SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
O Projecto educativo e a relação com as práticas educativa na
escola
José Matias Alves – Director do jornal “Rumos”

In
Pensar a Escola – Construir Projetos. Porto: Fundação para o
Desenvolvimento de Campanhã, 1998

Muito bom dia a todos. Inicio a minha intervenção com quatro
palavras: a primeira, para agradecer à organização o convite para
estar presente e a oportunidade de escutar e de aprender com esta
escuta; a segunda palavra é para fazer uma breve alusão ao tema
geral deste encontro - pensar a escola, construir projectos - e para
referir a enorme pertinência e relevância desta iniciativa, que
mobiliza as pessoas para pensar as várias faces da educação, para
partilhar as práticas e, ao partilhar as práticas, entreabrir as
possibilidades efectivas de desenvolver a educação das pessoas, a
construção das comunidades e a construção da esperança para
essas comunidades e para essas pessoas que a constituem; a
terceira palavra é para explicitar o tema da minha intervenção. Como
consta no programa, o projecto educativo e a relação com as
práticas educativas na escola. Poderia igualmente dizer: as práticas
educativas na escola são a essência do projecto educativo ou ainda
as práticas educativas são o rosto do projecto ou dos projectos
educativos da escola; uma quarta palavra para referir a organização
da minha intervenção. Inicialmente, tinha previsto duas partes: numa
primeira parte, enunciaria algumas condições para a construção de
uma gramática das práticas educativas, práticas educativas
desejavelmente felizes, desejavelmente transformacionais; numa
segunda parte, procuraria interpretar as comunicações que aqui
foram apresentadas no início da manhã. No entanto, ficar-me-ei
apenas pela primeira parte, para haver mais tempo para o debate e
para vos ouvir e para dialogar convosco em relação à problemática
que aqui nos reuniu.

Assim, iniciaria a primeira e única parte da minha intervenção
procurando enunciar doze condições para a emergência e
desenvolvimento dos projectos educativos das instituições
educativas.

Gostaria de começar por referir, como primeira condição essencial,
que aliás na parte da manhã ficou aqui manifestamente evidenciada,
a necessidade da escuta. O projecto educativo tem de nascer a
partir da escuta e da compreensão do outro. A escuta e com-
preensão das especificidades locais dos contextos familiares,
sociais, culturais e económicos. A escuta e a compreensão dos
anseios, das dificuldades, dos problemas das pessoas e dos
contextos onde vivem.

A segunda condição é a necessidade da liberdade. Tendo
escutado e procurado compreender as especificidades, as
singularidades dos anseios das pessoas que habitam
no território, é necessária a liberdade de conceber e de agir, a liberdade de
pensar a educação para estar ao serviço das pessoas e das comunidades.
Conceber projectos e acções que vão ao encontro dos anseios e dos
problemas das populações, a liberdade de flexibilizar o projecto educativo
nacional, de pensar e executar um currículo que vá ao encontro dos
problemas, das perplexidades das crianças e dos jovens, um currículo que
integre e valorize os diferentes saberes e que faça vacilar as hierarquias
que estão ao serviço da selecção. Ainda a liberdade de conciliar a tradição
e a inovação, a liberdade de gerir a tensão entre as imposições normativas
e a criatividade, e, finalmente, a liberdade de conciliar uma cultura nacional
e transnacional com as culturas locais que são, obviamente, a base dessa
cultura nacional e mesmo transnacional.

Como terceira condição, referiria a necessidade da confiança. A confiança
nas pessoas, a confiança nas suas possibilidades de realização é uma
condição essencial para o desenvolvimento de projectos de crescimento e
de transformação. A lógica da confiança tem de regular as relações entre a
administração central e regional e as escolas; entre a direcção das escolas
e os profissionais da educação; entre os profissionais de educação e os
encarregados de educação. Sem a confiança um no outro, nas suas
possibilidades, nenhum projecto voará longe.

A quarta condição: a necessidade de liberdade e confiança são
indissociáveis da responsabilidade. Ser responsável pelo desenvolvimento
das críanças e dos adolescentes, pela mobilização de todos os recursos
possíveis pelo cumprimento dos ideais educativos. A lógica da
responsabilidade deve regular a acção de todos os intervenientes do
sistema educativo desde os responsáveis políticos até aos professores,
educadores, pais e encarregados de educação, passando pelos
responsáveis da administração educativa.

A quinta condição é a necessidade do reconhecimento, do estímulo e do
apoio. Dada a complexidade da acção educativa resultante do imperativo
da democratização da escola, é necessário que, aos vários níveis do
sistema, se adopte uma prática que reconheça o esforço, incentive as
pessoas a ultrapassarem as dificuldades, apoie as organizações educativas
a promoverem o sucesso multidimensional das crianças e dos jovens.

Ligada a esta condição, enfatizaria a necessidade da discriminação
positiva. Dada a heterogeneidade dos contextos, a desigualdade de
condições e de recursos é necessária uma política que dê mais a quem tem
menos, combatendo-se o efeito Mateus da parábola bíblica que consiste a
dar mais a quem já tem muito. É neste contexto que faz todo o sentido um
projecto como o URBAN que elege o Vale de Campanhã como território que
merece um apoio acrescido e integrado. Parece, no entanto, ser necessário
prosseguir este esforço de discriminação positiva fazendo-o chegar até às
escolas, até
aos professores, até aos elementos da comunidade local. Dar a cada um
segundo a sua necessidade poderá ser um bom princípio para se cumprir
o ideal democrático da justiça, da igualdade e da fraternidade.

Sétima condição: a necessidade das parcerias na realização das
práticas educativas. Como sabemos, a educação é um projecto e uma
tarefa individual e colectiva. É uma responsabilidade dos pais, das
colectividades e comunidades locais, da escola, das autarquias, da
administração educativa, dos poderes políticos nacionais. Dada esta múl-
tipla responsabilidade, é imperioso pensar e estruturar a acção educativa
com base numa diversidade de parcerias. É bom ter presente que a
educação das gerações mais jovens é uma responsabilidade de todos e
que temos de unir esforços, recursos, motivações e inteligências para
cumprirmos o melhor possível o desafio educativo, tanto mais necessário
quanto a complexidade e a gravidade dos problemas não se
compadecem com uma acção individual isolada. Mesmo que haja uma
grande implicação de uma dada instituição, de uma dada organização, há
problemas que precisam da cooperação entre a Educação, a Segurança
Social, a Formação Profissional, para só citar três campos institucionais
da acção.

Uma oitava condição tem a ver com a necessidade de aceitação do
erro. Numa ordem fundada na liberdade e na responsabilidade, é
fundamental admitir a possibilidade de errar o diagnóstico, errar a
decisão e errar, por vezes, a acção. E não accionar o poder disciplinar
logo que uma acção pensada para servir o melhor possível se revela
deficiente. Esta condição está obviamente muito ligada a uma outra, que
há pouco referi, que é a necessidade da confiança na capacidade das
pessoas e na sua capacidade de servir o melhor que se sabe e pode
essas mesmas pessoas e comunidades.

Uma nona condição: a necessidade de uma escola de serviço
público. Como aqui já foi dito, e mais que dito, como foi já aqui
demonstrado pela evidência dos factos e das acções, a escola existe
para servir as pessoas reais e concretas, para promover a realização
multidimensional da pessoa humana, de todas as pessoas. Uma escola
não deveria existir para cumprir regras e procedimentos, para seleccionar
"os herdeiros", segundo os critérios da cultura oficial. Para segregar e
excluir os que não estão conforme a cultura oficial ou ao molde oficial.
Uma escola com projecto é uma escola que se organiza para servir o
público que a procura e promove, segundo uma variedade de critérios, a
realização diferenciada de todos.

Uma outra condição, aliás articulada com várias outras condições já aqui
referidas, tem a ver com uma necessidade de autonomia. Quer
autonomia profissional, quer autonomia organizacional. Do que disse,
decorre a necessidade de os profissionais das escolas terem o poder de
decisão suficiente para conceber margens significativas do currículo, da
organização pedagógica, da avaliação. Esta autonomia relativa, que se
constrói
num jogo complexo das interdependências, é seguramente uma das
condições essenciais para a concepção, realização e avaliação de projectos
educativos.

Referiria ainda a necessidade duma avaliação ao serviço de melhores
práticas educativas. Avaliar os êxitos e os fracassos, os factores que mais
contribuíram para o sucesso do projecto. Procurar compreender e explicar
os entraves e as potencial idades, o que mobilizou e desmobilizou as
pessoas, a qualidade dos processos de aprendizagem e dos resultados. É
uma prática essencial de qualquer projecto educativo para confirmar ou
rever decisões, objectivos e estratégias.

E, finalmente, a necessidade do querer, do saber e do poder. O querer,
como uma das condições de fazer. Se eu não quiser fazer, dificilmente
farei. O saber, como uma das bases do poder. E o poder, como um dos
factores da mudança, da construção de novos horizontes de inovação.

Se estas podem ser, pelo menos, algumas das condições para a
emergência e desenvolvimento de práticas educativas que têm sentido e
projecto, o que é que poderá acender a disponibilidade da escuta, o desejo
da liberdade e da responsabilidade de servir, o desejo de uma acção
individual e colectiva que construa as oportunidades de aprendizagens
singulares, felizes e relevantes para a vida pessoal e social? Ou uma outra
interrogação idêntica a esta: o que é que move os profissionais que
ouvimos no início da manhã? O que é que os move a escutar? O que é que
os move a articularem esforços? O que é que os move a interagir? O que é
que os move a agir? O que é que os move a praticarem um realismo
utópico na construção de novas possibilidades educativas para todos? E
julgo que esta é a chave do problema e é talvez um bom ponto para centrar-
mos o nosso debate. Muito obrigado.
Projeto educativo0001

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Investigação no campo das ciencias da natureza
Investigação no campo das ciencias da naturezaInvestigação no campo das ciencias da natureza
Investigação no campo das ciencias da natureza
EducacaoIntegralPTC
 
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Thais Araujo
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
escolabeatriz
 
Diretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenilDiretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenil
tatyathaydes
 
Aprendereensinar
AprendereensinarAprendereensinar
Aprendereensinar
Vida Bella
 
Convivencia democratica protagonismo juvenil
Convivencia democratica   protagonismo juvenilConvivencia democratica   protagonismo juvenil
Convivencia democratica protagonismo juvenil
tatyathaydes
 
Etica protagonismo juvenil
Etica   protagonismo juvenilEtica   protagonismo juvenil
Etica protagonismo juvenil
tatyathaydes
 
A educação para o século xxi e a formação do
A educação para o século xxi e a formação doA educação para o século xxi e a formação do
A educação para o século xxi e a formação do
Marcio Pinto da Silva
 

Mais procurados (19)

Investigação no campo das ciencias da natureza
Investigação no campo das ciencias da naturezaInvestigação no campo das ciencias da natureza
Investigação no campo das ciencias da natureza
 
Política educativa, multiculturalismo e práticas culturais democráticas nas s...
Política educativa, multiculturalismo e práticas culturais democráticas nas s...Política educativa, multiculturalismo e práticas culturais democráticas nas s...
Política educativa, multiculturalismo e práticas culturais democráticas nas s...
 
Projeto politico pedagógico
Projeto politico pedagógicoProjeto politico pedagógico
Projeto politico pedagógico
 
Cultura digital
Cultura digitalCultura digital
Cultura digital
 
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCO...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCO...A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCO...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCO...
 
Pe2013 2017
Pe2013 2017Pe2013 2017
Pe2013 2017
 
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
 
Documento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIADocumento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIA
 
Diretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenilDiretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenil
 
Aprendereensinar
AprendereensinarAprendereensinar
Aprendereensinar
 
Convivencia democratica protagonismo juvenil
Convivencia democratica   protagonismo juvenilConvivencia democratica   protagonismo juvenil
Convivencia democratica protagonismo juvenil
 
Etica protagonismo juvenil
Etica   protagonismo juvenilEtica   protagonismo juvenil
Etica protagonismo juvenil
 
protagonismo
protagonismoprotagonismo
protagonismo
 
2021 metas iboroamericana
2021 metas iboroamericana2021 metas iboroamericana
2021 metas iboroamericana
 
Pacto EM
Pacto EMPacto EM
Pacto EM
 
A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...
A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...
A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...
 
A educação para o século xxi e a formação do
A educação para o século xxi e a formação doA educação para o século xxi e a formação do
A educação para o século xxi e a formação do
 
Progestão modulo viii
Progestão modulo viiiProgestão modulo viii
Progestão modulo viii
 

Destaque

Comunicação (1) benjamim moreira ucp_26maio11
Comunicação (1) benjamim moreira ucp_26maio11Comunicação (1) benjamim moreira ucp_26maio11
Comunicação (1) benjamim moreira ucp_26maio11
José Matias Alves
 
Weblogues na Educação
Weblogues na EducaçãoWeblogues na Educação
Weblogues na Educação
João Torres
 
Importancia de las tics para mipes
Importancia de las tics para mipesImportancia de las tics para mipes
Importancia de las tics para mipes
juanitavelez
 
Webquest Tradução explicação disponibilizada na Internet
Webquest Tradução explicação disponibilizada na InternetWebquest Tradução explicação disponibilizada na Internet
Webquest Tradução explicação disponibilizada na Internet
Flor Martha S. Ferreira
 
Capacitacion LIDERAZGO
Capacitacion LIDERAZGOCapacitacion LIDERAZGO
Capacitacion LIDERAZGO
sheilaberdugo
 
Folheto comunidade de leitores 2011
Folheto comunidade de leitores 2011Folheto comunidade de leitores 2011
Folheto comunidade de leitores 2011
José Matias Alves
 
33853955 bikesh-beginning-smart-phone-web-development
33853955 bikesh-beginning-smart-phone-web-development33853955 bikesh-beginning-smart-phone-web-development
33853955 bikesh-beginning-smart-phone-web-development
Linuxmalaysia Malaysia
 

Destaque (20)

João Paulo II - Resenha Biografias
João Paulo II - Resenha BiografiasJoão Paulo II - Resenha Biografias
João Paulo II - Resenha Biografias
 
0656
06560656
0656
 
Taller energia
Taller energiaTaller energia
Taller energia
 
Comunicação (1) benjamim moreira ucp_26maio11
Comunicação (1) benjamim moreira ucp_26maio11Comunicação (1) benjamim moreira ucp_26maio11
Comunicação (1) benjamim moreira ucp_26maio11
 
El Negocio de Ingeniería y Construcción en Venezuela
El Negocio de  Ingeniería y Construcción en VenezuelaEl Negocio de  Ingeniería y Construcción en Venezuela
El Negocio de Ingeniería y Construcción en Venezuela
 
ALM
ALMALM
ALM
 
Imagenes Del Mundo 2
Imagenes Del Mundo 2Imagenes Del Mundo 2
Imagenes Del Mundo 2
 
Aindatomaremosumcafejuntos
AindatomaremosumcafejuntosAindatomaremosumcafejuntos
Aindatomaremosumcafejuntos
 
Fotos premiadas 6
Fotos premiadas 6Fotos premiadas 6
Fotos premiadas 6
 
Weblogues na Educação
Weblogues na EducaçãoWeblogues na Educação
Weblogues na Educação
 
Presentación la bovila final
Presentación la bovila finalPresentación la bovila final
Presentación la bovila final
 
Importancia de las tics para mipes
Importancia de las tics para mipesImportancia de las tics para mipes
Importancia de las tics para mipes
 
Dori Me
Dori MeDori Me
Dori Me
 
Sos
SosSos
Sos
 
Webquest Tradução explicação disponibilizada na Internet
Webquest Tradução explicação disponibilizada na InternetWebquest Tradução explicação disponibilizada na Internet
Webquest Tradução explicação disponibilizada na Internet
 
Cat.1escuela interactiva
Cat.1escuela interactivaCat.1escuela interactiva
Cat.1escuela interactiva
 
AavaliaçãOdodesempenho
AavaliaçãOdodesempenhoAavaliaçãOdodesempenho
AavaliaçãOdodesempenho
 
Capacitacion LIDERAZGO
Capacitacion LIDERAZGOCapacitacion LIDERAZGO
Capacitacion LIDERAZGO
 
Folheto comunidade de leitores 2011
Folheto comunidade de leitores 2011Folheto comunidade de leitores 2011
Folheto comunidade de leitores 2011
 
33853955 bikesh-beginning-smart-phone-web-development
33853955 bikesh-beginning-smart-phone-web-development33853955 bikesh-beginning-smart-phone-web-development
33853955 bikesh-beginning-smart-phone-web-development
 

Semelhante a Projeto educativo0001

Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
TecaAdri
 
Congresso apres. wildete inovações e ppp
Congresso apres. wildete inovações e pppCongresso apres. wildete inovações e ppp
Congresso apres. wildete inovações e ppp
Wildete Silva
 
Plano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santoPlano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santo
Lucio Lira
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
Rosyane Dutra
 
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular   em consulta para aprovaçãoProjecto educativo e curricular   em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
ANA GRALHEIRO
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
ANA GRALHEIRO
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
ANA GRALHEIRO
 

Semelhante a Projeto educativo0001 (20)

Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Acompanhamento pedagogico
Acompanhamento pedagogicoAcompanhamento pedagogico
Acompanhamento pedagogico
 
Caderno5- Organização e Gestão do Trabalho Pedagógico
Caderno5- Organização e Gestão do Trabalho PedagógicoCaderno5- Organização e Gestão do Trabalho Pedagógico
Caderno5- Organização e Gestão do Trabalho Pedagógico
 
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocpropostaIzabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
 
Congresso apres. wildete inovações e ppp
Congresso apres. wildete inovações e pppCongresso apres. wildete inovações e ppp
Congresso apres. wildete inovações e ppp
 
Demos as mãos
Demos as mãosDemos as mãos
Demos as mãos
 
Desenvolvendo Competências no JI
Desenvolvendo Competências no JIDesenvolvendo Competências no JI
Desenvolvendo Competências no JI
 
Entrevista ao Jornal Pangeia
Entrevista ao Jornal PangeiaEntrevista ao Jornal Pangeia
Entrevista ao Jornal Pangeia
 
O Educador como Modelo Pedagógico
O Educador como Modelo PedagógicoO Educador como Modelo Pedagógico
O Educador como Modelo Pedagógico
 
A escola e seu entorno social
A escola e seu entorno socialA escola e seu entorno social
A escola e seu entorno social
 
Plano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santoPlano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santo
 
TEXTO 1.pdf
TEXTO 1.pdfTEXTO 1.pdf
TEXTO 1.pdf
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
 
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular   em consulta para aprovaçãoProjecto educativo e curricular   em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
 

Mais de José Matias Alves

Cartaz 12 seminario-primavera-web
Cartaz 12 seminario-primavera-webCartaz 12 seminario-primavera-web
Cartaz 12 seminario-primavera-web
José Matias Alves
 
Cartaz 12 seminario-primavera-web
Cartaz 12 seminario-primavera-webCartaz 12 seminario-primavera-web
Cartaz 12 seminario-primavera-web
José Matias Alves
 
Folheto programa seminario6_v2
Folheto programa seminario6_v2Folheto programa seminario6_v2
Folheto programa seminario6_v2
José Matias Alves
 

Mais de José Matias Alves (20)

A catedral
A catedralA catedral
A catedral
 
Programa ii edugest_2018_ret
Programa ii edugest_2018_retPrograma ii edugest_2018_ret
Programa ii edugest_2018_ret
 
Autonomia e Flexibilização_Programa 5 julho
Autonomia e Flexibilização_Programa 5 julhoAutonomia e Flexibilização_Programa 5 julho
Autonomia e Flexibilização_Programa 5 julho
 
Cartaz a3 5 seminários de investigação
Cartaz a3 5 seminários de investigaçãoCartaz a3 5 seminários de investigação
Cartaz a3 5 seminários de investigação
 
Poster20150926 cabral's public lecture
Poster20150926 cabral's public lecturePoster20150926 cabral's public lecture
Poster20150926 cabral's public lecture
 
Cartaz projeto tertúlias educacionais v2
Cartaz projeto tertúlias educacionais v2Cartaz projeto tertúlias educacionais v2
Cartaz projeto tertúlias educacionais v2
 
A pagina 205 capa af
A pagina 205 capa afA pagina 205 capa af
A pagina 205 capa af
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
 
Publico ucp20150522 (1)
Publico ucp20150522 (1)Publico ucp20150522 (1)
Publico ucp20150522 (1)
 
Programa asoe 20_05
Programa asoe 20_05Programa asoe 20_05
Programa asoe 20_05
 
Cartaz 12 seminario-primavera-web
Cartaz 12 seminario-primavera-webCartaz 12 seminario-primavera-web
Cartaz 12 seminario-primavera-web
 
Cartaz 12 seminario-primavera-web
Cartaz 12 seminario-primavera-webCartaz 12 seminario-primavera-web
Cartaz 12 seminario-primavera-web
 
Folheto programa seminario6_v2
Folheto programa seminario6_v2Folheto programa seminario6_v2
Folheto programa seminario6_v2
 
Catalogo face 2015
Catalogo face 2015Catalogo face 2015
Catalogo face 2015
 
Cartaz 2015(1)arriscar
Cartaz 2015(1)arriscarCartaz 2015(1)arriscar
Cartaz 2015(1)arriscar
 
Programa i seminario aoe nampula março 15
Programa i seminario aoe nampula março 15Programa i seminario aoe nampula março 15
Programa i seminario aoe nampula março 15
 
Programa asoe 25_02
Programa asoe 25_02Programa asoe 25_02
Programa asoe 25_02
 
Cartaz seminarios asoe
Cartaz seminarios asoeCartaz seminarios asoe
Cartaz seminarios asoe
 
Prémio spce regulamento 2014
Prémio spce regulamento 2014Prémio spce regulamento 2014
Prémio spce regulamento 2014
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
 

Projeto educativo0001

  • 1. O Projecto educativo e a relação com as práticas educativa na escola José Matias Alves – Director do jornal “Rumos” In Pensar a Escola – Construir Projetos. Porto: Fundação para o Desenvolvimento de Campanhã, 1998 Muito bom dia a todos. Inicio a minha intervenção com quatro palavras: a primeira, para agradecer à organização o convite para estar presente e a oportunidade de escutar e de aprender com esta escuta; a segunda palavra é para fazer uma breve alusão ao tema geral deste encontro - pensar a escola, construir projectos - e para referir a enorme pertinência e relevância desta iniciativa, que mobiliza as pessoas para pensar as várias faces da educação, para partilhar as práticas e, ao partilhar as práticas, entreabrir as possibilidades efectivas de desenvolver a educação das pessoas, a construção das comunidades e a construção da esperança para essas comunidades e para essas pessoas que a constituem; a terceira palavra é para explicitar o tema da minha intervenção. Como consta no programa, o projecto educativo e a relação com as práticas educativas na escola. Poderia igualmente dizer: as práticas educativas na escola são a essência do projecto educativo ou ainda as práticas educativas são o rosto do projecto ou dos projectos educativos da escola; uma quarta palavra para referir a organização da minha intervenção. Inicialmente, tinha previsto duas partes: numa primeira parte, enunciaria algumas condições para a construção de uma gramática das práticas educativas, práticas educativas desejavelmente felizes, desejavelmente transformacionais; numa segunda parte, procuraria interpretar as comunicações que aqui foram apresentadas no início da manhã. No entanto, ficar-me-ei apenas pela primeira parte, para haver mais tempo para o debate e para vos ouvir e para dialogar convosco em relação à problemática que aqui nos reuniu. Assim, iniciaria a primeira e única parte da minha intervenção procurando enunciar doze condições para a emergência e desenvolvimento dos projectos educativos das instituições educativas. Gostaria de começar por referir, como primeira condição essencial, que aliás na parte da manhã ficou aqui manifestamente evidenciada, a necessidade da escuta. O projecto educativo tem de nascer a partir da escuta e da compreensão do outro. A escuta e com- preensão das especificidades locais dos contextos familiares, sociais, culturais e económicos. A escuta e a compreensão dos anseios, das dificuldades, dos problemas das pessoas e dos contextos onde vivem. A segunda condição é a necessidade da liberdade. Tendo escutado e procurado compreender as especificidades, as singularidades dos anseios das pessoas que habitam
  • 2. no território, é necessária a liberdade de conceber e de agir, a liberdade de pensar a educação para estar ao serviço das pessoas e das comunidades. Conceber projectos e acções que vão ao encontro dos anseios e dos problemas das populações, a liberdade de flexibilizar o projecto educativo nacional, de pensar e executar um currículo que vá ao encontro dos problemas, das perplexidades das crianças e dos jovens, um currículo que integre e valorize os diferentes saberes e que faça vacilar as hierarquias que estão ao serviço da selecção. Ainda a liberdade de conciliar a tradição e a inovação, a liberdade de gerir a tensão entre as imposições normativas e a criatividade, e, finalmente, a liberdade de conciliar uma cultura nacional e transnacional com as culturas locais que são, obviamente, a base dessa cultura nacional e mesmo transnacional. Como terceira condição, referiria a necessidade da confiança. A confiança nas pessoas, a confiança nas suas possibilidades de realização é uma condição essencial para o desenvolvimento de projectos de crescimento e de transformação. A lógica da confiança tem de regular as relações entre a administração central e regional e as escolas; entre a direcção das escolas e os profissionais da educação; entre os profissionais de educação e os encarregados de educação. Sem a confiança um no outro, nas suas possibilidades, nenhum projecto voará longe. A quarta condição: a necessidade de liberdade e confiança são indissociáveis da responsabilidade. Ser responsável pelo desenvolvimento das críanças e dos adolescentes, pela mobilização de todos os recursos possíveis pelo cumprimento dos ideais educativos. A lógica da responsabilidade deve regular a acção de todos os intervenientes do sistema educativo desde os responsáveis políticos até aos professores, educadores, pais e encarregados de educação, passando pelos responsáveis da administração educativa. A quinta condição é a necessidade do reconhecimento, do estímulo e do apoio. Dada a complexidade da acção educativa resultante do imperativo da democratização da escola, é necessário que, aos vários níveis do sistema, se adopte uma prática que reconheça o esforço, incentive as pessoas a ultrapassarem as dificuldades, apoie as organizações educativas a promoverem o sucesso multidimensional das crianças e dos jovens. Ligada a esta condição, enfatizaria a necessidade da discriminação positiva. Dada a heterogeneidade dos contextos, a desigualdade de condições e de recursos é necessária uma política que dê mais a quem tem menos, combatendo-se o efeito Mateus da parábola bíblica que consiste a dar mais a quem já tem muito. É neste contexto que faz todo o sentido um projecto como o URBAN que elege o Vale de Campanhã como território que merece um apoio acrescido e integrado. Parece, no entanto, ser necessário prosseguir este esforço de discriminação positiva fazendo-o chegar até às escolas, até
  • 3. aos professores, até aos elementos da comunidade local. Dar a cada um segundo a sua necessidade poderá ser um bom princípio para se cumprir o ideal democrático da justiça, da igualdade e da fraternidade. Sétima condição: a necessidade das parcerias na realização das práticas educativas. Como sabemos, a educação é um projecto e uma tarefa individual e colectiva. É uma responsabilidade dos pais, das colectividades e comunidades locais, da escola, das autarquias, da administração educativa, dos poderes políticos nacionais. Dada esta múl- tipla responsabilidade, é imperioso pensar e estruturar a acção educativa com base numa diversidade de parcerias. É bom ter presente que a educação das gerações mais jovens é uma responsabilidade de todos e que temos de unir esforços, recursos, motivações e inteligências para cumprirmos o melhor possível o desafio educativo, tanto mais necessário quanto a complexidade e a gravidade dos problemas não se compadecem com uma acção individual isolada. Mesmo que haja uma grande implicação de uma dada instituição, de uma dada organização, há problemas que precisam da cooperação entre a Educação, a Segurança Social, a Formação Profissional, para só citar três campos institucionais da acção. Uma oitava condição tem a ver com a necessidade de aceitação do erro. Numa ordem fundada na liberdade e na responsabilidade, é fundamental admitir a possibilidade de errar o diagnóstico, errar a decisão e errar, por vezes, a acção. E não accionar o poder disciplinar logo que uma acção pensada para servir o melhor possível se revela deficiente. Esta condição está obviamente muito ligada a uma outra, que há pouco referi, que é a necessidade da confiança na capacidade das pessoas e na sua capacidade de servir o melhor que se sabe e pode essas mesmas pessoas e comunidades. Uma nona condição: a necessidade de uma escola de serviço público. Como aqui já foi dito, e mais que dito, como foi já aqui demonstrado pela evidência dos factos e das acções, a escola existe para servir as pessoas reais e concretas, para promover a realização multidimensional da pessoa humana, de todas as pessoas. Uma escola não deveria existir para cumprir regras e procedimentos, para seleccionar "os herdeiros", segundo os critérios da cultura oficial. Para segregar e excluir os que não estão conforme a cultura oficial ou ao molde oficial. Uma escola com projecto é uma escola que se organiza para servir o público que a procura e promove, segundo uma variedade de critérios, a realização diferenciada de todos. Uma outra condição, aliás articulada com várias outras condições já aqui referidas, tem a ver com uma necessidade de autonomia. Quer autonomia profissional, quer autonomia organizacional. Do que disse, decorre a necessidade de os profissionais das escolas terem o poder de decisão suficiente para conceber margens significativas do currículo, da organização pedagógica, da avaliação. Esta autonomia relativa, que se constrói
  • 4. num jogo complexo das interdependências, é seguramente uma das condições essenciais para a concepção, realização e avaliação de projectos educativos. Referiria ainda a necessidade duma avaliação ao serviço de melhores práticas educativas. Avaliar os êxitos e os fracassos, os factores que mais contribuíram para o sucesso do projecto. Procurar compreender e explicar os entraves e as potencial idades, o que mobilizou e desmobilizou as pessoas, a qualidade dos processos de aprendizagem e dos resultados. É uma prática essencial de qualquer projecto educativo para confirmar ou rever decisões, objectivos e estratégias. E, finalmente, a necessidade do querer, do saber e do poder. O querer, como uma das condições de fazer. Se eu não quiser fazer, dificilmente farei. O saber, como uma das bases do poder. E o poder, como um dos factores da mudança, da construção de novos horizontes de inovação. Se estas podem ser, pelo menos, algumas das condições para a emergência e desenvolvimento de práticas educativas que têm sentido e projecto, o que é que poderá acender a disponibilidade da escuta, o desejo da liberdade e da responsabilidade de servir, o desejo de uma acção individual e colectiva que construa as oportunidades de aprendizagens singulares, felizes e relevantes para a vida pessoal e social? Ou uma outra interrogação idêntica a esta: o que é que move os profissionais que ouvimos no início da manhã? O que é que os move a escutar? O que é que os move a articularem esforços? O que é que os move a interagir? O que é que os move a agir? O que é que os move a praticarem um realismo utópico na construção de novas possibilidades educativas para todos? E julgo que esta é a chave do problema e é talvez um bom ponto para centrar- mos o nosso debate. Muito obrigado.