SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise de equipa

Benfica B
Liga 2 Cabovisão
16ª Jornada
23 de Novembro de 2013
Jogos Observados
84
Gianni Rodriguez

3
Steven
Vitória

67
Hélder Costa

77
Rúben Pinto

52
Varela
30
André Gomes

65
Fábio
Cardoso

56
Lolo

94
Bernardo
Silva
23
Urreta

70
João Cancelo
Nota: Hélder Costa expulso aos 85´

1 S.L. Benfica– U. D. Oliveirense 3
Golos Benfica

Substituições

5' Bernardo Silva,
29' Hélder Costa,
44' André Gomes,
88' Sancidino Silva

João Teixeira (97) por André Gomes 61´
Sancidino Silva (74) por Urreta 71´
Jorge Rojas (81) por Lolo 80´
Características gerais da equipa
• Sistema Táctico: 1x4x3x2x1 (com duplo-pivot defensivo e um número “10”,
dois extremos e um avançado)
• É uma equipa agressiva ofensivamente e defensivamente, mas um pouco
imatura relativamente ao controlo e equilíbrio do jogo
• Procura jogar circulado inicialmente, na 1ª fase de construção e na fase de
criação procura um jogo mais directo, jogando no apoio frontal e realizando
várias combinações nos três corredores.
• Exerce uma grande pressão zonal defensivamente
• Os extremos estão em troca posicional constante
• Tem jogadores muito fortes no 1x1 (Bernardo Silva, Hélder Costa, João
Cancelo)
• O elo de ligação entre a fase de construção e criação é o André Gomes
• Pontos fortes: Organização ofensiva e transição ofensiva
• Pontos fracos: Transição defensiva (quando perde a bola no meio campo
defensivo e organização defensiva (bolas nas costas da linha defensiva,
principalmente.
Organização Ofensiva
•

•
•
•
•

•

•
•

•
•
•

•

•
•

Fase de construção: Procura um jogo circulado e apoiado inicialmente, por isso, é uma equipa que sai a jogar pelos defesas centrais e os
laterais são profundidade. Nesta fase do jogo um dos médios mais recuados desce para vir buscar jogo (principalmente o Rúben Pinto)
(situação 1).
É uma equipa em que os seus pivots participam muito nesta primeira fase de construção.
Se o adversário está bem fechado no corredor central, a equipa também procura muito os laterais para a esta 1ª fase. O Hélder costa
desce muito no terreno. Passam sempre coma bola pelo corredor central e só depois é que a colocam no corredor lateral (situação 2).
Nesta fase a equipa é lenta, pois só acelera o jogo após o meio campo e o principal elo de ligação entre as duas fases é André Gomes
Sugestões: Fechar bem o corredor central e pressionar de imediato o lateral quando a bola vai para lá. Tentar fechar a linha de passe do
André Gomes para os obrigar a jogar de outro maneira.
Fase de criação: Nesta fase, a equipa tenta acelerar o seu jogo. Quando a bola está no corredor lateral, um dos pivots vai receber e o
extremo desmarca-se na linha, havendo duas linha de passe em triângulo (situação 3).
É uma equipa que desequilibra muito no corredor através de combinações directas (situação 4)
Jogam muito no apoio frontal e quem faz o passe desmarca-se na frente. É a partir deste momento em que tentam acelerar o jogo
(situação 5). Este processo também passa muito pelos laterais, que também jogam várias vezes no apoio frontal. Por vezes, a equipa
perde a bola em demasia com estes passes devido a antecipações do adversário
O Bernardo Silva é um jogador muito rápido e forte a aparecer entre linhas. Também aparece muito no corredor e é muito bom no 1x1. é
um dos jogadores que desequilibra mais.
Os extremos realizam trocas posicionais constantemente.
Sugestões: Fechar as linhas de passe do apoio frontal e obrigar a equipa a desacelerar o seu jogo. Ter atenção à mobilidade e
criatividade do Bernardo Silva e à velocidade e técnica do Hélder Costa. Pressionar o André Gomes que é o elo de ligação entre as fases
de criação e construção
Fase de finalização: A equipa procura finalizar rápido e entra na área através de combinações directas. Outras das formas de finalização
desta equipa é em lances individuais através dos dois extremos e do número “10” Bernardo Silva, de cruzamento, por parte dos extremos
ou dos laterais e através de remate de meia distância por parte de Hélder Costa, Bernardo Silva, Urreta e André Gomes.
O Bernardo Silva aparece várias vezes na grande área e as suas acções são imprevisíveis, apesar de tentar muitas vezes o 1x1. O Helder
Costa está constantemente à procura de zonas interiores, e nestas situações o lateral passa nas costas.
Sugestões: Pressionar à entada da área a fim de evitar o remate. Pressionar O Bernardo Silva limitando as suas acções. Dar sempre
cobertura ao portador da bola pois o Benfica é muito forte no 1x1.
Situação 1: A equipa saia
jogar pelos centrais e um
dos médios (Rúben Pinto,
principalmente) desce
para vir buscar jogo. O
André Gomes coloca-se
um pouco mais à frente
Situação 2: Adversário
bem fechado, e a
equipa procura muito
os laterais. O Hélder
Costa desce muito no
terreno. A equipa
procura sempre o
corredor central nesta
fase e só coloca a bola
no corredor lateral
depois.
Situação 3: Quando a
bola está no corredor
lateral, um dos médios
vai receber e o extremo
desmarca-se na linha
formando um triângulo.
Situação 4: A equipa
tenta desequilibrar
muito no corredor
lateral através de
combinações directas.

Situação 5: A equipa
coloca quase
sempre a bola no
apoio frontal e
desmarca-se na
frente a fim de fazer
acelerar o seu jogo
e criar desequilíbrio
no adversário
Transição Ofensiva
• Neste momento de jogo, o Benfica é uma equipa que tenta sair a jogar de imediato se tem
espaço antes do meio campo. Neste processo, há muitas vezes uma tentativa de acelerar em
condução e depois colocar no corredor lateral (situação 6).
• É uma equipa muito forte neste momento pois consegue reagir muito bem à recuperação de
bola dando largura e profundidade de imediato, conseguindo desequilibrar o adversário.
• Nesta fase, é também uma equipa que continua a procurar muitas combinações directas muito
velozes, conseguindo sair em ataque rápido com muito sucesso.
• Os laterais são também muito importantes nesta fase pois, quando a bola é colocada no
corredor, estes passam nas costas do extremo e realizam um cruzamento se a bola é lá colocada
ou arrastam um defesa permitindo ao portador da bola ter espaço para conduzir para zonas
interiores (situação 7).
• No último terço do terreno a equipa coloca várias vezes a bola no espaço principalmente por
Bernardo Silva ou por André Gomes, que fazem um passe “a rasgar” (situação 8). Se recuperam
a bola nestas zonas, são muito rápidos a sair em direcção à baliza adversária
• Quando não há espaço para sair a jogar antes do meio campo, a equipa tende a bater para o
corredor lateral e quando o adversário reage bem à perda de bola e fecha o espaço de imediato,
a equipa organiza o jogo por trás, voltando à 1ª fase de construção.
• Sugestões: Pressionar de imediato o portador se o Benfica está em inferioridade, fechando
bem os espaços e obrigando a jogar para trás. Fechar de imediato as linhas de passe mais
próximas a fim de evitar combinações directas.
Situação 6: A equipa,
quando tem espaço antes
do meio campo, tenta
acelerar o jogo com
condução de bola e
depois colocá-la no
corredor lateral. O
jogador que conduz
inicialmente acompanha
o processo até ao final.
Situação 7: Os laterias
fazem vários
envolvimentos no
corredor nesta fase
permitindo fazendo um
cruzamento ou
arrastando um defesa
possibilitando o
extremo de entrar para
zonas interiores, pois
um defesa é arrastado

Situação 8: A equipa
coloca a bola no
espaço várias vezes,
por parte do Bernardo
Silva ou do André
Gomes
Organização Defensiva
• É uma equipa que tenta limitar a 1ª fase de construção do adversário exercendo uma pressão
alta sobre os centrais, com um médio que sobre (Bernardo Silva, na maioria das vezes), com
um pivot, com o avançado e um extremo (situação 9). Nesta situação, os médios fecham as
linhas de passe no corredor central.
• Exerce uma grande pressão nos médios do adversário e, quando ó portador está de costas
para a baliza, há um acompanhamento imediato nele e fecham-se as linhas de passe mais
próximas (situação 10)
• No meio campo, há sempre um acompanhamento agressivo ao portador da bola que não
tem espaço para conduzir nem para executar um passe (situação 11). Nestas alturas a
cobertura está próxima, e o equilíbrio defensivo é bem executado. Por vezes, o lateral do
lado contrário não fecha e preocupa-se só com o jogador
• É uma equipa com as linhas muito juntas, com um bloco muito compacto e agressivo.
• Um dos defesas centrais (Steven Vitória, essencialmente) acompanha sempre o avançado da
equipa adversária e, por vezes, há um grande desequilíbrio defensivo devido a esse
acompanhamento (situação 12)
• É uma equipa fraca a defender cruzamentos quando há muito mobilidade dentro de área
(ou jogadores vindo de fora de área ou das costas da defesa). Fracos quando o cruzamento
é para o segundo poste ou para perto da pequena área
• Sugestões: Jogar com falso avançado de modo a provocar a subida de um dos centrais do
Benfica e criar desequilíbrio defensivo. Rodar rápido o centro de jogo, obrigando a bascular
a equipa a fim de se abrir espaços.
Situação 9: Pressão
alta na 1ª fase de
construção. Os dois
médios fecham as
linhas de passe no
corredor central.

Situação 10: É
exercida uma
grande pressão no
meio campo e
quando o
adversário está de
costas para a
baliza, há um
acompanhamento
e fecham-se as
linhas de passe
mais próximas
Situação 11: Grande
pressão no meio campo
que limita a acção do
jogador adversário.
É uma equipa muito
agressiva nas disputas de
bola, no 1x1 com o
adversário.
Situação 12: Acompanhamento constante do Steven Vitória ao avançado
adversário, o que por vezes provoca um grande desequilíbrio defensivo na equipa
Transição Defensiva
• É uma equipa que reage bem à perda de bola no meio campo ofensivo devido ao aglomerado de jogadores
nessa zona, mas que não reage tão bem quando perde a bola ainda no meio campo defensivo, ficando
descompensada defensivamente.
• Nas situação em que perdem a bola no meio campo ofensivo reagem bem e pressionam de imediato
porque estão em superioridade numérica. Mas quando a linha defensiva está demasiado adiantada e a
bola é colocada nas suas costas, principalmente do lado do Fábio Cardoso, a equipa fica com dificuldades,
devido à velocidade desse defesa.
• Se perdem a bola no meio campo, há pressão imediata no portador (situação 13)
• Logo que há um passe para o corredor lateral, há uma aproximação imediata no portador.
• Quando a equipa está em inferioridade numérica, realiza contenção e a linha defensiva tenta baixar no
terreno de imediato acompanhando os jogadores da frente e fechando os espaços (situação 14)
• Quando perdem a bola no meio campo defensivo, a equipa é lenta, os laterais são lentos também a reagir
à perda de bola, tal como o Fábio Cardoso (é muito fraco na antecipação).
• Quando a linha defensiva está adiantada e a bola é colocada no espaço (do lado esquerdo principalmente),
há muito espaço para condução do adversário (situação 15). Nestas situações, a equipa torna-se pouco
agressiva pouco equilibrada.
• Quando o Steven Vitória faz o acompanhamento ao avançado sem sucesso, a equipa fica descompensada e
há espaço para conduzir e para colocar a bola entre os dois centrais (devido ao atraso no terreno do Steven
Vitória) (situação 16)
• Sugestões: Tentar recuperar a bola no meio campo ofensivo do Benfica a fim de procurar o desequilíbrio.
Tentar colocar a bola entre os centrais quando o Steven Vitória faz o acompanhamento. Sair rápido a
jogar desde trás e colocar a bola nas costas da linha defensiva (do lado esquerdo principalmente)
Situação 13: Quando a
equipa perde a bola
no meio campo
ofensivo, há uma
pressão imediata no
portador da bola

Situação 14: Quando a
equipa está em
inferioridade
numérica, realiza
contenção e a linha
defensiva tenta baixar
no terreno de
imediato
acompanhando os
jogadores da frente e
fechando os espaços
Situação 15:Quando a
linha defensiva está
adiantada e a bola é
colocada no espaço (do
lado esquerdo
principalmente), há
muito espaço para
condução do adversário

Situação 16: Quando
o Steven Vitória faz o
acompanhamento ao
avançado sem
sucesso, a equipa fica
descompensada e há
espaço para conduzir
e para colocar a bola
entre os dois centrais
Esquemas Táticos Ofensivos
Cantos Ofensivos

Livres Ofensivos

• Lado esquerdo: Urreta (pé direito)
• Canto curto com jogador posicionado
no bico da grande área e três jogadores
na retaguarda.
• Canto longo: Cinco jogadores dentro de
área. Três na 1ª zona (1 no 1º poste, 1
no 2º e 1 na zona de penálti), 1 jogador
atrás deles e outro vindo de trás,
acompanhando o movimento da bola e
atacando a bola de frente.

Marca Urreta/Cancelo dos dois lados. Um
jogador perto da bola e cinco jogadores
dentro de área. Três na 1ª zona (1 no 1º
poste, 1 no 2º e 1 na zona de penálti) e
dois jogadores vindos de trás,
acompanhando o movimento da bola e
atacando a bola de frente.
Livres directos: Urreta/ Cancelo. Ambos
batem muito bem e criam perigo.
Colocam-se 1 jogador na barreira e outro
à entrada da área

Referências nas bolas paradas ofensivas: Steven
Vitória, Lolo, André Gomes, Fábio Cardoso
Esquemas Táticos Defensivos
Cantos Defensivos
• Defendem à zona e marcam os
jogadores livres (marcação mista)
• 1 jogador ao 1º poste
• 1 jogador ao 2º poste
• 1 jogador no 1º espaço
• 1 jogador na área de penalti
• 1 entre a área de penalti e a pequena
área
• 1 jogador à entrada da área
• Os restantes marcam HXH

Livres Defensivos
Defendem à zona e marcam os jogadores
livres (marcação mista)
Posicionamento de acordo com a linha da
barreira

Marcação ao homem maioritariamente e
o resto na retaguarda e em zonas como o
segundo poste
Análise individual
Varela

É um GR muito alto e com reflexos muito bons. Esteve presente nos momentos de maior aperto do
Benfica. É alto e forte nas saídas. Acompanha bem a linha defensiva quando esta está subida.

João Cancelo

Jogador muito ofensivo e muito irreverente. Forte nos cruzamentos, no 1x1 e muito rápido.

Fábio Cardoso

Central forte no desarme, mas lento na transição defensiva. Reage mal à perda de bola e é fraco na
antecipação

Steven Vitória

Jogador alto e muito forte no acompanhamento e na antecipação ao adversário. Teve muito sucesso
no desarme e é forte no cabeceamento. As suas acções de acompanhamento fazem desequilibrar a
equipa, por vezes.

Gianni Rodriguez

Lateral rápido e muito ofensivo. Forte tecnicamente

André Gomes

Médio lento, mas de grande execução. Forte na 1ª fase de construção e participativo na fase de
criação. Fraco na transição defensiva mas muito bom desarme.

Rúben Pinto

É o médio mais participativo na 1ª fase de construção, descendo no terreno para ir buscar jogo.

Bernardo Silva

Homem do jogo. É muito móvel, forte no passe e no 1x1, muito irreverente e de rápidas acções.
Aparece muito na área e nos corredores laterais e é bom finalizador. Apesar da sua pequena estatura,
é muito agressivo

Urreta

Extremo rápido e bom no 1x1. Tem um bom cruzamento e é forte na marcação de bolas paradas

Hélder Costa

É um jogador muito rápido e muito desequilibrador devido à sua técnica, velocidade e mudanças de
direcção. Tem um bom pé esquerdo e remata bem.

Lolo

É também extremo e tem alguma velocidade. Teve dificuldades por estar a jogar de costas para a
baliza.

João Teixeira

Jogador que trás equilíbrio, forte no passe curto e forte no posicionamento

Sancidino

Rápido e forte no 1x1. Entrou no jogo para desequilibrar na transição ofensiva em lances de bolas no
espaço ou lances de 1x1
Esteve muito pouco tempo em campo e participou pouco no jogo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
Fundação Real Madrid
 
Exemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogoExemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogo
Sérgio Santos
 
Modelo de Jogo
Modelo de Jogo  Modelo de Jogo
Modelo de Jogo
Claudio Roberto
 
Esquema futebol Básico
Esquema futebol BásicoEsquema futebol Básico
Esquema futebol Básico
Pedro Martins
 
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Fundação Real Madrid
 
treino
 treino treino
treino
Hugo Ferreira
 
Relatorio scp vs fcp jun c
Relatorio scp vs fcp   jun cRelatorio scp vs fcp   jun c
Relatorio scp vs fcp jun c
Joao Filipe Machado
 
Real madrid-attacking-session-practice-4of4
Real madrid-attacking-session-practice-4of4Real madrid-attacking-session-practice-4of4
Real madrid-attacking-session-practice-4of4
Michail Tsokaktsidis
 
5 basic passing_and_cooperation
5 basic passing_and_cooperation5 basic passing_and_cooperation
5 basic passing_and_cooperation
Wan Rizuan
 
A bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoA bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc porto
raseslb
 
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Bruno Comelli
 
UEFA B Licence Tutorial 2 - Midfield Support Component 2
UEFA B Licence Tutorial 2 - Midfield Support Component 2UEFA B Licence Tutorial 2 - Midfield Support Component 2
UEFA B Licence Tutorial 2 - Midfield Support Component 2
Max Rogers
 
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José MourinhoMetodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
Leandro Zago
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
João Carlos Costa
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
carlosmoreira
 
Pressing as a team in a 4231
Pressing as a team in a 4231Pressing as a team in a 4231
Pressing as a team in a 4231
anthonyhudson
 
ObservaçãO Jogo Vsc X Rio Ave
ObservaçãO Jogo   Vsc X Rio AveObservaçãO Jogo   Vsc X Rio Ave
ObservaçãO Jogo Vsc X Rio Ave
Ricardo Miguel Silva
 
Pressing in soccer
Pressing in soccerPressing in soccer
Pressing in soccer
Philip Cauchi
 
Neil winskill tactical analysis; 1-4-4-2 diamond new
Neil winskill   tactical analysis; 1-4-4-2 diamond newNeil winskill   tactical analysis; 1-4-4-2 diamond new
Neil winskill tactical analysis; 1-4-4-2 diamond new
Solares Medio Cudeyo
 
CRUYFF, J. - Positional Game
CRUYFF, J. - Positional GameCRUYFF, J. - Positional Game
CRUYFF, J. - Positional Game
Fundação Real Madrid
 

Mais procurados (20)

A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
 
Exemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogoExemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogo
 
Modelo de Jogo
Modelo de Jogo  Modelo de Jogo
Modelo de Jogo
 
Esquema futebol Básico
Esquema futebol BásicoEsquema futebol Básico
Esquema futebol Básico
 
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
 
treino
 treino treino
treino
 
Relatorio scp vs fcp jun c
Relatorio scp vs fcp   jun cRelatorio scp vs fcp   jun c
Relatorio scp vs fcp jun c
 
Real madrid-attacking-session-practice-4of4
Real madrid-attacking-session-practice-4of4Real madrid-attacking-session-practice-4of4
Real madrid-attacking-session-practice-4of4
 
5 basic passing_and_cooperation
5 basic passing_and_cooperation5 basic passing_and_cooperation
5 basic passing_and_cooperation
 
A bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoA bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc porto
 
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
 
UEFA B Licence Tutorial 2 - Midfield Support Component 2
UEFA B Licence Tutorial 2 - Midfield Support Component 2UEFA B Licence Tutorial 2 - Midfield Support Component 2
UEFA B Licence Tutorial 2 - Midfield Support Component 2
 
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José MourinhoMetodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
 
Pressing as a team in a 4231
Pressing as a team in a 4231Pressing as a team in a 4231
Pressing as a team in a 4231
 
ObservaçãO Jogo Vsc X Rio Ave
ObservaçãO Jogo   Vsc X Rio AveObservaçãO Jogo   Vsc X Rio Ave
ObservaçãO Jogo Vsc X Rio Ave
 
Pressing in soccer
Pressing in soccerPressing in soccer
Pressing in soccer
 
Neil winskill tactical analysis; 1-4-4-2 diamond new
Neil winskill   tactical analysis; 1-4-4-2 diamond newNeil winskill   tactical analysis; 1-4-4-2 diamond new
Neil winskill tactical analysis; 1-4-4-2 diamond new
 
CRUYFF, J. - Positional Game
CRUYFF, J. - Positional GameCRUYFF, J. - Positional Game
CRUYFF, J. - Positional Game
 

Destaque

Observação e Análise de Jogo
Observação e Análise de JogoObservação e Análise de Jogo
Observação e Análise de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Relatório de Observação e Análise do Southmapton
Relatório de Observação e Análise do SouthmaptonRelatório de Observação e Análise do Southmapton
Relatório de Observação e Análise do Southmapton
Telmo Silva
 
Relatório de observação de Jogo
Relatório de observação de JogoRelatório de observação de Jogo
Relatório de observação de Jogo
Rogério Martinho
 
Relatório F.C. Porto com VideObserver
Relatório F.C. Porto com VideObserverRelatório F.C. Porto com VideObserver
Relatório F.C. Porto com VideObserver
Mauro Saraiva
 
Análise Qualitativa Vitória E.C. (Apresentação Curso Quest)
Análise Qualitativa Vitória E.C. (Apresentação Curso Quest)Análise Qualitativa Vitória E.C. (Apresentação Curso Quest)
Análise Qualitativa Vitória E.C. (Apresentação Curso Quest)
Rodrigo Saffi Mello
 
CRITÉRIOS COMPORTAMENTAIS UTILIZADOS POR TÉCNICOS NA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ...
CRITÉRIOS COMPORTAMENTAIS UTILIZADOS POR TÉCNICOS NA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ...CRITÉRIOS COMPORTAMENTAIS UTILIZADOS POR TÉCNICOS NA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ...
CRITÉRIOS COMPORTAMENTAIS UTILIZADOS POR TÉCNICOS NA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ...
sinfo_ufrn
 
Videobserver - Como analisar uma partida
Videobserver -  Como analisar uma partidaVideobserver -  Como analisar uma partida
Videobserver - Como analisar uma partida
André Rocha
 
Qualificação Profissional na UEFA - Estudo de Caso
Qualificação Profissional na UEFA - Estudo de CasoQualificação Profissional na UEFA - Estudo de Caso
Qualificação Profissional na UEFA - Estudo de Caso
Eduardo Conde Tega
 
O Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e JogoO Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e Jogo
Leandro Zago
 
Aula 1 curso de videobserver - objetivos
Aula 1   curso de videobserver - objetivosAula 1   curso de videobserver - objetivos
Aula 1 curso de videobserver - objetivos
André Rocha
 
Modelo
ModeloModelo
Esquemas tácticos
Esquemas tácticosEsquemas tácticos
Esquemas tácticos
Romao Meireles
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Fundação Real Madrid
 
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
Fundação Real Madrid
 
Football Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFAFootball Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFA
Fundação Real Madrid
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 
Apresentação do Punch List Management
Apresentação do Punch List ManagementApresentação do Punch List Management
Apresentação do Punch List Management
guest948f55
 
MODELO DE JUEGO FC PORTO: CAPACITACION JOSE MOURINHO A LOS ENTRENADORES FUTB...
MODELO DE JUEGO FC PORTO: CAPACITACION JOSE MOURINHO  A LOS ENTRENADORES FUTB...MODELO DE JUEGO FC PORTO: CAPACITACION JOSE MOURINHO  A LOS ENTRENADORES FUTB...
MODELO DE JUEGO FC PORTO: CAPACITACION JOSE MOURINHO A LOS ENTRENADORES FUTB...
OCTAVIO ENRQIUE RIVERA BARROS
 
Vihang_Resume
Vihang_ResumeVihang_Resume
Vihang_Resume
Vihang shah
 

Destaque (20)

Observação e Análise de Jogo
Observação e Análise de JogoObservação e Análise de Jogo
Observação e Análise de Jogo
 
Relatório de Observação e Análise do Southmapton
Relatório de Observação e Análise do SouthmaptonRelatório de Observação e Análise do Southmapton
Relatório de Observação e Análise do Southmapton
 
Relatório de observação de Jogo
Relatório de observação de JogoRelatório de observação de Jogo
Relatório de observação de Jogo
 
Relatório F.C. Porto com VideObserver
Relatório F.C. Porto com VideObserverRelatório F.C. Porto com VideObserver
Relatório F.C. Porto com VideObserver
 
Análise Qualitativa Vitória E.C. (Apresentação Curso Quest)
Análise Qualitativa Vitória E.C. (Apresentação Curso Quest)Análise Qualitativa Vitória E.C. (Apresentação Curso Quest)
Análise Qualitativa Vitória E.C. (Apresentação Curso Quest)
 
CRITÉRIOS COMPORTAMENTAIS UTILIZADOS POR TÉCNICOS NA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ...
CRITÉRIOS COMPORTAMENTAIS UTILIZADOS POR TÉCNICOS NA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ...CRITÉRIOS COMPORTAMENTAIS UTILIZADOS POR TÉCNICOS NA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ...
CRITÉRIOS COMPORTAMENTAIS UTILIZADOS POR TÉCNICOS NA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ...
 
Videobserver - Como analisar uma partida
Videobserver -  Como analisar uma partidaVideobserver -  Como analisar uma partida
Videobserver - Como analisar uma partida
 
Qualificação Profissional na UEFA - Estudo de Caso
Qualificação Profissional na UEFA - Estudo de CasoQualificação Profissional na UEFA - Estudo de Caso
Qualificação Profissional na UEFA - Estudo de Caso
 
O Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e JogoO Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e Jogo
 
Aula 1 curso de videobserver - objetivos
Aula 1   curso de videobserver - objetivosAula 1   curso de videobserver - objetivos
Aula 1 curso de videobserver - objetivos
 
Modelo
ModeloModelo
Modelo
 
Esquemas tácticos
Esquemas tácticosEsquemas tácticos
Esquemas tácticos
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
 
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
 
Football Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFAFootball Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFA
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Apresentação do Punch List Management
Apresentação do Punch List ManagementApresentação do Punch List Management
Apresentação do Punch List Management
 
MODELO DE JUEGO FC PORTO: CAPACITACION JOSE MOURINHO A LOS ENTRENADORES FUTB...
MODELO DE JUEGO FC PORTO: CAPACITACION JOSE MOURINHO  A LOS ENTRENADORES FUTB...MODELO DE JUEGO FC PORTO: CAPACITACION JOSE MOURINHO  A LOS ENTRENADORES FUTB...
MODELO DE JUEGO FC PORTO: CAPACITACION JOSE MOURINHO A LOS ENTRENADORES FUTB...
 
Vihang_Resume
Vihang_ResumeVihang_Resume
Vihang_Resume
 

Semelhante a Relatório Benfica B

Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga EuropaAnálise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
TacticZone
 
Desportivo das Aves - Apontamentos
Desportivo das Aves - ApontamentosDesportivo das Aves - Apontamentos
Desportivo das Aves - Apontamentos
Bruno Fidalgo
 
Observação Dinamarca
Observação DinamarcaObservação Dinamarca
Observação Dinamarca
Francisco Gomes da Silva
 
GD Estoril-Praia
GD Estoril-PraiaGD Estoril-Praia
Jornadas tecnicas
Jornadas tecnicasJornadas tecnicas
Jornadas tecnicas
Rogerioserrador
 
Andebol - Nível Elementar
Andebol  - Nível ElementarAndebol  - Nível Elementar
Andebol - Nível Elementar
Maria João Vasconcelos
 
Benfica B vs Cova da Piedade - Complemento
Benfica B vs Cova da Piedade -  Complemento Benfica B vs Cova da Piedade -  Complemento
Benfica B vs Cova da Piedade - Complemento
Bruno Fidalgo
 
Análise ao Cova da Piedade
Análise ao Cova da PiedadeAnálise ao Cova da Piedade
Análise ao Cova da Piedade
João Araújo
 
Grandolense
GrandolenseGrandolense
Grandolense
Ricardo Vieira
 
Relatório Beira-Mar
Relatório Beira-MarRelatório Beira-Mar
Relatório Beira-Mar
Ricardo Vieira
 
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
António Seromenho
 
Análise corinthians paulista 2017 - final
Análise corinthians   paulista 2017 - finalAnálise corinthians   paulista 2017 - final
Análise corinthians paulista 2017 - final
Yatan Cenciales
 
Andebol elementar
Andebol elementarAndebol elementar
Andebol elementar
Maria Sequeira
 
Report SC Internacional - Brasileirão
Report SC Internacional - BrasileirãoReport SC Internacional - Brasileirão
Report SC Internacional - Brasileirão
João Araújo
 
Monte Caparica
Monte CaparicaMonte Caparica
Monte Caparica
Ricardo Vieira
 
Relatório_SportingB
Relatório_SportingBRelatório_SportingB
Relatório_SportingB
Marco Santos
 
Anexo 6 fichas de observação
Anexo 6   fichas de observaçãoAnexo 6   fichas de observação
Anexo 6 fichas de observação
Jose Pires
 
Fases de Jogo
Fases de JogoFases de Jogo
Fases de Jogo
Valter Nascimento
 
Atletico Mineiro (julho 2015)
Atletico Mineiro (julho 2015)Atletico Mineiro (julho 2015)
Atletico Mineiro (julho 2015)
Andre Guerra
 
FC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensivaFC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensiva
Ricardo Luiz Pace
 

Semelhante a Relatório Benfica B (20)

Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga EuropaAnálise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
 
Desportivo das Aves - Apontamentos
Desportivo das Aves - ApontamentosDesportivo das Aves - Apontamentos
Desportivo das Aves - Apontamentos
 
Observação Dinamarca
Observação DinamarcaObservação Dinamarca
Observação Dinamarca
 
GD Estoril-Praia
GD Estoril-PraiaGD Estoril-Praia
GD Estoril-Praia
 
Jornadas tecnicas
Jornadas tecnicasJornadas tecnicas
Jornadas tecnicas
 
Andebol - Nível Elementar
Andebol  - Nível ElementarAndebol  - Nível Elementar
Andebol - Nível Elementar
 
Benfica B vs Cova da Piedade - Complemento
Benfica B vs Cova da Piedade -  Complemento Benfica B vs Cova da Piedade -  Complemento
Benfica B vs Cova da Piedade - Complemento
 
Análise ao Cova da Piedade
Análise ao Cova da PiedadeAnálise ao Cova da Piedade
Análise ao Cova da Piedade
 
Grandolense
GrandolenseGrandolense
Grandolense
 
Relatório Beira-Mar
Relatório Beira-MarRelatório Beira-Mar
Relatório Beira-Mar
 
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015
 
Análise corinthians paulista 2017 - final
Análise corinthians   paulista 2017 - finalAnálise corinthians   paulista 2017 - final
Análise corinthians paulista 2017 - final
 
Andebol elementar
Andebol elementarAndebol elementar
Andebol elementar
 
Report SC Internacional - Brasileirão
Report SC Internacional - BrasileirãoReport SC Internacional - Brasileirão
Report SC Internacional - Brasileirão
 
Monte Caparica
Monte CaparicaMonte Caparica
Monte Caparica
 
Relatório_SportingB
Relatório_SportingBRelatório_SportingB
Relatório_SportingB
 
Anexo 6 fichas de observação
Anexo 6   fichas de observaçãoAnexo 6   fichas de observação
Anexo 6 fichas de observação
 
Fases de Jogo
Fases de JogoFases de Jogo
Fases de Jogo
 
Atletico Mineiro (julho 2015)
Atletico Mineiro (julho 2015)Atletico Mineiro (julho 2015)
Atletico Mineiro (julho 2015)
 
FC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensivaFC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensiva
 

Relatório Benfica B

  • 1. Análise de equipa Benfica B Liga 2 Cabovisão 16ª Jornada 23 de Novembro de 2013
  • 2. Jogos Observados 84 Gianni Rodriguez 3 Steven Vitória 67 Hélder Costa 77 Rúben Pinto 52 Varela 30 André Gomes 65 Fábio Cardoso 56 Lolo 94 Bernardo Silva 23 Urreta 70 João Cancelo Nota: Hélder Costa expulso aos 85´ 1 S.L. Benfica– U. D. Oliveirense 3 Golos Benfica Substituições 5' Bernardo Silva, 29' Hélder Costa, 44' André Gomes, 88' Sancidino Silva João Teixeira (97) por André Gomes 61´ Sancidino Silva (74) por Urreta 71´ Jorge Rojas (81) por Lolo 80´
  • 3. Características gerais da equipa • Sistema Táctico: 1x4x3x2x1 (com duplo-pivot defensivo e um número “10”, dois extremos e um avançado) • É uma equipa agressiva ofensivamente e defensivamente, mas um pouco imatura relativamente ao controlo e equilíbrio do jogo • Procura jogar circulado inicialmente, na 1ª fase de construção e na fase de criação procura um jogo mais directo, jogando no apoio frontal e realizando várias combinações nos três corredores. • Exerce uma grande pressão zonal defensivamente • Os extremos estão em troca posicional constante • Tem jogadores muito fortes no 1x1 (Bernardo Silva, Hélder Costa, João Cancelo) • O elo de ligação entre a fase de construção e criação é o André Gomes • Pontos fortes: Organização ofensiva e transição ofensiva • Pontos fracos: Transição defensiva (quando perde a bola no meio campo defensivo e organização defensiva (bolas nas costas da linha defensiva, principalmente.
  • 4. Organização Ofensiva • • • • • • • • • • • • • • Fase de construção: Procura um jogo circulado e apoiado inicialmente, por isso, é uma equipa que sai a jogar pelos defesas centrais e os laterais são profundidade. Nesta fase do jogo um dos médios mais recuados desce para vir buscar jogo (principalmente o Rúben Pinto) (situação 1). É uma equipa em que os seus pivots participam muito nesta primeira fase de construção. Se o adversário está bem fechado no corredor central, a equipa também procura muito os laterais para a esta 1ª fase. O Hélder costa desce muito no terreno. Passam sempre coma bola pelo corredor central e só depois é que a colocam no corredor lateral (situação 2). Nesta fase a equipa é lenta, pois só acelera o jogo após o meio campo e o principal elo de ligação entre as duas fases é André Gomes Sugestões: Fechar bem o corredor central e pressionar de imediato o lateral quando a bola vai para lá. Tentar fechar a linha de passe do André Gomes para os obrigar a jogar de outro maneira. Fase de criação: Nesta fase, a equipa tenta acelerar o seu jogo. Quando a bola está no corredor lateral, um dos pivots vai receber e o extremo desmarca-se na linha, havendo duas linha de passe em triângulo (situação 3). É uma equipa que desequilibra muito no corredor através de combinações directas (situação 4) Jogam muito no apoio frontal e quem faz o passe desmarca-se na frente. É a partir deste momento em que tentam acelerar o jogo (situação 5). Este processo também passa muito pelos laterais, que também jogam várias vezes no apoio frontal. Por vezes, a equipa perde a bola em demasia com estes passes devido a antecipações do adversário O Bernardo Silva é um jogador muito rápido e forte a aparecer entre linhas. Também aparece muito no corredor e é muito bom no 1x1. é um dos jogadores que desequilibra mais. Os extremos realizam trocas posicionais constantemente. Sugestões: Fechar as linhas de passe do apoio frontal e obrigar a equipa a desacelerar o seu jogo. Ter atenção à mobilidade e criatividade do Bernardo Silva e à velocidade e técnica do Hélder Costa. Pressionar o André Gomes que é o elo de ligação entre as fases de criação e construção Fase de finalização: A equipa procura finalizar rápido e entra na área através de combinações directas. Outras das formas de finalização desta equipa é em lances individuais através dos dois extremos e do número “10” Bernardo Silva, de cruzamento, por parte dos extremos ou dos laterais e através de remate de meia distância por parte de Hélder Costa, Bernardo Silva, Urreta e André Gomes. O Bernardo Silva aparece várias vezes na grande área e as suas acções são imprevisíveis, apesar de tentar muitas vezes o 1x1. O Helder Costa está constantemente à procura de zonas interiores, e nestas situações o lateral passa nas costas. Sugestões: Pressionar à entada da área a fim de evitar o remate. Pressionar O Bernardo Silva limitando as suas acções. Dar sempre cobertura ao portador da bola pois o Benfica é muito forte no 1x1.
  • 5. Situação 1: A equipa saia jogar pelos centrais e um dos médios (Rúben Pinto, principalmente) desce para vir buscar jogo. O André Gomes coloca-se um pouco mais à frente
  • 6. Situação 2: Adversário bem fechado, e a equipa procura muito os laterais. O Hélder Costa desce muito no terreno. A equipa procura sempre o corredor central nesta fase e só coloca a bola no corredor lateral depois. Situação 3: Quando a bola está no corredor lateral, um dos médios vai receber e o extremo desmarca-se na linha formando um triângulo.
  • 7. Situação 4: A equipa tenta desequilibrar muito no corredor lateral através de combinações directas. Situação 5: A equipa coloca quase sempre a bola no apoio frontal e desmarca-se na frente a fim de fazer acelerar o seu jogo e criar desequilíbrio no adversário
  • 8. Transição Ofensiva • Neste momento de jogo, o Benfica é uma equipa que tenta sair a jogar de imediato se tem espaço antes do meio campo. Neste processo, há muitas vezes uma tentativa de acelerar em condução e depois colocar no corredor lateral (situação 6). • É uma equipa muito forte neste momento pois consegue reagir muito bem à recuperação de bola dando largura e profundidade de imediato, conseguindo desequilibrar o adversário. • Nesta fase, é também uma equipa que continua a procurar muitas combinações directas muito velozes, conseguindo sair em ataque rápido com muito sucesso. • Os laterais são também muito importantes nesta fase pois, quando a bola é colocada no corredor, estes passam nas costas do extremo e realizam um cruzamento se a bola é lá colocada ou arrastam um defesa permitindo ao portador da bola ter espaço para conduzir para zonas interiores (situação 7). • No último terço do terreno a equipa coloca várias vezes a bola no espaço principalmente por Bernardo Silva ou por André Gomes, que fazem um passe “a rasgar” (situação 8). Se recuperam a bola nestas zonas, são muito rápidos a sair em direcção à baliza adversária • Quando não há espaço para sair a jogar antes do meio campo, a equipa tende a bater para o corredor lateral e quando o adversário reage bem à perda de bola e fecha o espaço de imediato, a equipa organiza o jogo por trás, voltando à 1ª fase de construção. • Sugestões: Pressionar de imediato o portador se o Benfica está em inferioridade, fechando bem os espaços e obrigando a jogar para trás. Fechar de imediato as linhas de passe mais próximas a fim de evitar combinações directas.
  • 9. Situação 6: A equipa, quando tem espaço antes do meio campo, tenta acelerar o jogo com condução de bola e depois colocá-la no corredor lateral. O jogador que conduz inicialmente acompanha o processo até ao final.
  • 10. Situação 7: Os laterias fazem vários envolvimentos no corredor nesta fase permitindo fazendo um cruzamento ou arrastando um defesa possibilitando o extremo de entrar para zonas interiores, pois um defesa é arrastado Situação 8: A equipa coloca a bola no espaço várias vezes, por parte do Bernardo Silva ou do André Gomes
  • 11. Organização Defensiva • É uma equipa que tenta limitar a 1ª fase de construção do adversário exercendo uma pressão alta sobre os centrais, com um médio que sobre (Bernardo Silva, na maioria das vezes), com um pivot, com o avançado e um extremo (situação 9). Nesta situação, os médios fecham as linhas de passe no corredor central. • Exerce uma grande pressão nos médios do adversário e, quando ó portador está de costas para a baliza, há um acompanhamento imediato nele e fecham-se as linhas de passe mais próximas (situação 10) • No meio campo, há sempre um acompanhamento agressivo ao portador da bola que não tem espaço para conduzir nem para executar um passe (situação 11). Nestas alturas a cobertura está próxima, e o equilíbrio defensivo é bem executado. Por vezes, o lateral do lado contrário não fecha e preocupa-se só com o jogador • É uma equipa com as linhas muito juntas, com um bloco muito compacto e agressivo. • Um dos defesas centrais (Steven Vitória, essencialmente) acompanha sempre o avançado da equipa adversária e, por vezes, há um grande desequilíbrio defensivo devido a esse acompanhamento (situação 12) • É uma equipa fraca a defender cruzamentos quando há muito mobilidade dentro de área (ou jogadores vindo de fora de área ou das costas da defesa). Fracos quando o cruzamento é para o segundo poste ou para perto da pequena área • Sugestões: Jogar com falso avançado de modo a provocar a subida de um dos centrais do Benfica e criar desequilíbrio defensivo. Rodar rápido o centro de jogo, obrigando a bascular a equipa a fim de se abrir espaços.
  • 12. Situação 9: Pressão alta na 1ª fase de construção. Os dois médios fecham as linhas de passe no corredor central. Situação 10: É exercida uma grande pressão no meio campo e quando o adversário está de costas para a baliza, há um acompanhamento e fecham-se as linhas de passe mais próximas
  • 13. Situação 11: Grande pressão no meio campo que limita a acção do jogador adversário. É uma equipa muito agressiva nas disputas de bola, no 1x1 com o adversário.
  • 14. Situação 12: Acompanhamento constante do Steven Vitória ao avançado adversário, o que por vezes provoca um grande desequilíbrio defensivo na equipa
  • 15. Transição Defensiva • É uma equipa que reage bem à perda de bola no meio campo ofensivo devido ao aglomerado de jogadores nessa zona, mas que não reage tão bem quando perde a bola ainda no meio campo defensivo, ficando descompensada defensivamente. • Nas situação em que perdem a bola no meio campo ofensivo reagem bem e pressionam de imediato porque estão em superioridade numérica. Mas quando a linha defensiva está demasiado adiantada e a bola é colocada nas suas costas, principalmente do lado do Fábio Cardoso, a equipa fica com dificuldades, devido à velocidade desse defesa. • Se perdem a bola no meio campo, há pressão imediata no portador (situação 13) • Logo que há um passe para o corredor lateral, há uma aproximação imediata no portador. • Quando a equipa está em inferioridade numérica, realiza contenção e a linha defensiva tenta baixar no terreno de imediato acompanhando os jogadores da frente e fechando os espaços (situação 14) • Quando perdem a bola no meio campo defensivo, a equipa é lenta, os laterais são lentos também a reagir à perda de bola, tal como o Fábio Cardoso (é muito fraco na antecipação). • Quando a linha defensiva está adiantada e a bola é colocada no espaço (do lado esquerdo principalmente), há muito espaço para condução do adversário (situação 15). Nestas situações, a equipa torna-se pouco agressiva pouco equilibrada. • Quando o Steven Vitória faz o acompanhamento ao avançado sem sucesso, a equipa fica descompensada e há espaço para conduzir e para colocar a bola entre os dois centrais (devido ao atraso no terreno do Steven Vitória) (situação 16) • Sugestões: Tentar recuperar a bola no meio campo ofensivo do Benfica a fim de procurar o desequilíbrio. Tentar colocar a bola entre os centrais quando o Steven Vitória faz o acompanhamento. Sair rápido a jogar desde trás e colocar a bola nas costas da linha defensiva (do lado esquerdo principalmente)
  • 16. Situação 13: Quando a equipa perde a bola no meio campo ofensivo, há uma pressão imediata no portador da bola Situação 14: Quando a equipa está em inferioridade numérica, realiza contenção e a linha defensiva tenta baixar no terreno de imediato acompanhando os jogadores da frente e fechando os espaços
  • 17. Situação 15:Quando a linha defensiva está adiantada e a bola é colocada no espaço (do lado esquerdo principalmente), há muito espaço para condução do adversário Situação 16: Quando o Steven Vitória faz o acompanhamento ao avançado sem sucesso, a equipa fica descompensada e há espaço para conduzir e para colocar a bola entre os dois centrais
  • 18. Esquemas Táticos Ofensivos Cantos Ofensivos Livres Ofensivos • Lado esquerdo: Urreta (pé direito) • Canto curto com jogador posicionado no bico da grande área e três jogadores na retaguarda. • Canto longo: Cinco jogadores dentro de área. Três na 1ª zona (1 no 1º poste, 1 no 2º e 1 na zona de penálti), 1 jogador atrás deles e outro vindo de trás, acompanhando o movimento da bola e atacando a bola de frente. Marca Urreta/Cancelo dos dois lados. Um jogador perto da bola e cinco jogadores dentro de área. Três na 1ª zona (1 no 1º poste, 1 no 2º e 1 na zona de penálti) e dois jogadores vindos de trás, acompanhando o movimento da bola e atacando a bola de frente. Livres directos: Urreta/ Cancelo. Ambos batem muito bem e criam perigo. Colocam-se 1 jogador na barreira e outro à entrada da área Referências nas bolas paradas ofensivas: Steven Vitória, Lolo, André Gomes, Fábio Cardoso
  • 19. Esquemas Táticos Defensivos Cantos Defensivos • Defendem à zona e marcam os jogadores livres (marcação mista) • 1 jogador ao 1º poste • 1 jogador ao 2º poste • 1 jogador no 1º espaço • 1 jogador na área de penalti • 1 entre a área de penalti e a pequena área • 1 jogador à entrada da área • Os restantes marcam HXH Livres Defensivos Defendem à zona e marcam os jogadores livres (marcação mista) Posicionamento de acordo com a linha da barreira Marcação ao homem maioritariamente e o resto na retaguarda e em zonas como o segundo poste
  • 20. Análise individual Varela É um GR muito alto e com reflexos muito bons. Esteve presente nos momentos de maior aperto do Benfica. É alto e forte nas saídas. Acompanha bem a linha defensiva quando esta está subida. João Cancelo Jogador muito ofensivo e muito irreverente. Forte nos cruzamentos, no 1x1 e muito rápido. Fábio Cardoso Central forte no desarme, mas lento na transição defensiva. Reage mal à perda de bola e é fraco na antecipação Steven Vitória Jogador alto e muito forte no acompanhamento e na antecipação ao adversário. Teve muito sucesso no desarme e é forte no cabeceamento. As suas acções de acompanhamento fazem desequilibrar a equipa, por vezes. Gianni Rodriguez Lateral rápido e muito ofensivo. Forte tecnicamente André Gomes Médio lento, mas de grande execução. Forte na 1ª fase de construção e participativo na fase de criação. Fraco na transição defensiva mas muito bom desarme. Rúben Pinto É o médio mais participativo na 1ª fase de construção, descendo no terreno para ir buscar jogo. Bernardo Silva Homem do jogo. É muito móvel, forte no passe e no 1x1, muito irreverente e de rápidas acções. Aparece muito na área e nos corredores laterais e é bom finalizador. Apesar da sua pequena estatura, é muito agressivo Urreta Extremo rápido e bom no 1x1. Tem um bom cruzamento e é forte na marcação de bolas paradas Hélder Costa É um jogador muito rápido e muito desequilibrador devido à sua técnica, velocidade e mudanças de direcção. Tem um bom pé esquerdo e remata bem. Lolo É também extremo e tem alguma velocidade. Teve dificuldades por estar a jogar de costas para a baliza. João Teixeira Jogador que trás equilíbrio, forte no passe curto e forte no posicionamento Sancidino Rápido e forte no 1x1. Entrou no jogo para desequilibrar na transição ofensiva em lances de bolas no espaço ou lances de 1x1 Esteve muito pouco tempo em campo e participou pouco no jogo