Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante

18.885 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
1 comentário
24 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
18.885
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
680
Comentários
1
Gostaram
24
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante

  1. 1. Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante
  2. 2. Radiações Ionizantes • É uma radiação que possui energia suficiente para ionizar átomos e moléculas
  3. 3. Ionização É o processo em que se altera massa e/ou a carga de uma molécula
  4. 4. Danos Celulares • Se essas moléculas alteradas compõem uma célula, esta pode sofrer as consequências de suas alterações • Dos danos celulares, os mais importantes são relacionados à molécula do DNA
  5. 5. A Radiação Provoca Ionização dos:
  6. 6. Efeitos Biológicos • Varia de dezenas de minutos até dezenas de anos • É uma resposta natural de um organismo, ou parte da pele, a um agente agressor ou modificador • Se a quantidade de efeitos for pequena, o organismo pode recuperar, sem que a pessoa perceba
  7. 7. Classificação dos Efeitos Biológicos • Em função da dose e forma de resposta: - Estocásticos e Determinísticos • Em termos do tempo de manifestação: - Imediatos e Tardios • Em função do nível de dano: - Somáticos e Genéticos (hereditários)
  8. 8. Efeitos Imediatos • Ocorrem num período de poucas horas até algumas semanas após a exposição Exemplo: Radiodermite
  9. 9. Efeitos Tardios • Aparecem depois de anos ou mesmo décadas Exemplo: Câncer
  10. 10. Efeitos Somáticos • Surgem do dano nas células do corpo • O efeito aparece na própria pessoa irradiada • Depende da dose absorvida, da taxa de absorção, da região e da área do corpo irradiada
  11. 11. Efeitos Genéticos ou Hereditários • São efeitos que surgem no descendente da pessoa irradiada • É o resultado de um dano produzido pela radiação em células dos órgãos reprodutores • Tem caráter cumulativo • Independe da taxa de absorção da dose
  12. 12. Efeitos Estocásticos • A probabilidade de ocorrência é proporcional a dose recebida • Não existe um limiar de dose • Sua probabilidade de ocorrência é maior para doses de radiação maiores • A severidade é independente da dose • Nenhuma dose é considerada segura
  13. 13. Efeitos Determinísticos • Causados por irradiação total ou localizada de um determinado tecido • Existe um limiar de dose • A severidade do dano aumenta com a dose aplicada • A probabilidade é nula para valores abaixo do limiar e 100% para valores acima
  14. 14. Exposição local • As lesões mais severas em altas doses são: • Lesões na pele Sintomas Doses (Gy) Eritema (vermelhidão) precoce 3- 10 Epiderme Seca 10- 15 Queda nos pelos e cabelos Radiodermite Necrose 15-25
  15. 15. • Lesões nas Gônadas (homem) Sintomas Doses (Gy) Esterilidade temporária 0,3 Esterilidade definitiva 5 • Lesões nos olhos Sintomas Doses (Gy) Ocorre acima 2
  16. 16. Exposição de corpo Inteiro • Síndrome Aguda da Radiação
  17. 17. Síndrome Aguda da Radiação • Conjunto de sintomas que aparecem em vítimas de acidentes envolvendo doses elevadas de radiação • Acidentes com fontes radioativas de alta atividade e ou • Contaminação Interna por radionuclídeos
  18. 18. A sensibilidade de cada órgão depende de fatores como: • O volume do órgão irradiado • O tempo da exposição • Taxa de dose
  19. 19. Sintomas e sinais em ordem crescente
  20. 20. Classificação • Síndrome Prodrômica • Síndrome Hematopoiética • Síndrome Gastrointestinal • Síndrome Neurovascular
  21. 21. Visão Geral Dose (Gray) Síndrome <1 Prodrômica 1-5 Hematopoiética 6-10 Gastrointestinal > 10 Cerebrovascular/ Sistema Nervoso Central
  22. 22. Síndrome Prodrômica - Sintomas: • • • • • • Fadiga Anorexia Vômito Diarréia Perda de líquido Febre
  23. 23. Dose menor de 2 Gray • Observação e hemograma completo frenquentemente com análise detalhada • Tratamento ambulatorial é o apropriado
  24. 24. Síndrome Hematopoiética • Hematopoiese- mecanismo de proliferação que leva a produção das células sanguíneas maduras e funcionais • Alterações no sistema sanguíneo
  25. 25. Caracteriza-se por: • • • • • Deficiência de glóbulos brancos, linfócitos e plaquetas Aumento de complicações infecciosas Hemorragias Anemia Cicatrização prejudicadas • O pico de incidências de mortes humanas a partir desse dano ocorrem em cerca de 30 dias após a exposição, porém as mortes continuam por até 60 dias
  26. 26. Doses acima de 2 Gray • Alterações no hemograma • Depressão da medula óssea
  27. 27. Síndrome Gastrointestinal • Caracterizada por lesões nas células intestinais • Bactérias ganham livre acesso ao corpo • Perda de capacidade de absorção intestinal
  28. 28. Fase Sintoma Tempo de Início Prodrômica Náusea, vômito e diarréia Imediato – horas Sub- aguda Vômito e diarréia Horas – dias Aguda Diarréia e septicemia Dias – semanas Crônica Fibrose, sangramento e fístula Meses – anos • O pico de incidências de mortes humanas a partir desse dano ocorrem em cerca de 30 dias após a exposição, porém as mortes continuam por até 60 dias
  29. 29. Doses acima de 10 Gray • A Síndrome Gastrointestinal se distingue da Síndrome Hematopoiética pelo início imediato e rápido de náuseas e vômitos
  30. 30. Síndrome Neurovascular • • • • Efeitos nos Neurônios Efeitos em células Gliais Efeitos nas Substâncias branca e cinzenta Obstrução de vasos • Distúrbios Neurológicos intensos como: - Coma e Convulsões - Vômitos e diarréia com sangue - Morte em poucas horas
  31. 31. Doses acima de 30 Gray • Dose extremamente alta para o corpo inteiro • Dose sempre fatal
  32. 32. Acidente em Goiânia Césio 137 Queimadura produzida pela exposição à radiação. Vítima após amputação de membro superior.
  33. 33. Acidente em Goiânia Césio 137 Detalhe de Radiodermite. Perda de cabelo.
  34. 34. Acidente em Goiânia Césio 137 Radiodermite localizada
  35. 35. Acidente em Goiânia Césio 137 Enterro das Vítimas
  36. 36. Estatísticas
  37. 37. Acidente em Goiânia • O número de afetados ainda é um ponto de interrogação em todo esse episódio. Associação de vítimas do Césio
  38. 38. Trabalhadores sem vestimenta apropriada lidando com rejeitos radioativos
  39. 39. Trabalhadores lanchando em cima do lixo radioativo
  40. 40. Pose para foto!
  41. 41. Pessoas comuns assistindo a limpeza radioativa da cidade
  42. 42. Nenhuma destas pessoas são contabilizadas com vítimas do Acidente Radioativo de Goiânia!
  43. 43. Vanessa Farias Corrêa Estagiária em Tomografia Computadorizada no Hospital Norte D’or Técnico em Radiologia Tecnólogo em Radiologia Pós Graduação em Proteção Radiológica CRTR- 17771
  44. 44. Bibliografia • www.cnen.gov.br • Tauhata, Radioproteção e Dosimetria-Fundamentos • Relatório do Grupo de Fiscalização e Segurança Nuclear (Brasília- 2006)

×