SlideShare uma empresa Scribd logo
Periodo Pre-Operatorio
Nelio Dos S. Dinis – Lic. Enfermagem. Enfro. Assistencial Serv de Medicina1
Pre operativo
Pre operativo
Pre operativo
Pre operativo
PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO
Abrange desde o momento pela decisão cirúrgica
até a transferência do Paciente para a mesa
cirúrgica.
Avaliação Psicossocial
• É necessário compreendermos as dúvidas, medos e
ansiedades que povoam o pensamento de quem vai ser
operado.
• A separação da família, o medo do desconhecido e as
possibilidades de dor, de complicações, de morte, criam
uma situação de insegurança para o paciente cirúrgico.
Avaliação Psicossocial
• Informar-se sobre aspectos familiares
• Informar –se sobre abitos toxicos
– Uso de drogas
– Reacoes alergicas
Consulta de Enfermagem
PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO
• Período pré-operatório divide-se em:
– Mediato e;
– Imediato.
• *Pré-operatório mediato: Esta fase corresponde do
momento da indicação da cirurgia e termina 24 horas
antes de seu início.
• Geralmente neste período o paciente ainda não se
encontra internado.
PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO
*Pré-operatório mediato
• Paciente é submetido a exames que auxiliam na
confirmação do diagnóstico e que auxiliarão
oplanejamento cirúrgico, o tratamento clínico para
diminuir os sintomas e as precauções necessárias para
evitar complicações pós-operatórias, ou seja, abrange o
período desde aindicação para a cirurgia até o dia
anterior àmesma;
*Pré-operatório mediato
• Neste período, sempre que possível, o paciente deve:
– Passar por uma avaliação médica geral;
– Fazer exames clínicos detalhados (exames de sangue, RX,
eletrocardiograma);
– Solicitar de equipamentos e materiais especiais;
– Esclarecer a família e auxiliá-la a entender o processo da
cirurgia;
– Iníciar do preparo do paciente para o período pós operatório;
– Identificar e corrigir distúrbios que possam aumentar o risco
cirúrgico.
PRÉ-OPERATÓRIO IMEDIATO: corresponde às
24 horas anteriores à cirurgia e tem por objetivo
preparar ocliente para o ato cirúrgico.
PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO
PREVENINDO INFECÇÕES
FATORES
_ Quantidade e virulência dos microrganismos
_Capacidade de defesa do cliente
CUIDADOS DA EQUIPE
Uniformes limpos e unhas curtas e limpas, lavando as mãos antes e
após cada procedimento, respeitando as técnicas assépticas na
execução dos cuidados, oferecendo ambiente limpo e observando os
sinais iniciais de infecção.
CUIDADOS COM O PACIENTE
Banho com antissépticos específicos (clorexidina ou solução de iodo
PVPI) na noite anterior e no dia da cirurgia, tricotomia, lavagem
intestinal, retirada de objetos pessoais, próteses e outros.
PRÉ-OPERATÓRIO IMEDIATO
Pre-Operatorio Imediato
– Avaliar o estado de dor;
– Avaliar o estado nutricional;
– Rever prontuário, verificando se todos os exames solicitados
estão corretos;
– Identificar o paciente;
– Verificar o sítio cirúrgico, avaliando estado geral de higiene e
encaminhá-lo para o banho pré operatório;
– Estabelecer acesso venoso;
– Fazer reserva de hemoderivados;
– Fazer reserva de sala operatória;
– Solicitar de equipamentos e materiais especiais;
– Preparo da pele e tricotomia que deve ser feita o mais próximo
possível do ato cirúrgico;
– Preparo intestinal;
– Jejum – Na medida do possível, o estomago do paciente deve
estar vazio no momento da cirurgia,
• Pois as medicações anestésicas podem provocar vômitos e pode ocorrer a
aspiração de conteúdo gástrico para os pulmões;
– Esclarecer, dentro de suas atribuições, as dúvidas do paciente;
– Providenciar assinatura do termo de autorização para cirurgia.
Pre-Operatorio Imediato
Prevenindo complicações anestésicas
1. Jejum de 6 a 12 horas antes da cirurgia objetiva evitar vômitos e
prevenir a aspiração de resíduos alimentares por ocasião da
anestesia.
Prevenção de complicações com relação a infecção
Pele
1. Higiene pessoal ( banho com germicida clorexidina ou solução
de iodo PVPI)
2. Tricotomia : máximo 2 horas antes ou no próprio centro
cirúrgico, em menor área possível e com método o menos agressivo
Pre-Operatorio Imediato
4.Esvaziamento Intestinal (8 a 12 horas antes do ato cirúrgico)
Laxativos (medicamentos)
• Lavagem intestinal ou Enteroclisma – é a introdução de líquido (volume
máximo de 2000ml) no intestino, através do ânus ou da boca da colostomia,
com o objetivo de promover o esvaziamento intestinal)
•Enema (é a aplicação de no máximo 500ml de substância (contraste
radiológico, medicamento, etc.) pelo reto.
5. Remoção de jóias, anéis , próteses dentárias, lente de contato
6. Esvaziamento da bexiga
Esvaziamento espontâneo: antes do pré-anestésico.
Sonda vesical de demora: cirurgias em que a mesma necessite ser mantida vazia,
ou naquelas de longa duração , o que é feito, geralmente e realizado no centro
cirúrgico.
Pre-Operatorio Imediato
RELIZANDO ENTEROCLISMA OU LAVAGEM INTESTINAL
Indicação: aliviar constipação , evitar distenção e flatulencia,
preparar o intestino para exames, partos e cirurgia.
Material: frasco com solução própria prescrita aquecida a 36
graus em media( morma), suporte de soro, sonda retal de
número indicado (14 a 20 crianças e adolescentes/22 a 24 para
as mulheres / 24 a 26 para os homens), gazes, lubrificantes, forro
impermeável, cuba rim, comadre, biombo, luvas de
procedimento.
Pre-Operatorio Imediato
CLISTER OU ENEMA
Semelhante a lavegem intestinal , diferindo apenas a quantidade
de líquido.
* Nunca devemos forçar a entrada da sonda, caso encontre
resistência, aconselha-se afastar a sonda e com cuidado tentar
novamente. Se não conseguir certificar se não há obstáculo,
suspender o procedimento, comunicar ao médico. Anotar
relatório.
Pre-Operatorio Imediato
7. Verificar Sinais Vitais antes de encaminhar para CC
8.Verificar o prontuário, exames, consentimento livre informado,
prescrição e registro de enfermagem e encaminhamento junto ao
paciente
9.Administrar medicamento Pré-anestésico (45 a 60 minutos antes
do início da anestesia)
Pre-Operatorio Imediato
• 10.Manter ambiente silenciosos para promover relaxamento
• 11.Vestir o paciente (camisola, gorro, prope)
• 12. Promover limpeza e arrumação da unidade
– OS MPA MAIS COMUNS SÃO : Opiáceos - Benzodiazepínicos -
Hipnóticos - Neurolépticos -
Pre-Operatorio Imediato
Pre operativo
Pre operativo
As ações assistenciais desenvolvidas nessa fase devem atender
não só as atividades técnicas mas também as expectativas do
paciente.
Toda equipe deve estar atenta no sentido de oferecer ao
paciente apoio, atenção, respeitando sua crenças, seus valores,
seus medos, suas necessidades, atendendo-o com segurança,
presteza e eficácia.
NO DIA DA CIRURGIA
– Auxiliar ou orientar para que o paciente esvazie a bexiga e o
instestino;
– Retirar próteses;
– Retirar lentes de contato;
– Retirar jóias;
– Retirar piercings;
– Banho pré operatório com anti-séptico(clorixidina);
– Verificar sinais vitais 30 minutos antes da cirurgia e informar
qualquer alteração;
– Conferir se os exames estão junto ao prontuário;
– Administrar medicação pré anestésica;
– Fornecer camisola e gorro.
• Mediante os seguintesprocedimentos:
jejum, limpeza intestinal,esvaziamento
vesical, preparo da pele – banho
comsoluções antissépticas e aplicação de
medicação pré-anestésica.
PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO
Avaliacao Fisica
– Hipovolemia
– Desidratação ou distúrbios eletrolíticos (Ex; Sódio – Na, Potassio –
K);
– Déficits nutricionais;
– Extremos etários (Muito jovem ou muito idoso);
– Extremos de peso (Desnutrição, obesidade);
– Infecção;
– Anormalidades imunológicas;
– Doenças pulmonares (Asma, bronquite);
– Doença renal;
– Gravidez;
– Doenças cardiovasculares (IAM, ICC, Arritmias, Hipertensão);
– Distúrbios Endócrinos (Diabetes Mélitus, disfunção da tireóide);
– Disfunção hepática;
– Drogas e álcool;
– Pacientes com necessidades especiais (Visão, audição, fala,
movimentação).
Avaliacao Fisica
Exames Complementares
Exame Indicacao
Hemoglobina Anemia ou doença hematológica, cardiológica,
pulmonar, renal ou hepática; Intervenção com
previsão de sangramento importante (8 Aceitavel)
Plaquetas Sangramento anormal ou doença hematológica/
mielotoxicidade
TAP Sangramento anormal, hepatopatia, doença
hematológica ou desnutrição (vitamina K);
Anticoagulação
(AVK)
Radiografia de
Tórax
Doença cardiorrespiratória ou neoplásica; Intervenção
intratorácica ou intra-abdominal
CIRURGIAS DE EMERGÊNCIA
• As Cirurgias de emergência não são planejadas e
acontecem com pouco tempo para preparação do
paciente e da equipe.
• Muitas vezes, o paciente irá para o procedimento
cirúrgico sem as informações devidas ou com
informações incompletas, colhidas por testemunhas,
equipe de resgate ou familiares.
• É necessário uma rápida avaliação do paciente durante
o atendimento inicial para verificar todas as lesões
possíveis para que as mesmas sejam corrigidas em sua
totalidade ou que sejam posteriormente corrigidas
quando possível.
CIRURGIAS DE EMERGÊNCIA
• Obrigado!
– Nelio Dos S. Dinis
– Neliodossantosdinis@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Equipe cirúrgica
Equipe cirúrgicaEquipe cirúrgica
Equipe cirúrgica
Guilherme Sicuto
 
enfermagem perioperatório, periodos operatórios
enfermagem perioperatório, periodos operatórios enfermagem perioperatório, periodos operatórios
enfermagem perioperatório, periodos operatórios
Higor Cortez
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
Rene Junior
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Francisco Doria
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Aline Bandeira
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
Jéssica Ferreira
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
ClaudenicePereiraPer
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Acesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagemAcesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagem
Élcio Medeiros
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Raniery Penha
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
Wilmar Ribeiro
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
Aline Bandeira
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
Zeca Ribeiro
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
Zeca Ribeiro
 
Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2
Leidiãne Rocha
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Posicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdfPosicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdf
Cintia da Cruz Silva
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
Gabriel Jefferson Oliveira
 
Saep.pdf
Saep.pdfSaep.pdf
Saep.pdf
EvelineMachado3
 

Mais procurados (20)

Equipe cirúrgica
Equipe cirúrgicaEquipe cirúrgica
Equipe cirúrgica
 
enfermagem perioperatório, periodos operatórios
enfermagem perioperatório, periodos operatórios enfermagem perioperatório, periodos operatórios
enfermagem perioperatório, periodos operatórios
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Acesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagemAcesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagem
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Posicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdfPosicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdf
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
 
Saep.pdf
Saep.pdfSaep.pdf
Saep.pdf
 

Destaque

Quemaduras 01.ppt
Quemaduras 01.pptQuemaduras 01.ppt
Quemaduras 01.ppt
Kike Chavez
 
12 inducción del trabajo de parto con oxitocina
12 inducción del trabajo de parto con oxitocina12 inducción del trabajo de parto con oxitocina
12 inducción del trabajo de parto con oxitocina
Sergio Bermudez
 
Atencion al-parto
Atencion al-partoAtencion al-parto
Atencion al-parto
arlette jimenez
 
10 importancia de la nutrición en el embarazo
10 importancia de la nutrición en el embarazo10 importancia de la nutrición en el embarazo
10 importancia de la nutrición en el embarazo
Sergio Bermudez
 
16 valoración del canal de parto
16 valoración del canal de parto16 valoración del canal de parto
16 valoración del canal de parto
Sergio Bermudez
 
11 complicaciones hemorragicas
11 complicaciones hemorragicas11 complicaciones hemorragicas
11 complicaciones hemorragicas
Sergio Bermudez
 
13 analgesia y anestesia durante el parto - copia
13 analgesia y anestesia durante el parto - copia13 analgesia y anestesia durante el parto - copia
13 analgesia y anestesia durante el parto - copia
Sergio Bermudez
 
Sondaje nasogastrico arregladdo
Sondaje nasogastrico arregladdoSondaje nasogastrico arregladdo
Sondaje nasogastrico arregladdo
Kike Chavez
 
9 fisiología materna durante el embarazo
9 fisiología materna durante el embarazo9 fisiología materna durante el embarazo
9 fisiología materna durante el embarazo
Sergio Bermudez
 
14 preparación de la paciente para el trabajo admon
14 preparación de la paciente para el trabajo admon14 preparación de la paciente para el trabajo admon
14 preparación de la paciente para el trabajo admon
Sergio Bermudez
 
15 tipos de enema y planos
15 tipos de enema y planos 15 tipos de enema y planos
15 tipos de enema y planos
Sergio Bermudez
 
Vendajes
VendajesVendajes
Sondaje Nasogastrica y Vesical.
Sondaje Nasogastrica y Vesical.Sondaje Nasogastrica y Vesical.
Sondaje Nasogastrica y Vesical.
catherinemullotene
 
Técnicas de vendaje
Técnicas de vendajeTécnicas de vendaje
Técnicas de vendaje
Martin
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
Fernando de Oliveira Dutra
 
Primeros auxilios vendajes
Primeros auxilios vendajesPrimeros auxilios vendajes
Primeros auxilios vendajes
Sergi Pardo Alonso
 
Vendajes
VendajesVendajes
Vendajes
lollyp092
 
TIPOS DE VENDAJES
TIPOS DE VENDAJESTIPOS DE VENDAJES
TIPOS DE VENDAJES
Sahory TB
 

Destaque (18)

Quemaduras 01.ppt
Quemaduras 01.pptQuemaduras 01.ppt
Quemaduras 01.ppt
 
12 inducción del trabajo de parto con oxitocina
12 inducción del trabajo de parto con oxitocina12 inducción del trabajo de parto con oxitocina
12 inducción del trabajo de parto con oxitocina
 
Atencion al-parto
Atencion al-partoAtencion al-parto
Atencion al-parto
 
10 importancia de la nutrición en el embarazo
10 importancia de la nutrición en el embarazo10 importancia de la nutrición en el embarazo
10 importancia de la nutrición en el embarazo
 
16 valoración del canal de parto
16 valoración del canal de parto16 valoración del canal de parto
16 valoración del canal de parto
 
11 complicaciones hemorragicas
11 complicaciones hemorragicas11 complicaciones hemorragicas
11 complicaciones hemorragicas
 
13 analgesia y anestesia durante el parto - copia
13 analgesia y anestesia durante el parto - copia13 analgesia y anestesia durante el parto - copia
13 analgesia y anestesia durante el parto - copia
 
Sondaje nasogastrico arregladdo
Sondaje nasogastrico arregladdoSondaje nasogastrico arregladdo
Sondaje nasogastrico arregladdo
 
9 fisiología materna durante el embarazo
9 fisiología materna durante el embarazo9 fisiología materna durante el embarazo
9 fisiología materna durante el embarazo
 
14 preparación de la paciente para el trabajo admon
14 preparación de la paciente para el trabajo admon14 preparación de la paciente para el trabajo admon
14 preparación de la paciente para el trabajo admon
 
15 tipos de enema y planos
15 tipos de enema y planos 15 tipos de enema y planos
15 tipos de enema y planos
 
Vendajes
VendajesVendajes
Vendajes
 
Sondaje Nasogastrica y Vesical.
Sondaje Nasogastrica y Vesical.Sondaje Nasogastrica y Vesical.
Sondaje Nasogastrica y Vesical.
 
Técnicas de vendaje
Técnicas de vendajeTécnicas de vendaje
Técnicas de vendaje
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
 
Primeros auxilios vendajes
Primeros auxilios vendajesPrimeros auxilios vendajes
Primeros auxilios vendajes
 
Vendajes
VendajesVendajes
Vendajes
 
TIPOS DE VENDAJES
TIPOS DE VENDAJESTIPOS DE VENDAJES
TIPOS DE VENDAJES
 

Semelhante a Pre operativo

Aula 01 Pré operatório. Aula referente ao setor cirúrgico
Aula 01 Pré operatório. Aula referente ao setor cirúrgicoAula 01 Pré operatório. Aula referente ao setor cirúrgico
Aula 01 Pré operatório. Aula referente ao setor cirúrgico
pososospos
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
Josele Matos
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
bianca375788
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
gizaraposo
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
Eduardo Bernardino
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
RodolfoFreitas21
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
Aroldo Gavioli
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
Rodrigo Abreu
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
EnfermagemUniavan
 
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptxAULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
Renata Sousa
 
Manual serviço eda
Manual serviço edaManual serviço eda
Manual serviço eda
Marcelo Cruz Nicolau
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
Aline Ferreira
 
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
RonanAlmeidaMacedo
 
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptxaula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
Kelengomez
 
Apostila
 Apostila Apostila
Apostila
Carlos Brasil
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
Regis Valentim
 
Aula Cuidados Pré Operatórios
Aula Cuidados Pré OperatóriosAula Cuidados Pré Operatórios
Aula Cuidados Pré Operatórios
fernandomadureira
 
Clínica Cirúrgica.pdf
Clínica Cirúrgica.pdfClínica Cirúrgica.pdf
Clínica Cirúrgica.pdf
IsabelaVarjo
 

Semelhante a Pre operativo (20)

Aula 01 Pré operatório. Aula referente ao setor cirúrgico
Aula 01 Pré operatório. Aula referente ao setor cirúrgicoAula 01 Pré operatório. Aula referente ao setor cirúrgico
Aula 01 Pré operatório. Aula referente ao setor cirúrgico
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
 
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptxAULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
 
Manual serviço eda
Manual serviço edaManual serviço eda
Manual serviço eda
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
 
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
 
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptxaula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
 
Apostila
 Apostila Apostila
Apostila
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
 
Aula Cuidados Pré Operatórios
Aula Cuidados Pré OperatóriosAula Cuidados Pré Operatórios
Aula Cuidados Pré Operatórios
 
Clínica Cirúrgica.pdf
Clínica Cirúrgica.pdfClínica Cirúrgica.pdf
Clínica Cirúrgica.pdf
 

Pre operativo

  • 1. Periodo Pre-Operatorio Nelio Dos S. Dinis – Lic. Enfermagem. Enfro. Assistencial Serv de Medicina1
  • 6. PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO Abrange desde o momento pela decisão cirúrgica até a transferência do Paciente para a mesa cirúrgica.
  • 7. Avaliação Psicossocial • É necessário compreendermos as dúvidas, medos e ansiedades que povoam o pensamento de quem vai ser operado. • A separação da família, o medo do desconhecido e as possibilidades de dor, de complicações, de morte, criam uma situação de insegurança para o paciente cirúrgico.
  • 8. Avaliação Psicossocial • Informar-se sobre aspectos familiares • Informar –se sobre abitos toxicos – Uso de drogas – Reacoes alergicas
  • 10. PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO • Período pré-operatório divide-se em: – Mediato e; – Imediato.
  • 11. • *Pré-operatório mediato: Esta fase corresponde do momento da indicação da cirurgia e termina 24 horas antes de seu início. • Geralmente neste período o paciente ainda não se encontra internado. PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO
  • 12. *Pré-operatório mediato • Paciente é submetido a exames que auxiliam na confirmação do diagnóstico e que auxiliarão oplanejamento cirúrgico, o tratamento clínico para diminuir os sintomas e as precauções necessárias para evitar complicações pós-operatórias, ou seja, abrange o período desde aindicação para a cirurgia até o dia anterior àmesma;
  • 13. *Pré-operatório mediato • Neste período, sempre que possível, o paciente deve: – Passar por uma avaliação médica geral; – Fazer exames clínicos detalhados (exames de sangue, RX, eletrocardiograma); – Solicitar de equipamentos e materiais especiais; – Esclarecer a família e auxiliá-la a entender o processo da cirurgia; – Iníciar do preparo do paciente para o período pós operatório; – Identificar e corrigir distúrbios que possam aumentar o risco cirúrgico.
  • 14. PRÉ-OPERATÓRIO IMEDIATO: corresponde às 24 horas anteriores à cirurgia e tem por objetivo preparar ocliente para o ato cirúrgico. PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO
  • 15. PREVENINDO INFECÇÕES FATORES _ Quantidade e virulência dos microrganismos _Capacidade de defesa do cliente CUIDADOS DA EQUIPE Uniformes limpos e unhas curtas e limpas, lavando as mãos antes e após cada procedimento, respeitando as técnicas assépticas na execução dos cuidados, oferecendo ambiente limpo e observando os sinais iniciais de infecção. CUIDADOS COM O PACIENTE Banho com antissépticos específicos (clorexidina ou solução de iodo PVPI) na noite anterior e no dia da cirurgia, tricotomia, lavagem intestinal, retirada de objetos pessoais, próteses e outros. PRÉ-OPERATÓRIO IMEDIATO
  • 16. Pre-Operatorio Imediato – Avaliar o estado de dor; – Avaliar o estado nutricional; – Rever prontuário, verificando se todos os exames solicitados estão corretos; – Identificar o paciente; – Verificar o sítio cirúrgico, avaliando estado geral de higiene e encaminhá-lo para o banho pré operatório; – Estabelecer acesso venoso; – Fazer reserva de hemoderivados; – Fazer reserva de sala operatória; – Solicitar de equipamentos e materiais especiais; – Preparo da pele e tricotomia que deve ser feita o mais próximo possível do ato cirúrgico; – Preparo intestinal;
  • 17. – Jejum – Na medida do possível, o estomago do paciente deve estar vazio no momento da cirurgia, • Pois as medicações anestésicas podem provocar vômitos e pode ocorrer a aspiração de conteúdo gástrico para os pulmões; – Esclarecer, dentro de suas atribuições, as dúvidas do paciente; – Providenciar assinatura do termo de autorização para cirurgia. Pre-Operatorio Imediato
  • 18. Prevenindo complicações anestésicas 1. Jejum de 6 a 12 horas antes da cirurgia objetiva evitar vômitos e prevenir a aspiração de resíduos alimentares por ocasião da anestesia. Prevenção de complicações com relação a infecção Pele 1. Higiene pessoal ( banho com germicida clorexidina ou solução de iodo PVPI) 2. Tricotomia : máximo 2 horas antes ou no próprio centro cirúrgico, em menor área possível e com método o menos agressivo Pre-Operatorio Imediato
  • 19. 4.Esvaziamento Intestinal (8 a 12 horas antes do ato cirúrgico) Laxativos (medicamentos) • Lavagem intestinal ou Enteroclisma – é a introdução de líquido (volume máximo de 2000ml) no intestino, através do ânus ou da boca da colostomia, com o objetivo de promover o esvaziamento intestinal) •Enema (é a aplicação de no máximo 500ml de substância (contraste radiológico, medicamento, etc.) pelo reto. 5. Remoção de jóias, anéis , próteses dentárias, lente de contato 6. Esvaziamento da bexiga Esvaziamento espontâneo: antes do pré-anestésico. Sonda vesical de demora: cirurgias em que a mesma necessite ser mantida vazia, ou naquelas de longa duração , o que é feito, geralmente e realizado no centro cirúrgico. Pre-Operatorio Imediato
  • 20. RELIZANDO ENTEROCLISMA OU LAVAGEM INTESTINAL Indicação: aliviar constipação , evitar distenção e flatulencia, preparar o intestino para exames, partos e cirurgia. Material: frasco com solução própria prescrita aquecida a 36 graus em media( morma), suporte de soro, sonda retal de número indicado (14 a 20 crianças e adolescentes/22 a 24 para as mulheres / 24 a 26 para os homens), gazes, lubrificantes, forro impermeável, cuba rim, comadre, biombo, luvas de procedimento. Pre-Operatorio Imediato
  • 21. CLISTER OU ENEMA Semelhante a lavegem intestinal , diferindo apenas a quantidade de líquido. * Nunca devemos forçar a entrada da sonda, caso encontre resistência, aconselha-se afastar a sonda e com cuidado tentar novamente. Se não conseguir certificar se não há obstáculo, suspender o procedimento, comunicar ao médico. Anotar relatório. Pre-Operatorio Imediato
  • 22. 7. Verificar Sinais Vitais antes de encaminhar para CC 8.Verificar o prontuário, exames, consentimento livre informado, prescrição e registro de enfermagem e encaminhamento junto ao paciente 9.Administrar medicamento Pré-anestésico (45 a 60 minutos antes do início da anestesia) Pre-Operatorio Imediato
  • 23. • 10.Manter ambiente silenciosos para promover relaxamento • 11.Vestir o paciente (camisola, gorro, prope) • 12. Promover limpeza e arrumação da unidade – OS MPA MAIS COMUNS SÃO : Opiáceos - Benzodiazepínicos - Hipnóticos - Neurolépticos - Pre-Operatorio Imediato
  • 26. As ações assistenciais desenvolvidas nessa fase devem atender não só as atividades técnicas mas também as expectativas do paciente. Toda equipe deve estar atenta no sentido de oferecer ao paciente apoio, atenção, respeitando sua crenças, seus valores, seus medos, suas necessidades, atendendo-o com segurança, presteza e eficácia.
  • 27. NO DIA DA CIRURGIA – Auxiliar ou orientar para que o paciente esvazie a bexiga e o instestino; – Retirar próteses; – Retirar lentes de contato; – Retirar jóias; – Retirar piercings; – Banho pré operatório com anti-séptico(clorixidina); – Verificar sinais vitais 30 minutos antes da cirurgia e informar qualquer alteração; – Conferir se os exames estão junto ao prontuário; – Administrar medicação pré anestésica; – Fornecer camisola e gorro.
  • 28. • Mediante os seguintesprocedimentos: jejum, limpeza intestinal,esvaziamento vesical, preparo da pele – banho comsoluções antissépticas e aplicação de medicação pré-anestésica. PERIODO PRÉ-OPERATÓRIO
  • 29. Avaliacao Fisica – Hipovolemia – Desidratação ou distúrbios eletrolíticos (Ex; Sódio – Na, Potassio – K); – Déficits nutricionais; – Extremos etários (Muito jovem ou muito idoso); – Extremos de peso (Desnutrição, obesidade); – Infecção; – Anormalidades imunológicas; – Doenças pulmonares (Asma, bronquite);
  • 30. – Doença renal; – Gravidez; – Doenças cardiovasculares (IAM, ICC, Arritmias, Hipertensão); – Distúrbios Endócrinos (Diabetes Mélitus, disfunção da tireóide); – Disfunção hepática; – Drogas e álcool; – Pacientes com necessidades especiais (Visão, audição, fala, movimentação). Avaliacao Fisica
  • 31. Exames Complementares Exame Indicacao Hemoglobina Anemia ou doença hematológica, cardiológica, pulmonar, renal ou hepática; Intervenção com previsão de sangramento importante (8 Aceitavel) Plaquetas Sangramento anormal ou doença hematológica/ mielotoxicidade TAP Sangramento anormal, hepatopatia, doença hematológica ou desnutrição (vitamina K); Anticoagulação (AVK) Radiografia de Tórax Doença cardiorrespiratória ou neoplásica; Intervenção intratorácica ou intra-abdominal
  • 32. CIRURGIAS DE EMERGÊNCIA • As Cirurgias de emergência não são planejadas e acontecem com pouco tempo para preparação do paciente e da equipe. • Muitas vezes, o paciente irá para o procedimento cirúrgico sem as informações devidas ou com informações incompletas, colhidas por testemunhas, equipe de resgate ou familiares.
  • 33. • É necessário uma rápida avaliação do paciente durante o atendimento inicial para verificar todas as lesões possíveis para que as mesmas sejam corrigidas em sua totalidade ou que sejam posteriormente corrigidas quando possível. CIRURGIAS DE EMERGÊNCIA
  • 34. • Obrigado! – Nelio Dos S. Dinis – Neliodossantosdinis@gmail.com