SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
1
RadiologiaConvencional
CÂMARA ESCURA
2
3
A CÂMARA ESCURA OU DE
REVELAÇÃO
 
 
A CÂMARA ESCURA É O ÚLTIMO LUGAR
POR ONDE OS FILMES PASSAM,
DEVEMOS MANTER UM RÍGIDO
CONTROLE DE QUALIDADE,ISTO É,
DESDE O CONTROLE DE PREPARO DOS
QUÍMICOS,LIMPEZA DAS COLGADURAS
NO PROCESSO MANUAL OU DE TODO O
MECANISMO DO PROCESSO
MECÂNICO.
A CÂMARA ESCURA COMO O PRÓPRIO
NOME DIZ,TRABALHAMOS SEM LUZ
BRANCA E TEM COMO FINALIDADE
REVELAR OS FILMES EXPOSTOS.
4
 
UTENSÍLIOS DENTRO DA
CÂMARA ESCURA
TERMÔMETRO:
O TERMÔMETRO DENTRO DA
CÂMARA ESCURA,TEM POR
FINALIDADE DE CONTROLAR A
TEMPERATURA DENTRO DA
SALA,POIS OS FILMES DE RAIOS-
X NÃO PODEM FICAR EM
TEPERATURA SUPERIOR A 24°C
E INFERIOR A 10°C, CASO ESTAS
ECOMENDAÇÕES DO
FABRICANTE NÃO SEJAM
RESPEITADAS,AEMULSÃO DO
FILMEPODERÁ SER
COMPROMETIDA,ALTERANDO A
QUALIDADE.
 
 
 
Relógio para câmara escura 60 minutos
com alarme e termômetro flutuante
revestido em plástico, para utilização no
tanque de revelação.
5
HIDROSCÓPIO: MEDE A UMIDADE
RELATIVA DO AR DA CÂMARA
ESCURA, IDEAL DE
ÚMIDADE DA SALA DE 60%.
AS GAVETAS DE FILMES
VIRGENS:
A SUA FUNÇÃO É GUARDAR E
FACILITAR A MANIPULAÇÃO DOS
FILMES VIRGENS NAS TROCAS
POR
UM FILME JÁ EXPOSTO A LUZ DO
ÉCRAN.
OS FILMES DEVEM FICAR EM
VERTICAL E EM ORDEM
CRESCENTE DENTRO DAGAVETA.
EM ALGUNS HOSPITAIS OS
MESMOS PERMANECEM NA
PRÓPRIA CAIXA.
 
6
A IDENTIFICAÇÃO MANUAL: NA
MAIORIA DAS CÂMARAS ESCURAS,
EXISTE UMA IDENTIFICADORA
MANUAL,QUE CONSISTE EM UM
RETÂNGULO DE ALUMÍNIO,COM
DIMENSÕES DE 15 CM DE
LARGURA, 5CM DE ALTURA E 22CM
DE COMPRIMENTO E,POSSUI AINDA
NO SEU CANTO SUPERIOR
ESQUERDO UMA ABERTURA
RETANGULAR,COBERTA POR
ACRÍLICO,ONDE O PAPEL COM
DADOS DO PACIENTE SERÁ
COLOCADO,E EM SEGUIDA AO
BAIXAR A TAMPA,UMA LUZ IRÁ
ACENDER TRANSPASSANDO O
PAPEL E ATINGINDO O FILME COM
OS DADOS DO PACIENTE.
O TEMPO EM QUE ESTA LUZ IRÁ
FICAR ACESA É ALGO EM TORNO
DE MILÉSIMOS DE SEGUNDOS.
7
EXAUSTOR: DE ACORDO COM AS
NORMAS DE PROTEÇÃO
RADIOLOGICA,TODA CÂMARA
ESCURA DEVERÁ TER
EXAUSTORES OU
VENTILADORES,PARA DISSIPAR
OS GASES QUE SÃO LIBERADOS
PELOS PRODUTOS QUÍMICOS,COM
ISTO EVITANDO UM ACÚMULO DE
GASES DENTRO DA CÂMARA
ESCURA.EM HOSPITAIS QUE
POSSUEM DEFICIENTES
VISUAISDE TRABALHO NA CÂMARA
ESCURA,OS MESMOS PASSAM
GRANDE PARTE DE SEUS
PERÍODOS DENTRO DAS
CÂMARAS ESCURAS, E SE FOR
GRANDE O FLUXO DE PACIENTES,
A PORTA PERMANECE
FECHADA,SENDO NECESSÁRIO
RECICLAR O AR.
 
8
O BOX: RECEBE OS CHASSIS COM
FILMES EXPOSTOS E VIRGENS.TEM
POR FINALIDADE DE SERVIR COMO
UMA PONTE ENTRE O TÉCNICO E A
CÂMARA ESCURA,SEM QUE HAJA
NECESSIDADE
E DE ABRI SEMPRE A PORTA PARA
O TÉCNICO ENTRAR.COM DUAS
TRAVAS DE SEGURANÇA,A PORTA
DO BOX SOMENTE ABRIRÁ QUANDO
UM DOS LADOS JÁ ESTIVER
TRAVADO,EVITANDO
ACIDENTALMENTE VELAMENTO DOS
FILMES VIRGENS.
 
Construído em aço inoxidável ou aço
tratado e pintado, com revestimento de
espuma em sua área interna. Sistema
de abertura seguro permitindo abertura
de apenas uma das portas, fabricado em
dois modelos: duas ou quatro portas.
O BOX POSSUI DUAS PORTAS,UMA
SAINDO DENTRO DA CÂMARA ESCURA E
A OUTRA NA CÂMARA CLARA E
POSSUEM TRAVAS PARA IMPEDIR A
ABERTURA DAS PORTAS E EXPOR OS
FILMES ACIDENTALMENTE.
 
9
DIVISÃO DA CÂMARA
ESCURA
 
A CÂMARA ESCURA DIVIDE-SE
PRINCIPALMENTE EM DUAS
PARTES:
1-PARTE SECA: ONDE FICA AS
COLGADURAS,FILMES,
E CHASSIS E DEMAIS
UTENSÍLIOS.
 
10
DIVISÃO DA CÂMARA
ESCURA
2-PARTE ÚMIDA: OS
TANQUES
RESERVATÓRIOS DE
QUÍMICOS,
PROCESSADORA,
TORNEIRA,
FILTRO DE ÁGUA.
11
ILUMINAÇÃO DA CÂMARA
ESCURA
 
 
 
NO TETO DA CÂMARA
ESCURA SERÁ COLOCADA
UMA LÂMPADA BRANCA DE
15WATTS,COM UM FILTRO
DE LUZ DA COR AMBAR, OS
NÚMEROS DAS LÂMPADAS
VARIAM COM O TAMANHO D
A CÂMARA ESCURA, A
DISTÂNCIA DA LÂMPADA
NÃO DEVE SER INFERIOR A
1,5 M ,POIS OS FILMES
EXPOSTOS OU VIRGENS NÃO
PODEM FICAR EXPOSTOS
AOS RAIOS DESTAS
LÂMPADAS POR MAIS DE 60
SEGUNDOS,POIS DEPOIS
DESTE TEMPO SOFREM
VELAMENTO PROGRESSIVO.
 
12
Fabricado em quatro modelos diferentes: redonda ou quadrada
ajustável, em aço pintado, 8”x10” ou dupla, em aço tratado e
pintado ou em aço inoxidável.
Alimentação 110V ou 220V
13
METRAGEM DA CÂMARA ESCURA
 
OBEDECENDO A PORTARIA
MS-VIGILÂNCIA SANITÁRIA 453,
DE 1 DE JUNHO DE 1998,
A METRAGEM DAS CÂMARAS
ESCURAS NÃO DEVERAM SER
INFERIOR A 6 M 2.
 
14
COR DA CÂMARA ESCURA
AS PAREDES DAS CÂMARAS ESCURAS,DEVERAM SER DE CORES QUE
FACILITEM A SUA LIMPEZA PERIODICAMENTE,EVITANDO RESÍDUOS DE
QUÍMICOS IMPREGUINADOS,E DE PREFERÊNCIA DE AZULEJOS CINZAS.
 
 
 
A LIMPEZA DA CÂMARA ESCURA
  
DEVERÁ SER FEITA DIARIAMENTE,NÃO DEIXANDO ACUMULAR PÓ
E SUJEIRAS DENTRO DA CÂMARA ESCURA OU MESMO
TRANSFORMÁ-LA EM LOCAL DE REFEIÇÕES, A FALTA DE
HIGIÊNE, COMO SUJEIRAS, PÓ PODEM DANIFICAR ÉCRANS E
COMPROMETER OS EXAMES. 
15
VERIFICAR VAZAMENTO DE LUZ EXTERNA NA
CÂMARA ESCURA:
A CÂMARA ESCURA DEVERÁ SER BEM VEDADA (FRESTAS DE
PORTAS E FECHADURAS) PARA PODER IMPEDIR ENTRADA DE LUZ
EXTERNA E POR VENTURA VELAR OS FILMES VIRGENS.
TESTE: CONSISTE EM DEIXAR UM FILME VIRGEM SOBRE A
BANCADA, POR VOLTA DE 5 MINUTOS, DECORRIDO ESTE TEMPO O
FILME DEVERÁ SER REVELADO E EXAMINADO.
16
CÂMARA CLARA
COMO O PRÓPRIO NOME DIZ É O
LOCAL QUE É EXPOSTO A TODO TIPO
DE LUZ, ESTÁ AO LADO DA CÂMARA
ESCURA E É AONDE OS TÉCNICOS
FICAM Á ESPERA DAS RADIOGRAFIAS
REVELADAS E ECONTRAMOS OS
ACESSÓRIOS ABAIXO: 
NEGATOSCÓPIO: OS
NEGASTOSCÓPIOS EXISTEM EM
VÁRIOS TAMANHOS E TIPOS,SENDO
QUE OS TAMANHOS VARIAM PARA
ACOMODAR DE 4 A 12 FILMES, OS
MESMOS POSSUEM LÂMPADAS
FLUORESCENTES,DENTRO DE UM
RETÂNGULO DE ALUMÍNIO COM UMA
FRENTE DE ACRÍLICO LEITOSO.
OS NEGATOSCÓPIOS PARA
MAMOGRAFIA SÃO ESPECIAIS , AS
LÂMPADAS E OS ACRÍLICOS SÃO MAIS
CLAROS DO QUE OS DOS RAIOS-X
CONVENCIONAIS.
 
                          
17
NEGATOSCÓPIO: OS
NEGASTOSCÓPIOS EXISTEM EM
VÁRIOS TAMANHOS E
TIPOS,SENDO QUE OS
TAMANHOS VARIAM PARA
ACOMODAR DE 4 A 12 FILMES,
OS MESMOS POSSUEM
LÂMPADAS
FLUORESCENTES,DENTRO DE
UM RETÂNGULO DE ALUMÍNIO
COM UMA FRENTE DE ACRÍLICO
LEITOSO.
OS NEGATOSCÓPIOS PARA
MAMOGRAFIA SÃO ESPECIAIS ,
AS LÂMPADAS E OS ACRÍLICOS
SÃO MAIS CLAROS DO QUE OS
DOS RAIOS-X CONVENCIONAIS.
 
18
ACESSÓRIOS RADIOLÓGICOS
Fabricado com base em acrílico,
contendo 5 (cinco) letras de
cada, acompanha um trilho em
acrílico de 10cm para composição
da palavra. Fornecido nos
tamanhos: 05, 07 e 10mm de
altura ou especial, de acordo com
as especificações do cliente.
Fabricado em chumbo laminado,
com acabamento em aço inoxidável,
encaixe perfeito no chassi. O divisor
radiográfico possibilita melhor
aproveitamento do filme, tanto no
sentido longitudinal (L) como no
sentido transversal (T).
19
ACESSÓRIOS RADIOLÓGICOS
Cilindro de extensão para seios da
face, fabricado em aço cromado e
base em aço inoxidável revestido
com chumbo, adaptável à
qualquer equipamento de Raio-X.
Cilindro para mastóide,
fabricado em aço inoxidável,
com base em aço inox revestido
com chumbo, adaptável à
qualquer equipamento de
Raio-X.
20
Fabricado em aço tratado e pintado, deslizamento longitudinal
com perfeito encaixe do chassi. Fornecido em dois modelos:
fixo na parede através de parafusos ou móvel com base de
sustenção.
Suporte para Teleradiografia
21
ACESSÓRIOS RADIOLÓGICOS
Faixa de Paciente e
Compressor Urográfico
Faixa de compressão para
urografia de mesa, estrutura
adaptável a qualquer mesa de
exames. Faixa em lona crua
maleável, estrutura com
acabamento em alumínio.
22
Pinças de quatro garras
para uretrocistografia
masculina, fabricada em aço
inoxidável. Acompanha
caixa de esterilização.
Pinça de 4 garras
CAMPLE DE BRODNEY
23
Fabricada em acrílico
resistente, em três
tamanhos diferentes,
preenchida com
chumbo espessura
1,5mm. Acompanha
capa protetora.
Régua de Escanometria
24
Dísticos Radiográficos
Dísticos fabricado com
base em acrílico com 05
mm de altura, para
mamografia, padrão ou
especial conforme
necessidade do
consumidor.
25
Fabricado em alumínio e cantos
em nylon de alto impacto. Com
exclusivo sistema de
fechamento com travas tipo
push, janela de identificação
compatível com vários modelos
de câmaras de identificação.
Área interna revestida em
espuma mantendo o perfeito
contato entre o filme e écran
proporcionado nitidez e
qualidade de imagem.
Chassi Radiográfico com janela
26
ESPESSÔMETRO:
CONSISTE EM UMA
RÉGUA ESCALONADA
EM FORMA DE L, ONDE
A BASE INFERIOR
DEVERÁ PERMANECER
ENCOSTADA SOBRE A
REGIÃO EM
ESTUDO,LOGO EM
SEGUIDA IMA OUTRA
BASE IRÁ DESLIZAR
ATÉ A EXTREMIDADE
SUPERIOR DA ÁREA
ESTUDADA,DANDO A
ESPESSURA DA REGIÃO
EM CM,MUNIDO DESTES
DADOS O TÉCNICO
PODERÁ CALCULAR O
KV E Mas PARA
REALIZAR O EXAME
RADIOLOGICO.
Fabricado em alumínio polido ou aço
inoxidável, permite nítida observação
de medidas até 16 polegadas ou
40cm.
27
O GONIÔMETRO:
RÉGUA
SEMICIRCULAR,COM
UMA ESCALA DE 180°
GRAUS COM UM
MARCADOR
DESLIZANTE EM SEU
CENTRO, E UMA BASE
PARA APOIAR NA
MESA OU ESTATIVA.
A SUA FUNÇÃO É
MEDIR ESTRUTURAS
ANATOMICAS EM
ÂNGULOS.
 
Fabricado em alumínio com dupla
angulação, escala 0º a 180º e 180º a
360º e haste alongada com 30 cm.
28
IDENTIFICADORA AUTOMÁTICA:
TODOS OS EXAMES DEVERÃO SER
IDENTIFICADOS CORRETAMENTE COM
TODOS OS DADOS DOS PACIENTES
(NOME,REGISTRO,DATA,HORÁRIO).
O CHASSI DEVERÁ SER COMPRIMIDO
COM O
SEU LADO DIREITO NA BASE INFERIOR
DA IDENTIFICADORA,AONDE UM
MECANISMO
ABRIRÁ UMA ABERTURA NO CANTO
DIREITO
DO CHASSI E UMA LÂMPADA IRÁ
ASCENDER EM SEGUIDA UM JOGO DE
ESPELHOS IRÁ TRANSFERIR TODOS OS
DADOS DO PACIENTE PARA O
FILME,LEMBRANDO QUE OS DADOS
FORAM
COLOCADOS ANTERIORMENTE NA
PARTE
SUPERIOR DA IDENTIFICADORA.
O PROCESSO MANUAL DA
29
Kodak
Câmara de Identificação Min-R da Kodak
A Câmara de Identificação Min-R da Kodak, é própria para uso exclusivo em mamografia e opera
com Cassetes Min-R 2 da Kodak. Registra no filme, a data, o horário e ainda permite registrar outras
informações essenciais de identificação do paciente, de maneira fácil e rápida, tanto à luz ambiente
como na câmara escura. Um sistema óptico especial permite à Câmara Min-R da Kodak registrar até
cinco linhas. Este recurso possibilita o registro de informações adicionais nas mamografia, de
acordo com as recomendações médicas atuais. Possui um mostrador digital que registra
simultaneamente no filme, a data e o horário da identificação.
A operação da câmara é muito simples. Um cartão branco, com área de 25 mm x 64 mm, com a
informação sobre o paciente (digitada ou manuscrita; "flash-cards" padrão, gerados por computador
também são aceitos) é inserido em uma abertura na parte superior da câmara, o Cassete é colocado
na base da câmara e a exposição é realizada automaticamente. A intensidade da luz de exposição na
câmara é ajustável para as diferentes sensibilidades de filme.
30
A SECAGEM TEM A FUNÇÃO DE TRAZER AO ESTADO NORMAL, A EMULSÃO DE
MODO UNIFORME.
ÁPOS A ÚLTIMA LAVAGEM ,O FILME COM AS COLGADURAS VÃO DIRETAMENTE
PARA A GELADEIRA DE SECAGEM COM TEMPERATURA DE 35 GRAUS A 40 GRAUS.
A GELADEIRA POSSUI UM VENTILADOR ONDE O AR FICA CIRCULANDO PARA DAR
IGUALDADE DE SECAGEM.
31
ACESSÓRIOS
RADIOLÓGICOS:
CHASSIS:
GEOMETRICAMENTE
RETANGULAR NOS
TAMANHOS
13X18, 18X24, 24X30, 35X43 E,
EXCETO NO TAMANHO 35X35
QUADRADO.
DIVISÃO;
1- PARTE SUPERIOR
(ALUMÍNIO)
2- PARTE INFERIOR
(CHUMBO)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula filmes radiográficos
Aula   filmes radiográficosAula   filmes radiográficos
Aula filmes radiográficos
Lucas Pereira
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Manu Medeiros
 
Processamento Radiográfico
Processamento RadiográficoProcessamento Radiográfico
Processamento Radiográfico
arianepenna
 
Processamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficasProcessamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficas
Thamires Marinho
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagem
Cristiane Dias
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Cristiane Dias
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Cristiane Dias
 
Física das Radiações 2a
Física das Radiações 2aFísica das Radiações 2a
Física das Radiações 2a
Renata Cristina
 

Mais procurados (20)

Filmes radiográficos udei
Filmes radiográficos  udeiFilmes radiográficos  udei
Filmes radiográficos udei
 
Aula filmes radiográficos
Aula   filmes radiográficosAula   filmes radiográficos
Aula filmes radiográficos
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
 
RADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITALRADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITAL
 
Processamento Radiográfico
Processamento RadiográficoProcessamento Radiográfico
Processamento Radiográfico
 
Processamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficasProcessamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficas
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagem
 
Equipamentos Radiológicos
Equipamentos RadiológicosEquipamentos Radiológicos
Equipamentos Radiológicos
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
 
Radiologia
RadiologiaRadiologia
Radiologia
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
Radiologia digital
Radiologia digitalRadiologia digital
Radiologia digital
 
AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)
AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)
AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)
 
Rad conv6
Rad conv6Rad conv6
Rad conv6
 
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios xIntriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
 
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEMGEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
 
Física das Radiações 2a
Física das Radiações 2aFísica das Radiações 2a
Física das Radiações 2a
 

Destaque

Portaria svs 453 01 06-1998-radiodiagnostico-diretrizes basicas
Portaria svs 453 01 06-1998-radiodiagnostico-diretrizes basicasPortaria svs 453 01 06-1998-radiodiagnostico-diretrizes basicas
Portaria svs 453 01 06-1998-radiodiagnostico-diretrizes basicas
brenoalfeu
 
Aula de Equipamentos e Materiais Radiológicos
Aula de Equipamentos e Materiais RadiológicosAula de Equipamentos e Materiais Radiológicos
Aula de Equipamentos e Materiais Radiológicos
Denise Lima Barbosa
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
Cristiane Dias
 
Câmara escura de orifício
Câmara escura de orifícioCâmara escura de orifício
Câmara escura de orifício
franciscaf
 
Primórdios da Fotografia
Primórdios da FotografiaPrimórdios da Fotografia
Primórdios da Fotografia
Michele Pó
 
Gestao ambiental
Gestao ambientalGestao ambiental
Gestao ambiental
amattos76
 

Destaque (20)

Santander2
Santander2Santander2
Santander2
 
Portaria svs 453 01 06-1998-radiodiagnostico-diretrizes basicas
Portaria svs 453 01 06-1998-radiodiagnostico-diretrizes basicasPortaria svs 453 01 06-1998-radiodiagnostico-diretrizes basicas
Portaria svs 453 01 06-1998-radiodiagnostico-diretrizes basicas
 
Aula de Equipamentos e Materiais Radiológicos
Aula de Equipamentos e Materiais RadiológicosAula de Equipamentos e Materiais Radiológicos
Aula de Equipamentos e Materiais Radiológicos
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
 
Escanometria
EscanometriaEscanometria
Escanometria
 
Câmara escura de orifício
Câmara escura de orifícioCâmara escura de orifício
Câmara escura de orifício
 
Manguinhos
ManguinhosManguinhos
Manguinhos
 
Primórdios da Fotografia
Primórdios da FotografiaPrimórdios da Fotografia
Primórdios da Fotografia
 
Código de Ética
Código  de ÉticaCódigo  de Ética
Código de Ética
 
Câmara escura
Câmara escuraCâmara escura
Câmara escura
 
Código de Processo Ético Disciplinar CONTER
Código de Processo Ético Disciplinar CONTERCódigo de Processo Ético Disciplinar CONTER
Código de Processo Ético Disciplinar CONTER
 
Revelação convencional automática
Revelação convencional automáticaRevelação convencional automática
Revelação convencional automática
 
Mamo.08
Mamo.08Mamo.08
Mamo.08
 
Resolução nº 06 1988 Radioproteção
Resolução nº 06 1988 Radioproteção Resolução nº 06 1988 Radioproteção
Resolução nº 06 1988 Radioproteção
 
Manual radiodiagnostico Levantamento Radiométrico
Manual radiodiagnostico Levantamento RadiométricoManual radiodiagnostico Levantamento Radiométrico
Manual radiodiagnostico Levantamento Radiométrico
 
Notas aula imaginologia_slides_2009
Notas aula imaginologia_slides_2009Notas aula imaginologia_slides_2009
Notas aula imaginologia_slides_2009
 
Aula 5 res solidos
Aula 5 res solidosAula 5 res solidos
Aula 5 res solidos
 
Saneamento Ambiental Trabalho
Saneamento Ambiental  TrabalhoSaneamento Ambiental  Trabalho
Saneamento Ambiental Trabalho
 
Gestao ambiental
Gestao ambientalGestao ambiental
Gestao ambiental
 
Ocupação Urbana e Contaminação das águas subterrâneas por Nitrato
Ocupação Urbana e Contaminação das águas subterrâneas por NitratoOcupação Urbana e Contaminação das águas subterrâneas por Nitrato
Ocupação Urbana e Contaminação das águas subterrâneas por Nitrato
 

Semelhante a Aula 1 câmara escura (10)

Acessorios-radiologicos
 Acessorios-radiologicos Acessorios-radiologicos
Acessorios-radiologicos
 
0412 ventilaçãolocal
0412 ventilaçãolocal0412 ventilaçãolocal
0412 ventilaçãolocal
 
Manual da Sauna a Vapor Impercap
Manual da Sauna a Vapor ImpercapManual da Sauna a Vapor Impercap
Manual da Sauna a Vapor Impercap
 
Prevenção de Incêndios
Prevenção de IncêndiosPrevenção de Incêndios
Prevenção de Incêndios
 
Presentacion HemoCue Hb 201.pptx
Presentacion HemoCue Hb 201.pptxPresentacion HemoCue Hb 201.pptx
Presentacion HemoCue Hb 201.pptx
 
Aerodispersóides
AerodispersóidesAerodispersóides
Aerodispersóides
 
1541786767_2018_ex_atmosferas_explosivas_pt.pdf
1541786767_2018_ex_atmosferas_explosivas_pt.pdf1541786767_2018_ex_atmosferas_explosivas_pt.pdf
1541786767_2018_ex_atmosferas_explosivas_pt.pdf
 
Aula cmaraescura-130917093914-phpapp01
Aula cmaraescura-130917093914-phpapp01Aula cmaraescura-130917093914-phpapp01
Aula cmaraescura-130917093914-phpapp01
 
Portão de correr
Portão de correrPortão de correr
Portão de correr
 
Equipamentos Hospital Hidrolândia
Equipamentos Hospital HidrolândiaEquipamentos Hospital Hidrolândia
Equipamentos Hospital Hidrolândia
 

Último

Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Dirceu Resende
 

Último (6)

EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
 

Aula 1 câmara escura

  • 2. 2
  • 3. 3 A CÂMARA ESCURA OU DE REVELAÇÃO     A CÂMARA ESCURA É O ÚLTIMO LUGAR POR ONDE OS FILMES PASSAM, DEVEMOS MANTER UM RÍGIDO CONTROLE DE QUALIDADE,ISTO É, DESDE O CONTROLE DE PREPARO DOS QUÍMICOS,LIMPEZA DAS COLGADURAS NO PROCESSO MANUAL OU DE TODO O MECANISMO DO PROCESSO MECÂNICO. A CÂMARA ESCURA COMO O PRÓPRIO NOME DIZ,TRABALHAMOS SEM LUZ BRANCA E TEM COMO FINALIDADE REVELAR OS FILMES EXPOSTOS.
  • 4. 4   UTENSÍLIOS DENTRO DA CÂMARA ESCURA TERMÔMETRO: O TERMÔMETRO DENTRO DA CÂMARA ESCURA,TEM POR FINALIDADE DE CONTROLAR A TEMPERATURA DENTRO DA SALA,POIS OS FILMES DE RAIOS- X NÃO PODEM FICAR EM TEPERATURA SUPERIOR A 24°C E INFERIOR A 10°C, CASO ESTAS ECOMENDAÇÕES DO FABRICANTE NÃO SEJAM RESPEITADAS,AEMULSÃO DO FILMEPODERÁ SER COMPROMETIDA,ALTERANDO A QUALIDADE.       Relógio para câmara escura 60 minutos com alarme e termômetro flutuante revestido em plástico, para utilização no tanque de revelação.
  • 5. 5 HIDROSCÓPIO: MEDE A UMIDADE RELATIVA DO AR DA CÂMARA ESCURA, IDEAL DE ÚMIDADE DA SALA DE 60%. AS GAVETAS DE FILMES VIRGENS: A SUA FUNÇÃO É GUARDAR E FACILITAR A MANIPULAÇÃO DOS FILMES VIRGENS NAS TROCAS POR UM FILME JÁ EXPOSTO A LUZ DO ÉCRAN. OS FILMES DEVEM FICAR EM VERTICAL E EM ORDEM CRESCENTE DENTRO DAGAVETA. EM ALGUNS HOSPITAIS OS MESMOS PERMANECEM NA PRÓPRIA CAIXA.  
  • 6. 6 A IDENTIFICAÇÃO MANUAL: NA MAIORIA DAS CÂMARAS ESCURAS, EXISTE UMA IDENTIFICADORA MANUAL,QUE CONSISTE EM UM RETÂNGULO DE ALUMÍNIO,COM DIMENSÕES DE 15 CM DE LARGURA, 5CM DE ALTURA E 22CM DE COMPRIMENTO E,POSSUI AINDA NO SEU CANTO SUPERIOR ESQUERDO UMA ABERTURA RETANGULAR,COBERTA POR ACRÍLICO,ONDE O PAPEL COM DADOS DO PACIENTE SERÁ COLOCADO,E EM SEGUIDA AO BAIXAR A TAMPA,UMA LUZ IRÁ ACENDER TRANSPASSANDO O PAPEL E ATINGINDO O FILME COM OS DADOS DO PACIENTE. O TEMPO EM QUE ESTA LUZ IRÁ FICAR ACESA É ALGO EM TORNO DE MILÉSIMOS DE SEGUNDOS.
  • 7. 7 EXAUSTOR: DE ACORDO COM AS NORMAS DE PROTEÇÃO RADIOLOGICA,TODA CÂMARA ESCURA DEVERÁ TER EXAUSTORES OU VENTILADORES,PARA DISSIPAR OS GASES QUE SÃO LIBERADOS PELOS PRODUTOS QUÍMICOS,COM ISTO EVITANDO UM ACÚMULO DE GASES DENTRO DA CÂMARA ESCURA.EM HOSPITAIS QUE POSSUEM DEFICIENTES VISUAISDE TRABALHO NA CÂMARA ESCURA,OS MESMOS PASSAM GRANDE PARTE DE SEUS PERÍODOS DENTRO DAS CÂMARAS ESCURAS, E SE FOR GRANDE O FLUXO DE PACIENTES, A PORTA PERMANECE FECHADA,SENDO NECESSÁRIO RECICLAR O AR.  
  • 8. 8 O BOX: RECEBE OS CHASSIS COM FILMES EXPOSTOS E VIRGENS.TEM POR FINALIDADE DE SERVIR COMO UMA PONTE ENTRE O TÉCNICO E A CÂMARA ESCURA,SEM QUE HAJA NECESSIDADE E DE ABRI SEMPRE A PORTA PARA O TÉCNICO ENTRAR.COM DUAS TRAVAS DE SEGURANÇA,A PORTA DO BOX SOMENTE ABRIRÁ QUANDO UM DOS LADOS JÁ ESTIVER TRAVADO,EVITANDO ACIDENTALMENTE VELAMENTO DOS FILMES VIRGENS.   Construído em aço inoxidável ou aço tratado e pintado, com revestimento de espuma em sua área interna. Sistema de abertura seguro permitindo abertura de apenas uma das portas, fabricado em dois modelos: duas ou quatro portas. O BOX POSSUI DUAS PORTAS,UMA SAINDO DENTRO DA CÂMARA ESCURA E A OUTRA NA CÂMARA CLARA E POSSUEM TRAVAS PARA IMPEDIR A ABERTURA DAS PORTAS E EXPOR OS FILMES ACIDENTALMENTE.  
  • 9. 9 DIVISÃO DA CÂMARA ESCURA   A CÂMARA ESCURA DIVIDE-SE PRINCIPALMENTE EM DUAS PARTES: 1-PARTE SECA: ONDE FICA AS COLGADURAS,FILMES, E CHASSIS E DEMAIS UTENSÍLIOS.  
  • 10. 10 DIVISÃO DA CÂMARA ESCURA 2-PARTE ÚMIDA: OS TANQUES RESERVATÓRIOS DE QUÍMICOS, PROCESSADORA, TORNEIRA, FILTRO DE ÁGUA.
  • 11. 11 ILUMINAÇÃO DA CÂMARA ESCURA       NO TETO DA CÂMARA ESCURA SERÁ COLOCADA UMA LÂMPADA BRANCA DE 15WATTS,COM UM FILTRO DE LUZ DA COR AMBAR, OS NÚMEROS DAS LÂMPADAS VARIAM COM O TAMANHO D A CÂMARA ESCURA, A DISTÂNCIA DA LÂMPADA NÃO DEVE SER INFERIOR A 1,5 M ,POIS OS FILMES EXPOSTOS OU VIRGENS NÃO PODEM FICAR EXPOSTOS AOS RAIOS DESTAS LÂMPADAS POR MAIS DE 60 SEGUNDOS,POIS DEPOIS DESTE TEMPO SOFREM VELAMENTO PROGRESSIVO.  
  • 12. 12 Fabricado em quatro modelos diferentes: redonda ou quadrada ajustável, em aço pintado, 8”x10” ou dupla, em aço tratado e pintado ou em aço inoxidável. Alimentação 110V ou 220V
  • 13. 13 METRAGEM DA CÂMARA ESCURA   OBEDECENDO A PORTARIA MS-VIGILÂNCIA SANITÁRIA 453, DE 1 DE JUNHO DE 1998, A METRAGEM DAS CÂMARAS ESCURAS NÃO DEVERAM SER INFERIOR A 6 M 2.  
  • 14. 14 COR DA CÂMARA ESCURA AS PAREDES DAS CÂMARAS ESCURAS,DEVERAM SER DE CORES QUE FACILITEM A SUA LIMPEZA PERIODICAMENTE,EVITANDO RESÍDUOS DE QUÍMICOS IMPREGUINADOS,E DE PREFERÊNCIA DE AZULEJOS CINZAS.       A LIMPEZA DA CÂMARA ESCURA    DEVERÁ SER FEITA DIARIAMENTE,NÃO DEIXANDO ACUMULAR PÓ E SUJEIRAS DENTRO DA CÂMARA ESCURA OU MESMO TRANSFORMÁ-LA EM LOCAL DE REFEIÇÕES, A FALTA DE HIGIÊNE, COMO SUJEIRAS, PÓ PODEM DANIFICAR ÉCRANS E COMPROMETER OS EXAMES. 
  • 15. 15 VERIFICAR VAZAMENTO DE LUZ EXTERNA NA CÂMARA ESCURA: A CÂMARA ESCURA DEVERÁ SER BEM VEDADA (FRESTAS DE PORTAS E FECHADURAS) PARA PODER IMPEDIR ENTRADA DE LUZ EXTERNA E POR VENTURA VELAR OS FILMES VIRGENS. TESTE: CONSISTE EM DEIXAR UM FILME VIRGEM SOBRE A BANCADA, POR VOLTA DE 5 MINUTOS, DECORRIDO ESTE TEMPO O FILME DEVERÁ SER REVELADO E EXAMINADO.
  • 16. 16 CÂMARA CLARA COMO O PRÓPRIO NOME DIZ É O LOCAL QUE É EXPOSTO A TODO TIPO DE LUZ, ESTÁ AO LADO DA CÂMARA ESCURA E É AONDE OS TÉCNICOS FICAM Á ESPERA DAS RADIOGRAFIAS REVELADAS E ECONTRAMOS OS ACESSÓRIOS ABAIXO:  NEGATOSCÓPIO: OS NEGASTOSCÓPIOS EXISTEM EM VÁRIOS TAMANHOS E TIPOS,SENDO QUE OS TAMANHOS VARIAM PARA ACOMODAR DE 4 A 12 FILMES, OS MESMOS POSSUEM LÂMPADAS FLUORESCENTES,DENTRO DE UM RETÂNGULO DE ALUMÍNIO COM UMA FRENTE DE ACRÍLICO LEITOSO. OS NEGATOSCÓPIOS PARA MAMOGRAFIA SÃO ESPECIAIS , AS LÂMPADAS E OS ACRÍLICOS SÃO MAIS CLAROS DO QUE OS DOS RAIOS-X CONVENCIONAIS.                             
  • 17. 17 NEGATOSCÓPIO: OS NEGASTOSCÓPIOS EXISTEM EM VÁRIOS TAMANHOS E TIPOS,SENDO QUE OS TAMANHOS VARIAM PARA ACOMODAR DE 4 A 12 FILMES, OS MESMOS POSSUEM LÂMPADAS FLUORESCENTES,DENTRO DE UM RETÂNGULO DE ALUMÍNIO COM UMA FRENTE DE ACRÍLICO LEITOSO. OS NEGATOSCÓPIOS PARA MAMOGRAFIA SÃO ESPECIAIS , AS LÂMPADAS E OS ACRÍLICOS SÃO MAIS CLAROS DO QUE OS DOS RAIOS-X CONVENCIONAIS.  
  • 18. 18 ACESSÓRIOS RADIOLÓGICOS Fabricado com base em acrílico, contendo 5 (cinco) letras de cada, acompanha um trilho em acrílico de 10cm para composição da palavra. Fornecido nos tamanhos: 05, 07 e 10mm de altura ou especial, de acordo com as especificações do cliente. Fabricado em chumbo laminado, com acabamento em aço inoxidável, encaixe perfeito no chassi. O divisor radiográfico possibilita melhor aproveitamento do filme, tanto no sentido longitudinal (L) como no sentido transversal (T).
  • 19. 19 ACESSÓRIOS RADIOLÓGICOS Cilindro de extensão para seios da face, fabricado em aço cromado e base em aço inoxidável revestido com chumbo, adaptável à qualquer equipamento de Raio-X. Cilindro para mastóide, fabricado em aço inoxidável, com base em aço inox revestido com chumbo, adaptável à qualquer equipamento de Raio-X.
  • 20. 20 Fabricado em aço tratado e pintado, deslizamento longitudinal com perfeito encaixe do chassi. Fornecido em dois modelos: fixo na parede através de parafusos ou móvel com base de sustenção. Suporte para Teleradiografia
  • 21. 21 ACESSÓRIOS RADIOLÓGICOS Faixa de Paciente e Compressor Urográfico Faixa de compressão para urografia de mesa, estrutura adaptável a qualquer mesa de exames. Faixa em lona crua maleável, estrutura com acabamento em alumínio.
  • 22. 22 Pinças de quatro garras para uretrocistografia masculina, fabricada em aço inoxidável. Acompanha caixa de esterilização. Pinça de 4 garras CAMPLE DE BRODNEY
  • 23. 23 Fabricada em acrílico resistente, em três tamanhos diferentes, preenchida com chumbo espessura 1,5mm. Acompanha capa protetora. Régua de Escanometria
  • 24. 24 Dísticos Radiográficos Dísticos fabricado com base em acrílico com 05 mm de altura, para mamografia, padrão ou especial conforme necessidade do consumidor.
  • 25. 25 Fabricado em alumínio e cantos em nylon de alto impacto. Com exclusivo sistema de fechamento com travas tipo push, janela de identificação compatível com vários modelos de câmaras de identificação. Área interna revestida em espuma mantendo o perfeito contato entre o filme e écran proporcionado nitidez e qualidade de imagem. Chassi Radiográfico com janela
  • 26. 26 ESPESSÔMETRO: CONSISTE EM UMA RÉGUA ESCALONADA EM FORMA DE L, ONDE A BASE INFERIOR DEVERÁ PERMANECER ENCOSTADA SOBRE A REGIÃO EM ESTUDO,LOGO EM SEGUIDA IMA OUTRA BASE IRÁ DESLIZAR ATÉ A EXTREMIDADE SUPERIOR DA ÁREA ESTUDADA,DANDO A ESPESSURA DA REGIÃO EM CM,MUNIDO DESTES DADOS O TÉCNICO PODERÁ CALCULAR O KV E Mas PARA REALIZAR O EXAME RADIOLOGICO. Fabricado em alumínio polido ou aço inoxidável, permite nítida observação de medidas até 16 polegadas ou 40cm.
  • 27. 27 O GONIÔMETRO: RÉGUA SEMICIRCULAR,COM UMA ESCALA DE 180° GRAUS COM UM MARCADOR DESLIZANTE EM SEU CENTRO, E UMA BASE PARA APOIAR NA MESA OU ESTATIVA. A SUA FUNÇÃO É MEDIR ESTRUTURAS ANATOMICAS EM ÂNGULOS.   Fabricado em alumínio com dupla angulação, escala 0º a 180º e 180º a 360º e haste alongada com 30 cm.
  • 28. 28 IDENTIFICADORA AUTOMÁTICA: TODOS OS EXAMES DEVERÃO SER IDENTIFICADOS CORRETAMENTE COM TODOS OS DADOS DOS PACIENTES (NOME,REGISTRO,DATA,HORÁRIO). O CHASSI DEVERÁ SER COMPRIMIDO COM O SEU LADO DIREITO NA BASE INFERIOR DA IDENTIFICADORA,AONDE UM MECANISMO ABRIRÁ UMA ABERTURA NO CANTO DIREITO DO CHASSI E UMA LÂMPADA IRÁ ASCENDER EM SEGUIDA UM JOGO DE ESPELHOS IRÁ TRANSFERIR TODOS OS DADOS DO PACIENTE PARA O FILME,LEMBRANDO QUE OS DADOS FORAM COLOCADOS ANTERIORMENTE NA PARTE SUPERIOR DA IDENTIFICADORA. O PROCESSO MANUAL DA
  • 29. 29 Kodak Câmara de Identificação Min-R da Kodak A Câmara de Identificação Min-R da Kodak, é própria para uso exclusivo em mamografia e opera com Cassetes Min-R 2 da Kodak. Registra no filme, a data, o horário e ainda permite registrar outras informações essenciais de identificação do paciente, de maneira fácil e rápida, tanto à luz ambiente como na câmara escura. Um sistema óptico especial permite à Câmara Min-R da Kodak registrar até cinco linhas. Este recurso possibilita o registro de informações adicionais nas mamografia, de acordo com as recomendações médicas atuais. Possui um mostrador digital que registra simultaneamente no filme, a data e o horário da identificação. A operação da câmara é muito simples. Um cartão branco, com área de 25 mm x 64 mm, com a informação sobre o paciente (digitada ou manuscrita; "flash-cards" padrão, gerados por computador também são aceitos) é inserido em uma abertura na parte superior da câmara, o Cassete é colocado na base da câmara e a exposição é realizada automaticamente. A intensidade da luz de exposição na câmara é ajustável para as diferentes sensibilidades de filme.
  • 30. 30 A SECAGEM TEM A FUNÇÃO DE TRAZER AO ESTADO NORMAL, A EMULSÃO DE MODO UNIFORME. ÁPOS A ÚLTIMA LAVAGEM ,O FILME COM AS COLGADURAS VÃO DIRETAMENTE PARA A GELADEIRA DE SECAGEM COM TEMPERATURA DE 35 GRAUS A 40 GRAUS. A GELADEIRA POSSUI UM VENTILADOR ONDE O AR FICA CIRCULANDO PARA DAR IGUALDADE DE SECAGEM.
  • 31. 31 ACESSÓRIOS RADIOLÓGICOS: CHASSIS: GEOMETRICAMENTE RETANGULAR NOS TAMANHOS 13X18, 18X24, 24X30, 35X43 E, EXCETO NO TAMANHO 35X35 QUADRADO. DIVISÃO; 1- PARTE SUPERIOR (ALUMÍNIO) 2- PARTE INFERIOR (CHUMBO)