SlideShare uma empresa Scribd logo
DESASTRES NATURAIS E RISCOS
 EM SÃO LUIZ DE PARAITINGA
            (SP)

                           Maria José Brollo
                       Lídia Keiko Tominaga
                   Denise Rossini Penteado
                       Rosângela do Amaral
                  Rogério Rodrigues Ribeiro
              Antonio Carlos Moretti Guedes
Introdução
Introdução
• São Luiz do Paraitinga,
  Angra dos Reis, Cunha
  (dez.2009, jan.2010)
• Rio de Janeiro e Niterói
  (abril/2010)
Introdução
     • EVENTO chuvoso de
       grande magnitude
     • ACIDENTE: extensa
       inundação e inúmeros
       escorregamentos (área
       urbana e rural)
     • DANOS:
        • 5.163 pessoas afetadas
          (quase 50% da
          população)
        • acervo histórico-cultural
          (Centro Histórico: 437
          imóveis dos séculos
          XVIII e XIX).
Objetivo
Objetivo

Analisar o desastre
ocorrido em São Luiz do
Paraitinga (SP) no verão
2009-2010, considerando
as variáveis da equação de
risco,
        R=PxVxD
     Risco=Perigo x
 Vulnerabilidade x Dano
        Potencial
Objetivo

Analisar o desastre          tendo como suporte:
ocorrido em São Luiz do
                             • mapeamento de áreas
Paraitinga (SP) no verão
2009-2010, considerando      de risco (IG-SMA 2008)
as variáveis da equação de   • relatórios de vistoria
risco,                       técnica IG pós-desastre
        R=PxVxD              (2010)

     Risco=Perigo x
 Vulnerabilidade x Dano
        Potencial
Localização
Localização
• bacia hidrográfica do Rio Paraitinga: 5.271 km2

• O percurso do rio desde a cabeceira até o município de São
  Luís do Paraitinga: cerca de 80km, com desnível 1000m.
Características da área
Características da área




             GEOLOGIA. rochas ígneas-
               metamórficas pré-cambrianas
               associados principalmente ao
               Complexo Embu (quartzo
               mica xistos e quartzitos,
               biotita gnaisses, muscovita-
               biotita granitos), recortados
               por zonas de cisalhamento
               dúcteis, dextrais, sub-verticais
               e profundas, com orientações
               segundo ENE a E-W.
Características da área
Características da área
             GEOMORFOLOGIA.

             • morros altos e alongados com
               topos convexos,

             • altitudes entre 800 a 1200m

             • declividades entre 20 e 30%,

             • formas muito dissecadas e
               vales entalhados associados a
               alta densidade de drenagem.

             • solos mais freqüentes:
               cambissolos e litólicos.

              CLIMA. O total pluviométrico
                anual médio é de 1.193mm.
Mapeamento de
Áreas de Risco de
São Luiz do
Paraitinga (IG-SMA
2008)

  31 Setores de Risco

-18 setores (58%) - risco de
escorregamentos
-13 setores (42%) - risco de
inundação e
solapamento de margens.
Mapeamento de
Areas de Risco de
São Luiz do
Paraitinga (IG-SMA
2008)

 818 moradias em risco

- 296 (36%) - áreas sujeitas
a escorregamentos
- 522 (64%) - áreas sujeitas
a inundação
Mapeamento de
Areas de Risco de
São Luiz do
Paraitinga (IG-SMA
2008)

 818 moradias em risco

- 296 (36%) - áreas sujeitas
a escorregamentos
- 522 (64%) - áreas sujeitas
a inundação
Mapeamento de
Areas de Risco de
São Luiz do
Paraitinga (IG-SMA
2008)
Setores de risco muito alto (Morro do
Cruzeiro)

                      Clique para editar o
                       formato do texto da
                       estrutura de tópicos
                        2º Nível da
                         estrutura de tópicos
                           − 3º Nível da
                             estrutura de
                             tópicos
                               4º Nível da
                                estrutura de
                                tópicos
Setores de risco muito alto (Morro do
Cruzeiro)

                      Clique para editar o
                       formato do texto da
                       estrutura de tópicos
                        2º Nível da
                         estrutura de tópicos
                           − 3º Nível da
                             estrutura de
                             tópicos
                               4º Nível da
                                estrutura de
                                tópicos
Setores de risco muito alto (Morro do
Cruzeiro)

                      Clique para editar o
                       formato do texto da
                       estrutura de tópicos
                        2º Nível da
                         estrutura de tópicos
                           − 3º Nível da
                             estrutura de
                             tópicos
                               4º Nível da
                                estrutura de
                                tópicos
Enchente de 03 jan.2000


             Clique para editar o
              formato do texto da
              estrutura de tópicos
               2º Nível da
                estrutura de tópicos
                  − 3º Nível da
                    estrutura de
                    tópicos
                      4º Nível da
                       estrutura de
                       tópicos
Enchente de 2006


         Clique para editar o
          formato do texto da
          estrutura de tópicos
            2º Nível da
             estrutura de tópicos
               − 3º Nível da
                 estrutura de
                 tópicos
                   4º Nível da
                    estrutura de
                    tópicos
Enchente de 2006


         Clique para editar o
          formato do texto da
          estrutura de tópicos
            2º Nível da
             estrutura de tópicos
               − 3º Nível da
                 estrutura de
                 tópicos
                   4º Nível da
                    estrutura de
                    tópicos
O Desastre do Verão 2009-2010
O Desastre do Verão 2009-2010

 04.dez.2009 : 232,7mm
  (acumulado 72h)
 31.dez.2009 : 624,8mm
  (mensal)
 bacia do Rio Paraitinga :
  altos índices
  pluviométricos nos
  últimos dias de dez.2009
 elevação dos níveis dos
  rios tributários em até
  10m acima do normal.
 1º jan.2010 > cheia do Rio
  Paraitinga 11m acima do
  nível normal.
O Desastre do Verão 2009-2010

 04.dez.2009 : 232,7mm         maior evento de inundação
  (acumulado 72h)                registrado no município
 31.dez.2009 : 624,8mm         até então => de cheias
  (mensal)                       periódicas atingindo de 2 a
                                 4m acima do nível normal
 bacia do Rio Paraitinga :      do rio.
  altos índices                 As áreas de morros
  pluviométricos nos             apresentaram vários pontos
  últimos dias de dez.2009       de instabilização com
 elevação dos níveis dos        processos de
                                 escorregamentos de taludes
  rios tributários em até
                                 de corte ou naturais, taludes
  10m acima do normal.
                                 de aterro, degraus de
 1º jan.2010 > cheia do Rio     abatimento e trincas nos
  Paraitinga 11m acima do        terrenos e/ou em
  nível normal.                  edificações.
Análise dos dados
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)
DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)
Danos do Desastre
Danos do Desastre
 A gravidade e extensão dos
  danos => Estado de
  Calamidade Pública.
              Pública
 AVADAN (Avaliação de
  Danos): 5.163 pessoas          Cerca de 220km de
  afetadas, 1 morte,
                                  estradas e vias urbanas e
 97 moradias destruídas,         100 obras de arte de
  134 moradias danificadas, 6     engenharia (pontes,
  edifícios públicos e 225        galerias, etc) danificados;
  estabelecimentos                outras 80 pontes
  comerciais danificados.         destruídas.
                                 Prejuízos envolvendo a
                                  infraestrutura, o comércio e
                                  serviços, a agricultura, a
                                  pecuária e outros de
                                  natureza social > R$ 141
                                  milhões.
                                  milhões
Resultados

 R=PxVxD          P=SxIxCh
  Perigo=Suscetibilidade x Potencial
    de Indução x Evento Chuvoso

Suscetibilidade (S) = alta a muito alta
Resultados

 R=PxVxD          P=SxIxCh
  Perigo=Suscetibilidade x Potencial
    de Indução x Evento Chuvoso

Suscetibilidade (S) = alta a muito alta
Resultados

 R=PxVxD          P=SxIxCh
  Perigo=Suscetibilidade x Potencial
    de Indução x Evento Chuvoso

Suscetibilidade (S) = alta a muito alta



O núcleo urbano concentra-se na           •As encostas no entorno da
  planície de inundação do rio            planície apresentam alturas e
  Paraitinga, situado na porção           declividades elevadas, tendo
  média de bacia hidrográfica             como substrato um solo de
  muito ramificada, que recebe            alteração de muscovita-
  uma importante contribuição dos         gnaisse bandado e micaxisto,
  rios tributários, com cabeceiras        com importante
  distantes e altitudes bem mais          condicionante estrutural.
  elevadas, implicando numa
  grande vazão hidráulica.
Resultados

R=PxVxD         P=SxIxCh
 Perigo=Suscetibilidade x Potencial
   de Indução x Evento Chuvoso

Potencial de Indução (I) do uso do
solo = alto
Resultados

R=PxVxD         P=SxIxCh
 Perigo=Suscetibilidade x Potencial
   de Indução x Evento Chuvoso
                                         áreas de encosta
Potencial de Indução (I) do uso do
solo = alto                              -corte e aterro, em geral
                                         executados sem técnica
                                         adequada, levando à ruptura
                                         do terreno e destruição ou
                                         atingimento de construções.
                                         - ocupação parcialmente
                                         consolidada,
                                         - estrutura construtiva das
áreas sujeitas a inundação               moradias em geral
- variável relacionada com as            deficiente,
características da bacia                 - condições inadequadas de
hidrográfica.                            drenagem e saneamento.
Resultados

R=PxVxD        P=SxIxCh
Perigo=Suscetibilidade x Potencial
  de Indução x Evento Chuvoso

 o Evento Chuvoso (Ch)
 associado ao desastre
 apresenta magnitude
 extremamente elevada, uma
 vez que superou
 excessivamente a marca
 histórica
Resultados

R=PxVxD        P=SxIxCh
Perigo=Suscetibilidade x Potencial
  de Indução x Evento Chuvoso

 o Evento Chuvoso (Ch)                total pluviométrico anual
 associado ao desastre                 médio = 1.193mm
 apresenta magnitude
 extremamente elevada, uma            04.dez.2009 : 232,7mm
 vez que superou                       (acumulado 72h)
 excessivamente a marca
 histórica                            31.dez.2009 : 624,8mm
                                       (mensal) > cerca de 50% da
                                       media anual
Resultados

R=PxVxD          P=SxIxCh
 Perigo=Suscetibilidade x Potencial
   de Indução x Evento Chuvoso

Vulnerabilidade (V) = muito alta a alta
Resultados

R=PxVxD          P=SxIxCh
 Perigo=Suscetibilidade x Potencial
   de Indução x Evento Chuvoso

Vulnerabilidade (V) = muito alta a alta
Resultados
                                          V mto alta > edificações executadas
R=PxVxD          P=SxIxCh                 em pau a pique e em taipa,
 Perigo=Suscetibilidade x Potencial       V alta > edificações em alvenaria com
   de Indução x Evento Chuvoso            deficiência estrutural


Vulnerabilidade (V) = muito alta a alta



 - proximidade das construções dos taludes
 marginais do rio Paraitinga > eleva V, mesmo se
 construída em alvenaria.
Resultados

R=PxVxD        P=SxIxCh
Perigo=Suscetibilidade x Potencial
  de Indução x Evento Chuvoso



Dano potencial (D) => 5.163
  pessoas afetadas (segundo
  dados do AVADAN), cerca de
  50% da população do município.
Conclusoes

R=PxVxD         P=SxIxCh
Perigo=Suscetibilidade x Potencial
  de Indução x Evento Chuvoso

S = alta a muito alta
 I = alto
Ch = extremamente elevada
V = muito alta a alta
D = alto
Conclusoes

R=PxVxD          P=SxIxCh
 Perigo=Suscetibilidade x Potencial
   de Indução x Evento Chuvoso

 S = alta a muito alta
  I = alto
 Ch = extremamente elevada
 V = muito alta a alta
 D = alto




o Risco a que esteve exposta a
cidade foi de proporções muito
elevadas
Conclusoes

R=PxVxD          P=SxIxCh
 Perigo=Suscetibilidade x Potencial
   de Indução x Evento Chuvoso        - não é possível o controle
                                      sobre os fatores naturais
 S = alta a muito alta                como suscetibilidade e
                                      evento chuvoso.
  I = alto
 Ch = extremamente elevada            - fatores que poderiam
 V = muito alta a alta                alterar o resultado desta
 D = alto                             equação => associados ao
                                      uso e ocupação do solo
                                      (potencial de indução e
                                      vulnerabilidade)        e
                                      gerenciamento do risco.
o Risco a que esteve exposta a
cidade foi de proporções muito
elevadas
• Embora tal desastre não pudesse ter sido evitado, o
  poder público municipal já contava com os recursos
  técnicos necessários para encaminhar soluções
  atenuantes nas áreas problemáticas, utilizando
  recursos financeiros disponíveis junto a órgãos
  federais e estaduais.
• Além disso, deve-se considerar que as mudanças
  climáticas são uma realidade com a qual se deve
  buscar a convivência, ou seja, é possível que novos
  eventos pluviométricos catastróficos voltem a
  ocorrer na região e ainda é possível adotar medidas
  preventivas para enfrentar esta situação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síndrome da Ardencia Bucal
Síndrome da Ardencia BucalSíndrome da Ardencia Bucal
Síndrome da Ardencia Bucal
Juliana Stuginski-Barbosa
 
TRABALHO DE INTRODUÇÃO A ODONTOLOGIA - O FLÚOR
TRABALHO DE INTRODUÇÃO A ODONTOLOGIA - O FLÚORTRABALHO DE INTRODUÇÃO A ODONTOLOGIA - O FLÚOR
TRABALHO DE INTRODUÇÃO A ODONTOLOGIA - O FLÚOR
Amannda Gabino
 
Incisivos Inferiores
Incisivos InferioresIncisivos Inferiores
Incisivos Inferiores
caiqueacm
 
Arco Tipo I e Tipo II de Baume - Resumo Concurso Público de Odontologia.pdf
Arco Tipo I e Tipo II de Baume - Resumo Concurso Público de Odontologia.pdfArco Tipo I e Tipo II de Baume - Resumo Concurso Público de Odontologia.pdf
Arco Tipo I e Tipo II de Baume - Resumo Concurso Público de Odontologia.pdf
André Milioli Martins
 
Odontohebiatria
OdontohebiatriaOdontohebiatria
Odontohebiatria
Uninove
 
Semiologia da Boca
Semiologia da BocaSemiologia da Boca
Semiologia da Boca
Hugo Fialho
 
Seminario histórico dos articuladores
Seminario histórico dos articuladoresSeminario histórico dos articuladores
Seminario histórico dos articuladores
Rhuan
 
DTM: Patologia articulares
DTM: Patologia articularesDTM: Patologia articulares
DTM: Patologia articulares
Gustavo Marques Tondin
 
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
André Milioli Martins
 
Lesão de furca
Lesão de furcaLesão de furca
Lesão de furca
Fabiano Cunha
 
Modelo de trabalho - técnica do alfinete Prótese
Modelo de trabalho - técnica do alfinete Prótese Modelo de trabalho - técnica do alfinete Prótese
Modelo de trabalho - técnica do alfinete Prótese
Camila Portes
 
As 6 chaves da oclusão (atualiz. giovanni)
As 6 chaves da oclusão (atualiz. giovanni)As 6 chaves da oclusão (atualiz. giovanni)
As 6 chaves da oclusão (atualiz. giovanni)
Henry Kramberger
 
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo GomesOdontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Marcelo Gomes
 
Aula anatomia dental
Aula anatomia dentalAula anatomia dental
Aula anatomia dental
wiajaraMenezes
 
Resumo de sistema respiratório
Resumo de sistema respiratórioResumo de sistema respiratório
Resumo de sistema respiratório
Regina Rafael Teixeira
 
Aula de ortopedia funcional
Aula de ortopedia funcionalAula de ortopedia funcional
Aula de ortopedia funcional
lucasmestrando11
 
Tratamiento de las lesiones perimplantarias
Tratamiento de las lesiones perimplantariasTratamiento de las lesiones perimplantarias
Tratamiento de las lesiones perimplantarias
Andrea Lucio Pirani
 
Cid odonto
Cid odontoCid odonto
Stillman Modificado
Stillman ModificadoStillman Modificado
Stillman Modificado
Flavio Salomao-Miranda
 
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
André Milioli Martins
 

Mais procurados (20)

Síndrome da Ardencia Bucal
Síndrome da Ardencia BucalSíndrome da Ardencia Bucal
Síndrome da Ardencia Bucal
 
TRABALHO DE INTRODUÇÃO A ODONTOLOGIA - O FLÚOR
TRABALHO DE INTRODUÇÃO A ODONTOLOGIA - O FLÚORTRABALHO DE INTRODUÇÃO A ODONTOLOGIA - O FLÚOR
TRABALHO DE INTRODUÇÃO A ODONTOLOGIA - O FLÚOR
 
Incisivos Inferiores
Incisivos InferioresIncisivos Inferiores
Incisivos Inferiores
 
Arco Tipo I e Tipo II de Baume - Resumo Concurso Público de Odontologia.pdf
Arco Tipo I e Tipo II de Baume - Resumo Concurso Público de Odontologia.pdfArco Tipo I e Tipo II de Baume - Resumo Concurso Público de Odontologia.pdf
Arco Tipo I e Tipo II de Baume - Resumo Concurso Público de Odontologia.pdf
 
Odontohebiatria
OdontohebiatriaOdontohebiatria
Odontohebiatria
 
Semiologia da Boca
Semiologia da BocaSemiologia da Boca
Semiologia da Boca
 
Seminario histórico dos articuladores
Seminario histórico dos articuladoresSeminario histórico dos articuladores
Seminario histórico dos articuladores
 
DTM: Patologia articulares
DTM: Patologia articularesDTM: Patologia articulares
DTM: Patologia articulares
 
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
 
Lesão de furca
Lesão de furcaLesão de furca
Lesão de furca
 
Modelo de trabalho - técnica do alfinete Prótese
Modelo de trabalho - técnica do alfinete Prótese Modelo de trabalho - técnica do alfinete Prótese
Modelo de trabalho - técnica do alfinete Prótese
 
As 6 chaves da oclusão (atualiz. giovanni)
As 6 chaves da oclusão (atualiz. giovanni)As 6 chaves da oclusão (atualiz. giovanni)
As 6 chaves da oclusão (atualiz. giovanni)
 
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo GomesOdontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
 
Aula anatomia dental
Aula anatomia dentalAula anatomia dental
Aula anatomia dental
 
Resumo de sistema respiratório
Resumo de sistema respiratórioResumo de sistema respiratório
Resumo de sistema respiratório
 
Aula de ortopedia funcional
Aula de ortopedia funcionalAula de ortopedia funcional
Aula de ortopedia funcional
 
Tratamiento de las lesiones perimplantarias
Tratamiento de las lesiones perimplantariasTratamiento de las lesiones perimplantarias
Tratamiento de las lesiones perimplantarias
 
Cid odonto
Cid odontoCid odonto
Cid odonto
 
Stillman Modificado
Stillman ModificadoStillman Modificado
Stillman Modificado
 
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
 

Mais de Maria José Brollo

GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
Maria José Brollo
 
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Maria José Brollo
 
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Maria José Brollo
 
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Maria José Brollo
 
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Maria José Brollo
 
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
Maria José Brollo
 
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
Maria José Brollo
 
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
Maria José Brollo
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
Maria José Brollo
 
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Maria José Brollo
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
Maria José Brollo
 
Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratingue...
Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratingue...Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratingue...
Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratingue...
Maria José Brollo
 
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
Maria José Brollo
 
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Maria José Brollo
 
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo. Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Maria José Brollo
 
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Maria José Brollo
 
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Maria José Brollo
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Maria José Brollo
 
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Maria José Brollo
 
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Maria José Brollo
 

Mais de Maria José Brollo (20)

GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
GESTÃO DE RISCOS DE DESASTRES DEVIDO A FENÔMENOS GEODINÂMICOS NO ESTADO DE SÃ...
 
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
 
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
Campos do Jordão (SP): Notícias veiculadas na mídia impressa como apoio à ges...
 
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
Sistema Gerenciador de Informações sobre Riscos Geológicos no Estado de São P...
 
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
Itaoca (SP) : histórico de acidentes e desastres relacionados a perigos geoló...
 
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
 
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
SISTEMA GERENCIADOR DE INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS NO ESTADO DE SÃO P...
 
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
 
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
Solo - Desastres naturais e riscos geológicos no estado de São Paulo – cenári...
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
 
Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratingue...
Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratingue...Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratingue...
Avaliação e mapeamento de risco a escorregamentos no município de Guaratingue...
 
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
 
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
Desastres naturais e riscos geológicos no Estado de São Paulo: Cenário de ref...
 
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo. Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
Indicadores de desastres naturais no Estado de São Paulo.
 
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
Avaliação e mapeamento de áreas de risco do Estado de São Paulo - Programa Es...
 
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
Metodologia automatizada para seleção de áreas para disposição de resíduos só...
 
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geol...
 
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
Instituto Geológico (1999). Seleção de áreas para tratamento e disposição fin...
 
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
Avaliação da suscetibilidade de terrenos a perigos de instabilidade e poluiçã...
 

DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DO PARAITINGA (SP)

  • 1. DESASTRES NATURAIS E RISCOS EM SÃO LUIZ DE PARAITINGA (SP) Maria José Brollo Lídia Keiko Tominaga Denise Rossini Penteado Rosângela do Amaral Rogério Rodrigues Ribeiro Antonio Carlos Moretti Guedes
  • 3. Introdução • São Luiz do Paraitinga, Angra dos Reis, Cunha (dez.2009, jan.2010) • Rio de Janeiro e Niterói (abril/2010)
  • 4. Introdução • EVENTO chuvoso de grande magnitude • ACIDENTE: extensa inundação e inúmeros escorregamentos (área urbana e rural) • DANOS: • 5.163 pessoas afetadas (quase 50% da população) • acervo histórico-cultural (Centro Histórico: 437 imóveis dos séculos XVIII e XIX).
  • 6. Objetivo Analisar o desastre ocorrido em São Luiz do Paraitinga (SP) no verão 2009-2010, considerando as variáveis da equação de risco, R=PxVxD Risco=Perigo x Vulnerabilidade x Dano Potencial
  • 7. Objetivo Analisar o desastre tendo como suporte: ocorrido em São Luiz do • mapeamento de áreas Paraitinga (SP) no verão 2009-2010, considerando de risco (IG-SMA 2008) as variáveis da equação de • relatórios de vistoria risco, técnica IG pós-desastre R=PxVxD (2010) Risco=Perigo x Vulnerabilidade x Dano Potencial
  • 9. Localização • bacia hidrográfica do Rio Paraitinga: 5.271 km2 • O percurso do rio desde a cabeceira até o município de São Luís do Paraitinga: cerca de 80km, com desnível 1000m.
  • 11. Características da área GEOLOGIA. rochas ígneas- metamórficas pré-cambrianas associados principalmente ao Complexo Embu (quartzo mica xistos e quartzitos, biotita gnaisses, muscovita- biotita granitos), recortados por zonas de cisalhamento dúcteis, dextrais, sub-verticais e profundas, com orientações segundo ENE a E-W.
  • 13. Características da área GEOMORFOLOGIA. • morros altos e alongados com topos convexos, • altitudes entre 800 a 1200m • declividades entre 20 e 30%, • formas muito dissecadas e vales entalhados associados a alta densidade de drenagem. • solos mais freqüentes: cambissolos e litólicos. CLIMA. O total pluviométrico anual médio é de 1.193mm.
  • 14. Mapeamento de Áreas de Risco de São Luiz do Paraitinga (IG-SMA 2008) 31 Setores de Risco -18 setores (58%) - risco de escorregamentos -13 setores (42%) - risco de inundação e solapamento de margens.
  • 15. Mapeamento de Areas de Risco de São Luiz do Paraitinga (IG-SMA 2008) 818 moradias em risco - 296 (36%) - áreas sujeitas a escorregamentos - 522 (64%) - áreas sujeitas a inundação
  • 16. Mapeamento de Areas de Risco de São Luiz do Paraitinga (IG-SMA 2008) 818 moradias em risco - 296 (36%) - áreas sujeitas a escorregamentos - 522 (64%) - áreas sujeitas a inundação
  • 17. Mapeamento de Areas de Risco de São Luiz do Paraitinga (IG-SMA 2008)
  • 18. Setores de risco muito alto (Morro do Cruzeiro) Clique para editar o formato do texto da estrutura de tópicos 2º Nível da estrutura de tópicos − 3º Nível da estrutura de tópicos 4º Nível da estrutura de tópicos
  • 19. Setores de risco muito alto (Morro do Cruzeiro) Clique para editar o formato do texto da estrutura de tópicos 2º Nível da estrutura de tópicos − 3º Nível da estrutura de tópicos 4º Nível da estrutura de tópicos
  • 20. Setores de risco muito alto (Morro do Cruzeiro) Clique para editar o formato do texto da estrutura de tópicos 2º Nível da estrutura de tópicos − 3º Nível da estrutura de tópicos 4º Nível da estrutura de tópicos
  • 21. Enchente de 03 jan.2000 Clique para editar o formato do texto da estrutura de tópicos 2º Nível da estrutura de tópicos − 3º Nível da estrutura de tópicos 4º Nível da estrutura de tópicos
  • 22. Enchente de 2006 Clique para editar o formato do texto da estrutura de tópicos 2º Nível da estrutura de tópicos − 3º Nível da estrutura de tópicos 4º Nível da estrutura de tópicos
  • 23. Enchente de 2006 Clique para editar o formato do texto da estrutura de tópicos 2º Nível da estrutura de tópicos − 3º Nível da estrutura de tópicos 4º Nível da estrutura de tópicos
  • 24. O Desastre do Verão 2009-2010
  • 25. O Desastre do Verão 2009-2010  04.dez.2009 : 232,7mm (acumulado 72h)  31.dez.2009 : 624,8mm (mensal)  bacia do Rio Paraitinga : altos índices pluviométricos nos últimos dias de dez.2009  elevação dos níveis dos rios tributários em até 10m acima do normal.  1º jan.2010 > cheia do Rio Paraitinga 11m acima do nível normal.
  • 26. O Desastre do Verão 2009-2010  04.dez.2009 : 232,7mm  maior evento de inundação (acumulado 72h) registrado no município  31.dez.2009 : 624,8mm  até então => de cheias (mensal) periódicas atingindo de 2 a 4m acima do nível normal  bacia do Rio Paraitinga : do rio. altos índices  As áreas de morros pluviométricos nos apresentaram vários pontos últimos dias de dez.2009 de instabilização com  elevação dos níveis dos processos de escorregamentos de taludes rios tributários em até de corte ou naturais, taludes 10m acima do normal. de aterro, degraus de  1º jan.2010 > cheia do Rio abatimento e trincas nos Paraitinga 11m acima do terrenos e/ou em nível normal. edificações.
  • 32. Danos do Desastre  A gravidade e extensão dos danos => Estado de Calamidade Pública. Pública  AVADAN (Avaliação de Danos): 5.163 pessoas  Cerca de 220km de afetadas, 1 morte, estradas e vias urbanas e  97 moradias destruídas, 100 obras de arte de 134 moradias danificadas, 6 engenharia (pontes, edifícios públicos e 225 galerias, etc) danificados; estabelecimentos outras 80 pontes comerciais danificados. destruídas.  Prejuízos envolvendo a infraestrutura, o comércio e serviços, a agricultura, a pecuária e outros de natureza social > R$ 141 milhões. milhões
  • 33. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso Suscetibilidade (S) = alta a muito alta
  • 34. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso Suscetibilidade (S) = alta a muito alta
  • 35. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso Suscetibilidade (S) = alta a muito alta O núcleo urbano concentra-se na •As encostas no entorno da planície de inundação do rio planície apresentam alturas e Paraitinga, situado na porção declividades elevadas, tendo média de bacia hidrográfica como substrato um solo de muito ramificada, que recebe alteração de muscovita- uma importante contribuição dos gnaisse bandado e micaxisto, rios tributários, com cabeceiras com importante distantes e altitudes bem mais condicionante estrutural. elevadas, implicando numa grande vazão hidráulica.
  • 36. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso Potencial de Indução (I) do uso do solo = alto
  • 37. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso áreas de encosta Potencial de Indução (I) do uso do solo = alto -corte e aterro, em geral executados sem técnica adequada, levando à ruptura do terreno e destruição ou atingimento de construções. - ocupação parcialmente consolidada, - estrutura construtiva das áreas sujeitas a inundação moradias em geral - variável relacionada com as deficiente, características da bacia - condições inadequadas de hidrográfica. drenagem e saneamento.
  • 38. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso o Evento Chuvoso (Ch) associado ao desastre apresenta magnitude extremamente elevada, uma vez que superou excessivamente a marca histórica
  • 39. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso o Evento Chuvoso (Ch)  total pluviométrico anual associado ao desastre médio = 1.193mm apresenta magnitude extremamente elevada, uma  04.dez.2009 : 232,7mm vez que superou (acumulado 72h) excessivamente a marca histórica  31.dez.2009 : 624,8mm (mensal) > cerca de 50% da media anual
  • 40. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso Vulnerabilidade (V) = muito alta a alta
  • 41. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso Vulnerabilidade (V) = muito alta a alta
  • 42. Resultados V mto alta > edificações executadas R=PxVxD P=SxIxCh em pau a pique e em taipa, Perigo=Suscetibilidade x Potencial V alta > edificações em alvenaria com de Indução x Evento Chuvoso deficiência estrutural Vulnerabilidade (V) = muito alta a alta - proximidade das construções dos taludes marginais do rio Paraitinga > eleva V, mesmo se construída em alvenaria.
  • 43. Resultados R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso Dano potencial (D) => 5.163 pessoas afetadas (segundo dados do AVADAN), cerca de 50% da população do município.
  • 44. Conclusoes R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso S = alta a muito alta I = alto Ch = extremamente elevada V = muito alta a alta D = alto
  • 45. Conclusoes R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso S = alta a muito alta I = alto Ch = extremamente elevada V = muito alta a alta D = alto o Risco a que esteve exposta a cidade foi de proporções muito elevadas
  • 46. Conclusoes R=PxVxD P=SxIxCh Perigo=Suscetibilidade x Potencial de Indução x Evento Chuvoso - não é possível o controle sobre os fatores naturais S = alta a muito alta como suscetibilidade e evento chuvoso. I = alto Ch = extremamente elevada - fatores que poderiam V = muito alta a alta alterar o resultado desta D = alto equação => associados ao uso e ocupação do solo (potencial de indução e vulnerabilidade) e gerenciamento do risco. o Risco a que esteve exposta a cidade foi de proporções muito elevadas
  • 47. • Embora tal desastre não pudesse ter sido evitado, o poder público municipal já contava com os recursos técnicos necessários para encaminhar soluções atenuantes nas áreas problemáticas, utilizando recursos financeiros disponíveis junto a órgãos federais e estaduais. • Além disso, deve-se considerar que as mudanças climáticas são uma realidade com a qual se deve buscar a convivência, ou seja, é possível que novos eventos pluviométricos catastróficos voltem a ocorrer na região e ainda é possível adotar medidas preventivas para enfrentar esta situação.