidas
de intervenção para
minimização do risco
Identificação dos processos geológico-
geotécnicos presentes ou potenciais na área
Caracterização geológico-
geotécnica das áreas de
risco
- Feições de instabilidade
Caracterização da
vulnerabilidade do
elemento em risco
R = f (P x V x D)
RISCO - é a possibilidade de se ter consequências prejudiciais ou
danosas em função de perigos naturais ou induzidos pelo homem
Perigo induzido
Dano
Vulnerabilidade
Probabilidade de Ocorrência (Perigo):
É estimada a partir da identificação e análise de feições e
características do terreno indicadoras de maior ou menor
grau de suscetibilidade, combinadas a observações sobre
as formas de uso e ocupação do terreno.
Vulnerabilidade do Elemento em Risco:
Refere-se ao padrão construtivo das
residências, qualidade da infra-estrutura local e
capacidade da população de enfrentar as situações de
risco.
Vulnerabilidade baixa
Jaraguá do Sul, SC - IG, 2008Itatinga, São Sebastião (IG, 2006)
Vulnerabilidade alta
Dano Potencial:
É estimado considerando-se o número de moradias e de
moradores (elementos em risco) potencialmente
sujeitos a serem afetados pela ocorrência de um
determinado tipo de fenômeno natural.
Graus de risco
Grau de Risco Simbologia
Muito Alto R4
Alto R3
Médio R2
Baixo R1
Baseado em Evidências de Instabilidade
Objetivos do Mapeamento de Risco
com Escala Local
 Planos preventivos de defesa civil;
 Monitoramento das áreas de risco;
 Identificação de áreas críticas para
intervenções;
 Gestão das áreas de risco.
Mapeamento de Áreas
de Risco de Aparecida
(Bro São Francisco)
Escorregamento,
Inundação e Erosão
Mapa de Risco de São
Luiz do Paraitinga
escala local
IG,2008
Mapeamento de Risco
Rio Paraíba do Sul: setores de Perigo de Inundação
no município de Tremembé (IG, 2012).
Setores de Risco a Inundação, Rio
Paraíba do Sul, município de
Tremembé (IG, 2012)
Instrumentos de identificação de risco no Estado
de São Paulo
Setorização de risco alto e muito alto (74)
Mapeamento de risco e PMRR (81)
Cadastro de áreas de risco (72)
Instrumentos de identificação de risco
total aprox. 230 municípios
EVIDÊNCIAS DE INSTABILIDADE
Inclinação de encostas e/ou taludes de
corte/aterro, trincas no solo, degraus de
abatimento, rachaduras, cicatrizes de
escorregamentos, surgências d’água, etc
Morro do Abrigo, São Sebastião (IG, 2006)
Evidências de Instabilidade
Evidências de Instabilidade
São Sebastião (IG, 2006)
Itatinga, São Sebastião (IG, 2006)
Evidências de Instabilidade
Itatinga, São Sebastião (IG, 2010)
Evidências de Instabilidade
Campo Limpo Pta, IG 2009
Juquehi, São Sebastião (IG, 2012)
Evidências de Instabilidade
Águas de
Lindóia, 2010
Evidências de Instabilidade
Morro do Esquimó, São Sebastião (IG, 2013)
Evidências de Instabilidade
São Sebastião (IG, 2006)
Guaratinguetá (IG, 2011)
Evidências de Instabilidade
Importante!!
Surgência d’ água no Talude
Escoamento de água pluvial
Osasco, IG - 2006
Fator Água
Lançamento de
água servida
Obrigada pela atenção!!
Lídia Keiko Tominaga
tominaga@igeologico.sp.gov.br
http://www.igeologico.sp.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGADESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGAMaria José Brollo
 
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)Maria José Brollo
 
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IGPainel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IGClaudio Ferreira
 
Plano de Ação do Governo Federal para o Período de Chuvas - Sul/Sudesde
Plano de Ação do Governo Federal para o Período de Chuvas - Sul/SudesdePlano de Ação do Governo Federal para o Período de Chuvas - Sul/Sudesde
Plano de Ação do Governo Federal para o Período de Chuvas - Sul/SudesdeAsscomDF
 
Meio Ambiente - Identificação e Gestão de Riscos Geológicos
Meio Ambiente - Identificação e Gestão de Riscos GeológicosMeio Ambiente - Identificação e Gestão de Riscos Geológicos
Meio Ambiente - Identificação e Gestão de Riscos GeológicosInstituto de Pesquisas Ambientais
 
Seminário Prevenção e Gestão de Risco em Épocas de Chuva, 15/02/2011 - Aprese...
Seminário Prevenção e Gestão de Risco em Épocas de Chuva, 15/02/2011 - Aprese...Seminário Prevenção e Gestão de Risco em Épocas de Chuva, 15/02/2011 - Aprese...
Seminário Prevenção e Gestão de Risco em Épocas de Chuva, 15/02/2011 - Aprese...FecomercioSP
 
DESASTRES NATURAIS QUE ATINGIRAM O ESTADO DE ALAGOAS EM JUNHO DE 2010 - Lídia...
DESASTRES NATURAIS QUE ATINGIRAM O ESTADO DE ALAGOAS EM JUNHO DE 2010 - Lídia...DESASTRES NATURAIS QUE ATINGIRAM O ESTADO DE ALAGOAS EM JUNHO DE 2010 - Lídia...
DESASTRES NATURAIS QUE ATINGIRAM O ESTADO DE ALAGOAS EM JUNHO DE 2010 - Lídia...Maria José Brollo
 
RelatóRio De Chuvas.08 09
RelatóRio De Chuvas.08 09RelatóRio De Chuvas.08 09
RelatóRio De Chuvas.08 09Anderson Passos
 
Orientações técnicas sobre efeitos da estiagem
Orientações técnicas sobre efeitos da estiagemOrientações técnicas sobre efeitos da estiagem
Orientações técnicas sobre efeitos da estiagemPortal Canal Rural
 
Agostinho Ogura (Cemaden)
Agostinho Ogura (Cemaden) Agostinho Ogura (Cemaden)
Agostinho Ogura (Cemaden) Sectesclip
 
Revisao ifba geografia
Revisao ifba geografiaRevisao ifba geografia
Revisao ifba geografiaAdemir Aquino
 
Revisao bahiana med_geografia
Revisao bahiana med_geografiaRevisao bahiana med_geografia
Revisao bahiana med_geografiaAdemir Aquino
 
Revisao uesc geografia
Revisao uesc geografiaRevisao uesc geografia
Revisao uesc geografiaAdemir Aquino
 
Capitulo25 REGIÃO TURÍSTICA DOS LAGOS FLUMINENSES
Capitulo25 REGIÃO TURÍSTICA DOS LAGOS FLUMINENSESCapitulo25 REGIÃO TURÍSTICA DOS LAGOS FLUMINENSES
Capitulo25 REGIÃO TURÍSTICA DOS LAGOS FLUMINENSESvolcker
 

Mais procurados (14)

DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGADESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA
 
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)
 
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IGPainel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
 
Plano de Ação do Governo Federal para o Período de Chuvas - Sul/Sudesde
Plano de Ação do Governo Federal para o Período de Chuvas - Sul/SudesdePlano de Ação do Governo Federal para o Período de Chuvas - Sul/Sudesde
Plano de Ação do Governo Federal para o Período de Chuvas - Sul/Sudesde
 
Meio Ambiente - Identificação e Gestão de Riscos Geológicos
Meio Ambiente - Identificação e Gestão de Riscos GeológicosMeio Ambiente - Identificação e Gestão de Riscos Geológicos
Meio Ambiente - Identificação e Gestão de Riscos Geológicos
 
Seminário Prevenção e Gestão de Risco em Épocas de Chuva, 15/02/2011 - Aprese...
Seminário Prevenção e Gestão de Risco em Épocas de Chuva, 15/02/2011 - Aprese...Seminário Prevenção e Gestão de Risco em Épocas de Chuva, 15/02/2011 - Aprese...
Seminário Prevenção e Gestão de Risco em Épocas de Chuva, 15/02/2011 - Aprese...
 
DESASTRES NATURAIS QUE ATINGIRAM O ESTADO DE ALAGOAS EM JUNHO DE 2010 - Lídia...
DESASTRES NATURAIS QUE ATINGIRAM O ESTADO DE ALAGOAS EM JUNHO DE 2010 - Lídia...DESASTRES NATURAIS QUE ATINGIRAM O ESTADO DE ALAGOAS EM JUNHO DE 2010 - Lídia...
DESASTRES NATURAIS QUE ATINGIRAM O ESTADO DE ALAGOAS EM JUNHO DE 2010 - Lídia...
 
RelatóRio De Chuvas.08 09
RelatóRio De Chuvas.08 09RelatóRio De Chuvas.08 09
RelatóRio De Chuvas.08 09
 
Orientações técnicas sobre efeitos da estiagem
Orientações técnicas sobre efeitos da estiagemOrientações técnicas sobre efeitos da estiagem
Orientações técnicas sobre efeitos da estiagem
 
Agostinho Ogura (Cemaden)
Agostinho Ogura (Cemaden) Agostinho Ogura (Cemaden)
Agostinho Ogura (Cemaden)
 
Revisao ifba geografia
Revisao ifba geografiaRevisao ifba geografia
Revisao ifba geografia
 
Revisao bahiana med_geografia
Revisao bahiana med_geografiaRevisao bahiana med_geografia
Revisao bahiana med_geografia
 
Revisao uesc geografia
Revisao uesc geografiaRevisao uesc geografia
Revisao uesc geografia
 
Capitulo25 REGIÃO TURÍSTICA DOS LAGOS FLUMINENSES
Capitulo25 REGIÃO TURÍSTICA DOS LAGOS FLUMINENSESCapitulo25 REGIÃO TURÍSTICA DOS LAGOS FLUMINENSES
Capitulo25 REGIÃO TURÍSTICA DOS LAGOS FLUMINENSES
 

Destaque

Cultura da Resiliência pela Educação
Cultura da Resiliência pela EducaçãoCultura da Resiliência pela Educação
Cultura da Resiliência pela EducaçãoCepam
 
Apresentação sobre gerenciamento de riscos
Apresentação sobre gerenciamento de riscosApresentação sobre gerenciamento de riscos
Apresentação sobre gerenciamento de riscosCaio Petrônios
 
Gestão de Auditoria Interna
Gestão de Auditoria InternaGestão de Auditoria Interna
Gestão de Auditoria InternaInformaGroup
 
Tecnologia a Serviço da Defesa civil: Monitorando Riscos e Desastres
Tecnologia a Serviço da Defesa civil: Monitorando Riscos e DesastresTecnologia a Serviço da Defesa civil: Monitorando Riscos e Desastres
Tecnologia a Serviço da Defesa civil: Monitorando Riscos e DesastresCepam
 
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de ContigênciasSeminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de ContigênciasAlexandre Salvador
 
Atuação do Município em Emergências Químicas
Atuação do Município em Emergências QuímicasAtuação do Município em Emergências Químicas
Atuação do Município em Emergências QuímicasCepam
 
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres NaturaisMódulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres NaturaisPortal Voluntários Online
 
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...Maria José Brollo
 
Capacitação básica em defesa civil livro do curso em ambiente virtual de en...
Capacitação básica em defesa civil   livro do curso em ambiente virtual de en...Capacitação básica em defesa civil   livro do curso em ambiente virtual de en...
Capacitação básica em defesa civil livro do curso em ambiente virtual de en...Wagner Damico
 
Pessoas com Deficiência na Relação com os Desastres
Pessoas com Deficiência na Relação com os DesastresPessoas com Deficiência na Relação com os Desastres
Pessoas com Deficiência na Relação com os DesastresCepam
 
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”Impacta Eventos
 
PICTOGRAFIA
PICTOGRAFIAPICTOGRAFIA
PICTOGRAFIAOsgian
 
Gerenciamento de Projetos: A Estratégia sênior de Gerenciar Consultoria Júnio...
Gerenciamento de Projetos: A Estratégia sênior de Gerenciar Consultoria Júnio...Gerenciamento de Projetos: A Estratégia sênior de Gerenciar Consultoria Júnio...
Gerenciamento de Projetos: A Estratégia sênior de Gerenciar Consultoria Júnio...sullamyteja
 

Destaque (20)

Cultura da Resiliência pela Educação
Cultura da Resiliência pela EducaçãoCultura da Resiliência pela Educação
Cultura da Resiliência pela Educação
 
Apresentação sobre gerenciamento de riscos
Apresentação sobre gerenciamento de riscosApresentação sobre gerenciamento de riscos
Apresentação sobre gerenciamento de riscos
 
Gestão de Auditoria Interna
Gestão de Auditoria InternaGestão de Auditoria Interna
Gestão de Auditoria Interna
 
Solos 6a
Solos 6aSolos 6a
Solos 6a
 
Tecnologia a Serviço da Defesa civil: Monitorando Riscos e Desastres
Tecnologia a Serviço da Defesa civil: Monitorando Riscos e DesastresTecnologia a Serviço da Defesa civil: Monitorando Riscos e Desastres
Tecnologia a Serviço da Defesa civil: Monitorando Riscos e Desastres
 
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de ContigênciasSeminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
 
01. introdução
01. introdução01. introdução
01. introdução
 
Atuação do Município em Emergências Químicas
Atuação do Município em Emergências QuímicasAtuação do Município em Emergências Químicas
Atuação do Município em Emergências Químicas
 
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres NaturaisMódulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
 
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
 
Capacitação básica em defesa civil livro do curso em ambiente virtual de en...
Capacitação básica em defesa civil   livro do curso em ambiente virtual de en...Capacitação básica em defesa civil   livro do curso em ambiente virtual de en...
Capacitação básica em defesa civil livro do curso em ambiente virtual de en...
 
Pessoas com Deficiência na Relação com os Desastres
Pessoas com Deficiência na Relação com os DesastresPessoas com Deficiência na Relação com os Desastres
Pessoas com Deficiência na Relação com os Desastres
 
Softwares para Análise de Riscos em Projetos
Softwares para Análise de Riscos em ProjetosSoftwares para Análise de Riscos em Projetos
Softwares para Análise de Riscos em Projetos
 
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
 
PICTOGRAFIA
PICTOGRAFIAPICTOGRAFIA
PICTOGRAFIA
 
Quadro de Referência para a Avaliação das Escolas
Quadro de Referência para a Avaliação das EscolasQuadro de Referência para a Avaliação das Escolas
Quadro de Referência para a Avaliação das Escolas
 
Dia de faxina
Dia de faxinaDia de faxina
Dia de faxina
 
P p r a
P  p  r  aP  p  r  a
P p r a
 
Gerenciamento de Projetos: A Estratégia sênior de Gerenciar Consultoria Júnio...
Gerenciamento de Projetos: A Estratégia sênior de Gerenciar Consultoria Júnio...Gerenciamento de Projetos: A Estratégia sênior de Gerenciar Consultoria Júnio...
Gerenciamento de Projetos: A Estratégia sênior de Gerenciar Consultoria Júnio...
 
Sindec
SindecSindec
Sindec
 

Semelhante a Reconhecendo o Risco

Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...Maria José Brollo
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisInstituto de Pesquisas Ambientais
 
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...Rafael Galdino Siqueira Nunes
 
Reunião Mapeamento de Riscos
Reunião Mapeamento de RiscosReunião Mapeamento de Riscos
Reunião Mapeamento de RiscosAsscomDF
 
Atuação do serviço geológico do brasil sgb cprm em estudos geológico-geotécni...
Atuação do serviço geológico do brasil sgb cprm em estudos geológico-geotécni...Atuação do serviço geológico do brasil sgb cprm em estudos geológico-geotécni...
Atuação do serviço geológico do brasil sgb cprm em estudos geológico-geotécni...Alerj
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Maria José Brollo
 
Cabo verde 2011_jlz_2
Cabo verde 2011_jlz_2Cabo verde 2011_jlz_2
Cabo verde 2011_jlz_2uccp
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Maria José Brollo
 
Projeto AFRARJ 2012
Projeto AFRARJ 2012 Projeto AFRARJ 2012
Projeto AFRARJ 2012 renfafrarj
 
Romero Cesar Gomez (Ufop)
Romero Cesar Gomez (Ufop) Romero Cesar Gomez (Ufop)
Romero Cesar Gomez (Ufop) Sectesclip
 
UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamento...
UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamento...UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamento...
UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamento...Claudio Ferreira
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisInstituto de Pesquisas Ambientais
 
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...Claudio Ferreira
 
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...Claudio Ferreira
 
Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012
Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012
Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012Secretaria Planejamento SC
 
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São PauloMapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São PauloInstituto de Pesquisas Ambientais
 

Semelhante a Reconhecendo o Risco (20)

Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
 
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
 
Reunião Mapeamento de Riscos
Reunião Mapeamento de RiscosReunião Mapeamento de Riscos
Reunião Mapeamento de Riscos
 
Atuação do serviço geológico do brasil sgb cprm em estudos geológico-geotécni...
Atuação do serviço geológico do brasil sgb cprm em estudos geológico-geotécni...Atuação do serviço geológico do brasil sgb cprm em estudos geológico-geotécni...
Atuação do serviço geológico do brasil sgb cprm em estudos geológico-geotécni...
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
 
Cedec mg - mapeamento
  Cedec mg - mapeamento  Cedec mg - mapeamento
Cedec mg - mapeamento
 
Cabo verde 2011_jlz_2
Cabo verde 2011_jlz_2Cabo verde 2011_jlz_2
Cabo verde 2011_jlz_2
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
 
Projeto AFRARJ 2012
Projeto AFRARJ 2012 Projeto AFRARJ 2012
Projeto AFRARJ 2012
 
Romero Cesar Gomez (Ufop)
Romero Cesar Gomez (Ufop) Romero Cesar Gomez (Ufop)
Romero Cesar Gomez (Ufop)
 
UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamento...
UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamento...UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamento...
UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamento...
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
 
Geotecnia
GeotecniaGeotecnia
Geotecnia
 
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
 
AMARAL et al - 13cbge
AMARAL et al - 13cbgeAMARAL et al - 13cbge
AMARAL et al - 13cbge
 
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
 
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
 
Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012
Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012
Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012
 
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São PauloMapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
 

Mais de Cepam

Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliênciaPlano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliênciaCepam
 
6 Plano municipal de gestão de recursos sólidos - J. Carreiro
6   Plano municipal de gestão de recursos sólidos - J. Carreiro6   Plano municipal de gestão de recursos sólidos - J. Carreiro
6 Plano municipal de gestão de recursos sólidos - J. CarreiroCepam
 
5 Mudanças na contabilidade pública - Valmir L. da Silva
5  Mudanças na contabilidade pública - Valmir L. da Silva5  Mudanças na contabilidade pública - Valmir L. da Silva
5 Mudanças na contabilidade pública - Valmir L. da SilvaCepam
 
4 10 dicas para construir uma Prefeitura inovadora - José Antônio Carlos
4   10 dicas para construir uma Prefeitura inovadora - José Antônio Carlos4   10 dicas para construir uma Prefeitura inovadora - José Antônio Carlos
4 10 dicas para construir uma Prefeitura inovadora - José Antônio CarlosCepam
 
3 Políticas Públicas - F. Montoro
3 Políticas Públicas - F. Montoro3 Políticas Públicas - F. Montoro
3 Políticas Públicas - F. MontoroCepam
 
2 Poder Executivo _ Mariana Moreira
2   Poder Executivo _ Mariana Moreira2   Poder Executivo _ Mariana Moreira
2 Poder Executivo _ Mariana MoreiraCepam
 
1 Municipio na federação braslileira - Erik Macedo Marques
1 Municipio na federação braslileira - Erik Macedo Marques1 Municipio na federação braslileira - Erik Macedo Marques
1 Municipio na federação braslileira - Erik Macedo MarquesCepam
 
Planejamento e receita 2
Planejamento e receita 2Planejamento e receita 2
Planejamento e receita 2Cepam
 
Estado Federal: Estrutura Constitucional dos Poderes
Estado Federal: Estrutura Constitucional dos PoderesEstado Federal: Estrutura Constitucional dos Poderes
Estado Federal: Estrutura Constitucional dos PoderesCepam
 
Estratégia de inovação no setor público
Estratégia de inovação no setor público  Estratégia de inovação no setor público
Estratégia de inovação no setor público Cepam
 
Prestação contas
Prestação contas  Prestação contas
Prestação contas Cepam
 
Transição de governo1
Transição de governo1Transição de governo1
Transição de governo1Cepam
 
Transição de governo macruz
Transição de governo macruzTransição de governo macruz
Transição de governo macruzCepam
 
Transição de contas
Transição de contasTransição de contas
Transição de contasCepam
 
Transição de Governo bos municípios paulistas - Transição com responsabilidade
Transição de Governo bos municípios paulistas - Transição com responsabilidadeTransição de Governo bos municípios paulistas - Transição com responsabilidade
Transição de Governo bos municípios paulistas - Transição com responsabilidadeCepam
 
Lei 1972_Transicao de Governo de Ilha Solteira
Lei 1972_Transicao de Governo de Ilha SolteiraLei 1972_Transicao de Governo de Ilha Solteira
Lei 1972_Transicao de Governo de Ilha SolteiraCepam
 
Apresentação Maura - transição de Governo
Apresentação Maura - transição de GovernoApresentação Maura - transição de Governo
Apresentação Maura - transição de GovernoCepam
 
Apresentação Erik Transição de Governo
Apresentação Erik Transição de GovernoApresentação Erik Transição de Governo
Apresentação Erik Transição de GovernoCepam
 
Lei 2159 Transição de Governo_Valparaíso
Lei 2159 Transição de Governo_ValparaísoLei 2159 Transição de Governo_Valparaíso
Lei 2159 Transição de Governo_ValparaísoCepam
 
Lei 2572 Transição de Governo_Mirandópolis
Lei 2572 Transição de Governo_MirandópolisLei 2572 Transição de Governo_Mirandópolis
Lei 2572 Transição de Governo_MirandópolisCepam
 

Mais de Cepam (20)

Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliênciaPlano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
 
6 Plano municipal de gestão de recursos sólidos - J. Carreiro
6   Plano municipal de gestão de recursos sólidos - J. Carreiro6   Plano municipal de gestão de recursos sólidos - J. Carreiro
6 Plano municipal de gestão de recursos sólidos - J. Carreiro
 
5 Mudanças na contabilidade pública - Valmir L. da Silva
5  Mudanças na contabilidade pública - Valmir L. da Silva5  Mudanças na contabilidade pública - Valmir L. da Silva
5 Mudanças na contabilidade pública - Valmir L. da Silva
 
4 10 dicas para construir uma Prefeitura inovadora - José Antônio Carlos
4   10 dicas para construir uma Prefeitura inovadora - José Antônio Carlos4   10 dicas para construir uma Prefeitura inovadora - José Antônio Carlos
4 10 dicas para construir uma Prefeitura inovadora - José Antônio Carlos
 
3 Políticas Públicas - F. Montoro
3 Políticas Públicas - F. Montoro3 Políticas Públicas - F. Montoro
3 Políticas Públicas - F. Montoro
 
2 Poder Executivo _ Mariana Moreira
2   Poder Executivo _ Mariana Moreira2   Poder Executivo _ Mariana Moreira
2 Poder Executivo _ Mariana Moreira
 
1 Municipio na federação braslileira - Erik Macedo Marques
1 Municipio na federação braslileira - Erik Macedo Marques1 Municipio na federação braslileira - Erik Macedo Marques
1 Municipio na federação braslileira - Erik Macedo Marques
 
Planejamento e receita 2
Planejamento e receita 2Planejamento e receita 2
Planejamento e receita 2
 
Estado Federal: Estrutura Constitucional dos Poderes
Estado Federal: Estrutura Constitucional dos PoderesEstado Federal: Estrutura Constitucional dos Poderes
Estado Federal: Estrutura Constitucional dos Poderes
 
Estratégia de inovação no setor público
Estratégia de inovação no setor público  Estratégia de inovação no setor público
Estratégia de inovação no setor público
 
Prestação contas
Prestação contas  Prestação contas
Prestação contas
 
Transição de governo1
Transição de governo1Transição de governo1
Transição de governo1
 
Transição de governo macruz
Transição de governo macruzTransição de governo macruz
Transição de governo macruz
 
Transição de contas
Transição de contasTransição de contas
Transição de contas
 
Transição de Governo bos municípios paulistas - Transição com responsabilidade
Transição de Governo bos municípios paulistas - Transição com responsabilidadeTransição de Governo bos municípios paulistas - Transição com responsabilidade
Transição de Governo bos municípios paulistas - Transição com responsabilidade
 
Lei 1972_Transicao de Governo de Ilha Solteira
Lei 1972_Transicao de Governo de Ilha SolteiraLei 1972_Transicao de Governo de Ilha Solteira
Lei 1972_Transicao de Governo de Ilha Solteira
 
Apresentação Maura - transição de Governo
Apresentação Maura - transição de GovernoApresentação Maura - transição de Governo
Apresentação Maura - transição de Governo
 
Apresentação Erik Transição de Governo
Apresentação Erik Transição de GovernoApresentação Erik Transição de Governo
Apresentação Erik Transição de Governo
 
Lei 2159 Transição de Governo_Valparaíso
Lei 2159 Transição de Governo_ValparaísoLei 2159 Transição de Governo_Valparaíso
Lei 2159 Transição de Governo_Valparaíso
 
Lei 2572 Transição de Governo_Mirandópolis
Lei 2572 Transição de Governo_MirandópolisLei 2572 Transição de Governo_Mirandópolis
Lei 2572 Transição de Governo_Mirandópolis
 

Reconhecendo o Risco

  • 1. RECONHECENDO O RISCO Lídia Keiko Tominaga Instituto Geológico – SMA/SP Seminário Construindo Cidades Resilientes 10out2013 Diagnóstico Planejamento e Ordenamento Territorial Monitoramento e Fiscalização Redução, Mitiga ção e Erradicação Capacitação, Trei namento e Disseminação
  • 2. CLASSIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO BRASILEIRA DE DESASTRES (COBRADE) Categoria Natural
  • 3. 2012 - Furacão Sandy noticias.uol.com.br 2013 - Moore, USA domtotal.com.br 2013 - Furacão Bárbara, México noticias.uol.com.br
  • 5. Terremoto/Tsunami, Japan 2011 Tsunami, Iwanuma, 2011 blog.estadão.com.br
  • 6. 2008 - Santa Catarina
  • 7. Angra dos Reis/Ilha Grande - 2010
  • 10. Branquinha, Rio Largo, União dos Palmares/Alagoas, jun/2010
  • 13. São o resultado de eventos físicos adversos (fenômenos naturais) que causam grandes impactos na sociedade, gerando uma situação de perigo a pessoas e bens (Tobin e Montz 1997). O que são Desastres Naturais ? Em áreas onde não há nenhum interesse humano, os fenômenos naturais não resultam em desastres naturais. “Os desastres naturais ocorrem quando os perigos se encontram com a vulnerabilidade" (Blaikie 1994). Áreas UrbanasSistema Social
  • 14. Risco é a possibilidade de se ter consequências prejudiciais ou danosas em função de perigos naturais ou induzidos pelo homem O que são Riscos Geológicos ? R = P.V.D R = Risco; P = Perigo; V = Vulnerabilidade; D = Dano (social e/ou econômico). Vulnerabilidade (padrão moradia) - alvenaria, madeira misto. Perigo (características da encosta/talude)
  • 15. Grupo Geológico Movimento de Massa  Escorregamentos ou Deslizamentos  Corridas de massa  Quedas e rolamentos de blocos de rochas  Rastejos Perigo!! COBRADE
  • 16. GRUPO HIDROLÓGICO  Inundações  Enxurradas  Alagamentos COBRADE Inundações em Teresópolis (RJ) Fonte:Folha de São Paulo, 2011
  • 17. ESCORREGAMENTOS PLANARES Fonte: Acervo IG Nova Friburgo, 2011
  • 18. Deslizamentos em Teresópolis, jan 2011. Fonte: Follha de São Paulo, 2011
  • 20. ESCORREGAMENTOS CIRCULARES/ROTACIONAIS Fonte: Acervo IG e USGS Jaraguá do Sul – SC - 2008
  • 21. RASTEJOS: TRINCAS E ABATIMENTOS Fonte: www.cprm.gov.br www.usgs.gov Rastejo – Nova Friburgo RJ Jaraguá do Sul, SC 2008
  • 22. Jaraguá do Sul, SC 2008
  • 23. Jaraguá do Sul, SC 2008
  • 24. QUEDA DE ROCHAS Fonte: Acervo IG Santos, 2011
  • 25. ROLAMENTO DE MATACÃO Fonte: Acervo IG Nova Friburgo, 2011
  • 26. DESPLACAMENTO/TOMBAMENTO Morro Boa Vista – Santos SP. Fonte: Acervo IG e USGS
  • 27. CORRIDAS Fonte: Acervo IG , ABMS e USGS Santa Catarina – 2008 Nova Friburgo, 2011
  • 28. Desastres e Acidentes Históricos Fotos: Arquivo Agência Estado - AE Caraguatatuba 1967 Fonte: Saulo Gil – Imprensa Livre - chuvas contínuas - 900 mm total mensal - 535 mm de total deflagrador. - 760 escorregamentos. - 400 casas desapareceram; - 120 mortes *;
  • 29. PROCESSOS DE MOVIMENTOS DE MASSA MAIS COMUNS E QUE CAUSAM MAIOR NÚMERO DE VÍTIMAS ESCORREGAMENTOS PLANARES EM SOLO ENVOLVENDO: CORTES E ATERROS Fonte: Ministério das Cidades
  • 30. Fonte: Mineropar , 1998 e Acervo IG São Sebastião, SP – 2009 ESCORREGAMENTOS PLANARES EM ENCOSTAS URBANAS
  • 33. Gerenciamento de Risco: Questões Básicas 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS : Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4. QUE FAZER: medidas estruturais e não- estruturais
  • 34. MODELO DE ABORDAGEM DA ONU • 1. Identificação dos riscos (processos) • 2. Análise dos riscos (graus de risco - mapeamento) • 3. Medidas de prevenção (estruturais e não estruturais) • 4. Planejamento para situações de emergência (gestão) • 5. Informações públicas e treinamento (capacitação; percepção do risco)
  • 35. Diagnóstico Planejamento e Ordenamento Territorial Monitoramento e Fiscalização Redução, Mitigação e Erradicação Capacitação, Treina mento e Disseminação - Conhecer o problema e avaliar seu controle e evolução - Evitar que o problema apareça ou aumente - Capacitar e treinar agentes e técnicos, e disseminar informação -Evitar que as áreas de risco se ampliem e que ocorram acidentes, - minimizar danos - Promover medidas corretivas para eliminar as situações de risco e reduzir as perdas Diretrizes do PDN
  • 36.
  • 37. Mapeamento de Áreas de Risco: 2 abordagens • 1. Escala Regional (planejamento) – 1:50.000 e 1:10.000. Fornece a suscetibilidade e classificação do perigo (Metodologia IG) • 2. Escala Local (gerenciamento) – geralmente 1:3.000. Fornece os setores com a classificação do risco (Ministério das Cidades) 1- Identificação do perigo; 2 - análise do risco
  • 38. Declividade Classes de Perigo Maior que 25° Perigo Muito Alto maior que 17° e menor que 25° Perigo Alto Menor que 3° Perigo Muito Baixo a Nulo Maior que 3°e menor que 17° IPEsc = 0,1(AM) + 0,3(DE) + 0,1(DD)+ 0,1(DL) + 0,1 (EH) + 0,3(PI) Perigo Baixo Perigo Moderado Perigo Alto Perigo Muito Alto Perigo Amplitude (AM), Declividade (DE) Densidade de Drenagem (DD) Densidade de Lineamentos (DL) Excedente Hídrico (EH) Uso e Cobertura da Terra Modelagem do Perigo de Escorregamento
  • 39. Perigo de Escorregamentos Fatores naturais: relevo, pluviometria
  • 40. Mauá (IG, 2011) Perigo de Escorregamentos Fatores sócio-econômicos: uso do solo
  • 41. Mapeamento de Perigo de Escorregamento de Aparecida (IG, 2011)
  • 42. Método de Mapeamento de Risco - escala local Gerenciamento Inventário de eventos INVESTIGAÇÃO DE CAMPO SETORES DE RISCO Caracterização e Registro em fichas padronizadas Delimitação em mapa/imagens/fotos de sobrevoo Qualificação do risco (grau de risco) Estimativa das conseqüências com o levantamento de moradias ameaçadas Recomendações de medidas de intervenção para minimização do risco Identificação dos processos geológico- geotécnicos presentes ou potenciais na área Caracterização geológico- geotécnica das áreas de risco - Feições de instabilidade Caracterização da vulnerabilidade do elemento em risco
  • 43. R = f (P x V x D) RISCO - é a possibilidade de se ter consequências prejudiciais ou danosas em função de perigos naturais ou induzidos pelo homem Perigo induzido Dano Vulnerabilidade
  • 44. Probabilidade de Ocorrência (Perigo): É estimada a partir da identificação e análise de feições e características do terreno indicadoras de maior ou menor grau de suscetibilidade, combinadas a observações sobre as formas de uso e ocupação do terreno.
  • 45. Vulnerabilidade do Elemento em Risco: Refere-se ao padrão construtivo das residências, qualidade da infra-estrutura local e capacidade da população de enfrentar as situações de risco. Vulnerabilidade baixa Jaraguá do Sul, SC - IG, 2008Itatinga, São Sebastião (IG, 2006) Vulnerabilidade alta
  • 46. Dano Potencial: É estimado considerando-se o número de moradias e de moradores (elementos em risco) potencialmente sujeitos a serem afetados pela ocorrência de um determinado tipo de fenômeno natural.
  • 47. Graus de risco Grau de Risco Simbologia Muito Alto R4 Alto R3 Médio R2 Baixo R1 Baseado em Evidências de Instabilidade
  • 48. Objetivos do Mapeamento de Risco com Escala Local  Planos preventivos de defesa civil;  Monitoramento das áreas de risco;  Identificação de áreas críticas para intervenções;  Gestão das áreas de risco.
  • 49. Mapeamento de Áreas de Risco de Aparecida (Bro São Francisco) Escorregamento, Inundação e Erosão
  • 50. Mapa de Risco de São Luiz do Paraitinga escala local IG,2008 Mapeamento de Risco
  • 51. Rio Paraíba do Sul: setores de Perigo de Inundação no município de Tremembé (IG, 2012). Setores de Risco a Inundação, Rio Paraíba do Sul, município de Tremembé (IG, 2012)
  • 52. Instrumentos de identificação de risco no Estado de São Paulo Setorização de risco alto e muito alto (74) Mapeamento de risco e PMRR (81) Cadastro de áreas de risco (72) Instrumentos de identificação de risco total aprox. 230 municípios
  • 53.
  • 54. EVIDÊNCIAS DE INSTABILIDADE Inclinação de encostas e/ou taludes de corte/aterro, trincas no solo, degraus de abatimento, rachaduras, cicatrizes de escorregamentos, surgências d’água, etc
  • 55. Morro do Abrigo, São Sebastião (IG, 2006) Evidências de Instabilidade
  • 56. Evidências de Instabilidade São Sebastião (IG, 2006)
  • 57. Itatinga, São Sebastião (IG, 2006) Evidências de Instabilidade
  • 58. Itatinga, São Sebastião (IG, 2010) Evidências de Instabilidade
  • 59. Campo Limpo Pta, IG 2009 Juquehi, São Sebastião (IG, 2012) Evidências de Instabilidade
  • 61. Morro do Esquimó, São Sebastião (IG, 2013) Evidências de Instabilidade
  • 62. São Sebastião (IG, 2006) Guaratinguetá (IG, 2011) Evidências de Instabilidade
  • 63. Importante!! Surgência d’ água no Talude Escoamento de água pluvial Osasco, IG - 2006 Fator Água Lançamento de água servida
  • 64. Obrigada pela atenção!! Lídia Keiko Tominaga tominaga@igeologico.sp.gov.br http://www.igeologico.sp.gov.br