SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Direito Constitucional III
Lista 1

01. É correto afirmar que lei ordinária anterior à Constituição de 1988, com ela
materialmente compatível, é tida como recebida pela nova ordem
constitucional, mesmo que esta exija lei complementar para regular o assunto.
Explique.

Conforme dito acima, no conflito entre lei pré-constitucional e uma nova
Constituição só é relevante a compatibilidade material; assim, uma lei ordinária
anterior à Constituição de 1988, com ela materialmente compatível, é tida como
recebida pela nova ordem constitucional, mesmo que o novo ordenamento
constitucional exija lei complementar para regular o assunto. O que acontecerá,
nessa hipótese, é que a antiga lei ordinária será recepcionada com status de lei
complementar, isto é, ingressará no novo ordenamento constitucional,
implantado pela CF/88, com força de lei complementar, só podendo ser, a partir
daí, alterada ou revogada por norma de mesma (ou superior) dignidade.



02. Existem, no Brasil, modelos de controle            de   constitucionalidade
perfeitamente independentes entre si? Justifique.

Sim. Há dois tipos de controle de constitucionalidade, Político e Judicial. O
Controle político é aquele realizado pelos órgãos legitimados pelo voto popular,
executivo e legislativo. O controle judicial é aquele realizado pelo poder
judiciário de forma difusa (por todos os órgãos judiciais) ou concentrado
(suprema corte). Portanto notamos uma pluralidade de fiscais da
constitucionalidade decorrente do imperativo democrático. Como em tal
sistema os poderes são independentes entre si, independentes serão suas
atuações no controle de constitucionalidade.



03. Verifica-se a interveniência do amicus curiae no controle concreto da
constitucionalidade? Justifique.

Amicis curiae é uma espécie peculiar de intervenção de terceiros em
processos, onde uma pessoa, intervém, a priori como parte "neutra", na
qualidade de terceiro interessado na causa, para servir como fonte de
conhecimento em assuntos inusitados, inéditos, difíceis ou controversos,
ampliando a discussão antes da decisão final, ou seja, é um"terceiro", estranho
à lide, mas que pode contribuir com seus conhecimentos técnicos,
especializados, sobre o tema objeto do debate judicial, trazendo ao magistrado
informações que serão úteis no momento de decidir o conflito de interesses sob
sua análise, de forma a assegurar maior legitimidade às suas decisões. ante do
Supremo Tribunal Federal e do controle de constitucionalidade.
O controle de constitucionalidade no Brasil divide-se em controle concentrado
ou por via de ação, e controle difuso ou por via de exceção. O controle
concentrado é feito exclusivamente pelo Supremo Tribunal Federal, a quem
cabe a guarda da Constituição. Apesar de já existir previsão deste tipo de
controle nas Constituições anteriores, a consolidação do sistema ocorreu com a
Emenda Constitucional n° 16 de 26/11/1965. Assim a figura do amicus curiae
aparece no momento em que o relator do processo achar necessário
informações complementares relativas a matérias técnicas consubstanciadas
no processo(Ver Art 6º lei 9882 parágrafo 1º e Art 9º par.1º da Lei 9868)



04. Distinguir legitimados universais e temáticos para fins de propositura da
Ação Direta de Inconstitucionalidade, apresentando os requisitos para sua
admissibilidade com tal.

O Art 103 da CF, enumera taxativamente os legitimados para propor a ADIN, os
legitimados podem ser
Temáticos:

IV- Mesa de AL ou Cãmara legislativa do DF
V- Governador de Estado ou DF
IX- Confederação Sindical (Art.535 da CLT) ou entidade de classe de âmbito
nacional ( Art 7º da Lei 9096)

Universais:

   I-      Presidente
   II-     Mesa do Senado
   III-    Mesa da Cãmara dos deputados
   VI-     PGR
   VII-    Conselho Federal da OAB
   VIII-   Partido Político com representação no Congresso

Assim deve ser satisfeito o requisito da pertinência temática, constituído pelo
STF, demonstrando a existência de nexo entre o objeto da ADIn e as finalidades
e o âmbito de atuação dos legitimados especiais.

05. Que se entende por            causa   de   pedir   aberta   no   controle   de
constitucionalidade brasileiro?

A CAUSA DE PEDIR SÃO OS MOTIVOS APRESENTADOS PARA QUE O PODER
JUDICIÁRIO SE CONVENÇA DA INCONSTITUCIONALIDADE DA NORMA OU ATO
NORMATIVO, A CAUSA DE PEDIR ABERTA FORNECE A OPORTUNIDADE DE O
PODER JUDICIÁRIO DECLARAR LEI OU ATO NORMATIVO INCONTITUCIONAL
POR FUNDAMENTO DIVERSO DAQUELE EXPOSTO NA PETIÇÃO INICIAL.
06. Os motivos da decisão (ratio decidendis) no controle de constitucionalidade
difuso poderão ser arguídos por qualquer pessoa em outro processo?

Não, a decisão só fará coisa julgada inter partes. A decisão fica circunscrita ao
caso sentenciado, sem obrigar os demais tribunais ou as pessoas que não
foram envolvidas no processo.



07. Juiz singular ou juízo monocrático possui competência para declarar
inconstitucionalidade lei ou ato normativo? Explique

Não possui tal competência, mas sim, somente de afastar a aplicabilidade da lei
ou ato normativo ao caso em que estiver sendo o titular jurisdicional.

08. Explique     a participação     do   Senado    Federal    no   controle   de
constitucionalidade brasileiro.

O senado federal é o responsável suspender a execução no todo ou em parte da
lei declarada inconstitucional por decisão definitiva do Supremo Tribunal
Federal.

09. É possível a aplicação do princípio processual do contraditório no controle
de constitucionalidade brasileiro?

Não, pois não há lide na ADIn e na ADC e sim um controle abstrato no processo
objetivo. Se fosse um processo subjetivo a intervenção do AGU poderia ser
considerada como garantidora do princípio do contraditório, o que não é
verdade, pois este age como defensor da Carta Maior, sua participação é
vinculada decorrente de preceito constitucional que deve ser verificado. O
contraditório surge apenas no momento em que há contraposição de idéias.
(art. 8º da Lei 9868/99).



10. Em rápidas palavras, afirme o que se entende por neocostitucionalismo.

O Constitucionalismo surge como limitação dos poderes absolutos e garantir os
direitos primários da população, após a segunda guerra houve uma necessidade
de reaproximar o direito dos princípios éticos, esta ideologia é chamada de
Neocontituionalismo (Pós-positivismo).
11. O papel do amicus curiae, no controle abstrato de constitucionalidade, é de
assistente? Justifique.

12. Uma associação pode propor Ação Direta de Inconstitucionalidade? Em
caso positivo, explique as condições para a verificação de sua legitimidade.

Sim desde que esteja pautada no Art. 103, da CF.

13. Pode-se falar em princípio da ampla defesa em sede de controle de
constitucionalidade abstrato? Explique.

Não há Lide. Portanto não se pode falar em defesa de princípios do due process
Law. Caso viéssemos a considerar a amplitude dos princípios do devido
processo legal estaríamos sempre diante de uma violação ao contraditório,
ampla defesa, duplo grau de jurisdição, afetando o direito de acesso ao
Judiciário. Porém, essa tarefa é própria do Controle de Constitucionalidade e
garante a supremacia da Constituição.

14. Certa reforma administrativa determinou que a fixação de subsídios dos
ministros do STF seria realizada por lei de iniciativa do Presidente da República.
Não sendo promulgado o projeto de lei, pode-se entender que a inércia das
autoridades responsáveis pelo cumprimento da norma poderá ser atacada pela
via de Ação Direta de Inconstitucionalidade (a ser proposta por qualquer
legitimado do art. 103 da CF/88)? Fundamente.

R......



15. Quais os documentos essenciais à propositura de uma Ação Direta de
Inconstitucionalidade?

Os documentos essências a propositura da ADIN são os mesmo para a
proposição de ação genérica encontrada no CPC de acordo com os Art 282 e
283 no que couberem, bem como o exposto no Art 3º da lei 9868 a PI deve
indicar o ato questionado, o preceito que se considera violado, elementos que
comprovam a violação do preceito e o pedido concreto, exigindo-se a juntada de
procuração, caso subscrita por advogado, em duas vias e acompanhado da
cópia da lei ou ato normativo impugnado, e os documentos que comprovam a
impugnação. Sob pena de ser declarada inepta a inicial ou do processo ser
indeferido liminarmente.
16. Quais as ideias fundamentais sobre quem deve ser o defensor da
Constituição segundo Hans Kelsen?

O modelo de Hans Kelsen pode também ser chamando de modelo austríaco,
possui como idéias fundamentais a criação de uma Corte Constitucional que
teria o controle concentrado da constituição, sendo este o único competente
para fiscalizar as leis. Kelsen foi o elaborador do anteprojeto de criação da
corte da Áustria, como conselheiro do Ministério da Justiça e da Assembléia
constituinte. Podemos exemplificar este tipo de controle com o Art.140 da
Constituição    Austríaca    de   1920,    que   previa   a    declaração   de
inconstitucionalidade de lei estadual, pelo governo federal, e pelos estados, a
declaração de inconstitucionalidade de lei federal, mostrando o caráter do
controle abstrato e principal, realização de ofício do controle por parte do
Tribunal, bem como a natureza incidental do controle.

17. O que se entende por pertinência temática conforme a jurisprudência do
STF?

A pertinência temática é uma exigência jurisprudencial que torna obrigatório, a
alguns dos legitimados do Art.103 da CF, estarem vinculados através de
contextos legais ao ato que se tenta impugnar, demonstrando o devido
interesse na declaração de inconstitucionalidade.



18. A jurisdição constitucional possui legitimidade democrática? Justifique.

A jurisdição constitucional, ou controle de constitucionalidade das leis pode ser
questionável em virtude do princípio democrático, onde seria exercido por
membros não eleitos pelo sufrágio popular. Os poderes conferidos pela
constituição aos membros eleitos do poder legislativo não podem ser
considerados ilimitados, onde as decisões firmadas por seu corpo formado em
grande parte por políticos de carreira, nem sempre refletem a perfeita relação
com a constituição. Na lição de Hans Kelsen, a Corte Constitucional constituiria
o meio mais eficaz de proteger a normatividade da Constituição, eis que
Governo e Parlamento tenderiam sempre a interpretá-la de forma parcial e
consentânea com seus interesses. Somente um órgão, isento de disputa
política, composto por membros independentes, poderia exercer tão relevante
função, mantendo o equilíbrio entre os poderes. A jurisdição constitucional
funciona como contenção do poder político, e é uma forma de garantir que a
constituição, ou poder constituinte seja superior aos intentos particulares de
políticos ou grupos políticos. Na feição de uma lei há duas dimensões, cognitiva
e volitiva, a jurisdição ou controle constitucional deve ater-se de maneira
racional e mais imparcial possível a questões técnicas evitando assim
extrapolar seus poderes infligindo os princípios democráticos.
19. É viável, no controle abstrato de normas, a verificação de compatibilidade
indireta de leis ou atos normativos que estejam em desconformidade com a
Constituição Federal? Comente.

R....

20. Uma federação sindical, com sede em Brasília, poderá propor Ação Direta de
Inconstitucionalidade? Em caso positivo, explique as condições para
verificação de sua legitimidade.

Sim, desde que a sua atuação seja de âmbito nacional, bem como sua
representatividade, devendo estar pautada de acordo com o Art. 103 da CF
(Seja a sede da Confederação) e com os pressupostos versos no Art535 da CLT(
Formada por no mínimo mais duas federações).

21. Explique as possibilidades de controle       preventivo   e   repressivo   de
constitucionalidade no direito brasileiro.

CONTROLE REPRESSIVO É REALISADO PELO PODER JUDICIÁRIO TANTO NO
CONTROLE CONCENTRADO QUANTO NO CONTROLE DIFUSO, ATRAVÉS DA
ADIN.
O CONTROLE PREVENTIVO NO CONTROLE DIFUSO É O REALISADO PELO
PODER LEGISLATIVO, VERIFICANDO A COMPATIBILIDADE DAS LEIS COM A
CONSTITUIÇÃO.
PODE EXISTIR CONTROLE PREVENTIVO REALISADO PELO PODER JUDICIÁRIO,
ONDE O PROJETO DE LEI SE ENCONTRA AINDA EM PROCESSO LEGISLATIVO E
HÁ DESRESPEITO A PRECEITO CONSTITUCINAL NA FORMAÇÃO DA LEI, ÓRGÃO
COMPETENTE PARA JULGAMENTO STF.

22. Na fase de processo legislativo, antes da sanção, logicamente, é admissível
o controle de constitucionalidade preventivo? Explique as possibilidades de tal
controle, se existirem.

O CONTROLE PREVENTIVO NO CONTROLE DIFUSO É O REALISADO PELO
PODER LEGISLATIVO, VERIFICANDO A COMPATIBILIDADE DAS LEIS COM A
CONSTITUIÇÃO.



23. Explique, com exemplo, o fenômeno da transcendência dos motivos
determinantes.

R....
24. O Governador Distrital, na forma do artigo 103 da Constituição Federal de
1988, não possui legitimidade para a propositura de Ação Direta de
Inconstitucionalidade para a impugnação de leis ou atos normativos distritais,
salvo se se tratar de casos em que comprove pertinência temática. Comente o
enunciado.
Falso, ele terá competência dado que a lei é distrital e ele é um legitimado
temático de acordo o Art. 103 da CF.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 inquritopolicialconsideraesiniciais
6 inquritopolicialconsideraesiniciais6 inquritopolicialconsideraesiniciais
6 inquritopolicialconsideraesiniciais
direitounimonte
 
Mandado de seguranca palestra20082010
Mandado de seguranca    palestra20082010Mandado de seguranca    palestra20082010
Mandado de seguranca palestra20082010
YuriGomez
 
Simulado ii mpmg - comentado
Simulado ii   mpmg - comentadoSimulado ii   mpmg - comentado
Simulado ii mpmg - comentado
wpaulv
 
4 princpiosdo processopenal
4 princpiosdo processopenal4 princpiosdo processopenal
4 princpiosdo processopenal
direitounimonte
 
Aula 5 PrincíPios Do Processo 1
Aula 5   PrincíPios Do Processo 1Aula 5   PrincíPios Do Processo 1
Aula 5 PrincíPios Do Processo 1
FA7
 
1º roteiro -_dpc_-_unit
1º roteiro -_dpc_-_unit1º roteiro -_dpc_-_unit
1º roteiro -_dpc_-_unit
Melissa Araujo
 

Mais procurados (20)

Habeas corpus direito de todos à liberdade
Habeas corpus   direito de todos à liberdadeHabeas corpus   direito de todos à liberdade
Habeas corpus direito de todos à liberdade
 
6 inquritopolicialconsideraesiniciais
6 inquritopolicialconsideraesiniciais6 inquritopolicialconsideraesiniciais
6 inquritopolicialconsideraesiniciais
 
1 processo penal
1 processo penal1 processo penal
1 processo penal
 
Apostila processo civil
Apostila processo civilApostila processo civil
Apostila processo civil
 
Novo cpc princípios
Novo cpc   princípiosNovo cpc   princípios
Novo cpc princípios
 
Mandado de seguranca palestra20082010
Mandado de seguranca    palestra20082010Mandado de seguranca    palestra20082010
Mandado de seguranca palestra20082010
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
 
Simulado ii mpmg - comentado
Simulado ii   mpmg - comentadoSimulado ii   mpmg - comentado
Simulado ii mpmg - comentado
 
4 princpiosdo processopenal
4 princpiosdo processopenal4 princpiosdo processopenal
4 princpiosdo processopenal
 
Mandado de segurança resumo
Mandado de segurança resumoMandado de segurança resumo
Mandado de segurança resumo
 
Recurso Extraordinário de inconstitucionalidade
Recurso Extraordinário de inconstitucionalidadeRecurso Extraordinário de inconstitucionalidade
Recurso Extraordinário de inconstitucionalidade
 
Aula 5 PrincíPios Do Processo 1
Aula 5   PrincíPios Do Processo 1Aula 5   PrincíPios Do Processo 1
Aula 5 PrincíPios Do Processo 1
 
Unidade ix
Unidade ixUnidade ix
Unidade ix
 
Mandado de segurança
Mandado de segurançaMandado de segurança
Mandado de segurança
 
Resumo Direito Constitucional p/ Técnico INSS
Resumo Direito Constitucional p/ Técnico INSSResumo Direito Constitucional p/ Técnico INSS
Resumo Direito Constitucional p/ Técnico INSS
 
Revisaço - Técnico e Analista do TJ-RJ - 381 Questões comentadas alternativa ...
Revisaço - Técnico e Analista do TJ-RJ - 381 Questões comentadas alternativa ...Revisaço - Técnico e Analista do TJ-RJ - 381 Questões comentadas alternativa ...
Revisaço - Técnico e Analista do TJ-RJ - 381 Questões comentadas alternativa ...
 
Mandado de injunção
Mandado de injunçãoMandado de injunção
Mandado de injunção
 
Precedentes
PrecedentesPrecedentes
Precedentes
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
 
1º roteiro -_dpc_-_unit
1º roteiro -_dpc_-_unit1º roteiro -_dpc_-_unit
1º roteiro -_dpc_-_unit
 

Semelhante a Questionário prova constitucional

5¦ parte controle da constitucionalidade
5¦ parte   controle da constitucionalidade5¦ parte   controle da constitucionalidade
5¦ parte controle da constitucionalidade
Thulio Cesar
 
19 AçãO Direita De Inconstitucionalidade
19 AçãO Direita De Inconstitucionalidade19 AçãO Direita De Inconstitucionalidade
19 AçãO Direita De Inconstitucionalidade
DeSordi
 
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-edAtualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
Confidential
 
Novo mandato seguranca (2)
Novo mandato seguranca (2)Novo mandato seguranca (2)
Novo mandato seguranca (2)
Antonio Moreira
 
207 110513 pge_bahia_dir_const_aula_03
207 110513 pge_bahia_dir_const_aula_03207 110513 pge_bahia_dir_const_aula_03
207 110513 pge_bahia_dir_const_aula_03
Julio Rocha
 
Princípios gerais do direito
Princípios gerais do direitoPrincípios gerais do direito
Princípios gerais do direito
Selvy Junior
 
Greco filho processo-penal
Greco filho processo-penalGreco filho processo-penal
Greco filho processo-penal
Aparecida Dantas
 

Semelhante a Questionário prova constitucional (20)

Concurso Público INSS (Ação Declaratória de Constitucionalidade)
Concurso Público INSS (Ação Declaratória de Constitucionalidade)Concurso Público INSS (Ação Declaratória de Constitucionalidade)
Concurso Público INSS (Ação Declaratória de Constitucionalidade)
 
5¦ parte controle da constitucionalidade
5¦ parte   controle da constitucionalidade5¦ parte   controle da constitucionalidade
5¦ parte controle da constitucionalidade
 
Controle de constitucionalidade (1).pdf
Controle de constitucionalidade (1).pdfControle de constitucionalidade (1).pdf
Controle de constitucionalidade (1).pdf
 
19 AçãO Direita De Inconstitucionalidade
19 AçãO Direita De Inconstitucionalidade19 AçãO Direita De Inconstitucionalidade
19 AçãO Direita De Inconstitucionalidade
 
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-edAtualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
 
Novo mandato seguranca (2)
Novo mandato seguranca (2)Novo mandato seguranca (2)
Novo mandato seguranca (2)
 
Caderno de exercicios de jurisdição constitucional
Caderno de exercicios de jurisdição constitucionalCaderno de exercicios de jurisdição constitucional
Caderno de exercicios de jurisdição constitucional
 
Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)
Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)
Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)
 
207 110513 pge_bahia_dir_const_aula_03
207 110513 pge_bahia_dir_const_aula_03207 110513 pge_bahia_dir_const_aula_03
207 110513 pge_bahia_dir_const_aula_03
 
1.processo constitucional
1.processo constitucional1.processo constitucional
1.processo constitucional
 
Diferenças entre a adi por omissão e o mandado de injunção
Diferenças entre a adi por omissão e o mandado de injunçãoDiferenças entre a adi por omissão e o mandado de injunção
Diferenças entre a adi por omissão e o mandado de injunção
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Saiba o que diz a PEC que inviabilizar aborto até em casos de estupro
Saiba o que diz a PEC que inviabilizar aborto até em casos de estuproSaiba o que diz a PEC que inviabilizar aborto até em casos de estupro
Saiba o que diz a PEC que inviabilizar aborto até em casos de estupro
 
Teoria da Inconstitucionalidade (2009)
Teoria da Inconstitucionalidade (2009)Teoria da Inconstitucionalidade (2009)
Teoria da Inconstitucionalidade (2009)
 
TSE - Inelegibilidade não é sanção
TSE - Inelegibilidade não é sançãoTSE - Inelegibilidade não é sanção
TSE - Inelegibilidade não é sanção
 
Princípios gerais do direito
Princípios gerais do direitoPrincípios gerais do direito
Princípios gerais do direito
 
Greco filho processo-penal
Greco filho processo-penalGreco filho processo-penal
Greco filho processo-penal
 
parte especial
parte especial parte especial
parte especial
 
Unidade iv
Unidade ivUnidade iv
Unidade iv
 
Processo civil I.pptx
Processo civil I.pptxProcesso civil I.pptx
Processo civil I.pptx
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

Questionário prova constitucional

  • 1. Direito Constitucional III Lista 1 01. É correto afirmar que lei ordinária anterior à Constituição de 1988, com ela materialmente compatível, é tida como recebida pela nova ordem constitucional, mesmo que esta exija lei complementar para regular o assunto. Explique. Conforme dito acima, no conflito entre lei pré-constitucional e uma nova Constituição só é relevante a compatibilidade material; assim, uma lei ordinária anterior à Constituição de 1988, com ela materialmente compatível, é tida como recebida pela nova ordem constitucional, mesmo que o novo ordenamento constitucional exija lei complementar para regular o assunto. O que acontecerá, nessa hipótese, é que a antiga lei ordinária será recepcionada com status de lei complementar, isto é, ingressará no novo ordenamento constitucional, implantado pela CF/88, com força de lei complementar, só podendo ser, a partir daí, alterada ou revogada por norma de mesma (ou superior) dignidade. 02. Existem, no Brasil, modelos de controle de constitucionalidade perfeitamente independentes entre si? Justifique. Sim. Há dois tipos de controle de constitucionalidade, Político e Judicial. O Controle político é aquele realizado pelos órgãos legitimados pelo voto popular, executivo e legislativo. O controle judicial é aquele realizado pelo poder judiciário de forma difusa (por todos os órgãos judiciais) ou concentrado (suprema corte). Portanto notamos uma pluralidade de fiscais da constitucionalidade decorrente do imperativo democrático. Como em tal sistema os poderes são independentes entre si, independentes serão suas atuações no controle de constitucionalidade. 03. Verifica-se a interveniência do amicus curiae no controle concreto da constitucionalidade? Justifique. Amicis curiae é uma espécie peculiar de intervenção de terceiros em processos, onde uma pessoa, intervém, a priori como parte "neutra", na qualidade de terceiro interessado na causa, para servir como fonte de conhecimento em assuntos inusitados, inéditos, difíceis ou controversos, ampliando a discussão antes da decisão final, ou seja, é um"terceiro", estranho à lide, mas que pode contribuir com seus conhecimentos técnicos, especializados, sobre o tema objeto do debate judicial, trazendo ao magistrado informações que serão úteis no momento de decidir o conflito de interesses sob sua análise, de forma a assegurar maior legitimidade às suas decisões. ante do Supremo Tribunal Federal e do controle de constitucionalidade.
  • 2. O controle de constitucionalidade no Brasil divide-se em controle concentrado ou por via de ação, e controle difuso ou por via de exceção. O controle concentrado é feito exclusivamente pelo Supremo Tribunal Federal, a quem cabe a guarda da Constituição. Apesar de já existir previsão deste tipo de controle nas Constituições anteriores, a consolidação do sistema ocorreu com a Emenda Constitucional n° 16 de 26/11/1965. Assim a figura do amicus curiae aparece no momento em que o relator do processo achar necessário informações complementares relativas a matérias técnicas consubstanciadas no processo(Ver Art 6º lei 9882 parágrafo 1º e Art 9º par.1º da Lei 9868) 04. Distinguir legitimados universais e temáticos para fins de propositura da Ação Direta de Inconstitucionalidade, apresentando os requisitos para sua admissibilidade com tal. O Art 103 da CF, enumera taxativamente os legitimados para propor a ADIN, os legitimados podem ser Temáticos: IV- Mesa de AL ou Cãmara legislativa do DF V- Governador de Estado ou DF IX- Confederação Sindical (Art.535 da CLT) ou entidade de classe de âmbito nacional ( Art 7º da Lei 9096) Universais: I- Presidente II- Mesa do Senado III- Mesa da Cãmara dos deputados VI- PGR VII- Conselho Federal da OAB VIII- Partido Político com representação no Congresso Assim deve ser satisfeito o requisito da pertinência temática, constituído pelo STF, demonstrando a existência de nexo entre o objeto da ADIn e as finalidades e o âmbito de atuação dos legitimados especiais. 05. Que se entende por causa de pedir aberta no controle de constitucionalidade brasileiro? A CAUSA DE PEDIR SÃO OS MOTIVOS APRESENTADOS PARA QUE O PODER JUDICIÁRIO SE CONVENÇA DA INCONSTITUCIONALIDADE DA NORMA OU ATO NORMATIVO, A CAUSA DE PEDIR ABERTA FORNECE A OPORTUNIDADE DE O PODER JUDICIÁRIO DECLARAR LEI OU ATO NORMATIVO INCONTITUCIONAL POR FUNDAMENTO DIVERSO DAQUELE EXPOSTO NA PETIÇÃO INICIAL.
  • 3. 06. Os motivos da decisão (ratio decidendis) no controle de constitucionalidade difuso poderão ser arguídos por qualquer pessoa em outro processo? Não, a decisão só fará coisa julgada inter partes. A decisão fica circunscrita ao caso sentenciado, sem obrigar os demais tribunais ou as pessoas que não foram envolvidas no processo. 07. Juiz singular ou juízo monocrático possui competência para declarar inconstitucionalidade lei ou ato normativo? Explique Não possui tal competência, mas sim, somente de afastar a aplicabilidade da lei ou ato normativo ao caso em que estiver sendo o titular jurisdicional. 08. Explique a participação do Senado Federal no controle de constitucionalidade brasileiro. O senado federal é o responsável suspender a execução no todo ou em parte da lei declarada inconstitucional por decisão definitiva do Supremo Tribunal Federal. 09. É possível a aplicação do princípio processual do contraditório no controle de constitucionalidade brasileiro? Não, pois não há lide na ADIn e na ADC e sim um controle abstrato no processo objetivo. Se fosse um processo subjetivo a intervenção do AGU poderia ser considerada como garantidora do princípio do contraditório, o que não é verdade, pois este age como defensor da Carta Maior, sua participação é vinculada decorrente de preceito constitucional que deve ser verificado. O contraditório surge apenas no momento em que há contraposição de idéias. (art. 8º da Lei 9868/99). 10. Em rápidas palavras, afirme o que se entende por neocostitucionalismo. O Constitucionalismo surge como limitação dos poderes absolutos e garantir os direitos primários da população, após a segunda guerra houve uma necessidade de reaproximar o direito dos princípios éticos, esta ideologia é chamada de Neocontituionalismo (Pós-positivismo).
  • 4. 11. O papel do amicus curiae, no controle abstrato de constitucionalidade, é de assistente? Justifique. 12. Uma associação pode propor Ação Direta de Inconstitucionalidade? Em caso positivo, explique as condições para a verificação de sua legitimidade. Sim desde que esteja pautada no Art. 103, da CF. 13. Pode-se falar em princípio da ampla defesa em sede de controle de constitucionalidade abstrato? Explique. Não há Lide. Portanto não se pode falar em defesa de princípios do due process Law. Caso viéssemos a considerar a amplitude dos princípios do devido processo legal estaríamos sempre diante de uma violação ao contraditório, ampla defesa, duplo grau de jurisdição, afetando o direito de acesso ao Judiciário. Porém, essa tarefa é própria do Controle de Constitucionalidade e garante a supremacia da Constituição. 14. Certa reforma administrativa determinou que a fixação de subsídios dos ministros do STF seria realizada por lei de iniciativa do Presidente da República. Não sendo promulgado o projeto de lei, pode-se entender que a inércia das autoridades responsáveis pelo cumprimento da norma poderá ser atacada pela via de Ação Direta de Inconstitucionalidade (a ser proposta por qualquer legitimado do art. 103 da CF/88)? Fundamente. R...... 15. Quais os documentos essenciais à propositura de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade? Os documentos essências a propositura da ADIN são os mesmo para a proposição de ação genérica encontrada no CPC de acordo com os Art 282 e 283 no que couberem, bem como o exposto no Art 3º da lei 9868 a PI deve indicar o ato questionado, o preceito que se considera violado, elementos que comprovam a violação do preceito e o pedido concreto, exigindo-se a juntada de procuração, caso subscrita por advogado, em duas vias e acompanhado da cópia da lei ou ato normativo impugnado, e os documentos que comprovam a impugnação. Sob pena de ser declarada inepta a inicial ou do processo ser indeferido liminarmente.
  • 5. 16. Quais as ideias fundamentais sobre quem deve ser o defensor da Constituição segundo Hans Kelsen? O modelo de Hans Kelsen pode também ser chamando de modelo austríaco, possui como idéias fundamentais a criação de uma Corte Constitucional que teria o controle concentrado da constituição, sendo este o único competente para fiscalizar as leis. Kelsen foi o elaborador do anteprojeto de criação da corte da Áustria, como conselheiro do Ministério da Justiça e da Assembléia constituinte. Podemos exemplificar este tipo de controle com o Art.140 da Constituição Austríaca de 1920, que previa a declaração de inconstitucionalidade de lei estadual, pelo governo federal, e pelos estados, a declaração de inconstitucionalidade de lei federal, mostrando o caráter do controle abstrato e principal, realização de ofício do controle por parte do Tribunal, bem como a natureza incidental do controle. 17. O que se entende por pertinência temática conforme a jurisprudência do STF? A pertinência temática é uma exigência jurisprudencial que torna obrigatório, a alguns dos legitimados do Art.103 da CF, estarem vinculados através de contextos legais ao ato que se tenta impugnar, demonstrando o devido interesse na declaração de inconstitucionalidade. 18. A jurisdição constitucional possui legitimidade democrática? Justifique. A jurisdição constitucional, ou controle de constitucionalidade das leis pode ser questionável em virtude do princípio democrático, onde seria exercido por membros não eleitos pelo sufrágio popular. Os poderes conferidos pela constituição aos membros eleitos do poder legislativo não podem ser considerados ilimitados, onde as decisões firmadas por seu corpo formado em grande parte por políticos de carreira, nem sempre refletem a perfeita relação com a constituição. Na lição de Hans Kelsen, a Corte Constitucional constituiria o meio mais eficaz de proteger a normatividade da Constituição, eis que Governo e Parlamento tenderiam sempre a interpretá-la de forma parcial e consentânea com seus interesses. Somente um órgão, isento de disputa política, composto por membros independentes, poderia exercer tão relevante função, mantendo o equilíbrio entre os poderes. A jurisdição constitucional funciona como contenção do poder político, e é uma forma de garantir que a constituição, ou poder constituinte seja superior aos intentos particulares de políticos ou grupos políticos. Na feição de uma lei há duas dimensões, cognitiva e volitiva, a jurisdição ou controle constitucional deve ater-se de maneira racional e mais imparcial possível a questões técnicas evitando assim extrapolar seus poderes infligindo os princípios democráticos.
  • 6. 19. É viável, no controle abstrato de normas, a verificação de compatibilidade indireta de leis ou atos normativos que estejam em desconformidade com a Constituição Federal? Comente. R.... 20. Uma federação sindical, com sede em Brasília, poderá propor Ação Direta de Inconstitucionalidade? Em caso positivo, explique as condições para verificação de sua legitimidade. Sim, desde que a sua atuação seja de âmbito nacional, bem como sua representatividade, devendo estar pautada de acordo com o Art. 103 da CF (Seja a sede da Confederação) e com os pressupostos versos no Art535 da CLT( Formada por no mínimo mais duas federações). 21. Explique as possibilidades de controle preventivo e repressivo de constitucionalidade no direito brasileiro. CONTROLE REPRESSIVO É REALISADO PELO PODER JUDICIÁRIO TANTO NO CONTROLE CONCENTRADO QUANTO NO CONTROLE DIFUSO, ATRAVÉS DA ADIN. O CONTROLE PREVENTIVO NO CONTROLE DIFUSO É O REALISADO PELO PODER LEGISLATIVO, VERIFICANDO A COMPATIBILIDADE DAS LEIS COM A CONSTITUIÇÃO. PODE EXISTIR CONTROLE PREVENTIVO REALISADO PELO PODER JUDICIÁRIO, ONDE O PROJETO DE LEI SE ENCONTRA AINDA EM PROCESSO LEGISLATIVO E HÁ DESRESPEITO A PRECEITO CONSTITUCINAL NA FORMAÇÃO DA LEI, ÓRGÃO COMPETENTE PARA JULGAMENTO STF. 22. Na fase de processo legislativo, antes da sanção, logicamente, é admissível o controle de constitucionalidade preventivo? Explique as possibilidades de tal controle, se existirem. O CONTROLE PREVENTIVO NO CONTROLE DIFUSO É O REALISADO PELO PODER LEGISLATIVO, VERIFICANDO A COMPATIBILIDADE DAS LEIS COM A CONSTITUIÇÃO. 23. Explique, com exemplo, o fenômeno da transcendência dos motivos determinantes. R....
  • 7. 24. O Governador Distrital, na forma do artigo 103 da Constituição Federal de 1988, não possui legitimidade para a propositura de Ação Direta de Inconstitucionalidade para a impugnação de leis ou atos normativos distritais, salvo se se tratar de casos em que comprove pertinência temática. Comente o enunciado. Falso, ele terá competência dado que a lei é distrital e ele é um legitimado temático de acordo o Art. 103 da CF.