SlideShare uma empresa Scribd logo
PODA DE ÁRVORES E ARBUSTOS
               DE FRUTO
 
    FORMADOR – José Pedro R. C. Fernandes
O que é a Poda?
A poda não é mais do que a remoção de uma
qualquer parte da planta, normalmente um
ramo, raminho ou raiz.

As árvores necessitam de ser podadas?
 Uma árvore ou arbusto situados num meio
adequado e ao qual se tenham adaptado, que
não tenham estado sujeitos a restrições na
sua expansão aérea ou subterrânea e que não
apresentem sinais de declínio ou de ataque de
parasitas, não têm necessidade de ser
podados, para além de qualquer operação de
manutenção.
O que é a Poda?
A poda não é mais do que a remoção de uma
qualquer parte da planta, normalmente um ramo,
raminho ou raiz.

Porquê podar árvores e arbustos de fruto?
As árvores e arbustos de fruto são podados, com
técnicas específicas, para atingirmos o nosso
principal objectivo, a obtenção de fruto, saudável,
em quantidade apreciável, de fácil acessibilidade e
o mais antecipadamente possível.
MÉTODOS DE CORTE
Os princípios da cicatrização
As árvores e arbustos são seres vivos, pelo que a
supressão de um ramo funcional corresponde a um
traumatismo. Estes não produzem tecidos especiais para
proteger as feridas pelo que o recobrimento destas faz-se
pela formação de um anel de cicatrização que se
desenvolve da períferia para o interior.
Assim quanto menor for a dimensão da ferida, mais rápido
será o recobrimento e portanto mais limitados os riscos de
infecção.
MÉTODOS DE CORTE
O objectivo de um corte correcto é portanto :
 • favorecer a cicatrização rápida e total;
• evitar ao máximo as infecções ou apodrecimento interno
dos tecidos da planta.                       Tecidos de
                                                crescimento
                                                em diâmetro
                 CERN
                 E

                    BORNE
O CORTE
PODA DE FRUTIFICAÇÃO
Rosácea, pomoidea
Exemplo da macieira e pereira

Pereira – Pirus communis
Frutificação quase exclusiva em
esporões tortuosos, que mantêm a
actividade mais de uma dúzia de anos.
Formas: cordão, espaldeira, vaso,
ypsilon, palmeta Italiana

Macieira– Pirus malus
Frutificação e formas semelhantes à da
pereira.
Poda de cerejeira em vaso
Rosácea, Prunoidea




                                                     Ginjeira – Prunus cerasus
Cerejeira – Prunus avium                             As árvores adultas não têm
                                                     verdadeiros ramos de
Frutificam em esporões rectos,                       madeira.
gomos em ramalhete logo após o
gomo foliar terminal.                                G. Garrafal, híbrido
                                                     Forma: Vaso ou palmeta

Característica geral - Grande dificuldade em cicatrizar
PODA EM VASO


Esta forma não exige
o uso de arames ou
tutores para as
pernadas e ramos
secundários, mas
implica uma certa
regularidade de
distribuição dos
ramos.
Rosáceas, pomoideas
 Marmeleiro – Cydonia oblonga
 Não tem ramos de fruto especializados. Frutificação em gomos axilares de
 extremidade dos ramos ou terminais, foliares ou mistos. Ramificação por
 rebentos laterais.
 Forma: livre, sebe

 Nespereira japonesa – Eryobrotia japonica
 Inflorescências em gomos florais de formação pronta, terminais, em
 raminhos nascidos no fim do Verão de gomos mistos, próximos da
 extremidade. Ramificação por rebentos laterais, o que origina a forma de
 ramalhete ou vassoura.
 Forma: livre
 Nespereira comum ou europeia – Mespilus germanica
 Flores solitárias ou na extremidade do ramo como no caso do marmeleiro.
 Forma: livre
Rosáceas, Prunoideas
 Ameixieira europeia – Prunus domestica
 Frutificação por esporões rectos com gomos florais em
  ramalhete
 Ameixieira americana – Prunus Americana
 Ameixieira japonesa – Prunus salicina
 Grupo Americano, Japonês e híbridos – frutificação por esporões rectos,
 menos duradouros, e ramos mistos, semelhantes ás ginjeiras. Frequente
 formação de rebentos antecipados.
 Forma: vaso

  Abrunheiro – Prunus insititia
  Frutificação semelhante à das ameixeiras europeias.
  Forma: vaso
Rosáceas, Prunoideas
 Damasqueiro – Prunus armeniaca
 Frutifica em ramos mistos e esporões, com
  duração curta. Floração precoce!
 Forma: vaso

  Amendoeira – Prunus amygdalus
  Frutificação em ramos mistos e esporões,
  semelhantes aos dos damasqueiros.
  Forma: vaso
  Pessegueiro – Prunus persica
  Frutifica em ramos mistos. Gomos agrupados
  de dois a três por nó. Gomo terminal foliar.
  Forma: vaso
Juglandacea
Nogueira – juglans regia
Ramos mistos, com gomos foliares axilares, gomos florais masculinos, e
gomos mistos terminais, por vezes laterais. Difícil cicatrização.
Forma: livre

Fagacea
Aveleira – Corylus avellana
Planta autoestéril, ramos mistos e de madeira. Forma: livre, sebe, taça

Fagacea
Castanheiro – Castanea sativa
Planta com ramos mistos e de madeira. Forma: livre
Moracea, Moroidea
Amoreira – Morus alba, Morus nigra
Planta com ramos mistos e gomos mistos.
Forma: livre

Moracea, Artocarpoidea
Figueira – Ficus carica
Ramos mistos c gomos mistos, na extremidade superior. Plantas dioicas.
Forma: livre


Rosales, Saxifragacea, Ribesoidea
Groselheira – Ribes spp
Forma: vaso, tufo, cordão
Oleacea, oleoidea
Oliveira – Olea europeia
Frutifica em ramos mistos.
Gomos nus, axilares, solitários, opostos.
Forma: livre, vaso, palmeta

Ericacea, Arbutoidea
Medronheiro – Arbutus unedo
Ramos mistos, em gomos axilares, na parte superior dos ramos. Forma:
livre

Ebanacea
Diospiro – Diospyros kaki
Ramos c gomos foliares e mistos, hibernantes. Gomos florais prontos.
Forma: livre, vaso
Ramnales, Vitacea
Videira europeia – Vitis vinifera
Frutifica em ramos mistos c gomos hibernantes mistos.
Forma: Presas várias


Ramnales, Dillenneacea
Kiwi – Actinidia sinensis
Frutificação semelhante á da videira, c ramos mistos, de gomos mistos
hibernantes. Forma: Presa

Rutacea
Citrinos – Citrus spp
Ramos mistos c/ gomos mistos e florais hibernantes. Forma: bola oca

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
UERGS
 

Mais procurados (20)

Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
Doençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdfDoençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdf
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
 
Milho
MilhoMilho
Milho
 
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
 
Tipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismoTipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismo
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Fruticultura irrigada
Fruticultura irrigadaFruticultura irrigada
Fruticultura irrigada
 
Cultura de videira 1
Cultura de videira 1Cultura de videira 1
Cultura de videira 1
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Estados Fenológicos do Milho
Estados Fenológicos do MilhoEstados Fenológicos do Milho
Estados Fenológicos do Milho
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Pimenta Capsicum
Pimenta CapsicumPimenta Capsicum
Pimenta Capsicum
 
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 

Destaque

Apostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferasApostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Lenildo Araujo
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertia
jrturra
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
Rogger Wins
 
Horticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticulturaHorticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticultura
Pedro Tomé
 
01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes
genarui
 

Destaque (20)

U.d. 4.1. la poda
U.d. 4.1. la podaU.d. 4.1. la poda
U.d. 4.1. la poda
 
Clase didactica de poda
Clase didactica de podaClase didactica de poda
Clase didactica de poda
 
Poda
PodaPoda
Poda
 
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferasApostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferas
 
Poda
PodaPoda
Poda
 
Presentacion poda
Presentacion podaPresentacion poda
Presentacion poda
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertia
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
 
Módulo 17 la poda
Módulo 17 la podaMódulo 17 la poda
Módulo 17 la poda
 
Horticultura, Floricultura e Fruticultura
Horticultura, Floricultura e FruticulturaHorticultura, Floricultura e Fruticultura
Horticultura, Floricultura e Fruticultura
 
Poda de arboles ornamentales
Poda de arboles ornamentalesPoda de arboles ornamentales
Poda de arboles ornamentales
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
 
Poda
PodaPoda
Poda
 
Horticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticulturaHorticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticultura
 
evolucion de la fruticultura y poda de los arboles frutales
evolucion de la fruticultura y poda de los arboles frutalesevolucion de la fruticultura y poda de los arboles frutales
evolucion de la fruticultura y poda de los arboles frutales
 
Poda forestal
Poda forestalPoda forestal
Poda forestal
 
Poda
PodaPoda
Poda
 
Tipos de enxertia
Tipos de enxertiaTipos de enxertia
Tipos de enxertia
 
Fruticultura em pomar domestico
Fruticultura em pomar domesticoFruticultura em pomar domestico
Fruticultura em pomar domestico
 
01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes
 

Semelhante a Poda de fruteiras pdf

Rosdeas rosides
Rosdeas rosidesRosdeas rosides
Rosdeas rosides
kittymust
 
Biologia - Morfologia Vegetal
Biologia - Morfologia VegetalBiologia - Morfologia Vegetal
Biologia - Morfologia Vegetal
Carson Souza
 
Ás árvores da minha escola trabalho
Ás árvores da minha escola trabalho Ás árvores da minha escola trabalho
Ás árvores da minha escola trabalho
josepedr
 

Semelhante a Poda de fruteiras pdf (20)

Palmeiras nativas do brasil
Palmeiras nativas do brasilPalmeiras nativas do brasil
Palmeiras nativas do brasil
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
 
Propagação de plantas ornamentais
Propagação  de plantas ornamentaisPropagação  de plantas ornamentais
Propagação de plantas ornamentais
 
Plantas arbustivas
Plantas arbustivasPlantas arbustivas
Plantas arbustivas
 
Doc5
Doc5Doc5
Doc5
 
Rosdeas rosides
Rosdeas rosidesRosdeas rosides
Rosdeas rosides
 
Biologia 2 - Aula 1 - Embriologia
Biologia 2 - Aula 1 - EmbriologiaBiologia 2 - Aula 1 - Embriologia
Biologia 2 - Aula 1 - Embriologia
 
Paisagismo Ii
Paisagismo IiPaisagismo Ii
Paisagismo Ii
 
Reino vegetal 1
Reino vegetal 1Reino vegetal 1
Reino vegetal 1
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
 
Biologia - Morfologia Vegetal
Biologia - Morfologia VegetalBiologia - Morfologia Vegetal
Biologia - Morfologia Vegetal
 
Futos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersãoFutos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersão
 
Ás árvores da minha escola trabalho
Ás árvores da minha escola trabalho Ás árvores da minha escola trabalho
Ás árvores da minha escola trabalho
 
As árvores da minha escola trabalho de pedro
As árvores da minha escola trabalho de pedroAs árvores da minha escola trabalho de pedro
As árvores da minha escola trabalho de pedro
 
Anadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - AngicoAnadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - Angico
 
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do paisAula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
 
Arvores do rs
Arvores do rsArvores do rs
Arvores do rs
 
Arvores do RS: Henrique
Arvores do RS: HenriqueArvores do RS: Henrique
Arvores do RS: Henrique
 
Herbario =Dddd
Herbario  =DdddHerbario  =Dddd
Herbario =Dddd
 
Fichas cientificas - desesrto
Fichas cientificas - desesrtoFichas cientificas - desesrto
Fichas cientificas - desesrto
 

Poda de fruteiras pdf

  • 1. PODA DE ÁRVORES E ARBUSTOS DE FRUTO   FORMADOR – José Pedro R. C. Fernandes
  • 2. O que é a Poda? A poda não é mais do que a remoção de uma qualquer parte da planta, normalmente um ramo, raminho ou raiz. As árvores necessitam de ser podadas?  Uma árvore ou arbusto situados num meio adequado e ao qual se tenham adaptado, que não tenham estado sujeitos a restrições na sua expansão aérea ou subterrânea e que não apresentem sinais de declínio ou de ataque de parasitas, não têm necessidade de ser podados, para além de qualquer operação de manutenção.
  • 3. O que é a Poda? A poda não é mais do que a remoção de uma qualquer parte da planta, normalmente um ramo, raminho ou raiz. Porquê podar árvores e arbustos de fruto? As árvores e arbustos de fruto são podados, com técnicas específicas, para atingirmos o nosso principal objectivo, a obtenção de fruto, saudável, em quantidade apreciável, de fácil acessibilidade e o mais antecipadamente possível.
  • 4.
  • 5. MÉTODOS DE CORTE Os princípios da cicatrização As árvores e arbustos são seres vivos, pelo que a supressão de um ramo funcional corresponde a um traumatismo. Estes não produzem tecidos especiais para proteger as feridas pelo que o recobrimento destas faz-se pela formação de um anel de cicatrização que se desenvolve da períferia para o interior. Assim quanto menor for a dimensão da ferida, mais rápido será o recobrimento e portanto mais limitados os riscos de infecção.
  • 6. MÉTODOS DE CORTE O objectivo de um corte correcto é portanto :  • favorecer a cicatrização rápida e total; • evitar ao máximo as infecções ou apodrecimento interno dos tecidos da planta. Tecidos de crescimento em diâmetro   CERN E BORNE
  • 8. PODA DE FRUTIFICAÇÃO Rosácea, pomoidea Exemplo da macieira e pereira Pereira – Pirus communis Frutificação quase exclusiva em esporões tortuosos, que mantêm a actividade mais de uma dúzia de anos. Formas: cordão, espaldeira, vaso, ypsilon, palmeta Italiana Macieira– Pirus malus Frutificação e formas semelhantes à da pereira.
  • 9. Poda de cerejeira em vaso Rosácea, Prunoidea Ginjeira – Prunus cerasus Cerejeira – Prunus avium As árvores adultas não têm verdadeiros ramos de Frutificam em esporões rectos, madeira. gomos em ramalhete logo após o gomo foliar terminal. G. Garrafal, híbrido Forma: Vaso ou palmeta Característica geral - Grande dificuldade em cicatrizar
  • 10. PODA EM VASO Esta forma não exige o uso de arames ou tutores para as pernadas e ramos secundários, mas implica uma certa regularidade de distribuição dos ramos.
  • 11. Rosáceas, pomoideas Marmeleiro – Cydonia oblonga Não tem ramos de fruto especializados. Frutificação em gomos axilares de extremidade dos ramos ou terminais, foliares ou mistos. Ramificação por rebentos laterais. Forma: livre, sebe Nespereira japonesa – Eryobrotia japonica Inflorescências em gomos florais de formação pronta, terminais, em raminhos nascidos no fim do Verão de gomos mistos, próximos da extremidade. Ramificação por rebentos laterais, o que origina a forma de ramalhete ou vassoura. Forma: livre Nespereira comum ou europeia – Mespilus germanica Flores solitárias ou na extremidade do ramo como no caso do marmeleiro. Forma: livre
  • 12. Rosáceas, Prunoideas Ameixieira europeia – Prunus domestica Frutificação por esporões rectos com gomos florais em ramalhete Ameixieira americana – Prunus Americana Ameixieira japonesa – Prunus salicina Grupo Americano, Japonês e híbridos – frutificação por esporões rectos, menos duradouros, e ramos mistos, semelhantes ás ginjeiras. Frequente formação de rebentos antecipados. Forma: vaso Abrunheiro – Prunus insititia Frutificação semelhante à das ameixeiras europeias. Forma: vaso
  • 13. Rosáceas, Prunoideas Damasqueiro – Prunus armeniaca Frutifica em ramos mistos e esporões, com duração curta. Floração precoce! Forma: vaso Amendoeira – Prunus amygdalus Frutificação em ramos mistos e esporões, semelhantes aos dos damasqueiros. Forma: vaso Pessegueiro – Prunus persica Frutifica em ramos mistos. Gomos agrupados de dois a três por nó. Gomo terminal foliar. Forma: vaso
  • 14. Juglandacea Nogueira – juglans regia Ramos mistos, com gomos foliares axilares, gomos florais masculinos, e gomos mistos terminais, por vezes laterais. Difícil cicatrização. Forma: livre Fagacea Aveleira – Corylus avellana Planta autoestéril, ramos mistos e de madeira. Forma: livre, sebe, taça Fagacea Castanheiro – Castanea sativa Planta com ramos mistos e de madeira. Forma: livre
  • 15. Moracea, Moroidea Amoreira – Morus alba, Morus nigra Planta com ramos mistos e gomos mistos. Forma: livre Moracea, Artocarpoidea Figueira – Ficus carica Ramos mistos c gomos mistos, na extremidade superior. Plantas dioicas. Forma: livre Rosales, Saxifragacea, Ribesoidea Groselheira – Ribes spp Forma: vaso, tufo, cordão
  • 16. Oleacea, oleoidea Oliveira – Olea europeia Frutifica em ramos mistos. Gomos nus, axilares, solitários, opostos. Forma: livre, vaso, palmeta Ericacea, Arbutoidea Medronheiro – Arbutus unedo Ramos mistos, em gomos axilares, na parte superior dos ramos. Forma: livre Ebanacea Diospiro – Diospyros kaki Ramos c gomos foliares e mistos, hibernantes. Gomos florais prontos. Forma: livre, vaso
  • 17. Ramnales, Vitacea Videira europeia – Vitis vinifera Frutifica em ramos mistos c gomos hibernantes mistos. Forma: Presas várias Ramnales, Dillenneacea Kiwi – Actinidia sinensis Frutificação semelhante á da videira, c ramos mistos, de gomos mistos hibernantes. Forma: Presa Rutacea Citrinos – Citrus spp Ramos mistos c/ gomos mistos e florais hibernantes. Forma: bola oca