SlideShare uma empresa Scribd logo
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
                 EQUIPA OBSERVADA Vitó i S t Clube
                        OBSERVADA: Vitória Sport Cl b

                   Vitória S t Clube
                   Vitó i Sport Cl b 2 – Ri Ave 0
                                         Rio A



COMPETIÇÃO: Campeonato Nacional Juniores B – série A 2011/2012
JORNADA: 22ª
DATA / HORA: 22/01/12      11.00h
CLIMA: Sol
TERRENO DE JOGO: Complexo Desportivo Dr. António P. Machado – Campo 1
                 BOM ESTADO


EVOLUÇÃO RESULTADO:         1 – 0 Almiro (6’)
                                         (6 )
                            2 – 0 Helinho (8’)
RESULTADO FINAL: 2- 0
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
                                INFORMAÇÃO INICIAL
Treinador: Flávio Salgado
EQUIPA INICIAL                                     SUPLENTES
 Nº            NOME       CA   CV   SUBS       G   Nº     NOME   CA   CV   SUBS     G
 1    Palha                                        16   Dani               in 65’
 2    Paulo                                        17   Braima             in 20’
 3    Tiago M. (sub.c)                             18   Bemba              in 53’
 4    Adriano
 5    Pedro
 6    Filipe                        out 53’
 7    Cláudio                       out 20’
 8    Jota (cap.)                   out 65’
 9    Miguel
 10   Helinho                                 8’
 11   Almiro                                  6’
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
SISTEMA DE JOGO / ESTRUTURA DA EQUIPA
                       Linhas em Situação Defensiva




                       Linhas em Situação Ofensiva
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
                                                 ORGANIZAÇÃO OFENSIVA
Org. Ofensiva / Linhas de Movimentação
                         1
                                                 -Predomina o jogo apoiado em passe curto a privilegiar a posse de bola Os passes longos a procurar a os homens da
                                                  Predomina                                                        bola.
                                                 frente de ataque, principalmente as alas, surgem sempre que o adversário está desorganizado e há a possibilidade de
                                                 1x1.
                 4            3                  -Numa 1ª fase de ataque a bola é sempre colocada nos centrais. Só saiem a jogar em segurança, nunca arriscam.
   2
                                        3        Sempre que são pressionados passam de volta ao GR Se o GR não puder voltar a jogar apoiado bate longo em
                                                                                                 GR.
                                                 diagonal na frente.
                         6
                                                 -Na passagem para a 2ª fase, Jota(8) é o homem que vem quase sempre buscar a bola para por a equipa a jogar.
                                                 Primeira opção, jogo apoiado para desmarcar Miguel (9) entre os centrais ou passe no espaço entre o lateral e o
                                                 central para Cláudio ou Almiro entrarem.

             8                                   -Como segunda opção, em ataque organizado com posse de bola, Jota ou Helinho faziam a circulação no seu meio
                             10                  campo ofensivo à espera que o lateral consiga penetrar no ultimo terço ofensivo, nas costas do extremo, para lhe
                                                 colocar a bola em profundidade. Esta movimentação acontece com o recuo do ala para o interior do terreno e com a
       7                               11
                                                 falta de “concentração” do adversário para fechar, o lateral Paulo (2) ou Pedro (5) entrava nas costas para procurar o
                                                           concentração
                         9                       cruzamento.
                                                 - Filipe (6) dá cobertura ao ataque, principalmente às subidas de Paulo (2) e Pedro (5).
                                                 - Na área em situações de cruzamento sempre 2 jogadores para finalizar. Miguel e Cláudio/Almiro sempre na área
                                                 com H li h na entrada d á a procurar algum ressalto. H li h f assim o segundo golo.
                                                      Helinho      t d da área           l         lt Helinho faz     i          d    l
                                                 -Tentam marcar as faltas de imediato, aproveitando a desorganização do adversário.




Pontos fortes:       Triângulo formado por Filipe-Jota-Helinho muito forte e complementam-se nos vários aspetos de jogo.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
                            ORGANIZAÇÃO OFENSIVA
Combinações Ofensivas
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
                                            ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA
             Org. Defensiva
                                             -A organização ofensiva do adversário não criou dificuldades de posicionamento e marcação na equipa do Vitória.
                         1                   -Linhas recuadas no seu meio campo defensivo. Todas as linhas defensivas executam pressão e tentam recuperar a
                                             bola.
                                             -A atitude defensiva e pressionante começa mal a equipa perde a bola, independente da zona em que isso acontece.
                 4               3
         2                            5
                                             De destacar a ação de Miguel (9) que tenta logo condicionar os centrais, laterais e até os médios do adversário.
                     6                       -Os extremos vêm ajudar na marcação, o que liberta os laterais para as coberturas aos centrais.
                                             -Laterais sempre subidos criam muito espaço em profundidade para os nossos extremos poderem entrar.
                                 10
             8                               -Em situações de bolas paradas (livres laterais) contra a equipa está desconcertada e não acompanha adversário nas
                                      11     suas movimentações.
                                                      i   t õ
     7
                             9
                                             -Não deixam marcar as faltas rápidas, colocam sempre um jogador em frente à bola para impedir que se marque a
                                             falta de imediato.




Pontos fortes:   Agressividade de Filipe e Miguel na procura da recuperação da bola.


Pontos fracos: Subida simultânea dos dois laterais expõe os centrais
               Bolas paradas contra. Muita desconcentração e falta de movimentação no ataque à bola.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
                                 ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA
            Erros Defensivos / Zonas Vulneráveis                                Zona de recuperação de bola
                                                                                                     1
            1
                                                         1

                3
                                                                                             4           3
        4                                            4            3
                    6                                                                2                         5
                                                                                                 6
2                                                            6
                10
                                         2                                               8               10
                             5
    8
                                                                 10        5
                                                 8
                    9


                                                                                     7                        11
7                       11
                                                                      11                             9
                                             7
                                                         9




                                                                               A zona onde se procedia a maior
                                                                               recuperações de bola situava-se no
        Zonas a tracejado vulneráveis:
                                                                               meio campo defensivo entre as 2ª e
        •Espaço nas costas dos laterais;
           p ç                          ;
                                                                               3ª linhas recuadas do Freamunde
        •Centrais lentos e com dificuldade a circular bola.
                                                                               por acção do bloco pressionante
                                                                               Filipe-Jota-Helinho.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
                                                                 TRANSIÇÕES
Transições Ofensivas – depois de ganhar a posse da bola

-Como jogador de referencia, a procura logo no momento da recuperação da bola, é por Jota ou Helinho, que assumem logo uma posição central do terreno
para em posse sair a jogar.
-A 1ª opção d GR P lh (1) é colocar a b l llonga a pontapé muito perto d á
 A       ã do       Palha         l   bola            t é it        t da área adversária, para o jjogador que estiver só ou em situação d 1 1
                                                                               d    ái                d         ti     ó        it ã de 1x1:
Cláudio/Braima, Almiro ou Miguel.
-Em saídas lentas saiem a jogar pelos centrais (lentos a circular e a conduzir bola), os laterais sobem para o ½ campo. Filipe (6) vem buscar, mas entrega
de imediato aos interiores (Jota ou Helinho). Se em vez de Filipe (6) jogar Bemba (18) lança ele as diagonais para os extremos ou toca para os laterais.
-Laterais procuram muitas vezes a combinação 1-2 com os interiores.




Transições Defensivas – depois de perder a posse da bola

-Tendência de rápida pressão no adversário que ganhou a bola. Esta acção começa logo por acção do ponta de lança Miguel (9) e dos extremos Braima e
                p p                        q g                       ç       ç g p         ç      p           ç    g ( )
Almiro.
-Nos casos de perda da bola no seu meio campo defensivo ou em situações que potencie o contra-ataque, recorrem à falta.
-Em perdas de bola laterais muito permissivos, pois è constante a subida do laterall.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
              ALTERAÇÕES AO SISTEMA DE JOGO INICIAL

A equipa manteve sempre o 1-4-3-3 inicial e manteve-se fiel ao modelo de jogo praticado no ínicio.

Substituições:

•Braima procura sempre ganhar a frente ao adversário em velocidade para cruzar;
 Braima


•Bemba não liga tantas vezes o jogo com os interiores (Helinho e Jota), procura ele próprio colocar a bola no espaço
p
para os extremos – tem facilidade em passar longo com a p
                                     p         g        parte exterior do p esquerdo (
                                                                           pé q         (trivela).
                                                                                                )


•Dani vem buscar a bola aos centrais para jogar, mas queima o espaço de Bemba, ficam os dois a jogar no espaço de
um.
BOLAS PARADAS


Livres Laterais      Livres centrais                  Lançamentos




                                             11

                                                  9
                                       5

                                                         8


                                              10
                                                             6




                                           Primeiro executam algumas
  Não houve           Não houve.           movimentações para distrair
                                           adversário. Mas
                                           tendencialmente a b l vai
                                           t d     i l    t  bola i
                                           sempre para o Miguel (9) que
                                           toca de cabeça para Almiro
                                           (11)ou Braima (17) entrar em
                                           p
                                           profundidade.
                                           Sempre que podem recolocam
                                           rapidamente a bola na linha
                                           onde aparece o ala para sair a
                                           jogar ou cruzar.
BOLAS PARADAS



                                                    Cantos
                                                    C t D/E




O canto da esquerda é batido por Helinho para o 2º poste. O canto da direita é batido por Almiro para o 1º poste ou por Pedro
para o 2ºposte. São marcados sempre com pé contrário com trajetória para a baliza. Ao 2º poste entram os centrais para
cabecear. Os extremos trocam de lado para equilibrar uma possível perda de bola e só trocam de novo quando a bola sai.
   b       O    t       t       d l d         ilib           í l     d d b l       ót       d             d   b l    i
Em cima do circulo central ficam sempre dois jogadores Pedro (5)/Almiro (11) e Paulo (2) para equilibrar e mais um à frente do
circulo, geralmente Jota (8) ou Helinho(10).
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
                                      BOLAS PARADAS
                                          Cantos - contra




Marcam à zona, deixando duas linhas de ataque à bola bem marcadas. Atacam rapidamente a bola e após a bola sair da
área saiem rápido à procura de a recuperar.

Nos livres laterais contra, sempre que o Rio Ave marcou para o 2º poste, a defesa do VSC ficou parada à espera que o
Palha
P lh (1) subisse para agarrar a bola e o GR fi
             bi                   b l         ficava à espera que a d f
                                                                    defesa atacasse a b l o que causou sempre
                                                                            t         bola,
oportunidade de golo para o Rio Ave.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
     JOGADORES UTILIZADOS


           Guarda-Redes – Passa bem longo com os
           dois pés. Dificuldades na recepção para
                p                        pç p
           jogar curto. Grande voz de comando. Faz
           parte da seleção sub17. Lança o contra-
           ataque de imediato.




           Defesa Direito – Joga com os dois p sem
                              g               pés
           dificuldade. Apoia muito o ataque.
           Dificuldade em cobrir o espaço nas costas.
           Responsável pelos lançamentos laterais na
           direita.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
     JOGADORES UTILIZADOS


           Central Direito – Lento com a bola nos pés.
           Bom a jogar no ar. Sobe nas bolas p
                  j g                         paradas.
           Procura acompanhar o avançado, por vezes,
           quase até ao ½ campo adversário.




           Central Esquerdo – Lento com a bola nos
           pés. Bom a jogar no ar. Procura diagonais
           longas para os extremos Sobe nas bolas
                          extremos.
           paradas.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
     JOGADORES UTILIZADOS

           Defesa Esquerdo– Joga quase em
           exclusivo com o pé esquerdo. Rápido e forte
           no 1x1 defensivo e ofensivo Responsável
                              ofensivo.
           pelos lançamentos laterais na esquerda.




             Pivot Defensivo– Jogador forte no confronto
             físico. Evita sempre a inferioridade
                              p
             numérica, joga sempre fácil a um, dois
             toques. Excelente nas coberturas e a
             equilibrar a equipa na fase defensiva e
             ofensiva.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
     JOGADORES UTILIZADOS

           Extremo Direito – Rápido e forte
           fisicamente. Procura o 1x1 ofensivo para
           usar a velocidade, mas quase sempre perde
           a bola. Muito “trapalhão”.




           Interior Direito– Excelente a recuperar bolas
           e a lançar o ataque. Corre o campo todo.
           Muito inteligente na ocupação de espaços a
           atacar e a defender. Capitão de equipa.
                                   p         q p
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
     JOGADORES UTILIZADOS

           Ponta de Lança– Procura ajudar sempre a
           equipa. Trabalha imenso na fase defensiva
           para ajudar a pressionar os laterais, os
           centrais e até os interiores adversários. Na
           fase ofensiva, bom a segurar a bola para a
           equipa subir ou a desmarcar nas diagonais
           para receber bola e os extremos entraram.




             Interior Esquerdo– Boa técnica individual
                        q
             com ambos os pés. Dificuldade em jogar de
             cabeça. Responsável pelas bolas paradas:
             livres no ½ campo ofensivo e cantos na
             esquerda.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
     JOGADORES UTILIZADOS

            Extremo Esquerdo– Rá id procura a
            E t       E     d     Rápido,
            velocidade para cruzar na esquerda. Na
            direita vem para dentro para rematar (faz
            assim o 1-0). Responsável pelos cantos na
            direita. Quando lhe colocam diagonais
            longas na frente fica muitas vezes em fora
            de jogo.


            Extremo Direito – Rápido, procura quase
            sempre o cruzamento. Na esquerda vem
            para dentro e tenta o passe para o Ponta de
            Lança ou para o Interior entrar.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
                 JOGADORES UTILIZADOS

                             Interior Di it
                             I t i Direito– pouco i t
                                                    interventivo no j
                                                            ti      jogo.
                             Vem procurar a bola junto aos centrais para
                             sair em condução, mas retira o espaço de
                             jogo ao Bemba.




           Pivot Defensivo– Jogador fisicamente
Bemba -    parecido com o Braima. Esquerdino. Forte
           no 1 1 d f
               1x1 defensivo e ofensivo. C
                          i      f  i    Consegue sair i
           a jogar e arrisca muito mais do que o Filipe,
           o que compromete o equilíbrio da equipa.
           Rio Ave começou a ter muito mais espaço
           para jogar após a sua entrada.
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
   JOGADORES NÃO UTILIZADOS




                       Convocado para a seleção sub17
                       – Lateral Direito
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO
   JOGADORES NÃO UTILIZADOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Fundação Real Madrid
 
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
Fundação Real Madrid
 
Exemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogoExemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogo
Sérgio Santos
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Fundação Real Madrid
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
João Carlos Costa
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Fundação Real Madrid
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Mário Torres
 
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Fundação Real Madrid
 
Jose Mourinho Book-transition-practice
Jose Mourinho Book-transition-practiceJose Mourinho Book-transition-practice
Jose Mourinho Book-transition-practice
Michail Tsokaktsidis
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
carlosmoreira
 
Scout report: PSV (jan-feb 15)
Scout report: PSV (jan-feb 15)Scout report: PSV (jan-feb 15)
Scout report: PSV (jan-feb 15)
Peter Chulkov
 
Relatorio scp vs fcp jun c
Relatorio scp vs fcp   jun cRelatorio scp vs fcp   jun c
Relatorio scp vs fcp jun c
Joao Filipe Machado
 
A bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoA bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc porto
raseslb
 
SARRI'S CHELSEA ANALYSIS 2018/19 - HRISTIAN HRISTOV
SARRI'S CHELSEA ANALYSIS 2018/19 - HRISTIAN HRISTOVSARRI'S CHELSEA ANALYSIS 2018/19 - HRISTIAN HRISTOV
SARRI'S CHELSEA ANALYSIS 2018/19 - HRISTIAN HRISTOV
Hristian Hristov
 
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de JogoConstrução de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Plano de treino_93
Plano de treino_93Plano de treino_93
Plano de treino_93
Ricardo Ribeiro
 
76 ejercicios tacticos_futbol
76 ejercicios tacticos_futbol76 ejercicios tacticos_futbol
76 ejercicios tacticos_futbol
Emilio Cardeno Duran
 
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo AncelottiModelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Fundação Real Madrid
 
Modelo de juego juvenil 13-14
Modelo de juego juvenil 13-14Modelo de juego juvenil 13-14
Modelo de juego juvenil 13-14
Joaquim Garcia i Ortells
 
Guardiola 4v4+3 - Concepts of Juego de Posicion
Guardiola 4v4+3 - Concepts of Juego de PosicionGuardiola 4v4+3 - Concepts of Juego de Posicion
Guardiola 4v4+3 - Concepts of Juego de Posicion
Kieran Smith
 

Mais procurados (20)

Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
 
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
 
Exemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogoExemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogo
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
 
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
 
Jose Mourinho Book-transition-practice
Jose Mourinho Book-transition-practiceJose Mourinho Book-transition-practice
Jose Mourinho Book-transition-practice
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
 
Scout report: PSV (jan-feb 15)
Scout report: PSV (jan-feb 15)Scout report: PSV (jan-feb 15)
Scout report: PSV (jan-feb 15)
 
Relatorio scp vs fcp jun c
Relatorio scp vs fcp   jun cRelatorio scp vs fcp   jun c
Relatorio scp vs fcp jun c
 
A bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoA bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc porto
 
SARRI'S CHELSEA ANALYSIS 2018/19 - HRISTIAN HRISTOV
SARRI'S CHELSEA ANALYSIS 2018/19 - HRISTIAN HRISTOVSARRI'S CHELSEA ANALYSIS 2018/19 - HRISTIAN HRISTOV
SARRI'S CHELSEA ANALYSIS 2018/19 - HRISTIAN HRISTOV
 
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de JogoConstrução de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
 
Plano de treino_93
Plano de treino_93Plano de treino_93
Plano de treino_93
 
76 ejercicios tacticos_futbol
76 ejercicios tacticos_futbol76 ejercicios tacticos_futbol
76 ejercicios tacticos_futbol
 
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo AncelottiModelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
 
Modelo de juego juvenil 13-14
Modelo de juego juvenil 13-14Modelo de juego juvenil 13-14
Modelo de juego juvenil 13-14
 
Guardiola 4v4+3 - Concepts of Juego de Posicion
Guardiola 4v4+3 - Concepts of Juego de PosicionGuardiola 4v4+3 - Concepts of Juego de Posicion
Guardiola 4v4+3 - Concepts of Juego de Posicion
 

Semelhante a ObservaçãO Jogo Vsc X Rio Ave

Análise ao paços
Análise ao paçosAnálise ao paços
Análise ao paços
Edu84
 
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
António Seromenho
 
River Plate
River PlateRiver Plate
GD Estoril-Praia
GD Estoril-PraiaGD Estoril-Praia
Relatorio de Observaçao Clube desportivo de odiáxere
Relatorio de Observaçao Clube desportivo de odiáxereRelatorio de Observaçao Clube desportivo de odiáxere
Relatorio de Observaçao Clube desportivo de odiáxere
António Seromenho
 
Relatório de Observação e Análise de jogo - Figueirense 2 x 2 Palmeiras - Cop...
Relatório de Observação e Análise de jogo - Figueirense 2 x 2 Palmeiras - Cop...Relatório de Observação e Análise de jogo - Figueirense 2 x 2 Palmeiras - Cop...
Relatório de Observação e Análise de jogo - Figueirense 2 x 2 Palmeiras - Cop...
Carlos Eduardo Arissa Vargas
 
Análise ao Cova da Piedade
Análise ao Cova da PiedadeAnálise ao Cova da Piedade
Análise ao Cova da Piedade
João Araújo
 
Lille LOSC
Lille LOSCLille LOSC
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga EuropaAnálise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
TacticZone
 
Racing Club Avellaneda
Racing Club AvellanedaRacing Club Avellaneda
Racing Club Avellaneda
Futebol Relatórios e Tácticas
 
Desportivo das Aves - Apontamentos
Desportivo das Aves - ApontamentosDesportivo das Aves - Apontamentos
Desportivo das Aves - Apontamentos
Bruno Fidalgo
 
Valencia - 3x5x2
Valencia - 3x5x2Valencia - 3x5x2
SL Benfica
SL BenficaSL Benfica
Paços de Ferreira
Paços de FerreiraPaços de Ferreira
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Bernardo Matos
 
Athletic Bilbau
Athletic BilbauAthletic Bilbau
Relatorio Sporting vs FCP Juniores
Relatorio Sporting vs FCP JunioresRelatorio Sporting vs FCP Juniores
Relatorio Sporting vs FCP Juniores
João Correia
 
Jornadas tecnicas
Jornadas tecnicasJornadas tecnicas
Jornadas tecnicas
Rogerioserrador
 
Relatório lyon
Relatório lyonRelatório lyon
Relatório lyon
Andre Miranda
 
Monte Caparica
Monte CaparicaMonte Caparica
Monte Caparica
Ricardo Vieira
 

Semelhante a ObservaçãO Jogo Vsc X Rio Ave (20)

Análise ao paços
Análise ao paçosAnálise ao paços
Análise ao paços
 
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
 
River Plate
River PlateRiver Plate
River Plate
 
GD Estoril-Praia
GD Estoril-PraiaGD Estoril-Praia
GD Estoril-Praia
 
Relatorio de Observaçao Clube desportivo de odiáxere
Relatorio de Observaçao Clube desportivo de odiáxereRelatorio de Observaçao Clube desportivo de odiáxere
Relatorio de Observaçao Clube desportivo de odiáxere
 
Relatório de Observação e Análise de jogo - Figueirense 2 x 2 Palmeiras - Cop...
Relatório de Observação e Análise de jogo - Figueirense 2 x 2 Palmeiras - Cop...Relatório de Observação e Análise de jogo - Figueirense 2 x 2 Palmeiras - Cop...
Relatório de Observação e Análise de jogo - Figueirense 2 x 2 Palmeiras - Cop...
 
Análise ao Cova da Piedade
Análise ao Cova da PiedadeAnálise ao Cova da Piedade
Análise ao Cova da Piedade
 
Lille LOSC
Lille LOSCLille LOSC
Lille LOSC
 
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga EuropaAnálise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
 
Racing Club Avellaneda
Racing Club AvellanedaRacing Club Avellaneda
Racing Club Avellaneda
 
Desportivo das Aves - Apontamentos
Desportivo das Aves - ApontamentosDesportivo das Aves - Apontamentos
Desportivo das Aves - Apontamentos
 
Valencia - 3x5x2
Valencia - 3x5x2Valencia - 3x5x2
Valencia - 3x5x2
 
SL Benfica
SL BenficaSL Benfica
SL Benfica
 
Paços de Ferreira
Paços de FerreiraPaços de Ferreira
Paços de Ferreira
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Athletic Bilbau
Athletic BilbauAthletic Bilbau
Athletic Bilbau
 
Relatorio Sporting vs FCP Juniores
Relatorio Sporting vs FCP JunioresRelatorio Sporting vs FCP Juniores
Relatorio Sporting vs FCP Juniores
 
Jornadas tecnicas
Jornadas tecnicasJornadas tecnicas
Jornadas tecnicas
 
Relatório lyon
Relatório lyonRelatório lyon
Relatório lyon
 
Monte Caparica
Monte CaparicaMonte Caparica
Monte Caparica
 

ObservaçãO Jogo Vsc X Rio Ave

  • 1. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO EQUIPA OBSERVADA Vitó i S t Clube OBSERVADA: Vitória Sport Cl b Vitória S t Clube Vitó i Sport Cl b 2 – Ri Ave 0 Rio A COMPETIÇÃO: Campeonato Nacional Juniores B – série A 2011/2012 JORNADA: 22ª DATA / HORA: 22/01/12 11.00h CLIMA: Sol TERRENO DE JOGO: Complexo Desportivo Dr. António P. Machado – Campo 1 BOM ESTADO EVOLUÇÃO RESULTADO: 1 – 0 Almiro (6’) (6 ) 2 – 0 Helinho (8’) RESULTADO FINAL: 2- 0
  • 2. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO INFORMAÇÃO INICIAL Treinador: Flávio Salgado EQUIPA INICIAL SUPLENTES Nº NOME CA CV SUBS G Nº NOME CA CV SUBS G 1 Palha 16 Dani in 65’ 2 Paulo 17 Braima in 20’ 3 Tiago M. (sub.c) 18 Bemba in 53’ 4 Adriano 5 Pedro 6 Filipe out 53’ 7 Cláudio out 20’ 8 Jota (cap.) out 65’ 9 Miguel 10 Helinho 8’ 11 Almiro 6’
  • 3. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO SISTEMA DE JOGO / ESTRUTURA DA EQUIPA Linhas em Situação Defensiva Linhas em Situação Ofensiva
  • 4. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO ORGANIZAÇÃO OFENSIVA Org. Ofensiva / Linhas de Movimentação 1 -Predomina o jogo apoiado em passe curto a privilegiar a posse de bola Os passes longos a procurar a os homens da Predomina bola. frente de ataque, principalmente as alas, surgem sempre que o adversário está desorganizado e há a possibilidade de 1x1. 4 3 -Numa 1ª fase de ataque a bola é sempre colocada nos centrais. Só saiem a jogar em segurança, nunca arriscam. 2 3 Sempre que são pressionados passam de volta ao GR Se o GR não puder voltar a jogar apoiado bate longo em GR. diagonal na frente. 6 -Na passagem para a 2ª fase, Jota(8) é o homem que vem quase sempre buscar a bola para por a equipa a jogar. Primeira opção, jogo apoiado para desmarcar Miguel (9) entre os centrais ou passe no espaço entre o lateral e o central para Cláudio ou Almiro entrarem. 8 -Como segunda opção, em ataque organizado com posse de bola, Jota ou Helinho faziam a circulação no seu meio 10 campo ofensivo à espera que o lateral consiga penetrar no ultimo terço ofensivo, nas costas do extremo, para lhe colocar a bola em profundidade. Esta movimentação acontece com o recuo do ala para o interior do terreno e com a 7 11 falta de “concentração” do adversário para fechar, o lateral Paulo (2) ou Pedro (5) entrava nas costas para procurar o concentração 9 cruzamento. - Filipe (6) dá cobertura ao ataque, principalmente às subidas de Paulo (2) e Pedro (5). - Na área em situações de cruzamento sempre 2 jogadores para finalizar. Miguel e Cláudio/Almiro sempre na área com H li h na entrada d á a procurar algum ressalto. H li h f assim o segundo golo. Helinho t d da área l lt Helinho faz i d l -Tentam marcar as faltas de imediato, aproveitando a desorganização do adversário. Pontos fortes: Triângulo formado por Filipe-Jota-Helinho muito forte e complementam-se nos vários aspetos de jogo.
  • 5. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO ORGANIZAÇÃO OFENSIVA Combinações Ofensivas
  • 6. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA Org. Defensiva -A organização ofensiva do adversário não criou dificuldades de posicionamento e marcação na equipa do Vitória. 1 -Linhas recuadas no seu meio campo defensivo. Todas as linhas defensivas executam pressão e tentam recuperar a bola. -A atitude defensiva e pressionante começa mal a equipa perde a bola, independente da zona em que isso acontece. 4 3 2 5 De destacar a ação de Miguel (9) que tenta logo condicionar os centrais, laterais e até os médios do adversário. 6 -Os extremos vêm ajudar na marcação, o que liberta os laterais para as coberturas aos centrais. -Laterais sempre subidos criam muito espaço em profundidade para os nossos extremos poderem entrar. 10 8 -Em situações de bolas paradas (livres laterais) contra a equipa está desconcertada e não acompanha adversário nas 11 suas movimentações. i t õ 7 9 -Não deixam marcar as faltas rápidas, colocam sempre um jogador em frente à bola para impedir que se marque a falta de imediato. Pontos fortes: Agressividade de Filipe e Miguel na procura da recuperação da bola. Pontos fracos: Subida simultânea dos dois laterais expõe os centrais Bolas paradas contra. Muita desconcentração e falta de movimentação no ataque à bola.
  • 7. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA Erros Defensivos / Zonas Vulneráveis Zona de recuperação de bola 1 1 1 3 4 3 4 4 3 6 2 5 6 2 6 10 2 8 10 5 8 10 5 8 9 7 11 7 11 11 9 7 9 A zona onde se procedia a maior recuperações de bola situava-se no Zonas a tracejado vulneráveis: meio campo defensivo entre as 2ª e •Espaço nas costas dos laterais; p ç ; 3ª linhas recuadas do Freamunde •Centrais lentos e com dificuldade a circular bola. por acção do bloco pressionante Filipe-Jota-Helinho.
  • 8. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO TRANSIÇÕES Transições Ofensivas – depois de ganhar a posse da bola -Como jogador de referencia, a procura logo no momento da recuperação da bola, é por Jota ou Helinho, que assumem logo uma posição central do terreno para em posse sair a jogar. -A 1ª opção d GR P lh (1) é colocar a b l llonga a pontapé muito perto d á A ã do Palha l bola t é it t da área adversária, para o jjogador que estiver só ou em situação d 1 1 d ái d ti ó it ã de 1x1: Cláudio/Braima, Almiro ou Miguel. -Em saídas lentas saiem a jogar pelos centrais (lentos a circular e a conduzir bola), os laterais sobem para o ½ campo. Filipe (6) vem buscar, mas entrega de imediato aos interiores (Jota ou Helinho). Se em vez de Filipe (6) jogar Bemba (18) lança ele as diagonais para os extremos ou toca para os laterais. -Laterais procuram muitas vezes a combinação 1-2 com os interiores. Transições Defensivas – depois de perder a posse da bola -Tendência de rápida pressão no adversário que ganhou a bola. Esta acção começa logo por acção do ponta de lança Miguel (9) e dos extremos Braima e p p q g ç ç g p ç p ç g ( ) Almiro. -Nos casos de perda da bola no seu meio campo defensivo ou em situações que potencie o contra-ataque, recorrem à falta. -Em perdas de bola laterais muito permissivos, pois è constante a subida do laterall.
  • 9. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO ALTERAÇÕES AO SISTEMA DE JOGO INICIAL A equipa manteve sempre o 1-4-3-3 inicial e manteve-se fiel ao modelo de jogo praticado no ínicio. Substituições: •Braima procura sempre ganhar a frente ao adversário em velocidade para cruzar; Braima •Bemba não liga tantas vezes o jogo com os interiores (Helinho e Jota), procura ele próprio colocar a bola no espaço p para os extremos – tem facilidade em passar longo com a p p g parte exterior do p esquerdo ( pé q (trivela). ) •Dani vem buscar a bola aos centrais para jogar, mas queima o espaço de Bemba, ficam os dois a jogar no espaço de um.
  • 10. BOLAS PARADAS Livres Laterais Livres centrais Lançamentos 11 9 5 8 10 6 Primeiro executam algumas Não houve Não houve. movimentações para distrair adversário. Mas tendencialmente a b l vai t d i l t bola i sempre para o Miguel (9) que toca de cabeça para Almiro (11)ou Braima (17) entrar em p profundidade. Sempre que podem recolocam rapidamente a bola na linha onde aparece o ala para sair a jogar ou cruzar.
  • 11. BOLAS PARADAS Cantos C t D/E O canto da esquerda é batido por Helinho para o 2º poste. O canto da direita é batido por Almiro para o 1º poste ou por Pedro para o 2ºposte. São marcados sempre com pé contrário com trajetória para a baliza. Ao 2º poste entram os centrais para cabecear. Os extremos trocam de lado para equilibrar uma possível perda de bola e só trocam de novo quando a bola sai. b O t t d l d ilib í l d d b l ót d d b l i Em cima do circulo central ficam sempre dois jogadores Pedro (5)/Almiro (11) e Paulo (2) para equilibrar e mais um à frente do circulo, geralmente Jota (8) ou Helinho(10).
  • 12. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO BOLAS PARADAS Cantos - contra Marcam à zona, deixando duas linhas de ataque à bola bem marcadas. Atacam rapidamente a bola e após a bola sair da área saiem rápido à procura de a recuperar. Nos livres laterais contra, sempre que o Rio Ave marcou para o 2º poste, a defesa do VSC ficou parada à espera que o Palha P lh (1) subisse para agarrar a bola e o GR fi bi b l ficava à espera que a d f defesa atacasse a b l o que causou sempre t bola, oportunidade de golo para o Rio Ave.
  • 13. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO JOGADORES UTILIZADOS Guarda-Redes – Passa bem longo com os dois pés. Dificuldades na recepção para p pç p jogar curto. Grande voz de comando. Faz parte da seleção sub17. Lança o contra- ataque de imediato. Defesa Direito – Joga com os dois p sem g pés dificuldade. Apoia muito o ataque. Dificuldade em cobrir o espaço nas costas. Responsável pelos lançamentos laterais na direita.
  • 14. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO JOGADORES UTILIZADOS Central Direito – Lento com a bola nos pés. Bom a jogar no ar. Sobe nas bolas p j g paradas. Procura acompanhar o avançado, por vezes, quase até ao ½ campo adversário. Central Esquerdo – Lento com a bola nos pés. Bom a jogar no ar. Procura diagonais longas para os extremos Sobe nas bolas extremos. paradas.
  • 15. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO JOGADORES UTILIZADOS Defesa Esquerdo– Joga quase em exclusivo com o pé esquerdo. Rápido e forte no 1x1 defensivo e ofensivo Responsável ofensivo. pelos lançamentos laterais na esquerda. Pivot Defensivo– Jogador forte no confronto físico. Evita sempre a inferioridade p numérica, joga sempre fácil a um, dois toques. Excelente nas coberturas e a equilibrar a equipa na fase defensiva e ofensiva.
  • 16. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO JOGADORES UTILIZADOS Extremo Direito – Rápido e forte fisicamente. Procura o 1x1 ofensivo para usar a velocidade, mas quase sempre perde a bola. Muito “trapalhão”. Interior Direito– Excelente a recuperar bolas e a lançar o ataque. Corre o campo todo. Muito inteligente na ocupação de espaços a atacar e a defender. Capitão de equipa. p q p
  • 17. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO JOGADORES UTILIZADOS Ponta de Lança– Procura ajudar sempre a equipa. Trabalha imenso na fase defensiva para ajudar a pressionar os laterais, os centrais e até os interiores adversários. Na fase ofensiva, bom a segurar a bola para a equipa subir ou a desmarcar nas diagonais para receber bola e os extremos entraram. Interior Esquerdo– Boa técnica individual q com ambos os pés. Dificuldade em jogar de cabeça. Responsável pelas bolas paradas: livres no ½ campo ofensivo e cantos na esquerda.
  • 18. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO JOGADORES UTILIZADOS Extremo Esquerdo– Rá id procura a E t E d Rápido, velocidade para cruzar na esquerda. Na direita vem para dentro para rematar (faz assim o 1-0). Responsável pelos cantos na direita. Quando lhe colocam diagonais longas na frente fica muitas vezes em fora de jogo. Extremo Direito – Rápido, procura quase sempre o cruzamento. Na esquerda vem para dentro e tenta o passe para o Ponta de Lança ou para o Interior entrar.
  • 19. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO JOGADORES UTILIZADOS Interior Di it I t i Direito– pouco i t interventivo no j ti jogo. Vem procurar a bola junto aos centrais para sair em condução, mas retira o espaço de jogo ao Bemba. Pivot Defensivo– Jogador fisicamente Bemba - parecido com o Braima. Esquerdino. Forte no 1 1 d f 1x1 defensivo e ofensivo. C i f i Consegue sair i a jogar e arrisca muito mais do que o Filipe, o que compromete o equilíbrio da equipa. Rio Ave começou a ter muito mais espaço para jogar após a sua entrada.
  • 20. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO JOGADORES NÃO UTILIZADOS Convocado para a seleção sub17 – Lateral Direito
  • 21. RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO DE JOGO JOGADORES NÃO UTILIZADOS