SlideShare uma empresa Scribd logo
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
AVALIAÇÃO E MAPEAMENTO DE RISCO A
ESCORREGAMENTOS NO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ, SP
Lídia Keiko Tominaga, Daniela Gírio Marchiori Faria, Cláudio J. Ferreira, Denise Rossini Penteado, Maria José Brollo,
Antonio C. M. Guedes, Oswaldo Coutinho.
Instituto Geológico - Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo
Utilizou-se metodologia desenvolvida pelo Instituto Geológico, para análise
regional, e a do Ministério das Cidades, para análise local, às quais se aplicam os
princípios da Equação de Risco (Tominaga et al. 2004 e 2008; Ferreira & Rossini-
Penteado 2011; Brasil 2007), R = PxVxD (Risco = f (Perigo X Vulnerabilidade X
Dano Potencial).
O crescimento da ocupação urbana em áreas sujeitas a processos perigosos, as quais propiciam o surgimento de situações de
risco em várias regiões do Brasil, motivou o Instituto Geológico a elaborar uma cartografia de risco abrangendo tanto as áreas de risco
existentes como aquelas com potencial de risco. Assim, a metodologia adotada pelo Instituto Geológico nos mapeamentos realizados
por meio da Cooperação Técnica com a CEDEC de São Paulo, considera a análise de perigo e risco em duas escalas de abordagem:
escala regional (1:50.000) e local (1:3.000).
A abordagem regional baseia-se na análise da paisagem e envolve avaliação regional de perigos, vulnerabilidade, danos e riscos
(Ferreira & Penteado, 2011).Acartografia gerada nessa escala pode ser utilizada para subsidiar instrumentos de planejamento e para a
identificação e seleção de áreas alvo para estudos em escala local (1:3.000), juntamente com os cadastros de eventos e as informações
da Defesa Civil municipal.
Acartografia de risco na escala de detalhe enfoca as áreas de risco definidas pela análise regional e as indicadas pela Defesa Civil
municipal. Os produtos gerados nessa escala implicam na definição de setores de risco a processos, com atribuição de graus de risco
variando de baixo a muito alto. Consiste em instrumento de gerenciamento de risco, de suporte a decisões pelo poder público municipal
na adoção de medidas necessárias à redução, mitigação ou eliminação do risco, além de orientar o trabalho da Defesa Civil Municipal
no atendimento de situações emergenciais.
Neste trabalho, apresenta-se o resultado do mapeamento de risco de Guaratinguetá, envolvendo a análise de processos de
escorregamentos. Os procedimentos incluíram as etapas: definição de unidades de análise (áreas-alvo); determinação e obtenção dos
atributos de análise; setorização e avaliação do risco.
O mapeamento de risco de Guaratinguetá identificou 21 setores de risco, sendo 7 setores de risco muito alto, 8 de risco alto, 5 de
risco médio e 1 de risco baixo, com um total de 577 moradias, dos quais 325 (56%) estão em risco muito alto e 128 (22%) em risco alto.A
cartografia final forneceu os setores de risco definidos e as recomendações técnicas para a redução, mitigação ou eliminação do risco.
RESUMO
METODOLOGIA
LOCALIZAÇÃO
Esta forma de abordagem de análise regional de risco mostrou-se mais abrangente, permitindo a identificação mais completa das situações de risco que
envolve a caracterização de perigos, vulnerabilidades e danos potencias de todo o território municipal.
Além disso, com a avaliação de perigos é possível o poder público municipal fazer um melhor controle de ocupações futuras, impedindo a instalação de
moradias em áreas de alto perigo, por meio de planos diretores municipais e legislação de uso do solo
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Definição de unidades territoriais básicas (UTB)
Definição/obtenção de atributos e seleção de fatores de
analise dos processos
Modelagem e cálculo das variáveis de risco
Cartografia de
risco
Mapa de perigo
Mapa de vulnerabilidade
Mapa de dano potencial
Mapa de Risco
Regional
(1:50.000)
FASE 1 - INVENTÁRIO DE INFORMAÇÕES E DADOS SOBRE EVENTOS E ACIDENTES
FASE 2 - MAPEAMENTO DE RISCO NA ESCALA REGIONAL 1:50.000
Índice de Perigo (P)
PEsc = 0,1(AM) + 0,3(DE) + 0,1(DD)+ 0,1(DL) +
0,1 (EH) + 0,3(PI)
Índice de Vulnerabilidade (V)
V = (((AA + CE + CL + OU)/4) + (IN + RE)/2))/2
Índice de Dano Potencial (D)
Ponderação e agrupamento dos valores do fator
Densidade de População (DP), em quatro
intervalos de classe.
Sendo: PEsc= índice de perigo a escorregamento; AM=amplitude; DE=declividade; DD=
densidade de drenagem; DL= densidade de lineamentos; EH= excedente hídrico; PI= potencial
de indução; AA = índice abastecimento de água; CE = índice coleta de esgoto; CL = índice
coleta de lixo; OU = ordenamento urbano; IN = índice instrução; RE = índice renda.
R (Esc,) = P(Esc,) * V * D
Onde: R= índice de risco a escorregamento; Pesc,= índice de perigo a
escorregamento; V= índice de vulnerabilidade; D= índice de dano
potencial.
Os resultados obtidos foram distribuídos em quatro classes pelo
método de quebras naturais, obtendo-se:
R1 (Baixa); R2 (Média); R3 (Alta); R4 (Muito Alta).
Cálculo das variáveis da equação de risco: índices de
perigo, vulnerabilidade e dano potencial (R=PxVxD)
Mapa de risco a escorregamento - Área 2 - Pedreira
Mapa de perigo a escorregamento
Setores de risco
Índices de risco (áreas urbanas)
Grau de Risco
07 setores 325 moradias
08 setores 128 moradias
05 setores 102 moradias
01 setor 22 moradias
Total 21 setores 577 moradias
Risco Muito Alto
R4
Risco Alto
R3
Risco Médio
R2
Risco Baixo
R1
Número de setores/número
de moradias associados ao
grau de risco
FASE 3 - MAPEAMENTO DE RISCO NA ESCALA LOCAL 1:3.000
Área 6
Jd.
Tamandaré
Foto 4 – Setor de risco muito alto onde houve escorregamento em 2010,
atingindo moradias na base do talude.
Foto 2 – Setor de risco muito alto com moradias em demolição.
Foto 1 – Cicatrizes de escorregamentos em encosta próxima de moradias.
Foto 3 - Cicatriz de escorregamento em encosta com declividade
acentuada.
Foto 5 – Cicatrizes de escorregamentos em encosta natural, indicando perigo
muito alto a estes processos.
Cartografia de Risco
Escala 1:50.000
Inventário de informações e dados
sobre eventos e acidentes
Áreas alvos para estudo de
detalhes
Levantamentos de campo:
atributos relacionados ao
perigo, à vulnerabilidade e ao
dano potencial
Análise e avaliação de risco
(qualitativa)
Setorização do risco
Mapas de Risco
1:3.000

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Impact of celebrity endorsement on consumer buying behavior in prospect of so...
Impact of celebrity endorsement on consumer buying behavior in prospect of so...Impact of celebrity endorsement on consumer buying behavior in prospect of so...
Impact of celebrity endorsement on consumer buying behavior in prospect of so...
Hardik Jani
 
Mesa Militares Víctimas del conflicto armado interno
Mesa Militares Víctimas del conflicto armado internoMesa Militares Víctimas del conflicto armado interno
Mesa Militares Víctimas del conflicto armado interno
Autonomo
 
La integral definida final
La integral definida finalLa integral definida final
Revised famous woa
Revised famous woaRevised famous woa
Revised famous woa
andreaburris
 
1. conv nacional_30_-_terminos_de_referencia
1. conv nacional_30_-_terminos_de_referencia1. conv nacional_30_-_terminos_de_referencia
1. conv nacional_30_-_terminos_de_referencia
Bibiana Esthella Mendoza Imbachi
 
Parte2 tratamiento reuso_aguas_residuales
Parte2 tratamiento reuso_aguas_residualesParte2 tratamiento reuso_aguas_residuales
Parte2 tratamiento reuso_aguas_residuales
Jean Kevin Coba Taboada
 
Atenção básica saúde da mulher
Atenção básica saúde da mulherAtenção básica saúde da mulher
Atenção básica saúde da mulher
Rodrigo Abreu
 
Guía de accidentes e incidentes en el trabajo
Guía de accidentes e incidentes en el trabajoGuía de accidentes e incidentes en el trabajo
Guía de accidentes e incidentes en el trabajo
milepinzongomez
 
Covert Naturalistic Observation
Covert Naturalistic ObservationCovert Naturalistic Observation
Covert Naturalistic Observation
Jim Ross
 
Matriculados cursos asignados
Matriculados  cursos asignadosMatriculados  cursos asignados
Matriculados cursos asignados
JUA MANUEL GONZALEZ
 
Fixed Designs for Psychological Research
Fixed Designs for Psychological ResearchFixed Designs for Psychological Research
Fixed Designs for Psychological Research
Grant Heller
 
Such a weird Processor: messing with opcodes (...and a little bit of PE) (Has...
Such a weird Processor: messing with opcodes (...and a little bit of PE) (Has...Such a weird Processor: messing with opcodes (...and a little bit of PE) (Has...
Such a weird Processor: messing with opcodes (...and a little bit of PE) (Has...
Ange Albertini
 
Trabalhos científicos
Trabalhos científicosTrabalhos científicos
Trabalhos científicos
Baltazar Chipiringo
 
Guia administracion del_riesgo
Guia administracion del_riesgoGuia administracion del_riesgo
Guia administracion del_riesgo
psicologavanessasoto
 
Jenny Donnelly
Jenny DonnellyJenny Donnelly
Jenny Donnelly
Ajax Experience 2009
 
LAB REPORT DROSOPHILA MELANOGASTER
LAB REPORT DROSOPHILA MELANOGASTERLAB REPORT DROSOPHILA MELANOGASTER
LAB REPORT DROSOPHILA MELANOGASTER
siti sarah
 
Identifying the topic/ ideas, coherence&unity in paragraph
Identifying the topic/ ideas, coherence&unity in paragraphIdentifying the topic/ ideas, coherence&unity in paragraph
Identifying the topic/ ideas, coherence&unity in paragraph
Jabe Macalinao
 
Comunicación sincrónica en e learning
Comunicación sincrónica en e learningComunicación sincrónica en e learning
Comunicación sincrónica en e learning
yarelis pitti
 
150 lifehackingtips
150 lifehackingtips150 lifehackingtips
150 lifehackingtips
willemdeklerk
 
Dislipemias
DislipemiasDislipemias

Destaque (20)

Impact of celebrity endorsement on consumer buying behavior in prospect of so...
Impact of celebrity endorsement on consumer buying behavior in prospect of so...Impact of celebrity endorsement on consumer buying behavior in prospect of so...
Impact of celebrity endorsement on consumer buying behavior in prospect of so...
 
Mesa Militares Víctimas del conflicto armado interno
Mesa Militares Víctimas del conflicto armado internoMesa Militares Víctimas del conflicto armado interno
Mesa Militares Víctimas del conflicto armado interno
 
La integral definida final
La integral definida finalLa integral definida final
La integral definida final
 
Revised famous woa
Revised famous woaRevised famous woa
Revised famous woa
 
1. conv nacional_30_-_terminos_de_referencia
1. conv nacional_30_-_terminos_de_referencia1. conv nacional_30_-_terminos_de_referencia
1. conv nacional_30_-_terminos_de_referencia
 
Parte2 tratamiento reuso_aguas_residuales
Parte2 tratamiento reuso_aguas_residualesParte2 tratamiento reuso_aguas_residuales
Parte2 tratamiento reuso_aguas_residuales
 
Atenção básica saúde da mulher
Atenção básica saúde da mulherAtenção básica saúde da mulher
Atenção básica saúde da mulher
 
Guía de accidentes e incidentes en el trabajo
Guía de accidentes e incidentes en el trabajoGuía de accidentes e incidentes en el trabajo
Guía de accidentes e incidentes en el trabajo
 
Covert Naturalistic Observation
Covert Naturalistic ObservationCovert Naturalistic Observation
Covert Naturalistic Observation
 
Matriculados cursos asignados
Matriculados  cursos asignadosMatriculados  cursos asignados
Matriculados cursos asignados
 
Fixed Designs for Psychological Research
Fixed Designs for Psychological ResearchFixed Designs for Psychological Research
Fixed Designs for Psychological Research
 
Such a weird Processor: messing with opcodes (...and a little bit of PE) (Has...
Such a weird Processor: messing with opcodes (...and a little bit of PE) (Has...Such a weird Processor: messing with opcodes (...and a little bit of PE) (Has...
Such a weird Processor: messing with opcodes (...and a little bit of PE) (Has...
 
Trabalhos científicos
Trabalhos científicosTrabalhos científicos
Trabalhos científicos
 
Guia administracion del_riesgo
Guia administracion del_riesgoGuia administracion del_riesgo
Guia administracion del_riesgo
 
Jenny Donnelly
Jenny DonnellyJenny Donnelly
Jenny Donnelly
 
LAB REPORT DROSOPHILA MELANOGASTER
LAB REPORT DROSOPHILA MELANOGASTERLAB REPORT DROSOPHILA MELANOGASTER
LAB REPORT DROSOPHILA MELANOGASTER
 
Identifying the topic/ ideas, coherence&unity in paragraph
Identifying the topic/ ideas, coherence&unity in paragraphIdentifying the topic/ ideas, coherence&unity in paragraph
Identifying the topic/ ideas, coherence&unity in paragraph
 
Comunicación sincrónica en e learning
Comunicación sincrónica en e learningComunicación sincrónica en e learning
Comunicación sincrónica en e learning
 
150 lifehackingtips
150 lifehackingtips150 lifehackingtips
150 lifehackingtips
 
Dislipemias
DislipemiasDislipemias
Dislipemias
 

Semelhante a Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratinguetá, SP.

PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
Maria José Brollo
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
Maria José Brollo
 
Artigo bioterra v14_n2_10
Artigo bioterra v14_n2_10Artigo bioterra v14_n2_10
Artigo bioterra v14_n2_10
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Dany$Oswaldo7SBCG
Dany$Oswaldo7SBCGDany$Oswaldo7SBCG
Dany$Oswaldo7SBCG
Maria José Brollo
 
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicosO uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
Claudio Ferreira
 
Palestra mauá instituto geológico
Palestra mauá instituto geológicoPalestra mauá instituto geológico
Palestra mauá instituto geológico
benedecti
 
Intervenções em áreas de risco no município de são paulo
Intervenções em áreas de risco no município de são pauloIntervenções em áreas de risco no município de são paulo
Intervenções em áreas de risco no município de são paulo
Chico Macena
 
Defesa civil diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012
Defesa civil  diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012Defesa civil  diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012
Defesa civil diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012
Secretaria Planejamento SC
 
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de ContigênciasSeminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Alexandre Salvador
 
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturaisGestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Claudio Ferreira
 
Palestrante Aline Freitas - DRM/RJ
Palestrante Aline Freitas - DRM/RJPalestrante Aline Freitas - DRM/RJ
Palestrante Aline Freitas - DRM/RJ
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
PCFernandes
PCFernandesPCFernandes
PCFernandes
Maria José Brollo
 
Prevenção de riscos geológicos e desastres naturais no estado do rio de janeiro
Prevenção de riscos geológicos e desastres naturais no estado do rio de janeiroPrevenção de riscos geológicos e desastres naturais no estado do rio de janeiro
Prevenção de riscos geológicos e desastres naturais no estado do rio de janeiro
Alerj
 
Cabo verde 2011_jlz_2
Cabo verde 2011_jlz_2Cabo verde 2011_jlz_2
Cabo verde 2011_jlz_2
uccp
 
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
Maria José Brollo
 
Analise de risco capital do rn
Analise de risco capital do rnAnalise de risco capital do rn
Analise de risco capital do rn
Renato Campos
 
Operação Guarda-Chuva 2015 - São Bernardo do Campo
Operação Guarda-Chuva 2015 - São Bernardo do CampoOperação Guarda-Chuva 2015 - São Bernardo do Campo
Operação Guarda-Chuva 2015 - São Bernardo do Campo
Pref_SBC
 
Mapeamento de Áreas de Risco de Guaratinguetá - Instituto Geológico -29 de ag...
Mapeamento de Áreas de Risco de Guaratinguetá - Instituto Geológico -29 de ag...Mapeamento de Áreas de Risco de Guaratinguetá - Instituto Geológico -29 de ag...
Mapeamento de Áreas de Risco de Guaratinguetá - Instituto Geológico -29 de ag...
Maria José Brollo
 
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
Maria José Brollo
 
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
Antonio Carlos Guedes
 

Semelhante a Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratinguetá, SP. (20)

PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
 
Artigo bioterra v14_n2_10
Artigo bioterra v14_n2_10Artigo bioterra v14_n2_10
Artigo bioterra v14_n2_10
 
Dany$Oswaldo7SBCG
Dany$Oswaldo7SBCGDany$Oswaldo7SBCG
Dany$Oswaldo7SBCG
 
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicosO uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
 
Palestra mauá instituto geológico
Palestra mauá instituto geológicoPalestra mauá instituto geológico
Palestra mauá instituto geológico
 
Intervenções em áreas de risco no município de são paulo
Intervenções em áreas de risco no município de são pauloIntervenções em áreas de risco no município de são paulo
Intervenções em áreas de risco no município de são paulo
 
Defesa civil diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012
Defesa civil  diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012Defesa civil  diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012
Defesa civil diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012
 
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de ContigênciasSeminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
 
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturaisGestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
 
Palestrante Aline Freitas - DRM/RJ
Palestrante Aline Freitas - DRM/RJPalestrante Aline Freitas - DRM/RJ
Palestrante Aline Freitas - DRM/RJ
 
PCFernandes
PCFernandesPCFernandes
PCFernandes
 
Prevenção de riscos geológicos e desastres naturais no estado do rio de janeiro
Prevenção de riscos geológicos e desastres naturais no estado do rio de janeiroPrevenção de riscos geológicos e desastres naturais no estado do rio de janeiro
Prevenção de riscos geológicos e desastres naturais no estado do rio de janeiro
 
Cabo verde 2011_jlz_2
Cabo verde 2011_jlz_2Cabo verde 2011_jlz_2
Cabo verde 2011_jlz_2
 
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
 
Analise de risco capital do rn
Analise de risco capital do rnAnalise de risco capital do rn
Analise de risco capital do rn
 
Operação Guarda-Chuva 2015 - São Bernardo do Campo
Operação Guarda-Chuva 2015 - São Bernardo do CampoOperação Guarda-Chuva 2015 - São Bernardo do Campo
Operação Guarda-Chuva 2015 - São Bernardo do Campo
 
Mapeamento de Áreas de Risco de Guaratinguetá - Instituto Geológico -29 de ag...
Mapeamento de Áreas de Risco de Guaratinguetá - Instituto Geológico -29 de ag...Mapeamento de Áreas de Risco de Guaratinguetá - Instituto Geológico -29 de ag...
Mapeamento de Áreas de Risco de Guaratinguetá - Instituto Geológico -29 de ag...
 
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
 
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
 

Mais de Maria José Brollo

GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
Maria José Brollo
 
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Maria José Brollo
 
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Maria José Brollo
 
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Maria José Brollo
 
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Maria José Brollo
 
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
Maria José Brollo
 
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
Maria José Brollo
 
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Maria José Brollo
 
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
Maria José Brollo
 
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Maria José Brollo
 
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo. Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Maria José Brollo
 
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Maria José Brollo
 
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Maria José Brollo
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Maria José Brollo
 
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Maria José Brollo
 
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Maria José Brollo
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Gestão de Riscos Geoló...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Gestão de Riscos Geoló...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Gestão de Riscos Geoló...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Gestão de Riscos Geoló...
Maria José Brollo
 
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Maria José Brollo
 
Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do R...
Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do R...Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do R...
Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do R...
Maria José Brollo
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Maria José Brollo
 

Mais de Maria José Brollo (20)

GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
 
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
 
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
 
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
 
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
 
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
 
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
 
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
 
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
 
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
 
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo. Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
 
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
 
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
 
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
 
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Gestão de Riscos Geoló...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Gestão de Riscos Geoló...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Gestão de Riscos Geoló...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Gestão de Riscos Geoló...
 
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
 
Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do R...
Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do R...Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do R...
Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do R...
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
 

Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratinguetá, SP.

  • 1. SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE AVALIAÇÃO E MAPEAMENTO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS NO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ, SP Lídia Keiko Tominaga, Daniela Gírio Marchiori Faria, Cláudio J. Ferreira, Denise Rossini Penteado, Maria José Brollo, Antonio C. M. Guedes, Oswaldo Coutinho. Instituto Geológico - Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Utilizou-se metodologia desenvolvida pelo Instituto Geológico, para análise regional, e a do Ministério das Cidades, para análise local, às quais se aplicam os princípios da Equação de Risco (Tominaga et al. 2004 e 2008; Ferreira & Rossini- Penteado 2011; Brasil 2007), R = PxVxD (Risco = f (Perigo X Vulnerabilidade X Dano Potencial). O crescimento da ocupação urbana em áreas sujeitas a processos perigosos, as quais propiciam o surgimento de situações de risco em várias regiões do Brasil, motivou o Instituto Geológico a elaborar uma cartografia de risco abrangendo tanto as áreas de risco existentes como aquelas com potencial de risco. Assim, a metodologia adotada pelo Instituto Geológico nos mapeamentos realizados por meio da Cooperação Técnica com a CEDEC de São Paulo, considera a análise de perigo e risco em duas escalas de abordagem: escala regional (1:50.000) e local (1:3.000). A abordagem regional baseia-se na análise da paisagem e envolve avaliação regional de perigos, vulnerabilidade, danos e riscos (Ferreira & Penteado, 2011).Acartografia gerada nessa escala pode ser utilizada para subsidiar instrumentos de planejamento e para a identificação e seleção de áreas alvo para estudos em escala local (1:3.000), juntamente com os cadastros de eventos e as informações da Defesa Civil municipal. Acartografia de risco na escala de detalhe enfoca as áreas de risco definidas pela análise regional e as indicadas pela Defesa Civil municipal. Os produtos gerados nessa escala implicam na definição de setores de risco a processos, com atribuição de graus de risco variando de baixo a muito alto. Consiste em instrumento de gerenciamento de risco, de suporte a decisões pelo poder público municipal na adoção de medidas necessárias à redução, mitigação ou eliminação do risco, além de orientar o trabalho da Defesa Civil Municipal no atendimento de situações emergenciais. Neste trabalho, apresenta-se o resultado do mapeamento de risco de Guaratinguetá, envolvendo a análise de processos de escorregamentos. Os procedimentos incluíram as etapas: definição de unidades de análise (áreas-alvo); determinação e obtenção dos atributos de análise; setorização e avaliação do risco. O mapeamento de risco de Guaratinguetá identificou 21 setores de risco, sendo 7 setores de risco muito alto, 8 de risco alto, 5 de risco médio e 1 de risco baixo, com um total de 577 moradias, dos quais 325 (56%) estão em risco muito alto e 128 (22%) em risco alto.A cartografia final forneceu os setores de risco definidos e as recomendações técnicas para a redução, mitigação ou eliminação do risco. RESUMO METODOLOGIA LOCALIZAÇÃO Esta forma de abordagem de análise regional de risco mostrou-se mais abrangente, permitindo a identificação mais completa das situações de risco que envolve a caracterização de perigos, vulnerabilidades e danos potencias de todo o território municipal. Além disso, com a avaliação de perigos é possível o poder público municipal fazer um melhor controle de ocupações futuras, impedindo a instalação de moradias em áreas de alto perigo, por meio de planos diretores municipais e legislação de uso do solo CONSIDERAÇÕES FINAIS Definição de unidades territoriais básicas (UTB) Definição/obtenção de atributos e seleção de fatores de analise dos processos Modelagem e cálculo das variáveis de risco Cartografia de risco Mapa de perigo Mapa de vulnerabilidade Mapa de dano potencial Mapa de Risco Regional (1:50.000) FASE 1 - INVENTÁRIO DE INFORMAÇÕES E DADOS SOBRE EVENTOS E ACIDENTES FASE 2 - MAPEAMENTO DE RISCO NA ESCALA REGIONAL 1:50.000 Índice de Perigo (P) PEsc = 0,1(AM) + 0,3(DE) + 0,1(DD)+ 0,1(DL) + 0,1 (EH) + 0,3(PI) Índice de Vulnerabilidade (V) V = (((AA + CE + CL + OU)/4) + (IN + RE)/2))/2 Índice de Dano Potencial (D) Ponderação e agrupamento dos valores do fator Densidade de População (DP), em quatro intervalos de classe. Sendo: PEsc= índice de perigo a escorregamento; AM=amplitude; DE=declividade; DD= densidade de drenagem; DL= densidade de lineamentos; EH= excedente hídrico; PI= potencial de indução; AA = índice abastecimento de água; CE = índice coleta de esgoto; CL = índice coleta de lixo; OU = ordenamento urbano; IN = índice instrução; RE = índice renda. R (Esc,) = P(Esc,) * V * D Onde: R= índice de risco a escorregamento; Pesc,= índice de perigo a escorregamento; V= índice de vulnerabilidade; D= índice de dano potencial. Os resultados obtidos foram distribuídos em quatro classes pelo método de quebras naturais, obtendo-se: R1 (Baixa); R2 (Média); R3 (Alta); R4 (Muito Alta). Cálculo das variáveis da equação de risco: índices de perigo, vulnerabilidade e dano potencial (R=PxVxD) Mapa de risco a escorregamento - Área 2 - Pedreira Mapa de perigo a escorregamento Setores de risco Índices de risco (áreas urbanas) Grau de Risco 07 setores 325 moradias 08 setores 128 moradias 05 setores 102 moradias 01 setor 22 moradias Total 21 setores 577 moradias Risco Muito Alto R4 Risco Alto R3 Risco Médio R2 Risco Baixo R1 Número de setores/número de moradias associados ao grau de risco FASE 3 - MAPEAMENTO DE RISCO NA ESCALA LOCAL 1:3.000 Área 6 Jd. Tamandaré Foto 4 – Setor de risco muito alto onde houve escorregamento em 2010, atingindo moradias na base do talude. Foto 2 – Setor de risco muito alto com moradias em demolição. Foto 1 – Cicatrizes de escorregamentos em encosta próxima de moradias. Foto 3 - Cicatriz de escorregamento em encosta com declividade acentuada. Foto 5 – Cicatrizes de escorregamentos em encosta natural, indicando perigo muito alto a estes processos. Cartografia de Risco Escala 1:50.000 Inventário de informações e dados sobre eventos e acidentes Áreas alvos para estudo de detalhes Levantamentos de campo: atributos relacionados ao perigo, à vulnerabilidade e ao dano potencial Análise e avaliação de risco (qualitativa) Setorização do risco Mapas de Risco 1:3.000