SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
   A análise filosófica da guerra
    examina a guerra do ponto de
    vista moral perguntando se pode
    haver justificação moral para a
    guerra. Não pergunta pelas
    causas da guerra mas se há
    justificação moral para travar
    alguma, como deve ser
    conduzida uma vez declarada e     Karl von Clausewitz um dos
    como agir uma vez terminada.      mais influentes pensadores
                                      da área, retratado por Karl
                                      Wilhelm Wach.
Uma definição dada por Karl Von Clausewitz diz que a guerra é “ a continuação
da política por outros meios”.Esta definição, apesar de correcta, é vaga e
incompleta pois quem só tiver esta informação não tem qualquer ideia que a
guerra pode ser, por exemplo, um conflito armado. No entanto nem todos os
conflitos armados são guerras, pequenos conflitos entre fronteiras, motins e
outras formas de violência colectiva não têm a importância ou a dimensão de
uma guerra.




   Curiosidade: A guerra dos 100 anos durou exactamente 116 anos
   Há vários tipos de guerra, como a
    guerra civil, um conflito armado
    entre facções, partidos ou grupos de
    um mesmo povo, ou ainda a que
    ocorre entre povos ou etnias
    habitantes de um mesmo país.
   Guerra económica e guerra
    psicológica designam também
    conflitos agudos com acções
    igualmente violentas mas sem o uso
    de armas. A guerra pode ter motivos
    religiosos, étnicos, ideológicos,
    económicos ou territoriais.

Curiosidade: Em 1969, eclodiu uma guerra entre El Salvador e Honduras durante um
jogo eliminatório para Copa do Mundo de Futebol (a guerra do futebol)
   Algumas pessoas acreditam
         que a guerra faz parte da
         biologia humana, da sua
         necessidade de controlo
         territorial   e     natureza
         agressiva e há quem acredite
         que a causa da guerra é a
         perca da racionalidade por
         parte do Homem.




Frase:"O homem tem que estabelecer um final para a guerra, senão, a guerra
estabelecerá um final para a humanidade." (John F. Kennedy)
   Devido ao seu carácter violento e
      aos enormes efeitos na vida das
      pessoas e das sociedades, a
      guerra é uma fonte óbvia de
      questões de natureza moral. A
      mais importante dessas questões
      é a de saber se a guerra pode em
      alguma       circunstância      ser
      justificada ou se, pelo contrário, é
      sempre errada…

Frase: A uma guerra justa preferimos uma paz injusta. ( Samuel Butler )
   Três teorias sobre              a
    moralidade da guerra:
   O Realismo
   O Pacifismo
   A Teoria da Guerra Justa




Frase: Mais vale uma paz relativa que uma guerra ganha. ( Maria Thereza -Imperatriz
da Áustria )
   Realismo
       É uma teoria popular entre os
        cientistas políticos, que consideram
        a politica internacional como uma
        anarquia, sem quaisquer regras
        morais, tendo os estados a regra “o
        mais forte á liberdade”, sobrepondo
        o interesse do estado a todos os
        outros.




Curiosidade: No século XX, os conflitos armados provocaram, directa ou
indirectamente, a morte de 191 milhões de pessoas, mais de metade dos quais
eram civis.
   Como a guerra é apenas a
       continuação da política por
       outros meios, os realistas
       aplicam à guerra as suas
       ideias sobre a política
       internacional. A guerra só
       deve ser travada se servir os
       interesses do estado e, uma
       vez em guerra, o estado deve
       fazer tudo ao seu alcance
       para a ganhar.

Frase: "A diferença entre um anticristo genocída e um herói de guerra é apenas e tão
somente quem venceu a guerra."(Marcelo Eiras)
   Pacifismo
     O pacifismo, ao contrário do realismo,
      não separa a ética da guerra. Os
      pacifistas consideram em geral que a
      guerra está dentro da esfera da moral.
      O problema está em que, do ponto de
      vista dos pacifistas, nenhuma guerra
      pode ser moralmente justificada. Seja
      por razões de princípio seja devido às
      consequências que dela resultam, a
      guerra é sempre errada.

 Frase: Vivemos num mundo onde nos escondemos para fazer amor! Enquanto a
violência é praticada em plena luz do dia. John Lennon
   O pacifismo moderno é de dois
       tipos,      consequencialista       e
       deontologista . O pacifismo
       consequencialista           baseia-se
       normalmente na alegação que os
       benefícios da guerra nunca superam
       os seus malefícios, ao passo que o
       pacifismo deontologista parte da
       ideia que a guerra é intrinsecamente
       errada porque viola deveres
       absolutos como o de não matar
       seres humanos.

Frase: A coragem alimenta as guerras, mas é o medo que as faz nascer. ( Émile-
Auguste Chartier )
   A Teoria da Guerra Justa
      Muitos dos primeiros cristãos,
       pensavam que a mensagem de
       Cristo proibia completamente a
       guerra e eram fortemente
       pacifistas, opondo-se a todo o
       uso da violência, mesmo para
       fins exclusivamente defensivos.
       Esta posição, no entanto, impedia
       a defesa do mundo cristão dos
       ataques dos seus inimigos e
       acabou      por      levar    ao
       desenvolvimento teoria da
       guerra justa.

Frase: "Fé é pisar no primeiro degrau, mesmo que você não veja a escada inteira."
Martin Luther King Jr.
   Ao contrário do que
    pensam os realistas, os
    defensores da teoria da
    guerra justa acreditam
    que há moralidade na
    guerra,               e
    contrariamente ao que
    acreditam os pacifistas,
    por vezes pode ser
    justificada.
                           Frase: Enquanto a cor da pele for mais importante que
                                     o brilho dos olhos, haverá guerra.
                                                 Bob Marley
    É costume distinguir entre
    os princípios que visam
    determinar quando é
    legítimo recorrer à guerra
    (jus ad bellum) e os
    princípios que procuram
    estabelecer como conduzir
    a guerra (jus in bello).
    Recentemente,         alguns
    pensadores acrescentaram
    uma terceira categoria,
    relativa ao que se deve
    fazer uma vez a guerra
    terminada (jus post bellum).
   jus ad bellum - Em que condições é
    justo declarar uma guerra
   As regras do jus ad bellum são dirigidas
    principalmente aos governantes, uma vez
    que são eles que dentro dos estados têm o
    poder de declarar a guerra. As regras são:
   1. Causa justa
   2. Recta Intenção
   3.Autoridade apropriada e declaração
    pública.
   4. Último recurso
   5. Probabilidade de sucesso
   6. Proporcionalidade.

        Frase: Olho por olho, e o mundo acabará cego .Mahatma Gandhi
   jus in bello – Em que condições uma vez
    declarada é justa a conduta dos militares
    O jus in bello respeita à justiça na guerra, àquilo
    que é permitido fazer na guerra. A
    responsabilidade pelo cumprimento das regras do
    jus in bello é dos militares. As regras do jus in
    bello são as seguintes:
   1. Obedecer a todas as leis internacionais sobre
    armas
   2. Discriminação e imunidade dos não                   Frase :Aquele que não
    combatentes                                                é capaz de se
   3. Proporcionalidade                                    governar a si mesmo
                                                             não será capaz de
   4. Prisão benévola para os prisioneiros de guerra        governar os outros.
                                                              Mahatma Gandhi
   5. Não se pode utilizar meios que são maus em si
    mesmos.
   6. As represálias são proibidas
   jus post bellum – em que
    consiste um tratamento justo
    dos vencidos.
   O jus post bellum refere-se à justiça
    durante a fase final da guerra, quando
    esta está já decidida e as operações
    bélicas propriamente ditas estão a
    terminar ou já terminaram.
    Basicamente, trata-se de saber o que
    fazer uma vez ganha a guerra .As
    ideias propostas são:
   1. Castigo
   2. Compensação
   3. Reabilitação                        Frase: “Não há nada que a guerra tenha
                                        conquistado, que não teríamos feito melhor
                                        sem ela” – Havelock Ellis
   Ideia kantiana da Paz
    Perpétua
   Kant vislumbrava um mundo
    sem guerra, o império do
    direito cosmopolita, onde as
    grandes     potências     não
    investiriam em armamentos
    bélicos. Na perspectiva
    kantiana é possível a chamada
    “paz perpétua”, desde que haja
    empenho dos Estados.



Frase: “A violência é o primeiro refúgio dos incompetentes” – Isac Asimov
Curiosidade: A guerra mais rápida da história durou 37 minutos. Uma
esquadra inglesa decidiu ancorar no porto de Zanzibar, na África, em
1896, para assistir a uma partida de críquete. O sultão de Zanzibar
não gostou e mandou o seu único navio atacar os ingleses. Quando o
navio abriu fogo, os ingleses afundaram-no rapidamente e ainda
destruíram o palácio do sultão, matando quinhentos soldados.
Zanzibar rendeu-se imediatamente e o sultão fugiu para a Alemanha.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaFernanda Monteiro
 
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei JorgeFrei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei JorgePatricia Martins
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaLuis De Sousa Rodrigues
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millLuis De Sousa Rodrigues
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderadoIsabel Moura
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)InesTeixeiraDuarte
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Dylan Bonnet
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsFilazambuja
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardenteHelena Coutinho
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaRafael Cristino
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radicalpauloricardom
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 

Mais procurados (20)

O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei JorgeFrei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
 
A falácia da derrapagem
A falácia da derrapagemA falácia da derrapagem
A falácia da derrapagem
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Educação n' os maias
Educação n' os maiasEducação n' os maias
Educação n' os maias
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Rede Concetual da Ação
Rede Concetual da AçãoRede Concetual da Ação
Rede Concetual da Ação
 

Destaque (20)

A ética da guerra
A ética da guerraA ética da guerra
A ética da guerra
 
Ética e a guerra
Ética e a guerraÉtica e a guerra
Ética e a guerra
 
Pacifismo
PacifismoPacifismo
Pacifismo
 
Calendario y resultados
Calendario y resultadosCalendario y resultados
Calendario y resultados
 
Pacifismo
PacifismoPacifismo
Pacifismo
 
Pacifismo
PacifismoPacifismo
Pacifismo
 
A guerra e uma força moral
A guerra e uma força moralA guerra e uma força moral
A guerra e uma força moral
 
Pacifismo
Pacifismo Pacifismo
Pacifismo
 
Pacifismo
PacifismoPacifismo
Pacifismo
 
Filosofia 10 sumários desenvolvidos 2011-2012 - jca
Filosofia 10   sumários desenvolvidos 2011-2012 - jcaFilosofia 10   sumários desenvolvidos 2011-2012 - jca
Filosofia 10 sumários desenvolvidos 2011-2012 - jca
 
Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
 
Guião ensaio filosófico
Guião ensaio filosóficoGuião ensaio filosófico
Guião ensaio filosófico
 
Pacifismo.
Pacifismo.Pacifismo.
Pacifismo.
 
Reforma Íntima
Reforma ÍntimaReforma Íntima
Reforma Íntima
 
Estudo junho reforma íntima www forumespirita net
Estudo junho  reforma íntima www forumespirita netEstudo junho  reforma íntima www forumespirita net
Estudo junho reforma íntima www forumespirita net
 
Educação da alma - Reforma Íntima - Espiritsimo
Educação da alma - Reforma Íntima - EspiritsimoEducação da alma - Reforma Íntima - Espiritsimo
Educação da alma - Reforma Íntima - Espiritsimo
 
Filosofia da Computação e da Informação
Filosofia da Computação e da InformaçãoFilosofia da Computação e da Informação
Filosofia da Computação e da Informação
 
A etica na guerra do seculo xxi
A etica na guerra do seculo xxiA etica na guerra do seculo xxi
A etica na guerra do seculo xxi
 
Reforma íntima
Reforma íntimaReforma íntima
Reforma íntima
 

Semelhante a O problema da moralidade da guerra

Podem as guerras ser morais?
Podem as guerras ser morais?Podem as guerras ser morais?
Podem as guerras ser morais?shadow Mel
 
Podem as guerras ser morais?
Podem as guerras ser morais?Podem as guerras ser morais?
Podem as guerras ser morais?shadow Mel
 
É A GUERRA MORAL OU NÃO?
É A GUERRA MORAL OU NÃO?É A GUERRA MORAL OU NÃO?
É A GUERRA MORAL OU NÃO?Guilherme Alves
 
Guerra Justa.pdf
Guerra Justa.pdfGuerra Justa.pdf
Guerra Justa.pdfbart3881
 
A ética da guerra
A ética da guerraA ética da guerra
A ética da guerraresespress
 
ANÁLISE DO PENSAMENTO DE EINSTEIN E FREUD SOBRE AS CAUSAS DAS GUERRAS E AS SO...
ANÁLISE DO PENSAMENTO DE EINSTEIN E FREUD SOBRE AS CAUSAS DAS GUERRAS E AS SO...ANÁLISE DO PENSAMENTO DE EINSTEIN E FREUD SOBRE AS CAUSAS DAS GUERRAS E AS SO...
ANÁLISE DO PENSAMENTO DE EINSTEIN E FREUD SOBRE AS CAUSAS DAS GUERRAS E AS SO...Faga1939
 
Teoria dos jogos artigo entrevista com robert aumann 20100504 entrevista
Teoria dos jogos   artigo entrevista com robert aumann 20100504 entrevistaTeoria dos jogos   artigo entrevista com robert aumann 20100504 entrevista
Teoria dos jogos artigo entrevista com robert aumann 20100504 entrevistamarcusjordash
 
Como eliminar as guerras em nosso planeta
Como eliminar as guerras em nosso planetaComo eliminar as guerras em nosso planeta
Como eliminar as guerras em nosso planetaFernando Alcoforado
 
A guerra e sua regulamentação pelo Direito Internacional Público
A guerra e sua regulamentação pelo Direito Internacional PúblicoA guerra e sua regulamentação pelo Direito Internacional Público
A guerra e sua regulamentação pelo Direito Internacional PúblicoBenilde Malé
 
Direitos humanos direito humanitário
Direitos humanos   direito humanitárioDireitos humanos   direito humanitário
Direitos humanos direito humanitárioUrbano Felix Pugliese
 
B. obama prémio nobel
B. obama  prémio nobelB. obama  prémio nobel
B. obama prémio nobelFilipe Prado
 
B. obama dicurso premio nobel
B. obama  dicurso premio nobelB. obama  dicurso premio nobel
B. obama dicurso premio nobelFilipe Prado
 
Não ao julgamento de crimes de guerra
Não ao julgamento de crimes de guerraNão ao julgamento de crimes de guerra
Não ao julgamento de crimes de guerraAna Carvalho
 
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA PAZ MUNDIAL PARA EVITAR A ECLOSÃO DA 3ª GUE...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA PAZ MUNDIAL PARA EVITAR A ECLOSÃO DA 3ª GUE...COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA PAZ MUNDIAL PARA EVITAR A ECLOSÃO DA 3ª GUE...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA PAZ MUNDIAL PARA EVITAR A ECLOSÃO DA 3ª GUE...Faga1939
 
KANT, Imannuel- A paz perpétua: Um projeto filosófico
KANT, Imannuel- A paz perpétua: Um projeto filosóficoKANT, Imannuel- A paz perpétua: Um projeto filosófico
KANT, Imannuel- A paz perpétua: Um projeto filosóficoRomario Moreira
 

Semelhante a O problema da moralidade da guerra (20)

Podem as guerras ser morais?
Podem as guerras ser morais?Podem as guerras ser morais?
Podem as guerras ser morais?
 
Podem as guerras ser morais?
Podem as guerras ser morais?Podem as guerras ser morais?
Podem as guerras ser morais?
 
É A GUERRA MORAL OU NÃO?
É A GUERRA MORAL OU NÃO?É A GUERRA MORAL OU NÃO?
É A GUERRA MORAL OU NÃO?
 
Guerra Justa.pdf
Guerra Justa.pdfGuerra Justa.pdf
Guerra Justa.pdf
 
A ética da guerra
A ética da guerraA ética da guerra
A ética da guerra
 
ANÁLISE DO PENSAMENTO DE EINSTEIN E FREUD SOBRE AS CAUSAS DAS GUERRAS E AS SO...
ANÁLISE DO PENSAMENTO DE EINSTEIN E FREUD SOBRE AS CAUSAS DAS GUERRAS E AS SO...ANÁLISE DO PENSAMENTO DE EINSTEIN E FREUD SOBRE AS CAUSAS DAS GUERRAS E AS SO...
ANÁLISE DO PENSAMENTO DE EINSTEIN E FREUD SOBRE AS CAUSAS DAS GUERRAS E AS SO...
 
A ética da guerra
A ética da guerraA ética da guerra
A ética da guerra
 
Teoria dos jogos artigo entrevista com robert aumann 20100504 entrevista
Teoria dos jogos   artigo entrevista com robert aumann 20100504 entrevistaTeoria dos jogos   artigo entrevista com robert aumann 20100504 entrevista
Teoria dos jogos artigo entrevista com robert aumann 20100504 entrevista
 
Como eliminar as guerras em nosso planeta
Como eliminar as guerras em nosso planetaComo eliminar as guerras em nosso planeta
Como eliminar as guerras em nosso planeta
 
A guerra e sua regulamentação pelo Direito Internacional Público
A guerra e sua regulamentação pelo Direito Internacional PúblicoA guerra e sua regulamentação pelo Direito Internacional Público
A guerra e sua regulamentação pelo Direito Internacional Público
 
Robespierre slavoj zizek
Robespierre   slavoj zizekRobespierre   slavoj zizek
Robespierre slavoj zizek
 
Direitos humanos direito humanitário
Direitos humanos   direito humanitárioDireitos humanos   direito humanitário
Direitos humanos direito humanitário
 
B. obama prémio nobel
B. obama  prémio nobelB. obama  prémio nobel
B. obama prémio nobel
 
B. obama dicurso premio nobel
B. obama  dicurso premio nobelB. obama  dicurso premio nobel
B. obama dicurso premio nobel
 
Fluzz pilulas 68
Fluzz pilulas 68Fluzz pilulas 68
Fluzz pilulas 68
 
Não ao julgamento de crimes de guerra
Não ao julgamento de crimes de guerraNão ao julgamento de crimes de guerra
Não ao julgamento de crimes de guerra
 
Fundamentos das Relações Internacionais
Fundamentos das Relações InternacionaisFundamentos das Relações Internacionais
Fundamentos das Relações Internacionais
 
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA PAZ MUNDIAL PARA EVITAR A ECLOSÃO DA 3ª GUE...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA PAZ MUNDIAL PARA EVITAR A ECLOSÃO DA 3ª GUE...COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA PAZ MUNDIAL PARA EVITAR A ECLOSÃO DA 3ª GUE...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA PAZ MUNDIAL PARA EVITAR A ECLOSÃO DA 3ª GUE...
 
KANT, Imannuel- A paz perpétua: Um projeto filosófico
KANT, Imannuel- A paz perpétua: Um projeto filosóficoKANT, Imannuel- A paz perpétua: Um projeto filosófico
KANT, Imannuel- A paz perpétua: Um projeto filosófico
 
Teses de Wilson.docx
Teses de Wilson.docxTeses de Wilson.docx
Teses de Wilson.docx
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 

O problema da moralidade da guerra

  • 1.
  • 2. A análise filosófica da guerra examina a guerra do ponto de vista moral perguntando se pode haver justificação moral para a guerra. Não pergunta pelas causas da guerra mas se há justificação moral para travar alguma, como deve ser conduzida uma vez declarada e Karl von Clausewitz um dos como agir uma vez terminada. mais influentes pensadores da área, retratado por Karl Wilhelm Wach.
  • 3. Uma definição dada por Karl Von Clausewitz diz que a guerra é “ a continuação da política por outros meios”.Esta definição, apesar de correcta, é vaga e incompleta pois quem só tiver esta informação não tem qualquer ideia que a guerra pode ser, por exemplo, um conflito armado. No entanto nem todos os conflitos armados são guerras, pequenos conflitos entre fronteiras, motins e outras formas de violência colectiva não têm a importância ou a dimensão de uma guerra. Curiosidade: A guerra dos 100 anos durou exactamente 116 anos
  • 4. Há vários tipos de guerra, como a guerra civil, um conflito armado entre facções, partidos ou grupos de um mesmo povo, ou ainda a que ocorre entre povos ou etnias habitantes de um mesmo país.  Guerra económica e guerra psicológica designam também conflitos agudos com acções igualmente violentas mas sem o uso de armas. A guerra pode ter motivos religiosos, étnicos, ideológicos, económicos ou territoriais. Curiosidade: Em 1969, eclodiu uma guerra entre El Salvador e Honduras durante um jogo eliminatório para Copa do Mundo de Futebol (a guerra do futebol)
  • 5. Algumas pessoas acreditam que a guerra faz parte da biologia humana, da sua necessidade de controlo territorial e natureza agressiva e há quem acredite que a causa da guerra é a perca da racionalidade por parte do Homem. Frase:"O homem tem que estabelecer um final para a guerra, senão, a guerra estabelecerá um final para a humanidade." (John F. Kennedy)
  • 6. Devido ao seu carácter violento e aos enormes efeitos na vida das pessoas e das sociedades, a guerra é uma fonte óbvia de questões de natureza moral. A mais importante dessas questões é a de saber se a guerra pode em alguma circunstância ser justificada ou se, pelo contrário, é sempre errada… Frase: A uma guerra justa preferimos uma paz injusta. ( Samuel Butler )
  • 7. Três teorias sobre a moralidade da guerra:  O Realismo  O Pacifismo  A Teoria da Guerra Justa Frase: Mais vale uma paz relativa que uma guerra ganha. ( Maria Thereza -Imperatriz da Áustria )
  • 8. Realismo  É uma teoria popular entre os cientistas políticos, que consideram a politica internacional como uma anarquia, sem quaisquer regras morais, tendo os estados a regra “o mais forte á liberdade”, sobrepondo o interesse do estado a todos os outros. Curiosidade: No século XX, os conflitos armados provocaram, directa ou indirectamente, a morte de 191 milhões de pessoas, mais de metade dos quais eram civis.
  • 9. Como a guerra é apenas a continuação da política por outros meios, os realistas aplicam à guerra as suas ideias sobre a política internacional. A guerra só deve ser travada se servir os interesses do estado e, uma vez em guerra, o estado deve fazer tudo ao seu alcance para a ganhar. Frase: "A diferença entre um anticristo genocída e um herói de guerra é apenas e tão somente quem venceu a guerra."(Marcelo Eiras)
  • 10. Pacifismo  O pacifismo, ao contrário do realismo, não separa a ética da guerra. Os pacifistas consideram em geral que a guerra está dentro da esfera da moral. O problema está em que, do ponto de vista dos pacifistas, nenhuma guerra pode ser moralmente justificada. Seja por razões de princípio seja devido às consequências que dela resultam, a guerra é sempre errada. Frase: Vivemos num mundo onde nos escondemos para fazer amor! Enquanto a violência é praticada em plena luz do dia. John Lennon
  • 11. O pacifismo moderno é de dois tipos, consequencialista e deontologista . O pacifismo consequencialista baseia-se normalmente na alegação que os benefícios da guerra nunca superam os seus malefícios, ao passo que o pacifismo deontologista parte da ideia que a guerra é intrinsecamente errada porque viola deveres absolutos como o de não matar seres humanos. Frase: A coragem alimenta as guerras, mas é o medo que as faz nascer. ( Émile- Auguste Chartier )
  • 12. A Teoria da Guerra Justa  Muitos dos primeiros cristãos, pensavam que a mensagem de Cristo proibia completamente a guerra e eram fortemente pacifistas, opondo-se a todo o uso da violência, mesmo para fins exclusivamente defensivos. Esta posição, no entanto, impedia a defesa do mundo cristão dos ataques dos seus inimigos e acabou por levar ao desenvolvimento teoria da guerra justa. Frase: "Fé é pisar no primeiro degrau, mesmo que você não veja a escada inteira." Martin Luther King Jr.
  • 13. Ao contrário do que pensam os realistas, os defensores da teoria da guerra justa acreditam que há moralidade na guerra, e contrariamente ao que acreditam os pacifistas, por vezes pode ser justificada. Frase: Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, haverá guerra. Bob Marley
  • 14. É costume distinguir entre os princípios que visam determinar quando é legítimo recorrer à guerra (jus ad bellum) e os princípios que procuram estabelecer como conduzir a guerra (jus in bello). Recentemente, alguns pensadores acrescentaram uma terceira categoria, relativa ao que se deve fazer uma vez a guerra terminada (jus post bellum).
  • 15. jus ad bellum - Em que condições é justo declarar uma guerra  As regras do jus ad bellum são dirigidas principalmente aos governantes, uma vez que são eles que dentro dos estados têm o poder de declarar a guerra. As regras são:  1. Causa justa  2. Recta Intenção  3.Autoridade apropriada e declaração pública.  4. Último recurso  5. Probabilidade de sucesso  6. Proporcionalidade. Frase: Olho por olho, e o mundo acabará cego .Mahatma Gandhi
  • 16. jus in bello – Em que condições uma vez declarada é justa a conduta dos militares  O jus in bello respeita à justiça na guerra, àquilo que é permitido fazer na guerra. A responsabilidade pelo cumprimento das regras do jus in bello é dos militares. As regras do jus in bello são as seguintes:  1. Obedecer a todas as leis internacionais sobre armas  2. Discriminação e imunidade dos não Frase :Aquele que não combatentes é capaz de se  3. Proporcionalidade governar a si mesmo não será capaz de  4. Prisão benévola para os prisioneiros de guerra governar os outros. Mahatma Gandhi  5. Não se pode utilizar meios que são maus em si mesmos.  6. As represálias são proibidas
  • 17. jus post bellum – em que consiste um tratamento justo dos vencidos.  O jus post bellum refere-se à justiça durante a fase final da guerra, quando esta está já decidida e as operações bélicas propriamente ditas estão a terminar ou já terminaram. Basicamente, trata-se de saber o que fazer uma vez ganha a guerra .As ideias propostas são:  1. Castigo  2. Compensação  3. Reabilitação Frase: “Não há nada que a guerra tenha conquistado, que não teríamos feito melhor sem ela” – Havelock Ellis
  • 18. Ideia kantiana da Paz Perpétua  Kant vislumbrava um mundo sem guerra, o império do direito cosmopolita, onde as grandes potências não investiriam em armamentos bélicos. Na perspectiva kantiana é possível a chamada “paz perpétua”, desde que haja empenho dos Estados. Frase: “A violência é o primeiro refúgio dos incompetentes” – Isac Asimov
  • 19. Curiosidade: A guerra mais rápida da história durou 37 minutos. Uma esquadra inglesa decidiu ancorar no porto de Zanzibar, na África, em 1896, para assistir a uma partida de críquete. O sultão de Zanzibar não gostou e mandou o seu único navio atacar os ingleses. Quando o navio abriu fogo, os ingleses afundaram-no rapidamente e ainda destruíram o palácio do sultão, matando quinhentos soldados. Zanzibar rendeu-se imediatamente e o sultão fugiu para a Alemanha.