SlideShare uma empresa Scribd logo
ROTEIRO
 Tipos

de radiações ionizantes;
 Interação das radiações com a matéria;
 Limites e doses;
 Efeito biológicos;
 Tipos de lesões e doenças;
 Acidentes nucleares.
INTRODUÇÃO





Logo após a descoberta do raios X (1895), da
radioatividade (1898), dentre outros, as fontes
de radiação passaram a ser amplamente
utilizadas na medicina;
Posteriormente, formam constatados efeitos
biológicos danosos da radiação;
As exposições prolongadas deveriam ser
evitadas e que medidas de prevenção
deveriam ser tomadas.
RADIAÇÕES?
 ELETROMAGNÉTICAS:

Não possuem
massa e se propagam com a velocidade
de 300.000km/s, para qualquer valor de
sua energia.
Ex: luz, microondas, raios X e radiação
gama.
 PARTÍCULAS: Apresentam massa, carga
elétrica e magnética.
Ex: radiação alfa, radiação beta.
RADIAÇÕES IONIZANTES
IONIZAÇÃO DO ÁTOMO
O átomo
recebe
energia
suficiente
para
arrancar o
elétron do
seu
orbital.
INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO
 DNA
TIPOS DE RADIAÇÕES
IONIZANTES
 Raios

X;
 Raios gama;
 Partículas Alfa;
 Partículas Beta.
RAIOS X vs RAIOS γ
 RX

 Raios

γ
FONTES DE RADIAÇÕES IONIZANTES
NO AMBIENTE HOSPITALAR
 Raios

•
•
•
•

X:

Radiodiagnóstico;
Enfermarias, C.Cirúrgico e UTI’s;
Radioterapia;
Hemodinâmica.

 Raios

γ:

• Medicina Nuclear;
• Radioterapia.
APLICAÇÕES MÉDICAS
NORMAS E DIRETRIZES
– NE-3.01 (junho/1988);
 CNEN – NE-3.02 (agosto/1988);
 CNEN

• IAEA: Agência Internacional de Energia Atômica;
• ICRP: Comissão Internacional de Proteção Radiológica;
• ICRU: Comissão Internacional de Unidades (Medidas)
 CENEN – NN-3.01 (janeiro/2005).
Radiológicas.
EFEITOS BIOLÓGICOS
PODEM SER:
• Morte da célula (necrose);
• Mau funcionamento da célula, que é
restrito à célula em questão, ou seja, não é
passado às linhagens seguintes (efeitos
somáticos);
• Alteração permanente da célula, que é
passada às linhagens seguintes (efeitos
genéticos).
EFEITOS BIOLÓGICOS
 DOSE

ABSORVIDA:

• Estocásticos ou determinísticos.
 TEMPO

DE MANIFESTAÇÃO:

• Imediatos e tardios.
 NÍVEL

DO DANO:

• Somáticos e genéticos.
EFEITOS BIOLÓGICOS
 DETERMINÍSTICOS:

• Aparecem quando a dose atinge ou
ultrapassa um limiar de dose;
• Aumenta cuja gravidade aumenta com
o aumento da dose;
• Ex.: Anemias (leucemia), cataratas,
radiodermites, esterilidade, , etc
EFEITOS BIOLÓGICOS
 DETERMINÍSTICO
EFEITOS BIOLÓGICOS
 ESTOCÁSTICOS

O grau de severidade do efeito
independe da dose recebida. São
efeitos tardios que aparecem apenas
após um período de latência. O qual
pode variar de alguns anos a algumas
décadas.
Ex.: Carcinogênese
EFEITOS BIOLÓGICOS
 IMEDIATOS:

Ocorrem em um período de horas até
semanas após a irradiação.
Ex.: Eritema, queda de cabelos, necrose de
tecido,
esterilidade
temporária
ou
permanente,
alterações
no
tecido
sangüíneo.
EFEITOS BIOLÓGICOS
 TARDIOS:

Efeitos ocorrem vários meses ou
anos após a exposição à radiação:
Ex.: Catarata, câncer, anemia aplástica, etc
EFEITOS BIOLÓGICOS
 SOMÁTICO

- Não são transmitidos a
linhagem seguinte.

 GENÉTICOS

- São transmitidos aos
descendentes
dos
indivíduos
irradiados. Esses efeitos podem surgir
quando os órgãos reprodutores são
expostos a radiação.
EFEITOS BIOLÓGICOS

 TERATOGÊNICOS

Podem ocorrer a partir da exposição de
embriões ou fetos à radiação.
SÍNDORME AGUDA DAS
RADIAÇÕES (SAR)
É

conjunto de sintomas e sinais clínicos
conseqüente a uma irradiação do corpo
total, desenvolvida por um curto período
de tempo (segundos a minutos).
 Caracterizada por distúrbios funcionais
e
orgânicos,
com
reflexos
em
praticamente todos os sistemas do
corpo.
SÍNDORME AGUDA DAS
RADIAÇÕES (SAR)
 SÍNDROME

PRODRÔMICA;

 Náuseas, vômitos, anorexia, diarréia,

mal-estar generalizado.
SÍNDORME AGUDA DAS
RADIAÇÕES (SAR)
 SÍNDROME

HEMATOPOIÉTICA;

 Leucopenia,

trombocitopenia e anemia.
SÍNDORME AGUDA DAS
RADIAÇÕES (SAR)

 SÍNDROME
 Náuseas

GASTROINTESTINAL;

persistentes,
diarréia sanguinolenta.

vômitos

e
SÍNDORME AGUDA DAS
RADIAÇÕES (SAR)

 SÍNDROME
 Náuseas

GASTROINTESTINAL;

persistentes,
diarréia sanguinolenta.

vômitos

e
SÍNDORME AGUDA DAS
RADIAÇÕES (SAR)

 SÍNDROME

SISTEMA

NERVOSO

CENTRAL;
 Distúrbios neurológicos, intensos, com
estupor, coma e convulsões.
MORTE EM POUCAS HORAS.
PROTEÇÃO
RADIOLÓGICA
 Proteger

o Homem contra dos
detrimentos das Radiações Ionizantes;
 Permitir à sociedade dos benefícios de
usufruir das Radiações Ionizantes;
 Estimar com suficiente exatidão o
relacionamento:
Dose X Efeitos nocivos
PRINCÍPIOS
BÁSICOS:
 JUSTIFICAÇÃO
 OTIMIZAÇÃO

 LIMITAÇÃO

DA PRÁTICA;

DA DOSE;

DE DOSES INDIVIDUAIS;

 PREVENÇÃO

DE ACIDENTES.
JUSTIFICAÇÃO DA
PRÁTICA
•  Nenhuma prática ou fonte adscrita a
Todo fumante deve realizar uma radiografia
de tórax por ano; deve ser autorizada a
uma prática
• Uma paciente produza sofreu um acidente de
menos que grávida suficiente benefício
carro e está com suspeita de TCE, deverá a
para o indivíduo exposto ou para
fazer
sociedade, de modo a compensar o
uma TC com urgência. ser causado.
detrimento que possa
OTIMIZAÇÃO
DA DOSE
 Estabelece

que as instalações e as
práticas
devem
ser
planejadas,
implantadas e executadas de modo que
a magnitude das doses individuais, o
número de pessoas expostas e a
probabilidade de exposições acidentais
sejam tão baixos quanto razoavelmente
exeqüíveis (ALARA).
LIMITAÇÃO DE DOSES
INDIVIDUAIS
 Os

limites de doses individuais são
valores de dose efetiva ou de dose
equivalente,
estabelecidos
para
exposição ocupacional e exposição do
público
decorrentes
de
práticas
controladas, cujas magnitudes não
devem ser excedidas.
LIMITAÇÃO DE DOSES
INDIVIDUAIS
ACIDENTES NUCLEARES
 ACIDENTE
•

•

NUCLEAR
DE
CHERNOBYL (1986);
Abril de 1986 ocorre o maior acidente
da história (até agora), quando explode
um dos quatro reatores da usina
nuclear soviética de Chernobyl.
Após uma manobra equivocada um dos
quatro
reatores
superaqueceu
causando a explosão.
ACIDENTES NUCLEARES
 ACIDENTE

NUCLEAR
CHERNOBYL (1986);

•

•
•

DE

Chernobyl liberou para a atmosfera 400
vezes mais material radioativo que a
bomba de Hiroshima.
22 mil morreram em conseqüência do
acidente;
Mais
100
mil
sofreram
danos
permanentes. Somente na Ucrânia;
ACIDENTES NUCLEARES
 ACIDENTE

NUCLEAR
CHERNOBYL (1986);

•

DE

31 pessoas morreram imediatamente
após a explosão;
ACIDENTES NUCLEARES
 ACIDENTE

NUCLEAR
CHERNOBYL (1986);

•
•

DE

3 milhões necessitam da ajuda do Estado em
decorrência do acidente e;
Em algumas regiões da Bielo-Rússia, os casos
de câncer de tireóide multiplicaram-se por 50.
(Reuters, Ansa e DPA)
ACIDENTES NUCLEARES
nuclear de Goiânia –
Césio137 (1987).
Setembro de 1987, cápsula de césio
abandonada no Instituto Goiano de
Radioterapia foi recolhida por dois
catadores;
Rompida a marretada e vendida a um
ferro-velho;

 Acidente
•

•
ACIDENTES NUCLEARES
nuclear de Goiânia –
Césio137 (1987).
A descontaminação produziu cerca de
10 ton de lixo contaminado (roupas,
móveis, animais, árvores, restos de
solo, etc);
Enterrados e protegidos por paredes de
40cm de espessura.

 Acidente
•

•
ACIDENTES NUCLEARES
 Acidente

nuclear
Césio137 (1987).

de

Goiânia

“O maior acidente
radiológico do mundo.”

–
"Boa tarde, meus camaradas. Todos vocês
sabem que houve um inacreditável erro – o
acidente na usina nuclear de Chernobyl.
Ele afetou duramente o povo soviético, e
chocou a comunidade internacional. Pela
primeira vez, nós confrontamos a força
real da energia nuclear, fora de controle."
Mikhail Gorbachev.
PERGUNTAS E
RESPOSTAS:
O

uso de radiação ionizante em
medicina é benéfica à saúde humana?
Sim

 Existem

riscos do uso da radiação
ionizante na medicina?
Sim
PERGUNTAS E
RESPOSTAS:
O

que pode ser feito para reduzir os
riscos da radiação nos procedimentos
diagnósticos?
A principal ferramenta é a proteção
radiológica do paciente. Equipamentos
modernos e treinamento de pessoal,
permite a exposição do paciente à níveis
aceitáveis, assegurando uma alta taxa
benefício/risco.
PERGUNTAS E
RESPOSTAS:
 Existem

situações em que as
investigações radiológicas diagnósticas
deveriam ser evitadas?
Sim
Exposição deliberada de seres humanos
com o objetivo único de demonstração,
treinamento ou outros fins que contrariem o
princípio da justificação.
PERGUNTAS E
RESPOSTAS:
 Existem

situações em que as
investigações radiológicas diagnósticas
deveriam ser evitadas?
Sim
Exames
radiológicos
para
fins
empregatícios ou periciais, exceto
quando as informações a serem obtidas
possam ser úteis à saúde do indivíduo;
PERGUNTAS E
RESPOSTAS:
 Existem

situações em que as
investigações radiológicas diagnósticas
deveriam ser evitadas?
Sim
Exames de rotina de tórax para fins de
internação hospitalar, exceto quando
houver
justificativa
no
contexto,
considerado-o os métodos alternativos.
ASPECTOS PRÁTICOS A
SEREM LEMBRADOS
As Radiações ionizantes assim como
outras formas de energia, produzem
benefícios e malefícios. Cabe aos
profissionais envolvidos minimizar os
malefícios e intensificar os benefícios,
assim a qualidade dos procedimentos
será amplamente observada.
SITES
 www.cenen.gov.br;
 www.ird.gov.br;
 www.conter.gov.br;
 www.crtrrj.gov.br;

 http://www.nuclear.radiologia.nom.br
Referências bibliográficas


BISPO, Josemilson - Cuidados e Riscos na Exposição à
Radiação Ionizante - (Físico Médico);
 CANEVARO,
Lúcia - Curso Básico de Proteção
Radiológica Em Radiodiagnóstico (IRD);
 Scaff, Luiz A. M. Bases Físicas da Radiologia, Sarvier ;
 BIASOLI Jr, Antônio - TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS, Rubio
fladislau@gmail.com
fabianorxtc@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológicaAula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológica
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Aula radioproteção
Aula radioproteçãoAula radioproteção
Aula radioproteção
Marcos Paulo Castro
 
Radiação ionizante e não ionizante
Radiação ionizante e não ionizanteRadiação ionizante e não ionizante
Radiação ionizante e não ionizante
Robson Peixoto
 
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTECONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
Thassiany Sarmento
 
Aula de introdução à proteção radiológica
Aula de introdução à proteção radiológicaAula de introdução à proteção radiológica
Aula de introdução à proteção radiológica
Gustavo Vasconcelos
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Cristiane Dias
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
Magno Cavalheiro
 
Radiaçao ionizante
Radiaçao ionizanteRadiaçao ionizante
Radiaçao ionizante
Moisés Barbosa
 
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNSFILMES E ECRÁNS
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS XRADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução Radiologia
Thyago Soares
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
IPEN - CNEN / SP
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Paulo Fonseca
 
Radiobiologia seminario
Radiobiologia seminarioRadiobiologia seminario
Radiobiologia seminario
Danielle Climaco
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃORESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Definição de Biossegurança para Radiologia
Definição de Biossegurança para RadiologiaDefinição de Biossegurança para Radiologia
Definição de Biossegurança para Radiologia
Sallus Consultoria e Treinamento em Saúde
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
Radiação
Adila Trubat
 

Mais procurados (20)

Aula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológicaAula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológica
 
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
Aula radioproteção
Aula radioproteçãoAula radioproteção
Aula radioproteção
 
Radiação ionizante e não ionizante
Radiação ionizante e não ionizanteRadiação ionizante e não ionizante
Radiação ionizante e não ionizante
 
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTECONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
 
Aula de introdução à proteção radiológica
Aula de introdução à proteção radiológicaAula de introdução à proteção radiológica
Aula de introdução à proteção radiológica
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
Radiaçao ionizante
Radiaçao ionizanteRadiaçao ionizante
Radiaçao ionizante
 
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNSFILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNS
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
 
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS XRADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução Radiologia
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
 
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
 
Radiobiologia seminario
Radiobiologia seminarioRadiobiologia seminario
Radiobiologia seminario
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃORESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
 
Definição de Biossegurança para Radiologia
Definição de Biossegurança para RadiologiaDefinição de Biossegurança para Radiologia
Definição de Biossegurança para Radiologia
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
Radiação
 

Semelhante a Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes

Proteção Radiologica palestra
Proteção Radiologica palestraProteção Radiologica palestra
Proteção Radiologica palestra
Renata Cristina
 
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptxRADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
nathaliaroncada
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
Welisson Porto
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
Gleicy Almeida
 
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptxRADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
MeryslandeMoreira1
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
"Somos Físicos" Medicina Nuclear
"Somos Físicos" Medicina Nuclear"Somos Físicos" Medicina Nuclear
"Somos Físicos" Medicina Nuclear
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Radioterapia antineoplásica
Radioterapia antineoplásicaRadioterapia antineoplásica
Radioterapia antineoplásica
Eliezer Farias de Mello
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
Tatiana Machado
 
Aplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividadeAplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividade
Ana Clara Raft
 
Radioterapia_2009.pptx
Radioterapia_2009.pptxRadioterapia_2009.pptx
Radioterapia_2009.pptx
RomualdoPereira3
 
Curso radiologia odontológica
Curso radiologia odontológica Curso radiologia odontológica
Curso radiologia odontológica
Alex Moreira
 
Aula radiação ionizante
Aula radiação ionizanteAula radiação ionizante
Aula radiação ionizante
johalison
 
Trabalho radiacao
Trabalho radiacaoTrabalho radiacao
Trabalho radiacao
Wallace Silva
 
UFCD STC7 - Ressonancia Magnética [Guardado automaticamente] (1).pptx
UFCD STC7 - Ressonancia Magnética [Guardado automaticamente] (1).pptxUFCD STC7 - Ressonancia Magnética [Guardado automaticamente] (1).pptx
UFCD STC7 - Ressonancia Magnética [Guardado automaticamente] (1).pptx
Nome Sobrenome
 
aula 99.pptx
aula 99.pptxaula 99.pptx
aula 99.pptx
LuizFavacho
 
Biofisica radioterapia 1
Biofisica radioterapia 1Biofisica radioterapia 1
Biofisica radioterapia 1
Rafael Ramos
 
Biofisicaradioterapia 1-140323085058-phpapp01
Biofisicaradioterapia 1-140323085058-phpapp01Biofisicaradioterapia 1-140323085058-phpapp01
Biofisicaradioterapia 1-140323085058-phpapp01
Elyda Santos
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
marioaraujorosas1
 
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde HumanaEfeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Renato Sabbatini
 

Semelhante a Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes (20)

Proteção Radiologica palestra
Proteção Radiologica palestraProteção Radiologica palestra
Proteção Radiologica palestra
 
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptxRADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptxRADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
Radiação
 
"Somos Físicos" Medicina Nuclear
"Somos Físicos" Medicina Nuclear"Somos Físicos" Medicina Nuclear
"Somos Físicos" Medicina Nuclear
 
Radioterapia antineoplásica
Radioterapia antineoplásicaRadioterapia antineoplásica
Radioterapia antineoplásica
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Aplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividadeAplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividade
 
Radioterapia_2009.pptx
Radioterapia_2009.pptxRadioterapia_2009.pptx
Radioterapia_2009.pptx
 
Curso radiologia odontológica
Curso radiologia odontológica Curso radiologia odontológica
Curso radiologia odontológica
 
Aula radiação ionizante
Aula radiação ionizanteAula radiação ionizante
Aula radiação ionizante
 
Trabalho radiacao
Trabalho radiacaoTrabalho radiacao
Trabalho radiacao
 
UFCD STC7 - Ressonancia Magnética [Guardado automaticamente] (1).pptx
UFCD STC7 - Ressonancia Magnética [Guardado automaticamente] (1).pptxUFCD STC7 - Ressonancia Magnética [Guardado automaticamente] (1).pptx
UFCD STC7 - Ressonancia Magnética [Guardado automaticamente] (1).pptx
 
aula 99.pptx
aula 99.pptxaula 99.pptx
aula 99.pptx
 
Biofisica radioterapia 1
Biofisica radioterapia 1Biofisica radioterapia 1
Biofisica radioterapia 1
 
Biofisicaradioterapia 1-140323085058-phpapp01
Biofisicaradioterapia 1-140323085058-phpapp01Biofisicaradioterapia 1-140323085058-phpapp01
Biofisicaradioterapia 1-140323085058-phpapp01
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
 
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde HumanaEfeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
 

Mais de Fabiano Ladislau

Estudo Multiparamétrico da Hiperplasia e Câncer de Próstata - CONGRESSO NACIO...
Estudo Multiparamétrico da Hiperplasia e Câncer de Próstata - CONGRESSO NACIO...Estudo Multiparamétrico da Hiperplasia e Câncer de Próstata - CONGRESSO NACIO...
Estudo Multiparamétrico da Hiperplasia e Câncer de Próstata - CONGRESSO NACIO...
Fabiano Ladislau
 
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.
Fabiano Ladislau
 
RM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVC  RM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVC
Fabiano Ladislau
 
RM da Coluna Vertebral
RM da Coluna VertebralRM da Coluna Vertebral
RM da Coluna Vertebral
Fabiano Ladislau
 
Fatores Técnicos no Estudo da Endometriose por RM
Fatores Técnicos no Estudo da Endometriose por RMFatores Técnicos no Estudo da Endometriose por RM
Fatores Técnicos no Estudo da Endometriose por RM
Fabiano Ladislau
 
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
Fabiano Ladislau
 
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
Fabiano Ladislau
 
Direitos e Deveres do Estagiário
Direitos e Deveres do Estagiário Direitos e Deveres do Estagiário
Direitos e Deveres do Estagiário
Fabiano Ladislau
 
RM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVCRM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVC
Fabiano Ladislau
 
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Fabiano Ladislau
 
Revista do CRTR/RJ de agosto de 2013.
Revista do CRTR/RJ de agosto de 2013.Revista do CRTR/RJ de agosto de 2013.
Revista do CRTR/RJ de agosto de 2013.
Fabiano Ladislau
 
Estudo radiológico do trauma no SNC
Estudo radiológico do trauma no SNCEstudo radiológico do trauma no SNC
Estudo radiológico do trauma no SNC
Fabiano Ladislau
 
Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM
Fabiano Ladislau
 
Segurança em RM
Segurança em RMSegurança em RM
Segurança em RM
Fabiano Ladislau
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
Fabiano Ladislau
 
Técnicas Avançadas em Neuro RM
Técnicas Avançadas em Neuro RMTécnicas Avançadas em Neuro RM
Técnicas Avançadas em Neuro RM
Fabiano Ladislau
 

Mais de Fabiano Ladislau (16)

Estudo Multiparamétrico da Hiperplasia e Câncer de Próstata - CONGRESSO NACIO...
Estudo Multiparamétrico da Hiperplasia e Câncer de Próstata - CONGRESSO NACIO...Estudo Multiparamétrico da Hiperplasia e Câncer de Próstata - CONGRESSO NACIO...
Estudo Multiparamétrico da Hiperplasia e Câncer de Próstata - CONGRESSO NACIO...
 
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.
 
RM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVC  RM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVC
 
RM da Coluna Vertebral
RM da Coluna VertebralRM da Coluna Vertebral
RM da Coluna Vertebral
 
Fatores Técnicos no Estudo da Endometriose por RM
Fatores Técnicos no Estudo da Endometriose por RMFatores Técnicos no Estudo da Endometriose por RM
Fatores Técnicos no Estudo da Endometriose por RM
 
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
 
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
 
Direitos e Deveres do Estagiário
Direitos e Deveres do Estagiário Direitos e Deveres do Estagiário
Direitos e Deveres do Estagiário
 
RM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVCRM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVC
 
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
 
Revista do CRTR/RJ de agosto de 2013.
Revista do CRTR/RJ de agosto de 2013.Revista do CRTR/RJ de agosto de 2013.
Revista do CRTR/RJ de agosto de 2013.
 
Estudo radiológico do trauma no SNC
Estudo radiológico do trauma no SNCEstudo radiológico do trauma no SNC
Estudo radiológico do trauma no SNC
 
Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM
 
Segurança em RM
Segurança em RMSegurança em RM
Segurança em RM
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
 
Técnicas Avançadas em Neuro RM
Técnicas Avançadas em Neuro RMTécnicas Avançadas em Neuro RM
Técnicas Avançadas em Neuro RM
 

Último

Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 

Último (7)

Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 

Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes

  • 1.
  • 2. ROTEIRO  Tipos de radiações ionizantes;  Interação das radiações com a matéria;  Limites e doses;  Efeito biológicos;  Tipos de lesões e doenças;  Acidentes nucleares.
  • 3. INTRODUÇÃO    Logo após a descoberta do raios X (1895), da radioatividade (1898), dentre outros, as fontes de radiação passaram a ser amplamente utilizadas na medicina; Posteriormente, formam constatados efeitos biológicos danosos da radiação; As exposições prolongadas deveriam ser evitadas e que medidas de prevenção deveriam ser tomadas.
  • 4.
  • 5. RADIAÇÕES?  ELETROMAGNÉTICAS: Não possuem massa e se propagam com a velocidade de 300.000km/s, para qualquer valor de sua energia. Ex: luz, microondas, raios X e radiação gama.  PARTÍCULAS: Apresentam massa, carga elétrica e magnética. Ex: radiação alfa, radiação beta.
  • 7.
  • 8. IONIZAÇÃO DO ÁTOMO O átomo recebe energia suficiente para arrancar o elétron do seu orbital.
  • 10. TIPOS DE RADIAÇÕES IONIZANTES  Raios X;  Raios gama;  Partículas Alfa;  Partículas Beta.
  • 11. RAIOS X vs RAIOS γ  RX  Raios γ
  • 12. FONTES DE RADIAÇÕES IONIZANTES NO AMBIENTE HOSPITALAR  Raios • • • • X: Radiodiagnóstico; Enfermarias, C.Cirúrgico e UTI’s; Radioterapia; Hemodinâmica.  Raios γ: • Medicina Nuclear; • Radioterapia.
  • 14. NORMAS E DIRETRIZES – NE-3.01 (junho/1988);  CNEN – NE-3.02 (agosto/1988);  CNEN • IAEA: Agência Internacional de Energia Atômica; • ICRP: Comissão Internacional de Proteção Radiológica; • ICRU: Comissão Internacional de Unidades (Medidas)  CENEN – NN-3.01 (janeiro/2005). Radiológicas.
  • 15. EFEITOS BIOLÓGICOS PODEM SER: • Morte da célula (necrose); • Mau funcionamento da célula, que é restrito à célula em questão, ou seja, não é passado às linhagens seguintes (efeitos somáticos); • Alteração permanente da célula, que é passada às linhagens seguintes (efeitos genéticos).
  • 16. EFEITOS BIOLÓGICOS  DOSE ABSORVIDA: • Estocásticos ou determinísticos.  TEMPO DE MANIFESTAÇÃO: • Imediatos e tardios.  NÍVEL DO DANO: • Somáticos e genéticos.
  • 17. EFEITOS BIOLÓGICOS  DETERMINÍSTICOS: • Aparecem quando a dose atinge ou ultrapassa um limiar de dose; • Aumenta cuja gravidade aumenta com o aumento da dose; • Ex.: Anemias (leucemia), cataratas, radiodermites, esterilidade, , etc
  • 18.
  • 20.
  • 21. EFEITOS BIOLÓGICOS  ESTOCÁSTICOS O grau de severidade do efeito independe da dose recebida. São efeitos tardios que aparecem apenas após um período de latência. O qual pode variar de alguns anos a algumas décadas. Ex.: Carcinogênese
  • 22. EFEITOS BIOLÓGICOS  IMEDIATOS: Ocorrem em um período de horas até semanas após a irradiação. Ex.: Eritema, queda de cabelos, necrose de tecido, esterilidade temporária ou permanente, alterações no tecido sangüíneo.
  • 23. EFEITOS BIOLÓGICOS  TARDIOS: Efeitos ocorrem vários meses ou anos após a exposição à radiação: Ex.: Catarata, câncer, anemia aplástica, etc
  • 24. EFEITOS BIOLÓGICOS  SOMÁTICO - Não são transmitidos a linhagem seguinte.  GENÉTICOS - São transmitidos aos descendentes dos indivíduos irradiados. Esses efeitos podem surgir quando os órgãos reprodutores são expostos a radiação.
  • 25. EFEITOS BIOLÓGICOS  TERATOGÊNICOS Podem ocorrer a partir da exposição de embriões ou fetos à radiação.
  • 26. SÍNDORME AGUDA DAS RADIAÇÕES (SAR) É conjunto de sintomas e sinais clínicos conseqüente a uma irradiação do corpo total, desenvolvida por um curto período de tempo (segundos a minutos).  Caracterizada por distúrbios funcionais e orgânicos, com reflexos em praticamente todos os sistemas do corpo.
  • 27.
  • 28. SÍNDORME AGUDA DAS RADIAÇÕES (SAR)  SÍNDROME PRODRÔMICA;  Náuseas, vômitos, anorexia, diarréia, mal-estar generalizado.
  • 29. SÍNDORME AGUDA DAS RADIAÇÕES (SAR)  SÍNDROME HEMATOPOIÉTICA;  Leucopenia, trombocitopenia e anemia.
  • 30. SÍNDORME AGUDA DAS RADIAÇÕES (SAR)  SÍNDROME  Náuseas GASTROINTESTINAL; persistentes, diarréia sanguinolenta. vômitos e
  • 31. SÍNDORME AGUDA DAS RADIAÇÕES (SAR)  SÍNDROME  Náuseas GASTROINTESTINAL; persistentes, diarréia sanguinolenta. vômitos e
  • 32. SÍNDORME AGUDA DAS RADIAÇÕES (SAR)  SÍNDROME SISTEMA NERVOSO CENTRAL;  Distúrbios neurológicos, intensos, com estupor, coma e convulsões. MORTE EM POUCAS HORAS.
  • 33. PROTEÇÃO RADIOLÓGICA  Proteger o Homem contra dos detrimentos das Radiações Ionizantes;  Permitir à sociedade dos benefícios de usufruir das Radiações Ionizantes;  Estimar com suficiente exatidão o relacionamento: Dose X Efeitos nocivos
  • 34. PRINCÍPIOS BÁSICOS:  JUSTIFICAÇÃO  OTIMIZAÇÃO  LIMITAÇÃO DA PRÁTICA; DA DOSE; DE DOSES INDIVIDUAIS;  PREVENÇÃO DE ACIDENTES.
  • 35. JUSTIFICAÇÃO DA PRÁTICA •  Nenhuma prática ou fonte adscrita a Todo fumante deve realizar uma radiografia de tórax por ano; deve ser autorizada a uma prática • Uma paciente produza sofreu um acidente de menos que grávida suficiente benefício carro e está com suspeita de TCE, deverá a para o indivíduo exposto ou para fazer sociedade, de modo a compensar o uma TC com urgência. ser causado. detrimento que possa
  • 36. OTIMIZAÇÃO DA DOSE  Estabelece que as instalações e as práticas devem ser planejadas, implantadas e executadas de modo que a magnitude das doses individuais, o número de pessoas expostas e a probabilidade de exposições acidentais sejam tão baixos quanto razoavelmente exeqüíveis (ALARA).
  • 37. LIMITAÇÃO DE DOSES INDIVIDUAIS  Os limites de doses individuais são valores de dose efetiva ou de dose equivalente, estabelecidos para exposição ocupacional e exposição do público decorrentes de práticas controladas, cujas magnitudes não devem ser excedidas.
  • 39. ACIDENTES NUCLEARES  ACIDENTE • • NUCLEAR DE CHERNOBYL (1986); Abril de 1986 ocorre o maior acidente da história (até agora), quando explode um dos quatro reatores da usina nuclear soviética de Chernobyl. Após uma manobra equivocada um dos quatro reatores superaqueceu causando a explosão.
  • 40.
  • 41.
  • 42. ACIDENTES NUCLEARES  ACIDENTE NUCLEAR CHERNOBYL (1986); • • • DE Chernobyl liberou para a atmosfera 400 vezes mais material radioativo que a bomba de Hiroshima. 22 mil morreram em conseqüência do acidente; Mais 100 mil sofreram danos permanentes. Somente na Ucrânia;
  • 43. ACIDENTES NUCLEARES  ACIDENTE NUCLEAR CHERNOBYL (1986); • DE 31 pessoas morreram imediatamente após a explosão;
  • 44. ACIDENTES NUCLEARES  ACIDENTE NUCLEAR CHERNOBYL (1986); • • DE 3 milhões necessitam da ajuda do Estado em decorrência do acidente e; Em algumas regiões da Bielo-Rússia, os casos de câncer de tireóide multiplicaram-se por 50. (Reuters, Ansa e DPA)
  • 45.
  • 46.
  • 47. ACIDENTES NUCLEARES nuclear de Goiânia – Césio137 (1987). Setembro de 1987, cápsula de césio abandonada no Instituto Goiano de Radioterapia foi recolhida por dois catadores; Rompida a marretada e vendida a um ferro-velho;  Acidente • •
  • 48. ACIDENTES NUCLEARES nuclear de Goiânia – Césio137 (1987). A descontaminação produziu cerca de 10 ton de lixo contaminado (roupas, móveis, animais, árvores, restos de solo, etc); Enterrados e protegidos por paredes de 40cm de espessura.  Acidente • •
  • 49.
  • 50. ACIDENTES NUCLEARES  Acidente nuclear Césio137 (1987). de Goiânia “O maior acidente radiológico do mundo.” –
  • 51. "Boa tarde, meus camaradas. Todos vocês sabem que houve um inacreditável erro – o acidente na usina nuclear de Chernobyl. Ele afetou duramente o povo soviético, e chocou a comunidade internacional. Pela primeira vez, nós confrontamos a força real da energia nuclear, fora de controle." Mikhail Gorbachev.
  • 52. PERGUNTAS E RESPOSTAS: O uso de radiação ionizante em medicina é benéfica à saúde humana? Sim  Existem riscos do uso da radiação ionizante na medicina? Sim
  • 53. PERGUNTAS E RESPOSTAS: O que pode ser feito para reduzir os riscos da radiação nos procedimentos diagnósticos? A principal ferramenta é a proteção radiológica do paciente. Equipamentos modernos e treinamento de pessoal, permite a exposição do paciente à níveis aceitáveis, assegurando uma alta taxa benefício/risco.
  • 54. PERGUNTAS E RESPOSTAS:  Existem situações em que as investigações radiológicas diagnósticas deveriam ser evitadas? Sim Exposição deliberada de seres humanos com o objetivo único de demonstração, treinamento ou outros fins que contrariem o princípio da justificação.
  • 55. PERGUNTAS E RESPOSTAS:  Existem situações em que as investigações radiológicas diagnósticas deveriam ser evitadas? Sim Exames radiológicos para fins empregatícios ou periciais, exceto quando as informações a serem obtidas possam ser úteis à saúde do indivíduo;
  • 56. PERGUNTAS E RESPOSTAS:  Existem situações em que as investigações radiológicas diagnósticas deveriam ser evitadas? Sim Exames de rotina de tórax para fins de internação hospitalar, exceto quando houver justificativa no contexto, considerado-o os métodos alternativos.
  • 57. ASPECTOS PRÁTICOS A SEREM LEMBRADOS As Radiações ionizantes assim como outras formas de energia, produzem benefícios e malefícios. Cabe aos profissionais envolvidos minimizar os malefícios e intensificar os benefícios, assim a qualidade dos procedimentos será amplamente observada.
  • 58.
  • 59. SITES  www.cenen.gov.br;  www.ird.gov.br;  www.conter.gov.br;  www.crtrrj.gov.br;  http://www.nuclear.radiologia.nom.br
  • 60. Referências bibliográficas  BISPO, Josemilson - Cuidados e Riscos na Exposição à Radiação Ionizante - (Físico Médico);  CANEVARO, Lúcia - Curso Básico de Proteção Radiológica Em Radiodiagnóstico (IRD);  Scaff, Luiz A. M. Bases Físicas da Radiologia, Sarvier ;  BIASOLI Jr, Antônio - TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS, Rubio