SlideShare uma empresa Scribd logo
Obsessão nos Grupos Espíritas
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Os falsos profetas não se encontram unicamente
entre os encarnados. Há-os também, e em muito
maior número, entre os Espíritos orgulhosos que,
aparentando amor e caridade, semeiam a desunião
e retardam a obra de emancipação da Humanidade,
lançando-lhe de través seus sistemas absurdos,
depois de terem feito que seus médiuns os aceitem.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

E, para melhor fascinarem aqueles a quem desejam
iludir, para darem mais peso às suas teorias, se
apropriam sem escrúpulo de nomes que só com
muito respeito os homens pronunciam.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

São eles que espalham o fermento dos antagonismos
entre os grupos, que os impelem a isolarem-se uns
dos outros e a olharem-se com prevenção.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Isso por si só bastaria para os desmascarar,
pois, procedendo assim, são os primeiros a dar
o mais formal desmentido às suas pretensões.
Cegos, portanto, são os homens que se deixam
cair em tão grosseiro embuste.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Mas, há muitos outros meios de serem
reconhecidos. Espíritos da categoria em que eles
dizem achar-se têm de ser não só muito bons,
como também eminentemente racionais.
Pois bem: passai-lhes os sistemas pelo crivo da
razão e do bom senso e vede o que restará.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Convinde, pois, comigo, em que, todas as vezes que um
Espírito indica, como remédio aos males da Humanidade
ou como meio de conseguir-se a sua transformação,
coisas utópicas e impraticáveis, medidas pueris e
ridículas; quando formula um sistema que as mais
rudimentares noções da Ciência contradizem, não pode
ser senão um Espírito ignorante e mentiroso.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Por outro lado, crede que, se nem sempre os
indivíduos apreciam a verdade, esta é apreciada
sempre pelo bom senso das massas, constituindo
isso mais um critério.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Se dois princípios se contradizem, achareis a medida
do valor intrínseco de ambos, verificando qual dos
dois encontra mais ecos e simpatias.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Fora, com efeito, ilógico admitir-se que uma doutrina
cujo número de adeptos diminua progressivamente
seja mais verdadeira do que outra que veja o dos
seus em continuo aumento.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Querendo que a verdade chegue a todos, Deus
não a confina num círculo acanhado: fá-la surgir
em diferentes pontos, a fim de que por toda a
parte a luz esteja ao lado das trevas.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Repeli sem condescendência todos esses Espíritos
que se apresentam como conselheiros exclusivos,
pregando a separação e o insulamento.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

São quase sempre Espíritos vaidosos e medíocres,
que procuram impor-se a homens fracos e
crédulos, prodigalizando-lhes exagerados louvores,
a fim de os fascinar e de tê-los dominados.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

São, geralmente, Espíritos sequiosos de poder e
que, déspotas públicos ou nos lares, quando
vivos, ainda querem vítimas para tiranizar
depois de terem morrido.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Em geral, desconfiai das comunicações que trazem
um caráter de misticismo e de singularidade, ou que
prescrevem cerimônias e atos extravagantes. Há
sempre, nesses casos, motivo legítimo de suspeição.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Estai certos, igualmente, de que quando uma verdade
tem de ser revelada aos homens, é, por assim dizer,
comunicada instantaneamente a todos os grupos
sérios, que dispõem de médiuns também sérios, e
não a tais ou quais, com exclusão dos outros.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Nenhum médium é perfeito, se está obsidiado; e há
manifesta obsessão quando um médium só é apto a
receber comunicações de determinado Espírito, por
mais alto que este procure colocar-se.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Conseguintemente, todo médium e todo grupo que
considerem privilégio seu receber as comunicações que
obtêm e que, por outro lado, se submetem a práticas que
tendem para a superstição, indubitavelmente se acham
presas de uma obsessão bem caracterizada, sobretudo
quando o Espírito dominador se pavoneia com um nome
que todos, encarnados e desencarnados, devem honrar e
respeitar e não permitir seja declinado a todo propósito.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

É incontestável que, submetendo ao crivo da razão e da
lógica todos os dados e todas as comunicações dos
Espíritos, fácil se torna rejeitar a absurdidade e o erro.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10.

Pode um médium ser fascinado, e iludido um grupo; mas,
a verificação severa a que procedam os outros grupos, a
ciência adquirida, a alta autoridade moral dos diretores
de grupos, as comunicações que os principais médiuns
recebam, com um cunho de lógica e de autenticidade dos
melhores Espíritos, justiçarão rapidamente esses ditados
mentirosos e astuciosos, emanados de uma turba de
Espíritos mistificadores ou maus.
- Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Espiritismo valorosa semente
Espiritismo valorosa sementeEspiritismo valorosa semente
Espiritismo valorosa semente
Graça Maciel
 
Obras básicas
Obras básicasObras básicas
Obras básicas
Levi Antonio Amancio
 
O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma BadanO Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
Estudando: livro o que é o espiritismo n.13
Estudando: livro o que é o espiritismo n.13Estudando: livro o que é o espiritismo n.13
Estudando: livro o que é o espiritismo n.13
Graça Maciel
 
Comemoração dos mortos
Comemoração dos mortosComemoração dos mortos
Comemoração dos mortos
Graça Maciel
 
Afeições e simpatias
Afeições e simpatiasAfeições e simpatias
Afeições e simpatias
Graça Maciel
 
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍciosOrgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
Graça Maciel
 
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 FinalEstudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Graça Maciel
 
O espiritismo e a regeneração da humanidade
O espiritismo e a regeneração da humanidadeO espiritismo e a regeneração da humanidade
O espiritismo e a regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Pelos obsidiados
Pelos obsidiadosPelos obsidiados
Pelos obsidiados
Graça Maciel
 
Palestras publicas-2001
Palestras publicas-2001Palestras publicas-2001
Palestras publicas-2001
Magali ..
 
Atmosfera espiritual do carnaval
Atmosfera espiritual do carnavalAtmosfera espiritual do carnaval
Atmosfera espiritual do carnaval
Graça Maciel
 
Allan Kardec 150 Anos LIVRO DOS ESPÍRITOS
Allan Kardec 150 Anos LIVRO DOS ESPÍRITOSAllan Kardec 150 Anos LIVRO DOS ESPÍRITOS
Allan Kardec 150 Anos LIVRO DOS ESPÍRITOS
Fatima Carvalho
 
Escala Espírita
Escala EspíritaEscala Espírita
Escala Espírita
Graça Maciel
 
Sono e sonhos
Sono e sonhosSono e sonhos
Sono e sonhos
Graça Maciel
 
Lei de justiça
Lei de justiça Lei de justiça
Lei de justiça
grupodepaisceb
 
Afastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritosAfastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritos
Graça Maciel
 
Os minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homemOs minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homem
Graça Maciel
 
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
Marcha do progresso
Marcha do progressoMarcha do progresso
Marcha do progresso
Graça Maciel
 

Mais procurados (20)

Espiritismo valorosa semente
Espiritismo valorosa sementeEspiritismo valorosa semente
Espiritismo valorosa semente
 
Obras básicas
Obras básicasObras básicas
Obras básicas
 
O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma BadanO Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
 
Estudando: livro o que é o espiritismo n.13
Estudando: livro o que é o espiritismo n.13Estudando: livro o que é o espiritismo n.13
Estudando: livro o que é o espiritismo n.13
 
Comemoração dos mortos
Comemoração dos mortosComemoração dos mortos
Comemoração dos mortos
 
Afeições e simpatias
Afeições e simpatiasAfeições e simpatias
Afeições e simpatias
 
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍciosOrgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
 
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 FinalEstudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
 
O espiritismo e a regeneração da humanidade
O espiritismo e a regeneração da humanidadeO espiritismo e a regeneração da humanidade
O espiritismo e a regeneração da humanidade
 
Pelos obsidiados
Pelos obsidiadosPelos obsidiados
Pelos obsidiados
 
Palestras publicas-2001
Palestras publicas-2001Palestras publicas-2001
Palestras publicas-2001
 
Atmosfera espiritual do carnaval
Atmosfera espiritual do carnavalAtmosfera espiritual do carnaval
Atmosfera espiritual do carnaval
 
Allan Kardec 150 Anos LIVRO DOS ESPÍRITOS
Allan Kardec 150 Anos LIVRO DOS ESPÍRITOSAllan Kardec 150 Anos LIVRO DOS ESPÍRITOS
Allan Kardec 150 Anos LIVRO DOS ESPÍRITOS
 
Escala Espírita
Escala EspíritaEscala Espírita
Escala Espírita
 
Sono e sonhos
Sono e sonhosSono e sonhos
Sono e sonhos
 
Lei de justiça
Lei de justiça Lei de justiça
Lei de justiça
 
Afastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritosAfastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritos
 
Os minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homemOs minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homem
 
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
 
Marcha do progresso
Marcha do progressoMarcha do progresso
Marcha do progresso
 

Destaque

Animismo e espiritismo - Wilma Badan CG
Animismo e espiritismo - Wilma Badan CGAnimismo e espiritismo - Wilma Badan CG
Animismo e espiritismo - Wilma Badan CG
Wilma Badan C.G.
 
2013 cem - interrogar os espíritos - parte a - 13a aula
2013   cem - interrogar os espíritos - parte a -  13a aula2013   cem - interrogar os espíritos - parte a -  13a aula
2013 cem - interrogar os espíritos - parte a - 13a aula
Artomy Jado
 
2013 cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
2013   cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula2013   cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
2013 cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
Artomy Jado
 
SituaçõEs Em Que Está Autorizado A Falar Puta Que Pariu
SituaçõEs Em Que Está Autorizado A Falar Puta Que PariuSituaçõEs Em Que Está Autorizado A Falar Puta Que Pariu
SituaçõEs Em Que Está Autorizado A Falar Puta Que Pariu
JNR
 
Animismo aula orientação doutrinária
Animismo aula orientação doutrináriaAnimismo aula orientação doutrinária
Animismo aula orientação doutrinária
Alexandra Strama
 
Animismo e Espiritismo
Animismo e EspiritismoAnimismo e Espiritismo
Animismo e Espiritismo
Wilma Badan C.G.
 
Animismo e Espiritismo
Animismo e EspiritismoAnimismo e Espiritismo
Animismo e Espiritismo
Graça Maciel
 
Animismo
AnimismoAnimismo
Animismo
igmateus
 
Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4
Graça Maciel
 
Se alguem te ferir a face direita
Se alguem te ferir a face direitaSe alguem te ferir a face direita
Se alguem te ferir a face direita
Marcos Antônio Alves
 
Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3
Graça Maciel
 
Animismo Mediunidade
Animismo MediunidadeAnimismo Mediunidade
Animismo Mediunidade
cab3032
 
Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2
Graça Maciel
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Se alguém vos bater na face direita,apresentai lhe também [salvo automaticame...
Se alguém vos bater na face direita,apresentai lhe também [salvo automaticame...Se alguém vos bater na face direita,apresentai lhe também [salvo automaticame...
Se alguém vos bater na face direita,apresentai lhe também [salvo automaticame...
walcamarra
 
Obsessão: Definição e Características
Obsessão:  Definição e CaracterísticasObsessão:  Definição e Características
Obsessão: Definição e Características
igmateus
 
Animismo e Mediunidade
Animismo e MediunidadeAnimismo e Mediunidade
Animismo e Mediunidade
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Se alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direitaSe alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direita
Izabel Cristina Fonseca
 

Destaque (20)

Animismo e espiritismo - Wilma Badan CG
Animismo e espiritismo - Wilma Badan CGAnimismo e espiritismo - Wilma Badan CG
Animismo e espiritismo - Wilma Badan CG
 
2013 cem - interrogar os espíritos - parte a - 13a aula
2013   cem - interrogar os espíritos - parte a -  13a aula2013   cem - interrogar os espíritos - parte a -  13a aula
2013 cem - interrogar os espíritos - parte a - 13a aula
 
2013 cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
2013   cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula2013   cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
2013 cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
 
SituaçõEs Em Que Está Autorizado A Falar Puta Que Pariu
SituaçõEs Em Que Está Autorizado A Falar Puta Que PariuSituaçõEs Em Que Está Autorizado A Falar Puta Que Pariu
SituaçõEs Em Que Está Autorizado A Falar Puta Que Pariu
 
Animismo aula orientação doutrinária
Animismo aula orientação doutrináriaAnimismo aula orientação doutrinária
Animismo aula orientação doutrinária
 
Animismo e Espiritismo
Animismo e EspiritismoAnimismo e Espiritismo
Animismo e Espiritismo
 
Animismo e Espiritismo
Animismo e EspiritismoAnimismo e Espiritismo
Animismo e Espiritismo
 
Animismo
AnimismoAnimismo
Animismo
 
Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4
 
Se alguem te ferir a face direita
Se alguem te ferir a face direitaSe alguem te ferir a face direita
Se alguem te ferir a face direita
 
Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3
 
Animismo Mediunidade
Animismo MediunidadeAnimismo Mediunidade
Animismo Mediunidade
 
Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
 
Se alguém vos bater na face direita,apresentai lhe também [salvo automaticame...
Se alguém vos bater na face direita,apresentai lhe também [salvo automaticame...Se alguém vos bater na face direita,apresentai lhe também [salvo automaticame...
Se alguém vos bater na face direita,apresentai lhe também [salvo automaticame...
 
Obsessão: Definição e Características
Obsessão:  Definição e CaracterísticasObsessão:  Definição e Características
Obsessão: Definição e Características
 
ANIMISMO
ANIMISMOANIMISMO
ANIMISMO
 
Animismo e Mediunidade
Animismo e MediunidadeAnimismo e Mediunidade
Animismo e Mediunidade
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
 
Se alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direitaSe alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direita
 

Semelhante a Obsessão nos grupos espíritas

Missão dos espíritas
Missão dos espíritasMissão dos espíritas
Missão dos espíritas
Graça Maciel
 
Missao dos Espiritas
Missao dos EspiritasMissao dos Espiritas
Missao dos Espiritas
Graça Maciel
 
Consolação e Codificação
Consolação e CodificaçãoConsolação e Codificação
Consolação e Codificação
Ricardo Azevedo
 
allan-kardec.ppt
allan-kardec.pptallan-kardec.ppt
allan-kardec.ppt
LuizEdmundoSilva1
 
Ebook O Principiante Espirita, por Allan Kardec, em pdf.
Ebook O Principiante Espirita, por Allan Kardec, em pdf.Ebook O Principiante Espirita, por Allan Kardec, em pdf.
Ebook O Principiante Espirita, por Allan Kardec, em pdf.
mestrix3
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
André Gonçalves
 
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
Alcides lambiasi
 
DOUTRINA DO BOM SENSO
DOUTRINA DO BOM SENSODOUTRINA DO BOM SENSO
DOUTRINA DO BOM SENSO
Jorge Luiz dos Santos
 
Seara dos médiuns chico xavier
Seara dos médiuns   chico xavierSeara dos médiuns   chico xavier
Seara dos médiuns chico xavier
havatar
 
Missão dos Espíritas
Missão dos EspíritasMissão dos Espíritas
Missão dos Espíritas
Antonino Silva
 
Medium e mediunidade com jesus
Medium e mediunidade com jesusMedium e mediunidade com jesus
Medium e mediunidade com jesus
José Carlos Monteiro
 
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMOO KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
18 abril de 1857
18 abril de 185718 abril de 1857
18 abril de 1857
Henrique Vieira
 
Palestra Allan Kardec
Palestra Allan KardecPalestra Allan Kardec
Palestra Allan Kardec
The Fraternity Spiritist Group
 
Refletindo com Kardec 3
Refletindo com Kardec 3Refletindo com Kardec 3
Refletindo com Kardec 3
Graça Maciel
 
Allan kardec
Allan kardecAllan kardec
Allan kardec base segura do espiritismo
Allan kardec base segura do espiritismoAllan kardec base segura do espiritismo
Allan kardec base segura do espiritismo
Alcides Almeida
 
Kardec v5
Kardec v5Kardec v5
Um pouco sobre o espiritismo
Um pouco sobre o espiritismoUm pouco sobre o espiritismo
Um pouco sobre o espiritismo
Helio Cruz
 
Revista espírita 1869
Revista espírita   1869Revista espírita   1869
Revista espírita 1869
anaccc2013
 

Semelhante a Obsessão nos grupos espíritas (20)

Missão dos espíritas
Missão dos espíritasMissão dos espíritas
Missão dos espíritas
 
Missao dos Espiritas
Missao dos EspiritasMissao dos Espiritas
Missao dos Espiritas
 
Consolação e Codificação
Consolação e CodificaçãoConsolação e Codificação
Consolação e Codificação
 
allan-kardec.ppt
allan-kardec.pptallan-kardec.ppt
allan-kardec.ppt
 
Ebook O Principiante Espirita, por Allan Kardec, em pdf.
Ebook O Principiante Espirita, por Allan Kardec, em pdf.Ebook O Principiante Espirita, por Allan Kardec, em pdf.
Ebook O Principiante Espirita, por Allan Kardec, em pdf.
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
 
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
 
DOUTRINA DO BOM SENSO
DOUTRINA DO BOM SENSODOUTRINA DO BOM SENSO
DOUTRINA DO BOM SENSO
 
Seara dos médiuns chico xavier
Seara dos médiuns   chico xavierSeara dos médiuns   chico xavier
Seara dos médiuns chico xavier
 
Missão dos Espíritas
Missão dos EspíritasMissão dos Espíritas
Missão dos Espíritas
 
Medium e mediunidade com jesus
Medium e mediunidade com jesusMedium e mediunidade com jesus
Medium e mediunidade com jesus
 
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMOO KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
 
18 abril de 1857
18 abril de 185718 abril de 1857
18 abril de 1857
 
Palestra Allan Kardec
Palestra Allan KardecPalestra Allan Kardec
Palestra Allan Kardec
 
Refletindo com Kardec 3
Refletindo com Kardec 3Refletindo com Kardec 3
Refletindo com Kardec 3
 
Allan kardec
Allan kardecAllan kardec
Allan kardec
 
Allan kardec base segura do espiritismo
Allan kardec base segura do espiritismoAllan kardec base segura do espiritismo
Allan kardec base segura do espiritismo
 
Kardec v5
Kardec v5Kardec v5
Kardec v5
 
Um pouco sobre o espiritismo
Um pouco sobre o espiritismoUm pouco sobre o espiritismo
Um pouco sobre o espiritismo
 
Revista espírita 1869
Revista espírita   1869Revista espírita   1869
Revista espírita 1869
 

Mais de Graça Maciel

Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1
Graça Maciel
 
Não vim destruir a lei
Não vim destruir a leiNão vim destruir a lei
Não vim destruir a lei
Graça Maciel
 
Pecado por pensamento
Pecado por pensamentoPecado por pensamento
Pecado por pensamento
Graça Maciel
 
Amai os vossos inimigos
Amai  os  vossos  inimigosAmai  os  vossos  inimigos
Amai os vossos inimigos
Graça Maciel
 
Ação da prece
Ação da preceAção da prece
Ação da prece
Graça Maciel
 
Pressentimentos
PressentimentosPressentimentos
Pressentimentos
Graça Maciel
 
Adoração
AdoraçãoAdoração
Adoração
Graça Maciel
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Graça Maciel
 
Pensamento benévolo
Pensamento benévoloPensamento benévolo
Pensamento benévolo
Graça Maciel
 
Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
Graça Maciel
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
Graça Maciel
 
O mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconheceO mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconhece
Graça Maciel
 
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Graça Maciel
 
O homem depois da morte
O homem depois da morte O homem depois da morte
O homem depois da morte
Graça Maciel
 
Respeito a crença alheia
Respeito a crença alheiaRespeito a crença alheia
Respeito a crença alheia
Graça Maciel
 
Hipocrisia na bíblia
Hipocrisia na bíblia Hipocrisia na bíblia
Hipocrisia na bíblia
Graça Maciel
 
A prece
A prece A prece
A prece
Graça Maciel
 
Desmascarar a hipocrisia e a mentira - parte 1
Desmascarar a hipocrisia e a mentira - parte 1Desmascarar a hipocrisia e a mentira - parte 1
Desmascarar a hipocrisia e a mentira - parte 1
Graça Maciel
 
Comemoração dos mortos. Funerais
Comemoração dos mortos. FuneraisComemoração dos mortos. Funerais
Comemoração dos mortos. Funerais
Graça Maciel
 
Fascinação
FascinaçãoFascinação
Fascinação
Graça Maciel
 

Mais de Graça Maciel (20)

Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1
 
Não vim destruir a lei
Não vim destruir a leiNão vim destruir a lei
Não vim destruir a lei
 
Pecado por pensamento
Pecado por pensamentoPecado por pensamento
Pecado por pensamento
 
Amai os vossos inimigos
Amai  os  vossos  inimigosAmai  os  vossos  inimigos
Amai os vossos inimigos
 
Ação da prece
Ação da preceAção da prece
Ação da prece
 
Pressentimentos
PressentimentosPressentimentos
Pressentimentos
 
Adoração
AdoraçãoAdoração
Adoração
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
 
Pensamento benévolo
Pensamento benévoloPensamento benévolo
Pensamento benévolo
 
Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
 
O mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconheceO mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconhece
 
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
 
O homem depois da morte
O homem depois da morte O homem depois da morte
O homem depois da morte
 
Respeito a crença alheia
Respeito a crença alheiaRespeito a crença alheia
Respeito a crença alheia
 
Hipocrisia na bíblia
Hipocrisia na bíblia Hipocrisia na bíblia
Hipocrisia na bíblia
 
A prece
A prece A prece
A prece
 
Desmascarar a hipocrisia e a mentira - parte 1
Desmascarar a hipocrisia e a mentira - parte 1Desmascarar a hipocrisia e a mentira - parte 1
Desmascarar a hipocrisia e a mentira - parte 1
 
Comemoração dos mortos. Funerais
Comemoração dos mortos. FuneraisComemoração dos mortos. Funerais
Comemoração dos mortos. Funerais
 
Fascinação
FascinaçãoFascinação
Fascinação
 

Último

Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 

Último (16)

Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 

Obsessão nos grupos espíritas

  • 1. Obsessão nos Grupos Espíritas
  • 2. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Os falsos profetas não se encontram unicamente entre os encarnados. Há-os também, e em muito maior número, entre os Espíritos orgulhosos que, aparentando amor e caridade, semeiam a desunião e retardam a obra de emancipação da Humanidade, lançando-lhe de través seus sistemas absurdos, depois de terem feito que seus médiuns os aceitem. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 3. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. E, para melhor fascinarem aqueles a quem desejam iludir, para darem mais peso às suas teorias, se apropriam sem escrúpulo de nomes que só com muito respeito os homens pronunciam. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 4. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. São eles que espalham o fermento dos antagonismos entre os grupos, que os impelem a isolarem-se uns dos outros e a olharem-se com prevenção. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 5. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Isso por si só bastaria para os desmascarar, pois, procedendo assim, são os primeiros a dar o mais formal desmentido às suas pretensões. Cegos, portanto, são os homens que se deixam cair em tão grosseiro embuste. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 6. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Mas, há muitos outros meios de serem reconhecidos. Espíritos da categoria em que eles dizem achar-se têm de ser não só muito bons, como também eminentemente racionais. Pois bem: passai-lhes os sistemas pelo crivo da razão e do bom senso e vede o que restará. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 7. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Convinde, pois, comigo, em que, todas as vezes que um Espírito indica, como remédio aos males da Humanidade ou como meio de conseguir-se a sua transformação, coisas utópicas e impraticáveis, medidas pueris e ridículas; quando formula um sistema que as mais rudimentares noções da Ciência contradizem, não pode ser senão um Espírito ignorante e mentiroso. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 8. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Por outro lado, crede que, se nem sempre os indivíduos apreciam a verdade, esta é apreciada sempre pelo bom senso das massas, constituindo isso mais um critério. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 9. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Se dois princípios se contradizem, achareis a medida do valor intrínseco de ambos, verificando qual dos dois encontra mais ecos e simpatias. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 10. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Fora, com efeito, ilógico admitir-se que uma doutrina cujo número de adeptos diminua progressivamente seja mais verdadeira do que outra que veja o dos seus em continuo aumento. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 11. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Querendo que a verdade chegue a todos, Deus não a confina num círculo acanhado: fá-la surgir em diferentes pontos, a fim de que por toda a parte a luz esteja ao lado das trevas. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 12. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Repeli sem condescendência todos esses Espíritos que se apresentam como conselheiros exclusivos, pregando a separação e o insulamento. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 13. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. São quase sempre Espíritos vaidosos e medíocres, que procuram impor-se a homens fracos e crédulos, prodigalizando-lhes exagerados louvores, a fim de os fascinar e de tê-los dominados. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 14. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. São, geralmente, Espíritos sequiosos de poder e que, déspotas públicos ou nos lares, quando vivos, ainda querem vítimas para tiranizar depois de terem morrido. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 15. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Em geral, desconfiai das comunicações que trazem um caráter de misticismo e de singularidade, ou que prescrevem cerimônias e atos extravagantes. Há sempre, nesses casos, motivo legítimo de suspeição. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 16. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Estai certos, igualmente, de que quando uma verdade tem de ser revelada aos homens, é, por assim dizer, comunicada instantaneamente a todos os grupos sérios, que dispõem de médiuns também sérios, e não a tais ou quais, com exclusão dos outros. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 17. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Nenhum médium é perfeito, se está obsidiado; e há manifesta obsessão quando um médium só é apto a receber comunicações de determinado Espírito, por mais alto que este procure colocar-se. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 18. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Conseguintemente, todo médium e todo grupo que considerem privilégio seu receber as comunicações que obtêm e que, por outro lado, se submetem a práticas que tendem para a superstição, indubitavelmente se acham presas de uma obsessão bem caracterizada, sobretudo quando o Espírito dominador se pavoneia com um nome que todos, encarnados e desencarnados, devem honrar e respeitar e não permitir seja declinado a todo propósito. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 19. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. É incontestável que, submetendo ao crivo da razão e da lógica todos os dados e todas as comunicações dos Espíritos, fácil se torna rejeitar a absurdidade e o erro. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
  • 20. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo, item 10. Pode um médium ser fascinado, e iludido um grupo; mas, a verificação severa a que procedam os outros grupos, a ciência adquirida, a alta autoridade moral dos diretores de grupos, as comunicações que os principais médiuns recebam, com um cunho de lógica e de autenticidade dos melhores Espíritos, justiçarão rapidamente esses ditados mentirosos e astuciosos, emanados de uma turba de Espíritos mistificadores ou maus. - Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)