SlideShare uma empresa Scribd logo
Hoje é domingo, 25 de outubro de 2020
Agora mesmo são 16:49 h.
Esta reflexão apoia-se no Capítulo XXVII de “O Evangelho Segundo o
Espiritismo”, que tem como título: “Pedi e obtereis”. O Evangelho nos
ensina: Pedi e obtereis. Aos mais crentes, porém desavisados, esse
ensinamento poderia significar que para alcançarmos qualquer objetivo
desejado nos bastaria pedi-lo com bastante fé e aguardar que ele nos fosse
concedido. Porém, não é assim que funciona a misericórdia de Deus. Há
quem conteste a eficácia da prece supondo que, Deus conhecendo as nossas
necessidades, inúteis seriam expô-las. Acrescentam que, achando-se tudo no
Universo encadeado por leis eternas, não podem as nossas súplicas mudar
os decretos de Deus. Assim sendo, por que orar pedindo, pois, como o
próprio Evangelho nos diz, na passagem de Marcos, Cap. VI: 5 a 8: vosso
Pai sabe do que necessitais antes de o pedirdes.
O ato de pedir, que num primeiro momento pode até parecer um ato de falta
de fé na Providência Divina, também pode demonstrar que acreditamos
Nele e nas Suas Potencialidades, pois entendemos que essa atitude denota
uma posição de humildade da criatura para com o Criador. Na nossa súplica
a Deus mostramos nossa fraqueza e o reconhecimento das nossas limitações
frente à vida. Quando o Mestre Maior, Jesus, nos convida à prece para pedir
e nos afirma que iremos obter aquilo que pedimos, não está dizendo que
vamos obter da forma que pedimos, mas sim nos serão dadas as condições
para a correção, nos serão apresentados, ao longo de nossa vida, caminhos
para a solução. É costume ouvirmos de certas pessoas afirmações do tipo:
Deus há de me conceder esta graça; tenho fé de que o que eu pedir me será
dado, pois o Pai não desampara a Seus filhos.
É verdade, Deus não desampara. Mas não no sentido falso que costumamos
aplicar. Deus abre sempre as portas para aquele que bate, isto é, para aquele
que procura, que se movimenta, que trabalha, que constrói. As
oportunidades são sempre renovadas. Mas sem o trabalho justo, dificilmente
elas serão concretizadas em resultados. Há que se ter dedicação ao que se
pretende para, construindo o caminho, sermos capazes de atingir nossos
objetivos. No entanto, vale destacar que, para alcançarmos a graça divina,
não basta tão somente a apresentação de petitórios se permanecermos de
braços cruzados, aguardando que a Divindade resolva, por si, os nossos
problemas. Jesus prometeu alívio e não solução para as questões que nos
atormentam. Sem o mérito da ação nada se consegue; sob a inércia da
preguiça nada se faz nesse mundo; nada se modifica ou se transforma.
Segundo Bezerra de Menezes, o grande benfeitor espiritual, para que algo
seja concedido, há a necessidade primária da dedicação. Demonstrada a
dedicação com a obra desejada, o recurso será providenciado; as
oportunidades serão apresentadas. Os recursos de Deus não são
desperdiçados com aqueles que, apesar de terem grandes intenções, não são
capazes de utilizar os talentos de forma a multiplicá-los pela ação adequada.
Pedir forças, inspiração, proteção, orientação, é a melhor maneira de
iniciarmos a caminhada na direção daquilo que pretendemos. O Espírito da
Verdade diz, apenas pedir não basta, será indispensável a ação. Do “céu”
nada cairá de graça, será imperiosa a iniciativa mediante a movimentação de
atitudes e decisões capazes de nos assegurar o sucesso desejado.
“Ajuda-te e o céu te ajudará”, ensina o conceito evangélico, portanto, pouco
vale implorar se os nossos braços permanecerem cruzados. O pedir
direciona a ação para o objetivo, reforça a concentração no caminho a ser
seguido até ele, e sua obtenção nos será concedida a partir do momento em
que, por mérito da ação, proporcionarmos as condições para que isso ocorra.
Pedi e obtereis, buscai e achareis, batei e se vos abrirá, são variações do
mesmo tema que relaciona o querer, o desejar e o agir para obter. Em muitas
circunstâncias de nossas vidas, oramos com fervor, pedindo a Deus a
concessão de benesses, mas nada fazemos para caminhar em direção ao que
queremos.
As preces feitas a Deus escutam-nas os Espíritos incumbidos da execução
de suas vontades. As que se dirigem aos bons Espíritos são reportadas a
Deus. Quando alguém ora a outros seres que não a Deus, o faz recorrendo a
intermediários e intercessores, porquanto nada sucede sem a vontade do Pai.
Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons Espíritos que acorrem a
sustentá-lo em suas boas resoluções e a inspirar-lhe ideias sãs. Ele adquire a
força moral necessária para vencer as dificuldades e a retomar ao caminho
certo, se deste se afastou. Por esse meio, pode também desviar de si os
males que atrairia pelas suas próprias faltas. A prece é invocação mediante a
qual o homem entra, pela transmissão do pensamento, em comunicação com
o ser a quem se dirige. Todos os seres encarnados e desencarnados estão
mergulhados no fluido cósmico universal que ocupa o espaço.
O pedir direciona a ação para o objetivo, reforça a concentração no caminho
a ser seguido até ele, e sua obtenção nos será concedida a partir do momento
em que, por mérito da ação, proporcionarmos as condições para que isso
ocorra. Por exercer a prece uma ação magnética, poder-se-ia supor que o seu
efeito depende da força fluídica. Entretanto, não é assim. Exercendo sobre
os homens essa ação, os Espíritos, sendo preciso, suprem a insuficiência
daquele que ora, agindo diretamente em seu nome, dando-lhe
momentaneamente uma força excepcional quando o julgam digno dessa
graça, ou que ela lhe pode ser proveitosa. Assim, dirigido o pensamento
para um ser qualquer na Terra ou no espaço, de encarnado para
desencarnado, ou vice-versa, uma corrente fluídica se estabelece entre um e
outro, transmitindo o pensamento.
É assim que os Espíritos se comunicam, transmitem suas inspirações e
ouvem a prece que lhes é dirigida. O homem que não se considere
suficientemente bom para exercer salutar influência, não deve por isso
abster-se de orar a bem de outrem, com a ideia de que não é digno de ser
escutado. A consciência da sua inferioridade constitui prova de humildade,
grata sempre a Deus, que leva em conta a intenção caridosa que o anima.
Seu fervor e sua confiança são um primeiro passo para a sua conversão ao
bem, conversão que os Espíritos bons se sentem ditosos em incentivar.
Renunciar alguém à prece é negar a bondade de Deus, recusando a sua
assistência e abrir mão do bem que lhes pode fazer. Acedendo ao pedido que
se lhe faz, Deus muitas vezes objetiva recompensar a intenção, o
devotamento e a fé daquele que ora.
Daí decorre que a prece do homem de bem tem mais merecimento aos olhos
de Deus e sempre mais eficácia, porquanto o homem vicioso e mau não
pode orar com o fervor e a confiança que somente nascem do sentimento da
verdadeira piedade. Do coração do egoísta, daquele que apenas de lábios
ora, unicamente saem palavras, nunca os ímpetos de caridade que dão à
prece todo o seu poder. Está no pensamento o poder da prece, que por nada
depende nem das palavras, nem do lugar, nem do momento em que seja
feita. Pode-se orar em toda parte e a qualquer hora, a sós ou em comum. A
prece em comum tem ação mais poderosa, quando todos os que oram se
associam de coração a um mesmo pensamento e colimam o mesmo
objetivo, porquanto é como se muitos clamassem juntos e em uníssono.
Não há fórmulas para a prece. Ore segundo suas convicções. Use o
vocabulário do seu dia a dia, sem qualquer ritual, sem qualquer formulário,
em verdadeira conversa informal a quem se dirige (Deus, Jesus, entidade
espiritual). Ela deve ser simples, concisa e sem fraseologia rebuscada. Cada
palavra deve ter o seu valor e a sua ideia, tocar a alma. Disciplina e
paciência são duas virtudes necessárias que, unidas, transformam-se em
persistência, perseverança, que nos impede de desistir do caminho quando
os resultados nos parecem impossíveis ou inatingíveis. Saber o que querer e
buscar o que se quer com persistência, são fatores que contam na obtenção
dos resultados desejados. Na obra da caridade como em outras atividades,
muitas vezes, somos levados a desistir, a paralisar, quando os primeiros
resultados não são animadores.
Permanecer olhando para o futuro, medir a distância que nos mantém
afastados do ponto que desejamos atingir, pode nos levar a concluir que
nunca conseguiremos o nosso intento, nos fazendo desistir da caminhada.
Sempre que assim nos for induzido pensar, olhemos para trás, e veremos
então que, apesar do ponto futuro parecer distante, já caminhamos bastante;
já vencemos outros obstáculos, construindo o caminhar que nos leva ao
topo, em uma sucessão de pequenas etapas. A felicidade do homem, neste
mundo de provas e expiações, não está nos resultados obtidos. Pois, sempre
haverá o que se fazer, e sempre existirá necessidade de ir além. A felicidade
relativa que podemos sentir está nas oportunidades de aprender e crescer
com experiência, vencendo obstáculos e adversidades, construindo o
caminho que nos é próprio.
É sempre bom pensar que a felicidade para nós, espíritos em evolução
contínua, é o próprio caminho que construímos e percorremos. Como Deus
está em nós, Deus nos acompanha passo a passo na busca daquilo que
precisamos e nos concede, fruto do mérito adquirido, aquilo que nos é justo
conceder. Deus nos deu razão e inteligência, sendo o ser humano livre para
agir em uma ou noutra direção, cujos atos acarretam consequências do que
fez ou não. Alguns sucessos escapam à fatalidade e não quebram a harmonia
das leis universais. Nesse sentido, é possível que Deus atenda a certos
pedidos sem perturbar a imutabilidade das leis.
Muita Paz!
Visite o meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br
A serviço da Doutrina Espírita; com estudos comentados, cujo objetivo é
levar as pessoas a uma reflexão sobre a vida.
Leia Kardec! Estude Kardec! Pratique Kardec! Divulgue Kardec!
O amanhã é sempre um dia a ser conquistado! Pense nisso!
Visite também o meu Site: compartilhando-espiritualidade.webnode.com
Agora, Compartilhando Espiritualidade formou um Grupo para troca de
mensagens.
Compartilhando-espiritualidade@googlegroups.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferioresA virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferiores
Helio Cruz
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
PatiSousa1
 
O Deus de Santidade
O Deus de SantidadeO Deus de Santidade
O Deus de Santidade
Silvio Dutra
 
O Deus de santidade
O Deus de santidade    O Deus de santidade
O Deus de santidade
Silvio Dutra
 
Joel s. goldsmith consciência do único poder
Joel s. goldsmith consciência do único poderJoel s. goldsmith consciência do único poder
Joel s. goldsmith consciência do único poder
Actor Quantum
 
Entusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidadeEntusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidade
Helio Cruz
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
PatiSousa1
 
Influência do Pensamento Positivo- Espiritismo
Influência do Pensamento Positivo- EspiritismoInfluência do Pensamento Positivo- Espiritismo
Influência do Pensamento Positivo- Espiritismo
Valéria Domingues
 
O reino do espírito
O reino do espíritoO reino do espírito
O reino do espírito
Silvio Dutra
 
LE Q.649 a 652 e ESE Cap.5 item30
LE Q.649 a 652 e ESE Cap.5 item30LE Q.649 a 652 e ESE Cap.5 item30
LE Q.649 a 652 e ESE Cap.5 item30
Patricia Farias
 
Conheça o Espiritismo
Conheça o EspiritismoConheça o Espiritismo
Conheça o Espiritismo
Helio Cruz
 
Evangeliza - Fora da caridade não há salvação
Evangeliza - Fora da caridade não há salvaçãoEvangeliza - Fora da caridade não há salvação
Evangeliza - Fora da caridade não há salvação
Antonino Silva
 
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Esde x  lei de liberdade - roteiro iiEsde x  lei de liberdade - roteiro ii
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Deborah Oliver
 
Crescimento espiritual - base para a verdadeira felicidade - junho 2014
Crescimento espiritual - base para a verdadeira felicidade - junho 2014Crescimento espiritual - base para a verdadeira felicidade - junho 2014
Crescimento espiritual - base para a verdadeira felicidade - junho 2014
grupodepaisceb
 
Bondade
BondadeBondade
Arautos da verdade
Arautos da verdadeArautos da verdade
Arautos da verdade
Associação Espirita Lagos
 
A verdade é deus!
A verdade é deus!A verdade é deus!
A verdade é deus!
Dalila Melo
 
Técnica do Vishuda
Técnica do VishudaTécnica do Vishuda
Técnica do Vishuda
Paulo Viana
 
Livro dos Espiritos Q.776 e ESE cap10 item9
Livro dos Espiritos Q.776 e ESE cap10 item9Livro dos Espiritos Q.776 e ESE cap10 item9
Livro dos Espiritos Q.776 e ESE cap10 item9
Patricia Farias
 
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 

Mais procurados (20)

A virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferioresA virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferiores
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
 
O Deus de Santidade
O Deus de SantidadeO Deus de Santidade
O Deus de Santidade
 
O Deus de santidade
O Deus de santidade    O Deus de santidade
O Deus de santidade
 
Joel s. goldsmith consciência do único poder
Joel s. goldsmith consciência do único poderJoel s. goldsmith consciência do único poder
Joel s. goldsmith consciência do único poder
 
Entusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidadeEntusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidade
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
 
Influência do Pensamento Positivo- Espiritismo
Influência do Pensamento Positivo- EspiritismoInfluência do Pensamento Positivo- Espiritismo
Influência do Pensamento Positivo- Espiritismo
 
O reino do espírito
O reino do espíritoO reino do espírito
O reino do espírito
 
LE Q.649 a 652 e ESE Cap.5 item30
LE Q.649 a 652 e ESE Cap.5 item30LE Q.649 a 652 e ESE Cap.5 item30
LE Q.649 a 652 e ESE Cap.5 item30
 
Conheça o Espiritismo
Conheça o EspiritismoConheça o Espiritismo
Conheça o Espiritismo
 
Evangeliza - Fora da caridade não há salvação
Evangeliza - Fora da caridade não há salvaçãoEvangeliza - Fora da caridade não há salvação
Evangeliza - Fora da caridade não há salvação
 
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Esde x  lei de liberdade - roteiro iiEsde x  lei de liberdade - roteiro ii
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
 
Crescimento espiritual - base para a verdadeira felicidade - junho 2014
Crescimento espiritual - base para a verdadeira felicidade - junho 2014Crescimento espiritual - base para a verdadeira felicidade - junho 2014
Crescimento espiritual - base para a verdadeira felicidade - junho 2014
 
Bondade
BondadeBondade
Bondade
 
Arautos da verdade
Arautos da verdadeArautos da verdade
Arautos da verdade
 
A verdade é deus!
A verdade é deus!A verdade é deus!
A verdade é deus!
 
Técnica do Vishuda
Técnica do VishudaTécnica do Vishuda
Técnica do Vishuda
 
Livro dos Espiritos Q.776 e ESE cap10 item9
Livro dos Espiritos Q.776 e ESE cap10 item9Livro dos Espiritos Q.776 e ESE cap10 item9
Livro dos Espiritos Q.776 e ESE cap10 item9
 
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
 

Semelhante a Pedir e obter

Pedir e obter
Pedir e obterPedir e obter
Pedir e obter
Helio Cruz
 
Pedi obtereis
Pedi obtereis    Pedi obtereis
Pedi obtereis
Ponte de Luz ASEC
 
Pedi e obtereis
Pedi e obtereisPedi e obtereis
Pedi e obtereis
Ponte de Luz ASEC
 
Apostila De Preces Espíritas
Apostila De Preces EspíritasApostila De Preces Espíritas
Apostila De Preces Espíritas
Nilson Almeida
 
A prece
A preceA prece
A prece
Helio Cruz
 
D 13 Preçe e Culto
D 13  Preçe e CultoD 13  Preçe e Culto
D 13 Preçe e Culto
JPS Junior
 
3-Crescimento Espiritual.pdf
3-Crescimento Espiritual.pdf3-Crescimento Espiritual.pdf
3-Crescimento Espiritual.pdf
fernando pereira
 
Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar
Rodrigo Martins Dos Santos
 
3.2 - Lei de Adoracao.pptx
3.2 - Lei de Adoracao.pptx3.2 - Lei de Adoracao.pptx
3.2 - Lei de Adoracao.pptx
Marta Gomes
 
opoderdaoração.ppt
opoderdaoração.pptopoderdaoração.ppt
opoderdaoração.ppt
erlanemuniz
 
A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)
Ricardo Akerman
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
Izabel Cristina Fonseca
 
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresA oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
Sandra Regina De Souza
 
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresA oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
Angela Venancio
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
Leonardo Pereira
 
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
Patricia Farias
 
Interpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai NossoInterpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai Nosso
Helio Cruz
 
Evangeliza - Lei de adoração
Evangeliza - Lei de adoraçãoEvangeliza - Lei de adoração
Evangeliza - Lei de adoração
Antonino Silva
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
manumino
 
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO (2).pptx
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO (2).pptxO-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO (2).pptx
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO (2).pptx
EnoqueReis5
 

Semelhante a Pedir e obter (20)

Pedir e obter
Pedir e obterPedir e obter
Pedir e obter
 
Pedi obtereis
Pedi obtereis    Pedi obtereis
Pedi obtereis
 
Pedi e obtereis
Pedi e obtereisPedi e obtereis
Pedi e obtereis
 
Apostila De Preces Espíritas
Apostila De Preces EspíritasApostila De Preces Espíritas
Apostila De Preces Espíritas
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
D 13 Preçe e Culto
D 13  Preçe e CultoD 13  Preçe e Culto
D 13 Preçe e Culto
 
3-Crescimento Espiritual.pdf
3-Crescimento Espiritual.pdf3-Crescimento Espiritual.pdf
3-Crescimento Espiritual.pdf
 
Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar
 
3.2 - Lei de Adoracao.pptx
3.2 - Lei de Adoracao.pptx3.2 - Lei de Adoracao.pptx
3.2 - Lei de Adoracao.pptx
 
opoderdaoração.ppt
opoderdaoração.pptopoderdaoração.ppt
opoderdaoração.ppt
 
A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
 
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresA oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
 
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresA oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
 
Interpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai NossoInterpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai Nosso
 
Evangeliza - Lei de adoração
Evangeliza - Lei de adoraçãoEvangeliza - Lei de adoração
Evangeliza - Lei de adoração
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
 
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO (2).pptx
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO (2).pptxO-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO (2).pptx
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO (2).pptx
 

Mais de Helio Cruz

O pior inimigo
O pior inimigoO pior inimigo
O pior inimigo
Helio Cruz
 
A candeia debaixo do alqueire
A candeia debaixo do alqueireA candeia debaixo do alqueire
A candeia debaixo do alqueire
Helio Cruz
 
O credor incompassivo
O credor incompassivoO credor incompassivo
O credor incompassivo
Helio Cruz
 
O poder das palavras
O poder das palavrasO poder das palavras
O poder das palavras
Helio Cruz
 
A virtude os superiores e os inferiores
A virtude   os superiores e os inferioresA virtude   os superiores e os inferiores
A virtude os superiores e os inferiores
Helio Cruz
 
O peso da luz
O peso da luzO peso da luz
O peso da luz
Helio Cruz
 
A parentela corporal e espiritual
A parentela corporal e espiritualA parentela corporal e espiritual
A parentela corporal e espiritual
Helio Cruz
 
O dom esquecido
O dom esquecidoO dom esquecido
O dom esquecido
Helio Cruz
 
Dia nacional da caridade
Dia nacional da caridadeDia nacional da caridade
Dia nacional da caridade
Helio Cruz
 
Marta e maria
Marta e mariaMarta e maria
Marta e maria
Helio Cruz
 
O progresso espiritual
O progresso espiritualO progresso espiritual
O progresso espiritual
Helio Cruz
 
Viver para deus
Viver para deusViver para deus
Viver para deus
Helio Cruz
 
O Marco inicial do Espiritismo
O Marco inicial do EspiritismoO Marco inicial do Espiritismo
O Marco inicial do Espiritismo
Helio Cruz
 
A quaresma e o espiritismo
A quaresma e o espiritismoA quaresma e o espiritismo
A quaresma e o espiritismo
Helio Cruz
 
Os nossos julgamentos
Os nossos julgamentosOs nossos julgamentos
Os nossos julgamentos
Helio Cruz
 
Sal da terra e luz do mundo
Sal da terra e luz do mundoSal da terra e luz do mundo
Sal da terra e luz do mundo
Helio Cruz
 
Realismo no novo ano
Realismo no novo anoRealismo no novo ano
Realismo no novo ano
Helio Cruz
 
A Astrologia e o Espiritismo
A Astrologia e o EspiritismoA Astrologia e o Espiritismo
A Astrologia e o Espiritismo
Helio Cruz
 
O peru pregador
O peru pregadorO peru pregador
O peru pregador
Helio Cruz
 
Saber escutar e enxergar
Saber escutar e enxergarSaber escutar e enxergar
Saber escutar e enxergar
Helio Cruz
 

Mais de Helio Cruz (20)

O pior inimigo
O pior inimigoO pior inimigo
O pior inimigo
 
A candeia debaixo do alqueire
A candeia debaixo do alqueireA candeia debaixo do alqueire
A candeia debaixo do alqueire
 
O credor incompassivo
O credor incompassivoO credor incompassivo
O credor incompassivo
 
O poder das palavras
O poder das palavrasO poder das palavras
O poder das palavras
 
A virtude os superiores e os inferiores
A virtude   os superiores e os inferioresA virtude   os superiores e os inferiores
A virtude os superiores e os inferiores
 
O peso da luz
O peso da luzO peso da luz
O peso da luz
 
A parentela corporal e espiritual
A parentela corporal e espiritualA parentela corporal e espiritual
A parentela corporal e espiritual
 
O dom esquecido
O dom esquecidoO dom esquecido
O dom esquecido
 
Dia nacional da caridade
Dia nacional da caridadeDia nacional da caridade
Dia nacional da caridade
 
Marta e maria
Marta e mariaMarta e maria
Marta e maria
 
O progresso espiritual
O progresso espiritualO progresso espiritual
O progresso espiritual
 
Viver para deus
Viver para deusViver para deus
Viver para deus
 
O Marco inicial do Espiritismo
O Marco inicial do EspiritismoO Marco inicial do Espiritismo
O Marco inicial do Espiritismo
 
A quaresma e o espiritismo
A quaresma e o espiritismoA quaresma e o espiritismo
A quaresma e o espiritismo
 
Os nossos julgamentos
Os nossos julgamentosOs nossos julgamentos
Os nossos julgamentos
 
Sal da terra e luz do mundo
Sal da terra e luz do mundoSal da terra e luz do mundo
Sal da terra e luz do mundo
 
Realismo no novo ano
Realismo no novo anoRealismo no novo ano
Realismo no novo ano
 
A Astrologia e o Espiritismo
A Astrologia e o EspiritismoA Astrologia e o Espiritismo
A Astrologia e o Espiritismo
 
O peru pregador
O peru pregadorO peru pregador
O peru pregador
 
Saber escutar e enxergar
Saber escutar e enxergarSaber escutar e enxergar
Saber escutar e enxergar
 

Último

A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
mfixa3824
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 

Último (20)

A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 

Pedir e obter

  • 1. Hoje é domingo, 25 de outubro de 2020 Agora mesmo são 16:49 h.
  • 2. Esta reflexão apoia-se no Capítulo XXVII de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, que tem como título: “Pedi e obtereis”. O Evangelho nos ensina: Pedi e obtereis. Aos mais crentes, porém desavisados, esse ensinamento poderia significar que para alcançarmos qualquer objetivo desejado nos bastaria pedi-lo com bastante fé e aguardar que ele nos fosse concedido. Porém, não é assim que funciona a misericórdia de Deus. Há quem conteste a eficácia da prece supondo que, Deus conhecendo as nossas necessidades, inúteis seriam expô-las. Acrescentam que, achando-se tudo no Universo encadeado por leis eternas, não podem as nossas súplicas mudar os decretos de Deus. Assim sendo, por que orar pedindo, pois, como o próprio Evangelho nos diz, na passagem de Marcos, Cap. VI: 5 a 8: vosso Pai sabe do que necessitais antes de o pedirdes.
  • 3. O ato de pedir, que num primeiro momento pode até parecer um ato de falta de fé na Providência Divina, também pode demonstrar que acreditamos Nele e nas Suas Potencialidades, pois entendemos que essa atitude denota uma posição de humildade da criatura para com o Criador. Na nossa súplica a Deus mostramos nossa fraqueza e o reconhecimento das nossas limitações frente à vida. Quando o Mestre Maior, Jesus, nos convida à prece para pedir e nos afirma que iremos obter aquilo que pedimos, não está dizendo que vamos obter da forma que pedimos, mas sim nos serão dadas as condições para a correção, nos serão apresentados, ao longo de nossa vida, caminhos para a solução. É costume ouvirmos de certas pessoas afirmações do tipo: Deus há de me conceder esta graça; tenho fé de que o que eu pedir me será dado, pois o Pai não desampara a Seus filhos.
  • 4. É verdade, Deus não desampara. Mas não no sentido falso que costumamos aplicar. Deus abre sempre as portas para aquele que bate, isto é, para aquele que procura, que se movimenta, que trabalha, que constrói. As oportunidades são sempre renovadas. Mas sem o trabalho justo, dificilmente elas serão concretizadas em resultados. Há que se ter dedicação ao que se pretende para, construindo o caminho, sermos capazes de atingir nossos objetivos. No entanto, vale destacar que, para alcançarmos a graça divina, não basta tão somente a apresentação de petitórios se permanecermos de braços cruzados, aguardando que a Divindade resolva, por si, os nossos problemas. Jesus prometeu alívio e não solução para as questões que nos atormentam. Sem o mérito da ação nada se consegue; sob a inércia da preguiça nada se faz nesse mundo; nada se modifica ou se transforma.
  • 5. Segundo Bezerra de Menezes, o grande benfeitor espiritual, para que algo seja concedido, há a necessidade primária da dedicação. Demonstrada a dedicação com a obra desejada, o recurso será providenciado; as oportunidades serão apresentadas. Os recursos de Deus não são desperdiçados com aqueles que, apesar de terem grandes intenções, não são capazes de utilizar os talentos de forma a multiplicá-los pela ação adequada. Pedir forças, inspiração, proteção, orientação, é a melhor maneira de iniciarmos a caminhada na direção daquilo que pretendemos. O Espírito da Verdade diz, apenas pedir não basta, será indispensável a ação. Do “céu” nada cairá de graça, será imperiosa a iniciativa mediante a movimentação de atitudes e decisões capazes de nos assegurar o sucesso desejado.
  • 6. “Ajuda-te e o céu te ajudará”, ensina o conceito evangélico, portanto, pouco vale implorar se os nossos braços permanecerem cruzados. O pedir direciona a ação para o objetivo, reforça a concentração no caminho a ser seguido até ele, e sua obtenção nos será concedida a partir do momento em que, por mérito da ação, proporcionarmos as condições para que isso ocorra. Pedi e obtereis, buscai e achareis, batei e se vos abrirá, são variações do mesmo tema que relaciona o querer, o desejar e o agir para obter. Em muitas circunstâncias de nossas vidas, oramos com fervor, pedindo a Deus a concessão de benesses, mas nada fazemos para caminhar em direção ao que queremos.
  • 7. As preces feitas a Deus escutam-nas os Espíritos incumbidos da execução de suas vontades. As que se dirigem aos bons Espíritos são reportadas a Deus. Quando alguém ora a outros seres que não a Deus, o faz recorrendo a intermediários e intercessores, porquanto nada sucede sem a vontade do Pai. Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons Espíritos que acorrem a sustentá-lo em suas boas resoluções e a inspirar-lhe ideias sãs. Ele adquire a força moral necessária para vencer as dificuldades e a retomar ao caminho certo, se deste se afastou. Por esse meio, pode também desviar de si os males que atrairia pelas suas próprias faltas. A prece é invocação mediante a qual o homem entra, pela transmissão do pensamento, em comunicação com o ser a quem se dirige. Todos os seres encarnados e desencarnados estão mergulhados no fluido cósmico universal que ocupa o espaço.
  • 8. O pedir direciona a ação para o objetivo, reforça a concentração no caminho a ser seguido até ele, e sua obtenção nos será concedida a partir do momento em que, por mérito da ação, proporcionarmos as condições para que isso ocorra. Por exercer a prece uma ação magnética, poder-se-ia supor que o seu efeito depende da força fluídica. Entretanto, não é assim. Exercendo sobre os homens essa ação, os Espíritos, sendo preciso, suprem a insuficiência daquele que ora, agindo diretamente em seu nome, dando-lhe momentaneamente uma força excepcional quando o julgam digno dessa graça, ou que ela lhe pode ser proveitosa. Assim, dirigido o pensamento para um ser qualquer na Terra ou no espaço, de encarnado para desencarnado, ou vice-versa, uma corrente fluídica se estabelece entre um e outro, transmitindo o pensamento.
  • 9. É assim que os Espíritos se comunicam, transmitem suas inspirações e ouvem a prece que lhes é dirigida. O homem que não se considere suficientemente bom para exercer salutar influência, não deve por isso abster-se de orar a bem de outrem, com a ideia de que não é digno de ser escutado. A consciência da sua inferioridade constitui prova de humildade, grata sempre a Deus, que leva em conta a intenção caridosa que o anima. Seu fervor e sua confiança são um primeiro passo para a sua conversão ao bem, conversão que os Espíritos bons se sentem ditosos em incentivar. Renunciar alguém à prece é negar a bondade de Deus, recusando a sua assistência e abrir mão do bem que lhes pode fazer. Acedendo ao pedido que se lhe faz, Deus muitas vezes objetiva recompensar a intenção, o devotamento e a fé daquele que ora.
  • 10. Daí decorre que a prece do homem de bem tem mais merecimento aos olhos de Deus e sempre mais eficácia, porquanto o homem vicioso e mau não pode orar com o fervor e a confiança que somente nascem do sentimento da verdadeira piedade. Do coração do egoísta, daquele que apenas de lábios ora, unicamente saem palavras, nunca os ímpetos de caridade que dão à prece todo o seu poder. Está no pensamento o poder da prece, que por nada depende nem das palavras, nem do lugar, nem do momento em que seja feita. Pode-se orar em toda parte e a qualquer hora, a sós ou em comum. A prece em comum tem ação mais poderosa, quando todos os que oram se associam de coração a um mesmo pensamento e colimam o mesmo objetivo, porquanto é como se muitos clamassem juntos e em uníssono.
  • 11. Não há fórmulas para a prece. Ore segundo suas convicções. Use o vocabulário do seu dia a dia, sem qualquer ritual, sem qualquer formulário, em verdadeira conversa informal a quem se dirige (Deus, Jesus, entidade espiritual). Ela deve ser simples, concisa e sem fraseologia rebuscada. Cada palavra deve ter o seu valor e a sua ideia, tocar a alma. Disciplina e paciência são duas virtudes necessárias que, unidas, transformam-se em persistência, perseverança, que nos impede de desistir do caminho quando os resultados nos parecem impossíveis ou inatingíveis. Saber o que querer e buscar o que se quer com persistência, são fatores que contam na obtenção dos resultados desejados. Na obra da caridade como em outras atividades, muitas vezes, somos levados a desistir, a paralisar, quando os primeiros resultados não são animadores.
  • 12. Permanecer olhando para o futuro, medir a distância que nos mantém afastados do ponto que desejamos atingir, pode nos levar a concluir que nunca conseguiremos o nosso intento, nos fazendo desistir da caminhada. Sempre que assim nos for induzido pensar, olhemos para trás, e veremos então que, apesar do ponto futuro parecer distante, já caminhamos bastante; já vencemos outros obstáculos, construindo o caminhar que nos leva ao topo, em uma sucessão de pequenas etapas. A felicidade do homem, neste mundo de provas e expiações, não está nos resultados obtidos. Pois, sempre haverá o que se fazer, e sempre existirá necessidade de ir além. A felicidade relativa que podemos sentir está nas oportunidades de aprender e crescer com experiência, vencendo obstáculos e adversidades, construindo o caminho que nos é próprio.
  • 13. É sempre bom pensar que a felicidade para nós, espíritos em evolução contínua, é o próprio caminho que construímos e percorremos. Como Deus está em nós, Deus nos acompanha passo a passo na busca daquilo que precisamos e nos concede, fruto do mérito adquirido, aquilo que nos é justo conceder. Deus nos deu razão e inteligência, sendo o ser humano livre para agir em uma ou noutra direção, cujos atos acarretam consequências do que fez ou não. Alguns sucessos escapam à fatalidade e não quebram a harmonia das leis universais. Nesse sentido, é possível que Deus atenda a certos pedidos sem perturbar a imutabilidade das leis.
  • 14. Muita Paz! Visite o meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br A serviço da Doutrina Espírita; com estudos comentados, cujo objetivo é levar as pessoas a uma reflexão sobre a vida. Leia Kardec! Estude Kardec! Pratique Kardec! Divulgue Kardec! O amanhã é sempre um dia a ser conquistado! Pense nisso! Visite também o meu Site: compartilhando-espiritualidade.webnode.com Agora, Compartilhando Espiritualidade formou um Grupo para troca de mensagens. Compartilhando-espiritualidade@googlegroups.com