SlideShare uma empresa Scribd logo
320. Os Espíritos são sensíveis à saudade
daqueles que amaram e que ficaram na
Terra?
– Muito mais do que podeis supor; se são
felizes, essa lembrança aumenta sua
felicidade; se são infelizes, essa lembrança é
para eles um alívio.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 320.
321. O dia da comemoração dos mortos
tem algo de solene para os Espíritos? Eles
se preparam para visitar os que vão orar
nas suas sepulturas?
– Os Espíritos atendem ao chamado do
pensamento tanto nesse dia quanto em
qualquer outro.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 321.
321. a) Esse dia é para eles um encontro
junto às suas sepulturas?
– Eles estão aí num maior número nesse
dia, porque há mais pessoas que os
chamam. Mas cada um deles vem apenas
pelos seus amigos e não pela multidão de
indiferentes.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 321a .
321. b) Sob que forma comparecem e como
seriam vistos, se pudessem se tornar
visíveis?
– Sob a forma pela qual os conhecemos
quando encarnados.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 321b .
322. Os Espíritos esquecidos, cujos túmulos
ninguém visita, também aí comparecem
apesar disso? Lamentam não ver nenhum
amigo que se lembre deles?
– Que lhes importa a Terra? Eles somente
se prendem a ela pelo coração. Se aí não há
amor, não há mais nada que retenha o
Espírito: tem todo o universo para si.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 322.
323. A visita ao túmulo dá mais satisfação
ao Espírito do que uma prece feita para ele?
– A visita ao túmulo é uma maneira de
mostrar que se pensa no Espírito ausente: é
a imagem. Já vos disse, a prece é que
santifica o ato da lembrança; pouco importa
o lugar, quando se ora com o coração.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 323.
324. Os Espíritos das pessoas às quais se
erguem estátuas ou monumentos assistem à
inauguração e as veem com prazer?
– Muitos comparecem a essas solenidades
quando podem, mas são menos sensíveis às
homenagens que lhes prestam do que à
lembrança.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 324.
325. De onde surge, para certas pessoas, o
desejo de ser enterradas num lugar em vez
de outro? Reveem esse lugar com maior
satisfação após sua morte?
Essa
importância dada a uma coisa material é um
sinal de inferioridade do Espírito?
– A afeição do Espírito por determinados
lugares é inferioridade moral. Que diferença
há entre um pedaço de terra em vez de
outro para um Espírito elevado? Ele não
sabe que se unirá aos que ama, mesmo
estando os seus ossos separados?
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 325.
325. a) A reunião dos restos mortais de
todos os membros de uma família num
mesmo lugar deve ser considerada como
uma coisa fútil?
– Não. É um costume piedoso e um
testemunho de simpatia por quem se amou.
Essa reunião pouco importa aos
Espíritos, mas é útil aos homens: as
lembranças ficam concentradas num só
lugar.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 325a .
326. A alma, ao entrar na vida espiritual, é
sensível às homenagens prestadas aos seus
despojos mortais?
– Quando o Espírito já atingiu um certo
grau de perfeição, não possui mais vaidade
terrestre e compreende a futilidade de
todas as coisas.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 326.
Porém, ficai sabendo, há Espíritos que, no
primeiro
momento
de
seu
desencarne, sentem um grande prazer
pelas homenagens que lhes prestam, ou se
aborrecem com a falta de atenção ao seu
corpo físico; isso porque ainda conservam
alguns preconceitos da Terra.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 326.
327. O Espírito assiste ao enterro de seu
corpo?
– Ele o assiste muito frequentemente; mas,
algumas vezes, se ainda estiver perturbado,
não se dá conta do que se passa.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 327.
327. a) Ele fica lisonjeado com a
concorrência de assistentes ao seu enterro?
– Mais ou menos, de acordo com o
sentimento que eles tenham.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 327a .
328. O Espírito daquele que acaba de
morrer assiste às reuniões de seus
herdeiros?
– Quase sempre; isso lhe é permitido para
sua própria instrução e para castigo dos
culpados. O Espírito julga nessa hora o
valor das manifestações honrosas que lhe
faziam.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 328.
Todos os sentimentos dos herdeiros se
tornam claros como são de fato, e a
decepção que sente ao ver a cobiça
daqueles que partilham seus bens o
esclarece quanto a esses sentimentos.
Porém, a vez deles chegará igualmente.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 328.
329. O respeito instintivo que o homem,
em todos os tempos e em todos os povos,
tem pelos mortos é o efeito da intuição de
uma vida futura?
– É a consequência natural dessa intuição;
sem isso, esse respeito não teria sentido.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 329.
8. Os Espíritos visitam de preferência os
túmulos em que repousam os seus corpos?
— O corpo não era mais que uma veste.
Eles não ligam mais para o envoltório que
os fez sofrer do que o prisioneiro para as
algemas. A lembrança das pessoas que lhes
são caras é a única coisa a que dão valor.
Allan Kardec – O livro dos médiuns, IX, itens 8.
8. a) As preces que se fazem sobre os seus
túmulos são mais agradáveis para eles, e os
atraem mais do que as feitas em outros
lugares?
— A prece é uma evocação que atrai os
Espíritos, como o sabeis. A prece tem tanto
maior ação, quanto mais fervorosa e mais
sincera.
Allan Kardec – O livro dos médiuns, IX, itens 8a.
Ora, diante de um túmulo venerado as
pessoas se concentram mais e a
conservação de relíquias piedosas é um
testemunho de afeição que se dá ao
Espírito, ao qual ele é sempre sensível.
Allan Kardec – O livro dos médiuns, IX, itens 8a.
É sempre o pensamento que age sobre o
Espírito e não os objetos materiais. Esses
objetos influem mais sobre aquele que ora,
fixando-lhe a atenção, do que sobre o
Espírito.
Allan Kardec – O livro dos médiuns, IX, itens 8a.
Comemoração dos mortos. Funerais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
Lar Irmã Zarabatana
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
Instituto Espírita de Educação
 
O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
igmateus
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Ponte de Luz ASEC
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
Norberto Tomasini Jr
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
Graça Maciel
 
O cristo consolador
O cristo consoladorO cristo consolador
O cristo consolador
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
A pascoa visao_espirita jsoh
A pascoa visao_espirita jsohA pascoa visao_espirita jsoh
A pascoa visao_espirita jsoh
jesussalveoshumildes
 
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morteA Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
Ricardo Azevedo
 
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Ana Lucia Silva
 
Autoridade da Doutrina Espírita
Autoridade da Doutrina EspíritaAutoridade da Doutrina Espírita
Autoridade da Doutrina Espírita
Helio Cruz
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
Bruno Cechinel Filho
 
Cei 100217-i-cap. 4-o inferno
Cei 100217-i-cap. 4-o infernoCei 100217-i-cap. 4-o inferno
Cei 100217-i-cap. 4-o inferno
Carlos Alberto Freire De Souza
 
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
Jorge Luiz dos Santos
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
Jose Maria Magalhaes
 
Livro dos Espíritos Q.287 ESE cap.24 item8
Livro dos Espíritos Q.287 ESE cap.24 item8Livro dos Espíritos Q.287 ESE cap.24 item8
Livro dos Espíritos Q.287 ESE cap.24 item8
Patricia Farias
 
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
Marta Gomes
 
Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011
Daniela Azevedo
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidação
Sergio Rodriguez
 

Mais procurados (20)

26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
 
O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
 
O cristo consolador
O cristo consoladorO cristo consolador
O cristo consolador
 
A pascoa visao_espirita jsoh
A pascoa visao_espirita jsohA pascoa visao_espirita jsoh
A pascoa visao_espirita jsoh
 
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morteA Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
 
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
 
Autoridade da Doutrina Espírita
Autoridade da Doutrina EspíritaAutoridade da Doutrina Espírita
Autoridade da Doutrina Espírita
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
 
Cei 100217-i-cap. 4-o inferno
Cei 100217-i-cap. 4-o infernoCei 100217-i-cap. 4-o inferno
Cei 100217-i-cap. 4-o inferno
 
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
 
Livro dos Espíritos Q.287 ESE cap.24 item8
Livro dos Espíritos Q.287 ESE cap.24 item8Livro dos Espíritos Q.287 ESE cap.24 item8
Livro dos Espíritos Q.287 ESE cap.24 item8
 
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
 
Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidação
 

Destaque

Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5hOs parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
home
 
A Morte segundo Rabino Henry Sobel
A Morte segundo Rabino Henry SobelA Morte segundo Rabino Henry Sobel
A Morte segundo Rabino Henry Sobel
CNA - CLUBE NAMORO OU AMIZADE
 
03 pbde - pluralidade das existências
03   pbde - pluralidade das existências03   pbde - pluralidade das existências
03 pbde - pluralidade das existências
Cláudio Luciano
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Allan kardec - a prece segundo o evangelho
Allan kardec - a prece segundo o evangelhoAllan kardec - a prece segundo o evangelho
Allan kardec - a prece segundo o evangelho
Elaine Cristina
 
Mensagem: Partida e chegada
Mensagem: Partida e chegada Mensagem: Partida e chegada
Mensagem: Partida e chegada
Graça Maciel
 
Comemoração dos mortos
Comemoração dos mortosComemoração dos mortos
Comemoração dos mortos
Graça Maciel
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Afastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritosAfastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritos
Graça Maciel
 

Destaque (9)

Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5hOs parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
 
A Morte segundo Rabino Henry Sobel
A Morte segundo Rabino Henry SobelA Morte segundo Rabino Henry Sobel
A Morte segundo Rabino Henry Sobel
 
03 pbde - pluralidade das existências
03   pbde - pluralidade das existências03   pbde - pluralidade das existências
03 pbde - pluralidade das existências
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
 
Allan kardec - a prece segundo o evangelho
Allan kardec - a prece segundo o evangelhoAllan kardec - a prece segundo o evangelho
Allan kardec - a prece segundo o evangelho
 
Mensagem: Partida e chegada
Mensagem: Partida e chegada Mensagem: Partida e chegada
Mensagem: Partida e chegada
 
Comemoração dos mortos
Comemoração dos mortosComemoração dos mortos
Comemoração dos mortos
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
 
Afastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritosAfastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritos
 

Semelhante a Comemoração dos mortos. Funerais

Palestra_especial_Finados_30.10.18.ppt
Palestra_especial_Finados_30.10.18.pptPalestra_especial_Finados_30.10.18.ppt
Palestra_especial_Finados_30.10.18.ppt
ssuserebdd0d1
 
O culto dos mortos a luz do espiritismo
O culto dos mortos a luz do espiritismoO culto dos mortos a luz do espiritismo
O culto dos mortos a luz do espiritismo
Henrique Vieira
 
Palestra Um olhar espirita sobre o dia de finados (1).pptx
Palestra Um olhar espirita sobre o dia de finados (1).pptxPalestra Um olhar espirita sobre o dia de finados (1).pptx
Palestra Um olhar espirita sobre o dia de finados (1).pptx
msdbiasi
 
O homem depois da morte
O homem depois da morte O homem depois da morte
O homem depois da morte
Graça Maciel
 
Como Fazer Palestra Espirita
Como Fazer Palestra EspiritaComo Fazer Palestra Espirita
Como Fazer Palestra Espirita
Fórum Espírita
 
Quem tem medo da morte
Quem tem medo da morte Quem tem medo da morte
Quem tem medo da morte
Alan Diniz Souza
 
O que sucede após a morte
O que sucede após a morte O que sucede após a morte
O que sucede após a morte
Graça Maciel
 
Dia De Finados
Dia De FinadosDia De Finados
Dia De Finados
Semente de Esperança
 
150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno
Escola da Vida
 
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
Jorge Luiz dos Santos
 
Livro dos Espíritos Q 313 e 314 - ESE cap 27
Livro dos Espíritos Q 313 e 314 - ESE cap 27Livro dos Espíritos Q 313 e 314 - ESE cap 27
Livro dos Espíritos Q 313 e 314 - ESE cap 27
Patricia Farias
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 FinalEstudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Graça Maciel
 
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
Marta Gomes
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Divulgador do Espiritismo
 
Seminário Memórias de um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VII - Nossos Am...
Seminário Memórias de um Suicida -  Primeira Parte - Capítulo VII - Nossos Am...Seminário Memórias de um Suicida -  Primeira Parte - Capítulo VII - Nossos Am...
Seminário Memórias de um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VII - Nossos Am...
Cynthia Castro
 
Afeições e simpatias
Afeições e simpatiasAfeições e simpatias
Afeições e simpatias
Graça Maciel
 
Missão dos Espíritas
Missão dos EspíritasMissão dos Espíritas
Missão dos Espíritas
Antonino Silva
 
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Anjos guardiães
Anjos guardiãesAnjos guardiães
Anjos guardiães
Graça Maciel
 

Semelhante a Comemoração dos mortos. Funerais (20)

Palestra_especial_Finados_30.10.18.ppt
Palestra_especial_Finados_30.10.18.pptPalestra_especial_Finados_30.10.18.ppt
Palestra_especial_Finados_30.10.18.ppt
 
O culto dos mortos a luz do espiritismo
O culto dos mortos a luz do espiritismoO culto dos mortos a luz do espiritismo
O culto dos mortos a luz do espiritismo
 
Palestra Um olhar espirita sobre o dia de finados (1).pptx
Palestra Um olhar espirita sobre o dia de finados (1).pptxPalestra Um olhar espirita sobre o dia de finados (1).pptx
Palestra Um olhar espirita sobre o dia de finados (1).pptx
 
O homem depois da morte
O homem depois da morte O homem depois da morte
O homem depois da morte
 
Como Fazer Palestra Espirita
Como Fazer Palestra EspiritaComo Fazer Palestra Espirita
Como Fazer Palestra Espirita
 
Quem tem medo da morte
Quem tem medo da morte Quem tem medo da morte
Quem tem medo da morte
 
O que sucede após a morte
O que sucede após a morte O que sucede após a morte
O que sucede após a morte
 
Dia De Finados
Dia De FinadosDia De Finados
Dia De Finados
 
150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno
 
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
 
Livro dos Espíritos Q 313 e 314 - ESE cap 27
Livro dos Espíritos Q 313 e 314 - ESE cap 27Livro dos Espíritos Q 313 e 314 - ESE cap 27
Livro dos Espíritos Q 313 e 314 - ESE cap 27
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 FinalEstudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
Estudando: livro o que é o espiritismo n.14 Final
 
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
Seminário Memórias de um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VII - Nossos Am...
Seminário Memórias de um Suicida -  Primeira Parte - Capítulo VII - Nossos Am...Seminário Memórias de um Suicida -  Primeira Parte - Capítulo VII - Nossos Am...
Seminário Memórias de um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VII - Nossos Am...
 
Afeições e simpatias
Afeições e simpatiasAfeições e simpatias
Afeições e simpatias
 
Missão dos Espíritas
Missão dos EspíritasMissão dos Espíritas
Missão dos Espíritas
 
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
 
Anjos guardiães
Anjos guardiãesAnjos guardiães
Anjos guardiães
 

Mais de Graça Maciel

Missao dos Espiritas
Missao dos EspiritasMissao dos Espiritas
Missao dos Espiritas
Graça Maciel
 
Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4
Graça Maciel
 
Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3
Graça Maciel
 
Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2
Graça Maciel
 
Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1
Graça Maciel
 
Não vim destruir a lei
Não vim destruir a leiNão vim destruir a lei
Não vim destruir a lei
Graça Maciel
 
Pecado por pensamento
Pecado por pensamentoPecado por pensamento
Pecado por pensamento
Graça Maciel
 
Amai os vossos inimigos
Amai  os  vossos  inimigosAmai  os  vossos  inimigos
Amai os vossos inimigos
Graça Maciel
 
Ação da prece
Ação da preceAção da prece
Ação da prece
Graça Maciel
 
Pressentimentos
PressentimentosPressentimentos
Pressentimentos
Graça Maciel
 
Adoração
AdoraçãoAdoração
Adoração
Graça Maciel
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Graça Maciel
 
Pensamento benévolo
Pensamento benévoloPensamento benévolo
Pensamento benévolo
Graça Maciel
 
Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
Graça Maciel
 
Obsessão nos grupos espíritas
Obsessão nos grupos espíritasObsessão nos grupos espíritas
Obsessão nos grupos espíritas
Graça Maciel
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
Graça Maciel
 
O mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconheceO mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconhece
Graça Maciel
 
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Graça Maciel
 
Respeito a crença alheia
Respeito a crença alheiaRespeito a crença alheia
Respeito a crença alheia
Graça Maciel
 
Hipocrisia na bíblia
Hipocrisia na bíblia Hipocrisia na bíblia
Hipocrisia na bíblia
Graça Maciel
 

Mais de Graça Maciel (20)

Missao dos Espiritas
Missao dos EspiritasMissao dos Espiritas
Missao dos Espiritas
 
Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4
 
Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3
 
Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2
 
Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1
 
Não vim destruir a lei
Não vim destruir a leiNão vim destruir a lei
Não vim destruir a lei
 
Pecado por pensamento
Pecado por pensamentoPecado por pensamento
Pecado por pensamento
 
Amai os vossos inimigos
Amai  os  vossos  inimigosAmai  os  vossos  inimigos
Amai os vossos inimigos
 
Ação da prece
Ação da preceAção da prece
Ação da prece
 
Pressentimentos
PressentimentosPressentimentos
Pressentimentos
 
Adoração
AdoraçãoAdoração
Adoração
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
 
Pensamento benévolo
Pensamento benévoloPensamento benévolo
Pensamento benévolo
 
Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
 
Obsessão nos grupos espíritas
Obsessão nos grupos espíritasObsessão nos grupos espíritas
Obsessão nos grupos espíritas
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
 
O mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconheceO mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconhece
 
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
 
Respeito a crença alheia
Respeito a crença alheiaRespeito a crença alheia
Respeito a crença alheia
 
Hipocrisia na bíblia
Hipocrisia na bíblia Hipocrisia na bíblia
Hipocrisia na bíblia
 

Último

DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 

Último (16)

DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 

Comemoração dos mortos. Funerais

  • 1.
  • 2. 320. Os Espíritos são sensíveis à saudade daqueles que amaram e que ficaram na Terra? – Muito mais do que podeis supor; se são felizes, essa lembrança aumenta sua felicidade; se são infelizes, essa lembrança é para eles um alívio. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 320.
  • 3. 321. O dia da comemoração dos mortos tem algo de solene para os Espíritos? Eles se preparam para visitar os que vão orar nas suas sepulturas? – Os Espíritos atendem ao chamado do pensamento tanto nesse dia quanto em qualquer outro. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 321.
  • 4. 321. a) Esse dia é para eles um encontro junto às suas sepulturas? – Eles estão aí num maior número nesse dia, porque há mais pessoas que os chamam. Mas cada um deles vem apenas pelos seus amigos e não pela multidão de indiferentes. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 321a .
  • 5. 321. b) Sob que forma comparecem e como seriam vistos, se pudessem se tornar visíveis? – Sob a forma pela qual os conhecemos quando encarnados. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 321b .
  • 6. 322. Os Espíritos esquecidos, cujos túmulos ninguém visita, também aí comparecem apesar disso? Lamentam não ver nenhum amigo que se lembre deles? – Que lhes importa a Terra? Eles somente se prendem a ela pelo coração. Se aí não há amor, não há mais nada que retenha o Espírito: tem todo o universo para si. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 322.
  • 7. 323. A visita ao túmulo dá mais satisfação ao Espírito do que uma prece feita para ele? – A visita ao túmulo é uma maneira de mostrar que se pensa no Espírito ausente: é a imagem. Já vos disse, a prece é que santifica o ato da lembrança; pouco importa o lugar, quando se ora com o coração. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 323.
  • 8. 324. Os Espíritos das pessoas às quais se erguem estátuas ou monumentos assistem à inauguração e as veem com prazer? – Muitos comparecem a essas solenidades quando podem, mas são menos sensíveis às homenagens que lhes prestam do que à lembrança. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 324.
  • 9. 325. De onde surge, para certas pessoas, o desejo de ser enterradas num lugar em vez de outro? Reveem esse lugar com maior satisfação após sua morte? Essa importância dada a uma coisa material é um sinal de inferioridade do Espírito? – A afeição do Espírito por determinados lugares é inferioridade moral. Que diferença há entre um pedaço de terra em vez de outro para um Espírito elevado? Ele não sabe que se unirá aos que ama, mesmo estando os seus ossos separados? Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 325.
  • 10. 325. a) A reunião dos restos mortais de todos os membros de uma família num mesmo lugar deve ser considerada como uma coisa fútil? – Não. É um costume piedoso e um testemunho de simpatia por quem se amou. Essa reunião pouco importa aos Espíritos, mas é útil aos homens: as lembranças ficam concentradas num só lugar. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 325a .
  • 11. 326. A alma, ao entrar na vida espiritual, é sensível às homenagens prestadas aos seus despojos mortais? – Quando o Espírito já atingiu um certo grau de perfeição, não possui mais vaidade terrestre e compreende a futilidade de todas as coisas. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 326.
  • 12. Porém, ficai sabendo, há Espíritos que, no primeiro momento de seu desencarne, sentem um grande prazer pelas homenagens que lhes prestam, ou se aborrecem com a falta de atenção ao seu corpo físico; isso porque ainda conservam alguns preconceitos da Terra. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 326.
  • 13. 327. O Espírito assiste ao enterro de seu corpo? – Ele o assiste muito frequentemente; mas, algumas vezes, se ainda estiver perturbado, não se dá conta do que se passa. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 327.
  • 14. 327. a) Ele fica lisonjeado com a concorrência de assistentes ao seu enterro? – Mais ou menos, de acordo com o sentimento que eles tenham. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 327a .
  • 15. 328. O Espírito daquele que acaba de morrer assiste às reuniões de seus herdeiros? – Quase sempre; isso lhe é permitido para sua própria instrução e para castigo dos culpados. O Espírito julga nessa hora o valor das manifestações honrosas que lhe faziam. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 328.
  • 16. Todos os sentimentos dos herdeiros se tornam claros como são de fato, e a decepção que sente ao ver a cobiça daqueles que partilham seus bens o esclarece quanto a esses sentimentos. Porém, a vez deles chegará igualmente. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 328.
  • 17. 329. O respeito instintivo que o homem, em todos os tempos e em todos os povos, tem pelos mortos é o efeito da intuição de uma vida futura? – É a consequência natural dessa intuição; sem isso, esse respeito não teria sentido. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, 329.
  • 18. 8. Os Espíritos visitam de preferência os túmulos em que repousam os seus corpos? — O corpo não era mais que uma veste. Eles não ligam mais para o envoltório que os fez sofrer do que o prisioneiro para as algemas. A lembrança das pessoas que lhes são caras é a única coisa a que dão valor. Allan Kardec – O livro dos médiuns, IX, itens 8.
  • 19. 8. a) As preces que se fazem sobre os seus túmulos são mais agradáveis para eles, e os atraem mais do que as feitas em outros lugares? — A prece é uma evocação que atrai os Espíritos, como o sabeis. A prece tem tanto maior ação, quanto mais fervorosa e mais sincera. Allan Kardec – O livro dos médiuns, IX, itens 8a.
  • 20. Ora, diante de um túmulo venerado as pessoas se concentram mais e a conservação de relíquias piedosas é um testemunho de afeição que se dá ao Espírito, ao qual ele é sempre sensível. Allan Kardec – O livro dos médiuns, IX, itens 8a.
  • 21. É sempre o pensamento que age sobre o Espírito e não os objetos materiais. Esses objetos influem mais sobre aquele que ora, fixando-lhe a atenção, do que sobre o Espírito. Allan Kardec – O livro dos médiuns, IX, itens 8a.