SlideShare uma empresa Scribd logo
O HOMEM VESTIDO 
DE LINHO 
4º Trimestre de 2014 
Lição 11 
Pr. Moisés Sampaio de Paula
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
2 
Pr. Moisés Sampaio de Paula
OBJETIVOS 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
3 
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 
• Discorrer sobre a visão celestial de Daniel. 
• Explicar o significado do homem vestido de 
linho. 
• Saber que os anjos de Deus são seres 
espirituais ajudadores.
O R I E N T A Ç Ã O P E D A G Ó G I C A 
Professor, para concluir a aula da presente lição, 
reproduza o esquema abaixo de acordo com as suas 
possibilidades. O esquema é uma adaptação da 
explicação do teólogo pentecostal escocês, radicado 
nos EUA, Myer Pearman. Destaque para os alunos o 
que a Bíblia revela acerca da natureza dos anjos: são 
criaturas, espíritos, imortais e numerosos. A partir da 
análise da natureza angelical, enfatize que a Bíblia não 
nos ensina crendices quanto aos anjos. Boa aula! 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
4
A NATUREZA DOS ANJOS 
Criaturas Espíritos Imortais Numerosos 
Os anjos são 
criaturas. Antes da 
criação da 
humanidade eles 
existiam. Sendo 
criados por Deus, 
os anjos rejeitam 
adora-ção 
(Ap 19.10; 
22.8,9). Logo, os 
seres humanos 
não podem adorá-los 
(Cl 2.18). 
Os anjos são 
espíritos, por isso, 
não são limitados 
ao tempo e ao 
espa-ço. 
Têm o poder de 
assumir forma 
humana a fim de 
comunicarem-se ao 
sentido dos homens 
(Gn 19.1-3). 
Também não são 
masculinos nem 
femininos. Os anjos 
não têm sexo nem 
se reproduzem (Lc 
20.30,35). 
Os anjos não estão 
sujeitos à morte. 
Nosso Senhor, 
Jesus de Nazaré, 
em Lucas 20.34-36, 
explica que os 
ressuscitados no 
último dia serão 
iguais aos anjos: 
nunca mais 
morrerão. 
As Escrituras 
informam- 
-nos que o número 
de anjos é grande: 
milhares serviam a 
Deus (Dn 
7.10); mais de doze 
legi-ões 
(Mt 26.53); um 
exército celestial (Lc 
2.13). 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
5
Palavra chave 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
6
Esboço da Lição 
I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) 
1. "Foi revelada uma palavra a Daniel". 
2. Daniel um homem de oração. 
3. A tristeza de Daniel. 
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) 
1. Um "homem vestido de linho". 
2. "Eis que uma mão me tocou". 
3. "O príncipe do reino da Pérsia". 
III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) 
1. Daniel é confortado por um anjo (10.10-12). 
2. O conflito entre o Arcanjo Miguel e o príncipe do reino da 
Pérsia (10.13). 
3. A hostilidade espiritual contra o povo de Deus. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
7
INTRODUÇÃO 
• Ao estudarmos o capítulo dez, precisamos 
compreender que já se haviam passado uns 
quatro anos desde que Gabriel apareceu a 
Daniel com uma mensagem da parte de Deus. 
• Era o terceiro ano do reinado de Ciro da 
Pérsia, e Daniel era um homem com mais de 
90 anos de idade. Mesmo assim, não desistiu 
de orar e jejuar em favor do seu povo. 
• O capítulo dez trata da última visão do profeta 
a respeito dos acontencimentos dos últimos 
dias. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
8
I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) 
• 1. "Foi revelada uma palavra a Daniel". 
• 2. Daniel um homem de oração. 
• 3. A tristeza de Daniel. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
9
I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
10 
1. "Foi revelada uma palavra a Daniel". 
• O capítulo dez tem início com a 
visão que Daniel teve a 
respeito dos acontecimentos 
dos últimos dias. 
• Neste capítulo, temos apenas o 
início da visão e da revelação 
de Daniel. 
• Deus é Senhor e tem o 
conhecimento total e completo 
do futuro. Sua revelação é 
infalível e não deixa nenhuma 
dúvida.
I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
11 
2. Daniel um homem de oração. 
• Lendo os primeiros versículos 
do capítulo dez, podemos ver 
que Daniel estava mais uma 
vez se dedicando à oração e ao 
jejum. 
• Mesmo estando exilado e tendo 
que servir a reis pagãos, Daniel 
não se descuidou de sua vida 
de jejum e oração. 
• Ele era um homem que tinha 
um espírito excelente, por isso 
Deus lhe revelou seus 
desígnios.
I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
12 
2. Daniel um homem de oração. 
• Daniel era um homem 
determinado e consciente da 
situação do seu povo. 
• Talvez, por isso, tivesse por 
três semanas consecutivas 
(21 dias) orado, jejuado e 
não se ungido com 
unguento (v. 3). 
• A perseverança de Daniel em 
oração fez com que os céus 
se abrissem. Temos um Deus 
que ouve e responde as 
nossas orações (Jr 33.3).
I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
13 
2. Daniel um homem de oração. 
• Daniel não desistiu de clamar e 
pedir pelo retorno do seu povo. 
Ele sabia o quanto Deus é 
Poderoso e que no tempo certo 
Ele agiria em favor dos israelitas. 
• O tempo de Deus não está preso 
às circunstâncias históricas. No 
tempo devido, seus desígnios são 
concretizados. 
• Daniel, havia entendido que o 
plano de Deus para o seu povo 
não havia findado.
I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
14 
3. A tristeza de Daniel. 
• " Estive triste por três 
semanas completas" (10.2). 
Não sabemos o motivo real 
que trouxe tamanha tristeza e 
dor ao coração de Daniel. 
• Todavia, sabemos que ele 
não se deixou abater por sua 
melancolia. Daniel continuou a 
orar e jejuar, buscando o 
socorro divino.
I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
15 
3. A tristeza de Daniel. 
• As adversidades e tristezas 
desta vida não podem nos 
impedir de orar e prosseguir 
em nossa caminhada. 
• Talvez um dos motivos da 
tristeza de Daniel seja o fato 
de que no terceiro ano de Ciro 
o trabalho da reconstrução do 
Templo havia sido 
interrompido (Ed 4.4,5, 23,24).
SINOPSE DO TÓPICO (1) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
16 
Daniel, um homem de 
oração, sentiu o peso da 
tristeza acerca da revelação 
das últimas coisas.
Perguntas 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
17 
1. Como se inicia o capítulo dez? 
R. Com a visão que Daniel teve a respeito dos 
acontecimentos dos últimos dias.
Perguntas 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
18 
2. Qual era o motivo da tristeza de 
Daniel? 
R. Não sabemos o motivo real que trouxe 
tamanha tristeza e dor ao coração de Daniel. 
Todavia, sabemos que ele não se deixou 
abater por sua melancolia. Daniel continuou a 
orar e jejuar, buscando o socorro divino.
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE 
LINHO (10.4,5) 
• 1. Um "homem vestido de linho". 
• 2. "Eis que uma mão me tocou". 
• 3. "O príncipe do reino da Pérsia". 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
19
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO 
(10.4,5) 
• A visão de Daniel é muito 
parecida com a que João teve 
na ilha de Patmos (Ap 1.12-20) 
e com a do profeta Ezequiel 
(Ez 1.26). 
• Acredita-se que, assim como 
João e Ezequiel, o profeta 
Daniel tenha visto o Senhor 
Jesus Cristo. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
20 
1. Um "homem vestido de linho".
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO 
(10.4,5) 
• Tanto João como Daniel 
tiveram a mesma reação diante 
de tal visão: 
desfaleceram. 
• Eles não encontraram forças 
para ficar de pé (Dn 10.8; Ap 
1.17). 
• Homem algum pode resitir 
diante da glória do Senhor. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
21 
1. Um "homem vestido de linho".
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO 
(10.4,5) 
• A visão do Filho do 
Homem fez com que as 
forças físicas de Daniel se 
esgotassem, todavia, o 
Senhor enviou um anjo 
para tocar o seu profeta 
(Dn 10.10). 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
22 
1. Um "homem vestido de linho".
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO 
(10.4,5) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
23 
2. "Eis que uma mão me tocou". 
•Daniel é tocado 
pelo anjo de Deus 
e ouve palavras 
de consolo. 
O que sabemos sobre os anjos?
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO 
(10.4,5) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
24 
Anjos 
Os anjos são seres celestiais reais, 
porém nem sempre podemos vê-los 
(Hb 12.22). 
1 
A Palavra de Deus declara que eles são 
"espíritos ministradores, enviados para 
servir a favor daqueles que hão de 
herdar a salvação" (Hb 1.14). 
2 
Alguns anjos se rebelaram contra Deus 
(Jd 6), cometendo um grave pecado. 
Estes foram expulsos do céu. 
3
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO 
(10.4,5) 
Anjos O número de anjos é imenso (Hb 12.22), porém, 
no livro do profeta Daniel encontramos a 
referência a dois anjos em especial: Gabriel, que 
ajudou a Daniel a compreender as revelações 
divinas (Dn 9.21-27) e Miguel, o arcanjo, protetor 
de Israel (Dn 12.1). 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
25 
4 
No Antigo Testamento, uma das atribuições 
dos anjos era guardar o povo de Deus (2 Rs 
6.17). 5 
Na Bíblia os anjos também foram utilizados 
como agentes na execução do julgamento 
divino (Gn 19.1). 6
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO 
(10.4,5) 
•Quem era este 
príncipe? 
1. A maioria dos teólogos acredita 
que este príncipe seja um anjo 
satânico. 
2. Estes seres malignos 
obedecem ao comando de seu 
chefe, o Diabo. 
3. Neste capítulo, eles aparecem 
em oposição ao povo de Deus 
(vv.13,20). 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
26 
3. "O príncipe do reino da Pérsia".
II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO 
(10.4,5) 
• Precisamos de discernimento 
em relação aos anjos, pois a 
Palavra de Deus afirma que o 
próprio Satanás 
pode disfarçar-se 
em anjo de luz (2 
Co 11.14). 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
27 
3. "O príncipe do reino da Pérsia".
SINOPSE DO TÓPICO (2) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
28 
A visão de Daniel acerca do 
homem vestido de linho é 
semelhante a que o 
apóstolo João teve na Ilha 
de Patmos e com a do 
profeta Ezequiel.
Perguntas 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
29 
3. A visão de Daniel no capítulo dez 
se parece com quais visões? 
R. A visão de Daniel é muito parecida com a 
que João teve na ilha de Patmos (Ap 1.12-20) 
e com a do profeta Ezequiel (Ez 1.26).
Perguntas 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
30 
4. Quem era o "homem vestido de 
linho"? 
R. Acredita-se que, assim como João e 
Ezequiel, o profeta Daniel tenha visto o Senhor 
Jesus Cristo.
III. DANIEL É CONFORTADO POR 
UM ANJO (10.10-12) 
• 1. A visão (vv.13,14). 
• 2. "Os santos do Altíssimo" (v.18). 
• 3. A destruição do Anticristo (vv.26,27). 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
31
III. DANIEL É CONFORTADO POR UM 
ANJO (10.10-12) 
• Diante da visão o profeta perdeu as 
suas forças. Porém, o Senhor envia 
um anjo para tocar Daniel e 
restaurar as suas forças físicas. 
• A mão do anjo tocou o profeta e o 
ergueu. Observe que Daniel, "o 
homem mui desejado," ficou como 
morto e depois de joelhos diante do 
Senhor. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
32 
1. Daniel é confortado por um anjo 
(10.10-12). 
No grande dia, como ficarão aqueles que rejeitam e 
desprezam o Filho de Deus?
III. DANIEL É CONFORTADO POR UM 
ANJO (10.10-12) 
• No capítulo dez do livro de 
Daniel, dois príncipes das 
milícias satânicas são 
identificados: "o príncipe do 
reino da Pérsia" (v.13) e o 
"príncipe da Grécia" (v.20). 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
33 
2. O conflito entre o Arcanjo Miguel e o 
príncipe do reino da Pérsia (10.13). 
Estes príncipes não eram 
homens comuns, mas anjos 
satânicos.
III. DANIEL É CONFORTADO POR UM 
ANJO (10.10-12) 
• Estes anjos caídos só foram 
derrotados depois que Deus 
enviou Miguel, o príncipe de 
Israel (v. 21). 
• O anjo que falava com o profeta 
explicou que o princípe da Pérsia 
estava impedindo que a 
mensagem de Deus fosse 
entregue. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
34 
2. O conflito entre o Arcanjo Miguel e o 
príncipe do reino da Pérsia (10.13).
III. DANIEL É CONFORTADO POR UM 
ANJO (10.10-12) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
35 
2. O conflito entre o Arcanjo Miguel e o 
príncipe do reino da Pérsia (10.13). 
• O próposito de 
Satanás era impedir 
que Daniel 
recebesse a 
revelação do 
Senhor.
III. DANIEL É CONFORTADO POR UM 
ANJO (10.10-12) 
3. A hostilidade espiritual contra o povo 
de Deus. 
• O Inimigo tenta de todas as 
formas destruir Israel, todavia o 
Senhor tem uma aliança eterna 
com o seu povo. 
• Satanás não pode impedir a 
bênção de Deus para Israel. 
• O Inimigo também tenta de todas 
as formas destruir a Igreja de 
Cristo. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
36
III. DANIEL É CONFORTADO POR UM 
ANJO (10.10-12) 
3. A hostilidade espiritual contra o povo 
de Deus. 
• Satanás se opõe a Igreja assim 
como o rei da Pérsia se opôs a 
Daniel e ao anjo do Senhor. 
• Há resistência espiritual às 
nossas orações e a nós. 
• Quando oramos entramos em 
batalha contra as potestades do 
mal (Ef 6.12). 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
37
III. DANIEL É CONFORTADO POR UM 
ANJO (10.10-12) 
3. A hostilidade espiritual contra o povo 
de Deus. 
• Israel tem o seu ajudador, o 
arcanjo Miguel. 
• A Igreja é guardada pelo 
próprio Senhor Jesus Cristo, 
aquele que venceu as forças 
do Inimigo ao morrer e 
ressuscitar ao terceiro dia. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
38
SINOPSE DO TÓPICO (3) 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
39 
Diante da visão Daniel 
desfaleceu. Mas, Deus 
enviou-lhe um anjo para 
confortá-lo e reerguê-lo.
Perguntas 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
40 
5. Segundo a lição, quem era o 
príncipe da Pérsia? 
R. A maioria dos teólogos acredita que este 
príncipe seja um anjo satânico.
Conclusão 
• Duas vezes o anjo de Deus 
tocou em Daniel para que ele 
pudesse recobrar as suas forças 
físicas. 
• O toque de Deus nos anima e 
nos fortalece para que 
possamos, como Daniel, servir 
ao Senhor com temor e amor. 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
41
Subsídio Bibliológico 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
42 
A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I 
Subsídio Exegético 
"Uma Visão Celestial de Conflitos Terrenos, 10.1-12.13 
A maioria dos intérpretes concorda em que os últimos três capítulos do 
livro de Daniel constituem uma unidade. Keil descreve os conteúdos 
dessa seção como 'A revelação das aflições do Povo de Deus Infligidas 
pelos Governantes do Mundo até a Consumação do Reino de Deus'. 
Essa seção não está em forma de sonho ou visão. Ela é uma revelação, 
que vem diretamente a Daniel por intermédio de um ser celestial que age 
como o mediador da verdade. A expressão foi revelada uma palavra a 
Daniel (10.1) contém a palavra niglah, a forma passiva do verbo que 
significa 'desvendar, manifestar, revelar'. Essa manifestação culminante 
experimentada por Daniel veio a ele na forma mais elevada de revelação, 
através do encontro direto com a deidade. Keil descreve essa experiência 
como uma teofania, uma manifestação ou aparição de Deus" (PRICE, 
Ross; GRAY, C. Paul (et al). Comentário Bíblico Beacon: Isaías a Daniel. 
1.ed. vol. 4. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp.538-39).
Subsídio Bibliológico 
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
43 
A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I I 
Subsídio Bibliológico 
"Anjos Caídos 
Os anjos malignos, dos quais Satanás é o príncipe (Jo 12.31; 14.30; Ef 2.2; cf. 6.12), se opõem aos bons 
(Dn 10.13), perturbam o bem-estar do homem às vezes adquirindo o controle que Deus tem sobre as forças da 
natureza (Jó 1.12-19) e as doenças (Jó 2.4-7); cf. Lc 13.16; At 10.38). Eles tentam o homem para pecar (Gn 
3.1-7; Mt 4.3; Jo 13.27; 1 Pe 5.8) e espalham falsas doutrinas (1 Rs 22.21-23; 2 Co 11.13,14; 2 Ts 2.2; 1 Tm 
4.1). No entanto, sua liberdade para tentar e testar o homem está sujeita à vontade permissiva de Deus (Jó 
1.12; 2.6). 
Embora eles ainda tenham a sua habilitação no céu e, às vezes, tenham acesso ao próprio trono de Deus 
(Jó 1.6), serão lançados à terra por Miguel e seus anjos antes da Grande Tribulação (Ap 12.7-9), e finalmente 
serão lançados no lago de fogo e enxofre 'preparado para o diabo e seus anjos' (Mt 25.41). 
Os anjos, como seres criados separadamente, não se casam nem se dão em casamento (Mt 22.30; Lc 
20.36). Em contraste, os homens são todos participantes da raça humana e descenderam do primeiro casal, 
Adão e Eva. Deus, portanto, não pode lidar com os anjos através de um representante e, sendo assim, os 
anjos caídos não podem ser remidos por um comandante federal como o homem (por exemplo, 'em Adão' e 
'em Cristo' Rm 5.12ss.; 1 Co 15.22). 
Com que base Deus, então, separou os santos anjos (Mt 25.31; Mc 8.38) daqueles que pecaram (2 Pe 2.4; 
cf. Jd 6)? Com base em sua obediência, amor e lealdade a Ele. Aqueles que seguiram a Lúcifer em sua 
rebelião contra Deus (Is 14.12-17; Ez 28.12-19) desse modo pecaram e caíram. Alguns destes foram colocados 
em cadeias eternas (Jd 6), mas os outros ainda estão livres e ativos e são chamados demônios. Aqueles anjos 
que continuaram firmes em amor, lealdade e obediência a Deus foram confirmados em um caráter de justiça. 
Assim, os anjos podiam pecar ou permanecer puros até serem totalmente testados e confirmados em justiça" 
(PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, F. Dicionário Bíblico Wycliffe. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p.139).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 
44 
Pr. Moisés Sampaio 
• Pastor auxiliar da Igreja Assembleia 
de Deus em Rio Branco, AC, Brasil. 
• Palestrante de seminários e 
pregador no Brasil e exterior. 
• Contato

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aprenda a fazer um esboço de pregação
Aprenda a fazer um esboço de pregaçãoAprenda a fazer um esboço de pregação
Aprenda a fazer um esboço de pregação
Nelson Pereira
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
Respirando Deus
 
37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lição 2 - A intensidade das profecias de Jeremias
Lição 2 - A intensidade das profecias de JeremiasLição 2 - A intensidade das profecias de Jeremias
Lição 2 - A intensidade das profecias de Jeremias
Éder Tomé
 
As Sete Trombetas
As Sete TrombetasAs Sete Trombetas
As Sete Trombetas
RODRIGO FERREIRA
 
26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lição 12 - O Mundo Vindouro
Lição 12 - O Mundo VindouroLição 12 - O Mundo Vindouro
Lição 12 - O Mundo Vindouro
Éder Tomé
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
As características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igrejaAs características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igreja
Pastor Juscelino Freitas
 
66 estudo panorâmico da bíblia (o livro de cantares)
66   estudo panorâmico da bíblia (o livro de cantares)66   estudo panorâmico da bíblia (o livro de cantares)
66 estudo panorâmico da bíblia (o livro de cantares)
Robson Tavares Fernandes
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
Egmon Pereira
 
As obras e os decretos de Deus
As obras e os decretos de DeusAs obras e os decretos de Deus
As obras e os decretos de Deus
dimas campos
 
Habacuque Profeta Menor Antigo Testamento
Habacuque Profeta Menor Antigo TestamentoHabacuque Profeta Menor Antigo Testamento
Habacuque Profeta Menor Antigo Testamento
Célia Regina Carvalho
 
O DIÁCONO E A DIACONISA - DEVERES E RESPONSABILIDADES (1).pdf
O DIÁCONO E A DIACONISA - DEVERES E RESPONSABILIDADES (1).pdfO DIÁCONO E A DIACONISA - DEVERES E RESPONSABILIDADES (1).pdf
O DIÁCONO E A DIACONISA - DEVERES E RESPONSABILIDADES (1).pdf
MaSiTeixeira
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
Respirando Deus
 
4º trimestre 2015 lição 01 adultos
4º trimestre 2015 lição 01 adultos4º trimestre 2015 lição 01 adultos
4º trimestre 2015 lição 01 adultos
Joel Silva
 
Compromisso com Deus - Direitos e Deveres dos Cristãos
Compromisso com Deus - Direitos e Deveres dos CristãosCompromisso com Deus - Direitos e Deveres dos Cristãos
Compromisso com Deus - Direitos e Deveres dos Cristãos
Márcio Pereira
 
Parousia o arrebatamento da igreja
Parousia   o arrebatamento da igrejaParousia   o arrebatamento da igreja
Parousia o arrebatamento da igreja
jonasfreitasdejesus
 
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no EgitoLição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Éder Tomé
 

Mais procurados (20)

Aprenda a fazer um esboço de pregação
Aprenda a fazer um esboço de pregaçãoAprenda a fazer um esboço de pregação
Aprenda a fazer um esboço de pregação
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 
37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias
 
41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque
 
Lição 2 - A intensidade das profecias de Jeremias
Lição 2 - A intensidade das profecias de JeremiasLição 2 - A intensidade das profecias de Jeremias
Lição 2 - A intensidade das profecias de Jeremias
 
As Sete Trombetas
As Sete TrombetasAs Sete Trombetas
As Sete Trombetas
 
26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes
 
Lição 12 - O Mundo Vindouro
Lição 12 - O Mundo VindouroLição 12 - O Mundo Vindouro
Lição 12 - O Mundo Vindouro
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
 
As características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igrejaAs características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igreja
 
66 estudo panorâmico da bíblia (o livro de cantares)
66   estudo panorâmico da bíblia (o livro de cantares)66   estudo panorâmico da bíblia (o livro de cantares)
66 estudo panorâmico da bíblia (o livro de cantares)
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
 
As obras e os decretos de Deus
As obras e os decretos de DeusAs obras e os decretos de Deus
As obras e os decretos de Deus
 
Habacuque Profeta Menor Antigo Testamento
Habacuque Profeta Menor Antigo TestamentoHabacuque Profeta Menor Antigo Testamento
Habacuque Profeta Menor Antigo Testamento
 
O DIÁCONO E A DIACONISA - DEVERES E RESPONSABILIDADES (1).pdf
O DIÁCONO E A DIACONISA - DEVERES E RESPONSABILIDADES (1).pdfO DIÁCONO E A DIACONISA - DEVERES E RESPONSABILIDADES (1).pdf
O DIÁCONO E A DIACONISA - DEVERES E RESPONSABILIDADES (1).pdf
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
 
4º trimestre 2015 lição 01 adultos
4º trimestre 2015 lição 01 adultos4º trimestre 2015 lição 01 adultos
4º trimestre 2015 lição 01 adultos
 
Compromisso com Deus - Direitos e Deveres dos Cristãos
Compromisso com Deus - Direitos e Deveres dos CristãosCompromisso com Deus - Direitos e Deveres dos Cristãos
Compromisso com Deus - Direitos e Deveres dos Cristãos
 
Parousia o arrebatamento da igreja
Parousia   o arrebatamento da igrejaParousia   o arrebatamento da igreja
Parousia o arrebatamento da igreja
 
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no EgitoLição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
 

Destaque

O linho
O linhoO linho
O linho
Leda Saboia
 
O linho
O linhoO linho
O linho
Manuela Alves
 
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHOLIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
Natalino das Neves Neves
 
Apostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC Americana
Apostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC AmericanaApostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC Americana
Apostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC Americana
José Carlos de Castro
 
Materiais e Processos Têxteis
Materiais e Processos TêxteisMateriais e Processos Têxteis
Materiais e Processos Têxteis
José Carlos de Castro
 
Que evangelho é este? EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 13
Que evangelho é este? EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 13Que evangelho é este? EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 13
Que evangelho é este? EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 13
Andre Nascimento
 
Salmo 37
Salmo 37Salmo 37
A Casa do Caminho - Wilma Badan
A Casa do Caminho - Wilma BadanA Casa do Caminho - Wilma Badan
A Casa do Caminho - Wilma Badan
Wilma Badan C.G.
 
Fibras naturais
Fibras naturaisFibras naturais
Fibras naturais
Heliana Fornitani
 
Comentários de joão Calvino sobre a lei
Comentários de joão Calvino sobre a leiComentários de joão Calvino sobre a lei
Comentários de joão Calvino sobre a lei
Eduardo Braz
 
34. O Profeta Oséias
34. O Profeta Oséias34. O Profeta Oséias
34. O Profeta Oséias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2
fogotv
 
Lição 03 1º mandamento
Lição 03   1º mandamentoLição 03   1º mandamento
Lição 03 1º mandamento
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Como plantar Algodão
Como plantar AlgodãoComo plantar Algodão
Como plantar Algodão
Leandro Almeida
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
Moisés Sampaio
 
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vidaConfissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Apresentação Graça e Salvação
Apresentação  Graça e SalvaçãoApresentação  Graça e Salvação
Apresentação Graça e Salvação
Márcio Melânia
 
Catecismo igreja-catolica
Catecismo igreja-catolicaCatecismo igreja-catolica
Catecismo igreja-catolica
Silva Guthierre
 
Aula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e TitulaçãoAula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e Titulação
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Lei e graça pp
Lei e graça ppLei e graça pp
Lei e graça pp
edilenemarcel
 

Destaque (20)

O linho
O linhoO linho
O linho
 
O linho
O linhoO linho
O linho
 
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHOLIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
 
Apostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC Americana
Apostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC AmericanaApostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC Americana
Apostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC Americana
 
Materiais e Processos Têxteis
Materiais e Processos TêxteisMateriais e Processos Têxteis
Materiais e Processos Têxteis
 
Que evangelho é este? EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 13
Que evangelho é este? EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 13Que evangelho é este? EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 13
Que evangelho é este? EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 13
 
Salmo 37
Salmo 37Salmo 37
Salmo 37
 
A Casa do Caminho - Wilma Badan
A Casa do Caminho - Wilma BadanA Casa do Caminho - Wilma Badan
A Casa do Caminho - Wilma Badan
 
Fibras naturais
Fibras naturaisFibras naturais
Fibras naturais
 
Comentários de joão Calvino sobre a lei
Comentários de joão Calvino sobre a leiComentários de joão Calvino sobre a lei
Comentários de joão Calvino sobre a lei
 
34. O Profeta Oséias
34. O Profeta Oséias34. O Profeta Oséias
34. O Profeta Oséias
 
Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2
 
Lição 03 1º mandamento
Lição 03   1º mandamentoLição 03   1º mandamento
Lição 03 1º mandamento
 
Como plantar Algodão
Como plantar AlgodãoComo plantar Algodão
Como plantar Algodão
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vidaConfissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
 
Apresentação Graça e Salvação
Apresentação  Graça e SalvaçãoApresentação  Graça e Salvação
Apresentação Graça e Salvação
 
Catecismo igreja-catolica
Catecismo igreja-catolicaCatecismo igreja-catolica
Catecismo igreja-catolica
 
Aula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e TitulaçãoAula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e Titulação
 
Lei e graça pp
Lei e graça ppLei e graça pp
Lei e graça pp
 

Semelhante a O homem vestido de linho

O tempo da profecia de daniel
O tempo da profecia de danielO tempo da profecia de daniel
O tempo da profecia de daniel
Moisés Sampaio
 
O homem vestido de linho
O homem vestido de linhoO homem vestido de linho
O homem vestido de linho
Ailton da Silva
 
As setentas semanas
As setentas semanasAs setentas semanas
As setentas semanas
Vilma Erbe
 
4 t2014 l1_recife (2 folhas)
4 t2014 l1_recife (2 folhas)4 t2014 l1_recife (2 folhas)
4 t2014 l1_recife (2 folhas)
Evangelista Silva
 
LIÇÃO 13 – O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
LIÇÃO 13 – O TEMPO DA PROFECIA DE DANIELLIÇÃO 13 – O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
LIÇÃO 13 – O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
Lourinaldo Serafim
 
Escatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamentoEscatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamento
Francileide Corte Real
 
Lição 9
Lição 9Lição 9
Lição 9
gsansoa1
 
Deus abomina a soberba
Deus abomina a soberbaDeus abomina a soberba
Deus abomina a soberba
Moisés Sampaio
 
33. O profeta Daniel
33. O profeta Daniel33. O profeta Daniel
33. O profeta Daniel
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lição 11 os milagres de eliseu
Lição 11 os milagres de eliseuLição 11 os milagres de eliseu
Lição 11 os milagres de eliseu
Daniel Viana
 
Lição 11 o homem vestido de linho
Lição 11   o homem vestido de linhoLição 11   o homem vestido de linho
Lição 11 o homem vestido de linho
wellington semeador
 
Daniel 9
Daniel 9Daniel 9
Daniel 1
Daniel 1Daniel 1
Daniel 1
Hezir Henrique
 
Livro de Daniel cap 10
Livro de Daniel cap 10Livro de Daniel cap 10
Livro de Daniel cap 10
Francisco Sousa
 
Ansioso para perdoar_Lição original com textos_622013
Ansioso para perdoar_Lição original com textos_622013Ansioso para perdoar_Lição original com textos_622013
Ansioso para perdoar_Lição original com textos_622013
Gerson G. Ramos
 
Lição 13 o tempo da profecia de daniel
Lição 13 o tempo da profecia de danielLição 13 o tempo da profecia de daniel
Lição 13 o tempo da profecia de daniel
Daniel Viana
 
Licao10
Licao10Licao10
CETADEB, Lição 1 - Livro Teologia Pastoral I
CETADEB, Lição 1 - Livro Teologia Pastoral ICETADEB, Lição 1 - Livro Teologia Pastoral I
CETADEB, Lição 1 - Livro Teologia Pastoral I
Ednilson do Valle
 
JEJUM DE DANIEL APOSTILA
JEJUM DE DANIEL APOSTILAJEJUM DE DANIEL APOSTILA
JEJUM DE DANIEL APOSTILA
Ana Elisa
 
O homem vestido de linho
O homem vestido de linhoO homem vestido de linho
O homem vestido de linho
pralucianaevangelista
 

Semelhante a O homem vestido de linho (20)

O tempo da profecia de daniel
O tempo da profecia de danielO tempo da profecia de daniel
O tempo da profecia de daniel
 
O homem vestido de linho
O homem vestido de linhoO homem vestido de linho
O homem vestido de linho
 
As setentas semanas
As setentas semanasAs setentas semanas
As setentas semanas
 
4 t2014 l1_recife (2 folhas)
4 t2014 l1_recife (2 folhas)4 t2014 l1_recife (2 folhas)
4 t2014 l1_recife (2 folhas)
 
LIÇÃO 13 – O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
LIÇÃO 13 – O TEMPO DA PROFECIA DE DANIELLIÇÃO 13 – O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
LIÇÃO 13 – O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
 
Escatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamentoEscatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamento
 
Lição 9
Lição 9Lição 9
Lição 9
 
Deus abomina a soberba
Deus abomina a soberbaDeus abomina a soberba
Deus abomina a soberba
 
33. O profeta Daniel
33. O profeta Daniel33. O profeta Daniel
33. O profeta Daniel
 
Lição 11 os milagres de eliseu
Lição 11 os milagres de eliseuLição 11 os milagres de eliseu
Lição 11 os milagres de eliseu
 
Lição 11 o homem vestido de linho
Lição 11   o homem vestido de linhoLição 11   o homem vestido de linho
Lição 11 o homem vestido de linho
 
Daniel 9
Daniel 9Daniel 9
Daniel 9
 
Daniel 1
Daniel 1Daniel 1
Daniel 1
 
Livro de Daniel cap 10
Livro de Daniel cap 10Livro de Daniel cap 10
Livro de Daniel cap 10
 
Ansioso para perdoar_Lição original com textos_622013
Ansioso para perdoar_Lição original com textos_622013Ansioso para perdoar_Lição original com textos_622013
Ansioso para perdoar_Lição original com textos_622013
 
Lição 13 o tempo da profecia de daniel
Lição 13 o tempo da profecia de danielLição 13 o tempo da profecia de daniel
Lição 13 o tempo da profecia de daniel
 
Licao10
Licao10Licao10
Licao10
 
CETADEB, Lição 1 - Livro Teologia Pastoral I
CETADEB, Lição 1 - Livro Teologia Pastoral ICETADEB, Lição 1 - Livro Teologia Pastoral I
CETADEB, Lição 1 - Livro Teologia Pastoral I
 
JEJUM DE DANIEL APOSTILA
JEJUM DE DANIEL APOSTILAJEJUM DE DANIEL APOSTILA
JEJUM DE DANIEL APOSTILA
 
O homem vestido de linho
O homem vestido de linhoO homem vestido de linho
O homem vestido de linho
 

Mais de Moisés Sampaio

AS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
AS SETENTA semanas de Daniel o calendário proféticoAS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
AS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
Moisés Sampaio
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
Moisés Sampaio
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
Moisés Sampaio
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Moisés Sampaio
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
Moisés Sampaio
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
Moisés Sampaio
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
Moisés Sampaio
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
Moisés Sampaio
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
Moisés Sampaio
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
Moisés Sampaio
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
Moisés Sampaio
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
Moisés Sampaio
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
Moisés Sampaio
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
Moisés Sampaio
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
Moisés Sampaio
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
Moisés Sampaio
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
Moisés Sampaio
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
Moisés Sampaio
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
Moisés Sampaio
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
Moisés Sampaio
 

Mais de Moisés Sampaio (20)

AS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
AS SETENTA semanas de Daniel o calendário proféticoAS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
AS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 

O homem vestido de linho

  • 1. O HOMEM VESTIDO DE LINHO 4º Trimestre de 2014 Lição 11 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 2. Pr. Moisés Sampaio de Paula 2 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 3. OBJETIVOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 3 Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • Discorrer sobre a visão celestial de Daniel. • Explicar o significado do homem vestido de linho. • Saber que os anjos de Deus são seres espirituais ajudadores.
  • 4. O R I E N T A Ç Ã O P E D A G Ó G I C A Professor, para concluir a aula da presente lição, reproduza o esquema abaixo de acordo com as suas possibilidades. O esquema é uma adaptação da explicação do teólogo pentecostal escocês, radicado nos EUA, Myer Pearman. Destaque para os alunos o que a Bíblia revela acerca da natureza dos anjos: são criaturas, espíritos, imortais e numerosos. A partir da análise da natureza angelical, enfatize que a Bíblia não nos ensina crendices quanto aos anjos. Boa aula! Pr. Moisés Sampaio de Paula 4
  • 5. A NATUREZA DOS ANJOS Criaturas Espíritos Imortais Numerosos Os anjos são criaturas. Antes da criação da humanidade eles existiam. Sendo criados por Deus, os anjos rejeitam adora-ção (Ap 19.10; 22.8,9). Logo, os seres humanos não podem adorá-los (Cl 2.18). Os anjos são espíritos, por isso, não são limitados ao tempo e ao espa-ço. Têm o poder de assumir forma humana a fim de comunicarem-se ao sentido dos homens (Gn 19.1-3). Também não são masculinos nem femininos. Os anjos não têm sexo nem se reproduzem (Lc 20.30,35). Os anjos não estão sujeitos à morte. Nosso Senhor, Jesus de Nazaré, em Lucas 20.34-36, explica que os ressuscitados no último dia serão iguais aos anjos: nunca mais morrerão. As Escrituras informam- -nos que o número de anjos é grande: milhares serviam a Deus (Dn 7.10); mais de doze legi-ões (Mt 26.53); um exército celestial (Lc 2.13). Pr. Moisés Sampaio de Paula 5
  • 6. Palavra chave Pr. Moisés Sampaio de Paula 6
  • 7. Esboço da Lição I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) 1. "Foi revelada uma palavra a Daniel". 2. Daniel um homem de oração. 3. A tristeza de Daniel. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) 1. Um "homem vestido de linho". 2. "Eis que uma mão me tocou". 3. "O príncipe do reino da Pérsia". III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) 1. Daniel é confortado por um anjo (10.10-12). 2. O conflito entre o Arcanjo Miguel e o príncipe do reino da Pérsia (10.13). 3. A hostilidade espiritual contra o povo de Deus. Pr. Moisés Sampaio de Paula 7
  • 8. INTRODUÇÃO • Ao estudarmos o capítulo dez, precisamos compreender que já se haviam passado uns quatro anos desde que Gabriel apareceu a Daniel com uma mensagem da parte de Deus. • Era o terceiro ano do reinado de Ciro da Pérsia, e Daniel era um homem com mais de 90 anos de idade. Mesmo assim, não desistiu de orar e jejuar em favor do seu povo. • O capítulo dez trata da última visão do profeta a respeito dos acontencimentos dos últimos dias. Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
  • 9. I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) • 1. "Foi revelada uma palavra a Daniel". • 2. Daniel um homem de oração. • 3. A tristeza de Daniel. Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
  • 10. I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) Pr. Moisés Sampaio de Paula 10 1. "Foi revelada uma palavra a Daniel". • O capítulo dez tem início com a visão que Daniel teve a respeito dos acontecimentos dos últimos dias. • Neste capítulo, temos apenas o início da visão e da revelação de Daniel. • Deus é Senhor e tem o conhecimento total e completo do futuro. Sua revelação é infalível e não deixa nenhuma dúvida.
  • 11. I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) Pr. Moisés Sampaio de Paula 11 2. Daniel um homem de oração. • Lendo os primeiros versículos do capítulo dez, podemos ver que Daniel estava mais uma vez se dedicando à oração e ao jejum. • Mesmo estando exilado e tendo que servir a reis pagãos, Daniel não se descuidou de sua vida de jejum e oração. • Ele era um homem que tinha um espírito excelente, por isso Deus lhe revelou seus desígnios.
  • 12. I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) Pr. Moisés Sampaio de Paula 12 2. Daniel um homem de oração. • Daniel era um homem determinado e consciente da situação do seu povo. • Talvez, por isso, tivesse por três semanas consecutivas (21 dias) orado, jejuado e não se ungido com unguento (v. 3). • A perseverança de Daniel em oração fez com que os céus se abrissem. Temos um Deus que ouve e responde as nossas orações (Jr 33.3).
  • 13. I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) Pr. Moisés Sampaio de Paula 13 2. Daniel um homem de oração. • Daniel não desistiu de clamar e pedir pelo retorno do seu povo. Ele sabia o quanto Deus é Poderoso e que no tempo certo Ele agiria em favor dos israelitas. • O tempo de Deus não está preso às circunstâncias históricas. No tempo devido, seus desígnios são concretizados. • Daniel, havia entendido que o plano de Deus para o seu povo não havia findado.
  • 14. I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) Pr. Moisés Sampaio de Paula 14 3. A tristeza de Daniel. • " Estive triste por três semanas completas" (10.2). Não sabemos o motivo real que trouxe tamanha tristeza e dor ao coração de Daniel. • Todavia, sabemos que ele não se deixou abater por sua melancolia. Daniel continuou a orar e jejuar, buscando o socorro divino.
  • 15. I. UMA VISÃO CELESTIAL (10.1-3) Pr. Moisés Sampaio de Paula 15 3. A tristeza de Daniel. • As adversidades e tristezas desta vida não podem nos impedir de orar e prosseguir em nossa caminhada. • Talvez um dos motivos da tristeza de Daniel seja o fato de que no terceiro ano de Ciro o trabalho da reconstrução do Templo havia sido interrompido (Ed 4.4,5, 23,24).
  • 16. SINOPSE DO TÓPICO (1) Pr. Moisés Sampaio de Paula 16 Daniel, um homem de oração, sentiu o peso da tristeza acerca da revelação das últimas coisas.
  • 17. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 17 1. Como se inicia o capítulo dez? R. Com a visão que Daniel teve a respeito dos acontecimentos dos últimos dias.
  • 18. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 18 2. Qual era o motivo da tristeza de Daniel? R. Não sabemos o motivo real que trouxe tamanha tristeza e dor ao coração de Daniel. Todavia, sabemos que ele não se deixou abater por sua melancolia. Daniel continuou a orar e jejuar, buscando o socorro divino.
  • 19. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) • 1. Um "homem vestido de linho". • 2. "Eis que uma mão me tocou". • 3. "O príncipe do reino da Pérsia". Pr. Moisés Sampaio de Paula 19
  • 20. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) • A visão de Daniel é muito parecida com a que João teve na ilha de Patmos (Ap 1.12-20) e com a do profeta Ezequiel (Ez 1.26). • Acredita-se que, assim como João e Ezequiel, o profeta Daniel tenha visto o Senhor Jesus Cristo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 20 1. Um "homem vestido de linho".
  • 21. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) • Tanto João como Daniel tiveram a mesma reação diante de tal visão: desfaleceram. • Eles não encontraram forças para ficar de pé (Dn 10.8; Ap 1.17). • Homem algum pode resitir diante da glória do Senhor. Pr. Moisés Sampaio de Paula 21 1. Um "homem vestido de linho".
  • 22. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) • A visão do Filho do Homem fez com que as forças físicas de Daniel se esgotassem, todavia, o Senhor enviou um anjo para tocar o seu profeta (Dn 10.10). Pr. Moisés Sampaio de Paula 22 1. Um "homem vestido de linho".
  • 23. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) Pr. Moisés Sampaio de Paula 23 2. "Eis que uma mão me tocou". •Daniel é tocado pelo anjo de Deus e ouve palavras de consolo. O que sabemos sobre os anjos?
  • 24. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) Pr. Moisés Sampaio de Paula 24 Anjos Os anjos são seres celestiais reais, porém nem sempre podemos vê-los (Hb 12.22). 1 A Palavra de Deus declara que eles são "espíritos ministradores, enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação" (Hb 1.14). 2 Alguns anjos se rebelaram contra Deus (Jd 6), cometendo um grave pecado. Estes foram expulsos do céu. 3
  • 25. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) Anjos O número de anjos é imenso (Hb 12.22), porém, no livro do profeta Daniel encontramos a referência a dois anjos em especial: Gabriel, que ajudou a Daniel a compreender as revelações divinas (Dn 9.21-27) e Miguel, o arcanjo, protetor de Israel (Dn 12.1). Pr. Moisés Sampaio de Paula 25 4 No Antigo Testamento, uma das atribuições dos anjos era guardar o povo de Deus (2 Rs 6.17). 5 Na Bíblia os anjos também foram utilizados como agentes na execução do julgamento divino (Gn 19.1). 6
  • 26. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) •Quem era este príncipe? 1. A maioria dos teólogos acredita que este príncipe seja um anjo satânico. 2. Estes seres malignos obedecem ao comando de seu chefe, o Diabo. 3. Neste capítulo, eles aparecem em oposição ao povo de Deus (vv.13,20). Pr. Moisés Sampaio de Paula 26 3. "O príncipe do reino da Pérsia".
  • 27. II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (10.4,5) • Precisamos de discernimento em relação aos anjos, pois a Palavra de Deus afirma que o próprio Satanás pode disfarçar-se em anjo de luz (2 Co 11.14). Pr. Moisés Sampaio de Paula 27 3. "O príncipe do reino da Pérsia".
  • 28. SINOPSE DO TÓPICO (2) Pr. Moisés Sampaio de Paula 28 A visão de Daniel acerca do homem vestido de linho é semelhante a que o apóstolo João teve na Ilha de Patmos e com a do profeta Ezequiel.
  • 29. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 29 3. A visão de Daniel no capítulo dez se parece com quais visões? R. A visão de Daniel é muito parecida com a que João teve na ilha de Patmos (Ap 1.12-20) e com a do profeta Ezequiel (Ez 1.26).
  • 30. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 30 4. Quem era o "homem vestido de linho"? R. Acredita-se que, assim como João e Ezequiel, o profeta Daniel tenha visto o Senhor Jesus Cristo.
  • 31. III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) • 1. A visão (vv.13,14). • 2. "Os santos do Altíssimo" (v.18). • 3. A destruição do Anticristo (vv.26,27). Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
  • 32. III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) • Diante da visão o profeta perdeu as suas forças. Porém, o Senhor envia um anjo para tocar Daniel e restaurar as suas forças físicas. • A mão do anjo tocou o profeta e o ergueu. Observe que Daniel, "o homem mui desejado," ficou como morto e depois de joelhos diante do Senhor. Pr. Moisés Sampaio de Paula 32 1. Daniel é confortado por um anjo (10.10-12). No grande dia, como ficarão aqueles que rejeitam e desprezam o Filho de Deus?
  • 33. III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) • No capítulo dez do livro de Daniel, dois príncipes das milícias satânicas são identificados: "o príncipe do reino da Pérsia" (v.13) e o "príncipe da Grécia" (v.20). Pr. Moisés Sampaio de Paula 33 2. O conflito entre o Arcanjo Miguel e o príncipe do reino da Pérsia (10.13). Estes príncipes não eram homens comuns, mas anjos satânicos.
  • 34. III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) • Estes anjos caídos só foram derrotados depois que Deus enviou Miguel, o príncipe de Israel (v. 21). • O anjo que falava com o profeta explicou que o princípe da Pérsia estava impedindo que a mensagem de Deus fosse entregue. Pr. Moisés Sampaio de Paula 34 2. O conflito entre o Arcanjo Miguel e o príncipe do reino da Pérsia (10.13).
  • 35. III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) Pr. Moisés Sampaio de Paula 35 2. O conflito entre o Arcanjo Miguel e o príncipe do reino da Pérsia (10.13). • O próposito de Satanás era impedir que Daniel recebesse a revelação do Senhor.
  • 36. III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) 3. A hostilidade espiritual contra o povo de Deus. • O Inimigo tenta de todas as formas destruir Israel, todavia o Senhor tem uma aliança eterna com o seu povo. • Satanás não pode impedir a bênção de Deus para Israel. • O Inimigo também tenta de todas as formas destruir a Igreja de Cristo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 36
  • 37. III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) 3. A hostilidade espiritual contra o povo de Deus. • Satanás se opõe a Igreja assim como o rei da Pérsia se opôs a Daniel e ao anjo do Senhor. • Há resistência espiritual às nossas orações e a nós. • Quando oramos entramos em batalha contra as potestades do mal (Ef 6.12). Pr. Moisés Sampaio de Paula 37
  • 38. III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (10.10-12) 3. A hostilidade espiritual contra o povo de Deus. • Israel tem o seu ajudador, o arcanjo Miguel. • A Igreja é guardada pelo próprio Senhor Jesus Cristo, aquele que venceu as forças do Inimigo ao morrer e ressuscitar ao terceiro dia. Pr. Moisés Sampaio de Paula 38
  • 39. SINOPSE DO TÓPICO (3) Pr. Moisés Sampaio de Paula 39 Diante da visão Daniel desfaleceu. Mas, Deus enviou-lhe um anjo para confortá-lo e reerguê-lo.
  • 40. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 40 5. Segundo a lição, quem era o príncipe da Pérsia? R. A maioria dos teólogos acredita que este príncipe seja um anjo satânico.
  • 41. Conclusão • Duas vezes o anjo de Deus tocou em Daniel para que ele pudesse recobrar as suas forças físicas. • O toque de Deus nos anima e nos fortalece para que possamos, como Daniel, servir ao Senhor com temor e amor. Pr. Moisés Sampaio de Paula 41
  • 42. Subsídio Bibliológico Pr. Moisés Sampaio de Paula 42 A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I Subsídio Exegético "Uma Visão Celestial de Conflitos Terrenos, 10.1-12.13 A maioria dos intérpretes concorda em que os últimos três capítulos do livro de Daniel constituem uma unidade. Keil descreve os conteúdos dessa seção como 'A revelação das aflições do Povo de Deus Infligidas pelos Governantes do Mundo até a Consumação do Reino de Deus'. Essa seção não está em forma de sonho ou visão. Ela é uma revelação, que vem diretamente a Daniel por intermédio de um ser celestial que age como o mediador da verdade. A expressão foi revelada uma palavra a Daniel (10.1) contém a palavra niglah, a forma passiva do verbo que significa 'desvendar, manifestar, revelar'. Essa manifestação culminante experimentada por Daniel veio a ele na forma mais elevada de revelação, através do encontro direto com a deidade. Keil descreve essa experiência como uma teofania, uma manifestação ou aparição de Deus" (PRICE, Ross; GRAY, C. Paul (et al). Comentário Bíblico Beacon: Isaías a Daniel. 1.ed. vol. 4. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp.538-39).
  • 43. Subsídio Bibliológico Pr. Moisés Sampaio de Paula 43 A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I I Subsídio Bibliológico "Anjos Caídos Os anjos malignos, dos quais Satanás é o príncipe (Jo 12.31; 14.30; Ef 2.2; cf. 6.12), se opõem aos bons (Dn 10.13), perturbam o bem-estar do homem às vezes adquirindo o controle que Deus tem sobre as forças da natureza (Jó 1.12-19) e as doenças (Jó 2.4-7); cf. Lc 13.16; At 10.38). Eles tentam o homem para pecar (Gn 3.1-7; Mt 4.3; Jo 13.27; 1 Pe 5.8) e espalham falsas doutrinas (1 Rs 22.21-23; 2 Co 11.13,14; 2 Ts 2.2; 1 Tm 4.1). No entanto, sua liberdade para tentar e testar o homem está sujeita à vontade permissiva de Deus (Jó 1.12; 2.6). Embora eles ainda tenham a sua habilitação no céu e, às vezes, tenham acesso ao próprio trono de Deus (Jó 1.6), serão lançados à terra por Miguel e seus anjos antes da Grande Tribulação (Ap 12.7-9), e finalmente serão lançados no lago de fogo e enxofre 'preparado para o diabo e seus anjos' (Mt 25.41). Os anjos, como seres criados separadamente, não se casam nem se dão em casamento (Mt 22.30; Lc 20.36). Em contraste, os homens são todos participantes da raça humana e descenderam do primeiro casal, Adão e Eva. Deus, portanto, não pode lidar com os anjos através de um representante e, sendo assim, os anjos caídos não podem ser remidos por um comandante federal como o homem (por exemplo, 'em Adão' e 'em Cristo' Rm 5.12ss.; 1 Co 15.22). Com que base Deus, então, separou os santos anjos (Mt 25.31; Mc 8.38) daqueles que pecaram (2 Pe 2.4; cf. Jd 6)? Com base em sua obediência, amor e lealdade a Ele. Aqueles que seguiram a Lúcifer em sua rebelião contra Deus (Is 14.12-17; Ez 28.12-19) desse modo pecaram e caíram. Alguns destes foram colocados em cadeias eternas (Jd 6), mas os outros ainda estão livres e ativos e são chamados demônios. Aqueles anjos que continuaram firmes em amor, lealdade e obediência a Deus foram confirmados em um caráter de justiça. Assim, os anjos podiam pecar ou permanecer puros até serem totalmente testados e confirmados em justiça" (PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, F. Dicionário Bíblico Wycliffe. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p.139).
  • 44. Pr. Moisés Sampaio de Paula 44 Pr. Moisés Sampaio • Pastor auxiliar da Igreja Assembleia de Deus em Rio Branco, AC, Brasil. • Palestrante de seminários e pregador no Brasil e exterior. • Contato