SlideShare uma empresa Scribd logo
Classificaç ão das Ordens de
Hexapoda
• “Entognatha” (entognatos apterigotos) (3 ordens)
• Insecta (“ectognatha” or insetos) (28 ordens)
• “Apterygota” (ectognathos apterigotos) (2 ordens)
Inovaç ão: asas
• Pterygota (insetos alados) (26 ordens)
• “Paleoptera” (“insetos alados antigos” insetos) (2 ordens)
Inovaç ão: asas dobráveis
• Neoptera (“novos insetos alados” ) (24 ordens)
• “Exopterygota” (“insetos alados externos” ) (15 ordens)
Inovaç ão: metamorfose completa
• Endopterygota (“insetos alados internos” = holometabola) (9
ordens)
Classe Hexapoda (“animais com seis pernas)
ORDEM PROTURA
Menor ordem existente – 170 espécies.
São raros
Tamanho de 0,5 mm a 2 mm
Vivem no solo na mat. orgânica em decomposição.
Alimentação somente de MO em decomposição.
ORDEM COLLEMBOLA
Cerca de 6.000 espécies
Pouco conhecidos
Tamanho menor que 2 mm.
Conhecido como pulga de jardim.
Vivem sob o solo úmido ou logo acima dele em
plantas de jardim
ORDEM DIPLURA
Existem 659 espécies.
São pequenos não ultrapassando 5 mm.
Vivem em solo úmido com MO em decomposição.
Não tem importância econômica.
• (Diplura, Collembola, Protura) Tem suas
mandíbulas e primeira maxila localizadas
dentro de bolsas na cabeça – condição
chamada de entognata.
• Ectognata – demais insetos - mandíbulas e
primeira maxila não estão localizadas
dentro de bolsas.
ORDEM THYSANURA
Existem 580 espécies
São conhecidos como traças dos livros.
Vivem em locais úmidos e escuros.
São pequenos de 3 a 15 mm.
Alimentação de diversas dietas, inclusive amido,
razão pela qual ataca folhas e é chamada de traça
dos livros. São principalmente encontrado em
cavernas em locais úmidos e escuros.
ORDEM EPHEMEROPTERA
Possui cerca de 1500 espécies.
São insetos que vivem em locais aquáticos em
ambientes amenos.
Tamanho de 5 a 40 mm
A fase jovem é aquática e adulto voa.
ORDEM ODONATA
Possuem 32.000 espécies
São as libélulas
Tamanho médio de 2 cm
A 15 cm.
Antenas curtas – cetáceias
Olhos compostos bem
desenvolvidos
Aparelho bucal tipo
Mastigador
Pernas projetadas para
frente
4 asas menbranosas
Corpo alongado
Reprodução sexuada
São ovíparos
Os ovos são colocados
Na água
Metamorfose simples
Ou intermediária.
Ninfas não tem asas e
São chamados de Naiades
Os adultos alimentam-se
De pequenos insetos e as
Naiades de organismos
Aquáticos.
Sem inportância
econômica
Ordem OrthopteraOrdem Orthoptera
São os grilos e Gafanhotos
Possuem cerca de 20.000 espécies
Aparelho
bucal
mastigador
As asas
podem ou
não estar
presentes
As anteriores
São do tipo
Tegmina e
posteriores
do tipo
membranosas
- Pernas posteriores do tipo saltatórias
- Aparelho auditivo presente
- Adultos com órgãos produtores de sons.
- Metamorfose simples.
-São ovíparos.
Reprodução sexuada.
-A incubação dos ovos
dura de 16 a 75 dias.
-As ninfas passam por 5
trocas de pele e os
estádios duram em torno
de 5 dias cada.
-Até os 10 dias de vida as ninfas se movimentam muito
pouco.
-Após 20 dias adquirem hábitos de bandos e são muito
vorazes. Ao Tornarem-se adultos, levantam vôo e
locomovem-se a locais distantes.
Gryllus assimilis = Grilo
Sillinops sp. = GafanhotoSillinops sp. = Gafanhoto
ORDEM MANTODEA
Cerca de 1800 espécies
São conhecidos como Louva a Deus
Pernas anteriores do tipo
raptatórias
Cabeça com articulação livre
São os únicos insetos que podem
Olhar para trás.
Aparelho bucal mastigador
Antenas filiformes
São Ovíparos
Reprodução sexuada
Metamorfose simples
Vivem sob plantas e arbustos
São predadores de outros insetos
O canibalismo é muito frequente.
Não tem importância econômica.
Três larvas de louva-a-deus andam pelo caule de uma rosa
• Nesta imagem, o louva-a-deus devora outro inseto
ORDEM PHASMIDA
Possuem cerca de 2500 espécies
São chamados de bicho pau.
Possuem tamanho que pode chegar a 33 cm.
Corpo alongado
Apar. bucal mastigador
Antenas filiformes
Reprodução sexuada, ovíparos
Metamorfose simples
São fitófagos
Sem importância econômica
ORDEM BLATTARIAE São as baratas
Conhecidas cerca de
4000 espécies.
Tamanho de 3 mm a
10 cm
Corpo oval e cor escura.
Antenas longas e
filiformes
Pernas cursoriais
Asas anteriores
pergaminosas e
posteriores membranosas
Ap.bucal mastigador
Também chamado ordem
Dictyoptera.
Reprodução sexuada, normalmente são ovíparos,
Metamorfose simples.
São onívoros preferindo alimento açucarado.
Ordem Dermaptera
Ordem Dermaptera
Conhecida cerda de 1800 espécies
São conhecidas como tesourinhas.
Tamanho de 2,5 mm a 8 cm.
Aparelho bucal masrtigador, antenas filiformes,
Pernas cursoriais,
Asas anteriores do tipo tégminas e posteriores
membranosas
Reprodução sexuada, geralmente são ovíparos e
Possuem metamorfose simples
São onívoros.
-Possuem dois cercos na extremidade do abdômen.
-São insetos de hábito normalmente terrestre e
vivem em lugares escuros e úmidos.
- São insetos predadores. Assim sendo, se tornam
inimigos naturais de pragas agrícolas.
Ex Tesourinha (Doru luteipes) que é predadora de
ovos da lagarta do cartucho do milho.
Ordem Isoptera
Compreendem os cupins que atacam madeiras,
fazem os cupinzeiros no campo. Algumas
espécies atacam cana de açúcar e eucalipto
Ordem Isoptera
São os cupins
São conhecidas 2750 espécies
Fazem grandes ninhos chamados cupinzeiros
Corpo mole e de cor clara Antenas moniliformes
Tamanho de 0,5 mm a 10 cm
Ap. bucal mastigador, Asas quando presente em nº
De 4 e membranosas. Vivem em grupos sociais.
Reprodução sexuada, são ovíparos e metam. simples
Os cupinzeiros podem passar por 3 fases:
1ª juveniil – predominância de operárias – 0 a 6 anos
2ª adulto – produção de alados – 4 a 12 anos
3ª Senescente – diminuição no nº de indivíduos.
As castas sociais estão divididas em
Rei e rainha – normalmente 1 que podem
ser substituidos ao longo do tempo.
Operárias
Soldados
São fitófagos podendo se alimentar de
couro de origem animal.
Sua grande importância econômica esta
no ataque a madeiras.
Rainha cupim torna-se uma distendita máquina de por ovos. Rainha e
várias operárias são mostradas aqui.
ORDEM EMBIOPTERA
São pouco conhecidos
Exitem cerca de 300 espécies
Vivem em locias quentes e escuros
ORDEM PLECOPTERA
Possui cerca de 2000 espécies.
São desconhecidos.
As ninfas são aquáticas e os adultos vivem sobre as
Plantas alimentando-se de materia vegetal.
Sem importância econômica.
ORDEM ZORAPTERA
São conhecidos somente 22 espécies.
Vivem em lugares úmidos em baixo de pedras.
Possuem tamanho em torno de 3 mm.
ORDEM PSOCOPTERA
Possuem cerca de 1700 espécies
São desconhecidos do público.
Tamanho em torno de 1 mm.
Vivem sob cascas de árvores.
ORDEM MALLOPHAGA
Conhecidos em torno de 2600 espécies
São conhecidos como piolho de galinha.
Tamanho pequeno – 3 mm.
Vivem sob o corpo de aves e se alimentam de
Material animal.
Algumas espécies podem ser pragas de aves.
Gliricola porcelli (ordem Mallophaga), um
piolho de mascar de cobaias. Antenas são
normalmente escondidas em sulcos nos lados da
cabeça.
ORDEM ANOPLURA
São conhecidos cerca de 300 espécies
São os piolhos humanos
Tamanho médio de 2 mm
São ápteros
Ap. bucal sugador.
Se alimentam de sangue dos mamíferos
Os ovos são conhecidos como lêndias e as ninfas e
Adultos causam o mesmo dano.
Cada fêmea põe em torno de 300 ovos em 25 dias.
Tem importância humana e veterinária.
Ordem ThysanopteraOrdem Thysanoptera
-São conhecidos como tripes
ou trips.
-Tamanho de 0,5 a 14 mm
de cor escura na fase adulta.
-Possui aparelho bucal
sugador
-São ovíparos e pode
apresentar reprodução
sexuada e assexuada por
partenogênese.
-Pode ocorrer a viviparidade
- Metamorfose simples
-As ninfas são imóveis
semelhantes a pulpas.
-Os adultos tem 4 asas
grandes
-Caliothrips spp. =
Trips do algodão,
soja, batata feijão,
milho.
-Franklinella spp =.
Trips do milho,
solanáceas, feijão,
citrus e algodão.
Muitas espécies são fitófagas causando prejuízos a
Cultura pela sucção de seiva.
Ordem
Hemiptera
-São os percevejos
-Olhos compostos
bem desenvolvidos
-Antenas bem
visíveis
-A maioria
possuem glândulas
que produzem um
cheiro repelente.
(fede fede)
-Possuem aparelho
bucal sugador.
-Possuem dois
pares de asas sendo
o 1º mais duro.
-Tamanho de 1 mm
a 10 cm.
-Possui cabeça
pequena, livre e
pouco móvel.
-Possuem metamorfose simples.
-São ovíparos, reprodução sexuada.
Normalmente possuem 5 trocas de pele.
Família
Pentato-
midae
Dichelops furcatus =
percevejo barriga verde
Nezara viridula =
percevejo verde da soja
Euschistus heros =
percevejo marrom
percevejo verde pequeno
Piezodorus guildini
Família Cynipidae
Percevejo Castanho da raíz
Scaptocoris castanea
Família Miridae
Percevejo Raspador = Colaria scenica
Odem Homóptera
-São as cigarrinhas, pulgões e cochonilhas.
-Possuem aparelho bucal sugador.
-Possuem tamanho muito variável – frações de mm
a 10 cm.
Ordem Homoptera
-Possuem sistema digestivo que elimina o
excesso de líquidos na forma de gotículas. Por
isso pode ficar sugando seiva sem parar.
-Podem ser vetores de vírus ou introduzirem
substâncias tóxicas nas plantas.
-São ovíparos
-Metamorfose simples.
-Reprodução sexuada e assexuada por
partenogênese como é o caso dos pulgões e
cochonilhas.
Família cicadidae
São as cigarras. As cigarras adultas sugam os ramos
novos das plantas onde as fêmeas efetuam a postura
interna. Os ovos nascem e as ninfas vão ao solo sugar
as raízes.
O inseto mais conhecido desta família é a cigarra do
cafeeiro
Família cercopidae
Deois flavopcta
cigarrinha das pastagens e
do milho
Mahanarva sp Cigarrinha
da cana açúcar
Família Cicadellidae
Empoasca sp. e Agallia
sp
Cigarrinha das
solanáceas.
Cigarrinha do feijão
Grandes prejuízos
por ingestão de
toxinas
Família Aphididae
Rhopalosiphumsp = pulgão do milho,
aveia, espiga do trigo.
Smynthurodes sp = pulgão da raíz do
trigo, feijão, etc.
Brevicoryne brassicae = pulgão da
couve
Schizaphis graminum = Pulgão
verde dos cereais
Pulgão da folha = Metopolophilum
dirhodum
Pulgão da Raíz
Pulgão do milho
Pulgão da aveia
Pulgão da espiga do trigo Pulgão da folha do trigo
Pulgão verde dos cereais
Família Aleyrodidae
São homópteros pequenos com quatro asas
menbranosas recobertos por uma substância
pulverulenta. São conhecidos como mosca branca
são importantes transmissores de viroses.
Bemisia tabaci
mosca branca
Família Coccidae e Pseudococcidae
São as cochonilhas.
São sugadoras de seiva vivem em colônias.
Coccus sp e Pseudococcus citri
Doença conhecida como fumagina dos
citrus.
Inimigos Naturais de Pulgões
Joaninha Hippodamia convergens
http://www.ladybugindoorgardens.com/image/tnail/ladybug.jpg
Fonte: http://mamba.bio.uci.edu/~pjbryant/biodiv/hemipt/36.jpg
Fonte: http://mint.ippc.orst.edu/images/syrphidla2.JPG
Fonte: http://www.insektenmodelle.de/modelle/bilder/flor01.jpg
http://www.ladybugindoorgardens.com/image/tnail/ladybug.jpg
Neuroptera: Chrysopidae
Diptera: Syrphidae
Parasitóide Lysiphlebus testaceipes
Ordem Lepidoptera
São as borboletas e mariposas
-Apresentam asas grandes, cobertas por
escamas com tons coloridos.
-Podem variam de 3mm a 30 cm.
Apresentam aparelho bucal sugador em forma de
espirotromba (adultos) e mastigador (fase larval)
-Possuem
metamorfose
completa – são
ovíparos,
-Reprodução
sexuada
-A fase de pulpa
nesta ordem é
denominada de
crisálida
Macho
Fêmea
-Nos adultos normalmente
a fêmea é maior que o
macho. Porém os machos
possuem cores mais fortes.
-Na fase adulta, não se
alimentam e por isso
vivem pouco tempo.
-A cópula se processa
somente uma vez na vida.
-Os ovos podem colocados
no chão ou sob folhas.
-As larvas possuem a
cabeça distinta do resto do
corpo.
-Após a eclosão dos ovos
as larvas já se alimentam
de partes vegetais.
-Possuem de 5 a 8 torcas de
pele.
Família
Gelechiidae
São
lepdópteros
pequenos
de asas
pouco
vistosas
Sitrotoga cerealella = traça do milho armazenado
Família Pyralidae
São mariposas pequenas em torno de 2 cm de
envergadura.
Suas lagartas são ágeis e possuem hábito de
penetrar para o interior das plantas.
Elasmopalpus lignosellus
lagarta elasmo
Diatraea sacharalis
Broca da cana
de açucar
Lagarta
enroladeira
das folhas
Hedylepta indicata
Broca das Vagens
Etiella
zinckenella
Agrotis sp.
Lagarta rosca
Mariposas com corpo em geral robusto e asas
escamosas.
Tamanho variável. (+- 4 cm)
Possuem lagartas ágeis.
Durante o período de crisálida pode ocorrer
hibernação, período este que se passa dentro do solo.
É a principal família das Lepdópteras para a
agricultura de nossa região.
Família Noctuidae
Lagarta Rosca
Agrotis sp.
Ataca soja, milho,
trigo, feijão, etc.
Spodoptera frugiperda
lagarta do catucho do milho
lagarta militar do trigo
Nocis latipes = lagarta dos capinzais
Heliothis
zea lagarta
da espiga
do milho
Anticarsia
gemmatalis
lagarta da
soja
Pseudoplusia
includens
falsa
medideira
da soja
Pseudaletia sequax
lagarta do trigo
Lagarta das Vagens
Spodoptera eridania
Família Tortricidae
Broca das Axilas
Epinotia aporema
Família Hesperiidae
Lagarta Cabeça de
fósforo
Urbanus proteus
Família Lycaenidae
Lagarta das Vagens
Thecla jebus
Família
Bombycidae
Bombyx mori
bicho da seda
EVER SEEN A TRANSPARENT BUTTERFLY?
A butterfly with transparent wings is rare and
beautiful. As delicate as finely blown glass, the
presence of this rare tropical gem is used by rain
forest ecologists as an indication of high habitat
quality and its demise alerts them of ecological
change. Rivaling the refined beauty of a stained glass
window, the translucent wings of the Glasswing
butterfly shimmer in the sunlight like polished panes
of turquoise, orange, green, and red. All things
beautiful do not have to be full of color to be noticed:
in life that which is unnoticed has the most power.
-Insetos que apresentam
apenas um par anterior de
asas funcionais.
- Compreende as moscas,
mosquitos, pernilongos,
borrachudos, etc.
Ordem Diptera
-Possuem tamanho adulto de 3mm a 15 mm.
-Os adultos apresentam aparelho bucal sugador
picador e lambedor sugador.
-As larvas apresentam aparelho bucal mastigador
-A reprodução é geralmente sexuada e são ovíparos.
-Possuem metamorfose completa.
-Ordem de grande importância humana e animal.
Anastrepha sp. = mosca das frutas
Liriomyza sp , Agromiza sp = Mosca minadora
Mosca das Sementes = Délia platura
Drosophila melanogaster
A mosquinha das frutas
Ordem Coleoptera
-Possuem tamanho muito variado. De frações de mm a até 20 cm.
-Se caracterizam pela presença de élitros (capa dura no 1º par de asas)
-Aparelho bucal do tipo mastigador. Em ambas as fases de vida.
-Pernas adaptadas para andar, as vezes cavar e saltar.
Ordem Coleoptera
-Normalmente as fêmeas são maiores que os machos.
-Possuem reprodução sexuada e são ovíparos
-Possuem metamorfose completa.
-.
Dos ovos nascem as larvas que sofrem até 15 ecdiases,
transformando-se em pulpa e posteriormente adultos
Família Carabidae
São predadores de outros insetos e artropodes.
Calosoma sp = calosoma da soja.
Família Scarabaeoidae
Possui larvas subterrâneas que atacam diversas
culturas.
Suas larvas são robustas, esbranquiçadas e moles.
Normalmente possuem ciclo biológico de 1 ano.
Coró da soja
Phyllophaga cuyabana
Diloboderus abderus
Coró do trigo e milho
São as Joaninhas
São insetos importantes
no controle biológico de
pulgões e cochinilhas
Familia
Coccinellidae
Família
Elateridae
Conoderus spp.
larva arame
Família
Chrysomelidae
são as Vaquinahs
Cerotoma spp
Diabrotica speciosa
colaspis spp
Família Curculionidae
É a família mais numerosa do reino animal.
As larvas são do tipo endofíticas.
São fitófagos tanto na forma larval como adulta
Anthonomus
grandis
bicudo do
algodão
Sternechus
subsignatus
tamanduá da
soja
Sitophilus sp.
caruncho do arroz, milho, trigo, etc.
Ordem
Hymenoptera
-São as abelhas, vespas e
formigas.
-São insetos de importância
benéfica (abelhas) e danosas
(formigas).
-São insetos de tamanho
pequeno ou médio. Os
maiores chegam a 7 cm.
Existem espécies de até
0,25 mm.
-A reprodução é sexuada e a cópula é efetuada durante o vôo. O
aparelho sexual masculino é arrancado após a cópula e ocorre a
morte dos machos.
-Ocorre polimorfismo (diferentes formas para a mesma espécie -
abelhas e formigas).
-São importantes predadoras de outros insetos como ovos de
percevejos, da mosca das frutas, de pulgões, etc.
Vespidae
Trchogramma sp.
predador de ovos de vários lepdópteros.
Vespinha da soja - Trisolcus basalis
Atta spp = formigas e saúvas
Apis
mellifera =
abelha que
produz mel
http://www2.dm.ufscar.br/~salvador/AbelhastgARegina1.html
Dança do círculo: (indica distâncias curtas) descreve uma série de círculos na
superfície do favo, alternando sentido horário e anti-horário a cada um ou dois
círculos.
http://cemnosaum.blogspot.com/2009/04/todos-veem-as-abelhas-como-aqueles.html
b) Dança do requebrado:(em forma de 8, distâncias além de 100 metros) ela anda uma
pequena distância em linha "reta", faz um semicírculo de volta ao começo da reta,
avança novamente em direção ao fim da "reta", faz um outro semicírculo voltando ao
começo da "reta", mas em direção oposta, e a seguir repete o processo.
http://www2.dm.ufscar.br/~salvador/AbelhastgARegina1.html
Cladograma mostrando relações hipotética entre insetos.
Muitas sinapomorfias tem sido omitidas. Ordens Protura,
Colembora e Diplura são entognatos e junto com a ordem
Ectognata Thysanura formam a tradicional (mas o parafi-
lético grupo Apterygota. Essas ordens originaram-se antes
dos primeiros ancestrais com asas. Ordens Odonata e
Efemeroptera formam Paleoptera, que possuem asas
Desdobráveis. As ordens restantes tem asas que dobram-se
Para trás sobre o abdomen (Neoptera). Superordem
Orthoptera, Isoptera, Plecoptera, Embrioptera e Dermaptera.
Hemipterodea inclui ordens Zoraptera, Psocoptera, Hemiptera,
Homoptera, Thysanoptera, Anoplura e Mallophaga; e super-
Ordem Holometabola engloba todas ordens holometabolas.
Grupos externos para esse cladograma são os myriapodas
Asas
Peças bucais ectognata
Desenvolvimento direto
Peças bucais ectognatas
Desenvolvimento
hemitábolo
Asas dobrando-se por sobre o corpo
Desenvolvimento holometábolo
Olhos compostos reduzidos
Partes bucais vestigiais
Antenas diminuídas
Antenas pequenas
Antenas reduzidas
Venação de asas reduzidas
Sem ocelo
Mandíbula massiva
Lábio preênsil
Peças bucas cortantes de mascar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Chelicerata seminário
Chelicerata   seminárioChelicerata   seminário
Chelicerata seminário
Maurício Coelho
 
Introdução às algas
Introdução às algas Introdução às algas
Introdução às algas
Nome Sobrenome
 
Sistema traqueal respiração
Sistema traqueal   respiraçãoSistema traqueal   respiração
Sistema traqueal respiração
Universidade Federal do Oeste Pará
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Giovani de Oliveira Arieira
 
Órgãos Vegetativos
Órgãos VegetativosÓrgãos Vegetativos
Órgãos Vegetativos
Jézili Dias
 
Morfologia tegumento
Morfologia   tegumentoMorfologia   tegumento
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Leonardo Kaplan
 
classe insecta.Bio
classe insecta.Bioclasse insecta.Bio
classe insecta.Bio
Malu Anacleto
 
Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa   cabeça e apêndices cefálicosMorfologia externa   cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
Universidade Federal do Oeste Pará
 
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragasTaxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Centro Educacional Êxito
 
Coleopteros
ColeopterosColeopteros
Coleopteros
David Oliveira
 
Sistema glandular
Sistema glandularSistema glandular
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ordem hymenoptera completo
Ordem hymenoptera   completoOrdem hymenoptera   completo
Ordem hymenoptera completo
Sid Siqueira
 
Artrópodos
ArtrópodosArtrópodos
Artrópodos
emanuel
 
coleopteros2
coleopteros2coleopteros2
coleopteros2
Regis Ferreira
 
Entomologia
EntomologiaEntomologia
Breno Freitas - A Importância da Polinização
Breno Freitas - A Importância da PolinizaçãoBreno Freitas - A Importância da Polinização
Breno Freitas - A Importância da Polinização
ApiculturaeAgricultura
 
1. apresentação do curso
1. apresentação do curso1. apresentação do curso
1. apresentação do curso
metazoario
 
Subfilo hexapoda -_sistemas_digestorio_respiratorio_e_nervoso
Subfilo hexapoda -_sistemas_digestorio_respiratorio_e_nervosoSubfilo hexapoda -_sistemas_digestorio_respiratorio_e_nervoso
Subfilo hexapoda -_sistemas_digestorio_respiratorio_e_nervoso
lourivalcaburite
 

Mais procurados (20)

Chelicerata seminário
Chelicerata   seminárioChelicerata   seminário
Chelicerata seminário
 
Introdução às algas
Introdução às algas Introdução às algas
Introdução às algas
 
Sistema traqueal respiração
Sistema traqueal   respiraçãoSistema traqueal   respiração
Sistema traqueal respiração
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
 
Órgãos Vegetativos
Órgãos VegetativosÓrgãos Vegetativos
Órgãos Vegetativos
 
Morfologia tegumento
Morfologia   tegumentoMorfologia   tegumento
Morfologia tegumento
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
classe insecta.Bio
classe insecta.Bioclasse insecta.Bio
classe insecta.Bio
 
Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa   cabeça e apêndices cefálicosMorfologia externa   cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
 
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragasTaxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
 
Coleopteros
ColeopterosColeopteros
Coleopteros
 
Sistema glandular
Sistema glandularSistema glandular
Sistema glandular
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetos
 
Ordem hymenoptera completo
Ordem hymenoptera   completoOrdem hymenoptera   completo
Ordem hymenoptera completo
 
Artrópodos
ArtrópodosArtrópodos
Artrópodos
 
coleopteros2
coleopteros2coleopteros2
coleopteros2
 
Entomologia
EntomologiaEntomologia
Entomologia
 
Breno Freitas - A Importância da Polinização
Breno Freitas - A Importância da PolinizaçãoBreno Freitas - A Importância da Polinização
Breno Freitas - A Importância da Polinização
 
1. apresentação do curso
1. apresentação do curso1. apresentação do curso
1. apresentação do curso
 
Subfilo hexapoda -_sistemas_digestorio_respiratorio_e_nervoso
Subfilo hexapoda -_sistemas_digestorio_respiratorio_e_nervosoSubfilo hexapoda -_sistemas_digestorio_respiratorio_e_nervoso
Subfilo hexapoda -_sistemas_digestorio_respiratorio_e_nervoso
 

Semelhante a Classificação insetos

Capítulo 07 invertebrados II
Capítulo 07   invertebrados IICapítulo 07   invertebrados II
Capítulo 07 invertebrados II
Igor Brant
 
Mammalia
MammaliaMammalia
Mammalia
carlinhosmatos
 
Arthropoda 2
Arthropoda 2Arthropoda 2
Arthropoda 2
Fabio Santos Nery
 
Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
IsmaelMarinho4
 
Os vertebrados
Os vertebradosOs vertebrados
Os vertebrados
empaul_harris
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
deisebdias
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
Edézio Miranda
 
O Mundo dos Insectos
O Mundo dos InsectosO Mundo dos Insectos
O Mundo dos Insectos
momomizzy
 
Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbios
Dacoli
 
281 735 invertebrados
281 735 invertebrados281 735 invertebrados
281 735 invertebrados
Jeanne Jimenes
 
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROSDIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
Linique Logan
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
Universidade Estadual de Maringá
 
Zoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebradosZoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebrados
paulogrillo
 
Biologia - Artropodes
Biologia - ArtropodesBiologia - Artropodes
Biologia - Artropodes
Estude Mais
 
Caracteristicas do reino animal
Caracteristicas do reino animalCaracteristicas do reino animal
Caracteristicas do reino animal
Thainá Carvalho
 
Reino animalia artrópodes,insetos ok
Reino animalia artrópodes,insetos okReino animalia artrópodes,insetos ok
Reino animalia artrópodes,insetos ok
IVORASSWEILER
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
gracielabtonin
 
Apresentação sistemática 1 finalizada
Apresentação sistemática 1 finalizada Apresentação sistemática 1 finalizada
Apresentação sistemática 1 finalizada
dnei
 
Apresentação sobre mamíferos.
Apresentação sobre  mamíferos.Apresentação sobre  mamíferos.
Apresentação sobre mamíferos.
Victor Ygor
 
Animais
AnimaisAnimais

Semelhante a Classificação insetos (20)

Capítulo 07 invertebrados II
Capítulo 07   invertebrados IICapítulo 07   invertebrados II
Capítulo 07 invertebrados II
 
Mammalia
MammaliaMammalia
Mammalia
 
Arthropoda 2
Arthropoda 2Arthropoda 2
Arthropoda 2
 
Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
 
Os vertebrados
Os vertebradosOs vertebrados
Os vertebrados
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
 
O Mundo dos Insectos
O Mundo dos InsectosO Mundo dos Insectos
O Mundo dos Insectos
 
Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbios
 
281 735 invertebrados
281 735 invertebrados281 735 invertebrados
281 735 invertebrados
 
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROSDIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Zoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebradosZoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebrados
 
Biologia - Artropodes
Biologia - ArtropodesBiologia - Artropodes
Biologia - Artropodes
 
Caracteristicas do reino animal
Caracteristicas do reino animalCaracteristicas do reino animal
Caracteristicas do reino animal
 
Reino animalia artrópodes,insetos ok
Reino animalia artrópodes,insetos okReino animalia artrópodes,insetos ok
Reino animalia artrópodes,insetos ok
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Apresentação sistemática 1 finalizada
Apresentação sistemática 1 finalizada Apresentação sistemática 1 finalizada
Apresentação sistemática 1 finalizada
 
Apresentação sobre mamíferos.
Apresentação sobre  mamíferos.Apresentação sobre  mamíferos.
Apresentação sobre mamíferos.
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 

Mais de Filipe Augusto Gonçalves de Melo

Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo ChelicerataIntrodução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Carioteca cromatina
Carioteca cromatinaCarioteca cromatina
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii SarcopterygiiOsteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Técnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celularTécnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celular
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Morfologia celular
Morfologia celularMorfologia celular
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Osmo regulação excrecao
Osmo regulação excrecaoOsmo regulação excrecao
Osmo regulação excrecao
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Filo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustaceaFilo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustacea
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 

Mais de Filipe Augusto Gonçalves de Melo (8)

Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo ChelicerataIntrodução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
 
Carioteca cromatina
Carioteca cromatinaCarioteca cromatina
Carioteca cromatina
 
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii SarcopterygiiOsteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
 
Técnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celularTécnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celular
 
Morfologia celular
Morfologia celularMorfologia celular
Morfologia celular
 
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
 
Osmo regulação excrecao
Osmo regulação excrecaoOsmo regulação excrecao
Osmo regulação excrecao
 
Filo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustaceaFilo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustacea
 

Classificação insetos

  • 1. Classificaç ão das Ordens de Hexapoda • “Entognatha” (entognatos apterigotos) (3 ordens) • Insecta (“ectognatha” or insetos) (28 ordens) • “Apterygota” (ectognathos apterigotos) (2 ordens) Inovaç ão: asas • Pterygota (insetos alados) (26 ordens) • “Paleoptera” (“insetos alados antigos” insetos) (2 ordens) Inovaç ão: asas dobráveis • Neoptera (“novos insetos alados” ) (24 ordens) • “Exopterygota” (“insetos alados externos” ) (15 ordens) Inovaç ão: metamorfose completa • Endopterygota (“insetos alados internos” = holometabola) (9 ordens) Classe Hexapoda (“animais com seis pernas)
  • 2. ORDEM PROTURA Menor ordem existente – 170 espécies. São raros Tamanho de 0,5 mm a 2 mm Vivem no solo na mat. orgânica em decomposição. Alimentação somente de MO em decomposição.
  • 3. ORDEM COLLEMBOLA Cerca de 6.000 espécies Pouco conhecidos Tamanho menor que 2 mm. Conhecido como pulga de jardim. Vivem sob o solo úmido ou logo acima dele em plantas de jardim
  • 4. ORDEM DIPLURA Existem 659 espécies. São pequenos não ultrapassando 5 mm. Vivem em solo úmido com MO em decomposição. Não tem importância econômica.
  • 5. • (Diplura, Collembola, Protura) Tem suas mandíbulas e primeira maxila localizadas dentro de bolsas na cabeça – condição chamada de entognata.
  • 6. • Ectognata – demais insetos - mandíbulas e primeira maxila não estão localizadas dentro de bolsas.
  • 7. ORDEM THYSANURA Existem 580 espécies São conhecidos como traças dos livros. Vivem em locais úmidos e escuros. São pequenos de 3 a 15 mm. Alimentação de diversas dietas, inclusive amido, razão pela qual ataca folhas e é chamada de traça dos livros. São principalmente encontrado em cavernas em locais úmidos e escuros.
  • 8. ORDEM EPHEMEROPTERA Possui cerca de 1500 espécies. São insetos que vivem em locais aquáticos em ambientes amenos. Tamanho de 5 a 40 mm A fase jovem é aquática e adulto voa.
  • 9. ORDEM ODONATA Possuem 32.000 espécies São as libélulas Tamanho médio de 2 cm A 15 cm. Antenas curtas – cetáceias Olhos compostos bem desenvolvidos Aparelho bucal tipo Mastigador Pernas projetadas para frente 4 asas menbranosas Corpo alongado
  • 10. Reprodução sexuada São ovíparos Os ovos são colocados Na água Metamorfose simples Ou intermediária. Ninfas não tem asas e São chamados de Naiades Os adultos alimentam-se De pequenos insetos e as Naiades de organismos Aquáticos. Sem inportância econômica
  • 11. Ordem OrthopteraOrdem Orthoptera São os grilos e Gafanhotos Possuem cerca de 20.000 espécies
  • 12. Aparelho bucal mastigador As asas podem ou não estar presentes As anteriores São do tipo Tegmina e posteriores do tipo membranosas
  • 13. - Pernas posteriores do tipo saltatórias - Aparelho auditivo presente - Adultos com órgãos produtores de sons. - Metamorfose simples.
  • 14. -São ovíparos. Reprodução sexuada. -A incubação dos ovos dura de 16 a 75 dias. -As ninfas passam por 5 trocas de pele e os estádios duram em torno de 5 dias cada. -Até os 10 dias de vida as ninfas se movimentam muito pouco. -Após 20 dias adquirem hábitos de bandos e são muito vorazes. Ao Tornarem-se adultos, levantam vôo e locomovem-se a locais distantes.
  • 16. Sillinops sp. = GafanhotoSillinops sp. = Gafanhoto
  • 17. ORDEM MANTODEA Cerca de 1800 espécies São conhecidos como Louva a Deus
  • 18. Pernas anteriores do tipo raptatórias Cabeça com articulação livre São os únicos insetos que podem Olhar para trás. Aparelho bucal mastigador
  • 19. Antenas filiformes São Ovíparos Reprodução sexuada Metamorfose simples Vivem sob plantas e arbustos São predadores de outros insetos O canibalismo é muito frequente. Não tem importância econômica.
  • 20. Três larvas de louva-a-deus andam pelo caule de uma rosa
  • 21.
  • 22. • Nesta imagem, o louva-a-deus devora outro inseto
  • 23. ORDEM PHASMIDA Possuem cerca de 2500 espécies São chamados de bicho pau. Possuem tamanho que pode chegar a 33 cm.
  • 24. Corpo alongado Apar. bucal mastigador Antenas filiformes Reprodução sexuada, ovíparos Metamorfose simples São fitófagos Sem importância econômica
  • 25. ORDEM BLATTARIAE São as baratas Conhecidas cerca de 4000 espécies. Tamanho de 3 mm a 10 cm Corpo oval e cor escura. Antenas longas e filiformes Pernas cursoriais Asas anteriores pergaminosas e posteriores membranosas Ap.bucal mastigador Também chamado ordem Dictyoptera.
  • 26. Reprodução sexuada, normalmente são ovíparos, Metamorfose simples. São onívoros preferindo alimento açucarado.
  • 27. Ordem Dermaptera Ordem Dermaptera Conhecida cerda de 1800 espécies São conhecidas como tesourinhas. Tamanho de 2,5 mm a 8 cm.
  • 28. Aparelho bucal masrtigador, antenas filiformes, Pernas cursoriais, Asas anteriores do tipo tégminas e posteriores membranosas Reprodução sexuada, geralmente são ovíparos e Possuem metamorfose simples São onívoros.
  • 29. -Possuem dois cercos na extremidade do abdômen. -São insetos de hábito normalmente terrestre e vivem em lugares escuros e úmidos. - São insetos predadores. Assim sendo, se tornam inimigos naturais de pragas agrícolas. Ex Tesourinha (Doru luteipes) que é predadora de ovos da lagarta do cartucho do milho.
  • 30. Ordem Isoptera Compreendem os cupins que atacam madeiras, fazem os cupinzeiros no campo. Algumas espécies atacam cana de açúcar e eucalipto Ordem Isoptera São os cupins São conhecidas 2750 espécies Fazem grandes ninhos chamados cupinzeiros Corpo mole e de cor clara Antenas moniliformes Tamanho de 0,5 mm a 10 cm
  • 31. Ap. bucal mastigador, Asas quando presente em nº De 4 e membranosas. Vivem em grupos sociais. Reprodução sexuada, são ovíparos e metam. simples Os cupinzeiros podem passar por 3 fases: 1ª juveniil – predominância de operárias – 0 a 6 anos 2ª adulto – produção de alados – 4 a 12 anos 3ª Senescente – diminuição no nº de indivíduos.
  • 32. As castas sociais estão divididas em Rei e rainha – normalmente 1 que podem ser substituidos ao longo do tempo. Operárias Soldados São fitófagos podendo se alimentar de couro de origem animal. Sua grande importância econômica esta no ataque a madeiras.
  • 33. Rainha cupim torna-se uma distendita máquina de por ovos. Rainha e várias operárias são mostradas aqui.
  • 34. ORDEM EMBIOPTERA São pouco conhecidos Exitem cerca de 300 espécies Vivem em locias quentes e escuros
  • 35. ORDEM PLECOPTERA Possui cerca de 2000 espécies. São desconhecidos. As ninfas são aquáticas e os adultos vivem sobre as Plantas alimentando-se de materia vegetal. Sem importância econômica.
  • 36. ORDEM ZORAPTERA São conhecidos somente 22 espécies. Vivem em lugares úmidos em baixo de pedras. Possuem tamanho em torno de 3 mm.
  • 37. ORDEM PSOCOPTERA Possuem cerca de 1700 espécies São desconhecidos do público. Tamanho em torno de 1 mm. Vivem sob cascas de árvores.
  • 38. ORDEM MALLOPHAGA Conhecidos em torno de 2600 espécies São conhecidos como piolho de galinha. Tamanho pequeno – 3 mm. Vivem sob o corpo de aves e se alimentam de Material animal. Algumas espécies podem ser pragas de aves.
  • 39. Gliricola porcelli (ordem Mallophaga), um piolho de mascar de cobaias. Antenas são normalmente escondidas em sulcos nos lados da cabeça.
  • 40. ORDEM ANOPLURA São conhecidos cerca de 300 espécies São os piolhos humanos Tamanho médio de 2 mm São ápteros Ap. bucal sugador. Se alimentam de sangue dos mamíferos Os ovos são conhecidos como lêndias e as ninfas e Adultos causam o mesmo dano. Cada fêmea põe em torno de 300 ovos em 25 dias. Tem importância humana e veterinária.
  • 42. -São conhecidos como tripes ou trips. -Tamanho de 0,5 a 14 mm de cor escura na fase adulta. -Possui aparelho bucal sugador -São ovíparos e pode apresentar reprodução sexuada e assexuada por partenogênese. -Pode ocorrer a viviparidade - Metamorfose simples -As ninfas são imóveis semelhantes a pulpas. -Os adultos tem 4 asas grandes
  • 43. -Caliothrips spp. = Trips do algodão, soja, batata feijão, milho. -Franklinella spp =. Trips do milho, solanáceas, feijão, citrus e algodão. Muitas espécies são fitófagas causando prejuízos a Cultura pela sucção de seiva.
  • 44. Ordem Hemiptera -São os percevejos -Olhos compostos bem desenvolvidos -Antenas bem visíveis -A maioria possuem glândulas que produzem um cheiro repelente. (fede fede)
  • 45. -Possuem aparelho bucal sugador. -Possuem dois pares de asas sendo o 1º mais duro. -Tamanho de 1 mm a 10 cm. -Possui cabeça pequena, livre e pouco móvel.
  • 46. -Possuem metamorfose simples. -São ovíparos, reprodução sexuada. Normalmente possuem 5 trocas de pele.
  • 47. Família Pentato- midae Dichelops furcatus = percevejo barriga verde Nezara viridula = percevejo verde da soja Euschistus heros = percevejo marrom percevejo verde pequeno Piezodorus guildini
  • 48. Família Cynipidae Percevejo Castanho da raíz Scaptocoris castanea
  • 50. Odem Homóptera -São as cigarrinhas, pulgões e cochonilhas. -Possuem aparelho bucal sugador. -Possuem tamanho muito variável – frações de mm a 10 cm. Ordem Homoptera
  • 51. -Possuem sistema digestivo que elimina o excesso de líquidos na forma de gotículas. Por isso pode ficar sugando seiva sem parar. -Podem ser vetores de vírus ou introduzirem substâncias tóxicas nas plantas. -São ovíparos -Metamorfose simples. -Reprodução sexuada e assexuada por partenogênese como é o caso dos pulgões e cochonilhas.
  • 52. Família cicadidae São as cigarras. As cigarras adultas sugam os ramos novos das plantas onde as fêmeas efetuam a postura interna. Os ovos nascem e as ninfas vão ao solo sugar as raízes. O inseto mais conhecido desta família é a cigarra do cafeeiro
  • 53. Família cercopidae Deois flavopcta cigarrinha das pastagens e do milho Mahanarva sp Cigarrinha da cana açúcar
  • 54. Família Cicadellidae Empoasca sp. e Agallia sp Cigarrinha das solanáceas. Cigarrinha do feijão Grandes prejuízos por ingestão de toxinas
  • 55. Família Aphididae Rhopalosiphumsp = pulgão do milho, aveia, espiga do trigo. Smynthurodes sp = pulgão da raíz do trigo, feijão, etc. Brevicoryne brassicae = pulgão da couve Schizaphis graminum = Pulgão verde dos cereais Pulgão da folha = Metopolophilum dirhodum
  • 56. Pulgão da Raíz Pulgão do milho Pulgão da aveia
  • 57. Pulgão da espiga do trigo Pulgão da folha do trigo Pulgão verde dos cereais
  • 58. Família Aleyrodidae São homópteros pequenos com quatro asas menbranosas recobertos por uma substância pulverulenta. São conhecidos como mosca branca são importantes transmissores de viroses. Bemisia tabaci mosca branca
  • 59. Família Coccidae e Pseudococcidae São as cochonilhas. São sugadoras de seiva vivem em colônias.
  • 60. Coccus sp e Pseudococcus citri Doença conhecida como fumagina dos citrus.
  • 61. Inimigos Naturais de Pulgões Joaninha Hippodamia convergens http://www.ladybugindoorgardens.com/image/tnail/ladybug.jpg Fonte: http://mamba.bio.uci.edu/~pjbryant/biodiv/hemipt/36.jpg Fonte: http://mint.ippc.orst.edu/images/syrphidla2.JPG Fonte: http://www.insektenmodelle.de/modelle/bilder/flor01.jpg http://www.ladybugindoorgardens.com/image/tnail/ladybug.jpg Neuroptera: Chrysopidae Diptera: Syrphidae Parasitóide Lysiphlebus testaceipes
  • 62.
  • 63. Ordem Lepidoptera São as borboletas e mariposas
  • 64. -Apresentam asas grandes, cobertas por escamas com tons coloridos. -Podem variam de 3mm a 30 cm. Apresentam aparelho bucal sugador em forma de espirotromba (adultos) e mastigador (fase larval)
  • 65. -Possuem metamorfose completa – são ovíparos, -Reprodução sexuada -A fase de pulpa nesta ordem é denominada de crisálida
  • 66. Macho Fêmea -Nos adultos normalmente a fêmea é maior que o macho. Porém os machos possuem cores mais fortes. -Na fase adulta, não se alimentam e por isso vivem pouco tempo. -A cópula se processa somente uma vez na vida. -Os ovos podem colocados no chão ou sob folhas.
  • 67. -As larvas possuem a cabeça distinta do resto do corpo. -Após a eclosão dos ovos as larvas já se alimentam de partes vegetais. -Possuem de 5 a 8 torcas de pele.
  • 69. Família Pyralidae São mariposas pequenas em torno de 2 cm de envergadura. Suas lagartas são ágeis e possuem hábito de penetrar para o interior das plantas.
  • 71. Diatraea sacharalis Broca da cana de açucar
  • 74. Agrotis sp. Lagarta rosca Mariposas com corpo em geral robusto e asas escamosas. Tamanho variável. (+- 4 cm) Possuem lagartas ágeis. Durante o período de crisálida pode ocorrer hibernação, período este que se passa dentro do solo. É a principal família das Lepdópteras para a agricultura de nossa região. Família Noctuidae
  • 75. Lagarta Rosca Agrotis sp. Ataca soja, milho, trigo, feijão, etc.
  • 76. Spodoptera frugiperda lagarta do catucho do milho lagarta militar do trigo
  • 77. Nocis latipes = lagarta dos capinzais
  • 83. Família Tortricidae Broca das Axilas Epinotia aporema
  • 84. Família Hesperiidae Lagarta Cabeça de fósforo Urbanus proteus
  • 85. Família Lycaenidae Lagarta das Vagens Thecla jebus
  • 87. EVER SEEN A TRANSPARENT BUTTERFLY? A butterfly with transparent wings is rare and beautiful. As delicate as finely blown glass, the presence of this rare tropical gem is used by rain forest ecologists as an indication of high habitat quality and its demise alerts them of ecological change. Rivaling the refined beauty of a stained glass window, the translucent wings of the Glasswing butterfly shimmer in the sunlight like polished panes of turquoise, orange, green, and red. All things beautiful do not have to be full of color to be noticed: in life that which is unnoticed has the most power.
  • 88.
  • 89.
  • 90.
  • 91.
  • 92.
  • 93. -Insetos que apresentam apenas um par anterior de asas funcionais. - Compreende as moscas, mosquitos, pernilongos, borrachudos, etc. Ordem Diptera
  • 94. -Possuem tamanho adulto de 3mm a 15 mm. -Os adultos apresentam aparelho bucal sugador picador e lambedor sugador. -As larvas apresentam aparelho bucal mastigador -A reprodução é geralmente sexuada e são ovíparos. -Possuem metamorfose completa. -Ordem de grande importância humana e animal.
  • 95. Anastrepha sp. = mosca das frutas
  • 96. Liriomyza sp , Agromiza sp = Mosca minadora
  • 97. Mosca das Sementes = Délia platura
  • 99. Ordem Coleoptera -Possuem tamanho muito variado. De frações de mm a até 20 cm. -Se caracterizam pela presença de élitros (capa dura no 1º par de asas) -Aparelho bucal do tipo mastigador. Em ambas as fases de vida. -Pernas adaptadas para andar, as vezes cavar e saltar. Ordem Coleoptera
  • 100. -Normalmente as fêmeas são maiores que os machos. -Possuem reprodução sexuada e são ovíparos -Possuem metamorfose completa. -. Dos ovos nascem as larvas que sofrem até 15 ecdiases, transformando-se em pulpa e posteriormente adultos
  • 101. Família Carabidae São predadores de outros insetos e artropodes. Calosoma sp = calosoma da soja.
  • 102. Família Scarabaeoidae Possui larvas subterrâneas que atacam diversas culturas. Suas larvas são robustas, esbranquiçadas e moles. Normalmente possuem ciclo biológico de 1 ano.
  • 105. São as Joaninhas São insetos importantes no controle biológico de pulgões e cochinilhas Familia Coccinellidae
  • 107. Família Chrysomelidae são as Vaquinahs Cerotoma spp Diabrotica speciosa colaspis spp
  • 108. Família Curculionidae É a família mais numerosa do reino animal. As larvas são do tipo endofíticas. São fitófagos tanto na forma larval como adulta
  • 111. Sitophilus sp. caruncho do arroz, milho, trigo, etc.
  • 112. Ordem Hymenoptera -São as abelhas, vespas e formigas. -São insetos de importância benéfica (abelhas) e danosas (formigas). -São insetos de tamanho pequeno ou médio. Os maiores chegam a 7 cm. Existem espécies de até 0,25 mm.
  • 113. -A reprodução é sexuada e a cópula é efetuada durante o vôo. O aparelho sexual masculino é arrancado após a cópula e ocorre a morte dos machos. -Ocorre polimorfismo (diferentes formas para a mesma espécie - abelhas e formigas). -São importantes predadoras de outros insetos como ovos de percevejos, da mosca das frutas, de pulgões, etc.
  • 115. Trchogramma sp. predador de ovos de vários lepdópteros.
  • 116. Vespinha da soja - Trisolcus basalis
  • 117. Atta spp = formigas e saúvas
  • 119. http://www2.dm.ufscar.br/~salvador/AbelhastgARegina1.html Dança do círculo: (indica distâncias curtas) descreve uma série de círculos na superfície do favo, alternando sentido horário e anti-horário a cada um ou dois círculos.
  • 121. b) Dança do requebrado:(em forma de 8, distâncias além de 100 metros) ela anda uma pequena distância em linha "reta", faz um semicírculo de volta ao começo da reta, avança novamente em direção ao fim da "reta", faz um outro semicírculo voltando ao começo da "reta", mas em direção oposta, e a seguir repete o processo. http://www2.dm.ufscar.br/~salvador/AbelhastgARegina1.html
  • 122. Cladograma mostrando relações hipotética entre insetos. Muitas sinapomorfias tem sido omitidas. Ordens Protura, Colembora e Diplura são entognatos e junto com a ordem Ectognata Thysanura formam a tradicional (mas o parafi- lético grupo Apterygota. Essas ordens originaram-se antes dos primeiros ancestrais com asas. Ordens Odonata e Efemeroptera formam Paleoptera, que possuem asas Desdobráveis. As ordens restantes tem asas que dobram-se Para trás sobre o abdomen (Neoptera). Superordem Orthoptera, Isoptera, Plecoptera, Embrioptera e Dermaptera. Hemipterodea inclui ordens Zoraptera, Psocoptera, Hemiptera, Homoptera, Thysanoptera, Anoplura e Mallophaga; e super- Ordem Holometabola engloba todas ordens holometabolas. Grupos externos para esse cladograma são os myriapodas Asas Peças bucais ectognata Desenvolvimento direto Peças bucais ectognatas Desenvolvimento hemitábolo Asas dobrando-se por sobre o corpo Desenvolvimento holometábolo Olhos compostos reduzidos Partes bucais vestigiais Antenas diminuídas Antenas pequenas Antenas reduzidas Venação de asas reduzidas Sem ocelo Mandíbula massiva Lábio preênsil Peças bucas cortantes de mascar