SlideShare uma empresa Scribd logo
Instalações prediais
hidrossanitárias
Aula 06 – INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO
INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO
Destinam-se a coletar e encaminhar, ao local indicado pelo poder público
competente, os despejos provenientes da água utilizada na edificação, para
fins higiênicos.
O sistema predial de esgoto sanitário deve ser projetado de modo a:
 Evitar a contaminação da água;
 Permitir o rápido escoamento da água utilizada e dos despejos evitando a ocorrência de
vazamentos e a formação de depósitos no interior das tubulações;
 Impedir que os gases provenientes do interior do sistema predial de esgoto sanitário
atinjam áreas de utilização;
 Impossibilitar o acesso de corpos estranho ao interior do sistema.
INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO
O destino dos esgotos pode ser:
-rede publica
de coleta;
Fonte: Carvalho Jr, 2011
INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO
O destino dos esgotos pode ser:
-sistema particular , quando não houver rede publica de coleta.
Fonte: Carvalho Jr, 2011
INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO
Recomendações da NBR 7229/97:
O sistema em funcionamento deve preservar a qualidade das águas superficiais e
subterrâneas, mediante estrita observância das restrições desta Norma, relativas à
estanqueidade e distâncias.
É vedado o encaminhamento ao tanque séptico de:
a) águas pluviais;
b) despejos capazes de causar interferência negativa em qualquer fase do
processo de tratamento ou a elevação excessiva da vazão do esgoto afluente,
como os provenientes de piscinas e de lavagem de reservatórios de água.
INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO
Recomendações do Código de Obras de Passo Fundo:
Onde não existir rede de esgoto cloacal, será obrigatório o destino de efluente para
uma fossa séptica, indo depois para um poço sumidouro.
§ 1º - Os efluentes do banho, tanque e lavatórios não poderão ser destinados à
fossa séptica, mas poderão ser depositados sob o solo do terreno, ou na
canalização pluvial ou, ainda coletada para outros usos, sendo proibida sua
disposição em logradouro público.
§ 2º - Os poços absorventes ou sumidouros devem ter no máximo 1,5m de
diâmetro.
INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO
Classificação dos esgotos:
 Primário: permite acesso de gases provenientes da rede pública;
 Secundário: não permite o acesso desses gases.
Tubulações
PVC: DN 40mm, 50mm, 75mm, 100mm, 150mm, 200mm;
PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS
Canalizações para coleta e afastamento de águas servidas
Desconectores
Canalização para ventilação
Órgãos especiais.
INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO
Fonte: Carvalho Jr,
2011
INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO
Fonte: Carvalho Jr,
2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Canalizações para coleta e afastamento de águas servidas
Dimensionada em função das descargas dos aparelhos sanitários a que servem definida
pela UNIDADE HUNTER DE CONTRIBUIÇÃO (UHC)
1 UHC = 28L/min (descarga de um lavatório residencial)
Ramal de Descarga: canalização ligada diretamente ao aparelho sanitário.
Bacias sanitárias – Dmin = 100mm
DIMENSIONAMENTO RAMAIS DE DESCARGA
Fonte: Carvalho Jr,
2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Ramal de Esgoto: canalização que recebe efluentes do ramal de descarga.
Ramal de Descarga: para aparelhos não mencionados na tabela anterior
Fonte das tabelas: Carvalho Jr, 2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Particularidades dos ramais de descarga e esgoto
- O ramal da bacia sanitária deve ser ligado diretamente à caixa de inspeção (edificação
térrea) ou tubo de queda.
- Os ramais do lavatório, bidê, banheira, ralo e tanque devem ser ligados à caixa
sifonada
- Os ramais com efluentes de gordura devem ser ligados à caixa de gorduras
(edificações térreas) ou a tubos de queda específicos.
- A ligação do ramal de esgoto ao subcoletor deve ser feita por meio de caixa de
inspeção (pavimento térreo) ou tubo de queda (pavimentos superiores);
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Tubo de Queda: canalização vertical que recebe efluentes de ramais de descarga, de esgoto ou
de subcoletores. Deve ter diâmetro uniforme e sempre que possível instalado no mesmo
alinhamento. A descarga para dimensionamento dos tubos de queda é soma das unidades de
descarga por pavimento e em todo o tubo.
Fonte: Carvalho Jr, 2011
* O diâmetro do
Tubo de Queda
deve ser maior ou
igual ao de
qualquer ramal de
esgoto servido por
ele.
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Subcoletor: canalização horizontal que recebe efluentes de um ou mais tubos de queda,
ou ramal de esgoto.
Coletor Predial: Trecho de tubulação compreendido entre a última inserção de
subcoletor, ramal de esgoto ou de descarga, ou caixa de inspeção geral e o coletor
público ou sistema particular.
Coletor predial – Dmin = 100mm
Particularidades das tubulações horizontais:
Tubulações horizontais com D ≤ 75mm – Declividade ≥ 2%
Tubulações horizontais com D ≥ 100mm – Declividade ≥ 1%
DIMENSIONAMENTO DE SUBCOLETOR E
COLETOR PREDIAL
Fonte: Carvalho Jr, 2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Desconectores: dispositivo dotado de fecho hídrico, destinado a evitar a passagem de
gases no sentido oposto ao deslocamento do esgoto. Podem atender a um aparelho ou a
um conjunto deles.
Os principais desconectores são a caixa sifonada e o sifão. De acordo com a NBR 8160, todos os
aparelhos sanitários devem ser protegidos por desconectores e todo desconector deve ter fecho
hídrico com altura mínima de 50 mm e apresentar orifício de saída com diâmetro igual ou superior
ao ramal de descarga a ele conectado.
SIFÃO
Fonte: Carvalho Jr,
2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
CAIXA SIFONADA
Fonte: Carvalho Jr,
2011
- Caixa em forma cilíndrica destinada a receber efluentes de um conjunto de aparelhos assim
como as águas provenientes de lavagem de pisos;
- Fabricadas em PVC com DN 100mm, 125mm e 150mm e podem possuir de 1 a 7 entradas de
esgoto.
- Os chuveiros e águas de lavagem de pisos podem ser coletados em ralos simples (secos), os
quais devem ser ligados a caixas sifonadas. Porém, por razões de estética alguns projetistas
preferem localizar a caixa sifonada no boxe do chuveiro. Nesse caso, o ralo não deve estar
localizado no centro geométrico do boxe.
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Fonte: Carvalho Jr, 2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Ramal de Ventilação: interliga o desconector, ou ramal de descarga, ou ramal de esgoto,
de um ou mais aparelhos sanitários a uma coluna de ventilação ou tubo ventilador
primário.
A ligação do ramal de ventilação à coluna de ventilação deve ser feita de modo a impedir
o acesso de esgoto ao interior dele. Dessa forma, a tubulação de ventilação deve ser
instalada com aclive mínimo de 1% e o ramal deve ser ligado a coluna de ventilação 15
cm ou mais acima do nível de transbordamento do mais altos dos aparelhos sanitários
servidos por ele (aparelhos cujos desconectores estão ligados à tubulação de esgoto
primário, como bacias sanitárias, pias de cozinha, tanques), excluindo-se os que
despejam em ralos ou caixas sifonadas de piso.
DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE
VENTILAÇÃO
Distância máxima de um desconector a um tubo ventilador
* Entre a saída do aparelho
sanitário e a inserção do ramal de
ventilação a distância mínima
deve ser de duas vezes o
diâmetro do ramal de descarga
Fonte: Carvalho Jr, 2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Tubo Ventilador e Coluna de Ventilação: canalização que tem por objetivo permitir a
entrada de ar nas canalizações de esgotos sanitários, assegurando que estas funcionem
como condutos livres (sob pressão atmosférica), impedindo pressões negativas.
Quando se prolonga por um ou mais pavimentos, este tubo denomina-se coluna de
ventilação. Nesse caso, sua extremidade superior deve ser aberta à atmosfera e
ultrapassar o telhado ou a laje de cobertura, em no mínimo, 30 cm.
Deve, ser verticais e sempre que possível, instalados em uma única prumada e com
diâmetros uniformes. Em residências normalmente adota-se o valor de 50 mm e em
edifícios com mais de dois pavimento o mínimo é de 75 mm.
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Fonte: Carvalho Jr, 2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Fonte: Carvalho Jr, 2011
DIMENSIONAMENTO DE COLUNAS E
BARRILETES DE VENTILAÇÃO
Fonte: Carvalho Jr, 2011
DIMENSIONAMENTO DE COLUNAS E
BARRILETES DE VENTILAÇÃO
Fonte: Carvalho Jr, 2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Dimensionamento de Caixas Sifonadas
- DN 100, quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 6 UHC;
- DN 125, quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 10 UHC;
- DN 150, quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 15 UHC.
 Ralos: existem 2 tipos – seco (sem proteção hídrica) e sifonado (com proteção hídrica).
Normalmente os ralos secos são utilizados para receber águas provenientes de
chuveiros (boxe), pisos laváveis, áreas externas, etc, não devendo receber efluentes de
ramais de descarga. Podem ser em ferro fundido e PVC.
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Caixa de Inspeção: destinada a
permitir a inspeção, limpeza e
desobstrução das tubulações.
Fonte: Carvalho Jr, 2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Particularidades das caixas de inspeção:
- Instaladas nas mudanças de direção e declividade ou quando o comprimento da tubulação
ultrapassar 10 m.
- Em prédios de vários pavimentos, não devem ser instaladas a menos de 2m dos tubos de queda
que contribuem para elas.
- A distância entre a ligação do coletor predial com o público e o dispositivo de inspeção mais
próximo não deve ser maior que 15,00 m e a distância entre dois dispositivos de inspeção não deve
ser superior a 25,00 m;
- Podem ser de alvenaria, concreto ou plástico.
- Quando o formato for prismático de base quadrada, a medida mínima do lado é de 60 cm e
quando a base for circular, o diâmetro mínimo da mesma é de 60 cm. A profundidade máxima
dessa caixa deve ser de 1m;
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Caixa de Gordura: destinada a reter em sua parte superior, as gorduras , graxas e óleos
contidos no esgoto, formando camadas que devem ser removidas periodicamente, a fim
de evitar a obstrução da rede de esgoto.
Fonte: Carvalho Jr, 2011
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Caixas de gordura pequenas - CGP (NBR 8160):
- Formato cilíndrico com diâmetro interno mínimo de 30 cm;
- Parte submersa do septo de 20 cm;
- Capacidade de retenção de 18 litros;
- Tubulação de saída com 75 mm.
Caixas de gordura simples - CGS (NBR 8160):
- Formato cilíndrico com diâmetro interno mínimo de 40 cm;
- Parte submersa do septo de 20 cm;
- Capacidade de retenção de 31 litros;
- Tubulação de saída com 75 mm.
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Caixas de gordura duplas - CGD (NBR 8160):
- Formato cilíndrico com diâmetro interno mínimo de 60 cm;
- Parte submersa do septo de 35 cm;
- Capacidade de retenção de 120 litros;
- Tubulação de saída com 100 mm.
Caixas de gordura especial - CGE (NBR 8160):
- Parte submersa do septo de 40 cm;
- Volume da câmara de retenção de gordura obtido pela fórmula:
V = 2.N+20 (N = o número de pessoas servidas no horário de maior fluxo)
- Tubulação de saída com 100 mm.
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Particularidades das caixas de gordura:
- Pias de cozinha ou máquinas de lavar louças instaladas em pavimentos sobrepostos devem
descarregar em tubos de queda exclusivos que conduzam o esgoto para caixas de gordura coletivas,
sendo vedado o uso de caixas de gordura individuais nos andares.
- para a coleta de apenas uma cozinha, pode ser usada a caixa de gordura pequena ou a caixa de
gordura simples;
- para a coleta de duas cozinhas, pode ser usada a caixa de gordura simples ou a caixa de gordura
dupla e para a coleta de três até 12 cozinhas, deve ser usada a caixa de gordura dupla;
- para a coleta de mais de 12 cozinhas, ou ainda, para cozinhas de restaurantes, escolas, hospitais,
quartéis, etc., devem ser previstas caixas de gordura especiais.
PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE
ESGOTO SANITÁRIO
Caixas Múltiplas:
podem desempenhar
função de caixa de
gordura, de inspeção
e de águas pluviais.
Já vem pré-montadas
e contam com
acessórios especiais.
Fonte: Tigre
TRAÇADO DAS INSTALAÇÕES DE ESGOTO
SANITÁRIO
Particularidades:
- As prumadas de esgoto e ventilação, devem adequar-se ao projeto arquitetônico e às barreiras
do projeto estrutural. Canalizações embutidas não devem estar solidárias às peças estruturais do
edifício;
- Tubos de queda devem ser posicionados preferencialmente o mais próximo possível de pilares
ou projeção dos pilares e paredes do térreo;
- Deve-se evitar mudanças bruscas de direção. É preferível o uso de caixas de inspeção nas
mudanças de direção de tubulações horizontais a 90º no lugar de conexões;
- O local da caixa sifonada com grelha deve levar em consideração aspectos estéticos, já que o
piso deverá ter certa declividade para o escoamento das águas. Em geral, quanto mais próxima a
caixa sifonada estiver da ligação com o ramal de esgoto, mais simples será a ligação de
ventilação.
TRAÇADO DAS INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO DESTINADAS À REDE PÚBLICA
Fonte: Carvalho Jr, 2011
TRAÇADO DAS INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO EM
PAVIMENTO TIPO ATENDIDAS POR REDE COLETORA
Fonte: Carvalho Jr, 2011
TRAÇADO DAS INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO EM
EDIFICAÇÕES TÉRREAS ATENDIDAS POR REDE COLETORA
Fonte: Carvalho Jr, 2011
SIMBOLOGIA PARA PROJETO RECOMENDADA
PELA NBR 8160
SIMBOLOGIA PARA PROJETO RECOMENDADA
PELA NBR 8160
INSTALAÇÕES TIPICAS
ITENS A SEREM ENTREGUES NO PROJETO
DE ESGOTO
Planta Baixa
 Escala 1:50 ou 1:75;
 Traçado da tubulação interna, sem detalhamento de peças especiais, diâmetro e
declividade;
 Posição das caixas de inspeção e caixas de gordura;
 Traçado da tubulação externa, com detalhamento de material, diâmetro e
declividade;
 Indicação da destinação final dada ao esgoto;
Exemplo de Planta Baixa – Com rede
coletora
Exemplo de Planta Baixa – Sem rede
coletora
ITENS A SEREM ENTREGUES NO PROJETO
DE ESGOTO
Detalhes
 Escala 1:20 ou 1:25;
 Traçado da tubulação interna, com detalhamento de peças especiais, material,
diâmetro e declividade;
 Indicação das colunas de ventilação com a simbologia adequada;
 A planta baixa e os detalhes deve conter apenas o contorno das paredes, posição
de esquadrias e os aparelhos que serão alimentados pela instalação. As linhas mais
espessas do desenho são aquelas que representam a tubulação.
Exemplo de Detalhe –Com rede coletora
Exemplo de Detalhe – Sem rede coletora
DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E
SUMIDOURO
Dimensionamento da Fossa Séptica
(segundo NBR 7229 SET 1993)
V = 1000 + N (C x T + k x Lf)
V: volume útil em litros
N: número de pessoas
C: contribuição litro/pessoa x dia (tab 1)
T: período de detenção (dias) (tab 2)
Lf: contribuição de lodo (litro/pessoa x dia) (tab 1)
K: taxa de acumulação (tab 3)
DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E
SUMIDOURO
DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E
SUMIDOURO
DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E
SUMIDOURO
Dimensionamento do Filtro Anaeróbio
(segundo NBR 13969 SET 1997)
V = (1,60 x N x C x T)
V: volume útil em litros
N: número de pessoas
C: contribuição litro/pessoa x dia
T: período de detenção (dias)
DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E
SUMIDOURO
DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E
SUMIDOURO
DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E
SUMIDOURO
• Filtro anaeróbio
• Filtro aeróbio submerso
• Lodo ativado por batelada
• Vala de infiltração
• Filtro de areia
• Desinfecção
Fossa
séptica
• Vala de infiltração
• Canteiro de infiltração
• Galeria de aguas pluviais
• Sumidouro
• Reuso
• Digestão anaeróbia
• Desidratação
• Compostagem
• Estabilização química
• Compostagem
• Incineração
• Aterro sanitário.
Residência
Esquema valas de infiltração

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
UNIFIA
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
Jose Luis Prado Sánchez
 
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamentoMuros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
rubensmax
 
Esgotos
EsgotosEsgotos
Inst. agua fria predial hidraulica
Inst. agua fria predial   hidraulicaInst. agua fria predial   hidraulica
Inst. agua fria predial hidraulica
Priscilla Scura
 
1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura
Willian De Sá
 
NBR 5626/1998
NBR 5626/1998NBR 5626/1998
NBR 5626/1998
UNIFIA
 
Rede de esgoto
Rede de esgotoRede de esgoto
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Jacqueline Schultz
 
Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
Amália Ribeiro
 
Detalhamento de Telhado
Detalhamento de TelhadoDetalhamento de Telhado
Detalhamento de Telhado
danilosaccomori
 
Sistemas prediais de aguas pluviais
Sistemas prediais de aguas pluviaisSistemas prediais de aguas pluviais
Sistemas prediais de aguas pluviais
Sergiooi
 
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia CivilRelatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Jean Paulo Mendes Alves
 
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-ConstruirPlantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
danilosaccomori
 
Drenagem Superficial
Drenagem SuperficialDrenagem Superficial
Drenagem Superficial
Kattylinne Barbosa
 
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedaçãoNbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Rodrigo Wink
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
Willian De Sá
 
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
wendellnml
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
Willian De Sá
 
Lajes
LajesLajes

Mais procurados (20)

NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
 
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamentoMuros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
 
Esgotos
EsgotosEsgotos
Esgotos
 
Inst. agua fria predial hidraulica
Inst. agua fria predial   hidraulicaInst. agua fria predial   hidraulica
Inst. agua fria predial hidraulica
 
1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura
 
NBR 5626/1998
NBR 5626/1998NBR 5626/1998
NBR 5626/1998
 
Rede de esgoto
Rede de esgotoRede de esgoto
Rede de esgoto
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
 
Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
 
Detalhamento de Telhado
Detalhamento de TelhadoDetalhamento de Telhado
Detalhamento de Telhado
 
Sistemas prediais de aguas pluviais
Sistemas prediais de aguas pluviaisSistemas prediais de aguas pluviais
Sistemas prediais de aguas pluviais
 
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia CivilRelatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
 
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-ConstruirPlantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
 
Drenagem Superficial
Drenagem SuperficialDrenagem Superficial
Drenagem Superficial
 
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedaçãoNbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
 
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
 
Lajes
LajesLajes
Lajes
 

Semelhante a Projeto de esgoto

Desenho de Instalacoes Sanitarias.ppt
Desenho de Instalacoes Sanitarias.pptDesenho de Instalacoes Sanitarias.ppt
Desenho de Instalacoes Sanitarias.ppt
EngenheiroBenevides
 
DA - Unidade 13- DES. DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITARIAS.pptx
DA - Unidade 13- DES. DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITARIAS.pptxDA - Unidade 13- DES. DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITARIAS.pptx
DA - Unidade 13- DES. DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITARIAS.pptx
Universidade Federal do Rio Grande - FURG
 
DA_Unidade_13.pptx
DA_Unidade_13.pptxDA_Unidade_13.pptx
Fot 5839esgoto sanitybio_(pbincipal)_pdf
Fot 5839esgoto sanitybio_(pbincipal)_pdfFot 5839esgoto sanitybio_(pbincipal)_pdf
Fot 5839esgoto sanitybio_(pbincipal)_pdf
Claudio Vidal Teixeira
 
aula-6.pptx
aula-6.pptxaula-6.pptx
aula-6.pptx
rodrigo428042
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
Claudio Vidal Teixeira
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
Wallas Borges
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
ALCIR PANTOJA
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
joaoalan07
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
Sandro N. Pinto
 
Topico04 esgotos-sanitarios (1)
Topico04 esgotos-sanitarios (1)Topico04 esgotos-sanitarios (1)
Topico04 esgotos-sanitarios (1)
Cleriston Machado
 
Apostila de encanador
Apostila de encanadorApostila de encanador
Apostila de encanador
Gilson Santos da Silva
 
Apostila esgotamento sanitário
Apostila esgotamento sanitárioApostila esgotamento sanitário
Apostila esgotamento sanitário
Alexandre Cabral Cavalcanti
 
Apostila esgoto-2005
Apostila esgoto-2005Apostila esgoto-2005
Apostila esgoto-2005
Renan S. Santos
 
3886 apostilha-esgoto(superior)
3886 apostilha-esgoto(superior)3886 apostilha-esgoto(superior)
3886 apostilha-esgoto(superior)
Roberta Estevão
 
Orientacoes_esgoto_nbr8160_Florianopolis
Orientacoes_esgoto_nbr8160_FlorianopolisOrientacoes_esgoto_nbr8160_Florianopolis
Orientacoes_esgoto_nbr8160_Florianopolis
alinesarcinelli
 
6 apostila curso bombeiro hidráulico
6 apostila curso bombeiro hidráulico6 apostila curso bombeiro hidráulico
6 apostila curso bombeiro hidráulico
Ricardo Akerman
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
edmarluis
 
AULA 7.pptx
AULA 7.pptxAULA 7.pptx
AULA 7.pptx
EVANILDETAVARES1
 
Esgoto
EsgotoEsgoto
Esgoto
Leibnys
 

Semelhante a Projeto de esgoto (20)

Desenho de Instalacoes Sanitarias.ppt
Desenho de Instalacoes Sanitarias.pptDesenho de Instalacoes Sanitarias.ppt
Desenho de Instalacoes Sanitarias.ppt
 
DA - Unidade 13- DES. DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITARIAS.pptx
DA - Unidade 13- DES. DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITARIAS.pptxDA - Unidade 13- DES. DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITARIAS.pptx
DA - Unidade 13- DES. DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITARIAS.pptx
 
DA_Unidade_13.pptx
DA_Unidade_13.pptxDA_Unidade_13.pptx
DA_Unidade_13.pptx
 
Fot 5839esgoto sanitybio_(pbincipal)_pdf
Fot 5839esgoto sanitybio_(pbincipal)_pdfFot 5839esgoto sanitybio_(pbincipal)_pdf
Fot 5839esgoto sanitybio_(pbincipal)_pdf
 
aula-6.pptx
aula-6.pptxaula-6.pptx
aula-6.pptx
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 
Topico04 esgotos-sanitarios (1)
Topico04 esgotos-sanitarios (1)Topico04 esgotos-sanitarios (1)
Topico04 esgotos-sanitarios (1)
 
Apostila de encanador
Apostila de encanadorApostila de encanador
Apostila de encanador
 
Apostila esgotamento sanitário
Apostila esgotamento sanitárioApostila esgotamento sanitário
Apostila esgotamento sanitário
 
Apostila esgoto-2005
Apostila esgoto-2005Apostila esgoto-2005
Apostila esgoto-2005
 
3886 apostilha-esgoto(superior)
3886 apostilha-esgoto(superior)3886 apostilha-esgoto(superior)
3886 apostilha-esgoto(superior)
 
Orientacoes_esgoto_nbr8160_Florianopolis
Orientacoes_esgoto_nbr8160_FlorianopolisOrientacoes_esgoto_nbr8160_Florianopolis
Orientacoes_esgoto_nbr8160_Florianopolis
 
6 apostila curso bombeiro hidráulico
6 apostila curso bombeiro hidráulico6 apostila curso bombeiro hidráulico
6 apostila curso bombeiro hidráulico
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 
AULA 7.pptx
AULA 7.pptxAULA 7.pptx
AULA 7.pptx
 
Esgoto
EsgotoEsgoto
Esgoto
 

Último

Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 

Último (11)

Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 

Projeto de esgoto

  • 1. Instalações prediais hidrossanitárias Aula 06 – INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO
  • 2. INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO Destinam-se a coletar e encaminhar, ao local indicado pelo poder público competente, os despejos provenientes da água utilizada na edificação, para fins higiênicos. O sistema predial de esgoto sanitário deve ser projetado de modo a:  Evitar a contaminação da água;  Permitir o rápido escoamento da água utilizada e dos despejos evitando a ocorrência de vazamentos e a formação de depósitos no interior das tubulações;  Impedir que os gases provenientes do interior do sistema predial de esgoto sanitário atinjam áreas de utilização;  Impossibilitar o acesso de corpos estranho ao interior do sistema.
  • 3. INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO O destino dos esgotos pode ser: -rede publica de coleta; Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 4. INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO O destino dos esgotos pode ser: -sistema particular , quando não houver rede publica de coleta. Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 5. INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO Recomendações da NBR 7229/97: O sistema em funcionamento deve preservar a qualidade das águas superficiais e subterrâneas, mediante estrita observância das restrições desta Norma, relativas à estanqueidade e distâncias. É vedado o encaminhamento ao tanque séptico de: a) águas pluviais; b) despejos capazes de causar interferência negativa em qualquer fase do processo de tratamento ou a elevação excessiva da vazão do esgoto afluente, como os provenientes de piscinas e de lavagem de reservatórios de água.
  • 6. INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO Recomendações do Código de Obras de Passo Fundo: Onde não existir rede de esgoto cloacal, será obrigatório o destino de efluente para uma fossa séptica, indo depois para um poço sumidouro. § 1º - Os efluentes do banho, tanque e lavatórios não poderão ser destinados à fossa séptica, mas poderão ser depositados sob o solo do terreno, ou na canalização pluvial ou, ainda coletada para outros usos, sendo proibida sua disposição em logradouro público. § 2º - Os poços absorventes ou sumidouros devem ter no máximo 1,5m de diâmetro.
  • 7. INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO Classificação dos esgotos:  Primário: permite acesso de gases provenientes da rede pública;  Secundário: não permite o acesso desses gases. Tubulações PVC: DN 40mm, 50mm, 75mm, 100mm, 150mm, 200mm; PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS Canalizações para coleta e afastamento de águas servidas Desconectores Canalização para ventilação Órgãos especiais.
  • 8. INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 9. INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 10. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Canalizações para coleta e afastamento de águas servidas Dimensionada em função das descargas dos aparelhos sanitários a que servem definida pela UNIDADE HUNTER DE CONTRIBUIÇÃO (UHC) 1 UHC = 28L/min (descarga de um lavatório residencial) Ramal de Descarga: canalização ligada diretamente ao aparelho sanitário. Bacias sanitárias – Dmin = 100mm
  • 11. DIMENSIONAMENTO RAMAIS DE DESCARGA Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 12. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Ramal de Esgoto: canalização que recebe efluentes do ramal de descarga. Ramal de Descarga: para aparelhos não mencionados na tabela anterior Fonte das tabelas: Carvalho Jr, 2011
  • 13. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Particularidades dos ramais de descarga e esgoto - O ramal da bacia sanitária deve ser ligado diretamente à caixa de inspeção (edificação térrea) ou tubo de queda. - Os ramais do lavatório, bidê, banheira, ralo e tanque devem ser ligados à caixa sifonada - Os ramais com efluentes de gordura devem ser ligados à caixa de gorduras (edificações térreas) ou a tubos de queda específicos. - A ligação do ramal de esgoto ao subcoletor deve ser feita por meio de caixa de inspeção (pavimento térreo) ou tubo de queda (pavimentos superiores);
  • 14. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Tubo de Queda: canalização vertical que recebe efluentes de ramais de descarga, de esgoto ou de subcoletores. Deve ter diâmetro uniforme e sempre que possível instalado no mesmo alinhamento. A descarga para dimensionamento dos tubos de queda é soma das unidades de descarga por pavimento e em todo o tubo. Fonte: Carvalho Jr, 2011 * O diâmetro do Tubo de Queda deve ser maior ou igual ao de qualquer ramal de esgoto servido por ele.
  • 15. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Subcoletor: canalização horizontal que recebe efluentes de um ou mais tubos de queda, ou ramal de esgoto. Coletor Predial: Trecho de tubulação compreendido entre a última inserção de subcoletor, ramal de esgoto ou de descarga, ou caixa de inspeção geral e o coletor público ou sistema particular. Coletor predial – Dmin = 100mm Particularidades das tubulações horizontais: Tubulações horizontais com D ≤ 75mm – Declividade ≥ 2% Tubulações horizontais com D ≥ 100mm – Declividade ≥ 1%
  • 16. DIMENSIONAMENTO DE SUBCOLETOR E COLETOR PREDIAL Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 17. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Desconectores: dispositivo dotado de fecho hídrico, destinado a evitar a passagem de gases no sentido oposto ao deslocamento do esgoto. Podem atender a um aparelho ou a um conjunto deles. Os principais desconectores são a caixa sifonada e o sifão. De acordo com a NBR 8160, todos os aparelhos sanitários devem ser protegidos por desconectores e todo desconector deve ter fecho hídrico com altura mínima de 50 mm e apresentar orifício de saída com diâmetro igual ou superior ao ramal de descarga a ele conectado. SIFÃO Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 18. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO CAIXA SIFONADA Fonte: Carvalho Jr, 2011 - Caixa em forma cilíndrica destinada a receber efluentes de um conjunto de aparelhos assim como as águas provenientes de lavagem de pisos; - Fabricadas em PVC com DN 100mm, 125mm e 150mm e podem possuir de 1 a 7 entradas de esgoto. - Os chuveiros e águas de lavagem de pisos podem ser coletados em ralos simples (secos), os quais devem ser ligados a caixas sifonadas. Porém, por razões de estética alguns projetistas preferem localizar a caixa sifonada no boxe do chuveiro. Nesse caso, o ralo não deve estar localizado no centro geométrico do boxe.
  • 19. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 20. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Ramal de Ventilação: interliga o desconector, ou ramal de descarga, ou ramal de esgoto, de um ou mais aparelhos sanitários a uma coluna de ventilação ou tubo ventilador primário. A ligação do ramal de ventilação à coluna de ventilação deve ser feita de modo a impedir o acesso de esgoto ao interior dele. Dessa forma, a tubulação de ventilação deve ser instalada com aclive mínimo de 1% e o ramal deve ser ligado a coluna de ventilação 15 cm ou mais acima do nível de transbordamento do mais altos dos aparelhos sanitários servidos por ele (aparelhos cujos desconectores estão ligados à tubulação de esgoto primário, como bacias sanitárias, pias de cozinha, tanques), excluindo-se os que despejam em ralos ou caixas sifonadas de piso.
  • 21. DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE VENTILAÇÃO Distância máxima de um desconector a um tubo ventilador * Entre a saída do aparelho sanitário e a inserção do ramal de ventilação a distância mínima deve ser de duas vezes o diâmetro do ramal de descarga Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 22. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Tubo Ventilador e Coluna de Ventilação: canalização que tem por objetivo permitir a entrada de ar nas canalizações de esgotos sanitários, assegurando que estas funcionem como condutos livres (sob pressão atmosférica), impedindo pressões negativas. Quando se prolonga por um ou mais pavimentos, este tubo denomina-se coluna de ventilação. Nesse caso, sua extremidade superior deve ser aberta à atmosfera e ultrapassar o telhado ou a laje de cobertura, em no mínimo, 30 cm. Deve, ser verticais e sempre que possível, instalados em uma única prumada e com diâmetros uniformes. Em residências normalmente adota-se o valor de 50 mm e em edifícios com mais de dois pavimento o mínimo é de 75 mm.
  • 23. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 24. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 25. DIMENSIONAMENTO DE COLUNAS E BARRILETES DE VENTILAÇÃO Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 26. DIMENSIONAMENTO DE COLUNAS E BARRILETES DE VENTILAÇÃO Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 27. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Dimensionamento de Caixas Sifonadas - DN 100, quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 6 UHC; - DN 125, quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 10 UHC; - DN 150, quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 15 UHC.  Ralos: existem 2 tipos – seco (sem proteção hídrica) e sifonado (com proteção hídrica). Normalmente os ralos secos são utilizados para receber águas provenientes de chuveiros (boxe), pisos laváveis, áreas externas, etc, não devendo receber efluentes de ramais de descarga. Podem ser em ferro fundido e PVC.
  • 28. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Caixa de Inspeção: destinada a permitir a inspeção, limpeza e desobstrução das tubulações. Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 29. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Particularidades das caixas de inspeção: - Instaladas nas mudanças de direção e declividade ou quando o comprimento da tubulação ultrapassar 10 m. - Em prédios de vários pavimentos, não devem ser instaladas a menos de 2m dos tubos de queda que contribuem para elas. - A distância entre a ligação do coletor predial com o público e o dispositivo de inspeção mais próximo não deve ser maior que 15,00 m e a distância entre dois dispositivos de inspeção não deve ser superior a 25,00 m; - Podem ser de alvenaria, concreto ou plástico. - Quando o formato for prismático de base quadrada, a medida mínima do lado é de 60 cm e quando a base for circular, o diâmetro mínimo da mesma é de 60 cm. A profundidade máxima dessa caixa deve ser de 1m;
  • 30. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Caixa de Gordura: destinada a reter em sua parte superior, as gorduras , graxas e óleos contidos no esgoto, formando camadas que devem ser removidas periodicamente, a fim de evitar a obstrução da rede de esgoto. Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 31. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Caixas de gordura pequenas - CGP (NBR 8160): - Formato cilíndrico com diâmetro interno mínimo de 30 cm; - Parte submersa do septo de 20 cm; - Capacidade de retenção de 18 litros; - Tubulação de saída com 75 mm. Caixas de gordura simples - CGS (NBR 8160): - Formato cilíndrico com diâmetro interno mínimo de 40 cm; - Parte submersa do septo de 20 cm; - Capacidade de retenção de 31 litros; - Tubulação de saída com 75 mm.
  • 32. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Caixas de gordura duplas - CGD (NBR 8160): - Formato cilíndrico com diâmetro interno mínimo de 60 cm; - Parte submersa do septo de 35 cm; - Capacidade de retenção de 120 litros; - Tubulação de saída com 100 mm. Caixas de gordura especial - CGE (NBR 8160): - Parte submersa do septo de 40 cm; - Volume da câmara de retenção de gordura obtido pela fórmula: V = 2.N+20 (N = o número de pessoas servidas no horário de maior fluxo) - Tubulação de saída com 100 mm.
  • 33. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Particularidades das caixas de gordura: - Pias de cozinha ou máquinas de lavar louças instaladas em pavimentos sobrepostos devem descarregar em tubos de queda exclusivos que conduzam o esgoto para caixas de gordura coletivas, sendo vedado o uso de caixas de gordura individuais nos andares. - para a coleta de apenas uma cozinha, pode ser usada a caixa de gordura pequena ou a caixa de gordura simples; - para a coleta de duas cozinhas, pode ser usada a caixa de gordura simples ou a caixa de gordura dupla e para a coleta de três até 12 cozinhas, deve ser usada a caixa de gordura dupla; - para a coleta de mais de 12 cozinhas, ou ainda, para cozinhas de restaurantes, escolas, hospitais, quartéis, etc., devem ser previstas caixas de gordura especiais.
  • 34. PARTES CONSTITUINTES DA INSTALAÇÃO DE ESGOTO SANITÁRIO Caixas Múltiplas: podem desempenhar função de caixa de gordura, de inspeção e de águas pluviais. Já vem pré-montadas e contam com acessórios especiais. Fonte: Tigre
  • 35. TRAÇADO DAS INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO Particularidades: - As prumadas de esgoto e ventilação, devem adequar-se ao projeto arquitetônico e às barreiras do projeto estrutural. Canalizações embutidas não devem estar solidárias às peças estruturais do edifício; - Tubos de queda devem ser posicionados preferencialmente o mais próximo possível de pilares ou projeção dos pilares e paredes do térreo; - Deve-se evitar mudanças bruscas de direção. É preferível o uso de caixas de inspeção nas mudanças de direção de tubulações horizontais a 90º no lugar de conexões; - O local da caixa sifonada com grelha deve levar em consideração aspectos estéticos, já que o piso deverá ter certa declividade para o escoamento das águas. Em geral, quanto mais próxima a caixa sifonada estiver da ligação com o ramal de esgoto, mais simples será a ligação de ventilação.
  • 36. TRAÇADO DAS INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO DESTINADAS À REDE PÚBLICA Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 37. TRAÇADO DAS INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO EM PAVIMENTO TIPO ATENDIDAS POR REDE COLETORA Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 38. TRAÇADO DAS INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO EM EDIFICAÇÕES TÉRREAS ATENDIDAS POR REDE COLETORA Fonte: Carvalho Jr, 2011
  • 39. SIMBOLOGIA PARA PROJETO RECOMENDADA PELA NBR 8160
  • 40. SIMBOLOGIA PARA PROJETO RECOMENDADA PELA NBR 8160
  • 42. ITENS A SEREM ENTREGUES NO PROJETO DE ESGOTO Planta Baixa  Escala 1:50 ou 1:75;  Traçado da tubulação interna, sem detalhamento de peças especiais, diâmetro e declividade;  Posição das caixas de inspeção e caixas de gordura;  Traçado da tubulação externa, com detalhamento de material, diâmetro e declividade;  Indicação da destinação final dada ao esgoto;
  • 43. Exemplo de Planta Baixa – Com rede coletora
  • 44. Exemplo de Planta Baixa – Sem rede coletora
  • 45. ITENS A SEREM ENTREGUES NO PROJETO DE ESGOTO Detalhes  Escala 1:20 ou 1:25;  Traçado da tubulação interna, com detalhamento de peças especiais, material, diâmetro e declividade;  Indicação das colunas de ventilação com a simbologia adequada;  A planta baixa e os detalhes deve conter apenas o contorno das paredes, posição de esquadrias e os aparelhos que serão alimentados pela instalação. As linhas mais espessas do desenho são aquelas que representam a tubulação.
  • 46. Exemplo de Detalhe –Com rede coletora
  • 47. Exemplo de Detalhe – Sem rede coletora
  • 48.
  • 49. DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E SUMIDOURO Dimensionamento da Fossa Séptica (segundo NBR 7229 SET 1993) V = 1000 + N (C x T + k x Lf) V: volume útil em litros N: número de pessoas C: contribuição litro/pessoa x dia (tab 1) T: período de detenção (dias) (tab 2) Lf: contribuição de lodo (litro/pessoa x dia) (tab 1) K: taxa de acumulação (tab 3)
  • 50. DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E SUMIDOURO
  • 51. DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E SUMIDOURO
  • 52. DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E SUMIDOURO Dimensionamento do Filtro Anaeróbio (segundo NBR 13969 SET 1997) V = (1,60 x N x C x T) V: volume útil em litros N: número de pessoas C: contribuição litro/pessoa x dia T: período de detenção (dias)
  • 53. DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E SUMIDOURO
  • 54.
  • 55. DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E SUMIDOURO
  • 56. DIMENSIONAMENTO DA FOSSA, FILTRO E SUMIDOURO
  • 57. • Filtro anaeróbio • Filtro aeróbio submerso • Lodo ativado por batelada • Vala de infiltração • Filtro de areia • Desinfecção Fossa séptica • Vala de infiltração • Canteiro de infiltração • Galeria de aguas pluviais • Sumidouro • Reuso • Digestão anaeróbia • Desidratação • Compostagem • Estabilização química • Compostagem • Incineração • Aterro sanitário. Residência
  • 58.
  • 59. Esquema valas de infiltração

Notas do Editor

  1. 2
  2. 3
  3. 4
  4. 5
  5. 6
  6. 7
  7. 8
  8. 9
  9. 10
  10. 11
  11. 12
  12. 13
  13. 14
  14. 15
  15. 16
  16. 17
  17. 18
  18. 19
  19. 20
  20. 21
  21. 22
  22. 23
  23. 24
  24. 25
  25. 26
  26. 27
  27. 28
  28. 29
  29. 30
  30. 31
  31. 32
  32. 33
  33. 34
  34. 35
  35. 36
  36. 37
  37. 38
  38. 39
  39. 40
  40. 41
  41. 42
  42. 43
  43. 44
  44. 45
  45. 46
  46. 47
  47. 48
  48. 49
  49. 51
  50. 52
  51. 53
  52. 54
  53. 55
  54. 57
  55. 58